Page 1

salvar

52 anos

salvando vidas

www.bombeiros.go.gov.br

as e riquez Vidas alheias


2

O BOMBEIRO

CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS

Missão Proteger a vida, o patrimônio e o meio ambiente para o bem-estar da sociedade.

Visão Manter-se como uma instituição pública reconhecida pela excelência dos atendimentos prestados.

Valores Hierarquia e disciplina, civismo, trabalho em equipe, profissionalismo, comprometimento, responsabilidade e solidariedade.


O BOMBEIRO

Busca pela

excelência Desde sua criação, o Corpo de Bombeiros Militar do Estado de Goiás sempre buscou prestar serviços de excelência para a sociedade goiana. Mão amiga nas horas difíceis, a Corporação percorreu nas últimas décadas um processo constante de aperfeiçoamento de seu efetivo e tecnológico para fazer-se presente nos momentos mais importantes da história de Goiás nos últimos 52 anos. Do esforço individual de cada Bombeiro Militar goiano nasceu a força coletiva que faz hoje do CBMGO uma instituição reconhecida pela dedicação de seus integrantes e alto grau de profissionalismo. A edição especial da revista O Bombeiro conta um pouco dessa trajetória. Buscamos fazer um balanço histórico da Corporação e um diagnóstico do momento atual que é de grandes conquistas. Os desafios ainda são muitos, mas com o esforço de cada integrante do Corpo de Bombeiros Militar do Estado de Goiás enfrentaremos as adversidades e continuaremos honrando a missão de vidas alheias e riquezas salvar.

COMANDO GERAL DO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS

3


4

O BOMBEIRO

Sumário Guardiões do asfalto Serviço de resgate pré-hospitalar dos Bombeiros trabalha contra o tempo para atender vítimas de acidentes automobilísticos em todo o Estado.

12

Eficiência garantida Novos equipamentos e viaturas aumentam a eficiência e a agilidade do CBMGO. A ampliação da frota de veículos tem sido uma ação constante.

Nossa capa

26

Formação bombeiro militar A Academia Bombeiro Militar, que funciona em Goiânia, é hoje referência na formação de praças e oficiais de todo Brasil.

28

Fundação Dom Pedro II Criada em 2006, Fundação Dom Pedro II promove ações voltadas para o bem estar de bombeiros militares, pensionistas e dependentes.

A foto que ilustra a capa da edição especial da revista O Bombeiro mostra uma equipe da 6a CIBM de Mineiros em ação durante o combate ao incêndio em um depósito de algodão

Foco na prevenção A prevenção de desastres em áreas de risco e a ação coordenada nos momentos de calamidade garantem tranquilidade à população de Goiás.

Linha do Tempo 8/11

Força Interior 16/18

O Bombeiro Edição Especial, Nº 1

36 32

Quartéis do Corpo de Bombeiros em Goiás 20/21

Assessoria de Comunicação Social do CBMGO Órgão Oficial de divulgação do Corpo de Bombeiros Militar do Estado de Goiás Av Anhanguera, nº 7364, Setor Aeroviário, Goiânia-GO Cep: 74.435-800 E-mail: bm5@bombeiros.go.gov.br Fone: (62) 3201-2030. Site: www.bombeiros.go.gov.br e www.twitter.com/cbmgo Supervisão editorial: Deire Assis / Design Gráfico: Fábio Salazar


O BOMBEIRO

5

VALORIZAÇÃO BOMBEIRO MILITAR Série de ações realizadas pelo Comando Geral do CBMGO foi responsável pelo reconhecimento e profissionalização dos bombeiros militares goianos

38


6

O BOMBEIRO

GRANDES OPERAÇÕES

Durante todo o ano, o CBMGO coloca em prática operações que visam garantir a segurança da comunidade em datas como o carnaval, os feriados da Semana Santa, a Romaria de Trindade e tantos outros eventos do

No fogo... Entre os meses de maio e novembro não é apenas a população que sofre com a baixa umidade do ar em Goiás, a vegetação e os animais também enfrentam um período de muitas queimadas. A alta umidade do ar forma uma camada natural que protege a vegetação e na época da seca essa proteção acaba. Neste período, o CBMGO põe em prática a Operação Cerrado Vivo, que tem como objetivo prevenir e combater focos de incêndio em vegetação. O Corpo de Bombeiros Militar desenvolve ações visando prevenção, controle e extinção de incêndio em vegetação nas reservas ecológicas e em outras unidades de conservação, bem como nas margens de rodovias no território goiano, no intuito de preservar a fauna e a flora, evitando acidentes automobilísticos, danos às pessoas e ao patrimônio. O foco da Operação Cerrado Vivo é o trabalho preventivo. Os bombeiros alertam que é preciso conscientizar a população goiana do risco de provocar queimadas. Em menor escala do que no passado, mas cuja propagação hoje pode ser até mais perigosa, ainda se pratica o procedimento de queimadas para a pre-

4,2 mil

paração do solo em função de atividades agrícolas e pecuárias, como plantios ou formação de pastagens. Nos últimos anos, a Corporação recebeu uma série de investimentos em treinamento de pessoal e materiais específicos para o combate a incêndios em vegetação e urbano, equipamentos de proteção individual, de salvamento, além de viaturas, como unidades de resgate e caminhões de combate a incêndio. Pela característica climática, incêndios em vegetação fazem parte da rotina anual de trabalho dos bombeiros no Estado. Hoje, o treinamento em Goiás atrai bombeiros militares de várias partes do País. A estatística do Corpo de Bombeiros Militar aponta um aumento em torno de 60% no número de ocorrências de combate a incêndio em áreas florestais em 2010 em relação ao ano passado. Além da estiagem, outras características climáticas típicas colaboram para a propagação de incêndios, como os ventos fortes, as altas temperaturas e a baixa umidade do ar. Mas é, infelizmente, na ação humana que ainda está a responsabilidade pelo início da maioria das queimadas.

foi o número de ocorrências atendidas pela Operação Cerrado Vivo em 2010


O BOMBEIRO

7

calendário anual goiano. Mas entre todas essas atividades, as que mais mobilizam o emprego de efetivo e exigem maior esforço logístico são a Operação Cerrado Vivo e a Operação Férias Turista Seguro.

...e na água Fazer jus ao slogan Operação Férias Turista Seguro tem sido uma meta do Corpo de Bombeiros Militar do Estado de Goiás (CBMGO). Desde 2007, a Corporação não registra nenhuma morte por afogamento na área dos postos do CBMGO no Rio Araguaia, o que é fruto do trabalho de orientação, fiscalização e conscientização dos turistas no que se refere às medidas de segurança no rio ou nas áreas de banho. A ação dos Bombeiros visa, entre outros objetivos, prevenir afogamentos nos principais balneários e pontos turísticos do Estado, em especial às margens do Rio Araguaia durante as férias de julho. Em 2010, a Operação Férias contou com 35 viaturas e 40 embarcações que trabalharam durante todo o mês de julho na prevenção de acidentes. Além dos quartéis dos bombeiros espalhados pelo interior do Estado, dez postos avançados foram montados em pontos estratégicos de concentração de turistas. O efetivo da Operação foi reforçado com 250 bombeiros distribuídos nesses postos. Às margens do Rio Araguaia, os bombeiros estiveram presentes em Aragarças, Itacaiu, Aruanã, Cocalinho, Bandeirantes e Luiz Alves. Em alguns casos, as unidades dos bombeiros também atuaram em pontos fora de sua sede. A operação deste ano contou com um posto

79 mil

de comando em Aruanã, às margens do Rio Araguaia. O local contou com uma estrutura diferenciada, sala para a imprensa com equipamentos necessários para o trabalho dos jornalistas. Outros postos avançados foram montados em Britânia, Faina, Chapada dos Veadeiros e Bonópolis. Além de manter equipes prontas para intervir em ocorrências de salvamento de náufragos, vítimas de afogamentos, acidentes com embarcações e outras ocorrências pertinentes às atividades de bombeiros, o CBMGO desenvolveu campanhas de prevenção de acidentes e fez o trabalho de conscientização da comunidade sobre as normas de segurança em atividades de lazer. A experiência mostra que a presença dos bombeiros nos postos inibe as transgressões por parte dos turistas. Dentro dessa política de prevenção, os bombeiros, em parceria com o Tribunal de Justiça, iniciativa privada e as prefeituras locais, levaram para a margem do Rio Araguaia o bem-sucedido projeto social Bombeiro Mirim, grupos de meninos e meninas que aprendem noções de segurança e cidadania de forma lúdica. Foram mais de 180 crianças atendidas. A 36ª Operação Férias Turista Seguro registrou 79.122 ocorrências, a maior parte ações preventivas (75.542).

foi o número de atendimentos da Operação Férias Turista Seguro em 2010


Em seus 52 anos de história, o Corpo de Bombeiros Militar do Estado de Goiás evoluiu com a sociedade goiana

Linha do Tempo

8

O BOMBEIRO

1856 Criação do Corpo de Bombeiros no Brasil l O imperador Dom Pedro II, patrono dos Corpos de Bombeiros Militares do Brasil, por meio de Decreto Imperial, criou o Corpo de Bombeiros Provisórios da Corte no Rio de Janeiro. Até então, a ocorrência de incêndio era avisada pelos sinos das igrejas, quando então toda a população corria para ajudar com baldes d’água, formando enormes filas junto às chamas.

1957 Pioneiros lA história dos Bombeiros Militares de Goiás começou com o envio de 11 pioneiros que deixaram o Estado para participar em Minas Gerais de um curso de bombeiros. Durante oito meses, um tenente e dez praças frequentaram com aproveitamento máximo o curso para se especializarem nas atividades típicas da Corporação. De volta a Goiás, colocaram em prática os novos conhecimentos.

1958 Companhia de Bombeiros em Goiás l Em 17 de dezembro, foi editada a Lei nº 2.400, que criou a Companhia de Bombeiros de Goiás. No início ela funcionou nas dependências do Comando Geral da Polícia Militar, na Rua 14, no Centro de Goiânia. Em seguida, a Companhia foi transferida para a Avenida Anhanguera, próximo ao Lago das Rosas.

1964 Com nome próprio l Pela Lei nº 5.442, de 10 de novembro, a Companhia de Bombeiros passou a denominar-se Corpo de Bombeiros Militar, com o efetivo de batalhão. Na época, os Bombeiros Militares ganharam sede definitiva onde hoje é o 1º Batalhão Bombeiro Militar (1º BBM), na Rua 66, nº 253, no Centro, próximo ao Parque Mutirama. O trem de socorro era composto por um Auto Bomba Tanque (ABT) e um Auto Pó Químico Pirsch de combate a incêndio, viaturas doadas pelo então governador do Rio de Janeiro, Carlos Lacerda.


O BOMBEIRO

1974 Rio Araguaia lA partir deste ano, os Bombeiros Militares goianos começam a fazer parte da paisagem da Temporada do Rio Araguaia. Patrimônio cultural dos goianos, o Rio Araguaia atrai milhares de turistas todos os anos durante o mês de julho. Naquela época, os militares enfrentaram a dificuldade de deslocamento e montaram acampamentos improvisados visando garantir a tranquilidade da população.

Atualmente, a Operação Férias conta com o que há de mais moderno em equipamentos e viaturas. Para garantir a segurança dos turistas, a Corporação monta postos nas principais praias do Rio. Com o tempo, a Operação Férias se espalhou pelos principais balneários do Estado. Em 2010, em sua 36ª edição, a Operação Férias Turista Seguro do CBMGO registrou mais de 79 mil atendimentos, a maior parte de ações preventivas. Desde 2007, o Corpo de Bombeiros Militar não registra nenhuma morte na área dos Postos do CBMGO no Rio Araguaia, o que é fruto do trabalho de orientação, fiscalização e conscientização dos turistas no que se refere às medidas de segurança no rio ou nas áreas de banho.

1981 Unidades no interior lAnápolis, hoje sede do 3º Batalhão Bombeiro Militar (3º BBM), e Itumbiara, sede do 6º Batalhão Bombeiro Militar (6º BBM), foram as primeiras cidades do interior de Goiás a contarem com a presença dos Bombeiros Militares. Anos antes, nas décadas de 1960 e 1970, já havia começado um movimento para a interiorização dos serviços da Corporação com alguns pelotões. Em 1985, foi a vez de Rio Verde, hoje sede do 4º BBM.

1989 Emancipação lPela Constituição Estadual, promulgada em 5 de outubro de 1989, o Corpo de Bombeiros passou a constituir–se como Corporação independente e autônoma, com as seguintes missões: a execução de atividades de defesa civil; a prevenção e o combate a incêndio e situações de pânico; ações de busca e salvamento de pessoas e bens; o desenvolvimento de atividades educativas relacionadas com a defesa civil e a prevenção de incêndio e pânico e a análise de projetos e inspeção de instalações preventivas de proteção contra incêndio e pânico nas edificações, para fins de autorização para funcionamento.

9

1989 1º Comandante lEm 1º de janeiro de 1990 o governador do Estado nomeou o primeiro Comandante Geral do CBMGO, o Coronel Pedro Francisco da Silva, determinando-lhe não poupar esforços para a estruturação do Corpo de Bombeiros Militar, que passou a contar com orçamento próprio.

1990 Alma sonora l Fundada em 1º de setembro de 1990, a Banda Sinfônica do CBMGO é a alma sonora da Corporação. Sua estreia foi no desfile cívico militar de 24 de outubro do mesmo ano, sob a regência do então 2º Tenente Lecy José Maria, seu primeiro regente. Hoje, a banda é composta por 56 bombeiros militares músicos que formam uma das mais atuantes organizações musicais militares do Brasil.


10

O BOMBEIRO

1991 Especialização l Em 1991, foram formadas as primeiras turmas de soldados especializados nas atividades bombeiro militar. Nessa época, também foi formada a 1ª turma de sargentos bombeiros.

1992 Concurso para oficiais l Foi realizado o 1º concurso público para oficiais do CBMGO. Os 10 militares selecionados foram enviados para as Academias de Bombeiros no Rio de Janeiro e em Brasília, nas quais, por três anos, se especializaram nas atividades bombeiro militar e foram capacitados para exercer funções de comando. 1993 Pontos estratégicos l Dentro da política de expansão do CBMGO em regiões estratégicas de Goiás, foi instalada em outubro a unidade de Jataí. Nos anos seguintes, o processo se intensificou.

1993 Busca e Salvamento l Em julho, os Bombeiros recebem seu primeiro desencarcerador hidráulico, equipamento para a remoção de vítimas presas nas ferragens. Com uma tesoura e um expansor hidráulico acoplado, o equipamento foi um dos responsáveis pela melhoria de qualidade do serviço de busca e salvamento da Corporação. Atualmente, a CBMGO conta com o que há de mais moderno no mercado em relação à desencarceradores.

1995 Resgate lAprimorando o atendimento pré-hospitalar em Goiás, em 1995 começou a construção do futuro Batalhão de Salvamento em Emergência (BSE), no Setor Aeroporto, próximo ao Lago das Rosas. Dois anos depois, alunos de Medicina da UFG começaram a fazer um estágio prático com os Bombeiros. Em 1999, nasce o Sistema Integrado de Atendimento ao Trauma e Emergência (SIATE).

1994

2000

Autoplataforma l O Governo de Goiás autorizou a compra de uma moderna autoplataforma Bronto Skylift, importada da Finlândia.Até então, a única em funcionamento era a APA-1, adquirida em 1974. Goiânia foi a segunda cidade do País a ter a viatura polivalente com capacidade de atingir 70 metros de altura utilizada em salvamentos e combate a incêndio em edifícios.

Presença Feminina l Em 4 de fevereiro, a profissão bombeiro militar uma das mais prestigiadas pela sociedade – deixou de ser exclusividade dos homens em Goiás. Nesta data, foram incluídas 50 mulheres aprovadas em concurso público para o Curso de Formação de Soldados. O primeiro desafio da turma pioneira surgiu já no concurso público, que foi muito concorrido.


O BOMBEIRO

2000 Motonáuticas l Em outubro, foram adquiridas as primeiras 10 motonáuticas do CBMGO. Importadas do Japão, as viaturas tornaram mais ágeis as ações de resgate náutico em rios e lagos de Goiás, em especial durante a Operação Férias.

2004 Aspirantes l É formada a primeira turma de 20 oficiais, dois deles do sexo feminino, que frequentaram o curso em Goiás. Até então, a formação era feita em outros Estados. A partir da reestruturação do Centro Tecnológico de Ensino, inaugurado em 1999, e posteriormente, em 2002, transformado em Gerência de Ensino Bombeiro Militar, o Estado teve condições de capacitar seus próprios oficiais. Atualmente, a formação Bombeiro Militar em Goiás é referência para o País. Alguns Estados, através de convênios, encaminham seus alunosoficiais para serem formados em Goiás.

2004 Maratoninha l A série de eventos comemorativos ao Dia Nacional do Bombeiro, 2 de julho, ganhou neste ano a 1ª edição da Maratoninha dos Bombeiros. A divertida competição, destinada a crianças de 6 a 12 anos, foi uma forma de integrar ainda mais o Corpo de Bombeiros com a sociedade goiana e despertar nas crianças o espírito esportivo. Em 2010, o evento ganhou caráter inclusivo com a participação de crianças com necessidades especiais.

2006 Fundação Dom Pedro II l Em 16 de janeiro, o CBMGO ganha sua entidade de assistência social, a Fundação Dom Pedro II. Um dos objetivos foi proporcionar assistência social aos bombeiros, às pensionistas, a seus dependentes legais, compreendendo assistência médica, hospitalar, psicológica, farmacêutica, habitacional, educacional, esportiva, científica, pesquisa, serviço social em geral, cultural e religiosa, além de executar projetos em parceria para a comunidade. Em 2009, a Fundação Dom Pedro II foi reconhecida como entidade de utilidade pública em nível municipal.

11

2008 Cinquentenário l Uma série de eventos durante todo o ano celebrou os 50 anos do Corpo de Bombeiros Militar do Estado de Goiás. O ponto alto das comemorações foi a formatura militar no dia 2 de julho, dia Nacional do Bombeiro, no pátio do 1º Batalhão. Em maio, Jataí recebeu o Seminário Estadual de Comando e Operações de Bombeiros.

2010 Novos Bombeiros l O Governo de Goiás autorizou a realização do maior concurso público da Corporação. Além disso, houve um grande investimento na aquisição de novas viaturas, o helicóptero, materiais e equipamentos. A Corporação se consolida como uma das mais atuantes e respeitadas do País.


12

O BOMBEIRO

RESGATE

Socorro

no asfalto Cabo Maísa Alves Ribeiro Rodrigues, de 32 anos, conheceu a importância do resgate pré-hospitalar realizado pelo Corpo de Bombeiros Militar dentro de um hospital. Antes de ser aprovada no concurso da Corporação, ela era enfermeira no Pronto-Socorro do Hospital de Urgências de Goiânia (Hugo). Foi observando o trabalho dos Bombeiros que ela teve certeza que queria fazer parte da Corporação. “Eu amo o que faço. Não tem preço entregar uma vítima viva no hospital. Saber que seu trabalho fez a diferença entre viver e morrer, para alguém, é gratificante demais”, relata. Em nove anos de profissão, a enfermeira colecionou histórias dramáticas, mas também boas e compensadoras surpresas. “Como o dia em que fui reconhecida, na rua, por alguém que ajudei a resgatar num acidente de trânsito na rodovia”, lembra. Em outros momentos, porém, a Cabo do Corpo de Bombeiros se vê diante de limites próprios de quem lida diariamente com situações de tamanha violência. “Lembro-me de um acidente que fui atender assim

No Batalhão de Salvamento em Emergência do CBMGO, homens e mulheres lutam contra o tempo em favor da vida

que entrei para os Bombeiros, em que uma vítima, presa nas ferragens, mas consciente, nos pedia todo o tempo para que o ajudasse a sair dali. Fizemos tudo o que estava ao nosso alcance, mas ele não resistiu a tempo de ser salvo”, recorda-se. “Mas certamente tenho muito mais boas lembranças que ruins.” Há cinco anos no Batalhão de Salvamento em Emergência, o tenente médico José Laerte Rodrigues da Silva Júnior considera os casos de acidente envolvendo crianças os mais difíceis de atender. “Querendo ou não, nos colocamos no lugar da vítima, da sua família”, diz o médico socorrista, que é pai de dois filhos pequenos. De acordo com o oficial, as manobras mais simples de ressuscitação de um paciente todo cidadão comum pode fazer, desde que orientado por um profissional em resgate pré-hospitalar. “É muito comum em nossa Central orientarmos por telefone alguém que esteja ao lado da vítima para que a mantenha viva até a chegada de nossa unidade de resgate”, frisa o tenente médico.


RESGATE O BOMBEIRO

OCORRÊNCIAS ATENDIDAS EM 2009/2010

102.740

Os guardiões

ACIDENTE DE TRÂNSITO EM 2010

0utro/ acidente de trânsito

Fonte: COB/2010

1.568 Atropelamentos 20 Bicicleta x bicicleta 37 Bicicleta x objeto fixo 982 Capotamento/ tombamento 477 Carro x bicicleta 1.274 Carro x carro 6.490 Carro x moto 352 Carro x objeto fixo 510 Moto x bicicleta 1.539 Moto x moto 138 Moto x objeto fixo 927 Queda de bicicleta 3.695 queda de moto 69 Veículo de grande porte x bicicleta 388 Veículo de grande porte x carro 571 Veículo de grande porte x moto 32 Veículo de grande porte x objeto fixo 121 Veículo de grande porte x veículo de grande porte 570

Depois das ações de combate ao fogo, o trabalho de resgate pré-hospitalar desenvolvido pelo Corpo de Bombeiros Militar do Estado de Goiás (CBMGO) em todo Estado é, sem dúvida, o que mais aproxima a Corporação da população. O serviço realizado por todos os quartéis da Corporação faz, não raro, a diferença entre viver e morrer nos casos de acidentes de trânsito, em ocorrências de violência contra pessoa ou em situações clínicas. Como guardiões da vida, enfermeiros, médicos, oficiais e praças bombeiros militares saem diariamente às ruas sem saber o que encontrarão pela frente. Vários estudos realizados no mundo inteiro já demonstraram que o atendimento pré-hospitalar realizado de forma eficiente reduz significativamente os riscos de morte e de sequelas graves ou permanentes. No caso de uma parada cardiorespiratória, por exemplo, as chances de ressuscitação da vítima diminuem 10% a cada um minuto de espera por socorro. Quando uma unidade de resgate do Corpo de Bombeiros Militar chega para atender uma vítima, ela recebe uma dose extra de esperança. Ciente da responsabilidade dos homens e mulheres que trabalham para salvar vidas a bordo dos veículos do CBMGO, a Corporação está sempre melhorando o atendimendo na área. Com o processo de interiorização, o serviço de resgate do CBMGO hoje funciona nas principais cidades de Goiás. O Estado conta

13

com mais de 100 unidades de resgate em operação, entre Unidades de Resgate Avançado (USA), Unidades de Resgate Básico (UR) e as destinadas ao transporte de recém-nascidos, que são as Unidades Neonatais. Para garantir a eficiência do serviço prestado, os Bombeiros Militares de todo o Estado frequentam cursos constantes de aperfeiçoamento, como o Curso de Resgate, oferecido em Goiânia. Um dos objetivos do Comando do CBMGO é voltar a operar com as motos-resgate. Já está em estudo o lançamento de licitação para aquisição de dez motocicletas para esse fim. Com a moto, os Bombeiros têm condições de chegar mais rápido ao local da ocorrência e a vítima pode ser devidamente estabilizada até a chegada de um suporte especializado. Em Goiás, o serviço funciona em parceria com o Sistema Integrado de Atendimento ao Trauma e Emergência (Siate), estrutura ligada à Secretaria de Estado da Saúde. Juntos, os órgãos atuam no resgate pré-hospitalar de forma harmônica e padronizada. Constantemente são desenvolvidos cursos de atualização dos procedimentos nessa área visando aumentar, cada vez mais, os já elevados índices de sucesso no trabalho de salvamento e resgate realizado pelo Corpo de Bombeiros Militar do Estado de Goiás. Em 2010, quase 25 mil ocorrências de acidente de trânsito foram atendidas pelo Corpo de Bombeiros em Goiás. Entre os casos mais comuns estão acidentes envolvendo motociclistas e automóveis.Os resultados dessa violência podem ser comparados aos de uma guerra civil.


14

O BOMBEIRO

Doutrina operacional e administrativa do CBMGO tem foco na melhoria do atendimento

LEGISLAÇÃO

Bases legais Desde a emancipação em 1989, o Corpo de Bombeiros Militar do Estado de Goiás implantou e aperfeiçoou sua doutrina administrativa e operacional O Corpo de Bombeiros Militar do Estado de Goiás, organizado com base na hierarquia e na disciplina, enfrentou seu primeiro desafio organizacional com sua emancipação em 1989. Definido constitucionalmente como força auxiliar e reserva do Exército Brasileiro, subordinado ao Governo do Estado e integrante do sistema de segurança pública, a Corporação começou a implantar suas doutrinas em 1990, através da criação da Lei de Organização Básica, a Lei nº 11.175, de 11 de abril de 1990. Um ano depois, a Lei nº 11.416 estabeleceu o Estatuto dos Bombeiros Militares do CBMGO, que regulamentou as obriga-

ções e os deveres, os direitos e as prerrogativas dos bombeiros militares. As duas leis formaram as bases institucionais das doutrinas dos bombeiros militares em Goiás. Durante todos esses anos, houve uma preocupação do Comando Geral em estabelecer as doutrinas no âmbito do CBMGO. A Corporação entende que, sem doutrina, nenhuma organização consegue desempenhar com eficiência suas funções em prol da comunidade. Ao longo de sua existência e apesar de ser uma instituição legalmente consolidada, o CBMGO não se acomodou. Pelo contrário, buscou acompanhar as inovações tecnológicas, pro-


O BOMBEIRO

PRINCIPAIS CONQUISTAS: Proteção contra Incêndio A Lei nº 15.802, de 11 de setembro de 2006, instituiu o Código Estadual de Proteção Contra Incêndio, Explosão, Pânico e Desastres. A legislação é considerada uma das mais modernas do País e hoje é referência para outros Corpos de Bombeiros do Brasil. A legislação estadual sobre sinistros é uma das mais abrangentes e eficientes em vigor atualmente.

l

Serviço Operacional A Norma de Operações Bombeiro Militar, aprovada em 10 de maio de 2010, especifica as atividades que diferem do serviço operacional. Em muitos casos há a necessidade de mobilização de grande contingente de pessoal, logística e recursos financeiros. Algumas operações são previsíveis, como a Operação Férias, Cerrado Vivo, a Semana Santa e o Carnaval. Outros são eventos imprevisíveis, como alagamentos e enchentes, quando é preciso deslocar reforço operacional para as diversas regiões do Estado.

Controle de Material A Norma de Controle Patrimonial, aprovada em 7 de agosto de 2009, é a doutrina de procedimento básico para o controle de material permanente do CBMGO no que se refere ao recebimento, registro, movimentação, baixa, entre outros. A norma adequou o controle de material da Corporação conforme exigência do Tribunal de Contas do Estado (TCE) e Procuradoria Geral do Estado (PGE), além de legislações específicas do Poder Executivo.

l

Incêndio Florestal O CBMGO aprovou e publicou em novembro de 2010 a Norma Operacional que regulamenta as ações de combate a incêndio florestal. Tradicionalmente, há em Goiás um período de baixa umidade e estiagem com diversos incêndios em vegetação. Para combatê-los, os Bombeiros Militares goianos põem em prática as diretrizes da Operação Cerrado Vivo.

l

l

15

Regimento Interno O Regimento do Serviço Interno e Operacional Bombeiro Militar (Resiobom), aprovado em 20 de agosto de 2010, estabelece as diretrizes e os critérios básicos para confecção e execução das escalas de serviço diário e extraordinário, bem como de outras atividades administrativas e operacionais no âmbito do CBMGO.

l

gramar técnicas mais eficazes e mudanças estruturais necessárias ao perfeito cumprimento de suas missões constitucionais, com foco na melhoria do atendimento ao cidadão. Com este enfoque, as leis foram sendo criadas, alteradas e aperfeiçoadas. No início de sua história como Corporação independente, o CBMGO promoveu o intercâmbio de experiências com outras corporações do País. A primeira etapa foi a formação de oficiais nos Corpos de Bombeiros Militar do Distrito Federal (CBMDF) e Rio de Janeiro (CBMERJ). Além disso, diversos oficiais participaram de cursos de especialização em São Paulo. Observando os erros e acertos das corporações-irmãs, foi possível desenvolver uma doutrina operacional e administrativa própria, com leis, decretos, portarias, normas e diretrizes. A legislação operacional e administrativa do CBMGO, que determina a forma dos bombeiros goianos trabalharem, foi construída de forma interinstitucional, em que foram buscados conhecimentos em instituições que hoje são referência no Brasil. Em razão do crescimento do CBMGO em todo o Estado, essa doutrina é constantemente atualizada. Nos últimos anos, houve um ganho expressivo neste sentido com a criação de leis e normas que colocaram o CBMGO em lugar de destaque em relação às suas doutrinas.

No início de sua história como instituição independente, o CBMGO promoveu o intercâmbio de experiências com outras Corporações do País para aperfeiçoar suas doutrinas


Interior

Força do

16

ANÁPOLIS

URUAÇU

Agilidade no atendimento

Anjos do Asfalto

l A sede do 3º BBM, em Anápolis, para

l Uruaçu, sede do 1º PBM, está localizada

Presente em todas as regiões goianas, o Corpo de Bombeiros Militar do Estado de Goiás mantém a qualidade de seus atendimentos e serviços em todo o Estado

reduzir o tempo de resposta entre a chamada no telefone de emergência 193 e a chegada no local da ocorrência, descentralizou seus serviços com a criação de dois postos avançados na cidade. O 3º BBM é constantemente acionado para acidentes nas rodovias que cortam o município. Além disso, os bombeiros militares são responsáveis por garantir a segurança do Distrito Agro Industrial de Anápolis (DAÍA), um dos mais importantes do Estado.

às margens da BR-153, uma das principais rodovias de Goiás, com grande fluxo de pessoas e cargas. Os bombeiros militares são acionados para acidentes graves na rodovia. Verdadeiros anjos do asfalto, os militares recebem treinamento constante para estarem capacitados para todos os tipos de ocorrência. Acidentes de trânsito com vítimas presas nas ferragens exigem bastante perícia dos bombeiros no atendimento das ocorrências.

RIO VERDE

PALMEIRAS DE GOIÁS

LUZIÂNIA

Excelência no serviço

Bombeiros Mirins

Nas alturas

l Rio Verde, sede do 4º BBM, tem localização

l Como forma de estreitar os laços com a

l O salvamento em altura é uma das

estratégica no Sudoeste de Goiás. Desde sua criação, o quartel é pioneiro na busca da excelência no serviço de prevenção e salvamento. A unidade possui uma moderna estrutura administrativa e operacional capaz de atender a demanda na região. O poder operacional dos bombeiros de Rio Verde foi posto à prova – com sucesso – no incêndio da Pergidão em 2009. Cerca de 3 mil funcionários estavam no local no momento do incêndio. Todos foram retirados com vida pelos bombeiros.

comunidade, os bombeiros militares de Palmeiras de Goiás, sede da 15ª CIBM, investem em diversas ações sociais, inclusive em campanhas educativas e de combate a epidemias, como a dengue. Porém a de maior visibilidade entre todas as ações é o projeto social Bombeiro Mirim. Na primeira edição, em 2008, foram selecionados 44 adolescentes, com idades entre 10 e 14 anos, que durante quatro meses frequentaram as aulas três vezes por semana.

atividades de maior risco para o bombeiro militar e exige técnicas específicas e treinamento constante para salvar vítimas. O 5º BBM, com sede em Luziânia, iniciou em 2002 um processo de especialização na área, com a construção da primeira torre para a prática das técnicas de salvamento em altura. Desde então, várias turmas de bombeiros militares de diversas regiões do Estado realizaram o Estágio de Salvamento em Altura (ESALT) na unidade, hoje referência no assunto.


O BOMBEIRO

FORMOSA

SANTA HELENA DE GOIÁS

APARECIDA DE GOIÂNIA

Conhecendo os bombeiros

Incêndio em vegetação

Sede definitiva

l Localizada na região do Entorno do DF e às

l Santa Helena de Goiás, sede da

l Segunda maior cidade do Estado,

margens da BR- 020, Formosa é sede da 7ª CIBM. A unidade foi criada em 2003 e iniciou suas atividades com apenas uma viatura de resgate e uma viatura administrativa. Hoje, a 7ª CIBM possui uma moderna estrutura administrativa e operacional que atende toda a demanda da região. Em 2005, os bombeiros de Formosa iniciaram o projeto social Passando um dia com os bombeiros, onde crianças e adolescentes aprendem um pouco mais sobre o serviço da Corporação.

PIRENÓPOLIS

12ª CIBM, foi castigada este ano por diversos incêndios em vegetação. Um deles mobilizou grande parte do poder operacional da Corporação. O fogo que começou nos canaviais ameaçava as usinas de álcool da região. A ação rápida e coordenada dos Bombeiros de Santa Helena conseguiu impedir a propagação do fogo que poderia ter causado uma grande tragédia.

PORANGATU

Aparecida de Goiânia, sede do 7º BBM, ganhou em 2008 uma moderna estrutura onde hoje funciona o quartel dos Bombeiros. O 7º BBM é responsável pelo atendimento de uma população estimada em 500 mil habitantes, além de garantir a segurança de um importante parque industrial. As novas instalações dos Bombeiros permitiram uma melhora na qualidade do serviço prestado pela Corporação.

NIQUELÂNDIA

Segurança dos turistas

Guardião do Norte

Romaria do Muquém

l Um dos destinos turísticos mais procurados

l Porangatu é a porta de saída para quem se

l O CBMGO é presença constante na

de Goiás, Pirenópolis requer atenção especial dos bombeiros militares. Além de garantir a segurança cotidiana da comunidade, a 11ª CIBM prepara operações especiais em feriados e durante as férias, quando o fluxo de turistas é intensificado. Por ser uma cidade histórica, Pirenópolis é cenário de produções do cinema e da TV. Este ano, os bombeiros militares de Pirenópolis garantiram a segurança das gravações de parte da novela Araguaia, da TV Globo.

desloca ao Norte do País através da Rodovia Belém-Brasília. Uma das principais cidades do Norte de Goiás, o município é referência na região e sede da 14ª CIBM desde 17 de maio de 2001. Acompanhando o desenvolvimento da Corporação nos últimos anos, a companhia está em franca expansão de sua estrutura física e operacional. O primeiro prédio da sede definitiva está pronto e um segundo bloco, com mais de 200 metros quadrados, está sendo construído.

Romaria de Nossa Senhora da Abadia do Muquém, no Distrito de Muquém, próximo a Niquelândia. A ação dos Bombeiros Militares da cidade garante a segurança dos cerca de 150 mil fiéis de todas as regiões do País que participam do tradicional evento religioso. (exclui um trecho repetitivo) Um esquema especial com viaturas de resgate, incêndio, busca e salvamento e motos é montado para garantir a tranquilidade dos fiéis.

17


18

O BOMBEIRO

MINEIROS

Algodão em chamas l A ação rápida dos bombeiros militares de

Mineiros, sede da 6ª CIBM, evitou que um incêndio de grandes proporções se propagasse para os demais depósitos de algodão de uma empresa da cidade. A ocorrência foi em setembro e mobilizou 15 bombeiros, três viaturas e sete caminhõespipa. O incêndio ficou concentrado em um galpão com cerca de 1 mil metros quadrados de algodão prensado, material altamente inflamável. A altura das chamas atingiu o telhado. Apesar das imagens impressionantes, ninguém ficou ferido.

JATAÍ

Enchentes l Com uma das estruturas mais modernas

do CBMGO, Jataí, sede da 3ª CIBM localizada na região Sudoeste de Goiás, investe no aperfeiçoamento constante do efetivo. A região sofreu nos últimos anos com enchentes que colocaram à prova o poder operacional dos Bombeiros. Em 2008, a intensidade de chuvas provocou um acidente de grandes proporções. O rompimento de parte de uma barragem, localizada nas divisas de Itarumã e Aporé alagou dezenas de fazendas e deixou cidades isoladas. No início deste ano, Jataí voltou a sofrer com as chuvas que alagaram parte da cidade. Os Bombeiros ainda auxiliaram as vítimas da enchente em Lagoa Santa. Nos três casos, o Corpo de Bombeiros Militar se mobilizou para resgatar e dar apoio às vítimas das enchentes.


19

O BOMBEIRO

NOVAS UNIDADES

Interiorização

Ao lado do cidadão Implantação de novos quartéis em diversas cidades e planos de ampliação fazem crescer a presença dos bombeiros em Goiás

O Corpo de Bombeiros Militar do Estado de Goiás ampliou a sua atuação, nos últimos anos, com a implantação de 11 novas unidades, localizadas em cidades estratégicas do Estado. Os novos quartéis aproximam a Corporação da sociedade ao oferecer vários serviços de utilidade pública próximos à população atendida. A ampliação da estrutura em todo o Estado garante a eficiência dos serviços prestados à população e auxilia no cumprimento da missão da Corporação em proteger a vida, o patrimônio e o meio ambiente visando o bem-estar da sociedade. Os desafios para os próximos quatro anos são o aumento do efetivo da Corporação, com a inclusão de novos bombeiros, aquisição de equipamentos de última tecnologia para execução das atividades operacionais e descentralização do atendimento das unidades da Capital por meio de instalação de diversos postos avançados. Os bombeiros militares atendem atualmente todo o Estado com 8 Batalhões Bombeiro Militar, 1 Batalhão de Salvamento em Emergência, 17 Companhias Independentes, 9 Pelotões, 1 Destacamento, a Academia Bombeiro Militar, o Comando de Operações Aéreas e Segurança Aeroportuária, além das unidades do Vapt-Vupt. No total, a popula-

ção goiana conta com 38 quartéis operacionais e o Centro Estadual de Atendimento Operacional dos Bombeiros. As novas unidades estão localizadas Cristalina (2º PBM), Santa Helena de Goiás (12ª CIBM), Inhumas (9ª CIBM), Posse (3º PBM), Planaltina (10 ª CIBM), Uruaçu (1º PBM), Morrinhos (6º PBM), Porangatu (14ª CIBM), Palmeiras de Goiás (15ª CIBM), Iporá (7º PBM) e Pires do Rio (8º DBM). O grande crescimento do Corpo de Bombeiros Militar em Goiás aconteceu nos últimos sete anos, quando se intensificaram a implantação de novos quartéis, a realização de concursos e as ações de ampliação da frota de veículos de pequeno e médio porte e de equipamentos operacionais para atender pequenos municípios. A ampliação ainda irá receber o reforço de quartéis nas cidades de Águas Lindas de Goiás (4º PBM), Valparaíso (5º PBM) e Santo Antônio do Descoberto (8º PBM), que serão construídos nos próximos anos. Também serão ativados os Destacamentos Bombeiro Militar (DBM) em Quirinópolis (2º DBM), Ceres (6º DBM), Piracanjuba (12º DBM) e Campos Belos (13º DBM). Além destas novidades, a Academia Bombeiro Militar ganhará uma nova estrutura para garantir a formação dos novos Bombeiros Militares e a especialização dos efetivos.

Alta tecnologia Para garantir a qualidade das atividades da Corporação em cada cidade, o CBMGO investiu também na aquisição de materiais e equipamentos de alta tecnologia para atendimentos em diversas áreas, como mergulho, salvamento terrestre, suporte de vida básico e avançado e combate a incêndios. Em 2011, a Corporação terá o auxílio também de um helicóptero adequado para atividades bombeiro militar, que implementará o serviço aéreo, adquirido em parceria entre o Governo Estadual e a Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp). O helicóptero monoturbina do fabricante italiano Agusta Westland, modelo Koala, tem capacidade para atender diversas demandas, como busca e salvamento, ações de defesa civil e transporte de vítimas.


193

Confira no mapa onde estão localizados os quartéis do CBMGO e de que forma entrar em contato com a Corporação nestas localidades

Militar do Estado de Goiás

Corpo de Bombeiros

20


INHUMAS - 9ª CIBM E-mail: 9cibm@bombeiros.go.gov.br

IPORÁ - 7º PBM E-mail: 7pbm@bombeiros.go.gov.br

ITUMBIARA - 6º BBM E-mail: 6bbm@bombeiros.go.gov.br

JARAGUÁ - 17ª CIBM E-mail: 17cibm@bombeiros.go.gov.br

JATAÍ - 3ª CIBM E-mail: 3cibm@bombeiros.go.gov.br

LUZIÂNIA - 5º BBM E-mail: 5bbm@bombeiros.go.gov.br

MINEIROS - 6ª CIBM E-mail: 6cibm@bombeiros.go.gov.br

MINAÇU - 10º PBM E-mail: 10pbm@bombeiros.go.gov.br

ANÁPOLIS - 3º BBM

E-mail: 3bbm@bombeiros.go.gov.br

APARECIDA DE GOIÂNIA - 7 º BBM

E-mail: 7bbm@bombeiros.go.gov.br

CALDAS NOVAS - 4ª CIBM

E-mail: 4cibm@bombeiros.go.gov.br

CATALÃO - 5ª CIBM

E-mail: 5cibm@bombeiros.go.gov.br

CIDADE DE GOIÁS - 8ª CIBM

E-mail: 8cibm@bombeiros.go.gov.br

CRISTALINA - 2º PBM

E-mail: 2pbm@bombeiros.go.gov.br

FORMOSA - 7ª CIBM

E-mail: 7cibm@bombeiros.go.gov.br

GOIANÉSIA - 13ª CIBM

E-mail: 13cibm@bombeiros.go.gov.br

PORANGATU - 14ª CIBM E-mail: 14cibm@bombeiros.go.gov.br

RIO VERDE - 4º BBM E-mail: 4bbm@bombeiros.go.gov.br

SENADOR CANEDO - 2ª CIBM E-mail: 2cibm@bombeiros.go.gov.br

STª HELENA DE GOIÁS - 12ª CIBM E-mail: 12cibm@bombeiros.go.gov.br

TRINDADE - 1ª CIBM E-mail: 1cibm@bombeiros.go.gov.br

URUAÇU - 1º PBM E-mail: 1pbm@bombeiros.go.gov.br

MORRINHOS - 6º PBM E-mail: 6pbm@bombeiros.go.gov.br

NIQUELÂNDIA - 16ª CIBM E-mail: 16cibm@bombeiros.go.gov.br

PALMEIRAS DE GOIÁS- 15ª CIBM E-mail: 15cibm@bombeiros.go.gov.br

PIRENÓPOLIS - 11ª CIBM E-mail: 11cibm@bombeiros.go.gov.br

PIRES DO RIO - 8º DBM E-mail: 8dbm@bombeiros.go.gov.br

PLANALTINA - 10ª CIBM E-mail: 10cibm@bombeiros.go.gov.br

E-mail: 3pbm@bombeiros.go.gov.br

POSSE - 3º PBM

O BOMBEIRO

21


22

O BOMBEIRO

COB

Porta de entrada O Serviço de Atendimento Operacional (SEOP) é considerado a porta de entrada para os serviços da Corporação. É composto pelos videofonistas, radioperador, chefe de ala e coordenador de operações, que realizam todo o trabalho de atendimento e gerenciamento das ocorrências de Goiânia e de Aparecida de Goiânia. Além do atendimento do 193, é realizado o atendimento do 199, destinado às ocorrências de defesa civil. Além disso, é também responsabilidade do SEOP a confecção diária de documentos importantes para a Corporação, como o Mapa- Força, que informa o efetivo e as viaturas ativadas por dia no Estado, e a Resenha, disponibiliza o quantitativo de todas as ocorrências registradas e o detalhamento daquelas consideradas de maior relevância.Estes documentos auxiliam na coordenação e no gerenciamento das unidades operacionais de todo o Estado. Eles oferecem uma visão geral do funcionamento de cada unidade e subsidiam o ComandoGeral com informações relevantes para efetuar ações de planejamento.

Aporvida um fio Com média de 1,4 mil ligações recebidas por dia, o Centro de Operações dos Bombeiros Militares em Goiânia é o responsável pelo atendimento do telefone 193 A qualquer hora do dia ou da noite que alguém discar o número de emergência 193, um bombeiro militar estará do outro lado da linha pronto para ajudar. Com média de 1,4 mil ligações recebidas diariamente, o Centro Estadual de Atendimento Operacional dos Bombeiros (COB) é a unidade responsável pelo gerenciamento do serviço operacional em todo o Estado e pelo recebimento dos chamados de emergência da região metropolitana da Capital. No interior, são os próprios quartéis os responsáveis por atender o 193. No início da história do CBMGO, o telefone de emergência era atendido em uma linha única, numa sala improvisada onde hoje funciona o 1º Batalhão Bombeiro Militar. Atualmente, o COB funciona numa moderna estrutura dentro do Centro Integrado de Atendimento a Emergências (CIAE), criado em 2006, dentro da Política Nacional de Segurança Pública, que colocou num mesmo espaço todos os serviços de atendimento de emergência dos órgãos da Secretaria de Segurança Pública. A proximidade física facilitou a integração das atividades e o apoio mútuo entre as corporações. O CIAE é, por excelência, um centro de gerenciamento de crises.


O BOMBEIRO

23

No COB, em Goiânia, trabalham diversas equipes de bombeiros militares fardados, divididos em turnos. Recrutados por ter paciência, boa dicção e agilidade para digitar, cada bombeiro militar chega a atender mais de 150 ligações por turno de trabalho. São computadas aí tanto as chamadas de pessoas que realmente precisam comunicar uma situação de emergência, que requer o apoio do CBMGO, quanto trotes ou pedidos de informação. Assim que uma pessoa liga para o 193, seu telefone aparece em um identificador de chamadas. Se for um aparelho residencial ou público, o endereço também surge na tela do computador. O próximo passo é ouvir a queixa e avaliar sua gravidade. Em casos que envolvem risco de morte, o atendente passa as informações adiante antes mesmo de terminar a chamada. Na sala do despacho, o operador de rádio aciona a viatura mais próxima e passa para a guarnição as informações detalhadas da ocorrência. O objetivo é que o tempo entre o atendimento e a chegada da viatura dos bombeiros no local da ocorrência seja o mais breve possível. Recentemente, o Centro de Operações colocou em funcionamento a segunda versão do Sistema Integrado de Atendimento a Emergências (SIAE). Desenvolvido com o apoio de bombeiros da área de informática, o SIAE possibilita a visualização das ocorrências que estão registradas por todas as unidades que operam o sistema, dentro de suas permissões. O sistema, que virou modelo para o País e recebeu elogios da Liga Nacional de Bombeiros (LIGABOM), permite um maior controle estatístico dos atendimentos realizados pelo CBMGO em todo o Estado.

O SIAE, que virou modelo para o País e recebeu elogios da Liga Nacional de Bombeiros (LIGABOM), permite maior controle estatístico dos atendimentos realizados pelo CBMGO


24 Emergência Vozes que salvam Apesar de receber cerca de 1,4 mil ligações diárias, apenas 8% são registradas como ocorrências de fato. O restante são ligações indevidas (de má-fé), pedidos de informações, entre outras. Para um serviço de triagem eficiente, é preciso que os atendentes estejam constantemente qualificados. Os bombeiros militares estão preparados também para orientar o solicitante, por telefone, ajudando na resolução do que estiver ao seu alcance até que a viatura chegue ao local. Entre outras qualidades, o atendente do COB tem de saber ouvir com atenção, colocar-se no lugar do outro e controlar situações de emergência sem agressividade. Em alguns casos, que já viraram rotina no serviço operacional, as orientações por telefone são responsáveis por salvar vidas. Confira abaixo alguns desses casos que viraram notícia:

MAIO DE 2008 Pelo 193, uma mãe desesperada informa que seu bebê parou de respirar. A pequena Anna Julia Cordeiro Rodrigues estava engasgada. Os lábios começaram a ficar roxos. Com a tranquilidade e a experiência de mais de 20 anos de serviço na Corporação, o Sargento Helson Nunes de Amorim, por telefone, orienta a mãe da criança a socorrer a filha engasgada. O sargento explicou cada procedimento até a chegada das viaturas.

JANEIRO DE 2009 O Soldado Daniel Marra Pinheiro de Almeida, videofonista do COB, ajudou a salvar uma criança de 5 anos que havia sofrido um princípio de afogamento em uma lagoa no Parque Industrial João Braz. O pai do garoto telefonou aos bombeiros para pedir socorro e recebeu instruções de primeiros-socorros. A ligação foi mantida até a chegada do resgate, que levou o menino ainda com vida para o Hospital Materno-Infantil.

193

Ao acionar o telefonema de emergência 193, o cidadão será atendido por uma equipe de bombeiros especializada, que está à disposição da comunidade 24 horas por dia. É importante manter a calma e responder a todas as perguntas com clareza, pois a equipe de socorro já estará se deslocando para o local do fato. As informações repassadas ao atendente são muito importantes para que os bombeiros tomem a decisão mais adequada. Dentro do possível, ao chamar o socorro, busque responder às seguintes perguntas: l Tipo de evento (incêndio, resgate de animais, acidente de trânsito, veículos envolvidos, colisão, atropelamento etc.); l Gravidade aparente; l Local do evento: rua, número, quadra, bairro, ponto de referência; l Número aproximado de vítimas envolvidas; l Pessoas presas nas ferragens; l Vazamento de combustível ou produtos químicos; l Nome e telefone do solicitante

MAIO DE 2009 A soldado Érika Pinheiro Ribeiro conduziu por telefone o parto da criança que nasceu em casa, no Conjunto Vera Cruz 1. Sem carro e sem ter como chegar ao hospital mais próximo, a família se desesperava, enquanto as contrações da mãe da criança, Flávia Cândida Eulália Ribeiro, de 28 anos, aumentavam. Foi uma vizinha, Elvira Rocha Barbosa, de 29 anos, quem teve a iniciativa de acionar os bombeiros pelo telefone de emergência 193. A soldado Érika deu suporte por telefone.

MAIO DE 2009 Grávida de nove meses, Leida Guerreiro estava sozinha em casa quando começou a sentir cólicas. A vendedora então resolveu deitar-se para tentar aliviar a dor. Após algumas pontadas, a jovem de 19 anos entrou em trabalho de parto e deu à luz sozinha. O bebê estava com o cordão umbilical enrolado no pescoço e a mãe, desesperada, acionou o 193. Do outro lado da linha, estava a soldado Alline Oliveira. Durante a ligação, a mãe obteve orientações sobre os procedimentos adequados com a bebê, até que a guarnição pudesse chegar.

NOVEMBRO DE 2010 O cabo Ricardo Fogaça foi responsável por ajudar uma mãe que ligou no 193 buscando socorro para a filha de três anos (foto) que havia engasgado com um comprimido. O cabo orientou todos os procedimentos até a chegada das viaturas. Em 2009, o bombeiro já tinha sido o responsável pelo salvamento, por telefone, da aposentada Luiza Ferreira, de 83 anos. A senhora engasgou-se com um pedaço de pão e teve asfixia. O militar orientou a filha da senhora até a chegada das viaturas.


O BOMBEIRO

PREVENÇÃO

Ação em desastres Corpo de Bombeiros Militar monitora áreas de risco e adota ações que visam prevenir desastres e restabelecer o bem-estar da população No Estado de Goiás, é o Comando de Operações de Defesa Civil (CODEC) do Corpo de Bombeiros Militar de Goiás o responsável por todas as ações preventivas e corretivas em possíveis eventos e desastres ocorridos no Estado. Considerando todas as regionais do órgão em Goiás, o CODEC monitora atualmente 246 áreas de risco. Em Goiânia estão dez delas, todas localizadas às margens de cursos d´’água e que apresentam riscos de enchentes, erosões fluviais, deslizamentos e inundações. O serviço de Defesa Civil em Goiás foi instituído a partir do Decreto nº 1.242/1977, assinado pelo então governador do Estado, Irapuã Costa Júnior, e nasceu como organismo responsável por ações preventivas ou corretivas nas situações de emergência ou calamidade pública. Criou-se, nesse época, o Sistema Estadual de Defesa Civil com a finalidade de coordenar as medidas destinadas a prevenir as consequências noci-

ÁREAS DE RISCO GOIÂNIA

Total de áreas: Total de moradias:

10 187 775

Total de moradores:

vas de eventos desastrosos e a socorrer as populações e as áreas atingidas por esses eventos. A Defesa Civil compreende um conjunto de medidas preventivas, de socorro, de assistência e recuperativas, destinadas a evitar as consequências danosas de eventos previsíveis e a restabelecer o bem-estar social, quando da ocorrência desses eventos. Ela integra o Sistema Estadual de Defesa Civil e representa os esforços dos órgãos públicos e privados e também da comunidade em geral na efetivação dos planejamentos e na execução das medidas inerentes à atividade de Defesa Civil. Em 1991, por meio do Decreto nº 3.587, o então governador do Estado designou o Comandante-Geral do Corpo de Bombeiros para presidir a CEDEC. A partir dessa data, regulamentou-se a Coordenação Estadual da Defesa Civil, inserindo-a no quadro de organização do Corpo de Bombeiros Militar.

25


26

O BOMBEIRO

LOGÍSTICA

Novos equipamentos reforçam ações de atendimento do CBMGO

Poder operacional Para melhorar ainda mais o atendimento à população, o Corpo de Bombeiros Militar de Goiás investe em viaturas e equipamentos operacionais, que garantem mais eficiência e agilidade ao trabalho de prevenção e socorro à população goiana através das unidades instaladas em 28 municípios. Os investimentos nesta área saltaram de cerca de R$ 2,4 mil, em 2006, para mais de R$ 21 milhões, em 2010. Toda a aquisição dos equipamentos é realizada pelo Comando de Apoio Logístico (CAL), que também organiza o Almoxarifado Geral. A ampliação da frota e outros equipamentos são resultado de um investimento do Governo estadual na Corporação, em busca de aprimorar os serviços oferecidos à sociedade. Eles são essenciais para a Corporação, que precisa percorrer as mais longas distâncias em curto espaço de tempo, em alguns casos primordiais para o salvamento de uma vítima.

Em 2010, o CBMGO adquiriu vários novos veículos, entre eles 18 Auto Busca e Salvamento (ABS) e 15 Unidades de Resgate e Salvamento (URS), além de equipamentos e materiais que serão utilizados no reforço dos serviços da Corporação na capital e no interior. As URS são essenciais para o atendimento pré-hospitalar, no caso de acidentes de trânsito e outras emergências. A Corporação atende, em média, 180 ocorrências por dia dessa natureza em todo o Estado. Já os ABS são veículos versáteis, utilizados para serviços de busca e salvamento em ocorrências de incêndios. O tamanho reduzido em comparação aos Auto Bomba Tanque (ABT) garante agilidade às unidades. Além dos veículos, a Corporação foi reforçada com Equipamentos de Proteção Individual (EPI) e outros necessários ao funcionamento dos novos quartéis, como computadores e móveis.

INVESTIMENTOS EM VIATURAS Tipo de viatura Administrativas Apoio Combate a incêndios Salvamento Operacionais Total

2006 — — 565.600,00 1.397.360,55 445.329,43 2.408.289,98

2007 110.000,00 — — 473.560,06 168.064,66 751.624,72

2008 107.070,00 — — 371.658,80 44.269,29 522.998,09

2009 — — --315.122,65 705.618,05 1.020.740,70

2010 2.418.021,60 216.000,00 4.966.081,20 11.495.552,50 1.917.276,25 21.012.931,55

Investimentos em reais./ Fonte: Controle Patrimonial do CBMGO


O BOMBEIRO

Nos ares O Governo do Estado de Goiás, em parceria com a Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp), reforçou o trabalho do CBMGO com a aquisição de um helicóptero monoturbina do fabricante italiano Agusta Westland, modelo Koala. A viatura aérea será usada para o transporte de vítimas de acidentes automobilísticos, resgate em locais de difícil acesso, prevenção e combate a incêndios florestais e transporte

27

aeromédico. Também terá papel primordial para as ações de Defesa Civil e de outras operações de busca e salvamento. A equipe responsável por colocar o helicóptero à serviço da população já está preparada. O CBMGO conta atualmente com sete Pilotos Comerciais de Helicópteros - PCH, sendo três Instrutores de Voo de Helicópteros INVH, três Tripulantes Operacionais e três Mecânicos em formação. Outra novidade do CBMGO é uma nova viatura de Combate a Incêndio Florestal. O novo caminhão tem capacidade para 12.000 litros de Água e carrega 7 bombeiros, o que irá colaborar no combate ao fogo no período de seca no Estado. A viatura também poderá ser usada no combate a incêndios urbanos. Além de levar uma grande capacidade de água, ela se desloca bem na estrada e a bomba de água funciona com a viatura em movimento.

18 55 102 13 119 243

Auto Bomba Tanque (ABT) e Auto Busca e Salvamento (ABS)

Auto Suporte Avançado (ASA)

Unidade de Resgate (UR)

Unidade de Suporte Avançado (USA)

Auto Vistoria (AV)

Equipamento de Proteção Respiratória (EPR)

15 04

Motonáutica

Auto Transporte de Pessoas (ATP)

02 17 02 27 41 27

Auto Transporte de Cargas (ATC)

Unidade de Resgate e Salvamento (URS)

Auto Guindaste (AG)

Motocicleta

Desencarcerador

Embarcação

Fonte: BM/4

PRINCIPAIS AQUISIÇÕES DO CBMGO NOS ÚLTIMOS ANOS


28

O BOMBEIRO

ENSINO

Novos


O BOMBEIRO

Protetores da vida, bombeiros militares têm formação exemplar em Goiás, onde praças e oficiais de outros Estados também buscam aprimoramento

bombeiros

29


30

O BOMBEIRO

FORMAÇÃO FORMAÇÃO

Reforço no efetivo Rogério Vieira Jacinto tem 31 anos e duas formações superiores. Mas os cursos de Filosofia e Psicologia não foram suficientes para aplacar o seu desejo de ajudar o próximo. “Eu ainda acredito no ser humano e isso me possibilitou ousar em uma fase da vida que muitas pessoas já estão colhendo frutos”, afirma o recém-empossado soldado bombeiro militar. Ele é um dos 434 novos soldados admitidos no Corpo de Bombeiros Militar do Estado de Goiás após o concurso e está em fase de conclusão do curso para formação de bombeiro, etapa obrigatória oferecida pela Academia Bombeiro Militar, que funciona na capital goiana. Em quatro meses, o novo bombeiro recebe treinamento específico com foco na capacitação física e nos conhecimentos técnicos e já presta serviços para a população, supervisionado por profissionais mais experientes. A Academia Bombeiro Militar de Goiás segue as doutrinas das principais escolas brasileiras situadas no Rio de Janeiro, São Paulo e Distrito Federal. Uma das coisas mais importantes na formação bombeiro militar são os valores repassados em cada aula. Os três principais valores presentes na formação de um novo bombeiro são o conhecimento técnico profissional, a valorização da estrutura hierarquizada e a disciplina consciente. Na ABM se aprende que bombeiros são servidores do cidadão e não o contrário. Bombeiros são profissionais diferentes e o trabalho requer muita dedicação. O aluno bombeiro Jacinto já sente na prática a diferença desta nova cadeira que passou a frequentar. “Para lidar com a adver-

sidade constante, recebemos treinamento firme e exemplos diários”, diz ele. A presença dos líderes da Corporação na formação diária dos novos praças e oficiais é conferida no registro fotográfico de ações inusitadas para leigos. Caminhadas pela madrugada, acampamentos em florestas e atividades de rapel são acompanhados de perto por vários profissionais da Corporação, que se revezam na troca de experiências com os recémchegados e recebem destes o entusiasmo de quem se alegra pelos primeiros dias na profissão. Esta alegria está presente em cada palavra do novato André Luiz Loiola Vaz. Aos 23 anos, ele começa a realizar o sonho de infância. “Eles são muito experientes e conseguem passar da teoria para a prática com habilidade. Vou sair daqui bombeiro de fato”, explica ele, que se formou em Educação Física, mas sempre teve como objetivo a carreira militar. O sonho também tirou o administrador de empresas de uma carreira promissora para investir na profissão de bombeiro. O soldado bombeiro Jairo Ledra Garcia, 31 anos, entrou para a Corporação por concurso devido à admiração pela disciplina dos militares. “Eu sempre fui atleta e o dinamismo dos bombeiros de forma disciplinada foi um atrativo para mim. Agora é avançar na prática para atender à população”, explica, animado. Formado em Educação Física, aos 25 anos, ele exalta os grandes amigos que seguem a carreira de bombeiro militar. “Eu gosto muito da obediência e da ideia de poder ajudar o próximo”.


O BOMBEIRO

Referência

Formação continuada

As aulas oferecidas na Academia Bombeiro Militar de Goiás se tornaram referência para as Regiões Norte e Nordeste do País, de onde vêm alunos para o curso de oficial. Além dos 434 soldados que serão formados até 2011, a unidade formará 35 cadetes vindos de Alagoas, Mato Grosso e Tocantins. A busca pela unidade é motivada pela eficiência do conteúdo e dos planos de aulas. Em busca de resultados, o CBMGO desenvolve cada aula dentro do planejamento proposto pela Gerência de Ensino. Foi este o motivo da cadete Karina Matos Oliveira, 23 anos, do Mato Grosso, passar os últimos dois anos e meio longe de casa para se tornar uma oficial da Corporação. “O curso daqui é reconhecido e indicado pelos colegas. Pude comprovar que vale a pena vir pela qualidade teórica e a prática instigante”, explica. Os meses de laboratório prometem render uma nova fase na carreira de Karina, quando ela voltar para casa. “Hoje posso assumir mais responsabilidades. Fiz a escolha certa ao vir para Goiás. Os instrutores são muito bons”, conclui a futura oficial. A distância de mais de 2 mil quilômetros de casa, em Alagoas, o cadete Gregório Vieira, de 24 anos, compensa com dedicação extrema às atividades requeridas pela formação da Academia em Goiás. “Vim para cá, longe da família, porque além da vaga, confiei na boa formação da instituição. ”, diz.

A Academia Bombeiro Militar segue as políticas de ensino definidas pela Gerência de Ensino do Corpo de Bombeiros Militar de Goiás. Ambas dividem o mesmo prédio e o objetivo de formar profissionais competentes e comprometidos, além de aprimorar e renovar os conhecimentos da Corporação. A Gerência de Ensino traça junto com sua equipe de educadores as linhas gerais a serem adotadas nos cursos desenvolvidos para a Corporação. O trabalho do bombeiro exige atualização constante e compromisso. Um dos marcos do trabalho da Gerência de Ensino foi a propositura da Lei nº 16.303, sancionada em julho de 2008, que tornou obrigatório ter curso superior para ingressar na Corporação. Em todos os concursos realizados após a legislação, a obrigatoriedade tornou-se regra e somou à Corporação profissionais ainda mais preparados. A medida é exemplar e contribuiu para a profissionalização do efetivo, mas o que define mesmo o bom bombeiro é a dedicação. Não se pode pensar na carreira do bombeiro militar apenas como a de um servidor público estável. Os bombeiros são profissionais diferentes, com o compromisso de proteger a vida. De soldado a coronel, quem se dedica à carreira precisa investir nas atualizações e comprovar eficiência antes de subir na hierarquia militar. Nas diferentes fases da carreira, o bombeiro ganha novas responsabilidades, que incluem conhecimento tático até a visão estratégica. Mesmo em postos de comando, um bombeiro militar deve saber executar o serviço básico e, ao crescer na carreira, ele será responsável por atender o cidadão e também por garantir a segurança da sua equipe. As atualizações obrigatórias e os bombeiros são chamados a participar de cursos sistematicamente.

31

Qualificação, disciplina e entusiamo: marca registrada do Corpo de Bombeiros Militar do Estado de Goiás

A Lei nº 16.303, sancionada em 2008, tornou obrigatório ter curso superior para ingressar no CBMGO


32

O BOMBEIRO

VISTORIAS

Segurança para população Atividade garante aos imóveis goianos proteção contra incêndio e evita acidentes graves e com vítimas A segurança nos locais de trabalho e de moradia nem sempre é o primeiro item de preocupação do responsável pelo imóvel, mas diariamente recebe a atenção do CBMGO com ações de prevenção, orientação e adequação dos imóveis do Estado. Garantia de segurança para os moradores, funcionários e usuários das edificações, cada vistoria realizada verifica a situação de prédios comerciais ou multifamiliares (edifícios) em todas as cidades goianas com foco na prevenção de incêndios e outros acidentes. Além deste trabalho, a Corporação é responsável ainda pela análise de todos os projetos que buscam alvará de funcionamento. Em média, o CBMGO emite 200 mil certificados de conformidade por ano. O documento garante a segurança do imóvel, no caso dos que já estão sendo utilizados. Nas vistorias são verificados o tipo de mobiliário fixo, as saídas e a iluminação de emergência, as escadas e os elevadores, a instalação de para-raios e outros itens que garantam o melhor funcionamento do estabelecimento ou das residências multifamiliares. São medidas simples, mas que podem salvar vidas. Otrabalho é constante na verificação de cada item e no cumprimento das normas estabelecidas. Para os novos imóveis, o trabalho da Corporação é exigente, mas realizado com muita agilidade. Em média, o Corpo de Bom-

beiros Militar emite laudos sobre os projetos em 12 dias, apesar de haver prazo limite de até 30 dias para fazê-lo. Para obter o alvará, o imóvel deve atender a requisitos diversos, sobretudo deve dispor de equipamentos como extintor de incêndio, hidrantes e portas corta-fogo, além de brigada de incêndio em número suficiente. Os projetos são inscritos pelo site ou nas unidades do Vapt-Vupt, presentes em várias cidades goianas. O objetivo é tornar o processo rápido e garantir uma orientação clara para os construtores. O eficiente trabalho do CBMGO já mostra resultados na conscientização de arquitetos e engenheiros responsáveis pelas novas edificações e, segundo dados da Corporação, cerca de 70% dos projetos são aprovados após análise do Corpo de Bombeiros. As vistorias são realizadas por toda a Corporação em regime de escala. Isso garante que até o menor município esteja amparado por este serviço de utilidade pública, porque os Bombeiros Militares viajam até os municípios para verificar as estruturas dos novos e velhos prédios. Desde 1992, Goiás não sofre com incêndios com vítimas em edifícios. Com a entrada em vigor da Lei nº 15.802, de 11 de setembro de 2006, que instituiu o Código Estadual de Proteção contra Incêndio, Explosão, Pânico e Desastres, o Estado passou a ser referência para o País. A legislação estadual sobre sinistros é considerada uma das mais abrangentes e eficientes atualmente em vigor. A parceria com a população também é considerada um item essencial. Para isso, a Corporação orienta que os frequentadores dos edifícios devem buscar sempre verificar o alvará de funcionamento do local emitido pelo CBMGO. Em caso de denúncia sobre situações de risco e irregularidade, o cidadão pode entrar em contato com o CBMGO por meio dos telefones 199 e 193. Também pode emitir comunicados no site da Corporação (www.bombeiros.go.gov.br) e nas unidades do Vapt-Vupt.

Parque Amazônia Goiânia viveu nos últimos anos um intenso processo de verticalização, com a construção de diversos prédios residenciais. Para garantir a segurança da população e a rapidez no atendimento às ocorrências, o CBMGO reforçou sua presença na região mais verticalizada da Capital com a instalação e modernização da estrutura física do 8º Batalhão Bombeiro Militar (8º BBM), no Parque Amazônia. A localização estratégica e o reforço do efetivo e da quantidade de viaturas do quartel permitem que os Bombeiros diminuam o tempo-resposta entre a chamada de emergência e a chegada no local da ocorrência.


O BOMBEIRO

33

BOMBEIRO MIRIM

O que você quer ser quando crescer?

Bombeiro!


34

O BOMBEIRO

BOMBEIRO MIRIM Aos 10 anos, Akson foi protagonista de uma experiência que dificilmente outros garotos da sua idade vivenciaram: salvou a vida da própria mãe. Cleodimara Dias Costa de Paula, de 33 anos, estava sozinha em casa na companhia dos dois filhos menores, o caçula de 6 e Akson Felipe Dias Costa. Uma hemorragia pós-curetagem a fez desmaiar e perder os sentidos. O menino, um dos cerca de 120 bombeiros mirins em treinamento no 1º Batalhão Bombeiro Militar (BBM) em Goiânia, fez direitinho a lição de casa. Além do amor pela mãe, serviu-lhe para obter êxito na empreitada os ensinamentos do curso oferecido pelo Corpo de Bombeiros Militar de Goiás (CBMGO). Em atividade desde 2005, o curso formou, desde então, aproximadamente 270 crianças e adolescentes que, como a maioria dos que tem a idade de Akson, sonha em ser bombeiro quando crescer. São meninos e meninas que aprendem, durante um período aproximado de cinco meses, noções de cidadania, civismo, respeito ao próximo e mais: adaptado à faixa etária das crianças, o conteúdo dos bombeiros é ministrado aos inscritos na atividade, que aprendem noções básicas de primeiros-socorros e outros tipos de salvamento (veja o conteúdo ministrado nos cursos no quadro). Três vezes por semana, no contra-turno da escola, os bombeiros mirins com idades entre 9 e 12 anos vão para o batalhão e lá têm acesso a lições que pretendem muito mais que apenas fomentar o sonho de criança de ser bombeiro quando crescer. “O objetivo do curso é proporcionar maior integração entre o Corpo de Bombeiros Militar, a família e a comunidade por meio da criação de circuitos alternativos de vivência e convivência das crianças e adolescentes inscritos no programa”, ressalta a cabo Danielle Carneiro e Silva, de 30 anos, nove na Corporação. Auxiliar da coordenação do Programa Bombeiro Mirim do 1º BBM, cabo Danielle ressalta que o programa, instituído pela Lei Estadual nº 14.805/2004, trata-se de um projeto de responsabilidade social. Nesse sentido, as atividades são oferecidas graças a convênios firmados pelos Bombeiros com prefeituras municipais, organizações não-governamentais e iniciativa privada. O 1º BBM foi pioneiro, em Goiânia, em oferecer o curso de bombeiro mirim para crianças e adolescentes da Capital. O acesso ao curso se dá por meio de sorteio. Todos os anos, a Corporação abre um pe-

O objetivo do projeto Bombeiro Mirim é proporcionar maior integração entre o CBMGO e a sociedade

ríodo de inscrições ao treinamento e, depois disso, é realizado sorteio dos novos alunos. As aulas são ministradas às segundas, quartas e sextas-feiras. O curso em andamento no 1º BBM é oferecido a dois pelotões de bombeiros mirins com cerca de 60 alunos, cada. Todo o material utilizado durante o curso (fardamento e material didático completo) é oferecido pelo CBMGO e adquirido graças aos patrocinadores da iniciativa. Por uma questão até mesmo de cultura, a procura por vagas no curso é maior por meninos que por meninas, embora, segundo cabo Danielle, neste semestre o batalhão bateu o recorde no número de garotas participantes: 11, no total. Uma delas é a menina Núria Carla Cabral Silva, de 11 anos, que realizou, finalmente, o sonho de ser uma bombeira mirim. “Ela é completamente apaixonada pelos bombeiros”, conta a mãe da menina, a funcionária pública Eva Dias Cabral Barreto, de 44 anos. “Ela (a filha) já diz desde agora que não vai perder por nada nesse mundo o concurso para o Corpo de Bombeiros”, completa. “Eu gosto de ajudar as pessoas e sei que posso ajudar a salvar vidas”, cita a menina Núria para explicar porque se interessa tanto pela vida dos bombeiros. A mais nova alegria da menina foi o fato de ter sido a primeira bombeira mirim menina a vencer as olimpíadas esportivas internas da Corporação.


O BOMBEIRO

Entusiasmo desde o início Ronan Sousa de Assis, o bombeiro mirim Assis, tem 12 anos e um sonho a realizar: ser bombeiro militar. “Mas já disse a ele. Para transformar esse sonho em realidade tem que continuar se dedicando aos estudos, com disciplina”, ensina o pai do garoto, o técnico em Segurança do Trabalho Cécsar Mattos de Assis, 49. O pai de Assis fala com orgulho do interesse do filho pela carreira. “É uma profissão muito bonita. Vivem para salvar outras vidas”, ressalta. Em casa, Assis repassa à família um pouco do que aprende no quartel. “É que eu me sinto um pouco bombeiro, já”, brinca o garoto. Além dos meninos, as meninas têm se interessado cada vez mais pelo Programa Bombeiro Mirim do CBMGO. Sara Regina, de 11 anos, esperou com grande expectativa o sorteio do seu nome para ingressar numa das turmas do 1º BBM. “Quem nos sugeriu o curso foi uma vizinha. Agora ela está gostando tanto que já fala em seguir carreira nos bombeiros, o que nos deixa muito satisfeitos”, conta a mãe, a promotora de eventos Sandra Teles Delfino, 39.

Em busca de disciplina A maioria dos pais que inscrevem seus filhos no Programa Bombeiro Mirim o faz como uma tentativa de melhorar a disciplina e até mesmo o desempenho dos alunos na escola. “Para alcançar esse objetivo, trabalhamos de forma bastante lúdica”, ressalta a cabo Danielle Carneiro e Silva. Focado na disciplina e normas militares, o curso costuma atender às expectativas dos pais e o que prevê a lei. “A maioria deles se transforma quando se tornam bombeiros mirins. As notas na escola melhoram e eles se mostram muito mais entusiasmados.” Assim como os bombeiros adultos, os bombeiros mirins são obrigados a bater continência aos superiores do pelotão e aos demais militares do 1º BBM. Fardamento sempre limpo e aparência bem cuidada também são exigências das normas gerais de funcionamento do curso. Aliás, se há algo de que essas crianças e adolescentes se orgulham, é da farda. Durante o curso, os bombeiros mirins participam de visitas técnicas em outros quartéis, de simulados de emergência em aeroportos e fábricas e de atividades como arvorismo, rapel, salvamento aquático e em altura em chácaras próximo de Goiânia.

CONTEÚDO DO CURSO Veja a que as crianças inscritas no Programa Bombeiro Mirim têm acesso: Noções de primeiros-socorros e prevenção de acidentes domésticos; l História dos Bombeiros; l Estudo e Prática Bombeiro Militar; l Noções de Prevenção e Combate a Incêndios; l Noções de Defesa Civil; l Noções de Salvamento; l Noções de Salvamento Aquático; l Prática Desportiva, Recreação e Música; l Civismo, Religião e Cidadania; l

Informática; Educação no Trânsito; l Educação Ambiental; l Acompanhamento Psicopedagógico; l Palestras; l Visitas; l Reforço Escolar. l l

Mais informações sobre o Programa Bombeiro Mirim: www.bombeiros.go.gov.br

35


36

O BOMBEIRO

FUNDAÇÃO DOM PEDRO II

A mão amiga Fundação Dom Pedro II se consolida como entidade de utilidade pública promovendo o bem-estar dos bombeiros militares goianos e de seus familiares Se os bombeiros militares são aqueles profissionais reconhecidos pela sociedade pelo cuidado com a vida dos cidadãos, é a Fundação Dom Pedro II que entra em ação nos momentos em que são os próprios bombeiros ou suas famílias que precisam de ajuda. Entidade de assistência social do CBMGO instituída por escritura pública, em 16 de janeiro de 2006, a Fundação Dom Pedro II tem como objetivo promover o bem-estar dos bombeiros militares goianos, das pensionistas e de seus dependentes. Os serviços oferecidos pela Fundação – que em 2009 foi reconhecida como entidade de utilidade pública em nível municipal – vão desde a assistência médica, hospitalar, psicológica, farmacêutica, passando pelo apoio ao esporte, serviço social em geral e assistência cultural e religiosa. Atualmente, a Fundação Dom Pedro II é composta pelo Conselho de Curadores, que tem como presidente de honra o Comandante Geral do Corpo de Bombeiros Militar do Estado de Goiás (CBMGO), Conselho Fiscal e Diretoria Executiva. Desde sua criação, a Fundação Dom Pedro II obteve inúmeras conquistas. O Programa de Assistência Social é o mais conhecido. Dentro do programa, vários projetos foram criados com o objetivo de assistir os beneficiários com serviços de cunho social necessários para reabilitação ou melhoria da qualidade de vida, além de proporcionar assistência social e médica complementar (veja quadro). Outro programa bem sucedido é o de Assistência Odontológica, que nos últimos quatro anos realizou em todo o Estado mais de 49 mil atendimentos aos beneficiários e aos seus dependentes. Desde 2007, toda a manutenção da clínica odontológica, como a aquisição de instrumentos e materiais de consumo, é realizada com recursos da Fundação. O objetivo do programa é oferecer serviços de atendimento odontológico especializado e de primeira qualidade por meio dos profissionais de odontologia do CBMGO. Em 2008, a Fundação conseguiu, com recursos próprios, adquirir seu primeiro veículo, um Gol Trend de quatro portas utilizado para

assuntos administrativos e para apoio aos beneficiários. Em 2009, outra conquista importante: a compra, também com recursos próprios, de sua primeira ambulância, modelo Fiat Ducato. A ambulância é utilizada para os serviços de assistência social aos bombeiros e aos seus dependentes. Mais recentemente, os serviços da Fundação foram otimizados com a implantação dos Programas de Administração Geral e de Gestão Informatizada. Com eles, foi possível melhorar o atendimento aos beneficiários, capacitando os funcionários e oferecendo sistemas de gestão administrativa informatizados que proporcionam maior agilidade, transparência e segurança nos serviços prestados. Para o futuro, a Fundação tem como metas a construção da nova sede administrativa e implantação de novos programas, como o de passagem para a inatividade, que visa garantir que a mudança seja assistida por profissionais de saúde, valorizando aqueles que durante muito tempo estiveram na ativa, o de apoio ao programa social bombeiros mirim, o de assistência religiosa e a informatização das clínicas médica e odontológica, além da criação do site da Fundação Dom Pedro II.


O BOMBEIRO

37

Assistência Psicossocial Foi criado com o objetivo de promover assistência psicológica e auxiliar na reabilitação do beneficiário e de seus dependentes para o trabalho e a vida comunitária. Um psicólogo contratado pela Fundação presta assistência no programa.

Programa Fardamento Através dele, a Fundação Dom Pedro II promove a gestão dos recursos provenientes do auxíliofardamento descontado dos militares da ativa e adquire fardamento de qualidade a todos os militares. O programa agilizou o processo de aquisição e distribuição dos uniformes.

Programa de Assistência Social

Ações de destaque da Fundação Dom Pedro II

CONVÊNIOS/ BENEFÍCIOS Assistência Médica/odontológica Os beneficiários têm mantido uma rotina de atendimentos médicos e de prevenção a doenças. O programa tem um grande alcance em Goiânia, através da Clínica Médica, e no interior com o Projeto de Saúde Preventiva Itinerante.

SESI Serviços de educação, saúde, lazer e responsabilidade social prestados pelo SESI. Os beneficiários podem ainda participar dos programas, locar as dependências da área de lazer das unidades e obter a carteira social do SESI para frequentar os clubes e demais unidades. Academia Fitness Center da Fundação Tiradentes Proporcionar qualidade de vida e bem-estar através de diversas modalidades esportivas como step, jump, spinning, pilates, natação, musculação, taekwondo, dança, dentre

outros, pagando uma mensalidade no valor de R$ 40,00. Drogaria Drogasil Descontos em vários medicamentos. Óticas Fernando Desconto de 5% sobre o valor da compra, mesmo que o produto esteja em promoção. Pax Domini (Capital) e Funerária Senap (Interior) Comodidade na utilização do benefício de auxílio funeral previsto pela Fundação Dom Pedro II.

PROJETOS/ BENEFÍCIOS Coparticipação 50% do valor da guia de exames complementares; 50% do valor da guia para tratamento ambulatorial; 100% do tratamento odontológico, quando feito pelo IPASGO; 50% do valor da aquisição de aparelho ortodôntico; 50% do valor da prótese visual; 50% do valor da prótese ortopédica, até o limite de 10 contribuições; 50% do valor da prótese auditiva, até o limite de 40 contribuições. Recuperação do Bombeiro 100% do valor na aquisição de medicamentos; 100% do valor na aquisição de roupas especiais.

Recém-nascido Auxílio no valor de 10 contribuições por cada filho. Auxílio-funeral 100% do valor das despesas funerárias, até o limite de 40 contribuições; Utilização de jazigos da Fundação, num total de 24 unidades, no Cemitério Jardim da Paz, nesta Capital. Traslado Ambulâncias para realização de transportes quando em situação de impossibilidade de locomoção1. 1 Obedecendo ao que consta na Norma Geral de Benefícios. 2 O valor unitário da contribuição mensal do FAS é de R$ 24,25.


38

O BOMBEIRO

VALORIZAÇÃO

Valorizando o

profissional PRINCIPAIS CONQUISTAS

1.770 361 05 16 2.175 887

Promoção de Praça. Promoção de Oficiais. Curso de Habilitação de Oficiais Administrativos. Cursos Especiais e Estágios de Cabos e Sargentos. Condecorações e medalhas de mérito profissional. Inclusão de médicos, dentistas, cadetes e praças.

Nos últimos sete anos, o Comando do CBMGO investiu na valorização do profissional Bombeiro Militar com diversas ações, como a criação de medalhas do mérito profissional, a reestruturação das leis de promoções, que proporcionou maior número de oficiais e praças promovidos, cursos especiais para formação de praças, além do Curso de Habilitação de Oficiais Administrativos. Houve também melhoria salarial. Outro ganho da tropa foi a criação dos Comandos Regionais Bombeiro Militar (CRBM), em 2008, com a entrada em vigor da Lei nº 16.272. Foram criados três CRBM que, são responsáveis pelas ações regionalizadas da Corporação. O processo, além de otimizar as ações do serviço operacional em todo o Estado, aproximou o Comando do CBMGO da tropa. Com a aprovação da norma que regula o treinamento físico militar e a construção de novos espaços voltados para a prática de atividade físicas, como a nova piscina do 1º BBM, os bombeiros militares goianos receberam forte incentivo para manter o bom condicionamento físico.

1.453 EPI

Conjunto capa de aproximação, capacete e bota


A Fênix O símbolo do CBMGO é um pássaro da mitologia grega que representa a liberdade, a imortalidade e a força. Quando morria, a ave entrava em auto-combustão e passado algum tempo renascia das próprias cinzas

O Bombeiro  

Órgão oficial de divulgação do Corpo de Bombeiros Militar do Estado de Goiás

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you