Issuu on Google+

XXI 190 28 a 30/12/2013

Superintendência de Comunicação Integrada

CLIPPING Nesta edição: Clipping Geral

Destaques: Preservação investigada-p.02 Agente penitenciário está apto a ter porte de arma-p.14


01

estado de minas on line - 28/12/2013

Obra na Cabo Verde, no Cruzeiro, já teve 15 notificações Multas começaram em novembro do ano passado por falta de execução de obras corretivas

Um histórico de problemas e irregularidades rodeia a obra de um prédio na Rua Cabo Verde, no Bairro Cruzeiro, Região CentroSul de Belo Horizonte, que teve metade do asfalto afundado na quinta-feira e conta com três edifícios em risco. Desde novembro do ano passado, a construção, cujo muro de arrimo desabou, acumula no currículo 15 notificações, cinco multas que somam mais de R$ 30 mil, além de um embargo emitido pela fiscalização da Regional Centro-Sul. Na mais recente delas, anteontem, a Secretaria Municipal Adjunta de Regulação Urbana (Smaru) notificou os responsáveis pela obra a iniciar, em caráter emergencial, todas as obras necessárias a eliminar qualquer risco à segurança da população. Saiba mais... Empresa responsável por obra no Cruzeiro esclarece caso do shopping Moradores obrigados a deixar prédio no Cruzeiro se adaptam com dificuldades Ainda no ano passado, os donos do terreno foram intimados a apresentar laudo técnico referente às condições de risco e estabilidade do passeio e do entorno. Entre as irregularidades apontadas pela fiscalização estão danos a edificações vizinhas, construção de estruturas fora dos limites do lote, a falta de drenagem do terreno, além de poluição sonora, material de construção no passeio e calçadas em mau estado de conservação. Desde novembro do ano passado, a Edifica Empreendimentos, Arquitetura e Engenharia, responsável pela obra, recebeu

cinco multas por não executar as obras corretivas, não reparar os danos aos vizinhos e fazer a drenagem do terreno. As penalidades variam de R$ 621,15 a R$ 9.938,40, num total de R$ 31 mil. De acordo com a Regional Centro-Sul, ainda há em andamento outras duas penalidades de R$ 9.938,40 cada para a apresentação de laudo técnico referente às condições de risco e estabilidade dos imóveis vizinhos e a executar obras de correção no prédio da Rua Cabo Verde, 308. Pelo menos duas reuniões com representantes de diversos setores da prefeitura ocorreram nesse período para tentar um acordo, sem contar com as negociações com a participação do Ministério Público de Minas Gerais (MPMG). A Promotoria de Defesa da Habitação e Urbanismo foi acionada por moradores da Rua Cabo Verde no início deste ano e fez um laudo sugerindo a alteração do método de contenção do terreno. De acordo com a assessoria do MP, não houve necessidade de assinar termo de ajustamento de conduta, já que a Edifica concordou em seguir o laudo da promotoria. Na época, os problemas estavam restritos aos danos aos prédios vizinhos. SEM RELAÇÃO Com 35 anos de experiência, o engenheiro da Edifica Empreendimento Rogério Valadares afirma que a obra não tem relação com o afundamento da rua e que, até então, os problemas com a construção estavam restritos a trincas e rachaduras em prédios vizinhos. “Esse problema do afundamento tem a ver com a falta de dre-

nagem da rua. Chegamos até a avisar a Sudecap sobre a questão há cerca de oito meses”, afirma Rogério. Segundo ele, a empresa se dispôs a construir uma boca de lobo, mas não teve a autorização do Executivo. O engenheiro ressalta que desde o início eles enfrentaram situação delicada na obra. “Começamos a cravar as estacas na Rua Muzambinho, que é muito íngreme, e o passeio solapou. Avançamos com as estacas, no máximo, oito centímetros sobre o passeio para corrigir o problema e a prefeitura nos multou e embargou a obra”, conta. O presidente do Instituto Brasileiro de Avaliações e Perícias de Engenharia (Ibape), Frederico Correia Lima Coelho, que está acompanhando a situação da Rua Cabo Verde, afirma que ainda é cedo para atribuir culpa a alguém. “Geralmente, esses casos estão relacionados a uma conjunção de fatores. Pode ser a contenção, a drenagem, o tipo de material usado. O importante neste momento é afastar os riscos de segurança aos moradores”, diz. Segundo a regional CentroSul, não havia nenhum problema no terreno antes do início da obra, na esquina das ruas Cabo Verde e Muzambinho. A Regional esclarece, por nota, que está acompanhando a construção desde novembro de 2012 e que todas as “medidas legais cabíveis foram executadas dentro do prazo estipulado por lei”. A Sudecap não deu nenhum retorno até o fechamento desta edição.


02

estado de minas-p.15 30/12/2013


03

cont... estado de minas-p.15 30/12/2013


04

hoje em dia-p.3

29/12/2013


05

cont... hoje em dia-p.3

29/12/2013


06

estado de minas-p.30 30/12/2013


07

cont... estado de minas-p.30 30/12/2013


08

hoje em dia-p.4 e 5

29/12/2013


09

cont... hoje em dia-p.4 e 5

29/12/2013


10

cont... hoje em dia-p.4 e 5

29/12/2013


11

estado de minas-p.3 29/12/2013


12 cont... estado de minas-p.3 29/12/2013


13

cont... estado de minas-p.3 29/12/2013


14

o tempo-p.24 29/12/2013


15 o globo-p.3 29/12/2013


16

cont... o globo-p.3 29/12/2013


17

hoje em dia-p.4 30/12/2013


18

folha de sp-p.a2 30/12/2013


Clipping geral e espec 28 a 30122013