Issuu on Google+

XXI 85 22/04/2013

Superintendência de Comunicação Integrada

CLIPPING Nesta edição: Clipping Geral Patrimônio Cultural Meio Ambiente Procon-MG

Destaques: Bola no banco dos réus - p. 07 Assembleias perdem poder e representação para a união - p. 19 PEC 37: impunidade e retrocesso - p. 22


01 estado de minas - MG - P. 06 - 22 de abril de 2013


02 CONT... estado de minas - MG - P. 06 - 22 de abril de 2013


03 estado de minas - MG - P. 17 E 18 - 22 de abril de 2013


04 CONT... estado de minas - MG - P. 17 E 18 - 22 de abril de 2013


05 CONT... estado de minas - MG - P. 17 E 18 - 22 de abril de 2013


06 CONT... estado de minas - MG - P. 17 E 18 - 22 de abril de 2013

estado de minas - MG - P. 07 - 22.04.2013 Giro pelo Brasil

PASSEATA Manifestantes realizam passeata ontem na Avenida Paulista, Região Central da cidade de São Paulo, como parte do movimento Dia do Basta à Corrupção. O movimento, que ocorreu em 78 cidades do Brasil ao longo da semana passada, pede o fim do voto secreto, o fim do foro privilegiado, a caracterização de corrupção como crime hediondo, além da rejeição à PEC 37/2011, que limita o poder de investigação do Ministério Público.


07 hoje em DIA - mg - p. 03 - 22 de abril de 2013


08 cont... hoje em DIA - mg - p. 03 - 22 de abril de 2013


09 cont... hoje em DIA - mg - p. 03 - 22 de abril de 2013

estado de minas - MG - P. 21 - 22 de abril de 2013


10 CONT... estado de minas - MG - P. 21 - 22 de abril de 2013


11 CONT... estado de minas - MG - P. 21 - 22 de abril de 2013

FOLHA DE SP - P. C4 - 22 de abril de 2013


12 o tempo - mg - p. 18 e 19 - 22 de abril de 2013


13 o globo - rj - p. 03 - 22 de abril de 2013


14 veja - bh - p. 32 a 34 - 24 de abril de 2013


15 cont... veja - bh - p. 32 a 34 - 24 de abril de 2013


16 cont... veja - bh - p. 32 a 34 - 24 de abril de 2013


17 FOLHA DE SP - SP - P. A9 - 22 de abril de 2013


18 valor econ么mico - sp - p. a6 - 22 de abril de 2013


19 o tempo - mg - p. 03 - 22 de abril de 2013


20 cont.... o tempo - mg - p. 03 - 22 de abril de 2013


21 cont.... o tempo - mg - p. 03 - 22 de abril de 2013


22 o tempo - mg - p. 13 - 22 de abril de 2013


23 o tempo - mg - p. 02 - 22 de abril de 2013


24 HOJE EM DIA - mg - p. 02 - 22 de abril de 2013


25 veja - bh - p. 30 e 31 - 24 de abril de 2013


26 cont... veja - bh - p. 30 e 31 - 24 de abril de 2013


27 estado de minas - MG - P. 19 - 22 de abril de 2013


28 CONT... estado de minas - MG - P. 19 - 22 de abril de 2013


29 valor econ么mico - sp - p. b6 - 22 de abril de 2013


30 estado de minas - MG - P. 12 - 22.04.2013

CONSUMIDOR

Seguro popular para veículos ganha força

Proposta que visa cobrir carros, motos e caminhões com mais de cinco anos de uso vai a consulta pública. Mas custos mais baixos podem esconder riscos para proprietários

Marinella Castro De olho em um mercado bilionário, com potencial estimado em 10 milhões de veículos, a Superintendência de Seguros Privados (Susep) prepara para colocar em consulta pública o seguro popular para automóveis, motos e caminhões. A ideia é criar no mercado um produto para contemplar a frota brasileira com mais de cinco anos de uso, cujos consumidores hoje preferem correr riscos a arcar com os custos do seguro automotivo. Para convencer o brasileiro a aderir a essa nova proteção, a arma é o preço. O produto popular pode custar até 40% menos que o tradicional, contratado especialmente pelas classes A e B. O seguro popular também é um contra-ataque das seguradoras às associações de proteção automotiva que cresceram no mercado brasileiro, comercializando uma espécie de seguro, sem regulamentação da Susep, e que tem atraído consumidores especialmente de carros mais velhos, que hoje não conseguem arcar com os custos do produto oficial. No Brasil são cerca de 76 milhões de veículos em circulação. A frota segurada é de apenas 30% e contempla no geral veículos com até cinco anos de uso.A expectativa do mercado é que a aprovação do seguro popular eleve esse percentual para 50%. O produto seria voltado especialmente para a classe média e a ideia é que as coberturas possam ser integrais ou fracionadas. Apesar das projeções de crescimento, entidades de defesa do consumidor recomendam cautela e alertam para os riscos das coberturas reduzidas. “Se esse modelo for aprovado, cada caso deve ser avaliado individualmente, de acordo com o perfil do usuário. Não adianta contratar um seguro e na hora da necessidade ter gastos porque a cobertura não é abrangente, como muitas vezes vemos nos planos de saúde”, compara Maria Inês Dolci, coordenadora institucional da Proteste Associação de Consumidores. Maria Inês diz que a Proteste vai participar da consulta pública com sugestões, observando especialmente a questão das coberturas. A Proteste alerta para os cuidados com coberturas específicas. “Esse pode ser um risco para o consumidor.” O seguro popular deve abranger os consumidores de motos e caminhões. A Federação Nacional dos Seguros Gerais (Fenseg) estima que, dos 14 milhões de veículos segurados no país, os seguros de motos não ultrapassem 500 mil e de caminhões 10% do total. “Existe uma grande demanda também no mercado de caminhões”, aponta Luiz Pomarole, vice-presidente da federação.Peças usadas Outro ponto-chave para a norma é a aprovação da lei de desmanches, que vai propiciar o uso de peças usadas nos veículos novos, barateando o custo. A lei está no Congresso Nacional e o seguro popular depende da aprovação da medida. “Essas peças usadas serão acreditadas por um órgão público competente e terão a garantia das seguradoras. Algumas peças serão autorizadas, outras não. Essa é uma questão que tem também um apelo ecológico do reaproveitamento”, defende Pomarole. O mercado está de olho em consumidores da classe média brasileira, com carros com mais de cinco anos de uso que poderiam contratar o seguro popular, como o lanterneiro Cláudio Afonso Domingues. “A ideia não é competir com o seguro tradicional, é atender um outro nicho do mercado”, diz Pomarole.

Claúdio Domingues tem um carro popular bem cuidado, com cerca de 10 anos de uso. Ele diz que gostaria de contratar um seguro com cobertura integral, mas nunca se arriscou devido às franquias (valor que deve ser pago em caso do seguro ser acionado) serem de alto custo. O lanterneiro seria um candidato potencial ao seguro popular. “Se o preço caísse, eu contrataria o seguro.”Mas a questão não é unanimidade entre consumidores. Empresária no ramos de flores, Jussara Mendonça tem um carro com cinco anos de uso. Por ano, ela paga cerca de R$ 2 mil pelo seguro. “Quando precisei usar a proteção, acabei não acionando o carro reserva a que tinha direito porque me cobraram uma taxa cuja existência eu desconcordei em pagar. Seguro é uma faca de dois gumes”, opina. Segundo a consumidora, caso o seguro popular seja aprovado a partir do ano que vem e mesmo que seu carro esteja enquadrado na modalidade, ela prefere continuar bancando o seguro tradicional, com coberturas completas. Expansão As projeções do mercado são de forte crescimento com o seguro popular. Diretor comercial da Seguralta, franquia do mercado de seguros, Nilton Dias diz que o número de 4 mil apólices comercializadas por mês em seguros de automóveis pode crescer mais de 70%, atingindo 7 mil, ao mês. O executivo aponta que a queda efetiva de preços dependeria também de uma redução do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF). Segundo a Fenseg a redução de preços para o seguro popular pode chegar a 38% caso o IOF seja reduzido de 7% para 2%. A consulta pública deve ser publicada nas próximas semanas. Sobre o tema, o Estado de Minas procurou a Superintendência de Seguros Privados (Susep), que preferiu não responder à reportagem.

Olho vivo

Antes de contratar um seguro

Leia com atenção o item “exclusão”. Lá consta tudo o que não está coberto pela seguradora. Pergunte se você tem direito ao “bônus”, um desconto para quem não acionou a seguradora por acidentes. (Só é válido para quem está renovando ou trocando de seguradora.) Verifique o valor da “franquia”, ou seja, o quanto você deve desembolsar em caso de sinistro. Assistência 24 horas. Confira o que está incluso nessa assistência. Em geral, há serviços como reboque e carro reserva. Verifique também qual a distância limite para que esse atendimento seja realizado. Algumas seguradoras só prestam esse serviço em um raio de 100 km da cidade que você indicou no contrato.Veja se é possível, escolher a oficina. Confira também qual o prazo que a seguradora dá para pagá-lo em caso de “indenização integral”. Em alguns contratos, é importante informar se você vai usar o carro todos os dias para trabalhar ou apenas nos fins de semana. Se pretende ir ao trabalho com ele, confirme que isso esteja no contrato, caso contrário, é possível que, se o seu carro for roubado no estacionamento do trabalho, a seguradora não cubra. FONTE: Proteste- Associação de Consumidores


22 abril 2013