Page 1

XXI 45 08/03/2013

Superintendência de Comunicação Integrada

CLIPPING Nesta edição: Clipping Geral Defesa da Mulher Patrimônio Cultural Direitos Humanos Procon-MG

Destaques: Bruno recua e agora diz que sabia que Eliza ia ser assassinada - p. 02 Ato contra “PEC da mordaça” quer 10 mil adesões - p. 30 Brasil segue longe de frear a violência contra a mulher - p. 36


ďƵƐĐĂƉŽƌŽƵƚƌĂƐĂůƚĞƌŶĂƚŝǀĂƐ͕Ž ĂďĞƌƚƵƌĂĚŽŶĞŐſĐŝŽ͕ĐŽŵŽƌĞƐĞƌďƵƐĐĂƉŽƌŽƵƚƌĂƐĂůƚĞƌŶĂƚŝǀĂƐ͕Ž ŐſĐŝŽ͕ĐŽŵŽƌĞƐĞƌSegund ƌĂ ĚĞƐƚĂĐŽƵ ƚĂŵďĠŵ ƋƵĞ͕ ŶĂ Segundo o magistrado, esse tipo de in ƉŽĚĞĞdžŝŐŝƌĚĞƚĞƌŵŝŶĂĚĂƐĐŽŶĚƵĚĞƚĞƌŵŝŶĂĚĂƐĐŽŶĚƵƵƚŝůŝnjĂĚŽƉĞůĂƐƉĂƌƚĞƐ͘ ĨƌĂŶƋƵĞĂĚŽĚĞŵŽĚŽƋƵĞĞůĞĂƚƵĞ ŵĞŝŽ ƚŝŵĞŶƚŽ ũƵşnjŽĂƌďŝƚƌĂůƚĂŵďĠŵƉŽĚĞƐĞƌ ǀĂƌ ĚĞƚĞƌŵŝŶĂĚĂ ƌĞŐŝĆŽ ƉĂƌĂ Ž ũƵşnjŽĂƌďŝƚƌĂůƚĂŵďĠŵƉŽĚĞƐĞƌ ĚĂ ƌĞŐŝĆŽ ƉĂƌĂ Ž ďƵƐĐĂƉŽƌŽƵƚƌĂƐĂůƚĞƌŶĂƚŝǀĂƐ͕Ž SegundoƚĂŝƐ oŽƵ magistrado, de investimento é a maneiraŽmais rá ƚĂƐ ĚŽ ĨƌĂŶƋƵĞĂĚŽ͕ ĐŽŵŽ ŽŽesse tipo ͞ĂŵĂŶĞŝƌĂŵĂŝƐƌĄƉŝĚĂĞ ƐĞŵ ĐŽŶĐŽƌƌġŶĐŝĂ ĞƐƚŝƉƵůĂƌ ĐĂƉŝƚĂ ƋƵĞĂĚŽ͕ ƚĂŝƐ ĐŽŵŽ Ž ƵƚŝůŝnjĂĚŽƉĞůĂƐƉĂƌƚĞƐ͘ ĨƌĂŶƋƵĞĂĚŽĚĞŵŽĚŽƋƵĞĞůĞĂƚƵĞ ũƵşnjŽĂƌďŝƚƌĂůƚĂŵďĠŵƉŽĚĞƐĞƌ ƵƚŝůŝnjĂĚŽƉĞůĂƐƉĂƌƚĞƐ͘ ŵŽĚŽƋƵĞĞůĞĂƚƵĞ ĐŽ ƚŝŵĞŶƚŽ͘WŽƌŵĞŝŽĚĂĨƌĂŶƋƵŝĂ͕ ĚĞ Ă ƉĞƐƐŽĂ ŝŶŝĐŝĂƌ Ƶŵ ƚŝŵĞŶƚŽ ĚĞ͕ ŵĂƐ ƉƌĞĕŽĚŽĐŽŶƚƌĂƚŽ͕ƋƵĞĠůŝŵŝƚĂ- ƉƌĄƚŝĐĂ ƐŝŐŝůŽĚĞŝŶĨŽƌŵĂĕƁĞƐĞƐƚƌĂƚĠŐŝĐĂƐ͕ ŶƋƵŝĂ͕ ŽƌŵĂĕƁĞƐĞƐƚƌĂƚĠŐŝĐĂƐ͕ ƵƚŝůŝnjĂĚŽƉĞůĂƐƉĂƌƚĞƐ͘ ĐŽŶŚĞĐŝĚŽ͘ĞŵƉƌĞƐĂƋƵĞŶĆŽ ƚŝŵĞŶƚŽ͘WŽƌŵĞŝŽĚĂĨƌĂŶƋƵŝĂ͕ ͞ĂŵĂŶĞŝƌĂŵĂŝƐƌĄƉŝĚĂĞ ƐĞŵ ĐŽŶĐŽƌƌġŶĐŝĂ ŽƵ ĞƐƚŝƉƵůĂƌ Ž Ž ĐĂƉŝƚ ͞ĂŵĂŶĞŝƌĂŵĂŝƐƌĄƉŝĚĂĞ ĐŝĂ ŽƵ ĞƐƚŝƉƵůĂƌ Ž ĞƉŽĚĞĨŝdžĂƌĂůƚĂƐŵƵůƚĂƐĞŵĐĂƐŽ ƉŽ Ž ĐĂƉŝƚĂů ŶĆŽ ƉƌĞĐŝƐĂ ƐĞƌ ŐƌĂŶŵĞƌĐĂĚŽ ŶĞŐſĐŝŽ͕ĚĞƐĚĞƋƵĞƚĞŶŚĂŝŶǀĞƐĚŽƉĞůŽŵĞƌĐĂĚŽ͘ ĂůƚĂƐŵƵůƚĂƐĞŵĐĂƐŽ ͞ĂŵĂŶĞŝƌĂŵĂŝƐƌĄƉŝĚĂĞ ŽƵ ŶĆŽ ƋƵĞƌƵŵ ƐĞ ĞdžƉĂŶĚŝƌ ƉƌĞĐŝƐĂ ƐĞƌ ĚĞ͕ ŐƌĂŶƉƌĄƚŝĐĂ ĚĞ ĂƉŽĚĞ ƉĞƐƐŽĂ ŝŶŝĐŝĂƌ ĚĞ͕ ŵĂ ƉƌĞĕŽĚŽĐŽŶƚƌĂƚŽ͕ƋƵĞĠůŝŵŝƚĂƉƌĄƚŝĐĂ ĚĞ Ž ĂĐĂƉŝƚĂů ƉĞƐƐŽĂŶĆŽ ŝŶŝĐŝĂƌ Ƶŵ Ăď ŵĂƐ ƉŽĚĞͲƐĞ ŝŶŐƌĞƐƐĂƌ ŶŽ ĂƚŽ͕ƋƵĞĠůŝŵŝƚĂƉŝƚĂů ĚĞĚĞƐŽďĞĚŝġŶĐŝĂ͘ ġŶĐŝĂ͘ ƉƌĄƚŝĐĂ ĚĞ Ă ƉĞƐƐŽĂ ŝŶŝĐŝĂƌ Ƶŵ ĂďƌĞ ŵĆŽ ĚĞƐƐĂ ĞdžƉĂŶƐĆŽ Ğŵ ĚĞ͕ ŵĂƐ ƉŽĚĞͲƐĞ ŝŶŐƌĞƐƐĂƌ ŶŽ ŶĞŐſĐŝŽ͕ĚĞƐĚĞƋƵĞƚĞŶŚĂŝŶǀĞƐŵĞƌĐĂĚŽ ĐŽŵ Ƶŵ ƉƌŽĚƵƚŽ ŵĞƌĐĂĚ ũĄ Ɖƌ ĚŽƉĞůŽŵĞƌĐĂĚŽ͘ ŶĞŐſĐŝŽ͕ĚĞƐĚĞƋƵĞƚĞŶŚĂŝŶǀĞƐĚŽ͘ ƉĂƌƚĞƐ͕ ĞŵƵŵ ĐŽŶŵĞƌĐĂĚŽ ĐŽŵ ƉƌŽĚƵƚŽ ũĄ ƉƌŽů ĚĞ ŽƵƚƌŽƐ͘  ǀĂŝ ƚĞƌ ƵŵĂ ŶĞŐſĐŝŽ͕ĚĞƐĚĞƋƵĞƚĞŶŚĂŝŶǀĞƐĂƐ ƉĂƌƚĞƐ͕ Ğŵ ĐŽŶ- ŵďĂƐ ĂƐ ƌĞĐŝƐĂ ƚƌĂƚŽ͕ƉŽĚĞŵĞůĞŐĞƌŽĨŽƌŽĐŽŵŵĞůĞŐĞƌŽĨŽƌŽĐŽŵminas cria Comitê estadual ƉĞƚĞŶƚĞ ƉĂƌĂ Ěŝƌŝŵŝƌ ƉŽƐƐşǀĞŝƐ ƌĂ Ěŝƌŝŵŝƌ ƉŽƐƐşǀĞŝƐ ĞƐĚĞƐĞŐƵŶĚĂͲĨĞŝƌĂ;ϰͿ͕Ž ƌŝŽWƷďůŝĐŽƐƚĂĚƵĂůĞ&ĞĚĞƌĂů͕ ǀŝŶĐƵůĂĚŽƐĂŽƚĞ ĂŶĚĞ aluno ůŝƚşŐŝŽƐ͘ dŽĚĂǀŝĂ͕ Ğŵ ĂůŐƵŶƐ ŽĚĂǀŝĂ͕ Ğŵ ĂůŐƵŶƐ d:D' ĐŽŶƚĂ ĐŽŵ Ƶŵ Žŵŝƚġ ĚŽ DŝŶŝƐƚĠƌŝŽ WƷďůŝĐŽ ĚŽ dƌĂ- ŵŝnjĂĕĆŽĚĞŵĠƚ 01

MINAS GERAIS - P. 07 - 08.03.2013

as cria minas Comitêcria estadual Precató Comitêdeestadual Comitê estadual de Precatórios

visitam

ĐĂƐŽƐ͕ƉŽĚĞͲƐĞĂƉůŝĐĂƌŽſĚŝŐŽ ĞͲƐĞĂƉůŝĐĂƌŽſĚŝŐŽ ƐƚĂĚƵĂů ĚĞ WƌĞĐĂƚſƌŝŽƐ͘ ƌŝĂ- ďĂůŚŽ͕ ĚĂ ĚǀŽĐĂĐŝĂͲ'ĞƌĂů ĚĂ ůŚŽ͘ K ŵĂŐŝƐƚƌĂ ůĞƵďĞ &ƌĞŝƚĂƐĚĂ WĞƌĞŝƌĂ͕ ĚŽ ǀŝŶĐƵůĂĚŽƐĂŽƚ WƷďůŝĐŽƐƚĂĚƵĂůĞ&ĞĚĞƌĂů͕ ǀŝŶĐƵůĂĚŽƐĂŽƚĞŵĂĞĂƵŶŝĨŽƌǀŝŶĐƵůĂĚŽƐĂŽƚĞŵĂĞĂƵŶŝĨŽƌůĞƵďĞ ĚĞ &ƌĞ ƵŶĚĂͲĨĞŝƌĂ;ϰͿ͕Ž ƌŝŽWƷďůŝĐŽƐƚĂĚƵĂůĞ&ĞĚĞƌĂů͕ ĞƐĚĞƐĞŐƵŶĚĂͲĨĞŝƌĂ;ϰͿ͕Ž ĚĞ ĞĨĞƐĂ ĚŽ ŽŶƐƵŵŝĚŽƌ͕ Ž hŶŝĆŽ ŶŽĚĞ ƐƚĂĚŽ͕ WƌŽĐƵƌĂƋƵĞũĄŚŽƵǀĞƵŵ ĚŽƉŽƌĚĞƚĞƌŵŝŶĂĕĆŽĚŽŽŶĚŽ ŽŶƐƵŵŝĚŽƌ͕ƌŝŽWƷďůŝĐŽƐƚĂĚƵĂůĞ&ĞĚĞƌĂů͕ Ž ŵŝnjĂĕĆŽĚĞŵĠƚŽĚŽƐĚĞƚƌĂďĂŽŵ DŝŶŝƐƚĠƌŝŽ WƷďůŝĐŽ ĚŽ dƌĂdƌŝďƵŶĂů ZĞŐŝŽŶĂů ĚŽ dƌĂďĂůŚŽ ůƵŶŽƐ ŵŝnjĂĕĆŽĚĞŵĠƚŽĚŽƐĚĞƚƌĂďĂƵŵ Žŵŝƚġ ĚŽ DŝŶŝƐƚĠƌŝŽ WƷďůŝĐŽ ĚŽ ſƌŐĆŽŶŽĂŶŽƉĂ ƐĞůŚŽ EĂĐŝŽŶĂů ĚĞdƌĂ:ƵƐƚŝĕĂ ĚŽƌŝĂͲ'ĞƌĂůWƷďůŝĐŽ ĚŽ ƐƚĂĚŽ Ğ ƉŽƌ ŵŝnjĂĕĆŽĚĞŵĠ dƌŝďƵŶĂů ZĞŐŝŽ ĚŽ DŝŶŝƐƚĠƌŝŽ ĚŽ dƌĂĐŽŶƚĂ ĐŽŵ Ƶŵ Žŵŝƚġ ƋƵĞ ĚĞŝdžĂ Ă ĞƐĐŽůŚĂ ĚŽ ĨŽƌŽ ĐĞƌĞƐƐĞƚŝƉŽĚĞ Ă ĞƐĐŽůŚĂ ĚŽd:D' ĨŽƌŽ ůŚŽ͕ ĚĂ ĚǀŽĐĂĐŝĂͲ'ĞƌĂů ĚĂ ůŚŽ͘ K ŵĂŐŝƐƚƌĂĚŽ ĞƐĐůĂƌĞĐĞƵ ĚĂϯǐZĞŐŝĆŽ͖ŽƐũƵşnjĞƐĚŽdƌŝďƵĐŽŵŝƚġĂŐƵĂƌĚĂ ;E:Ϳ͕ Ž ſƌŐĆŽ ƌŝĂŝŶƚĞŐƌĂ Ž ƵŵƉƌŽĐƵƌĂĚŽƌŵƵŶŝĐŝƉĂů͘ ŝƌĞŝƚŽĚĂh ďĂůŚŽ͕ ĚǀŽĐĂĐŝĂͲ'ĞƌĂů ĚĂ ŵĂŝƐ ůŚŽ͘ KĚĂ ŵĂŐŝƐƚƌĂĚŽ ĞƐĐůĂƌĞĐĞƵ ƌĞĐĂƚſƌŝŽƐ͘ ƌŝĂ-ŽƐƚĂĚƵĂů ďĂůŚŽ͕ ĚǀŽĐĂĐŝĂͲ'ĞƌĂů ĚĂ ůŚŽ͘ K ŵĂŐŝƐƚƌ ĚĞ WƌĞĐĂƚſƌŝŽƐ͘ ĚĂϯǐZĞŐŝĆŽ͖Ž ƉĂƌĂ ĚĂ Ž ĨƌĂŶƋƵĞĂĚŽ͕ ƉĂƌƚĞ Ăů͕ ƐĞŐƵŶĚŽ ŶƋƵĞĂĚŽ͕ ƉĂƌƚĞ ŵĂŝƐ ŝĆŽ ŶŽ ƐƚĂĚŽ͕ ĚĂ WƌŽĐƵƌĂƋƵĞũĄŚŽƵǀĞƵŵĂƌĞƵŶŝĆŽĚŽ ŶĂůĚĞ:ƵƐƚŝĕĂDŝůŝƚĂƌ&ĞƌŶĂŶĚŽ ^ĞŐƵŶĚŽZĂŵŽŵKůŝǀĞŝƌĂ͕ ƚŽ ĚĞ ŶŽǀĂƐ ƌĞ &ſƌƵŵ EĂĐŝŽŶĂů ĚĞ WƌĞĐĂƚſͲĞůŽ,ŽƌŝnjŽŶ ƋƵĞũĄŚŽƵǀĞƵŵĂƌĞƵŶŝĆŽĚŽ ŝŶĂĕĆŽĚŽŽŶhŶŝĆŽ ŶŽ ƐƚĂĚŽ͕ ĚĂ WƌŽĐƵƌĂhŶŝĆŽ ŶŽ ƐƚĂĚŽ͕ ĚĂ WƌŽĐƵƌĂ- ƋƵĞũĄŚŽƵǀĞƵ ĚŽƉŽƌĚĞƚĞƌŵŝŶĂĕĆŽĚŽŽŶŶĂůĚĞ:ƵƐƚŝĕĂD ŶĂ ƌĞůĂĕĆŽ ĐŽŶƚƌĂƚƵĂů͘ K ŶƋƵĞĂĚŽƌ ĞůĂĕĆŽ K ſƌŐĆŽŶŽĂŶŽƉĂƐƐĂĚŽĞƋƵĞŽ ƌŝĂͲ'ĞƌĂůĐŽŶƚƌĂƚƵĂů͘ ĚŽĞŵŝƚĞ ƐƚĂĚŽ ĞĨƌĂĐĂ ƉŽƌ ƌŝŽƐ ;&ŽŶĂƉƌĞĐͿ ĞĞ ƚĞŵ ĐŽŵŽ ĞŶƚƌĞĂƐĂƚƌŝďƵŝĕƁĞƐĚŽĐŽŵŝƚġ :ŽƐĠƌŵĂŶĚŽZŝďĞŝƌŽĞZƷďŝŽ ĂŶŽ͕ƉĂƌĂĚĞďĂƚ ͲĨĞŝƌĂ;ϱͿ͕ăƐĞ ĚŽƌŝĂͲ'ĞƌĂů ĚŽ ƐƚĂĚŽ ƉŽƌ ſƌŐĆŽŶŽĂŶŽƉĂƐƐĂĚŽĞƋƵĞŽ Ăů ĚĞ :ƵƐƚŝĕĂ ĚŽƌŝĂͲ'ĞƌĂů ĚŽ ƐƚĂĚŽ Ğ ƉŽƌ ſƌŐĆŽŶŽĂŶŽƉ ƐĞůŚŽ EĂĐŝŽŶĂů ĚĞ :ƵƐƚŝĕĂ ĐŽŵŝƚġĂŐƵĂƌĚĂŽĂŐĞŶĚĂŵĞŶŵƉƌŽĐƵƌĂĚŽƌŵƵŶŝĐŝƉĂů͘ ĚĞƐĞŵďĂƌŐĂĚŽƌ EĞǁƚŽŶ dĞŝdžĞŝĞƌƚĂ ĚĞ ĨƌĂŶƋƵŝĂ ĂĚŽƌ EĞǁƚŽŶ dĞŝdžĞŝKƐĚĞŵĂŝƐ ĨŝŶĂůŝĚĂĚĞĞůĂďŽƌĂƌĞƐƚƵĚŽƐĞ ĞƐƚĆŽ Ă ĞůĂďŽƌĂĕĆŽ ĚĞ ĂƚŽƐ :ŽƐĠƌŵĂŶĚŽ WĂƵůŝŶŽ ŽĞůŚŽ͖ Ž ĂĚǀŽŐĂĚŽ şǀĞůĚŽdƌŝďƵ ƵŵƉƌŽĐƵƌĂĚŽƌŵƵŶŝĐŝƉĂů͘ ĐŽŵŝƚġĂŐƵĂƌĚĂŽĂŐĞŶĚĂŵĞŶĆŽ ŝŶƚĞŐƌĂ Ž ĐŽŵŝƚġĂŐƵĂƌĚĂ ;E:Ϳ͕ Ž ſƌŐĆŽ ŝŶƚĞŐƌĂ Ž ƵŵƉƌŽĐƵƌĂĚŽƌŵƵŶŝĐŝƉĂů͘ ^ĞŐƵŶĚŽZĂŵŽŵKůŝǀĞŝƌĂ͕ ƚŽ ĚĞ ŶŽǀĂƐ ƌĞƵŶŝƁĞƐ͕ ŶĞƐƚĞ WĂƵůŝŶŽ ŽĞůŚ ƌĂ ĚĞƐƚĂĐŽƵ ƚĂŵďĠŵ ƋƵĞ͕ ŶĂ ŶŽƌŵĂƚŝǀŽƐ ƉĂƌĂ ŵŽĚĞƌŶŝnjĂ- ĐŽŵŝƚġ͕KƋƵĞ ĨŽ ƉƌŽƉŽƌŵĞĚŝĚĂƐĐŽŶĐƌĞƚĂƐĚĞ ĐŽŶĚŝĕƁĞƐƉĂƌĂĂ Ƶ ƚĂŵďĠŵ ƋƵĞ͕ ŶĂ :ŽƐĠůĨƌĞĚŽĚĞKůŝǀĞŝƌĂĂƌĂĚĞƐĞŵ ƚŽ ĚĞ ŶŽǀĂƐ ƌĞƵŶŝƁĞƐ͕ ŶĞƐƚĞ ŶĂů ĚĞ WƌĞĐĂƚſ^ĞŐƵŶĚŽZĂŵŽŵKůŝǀĞŝƌĂ͕ ĂŶŽ͕ƉĂƌĂĚĞďĂƚĞƐ͘ ƚƌĞĂƐĂƚƌŝďƵŝĕƁĞƐĚŽĐŽŵŝƚġ ƚŽ ĚĞ ŶŽǀĂƐ &ſƌƵŵ EĂĐŝŽŶĂů ĚĞ WƌĞĐĂƚſ^ĞŐƵŶĚŽZĂŵŽŵKůŝǀĞŝƌĂ͕ ƉĞůĂ WŽƌƚĂƌŝĂ Ϯ͘ƌ ĂƉĞƌĨĞŝĕŽĂŵĞŶƚŽ ŶĂ ŐĞƐƚĆŽ ĕĆŽ ĚĞ ƌŽƚŝŶĂƐ Ğ ŽƌŐĂŶŝnjĂĕĆŽ esse :ŽƐĠůĨƌĞĚŽĚ ďƵƐĐĂƉŽƌŽƵƚƌĂƐĂůƚĞƌŶĂƚŝǀĂƐ͕Ž ĐŝŽ͕ĐŽŵŽƌĞƐĞƌƐƵďƐƚŝƚƵŝƵŽ ĐŚŽ:ƷŶŝŽƌ͖ŽĐŚĞĨĞĚĞŐĂďŝŶĞŽƵƚƌĂƐĂůƚĞƌŶĂƚŝǀĂƐ͕Ž Segundo o magistrado, tipo de inv Segundo o magistrado, esse tipo de investimento é a maneira mais rá KƐĚĞŵĂŝƐŝŶƚĞŐƌĂŶƚĞƐĚŽ ƚĆŽĞĂƚĞŵ ĞůĂďŽƌĂĕĆŽ ĚĞ ĂƚŽƐ ĞŶƚƌĞĂƐĂƚƌŝďƵŝĕƁĞƐĚŽĐŽŵŝƚġ ĂŶŽ͕ƉĂƌĂĚĞďĂƚĞƐ͘ ĐͿ ĐŽŵŽ ƌŝŽƐ ;&ŽŶĂƉƌĞĐͿ Ğ ƚĞŵ ĐŽŵŽ ĞŶƚƌĞĂƐĂƚƌŝďƵŝĕƁĞƐĚŽĐŽŵŝƚġ Ž ĚĞƐĞŵďĂƌŐĂĚŽ ĚĞƉƌĞĐĂƚſƌŝŽƐ͘ ĚĂƐƚĂƌĞĨĂƐ͕ŽĂƉƌŝŵŽƌĂŵĞŶƚŽ ŶĂƉƌĞƐŝĚġŶĐ ĐŚŽ:ƷŶŝŽƌ͖ŽĐ ƚĞ ĚĂ WƌŽĐƵƌĂĚŽƌŝĂͲ'ĞƌĂů ĚĞ ĂŶŽ͕ƉĂƌĂĚĞďĂ ũƵşnjŽĂƌďŝƚƌĂůƚĂŵďĠŵƉŽĚĞƐĞƌ  ƌĞŐŝĆŽ ƉĂƌĂ Ž ĂůƚĂŵďĠŵƉŽĚĞƐĞƌ ƌŵĂƚŝǀŽƐ ƉĂƌĂ ŵŽĚĞƌŶŝnjĂƋƵĞ ĨŽŝ KƐĚĞŵĂŝƐŝŶƚĞŐƌĂŶƚĞƐĚŽ ĞƐƚĆŽ ĂĐŽŵŝƚġ͕ ĞůĂďŽƌĂĕĆŽ ĚĞĚŝƐĐŝƉůŝŶĂĚŽ ĂƚŽƐ ĞƐƚĆŽĚĂůĞŐŝƐůĂĕĆŽƌĞůĂƚŝǀĂĂŽĂƐƐƵŶďŽƌĂƌĞƐƚƵĚŽƐĞ ƌĞƉƌĞƐĞŶƚĂŶĚŽŽ KĐŽŵŝƚġĠƉƌĞƐŝĚŝĚŽƉĞůŽ KƐĚĞŵĂŝƐ ĨŝŶĂůŝĚĂĚĞĞůĂďŽƌĂƌĞƐƚƵĚŽƐĞ Ă ĞůĂďŽƌĂĕĆŽ ĚĞ ĂƚŽƐ ƚĞ ĂŽƐĞƐƚƵĚĂŶƚ :ƵƐƚŝĕĂ͕WĂƵůŽĚĞdĂƌƐŽDŽƌĂŝƐ ĚĂ WƌŽĐƵƌĂ ƵƚŝůŝnjĂĚŽƉĞůĂƐƉĂƌƚĞƐ͘ ŽĚŽƋƵĞĞůĞĂƚƵĞ ĐŽŶ ƚŝŵĞŶƚŽ͘WŽƌŵĞŝŽĚĂĨƌĂŶƋƵŝĂ͕ ĞůĂƐƉĂƌƚĞƐ͘ ĐŽŶŚĞĐŝĚŽ͘ĞŵƉƌĞƐĂƋƵĞŶĆŽ ƚŝŵĞŶƚŽ͘WŽƌŵĞŝŽĚĂĨƌĂŶƋƵŝĂ͕ ƉĞůĂ WŽƌƚĂƌŝĂ Ϯ͘ϴϲϭͬϮϬϭϯ͕ ƐĆŽ Ž ĚĞ ƌŽƚŝŶĂƐ Ğ ŽƌŐĂŶŝnjĂĕĆŽ njĞƐ ĨĞĚĞƌĂŝƐ 'ƵĨ ũƵŝnjZĂŵŽŵdĄĐŝŽĚĞKůŝǀĞŝƌĂĞ ƚŽ͕ĂĐƌŝĂĕĆŽĚĞĂĕƁĞƐǀŽůƚĂĚĂƐ ĐŽŵŝƚġ͕ ƋƵĞ ĨŽŝ ĚŝƐĐŝƉůŝŶĂĚŽ ĂƐĐŽŶĐƌĞƚĂƐĚĞ ƉƌŽƉŽƌŵĞĚŝĚĂƐĐŽŶĐƌĞƚĂƐĚĞ ŶŽƌŵĂƚŝǀŽƐ ƉĂƌĂ ŵŽĚĞƌŶŝnjĂ- ŶŽƌŵĂƚŝǀŽƐ ƉĂƌĂ ŵŽĚĞƌŶŝnjĂĐŽŵŝƚġ͕ ƋƵĞ ŶĂůĚĞ:ƵƐƚŝĕ &ŝůŚŽ͖ĂƉƌŽĐƵƌĂĚŽƌĂĚŽƐƚĂĚŽ :ƵƐƚŝĕĂ͕WĂƵůŽ Ž ĚĞƐĞŵďĂƌŐĂĚŽƌ dŝĂŐŽ WŝŶƚŽ͕ ƐƚĂƌĞĨĂƐ͕ŽĂƉƌŝŵŽƌĂŵĞŶƚŽ ͞ĂŵĂŶĞŝƌĂŵĂŝƐƌĄƉŝĚĂĞ Ă ŽƵ ĞƐƚŝƉƵůĂƌ Ž ƉŽĚ Ž ĐĂƉŝƚĂů ŶĆŽ ƉƌĞĐŝƐĂ ƐĞƌ ŐƌĂŶĂŶĞŝƌĂŵĂŝƐƌĄƉŝĚĂĞ ƉŽĚĞ ŽƵ ŶĆŽ ƋƵĞƌ ƐĞ ĞdžƉĂŶĚŝƌ Ž ĐĂƉŝƚĂů ŶĆŽ ƉƌĞĐŝƐĂ ƐĞƌ ŐƌĂŶĚŽŶĕĂŽĞŚůĞƌ͕ ƌĞƉƌĞƐĞŶƚĂŶƚĞƐ ƉĂƌĂĂĂŐŝůŝnjĂĕĆŽŶŽƉĂŐĂŵĞŶĕĆŽ ĚĞ ĨŽƌŵĂĚŽ ƌŽƚŝŶĂƐ ĞƉŽƌ ŽƌŐĂŶŝnjĂĕĆŽ ƉĞůĂ WŽƌƚĂƌŝĂ ƐĆŽ ƉĞůĂ ŶƚŽ ŶĂ ŐĞƐƚĆŽ ĂƉĞƌĨĞŝĕŽĂŵĞŶƚŽ ĚĞ ƌŽƚŝŶĂƐϮ͘ϴϲϭͬϮϬϭϯ͕ Ğ ŽƌŐĂŶŝnjĂĕĆŽ WŽƌƚĂƌŝĂ Ϯ ŶĂ ŐĞƐƚĆŽ ĕĆŽ ƌĆŽ ĂƚŝǀŝĚĂĚ &ĞƌŶĂŶĚĂƌŝƚŽWĞƌĞŝƌĂĞŽƉƌŽƌĞƉƌĞƐĞŶƚĂŶĚŽŽd:D'͖ŽƐũƵşůĞŐŝƐůĂĕĆŽƌĞůĂƚŝǀĂĂŽĂƐƐƵŶ&ŝůŚŽ͖ĂƉƌŽĐƵƌ sĂƐĐŽŶĐĞůŽƐĞ:Ġ ĚŽd:D'͕ĚĂKƌĚĞŵĚŽƐĚǀŽƚŽ ĚĂƐ ĚşǀŝĚĂƐ ĚĞ ƉƌĞĐĂƚſƌŝŽƐ͕ ƉƌĄƚŝĐĂ ĚĞ Ă ƉĞƐƐŽĂ ŝŶŝĐŝĂƌ Ƶŵ Ăďƌ ĚĞ͕ ŵĂƐ ƉŽĚĞͲƐĞ ŝŶŐƌĞƐƐĂƌ ŶŽ Ž͕ƋƵĞĠůŝŵŝƚĂĂ ƉĞƐƐŽĂ ŝŶŝĐŝĂƌ Ƶŵ ĂďƌĞ ŵĆŽ ĚĞƐƐĂ ĞdžƉĂŶƐĆŽ Ğŵ ĚĞ͕ ŵĂƐ ƉŽĚĞͲƐĞ ŝŶŐƌĞƐƐĂƌ ŶŽ Ž ĚĞƐĞŵďĂƌŐĂĚŽƌ dŝĂŐŽ WŝŶƚŽ͕ Ž ĚĞƐĞŵďĂƌŐĂĚ ͘ ĚĂƐƚĂƌĞĨĂƐ͕ŽĂƉƌŝŵŽƌĂŵĞŶƚŽ WƷďůŝĐŽŽƵĚ ĚĂƐƚĂƌĞĨĂƐ͕ŽĂƉƌŝŵŽƌĂŵĞŶƚŽ ĚĞƉƌĞĐĂƚſƌŝŽƐ͘ ĐƵƌĂĚŽƌĚŽƐƚĂĚŽ&ĄďŝŽDƵƌŝůŽ ĂĐƌŝĂĕĆŽĚĞĂĕƁĞƐǀŽůƚĂĚĂƐ njĞƐ ĨĞĚĞƌĂŝƐ 'ƵŝůŚĞƌŵĞ DĞŶŐĂĚŽƐ;KͬD'Ϳ͕ĚŽDŝŶŝƐƚĠĂĐŽŶŐƌĞŐĂĕĆŽĚĞŵĂŐŝƐƚƌĂĚŽƐ WĂĐŚĞĐŽ͖ ĂƉƌŽ ĚĞ &ĞƌŶĂŶĚĂƌŝƚŽ ŵĞƌĐĂĚŽ ĐŽŵ Ƶŵ ƉƌŽĚƵƚŽ ũĄKƐƉƌŽĨĞ ŶĞŐſĐŝŽ͕ĚĞƐĚĞƋƵĞƚĞŶŚĂŝŶǀĞƐ͘ ƉƌŽů ĚĞ ŽƵƚƌŽƐ͘  ǀĂŝ ƚĞƌ ƵŵĂ ŵĞƌĐĂĚŽ ĐŽŵ Ƶŵ ƉƌŽĚƵƚŽ ũĄ ƐĚĞƋƵĞƚĞŶŚĂŝŶǀĞƐƌĞƉƌĞƐĞŶƚĂŶĚŽŽd:D'͖ŽƐũƵşĠƉƌĞƐŝĚŝĚŽƉĞůŽ ĚĂůĞŐŝƐůĂĕĆŽƌĞůĂƚŝǀĂĂŽĂƐƐƵŶEĂnjĂƌ͕ƋƵĞƚĞŵĐŽŵŽƐƵƉůĞŶƚĞ ƌĞƉƌĞƐĞŶƚĂŶĚŽ ĚĂůĞŐŝƐůĂĕĆŽƌĞůĂƚŝǀĂĂŽĂƐƐƵŶKĐŽŵŝƚġĠƉƌĞƐŝĚŝĚŽƉĞůŽ ĚŽŶĕĂŽĞŚůĞƌ͕ŶĚƌĠWƌĂĚŽĚĞ ƌĂĂĂŐŝůŝnjĂĕĆŽŶŽƉĂŐĂŵĞŶĐƵƌĂĚŽƌĚŽƐƚĂ ĂŵŝĂŶĞZŝƚ ƚŽ͕ĂĐƌŝĂĕĆŽĚĞĂĕƁĞƐǀŽůƚĂĚĂƐ njĞƐ ĨĞĚĞƌĂŝƐ DĞŶ-ĚĂ njĞƐ ĐŝŽĚĞKůŝǀĞŝƌĂĞ ZŽŶĂůĚŽ 'ƵŝůŚĞƌŵĞ DĂƵƌşůŝŽ ŚĞŝď͕ sĂƐĐŽŶĐĞůŽƐĞ:ĠƐƐĞƌ'ŽŶĕĂůǀĞƐ ĚĂƐ ĚşǀŝĚĂƐ ĚĞ ƉƌĞĐĂƚſƌŝŽƐ͕ ƚŽ͕ĂĐƌŝĂĕĆŽĚĞĂĕƁĞƐǀŽůƚĂĚĂƐ ĨĞĚĞƌĂŝƐ ' ũƵŝnjZĂŵŽŵdĄĐŝŽĚĞKůŝǀĞŝƌĂĞ Página PreParada Pelo Centro de imPrens EĂnjĂƌ͕ƋƵĞƚĞŵ DĂƌĐƵĐĐŝĂĐŽ ĚŽŶĕĂŽĞŚůĞƌ͕ŶĚƌĠWƌĂĚŽĚĞ ƉĂƌĂĂĂŐŝůŝnjĂĕĆŽŶŽƉĂŐĂŵĞŶƌĞƉƌĞƐĞŶƚĂŶƚĞƐ ŽŶŐƌĞŐĂĕĆŽĚĞŵĂŐŝƐƚƌĂĚŽƐ WĂĐŚĞĐŽ͖ Ă ĚĞƐĞŵďĂƌŐĂĚŽƌĂ ĚǀŽĐĂĐŝĂͲ'ĞƌĂůĚĂhŶŝĆŽ͘ ĚŽŶĕĂŽĞŚůĞƌ͕ ĨŽƌŵĂĚŽ ƉŽƌ ƌĞƉƌĞƐĞŶƚĂŶƚĞƐ ƉĂƌĂĂĂŐŝůŝnjĂĕĆŽŶŽƉĂŐĂŵĞŶZŽŶĂůĚŽ DĂƵ sĂƐĐŽŶĐĞůŽƐĞ:ĠƐƐĞƌ'ŽŶĕĂůǀĞƐ ƌĚĞŵĚŽƐĚǀŽ- ĚŽd:D'͕ĚĂKƌĚĞŵĚŽƐĚǀŽƚŽ ĚĂƐ ĚşǀŝĚĂƐ ĚĞ ƉƌĞĐĂƚſƌŝŽƐ͕ ƚŽ ĚĂƐ ĚşǀŝĚĂƐ ĚĞ ƉƌĞĐĂƚſƌŝŽƐ͕ sĂƐĐŽŶĐĞůŽƐĞ:Ġ ĂĐŽŶŐƌĞŐĂĕĆŽĚĞŵĂŐŝƐƚƌĂĚŽƐ WĂĐŚĞĐŽ͖ Ăde ĚĞƐĞŵďĂƌŐĂĚŽƌĂ 'Ϳ͕ĚŽDŝŶŝƐƚĠĚǀŽĐĂĐŝĂͲ'Ğƌ rada Pelo Centro de imPrensa do tribunal Justiça do estado de m WĂĐŚĞĐŽ͖ Ă ĚĞ ŐĂĚŽƐ;KͬD'Ϳ͕ĚŽDŝŶŝƐƚĠĂĐŽŶŐƌĞŐĂĕĆŽĚĞŵĂŐŝƐƚƌĂĚŽƐ ǀŝŶĐƵůĂĚŽƐĂŽƚĞŵĂĞĂƵŶŝĨŽƌ- ǀŝŶĐƵůĂĚŽƐĂŽƚĞŵĂĞĂƵŶŝĨŽƌůĞƵďĞ ĚĞ &ƌĞŝƚĂƐ WĞƌĞŝƌĂ͕ ĚŽ ůĞƵďĞ ĚĞ &ƌĞŝ ĚƵĂůĞ&ĞĚĞƌĂů͕ ƌŝŽWƷďůŝĐŽƐƚĂĚƵĂůĞ&ĞĚĞƌĂů͕ ŶĚĂͲĨĞŝƌĂ;ϰͿ͕Ž Página PreParada Pelo Centro de imPrensa do tribunal de Ju ŵŝnjĂĕĆŽĚĞŵĠƚŽĚŽƐĚĞƚƌĂďĂWƷďůŝĐŽ ĚŽ dƌĂ- ĚŽ ŵŝnjĂĕĆŽĚĞŵĠƚŽĚŽƐĚĞƚƌĂďĂDŝŶŝƐƚĠƌŝŽ WƷďůŝĐŽ ĚŽ dƌĂŵ Ƶŵ Žŵŝƚġ Página PreParada PeloĚŽ Centro de imPren dƌŝďƵŶĂů ZĞŐŝŽŶĂů dƌĂďĂůŚŽ dƌŝďƵŶĂů ZĞŐŝŽŶ ůƵŶŽƐ ůŚŽ͘ KĚĂ ŵĂŐŝƐƚƌĂĚŽ ĞƐĐůĂƌĞĐĞƵ ŽĐĂĐŝĂͲ'ĞƌĂů ĚĂ ďĂůŚŽ͕ K ŵĂŐŝƐƚƌĂĚŽ ĞƐĐůĂƌĞĐĞƵ ĚĂϯǐZĞŐŝĆŽ͖ŽƐ ĐĂƚſƌŝŽƐ͘ ƌŝĂĚǀŽĐĂĐŝĂͲ'ĞƌĂů ĚĂ ůŚŽ͘ ĚĂϯǐZĞŐŝĆŽ͖ŽƐũƵşnjĞƐĚŽdƌŝďƵŝƌĞŝƚŽĚĂh ĚŽ͕ ĚĂ WƌŽĐƵƌĂ- hŶŝĆŽ ƋƵĞũĄŚŽƵǀĞƵŵĂƌĞƵŶŝĆŽĚŽ ŶŽ ƐƚĂĚŽ͕ ĚĂ WƌŽĐƵƌĂ- ƋƵĞũĄŚŽƵǀĞƵŵĂƌĞƵŶŝĆŽĚŽ ĂĕĆŽĚŽŽŶŶĂůĚĞ:ƵƐƚŝĕĂDŝůŝƚĂƌ&ĞƌŶĂŶĚŽ ŶĂůĚĞ:ƵƐƚŝĕĂD ͲĞůŽ,ŽƌŝnjŽ Ğ ƉŽƌ ĚŽƌŝĂͲ'ĞƌĂů ſƌŐĆŽŶŽĂŶŽƉĂƐƐĂĚŽĞƋƵĞŽ ů ƐƚĂĚŽ ĚĞ :ƵƐƚŝĕĂ ĚŽ ƐƚĂĚŽ Ğ ƉŽƌ ſƌŐĆŽŶŽĂŶŽƉĂƐƐĂĚŽĞƋƵĞŽ :ŽƐĠƌŵĂŶĚŽZŝďĞŝƌŽĞZƷďŝŽ :ŽƐĠƌŵĂŶĚŽ ͲĨĞŝƌĂ;ϱͿ͕ăƐ ŵƵŶŝĐŝƉĂů͘ ĐŽŵŝƚġĂŐƵĂƌĚĂŽĂŐĞŶĚĂŵĞŶ- ĐŽŵŝƚġĂŐƵĂƌĚĂŽĂŐĞŶĚĂŵĞŶŽ ŝŶƚĞŐƌĂ Ž ƵŵƉƌŽĐƵƌĂĚŽƌŵƵŶŝĐŝƉĂů͘ WĂƵůŝŶŽ ŽĞůŚŽ͖ Ž ĂĚǀŽŐĂĚŽ WĂƵůŝŶŽ ŽĞůŚŽ şǀĞůĚŽdƌŝď ƚŽ ĚĞ ŶŽǀĂƐ ƌĞƵŶŝƁĞƐ͕ ŶĞƐƚĞ ƚŽ ĂŵŽŵKůŝǀĞŝƌĂ͕ ^ĞŐƵŶĚŽZĂŵŽŵKůŝǀĞŝƌĂ͕ ĚĞ ŶŽǀĂƐ ƌĞƵŶŝƁĞƐ͕ ŶĞƐƚĞ ů ĚĞ WƌĞĐĂƚſ:ŽƐĠůĨƌĞĚŽĚĞKůŝǀĞŝƌĂĂƌĂ- :ŽƐĠůĨƌĞĚŽĚĞ K ĚĞƐĞ ĂŶŽ͕ƉĂƌĂĚĞďĂƚĞƐ͘ ĕƁĞƐĚŽĐŽŵŝƚġ ĂŶŽ͕ƉĂƌĂĚĞďĂƚĞƐ͘ Ğ ƚĞŵ ĐŽŵŽ ĞŶƚƌĞĂƐĂƚƌŝďƵŝĕƁĞƐĚŽĐŽŵŝƚġ ƐƵďƐƚŝƚƵŝƵŽ ĐŚŽ:ƷŶŝŽƌ͖ŽĐŚĞĨĞĚĞŐĂďŝŶĞ- ĐŚŽ:ƷŶŝŽƌ͖ŽĐŚ ƌĂĕĆŽ ĚĞ ĂƚŽƐ ĞƐƚĆŽKƐĚĞŵĂŝƐŝŶƚĞŐƌĂŶƚĞƐĚŽ KƐĚĞŵĂŝƐŝŶƚĞŐƌĂŶƚĞƐĚŽ ƌĂƌĞƐƚƵĚŽƐĞ Ă ĞůĂďŽƌĂĕĆŽ ĚĞ ĂƚŽƐ ŶĂƉƌĞƐŝĚġŶ ƚĞ ĚĂ WƌŽĐƵƌĂĚŽƌŝĂͲ'ĞƌĂů ĚĞ ĐŽŵŝƚġ͕ ƋƵĞ ĨŽŝ ŵŽĚĞƌŶŝnjĂĚŝƐĐŝƉůŝŶĂĚŽ ĐŽŵŝƚġ͕ ƋƵĞ ĨŽŝ ĚŝƐĐŝƉůŝŶĂĚŽ ƚĞ ĚĂ WƌŽĐƵƌĂ ƌĂ ŵŽĚĞƌŶŝnjĂ- ŶŽƌŵĂƚŝǀŽƐ ĐŽŶĐƌĞƚĂƐĚĞ ƉĂƌĂ ĂŽƐĞƐƚƵĚĂŶ :ƵƐƚŝĕĂ͕WĂƵůŽĚĞdĂƌƐŽDŽƌĂŝƐ :ƵƐƚŝĕĂ͕WĂƵůŽĚ ŽƌŐĂŶŝnjĂĕĆŽ ƉĞůĂĚĞ WŽƌƚĂƌŝĂ ƐĆŽ ƉĞůĂ ƌŽƚŝŶĂƐϮ͘ϴϲϭͬϮϬϭϯ͕ Ğ ŽƌŐĂŶŝnjĂĕĆŽ WŽƌƚĂƌŝĂ Ϯ͘ϴϲϭͬϮϬϭϯ͕ ƐĆŽ ŽĞ ŶĂ ŐĞƐƚĆŽ ĕĆŽ ŶĂůĚĞ:ƵƐƚŝĕ ĂƉƌŝŵŽƌĂŵĞŶƚŽ ĚĂƐƚĂƌĞĨĂƐ͕ŽĂƉƌŝŵŽƌĂŵĞŶƚŽ Ž ĚĞƐĞŵďĂƌŐĂĚŽƌ dŝĂŐŽ WŝŶƚŽ͕ Ž&ŝůŚŽ͖ĂƉƌŽĐƵƌĂĚŽƌĂĚŽƐƚĂĚŽ ĚĞƐĞŵďĂƌŐĂĚŽƌ dŝĂŐŽ WŝŶƚŽ͕ &ŝůŚŽ͖ĂƉƌŽĐƵƌĂ ƌĆŽ ĂƚŝǀŝĚĂĚ &ĞƌŶĂŶĚĂƌŝƚŽWĞƌĞŝƌĂĞŽƉƌŽ- &ĞƌŶĂŶĚĂƌŝƚŽ ůĂƚŝǀĂĂŽĂƐƐƵŶ- ĚĂůĞŐŝƐůĂĕĆŽƌĞůĂƚŝǀĂĂŽĂƐƐƵŶƌĞƉƌĞƐĞŶƚĂŶĚŽŽd:D'͖ŽƐũƵş- ƌĞƉƌĞƐĞŶƚĂŶĚŽŽd:D'͖ŽƐũƵşƉƌĞƐŝĚŝĚŽƉĞůŽ WƷďůŝĐŽŽƵĚ ĐƵƌĂĚŽƌĚŽƐƚĂĚŽ&ĄďŝŽDƵƌŝůŽ ĂĕƁĞƐǀŽůƚĂĚĂƐ ƚŽ͕ĂĐƌŝĂĕĆŽĚĞĂĕƁĞƐǀŽůƚĂĚĂƐ njĞƐ ĨĞĚĞƌĂŝƐ 'ƵŝůŚĞƌŵĞ DĞŶ- njĞƐ ĨĞĚĞƌĂŝƐ 'ƵŝůŚĞƌŵĞ DĞŶ- ĐƵƌĂĚŽƌĚŽƐƚĂ ŽĚĞKůŝǀĞŝƌĂĞ KƐƉƌŽĨĞ EĂnjĂƌ͕ƋƵĞƚĞŵĐŽŵŽƐƵƉůĞŶƚĞ EĂnjĂƌ͕ƋƵĞƚĞŵ ĚŽŶĕĂŽĞŚůĞƌ͕ŶĚƌĠWƌĂĚŽĚĞ ĚŽŶĕĂŽĞŚůĞƌ͕ŶĚƌĠWƌĂĚŽĚĞ ŽŶŽƉĂŐĂŵĞŶ- ƉĂƌĂĂĂŐŝůŝnjĂĕĆŽŶŽƉĂŐĂŵĞŶĞƉƌĞƐĞŶƚĂŶƚĞƐ ĂŵŝĂŶĞZŝƚ ZŽŶĂůĚŽ DĂƵƌşůŝŽ ŚĞŝď͕ ĚĂ ZŽŶĂůĚŽ sĂƐĐŽŶĐĞůŽƐĞ:ĠƐƐĞƌ'ŽŶĕĂůǀĞƐ ĚĞ ƉƌĞĐĂƚſƌŝŽƐ͕ ƚŽ DĂƵƌ ĞŵĚŽƐĚǀŽĚĂƐ ĚşǀŝĚĂƐ ĚĞ ƉƌĞĐĂƚſƌŝŽƐ͕ sĂƐĐŽŶĐĞůŽƐĞ:ĠƐƐĞƌ'ŽŶĕĂůǀĞƐ DĂƌĐƵĐĐŝĂĐ WĂĐŚĞĐŽ͖ Ă ĚĞƐĞŵďĂƌŐĂĚŽƌĂ WĂĐŚĞĐŽ͖ ĚĞŵĂŐŝƐƚƌĂĚŽƐ ĚǀŽĐĂĐŝĂͲ'ĞƌĂůĚĂhŶŝĆŽ͘ Ă ĚĞƐĞŵďĂƌŐĂĚŽƌĂ ĚǀŽĐĂĐŝĂͲ'ĞƌĂ Ϳ͕ĚŽDŝŶŝƐƚĠ- ĂĐŽŶŐƌĞŐĂĕĆŽĚĞŵĂŐŝƐƚƌĂĚŽƐ

aluno stêcria Comitê de Precatór estadual deestadual Precatórios

visitam

lo Centro de imPrensa do tribunal de Justiça estadode deJu m ágina PreParada Pelo Centro de imPrensa do do tribunal


02 O GLOBO - RJ - P. 13 - 08.03.2013


03 CONT.... O GLOBO - RJ - P. 13 - 08.03.2013

Correio Braziliense | Brasil | BR - 08 de março de 2013

Ministério Público

Pedido de absolvição O pedido do promotor Henry Wagner para que Dayanne Rodrigues, ex-mulher de Bruno, seja absolvida da acusação do sequestro e cárcere privado do bebê Bruninho dividiu opiniões. Para o promotor Francisco Santiago, do Tribunal do Júri de Belo Horizonte, o Ministério Público foi coerente, já que a participação de Dayanne “quase inexistiu”. “Não foi uma ação armada por ela. Inclusive, ela, pegando a criança, pode ter evitado algo pior, em sua condição de mãe”, analisou Santiago. Já a mãe de Eliza Samudio, Sônia Moura, ficou insatisfeita com a decisão da promotoria. Para ela, as provas contra Dayanne são claras. “Ela não agiu como mãe. Se fosse com uma das filhas dela, será que ela também se calaria?”, perguntou. O advogado Tiago Lenoir, que integra a defesa de Bruno e Dayanne, disse que não houve acordo com a promotoria: “O promotor pediu a absolvição em cima do trabalho feito pela defesa, que mostra a ausência de provas e confirma a inocência de Dayanne”.

Agora São Paulo | SP - 08 de março de 2013

Promotor pede absolvição de ré

Contagem - O promotor Henry Vasconcelos pediu aos jurados a absolvição de Dayanne Souza, 25 anos, exmulher de Bruno e acusada de sequestro e cárcere privado do filho dele com Eliza. Entendeu que ela foi coagida a participar do crime pelo então marido. O pedido ocorreu no mesmo dia em que Dayanne, ao ser interrogada novamente, disse que recebeu ordens do policial aposentado José Laureano Assis Filho, o Zezé, que ainda está sendo investigado por envolvimento no assassinato de Eliza. Essa nova versão de Dayanne dá ao Ministério Público elementos para poder denunciar o policial aposentado, como adiantou o promotor em seu argumento. Essa mudança foi vista por advogados como um acordo. O advogado de Dayanne, Tiago Lenoir, se apressou em negar qualquer negociação. A ré chorou ao ouvir o promotor pedindo aos jurados sua absolvição.


04 O Dia | Da Redação | RJ - 08 de março de 2013

Ministério Público

Defesa de Bruno tentará reduzir pena de ex-goleiro

Promotor surpreende e pede absolvição de Dayanne, ex-mulher do atleta, e causa revolta de mãe de Eliza Samudio. Depoimento de Bruno complica situação de Bola. Bruno manteve-se cabisbaixo ao longo da maior parte do seu julgamento, no interior de Minas. Ontem, não foi diferente ADRIANACRUZ adrianacruz@odianet.com.br - VANIACUNHA vaniacunha@odianet.com.br Especialistas previam, ontem à noite, uma pena alta para o goleiro Bruno de Souza - acusado de ser o mandante da morte da ex-amante Eliza Samudio e de seqüestro e cárcere do filho Bruninho, que teve com a vítima. Seu advogado, Lúcio Adolfo, chegou a admitir que aceitava a condenação do goleiro. Tentava fazer com que seu cliente fosse culpado por crime de menor condenação. Mais cedo Bruno pediu para ser interrogado mais uma vez no 2 Q Tribunal do Júri de Contagem (MG). Mas, aparentemente, a maior bola fora do jogador foi não ter contribuído com a investigação para ter direito a redução de pena. A reviravolta do julgamento foi o pedido de absolvição de Dayanne aos jurados feito pelo promotor Henry Vasconcelos, do Ministério Público (MP). Acusada de seqüestro e cárcere privado de Bruninho, ela decidiu colaborar com as investigações. O caminho de Dayanne para longe da condenação começou a ser pavimentado quando ela pediu para ser ouvida novamente no júri ontem. O recuo do MP aconteceu porque, embora ela tenha alegado temer por sua vida e das duas filhas com Bruno, reforçou as suspeitas do envolvimento do policial civil aposentado José Lourival, o Zezé. “O Macarrão pediu para não contar que tinha falado com um policial. O Zezé sabiaque estava com o menino” revelou ela, que falou três vezes com Zezé, quando estava com Bruninho em 2010. Chorou quando Henry pediu a absolvição. Para o advogado de Dayanne, Tiago Lenoir, o depoimento foi fundamental. “Conseguimos convencer o promotor, que é o oitavo jurado” disse. O MP já havia anunciado que Zezé vai ser denunciado à Justiça. “Ficou claro o acordo da defesa de Davanne com a acusada. Álbum de fotos de Bruninho é mostrado No jogo de ataque contra a defesa, o promotor Henry Vasconcelos partiu contra a imagem de Bruno, emocionou jurados ao mostrar álbum de fotos queimado do menino e jogou pesado contra os advogados do atleta. Já o assistente de acusação José Arteiro disse que, se Bruno fosse absolvido, o país iria virar um cemitério de mulheres. No contra-ataque, o advogado Lúcio Adolfo afirmou que não tinha admiração por todos do Ministério Público de Minas Gerais. “Fica aqui meu protesto. A advocacia não é uma prostituta escarlate” rebateu. E sustentou que faltam provas no processo. “Há apenas devaneios”. Enquanto Dayanne ruma para a absolvição, Bruno segue para possível condenação. Ontem, ele só afirmou que

sabia, desde o início, que o seu ex-fiel escudeiro Luiz Henrique Ro- mão, Macarrão, mataria Eliza. Ele teria dito ao atleta que contratara o ex-policial civil Marcos Aparecido dos Santos, o Bola, para executá-la. Bola será julgado dia 22 de abril. Em novembro, Macarrão acusou Bruno de ser o mandante da morte de Eliza e foi condenado a 15 anos de prisão. “Bruno ficou no meio da estrada. Ele não confessou o crime e não ajudou na elucidação. A condenação é provável”, analisou o criminalista Luiz Flávio Gomes. A pena pode chegar a 41 anos. Mãe de Eliza: ‘decepção’ A condenação de Bruno, caso isso aconteça em Minas, não é suficiente para Sônia Moura, mãe de Eliza Samudio. Ela ficou decepcionada com o pedido do Ministério Público para absolver Dayanne Rodrigues, ex-mulher do goleiro e acusada de seqüestro e cárcere privado de Bruninho. “Queria a condenação de todos”. Ontem, ela deixou o plenário quando a pro- motoria descreveu a execução da filha. “Não chorei só pelo relato, mas pelo cinismo de Bruno. Ele dormiu no banco dos réus. Tratou minha filha como se ela fosse uma barata” revoltouse. Para ela, o julgamento no Dia da Mulher não pode ser só um acaso. “Quero que todas levantem esta bandeira”.

Veja galeria de fotos e vídeos do julgamento de Bruno www.odia.com.br ANDRÉ LUIZ MELLO/21.5 JOIO Por onde passava, Bruno era assediado por torcedores e fãs. Há três anos, no auge, Bruno derrapava: ‘Quem nunca saiu na mão com a mulher’ Há exatos três anos, em março de 2010, o goleiro Bruno vivia o auge da carreira. Dono de um dos maiores salários do Flamengo, tricampeão carioca e campeão brasileiro em 2009, o capitão do time rubro-ne- gro era pretendido pelo Mi- lan, da Itália, e cotado para a Seleção Brasileira. Porém, mais uma vez, metia os pés pelas mãos, mas não por interesse próprio, e sim para defender Adriano, ex-companheiro de Flamengo. Com uma infeliz frase (‘Quem nunca saiu na mão com a mulher?’), o goleiro tentava absolver o amigo, acusado de agredir a então noiva Joana Machado. No dia 6, Bruno foi um dos destaques da goleada do Flamengo sobre o Resende (4 a 0), pelo Cariocão, que colo-


05 cont... O Dia | Da Redação | RJ - 08 de março de 2013

caria panos quentes na crise do clube, se não fosse a infeliz declaração do goleiro às vésperas do Dia Internacional da Mulher. Patrícia Amorim, então presidenta do Fia, lamentou as declarações do capitão do time. No dia 8 de março de 2010, mais uma vez, o nome de Bruno ganhava as manchetes. Mas não pelo seu desempenho em campo. Ele negava ter tido qualquer relação com a modelo ElizaSa- mudio e recusava-se a fazer 0 teste de paternidade do filho Bruninho, que havia nascido um mês antes. Em setembro de 2009, Elizajá havia denunciado o goleiro por seqüestro, constrangimento ilegal e lesão corporal. A partir de então, o então ídolo começou a viver história de amor e ódio com a torcida rubro-negra. Em jogos da “laça da Libertadores daquele ano, mandou beijinhos irônicos numa contra o Caracas e foi impiedosamente vaiado. Em outra ocasião, cerca de 1 mês antes de ser preso, o goleiro não resistiu às provocações após derrota para o Universidad de Chile, no Maracanã. “Estou me lixando para eles (torcedores)”. Há três anos, no auge, Bruno derrapava: ‘Quem nunca saiu na mão com a mulher’ Há exatos três anos, em março de 2010, o goleiro Bruno vivia o auge da carreira. Dono de um dos maiores salários do Flamengo, tricampeão carioca e campeão brasileiro em 2009, o capitão do time rubro-ne- gro era pretendido pelo Mi- lan, da Itália, e cotado para a Seleção Brasileira. Porém,

mais uma vez, metia os pés pelas mãos, mas não por interesse próprio, e sim para defender Adriano, ex-companheiro de Flamengo. Com uma infeliz frase (‘Quem nunca saiu na mão com a mulher?’), o goleiro tentava absolver o amigo, acusado de agredir a então noiva Joana Machado. No dia 6, Bruno foi um dos destaques da goleada do Flamengo sobre o Resende (4 a 0), pelo Cariocão, que colocaria panos quentes na crise do clube, se não fosse a infeliz declaração do goleiro às vésperas do Dia Internacional da Mulher. Patrícia Amorim, então presidenta do Fia, lamentou as declarações do capitão do time. No dia 8 de março de 2010, mais uma vez, o nome de Bruno ganhava as manchetes. Mas não pelo seu desempenho em campo. Ele negava ter tido qualquer relação com a modelo ElizaSa- mudio e recusava-se a fazer o teste de paternidade do filho Bruninho, que havia nascido um mês antes. Em setembro de 2009, Elizajá havia denunciado o goleiro por seqüestro, constrangimento ilegal e lesão corporal. A partir de então, o então ídolo começou a viver história de amor e ódio com a torcida rubro-negra. Em jogos da “laça da Libertadores daquele ano, mandou beijinhos irônicos numa contra o Caracas e foi impiedosamente vaiado. Em outra ocasião, cerca de 1 mês antes de ser preso, o goleiro não resistiu às provocações após derrota para o Universidad de Chile, no Maracanã. “Estou me lixando para eles (torcedores)”.

Zero Hora | Polícia | RS - 08 de março de 2013

Bruno: Sabia que Eliza ia morrer

Ministério Público MOMENTOS FINAIS - Em meio a troca de farpas entre acusação e defesa, promotoria pediu que a ex-mulher do goleiro seja inocentada pelos jurados No quarto dia de julgamento do caso Eliza Samudio, o goleiro Bruno Fernandes e sua ex-mulher, Dayanne Souza, voltaram a falar sobre o caso. A expectativa era de que o dia começasse com os debates entre acusação e defesa e terminasse com um veredicto dos jurados, o que não havia acontecido até o fechamento desta edição. No Fórum de Contagem (MG), Bruno respondeu a uma única pergunta feita pelo seu advogado, Lúcio Adolfo, para esclarecer um ponto do testemunho dado na quarta-feira pelo ex-jogador do Flamengo. O advogado questionou se ele sabia que Eliza iria morrer, e o goleiro afirmou: Sabia e imaginava que Eliza ia morrer pelas brigas constantes (com o ajudante de Bruno, Luiz Henrique Romão, o Macarrão). Na sequência, Bruno disse que não iria mais responder nem perguntas da defesa. A ação pode ter sido uma última estratégia do advogado. Após o questionamento, Adolfo declarou que não faria nenhum acordo. Não faça cena no plenário porque nunca houve acordo respondeu o promotor Henry Castro. O novo interrogatório então foi encerrado, e Bruno deixou o plenário. A juíza Marixa Rodrigues determinou que a sessão fosse interrompida. No caso de Dayanne, foi ela quem pediu para fazer um novo depoimento antes do início dos debates. Envolveu na

trama o ex-policial José Laureano de Assis, o Zezé que é alvo de uma investigação complementar realizada pela Polícia Civil a pedido do Ministério Público. Com isso, a defesa de Dayanne tentou obter atenuantes ela foi denunciada por sequestro e cárcere privado do bebê de Eliza, então com quatro meses de vida. A ex-mulher do goleiro afirmou que, após o depoimento de Bruno, ela passou a ter medo de Zezé. E voltou a citar as conversas telefônicas que teve com o ex-policial, quando levava o bebê de Eliza para ser deixado com Wemerson Marques de Souza, o Coxinha, em uma rodovia na Região Metropolitana de Belo Horizonte. Segundo ela, Macarrão havia pedido para que a ex do goleiro negasse que tenha tido contato com um policial. A primeira ligação que recebi do Zezé, seguindo a orientação de Luiz Henrique e de Bruno, não confirmei que estivesse com a criança. Depois, Zezé ligou novamente e falou que Macarrão já tinha informado para ele que o bebê estava comigo disse Dayanne.Dayanne disse não se lembrar quantas vezes falou com Zezé pelo telefone. O promotor Henry Vasconcelos sustentou que foram três ligações, conforme as quebras de sigilos autorizadas, e que em duas delas foi Dayanne quem ligou. Ela alegou não se lembrar disso. No interrogatório da terça-feira, Dayanne havia dito, sobre Zezé, que ele ligou para orientar em que delegacia ela deveria comparecer no dia em que estava sendo procurada pela polícia, em 25 de junho.


06 folha de sp - sp - p. c3 e c4 - 08.03.2013


07 cont... folha de sp - sp - p. c3 e c4 - 08.03.2013


08 cont... folha de sp - sp - p. c3 e c4 - 08.03.2013


09 o estado de sp - SP - ON LINE - 08.03.2013


10 CONT... o estado de sp - SP - ON LINE - 08.03.2013


11 CONT... o estado de sp - SP - ON LINE - 08.03.2013


12 hoje em dia - MG - 1ÂŞ P. - 08.03.2013


13 hoje em dia - MG - P. 03 E 05 - 08.03.2013


14 CONT... hoje em dia - MG - P. 03 E 05 - 08.03.2013


15 CONT... hoje em dia - MG - P. 03 E 05 - 08.03.2013


16 CONT... hoje em dia - MG - P. 03 E 05 - 08.03.2013


17 CONT... hoje em dia - MG - P. 03 E 05 - 08.03.2013


18 CONT... hoje em dia - MG - P. 03 E 05 - 08.03.2013


19 CONT... hoje em dia - MG - P. 03 E 05 - 08.03.2013


20 CONT... hoje em dia - MG - P. 03 E 05 - 08.03.2013


21 ESTADO DE MINAS - mg - p. 19 a 21 - 08.03.2013


22 cont... ESTADO DE MINAS - mg - p. 19 a 21 - 08.03.2013

CRÔNICA Arnaldo Viana A lona imaginária começa a ser desarmada. O Dia Internacional da Mulher amanhece iluminado pelos raios claros da justiça. Bem antes, oito horas antes, o promotor Henry Wagner homenageou a mulher por meio de uma mãe, ao pedir aos jurados a absolvição de Dayanne de Souza, por entender que ela, não no mesmo nível de Eliza Samudio, é vítima da macabra trama, articulada, segundo ele, pelo goleiro Bruno Fernandes. Na iminência de as arenas serem desmontadas, André Luiz, o supostamente crucificado, vaza. Alguém, por pura maldade, cochicha ao pé do ouvido dele: “Bota pé, cara! A semana santa vem aí e você, na cruz, pode dar ideia ruim. Sabe como é, né, tem muita gente má neste mundo”. Antes de se mandar, André Luiz anunciou uma campanha pela pena de morte para quem matar turista no Brasil. “Os gringos trazem divisas para o país e ainda são vítimas da violência?” O gaiato do lado dele protesta: “Peraí, peraí, ô da cruz. E se matam um de nós? Nós num é turista, mas é gente!”.

A sentença para o goleiro Bruno Fernandes de Souza pelo assassinato de Eliza Samudio está longe de encerrar o caso deflagrado em junho de 2010, quando a ex-amante do réu foi retirada do sítio de Esmeraldas, na Grande BH, aos 25 anos, para ser entregue a seus executores. Os últimos lances do julgamento mais esperado relacionado ao crime envolveram definitivamente na trama aquele que talvez seja o trio mais temido de todo o processo: o expolicial civil Marcos Aparecido dos Santos, o Bola, apontado no inquérito como o assassino da vítima; o policial aposentado José Lauriano de Assis Filho, o Zezé – implicado nas investigações tanto por Bruno com por sua ex-mulher, Dayanne Rodrigues de Souza –; e o agente da ativa da Civil Gilson Costa. Se Bola já está preso e chegará ao julgamento no mês que vem sob o peso das últimas declarações dos réus, que reforçam sua condição de executor de Eliza, os dois outros personagens entraram definitivamente na mira do Ministério Público e da Justiça por suspeita de participação direta no caso. Zezé, formado na mesma turma de Bola na Polícia Civil e inicialmente apontado como o homem que apresentou Bola a Bruno e a Luiz Henrique Romão, o Macarrão, foi formalmente citado ontem por Dayanne. Ela pediu para ser ouvida de novo no Tribunal do Júri, em uma atitude que acabou levando a promotoria a recomendar sua absolvição. O novo testemunho complicou bastante a situação de Zezé, cujo nome já havia surgido nos depoimentos de outros réus e testemunhas. O Ministério Público acredita que o policial aposentado se encontrou com Bola na noite em que Eliza foi morta, e que também falou por telefone com mais de um envolvido no caso inúmeras vezes. Só entre ele e Macarrão foram

O circo (9)

Deixemos o da cruz seguir em paz. Na arena principal, no tempo dedicado à acusação, José Arteiro, assistente do promotor, ao se referir ao fato de o goleiro ter engravidado Eliza, deu recado que serve a todos os machos, principalmente jovens. “Por que o Bruno não encapou aquela porcaria?”. Entenderam? Porcaria, encapar? Antes do ato sexual? O governo pode usar a frase em nova campanha, com o slogan: “O Ministério da Saúde recomenda: encape a porcaria, galera”. Ah, antes que a notícia vaze para outra coluna, aquela repórter de TV, que na quintafeira ensaiava o texto, fazendo caras e bocas antes de gravar, e empacou... Pois é, gente do céu, ontem, depois de 26 tentativas e meia, ela conseguiu, enfim, ir ao ar. Ficou vermelhinha, vermelhinha de felicidade. A equipe toda, todinha, aplaudiu a danada. Uma festa. Só faltou champanhe. Faltou porque bebida em local de trabalho dá justa causa. A lona imaginária vai deixar saudade. Saudade do cabo Salim, o patrulheiro rodoviário formado pela Academia de

Bolas da vez

37 ligações em cinco dias, no período em que Eliza esteve em Minas. O MEDO Ontem, Dayanne confirmou ao promotor que conversou algumas vezes com Zezé, segundo ela a pedido de Macarrão, e disse que o expolicial queria informações a respeito de Eliza e de Bruninho. Além disso, Zezé teria orientado Dayanne a não levar a criança à presença da delegada Alexandra Wilke, que investigava a denúncia de sequestro do filho de Eliza. Por fim, confirmando o que Bruno já havia dito no dia anterior, Dayanne afirmou que Zezé está envolvido no caso, que é uma pessoa perigosa e que ela o teme, sentimento compartilhado pelo exmarido. “Se ele é essa pessoa perigosa, eu temo pela minha vida e pela vida das minhas filhas”, disse ao promotor Henry Wagner Vasconcelos. Gilson é o mais novo policial a ter seu nome ligado ao caso Bruno. Segundo a promotoria, ele também manteve contatos telefônicos com Bola em 10 de junho de 2010, data do assassinato, além de outras ligações em dias anteriores. Como a dupla Bola e Gilson já responde pelo sumiço de duas pessoas em 2008, cujos corpos nunca foram encontrados, no extinto Grupo de Resposta Especial (GRE), a suspeita é de que os policiais civis tenham atuado juntos também na execução de Eliza Samudio. Para o advogado criminalista Francisco Rogério Del Corsi, se houver indícios importantes da participação de Zezé e Gilson no crime, durante o julgamento de Bruno, as provas têm de ser construídas em uma investigação policial independente, e o inquérito deve ser remetido à Justiça. “Caso o Ministério Público denuncie e a Justiça acate, inicia-se um novo processo para responsabilizar os réus que não figuraram antes”, afirma. A pedido da promotoria, Zezé e Gilson já estão sendo investigados pela Polícia

Agentes Virtuais e com carteira abençoada pela presidente Dilma. Saudade do roqueiro pastor, Milton Dias. Pastor com roupas e cabelos de metaleiro. Inveja dos escandalosos óculos escuros dele. Desconfia-se que foram arrematados em leilão dos bens de Raul Seixas. Das produtoras parrudinhas, saudade nenhuma. Se preciso, elas o jogam no chão, passam por cima, porque, como dizem, “estamos ao vivo”. Mas a lona imaginária pode voltar em 22 de abril, no julgamento de Bola. Mas, ontem, no apagar das luzes, circulou uma informação ainda não confirmada, de que o Tribunal de Justiça pode mudar a forma de credenciamento para a imprensa acompanhar o júri de Bola. Cada repórter seria obrigado a fazer embaixadinhas. Embaixadinhas, sabe? Chutinhos, como diz o povo do Vale do Mucuri. Quem der mais de 10 sem deixar a pelota cair estará eliminado. Por quê? Porque mostrará intimidade com o reú. Se assim for, o circo 10 estará garantido, porque o negão aqui, em matéria de futebol, é ruim de dar dó. Fui.

Civil, mas a corporação não dá detalhes sobre o rumo dos trabalhos. Procurada, a advogada do policial Gilson Costa, Rita Andrade, não atendeu as ligações. Na última semana, ela havia afirmado que o processo contra o cliente devido a dois desaparecimentos no GRE em Esmeraldas, na Grande BH, está na fase de depoimentos e que ele é inocente, já que estava no interior do estado na época do episódio. Na mesma ocasião, ela também disse que no dia em que Eliza desapareceu seu cliente não estava na capital. O policial civil aposentado José Lauriano de Assis Filho, o Zezé, não foi localizado pela reportagem. MANOBRAS A exemplo do que já ocorreu no julgamento de Bruno, quando a defesa do goleiro pediu o adiamento do júri, já que há novas investigações em curso sobre os policiais, não está descartada a manobra semelhante por parte do advogado de Bola, Ércio Quaresma. O julgamento do ex-policial, apontado nas investigações como o homem que estrangulou Eliza Samudio e providenciou o sumiço do corpo, está marcado para 22 de abril. O réu foi preso em 2010 e atualmente está detido em um presídio de São Joaquim de Bicas, Região Metropolitana de BH. Além do assassinato de Eliza, Bola foi investigado por um suposto plano para matar a juíza do caso Bruno, Marixa Fabiane Lopes Rodrigues, e o delegado Édson Moreira, que esteve à frente das investigações sobre o crime. O ex-policial foi denunciado pelo detento Jaílson Alves de Oliveira, com quem dividiu cela na Penitenciária Nelson Hungria. Jaílson disse ter ouvido de Bola a trama para as execuções, assim como a confissão sobre o assassinato de Eliza. Segundo ele, os atentados contariam com a participação de traficantes do Rio de Janeiro.


23 cont... ESTADO DE MINAS - mg - p. 19 a 21 - 08.03.2013


24 cont... ESTADO DE MINAS - mg - p. 19 a 21 - 08.03.2013


25 cont... ESTADO DE MINAS - mg - p. 19 a 21 - 08.03.2013


26 cont... ESTADO DE MINAS - mg - p. 19 a 21 - 08.03.2013


27 o globo - rj - p. 03 e 04 - 07.03.2013


28 cont... o globo - rj - p. 03 e 04 - 07.03.2013


29 cont... o globo - rj - p. 03 e 04 - 07.03.2013


30 o estado de sp - sp - p. a9 - 08.03.2013

O TEMPO - MG - P. 02 - 08.03.2013 A PARTE


31 ESTADO DE MINAS - mg - p. 03 e 04 - 08.03.2013


31 cont... ESTADO DE MINAS - mg - p. 03 e 04 - 08.03.2013


33 ESTADO DE MINAS - mg - p. 01 - Direito & Justiça - 08.03.2013

As vantagens do protesto fiscal

André Luis Alves de Melo - Promotor de Justiça, mestre em direito público, professor universitário, membro do Grupo Nacional do Ministério Público (GNMP) O protesto fiscal é a modalidade de cobrança de dívidas públicas pelos cartórios extrajudiciais. Alguns setores alegam que é ilegal/inconstitucional por falta de lei específica autorizando o setor estatal a usar essa via. Mas esse argumento é o mesmo que sustentar que o Estado não pode alugar, comprar, vender, nem expedir boletos de cobrança, além de inúmeros outros atos, em razão de ausência de lei específica para a área estatal. A lógica do direito administrativo é que o administrador somente pode fazer o que está previsto em lei, mas não exige que seja uma lei específica para o setor público. Assim, a cobrança de dívidas por meio do cartório extrajudicial tem previsão na Lei Federal 9.492/97. Logo, pode o Estado optar pela cobrança por meio de execução fiscal ou cobrança extrajudicial por boleto bancário ou do protesto fiscal, e nesse caso o cartório fará uma análise prévia da legalidade do título. O Brasil é o único país em que se entende que o Estado pode cobrar dívidas apenas pelo sistema judicial, e essa situação beneficia apenas alguns setores, como demonstraremos.Hoje, 30% das ações judiciais no Brasil são na modalidade execução fiscal, e a cada ano são ajuizadas mais de 20 milhões de execuções fiscais (municípios, estados e União). Cada execução fiscal custa aproximadamente R$ 4 mil (conforme estudo do Ipea), logo não faz sentido executar débitos abaixo desse valor. O índice de sucesso das execuções fiscais é menor que 20%. Já o devedor tem que pagar no mínimo R$ 1 mil de custas, além dos honorários dos advogados – o que é feito duas vezes, pois ele paga os honorários de sucumbência aos advogados da Fazenda pública e os honorários contratuais aos advogados contratados para a defesa. Já o protesto fiscal não tem custo algum para o Estado, pois quem assume as despesas é o titular do cartório de protestos. Em geral, o custo dos emolumentos para o devedor será de R$ 100, e ele não será obrigado a contratar advogado para defendê-lo.O protesto fiscal costuma ter 80% de êxito, sendo que 50% das dívidas são pagas em menos de 10 dias. A União tem a receber R$ 1 trilhão, o que representa um quarto do PIB nacional. Isso é significativo e não pode ficar parado em razão de interesses corporativos de manter reserva de mercado de trabalho. O mesmo setor que alega que o governo é o maior demandante deseja a manutenção da execução fiscal judicial. A rigor, setores de carreiras jurídicas não querem a desjudicialização (meios extrajudiciais), pois temem que outros setores administrativos possam fazer essa cobrança. Se um prefeito optasse por fazer uma obra usando material menos eficiente e mais caro, certamente seria processado por improbidade. Mas o meio jurídico vem entendendo que o prefeito pode optar por usar um meio ineficiente e

caro (execução fiscal), que custa em torno de R$ 4 mil para o erário e R$ 1,5 mil para o devedor (custas e honorários), mas tem eficiência de menos de 20%, enquanto não usa o protesto fiscal que tem custo zero para o erário, e apenas R$ 100 para o devedor, e tem 80% de eficiência, e entendem que isso não é improbidade. Contudo, essa situação pode gerar muito mais prejuízos do que o exemplo da construção, pois são milhares de processos judiciais por mês. Exemplificando, em uma situação real em uma cidade mineira de médio porte, com 100 mil habitantes, há 7 mil execuções fiscais do município em andamento. Considerando que cada execuçãp fiscal custe R$ 4 mil, conforme dados do CNJ e Ipea, isso implica em um valor de gasto aproximado de R$ 28 milhões. Porém, o município vem conseguindo êxito em apenas 10% das execuções fiscais. O pior de tudo é que os valores cobrados giram em torno de R$ 500 a R$ 1 mil, mas a ação custa R$ 4 mil para Minas Gerais, e o estado fica com toda a despesa, pois o município não paga custa. Normalmente são dívidas de IPTU e ISS, e quando os devedores vão quitar têm que pagar, além do débito, os honorários de sucumbência para os advogados do município, além disso têm que pagar as custas em torno de R$ 1,2 mil e a contratação de um advogado particular para fazer a defesa. Se fosse a cobrança na modalidade de protesto fiscal, o devedor pagaria apenas R$ 100 de emolumentos, mais o débito, ou seja, bem mais barato. E o Estado não teria despesa alguma. Contudo, alguns advogados de entes públicos, como recebem os honorários de sucumbência, temem perder essa receita e até mesmo reduzir os seus quadros, pois remeter guia para protesto fiscal não é ato privativo de advogado, mas assinar petição de execução fiscal sim. De outro lado, alguns advogados particulares recebem para fazer a defesa dos seus clientes, e esse mercado representa 30% das ações em andamento no país. Portanto, os lobbies são intensos. Em geral, as chances de o devedor obter êxito em ações de execução fiscal são mínimas, pois a dívida decorre de previsão de lei e baseia-se no pagamento do tributo ou multa. Além do mais, o protesto fiscal não impede o uso de meios judiciais para combater eventuais irregularidades no crédito e o próprio titular do cartório de protestos faz uma análise do título antes de protestar. Por outro lado, quem deve tem que pagar, isto é o princípio básico da moralidade e da responsabilidade social. Não faz sentido que os bons pagadores tenham que ser novamente sacrificados com aumentos de impostos para suportar a inadimplência dos devedores. Além disso, a execução fiscal onera o Estado (e os bons pagadores) com a necessidade de criar mais varas judiciais, o que é muito mais caro do que implantar órgãos administrativos ou instalar cartórios extrajudiciais.Enfim, o protesto fiscal tem vantagens e o administrador que opta pela via da execução fiscal comete, em tese, ato de improbidade por violar o princípio constitucional da eficiência.


34 hoje em dia - MG - P. 02 - 08.03.2013


35 ESTADO DE MINAS - mg - p. 22 - 08.03.2013


36 O TEMPO - MG - P. 05 - 08.03.2013


37 CONT... O TEMPO - MG - P. 05 - 08.03.2013

o tempo - mg - p. 30 - 08.03.2013


38 HOJE EM DIA - mg - p. 23 - 08.03.2013


39

DIA DA MULHER

MINAS GERAIS - P. 04 - 08.03.2013

Minas vai monitorar agressores com tornozeleiras eletrônicas

‰Equipamento será usado por homens enquadrados na Lei Maria da Penha

N

ĂǀĠƐƉĞƌĂĚŽŝĂ/ŶƚĞƌŶĂĐŝŽŶĂů ĚĂ DƵůŚĞƌ͕ DŝŶĂƐ 'ĞƌĂŝƐ ĚĞƵ ƵŵƉĂƐƐŽŝŵƉŽƌƚĂŶƚĞĞŝŶĠĚŝƚŽŶŽ WĂşƐĐŽŶƚƌĂĂǀŝŽůġŶĐŝĂĚŽŵĠƐƟĐĂ͗ ŚŽŵĞŶƐ ĂŐƌĞƐƐŽƌĞƐ ĞŶƋƵĂĚƌĂĚŽƐ ŶĂ >Ğŝ DĂƌŝĂ ĚĂ WĞŶŚĂ ƉĂƐƐĂƌĆŽ Ă ƐĞƌ ŵŽŶŝƚŽƌĂĚŽƐ ĐŽŵ ƚŽƌŶŽnjĞůĞŝƌĂƐ ĞůĞƚƌƀŶŝĐĂƐ͕ ƉĂƌĂ ŝŵƉĞĚŝƌ Ă ĂƉƌŽdžŝŵĂĕĆŽĚĂƐǀşƟŵĂƐ͘  ƌĞƐŽůƵĕĆŽ ĐŽŶũƵŶƚĂ ƋƵĞ ƌĞŐƵůĂŵĞŶƚĂ Ž WƌŽŐƌĂŵĂ ĚĞ DŽŶŝƚŽƌĂĕĆŽůĞƚƌƀŶŝĐĂĚĞŐƌĞƐƐŽƌĞƐ͕ ŶŽ ąŵďŝƚŽ ĚĂƐ sĂƌĂƐ ƐƉĞĐŝĂůŝnjĂĚĂƐ Ğŵ sŝŽůġŶĐŝĂ ŽŵĠƐƟĐĂ Ğ &ĂŵŝůŝĂƌ ĐŽŶƚƌĂ Ă DƵůŚĞƌ͕ ĨŽŝ ĂƐƐŝŶĂĚĂ ŽŶƚĞŵ ƉĞůĂ ^ĞĐƌĞƚĂƌŝĂ ĚĞ ƐƚĂĚŽ ĚĞ ĞĨĞƐĂ ^ŽĐŝĂů ;^ĞĚƐͿ͕ dƌŝďƵŶĂů ĚĞ :ƵƐƟĕĂ ĚĞ DŝŶĂƐ 'ĞƌĂŝƐ ;d:D'Ϳ͕ DŝŶŝƐƚĠƌŝŽ WƷďůŝĐŽ ;DWͿ͕ĞĨĞŶƐŽƌŝĂWƷďůŝĐĂ͕ƉŽůşĐŝĂƐ DŝůŝƚĂƌĞŝǀŝů͘WƌĞƐĞŶƚĞŶĂƐŽůĞŶŝĚĂĚĞĚĞĂƐƐŝŶĂƚƵƌĂ͕ŶĂĞŶƚƌĂůĚĞ ZĞĐĞƉĕĆŽ ĚĞ &ůĂŐƌĂŶƚĞƐ ;ĞŇĂŐͿ͕ ŽƐĞĐƌĞƚĄƌŝŽĚĞƐƚĂĚŽĚĞĞĨĞƐĂ ^ŽĐŝĂů͕ZƀŵƵůŽĚĞĂƌǀĂůŚŽ&ĞƌƌĂnj͕ ƌĞƐƐĂůƚŽƵĂŝŵƉŽƌƚąŶĐŝĂĚŽƚƌĂďĂůŚŽĐŽŶũƵŶƚŽ͘͞ƐƐĂĂƌƟĐƵůĂĕĆŽĚŽ 'ŽǀĞƌŶŽĚŽƐƚĂĚŽĐŽŵŽ:ƵĚŝĐŝĄƌŝŽ͕ŽDŝŶŝƐƚĠƌŝŽWƷďůŝĐŽĞĂĞĨĞŶƐŽƌŝĂĠĨƵŶĚĂŵĞŶƚĂůƉĂƌĂƋƵĞ ĐŽŶƐŝŐĂŵŽƐ ƌĞĚƵnjŝƌ ŽƐ ŶƷŵĞƌŽƐ ĚĞǀŝŽůġŶĐŝĂĐŽŶƚƌĂĂŵƵůŚĞƌ͘͟

ŝŶŝĐŝĂƟǀĂ ĐŽŵĞĕĂƉŽƌĞůŽ ,ŽƌŝnjŽŶƚĞ PIONEIRISMO - DŝŶĂƐ Ġ Ž ƉƌŝŵĞŝƌŽƐƚĂĚŽďƌĂƐŝůĞŝƌŽĂƵƟůŝnjĂƌ Ă ƚŽƌŶŽnjĞůĞŝƌĂ ĞůĞƚƌƀŶŝĐĂ ĞŵĂŐƌĞƐƐŽƌĞƐĞŶƋƵĂĚƌĂĚŽƐŶĂ >ĞŝDĂƌŝĂĚĂWĞŶŚĂ͘ŝŶŝĐŝĂƟǀĂ ĐŽŵĞĕĂƉĞůĂĂƉŝƚĂůĞƐĞƌĄ͕ŐƌĂĚĂƟǀĂŵĞŶƚĞ͕ ĞdžƉĂŶĚŝĚĂ ƉĂƌĂ

Ž ƌĞƐƚĂŶƚĞ ĚŽ ƐƚĂĚŽ͘ ͞K ƵƐŽ ĚĞƐƐĂ ƚĞĐŶŽůŽŐŝĂ͕ ĂƐƐŽĐŝĂĚŽ ĂŽ ƉƌŽǀŝŵĞŶƚŽĚĞŶŽǀĂƐĚĞůĞŐĂĚĂƐ ƉĂƌĂĂƚĞŶĚŝŵĞŶƚŽăŵƵůŚĞƌĞŵ ƚŽĚĂƐĂƐϱϰĚĞůĞŐĂĐŝĂƐƌĞŐŝŽŶĂŝƐ ĚĞ DŝŶĂƐ͕ Ġ ƉĂƐƐŽ ŝŵƉŽƌƚĂŶƚĞ ŶŽ ĞŶĨƌĞŶƚĂŵĞŶƚŽ ă ǀŝŽůġŶĐŝĂ ĐŽŶƚƌĂ Ă ŵƵůŚĞƌ͕͟ ĐŽŵƉůĞƚŽƵ ZƀŵƵůŽ&ĞƌƌĂnj͘ K ŵŽŶŝƚŽƌĂŵĞŶƚŽ ĞůĞƚƌƀŶŝĐŽ ǀĂŝ ŐĂƌĂŶƟƌ Ž ĐƵŵƉƌŝŵĞŶƚŽ ĚĂƐ ŵĞĚŝĚĂƐĚĞĂĨĂƐƚĂŵĞŶƚŽĚŽůĂƌ͕ĚĞ ƉƌŽŝďŝĕĆŽĚĞĂƉƌŽdžŝŵĂĕĆŽĚĂǀşƟŵĂŶĂĚŝƐƚąŶĐŝĂĚĞĮŶŝĚĂƉĞůŽũƵŝnj ĞĚĞƉƌŽŝďŝĕĆŽĚĞĨƌĞƋƵĞŶƚĂĕĆŽĂ ĚĞƚĞƌŵŝŶĂĚŽƐ ůƵŐĂƌĞƐ ƉŽƌ ƉĂƌƚĞ ĚŽƐĂŐƌĞƐƐŽƌĞƐ͘ŵĂůŐƵŶƐĐĂƐŽƐ͕ ĂůĠŵĚĂƚŽƌŶŽnjĞůĞŝƌĂŶŽĂŐƌĞƐƐŽƌ͕ ĂǀşƟŵĂƌĞĐĞďĞƌĄĚŝƐƉŽƐŝƟǀŽĂǀƵůƐŽ͕ŶĆŽŽƐƚĞŶƐŝǀŽ͕ĚĞŵŽŶŝƚŽƌĂĕĆŽ ĞůĞƚƌƀŶŝĐĂ͘ƐƐŝŵ͕ĐĂƐŽĂŵƵůŚĞƌ ƐĞ ĂĨĂƐƚĞ ĚŽ ƉĞƌşŵĞƚƌŽ ĚĞ ƉƌŽƚĞĕĆŽŽŶĚĞŽĂŐƌĞƐƐŽƌŶĆŽƉŽĚĞ ĂĚĞŶƚƌĂƌ͕ ĐŽŵŽ ƐĞƵ ĞŶĚĞƌĞĕŽ ĚĞƌĞƐŝĚġŶĐŝĂŽƵƚƌĂďĂůŚŽĮdžŽ͕Ă ĞŶƚƌĂůĚĞDŽŶŝƚŽƌĂĕĆŽĠĐĂƉĂnj ĚĞ ĚĞƚĞĐƚĂƌ Ă ĞǀĞŶƚƵĂů ĂƉƌŽdžŝŵĂĕĆŽĚŽĂŐƌĞƐƐŽƌ͘EĞƐƐĞĐĂƐŽ͕ ƋƵĂŶĚŽŽĂŐƌĞƐƐŽƌƐĞĂƉƌŽdžŝŵĂƌ͕ Ž ĞƋƵŝƉĂŵĞŶƚŽ ƋƵĞ ĞƐƚĄ ĐŽŵ Ă ŵƵůŚĞƌ ǀŝďƌĂ Ğ ĞŵŝƚĞ ďŝƉĞƐ ĚĞ ĂůĞƌƚĂ͘ůĂƚĂŵďĠŵƌĞĐĞďĞƚĞůĞĨŽŶĞŵĂĚĂĞŶƚƌĂůĚĞDŽŶŝƚŽƌĂĕĆŽ͕ ƋƵĞ ƚŽŵĂ ĂƐ ƉƌŽǀŝĚġŶĐŝĂƐ͕ ŝŶĐůƵŝŶĚŽŽĂĐŝŽŶĂŵĞŶƚŽĚĂWŽůşĐŝĂDŝůŝƚĂƌ͕ƐĞƉƌĞĐŝƐŽ͘ ŵ Ƶŵ ƉƌŝŵĞŝƌŽ ŵŽŵĞŶƚŽ͕ Ă ^ƵďƐĞĐƌĞƚĂƌŝĂ ĚĞ ĚŵŝŶŝƐƚƌĂĕĆŽWƌŝƐŝŽŶĂů;^ƵĂƉŝͿĚŝƐƉŽŶŝďŝůŝnjŽƵϵϬŵŽŶŝƚŽƌĂĕƁĞƐ͕ƋƵĞƐĞƌĆŽ ĂƉůŝĐĂĚĂƐ ŶŽƐ ĂŐƌĞƐƐŽƌĞƐ ĞŶĐĂŵŝŶŚĂĚŽƐƉĞůŽƐũƵşnjĞƐ͘ŵĐĂĚĂ ĐĂƐŽ͕ Ž ũƵŝnj ǀĂŝ ĞƐƉĞĐŝĮĐĂƌ͕ ŶĂ ŵĞĚŝĚĂĐĂƵƚĞůĂƌ͕ŽƐůŽĐĂŝƐƋƵĞŽƐ ŚŽŵĞŶƐŶĆŽƉŽĚĞŵĨƌĞƋƵĞŶƚĂƌ͕ ŽƐƉĞƌşŽĚŽƐĞŽƐůŝŵŝƚĞƐĚĞĂƉƌŽdžŝŵĂĕĆŽĚĂǀşƟŵĂ͘

WĂƌĂDĂƌŝĂŽĞůŝWŝƌĞƐ͕DŝŶĂƐƚĞŵ ĚĞƉƌŽƚĞĕĆŽĞƉƌŽŵŽĕĆŽĚĂƐŵƵůŚĞ

Secretária de Ca mulher na socie

ƐĞĐƌĞƚĄƌŝĂĚĞƐƚĂĚŽĚĞĂƐĂ ŝǀŝůĞĚĞZĞůĂĕƁĞƐ/ŶƐƟƚƵĐŝŽŶĂŝƐ͕ DĂƌŝĂŽĞůŝ^ŝŵƁĞƐWŝƌĞƐ͕ĂĮƌŵŽƵ ĞŵĞŶƚƌĞǀŝƐƚĂƋƵĞŶĞƐƚĞŝĂ/ŶƚĞƌŶĂĐŝŽŶĂůĚĂDƵůŚĞƌĚĞǀĞͲƐĞĚĞƐƚĂĐĂƌƋƵĞ͞ĂŝŐƵĂůĚĂĚĞĚĞŐġŶĞƌŽ Ġ ďĂŶĚĞŝƌĂ ĚĂƐ ŵƵůŚĞƌĞƐ͕ ŵĂƐ ƉƌŽƉŽƌĐŝŽŶĂĂŽƐŚŽŵĞŶƐĂĨĞůŝĐŝĚĂĚĞĚĞĐŽŶǀŝǀĞƌĐŽŵŵĞůŚŽƌĞƐ ĞƐƉŽƐĂƐ͕ĮůŚĂƐ͕ĂŵŝŐĂƐ͕ĐŽůĞŐĂƐĞ ĐŽŵƉĂŶŚĞŝƌĂƐ͕ ƉŽƌƋƵĞ Ă ĚŝƐƉĂƌŝĚĂĚĞǀŝŐĞŶƚĞĂŐƌŝĚĞĞĂĨƌŽŶƚĂĂƐ ůĞŝƐĚĂƉƌſƉƌŝĂŶĂƚƵƌĞnjĂ͘͟ WĂƌĂ DĂƌŝĂ ŽĞůŝ͕ ͞Ž ŝŵƉŽƌƚĂŶƚĞ Ġ Ă ĐŽŶƐŽůŝĚĂĕĆŽ ĚĞ ƵŵĂ ŶŽǀĂ ĐŽŶƐĐŝġŶĐŝĂ ƉŽůşƟĐĂ Ă ƌĞƐƉĞŝƚŽĚĞƐƐĂĚŝƐƉĂƌŝĚĂĚĞĞĚŽŝŵƉĞƌĂƟǀŽĚĞƐƵƉĞƌĄͲůĂ͕ŵŽǀŝŵĞŶƚŽ͕ŚŽũĞ͕ĚĞŐƌĂŶĚĞǀŝƚĂůŝĚĂĚĞŶŽ ĂŵďŝĞŶƚĞ ƉŽůşƟĐŽ͕ ĞĐŽŶƀŵŝĐŽ ĞƐŽĐŝĂůĚĞDŝŶĂƐĞĚŽWĂşƐ͘͟ůĂ ĂĐƌĞƐĐĞŶƚŽƵƋƵĞ͞ŶŽĐĂŵƉŽĚŽ ĐŽŶŚĞĐŝŵĞŶƚŽ Ğ ŶŽ ąŵďŝƚŽ ĚĂƐ ĐĂƌƌĞŝƌĂƐƉƷďůŝĐĂƐ͕ĂƐĞƐƚĂơƐƟĐĂƐ ĨĞŵŝŶŝŶĂƐ ƐĆŽ ĨĂǀŽƌĄǀĞŝƐ͕ ƌĞĨŽƌĕĂĚĂƐƉĞůŽĐƌŝƚĠƌŝŽĚŽŵĠƌŝƚŽ͖Ğ ŶĂ ƐĞĂƌĂ ĞĐŽŶƀŵŝĐĂ͕ ĞƐƉĞĐŝĂůŵĞŶƚĞ ŶŽ ĞŵƉƌĞĞŶĚĞĚŽƌŝƐŵŽ͕ ŚĄĂƉƌĞƐĞŶĕĂŵĂƌĐĂŶƚĞĚĂŵƵůŚĞƌ͕ĐŽŵŵŽƐƚƌĂƐĚĞĐƌŝĂƟǀŝĚĂĚĞ ĞĚĞǀĂŶŐƵĂƌĚĂ͘͟ ^ĞŐƵŶĚŽ Ă ƐĞĐƌĞƚĄƌŝĂ͕ ĂƚƵĂůŵĞŶƚĞDŝŶĂƐ'ĞƌĂŝƐĚĞƐĞŶǀŽůǀĞ

Ƶ Ě ŵ ϭ Đ  Į Ě ŵ Ɛ Ě  Đ Ă Ƶ Ɛ Ě

ǀ ĨĞ Ő Ě Đ Đ Đ Ɖ

D Ɵ Đ Ɖ ŵ


ar

MINAS GERAIS ^ydͳ&/Z͕ϴDZKϮϬϭϯ - 4 CONT... MINAS GERAIS - P. 04 - 08.03.2013 ZKZ/'K>DEd

ônicas

ado por na Lei

ƐƚĂĚŽ͘ ͞K ƵƐŽ ŐŝĂ͕ ĂƐƐŽĐŝĂĚŽ ĂŽ ŶŽǀĂƐĚĞůĞŐĂĚĂƐ ŶƚŽăŵƵůŚĞƌĞŵ ĞŐĂĐŝĂƐƌĞŐŝŽŶĂŝƐ ĂƐƐŽ ŝŵƉŽƌƚĂŶƚĞ ĞŶƚŽ ă ǀŝŽůġŶĐŝĂ ŚĞƌ͕͟ ĐŽŵƉůĞƚŽƵ  ŵĞŶƚŽ ĞůĞƚƌƀŶŝĐŽ ĐƵŵƉƌŝŵĞŶƚŽ ĚĂƐ ƚĂŵĞŶƚŽĚŽůĂƌ͕ĚĞ ƌŽdžŝŵĂĕĆŽĚĂǀşƟĚĞĮŶŝĚĂƉĞůŽũƵŝnj ĚĞĨƌĞƋƵĞŶƚĂĕĆŽĂ ƵŐĂƌĞƐ ƉŽƌ ƉĂƌƚĞ ŵĂůŐƵŶƐĐĂƐŽƐ͕ ĞůĞŝƌĂŶŽĂŐƌĞƐƐŽƌ͕ ĄĚŝƐƉŽƐŝƟǀŽĂǀƵůŽ͕ĚĞŵŽŶŝƚŽƌĂĕĆŽ ŵ͕ĐĂƐŽĂŵƵůŚĞƌ ĞƌşŵĞƚƌŽ ĚĞ ƉƌŽŐƌĞƐƐŽƌŶĆŽƉŽĚĞ Ž ƐĞƵ ĞŶĚĞƌĞĕŽ ƵƚƌĂďĂůŚŽĮdžŽ͕Ă ŶŝƚŽƌĂĕĆŽĠĐĂƉĂnj ĞǀĞŶƚƵĂů ĂƉƌŽdžŝƐƐŽƌ͘EĞƐƐĞĐĂƐŽ͕ ƐŽƌƐĞĂƉƌŽdžŝŵĂƌ͕ Ž ƋƵĞ ĞƐƚĄ ĐŽŵ Ă Ğ ĞŵŝƚĞ ďŝƉĞƐ ĚĞ ďĠŵƌĞĐĞďĞƚĞůĞƚƌĂůĚĞDŽŶŝƚŽƌĂ ĂƐ ƉƌŽǀŝĚġŶĐŝĂƐ͕ ŽŶĂŵĞŶƚŽĚĂWŽƉƌĞĐŝƐŽ͘ ŵĞŝƌŽ ŵŽŵĞŶƚŽ͕ Ă ĚĞ ĚŵŝŶŝƐƚƌĂ^ƵĂƉŝͿĚŝƐƉŽŶŝďŝůŝĂĕƁĞƐ͕ƋƵĞƐĞƌĆŽ ĂŐƌĞƐƐŽƌĞƐ ĞŶĐĂƐũƵşnjĞƐ͘ŵĐĂĚĂ Ăŝ ĞƐƉĞĐŝĮĐĂƌ͕ ŶĂ ƌ͕ŽƐůŽĐĂŝƐƋƵĞŽƐ ŽĚĞŵĨƌĞƋƵĞŶƚĂƌ͕ ƐůŝŵŝƚĞƐĚĞĂƉƌŽŵĂ͘

WĂƌĂDĂƌŝĂŽĞůŝWŝƌĞƐ͕DŝŶĂƐƚĞŵƵŵĂĚĂƐƉŽůşƟĐĂƐŵĂŝƐĂǀĂŶĕĂĚĂƐ ĚĞƉƌŽƚĞĕĆŽĞƉƌŽŵŽĕĆŽĚĂƐŵƵůŚĞƌĞƐ

Secretária de Casa Civil destaca o papel da mulher na sociedade contemporânea

ƐĞĐƌĞƚĄƌŝĂĚĞƐƚĂĚŽĚĞĂƐĂ ŝǀŝůĞĚĞZĞůĂĕƁĞƐ/ŶƐƟƚƵĐŝŽŶĂŝƐ͕ DĂƌŝĂŽĞůŝ^ŝŵƁĞƐWŝƌĞƐ͕ĂĮƌŵŽƵ ĞŵĞŶƚƌĞǀŝƐƚĂƋƵĞŶĞƐƚĞŝĂ/ŶƚĞƌŶĂĐŝŽŶĂůĚĂDƵůŚĞƌĚĞǀĞͲƐĞĚĞƐƚĂĐĂƌƋƵĞ͞ĂŝŐƵĂůĚĂĚĞĚĞŐġŶĞƌŽ Ġ ďĂŶĚĞŝƌĂ ĚĂƐ ŵƵůŚĞƌĞƐ͕ ŵĂƐ ƉƌŽƉŽƌĐŝŽŶĂĂŽƐŚŽŵĞŶƐĂĨĞůŝĐŝĚĂĚĞĚĞĐŽŶǀŝǀĞƌĐŽŵŵĞůŚŽƌĞƐ ĞƐƉŽƐĂƐ͕ĮůŚĂƐ͕ĂŵŝŐĂƐ͕ĐŽůĞŐĂƐĞ ĐŽŵƉĂŶŚĞŝƌĂƐ͕ ƉŽƌƋƵĞ Ă ĚŝƐƉĂƌŝĚĂĚĞǀŝŐĞŶƚĞĂŐƌŝĚĞĞĂĨƌŽŶƚĂĂƐ ůĞŝƐĚĂƉƌſƉƌŝĂŶĂƚƵƌĞnjĂ͘͟ WĂƌĂ DĂƌŝĂ ŽĞůŝ͕ ͞Ž ŝŵƉŽƌƚĂŶƚĞ Ġ Ă ĐŽŶƐŽůŝĚĂĕĆŽ ĚĞ ƵŵĂ ŶŽǀĂ ĐŽŶƐĐŝġŶĐŝĂ ƉŽůşƟĐĂ Ă ƌĞƐƉĞŝƚŽĚĞƐƐĂĚŝƐƉĂƌŝĚĂĚĞĞĚŽŝŵƉĞƌĂƟǀŽĚĞƐƵƉĞƌĄͲůĂ͕ŵŽǀŝŵĞŶƚŽ͕ŚŽũĞ͕ĚĞŐƌĂŶĚĞǀŝƚĂůŝĚĂĚĞŶŽ ĂŵďŝĞŶƚĞ ƉŽůşƟĐŽ͕ ĞĐŽŶƀŵŝĐŽ ĞƐŽĐŝĂůĚĞDŝŶĂƐĞĚŽWĂşƐ͘͟ůĂ ĂĐƌĞƐĐĞŶƚŽƵƋƵĞ͞ŶŽĐĂŵƉŽĚŽ ĐŽŶŚĞĐŝŵĞŶƚŽ Ğ ŶŽ ąŵďŝƚŽ ĚĂƐ ĐĂƌƌĞŝƌĂƐƉƷďůŝĐĂƐ͕ĂƐĞƐƚĂơƐƟĐĂƐ ĨĞŵŝŶŝŶĂƐ ƐĆŽ ĨĂǀŽƌĄǀĞŝƐ͕ ƌĞĨŽƌĕĂĚĂƐƉĞůŽĐƌŝƚĠƌŝŽĚŽŵĠƌŝƚŽ͖Ğ ŶĂ ƐĞĂƌĂ ĞĐŽŶƀŵŝĐĂ͕ ĞƐƉĞĐŝĂůŵĞŶƚĞ ŶŽ ĞŵƉƌĞĞŶĚĞĚŽƌŝƐŵŽ͕ ŚĄĂƉƌĞƐĞŶĕĂŵĂƌĐĂŶƚĞĚĂŵƵůŚĞƌ͕ĐŽŵŵŽƐƚƌĂƐĚĞĐƌŝĂƟǀŝĚĂĚĞ ĞĚĞǀĂŶŐƵĂƌĚĂ͘͟ ^ĞŐƵŶĚŽ Ă ƐĞĐƌĞƚĄƌŝĂ͕ ĂƚƵĂůŵĞŶƚĞDŝŶĂƐ'ĞƌĂŝƐĚĞƐĞŶǀŽůǀĞ

ƵŵĂ ĚĂƐ ƉŽůşƟĐĂƐ ŵĂŝƐ ĂǀĂŶĕĂĚĂƐĚĞƉƌŽƚĞĕĆŽĞƉƌŽŵŽĕĆŽĚĂƐ ŵƵůŚĞƌĞƐ͘ ZĞƐƐĂůƚŽƵ ƋƵĞ͕ Ğŵ ϭϵϴϯ͕ Ž ĞŶƚĆŽ ŐŽǀĞƌŶĂĚŽƌ dĂŶĐƌĞĚŽ EĞǀĞƐ ĐƌŝŽƵ Ž ŽŶƐĞůŚŽ ƐƚĂĚƵĂů ĚĂƐ DƵůŚĞƌĞƐ͕ ĐŽŵ Ž ĮŵĚĞƉƌŽƉŽƌƉŽůşƟĐĂƐĚĞĂƚĞŶĚŝŵĞŶƚŽăƐĚĞŵĂŶĚĂƐĚĂŵƵůŚĞƌ ŵŝŶĞŝƌĂ Ğ ĐŽŵƉŽƐƚŽ ƉŽƌ ƌĞƉƌĞƐĞŶƚĂŶƚĞƐ ĚĞ ǀĄƌŝŽƐ ƐĞŐŵĞŶƚŽƐ ĚĂ ƐŽĐŝĞĚĂĚĞ Đŝǀŝů͘ ͞ŵ ϮϬϬϳ͕ Ž ŽŶƐĞůŚŽ ĨŽŝ ĨŽƌƚĂůĞĐŝĚŽ͕ ĐŽŵ Ă ĐƌŝĂĕĆŽĚĂŽŽƌĚĞŶĂĚŽƌŝĂƐƚĂĚƵĂůĚĞWŽůşƟĐĂƐƉĂƌĂĂƐDƵůŚĞƌĞƐ͕ ƵŵĂ ƌĞƐƉŽƐƚĂ ă ŵŽďŝůŝnjĂĕĆŽ ĚŽ ƐĞŐŵĞŶƚŽĞŵƉƌŽůĚĂŝŶƚĞŐƌĂĕĆŽ ĚĞƉŽůşƟĐĂƐƉĂƌĂŽŐġŶĞƌŽ͕͟ĚŝƐƐĞ͘  ƐĞĐƌĞƚĄƌŝĂ ĚĞƐƚĂĐĂ ĂƐ ĚŝǀĞƌƐĂƐĨƌĞŶƚĞƐĐƌŝĂĚĂƐƉĂƌĂĚĞĨĞƐĂ ĚĂ ŵƵůŚĞƌ Ğŵ ĄƌĞĂƐ ŶĆŽ ŐŽǀĞƌŶĂŵĞŶƚĂŝƐ ĐŽŵŽ Ă KƌĚĞŵ ĚŽƐ ĚǀŽŐĂĚŽƐ ĚŽ ƌĂƐŝů͕ ĐŽŵĂKͲDƵůŚĞƌ͕ĞĂƐƐŽĐŝĂĕĆŽ ŽŵĞƌĐŝĂů͕ ƋƵĞ ĐŽŶƚĂ ĐŽŵŽŽŶƐĞůŚŽĚĂDƵůŚĞƌŵƉƌĞĞŶĚĞĚŽƌĂ͘ AVANÇOS - EĂ ŽƉŝŶŝĆŽ ĚĞ DĂƌŝĂŽĞůŝ͕ŽƐŝŶƐƚƌƵŵĞŶƚŽƐŝŶƐƟƚƵĐŝŽŶĂŝƐĞŽƐŵŽǀŝŵĞŶƚŽƐƐŽĐŝĂŝƐ ŝŵƉƵůƐŝŽŶĂŵ Ž ĂǀĂŶĕŽ ĚĂƐ ƉŽůşƟĐĂƐƉƷďůŝĐĂƐĚĞƉƌŽƚĞĕĆŽăƐ ŵƵůŚĞƌĞƐ͘͞EĆŽƉŽƐƐŽĚĞŝdžĂƌĚĞ

ƌĞŐŝƐƚƌĂƌ͕ ĐŽŶƚƵĚŽ͕ ƋƵĞ Ž ƉƌŽƚĂŐŽŶŝƐŵŽ ĚĂƐ ŐƌĂŶĚĞƐ ŵƵůŚĞƌĞƐ ĂŝŶĚĂ ŶĆŽ Ġ ƐƵĮĐŝĞŶƚĞ Ğ ŶĞŵ ĞŵƉĂŶĂŽƐƋƵĂĚƌŽƐĚĞǀŝŽůġŶĐŝĂ ĞŽƉƌĞƐƐĆŽĚĞƚĂŶƚĂƐďƌĂƐŝůĞŝƌĂƐ͕ ĂŶƀŶŝŵĂƐĞŶŽŵŝŶĂĚĂƐ͕͟Ěŝnj͘  ƐĞĐƌĞƚĄƌŝĂ ƐĂůŝĞŶƚĂ ƋƵĞ Ġ ĂŝŶĚĂ ŐƌĂŶĚĞ Ž ĚĠĮĐŝƚ ĨĞŵŝŶŝŶŽ ĞŵǀĄƌŝŽƐƐĞƚŽƌĞƐ͕ĐŽŵŽĂƌĞƉƌĞƐĞŶƚĂĕĆŽƉŽůşƟĐĂĞŵDŝŶĂƐ'ĞƌĂŝƐ͘ ͞ƐƚĂŵŽƐ ĂďĂŝdžŽ ĚĂ ŵĠĚŝĂ ŶĂĐŝŽŶĂů͕ ƚĂŶƚŽ ŶŽ ĐĂƐŽ ĚĞ ƉƌĞĨĞŝƚĂƐĞǀĞƌĞĂĚŽƌĂƐĞůĞŝƚĂƐ͕ĐŽŵŽ ŶŽĚĞĚĞƉƵƚĂĚĂƐĞƐƚĂĚƵĂŝƐĞĨĞĚĞƌĂŝƐ͕͟ĞƐĐůĂƌĞĐĞ͘ DĂƌŝĂ ŽĞůŝ ůĞŵďƌĂ ƋƵĞ Ă ŵƵůŚĞƌƌĞƉƌŽĚƵƚŽƌĂĞĐƵŝĚĂĚŽƌĂ ĚĂƉƌŽůĞĠƵŵĂŝŵĂŐĞŵƋƵĞǀĞŵ ĚĂ ƉƌĠͲŚŝƐƚſƌŝĂ ĚĂ ŚƵŵĂŶŝĚĂĚĞ͕ ͞ƋƵĂŶĚŽ Ž ŚŽŵĞŵ ĞƌĂ ĐŚĞĨĞ ĂďƐŽůƵƚŽĚĞƐĞƵŐƌƵƉŽĞĐĂĕĂĚŽƌ ĚĞƉĞƌŝŐŽƐĂƐƉƌĞƐĂƐ͕ĞŶƋƵĂŶƚŽĂ ŵƵůŚĞƌ͕ƋƵĂƐĞƌĞĐůƵƐĂŶĂƐĐĂǀĞƌŶĂƐĚŽŶĞŽůşƟĐŽ͕ƐſƐĞĂƚƌĞǀŝĂă ĐŽůĞƚĂ ĚĞ ĨƌƵƚŽƐ ŶĂƐ ƉƌŽdžŝŵŝĚĂĚĞƐ͕ƉĂƌĂĂƉůĂĐĂƌĂĨŽŵĞĚŽƐĮůŚŽƐ͘ĞƉŽŝƐ͕ĂŚƵŵĂŶŝĚĂĚĞĚĞƐĐŽďƌŝƵĂĂŐƌŝĐƵůƚƵƌĂ͕ĞŵƐĞŐƵŝĚĂ͕ ŽƐ ŵĞƚĂŝƐ͕ Ğ͕ ŵŝůġŶŝŽƐ ĚĞƉŽŝƐ͕ Ă ĞƐĐƌŝƚĂ͘ƐƐĞĂǀĂŶĕŽŵĂƚĞƌŝĂůĞŵ ƉŽƵĐŽ ĂůƚĞƌŽƵ Ă ŽƌĚĞŵ ĨĂŵŝůŝĂƌ ĞƐƚĂďĞůĞĐŝĚĂƐŽďŽƉŽĚĞƌŵĂƐĐƵůŝŶŽĚĞĚĞĨĞƐĂĞƉƌŽǀŝƐĆŽ͘͟

40


41 MINAS GERAIS - P. 08 - 08.03.2013

COMEMORAÇÕES

MINAS GERAIS

Elas merecem ‰Abraço à Casa de Direitos Humanos marca as homenagens ao Dia Internacional da Mulher

K

'ŽǀĞƌŶŽĚĞDŝŶĂƐ͕ƉŽƌŵĞŝŽĚĂ^ĞĐƌĞƚĂƌŝĂĚĞĞƐĞŶǀŽůǀŝŵĞŶƚŽ^ŽĐŝĂů ;^ĞĚĞƐĞͿ͕ ƉƌŽŵŽǀĞƌĄ ŚŽũĞ ǀĄƌŝĂƐ ĂĕƁĞƐƉĂƌĂŵĂƌĐĂƌŽŝĂ /ŶƚĞƌŶĂĐŝŽŶĂů ĚĂ DƵůŚĞƌ͘EŽĞŶƚƌŽĚĞĞůŽ,ŽƌŝnjŽŶƚĞ͕ƐĞƌǀŝĚŽƌĞƐƉĂƌƟĐŝƉĂƌĆŽĚĞƵŵĂďƌĂĕŽƐŝŵďſůŝĐŽĂŽƌĞĚŽƌĚĂĂƐĂĚĞŝƌĞŝƚŽƐ,ƵŵĂŶŽƐ͘ EĂƐĐŽůĂĚĞ&ŽƌŵĂĕĆŽĞĞƐĞŶǀŽůǀŝŵĞŶƚŽ WƌŽĮƐƐŝŽŶĂůĚĞĚƵĐĂĚŽƌĞƐ;DĂŐŝƐƚƌĂͿƐĞƌĄ ƌĞĂůŝnjĂĚŽ Ž / ^ĞŵŝŶĄƌŝŽ DĂƌŝĂ ĚĂ WĞŶŚĂ sĂŝăƐƐĐŽůĂƐ͘ŶĂŝĚĂĚĞĚŵŝŶŝƐƚƌĂƟǀĂ͕ ƐĞĚĞ ĚŽ 'ŽǀĞƌŶŽ ĚĞ DŝŶĂƐ͕ ĂƐ ŵƵůŚĞƌĞƐ ƐĞƌĆŽ ŚŽŵĞŶĂŐĞĂĚĂƐ ĐŽŵ ĂƉƌĞƐĞŶƚĂĕĆŽ ĚĂĂŶĚĂĚĂWŽůşĐŝĂDŝůŝƚĂƌ͘ KĂďƌĂĕŽŶĂĂƐĂĚĞŝƌĞŝƚŽƐ,ƵŵĂŶŽƐ ƌĞĨŽƌĕĂ Ă ŝŵƉŽƌƚąŶĐŝĂ ĚŽ ĞƐƉĂĕŽ ƌĞĐĞŶƚĞŵĞŶƚĞŝŶĂƵŐƵƌĂĚŽƉĞůŽ'ŽǀĞƌŶŽĚĞDŝŶĂƐ͕ ŽŶĚĞ ĞƐƚĆŽ ƌĞƵŶŝĚŽƐ ǀĄƌŝŽƐ ƐĞƌǀŝĕŽƐ ǀŽůƚĂĚŽƐ ă ƉƌŽƚĞĕĆŽ ĚŽƐ ĚŝƌĞŝƚŽƐ ĚĂƐ ŵƵůŚĞƌĞƐ͘ ůŝĨƵŶĐŝŽŶĂŵŽĞŶƚƌŽ/ŶƚĞŐƌĂĚŽĚĞƚĞŶĚŝŵĞŶƚŽăDƵůŚĞƌ;/DͿ͕ŽĞŶƚƌŽZŝƐŽůĞƚĂ EĞǀĞƐ͕ŽEƷĐůĞŽĚĞƚĞŶĚŝŵĞŶƚŽăƐsşƟŵĂƐ ĚĞƌŝŵĞƐsŝŽůĞŶƚŽƐ;EssͿĞŽŽŶƐĞůŚŽ ƐƚĂĚƵĂůĚĂDƵůŚĞƌ͕ĞŶƚƌĞŽƵƚƌŽƐſƌŐĆŽƐ͘  ƐƵďƐĞĐƌĞƚĄƌŝĂ ĚĞ ŝƌĞŝƚŽƐ ,ƵŵĂŶŽƐ͕ ĂƌŵĞŶ ZŽĐŚĂ͕ ĚĞƐƚĂĐŽƵ ƋƵĞ Ž ŝĂ ĚĂ DƵůŚĞƌ ĚĞǀĞ ƐĞƌ ůĞŵďƌĂĚŽ ƉĞůŽ ƉƌŝŶĐşƉŝŽ ĚĂ ŝŐƵĂůĚĂĚĞ ĞŶƚƌĞ ŽƐ ƐĞdžŽƐ͘ ͞ƐƐĞ ĚŝƌĞŝƚŽ͕ĞdžƉƌĞƐƐŽŶĂŽŶƐƟƚƵŝĕĆŽĨĞĚĞƌĂů͕ĚĞǀĞ ƐĞƌ ƌĞƐƉĞŝƚĂĚŽ ĚĞ ŵĂŶĞŝƌĂ ƉĞƌŵĂŶĞŶƚĞ ƉŽƌƚŽĚĂĂƐŽĐŝĞĚĂĚĞ͘ƉĞƐĂƌĚŽƐŐƌĂŶĚĞƐ ĂǀĂŶĕŽƐƋƵĞŶſƐ͕ŵƵůŚĞƌĞƐ͕ĐŽŶƋƵŝƐƚĂŵŽƐ ĂŽůŽŶŐŽĚĂƐƷůƟŵĂƐĚĠĐĂĚĂƐ͕ĂŝŶĚĂƚĞŵŽƐ ĚĞƐĂĮŽƐĂĞŶĨƌĞŶƚĂƌ͕ĐŽŵŽĞƌƌĂĚŝĐĂƌĂǀŝŽ-

K Őŝďŝ ;ŵĂƚĞƌŝĂů ĚŝĚĄƟĐŽ ƋƵĞ ĂďŽƌůġŶĐŝĂ ĐŽŶƚƌĂ Ă ŵƵůŚĞƌ͕ ŽďũĞƚŽ ĚĞ ƉĞƌŵĂŶĞŶƚĞƐ ĂĕƁĞƐ ĚŽ ŐŽǀĞƌŶŽ Ğ ĚĂ ƐŽĐŝĞĚĂĚĞ ĚĂ͕ĚĞŵĂŶĞŝƌĂůƷĚŝĐĂ͕ĂƋƵĞƐƚĆŽĚĂ ǀŝŽůġŶĐŝĂ ĚŽŵĠƐƟĐĂ Ğ ŝŶƚƌĂĨĂŵŝĐŝǀŝů͕͟ĂĮƌŵŽƵ͘ ůŝĂƌ ƐŽĨƌŝĚĂ ƉĞůĂƐ ŵƵůŚĞƌĞƐͿ ĐŽŶƚĂ Ă ŚŝƐƚſƌŝĂ ĚĞ ƵŵĂ ƉƌŽĨĞƐƐŽƌĂ ƋƵĞ ƌĞƐŽůǀĞƵůĞǀĂƌĂ>ĞŝDĂƌŝĂĚĂWĞŶŚĂ ƉĂƌĂĚĞŶƚƌŽĚĂƐĂůĂĚĞĂƵůĂ͘ŽŵƵŵĂůŝŶŐƵĂŐĞŵůĞǀĞĞĐƌŝĂƟǀĂ͕ŽŵĂƚĞƌŝĂůŝŶĨŽƌŵĂ ƐŽďƌĞŽƐƟƉŽƐĚĞǀŝŽůġŶĐŝĂĞĂƐƉƵŶŝĕƁĞƐ͘ ůĠŵĚŝƐƐŽ͕ŽůŝǀƌŽĐŽŶƚĂĐŽŵƵŵĐĂĕĂͲƉĂůĂǀƌĂƐƋƵĞĚĞƐƉĞƌƚĂĂĂƚĞŶĕĆŽĚŽƐ ĞƐƚƵĚĂŶƚĞƐƉĂƌĂƚĞŵĂƐĐŽŵŽŝŐƵĂůĚĂĚĞ͕ƌĞƐƉĞŝƚŽ͕ĞŶƚƌĞŽƵƚƌŽƐ͘ ^ſ eŵϮϬϭϮ͕ŽŝƐƋƵĞ ŝƌĞŝƚŽƐ ,ƵŵĂŶŽƐ ĚĂ ^D/EZ/K ͳ K / ^ĞŵŝŶĄƌŝŽ ͞DĂƌŝĂ ^ĞĚĞƐĞ;ϬϴϬϬϬϯϭϭϭ ĚĂWĞŶŚĂsĂŝăƐƐĐŽůĂƐ͟ĠĚĞƐƟŶĂĚŽĂŽƐ ϭϵͿ ƌĞĐĞďĞƵ ϭϲϲ ƌĞĞĚƵĐĂĚŽƌĞƐĚĂƌĞĚĞƉƷďůŝĐĂ͘͞EŽƐƐŽŽďũĞ- ůĂƚŽƐĚĞĐƌŝŵĞƐĐŽŶƟǀŽĠĚŝĨƵŶĚŝƌŽĐŽŶƚĞƷĚŽĚĂůĞŝĞŶƚƌĞŽƐ ƚƌĂ ŵƵůŚĞƌĞƐ͘ ĞƐƐĞ ϭϬϬĞĚƵĐĂĚŽƌĞƐƋƵĞŝƌĆŽƉĂƌƟĐŝƉĂƌĚŽƐĞ- ƚŽƚĂů͕ ϭϰϳ ĨŽƌĂŵ ĚĞŵŝŶĄƌŝŽ͕ƉĂƌĂƋƵĞĞůĞƐƚƌĂďĂůŚĞŵĐŽŵŽƐ ƉĂƌĂ ĂůƵŶŽƐĂŝŵƉŽƌƚąŶĐŝĂĚŽĐŽŵďĂƚĞĂƚŽĚĂƐ ŶƵŶĐŝĂƌ ăƐƉƌĂƟĐĂƐĚĞǀŝŽůġŶĐŝĂĚŽŵĠƐƟĐĂĞŝŶƚƌĂĨĂ- Ă Ő ƌ Ğ Ɛ ŵŝůŝĂƌĐŽŶƚƌĂĂŵƵůŚĞƌ͕ƉŽƌŵĞŝŽĚŽŐŝďŝ͞Ɛ ƐƁĞƐ Ğ DĂƌŝĂƐĞŵ͗DĂƌŝĂĚĂWĞŶŚĂǀĂŝăƐĞƐĐŽůĂƐ͕͟ ŵ Ă Ƶ Ɛ ƉŽƌĞŶƚĞŶĚĞƌŵŽƐƋƵĞŽƉĂƉĞůĚĂĞĚƵĐĂĕĆŽ ͲƚƌĂƚŽƐ͘Ɛ ĠƉƌŝŵŽƌĚŝĂůŶŽĞŶĨƌĞŶƚĂŵĞŶƚŽĚĞƐƐĞĚĞƐĂ- ĚĞŶƷŶĐŝĂƐƐĆŽĞŶĐĂŵŝŶŚĂĚĂƐ ƉĂƌĂ ĐŽŶƐĞůŚŽƐ Ğ ĚĞĮŽ͕͟ƉŽŶƚƵŽƵĂƌŵĞŶZŽĐŚĂ͘ >ĂŶĕĂĚĂ Ğŵ ĂŐŽƐƚŽ ĚĞ ϮϬϭϮ͕ Ă ĐĂŵ- ůĞŐĂĐŝĂƐ ĞƐƉĞĐŝĂůŝnjĂĚĂƐ͘ ŵ ĂůŐƵŶƐ ƉĂŶŚĂ͕ƋƵĞƚĞŵƉĂƌĐĞƌŝĂĐŽŵĂ^ĞĐƌĞƚĂ- ĐĂƐŽƐ͕ ĚĞƉĞŶĚĞŶĚŽ ĚĂ ŐƌĂǀŝĚĂĚĞ Ğ ƌŝĂĚĞĚƵĐĂĕĆŽ͕ĂůĐĂŶĕŽƵŵĂŝƐĚĞϰϬŵŝů ƵƌŐġŶĐŝĂ͕ ĂƚĠ ŵĞƐŵŽ Ă WŽůşĐŝĂ DŝůŝƚĂƌ ĞƐƚƵĚĂŶƚĞƐ Ğŵ ϱϮ ŵƵŶŝĐşƉŝŽƐ Ğ ĚĞǀĞƌĄ ƉŽĚĞƐĞƌĂĐŝŽŶĂĚĂ͘KŝƐƋƵĞŝƌĞŝƚŽƐ,ƵĐŚĞŐĂƌ͕ŶŽƐƉƌſdžŝŵŽƐĂŶŽƐ͕ĂŽƐŵĂŝƐĚĞ ŵĂŶŽƐĨƵŶĐŝŽŶĂĚĞƐĞŐƵŶĚĂĂƐĞdžƚĂͲĨĞŝƌĂ͕ ĚĂƐϴŚăƐϮϮŚŽƌĂƐ͘ ϯŵŝůŚƁĞƐĚĞĂůƵŶŽƐ͘

ŝŶĚĂƚĞŵŽƐ ĚĞƐĂĮŽƐĂĞŶĨƌĞŶƚĂƌ͕ ĐŽŵŽĞƌƌĂĚŝĐĂƌ ĂǀŝŽůġŶĐŝĂ ĐŽŶƚƌĂĂŵƵůŚĞƌ

hŶŝŵŽŶƚĞƐƚĂŵďĠŵƉƌŽŵŽǀĞ ĂĕƁĞƐĞƐƉĞĐŝĂŝƐŶĞƐƚĂƐĞdžƚĂͲĨĞŝƌĂ K,ŽƐƉŝƚĂůhŶŝǀĞƌƐŝƚĄƌŝŽůĞŵĞŶƚĞĚĞ&ĂƌŝĂ͕ ŶĂƐĂĕƁĞƐĚĞŚƵŵĂŶŝnjĂĕĆŽĚŽ,ŽƐƉŝƚĂů͘ KƐŚŽǁĚĂĐĂŶƚŽƌĂĞďŽƌĂŚZŽƐĂƐĞƌĄƉƌĞĚĂ hŶŝǀĞƌƐŝĚĂĚĞ ƐƚĂĚƵĂů ĚĞ DŽŶƚĞƐ ůĂƌŽƐ ;hŶŝŵŽŶƚĞƐͿ͕ ĞůĂďŽƌŽƵ ƵŵĂ ƉƌŽŐƌĂŵĂĕĆŽ ĞƐ- ĐĞĚŝĚŽĚĞĂƉƌĞƐĞŶƚĂĕĆŽĚĂĚƵƉůĂWĞĚƌŽΘ:ĠƐ-

ƌŝĂĚĞZĞĐƵƌƐŽƐ,ƵŵĂŶŽƐĨĂƌĄĂĚŝƐƚƌŝďƵŝĕĆŽ ĚĞ ďŽŵďŽŶƐ Ğ ŵĞŶƐĂŐĞŶƐ ăƐ ƐĞƌǀŝĚŽƌĂƐ͕ ƉƌŽĨĞƐƐŽƌĂƐ Ğ ĞƐƚĂŐŝĄƌŝĂƐ͘


42 hoje em dia - MG - P. 26 - 08.03.2013


43 estado de minas - MG - ON LINE - 08.03.2013

PATRIMÔNIO HISTÓRICO -

Imagens cercadas de mistério

Seis peças sacras abandonadas às margens da MG-050, em Itaúna, no Centro-Oeste mineiro, intrigam moradores da cidade há 20 anos. Elas não têm identificação e MP investiga caso

Gustavo Werneck Itaúna – Há duas décadas, um mistério intriga os moradores de Itaúna, na Região Centro-Oeste de Minas, a 82 quilômetros de Belo Horizonte. De onde são, a quem pertencem e por que seis peças sacras – cinco de bronze e uma de ferro fundido dourada – foram abandonadas às margens da Rodovia MG-050, na saída para Divinópolis, sem o menor sinal de identificação? O caso está sob investigação do Ministério Público (MP) do estado, desde que foram localizadas num galpão da prefeitura na rodoviária da cidade. O promotor de Justiça da comarca, Daniel Batista Mendes, abriu inquérito para apurar a origem das imagens, que já contam com pesquisa feita pela historiadora Paula Carolina Miranda Novais, da Coordenadoria das Promotorias de Defesa do Patrimônio Cultural e Artístico (CPPC/MP). As esculturas foram retiradas do depósito e depois de lavadas – “pois estavam muito sujas”, segundo funcionários – colocadas no saguão do Espaço Cultural Adelino Pereira Quadros, no Centro, devendo permanecer lá até que as autoridades tracem o seu destino. A oficial administrativa Janete Rodrigues conta que as peças ficaram no Museu Municipal Francisco Manoel Franco, no período em que ela dirigiu a instituição (de 2005 a 2009). “Chegaram em 1996 e depois foram conduzidas ao depósito do setor de patrimônio público. O ideal é que voltem para o museu”, afirma Janete, lembrando que ninguém nunca reclamou a propriedade das peças. Da mesma forma, não há nome da empresa de fundição ou data do serviço gravados no bronze. “É um mistério!” Uma das hipóteses é que as imagens pertenceriam a túmulos, mas, ao longo das investigações, verificou-se que não são de nenhum cemitério de Itaúna. Os seis objetos, variando de 70 centímetros a 1,20 metro de altura, poderiam ter sido roubados e, para fugir da fiscalização e flagrante, já que há uma barreira policial nas imediações, os ladrões teriam descartado o material na rodovia. Com rico patrimônio cultural, o Centro-Oeste, conforme investigação do MP, é uma das rotas do comércio ilegal de peças sacras e obras de arte, numa alternativa às cidades coloniais da Região Central e Grande BH, como Ouro Preto, Mariana, Sabará, Santa Luzia, São João del-Rei etc., donas de mais vigilância – equipamentos em monumentos e pessoal especializado para protegê-los. No início do mês, restauradores do Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais (Iepha/MG) estiveram no local e constataram que as peças são do Centro-Oeste. Eles sugeriram que as autoridades policiais da região verificassem se há registro de desaparecimento de bens com tais características, divulgação nos meios de comunicação para reconhecimento e acondicionamento em lugar seguro. A convite do Estado de Minas, o padre Adriano Bolognani, vigário da Paróquia de Sant’Ana de Itaúna, esteve no Espaço Cultural Adelino Pereira Quadros e se impressionou com o bom estado de conservação e a beleza das peças, que são ocas, têm suportes para serem afixadas e, em alguns casos, estão com massa de cimento no interior. “Como é que podem ter deixado essas imagens à beira da estrada!”, comentou o vigário paroquial, para, em seguida, fazer uma brincadeira com os funcionários da prefeitura: “Não querem doar, não?” Padre Adriano conferiu uma por uma e, sobre a de São Vicente, disse que foi feita com o santo “um pouco mais gordinho”. Ele acredita que as duas imagens da

Virgem sejam de Nossa Senhora do Carmo, embora as peças estejam sem coroa e sem escapulário, o que é típico da mãe de Jesus. Nas mãos, um dos meninos carrega o que parece ser uma fita ou escapulário. TESTEMUNHOS A atual administração municipal busca reunir informações, documentos e testemunhos sobre o caso, de forma a desvendar o mistério e entregar o material a quem de direito. Os técnicos já encontraram um documento datado de 21 de novembro de 2009, no qual o responsável pela Divisão de Conservação e Patrimônio, Sebastião Ferreira de Oliveira, comunica ao então secretário municipal de Administração, Adriano Machado Diniz, que, segundo informações do servidor Israel Martins Drumond, coordenador dos cemitérios, “as peças teriam sido abandonadas nas proximidades da empresa Intercast, durante a gestão municipal 1993-1996”. O funcionário explica ainda que por se tratar de objetos de origem incerta não foi registrado boletim de ocorrência à época. E mais: “Por serem consideradas peças de valor supostamente significativo, solicitamos ao senhor secretário a fineza de encaminhar à Procuradoria Administrativa e do Patrimônio uma consulta sobre qual destino deverá ser dado aos objetos”. Em 9 de abril de 2010, a representante da Procuradoria Administrativa e do Patrimônio de Itaúna, Paula Vasconcelos, encaminhou um relatório ao MP informando que não há registro da data em que as peças foram encontradas, só se sabendo que ocorreu entre 1993 e 1996. OS SANTOS Peças encontradas na Rodovia MG-050, na saída para Divinópolis Nossa Senhora Auxiliadora, de 80cmde altura, 10cm de largura e 20kg Duas imagens de Nossa Senhora (sem coroa) com o Menino Jesus, uma de 90cm por 13cm e outra de 70cm por 10cm, ambas de 20kg. Na mão da escultura maior, o menino carrega um escapulário ou fita São José, de 1,10m por 20cm e 40kg São Vicente, de 1,20m por 20cm e 30kg Sagrado Coração de Jesus, de 70cm por 10cm e 20kg (a única de ferro fundido, pintado de dourado) Beto Novaes/EM/D.A Press

Padre Adriano Bolognani, da Paróquia de Sant’ Ana de Itaúna, ficou admirado com a beleza das peças: Como é que podem ter deixado essas imagens à beira da estrada


44 AQUI - MG - P. 11 - 08.03.2013


45 o tempo - mg - p. 29 - 08.03.2013


46 folha de sp - sp - p. a7- 08.03.2013


47 o globo - rj - p. 05 - 08.03.2013

Comissão de Direitos Humanos da OEA sob ameaça

Nicarágua, com apoio de outros países bolivarianos, propõe mudanças na convenção que regula o tema no continente

WASHINGTON — Os países bolivarianos, capitaneados por Equador e Venezuela, estão ampliando a ofensiva pelo desmantelamento do Sistema Interamericano de Direitos Humanos da Organização dos Estados Americanos (OEA). Ocupando a presidência do Conselho Permanente da entidade, a Nicarágua, parte do grupo, enviou quarta-feira aos demais 33 países-membros um rascunho de projeto de resolução a ser votado na assembleia extraordinária da OEA dia 22, no qual propõe o início de discussões para alteração da Convenção Americana de Direitos Humanos até o segundo semestre de 2014, quando o documento máximo de defesa de direitos e liberdades dos cidadãos do continente completará 45 anos. Desde 1969, o chamado Pacto de San José nunca foi alterado.

O projeto é a última cartada do grupo (reforçado por Bolívia, países caribenhos e Argentina), em campanha por uma reforma severa da Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) há quase dois anos, incluindo a relatoria para liberdade de expressão. Os críticos veem uma tentativa de restringir o escopo de atuação (de proteção para promoção dos direitos humanos), asfixiar financeiramente, limitar publicações e enfraquecer o trabalho do órgão, que desagradou a governos nos últimos anos com publicação de relatórios críticos, investigações, suspensões e punições.

lidade de a reforma da CIDH ser adiada para integrar este pacote mais amplo. Isso porque a presidência afirma no texto que não deverá haver tempo hábil para que todas as discussões e negociações sejam concluídas até o dia 22.

— São duas leituras possíveis, as duas com consequências graves. A primeira é que os países inimigos do sistema (bolivarianos), sentindo-se politicamente fortes, querem prolongar a agonia e reformar a Convenção para que ela se torne um traje feito sob medida para esses Estados. A outra é uma tática para mover o centro da discussão na direção desses inimigos do sistema, de forma a arrancar mais concessões na reforma da CIDH — avaliou José Miguel Vivanco, diretor-executivo para as Américas da ONG Human Rights Watch. Num recado que mostra o temor causado pelo projeto da Nicarágua, o secretário-geral da OEA, José Miguel Insulza, em viagem, enviou mensagem à plenária de ontem do órgão dizendo esperar que a assembleia do dia 22 encerre as conversas sobre reforma do sistema. Acusado de omissão na defesa da CIDH, o que teria fortalecido os bolivarianos, o Brasil tem suavizado sua posição. Ontem, o ministro Breno da Costa, representante brasileiro no Conselho Permanente, não endossou o projeto de resolução, mas tampouco o criticou.

A assembleia geral extraordinária foi convocada na reunião oficial da OEA em Cocha— A proposta de resolução é só o início do bamba, em junho de 2012, para decidir quais debate. Também recebemos a resolução da premudanças serão feitas nos procedimentos e, po- sidência em cima da hora — disse Breno, em tencialmente, no estatuto de funcionamento da resposta a uma ONG presente ao plenário. CIDH. O projeto de resolução deverá ser discutido O projeto de resolução representa um passo na próxima segunda-feira, em Guayaquil (Equaadiante: equivale a um país convocar uma as- dor), quando haverá reunião dos 21 países-parsembleia constituinte para emendar a Constitui- tes da Convenção Americana (os EUA não são ção. Ou seja, além de minimizar a atuação da signatários), com vistas à assembleia do dia 22. CIDH, os bolivarianos querem mudar os prin- Observadores dizem que será a última grande cípios históricos nos quais ela se embasa para tentativa de formar uma aliança para uma refortomar decisões. ma ampla da CIDH. O chanceler do Equador, Ricardo Patiño, acaba de voltar de um giro pela O documento do Conselho Permanente (os América Latina para levantar apoio à causa borepresentantes dos países) abre ainda a possibi- livariana.


48 o tempo - mg - p. 11 - economia - 08.03.2013

Serviço.Meta é diminuir as demandas em pelo menos 35,21% até dezembro de 2013

GVT e Sky não reduzem número de reclamações Sky, Net e Claro TV foram campeãs de queixas registradas na Anatel em 2012

ANA PAULA PEDROSA No último trimestre de 2012, as operadoras de TV por assinatura GVT e Sky foram as únicas que apresentaram aumento no número de reclamações registradas na Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). As reclamações contra as demais empresas tiveram queda, segundo a agência. No acumulado do ano, cobrança, cancelamento e reparo foram os principais motivos das reclamações contra as empresas de TV paga. O dentista Marcelo Shirata colaborou com a estatística. Em seis dos 12 meses de 2012, ele reclamou de cobranças indevidas de sua operadora de TV. “Eles me prometeram desconto por um ano, mas, a partir do sexto mês, passaram a cobrar o valor integral. Todo mês eu ligava para reclamar”, conta. Ao fim do contrato, ele trocou de operadora. Já o corretor de imóveis Péricles Campos de Oliveira ainda não conseguiu resolver o problema com sua TV. Há meses ele espera pela visita de um técnico para solucionar um problema em um dos três pontos de sua casa. “Eles marcam e não aparecem. Cada vez que isso acontece, eu ligo para a Anatel, mas, até hoje, não resolveu”, reclama. Sky, Net e Claro TV concentraram a maior parte das reclamações em 2012. Investimentos

A Anatel divulgou ontem o primeiro relatório de acompanhamento dos planos de ação para melhoria da TV por assinatura. No ano passado, a Anatel exigiu das principais prestadoras do serviço no país - Sky, Net, Oi TV, GVT, Claro TV, Algar e Vivo TV - plano de ação para melhorar a qualidade e reduzir as reclamações em pelo menos 35,21% até dezembro de 2013. Ao todo, as empresas se comprometeram em fazer investimentos da ordem de R$ 2,5 bilhões em 2013 em infraestrutura, comunicação e atendimento.

A meta da Anatel é que as operadoras tenham 0,65 reclamação por mil assinantes. Em dezembro de 2012, Net e Vivo TV conseguiram atingir esse patamar. Segundo a agência, o cumprimento dos planos de ação está sendo acompanhado de perto e há relatórios trimestrais com a evolução de cada empresa. (Com agências) Teles

Anatel poderá trocar multa por investimento

BRASÍLIA. A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) aprovou ontem a primeira versão do regulamento que permitirá que as empresas do setor troquem as multas pelo compromisso de realizar novos investimentos em infraestrutura, pesquisa ou inovação tecnológica. O documento passará por consulta pública pelos próximos 60 dias. Depois, o texto volta para adequação na agência e passa, mais uma vez, pela aprovação do conselho diretor, que dará a palavra final. De acordo com o relator do texto, conselheiro Marcelo Bechara, o Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) deve garantir serviço melhor aos usuários. O TAC só poderá ser celebrado se agência e empresa autuada concordarem e pode ser feito a qualquer momento, esteja a ação no início ou no fim de seu trâmite na Anatel. “É mais uma ferramenta entre as nossas opções de punição e não pode ser vista como única, ou como regra para qualquer caso”, explicou Bechara. Segundo o conselheiro, a possibilidade de realização de um TAC já era permitida pela agência, mas, sem que houvesse regulamento explicito sobre o tema, não era muito utilizada.

08 Março 2013  

Clipping Geral e Espec. Eletrônico

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you