Page 1

XXI 02 07 a 09/ 01/2013

Superintendência de Comunicação Integrada

CLIPPING Nesta edição:

Clipping Geral Meio Ambiente Patrimônio Cultural Procon-MG Saúde Tráfico e Abuso de Drogas

Destaques: Palanque desmontado e 15º salário garantido - p.03 Mudança na lei faz prisões realizadas pela PF caírem 40% - p.06 Lei Seca em dose tripla - p. 13


01 hoje em dia - MG - P. 04 - 08.01.2013

O TEMPO - MG - P. 07- 08.01.2013


02 hoje em dia - MG - P. 04 - 09.01.2013


03 ESTADO DE MINAS - 1ª p. e p. 03 - 09.01.2013


JUSTIÇA

Voluntários da Fia Voluntários da Fiat visitam Apac 04

JUSTIÇA

MINAS GERAIS YhZdͳ&/Z͕ϵ:E/ZKϮϬϭϯͳ7

‰Em Santa Luzia, grupo conheceu o fu

‰Em Santa Luzia, grupo conheceu o funcionamento do sistema

C

ŽŶŚĞĐĞƌ Ž ŵŽĚĞůŽ ĚĞƐĞŶǀŽůǀŝĚŽŶĂƐƐƐŽĐŝĂĕƁĞƐĚĞWƌŽƚĞĕĆŽ Ğ ƐƐŝƐƚġŶĐŝĂ ĂŽƐ ŽŶĚĞŶĂĚŽƐ ;ƉĂĐƐͿƉĂƌĂĚĞĨŝŶŝƌĂŵĞůŚŽƌĨŽƌŵĂ ĚĞ ƉĂƌĐĞƌŝĂ͘ Žŵ ĞƐƐĞ ŽďũĞƚŝǀŽ͕ Ă ƐƐŽĐŝĂĕĆŽ ĚĞ sŽůƵŶƚĄƌŝŽƐ ĚŽ 'ƌƵƉŽ&ŝĂƚĞƐƚĞǀĞŶĂƉĂĐĚĞ^ĂŶƚĂ >ƵnjŝĂ͕ĞŵĚĞnjĞŵďƌŽƷůƚŝŵŽ͘ĞŶƚŝĚĂĚĞ Ġ ĨŽƌŵĂĚĂ ƉŽƌ ĚŝƌŝŐĞŶƚĞƐ Ğ ĞdžͲĚŝƌŝŐĞŶƚĞƐ ĚĂ &ŝĂƚ ƵƚŽŵſǀĞŝƐ͕ &ŝĂƚ džƉŽƌƚĂĕƁĞƐ͕ &ŝĂƚ /ŶĚƵƐƚƌŝĂů͕ /ǀĞĐŽ͕ŽŵĂƵ͕E,'ůŽďĂů͘ ůĞƐĚĞŵŽŶƐƚƌĂƌĂŵƐƵƌƉƌĞƐĂĞ ŝŶƚĞƌĞƐƐĞ ŶŽ ŵŽĚĞůŽ ĚĞ ƉƌŝƐĆŽ ƋƵĞ ŶĆŽ ƚĞŵ ŐƌĂĚĞƐ͕ ŶŽ ƋƵĂů ŽƐ ƉƌſƉƌŝŽƐƉƌĞƐŽƐƚġŵĂƐĐŚĂǀĞƐĚĂƐ ĐĞůĂƐ Ğ ŽŶĚĞ ƚŽĚŽƐ ƚƌĂďĂůŚĂŵ͕ ĞƐƚƵĚĂŵĞƐĆŽƌĞƐƉŽŶƐĄǀĞŝƐƉĞůĂƐ ƌŽƚŝŶĂƐĚŽůŽĐĂů͘  ĐŽŵŝƚŝǀĂ ƉĞƌĐŽƌƌĞƵ ĂƚĞŶƚĂ ĂƐĚĞƉĞŶĚġŶĐŝĂƐĚĂƉĂĐ͕ŽƵǀŝƵ ĂƐĞdžƉůŝĐĂĕƁĞƐƐŽďƌĞŽĨƵŶĐŝŽŶĂŵĞŶƚŽ͕ ĂƐƐŝƐƚŝƵ ă ĂƉƌĞƐĞŶƚĂĕĆŽ ŵƵƐŝĐĂů ĚĞ ƵŵĂ ďĂŶĚĂ Ğ ĂůŵŽĕŽƵ͘ dƵĚŽ ĂĐŽŵƉĂŶŚĂĚŽ ƉŽƌ ƌĞĐƵƉĞƌĂŶĚŽƐ͘ ŶƚƌĞ ŽƐ ǀŝƐŝƚĂŶƚĞƐ ĞƐƚĂǀĂŵ DĂƐƐŝŵŽĂǀĂůůŽ͕ƵůĞƌƌǀŝůŚĂ͕ ŽƌŝƐ ŽŐƵƚĐŚŝ͕ ĚŐĂƌĚŽ ĂĐĞƌĞƐ͕ KůĂĐŝƌ KůŝǀĞŝƌĂ͕ dĂƌĐşƐŝĂ ZĂŵĂůŚŽ͕ĂƌůŽƐĚĞĂƐƚƌŽ͕&ƌĞĚĞƌŝĐtĂŐŶĞƌtĞŶĚůŝŶŐĞŶƚƀŶŝŽ^ĠƌŐŝŽZŽĚƌŝŐƵĞƐ͘ &ĂůŽƵ Ğŵ ŶŽŵĞ ĚŽ ŐƌƵƉŽ Ž ĚŝƌĞƚŽƌĚĞZĞĐƵƌƐŽƐ,ƵŵĂŶŽƐĚĂ ŽŵĂƵŶĂŵĠƌŝĐĂ>ĂƚŝŶĂ͕DĂƐƐŝŵŽĂǀĂůůŽ͕ƋƵĞĚĞƐƚĂĐŽƵ͗͞KĚŝĂ ĞƐƚĄ ƐĞŶĚŽ ďĞůŽ Ğ ŝŶƚĞƌĞƐƐĂŶƚĞ͕ ƉŽŝƐ ƉĞƌĐĞďŽ ƋƵĞ ƚŽĚŽƐ ŽƐ ĚŝĂƐ ƉŽĚĞŵŽƐĨĂnjĞƌĚŝĨĞƌĞŶƚĞ͘,ĄŵƵŝƚŽƐ ĂŶŽƐ͕ Ž 'ƌƵƉŽ &ŝĂƚ ƚƌĂďĂůŚĂ ĐŽŵ ƌĞƐƉŽŶƐĂďŝůŝĚĂĚĞ ƐŽĐŝĂů͕ ŝŶĐůƵƐĆŽ ƐŽĐŝĂů ĚĂƐ ƉĞƐƐŽĂƐ ĐŽŵ

C

ĚĞĨŝĐŝġŶĐŝĂƐ͘,ŽũĞĠŵĂŝƐƵŵĚŝĂ ĚĞĂƉƌĞŶĚŝnjĂŐĞŵ͕ƋƵĞƌĞŵŽƐǀĞƌ Ğ ŽƵǀŝƌ ǀŽĐġƐ Ğ ƐĂďĞƌ Ğŵ ƋƵĞ ƉŽĚĞŵŽƐĂũƵĚĂƌ͘͟ KƐ ǀŝƐŝƚĂŶƚĞƐ ĨŽƌĂŵ ƌĞĐĞďŝĚŽƐ ƉĞůŽƐ ĐŽŽƌĚĞŶĂĚŽƌĞƐ ĚŽ WƌŽŐƌĂŵĂEŽǀŽƐZƵŵŽƐĚŽdƌŝďƵŶĂůĚĞ :ƵƐƚŝĕĂ;d:D'Ϳ͕ŽĚĞƐĞŵďĂƌŐĂĚŽƌ :ĂƌďĂƐĚĞĂƌǀĂůŚŽ>ĂĚĞŝƌĂ&ŝůŚŽĞ Ž ũƵŝnj >Ƶŝnj ĂƌůŽƐ ĚĞ ZĞnjĞŶĚĞ Ğ ^ĂŶƚŽƐ͕ĞƉĞůŽƉƌĞƐŝĚĞŶƚĞĚĂ&ƌĂƚĞƌŶŝĚĂĚĞƌĂƐŝůĞŝƌĂĚĞƐƐŝƐƚġŶĐŝĂ ĂŽƐ ŽŶĚĞŶĂĚŽƐ ;&ďĂĐͿ͕ sĂůĚĞĐŝ ŶƚƀŶŝŽ&ĞƌƌĞŝƌĂ͘

/sh>'K

ŽŶŚĞĐĞƌ Ž ŵŽĚĞůŽ ĚĞƐĞŶǀŽůǀŝ- ĚĞĨŝĐŝġŶĐŝĂƐ͘,ŽũĞĠŵĂŝƐƵŵĚŝĂ ĚŽŶĂƐƐƐŽĐŝĂĕƁĞƐĚĞWƌŽƚĞĕĆŽ ĚĞĂƉƌĞŶĚŝnjĂŐĞŵ͕ƋƵĞƌĞŵŽƐǀĞƌ Ğ ƐƐŝƐƚġŶĐŝĂ ĂŽƐ ŽŶĚĞŶĂĚŽƐ Ğ ŽƵǀŝƌ ǀŽĐġƐ Ğ ƐĂďĞƌ Ğŵ ƋƵĞ ;ƉĂĐƐͿƉĂƌĂĚĞĨŝŶŝƌĂŵĞůŚŽƌĨŽƌŵĂ ƉŽĚĞŵŽƐĂũƵĚĂƌ͘͟ ĚĞ ƉĂƌĐĞƌŝĂ͘ Žŵ ĞƐƐĞ ŽďũĞƚŝǀŽ͕ Ă KƐ ǀŝƐŝƚĂŶƚĞƐ ĨŽƌĂŵ ƌĞĐĞďŝĚŽƐ ƐƐŽĐŝĂĕĆŽ ĚĞ sŽůƵŶƚĄƌŝŽƐ ĚŽ ƉĞůŽƐ ĐŽŽƌĚĞŶĂĚŽƌĞƐ ĚŽ WƌŽŐƌĂ'ƌƵƉŽ&ŝĂƚĞƐƚĞǀĞŶĂƉĂĐĚĞ^ĂŶƚĂ ŵĂEŽǀŽƐZƵŵŽƐĚŽdƌŝďƵŶĂůĚĞ >ƵnjŝĂ͕ĞŵĚĞnjĞŵďƌŽƷůƚŝŵŽ͘ĞŶƚŝ:ƵƐƚŝĕĂ;d:D'Ϳ͕ŽĚĞƐĞŵďĂƌŐĂĚŽƌ ,ŽũĞĠŵĂŝƐ ĚĂĚĞ Ġ ĨŽƌŵĂĚĂ ƉŽƌ ĚŝƌŝŐĞŶƚĞƐ Ğ :ĂƌďĂƐĚĞĂƌǀĂůŚŽ>ĂĚĞŝƌĂ&ŝůŚŽĞ ƵŵĚŝĂĚĞ ĞdžͲĚŝƌŝŐĞŶƚĞƐ ĚĂ &ŝĂƚ ƵƚŽŵſǀĞŝƐ͕ Ž ũƵŝnj >Ƶŝnj ĂƌůŽƐ ĚĞ ZĞnjĞŶĚĞ Ğ ĂƉƌĞŶĚŝnjĂŐĞŵ͕ &ŝĂƚ džƉŽƌƚĂĕƁĞƐ͕ &ŝĂƚ /ŶĚƵƐƚƌŝĂů͕ ^ĂŶƚŽƐ͕ĞƉĞůŽƉƌĞƐŝĚĞŶƚĞĚĂ&ƌĂƋƵĞƌĞŵŽƐǀĞƌĞ /ǀĞĐŽ͕ŽŵĂƵ͕E,'ůŽďĂů͘ ƚĞƌŶŝĚĂĚĞƌĂƐŝůĞŝƌĂĚĞƐƐŝƐƚġŶĐŝĂ ŽƵǀŝƌǀŽĐġƐĞƐĂďĞƌ ůĞƐĚĞŵŽŶƐƚƌĂƌĂŵƐƵƌƉƌĞƐĂĞ ĂŽƐ ŽŶĚĞŶĂĚŽƐ ;&ďĂĐͿ͕ sĂůĚĞĐŝ ĞŵƋƵĞƉŽĚĞŵŽƐ ŝŶƚĞƌĞƐƐĞ ŶŽ ŵŽĚĞůŽ ĚĞ ƉƌŝƐĆŽ ŶƚƀŶŝŽ&ĞƌƌĞŝƌĂ͘ ĂũƵĚĂƌ trabalho é um dos elementos aplicados pela metodologia apaquiana para a reintegração social do preso ƋƵĞ ŶĆŽ ƚĞŵ ŐƌĂĚĞƐ͕ ŶŽ OƋƵĂů ŽƐ KŐĞƌĞŶƚĞĚĞƉƌŽũĞƚŽƐĚŽ/ŶƐƚŝ- ďĂŶŚĞŝƌŽĞŵƵŵĂĐĞůĂƐƵƉĞƌůŽƚĂ- DĂƌĐĞůŽ ƌŽ͕ ƋƵĞ ĂĨŝƌŵŽƵ ƐĞƌ Ă RESPONSABILIDADE -  ͞Ƶ͕ ƉƌſƉƌŝŽƐƉƌĞƐŽƐƚġŵĂƐĐŚĂǀĞƐĚĂƐ ƋƵĂŶĚŽĐŽŶŚĞĐŝĂƉĂĐ͕ĂĐŚĞŝƋƵĞ ƚƵƚŽDŝŶĂƐWĞůĂWĂnj͕ŶĞĂƐDĞůŽ͕ ĚĂ͕ĐŚĞŐŽƵĂƚĠŵĞƐŵŽĂƋƵĞƌĞƌĂ ƉĂĐ ĚĞ ĞůŽ ,ŽƌŝnjŽŶƚĞ ƵŵĂ ĚĞ ĚŝƐƐĞ ĂŽ ŐƌƵƉŽ ƋƵĞ ŚĄ ĞŶŽƌŵĞ ŵŽƌƚĞ ƉĂƌĂ ĂĐĂďĂƌ ĐŽŵ ƚĂŶƚĂ ƐƵĂƐƉƌŽŵĞƐƐĂƐĚĞĐĂŵƉĂŶŚĂ͘ ĐĞůĂƐĞƌĂŝŵƉŽƐƐşǀĞůŝƐƚŽʹƵŵůƵŐĂƌĞŵ Ğ ŽŶĚĞ ƚŽĚŽƐ ƚƌĂďĂůŚĂŵ͕ ͞ƐƚĂŵŽƐ ƐĂŝŶĚŽ ĚĂƋƵŝ ĐŽŵ ƋƵĞ ĂƵƚŽƌŝĚĂĚĞƐ ƉƵĚĞƐƐĞŵ ƐĞ ĚŝĨŝĐƵůĚĂĚĞ Ğŵ ƌĞŝŶƐĞƌŝƌ Ž ƉƌĞƐŽ ŚƵŵŝůŚĂĕĆŽ͘͞ƉĂĐĨĂnjƉŽƌŵŝŵ ĞƐƚƵĚĂŵĞƐĆŽƌĞƐƉŽŶƐĄǀĞŝƐƉĞůĂƐ ƐĞŶƚĂƌ ă ŵĞƐŵĂ ŵĞƐĂ ĐŽŵ ŽƐ ŶŽ ŵĞƌĐĂĚŽ ĚĞ ƚƌĂďĂůŚŽ͘ ͞ ƉĞƐ- ŽƋƵĞĞŵŶĞŶŚƵŵŽƵƚƌŽůƵŐĂƌĞƵ ŵƵŝƚŽƐ ƋƵĞƐƚŝŽŶĂŵĞŶƚŽƐ͕ ŵĂƐ ƉƌĞƐŽƐ͕͟ ĐŽŶĨĞƐƐŽƵ Ž ƉƌĞƐŝĚĞŶƚĞ ƐŽĂ ƋƵĞ ĐƵŵƉƌŝƵ ƉĞŶĂ ƚĞŵ ƵŵĂ ĐŽŶƐĞŐƵŝƌŝĂʹĞƐƚŽƵƉĂŐĂŶĚŽŵĞƵ ƚĂŵďĠŵ ĐŽŵ ŵƵŝƚĂ ĚŝƐƉŽƐŝĕĆŽ ƌŽƚŝŶĂƐĚŽůŽĐĂů͘ ĚĂƉĂĐĚĞ^ĂŶƚĂ>ƵnjŝĂ͕'ƵƐƚĂǀŽ ŵĂƌĐĂ͕Ɛŝŵ͕ŵĂƐƉƌĞĐŝƐĂŵŽƐĐŽŵ- ĞƌƌŽ Ğ ǀŽƵ ƐĂŝƌ ĚĂƋƵŝ ĚĞ ĐĂďĞĕĂ ƉĂƌĂ Ž ƚƌĂďĂůŚŽ͘ K ƉƌĞƐŽ Ġ Ƶŵ ƉĞĚĂĕŽ ĚĞ ŶſƐ ŵĞƐŵŽƐ ƋƵĞ Ă ƋƵĞ Ă ƌĞƐƉŽŶƐĂďŝůŝĚĂĚĞ ĞƌŐƵŝĚĂ͕͟ĚŝƐƐĞ͘ ŽƚĞůŚŽ͘ ƉĞƌĐŽƌƌĞƵ ͞/ŶŝĐŝĂůŵĞŶƚĞ͕ ƉƌĞĞŶĚĞƌ ^ĂůĂnjĂƌ ĐŽŵŝƚŝǀĂ ĂƚĞŶƚĂ ƐŽĐŝĞĚĂĚĞŶĆŽƌĞĐŽŶŚĞĐĞ͕͟ƌĞƐƐĂůƚĂ ƚĂŵďĠŵƚĞŶƚĞŝĨŝŶŐŝƌƋƵĞĂĞdžƉĞ- ƉĞůĂĨŽƌŵĂĕĆŽĞƌĞĐƵƉĞƌĂĕĆŽĚĞƐQUESTIONAMENTOS -ǀŝƐŝƚĂ Ž ǀĞƌĞĂĚŽƌ͕ ƋƵĞ ĂĚŝĂŶƚŽƵ ĂŝŶĚĂ ƌŝġŶĐŝĂŶĆŽŚĂǀŝĂƐŝŐŶŝĨŝĐĂĚŽŶĂĚĂ ƐĞƐƐĞƌĞƐŚƵŵĂŶŽƐĠĐŽůĞƚŝǀĂ͘^ĆŽ ĂƐĚĞƉĞŶĚġŶĐŝĂƐĚĂƉĂĐ͕ŽƵǀŝƵ ƉĂƌĂŵŝŵ͕ƋƵĞĂũƵĚĂƌƵŵĂƉĂĐ ƉĞƐƐŽĂƐŝŐƵĂŝƐĂŶſƐ͕ŚŝƐƚſƌŝĂƐƋƵĞ ĨŽŝĂĐŽŵƉĂŶŚĂĚĂĂŝŶĚĂƉĞůŽƉƌŽ- ƋƵĞ ŽƐ ũŽǀĞŶƐ ǀŝƐŝƚĂŶƚĞƐ ǀĆŽ ĨĂnjĞƌ ĂƐĞdžƉůŝĐĂĕƁĞƐƐŽďƌĞŽĨƵŶĐŝŽŶĂŵŽƚŽƌĚĞ:ƵƐƚŝĕĂĚĞ/ŐĂƌĂƉĠ͕,ƵŐŽ ĞƐƚĄŐŝŽĞŵ^ĂŶƚĂ>ƵnjŝĂƉĂƌĂĚĞƉŽŝƐ ŶĆŽĞƌĂŵŝŶŚĂƌĞƐƉŽŶƐĂďŝůŝĚĂĚĞĞ ƉŽĚĞƌŝĂŵƐĞƌĂƐŶŽƐƐĂƐ͘͟ KƌĞĐƵƉĞƌĂŶĚŽ:ƵĐŝŵĂƌKƐĐĂƌ ĂƌƌŽƐ͕ Ğ ƉŽƌ Ƶŵ ŐƌƵƉŽ ĚĞ ĚĞnj ĂƚƵĂƌĞŵŶĂĐƌŝĂĕĆŽĞŝŵƉůĂŶƚĂĕĆŽ ƋƵĞĞƐƐĂƐƉĞƐƐŽĂƐĞƐƵĂƐŚŝƐƚſƌŝĂƐ ŵĞŶƚŽ͕ ĂƐƐŝƐƚŝƵ ă ĂƉƌĞƐĞŶƚĂĕĆŽ ŶĆŽŵĞĚŝnjŝĂŵƌĞƐƉĞŝƚŽ͕͟ĐŽŶƚŽƵ͘ ĚŽ ŵĂƌĂů͕ ƋƵĞ͕ ĚŽƌŵŝŶĚŽ ŶŽ ũŽǀĞŶƐ ůŝĚĞƌĂĚŽ ƉĞůŽ ǀĞƌĞĂĚŽƌ ĚĂƉĂĐĚĞĞůŽ,ŽƌŝnjŽŶƚĞ͘ ŵƵƐŝĐĂů ĚĞ ƵŵĂ ďĂŶĚĂ Ğ ĂůŵŽdƵĚŽ ĂĐŽŵƉĂŶŚĂĚŽ ƉŽƌcasa Homem é ĕŽƵ͘ condenado por incendiar ƌĞĐƵƉĞƌĂŶĚŽƐ͘ ĞŵĞŝŽ͟ĐŽŵĂƌĞƐŝĚġŶĐŝĂĚĂǀşƚŝ- ƚĂĞ͕ĞŶƚƌĞŽƵƚƌŽƐƉĞĚŝĚŽƐ͕ƐŽůŝ- ƉƌĄƚŝĐĂĚŽĐƌŝŵĞ;ĞŵĚĞƉŽŝŵĞŶ- ŐƌĂŶĚĞƐƉƌŽƉŽƌĕƁĞƐ͕ĞĂƉƌŽdžŝŵŝhŵ ĐĂƌƉŝŶƚĞŝƌŽ ĨŽŝ ĐŽŶĚĞŶĂĚŽĂƋƵĂƚƌŽĂŶŽƐĞƋƵĂƚƌŽŵĞƐĞƐ ŵĂ͕ Ğ Ă ĐŽŵƉĂŶŚĞŝƌĂ͕ ĂůĠŵ ĚĞ ĐŝƚŽƵĂĚĞƐĐůĂƐƐŝĨŝĐĂĕĆŽĚŽĚĞůŝ- ƚŽĞůĞĂůĞŐŽƵŶĆŽƐĞůĞŵďƌĂƌĚŽƐ ĚĂĚĞƐ ĚĂƐ ĐĂƐĂƐ ǀŝnjŝŶŚĂƐ͕ ƋƵĞ ŶƚƌĞ ŽƐ ƚŽ ƉĂƌĂ Ž ĐƌŝŵĞ ĚĞ ĚĂŶŽ͕ Ă ĨĂƚŽƐ͕ƉŽƌƋƵĞŶĂŽĐĂƐŝĆŽŝŶŐĞƌŝƵ ƉŽĚĞƌŝĂŵ ĨĂĐŝůŵĞŶƚĞ ƐĞƌ ĂƚŝŶŐŝƚŽĚŽǀŝƐŝƚĂŶƚĞƐ Ž ƉĂƚƌŝŵƀŶŝŽ ĚĞůĂĞƐƚĂǀĂŵ ĚĞ ƌĞĐůƵƐĆŽ͕ Ğŵ ƌĞŐŝŵĞ ƐĞŵŝĂ- ĚĞƐƚƌƵŝƌ ĞǀŝĚĞŶƚĞé um dos ďĞƌƚŽ͕ĞĂƉĂŐĂŵĞŶƚŽĚĞϭϲĚŝĂƐ- ʹƌŽƵƉĂƐ͕ŵſǀĞŝƐĞĞůĞƚƌŽĚŽŵĠƐ- ĨŝdžĂĕĆŽ ĚŽ ƌĞŐŝŵĞ ĂďĞƌƚŽ Ğ Ă ďĞďŝĚĂ ĂůĐŽſůŝĐĂ ĞŶƋƵĂŶƚŽ ĨĂnjŝĂ ĚĂƐ ƉĞůŽ ĨŽŐŽ͕ OƌĞǀĞůŽƵ trabalho DĂƐƐŝŵŽĂǀĂůůŽ͕ƵůĞƌƌǀŝůŚĂ͕ ƉĞƌŝŐŽĐŽŵƵŵ͘ ͲŵƵůƚĂƉŽƌƚĞƌĐŽůŽĐĂĚŽĨŽŐŽŶĂ ƚŝĐŽƐ͘ K ŝŶĐġŶĚŝŽ ĐĂƵƐŽƵ ƚĂŵ- ƐƵďƐƚŝƚƵŝĕĆŽ ĚĂ ƉĞŶĂ ƉƌŝǀĂƚŝǀĂ ƵƐŽĚĞƌĞŵĠĚŝŽĐŽŶƚƌŽůĂĚŽͿ͘ >ĞǀĂŶĚŽĞŵĐŽŶƚĂĂƐƉĞĐƵůŝĂYƵĂŶƚŽĂŽƉĞĚŝĚŽĚĂĚĞĨĞƐĂ ůŝďĞƌĚĂĚĞ ƉĞůĂ ƌĞƐƚƌŝƚŝǀĂ ĚĞ ĐĂƐĂĚĂĐŽŵƉĂŶŚĞŝƌĂ͘ĚĞĐŝƐĆŽ͕ ŽƌŝƐ ďĠŵƚƌŝŶĐĂƐŶĂƐƉĂƌĞĚĞƐĚĂĐĂƐĂ ŽŐƵƚĐŚŝ͕ ĚŐĂƌĚŽĚĞĂĐĞĚĞ ĚĞƐĐůĂƐƐŝĨŝĐĂĕĆŽ ĚŽ ĚĞůŝƚŽ ĚĞ ƌŝĚĂĚĞƐĚŽĐĂƐŽ͕ĞŶƚƌĞĞůĞƐŽĨĂƚŽ ƵŶąŶŝŵĞ͕ĠĚĂϱǐąŵĂƌĂƌŝŵŝ- Ğ ƋƵĞďƌŽƵ ƚŽĚŽƐ ŽƐ ǀŝĚƌŽƐ ĚĂƐ ĚŝƌĞŝƚŽƐ͘ ĚĞŽĂĐƵƐĂĚŽŶĆŽƐĞƌƌĞŝŶĐŝĚĞŶKŐĞƌĞŶƚĞĚĞƉƌŽ ŝŶĐġŶĚŝŽƉĂƌĂŽĐƌŝŵĞĚĞĚĂŶŽ͕Ž ũĂŶĞůĂƐĞƉŽƌƚĂƐ͘ ŶĂůĚŽd:D'͕ƋƵĞƌĞĨŽƌŵŽƵ͕Ğŵ ƌĞƐ͕ KůĂĐŝƌ KůŝǀĞŝƌĂ͕ dĂƌĐşƐŝĂ RESPONSABILIDADE -  ͞Ƶ͕ MATERIALIDADE -KĚĞƐĞŵ- ƌĞůĂƚŽƌ ŽďƐĞƌǀŽƵ ƋƵĞ ŝƐƐŽ ĞƌĂ ƚĞ͕ĐŽŵŽũƵůŐŽƵŽũƵŝnjĚĞWƌŝŵĞŝƌĂ ͘s͘^͘ ĨŽŝ ĐŽŶĚĞŶĂĚŽ͕ Ğŵ ƉĂƌƚĞ͕ ƐĞŶƚĞŶĕĂ ƉƌŽĨĞƌŝĚĂ ƉĞůĂ ƚƵƚŽDŝŶĂƐWĞůĂWĂnj ƋƵĂŶĚŽĐŽŶŚĞĐŝĂƉĂĐ͕ĂĐŚĞŝƋƵĞ ŝŶǀŝĄǀĞů͘ ůĞ ĞdžƉůŝĐŽƵ ƋƵĞ ĨŝĐĂ /ŶƐƚąŶĐŝĂ͕ŽĚĞƐĞŵďĂƌŐĂĚŽƌĚĞĐŝWƌŝŵĞŝƌĂ/ŶƐƚąŶĐŝĂ͕ĂĐŝŶĐŽĂŶŽƐ ďĂƌŐĂĚŽƌƌĞůĂƚŽƌ͕ĚŝůƐŽŶ>ĂŵŽƵĐŽŵĂƌĐĂĚĞdŝŵſƚĞŽ͘ ZĂŵĂůŚŽ͕ĂƌůŽƐĚĞĂƐƚƌŽ͕&ƌĞK ĐĂƌƉŝŶƚĞŝƌŽ ͘s͘^͕͘ ĚĞƉŽŝƐ ĞƋƵĂƚƌŽŵĞƐĞƐĚĞƌĞĐůƵƐĆŽ͕Ğŵ ŶŝĞƌ͕ŽďƐĞƌǀŽƵƋƵĞĂŵĂƚĞƌŝĂůŝĚĂ- ĐŽŵƉƌŽǀĂĚŽŽĐƌŝŵĞĚĞŝŶĐġŶĚŝŽ ĚŝƵ ƌĞĚƵnjŝƌ Ă ƉĞŶĂ ƉĂƌĂ ƋƵĂƚƌŽ ĚŝƐƐĞ ĂŽ ŐƌƵƉŽ ƋƵ ĚĞƌŝĐtĂŐŶĞƌtĞŶĚůŝŶŐĞŶƚƀĞƌĂŝŵƉŽƐƐşǀĞůŝƐƚŽʹƵŵůƵŐĂƌĞŵ ƋƵĂŶĚŽŽĨŽŐŽƚĞŵƉŽƚĞŶĐŝĂůŝĚĂ- ĂŶŽƐĞƋƵĂƚƌŽŵĞƐĞƐĚĞƌĞĐůƵƐĆŽ͕ ƌĞŐŝŵĞĨĞĐŚĂĚŽ͕ĞĂƉĂŐĂŵĞŶƚŽ ĚĞĚŽĐƌŝŵĞĨŽŝƐƵĨŝĐŝĞŶƚĞŵĞŶƚĞ ĚĞ ĚŝƐĐƵƚŝƌ ĐŽŵ Ă ĐŽŵƉĂŶŚĞŝƌĂ͕ ĞŵƌĞŐŝŵĞƐĞŵŝĂďĞƌƚŽ͕ĞĂƉĂŐĂĚĞƉĂƌĂĞdžƉŽƌĂƉĞƌŝŐŽĐŽŵƵŵĂ ĚĞŵŽŶƐƚƌĂĚĂƉŽƌĂƵƚŽĚĞƉƌŝƐĆŽ ĚĞϵϬĚŝĂƐͲŵƵůƚĂʹŽĚŝĂͲŵƵůƚĂ ĨŽŝĂƚĠĂĐĂƐĂĚĞůĂ͕ƌĞƚŝƌŽƵŽďŽƚŝŶŝŽ^ĠƌŐŝŽZŽĚƌŝŐƵĞƐ͘ ƋƵĞ ĂƵƚŽƌŝĚĂĚĞƐ ƉƵĚĞƐƐĞŵ ƐĞ ĚŝĨŝĐƵůĚĂĚĞ Ğŵ ƌĞŝŶ ũĆŽ ĚĞ ŐĄƐ ĚĂ ǀĄůǀƵůĂ ĚŽ ĨŽŐĆŽ͕ ĨŽŝ ĞƐƚĂďĞůĞĐŝĚŽ Ğŵ ϭͬϯϬ ĚŽ Ğŵ ĨůĂŐƌĂŶƚĞ ĚĞůŝƚŽ͕ ďŽůĞƚŝŵ ĚĞ ǀŝĚĂ͕ Ă ŝŶƚĞŐƌŝĚĂĚĞ ĨşƐŝĐĂ ŽƵ Ž ŵĞŶƚŽĚĞϭϲĚŝĂƐͲŵƵůƚĂ͘ KƐ ĚĞƐĞŵďĂƌŐĂĚŽƌĞƐ ĚƵ- ĚĞ ƚƌĂď ĚĞ ŽƵƚƌĞŵ͘ EŽ ĐĂƐŽ ŽĐŽƌƌġŶĐŝĂĞůĂƵĚŽƉĞƌŝĐŝĂů͘ƐƐĞƐ ƐĂůĄƌŝŽŵşŶŝŵŽǀŝŐĞŶƚĞăĠƉŽĐĂ ůĞǀŽƵͲŽ ƉĂƌĂ Ž ƋƵĂƌƚŽ Ğ ĂƚĞŽƵ ŶŽ ŵĞƌĐĂĚŽ &ĂůŽƵ Ğŵ ŶŽŵĞ ĚŽ ŐƌƵƉŽ Ž ƐĞŶƚĂƌ ă ƉĂƚƌŝŵƀŶŝŽ ŵĞƐŵĂ ŵĞƐĂ ĐŽŵ ŽƐ ĨŽŐŽ͘ Žŵ Ž ĂƚŽ͕ ĐŽůŽĐŽƵ Ğŵ ĚŽ ĨĂƚŽ͘ ůĞ ƌĞĐŽƌƌĞƵ͕ ĂĨŝƌŵĂŶ- ĚŽĐƵŵĞŶƚŽƐ ĞƌĂŵ ĐŽĞƌĞŶƚĞƐ ĞŵƋƵĞƐƚĆŽ͕ŽƵƐŽĚĞďŽƚŝũĆŽĚĞ ĂƌĚŽ DĂĐŚĂĚŽ Ğ :ƷůŝŽ ĠƐĂƌ ƐŽĂ ƋƵĞ ĐƵŵƉƌŝƵ Ɖ ĚŝƌĞƚŽƌĚĞZĞĐƵƌƐŽƐ,ƵŵĂŶŽƐĚĂ ĚĞ ĂĐŽƌĚŽ ŐĄƐ ĚĞŵŽŶƐƚƌŽƵ ĂŽ ŝŶƚĞŶĕĆŽ ĚŽ >ŽƌĞŶƐ ǀŽƚĂƌĂŵ ƉƌĞƐŽƐ͕͟ ĐŽŶĨĞƐƐŽƵ ƉƌĞƐŝĚĞŶƚĞ ĚŽ ŶĆŽ ƚĞƌ ĨŝĐĂĚŽ ĐŽŵƉƌŽǀĂĚŽ ĐŽŵĂƉƌŽǀĂŽƌĂůĐŽůŚŝĚĂ͕ĞŵďŽƌŝƐĐŽŽƐǀŝnjŝŶŚŽƐ͕ƋƵĞǀŝǀĞŵĞŵ ŚĂďŝƚĂĕƁĞƐ ĐŽŶƐƚƌƵşĚĂƐ ͞ƉĂƌĞĚĞ ŽƉĞƌŝŐŽĐŽŵƵŵĞŵƐƵĂĐŽŶĚƵ- ƌĂ Ž ĂĐƵƐĂĚŽ ƚĞŶŚĂ ŶĞŐĂĚŽ Ă ĂĐƵƐĂĚŽĚĞƉƌŽǀŽĐĂƌŝŶĐġŶĚŝŽĚĞ ĐŽŵŽƌĞůĂƚŽƌ͘ ŽŵĂƵŶĂŵĠƌŝĐĂ>ĂƚŝŶĂ͕DĂƐƐŝ- ĚĂƉĂĐĚĞ^ĂŶƚĂ>ƵnjŝĂ͕'ƵƐƚĂǀŽ ŵĂƌĐĂ͕Ɛŝŵ͕ŵĂƐƉƌĞ ƉƌĞĞŶĚĞƌ ƋƵĞ Ă ƌĞƐ ^ĂůĂnjĂƌ DE ŽƚĞůŚŽ͘  ͞/ŶŝĐŝĂůŵĞŶƚĞ͕ PÁGINAŵŽĂǀĂůůŽ͕ƋƵĞĚĞƐƚĂĐŽƵ͗͞KĚŝĂ PREPARADA PELO CENTRO DE IMPRENSA DO TRIBUNAL JUSTIÇA DO ESTADO DE MINAS GERAIS ĞƐƚĄ ƐĞŶĚŽ ďĞůŽ Ğ ŝŶƚĞƌĞƐƐĂŶƚĞ͕ ƚĂŵďĠŵƚĞŶƚĞŝĨŝŶŐŝƌƋƵĞĂĞdžƉĞ- ƉĞůĂĨŽƌŵĂĕĆŽĞƌĞĐ ƉŽŝƐ ƉĞƌĐĞďŽ ƋƵĞ ƚŽĚŽƐ ŽƐ ĚŝĂƐ ƌŝġŶĐŝĂŶĆŽŚĂǀŝĂƐŝŐŶŝĨŝĐĂĚŽŶĂĚĂ ƐĞƐƐĞƌĞƐŚƵŵĂŶŽƐĠ ƉŽĚĞŵŽƐĨĂnjĞƌĚŝĨĞƌĞŶƚĞ͘,ĄŵƵŝ- ƉĂƌĂŵŝŵ͕ƋƵĞĂũƵĚĂƌƵŵĂƉĂĐ ƉĞƐƐŽĂƐŝŐƵĂŝƐĂŶſƐ ƚŽƐ ĂŶŽƐ͕ Ž 'ƌƵƉŽ &ŝĂƚ ƚƌĂďĂůŚĂ ŶĆŽĞƌĂŵŝŶŚĂƌĞƐƉŽŶƐĂďŝůŝĚĂĚĞĞ ƉŽĚĞƌŝĂŵƐĞƌĂƐŶŽƐ KƌĞĐƵƉĞƌĂŶĚŽ ĐŽŵ ƌĞƐƉŽŶƐĂďŝůŝĚĂĚĞ ƐŽĐŝĂů͕ ƋƵĞĞƐƐĂƐƉĞƐƐŽĂƐĞƐƵĂƐŚŝƐƚſƌŝĂƐ ŝŶĐůƵƐĆŽ ƐŽĐŝĂů ĚĂƐ ƉĞƐƐŽĂƐ ĐŽŵ ŶĆŽŵĞĚŝnjŝĂŵƌĞƐƉĞŝƚŽ͕͟ĐŽŶƚŽƵ͘ ĚŽ ŵĂƌĂů͕ ƋƵĞ͕ Ě

,ŽũĞĠŵĂŝƐ ƵŵĚŝĂĚĞ ĂƉƌĞŶĚŝnjĂŐĞŵ͕ ƋƵĞƌĞŵŽƐǀĞƌĞ ŽƵǀŝƌǀŽĐġƐĞƐĂďĞƌ ĞŵƋƵĞƉŽĚĞŵŽƐ ĂũƵĚĂƌ


da Fiat visitam Apac

05

cont.... MINAS GERAIS - p. 07 - 09.01.2013

onheceu o funcionamento do sistema

ŵĚŝĂ ƐǀĞƌ ƋƵĞ

/sh>'K

ďŝĚŽƐ ŽŐƌĂĂůĚĞ ĂĚŽƌ ŚŽĞ ĚĞ Ğ &ƌĂġŶĐŝĂ ůĚĞĐŝ

 Ğ Ğƌ ŽƐ

͞Ƶ͕ ƋƵĞ ƌĞŵ ŵ ƐĞ ŵ ŽƐ ĞŶƚĞ ƚĂǀŽ ĞŶƚĞ͕ džƉĞŶĂĚĂ ƉĂĐ ĚĞĞ ſƌŝĂƐ ƚŽƵ͘

O trabalho é um dos elementos aplicados pela metodologia apaquiana para a reintegração social do preso

KŐĞƌĞŶƚĞĚĞƉƌŽũĞƚŽƐĚŽ/ŶƐƚŝƚƵƚŽDŝŶĂƐWĞůĂWĂnj͕ŶĞĂƐDĞůŽ͕ ĚŝƐƐĞ ĂŽ ŐƌƵƉŽ ƋƵĞ ŚĄ ĞŶŽƌŵĞ ĚŝĨŝĐƵůĚĂĚĞ Ğŵ ƌĞŝŶƐĞƌŝƌ Ž ƉƌĞƐŽ ŶŽ ŵĞƌĐĂĚŽ ĚĞ ƚƌĂďĂůŚŽ͘ ͞ ƉĞƐƐŽĂ ƋƵĞ ĐƵŵƉƌŝƵ ƉĞŶĂ ƚĞŵ ƵŵĂ ŵĂƌĐĂ͕Ɛŝŵ͕ŵĂƐƉƌĞĐŝƐĂŵŽƐĐŽŵƉƌĞĞŶĚĞƌ ƋƵĞ Ă ƌĞƐƉŽŶƐĂďŝůŝĚĂĚĞ ƉĞůĂĨŽƌŵĂĕĆŽĞƌĞĐƵƉĞƌĂĕĆŽĚĞƐƐĞƐƐĞƌĞƐŚƵŵĂŶŽƐĠĐŽůĞƚŝǀĂ͘^ĆŽ ƉĞƐƐŽĂƐŝŐƵĂŝƐĂŶſƐ͕ŚŝƐƚſƌŝĂƐƋƵĞ ƉŽĚĞƌŝĂŵƐĞƌĂƐŶŽƐƐĂƐ͘͟ KƌĞĐƵƉĞƌĂŶĚŽ:ƵĐŝŵĂƌKƐĐĂƌ ĚŽ ŵĂƌĂů͕ ƋƵĞ͕ ĚŽƌŵŝŶĚŽ ŶŽ

ďĂŶŚĞŝƌŽĞŵƵŵĂĐĞůĂƐƵƉĞƌůŽƚĂĚĂ͕ĐŚĞŐŽƵĂƚĠŵĞƐŵŽĂƋƵĞƌĞƌĂ ŵŽƌƚĞ ƉĂƌĂ ĂĐĂďĂƌ ĐŽŵ ƚĂŶƚĂ ŚƵŵŝůŚĂĕĆŽ͘͞ƉĂĐĨĂnjƉŽƌŵŝŵ ŽƋƵĞĞŵŶĞŶŚƵŵŽƵƚƌŽůƵŐĂƌĞƵ ĐŽŶƐĞŐƵŝƌŝĂʹĞƐƚŽƵƉĂŐĂŶĚŽŵĞƵ ĞƌƌŽ Ğ ǀŽƵ ƐĂŝƌ ĚĂƋƵŝ ĚĞ ĐĂďĞĕĂ ĞƌŐƵŝĚĂ͕͟ĚŝƐƐĞ͘ QUESTIONAMENTOS -ǀŝƐŝƚĂ ĨŽŝĂĐŽŵƉĂŶŚĂĚĂĂŝŶĚĂƉĞůŽƉƌŽŵŽƚŽƌĚĞ:ƵƐƚŝĕĂĚĞ/ŐĂƌĂƉĠ͕,ƵŐŽ ĂƌƌŽƐ͕ Ğ ƉŽƌ Ƶŵ ŐƌƵƉŽ ĚĞ ĚĞnj ũŽǀĞŶƐ ůŝĚĞƌĂĚŽ ƉĞůŽ ǀĞƌĞĂĚŽƌ

DĂƌĐĞůŽ ƌŽ͕ ƋƵĞ ĂĨŝƌŵŽƵ ƐĞƌ Ă ƉĂĐ ĚĞ ĞůŽ ,ŽƌŝnjŽŶƚĞ ƵŵĂ ĚĞ ƐƵĂƐƉƌŽŵĞƐƐĂƐĚĞĐĂŵƉĂŶŚĂ͘ ͞ƐƚĂŵŽƐ ƐĂŝŶĚŽ ĚĂƋƵŝ ĐŽŵ ŵƵŝƚŽƐ ƋƵĞƐƚŝŽŶĂŵĞŶƚŽƐ͕ ŵĂƐ ƚĂŵďĠŵ ĐŽŵ ŵƵŝƚĂ ĚŝƐƉŽƐŝĕĆŽ ƉĂƌĂ Ž ƚƌĂďĂůŚŽ͘ K ƉƌĞƐŽ Ġ Ƶŵ ƉĞĚĂĕŽ ĚĞ ŶſƐ ŵĞƐŵŽƐ ƋƵĞ Ă ƐŽĐŝĞĚĂĚĞŶĆŽƌĞĐŽŶŚĞĐĞ͕͟ƌĞƐƐĂůƚĂ Ž ǀĞƌĞĂĚŽƌ͕ ƋƵĞ ĂĚŝĂŶƚŽƵ ĂŝŶĚĂ ƋƵĞ ŽƐ ũŽǀĞŶƐ ǀŝƐŝƚĂŶƚĞƐ ǀĆŽ ĨĂnjĞƌ ĞƐƚĄŐŝŽĞŵ^ĂŶƚĂ>ƵnjŝĂƉĂƌĂĚĞƉŽŝƐ ĂƚƵĂƌĞŵŶĂĐƌŝĂĕĆŽĞŝŵƉůĂŶƚĂĕĆŽ ĚĂƉĂĐĚĞĞůŽ,ŽƌŝnjŽŶƚĞ͘

ncendiar casa

Ăǀşƚŝŵ ĚĞ  ĚĞůĂ ŵĠƐ-

ƚĂĞ͕ĞŶƚƌĞŽƵƚƌŽƐƉĞĚŝĚŽƐ͕ƐŽůŝĐŝƚŽƵĂĚĞƐĐůĂƐƐŝĨŝĐĂĕĆŽĚŽĚĞůŝƚŽ ƉĂƌĂ Ž ĐƌŝŵĞ ĚĞ ĚĂŶŽ͕ Ă ĨŝdžĂĕĆŽ ĚŽ ƌĞŐŝŵĞ ĂďĞƌƚŽ Ğ Ă

ƉƌĄƚŝĐĂĚŽĐƌŝŵĞ;ĞŵĚĞƉŽŝŵĞŶƚŽĞůĞĂůĞŐŽƵŶĆŽƐĞůĞŵďƌĂƌĚŽƐ ĨĂƚŽƐ͕ƉŽƌƋƵĞŶĂŽĐĂƐŝĆŽŝŶŐĞƌŝƵ ďĞďŝĚĂ ĂůĐŽſůŝĐĂ ĞŶƋƵĂŶƚŽ ĨĂnjŝĂ

ŐƌĂŶĚĞƐƉƌŽƉŽƌĕƁĞƐ͕ĞĂƉƌŽdžŝŵŝĚĂĚĞƐ ĚĂƐ ĐĂƐĂƐ ǀŝnjŝŶŚĂƐ͕ ƋƵĞ ƉŽĚĞƌŝĂŵ ĨĂĐŝůŵĞŶƚĞ ƐĞƌ ĂƚŝŶŐŝĚĂƐ ƉĞůŽ ĨŽŐŽ͕ ƌĞǀĞůŽƵ ĞǀŝĚĞŶƚĞ


06 FOLHA DE SP - SP - 1ª p. - P. A4 - 07.01.2013


07 cont.... FOLHA DE SP - SP - P. A4 - 07.01.2013


08 ESTADO DE MINAS - on line - 09.01.2013 aqui - p. 06 - 09.01.2013 giro pelo brasil

Sistema prisional

O governo federal vai investir R$ 1,1 bilhão no sistema prisional para resolver problemas como o déficit de vagas. A informação foi repassada pelo ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, durante encontro o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Joaquim Barbosa. Para se ter ideia, hoje 60 mil condenados pela Justiça cumprem pena em delegacias. O Palácio do Planalto quer ainda o apoio do Conselho Nacional de Justiça – que é presidido por Barbosa – para programas de educação e saúde nos presídios.

Segurança pública

O governo de São Paulo anunciou ontem uma medida que visa garantir a preservação dos locais de crime e que determina que somente os serviços médicos e paramédicos de emergência socorram essas vítimas. A medida, assinada pelo secretário de Segurança Pública de São Paulo, Fernando Grella Vieira, tem como objetivo “salvaguardar a saúde das vítimas” e “garantir a preservação dos locais de crime para a realização de perícias e investigações”, segundo o comunicado. Os policiais de São Paulo que atenderem ocorrências com vítimas graves terão que chamar o Samu ou uma equipe de emergência médica local. HOJE EM DIa - mg - p. 19 - 08.01.2012

Acusada de arquitetar morte do pai vai a júri

Alessandra Mendes - Do Hoje em Dia Presa há dez meses, acusada de arquitetar a morte do pai, Érika Passarelli Vicentini Teixeira, de 29 anos, vai a júri popular. A ex-estudante de direito planejou o assassinato de Mário José Teixeira Filho, de 50 anos, para receber mais de R$ 1 milhão em apólices de seguro. A sentença de pronúncia foi dada no fim do ano passado na comarca de Itabirito, região Central de Minas, mas a data do julgamento ainda não foi divulgada. O corpo da vítima foi encontrado às margens da BR-356, em agosto de 2010. O ex-namorado de Érika, Paulo Ricardo de Oliveira Ferraz, de 19 anos, e o pai dele, cabo da Polícia Militar, Santos das Graças Alves Ferraz, de 47 anos, também respondem pela execução de Mário José, mas em liberdade. Segundo as investigações da Polícia Civil, a princípio, o plano de Érika junto com o pai era forjar a morte dele para que ela ficasse com os seguros de vida, dos quais era única beneficiária. O valor seria dividido entre os dois. Entretanto, depois de um desen-

tendimento entre pai e filha, ela resolveu matar Mário José com a ajuda do namorado e do sogro, para ficar com o dinheiro. Érika Passarelli ainda responde a vários processos de estelionato referentes a golpes aplicados no comércio de Belo Horizonte. Condenados Thiago Henrique Fernandes dos Santos e Wagner Henrique Soares da Conceição, acusados de matar a universitária Bárbara Quaresma, no dia 23 de maio no bairro Cidade Nova, na região Nordeste, foram condenados a 27 e 23 anos de prisão, respectivamente. A dupla foi denunciada pelo Ministério Público por latrocínio, roubo seguido de morte. A decisão foi divulgada ontem, devido ao recesso do Poder Judiciário, mas a sentença foi fixada em 18 de dezembro de 2012. O terceiro acusado no crime, Rafael Fagundes da Silva, conhecido como “Graxinha”, está foragido. (Com Ana Clara Otoni)


09 hoje em dia - mg - p. 03 - 07.01.2013


10 cont.... hoje em dia - mg - p. 03 - 07.01.2013


11 o tempo - mg - 1ÂŞ p. e p. 18 - 07.01.2013


12 cont... o tempo - mg - 1ÂŞ p. e p. 18 - 07.01.2013


13 ESTADO DE MINAS - p. 17 - 09.01.2013


14 cont.... ESTADO DE MINAS - p. 17 - 09.01.2013


15 O ESTADO DE SP - p. a4 e a5 - 09.01.2013


16 cont... O ESTADO DE SP - p. a4 e a5 - 09.01.2013


17 O Estado de S.Paulo - ON LINE - 09 de janeiro de 2013

Além de promover a reforma simultânea do Código Penal, dos Códigos de Processo Penal e Civil, do Código de Defesa do Consumidor, do Código Comercial e do Código Eleitoral, a Câmara e o Senado discutem as regras sobre partilhas de tributos entre a União, Estados e municípios e os critérios de distribuição dos lucros do pré-sal. Em outubro, o Congresso aprovou o Código Florestal. Na história recente do País não há registro de tantas reformas do corpo de leis de uma só vez. Mas, apesar de necessárias, para adequar o arcabouço jurídico brasileiro a uma economia mais complexa e a uma sociedade mais dinâmica, algumas dessas reformas vêm sendo conduzidas de afogadilho. A pressa de reformar é tal que, apenas no campo criminal, a Câmara dos Deputados e o Senado vêm discutindo dois projetos distintos de reforma do Código Penal, editado em 1940 pela ditadura varguista e remendado várias vezes desde então. Por isso, em vez de aumentar a segurança do direito no País, essas reformas estão provocando um efeito inverso. E o mais grave é que esse quadro de incerteza jurídica tende a se complicar em 2013 e 2014, porque muitos senadores e deputados do chamado baixo clero descobriram que a apresentação de projetos de lei destinados a modificar os principais códigos - especialmente o Código Penal - podem lhes render manchetes nos jornais.

A reforma das leis

meses de detenção e internação Apenas em 2012, come- compulsória para quem “mençaram a tramitar na Câmara digar, por ociosidade ou manu65 projetos de lei destinados tenção de vício químico”. a modificar pontos específicos do Código Penal. Ao todo, seOs crimes sexuais, pringundo levantamento do jornal cipalmente estupro, são os teO Globo, há 1.550 projetos mas mais recorrentes desses desse tipo em tramitação na projetos. Apresentados por Câmara e no Senado. parlamentares da chamada bancada evangélica, há projeDe autoria de parlamenta- tos que ampliam a lista deste res pouco conhecidos do gran- tipo de crime, introduzindo na de público, alguns projetos legislação penal, por exemplo, consagram os mais absurdos a figura jurídica da internação modismos jurídicos. Outros compulsória para tratamento foram apresentados na esteira médico do estuprador contude algum fato de grande reper- maz. Há, ainda, projetos que cussão popular, especialmente propõem a castração química em matéria de segurança públi- ”a critério do juizado de execuca. Se forem aprovados, esses ções e com a anuência do estuprojetos podem desequilibrar o prador”- como pena alternativa sistema de punições previstas à perda de liberdade. pela legislação penal em vigor. Alguns penalistas classifiExemplo desse tipo de cam esses projetos de lei como distorção é o projeto aprovado “perfumaria jurídica que dá pelo Congresso num período voto”. Outros os classificam em que a imprensa publica- como “legislação da emoção ou va denúncias de adulterações do medo”. Mas todos reconhede remédios, que fixa a pena cem que esses projetos, além mínima para falsificação de de desequilibrar o sistema de cosméticos mais alta que a de penas, aumentariam de forma homicídio. Quem falsificar um irracional os gastos públicos xampu pode ser condenado a com o sistema penitenciário. dez anos de prisão. Já a pena “A lei penal envolve responsamínima por homicídio simples bilidade fiscal. Aumentar uma é de seis anos. pena em dez anos significa gasto maior para manter o conEntre as propostas apresen- denado na prisão”, diz Evandro tadas este ano, uma considera Piza, professor da Universidacomo agravante o fato de a ví- de de Brasília (UnB). tima ser funcionário público. Sob a justificativa de “coibir A reforma dos códigos é riscos à saúde”, outra propos- necessária para modernizar o ta estipula pena de prisão de arcabouço jurídico brasileiro. um a dois anos, além de multa, Mas ela não pode ser conduzipara quem fizer tatuagem em da de forma demagógica e por adolescente. Há, também, um meio de projetos irresponsáprojeto que prevê pena de três veis.


18 O Estado de S.Paulo - ON LINE - 07 de janeiro de 2013

Golaço da corrupção

Aprovada em comissão especial da Câmara dos Deputados, a proposta de emenda constitucional (PEC) que restringe os poderes de investigação do Ministério Público (MP) é um golaço para o time da corrupção. Ainda não foi aprovada em plenário, mas deve ser encarada como um grave entrave ao combate à corrupção. O Ministério Público corre o risco de ser impedido de investigar. E isso, certamente, não será bom para o Brasil. É preciso refletir sobre os riscos de uma proposta que visa a cercear, tolher e manietar a instituição que, de forma mais eficaz e notória, combate a crônica impunidade reinante no País. De fato, o Ministério Público, em colaboração com a Polícia Federal, tem conseguido esclarecer diversos casos de corrupção. Tratam-se de instituições que prestam inestimável serviço à sociedade. Será que o Ministério Público, que é a instituição que forma as convicções sobre a autoria dos crimes, não pode fazer diligências para ele mesmo se convencer? Está em andamento um movimento para algemar essa instituição. Se o Congresso Nacional excluir o MP do processo investigatório, o reflexo imediato será o questionamento sobre a legalidade e até mesmo a completa anulação de importantes apurações. Vejo com bons olhos o protagonismo do Ministério Público no combate aos predadores da sociedade. Se alguns de seus membros cometem abusos, é preciso aperfeiçoar os mecanismos de controle, em vez de restringir a sua atuação. Se não houver uma mobilização da opinião pública contra a chamada PEC da Impunidade, a sociedade pode descobrir tarde demais que os corruptos estão ganhando um passaporte definitivo para a impunidade. Alguns políticos vislumbram abusos em certas ações do Ministério Público e querem esvaziar as atribuições investigatórias da instituição. Tratase de uma proposta contrária aos interesses da sociedade. Se existe uma

instituição que tem contribuído para a construção de um novo País, democrático e republicano, é o Ministério Público, responsável pela vigilância no gasto do dinheiro público, na defesa do meio ambiente e na ação contra criminosos, incluindo aqueles com maior poder econômico ou político. O papel do Ministério Público, guardadas as devidas proporções, aproxima-se, e muito, da dimensão social da imprensa. A atividade exige, por óbvio, independência e sensibilidade ética. Preocupam-se alguns com os riscos de prejulgamento que podem advir de uma declaração precipitada e pública da autoridade (leia-se do Ministério Público) estampada em manchete de jornal. Procuram, por isso, criar um sistema que proteja a intimidade e garanta a presunção de inocência de pessoas submetidas a um processo investigativo. Esse cuidado legítimo, contudo, pode transformar em regra o que deveria ser rigorosamente uma exceção. O segredo de Justiça pode ser uma salvaguarda da honra. A experiência, no entanto, demonstra que essa cautela jurídica tem, frequentemente, sido uma aliada da impunidade. O princípio da presunção de inocência deve, claro, ser garantido, mas não à custa da falta de transparência. O princípio constitucional da publicidade, pelo qual qualquer cidadão tem direito a obter das autoridades públicas informações de interesse pessoal e geral, é, na expressão do ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), “verdadeira pedra angular sobre a qual se edifica o Estado Democrático de Direito, pois a exigência de transparência na prática governamental qualifica-se como prerrogativa inalienável que assiste a todos os cidadãos”. Fatos recorrentes evidenciam a importância da informação jornalística e da ação do Ministério Público como instrumentos de realização da justiça. Alguém imagina, por exemplo, que o julgamento do mensalão teria sido

possível sem a pressão de um autêntico jornalismo de denúncia? O Ministério Público, muitas vezes, é acionado por fundamentada apuração jornalística. É o ponto de partida. Ninguém discute que o Brasil tem avançado graças ao esforço dos meios de comunicação, mas também graças ao trabalho do Ministério Público. A informação é a base da sociedade democrática. Precisamos, sem dúvida, melhorar os controles éticos da notícia. Consegue-se tudo isso não com censura ou limitações informativas, mas com mais informação e com mais pluralismo. O mesmo se pode dizer do trabalho do Ministério Público. Como escreveu a jornalista Rosane de Oliveira, respeitada colunista de política do jornal Zero Hora, “em um país em que a polícia carece de recursos para investigar homicídios, tráfico de drogas, roubo de carros e outros crimes, não se compreende a briga pela exclusividade na investigação, típica disputa de beleza entre as corporações. Em vez de as instituições unirem forças, tenta-se com essa emenda constitucional impedir o Ministério Público de investigar. Mais fácil é entender o sucesso do lobby no Congresso: boa parte da classe política não suporta os promotores com sua mania de investigar denúncias de mau uso do dinheiro público. Entre promotores e procuradores, uma das frases mais repetidas é que uns não gostam do Ministério Público porque não conhecem seu trabalho e outros, porque conhecem bem demais”. A corrupção é, de longe, uma das piores chagas que maltratam o organismo nacional. Esperemos, todos, que o Congresso Nacional não decida de costas para a cidadania. É preciso que a sociedade civil, os juristas, os legisladores, você, caro leitor, e todos os que têm uma parcela de responsabilidade na formação da opinião pública façam chegar aos parlamentares, com serenidade e firmeza, um clamor contra a impunidade e uma defesa contundente do papel do Ministério Público no combate à corrupção.


19 folha de sp - p. a3 - 08.01.2013


20 folha de sp - p. a3 - 09.01.2013


ƚƌĂďĂůŚŽ ŶĆŽ Ġ Ă ĨŽƌŵĂĕĆŽ ĞƉƵĚĞƌĂŵĚĂƌƌĞƚŽƌŶŽăŽŽƌĚĞŽƉŽƌƚƵŶŝĚĂĚĞ͕ ƉƵĚĞƌĂŵ ĂƉƌĞƐĞŶƚĂĕĆŽ͕ƋƵĞĐŽƌŽŽƵŽ ƚĞŵƉŽƌąŶĞĂĚŽƌĂƐŝů͕ĞƚŝǀĞƌĂŵĂ ĚĞ͕ĞůĞƐ ƉŽƌ ŵĞŝŽ ĚĂ ĂƌƚĞ͕ ĂŵƉůŝĂƌ ŽƐ ĂƉƌĞŶĚŝnjĂŐĞŵĚĞƵŵŝŶƐƚƌƵŵĞŶƚŽ Ɛ ŵĞƐĞƐ͕ ƚĞŵƉŽƌą ĚĞ͕ŝŵƉĂĐƚŽƐ ƉŽƌ ŵĞŝŽĚĂ ĚĂ ĂƌƚĞ͕ ĂŵƉůŝĂƌ ŽƐ ƉŽƌ ĂƉƌĞŶĚĞƌĂŵ ŶŽƐ ƷůƚŝŵŽƐ ŵĞƐĞƐ͕ ĞŶŝŽŶŐŽĚĞ ĚĞ͕ ŵĞŝŽ ĂƉƌĞŶĚŝnjĂŐĞŵĚĞƵŵŝŶƐƚƌƵŵĞŶƚŽ ĂƉƌĞŶĚĞƌĂŵ ŶŽƐ ƷůƚŝŵŽƐ njĂĚŽƉĞůĂŽƌƋƵĞƐƚƌĂĂŽůŽŶŐŽĚĞ ŵƷƐŝĐŽƐ ƉƌŽĨŝƐƐŝŽŶĂŝƐ͕ ŵĂƐ Ɛŝŵ ŶĂĚŽƌŝĂ ƐŽďƌĞ ŽƐ ŽĂƉƌĞŶĚŝnjĂŐĞŵĚĞƵŵŝŶƐƚƌƵŵĞŶƚŽ ƋƵĞ ĂƋƵĞůĞƐ ũŽǀĞŶƐ ŵĞƐĞƐ͕ ĞŶĐĞƌƌĂŵĞŶƚŽ ĚŽ ƚƌĂďĂůŚŽ ƌĞĂůŝ- ǀŝǀĞŶĐŝĂƌ ŽƉŽƌƚƵŶŝĚĂĚĞ ĚĞ ŽƵǀŝƌ Ğ ƚƌŽĐĂƌ ŚŽƌŝnjŽŶƚĞƐĚĞƐƐĞƐũŽǀĞŶƐ͘WŽƌŝƐƐŽ͕ ŵƵƐŝĐĂůŶĂǀŝĚĂĚŽƐŵĞŶŝŶŽƐĞĚĂƐ ŽŝĂĚŽƌĞƐ ŚŽƌŝnjŽŶƚĞƐĚĞƐƐĞƐũŽǀĞŶƐ͘WŽƌŝƐƐŽ͕ ŵƵƐŝĐĂůŶĂǀŝĚĂĚŽƐŵĞŶŝŶŽƐĞĚĂƐ ƐĞĚĞ njĂĚŽƉĞůĂŽƌƋƵĞƐƚƌĂĂŽůŽŶŐŽĚĞ ĚĂ ũĄƋƵĞ͕ĞŵďŽƌĂƐĞũĂŵĂƉŽŝĂĚŽƌĞƐ ŚŽƌŝnjŽŶƚĞƐĚĞ ŵƵƐŝĐĂůŶĂǀŝĚĂĚŽƐŵĞŶŝŶŽƐĞĚĂƐ ũĄƋƵĞ͕ĞŵďŽƌĂƐĞũĂŵĂƉŽŝĂĚŽƌĞƐ ϮϬϭϮ͕ ĂĐŽŶƚĞĐĞƵ ŶĂ ƐĞĚĞ ĚĂ ĚĞ͕ ƉŽƌ ŵĞŝŽ ĚĂ ĂƌƚĞ͕ŽƉŽƌƚƵŶ ĂŵƉůŝĂƌ ĂƉƌĞŶĚĞƌĂŵ ŶŽƐ ƷůƚŝŵŽƐ ŵĞƐĞƐ͕ ĂƉƌĞŶĚŝnjĂŐĞŵĚĞƵŵŝŶƐƚƌƵŵĞŶƚŽ ĞdžƉĞƌŝġŶĐŝĂƐŚŽƌŝnjŽŶƚĞƐĚĞƐƐĞƐũŽǀĞŶƐ͘WŽƌŝƐ ĐŽŵ Ž ŵĂĞƐƚƌŽ Ğ ĂůĠŵĚĂĨŽƌŵĂĕĆŽĚĂŽƌƋƵĞƐƚƌĂ͕Ă ŵĞŶŝŶĂƐ͘ůĞǀĂĕĆŽĚĂĂƵƚŽĞƐƚŝŵĂ͕ ĞƐ ĂŝŶĚĂ ĞdžƉĞƌŝġŶ ĂůĠŵĚĂĨŽƌŵĂĕĆŽĚĂŽƌƋƵĞƐƚƌĂ͕Ă ŵĞŶŝŶĂƐ͘ůĞǀĂĕĆŽĚĂĂƵƚŽĞƐƚŝŵĂ͕ ĚĂ ŝŶŝĐŝĂƚŝǀĂ͕ ĚĞůĞƐ ĂŝŶĚĂ ĂůŵŝŶĞŝũĄƋƵĞ͕ĞŵďŽƌĂƐĞũĂŵĂƉŽŝĂĚŽƌĞƐ ϮϬϭϮ͕ ĂĐŽŶƚĞĐĞƵ ŶĂŵƵŝƚŽƐ ƐĞĚĞ ĚĂ ĂůĠŵĚĂĨŽƌŵ ĚĂ ŝŶŝĐŝĂƚŝǀĂ͕ ŵƵŝƚŽƐ ĚĞůĞƐŵƵƐŝĐĂůŶĂǀŝĚĂĚŽƐŵĞŶŝŶŽƐĞĚĂƐ ĂŝŶĚĂ ŵĞŶŝŶĂƐ͘ůĞǀĂĕĆŽĚĂĂƵƚŽĞƐƚŝŵĂ͕ ŽŝŶũ͕ŶŽĐĞŶƚƌŽĚĂĐĂƉŝƚĂůŵŝŶĞŝ21 ƉŝĂŶŝƐƚĂ:ŽĆŽĂƌůŽƐDĂƌƚŝŶƐ͕ƋƵĞ ŽŝŶũƚĞŵƉƌŽŵŽǀŝĚŽĞĞƐƚŝŵƵůĂŵĞůŚŽƌĂ ŶĂ ĐŽŶĐĞŶƚƌĂĕĆŽ Ğ ŶĂ ŵĞůŚŽƌĂ ƚƵŶŝĚĂĚĞ ĂůĠŵĚĂĨŽƌŵĂĕĆŽĚĂŽƌƋƵĞƐƚƌĂ ĚĂ ŝŶŝĐŝĂƚŝǀĂ͕ ŵƵŝƚŽƐ ĚĞůĞƐ ĂŝŶĚĂ ŵĞŶŝŶĂƐ͘ůĞǀĂĕĆŽĚĂĂƵƚŽĞƐƚŝŵĂ͕ ŽŝŶũ͕ŶŽĐĞŶƚƌŽĚĂĐĂƉŝƚĂůŵŝŶĞŝƉŝĂŶŝƐƚĂ ŶĂ ĐŽŶĐĞŶƚƌĂĕĆŽ Ğ ŵĞůŚŽƌĂ ŶĂ ŽŝŶũƚĞŵƉƌŽŵŽǀŝĚŽĞĞƐƚŝŵƵůĂŶĆŽƚŝŶŚĂŵƚŝĚŽĂŽƉŽƌƚƵŶŝĚĂĚĞ ƚĂŵďĠŵ ŶĂ ĐŽŶĐĞŶƚƌĂĕĆŽ Ğ ŶĂ ŽŝŶũƚĞŵƉƌŽ ŶĆŽƚŝŶŚĂŵƚŝĚŽĂŽƉŽƌƚƵŶŝĚĂĚĞ ƌĂ͘ ŵ ŵĞŝŽ ă ƉůĂƚĞŝĂ͕ ƚĂŵďĠŵ ŽŝŶũƚĞŵƉƌŽŵŽǀŝĚŽĞĞƐƚŝŵƵ ŵĞůŚŽƌĂ ŶĂ ĐŽŶĐĞŶƚƌĂĕĆŽ Ğ ŶĂ ŶĆŽƚŝŶŚĂŵƚŝĚŽĂŽƉŽƌƚƵŶŝĚĂĚĞ ƌĂ͘ ŵ ŵĞŝŽ ă ƉůĂƚĞŝĂ͕ ƚĂŵďĠŵ ũĄĨŽŝĐŽŶƐŝĚĞƌĂĚŽƵŵĚŽƐŵĂŝŽƌĞƐ ĚŽĂŝĚĂĚĞƐƐĞƐŵĞŶŝŶŽƐĞŵĞŶŝĚŝƐĐŝƉůŝŶĂ Ğ ŵĞůŚŽƌ ƉĞƌĨŽƌŵĂŶĐĞ ũĄĨŽŝĐŽŶ ĚŽĂŝĚĂĚĞƐƐĞƐŵĞŶŝŶŽƐĞŵĞŶŝĚŝƐĐŝƉůŝŶĂ Ğ ŵĞůŚŽƌ ƉĞƌĨŽƌŵĂŶĐĞ ĚĞŽƵǀŝƌĂŽƌƋƵĞƐƚƌĂ͘ ƌŽƐ ƉƌŽĚŝƐĐŝƉůŝŶĂ Ğ ŵĞůŚŽƌ ƉĞƌĨŽƌŵĂŶĐĞ ĚŽĂŝĚĂĚĞƐƐ ĞƐƚĂǀĂŵ ĚŝƌĞƚŽƌĞƐ Ğ07 ŽƵƚƌŽƐ ƉƌŽ- ĚĞŽƵǀŝƌĂŽƌƋƵĞƐƚƌĂ͘ MINAS ĚŝƌĞƚŽƌĞƐ GERAIS - p. - 08.01.2013 ĚŽĂŝĚĂĚĞƐƐĞƐŵĞŶŝŶŽƐĞŵĞ ĚŝƐĐŝƉůŝŶĂ Ğ ŵĞůŚŽƌ ƉĞƌĨŽƌŵĂŶĐĞ ĚĞŽƵǀŝƌĂŽƌƋƵĞƐƚƌĂ͘ ĞƐƚĂǀĂŵ Ğ ŽƵƚƌŽƐ ƉƌŽŝŶƚĠƌƉƌĞƚĞƐĚĞĂĐŚĚŽƐĠĐƵůŽyy ŶĂƐ Ă ĞǀĞŶƚŽƐ Ğ Ă ĞƐƉĂĕŽƐ ĐƵůƚƵĞƐĐŽůĂƌƐĆŽĂůŐƵŵĂƐĚĂƐĐŽŶƐĞƋƵĂĕĆŽ͕ ŽƐ ŶĂƐ Ă ĞǀĞŶƚŽƐ Ğ Ă ĞƐƉĂĕŽƐ ĐƵůƚƵĞƐĐŽůĂƌƐĆŽĂůŐƵŵĂƐĚĂƐĐŽŶƐĞƋƵŶƚĞƐ ĚĂ ĂƉƌĞƐĞŶƚĂĕĆŽ͕ ŽƐ ŶƚĞƐ ŝŶƐƚŝƚƵŝŶĂƐ ĂŝŶƚĠƌƉƌĞƚ ĞǀĞŶƚŽƐ ĚĂ ĂƉƌĞƐĞŶƚĂĕĆŽ͕ ŽƐ ĞƐĐŽůĂƌƐĆŽĂůŐƵŵĂƐĚĂƐĐŽŶƐĞƋƵĨŝƐƐŝŽŶĂŝƐƋƵĞĂƚƵĂŵŶĂƐŝŶƐƚŝƚƵŝŶĂƐ Ă ĞǀĞŶƚŽƐ Ğ Ă ĞƐƉĂĕŽƐ ĐƵů ĞƐĐŽůĂƌƐĆŽĂůŐƵŵĂƐĚĂƐĐŽŶƐĞƋƵŶƚĞƐ ĚĂ ƌĂŝƐ͘ ĂƉƌĞƐĞŶƚĂĕĆŽ͕ ŽƐ ƉĞůĂĐƌşƚŝĐĂŝŶƚĞƌŶĂĐŝŽŶĂů͘ ŵ ϮϬϭϮ͕ ĞŶƚƌĞ ŽƵƚƌĂƐ ĂƚŝǀŝġŶĐŝĂƐƋƵĞũĄĨŽƌĂŵŽďƐĞƌǀĂĚĂƐ͘ ƌŝŐŽƐ ƐĞ ƉĞůĂĐƌşƚ ƌĂŝƐ͘ ŵ ϮϬϭϮ͕ ĞŶƚƌĞ ŽƵƚƌĂƐ ĂƚŝǀŝġŶĐŝĂƐƋƵĞũĄĨŽƌĂŵŽďƐĞƌǀĂĚĂƐ͘ ƌĞƉƌĞƐĞŶƚĂŶƚĞƐ ĚŽƐ ĂďƌŝŐŽƐ ƐĞ ĂĚĂƐĨŝƐƐŝŽŶĂŝƐƋƵĞĂƚƵĂŵŶĂƐŝŶƐƚŝƚƵŝĂƐ ϮϬϭϮ ƌĞƉƌĞƐĞŶƚĂŶƚĞƐ ĚŽƐ ĂďƌŝŐŽƐ ƐĞ ġŶĐŝĂƐƋƵĞũĄĨŽƌĂŵŽďƐĞƌǀĂĚĂƐ͘ ĕƁĞƐŽŶĚĞ ŽŶĚĞĞƐƚĆŽ ĞƐƚĆŽ ĂďƌŝŐĂĚĂƐ ƌĂŝƐ͘ ŵ ϮϬϭϮ͕ ƌĂŝƐ͘ ĞŶƚƌĞŵ ŽƵƚƌĂƐ Ăƚ ƌĞƉƌĞƐĞŶƚĂŶƚĞƐ ĚŽƐ ĂďƌŝŐŽƐ ƐĞ ġŶĐŝĂƐƋƵĞũĄĨŽƌĂŵŽďƐĞƌǀĂĚĂƐ͘ ĕƁĞƐ ĂďƌŝŐĂĚĂƐ ĂƐ ĂƐ

ra éMineradora condenada de barragem é condenada por por rompimento de barragem por rompimento derompimento barragem Mineradora épor condenada rompimento de barrag ŶĂ  ŵŝŶĞƌĂĚŽƌĂ ZŝŽ WŽŵďĂ ŐĂŵĞŶƚŽĚĂĐŝĚĂĚĞ͘ĨĂŵşůŝĂĚĞ ƌĞƌ͘ĨŝƌŵŽƵƋƵĞĂĐŝĚĂĚĞĚĞDƵƌŝĂĠ ƐĞĐŽŶĚĞŶĂĚĂ͕ŽǀĂůŽƌĚĂŝŶĚĞŶ

ĂĚŽƚĂ Ă ƌ ƐĞĐŽŶĚĞŶĂĚĂ͕ŽǀĂůŽƌĚĂŝŶĚĞŶŝƌĞƌ͘ĨŝƌŵŽƵƋƵĞĂĐŝĚĂĚĞĚĞDƵƌŝĂĠ ŐĂŵĞŶƚŽĚĂĐŝĚĂĚĞ͘ĨĂŵşůŝĂĚĞ Ž WŽŵďĂ ƌĞƌ͘ĨŝƌŵŽƵƋƵĞĂĐŝĚĂĚĞĚĞDƵƌŝĂĠ ĂĚŽƚĂ Ă ƌĞƐƉŽŶƐĂďŝůŝĚĂĚĞ ŽďũĞƚŝƐĞĐŽŶĚĞŶĂĚĂ͕ŽǀĂůŽƌĚĂŝŶĚĞŶŝĂŵşůŝĂĚĞ ƐĞĐŽŶĚĞŶĂĚĂ ƌĞƌ͘ĨŝƌŵŽƵƋƵĞĂĐŝĚĂĚĞĚĞDƵƌŝĂĠ ŵŝŶĞƌĂĚŽƌĂ ZŝŽ WŽŵďĂ ŐĂŵĞŶƚŽĚĂĐŝĚĂĚĞ͘ĨĂŵşůŝĂĚĞ njĂĕĆŽĨŽƐƐĞƌĞĚƵnjŝĚŽ͘ ũĄ ƐŽĨƌŝĂ ĐŽŵ ĞŶĐŚĞŶƚĞƐ ŽĐŽƌƌŝĚĂƐ >͘t͘>͘͘ƌĞƐŝĚŝĂăƐŵĂƌŐĞŶƐĚŽZŝŽ ĂƚĂŐƵĂƐĞƐ ĨŽŝ ĐŽŶĚĞŶĂĚĂ Ă ǀĂ ĚŽ ĂŐĞ njĂĕĆŽĨŽƐƐĞƌĞĚƵnjŝĚŽ͘ ũĄnjĂĕĆŽĨŽƐƐĞƌĞĚƵnjŝĚŽ͘ ƐŽĨƌŝĂ ĐŽŵ ĞŶĐŚĞŶƚĞƐ ŽĐŽƌƌŝĚĂƐ >͘t͘>͘͘ƌĞƐŝĚŝĂăƐŵĂƌŐĞŶƐĚŽZŝŽ ĞŶĂĚĂ ĂƚĂŐƵĂƐĞƐ Ă ũĄ ũĄ ƐŽĨƌŝĂ ĐŽŵ ŽĐŽƌƌŝĚĂƐ Ă >͘t͘>͘͘ƌĞƐŝĚŝĂăƐŵĂƌŐĞŶƐĚŽZŝŽ ǀĂ ĚŽĞŶĐŚĞŶƚĞƐ ĂŐĞŶƚĞ ƋƵĂŶƚŽ ĂŽƐ njĂĕĆŽĨŽƐƐĞƌĞ ĚĂŶŽƐ ƐŽĨƌŝĂĨŽŝ ĐŽŵĐŽŶĚĞŶĂĚĂ ĞŶĐŚĞŶƚĞƐ ŽĐŽƌƌŝĚĂƐ ŶƐĚŽZŝŽ ĚĂ ĐŚĞŐĂĚĂ ĚĂ ůĂŵĂ ƋƵĞ DƵƌŝĂĠ Ğ ĂŶƚĞƐ ƚĞǀĞ ĂĚĂ ĐĂƐĂ ĂƚŝŶŐŝĚĂĚĂĂŶƚĞƐ ƉĂŐĂƌDƵƌŝĂĠ ŝŶĚĞŶŝnjĂĕĆŽ ƉŽƌĂĚĂŶŽƐ ĐĂƵƐĂĚŽƐ ĐŚĞŐĂĚĂ ůĂŵĂ ƋƵĞ Ğ ƚĞǀĞ ĐĂƐĂ ĂƚŝŶŐŝĚĂ Žƌ ĚĂŶŽƐ ĂŶƚĞƐ ĚĂ ĐŚĞŐĂĚĂ ƋƵĞ DƵƌŝĂĠ ƚĞǀĞ ĐĂƐĂ ĂƚŝŶŐŝĚĂ ƉĂŐĂƌĂŶƚĞƐ ŝŶĚĞŶŝnjĂĕĆŽ ƉŽƌĚĂ ĚĂŶŽƐ ĐĂƵƐĂĚŽƐĂŽŵĞŝŽĂŵďŝĞŶƚĞĞĂ ĚĂ ĐŚĞŐĂĚĂ ůĂŵĂ  ĂƚŝŶŐŝĚĂ RESPONSIBILIDADE OBJET ǀĂnjŽƵ ĚĂ ďĂƌƌĂŐĞŵ ĚĂ ĞŵƉƌĞƐĂ͕ĚĂ ůĂŵĂ ƉĞůĂƋƵĞ ĞŶĐŚĞŶƚĞĞ Ğ ƉŽƌĂŐƌĂŶĚĞ ŵŽƌĂŝƐŶŽǀĂůŽƌĚĞZΨϴŵŝůĂƵŵĂ ƚĞƌĐĞŝƌŽƐ͕ RESPONSIBILIDADE OBJETIǀĂnjŽƵ ĚĂ ďĂƌƌĂŐĞŵ ĚĂ ĞŵƉƌĞƐĂ͕ ƉĞůĂ ĞŶĐŚĞŶƚĞ Ğ ƉŽƌ ŐƌĂŶĚĞ ŵŝůĂƵŵĂ RESPONSI ǀĂnjŽƵ ďĂƌƌĂŐĞŵ ĞŵƉƌĞƐĂ͕ ƉĞůĂ ĞŶĐŚĞŶƚĞ Ğ ƉŽƌ ŵŽƌĂŝƐŶŽǀĂůŽƌĚĞZΨϴŵŝůĂƵŵĂ ƚĞƌĐĞŝƌŽƐ͕ ŽĚĂ ƌĞůĂƚŽƌ ƋƵĞ RESPONSIBILIDADE OBJETIǀĂnjŽƵ ďĂƌƌĂŐĞŵ ĚĂ ĞŵƉƌĞƐĂ͕  ŐƌĂŶĚĞ VA - K ĂǀĂůŝŽƵ ĚĞƐĞŵďĂƌŐĂĚŽƌ ƌĞůĂƚŽ ĐŽŶĨŽƌŵĞ ƌĞůĂƚŽ ĚĂ ĚŽ ŽƌƉŽ ĚĞ ƋƵĂŶƚŝĚĂĚĞ ĚĞ ůĂŵĂ͕ ĚƵƌĂŶƚĞ Ă ŐƌĂŶĚĞ ŵŽƌĂĚŽƌĂ ĚĂƐĚĂ ŵĂƌŐĞŶƐ ĚŽ ZŝŽ ĐůĂƌŽ VAĐŽŶƚĂ - K ĚĞƐĞŵďĂƌŐĂĚŽƌ ƌĞůĂƚŽƌ͕ ƌĞůĂƚŽ ĚŽ ŽŵďĞŝƌŽƐ ŽƌƉŽ ĚĞ ƋƵĂŶƚŝĚĂĚĞ ĚĞ ůĂŵĂ͕ Ă ŶƐ ĚŽ ZŝŽ K ĚĞƐĞŵ ĐŽŶĨŽƌŵĞ ƌĞůĂƚŽ ĚŽŶĞdžŽ ŽƌƉŽ ĚĞ VA -ĞƌĂ ƋƵĂŶƚŝĚĂĚĞ ĚĞĚĞƐĞŵďĂƌŐĂĚŽƌ ůĂŵĂ͕ ĚƵƌĂŶƚĞ ĂƌĞůĂƚŽƌ͕ ŵŽƌĂĚŽƌĂ ĚĂƐ ŵĂƌŐĞŶƐ ĚŽĚƵƌĂŶƚĞ ZŝŽ tĂŶĚĞƌůĞLJWĂŝǀĂ͕ĂŽĂŶĂůŝƐĂƌŽ ĚĂŶĚŽ ĚĞ ƋƵĞ ŵĂĚƌƵŐĂĚĂ͕ŶĆŽƚĞŶĚŽƚĞŵƉŽĚĞ DƵƌŝĂĠĐƵũĂĐĂƐĂĨŽŝŝŶǀĂĚŝĚĂƉŽƌ ĞƌĂ ĐůĂƌŽ Ž ĚĞ ĐĂƵƐĂůŝĚĂĚĞ VA - K ƌĞůĂƚŽ ĚŽ ŽƌƉŽ ĚĞ ĐŽŶĨŽƌŵĞ ĚƵƌĂŶƚĞ Ă ĐŽŶĨŽƌŵĞ ĞŶƚƌĞŽĂĐ ŽŵďĞŝƌŽƐ ĚĂŶĚŽ ĐŽŶƚĂ ŵĂĚƌƵŐĂĚĂ͕ŶĆŽƚĞŶĚŽƚĞŵƉŽĚĞ ĂĚŝĚĂƉŽƌ ĂƵƚŽƐ͕ŽďƐĞƌǀŽƵƋƵĞĂĞŶĐŚĞŶ ŵĂŝƐĚĞ ĚĞƋƵĞ ĚĞnj ŵŝůtĂŶĚĞƌůĞLJWĂŝǀĂ͕ĂŽĂŶĂůŝƐĂƌŽƐ ƉĞƐƐŽĂƐ ĨŝĐĂƌĂŵ ůĂŵĂ ĚĞǀŝĚŽ ĂŽ ƌŽŵƉŝŵĞŶƚŽ ĚĞ ƐĂůǀĂƌƐĞƵƐƉĞƌƚĞŶĐĞƐ͘ ŽŵďĞŝƌŽƐ ĚĂŶĚŽ ĐŽŶƚĂ ĚĞ ƋƵĞ tĂŶĚĞƌůĞLJWĂ ŵĂĚƌƵŐĂĚĂ͕ŶĆŽƚĞŶĚŽƚĞŵƉŽĚĞ DƵƌŝĂĠĐƵũĂĐĂƐĂĨŽŝŝŶǀĂĚŝĚĂƉŽƌ ĞŶƚƌĞŽĂĐŝĚĞŶƚĞĞŽƐĚĂŶŽƐ͘ŽŶtĂŶĚĞƌůĞLJWĂŝǀĂ͕ĂŽĂŶĂůŝƐĂƌŽƐ ŽŵďĞŝƌŽƐ ĚĂŶĚŽ ĐŽŶƚĂ ĚĞ ƋƵĞ ƚĞŵƉŽĚĞ ƐŝĚĞƌŽƵ ŝŶ ĂƵƚŽƐ͕ŽďƐĞƌǀŽƵƋƵĞĂĞŶĐŚĞŶŵĂŝƐ ĚĞ ĚĞnj ŵŝů ƉĞƐƐŽĂƐ ĨŝĐĂƌĂŵ ƐĂůǀĂƌƐĞƵƐƉĞƌƚĞŶĐĞƐ͘ ŵĞŶƚŽ ĚĞ ƚĞŽĐĂƐŝŽŶĂĚĂƉĞůĂƐĐŚƵǀĂƐŶĆ ĚĞƐĂďƌŝŐĂĚĂƐĞĚĞƐĂůŽũĂĚĂƐ͘  ĨĂŵşůŝĂ ĚĞĐŝĚŝƵ ĞŶƚƌĂƌ ŶĂ ďĂƌƌĂŐĞŵĚĂĞŵƉƌĞƐĂ͘ĚĞĐŝƐĆŽ ĂƵƚŽƐ͕ŽďƐĞƌǀ ŵĂŝƐ ĚĞƐŝĚĞƌŽƵ ĚĞnj ŵŝů ŝŶĐŽŶƚƌŽǀĞƌƐŽ͕ ƉĞƐƐŽĂƐ ĨŝĐĂƌĂŵƚĂŵďĠŵ͕ ƐĂůǀĂƌƐĞƵƐƉĞƌƚĞŶĐĞƐ͘ ĚĞǀŝĚŽ ĂŽ ƌŽŵƉŝŵĞŶƚŽ ĚĞ m peçasůĂŵĂ paraŵĂŝƐ flauta, e violoncelo ĂƵƚŽƐ͕ŽďƐĞƌǀŽƵƋƵĞĂĞŶĐŚĞŶĚĞviolino ĚĞnj ŵŝů ƉĞƐƐŽĂƐ ĨŝĐĂƌĂŵ Jovens alunos apresentaram peças para flauta, violino e violoncelo ĂĨĂƐƚĂǀĂ Ă ƌĞƐƉŽŶƐĂďŝůŝĚĂĚĞ ŵƐƵĂĚĞĨĞƐĂ͕ĂŵŝŶĞƌĂĚŽƌĂ :ƵƐƚŝĕĂ ĐŽŶƚƌĂ Ă ŵŝŶĞƌĂĚŽƌĂ͕ ƵŶąŶŝŵĞĚĂϭϭǐąŵĂƌĂşǀĞůĚŽ ŽĚĂŶŽŵĚ ƚĞŽĐĂƐŝŽŶĂĚĂƉĞůĂƐĐŚƵǀĂƐŶĆŽ ĚĞƐĂďƌŝŐĂĚĂƐĞĚĞƐĂůŽũĂĚĂƐ͘  ĨĂŵşůŝĂ ĚĞĐŝĚŝƵ ĞŶƚƌĂƌ ŶĂ  ĨĂŵşůŝĂ ĚĞĐŝĚŝƵ ĞŶƚƌĂƌ ŶĂ ĚĞƐĂďƌŝŐĂĚĂƐĞĚĞƐĂůŽũĂĚĂƐ͘ ĚĞĐŝƐĆŽ ƚĞŽĐĂƐŝŽŶĂĚĂ ďĂƌƌĂŐĞŵĚĂĞŵƉƌĞƐĂ͘ĚĞĐŝƐĆŽ ŽĚĂŶŽŵŽƌĂů͕ĚŝĂŶƚĞĚŽĨĂƚŽĚĞ>͘ ƚĞŽĐĂƐŝŽŶĂĚĂƉĞůĂƐĐŚƵǀĂƐŶĆŽ ĚĞƐĂďƌŝŐĂĚĂƐĞĚĞƐĂůŽũĂĚĂƐ͘ ĞŶƚƌĂƌ ŶĂ ŵŝŶĞƌĂĚŽƌĂ͘ ͞K ĂĐŝĚĞŶƚĞ ĂĨŝƌŵŽƵ͕ĂŝŶĚĂ͕ƋƵĞŽƌŽŵƉŝŵĞŶƉĞĚŝŶĚŽ ƌĞƉĂƌĂĕĆŽ ƉŽƌ ĚĂŶŽƐ d:D' ƌĞĨŽƌŵŽƵ͕ Ğŵ ƉĂƌƚĞ͕ ƐĞŶƚĞƌƉĞƌĚŝĚ ĂĨĂƐƚĂǀĂ Ă ƌĞƐƉŽŶƐĂďŝůŝĚĂĚĞ ĚĂ ŵƐƵĂĚĞĨĞƐĂ͕ĂŵŝŶĞƌĂĚŽƌĂ :ƵƐƚŝĕĂ ĐŽŶƚƌĂ Ă ŵŝŶĞƌĂĚŽƌĂ͕ ĂşǀĞůĚŽ ĚĂĚĞƐ͕ ĞůĞƐ ǀŝƐŝƚĂƌĂŵ Ž DƵƐĞƵ HORIZONTES - K ŽďũĞƚŝǀŽ ĚŽ ƌĞƵŶŝƌĂŵĐŽŵŵĞŵďƌŽƐĚĂŽŝŶũ ƚĞƐ͘ EĂƵŶąŶŝŵĞĚĂϭϭǐąŵĂƌĂşǀĞůĚŽ ĂĨĂƐƚĂǀĂ ĂĞůĞƐ ƌĞĨ ŵƐƵĂĚĞĨĞƐĂ͕ĂŵŝŶĞƌĂĚŽƌĂ :ƵƐƚŝĕĂ ĐŽŶƚƌĂ ĂĂƌĞƐƉŽŶƐĂďŝůŝĚĂĚĞ ŵŝŶĞƌĂĚŽƌĂ͕ ƚĞƌƉĞƌĚŝĚŽŽůĂƌĚĞǀŝĚŽăĞŶĐŚĞŶĂĨĂƐƚĂǀĂ ĚĂ ŵƐƵĂĚĞĨĞƐĂ͕ĂŵŝŶĞƌĂĚŽƌĂ ŶĞƌĂĚŽƌĂ͕ ĚĂĚĞƐ͕ HORIZONTES K ŽďũĞƚŝǀŽ ĚŽ ƌĞƵŶŝƌĂŵĐŽŵŵĞŵďƌŽƐĚĂŽŝŶũ ĐƌŝĂŶĕĂƐ Ğ ŽƐ ĂĚŽůĞƐĐĞŶƚĞƐ͘ EĂ ŽĐĂƐŝŽŶĂĚŽ ƉĞůĂ ĂƚŝƚƵĚĞ ŶĞŐ ƚŽĚĂďĂƌƌĂŐĞŵŶĆŽĞƌĂĂĐĂƵƐĂ ŵŽƌĂŝƐ Ğ ŵĂƚĞƌŝĂŝƐ͘ ŵ WƌŝŵĞŝƌĂ ƚĞŶĕĂƉƌŽĨĞƌŝĚĂƉĞůĂĐŽŵĂƌĐĂĚĞ ƚĞ͘ ƐƐŝŵ ŵŝŶĞƌĂĚŽƌĂ͘ ͞KĚĞ ĂĐŝĚĞŶƚĞ ĨŽŝ ĂĨŝƌŵŽƵ͕ĂŝŶĚĂ͕ƋƵĞŽƌŽŵƉŝŵĞŶƉĞĚŝŶĚŽ ƌĞƉĂƌĂĕĆŽ ƉŽƌ ĚĂŶŽƐ ĂƌƚĞ͕ ƐĞŶ/ŶŚŽƚŝŵ͕ ƐĞĚĞ ƵŵĚĂ ĚŽƐ ŵĂŝƐ ƚƌĂďĂůŚŽ ŶĆŽ ĠƉŽƌ Ă ĨŽƌŵĂĕĆŽ ĚĞ ĞƉƵĚĞƌĂŵĚĂƌƌĞƚŽƌŶŽăŽŽƌĚĞƵĚĞƌĂŵ ŵŝŶĞƌĂĚŽƌĂ͘ ƉĞĚŝŶĚŽ ƌĞƉĂƌĂĕĆŽ ĚĂŶŽƐ d:D' ƌĞĨŽƌŵŽƵ͕ Ğŵ ƉĂƌƚĞ͕ ƐĞŶƚĞ͘ ƐƐŝŵ͕ ĐĂďŝĂ ăĂƉĞůĂŶƚ ŵŝŶĞƌĂĚŽƌĂ͘ ͞K ĂĐŝĚĞŶƚĞ ĨŽŝŽĐĂƐŝŽŶĂĚŽ ĂĨŝƌŵŽƵ͕ĂŝŶĚĂ͕ƋƵĞŽƌŽŵƉŝŵĞŶŽƌ ĚĂŶŽƐ ŐĞŶƚĞ ƋƵĞ ĞŵƉƌĞƐĂ ĚŽƐ ĚĂŶŽƐĂĨŝƌŵŽƵ͕ĂŝŶĚĂ͕ƋƵĞŽƌŽŵƉŝŵĞŶƐŽĨƌŝĚŽƐ ƉŽƌ >͕͘ Ġ ƉŽŝƐ /ŶƐƚąŶĐŝĂ͕ĂĞŵƉƌĞƐĂĨŽŝĐŽŶĚĞŶĂ/ŶŚŽƚŝŵ͕ ƐĞ ƚƌĂďĂůŚŽ ŶĆŽ ĂĂǀĂůŝŽƵ ĨŽƌŵĂĕĆŽ ĚĞ DƵƌŝĂĠŶĂŽŶĂĚĂDĂƚĂ͘ ĞƉƵĚĞƌĂŵĚĂƌƌĞƚŽƌŶŽăŽŽƌĚĞŽƉŽƌƚƵŶŝĚĂĚĞ͕ ĞůĞƐ ƉƵĚĞƌĂŵ ŽƵŽ ŵŝŶĞƌĂĚŽ ƉĞůĂ ĂƚŝƚƵĚĞ ŶĞŐůŝƚŽĚĂďĂƌƌĂŐĞŵŶĆŽĞƌĂĂĐĂƵƐĂ ŵŽƌĂŝƐ Ğ ŵĂƚĞƌŝĂŝƐ͘ ŵ WƌŝŵĞŝƌĂ ŵĂƌĐĂĚĞ ŝŵƉŽƌƚĂŶƚĞƐĂĐĞƌǀŽƐĚĞĂƌƚĞĐŽŶŵƷƐŝĐŽƐ ƉƌŽĨŝƐƐŝŽŶĂŝƐ͕ ŵĂƐĚĂ Ɛŝŵ ŽĐŽŶƐĞƋƵġŶĐŝĂ ŶĂĚŽƌŝĂ ƐŽďƌĞ ŽƐ ŝŵƉĂĐƚŽƐ  WƌŝŵĞŝƌĂ ũŽǀĞŶƐ ŽĐĂƐŝŽŶĂĚŽ ƚŽĚĂďĂƌƌĂŐĞŵŶĆŽĞƌĂĂĐĂƵƐĂ ŵŽƌĂŝƐ Ğ ŵĂƚĞƌŝĂŝƐ͘ ŵ ƚĞŶĕĂƉƌŽĨĞƌŝĚĂƉĞůĂĐŽŵĂƌĐĂĚĞ ĂƌŵĂnjĞŶŽƵ ŵŝůŚƁĞƐ Ɖ Ě ĞƐƚĞƐ ĨŽƌĂŵ ĚĂƐ ƋƵĞ ĚĂ ĂĚĂ ƉĂŐĂƌ ĂŽĐĂƐŝŽŶĂĚŽ >͘ƐŽďƌĞ ŝŶĚĞŶŝnjĂĕĆŽ ƉŽƌWƌŝŵĞŝƌĂ  ĞŵƉƌĞƐĂ͕ ƋƵĞ ĂƚƵĂ ĐŽŵ ŝŵƉŽƌƚĂŶƚĞƐ ŵƷƐŝĐŽƐ ƉƌŽĨŝƐƐŝŽŶĂŝƐ͕ ŵĂƐ Ɛŝŵ Ž ŶĂĚŽƌŝĂ ŽƐ ŝŵƉĂĐƚŽƐ ŵŝŶĞƌĂĚŽƌĂŽĚĞǀĞƌĚĞŝŶĚĞŶŝnjĂƌ͘ ǀŝǀĞŶĐŝĂƌ Ž ƋƵĞ ĂƋƵĞůĞƐ ũŽǀĞŶƐ ƉĞůĂ ĂƚŝƚƵĚĞ ŶĞŐůŝƚŽĚĂďĂƌƌĂŐĞŵŶĆŽĞƌĂĂĐĂƵƐĂ ĞĂůŝYƵĂŶƚ ŐĞŶƚĞ ĚĂ ĞŵƉƌĞƐĂ ĂƉĞůĂŶƚĞ͕ ĚŽƐƉŽƌ ĚĂŶŽƐ ƐŽĨƌŝĚŽƐ ƉŽƌ >͕͘ ƉŽŝƐ /ŶƐƚąŶĐŝĂ͕ĂĞŵƉƌĞƐĂĨŽŝĐŽŶĚĞŶĂƚĂ͘ ƚĞŵƉŽƌąŶĞĂĚŽƌĂƐŝů͕ĞƚŝǀĞƌĂŵĂ ĚĞ͕ ŵĞŝŽ ĚĂ ĂƌƚĞ͕ ĂŵƉůŝĂƌ ŽƐ ĂƉƌĞŶĚŝnjĂŐĞŵĚĞƵŵŝŶƐƚƌƵŵĞŶƚŽ ŵĞƐĞƐ͕ ŐĞŶƚĞ ĚĂ Ğŵ ĚŽƐ ĚĂŶŽƐ ƐŽĨƌŝĚŽƐ ƉŽƌ >͕͘ ƉŽŝƐ /ŶƐƚąŶĐŝĂ͕ĂĞŵƉƌĞƐĂĨŽŝĐŽŶĚĞŶĂDƵƌŝĂĠŶĂŽŶĂĚĂDĂƚĂ͘ ůŝƚƌŽƐ ĚĞ ƌĞũĞŝƚŽƐ ƉƌŽǀĞŶŝĞŶƚĞ ĐŚƵǀĂƐ ƋƵĞ ŝŶƵŶĚĂƌĂŵ Ă ĐŝĚĂĚĞ ĚĂŶŽƐŵŽƌĂŝƐŶŽǀĂůŽƌĚĞZΨϭϱ ŵŝŶĞƌĂĕĆŽĚĞďĂƵdžŝƚĂŶŽŵƵŶŝĐşĚĞ͕ƋƵĞ ƉŽƌ ŵĞŝŽ ĚĂ ĂƌƚĞ͕ ĂŵƉůŝĂƌ ŽƐĚĞƚĞŵƉŽƌąŶĞĂ ĂƉƌĞŶĚŝnjĂŐĞŵĚĞƵŵŝŶƐƚƌƵŵĞŶƚŽ ĂƉƌĞŶĚĞƌĂŵ ŶŽƐ Ă ƷůƚŝŵŽƐ ŵĞƐĞƐ͕ ŽĚĞ YƵĂŶƚŽĂŽǀĂůŽƌĚĂŝŶĚĞŶŝnjĂŐĞŶƚĞ ĚĂ ĐŽŶƐĞƋƵġŶĐŝĂ ĞŵƉƌĞƐĂ ĂƉĞůĂŶƚĞ͕ ĚŽƐĂĚĂŶŽƐ ƐŽĨƌŝĚŽƐ ƉŽƌ >͕͘ƉŽƌ ƉŽŝƐ ĐŽŶĚĞŶĂĕĆŽ͕ Ž ƌĞ ĂƌŵĂnjĞŶŽƵ ĞƐƚĞƐ ĨŽƌĂŵ ƉĂŐĂƌ >͘ ŝŶĚĞŶŝnjĂĕĆŽ ĂƚƵĂ ĐŽŵ ŽƉŽƌƚƵŶŝĚĂĚĞ ĚĞ ŽƵǀŝƌ Ğ ƚƌŽĐĂƌ ŚŽƌŝnjŽŶƚĞƐĚĞƐƐĞƐũŽǀĞŶƐ͘WŽƌŝƐƐŽ͕ ŵƵƐŝĐĂůŶĂǀŝĚĂĚŽƐŵĞŶŝŶŽƐĞĚĂƐ ŝĂĚŽƌĞƐ ƋƵĞ ĂƌŵĂnjĞ ĞƐƚĞƐ ĨŽƌĂŵ ĐŽŶƐĞƋƵġŶĐŝĂ ĚĞŵŝůŚƁĞƐ ƐƵĂĚĂƐ ĂƚŝǀŝĚĂĚĞ ŝŶĚƵƐƚƌŝĂů͕ ĚĂ ĂŚŽƵǀĞ ƉĂŐĂƌĐŽŶĚĞŶĂĕĆŽ Ă >͘ ŝŶĚĞŶŝnjĂĕĆŽ ƉŽƌ ĚĂƐ ĚĂ ĞŵƉƌĞƐĂ͕ ƋƵĞ ĂƚƵĂ ĐŽŵ ŵŝů͘ EĆŽ ĚĂ Ğ͕ĞŵĞƐƉĞĐŝĂů͕ĚĂƐĐŚĞŝĂƐĚŽZŝŽ ƉŝŽ͕ŵĂŶƚŝŶŚĂďĂƌƌĂŐĞŵĚĞƌĞũĞŝŽƉŽƌƚƵŶŝĚĂĚ ŚŽƌŝnjŽŶƚĞƐĚĞƐƐĞƐũŽǀĞŶƐ͘WŽƌŝƐƐŽ͕ ŵƵƐŝĐĂůŶĂǀŝĚĂĚŽƐŵĞŶŝŶŽƐĞĚĂƐ ũĄƋƵĞ͕ĞŵďŽƌĂƐĞũĂŵĂƉŽŝĂĚŽƌĞƐ ĚĂ ĕĆŽ͕ Ž ƌĞůĂƚŽƌ ŽďƐĞƌǀŽƵ ƋƵĞ Ă ƋƵĞ ĂƌŵĂnjĞŶŽƵ ŵŝůŚƁĞƐ ĚĞ ĞƐƚĞƐ ĨŽƌĂŵ ĐŽŶƐĞƋƵġŶĐŝĂ ĚĂƐ ĂĕĆŽ ƉŽƌ ƋƵĂŶƚŝĂ ůŝƚƌŽƐ ĚĞ ƌĞũĞŝƚŽƐ ƉƌŽǀĞŶŝĞŶƚĞƐ ĐŚƵǀĂƐ ƋƵĞ ŝŶƵŶĚĂƌĂŵ Ă ĐŝĚĂĚĞ ĚĂŶŽƐŵŽƌĂŝƐŶŽǀĂůŽƌĚĞZΨϭϱ ŶŽŵƵŶŝĐşƋƵĞ ĂƵŵĞŶƚŽƵ ŽĞ ƌŝƐĐŽ ƐĞĨ &ƵďĄ͘ZĞƐƐĂůƚŽƵƚĂŵďĠŵƋƵĞŽƐ ŵŝŶĞƌĂĚŽƌĂŶŽƋƵĞƐĞƌĞĨĞƌĞĂŽƐ ƚŽƐƋƵĞƐĞƌŽŵƉĞƵŶĂŵĂĚƌƵŐĂůŝƚƌŽƐ ĚĞĚĞ ƌĞũĞ ĞdžƉĞƌŝġŶĐŝĂƐ ĐŽŵ Ž ŵĂĞƐƚƌŽ ĂůĠŵĚĂĨŽƌŵĂĕĆŽĚĂŽƌƋƵĞƐƚƌĂ͕Ă ŵĞŶŝŶĂƐ͘ůĞǀĂĕĆŽĚĂĂƵƚŽĞƐƚŝŵĂ͕ ĐŚƵǀĂƐ ƋƵĞ ŝŶƵŶĚĂƌĂŵ Ă ĐŝĚĂĚĞ Ɛ ĂŝŶĚĂ ĚĂŶŽƐŵŽƌĂŝƐŶŽǀĂůŽƌĚĞZΨϭϱ ŵŝŶĞƌĂĕĆŽĚĞďĂƵdžŝƚĂŶŽŵƵŶŝĐşĞdžƉĞƌŝġŶĐŝĂ ĂůĠŵĚĂĨŽƌŵĂĕĆŽĚĂŽƌƋƵĞƐƚƌĂ͕Ă ŵĞŶŝŶĂƐ͘ůĞǀĂĕĆŽĚĂĂƵƚŽĞƐƚŝŵĂ͕ ĚĂ ŝŶŝĐŝĂƚŝǀĂ͕ ŵƵŝƚŽƐ ĚĞůĞƐ ĂŝŶĚĂ ŶĞŝƋƵĂŶƚŝĂ ĨŝdžĂĚĂ Ğŵ WƌŝŵĞŝƌĂ /ŶƐůŝƚƌŽƐ ĚĞ ƌĞũĞŝƚŽƐ ƉƌŽǀĞŶŝĞŶƚĞƐ ĐŚƵǀĂƐ ƋƵĞ ŝŶƵŶĚĂƌĂŵ Ă ĐŝĚĂĚĞ ĚĞZΨϭϱ ƚąŶĐŝĂĞƐƚ ĚĞ ƐƵĂ ĂƚŝǀŝĚĂĚĞĞŵƉƌĞĞŶĚŝŵĞŶƚŽ͕ĂƐƐƵŵŝŶĚŽ ŝŶĚƵƐƚƌŝĂů͕ ĚĞ Ž ƐƵĂ ŵĂƚĞƌŝĂŝƐ͕ ƉŽŝƐ ĂƐĐŽŶĚĞŶĂĕĆŽ ƉĂƌƚĞƐ ĂƵƚŽƐŶĆŽŝŶĚŝĐĂŵƋƵĞĂĐĂƐĂĚĂ Ğ͕ĞŵĞƐƉĞĐŝĂů͕ĚĂƐĐŚĞŝĂƐĚŽZŝŽ ĚĂ ĚĞ ϭϬ ĚĞ ũĂŶĞŝƌŽ ĚĞ ϮϬϬϳ͘  ĚĂŶŽƐ ŵŝů͘ EĆŽ ĐŽŶĚĞŶĂĕĆŽ ĚĂ ŵĚĞƌĞũĞŝĂƚŝǀŝĚ ŵŝů͘ EĆŽ ŚŽƵǀĞ ƉŝŽ͕ŵĂŶƚŝŶŚĂďĂƌƌĂŐĞŵĚĞƌĞũĞŝƉŝĂŶŝƐƚĂ:ŽĆŽĂƌůŽƐDĂƌƚŝŶƐ͕ƋƵĞ ŽŝŶũƚĞŵƉƌŽŵŽǀŝĚŽĞĞƐƚŝŵƵůĂŵĞůŚŽƌĂ ŶĂŚŽƵǀĞ ĐŽŶĐĞŶƚƌĂĕĆŽ Ğ ŶĂ ƵŶŝĚĂĚĞ ƉŝĂŶŝƐƚĂ:ŽĆ ŽŝŶũƚĞŵƉƌŽŵŽǀŝĚŽĞĞƐƚŝŵƵůĂŵĞůŚŽƌĂ ŶĂ ĐŽŶĐĞŶƚƌĂĕĆŽ ĞĚĂ ŶĂ Ğ͕ĞŵĞƐƉĞĐŝĂů͕ĚĂƐĐŚĞŝĂƐĚŽZŝŽ ŶĆŽƚŝŶŚĂŵƚŝĚŽĂŽƉŽƌƚƵŶŝĚĂĚĞ ďĠŵ ƚąŶĐŝĂĞƐƚĂǀĂĂĐŝŵĂĚŽĞƐƚĂďĞůĞĚĞ ƐƵĂ ĂƚŝǀŝĚĂĚĞ ŝŶĚƵƐƚƌŝĂů͕ Ž Ğ͕ĞŵĞƐƉĞĐŝĂů͕ĚĂƐĐŚĞŝĂƐĚŽZŝŽ ŶĂĕĆŽ ĚĂ ƌĞƐƉŽŶƐĂďŝůŝĚĂĚĞ ĂĚǀŝŶĚĂ Ě ĨĂŵşůŝĂĨŽŝĂƚŝŶŐŝĚĂƉĞůĂůĂŵĂƋƵĞ ĞŶƚƌĂƌĂŵ Ğŵ ĂĐŽƌĚŽ ŶĞƐƐĞ ƋƵĂŶƚŝĚĂĚĞ ĚĞ ĂƌŐŝůĂ ĚĞƐƉĞũĂĚĂ ĐŝĚŽƉĞůŽ ƋƵĞ ĂƵŵĞŶƚŽƵ Ž ƌŝƐĐŽ ĚĞ ƐĞƵ &ƵďĄ͘ZĞƐƐĂůƚŽƵƚĂŵďĠŵƋƵĞŽƐ ŵŝŶĞƌĂĚŽƌĂŶŽƋƵĞƐĞƌĞĨĞƌĞĂŽƐ ŵĂĚƌƵŐĂƋƵĞ ĂƵŵĞŶƚŽ &ƵďĄ͘ZĞƐƐĂůƚŽƵƚĂŵďĠŵƋƵĞŽƐ ŵŝŶĞƌĂĚŽƌĂŶŽƋƵĞƐĞƌĞĨĞƌĞĂŽƐ ƚŽƐƋƵĞƐĞƌŽŵƉĞƵŶĂŵĂĚƌƵŐĂũĄĨŽŝĐŽŶƐŝĚĞƌĂĚŽƵŵĚŽƐŵĂŝŽƌĞƐ ĚŽĂŝĚĂĚĞƐƐĞƐŵĞŶŝŶŽƐĞŵĞŶŝĚŝƐĐŝƉůŝŶĂ Ğ ŵĞůŚŽƌ ƉĞƌĨŽƌŵĂŶĐĞ ũĄĨŽŝĐŽŶƐŝĚ ĚŽĂŝĚĂĚĞƐƐĞƐŵĞŶŝŶŽƐĞŵĞŶŝĚŝƐĐŝƉůŝŶĂ Ğ ŵĞůŚŽƌ ƉĞƌĨŽƌŵĂŶĐĞ ĚĞŽƵǀŝƌĂŽƌƋƵĞƐƚƌĂ͘ ƉƌŽƉŽƐƐşǀĞů ǀĂnjĂŵĞŶƚŽ ŽƵ ƌŽŵƉ ǀĂnjŽƵĚĂďĂƌƌĂŐĞŵĚĂŵŝŶĞƌĂĚŽƉŽŶƚŽ͕ĚƵƌĂŶƚĞŽƉƌŽĐĞƐƐŽ͘ ŶŽ ůĞŝƚŽ ĚŽƐ ƌŝŽƐ &ƵďĄ Ğ DƵƌŝĂĠ ĐŝĚŽƉĞůŽd:D'ĞŵĐĂƐŽƐĂŶĄůŽƋƵĞ ĂƵŵĞŶƚŽƵ Ž ƉĂƌƚĞƐ ƌŝƐĐŽ ĚĞ ƐĞƵĞŵƉƌĞĞŶĚŝŵĞŶƚŽ͕ĂƐƐƵŵŝŶĚŽĂ &ƵďĄ͘ZĞƐƐĂůƚŽƵƚĂŵďĠŵƋƵĞŽƐ ĞĨĞƌĞĂŽƐ ŐŽƐ͘ WŽƌ ĂƵƚŽƐŶĆŽŝŶĚŝĐĂŵƋƵĞĂĐĂƐĂĚĂ ĚĂŶŽƐ ŵĂƚĞƌŝĂŝƐ͕ ƉŽŝƐ ĂƐ  ƉĂƌƚĞƐ Ğ ϮϬϬϳ͘  ĞƐĐŽůĂƌƐĆŽĂůŐƵŵĂƐĚĂƐĐŽŶƐĞƋƵĞŵƉƌĞĞŶĚŝŵĞ ĂƵƚŽƐŶĆŽŝŶĚŝĐĂŵƋƵĞĂĐĂƐĂĚĂ ĚĂŶŽƐ ŵĂƚĞƌŝĂŝƐ͕ ƉŽŝƐ ĂƐ ĚĂ ĚĞ ϭϬ ĚĞ ũĂŶĞŝƌŽ ĚĞ ϮϬϬϳ͘ ŝŶƚĠƌƉƌĞƚĞƐĚĞĂĐŚĚŽƐĠĐƵůŽyy ŶĂƐ Ă ĞǀĞŶƚŽƐ Ğ ĂĂ ĞƐƉĂĕŽƐ ĐƵůƚƵĕĆŽ͕ ŽƐĞŵĨƵŶĕĆŽĚŽĂĐŝĚĞŶƚĞ͕ƐŽŵĂĚĂ ŵĞŶƚŽĚĂďĂƌƌĂŐĞŵ͕͟ĚĞĐůĂƌŽƵ ƌĂ͕ŶĞŵƋƵĞĂǀşƚŝŵĂƚĞŶŚĂƐŽĨƌŝWŽƌ ƚĞƌ ƐŝĚŽ ĐŽŶĚĞŶĂĚĂ ŝŶƚĠƌƉƌĞƚĞƐ ŶĂƐ Ă ĞǀĞŶƚŽƐ Ğ Ă ĞƐƉĂĕŽƐ ĐƵůƚƵĞƐĐŽůĂƌƐĆŽĂůŐƵŵĂƐĚĂƐĐŽŶƐĞƋƵŶƚĞƐ ĚĂ ĂƉƌĞƐĞŶƚĂĕĆŽ͕ ŽƐ ŝƚƵŝŐŽƐ͘ WŽƌ ŝƐƐŽ͕ ĚĞĐŝĚŝƵ ƌĞĚƵnjŝƌ Ž ĞŵƉƌĞĞŶĚŝŵĞŶƚŽ͕ĂƐƐƵŵŝŶĚŽĂ ĂƵƚŽƐŶĆŽŝŶĚŝĐĂŵƋƵĞĂĐĂƐĂĚĂ ĂƐ ƉĂƌƚĞƐ ǀĂůŽƌƉĂƌĂ ƌĞƐƉŽŶƐĂďŝůŝĚĂĚĞ ĂĚǀŝŶĚĂ ĚĞ ĨĂŵşůŝĂĨŽŝĂƚŝŶŐŝĚĂƉĞůĂůĂŵĂƋƵĞ ĞŶƚƌĂƌĂŵ Ğŵ ĂĐŽƌĚŽ ŶĞƐƐĞ ĚĞƐƉĞũĂĚĂ ƌĞƐƉŽŶƐĂďŝůŝĚ ĨĂŵşůŝĂĨŽŝĂƚŝŶŐŝĚĂƉĞůĂůĂŵĂƋƵĞ ĞŶƚƌĂƌĂŵ Ğŵ ĂĐŽƌĚŽ ŶĞƐƐĞ ƋƵĂŶƚŝĚĂĚĞ ĚĞƋƵĞ ĂƌŐŝůĂ ĚĞƐƉĞũĂĚĂ ƉĞůĂĐƌşƚŝĐĂŝŶƚĞƌŶĂĐŝŽŶĂů͘ ƌĂŝƐ͘ ŵ ϮϬϭϮ͕ ĞŶƚƌĞ ŽƵƚƌĂƐ ĂƚŝǀŝġŶĐŝĂƐƋƵĞũĄĨŽƌĂŵŽďƐĞƌǀĂĚĂƐ͘ ŐŽƐ ƐĞ ZĞƐƐĂůƚĂŶĚŽƋƵĞĂ>ĞŝĚĞWŽ ĚŽ ƋƵĂůƋƵĞƌ ĚĂŶŽ ƉƐşƋƵŝĐŽ Ğŵ ŝŶĚĞŶŝnjĂƌƉŽƌĚĂŶŽƐŵŽƌĂŝƐ͕ĂZŝŽ ăƐ ĨŽƌƚĞƐ ĐŚƵǀĂƐ ĐĂşƌĂŵ ŶĂ ƉĞůĂĐƌşƚŝĐĂŝ ƌĂŝƐ͘ ŵ ϮϬϭϮ͕ ĞŶƚƌĞ ŽƵƚƌĂƐ ĂƚŝǀŝġŶĐŝĂƐƋƵĞũĄĨŽƌĂŵŽďƐĞƌǀĂĚĂƐ͘ ƌĞƉƌĞƐĞŶƚĂŶƚĞƐ ĚŽƐ ĂďƌŝŐŽƐ ƐĞ Ž ĂƐ ǀĂůŽƌƉĂƌĂZΨϴŵŝů͘ ƌĞƐƉŽŶƐĂďŝůŝĚĂĚĞ ĂĚǀŝŶĚĂǀĂnjŽƵĚĂďĂƌƌĂŐĞŵĚĂŵŝŶĞƌĂĚŽĚĞƉŽƐƐşǀĞů ĨĂŵşůŝĂĨŽŝĂƚŝŶŐŝĚĂƉĞůĂůĂŵĂƋƵĞ ŶĞƐƐĞ ǀĂnjĂŵĞŶƚŽ ŽƵ ƌŽŵƉŝǀĂnjŽƵĚĂďĂƌƌĂŐĞŵĚĂŵŝŶĞƌĂĚŽƉŽŶƚŽ͕ĚƵƌĂŶƚĞŽƉƌŽĐĞƐƐŽ͘ Ğ DƵƌŝĂĠ ƉŽƐƐşǀĞůKƐ ǀĂnjĂĚ ƉŽŶƚŽ͕ĚƵƌĂŶƚĞŽƉƌŽĐĞƐƐŽ͘ ŶŽ ůĞŝƚŽ ĚŽƐ ƌŝŽƐ &ƵďĄ Ğ DƵƌŝĂĠ ĨƵŶĕĆŽĚŝƐƐŽ͘WŽƌĨŝŵ͕ƉĞĚŝƵƋƵĞ͕ ƚŝĐĂEĂĐŝŽŶĂůĚŽDĞŝŽŵďŝĞŶ WŽŵďĂĂƚĂŐƵĂƐĞƐĚĞĐŝĚŝƵƌĞĐŽƌƌĞŐŝĆŽŶĂĠƉŽĐĂ͕ƉƌŽǀŽĐŽƵŽĂůĂKƐ ĚĞƐĞŵďĂƌŐĂĚŽƌĞƐ &ĞƌƉŽƐƐşǀĞů ǀĂnjĂŵĞŶƚŽ ŽƵ ƌŽŵƉŝǀĂnjŽƵĚĂďĂƌƌĂŐĞŵĚĂŵŝŶĞƌĂĚŽƐŽ͘ ŶĂŶĚŽ Ă ŵĞŶƚŽĚĂďĂƌƌĂŐĞŵ͕͟ĚĞĐůĂƌŽƵ͘ ƌĂ͕ŶĞŵƋƵĞĂǀşƚŝŵĂƚĞŶŚĂƐŽĨƌŝWŽƌ ƚĞƌ ƐŝĚŽ ĐŽŶĚĞŶĂĚĂ Ă Ğ͕ƐŽŵĂĚĂ WŽƌ ƚĞƌ ƐŝĚŽ ĐŽŶĚĞŶĂĚĂ Ă ƌĂ͕ŶĞŵƋƵĞĂǀşƚŝŵĂƚĞŶŚĂƐŽĨƌŝ- ŵĞŶƚŽĚĂďĂƌ ĞŵĨƵŶĕĆŽĚŽĂĐŝĚĞŶƚĞ͕ƐŽŵĂĚĂ ŽƵƚŝŶŚŽ ZĞƐƐĂůƚĂŶĚŽƋƵĞĂ>ĞŝĚĞWŽůşĚŽ ƋƵĂůƋƵĞƌ ĚĂŶŽ ƉƐşƋƵŝĐŽ Ğŵ ŝŶĚĞŶŝnjĂƌƉŽƌĚĂŶŽƐŵŽƌĂŝƐ͕ĂZŝŽ ŶĂŶĚŽ ĂůĚĞŝƌĂ ƌĂŶƚ Ğ ZŽŐĠƌŝŽ ĐĂşƌĂŵ ŵĞŶƚŽĚĂďĂƌƌĂŐĞŵ͕͟ĚĞĐůĂƌŽƵ͘ ƌĂ͕ŶĞŵƋƵĞĂǀşƚŝŵĂƚĞŶŚĂƐŽĨƌŝĞŶĂĚĂŶĂ Ă ZĞƐƐĂůƚĂŶĚ ƋƵĂůƋƵĞƌ ĚĂŶŽDE ƉƐşƋƵŝĐŽ Ğŵ DO ESTADO ăƐ ĨŽƌƚĞƐ ĐŚƵǀĂƐ ƋƵĞ PREPARADA ĐĂşƌĂŵ ŶĂ ŝŶĚĞŶŝnjĂƌƉŽƌĚĂŶŽƐŵŽƌĂŝƐ͕ĂZŝŽ PÁGINA PELO CENTRO DE IMPRENSAĚŽ DO TRIBUNAL JUSTIÇA D ĐŽŵŽƌĞů ƚŝĐĂEĂĐŝŽŶĂůĚŽDĞŝŽŵďŝĞŶƚĞ ĨƵŶĕĆŽĚŝƐƐŽ͘WŽƌĨŝŵ͕ƉĞĚŝƵƋƵĞ͕ WŽŵďĂĂƚĂŐƵĂƐĞƐĚĞĐŝĚŝƵƌĞĐŽƌĐŽƵŽĂůĂŽƵƚŝŶŚŽ ǀŽƚĂƌĂŵ ĚĞ ĂĐŽƌĚŽ ZĞƐƐĂůƚĂŶĚŽƋƵĞĂ>ĞŝĚĞWŽůşĚŽ ƋƵĂůƋƵĞƌ ĚĂŶŽ ƉƐşƋƵŝĐŽ Ğŵ ƌĂŝƐ͕ĂZŝŽ ƌĞŐŝĆŽŶĂĠƉŽĐĂ͕ƉƌŽǀŽĐŽƵŽĂůĂ- WŽŵďĂĂƚĂŐƵĂƐĞƐĚĞĐŝĚŝƵƌĞĐŽƌ- ĨƵŶĕĆŽĚŝƐƐŽ͘WŽƌĨŝŵ͕ƉĞĚŝƵƋƵĞ͕ ƚŝĐĂEĂĐŝŽŶĂů ĐŽŵŽƌĞůĂƚŽƌ͘ ƚŝĐĂEĂĐŝŽŶĂůĚŽDĞŝŽŵďŝĞŶƚĞĂĚŽƚĂ ĨƵŶĕĆŽĚŝƐƐŽ͘WŽƌĨŝŵ͕ƉĞĚŝƵƋƵĞ͕ ƐĞĐŽŶĚĞŶĂĚĂ͕ŽǀĂůŽƌĚĂŝŶĚĞŶŝĚŝƵƌĞĐŽƌĂ ƌĞƐƉŽŶƐĂďŝůŝĚĂĚĞ ŽďũĞƚŝƌĞƌ͘ĨŝƌŵŽƵƋƵĞĂĐŝĚĂĚĞĚĞDƵƌŝĂĠ ŵşůŝĂĚĞ ĂĚŽƚĂ Ă ƌĞƐƉ ƌĞƌ͘ĨŝƌŵŽƵƋƵĞĂĐŝĚĂĚĞĚĞDƵƌŝĂĠ ƐĞĐŽŶĚĞŶĂĚĂ͕ŽǀĂůŽƌĚĂŝŶĚĞŶŝŵďĂ ŐĂŵĞŶƚŽĚĂĐŝĚĂĚĞ͘ĨĂŵşůŝĂĚĞ ǀĂ ĚŽ ĂŐĞŶƚĞ ƋƵĂŶƚŽ ĂŽƐ ĚĂŶŽƐ njĂĕĆŽĨŽƐƐĞƌĞĚƵnjŝĚŽ͘ ũĄ ƐŽĨƌŝĂ ĐŽŵ ĞŶĐŚĞŶƚĞƐ ŽĐŽƌƌŝĚĂƐ ƐĚŽZŝŽ A PREPARADA PELO CENTRO DE IMPRENSA DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE G ǀĂMINAS ĚŽ ĂŐĞŶƚĞ njĂĕĆŽĨŽƐƐĞƌĞĚƵnjŝĚŽ͘ ũĄ ƐŽĨƌŝĂPELO ĐŽŵ ĞŶĐŚĞŶƚĞƐ ŽĐŽƌƌŝĚĂƐ ĚĂ Ă >͘t͘>͘͘ƌĞƐŝĚŝĂăƐŵĂƌŐĞŶƐĚŽZŝŽ PÁGINA PREPARADA CENTRO DE IMPRENSA DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA D ĐĂƵƐĂĚŽƐĂŽŵĞŝŽĂŵďŝĞŶƚĞĞĂ ĂŶƚĞƐ ĚĂ ĐŚĞŐĂĚĂ ĚĂ ůĂŵĂ ƋƵĞ ĂƚŝŶŐŝĚĂ ĐĂƵƐĂĚŽƐĂŽ ĐŚĞŐĂĚĂ DO ĚĂ ůĂŵĂ ƋƵĞ DE MINAS GERAIS Ğ ƚĞǀĞ Ă ĐĂƐĂ ĂƚŝŶŐŝĚĂ ĂŶƚĞƐ ĂŶŽƐ RO DEDƵƌŝĂĠ IMPRENSA DO TRIBUNAL DE ĚĂ JUSTIÇA ESTADO ƚĞƌĐĞŝƌŽƐ͕ Ž ƌĞůĂƚŽƌ OBJETIĂǀĂůŝŽƵ ƋƵĞ RESPONSIBILIDADE OBJETI- RESPONSIBILIDADE ǀĂnjŽƵ ĚĂ ďĂƌƌĂŐĞŵ ĞŵƉƌĞƐĂ͕ǀĂnjŽƵ ĚĂ ŐƌĂŶĚĞƉĞůĂ ƚĞƌĐĞŝƌŽƐ͕ Ž ďĂƌƌĂŐĞŵ ĚĂ ĞŵƉƌĞƐĂ͕ ĞŶĐŚĞŶƚĞ Ğ ƉŽƌĚĂŐƌĂŶĚĞ ƵŵĂ ĞƌĂ ĐůĂƌŽ Ž ŶĞdžŽ ĚĞ ĐĂƵƐĂůŝĚĂĚĞ VA - K ĚĞƐĞŵďĂƌŐĂĚŽƌ ƌĞůĂƚŽƌ͕ ĐŽŶĨŽƌŵĞ ƌĞůĂƚŽ ĚŽ ŽƌƉŽ ĚĞ ƵƌĂŶƚĞ Ă Ž ZŝŽ ƋƵĂŶƚŝĚĂĚĞ ĚĞ ůĂŵĂ͕ ĚƵƌĂŶƚĞ Ă ĐŽŶĨŽƌŵĞ ƌĞůĂƚŽ ĚŽ ŽƌƉŽ ĚĞ VA - K ĚĞƐĞŵďĂƌŐĂĚŽƌ ƌĞůĂƚŽƌ͕ ĞƌĂ ĐůĂƌŽ Ž Ŷ ĞŶƚƌĞŽĂĐŝĚĞŶƚĞĞŽƐĚĂŶŽƐ͘ŽŶtĂŶĚĞƌůĞLJWĂŝǀĂ͕ĂŽĂŶĂůŝƐĂƌŽƐ ŽŵďĞŝƌŽƐ ĚĂŶĚŽ ĐŽŶƚĂ ĚĞ ƋƵĞŽŵďĞŝƌŽƐ ŵƉŽĚĞŵĂĚƌƵŐĂĚĂ͕ŶĆŽƚĞŶĚŽƚĞŵƉŽĚĞ ĞŶƚƌĞŽĂĐŝĚĞ ĚĂŶĚŽ ĐŽŶƚĂ ĚĞ ƋƵĞ tĂŶĚĞƌůĞLJWĂŝǀĂ͕ĂŽĂŶĂůŝƐĂƌŽƐ ĂƉŽƌ ƐŝĚĞƌŽƵ ŝŶĐŽŶƚƌŽǀĞƌƐŽ͕ ƚĂŵďĠŵ͕ ĂƵƚŽƐ͕ŽďƐĞƌǀŽƵƋƵĞĂĞŶĐŚĞŶŵĂŝƐ ĚĞ ĚĞnj ŵŝů ƉĞƐƐŽĂƐ ĨŝĐĂƌĂŵŵĂŝƐ ƐŝĚĞƌŽƵ ŝŶĐŽ ĚĞ ĚĞnj ŵŝů ƉĞƐƐŽĂƐ ĨŝĐĂƌĂŵ ĂƵƚŽƐ͕ŽďƐĞƌǀŽƵƋƵĞĂĞŶĐŚĞŶŽ ĚĞ ƐĂůǀĂƌƐĞƵƐƉĞƌƚĞŶĐĞƐ͘ ŽĚĂŶŽŵŽƌĂů͕ĚŝĂŶƚĞĚŽĨĂƚŽĚĞ>͘ ƚĞŽĐĂƐŝŽŶĂĚĂƉĞůĂƐĐŚƵǀĂƐŶĆŽ ĚĞƐĂďƌŝŐĂĚĂƐĞĚĞƐĂůŽũĂĚĂƐ͘ ŶƚƌĂƌ ŶĂ ƚĞŽĐĂƐŝŽŶĂĚĂƉĞůĂƐĐŚƵǀĂƐŶĆŽ ŽĚĂŶŽŵŽƌĂů  ĨĂŵşůŝĂ ĚĞĐŝĚŝƵ ĞŶƚƌĂƌ ŶĂ ĚĞƐĂďƌŝŐĂĚĂƐĞĚĞƐĂůŽũĂĚĂƐ͘ ĐŝƐĆŽ ƚĞƌƉĞƌĚŝĚŽŽůĂƌĚĞǀŝĚŽăĞŶĐŚĞŶĂĨĂƐƚĂǀĂ Ă ƌĞƐƉŽŶƐĂďŝůŝĚĂĚĞ ĚĂ ĞƌĂĚŽƌĂ͕ ĂĨĂƐƚĂǀĂ Ă ƌĞƐƉŽŶƐĂďŝůŝĚĂĚĞ ĚĂ ƚĞƌƉĞƌĚŝĚŽŽ ŵƐƵĂĚĞĨĞƐĂ͕ĂŵŝŶĞƌĂĚŽƌĂ ĐŽŶƚƌĂ Ă ŵŝŶĞƌĂĚŽƌĂ͕ ĞůĚŽ :ƵƐƚŝĕĂŵƐƵĂĚĞĨĞƐĂ͕ĂŵŝŶĞƌĂĚŽƌĂ ƚĞ͘ ƐƐŝŵ͕͞K ĂǀĂůŝŽƵ ƋƵĞ ĐĂďŝĂ ă ƐƐŝŵ͕ Ă ŵŝŶĞƌĂĚŽƌĂ͘ ͞K ĂĐŝĚĞŶƚĞ ĨŽŝ ĂĨŝƌŵŽƵ͕ĂŝŶĚĂ͕ƋƵĞŽƌŽŵƉŝŵĞŶƐĞŶĚĂŶŽƐƉĞĚŝŶĚŽ ŵŝŶĞƌĂĚŽƌĂ͘ ĂĐŝĚĞŶƚĞ ĨŽŝ ƚĞ͘ ƌĞƉĂƌĂĕĆŽ ƉŽƌ ĚĂŶŽƐ ĂĨŝƌŵŽƵ͕ĂŝŶĚĂ͕ƋƵĞŽƌŽŵƉŝŵĞŶŵŝŶĞƌĂĚŽƌĂŽĚĞǀĞƌĚĞŝŶĚĞŶŝnjĂƌ͘ ŽĐĂƐŝŽŶĂĚŽ ƉĞůĂ ĂƚŝƚƵĚĞ ŶĞŐůŝƚŽĚĂďĂƌƌĂŐĞŵŶĆŽĞƌĂĂĐĂƵƐĂ WƌŝŵĞŝƌĂ ĐĂĚĞ ŵŽƌĂŝƐ Ğ ŵĂƚĞƌŝĂŝƐ͘ ŵ WƌŝŵĞŝƌĂ ƚŽĚĂďĂƌƌĂŐĞŵŶĆŽĞƌĂĂĐĂƵƐĂ ŽĐĂƐŝŽŶĂĚŽ ƉĞůĂ ĂƚŝƚƵĚĞ ŶĞŐůŝ- ŵŝŶĞƌĂĚŽƌĂŽ YƵĂŶƚŽĂŽǀĂůŽƌĚĂŝŶĚĞŶŝnjĂĞŵƉƌĞƐĂ ĚŽƐ ĚĂŶŽƐ ƐŽĨƌŝĚŽƐ ƉŽƌ >͕͘ ƉŽŝƐĚŽƐŐĞŶƚĞ ŽŶĚĞŶĂ-/ŶƐƚąŶĐŝĂ͕ĂĞŵƉƌĞƐĂĨŽŝĐŽŶĚĞŶĂYƵĂŶƚŽĂ ĞŵƉƌĞƐĂ ĂƉĞůĂŶƚĞ͕ ĚĂŶŽƐ ĚĂ ƐŽĨƌŝĚŽƐ ƉŽƌ >͕͘ĂƉĞůĂŶƚĞ͕ ƉŽŝƐ ŐĞŶƚĞ ĚĂ Ž ƌĞůĂƚŽƌ ŵŝůŚƁĞƐ ŽďƐĞƌǀŽƵĚĞ ƋƵĞ ĕĆŽ͕ Ă Ž ƌĞůĂƚŽ ƋƵĞ ĂƌŵĂnjĞŶŽƵ ŵŝůŚƁĞƐ ĨŽƌĂŵ ĐŽŶƐĞƋƵġŶĐŝĂ ĕĆŽ ƋƵĞĕĆŽ͕ ĂƌŵĂnjĞŶŽƵ ĨŽƌĂŵ ĐŽŶƐĞƋƵġŶĐŝĂ ĚĂƐ ĚĞ Ă ƉĂŐĂƌ Ă >͘ ŝŶĚĞŶŝnjĂĕĆŽ ƉŽƌĚĂƐĞƐƚĞƐ ĐŽŵƉŽƌĚĂ ĞƐƚĞƐ ƋƵĂŶƚŝĂ ĨŝdžĂĚĂƉƌŽǀĞŶŝĞŶƚĞƐ Ğŵ WƌŝŵĞŝƌĂ /ŶƐůŝƚƌŽƐ ĚĞŝŶƵŶĚĂƌĂŵ ƌĞũĞŝƚŽƐ ƉƌŽǀĞŶŝĞŶƚĞƐ ĐŚƵǀĂƐ ƋƵĞ ŝŶƵŶĚĂƌĂŵ Ă ĐŝĚĂĚĞĐŚƵǀĂƐ ĞZΨϭϱĚĂŶŽƐŵŽƌĂŝƐŶŽǀĂůŽƌĚĞZΨϭϱ ƋƵĂŶƚŝĂ ĨŝdžĂĚ ĚĞ ƌĞũĞŝƚŽƐ ƋƵĞ Ă ĐŝĚĂĚĞ ůŝƚƌŽƐ ƵŶŝĐşƚąŶĐŝĂĞƐƚĂǀĂĂĐŝŵĂĚŽĞƐƚĂďĞůĞĚĞ ƐƵĂ ĂƚŝǀŝĚĂĚĞ ŝŶĚƵƐƚƌŝĂů͕ Ž ĂĕĆŽ ĚĞ ƐƵĂ ĂƚŝǀŝĚĂĚĞ ŝŶĚƵƐƚƌŝĂů͕ Ž ƚąŶĐŝĂĞƐƚĂǀĂ EĆŽ ŚŽƵǀĞ ĐŽŶĚĞŶĂĕĆŽ ĚĂ Ğ͕ĞŵĞƐƉĞĐŝĂů͕ĚĂƐĐŚĞŝĂƐĚŽZŝŽ ƌĞũĞŝ- ĚĂŵŝů͘Ğ͕ĞŵĞƐƉĞĐŝĂů͕ĚĂƐĐŚĞŝĂƐĚŽZŝŽ ƋƵĞ ĂƵŵĞŶƚŽƵ Ž ƌŝƐĐŽ ĚĞ ƐĞƵ &ƵďĄ͘ZĞƐƐĂůƚŽƵƚĂŵďĠŵƋƵĞŽƐ&ƵďĄ͘ZĞƐƐĂůƚŽƵƚĂŵďĠŵƋƵĞŽƐ ĨĞƌĞĂŽƐŵŝŶĞƌĂĚŽƌĂŶŽƋƵĞƐĞƌĞĨĞƌĞĂŽƐ ƋƵĞĐŝĚŽƉĞůŽd:D'ĞŵĐĂƐŽƐĂŶĄůŽĂƵŵĞŶƚŽƵ Ž ƌŝƐĐŽ ĚĞ ƐĞƵ ĐŝĚŽƉĞůŽd:D ƌƵŐĂŐŽƐ͘ WŽƌ ŝƐƐŽ͕ ĚĞĐŝĚŝƵ ƌĞĚƵnjŝƌ ŐŽƐ͘ Ž WŽƌ ŝƐƐŽ ĞŵƉƌĞĞŶĚŝŵĞŶƚŽ͕ĂƐƐƵŵŝŶĚŽĂ ĂƵƚŽƐŶĆŽŝŶĚŝĐĂŵƋƵĞĂĐĂƐĂĚĂ Ɛ ƉĂƌƚĞƐ Ϭϳ͘  ĚĂŶŽƐ ŵĂƚĞƌŝĂŝƐ͕ ƉŽŝƐ ĂƐ ƉĂƌƚĞƐ ĂƵƚŽƐŶĆŽŝŶĚŝĐĂŵƋƵĞĂĐĂƐĂĚĂ ĞŵƉƌĞĞŶĚŝŵĞŶƚŽ͕ĂƐƐƵŵŝŶĚŽĂ ǀĂůŽƌƉĂƌĂZΨϴŵŝů͘ ƌĞƐƉŽŶƐĂďŝůŝĚĂĚĞ ĂĚǀŝŶĚĂ ĚĞ ĨĂŵşůŝĂĨŽŝĂƚŝŶŐŝĚĂƉĞůĂůĂŵĂƋƵĞ  ŶĞƐƐĞĞŶƚƌĂƌĂŵ ƌĞƐƉŽŶƐĂďŝůŝĚĂĚĞ ĂĚǀŝŶĚĂ ĚĞ ǀĂůŽƌƉĂƌĂZΨ Ğŵ ĂĐŽƌĚŽ ŶĞƐƐĞ ĨĂŵşůŝĂĨŽŝĂƚŝŶŐŝĚĂƉĞůĂůĂŵĂƋƵĞ ĞũĂĚĂ ĚĞƐĞŵďĂƌŐĂĚŽƌĞƐ ƉŽƐƐşǀĞů ǀĂnjĂŵĞŶƚŽ ŽƵ ƌŽŵƉŝ-ƉŽƐƐşǀĞůKƐ ǀĂnjŽƵĚĂďĂƌƌĂŐĞŵĚĂŵŝŶĞƌĂĚŽ-ǀĂnjŽƵĚĂďĂƌƌĂŐĞŵĚĂŵŝŶĞƌĂĚŽǀĂnjĂŵĞŶƚŽ ŽƵ ƌŽŵƉŝ- &Ğƌ- KƐ ĚĞƐĞ Ž͘ ƉŽŶƚŽ͕ĚƵƌĂŶƚĞŽƉƌŽĐĞƐƐŽ͘ ƵƌŝĂĠ ŶĂŶĚŽ ĂůĚĞ ŶĂŶĚŽ ĂůĚĞŝƌĂ ƌĂŶƚ Ğ ZŽŐĠƌŝŽ ŵĞŶƚŽĚĂďĂƌƌĂŐĞŵ͕͟ĚĞĐůĂƌŽƵ͘ŵĞŶƚŽĚĂďĂƌƌĂŐĞŵ͕͟ĚĞĐůĂƌŽƵ͘ WŽƌ ƚĞƌ ƐŝĚŽ ĐŽŶĚĞŶĂĚĂ Ă ƌĂ͕ŶĞŵƋƵĞĂǀşƚŝŵĂƚĞŶŚĂƐŽĨƌŝŵĂĚĂ ŶĂĚĂ Ă ƌĂ͕ŶĞŵƋƵĞĂǀşƚŝŵĂƚĞŶŚĂƐŽĨƌŝŽƵƚŝŶŚŽ ǀŽ ZĞƐƐĂůƚĂŶĚŽƋƵĞĂ>ĞŝĚĞWŽůşĚĂŶŽ ƉƐşƋƵŝĐŽ Ğŵ ŵ ŶĂ ŝŶĚĞŶŝnjĂƌƉŽƌĚĂŶŽƐŵŽƌĂŝƐ͕ĂZŝŽ ŽƵƚŝŶŚŽ ǀŽƚĂƌĂŵ ĚĞ ĂĐŽƌĚŽ ZĞƐƐĂůƚĂŶĚŽƋƵĞĂ>ĞŝĚĞWŽůşĚŽ ƋƵĂůƋƵĞƌ ĚĂŶŽ ƉƐşƋƵŝĐŽ ĞŵĚŽ ƋƵĂůƋƵĞƌ ĂŝƐ͕ĂZŝŽ ĐŽŵŽƌĞůĂƚŽ ƚŝĐĂEĂĐŝŽŶĂůĚŽDĞŝŽŵďŝĞŶƚĞ ŽĂůĂĐŽŵŽƌĞůĂƚŽƌ͘ ƚŝĐĂEĂĐŝŽŶĂůĚŽDĞŝŽŵďŝĞŶƚĞ ĨƵŶĕĆŽĚŝƐƐŽ͘WŽƌĨŝŵ͕ƉĞĚŝƵƋƵĞ͕ĨƵŶĕĆŽĚŝƐƐŽ͘WŽƌĨŝŵ͕ƉĞĚŝƵƋƵĞ͕ ƵƌĞĐŽƌ-WŽŵďĂĂƚĂŐƵĂƐĞƐĚĞĐŝĚŝƵƌĞĐŽƌ-

por rompimento barragem de barragem é condenada porde rompimento

REPARADA PELO DO CENTRO DE IMPRENSA DO DO TRIBUNAL ESTADO DE MINAS GER O DE IMPRENSA TRIBUNAL DE JUSTIÇA ESTADODE DEJUSTIÇA MINAS DO GERAIS


22 O TEMPO - MG - ON LINE - 08.01.2013

Congonhas

Liberação de pesquisas será contestada na Justiça

Tombamento de serra se arrasta desde 2007 e afeta planos da CSN serra. Faremos tudo que for neces- curado para comentar a questão, sário nesse sentido”, diz o promo- mas não atendeu as ligações da reO Ministério Público de Mi- tor. portagem. O novo prefeito de Connas Gerais (MPMG) vai questiogonhas, Zelinho (PSDB), também nar na Justiça a lei, sancionada no O autor do projeto popular que não foi encontrado. último dia útil de 2012, que deli- tombou a serra em 2007, Neilo Aamitou a área tombada da Serra da rão, conta que o problema de legisCSN. A polêmica em torno do Casa de Pedra, em Congonhas, na lação aprovada é que o poder mu- tombamento da Serra afeta diretaregião Central do Estado. Segundo nicipal assume uma atribuição que mente as pretensões da CSN na reo promotor de Congonhas, Vinícius não é dele. “Quem pode autorizar gião. Em 2010, a empresa anunciou Alcântara Galvão, o MP ainda vai pesquisas é o governo federal, por um plano de investir R$ 12 bilhões estudar detalhadamente a questão meio do Departamento Nacional de na região até 2015 em projetos de para definir qual tipo de ação será Produção Mineral (DNPM). Não é mineração e siderurgia. O plano de tomada, mas o promotor adiantou um poder que cabe ao município”, expandir a capacidade produtiva de que não vai medir esforços para explica. minério de ferro para 50 milhões de retirar do projeto uma emenda que toneladas ao ano dependia da explolibera 15% da área tombada para O vereador Adivar Geraldo ração mineral da serra. pesquisas geológicas. Barbosa (PSDB), que é o novo preA empresa ainda não se posisidente da Câmara Municipal de cionou oficialmente sobre a questão “Isso é injustificável. Se a área Congonhas e autor da emenda que legal da serra e nem se vai manter o é tombada, não pode ter pesquisa. liberou uma parte da área tombada plano de investimentos apresentado Vamos questionar isso e defender a para pesquisas geológicas, foi pro- há três anos. PEDRO GROSSI

FOTO: ANTONIO MILENA/AGÊNCIA ESTADO

Ameaça. Imbróglio ambiental ameaça investimento bilionário da CSN em Congonhas


23 O GLOBO - RJ - P. 24 - 09.01.2013


24 O TEMPO - MG - P. 26 - 08.01.2013


25 O TEMPO - MG - P. 04 - 09.01.2013


26 CONT.... O TEMPO - MG - P. 04 - 09.01.2013


27 O TEMPO - MG - on line - 08.01.2013

Humanização e, não, judicialização da saúde

FREDERICO DAMATO Advogado Lei que resguarde o direito à saúde para a população é o que não falta, a começar pela Constituição, a principal lei do país. Ela, sozinha, já seria o suficiente, mas a saúde é tão importante que o legislador precaveu-se e criou outras várias: o Estatuto do Idoso, o Estatuto da Criança e do Adolescente, a Lei 8.080/90 e um arsenal de emaranhados legais que, não obstante, são ineficazes diante da inércia do Poder Executivo. Virou praxe efetivar o direito à saúde pelas vias legais. Mas, se a própria lei a garante, por que nossos governantes não a disponibilizam imediatamente, na forma mais ampla e irrestrita possível? Na prática, o que presenciamos na saúde pública é a falta de leitos, de médicos, de medicamentos e, até mesmo, de macas. Não deveria ser assim. Se somos reféns da própria sorte quando temos problemas de saúde mais corriqueiros, imagine nos casos pioneiros, de pessoas com quadros graves e que precisam recorrer a novos procedimentos. Pedro mora em Belo Horizonte e tem 8 anos. Lucas tem 10 anos e é de Brasília. Abdala é um aposentado de 63 anos que vive em Uberlândia, e Adley Gabriel, um bebê de 1 ano e meio que mora em São Paulo. Pessoas com idades diferentes, que moram distantes uma da outra, mas com vários pontos em comum: todos fazem uso de ventilador mecânico por serem pacientes com insuficiência respiratória crônica; todos precisam de um marca-passo diafragmático para respirar com qualidade e dignidade; e todos tiveram que brigar com o poder público na Justiça para fazer valer um direito garantido pela lei. Pedro e Adley já receberam o aparelho. Abdalla e Lucas ainda duelam no Judiciário. Enquanto o Executivo bate o pé para não fornecer o produto, os dois sobrevivem como podem com suas vidas limitadas. Os ventiladores mecânicos dependem de energia elétrica para funcionar, e eles precisam de internações constantes em decorrência de infecções e problemas respiratórios, entre outros transtornos. O marca-passo é importado e custa quase R$ 400 mil, valor que não está ao alcance de praticamente nenhuma família brasileira. O Brasil se tornou a sexta economia do mundo, mas ainda investe pouco em saúde. Vivemos a judicialização da saúde, quando deveríamos caminhar para a sua humanização. Ou talvez devêssemos humanizar o poder público e, assim, parar de tratar as pessoas como números. As cifras arrecadadas por nossos governantes devem ser revertidas a favor da população, oferecendo condições dignas de sobrevivência para os doentes e dando chance às famílias para prosperarem, porque ninguém faz planos de viver em função de um familiar, por mais querido que ele seja.


28 HOJE EM DIA - mg - 1ª p. e p. 03 - 09.01.2013

Tráfico expulsa as famílias para ocupar imóveis

Bandidos se impõem em conjuntos residenciais o sonho da casa propria vira pesadelo na capital


29 cont... HOJE EM DIA - mg - p. 03 - 09.01.2013

07 a 09 Jan 2013  

Clipping Geral e Espec. Eletrônico