Page 1

XIX

96

27/05/2011


01 HOJE EM DIA p. 3 - 27.05.2011


02 Veja - SP - conamp - 27.05.2011

Ministério Público acusa vereadores de enriquecimento ilícito Parlamentares são acusados de embolsar de forma irregular 12 milhões de reais O Ministério Público de Minas Gerais vai propor ação civil pública contra vereadores da Câmara Municipal de Belo Horizonte por ato de improbidade administrativa e acusação de enriquecimento ilícito no uso irregular da chamada verba indenizatória. As dez primeiras ações foram ajuizadas esta semana na Vara da Fazenda Pública Municipal da capital mineira. A investida do Ministério Público atinge os 41 vereadores eleitos em 2008. Entre eles, seis atuais deputados estaduais e um deputado federal, que disputaram as eleições de 2010. As ações estão sendo propostas com pedido de liminar para o bloqueio dos bens dos acusados no limite do montante do gasto identificado como irregular pelo Ministério Público. A estimativa da Promotoria de Defesa do Patrimônio Público é que o reembolso injustificável tenha gerado um prejuízo total de cerca de 10 milhões de reais a 12 milhões de reais entre janeiro de 2009 a janeiro de 2011. Os promotores apontam nas ações que os vereadores “enriqueceram ilicitamente à custa do erário, realizando gastos absolutamente inadequados e infringentes dos princípios constitucionais regentes da administração pública”. Não faltam exemplos de que a verba indenizatória foi “utilizada de maneira distorcida e abusiva”. O Ministério Público

afirma que identificou “inúmeras aberrações” nos gastos, como nas despesas com alimentação, que não podem ser incluídas na categoria de gastos indenizáveis, vinculados ao exercício do mandato parlamentar. Cada parlamentar tem direito a reembolso mensal de 15.000 reais, mediante comprovação das despesas com o mandato. No ano passado, o Ministério Púbico chegou a ajuizar uma ação civil pública solicitando a suspensão da verba indenizatória. Geralmente, os abusos foram verificados também nos gastos com combustíveis, reparação e locação de veículos, viagens, confecção de faixas, postagens, serviços gráficos e desenvolvimento de website particular. Os promotores concluíram que a verba indenizatória “vem convertendo-se em verdadeira remuneração indireta”, voltada à satisfação de anseios pessoais. “É um uso indevido para finalidades particulares e gastos sem justificativas adequadas”, observou o promotor João Medeiros. De acordo com ele, as outras ações serão ajuizadas no decorrer do próximo mês. A Câmara Municipal informou nesta quinta-feira que nenhum vereador havia sido notificado sobre as ações e por esse motivo o presidente da Casa, Léo Burguês (PSDB), não iria falar sobre o assunto. (Com Agência Estado)


03 HOJE EM DIA - 1ª p. e p. 3 - 27.05.2011


04 cont... hoje em dia - P. 3 - 27.05.2011


05 o tempo - p. 6 - 27.05.2011

Denúncia.HAP é acusada de construir casas populares superfaturadas

Empresa investigada teve vários contratos com a PBH Convênios sem licitação foram assinados durante gestão de Pimentel

ALINE LABBATE A empresa HAP Engenharia, investigada pelo Ministério Público Estadual (MPE) por irregularidades em contratos com a Prefeitura de Belo Horizonte na gestão de Fernando Pimentel (PT), possui um extenso portfólio de serviços prestados ao município entre 2002 e 2006 sem a participação em licitações. São contratos emergenciais - que dispensam a concorrência pública - para limpeza e varrição de ruas nas regiões Norte, Pampulha e Venda Nova. Entre 2004 e 2006, foram cinco contratos com duração de seis meses cada. O último deles, firmado em fevereiro de 2006, custou aos cofres do município R$ 4,3 milhões. Além dos serviços de limpeza urbana, a empresa já foi responsável por várias obras na cidade sem participar de licitação. Entre elas, estão a drenagem da avenida Vilarinho, em novembro de 2002, e reformas em escolas municipais em 2005 e 2006. A HAP Engenharia pertence ao engenheiro Roberto Giannetti Nelson de Senna, amigo pessoal do ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Fernando Pimentel. A empresa foi uma das maiores doadoras para a campanha de Pimentel à prefeitura da capital, em 2004, injetando R$ 220 mil na disputa.

Já Roberto Senna doou R$ 15 mil. Segundo denúncia do MP, ocorreu desvio de dinheiro público de um contrato entre a prefeitura e a HAP para a construção do Conjunto Habitacional Vale do Jatobá, em 1999, quando Pimentel era secretário de Finanças do município. Ainda de acordo com a denúncia, a obra foi feita sem licitação e o contrato sofreu aditivos, que elevaram o valor dos R$ 12,7 milhões iniciais para R$ 26,7 milhões. Além disso, foram entregues apenas 678 das 1.500 unidades habitacionais previstas no contrato. Na última terça-feira, o Tribunal de Justiça acatou a Ação Civil Pública movida pelo MPE contra o ex-prefeito, o dono da empresa e outras oito pessoas por desvio de recursos públicos, superfaturamento, violação do princípio da

publicidade e financiamento de campanha com recursos públicos. Outra denúncia, esta do ex-vereador Antônio Pinheiro (PSDB), aponta irregularidades nas obras do programa Vila Viva no aglomerado do Morro das Pedras, em 2005. O contrato, no valor de R$ 30 milhões, previa a construção de 736 apartamentos. Posteriormente, o valor foi reajustado para R$ 120 milhões. Mas, segundo o ex-vereador, só foram entregues 320 unidades. “O que eu percebo é que os recursos são distribuídos entre os amigos que mais tenham contribuído com a campanha”, denuncia.

União e governo de Minas também contrataram

A HAP Engenharia também fatura com obras

na capital mineira bancadas pelos governos estadual e federal. Em 2006, a empresa foi a vencedora da licitação para a reforma do prédio do antigo Cardiominas, onde foi instalado o Centro de Especialidades Médicas de Minas Gerais. Foram R$ 4 milhões da prefeitura da capital (gestão de Fernando Pimentel), R$ 15 milhões do governo federal e R$ 62 milhões do Estado. Já no ano passado, a HAP venceu a concorrência para a reforma e a modernização do estádio do Mineirão juntamente com outras duas empresas, que formaram o consórcio Minas Arena.O financiamento das duas primeiras etapas da obra está sendo bancado pelo governo de Minas, somando R$ 11,2 milhões. (AL)


06 ESTADO DE MINAS - P. 26 27.05.2011 Pedro Ferreira

Contra pichação, mais lei

Legislação federal proíbe venda de spray a menor de 18 anos, passa a exigir nota fiscal e tira grafite da esfera criminal. Mas eficácia é questionada

Se depender de legislação, a guerra contra a pichação ganhou ontem um reforço, com a publicação, no Diário Oficial da União, da lei que proíbe a venda de tinta spray para menores de 18 anos, estabelece princípios para comercialização a adultos e diferencia pichação de grafitagem, que foi descriminalizada. Agora, o spray só poderá ser vendido para maiores de idade, mediante apresentação de documento de identidade e com nota fiscal emitida em nome do comprador. Como já existiam três leis municipais que pouco conseguiram coibir a ação dos pichadores, em Belo Horizonte a medida é vista com ceticismo pela polícia e por segmentos do poder público. O comeriante que infringir a lei será multado e suas atividades serão suspensas parcial ou totalmente. Ainda de acordo com as novas normas, as latas de tinta terão de trazer as expressões “Pichação é crime” e “Proibida a venda para menores de 18 anos”. Fabricantes, importadores ou distribuidores desses produtos têm prazo de 180 dias, depois da regulamentação da lei, para alterar as embalagens. A grafitagem não será considerada crime se for “realizada com o objetivo de valorizar o patrimônio público e privado mediante manifestação artística, com consentimento de seus proprietários”. Pela lei atual, tanto pichar quanto grafitar é crime, com pena de detenção de três meses a um ano. Segundo a delegada Cristiane Moreira, da Divisão de Proteção ao Meio Ambiente de Belo Horizonte, uma nova forma de expressão tem chamado a atenção da polícia e do poder público, o chamado “grapicho”, que é uma mistura de grafite com pichação. “O grafite é um desenho com manifestação artística. No grapicho, os jovens pintam seus apelidos, chamados de tags, em vez de pichá-los. Eles desenham seus nomes com letras diferentes e coloridas, o que diferencia da pichação. A gente não sabe se isso é ou não grafite e fica agora esse questionamento à nova lei ”, observou a policial. Segundo

ela, em Belo Horizonte a maioria das pichações e grafites é feita sem autorização do dono do imóvel e o grande alvo tem sido o patrimônio público. DÚVIDAS O promotor de Justiça de Defesa do Meio Ambiente, Habitação e Urbanismo, Cristóvam Fernandes, acredita que a medida federal vai ajudar a combater o problema das pichações, mas não vai resolver a questão. “O adulto pode comprar a tinta para o menor, mas lógico que a lei vai dificultar”, prevê o representante do Ministério Público, que participa de audiências com pichadores no Juizado Especial Criminal. A Polícia Civil tem catalogados 50 pichadores em Belo Horizonte, com idades entre 14 e 37 anos. Há dois anos, a corporação, prefeitura, Guarda Municipal e Ministério Público têm intensificado as operações para prendê-los. Normalmente, eles são obrigados a reparar danos ou condenados de três meses a um ano de detenção, conforme estabelece o artigo 65 da Lei de Crime Ambiental – pena que, geralmente, é convertida em prestação de serviços gratuitos à comunidade, ou multa. Mas, nos últimos anos, a punição tem sido mais severa. Em agosto, cinco pichadores, considerados os mais atuantes de BH – e que haviam deixado suas marcas no pirulito da Praça Sete, nas praças da Bandeira, do Papa, no prédio da Imprensa Oficial, em vários viadutos e até no Detran-MG –, foram presos numa dessas operações. “Ficaram presos preventivamente por quatro meses. Um foi preso depois e solto semana passada”, disse o promotor. Se condenados por formação de quadrilha, como no indiciamento, a pena pode chegar a três anos de prisão. Em junho de 2009, nove foram detidos na Operação BH Mais Limpa 1. Em julho do ano passado, a Operação BH Mais Limpa 2 cumpriu mandados de busca e apreensão na casa de 12 – seis adultos e seis adolescentes, com idades entre 16 e 30 anos. Várias latas de tinta, sprays e rolos de pintura foram apreendidos.


07 DIÁRIO DO AÇO – ON LINE – 27.05.2011-05-27

Ordenamento urbano a caminho

Representante do MP avalia que discussão do Plano Diretor ganhou o debate público

IPATINGA – Uma palestra realizada na noite desta quintafeira, no auditório da refeitura com o tema “Áreas de preservação e demais aspectos da questão ambiental”, daria sequência aos trabalhos da revisão e atualização do Plano Diretor (PD) e criação da Legislação Complementar (LC) em Ipatinga. Na próxima semana, o tema será “Segurança Pública”. As discussões atuais refletem uma ação iniciada ainda em 2008, quando o Ministério Público, alegando irregularidades praticadas por uma entidade contratada pelo governo do ex-prefeito Sebastião Quintão (PMDB), ingressou na Justiça com uma Ação Civil Pública (ACP), suspendendo os trabalhos. O titular da Promotoria de Justiça de Defesa da Ordem Urbanística, Walter Freitas de Moraes Júnior, integra um grupo do Ministério Público Estadual que faz o acompanhamento das discussões. Para o promotor, este é um processo elaborado com muita propriedade, envolvendo estudos de grande complexidade, e que deverão gerar em curto prazo instrumentos atualizados para a gestão da ocupação urbana de Ipatinga. O grupo do MP, que acompanha a revisão do Plano Diretor e elaboração das Leis Complementares, é composto por cinco promotores de justiça, designados pelo Procurador de Justiça de Minas Gerais, entre os quais dois especialistas de Belo Horizonte e três de Ipatinga. Os estudos sobre a área urbana de Ipatinga foram apresentados, recentemente, pela equipe técnica da Fundação Gorceix, ligada à Universidade Federal de Ouro Preto. As audiências têm participação de centenas de pessoas, inclusive representantes do setor econômico diretamente interessado na discussão, ligado à construção civil. O representante do MP avalia como inevitável que o processo desagrade a algumas das partes, pois o que está em discussão é o direito coletivo, com a ordem urbanista justa e adequada. Segundo ele, a insatisfação surgiu por causa de critérios mais rigorosos para a liberação de projetos de construção civil, especialmente as obras de prédios com mais de três pavimentos. Organização

No entendimento do promotor Walter Freitas, foi justamente a falta de um ordenamento para o uso e ocupação do solo em Ipatinga que propiciou o caos urbanístico, com as construções inadequadas, sem ventilação, sem incidência de irradiação solar, gerando situações de habitações insalubres ou mesmo sem reserva mínima de privacidade entre as unidades habitacionais. “Chegamos a uma situação de muita gravidade. A cidade caminhava para uma piora da qualidade de vida dos seus cidadãos com o adensamento desordenado de prédios. Agora, não. Ipatinga tem a oportunidade de buscar instrumentos que permitem a ela se programar a médio e longo prazo de forma muito mais dequada do que seria”, afirma.

Já em relação à correção do que foi construído sem observância das necessidades mínimas, o representante do MP afirma ser este outro trabalho da Promotoria de Justiça de Defesa da Ordem Urbanística, que faz o acompanhamento das situações irregulares que se verifica na cidade. “Inclusive o ajustamento de conduta firmado ano passado com o município estabelece parâmetros urbanístico mínimos visando justamente evitar a perpetuação do dano concreto que já era verificado”, explicou. Prazos

Em relação ao cronograma previsto no TAC firmado entre o MP e o município de Ipatinga, o promotor Walter Freitas informou que o mais recente relatório encaminhado pela administração municipal dá conta do término dos trabalhos no fim do mês de outubro. Entretanto, a própria promotoria tem conversado com os vereadores para que os ajustes no diagnóstico da cidade não atrasem a tramitação, discussão e votação das Leis Complementares. Ao fim da revisão do Plano Diretor haverá o encaminhamento das propostas de leis que após votadas e sancionadas vão estabelecer novas condutas no município. São ao todo cinco leis complementares: Uso e Ocupação do Solo, Código de Obras ou Edificações, Código de Posturas ou de Polícia Administrativa, Código de Meio Ambiente, Código Sanitário e Código Tributário. Compreensão

Ainda segundo o promotor Walter Freitas, apesar da resistência de alguns setores econômicos acerca da revisão do Plano Diretor de Ipatinga e das restrições na liberação de novas construções previstas no TAC, a importância do assunto hoje é compreendido pela maior parte da população. Segundo o promotor foi um processo lento, mas que conseguiu alcançar os formadores de opinião e a população. Questionado sobre irregularidades ocorridas após a assinatura do TAC, quando as liberações para novas construções passaram a depender de critérios mais restritivos, como a limitação da área a ser ocupada pelas construções, o promotor limitou-se a dizer que o MP já tem conhecimento do assunto e avalia a situação. Alex Ferreira

Na opinião do promotor de Justiça Walter Freitas, Ipatinga ganhará instrumentos eficientes de gestão urbana


08 o tempo - P. 8 - 27.05.2011

Ipsemg.Relator volta a julgar a matéria nos próximos dez dias

TCE suspende autorização de aluguel mais uma vez Contrato prevê que rede de hotéis Fasano pague só R$ 13,3 mil mensais

ANA FLÁVIA GUSSEN Menos de 24 horas depois de o Tribunal de Contas do Estado (TCE) considerar legal o contrato de concessão de uso do prédio do Instituto de Servidores Públicos de Minas (Ipsemg), um pedido de embargo suspendeu, mais uma vez, o processo licitatório. O recurso, que será julgado pelo relator da ação, conselheiro Wanderley Ávila, implica suspensão imediata do processo de licitação, que premite que o consórcio formado pelo Grupo Fasano e pela incorporadora JHSFpoderá alugar o imóvel por R$ 13,33 mil mensais ou comprá-lo por R$ 22,5 milhões. Segundo o presidente do TCE, Antônio Carlos Andrada, “a parte que fez a denúncia (bloco de oposição da Assembleia Legislativa) apresentou o recurso com diversos

embargos. Segundo o regimento interno, cabe ao relator julgar a matéria”. O relator não se pronunciou sobre o caso alegando não ter recebido a matéria. Segundo o regimento interno da Corte, Ávila tem dez dias para se manifestar após recebimento do recurso. O deputado estadual e líder da minoria, Antônio Júlio (PMDB), fundamenta o recurso no artigo 342 do regimento do TCE, que prevê o instrumento como medida de correção de “obscuridade, omissão ou contradição em acórdãos proferidos pelo tribunal”. Procurada pela reportagem, a assessoria de imprensa do Ipsemg informou que a instituição está tranquila quanto à lisura do processo.

Jornal da Manhã - MG - conamp - 27.06.2011

Dilatação de prazo para queijeiros ainda não chegou ao MP

Após a notícia de que os produtores de queijo Minas terão cerca de dois anos para regularizar a produção da iguaria no Estado, o promotor de Defesa do Consumidor de Uberaba, Carlos Alberto Valera, afirmou que está aguardando o comunicado oficial da Procuradoria Geral de Justiça de Minas Gerais, informando sobre o novo prazo que os produtores terão para regularizar a situação e quais as diretrizes que deverão ser adotadas pelo Ministério Público. O promotor acrescenta ainda que houve apenas um contato do deputado estadual Antônio Lerin (PSB), informando do teor da reunião. Por este motivo, Valera esclarece a todos o tempo - P. 26 - 27.05.2011

os produtores de queijo que a promotoria seguirá o cronograma acertado com as lideranças locais e estaduais, que determina como sendo o prazo de 1º de junho a entrega do cadastro para que os produtores sejam chamados um a um a assinar o Termo de Ajustamento de Conduta (TAC). A ação iniciada em Uberaba repercutiu em todo o Estado e agora está sendo traçada uma estratégia para regularizar mais de 40 mil produtores. Por este motivo, Valera aguarda ser convocado pela Procuradoria de Justiça para a reunião com 20 promotores, juntamente com o Procon, para apresentar a solução que visa a atender ao segmento. ESTADO DE minas - p. 4 - 27.05.2011 GiroMinas

Boa Esperança

Ex-prefeita condenada O Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) condenou a ex-prefeita de Boa Esperança, no Sul de Minas, Dulce Naves, por improbidade administrativa. A ex-prefeita deverá pagar multa igual a três vezes o valor atualizado da remuneração que ela recebia em 2002, quando aprovou, por meio de um decreto, o projeto do loteamento de uma área de preservação ambiental. De acordo com relator da decisão, desembargador Alberto Vilas Boas, a ex-prefeita estava ciente de toda a irregularidade que norteou o projeto do loteamento por ela aprovado, “especificamente no que se refere à supressão parcial de área de preservação permanente”. A ex-prefeita havia sido absolvida pela primeira instância, mas o Ministério Público recorreu da decisão e teve ganho de causa no TJMG.


09 DIÁRIO DO COMÉRCIO - P. 10 - 27.05.2011


10 hoje em dia - P. 3 - 27.05.2011


11 HOJE EM DIA p. 19 - 27.05.2011

o tempo - P. 12 - 27.05.2011

Aeroporto

Consórcio recorre e atrasa obras de Confins

QUEILA ARIADNE O consórcio RCI, que foi desqualificado para participara da licitação das obras no Aeroporto Internacional Tancredo Neves (Confins), entrou ontem com recurso. Pelas previsões iniciais, o anúncio do vencedor da licitação poderia ser anunciado no dia 31 de maio, caso não houvesse questionamentos. Como a Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero) tem cinco dias úteis para avaliar o recurso, agora o início das obras vai atrasar mais um pouco. Formado pelas construtora RV, Convap Engenharia e IC Supply Engenharia, o consórcio foi descredenciado porque não comprovou que as empresas possuem capital social individual proporcional à participação no grupo. A Infraero lembra que, após a abertura dos envelopes e o anúncio da empresa com melhor preço, o resultado será publicado no Diário Ofi-

cial da União e os demais concorrentes terão mais cinco dias úteis para recorrer. O órgão ressalta ainda que, se realmente não houver nenhum questionamento, todo o processo de homologação da proposta será finalizado em julho. Após a assinatura do contrato e emissão da ordem de serviço, o prazo estimado para as obras é de aproximadamente 28 meses. Os habilitados 1- Consórcio SHFC Confins 2- Consórcio Marquise e Normatel 3- Consórcio Sanches Tripoloni/Fidens/Benito Roggio e Hijos 4- Consórcio Santa Bárbara/MPE/Via Engenharia 5- Consórcio Barbosa Melo/Tecnolsolo/EPC 6- EIT Construções S/A 7- Construções e Comércio Camargo Corrêa S/A


12 o tempo - P. 10 - 27.05.2011

Consignado

BB perde exclusividade e vai recorrer à Justiça O presidente do Banco do Brasil, Aldemir Bendine, afirmou ontem, em Belo Horizonte, que a instituição vai recorrer à Justiça para manter a exclusividade bancária do empréstimo consignado para funcionários públicos em contratos celebrados antes da Circular 3.522, de 12 janeiro de 2011, do Banco Central. “Tivemos custo com os contratos”, argumentou Bendine. Questionado se as últimas derrotas na Justiça não levariam a instituição a anular a cláusula, Bendine destacou que foram decisões provisórias, como liminares, e que o BB não retrocederá espontaneamente. Na quarta-feira última, por 27 votos a 1, o Tribunal de Justiça da Bahia suspendeu a exclusividade para funcionários do Estado. Ontem, o Tribunal de Justiça do Espírito Santo (TJES) julgava um mandado similar, cujo resultado não tinha foi divulgado até o fechamento desta edição. o tempo - P. 28 - 27.06.2011

Cosméticos.Ministério Público Federal instaura inquérito para apurar uso de substâncias proibidas

Substâncias cancerígenas põem esmaltes na berlinda DA REDAÇÃO O Ministério Público Federal (MPF), em Belo Horizonte, instaurou inquérito civil público para investigar denúncia sobre a presença de substâncias cancerígenas em esmaltes de cor branca comercializados no Brasil. Segundo a Associação de Consumidores ProTeste, os esmaltes contêm as substâncias toluene e furfural, bem como dibutyl phtalat e 2-Nitroluene, em níveis acima dos limites de tolerância admitidos na Comunidade Europeia. O dibutyl phtalate já foi banido de cosméticos, inclusive esmaltes, em toda a Europa. As outras substâncias são comprovadamente cancerígenas. O problema, segundo a ProTeste, é que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) não estipulou limites para uso do toluene e furfural e sequer menciona as demais substâncias na resolução nº 79/2000, que lista os ingredientes proibidos e os que devem ter suas quantidades limitadas. De acordo com o MPF, a legislação brasileira, em especial o Código

de Defesa do Consumidor, estabelece que os produtos colocados à venda no mercado não poderão trazer riscos à saúde ou à segurança dos consumidores. Segundo a ProTeste, os únicos produtos brasileiros que poderiam ser comercializados nos países europeus são os da Colorama e os hipoalergênicos da Risqué. Os produtos da Impala (inclusive os da linha hipoalergênica) contêm dibutylphtalat e toluene em concentrações muito altas e os produtos tradicionais da Risqué apresentam nitrotoluene e toluene em grandes quantidades. Em nota, a Risqué informou que cumpre rigorosamente as legislações vigentes e que as substâncias usadas em seus produtos estão dentro dos padrões da Anvisa. Segundo o Laboratório Avamiller de Cosméticos, responsável pela Impala, todos os esmaltes da marca, inclusive os hipoalergênicos, seguem as leis nacionais. O MPF requisitou informações à Anvisa para saber se o órgão tem conhecimento dos fatos apontados pela ProTeste. (Com agência)


13 HOJE EM DIA 1ª p. - 27.05.2011


14 HOJE EM DIA p. 17 - 27.05.2011


15 cont... HOJE EM DIA p. 17 - 27.05.2011


16 cont... HOJE EM DIA p. 17 - 27.05.2011

Perícia sucateada e salários defasados

O TEMPO - p. 24 - 27.05.2011

Vigilância.

Contagem instala 30 câmeras para barrar a criminalidade


17 O TEMPO - p. 24 - 27.05.2011

estado de minas - 22 - 27.05.2011

JÚRI POPULAR PARA ATROPELADOR

Por decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ), um homem com sintomas de embriaguez, acusado de atropelar e matar um adolescente, em fevereiro de 2005, em Guapé, no Sul de Minas, vai a júri popular. O recurso foi interposto pelo Ministério Público Estadual (MPE) e, de acordo com o processo, Getúlio Alves Goulart Silva, de 14 anos, morreu depois de ser atingido pelo carro, conduzido pelo réu. Segundo boletim de ocorrência da Polícia Militar, o motorista teria ingerido bebida alcoólica, assumiu a direção de um Palio e estava em alta velocidade no momento do acidente. O MPE informa também que exame de corpo de delito, feito na Santa Casa da cidade, confirmou o estado de embriaguez do condutor, que foi denunciado ainda por homicídio e omissão de socorro.


18 O TEMPO - p. 29 - 27.05.2011

Agressivo

Palestra de policial em escola acaba em tumulto

Uma palestra educativa sobre drogas ministrada por um delegado na Escola Estadual Deputado Renato Azeredo acabou em confusão na saída da aula, na tarde de ontem, no bairro Morro Alto, em Vespasiano, na região metropolitana de Belo Horizonte. Três viaturas foram depredadas na porta da escola e um jovem de 25 anos foi preso. Ninguém ficou ferido. De acordo com a diretora da escola, Claúdia Adelma, o delegado teria sido agressivo com os alunos que insistiam em conversar e não estavam prestando atenção na palestra. Um aluno de 15 anos teria gravado o discurso com o celular e ameaçado divulgar as imagens na internet. O policial acabou detendo o aluno e pediu para chamar os pais dele na

instituição de ensino. Do lado de fora da escola, alunos revoltados com a atitude do delegado depredaram duas viaturas da polícia. Militares foram acionados para ajudar a controlar a confusão e usaram spray de pimenta para dispersar os envolvidos no tumulto. O irmão de um aluno, Thiago da Silva, 25, foi preso. Ele também era procurado pela polícia por tráfico de drogas. Em nota, a Polícia Civil informou que a Corregedoria Geral da instituição está acompanhando a apuração das circunstâncias que motivaram o tumulto registrado na porta da escola. (JA)

Globo Online - RJ - conamp - 27.05.0211

Vítima de bullying pagou R$ 1 mil para não ser agredida em escola do Mato Grosso do Sul

CAMPO GRANDE O Ministério Público do Mato Grosso do Sul já recebeu o inquérito policial que investigou um caso de bullying numa escola pública de Campo Grande. A vítima, um estudante de 13 anos, levou meses para criar coragem e denunciar o abuso de um colega. Calcula-se que ele tenha pago mais de R$ 1.000,00 para não ser agredido e ameaçado. A vítima decidiu gravar as ligações telefônicas que recebia do agressor, um adolescente da mesma idade, para denunciá-lo. A polícia começou investigar o caso após a denúncia da família. Agressor: “Você falou pra um cara aí que eu estava indo pedir dois real pra você todo dia, aí. Vou te arrebentar, bicho. Quanto que dá pra você me arrumar?” Vítima: “Quarentão” Agressor: “Então beleza” Os parentes da vítima procuraram a Delegacia Especializada no Atendimento da Infância e Juventude (Deaij). Lá, o estudante contou que sofria ameaças há um ano. No início, para não apanhar, ele disse que fazia as tarefas escolares do agressor, depois comprava lanches na escola e por fim começou a dar dinheiro. Ele já teria “ Ele se justificou dizendo que outros adolescentes agiam da mesma forma e que ele só pegava o dinheiro emprestado “ Depois de ouvir as gravações telefônicas, a polícia começou a monitorar a vítima que marcou um encontro com agressor para en-

tregar o dinheiro no terminal de ônibus Guaicurus, um dos mais movimentados da cidade. Disfarçados de passageiros os investigadores ficaram de campana. Quando o agressor pegou o dinheiro, os policiais apreenderam o adolescente pelo crime de extorsão. - Ele se justificou dizendo que outros adolescentes agiam da mesma forma e que ele só pegava o dinheiro emprestado. Ele não se mostrou nem pouco ameaçador para nós. Quando ele viu os policiais e foi realizada a abordagem, ele se urinou. Ele não acreditava que seria reprimido - disse a delegada que investigou o caso, Aline Sinnott Lopes. O adolescente confessou o crime e foi liberado em seguida. O inquérito já foi encerrado e o relatório final enviado para o Ministério Público Estadual (MPE), que deve levar o caso para o juiz da Vara da Infância e Juventude que vai decidir de que forma o adolescente será punido. A delegada que investigou o caso diz que situações assim são comuns nas escolas públicas e privadas do estado. Dados da polícia civil mostram que do começo do ano até agora foram registradas 258 ocorrências de lesão corporal e ameaças nas instituições de ensino da capital. - As vítimas são mais retraídas, têm muito medo. Elas não comunicam às autoridades e até mesmo a família para que providências sejam tomadas - diz a delegada.


19 HOJE EM DIA p. 18 - 27.05.2011


20 HOJE EM DIA - 1 ª p. e p. 19 - minas - 27.05.2011

Secretário de Estado da Defesa é alvo de mandado de prisão

Justiça manda secretário devolver carro de traficante

Land Cruiser blindada, pertencente a Roni Peixoto, era usada para transportar Lafayette Andrada


21 cont... HOJE EM DIA - p. 19 - minas - 27.05.2011


22 O ESTADO DE SP - p. a10 - 27.05.2011


23 o tempo - P. 28 - 27.06.2011

Tráfico.Até o último dia 15, 17 pessoas foram mortas na cidade contra 14 no ano passado

Em cinco meses, Passos tem mais crimes que em 2010 Jovens entre 13 e 17 anos aparecem como principais autores e vítimas

GABRIELA SALES A população de Passos, no Sul de Minas, está aterrorizada com a onda de violência que toma conta da cidade. Nos cinco primeiros meses deste ano, o número de homicídios já superou todas as ocorrências de assassinatos do ano passado. Foram 17 mortes violentas entre janeiro e o último dia 15 de maio, contra as 14 registradas nos 12 meses de 2010. Hoje, uma reunião entre o comando da Polícia Militar da cidade e integrantes de uma comissão formada por representantes da comunidade, Ministério Público e Judiciário irá tratar do assunto. A polícia associa o aumento da violência ao uso e tráfico de drogas. Jovens entre 13 e 17 anos, alguns reincidentes em ocorrências policiais, aparecem como os principais protagonistas tanto como vítimas quanto autores das execuções, segundo o comandante do 12° Batalhão da Polícia Militar de Passos, major Izaldo José Teixeira. “A cada dia, o número de apreensões de drogas e armas está ficando mais alto. O que nos assusta é que esse tipo de ocorrência tem sido cada vez mais comum”. Mesmo sem revelar números, o comandante da PM informou que a apreensão de armas cresceu muito no município. Grande parte das armas é de grosso calibre, disse ele. Os rapazes aparecem como os principais envolvidos nos crimes. O último deles revelou a ousadia de quem comanda o tráfico de drogas na cidade. Depois de sobreviver a uma emboscada armada por traficantes, um rapaz de 18 anos, atingido com três tiros, foi novamente alvo de uma tentativa de assassinato, quando já estava internado na Santa Casa de Misericórdia da cidade. Homens armados invadiram o hospital e fugiram depois de balearem novamente o jovem. Até ontem à noite, o rapaz estava internado em estado grave. Nenhum dos suspeitos foi preso. Internação. Segundo o major Izaldo, a falta de um centro de internação provisória para menores encoraja os adolescentes infratores na prática de crimes ainda mais graves. “Quando são apreendidos, eles já sabem que passarão

apenas 45 dias detidos na cadeia pública”. O vereador Edmilson Amparado (PMDB), que integra a comissão de combate à violência, defendeu a criação de um centro de internação. “Precisamos dessas vagas”. Minientrevista “A família não pode abandonar o dependente químico” Major Izaldo Teixeira Comandante da PM A que o senhor atribui o alto número de homicídios registrados na cidade? O consumo de crack entre os jovens contribuiu bastante para o aumento da criminalidade. Além do consumo, a disputa por bocas de fumo também tem favorecido o aumento na violência. O senhor acredita que esteja havendo uma migração do crime? Sim. Algumas ocorrências que hoje são atendidas pela corporação não faziam parte da nossa realidade. Acredito que esses jovens possam estar sendo abastecidos de armas e drogas de criminosos vindos principalmente do interior de São Paulo. O que pode ser feito? É preciso um trabalho em conjunto do poder público, mas principalmente da família que não pode abandonar os dependentes químicos, pois eles serão mortos pelo tráfico. (GS)

Para promotor, reabilitação é fundamental

Para o promotor da comarca da Infância e da Juventude de Passos, Eder da Silva Capute, a principal alternativa para a diminuição da incidência de crimes na cidade é a adoção de políticas voltadas para a reabilitação dos adolescentes. “Os centros de internação aliados com mais policiamento poderão resultar em uma diminuição dos crimes”, disse. De acordo com o promotor, o apoio dos familiares no tratamento dos dependentes químicos também é uma forma de combater a criminalidade. (GS)

o tempo - P. 26 - 27.05.2011

Unaí.

Acusado de chacina volta para a prisão

DA REDAÇÃO Um dos réus acusados de envolvimento na chacina de Unaí, região Noroeste de Minas, foi preso ontem novamente. William Gomes de Miranda, apontado como o motorista do carro que levou os pistoleiros ao local do crime, em janeiro de 2004, foi detido, na terça-feira, em Primavera do Leste, no Mato Grosso. Ele estava em liberdade desde fevereiro graças a um alvará de soltura expedido por um juiz da comarca de Contagem, na região metropolitana, que é de âmbito estadual. Como a prisão foi determinada pela 9ª Vara da Justiça Federal, ele não poderia ter sido solto por aquela instância. O Ministério Público Federal informou que abriu investigações para apurar as circunstâncias em que o réu foi solto, indevidamente por um agente e um delegado da Polícia Civil.Ao todo, nove pessoas são acusadas de envolvimento no assassinato de três fiscais do Ministério do Trabalho e Emprego e de um motorista, durante uma fiscalização de rotina em fazendas. Eles foram vítimas de uma emboscada. Os irmãos Antério e Norberto Mânica, grandes produtores de feijão, são acusados de planejar o crime.


24 o estado de SP - P. A9 - 27.05.2011


25 FOLHA DE SP - P. A8 - 27.06.2011

o tempo - P. 14 - 27.05.2011

Levantamento.Pesquisa feita em 2009 mostra que, quanto maior a escolaridade, menor é o preconceito

Um em quatro brasileiros é homofóbico, aponta estudo Variação de renda não tem grande impacto nesse comportamento

Brasília. A escolaridade é um dos fatores que mais influenciam o nível de preconceito da população em relação a homossexuais: quanto mais anos de estudo, maior é a aceitação do indivíduo em relação à diversidade sexual. É o que aponta pesquisa realizada pela Fundação Perseu Abramo e coordenada pelo professor da Universidade de São Paulo (USP) Gustavo Venturi. O estudo, feito em 2009, será transformado em um livro que será lançado em junho. A pesquisa identificou que um em cada quatro brasileiros é homofóbico. Foram considerados homofóbicos aqueles que têm tendência - forte ou fraca - em transformar o preconceito que sentem em relação a esse público em atitudes discriminatórias. Esse perfil foi detectado a partir da resposta dada aos participantes a perguntas como “homossexuais são quase sempre promíscuos”, “homossexualidade é safadeza” ou “a homossexualidade é uma doença que precisa ser tratada”. Cruzando as respostas obtidas com as características da amostra, foi possível detectar que as mulheres são menos homofóbicas (20%) do que os homens (30%) e que a variação de renda não tem grande impacto nesse comportamento. A escolaridade é um dos fatores com mais peso: entre os que nunca frequentaram a escola, o índice de homofóbicos é 52%. No nível superior, cai para 10%. “Esse efeito não é porque o assunto (a homossexualidade) esteja nos programas pedagógicos. Se estivesse, o efeito seria maior. Mas o simples fato da convivência com a diversidade nas escolas faz com que isso se reflita em taxas menores”, diz Venturi. A pesquisa entrevistou cerca de 500 homossexuais para investigar de que forma eles são vítimas de preconceito. Me-

tade (53%) já se sentiu discriminada, e os colegas de escola aparecem como o segundo autor mais frequente dessa prática, depois de familiares. Quando perguntados sobre a primeira vez em que foram discriminados, a resposta mais frequente é “na escola”.


26 o estado de sp - P. A3 - 27.05.2011

Razões para perplexidade

“Como justificar que, num delito cometido em 2000, até hoje não cumpre pena o acusado?” Pois é. Se nem a ministra Ellen Gracie, que já presidiu a Suprema Corte, tem resposta para essa pergunta, quem a terá? Na última terça-feira a 2.ª Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu que estavam esgotadas todas as possibilidades de recursos e, finalmente, o jornalista Antonio Pimenta Neves deveria ser recolhido à prisão para cumprir a pena de 15 anos a que está condenado pelo frio assassínio da também jornalista Sandra Gomide, sua exnamorada, em agosto de 2000. Réu confesso, Pimenta Neves passou sete meses detido, de setembro de 2000 a março do ano seguinte. Depois disso, serenada na mídia a repercussão do bárbaro crime, seus advogados de defesa conseguiram, por meio de seguidas ações protelatórias, mantê-lo em liberdade. Quase 11 anos depois do assassínio foi que a Justiça, pelas palavras do ministro Celso de Mello, relator do processo no STF, decidiu que “é chegado o momento de cumprir a pena”. Todos os brasileiros compartilham da perplexidade da ministra Ellen Gracie. O episódio é “emblemático”, na expressão do ministro Gilmar Mendes, ex-presidente do STF. Mas emblemático do quê? Apesar da evidência incontestável de que o STF tem adotado decisões históricas na salvaguarda dos princípios constitucionais, o episódio Pimenta Neves é emblemático da forma como funciona mal, muito mal, no seu conjunto, um sistema judiciário que, por definição, deveria distribuir justiça para os brasileiros. Mas o pior é que não são privilégio do Poder Judiciário as mazelas que comprometem o padrão de civilização da nação brasileira. Tanto o Legislativo quanto o Executivo - e especialmente este último, pela soma crescente de poder discricionário que acumula - têm sido pródigos em contribuições de toda ordem para manter o Brasil atrelado à mentalidade do atraso, à pedagogia da ignorância, ao predomínio dos privilégios, enfim, ao circo de horrores

a que se assiste diariamente em assuntos da maior gravidade como as denúncias contra o ministro da Casa Civil, Antonio Palocci, a (des)organização da Copa do Mundo de 2014 e da Olimpíada de 2016, as brigas de foice no seio tanto das forças políticas governistas quanto das oposicionistas por questões eleitorais e de partilha de cargos, etc., etc. O mais grave, no entanto, parece ser a crescente indiferença, o progressivo aumento da incapacidade de indignação da sociedade, de modo geral, e da juventude, em particular, diante de tantos desmandos - entre eles a longa impunidade de fato de um criminoso confesso como Pimenta Neves. O anestesiamento da consciência cívica do brasileiro é preocupante. Sob o manto protetor da indiferença geral, haverá sempre quem seja capaz de justificar, à luz das leis vigentes, a procrastinação que permitiu manter o assassino de Ibiúna livre da prisão por uma década. E com a perspectiva de não ficar na prisão mais do que 23 meses, graças aos benefícios do instituto da progressão de pena. É o culto da impunidade - o mesmo que, num outro plano, tem mobilizado todas as autoridades gradas da República para demonstrar que as denúncias contra o primeiro-ministro ad hoc são meras armações oposicionistas que não merecem resposta. Mais um exemplo de como dois assuntos que aparentemente não têm nada a ver um com o outro são, na verdade, gerados na mesma matriz. Esses assuntos disputam destaque no noticiário com outro acontecimento, de repercussão internacional, que, por coincidência, envolve tanto a questão da igualdade de direitos perante a lei e de tratamento das pessoas quanto a controvertida necessidade de “preservação” de altas autoridades: a prisão de Dominique Strauss-Kahn, o todo-poderoso diretor-geral do FMI, por acusação de estupro. O prisioneiro não teve nenhuma chance de dar uma “carteirada” que amenizasse seu contratempo nem dispôs de intermináveis recursos judiciais que o mantivessem longe das grades. É de nos deixar perplexos.

27 Maio 2011  

Clipping Digital

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you