Issuu on Google+

XVIII

202

09/11/2010


01 HOJE EM DIA - p. 6 - 09.11.2010

HOJE EM DIA - p. 18 - 09.11.2010


02 HOJE EM DIA - p. 17 - minas - 09.11.2010


03 HOJE EM DIA - p. 18 - 09.11.2010


04 HOJE EM DIA - p. 3 - 07.11.2010

Parlamentares nĂŁo prestam contas

Muitos deputados minerios trabalham pouco, gastam muito e continuam a receber, integralmente, os salĂĄrios

Editora de Arte


05 cont... HOJE EM DIA - p. 3 - 07.11.2010


06 HOJE EM DIA - p. 19 - 07.11.2010

Primeiro passo para revitalizar trecho de avenida


07 cont... HOJE EM DIA - p. 19 - 07.11.2010


08 O GLOBO - P. 16 - 09.11.2010

ESTADO DO DE MINAS - p. 26 - 09.11.2010

Caso Bruno

Dayanne: bebê seria morto

Ex-mulher do goleiro revela que Macarrão, braço direito do atleta, planejava executar a criança, pivô da briga com a ex-modelo Eliza Samudio. Carta descreve suposto plano

Pedro Ferreira Uma carta endereçada ao Ministério Público por Dayanne Rodrigues, ex-mulher do goleiro Bruno Fernandes, acusa Luiz Henrique Ferreira Romão, o Macarrão, de ter planejado matar também o filho da modelo Eliza Samudio, ex-amante do atleta. A carta foi remetida ao promotor de Justiça Gustavo Fantini em setembro, mas só ontem a autoria foi confirmada por Dayanne, a primeira dos nove acusados a ser ouvida pela Justiça sobre o sumiço e suposta morte da modelo. O texto foi lido pela juíza Marixa Fabiane Lopes Rodrigues, de Contagem. Dayanne confirmou que Sérgio Rosa Sales teria afirmado a intenção de Macarrão de eliminar o bebê, que completa nove meses amanhã. “Ter cuidado da criança foi meu erro mais acertado”, afirmou a ex-mulher de Bruno. Dayanne assumiu a autoria da carta e reafirmou que não tinha a intenção de esconder o filho de Eliza e que tomou conta dele a pedido do ex-marido. No depoimento de cinco horas, revelou que viu Eliza pela última vez em 10 de junho. Por volta das 19h30, segundo ela, Eliza foi levada por Macarrão e pelo adolescente, num EcoSport. Conta ter saído de carro para acompanhar uma amiga ao médico e retornado às 21h. Cinco minutos depois, Macarrão e o adolescente voltaram só com o bebê. O

menor estaria assustado. Bruno teria lhe dito que Eliza tinha viajado a São Paulo, para buscar roupas. Dayanne conta ter sentido, em seguida, cheiro de queimado. Bruno teria dito que havia ateado fogo ao lixo nos fundos da casa. Depois, a polícia apurou que era a mala com pertences de Eliza. PRESA EM JUNHO

Dayanne foi presa em 26 de junho, tentando esconder o bebê, a pedido de Macarrão. Libertada no mesmo dia, afirma ter ido para a casa da avó de Bruno, onde encontrou o primo do goleiro. “Sérgio me disse que, se não tivesse cuidado do bebê, ele também seria morto, pois a intenção do Macarrão era matar mãe e filho”, explicou. Relatou ter entregue o bebê a Wemerson Marques e Flávio Caetano, depois de receber um telefonema de Macarrão, que estava no Rio. Ele teria dito a ela que a Polícia Civil já estava em seu encalço e que a criança jamais poderia ser encontrada no sítio do goleiro. O promotor Gustavo Fantini disse que esperou o depoimento da ré para confirmar se a carta era realmente dela, para anexar ao processo. Outro motivo seria o de evitar eventuais pressões. Para o advogado Antônio Francisco Patente, contratado pela mãe de Eliza, Sônia de Fátima Moura, a carta reforçaria a autoria do crime, atribuído a Macarrão, Bruno e ao ex-policial civil Marcos Aparecido dos Santos, o


09 cont... ESTADO DO DE MINAS - p. 26 - 09.11.2010

Bola, que teria estrangulado e esquartejado Eliza. O advogado de Macarrão, Wasley César de Vasconcelos, vê a carta como estratégia legítima de autodefesa, mas a classifica como “telefone sem fio”, pois as acusações de Dayanne teriam sido repassadas a ela por terceiros. O defensor acredita que a carta foi escrita com a orientação de Francisco Simim, defensor de Dayanne. Dayanne contou que chegou ao sítio do ex-marido às 15h de 4 de junho, uma sexta-feira, passou o sábado e, no domingo, foi para a casa da avó do goleiro. Ela diz ter retornado às 11h de 9 de junho, quarta-feira, mas Bruno chegou a tentar impedi-la de entrar. O adolescente de 17 anos e Sérgio Rosa Sales, Elenilson Vitor da Silva, Wemerson Marques e o bebê estavam no local, segundo Dayanne. Ela sustenta que Eliza ocupava um dos quartos, mas sem ferimentos e sem aparentar estar ali na condição de sequestrada. Dayanne disse que

Bruno e Eliza conversavam amigavelmente sobre acordos e a retirada da queixa policial no Rio. Eliza teria contado a ela a versão de Bruno de que viera a Minas para receber um apartamento e dinheiro. Dayanne conta que conheceu Eliza naquele dia, mas que a modelo havia telefonado antes para sua casa. O jogador, segundo Dayanne, garantiu que Eliza iria embora no dia seguinte. Dayanne relatou que, às 23h, da casa da avó de Bruno, telefonou para o sítio e ouviu barulho de música. Dayanne afirma que, naquela noite, Bruno chegou às 3h15. Na manhã seguinte, Dayanne conta ter encontrado Eliza com um dos dedos da mão inchado, dizendo que o havia prendido numa porta. Dayanne conta que, no último dia em que viu Eliza, por volta das 19h30 ela teria sido levada de carro por Macarrão e pelo menor, primo do jogador.

Pedro Ferreira O depoimento de Dayanne, prestado à polícia, foi lido por uma escrivã e pela juíza. A presa confirmou o que havia dito antes, mas discordou da parte onde teria afirmado que Eliza estaria morta. “Apenas respondi a uma pergunta da polícia. Qualquer ser humano que é estrangulado, picado e dado para os cachorros não pode estar vivo”, declarou. À polícia Dayanne conta que o conheceu quando tinha 12 anos, e ele, 14, no Bairro Santa Matilde, em Ribeirão das Neves. Logo teriam começado a namorar. Bruno guardava traumas do pai, assassinado pela polícia, segundo Dayanne, e da mãe, que o abandonou ainda criança. “Bruno nunca se envolveu com drogas, só com más companhias”, disse. Dayanne abordou as traições do ex-marido, o caso amoroso dele com Eliza Samudio e a gravidez da amante. “Eu quis saber dele a verdade e ele me disse que Eliza era uma garota de programa e queria somente se aproveitar dele”, afirma Dayanne. O relacionamento com Bruno passou a ser conturbado e ela disse ter parado de reclamar, tendo ido morar sozinha,

por determinação dele, e que passou a se dedicar às duas filhas do casal. Em 22 de abril, Dayanne conta que ficou sabendo do namoro de Bruno com a dentista Ingrid. Ele negou, mas teria dito a ela que seguisse a sua vida e procurasse outro homem que lhe desse valor. O namoro de Bruno e Ingrid se tornou público. Bruno continuou pagando todas as contas de Dayanne. Ontem, Dayanne afirmou que não considera Bruno violento e que, na maioria das vezes, ela é quem partia para cima dele e ele se defendia, “por não aceitar tapa na cara”. Após Dayanne, o administrador do sítio de Bruno, Elenílson Vítor da Silva, em quatro horas de depoimento, entrou em contradição com a versão à polícia no que se refere ao primeiro momento que teria avistado Eliza. Disse que teria sido agredido com tapas pelo policial Marcelo da Mata. Elenílson afirmou não ter percebido sinal de que Eliza estaria em cárcere privado. Os depoimentos dos réus prosseguem hoje. Ontem, além de Dayanne e Elenílson, foram levados ao fórum Flávio, Wemerson e Sérgio.

Uma relação conturbada

Cristina Horta/EM/D.A PRESS/Reprodução

Texto da carta entregue ao Ministério Público por Dayanne revela a intenção de Macarrão de eliminar também o filho de Eliza Samudio


10 ESTADO DE MINAS - P. 25 - 09.11.2010

CONDENADO

Traficante volta para o xadrez

Pedro Rocha Franco Apontado por especialistas como o responsável por introduzir o crack nos aglomerados da Grande BH no começo da década de 1990 e de ser braço direito de Fernandinho Beira Mar, o traficante Roni Peixoto de Souza voltou a trabalhar no tráfico de drogas e novamente foi preso. Beneficiado há pouco mais de um mês por progressão de regime, que passou de fechado para o semiaberto, ele teria, segundo a polícia, se envolvido com a comercialização de entorpecentes, na tentativa de retomar o poder do comando do tráfico da Pedreira Prado Lopes, aglomerado da Região Noroeste de BH. “A intenção dele era se armar para dar início a uma guerra de traficantes, numa disputa de poderes na capital”, afirma o inspetor Gilberto Bracelares, do Departamento de Investigações Antidrogas, integrante da equipe que prendeu Roni e quatro suspeitos. Um sexto integrante da quadrilha está foragido. Todos negam participação no tráfico. Desta vez, depois de quatro meses de investigação, a polícia desmantelou ramificação do que afirma ser a quadrilha de Roni com armamento de uso restrito – 10 pistolas e duas submetralhadoras com silenciador – e veículos apropriados para o tráfico, inclusive um deles blindado, além de quatro quilos de crack e material para preparação da droga. Também foram apreendidos celulares e computadores. A mulher de Roni, Carla Batista, também foi detida. De acordo com a polícia, ela repassava orientações do traficante a Ronaldo Santana, o Fenômeno, que seria

hoje em dia - P. 18 - mINAS - 06.11.2010

o responsável pela negociações de compra de drogas e armas. Luiz Martins, o Lulu, seria o tesoureiro do bando. Em 4 de novembro, Roni havia sido transferido para o Presídio Antônio Dutra Ladeira e, no dia seguinte, teve o benefício de progressão de regime concedido pela Justiça, deixando o presídio pela manhã e só voltando para dormir. As investigações apontaram que, na porta da cadeia, disfarçados, soldados do tráfico aguardavam por ele, armados e em carros blindados, para a escolta. Segundo o inspetor da Polícia Civil, ao saber do benefício obtido pelo criminoso, chefes de gangues rivais procuraram se armar para matá-lo. “O Roni tem a índole voltada para o crime. Ele nunca vai sair do tráfico”, afirma Bracelares. Mesmo atrás das grades, o traficante estaria comandando a venda de entorpecentes. Por celular, ele daria ordens aos cúmplices. “Ele fazia da penitenciária seu escritório do crime, reforça o inspetor. Apolícia já pediu à Justiça a prisão de outros oito suspeitos de integrar o bando. Antes de ser preso por tráfico, segundo a Polícia Civil, Roni comandava quase a totalidade da Pedreira Prado Lopes, tendo envolvimento direto com o traficante Fernandinho BeiraMar, mas ele nega. Segundo a PM, desde 2002 ele teria perdido campo e sonhava em recuperá-lo. “É mais uma acusação infundada. Quero mudar, mas eles não deixam”, diz Roni Peixoto. Ele questiona o motivo da prisão e diz que nem sequer as armas estavam com ele. “Tudo que ocorre em Minas eles me envolvem”, disse.

MG registra 45 carros forutdos por dia


11 cont... hoje em dia - P. 18 - mINAS - 06.11.2010


12 o tempo - P. 14 - 09.11.2010


13 CONT... o tempo - P. 14 - 09.11.2010


14 ESTADO DE MINAS - p. 3 - 09.11.2010

TRNSIÇÃO

Reajustes salariais na mira do governo

Cofres estaduais sob ameaça Isabella Souto A aprovação de dois projetos em tramitação na Câmara dos Deputados representará aumento de gastos também nos estados: o reajuste dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) e a criação de um piso nacional para os policias civis, militares e bombeiros. A proposta encaminhada pelo STF prevê um salário de R$ 30.675 a partir de janeiro para os ministros e terá impacto no que é pago no Judiciário federal e estadual, Ministério Público e tribunais de contas – todos vinculados pela Constituição Federal. Em Minas Gerais, o gasto será de R$ 82,7 milhões anuais para 1.896 beneficiados. O reajuste em cascata, em todo o Brasil, é imediato. A adoção de um salário único nacional para os cerca de 700 mil policiais civis, militares e bombeiros em todo o país geraria um gasto extra de R$ 20 bilhões para os estados – segundo dados extraoficiais. A PEC 300 – que trata da unificação do vencimento dos policiais – prevê que o valor será definido em uma lei complementar a ser discutida depois da sua aprovação. A categoria em todo o país reivindica um piso de R$ 3,5 mil para praças e R$ 7 mil para oficiais. O governo mineiro não tem projeção de quanto custaria aumentar o vencimento dos profissionais da segurança pública, mas o Sindicato dos Servidores da Polícia Civil de Minas Gerais (Sindipol) calcula um impac-

to de 60% na folha de pessoal. Atualmente o piso dos policiais é de R$ 2.041 para praças e R$ 4,4 mil para oficiais. Em Minas Gerais, os salários entre civis e militares são equiparados. Seriam beneficiados pelo reajuste 62.572 policiais e bombeiros na ativa. Segundo o portal da transparência, mantido na internet pelo governo estadual, as folhas de pessoal em outubro chegaram a R$ 188,7 milhões (Polícia Militar), R$ 71,36 milhões (Polícia Civil) e R$ 23,34 milhões (bombeiro militar). O presidente do Sindipol, Denilson Martins, acredita na aprovação da matéria e que o estado terá recursos orçamentários para bancar o novo gasto. “Segurança requer muito mais que investimentos em infraestrutura, também a valorização dos servidores”, argumentou. FUNDO O presidente provisório da recém-criada Associação Nacional dos Policiais Militares, Bombeiros Militares e Policiais Civis (Anapol), Fernando Almança, lembra que a PEC 300 determina a criação de um fundo nacional da segurança pública que deverá destinar recursos aos estados que não tiverem verbas suficientes para custear o novo salário dos policiais. “Há uma disparidade muito grande entre os salários dos estados. Hoje se fala muito em segurança, mas não há projeto de valorização dos policiais”, queixou.


15 ISTO É - P. 99 E 100 - 10.11.2010

TECNOLOGIA SUSTENTÁVEL

Purificador de ar

Brasil, Estados Unidos, China e outras nações investem US$ 1 bilhão apenas neste ano para construir máquinas capazes de retirar o CO2 da atmosfera terrestre André Julião viabilizar pesquisas nesse sentido. Já po de Miranga, na Bahia, está previsBoa parte da comunidade cienos americanos receberam do governo ta a injeção de 370 toneladas de diótífica concorda que os gases emitidos US$ 3,4 bilhões em incentivos fiscais xido de carbono por dia. O processo pela ação humana são responsáveis para projetos de captura e estocagem vai proporcionar a produção de cinco pelo aquecimento do planeta. O dide carbono. Em fevereiro, o presi- milhões de barris adicionais em 14 óxido de carbono (CO2) – presente dente Barack Obama criou uma for- anos. na fumaça que sai de escapamentos ça-tarefa sobre o assunto, que deve Outro projeto, do doutorando de veículos e das chaminés indusfazer com que pelo menos dez proje- Edson Comin, sob coordenação do triais – é apontado como o grande tos saiam do papel nos próximos seis diretor do Instituto de Química da vilão da história. Se até hoje pouco anos. Mesmo assim, os custos ainda Universidade Federal do Rio Grande foi feito para diminuir essas emissão altos: incorporar a tecnologia do Sul, Roberto Fernando de Souza, sões, porque não retirar o CO2 da acrescenta cerca de US$ 1 bilhão ao captura o dióxido de carbono do ar atmosfera? custo da construção de uma fábrica à para transformá-lo em solventes e Essa é uma ideia que vem gabase de carvão mineral tradicional. policarbonatos – plásticos usados em nhando fôlego nos últimos anos em Tanto quanto unidades fabris revestimentos à prova de balas, por todo o mundo, tanto que deve conmovidas a carvão, a indústria petro- exemplo. “Os processos atuais de sumir mais de US$ 1 bilhão só em lífera também é vista como priorida- captura de carbono exigem máquinas 2010. Embora já exista tecnologia de no corte do dióxido de carbono. A caras. Usaremos reações químicas para retirar o gás do processo de Petrobras afirma ter investido cerca para fazer o mesmo e ainda o transextração de petróleo e de chaminés de US$ 30 milhões em projetos re- formaremos em produtos”, explica de usinas movidas a carvão mineral, lacionados às mudanças climáticas Souza. Se tudo der certo, o CO2 será os planos mais ambiciosos são para entre 2006 e 2009. A injeção do gás mais um problema que terá se tornalimpar toda a atmosfera. nos poços facilita a retirada do óleo, do solução. Um dos projetos mais promistornando-o menos viscoso. No camsores é o do físico Klaus Leckner, da Universidade de Columbia (EUA). Ele desenvolveu um plástico que funciona como a folha de uma árvore. Além de capturar muito mais dióxido de carbono do que as alternativas já existentes, o filtro dotado desse material não fixa totalmente o gás, fazendo com que ele possa ser retirado com facilidade, usando vapor de água numa câmara de vácuo. É uma vantagem significativa sobre os filtros anteriores, que demandam muita energia para serem limpos. Posteriormente, o CO2 é submetido à pressão suficiente para torná-lo líquido e ser injetado no subsolo. Especialistas acreditam que a estocagem nesses depósitos pode reduzir em até 20% as emissões causadas pela geração de energia. Os maiores poluidores do planeta estão investindo pesado nessa possível solução. A China desenvolve parcerias com os EUA para


16 veja - p. 90 e 91 - 10.11.2010


17 cont... veja - p. 90, 91, - 10.11.2010


18 veja - p. 94 - 10.11.2010


19 ESTADO DE MINAS - P. 21 - 09.11.2010

No fundo do poço

Juíza determina suspensão do exame, por causa dos erros na prova de sábado, mas o ministro da Educação vai tentar convencê-la de que os testes são válidos assim mesmo

O Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) desce pela segunda vez ao inferno e arrasta 3,3 milhões de estudantes brasileiros que passaram, no fim de semana, pela prova de fogo de 180 questões, além de uma redação. Liminar concedida pela Justiça Federal do Ceará determinou, na tarde de ontem, a imediata suspensão do teste, por causa dos erros de impressão nos cadernos de prova de cor amarela. O problema foi detectado sábado em 20 mil provas, que continham questões repetidas e páginas trocadas. A ordem judicial é passível de recurso e o ministro da Educação, Fernando Haddad, otimista, acredita numa mudança da decisão da juíza da 7ª Vara Federal, Karla de Almeida Miranda Maia. A liminar é uma resposta à ação civil pública do procurador federal Oscar Costa Filho, visando a garantir maior segurança na aplicação das provas. Desde o fim de semana, a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e o Ministério Público Federal (MPF) pedem a investigação dos erros de impressão e, ontem, foi a vez de a Defensoria Pública da União (DPU) cobrar do Ministério da Educação (MEC) a anulação do teste. A DPU deu prazo de 10 dias para que o MEC cancele as provas e, caso a decisão não seja tomada, prometeu entrar com uma ação coletiva na Justiça Federal. O Ministério da Justiça, por sua vez, informou que a Polícia Federal vai investigar se os problemas estão ligados a algum tipo de fraude. As falhas cometidas nesta edição do exame trazem uma série de tropeços e trapalhadas. No ano passado, os erros culminaram com o adiamento do exame depois de vazamento de exemplares da prova numa gráfica. E, no fim de semana, além da falha de impressão nos cadernos amarelos, houve problemas com os gabaritos entregues aos candidatos e suspeitas de uso do telefone celular durante as provas. A estudante Marina Figueiredo Pacheco de Medeiros, de 18 anos, no Bairro Serra, na Região Centro-Sul de Belo Horizonte, comemorou a decisão da Justiça. “Foi o mais certo. Não havia outro caminho a não ser suspender o Enem”, disse a jovem, que, sábado, fez a prova no caderno amarelo contendo sete páginas do caderno branco, além de 11 questões duplicadas. Para especialistas em orientação de carreira, entre os quais a psicóloga Carla Couto, situações como essa afetam o estado emocional

época - p. 96 e 97 - 08.11.2010

do estudante que passou por uma maratona de estudos e de provas e fez investimento pessoal, físico e financeiro no exame. Para ela, a queima da credibilidade compromete a figura do Estado.

LIMINAR

Ao decidir pela suspensão do Enem, a juíza federal do Ceará usou a palavra “espanto” para definir o comportamento do presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), órgão ligado ao MEC e responsável pela aplicação do exame, Joaquim José Soares Neto. Segundo ela, apesar de todas as falhas, Soares Neto declarou na mídia que o concurso havia sido “um sucesso” e que “falhas acontecem”. “Essa atitude preocupa na medida em que indica que o Inep não considerou a real gravidade dos erros cometidos, até porque 59 universidades adotaram este ano o Enem como critério para ingresso no ensino superior”, declarou a juíza Karla. O MEC vai abrir amanhã, na internet (www.mec.gov.br), um espaço para que candidatos que se sentiram atingidos pelas falhas façam requerimento de correção especial do exame. Mas, segundo a juíza, “a disponibilização do requerimento àqueles estudantes prejudicados pela prova, correspondente ao caderno amarelo, e a intenção de fazer novas provas para os que reclamarem administrativamente, não resolve o problema. Novas provas colocariam em desigualdade todos os candidatos remanescentes”. Na primeira entrevista coletiva depois do Enem 2010, o ministro Haddad afirmou ontem que tentará reverter a decisão judicial e que não trabalha com a hipótese de cancelar o exame nem de refazer as provas aplicadas sábado para todos os inscritos. Segundo ele, o MEC vai explicar à juíza que o uso da Teoria de Resposta ao Item (TRI) permite a aplicação de novas provas com o mesmo grau de dificuldade. “Vamos levar à consideração da juíza o que nos parece ser sua maior preocupação, que é o fato de que as pessoas estariam submetidas a provas diferentes quando o exame for reaplicado. Mas a TRI permite que elas sejam submetidas a questões de mesmo peso. Estamos absolutamente seguros de que a prova do Enem é tecnicamente sustentável sob todos os pontos de vista, e vamos defender isso até a última instância”, disse o ministro.

SOCIEDADE/PRECONCEITO


20 CONT.... ÉPOCA - P. 96 E 97 08.11.2010


21 ESTADO DE MINAS - p. 8 - 09.11.2002

Financiamento eleitoral

Pente-fino nas doações

TRE vai fiscalizar com rigor os recursos repassados aos partidos nesta campanha. Se houver irregularidade, todos os candidatos que receberam dinheiro das legendas terão de se explicar Bertha Maakaroun

Manobra empregada na prestação de contas por partidos políticos permite que muitos dos doadores de campanhas não sejam associados aos candidatos aos quais o financiamento foi dirigido. Levantamento realizado pelo Estado de Minas junto aos cinco principais partidos – o PSDB, o DEM, o PPS, o PT e o PMDB – indica que, no conjunto, eles arrecadaram em Minas R$ 47 milhões, dos quais, cerca de 90% – R$ 42 milhões foram repassados às próprias contas partidárias. Destas às contas de candidatos foi um pulo. Na triangulação ocultou-se quem de fato financiou as candidaturas, deixando os eleitos “mais à vontade” para trabalhar em defesa de seus doadores. “Os partidos estão tirando de um bolso e passando para o outro, obtendo êxito em ocultar a origem e o destino das doações”, avalia Adriano Denardi Júnior, diretor de Controle Interno e Auditoria do Tribunal Regional Eleitoral (TRE-MG). A manobra tem respaldo legal. No ano passado, a minirreforma eleitoral (Lei 12.034) acrescentou dispositivo que alterou a Lei dos partidos (Lei 9.096), de tal forma que as legendas agora podem aplicar e distribuir recursos financeiros recebidos de pessoas físicas e jurídicas, desde que respeitem as fontes vedadas e os quantitativos para pessoas físicas e jurídicas.

Dessa forma, a legislação falha em fazer a conexão entre doadores e financiadores. A fiscalização do TRE-MG vai procurar minimizar a brecha legal, passando um pente-fino sobre os financiamentos dirigidos aos partidos. “Se identificarmos recursos irregulares nas contas dos partidos, todos os candidatos que receberam deles serão chamados a se explicar, pois estarão contaminados na proporção do valor considerado irregular”, adverte Denardi. O ziguezague entre as contas partidárias de campanha, as contas dos diretórios partidários e as contas de campanha de candidatos foi intenso nesta eleição. Exemplo: o diretório estadual do PPS repassou R$ 715 mil para a conta de campanha do PPS. Por seu turno, a conta de campanha do PPS doou R$ 3,2 milhões – o equivalente a 75% dos R$ 4,3 milhões arrecadados pela legenda – para o próprio diretório estadual. O diretório estadual repassou recursos aos candidatos, que, por isso, não precisaram informar a real origem das doações. Todos os três deputados eleitos pelo PPS foram beneficiados com repasses da legenda. Luzia Ferreira, a mais votada, recebeu 16 repasses no valor de R$ 23.400, que totalizaram R$ 374,4 mil – 28% dos gastos de R$ 1,350 milhão informados por sua campanha. Também o deputado estadual

reeleito Neider Moreira recebeu R$ 26,6 mil do PPS, que correspondeu a 6% dos gastos declarados de R$ 412,5 mil. Da mesma forma, o deputado Sebastião Costa, que ocupará a terceira cadeira conquistada pelo PPS, recebeu R$ 115 mil do diretório estadual, o equivalente a 27,6% das contas prestadas, no valor de R$ 417,5 mil. O PT e o PSDB adotaram a mesma estratégia. No entanto, as legendas receberam recursos dos diretórios nacionais e dos comitês nacionais de campanha. Repassaram ao diretório estadual de Minas e este transferiu aos candidatos. O PT de Minas arrecadou R$ 1 milhão, dos quais, R$ 570 mil do comitê nacional da campanha e R$ 142,5 mil do diretório nacional da legenda. Do total arrecadado, R$ 958 mil – 94% – foram repassados ao diretório estadual em Minas. Da mesma forma, o PSDB recebeu R$ 6,4 milhões do diretório nacional do partido – o correspondente a 18% do total arrecadado de R$ 35,6 milhões. Deste volume, R$ 32,5 milhões – 91% – foram destinados ao diretório estadual do PSDB. Enquanto a conta de campanha do PMDB repassou R$ 5 milhões ao seu diretório estadual – o correspondente a 90% dos R$ 5,6 milhões declarados –, o DEM repassou R$ 350 mil – 67% dos R$ 522,5 mil recebidos por doadores diversos.


22 veja - p. 96 - 10.11.2010


23 carta capital - p. 61 - 10.11.2010


09 de nov