Page 1

>>> POLÍTICA

MINISTRO DA JUSTIÇA AFIRMA QUE PROJETO BRASIL MAIS SEGURO FAZ DE ALAGOAS REFERÊNCIA PARA O PAÍS

PAG 8

Senador Benedito de Lira cobra a federalização da AL-101 Norte. De acordo com ele, é de vital importância para o desenvolvimento da região.

PAG 7

Seminário da AMA e UVEAL reúne forças políticas e mostra pistas do xadrez eleitoral para 2014 Maceió, segunda-feira, 30 a 06 de outubro de 2013 l Ano IV l Nº 166 l R$ 1,00 l WWW.ASEMANA-AL .COM .BR

Grupos políticos orbitam ao redor dos senadores alagoanos e tentam viabilizar candidaturas no processo eleitoral

PAGS 3 E 4


2

OPINIÃO

>>> ARTIGO

O

Bolsa Família: uma década de êxitos

RENAN CALHEIROS / PRESIDENTE DO CONGRESSO NACIONAL

programa Bolsa Família, do qual tive a honra de ser o relator, completa 10 anos. Hoje ele atende a 13,8 milhões de famílias no Brasil. Para chegar a um quarto da população brasileira – cerca de 50 milhões de beneficiários – o orçamento do Bolsa Família alcança R$ 23 bilhões – o equivalente a 0,5% do Produto Interno Bruto Brasileiro. >>>

Trata-se, inequivocamente, do maior programa de transferência de renda que teve desdobramentos socioeconômicos revolucionários. Fruto da sensibilidade do ex-presidente Lula, o Bolsa Família se transformou em um agente multiplicador da economia brasileira e foi decisivo para o crescimento do mercado interno, para a redução da pobreza, da mortalidade infantil e também para aumentar a arrecadação tributária. À época muito se polemizou sobre o programa. Uns diziam que era assistencialista, outros afirmavam ser um caminho sem saída e ainda um estímulo ao ócio. Os números de hoje mostram que os críticos estavam equivocados. Desde sua criação, perto 5,8 milhões de famílias deixaram de receber as transferências de renda do governo porque aumentaram a renda. O resultado mais importante, entretanto, está na maior redução nas taxas de mortalidade infantil no país. Ela é uma das principais consequências do Programa Bolsa Família. A mortalidade infantil diminuiu 40% e, no Nordeste, 50%, sendo que 20% se devem ao Bolsa Família. A redução da mortalidade infantil foi, de acordo com a Unicef, de 77% entre anos de 1990 e 2012, metade do período com o programa Bolsa Família. A redução da mortalidade infantil detectada em Alagoas foi superior à nacional, que correspondeu a 77% entre 1990 e 2012. A redução verificada em Alagoas também é superior a do Nordeste, que foi de 77,5%, à frente ainda do Ceará (82%), Paraíba (81%), Pernambuco (80,9%) e Rio Grande do Norte (79,3%). Outro êxito foi o acompanhamento da frequência escolar dos alunos de famílias vinculadas ao programa. O sistema abrange 17 milhões de estudantes, cuja frequência é aferida de dois em dois meses. As pesquisas comprovam que os alunos atendidos pelo programa têm o mesmo nível de desempenho dos demais e, no Nordeste, o resultado é superior. Os resultados poderiam ser melhores se os estados não ignorassem a renda complementar ao programa Bolsa Família. Tive a honra de ser o relator do Bolsa Família no Senado Federal e nunca duvidei de sua eficiência e alcance socioeconômico. No dia 19 de dezembro de 2003, como relator, demos o sinal verde e aprovamos o programa no Senado. “Seu mérito é inequívoco”, disse à época e reitero ainda hoje. Ter contribuído para diminuir a pobreza e, sobretudo, por reduzir abruptamente as taxas de mortalidade infantil dá a sensação do dever cumprido.

30 a 06 de outubro de 2013

>>> EDITORIAL

OS GRUPOS POLÍTICOS E A REFORMA

N

esta semana se dá o prazo final para a filiação dos que desejam concorrer a qualquer cargo eletivo nas eleições de 2014. Por esta razão, até o próximo dia 4 de outubro a “correria” é grande dentro das siglas partidárias, para garantir espaços, para não ser vítima de rasteiras e para até mesmo expulsar indesejáveis. Uma arrumação que tomou conta do final de semana. >>>

O quadro deve ficar definido no próximo domingo. Com isto, com cada peça do xadrez eleitoral em seu lugar, começa o jogo pela composição das alianças políticas, que deve ser definido ainda no primeiro trimestre do ano de 2014, conforme os bastidores políticos. Por qual razão a movimentação das siglas é tão importante? É a tal composição pensando na matemática eleitoreira. Vale mais o pragmatismo político e o fisiologismo que as ideologias. Os candidatos calculam o coeficiente eleitoral. Nos partidos, de um lado estão os ponta de lança, do outro os “bucha de canhão”, que entram na eleição para formar coeficiente eleitoral e – logo em seguida – passado o processo, estes cobram a fatura. O preço? Cargos comissionados, caso o grupo no qual estiveram seja o vencedor. Sempre assim. Projetos políticos de mudanças do Estado? São muito poucos; quase inexistentes. Por estas e outras, há uma necessidade urgente de uma reforma política. Porém, uma reforma pensada, que não tenha apenas o viés eleitoral. Pois, só assim se modifica o sistema que possibilita que a tal “matemática eleitoreira” construa estes cenários aqui descritos. Cenários estes que muitas vezes unem alhos e bugalhos. Como se não bastasse, outras aberrações do sistema são as siglas nanicas – utilizadas

VILAR

como legendas de aluguel – e os novos partidos que são criados um ano antes da eleição sem qualquer teor ideológico ou projeto. É apenas “letrinhas” postas para abrigar insatisfeitos. Tanto é assim que nas listas de coleta de assinaturas para a abertura destes partidos há até suspeitas de fraudes. Um sistema representativo de uma lógica fisiológica que não representa absolutamente ninguém. Eis o motivo dos parlamentos serem fracos e submissos aos Executivos. Eis o ponto inicial da criação dos mensalões da vida, das trocas de favores, das compra de votos dentro do Congresso Nacional e em outras casas legislativas. Eis o que possibilita o rolo compressor do Executivo e deputados federais e senadores que mais funcionam como “office-boys” de luxo de interesses outros que não o país. E o assunto reforma política – como querem fazer acreditar os petistas de plantão – não surgiram como uma bênção divina a partir da fala da presidente Dilma Rousseff (PT). Ele sempre foi discutido por quem pensa seriamente no país e na força de suas instituições, desde antes das manifestações de junho. Mas, é um assunto retirado da gaveta em momentos propícios e depois colocado para adormecer novamente. Foi assim, em 2011, foi assim em 2012, foi assim utilizado em 2013. Aprovou-se uma minirreforma eleitoral que está longe de ser política. O assunto reforma político ficou para 2014. Será que ficou mesmo? Será que daqui para lá não esquecem dele? Afinal, o cenário descrito acima e as suas consequências tão bem explícitas favorecem a quem mesmo? Fica fácil de entender porque a reforma não sai. Será que é preciso que – como dito no popular – se desenhe?

e-mail: asemana-al@hotmail.com

EDITOR-GERAL

MIGUEL OLIVEIRA

DIRETOR-COMERCIAL

LUCIANO ANDRESON DIAGRAMADOR

Rua Dr. Antônio Pedro de Mendonça, 73 Jaraguá Maceió / Alagoas - CEP: 57030-070 Redação e Comercial: (82) 3317-0213

Os artigos assinados são de inteira responsabilidade de seus autores, não refletindo necessariamente a opinião deste semanário.


30 a 06 de outubro de 2013

POLÍTICA “EU VOU DISPUTAR O SENADO FEDERAL”, FERNANDO COLLOR DE MELLO

Fernando Collor

Quem ainda aguarda a posição de Renan Calheiros para definir os rumos é o senador Fernando Collor de Mello (PTB). Collor também agrega forças ao redor de seu nome. Em entrevista ao A Semana, o petebista afirmou que não é candidato ao governo do Estado. “Eu vou disputar o Senado Federal”, frisou Fernando Collor de Mello. Porém, conforme os bastidores políticos, o destino de Collor ainda é um enigma. Em seu grupo político estão o PMN e o PRB. Os partidos são comandados – respectivamente – pelo deputado federal Francisco Tenório e pelo ex-vereador Galba Novaes. Collor ainda tenta ampliar o leque de alianças. Ele conversa com o Solidariedade – presidente pelo deputado estadual João Henrique Caldas, o JHC (PTN) – podendo fechar com PTN e PEN. Os grupos de Collor e Renan Calheiros devem traçar caminhos diferentes. Nos bastidores políticos, peemedebistas avaliam que uma união Renan Calheiros e Fernando Collor formem um palanque muito pesado. Se ocorrer aliança, pode ser de forma branca. Vale ressaltar que o Solidariedade também é assediado pelo grupo peemedebista, assim como o PSD de João Lyra, mesmo com a tendência do parlamentar fechar apoio ao senador Benedito de Lira.

3

Seminário serve de termômetro para as eleições de 2014 >>> BASTIDORES POLÍTICOS

Grupo do PMDB mostra que tem amplo leque de alianças, mas há outras forças DA REDAÇÃO

DIVULGAÇÃO

O Seminário Alagoas: realidades e perspectivas – realizado no final da semana passada, na cidade de Paripueira – teve como principal objetivo debater e encontrar soluções, em curto, médio e longo prazo, para a região Norte do Estado de Alagoas. Tanto é assim que 89 prefeitos se fizeram presentes, incluindo o anfitrião, Abraão Moura, que conduz os destinos de Paripueira. >>>

Porém, mais do que um seminário com foco na administração pública e nos problemas das cidades e do Estado, o evento serviu também de termômetro político para a disputa eleitoral de 2014. Na disputa pelo Palácio República dos Palmares, ficou evidente a existência de pelo menos quatro grupos políticos com objetivos distintos, ainda que as alianças políticas possam os aproximar daqui para frente. Durante o evento, quem mais demonstrou forças foi o senador Renan Calheiros (PMDB). Nos discursos dos aliados, Calheiros foi citado – por várias vezes – como o “futuro governador do Estado de Alagoas”. Foi assim, por exemplo, na fala da deputada estadual Flávia Cavalcante (PMDB), da prefeita de Mar Vermelho, Juliana Almeida (PMDB), e do ex-prefeito de Coruripe, Marx Beltrão (PMDB), dentre outros que se utilizaram da palavra. O senador peemedebista – entretanto – ainda se utiliza da cautela. Renan Calheiros aguarda a montagem do xadrez político e pode de fato não ser o candidato. A carta na manga do senador Renan Calheiros é o filho: o deputado federal Renan Filho (PMDB), que pode encampar a disputa. Em todo caso, o PMDB mostrou um leque de alianças ampliado. Se consolida cada vez mais a união com o PT local, como ocorre nacionalmente.

>>> Renan Calheiros esteve reunido com o PSC para fechar a aliança política Os peemedebistas ainda podem ter o apoio do PSC, PRTB, PDT, dentre outros partidos. Ainda durante o final de semana, Renan Calheiros esteve reunido com o PSC para fechar a aliança política. O PMDB capitaneia o grupo e pode ter como vice – em uma chapa – um dos nomes indicados pelo PT. Um dos prováveis é o deputado estadual Judson Cabral ou a administradora do Porto de

Maceió, Rosiane Beltrão. Quem também pode vir a integrar o bloco de apoio dos peemedebistas é o receem-criado PROS, que hoje está nas mãos do deputado federal alagoana Givaldo Carimbão, que deixou o PSB, após a anunciação entrada do deputado federal Alexandre Toledo no partido.


4 / POLÍTICA

30 a 06 de outubro de 2013

Benedito de Lira tem apoio do PR e do PSD e busca também outras alianças

>>> Senador Fernando Collor de Mello

O maior embate – diante das movimentações do xadrez político – pode ser entre o senador Benedito de Lira (PP) e o senador Renan Calheiros (PMDB). Lira não se fez presente no seminário organizado pela Associação dos Municípios Alagoanos e União dos Vereadores do Estado de Alagoas. Será um reflexo de que o evento tinha um forte conotação de um grupo político? O futuro é que vai responder. O fato é que Benedito de Lira não pode ser ignorado no cenário político. O senador pepista – que trabalha para ser o candidato de situação, com o apoio do governador de Alagoas, Teotonio Vilela Filho (PSDB) – também briga ainda por uma aliança com o PT, con-

>>> Vice-governador José Thomaz Nonô

forme informações de bastidores. Se conseguir se consolidar como candidato do Palácio República dos Palmares, Benedito de Lira ainda terá o apoio do PPS e pode angariar o PSB. Mas, entre os palacianos ainda é muito cedo para saber destinos. Anunciados, o senador Benedito de Lira já tem ao seu lado o PR do deputado federal Maurício Quintella. O parlamentar já deixou clara a sua preferencia pela candidatura de Benedito de Lira e deve trabalhar neste sentido, ajudando o senador. Outro partido que já anunciou que marcha com o pepista é PSD do deputado federal João Lyra. Os peemedebistas – ainda segundo

bastidores – tentaram fechar a aliança com o PSD via ex-prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab. Mas, Lyra já anunciou que quem manda no partido é ele. Portanto, reforça o time de Benedito de Lira.

THOMAZ NONÔ Quem também dá passos para consolidar seu nome na disputa pelo governo do Estado é o vice-governador José Thomaz Nonô (Democratas). Nonô é cauteloso, mas sabe das grandes possibilidades de assumir o governo do Estado de Alagoas. Com a caneta na mão, pode mudar muito o rumo das composições. O vice-governador sabe bem disso. Nonô decide – atualmente – se per-

manece ou não no Democratas. O vicegovernador está em diálogo com o PSB e com o PSDB. Esteve conversando com o senador Aécio Neves (PSDB) – um dos presidenciáveis – e mostrou que seu nome é o único que possibilita um palanque inteiramente aberto para os tucanos em Alagoas. No PSB, conversa diretamente com o governador de Pernambuco, Eduardo Campos. Nonô viajou recentemente para Brasília e conversou sobre o quadro político com o presidente do Democratas, José Agripino. Thomaz Nonô tem grande chances de unir um bloco com PSDB, Democratas e PSB em Alagoas. As conversas estão em andamento.


30 a 06 de outubro de 2013

PUBLICIDADE / 5


6 / POLÍTICA

Luciano Barbosa defende revisão do pacto federativo >>> IDEIAS

30 a 06 de outubro de 2013

Ex-prefeito de Arapiraca diz que atualmente deputados viram “office-boy de luxo”

LUIS VILAR Editor-geral

Um das bandeira do ex-prefeito de Arapiraca, Luciano Barbosa (PMDB) – em seus recentes discursos – poderá ser utilizada também em uma futura campanha, em 2014. Barbosa traz para a luz a discussão sobre a necessidade da revisão de um pacto federativo. >>>

O tema está fervilhando no Congresso Nacional e é debatido com frequência por alguns prefeitos que – no jargão popular – estão cansados de viver com o pires nas mãos a esperar recursos do governo federal. Claro, a discussão é cautelosa. É preciso cobrar, mas sem ferir os mais sensíveis da base governista da presidente Dilma Rousseff (PT). Para Luciano Barbosa, só a discussão séria do “pacto federativo” pode acabar com a “romaria de prefeitos á Brasília”. O ex-prefeito de Arapiraca destaca a importância da visão municipalista. “Os próprios programas federais só começaram a funcionar por conta da atuação dos prefeitos, na execução destes, o que mostra a importância dos Executivos municipais”, ressalta. Ainda ao debater o tema do pacto federativo, Barbosa frisa: “é necessário um novo pacto federativo para a redistribuição de recursos que estão centralizados nas mãos da União. Do jeito que se encontra hoje, se transforma deputados federais e senadores em office-boys de luxo dos prefeitos, para que se gaste muita energia visitando ministérios e órgãos federais para fazer pequenas ações, que poderiam ser feitas pelas prefeituras”. Barbosa é pré-candidato a uma das cadeiras da Câmara de Deputados. Mas como há muita água para passar por baixo da ponte, pode acabar disputando uma majoritária. Aguardemos.

>>> Luciano, só a discussão séria do “pacto federativo” pode acabar com a “romaria de prefeitos á Brasília”

>>> Teófilo, o evento era suprapartidário e visava “construir um projeto democrático para Alagoas

Teófilo: “As críticas ajudam a construir um governo de transformação como este”

O seminário Alagoas: Realidades e Perspectivas (em Paripueira) que foi realizado pela Associação dos Municípios Alagoanos (AMA) e União dos Vereadores do Estado de Alagoas (UVEAL) aglutinou uma forte oposição ao governador do Estado de Alagoas, Teotonio Vilela Filho (PSDB). >>>

Foram muitas as críticas ao governo. Todas elas – de vários prefeitos, deputados e lideranças – reclamavam do abandono da região. Uma em especial: a necessidade da duplicação da AL-101 Norte. Vilela foi convidado, mas não compareceu ao evento. O governador tinha uma outra

agenda: a avaliação do programa Brasil Mais Seguro. Por sinal, críticas à política de segurança pública do governo do estado não faltaram no seminário que aglutinou peemedebistas, petistas, pedetistas, dentre outros partidos. Na ausência de Vilela, quem fez o papel do advogado de defesa foi Rogério Teófilo (PSDB). Para o tucano “a presença do governo na discussão era mostra da disposição de construir junto um futuro melhor, com o Congresso Nacional e com a Assembleia Legislativa do Estado de Alagoas”. Teófilo lembrou das dificuldades de Vilela. Citou a dívida pública e reclamou dos “R$ 50 milhões/mês que o Estado desembolsa por conta desta”. Ressaltou

– obviamente – a necessidade de uma discussão da dívida com o governo federal. Para Teófilo, o evento era suprapartidário e visava “construir um projeto democrático para Alagoas”. “Agradeço poder ouvir estas críticas. Elas ajudam a construir este novo momento que tem sido feito pelo governo. Em outubro, estaremos novamente nesta região Norte para ouvir”. O tucano definiu o atual governo como “de transformação”. Ele citou ainda que há um amadurecimento político na oposição, já que na mesma mesa formada no evento estavam diversos partidos discutindo sem picuinhas.


POLÍTICA / 7

30 a 06 de outubro de 2013

Benedito de Lira cobra federalização da AL 101-norte para desenvolver >>> CONGRESSO NACIONAL

Para senador, ação é de fundamental importância para as cidades de Alagoas

Apesar da vocação turística, que ainda não recebeu os investimentos necessários em infraestrutura, os municípios da região possuem índice de pobreza que atingem mais de 50% da população, dados do IBGE 2003, e Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) abaixo da média de Alagoas – último estado neste indicador. No discurso, ele cobrou da presidente da República, Dilma Rousseff, e da ministra-chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffman, o cumprimento da promessa de federalização. “É o momento de fazermos uma reivindicação para destravar gargalos em Alagoas. Não é uma obra faraônica, mas de infraestrutura necessária. Peço que deem esta oportunidade para melhorar as condições de vida às pessoas que vivem lá. Só o Governo Federal tem

>>> Senador Benedito de Lira

condições de proporcionar isso”, disse. Benedito de Lira lembrou que no dia 6 de outubro de 2010, o presidente Lula convocou os senadores e os governadores de Alagoas e Pernambuco para garantir a federalização e as obras necessárias na AL101. “O então presidente disse que mandaria uma lei ou medida provisória para a federalização da rodovia, mas não houve tempo porque estava no final de governo. Posteriormente uma MP aprovada no Congresso que tratava de rodovias federais não tinha as informações necessárias para o convencimento da presidente. Faço esse apelo a Gleissi Hoffman e presidenta Dilma para que juntos possa cumprir com o compromisso com o presidente Lula, se houver alguma desconfiança que ligue para o Lula para confirmar essa informação”, revelou. Durante o pronunciamento, o senador ainda alertou sobre a necessidade de incluir a AL101 Norte no Plano Nacional de Rodovias, que está em análise na Casa Civil. “Conversei com o ministro dos Transportes, César Borges, e ele disse que enviou a proposta de inclusão para Casa Civil. Se for aprovado, faríamos as obras na rodovia. São apenas 130 quilômetros que mudariam a feição econômica do litoral norte”, argumentou. A rodovia é de mão dupla e repleta de quebra-molas que dificultam o tráfego e causam imensos congestion-

A Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) aproveitou o Dia Nacional do Trânsito, comemorado na quarta-feira (25/09), para aprovar o Projeto de Lei da Câmara (PLC) 31/2012, que torna obrigatória a pintura de faixas de pedestres no raio de um quilômetro em torno de escolas públicas e privadas. A

proposta recebeu parecer favorável do relator, senador Benedito de Lira (PP-AL). Segundo Benedito de Lira, a medida é importante para evitar acidentes. “A falta das faixas de travessia contribui para a vitimização de alunos e familiares a caminho das escolas, ou na volta para casa. Assim, acredito que a sinalização ade-

quada dos pontos de travessia nas vias públicas ao longo desses percursos é uma medida preventiva significante”, ressaltou o relator. O projeto aprovado modifica o Código de Trânsito Brasileiro (Lei nº 9.503/1997) e ainda prevê a construção de passarelas ou passagens subterrâneas

O senador Benedito de Lira (PP-AL) defendeu novamente a federalização da rodovia AL-101 Norte no Plenário como alternativa para melhorar as condições da estrada e promover o desenvolvimento nos municípios da Costa dos Corais. “O estado de Alagoas precisa desta estrada porque proporcionaria o desenvolvimento desta região que compreende 11 municípios e mais de 1,2 milhão de habitantes e que tem vocação única e exclusivamente turística”, destacou. >>>

amentos na alta temporada e feriados – atrapalhando o fluxo turístico e aumentando o risco de acidentes. Também contribui para este cenário a falta de falta acostamento, iluminação, sinalização. Sem acostamento, iluminação e sinalização adequadas e com alto tráfego de caminhões, especialmente grandes composições carregadas de cana e ônibus de turismo, a AL 101 tem alto índice de acidentes. De acordo com dados do Departamento de Estradas e Rodagem de Alagoas (DER), em 2012, foram 250 acidentes. AL 101 Norte - Liga Maceió até a PE060 (divisa entre os municípios de Maragogi e Coroa Grande - PE), dando acesso ao litoral norte de Alagoas também conhecido como Costa dos Corais. A região é formada por praias cercadas por areias finas, águas mornas, coqueirais, rios, antigos engenhos, rica culinária e manifestações folclóricas e artísticas. Fazem parte da Costa dos Corais: Maceió; Paripueira; Barra de Santo Antônio; São Luiz do Quitunde; Passo de Camaragibe; Matriz de Camaragibe; São Miguel dos Milagres; Porto de Pedras; Porto Calvo; Japaratinga e Maragogi.

para pedestres nos arredores das escolas. O PLC 31/2012 foi aprovado em decisão terminativa pela CCJ. Se não houver recurso para votação pelo Plenário do Senado, seguirá direto para reexame pela Câmara, já que teve seu texto alterado.

Faixas de pedestres serão obrigatórias perto de escolas


8 CIDADES

CIDADES

“Há 12 anos, Alagoas registrava uma linha ascendente da violência medida pelo número de homicídios, mas desde a implantação do programa, houve uma redução de quase 20% dos crimes, enquanto em outros estados, os índices aumentaram”

DÁRIO CÉSAR Dário Cesar lembrou ainda que mais de 200 vidas foram poupadas em Alagoas nos últimos 15 meses graças às ações de segurança implementadas a partir do Brasil Mais Seguro. Para a secretária nacional de Segurança Pública, Regina Miki, Alagoas implantou uma nova gestão na segurança, garantindo a redução dos índices de criminalidade. “Essa política pública inovadora tem como objetivo poupar vidas humanas, o que estamos conseguindo”, afirmou, destacando também a parceria entre os poderes Executivo, Judiciário e Legislativo, mais Ministério Público e Defensoria Pública Estadual para a garantia da efetividade do programa.

“Essa política pública inovadora tem como objetivo poupar vidas humanas, o que estamos conseguindo”

30 a 06 de outubro de 2013

Brasil Mais Seguro reduziu 20% dos crimes, segundo ministro >>> SEGURANÇA

José Eduardo Cardozo reafirma parceria com o governador Teotonio Vilela

MOSAEL HENRIQUE Colaboração

O Estado de Alagoas continua sendo referência para o País na implementação do Programa Brasil Mais Seguro, cujas ações têm resultado na redução do índice de homicídios nos últimos 15 meses no Estado. Em visita a Alagoas para avaliação das ações do programa, no final da semana, o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, firmou convênios para execução de projetos em parceira com o Governo do Estado e disse que hoje Alagoas é exemplo para o Brasil na execução do trabalho de combate e prevenção da criminalidade violenta. >>>

O ministro lembrou que o Governo de Alagoas estancou o crescimento do número de homicídios. “Há 12 anos, Alagoas registrava uma linha ascendente da violência medida pelo número de homicídios, mas desde a implantação do programa, houve uma redução de quase 20% dos crimes, enquanto em outros estados, os índices aumentaram”, observou o ministro. Para Eduardo Cardozo, o enfrentamento da violência e das drogas ilícitas não se faz apenas com recursos financeiros, mas também com “vontade política e ação de governo”, disse, ressaltando que a participação da sociedade é importante para que os resultados sejam alcançados. “Sem esforço político e sem a participação da sociedade, incluindo as estratégias e avaliações permanentes das ações de combate à criminalidade, não teremos resultados na melhoria da segurança pública”, disse o ministro. Ele ressaltou que a parceria entre os governos estadual e federal para execução do Brasil Mais Seguro tem como propósito garantir a segurança da população de Alagoas e está acima das

>>> Ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo diferenças partidárias.

DROGAS O ministro afirmou que o aumento da violência e do consumo de drogas ilícitas é um problema mundial e que o poder público e a sociedade devem caminhar juntos para fazer esse enfrentamento. “Estamos juntos para vencer ou perder essa luta; mas acredito que vamos reduzir ainda mais os índices de criminalidade e derrotar o crack, para que Alagoas tenha paz e seu povo volte a sorrir”. O governador Teotonio Vilela destacou os benefícios da renovação da parceria com o governo federal e reafirmou que o desenvolvimento de projetos voltados à redução da criminalidade em Alagoas é prioridade do Governo do Estado. “Construímos juntos, novamente, uma estratégia para pacificar Alagoas, mas dessa vez mais fortes e confiantes, diante dos resulta-

dos que temos acompanhado. Estamos na direção certa, mas conscientes de que temos que melhorar ainda mais”, disse. O secretário da Defesa Social, Dário Cesar, disse que a redução da taxa de homicídios é um dado para ser registrado, e não para ser comemorado. “Com os resultados obtidos até agora na área de segurança pública, acredito que estamos no caminho certo com os resultados”, afirmou. Aproveitando a presença do ministro da Justiça, o secretário sugeriu a criação de um fundo constitucional para a segurança pública, a exemplo do que existe nas áreas da Saúde e da Educação. “Os estados não suportam mais ficar de pires na mão, esperando pelos recursos federais”, disse. Ele defendeu que o dinheiro do fundo poderia ser revertido para o equipamento das polícias e melhoria salarial dos policiais.


30 a 06 de outubro de 2013

PUBLICIDADE / 9


10 / CIDADES

30 a 06 de outubro de 2013

CORA: Mudança no sistema vai agilizar consultas de retorno >>> SAÚDE

Mudanças ocorreu a partir de 1º de outubro, com nova ferramenta CÁSSIA OLIVEIRA Colaboração

O Complexo Regulador de Maceió (CORA) estará agregando, a partir de 1º de outubro, uma nova ferramenta ao Sistema Regulador do município (Sisreg) com a finalidade de assegurar aos usuários do Sistema Único de Saúde, durante um prazo de 60 dias, a garantia de suas consultas de retorno com o médico da especialidade necessária a cada caso. Com isso, a Secretaria Municipal de Saúde pretende acabar com a demora existente no agendamento das consultas de retorno, motivo de uma das principais queixas dos usuários. >>>

De acordo com a equipe de supervisão do CORA – composta pelos técnicos Raquel Cavalcante, Gustavo Ribeiro e Leandro Moreira – a inclusão da ferramenta “retorno” no sistema de agendamento irá proporcionar uma maior organização das consultas de especialidades, resultando no ordenamento do fluxo dessa demanda em consonância com a oferta de serviços. “Implementamos um novo mecanismo para aperfeiçoar o sistema de regulação, promovendo, com isso, a integralidade do sistema e a otimização dos serviços, que vão refletir diretamente no atendimento da população. Não estamos criando novas vagas, mas sim garantindo resolutividade e eficiência ao que já está disponível na rede pública de saúde”, frisa Gustavo Ribeiro. NOVIDADE A nova ferramenta será implantada no Sisreg no dia 1º, mas sua efetividade só deverá ser percebida no início da segunda quinzena de outubro, de acordo com a programação do sistema. A

equipe de supervisão explica que, a partir de agora, as consultas de retorno serão marcadas pela mesma unidade que solicitar a primeira consulta com o especialista para o usuário, evitando que o paciente tenha que aguardar muito tempo ou procurar unidades distantes do seu domicílio para marcar a volta ao médico e a entrega de seus exames. “O sistema garantirá um prazo de 60 dias para que esse retorno seja marcado, tempo considerado suficiente para cobrir a realização e o recebimento dos exames que forem necessários”, afirma Leandro Moreira. Praticamente todas as unidades que fazem uso do Sisreg para o agendamento de consultas passarão a utilizar a nova ferramenta. Ficaram de fora da desta nova regra, porém, as unidades que realizam atendimento diferenciado como a Associação dos Deficiente Físicos de Alagoas (Adefal), a Sociedade Pestalozzi, a Associação de Amigos e Pais de Pessoas Especiais (AAPPE), o Centro de Oftalmo e Otorrino e o Lar Francisco de Assis, que continuarão a manter o agendamento do seu público específico da forma que é feito atualmente. Resultado dos estudos e análises realizados pela equipe sobre o fluxo do agendamento, o novo mecanismo está sendo considerado um grande avanço para tornar o sistema mais eficiente, assegurando o atendimento especializado em saúde esperado pela população. “Essa é a primeira ferramenta de uma série de medidas que serão adotadas para ordenar todo o sistema, possibilitando novas iniciativas, como a implantação da lista de espera de especialidades, que visa especialmente agilizar o atendimento ao usuário”, ressalta Raquel Cavalcante.

Prefeito assina ordem de serviço para obras no Vale do Reginaldo

O prefeito de Maceió, Rui Palmeira (PSDB), assina nesta segunda-feira (30), em seu gabinete, a ordem de serviço para a retomada das obras do Vale do Reginaldo anunciada em entrevista coletiva à imprensa no início deste mês. Para dar início aos trabalhos, a gestão oficializa o ato com a assinatura às 09 horas no gabinete do prefeito, localizado no bairro da Pajuçara. >>>

Depois de uma revisão nos contratos com a Caixa Econômica Federal (CEF) e Governo Federal, a

atual gestão garantiu os recursos da contrapartida para pavimentar, drenar e a construir duas passagens de nível na região. As obras serão executadas pela Secretaria Municipal de Infraestrutura e Urbanização (Seminfra) e estão orçadas, juntamente com as obras dos bairros Centro, Village Campestre, Graciliano Ramos e Santa Lúcia, em quase R$ 14 milhões. Também serão executados serviços para reurbanização do Vale do Reginaldo, além de saneamento e implantação de obras especiais de viadutos e pontes.


30 a 06 de outubro de 2013

CULTURA

“A Farinhada” estreia no dia 4 de outubro e segue até dia 13

11

O maior sucesso do teatro alagoano está de volta

>>> NOS PALCOS

O grupo Joana Gajuru estreia no dia 4 de outubro o espetáculo “A Farinhada”, às 20h, no Teatro Deodoro, em Maceió-AL. Com texto do sociólogo alagoano Luís Sávio de Almeida e direção de René Guerra, a montagem foi contemplada com o Prêmio Funarte de Teatro Myriam Muniz de 2012. >>>

A apresentação do dia 4 de outubro será para convidados. O espetáculo entra em cartaz, para o público, a partir do dia 5 de outubro e prossegue com apresentações nos dias 6, 12 e 13, sempre no Teatro Deodoro. Retornar com “A Farinhada” era um desejo do grupo alagoano desde 2010. A primeira montagem, de 1997, ficou em cartaz até 2006. Nesse período, o espetáculo ganhou mais de 25 prêmios nacionais. “A Farinhada” marcou história no teatro alagoano. Sucesso de público, com cerca de 100 mil expectadores, o espetáculo foi à primeira montagem de palco do grupo Joana Gajuru, que tem como principal característica o teatro de rua. A direção da nova “A Farinhada” é também do mesmo diretor da montagem de 1997, o alagoano René Guerra.

“A Farinhada” narra à história de Rosa Maria e Pedro Bom, trabalhadores de uma casa de farinha do interior de Alagoas, que são perseguidos pelo patrão. No elenco: Alex Walker, Gama Júnior, Jorge Adriani, Reginaldo Meneses, Sandra Neves, Swelen Lopes, Ticiane Simões, Vittor Rodirgues, Waneska Pimentel.

TÉCNICA A assistência de direção é de Waneska Pimentel, canções de Mácleim, direção musical é de Arnaud Borges, direção coreográfica de Isabelle Rocha, cenário de

Marco Antonio de Campos e Fabíola Siqueira, figurinos e maquiagem de Marcondes Lima, Iluminação de Eris Maximiano, design gráfico, Alex Walker, produção executiva Abides de Oliveira e Waneska Pimentel e produção, Vittor Rodrigues. O espetáculo tem apoio cultural da Fundação Municipal de Ação Cultural, Teatro Deodoro, TV Gazeta, Cenarte/Secult, Pink Nik, IZP, TV Alagoas, Maceió Atlantic, Conrad, Cada Minuto, Print Paka Gráfica Rápida, Repórter Alagoas, Rádio Jornal AM, Mix Sinalização, Conceito Arquitetura, Iapois

Brindes e Presentes,Decoraled, SOS Tudo Entrega Rápida, Namastê Casa doYoga. Apoio gastronômico: Mestre Cuca.

SERVIÇO O espetáculo fica em cartaz no Teatro Deodoro nos dias 5, 6, 12 e 13 de outubro. Aos sábados, às 20h, e aos domingos, às 19h. Depois será apresentado em Penedo, nos dias 18 e 19 de outubro, e em Arapiraca,nos dias 8 e 9 de novembro. Ingressos: R$ 20 (inteira) R$ 10 (meia Locais de venda: Teatro Deodoro (3315-5656) Loja Corand (3432-5301)


12 / PUBLICIDADE

30 a 06 de outubro de 2013


30 a 06 de outubro de 2013

ÚLTIMAS

Em reunião com Grupo Cone, secretário ofereceu apoio para empreendimento Empresários do Grupo Cone, companhia pernambucana especializada em construções de instalações corporativas, estiveram reunidos com o secretário de Estado do Planejamento e do Desenvolvimento Econômico, Luiz Otavio Gomes, na tarde desta quintafeira (26), para apresentar o projeto de instalação de um condomínio industrial em Alagoas. A implantação seria no Polo Industrial Multifabril José Aprígio Vilela, em Marechal Deodoro. >>>

13

Grupo pretende instalar condomínio industrial em AL >>> DESENVOLVIMENTO

O modelo apresentado pelo vice-presidente da Cone Condomínios de Negócios, Angelo Bellelis, já está instalado no Complexo Portuário de Suape, em Pernambuco, onde agrega 36 empresas que utilizam a plataforma. “Alagoas oferece todos os atrativos para a implantação do condomínio. Sobrevoei toda a área nesta manhã e percebi que é o local ideal. Vamos trabalhar agora com o Governo do Estado para esclarecer os principais pontos inseridos no projeto, suprindo as nossas necessi-

dades”, explicou Angelo Bellelis. De acordo com o secretário Luiz Otavio Gomes, a Seplande, por meio da sua Superintendência de Indústria, Comércio e Serviços, oferecerá toda a estrutura necessária para a implantação do projeto. “O Governo de Alagoas dará todo o apoio para a instalação do Grupo Cone. Este projeto é de total interesse do Estado, por agregar diversos serviços e contribuir para o desenvolvimento.”, disse o secretário, que apresentou os incentivos fiscais, creditícios e locacionais oferecidos através do

Programa de Desenvolvimento Integrado do Estado de Alagoas (Prodesin). Após a explanação, o empresário Angelo Bellelis afirmou que os incentivos oferecidos pelo Governo de Alagoas proporcionam um ambiente favorável para a instalação do empreendimento. “Estamos muito satisfeitos com aquilo que podemos contar. Trabalharemos agora na parte final dos estudos e na elaboração dos projetos”, declarou.

IPI de produtos da linha branca e móveis irá subir a partir de outubro

O Ministério da Fazenda anunciou que as alíquotas do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para eletrodomésticos da linha branca e móveis irão subir a partir do dia 1º de outubro. Segundo o secretário de Política Econômica do ministério, Márcio Holland, a recomposição foi definida com base no atual desempenho da economia. >>>

"Estamos observando que a economia no segundo semestre está apresentando bom comportamento. Vendas estão indo bem nestes setores, a produção está regular e o nível de utilização da capacidade instalada está regular", disse. A alíquota para o fogão passará de 3% para 4%; da geladeira, de 8,5% para 10%; do tanquinho, de 4,5% para 5%, da máquina de lavar, permanecerá em 10%; e de móveis e painéis, subirá de 3% para 3,5%. O secretário ressaltou que alíquotas valem até o dia 31 de dezembro. Originalmente, o IPI da linha branca correspondia a 4% para os fogões, 10% para os tanquinhos, 15% para as geladeiras e 20% para as máquinas de lavar. Em abril de 2009, as alíquotas foram reduzidas, mas voltaram ao normal em fevereiro de 2010. Em dezembro de 2011, a linha bran-

ca teve nova desoneração. As alíquotas foram novamente reduzidas e estão sendo gradualmente recompostas desde fevereiro deste ano. Os móveis e painéis originalmente pagavam 10% de IPI e estão com a tributação reduzida desde novembro de 2009. As alíquotas também começaram a ser reajustadas em fevereiro.

"Estamos observando que a economia no segundo semestre está apresentando bom comportamento. Vendas estão indo bem nestes setores, a produção está regular e o nível de utilização da capacidade instalada está regular"


14

ESPORTES

>>> SÉRIE B

ASA é goleado pelo Paraná e agora é penúltimo

A fase negativa do ASA na Série B 2013 prossegue, quando na noite deste sábado, após abrir o placar, terminou goleado pelo Paraná por 4x1 diante de sua torcida. Com mais este tropeço – quinta derrota consecutiva -, o alvinegro arapiraquense desceu mais uma posição na tabela e agora é penúltimo colocado (19º) na Série B 2013. >>>

Zagueiro Edson Veneno abriu o placar, mas o Paraná virou ainda no 1º tempo com os atacantes Reinaldo e Paulo Sérgio. Na etapa complementar ainda assinalaram os jogadores Ricardo Conceição e JJ Morales. Além de ter sofrido a goleada, o ASA ainda teve o atacante Lúcio Maranhão expulso. Agora o ASA vai enfrentar a Chapecoense, às 19h30 da próxima terça-feira, enquanto que mais tarde, às 21h50, o Paraná recebe a vista do América-MG. Será uma rodada cheia (26ª).

A VIRADA O ASA começou o jogo em cima, pressionando, tentando de todos os jeitos o primeiro gol, deixando o contraataque aberto para o Paraná, do jeito que o time gosta de jogar. Aos nove, Didira batue de fora da área, rente a trave de Luis Carlos. Aos 11, Didira cruzou para Edson Veneno, o zagueiro ajeitou para Diego Clementino, que sozinho, não dominou e perdeu uma chance incrível. A pressão era forte aos 16, os alagoanos abriram o placar. Didira bateu falta na área, o zagueiro Edson Veneno subiu mais que todo mundo e testou para o fundo das redes. No entanto, aos 20, o Paraná chegou ao empate. Paulinho cruzou da esquerda, na medida para Reinaldo, que subiu mais que todo mundo e testou para o gol.

CRB empata com Cuiabá-MT e segue no G4 da Série C: 1x1

30 a 06 de outubro de 2013

>>> SÉRIE C

Estreante faz gol salvador no final e mantém Galo na briga por vaga LUCIANO MILANO tnh1

Com uma meia-bicicleta do estreante Alex Wilian aos 48' do segundo tempo, o CRB conseguiu empatar por 1 x 1 com o Cuiabá, em jogo que foi disputado neste domingo, (29), no estádio Rei Pelé, válido pela décima sexta rodada da competição nacional. O gol do time do Mato Grosso foi marcado aos seis minutos do primeiro tempo, com o zagueiro Gustavo, de cabeça. >>>

Apesar de ter empatado a partida, o CRB perdeu a oportunidade de assumir a liderança do grupo A da Série C. Até o fechamento da rodada, o Galo ocupa a quarta posição, com 29 pontos. Santa Cruz e Sampaio Correia se enfrentam às 19h ainda deste domingo. Sem contar com o volante Johnnattan, que fraturou o tornozelo e não deve mais atuar nessa temporada, o CRB entrou em campo com três atacantes, Afonso, Reinaldo Alagoano e Denilson, formação que não rendeu o esperado, na etapa inicial de jogo. Surpreendido pela forte marcação do Cuiabá-MT, o CRB não teve tempo para entender qual seria a proposta de jogo do adversário porque, em uma falta pela esquerda, o ala Grafite cobrou a falta, a bola viajou e Gustavo marcou para o time do Verde, logo aos seis minutos de jogo. Atordoado com a marcação do gol do Cuiabá, o CRB seguiu perdido em campo, sem acertar as jogadas ofensivas e sem um meia para tentar articular as jogadas de ataque. Por sua vez, o Cuiabá explorou contra-ataques com o rápido e habilidoso ala-esquerdo Natanael, e não ampliou o placar, aos 13', com Douglas Packer, aos 25', com Natanel em cobrança de falta e com Magrão aos 29' porque não foi competente. Para se ter ideia do futebol abaixo

da média jogado pelo CRB na primeira etapa, o Galo da Pajuçara só chegou com perigo aos 30', depois que Denílson brigou, ganhou a bola e João Victor chutou dentro da área para excelente defesa de Emerson. A partir desse lance, o CRB ensaiou uma pressão e, com bolas alçadas, buscou o empate. O problema é que todo sistema defensivo do Cuiabá é muito alto e cortou todas as tentativas dos alagoanos que saíram vaiados do Rei Pelé para o intervalo de jogo. No segundo tempo, o técnico Roberval Davino tentou corrigir o erro que cometeu ao escalar e começar o jogo com três atacantes. No intervalo, o treinador alvirrubro tirou Afonso e colocou o lateral-esquerdo Bruno Recife. Com a mudança, João Victor saiu da lateral-esquerda e passou a atuar como meia pelo mesmo lado. A mudança deu mais fôlego ao time do CRB. Na pressão, o Galo da Pajuçara por pouco não empata depois que Diego Aragão desviou a bola e deixou Denílson na cara do gol. Ele bateu e Emerson fez boa defesa, logo aos 4' do tempo final. Aos 7', Paulo Sérgio cruzou e Denílson, mais uma vez, chegou para cabecear e mandar por cima da trave do Cuiabá. Depois de passados os 15' minutos iniciais, a pressão diminuiu e o Cuiabá

voltou a explorar os contra-ataques, mas sem a mesma força do primeiro tempo. Sem conseguir o que queria que era o empate, Roberval Davino tirou o lateral-direito Paulo Sérgio, que não fez bom jogo, deslocou Diego Aragão para a posição e pôs o meia Danilo Sacramento. Aos 27', João Victor tentou cruzar, mas a bola acertou a trave esquerda de Emerson e saiu. Mas aos 29', o habilidoso meia Fernando entrou sem marcação na área do CRB e bateu para defesa de Júlio César. Um minuto depois, Roberval Davino utilizou sua terceira substituição: tirou João Victor e promoveu a estreia de Alex Willian. A estrela dele e do técnico Roberval Davino brilharam. De tanto insistir nas bolas aéreas, o CRB chegou gol de empate aos 48' do segundo tempo, depois que Diego Aragão cruzou, Denílson brigou no alto com a defesa e Alex Willian pegou de meia-bicicleta para deixar tudo igual e fazer soltar o grito de gol do CRB, engasgado durante os mais de noventa minutos de jogo. "Deus me ajudou a entrar e fazer um golaço como esse. Agradeço a todos os meus companheiros pelo apoio desde que cheguei aqui no CRB e ofereço o gol à torcida do CRB", virbou o meia do CRB.


ESPORTES / 15

30 a 06 de outubro de 2013

Com começo arrasador, FLA goleia o Criciúma por 4 a 1 e se afasta do Z-4 >>> SÉRIE A

Time rubro-negro faz três gols em 23 minutos e relaxa. Tigre esboça reação, mas Elias garante vitória

GLOBO.COM

Um Flamengo x Criciúma com quase 40 mil pessoas presentes no Maracanã. Com três gols da equipe carioca em 23 minutos. Dois gols meio enrolados, originados de bolas rebatidas dentro da área. Dois goleiros expulsos. Duas bolas na trave mandadas por um visitante que diminuiu o placar e parecia esboçar uma reação. Mas um Flamengo x Criciúma que terminou com a vitória rubro-negra por 4 a 1, única e exclusivamente pelo começo arrasador do time. Hernane (dois), Wallace e Elias, com Daniel Carvalho para o Tigre, foram os autores dos números do triunfo importante na fuga contra o rebaixamento. >>>

Afinal, era um confronto direto de dois clubes que brigam no grupo de baixo da tabela. Com os três pontos, o Flamengo passou para a 15ª posição, com 30, cinco à frente do Criciúma, primeiro da zona de rebaixamento, com 25 e uma partida a mais. Na próxima rodada, os rubro-negros saem para enfrentar o Coritiba no Couto Pereira. O Tigre, cujo jogo a mais é justamente o da próxima rodada, a 25ª, em que empatou por 1 a 1 com o Atlético-MG, estará de folga. Volta a campo só domingo, no Serra Dourada, contra o Goiás. A partida deste domingo, no Maracanã, pela 24ª rodada, teve renda de R$ 988.450,00, com público pagante de 31.895 torcedores e 38.330 presentes. A torcida

(FOTO: IVO GONZALEZ / AGENCIA O GLOBO)

>>> Autor de dois gols, Hernane é o artilheiro do Fla no Brasileiro

rubro-negra disse sim à promoção de ingressos feita pela diretoria - o mais barato chegou a R$ 10 (meia do setor norte para sócio-torcedor). Esse apoio motivou mais uma vez o atacante Hernane, autor de dois dos quatro gols e artilheiro da equipe na competição, com nove gols, oito no Maracanã. - Sabíamos que seria difícil, e conseguimos um resultado muito importante. A gente precisava fazer muitos gols para tirar esse saldo negativo. Dá confiança para o jogo com o Coritiba. Como já falei, artilharia, quando você menos espera, está em suas mãos. Graças a Deus, estou fazendo gols, ajudando o Flamengo. E no Maracanã acho

que é mais gostoso fazer gol. Triste com o resultado, o atacante Lins, destaque do Criciúma, lamentou os gols perdidos. - Só fiz o meu trabalho, infelizmente não pude fazer gol. Mas agora é levantar a cabeça e dar continuidade no campeonato.

FLA COMEÇA AVASSALADOR Lins, todo o time do Criciúma e o torcedor rubro-negro viram um Flamengo avassalador nos primeiros 25 minutos. Com Elias de volta, Luiz Antonio efetivado no meio de campo, Amaral protegendo a zaga e André Santos na criação das jogadas, a ordem era atacar e decidir logo de cara. O técnico Jayme de Almeida foi atendido: foram três

gols em 23 minutos. Os dois primeiros, em jogadas confusas na área, originadas de escanteio. Sim, o caminho era pelas laterais, principalmente com Léo Moura. O Criciúma nem teve tempo de esboçar uma peraltice. Logo na primeira jogada de ataque rubro-negra, primeiro escanteio. Após série de rebatidas, André Santos matou no peito mas não conseguiu bater. A sobra ficou para Hernane, que teve de chutar duas vezes para a bola morrer na rede: 1 a 0, com quatro minutos. A empolgação foi enorme no estádio. Mas Paulinho, livre após passe com açúcar de Elias, perdeu um gol feito cinco minutos depois. E entre um gol e outro, um susto. Com o zagueiro Samir caído na lateral após sofrer lesão, Amaral errou saída de bola. Lins entrou livre para empatar, mas foi travado pelo volante, que se recuperou. A má notícia foi que o Flamengo perdeu o jovem zagueiro, substituído por Chicão. Mas, na velocidade, chegou à jogada do segundo gol, muito parecida com a primeira: escanteio pela direita, confusão na área, e, em novo bate-rebate, foi a vez de Wallace escorar para as redes, aos 17 minutos: 2 a 0. O terceiro não demorou a sair. Começou com o lançamento de André Santos, um dos destaques da equipe. Hernane invadiu a área e foi derubado pelo goleiro Helton Leite, último homem da defesa. O arqueiro foi expulso, e Hernane cobrou o pênalti com perfeição: 3 a 0 com 23 minutos e um jogador a mais era sinônimo de vitória certa. Verdade? Não.

CURTAS MAIS RESULTADOS GRÊMIO X SÃO PAULO Renato Gaúcho foi um dos maiores atacantes do futebol brasileiro entre os anos 80 e 90. Rápido e habilidoso, fez história ao dar um Mundial ao Grêmio e conquistar incontáveis títulos por outros clubes. Mas não espere que seus times joguem como ele. Neste domingo, com uma grande exibição de Dida e apenas uma chance de gol, o Tricolor gaúcho bateu o São Paulo por 1 a 0, no Morumbi, e voltou a

vencer no Campeonato Brasileiro.

PORTUGUESA X CORINTHIANS Com show de Gilberto, e um primeiro tempo perfeito, a Portuguesa goleou o Corinthians por 4 a 0 na tarde deste domingo, no estádio Morenão, em Campo Grande (MS), para confirmar reação no Campeonato Brasileiro e complicar ainda mais a situação do rival, que vai completar um mês sem

vitória. De olho numa boa renda de bilheteria, a Lusa mandou o clássico a aproximadamente mil quilômetros da cidade de São Paulo. Mas o grande lucro foi na tabela de classificação. Os três gols de Gilberto na primeira etapa – e um de Wanderson no segundo tempo – levaram a Lusa aos 31 pontos, empatando com o Timão, mas levando vantagem no número de vitórias – 8 contra 7.


16

CONECTADA

por ZIRLANE FLORES zirlaneflores@hotmail.com ANIVERSÁRIO DA SEMANA

Este sábado 28, a Natália Simões festejou junto de seus amigos e familiares mais um niver. Parabéns á aniversariante e á sua mãe, minha querida amiga, Luciana Simões.

CONECTADA Moda Palato

Mais uma vez a Semana Moda Palato, decorreu entre os dias 24 e 26 de setembro, assinada por Aline Rijocom os melhores estilistas do nosso Estado de Alagoas.

30 a 06 de outubro de 2013

Edição 166  

Maceió - Alagoas - Brasil - 30 de setembro de 2013

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you