Issuu on Google+

>>> POLÍTICA

COM CONFIRMAÇÃO DO NOME DE HELOÍSA HELENA, DISPUTA PELO SENADO SERÁ UMA BRIGA DE TITÃS DA POLÍTICA LOCAL

PAG 6

Senador do PP articula ida de ministro para debater questão indígena em Comissão do Senado Federal. Benedito de Lira busca resolução do conflito

PAG 7

CRISE SEM FIM:

Maceió, segunda-feira, 11 a 17 de novembro de 2013 l Ano IV l Nº 172 l R$ 1,00 l WWW.ASEMANA-AL .COM .BR

Diante de pressão dos servidores, ALE decide quem será presidente

Eleições ocorrem ainda diante de dúvidas; Albuquerque recorreu à Justiça e espera decisão

PAG. 3


2

OPINIÃO

>>> ARTIGO

E

Banco Central Independente

RENAN CALHEIROS / PRESIDENTE DO SENADO FEDERAL

ste ano, quando a Constituição completou 25 anos, criamos um conselho para regulamentar dispositivos da Carta Magna. Depois de fixarmos os direitos trabalhistas dos empregados domésticos, considero oportuno aprofundarmos a discussão sobre o sistema financeiro, como vem sendo lembrado por autoridades financeiras internacionais e pelo próprio ex-presidente do Banco Central, Henrique Meirelles. Neste capítulo, devemos debater exaustivamente sobre a autonomia e a fixação de mandatos para o presidente e diretores do Banco Central. O Brasil é o único país, entre os que adotam metas de inflação, cuja diretoria de banco central não tem mandato fixo. É legítimo que setores do governo se oponham a proposta, mas é incompreensível a reação da oposição que, na prática, tenta desmerecer o debate. Teremos audiências públicas na Comissão de Assuntos Econômicos do Senado para adensar o debate, mas, pessoalmente, acho que devemos discutir. Se não for possível deliberar, pelo menos aprofundaremos o tema. Este é o papel do legislativo. No momento em que um banco central possa ser pressionado para fazer o jogo do governo – e não é esse o nosso caso – e não mais o da estabilidade da moeda, corre sério risco de perder o respeito e a credibilidade dos agentes econômicos e, com ela, perder a capacidade de conduzir com um mínimo de eficácia a política monetária. Para melhorar o que já está bom, para um projeto nacional de desenvolvimento autônomo e sustentável, é inevitável que o Banco Central, fortalecido, tenha independência e fique imune a qualquer interesse vindo da esfera política, partidária, governamental e até mesmo da área privada. Um Banco Central independente é a garantia de que a saúde da economia será sempre diagnosticada com olhos técnicos, isentos e descontaminada da visão dos governantes. O Banco Central, que é o banco dos bancos, deve seguir políticas de Estado e não de governos. Em sociedades amadurecidas, o BC não pode servir como força auxiliar do governo, que não é, no momento, o caso brasileiro. O Banco Central foi criado no governo militar, na reforma econômica promovida pelos ministros Octávio Gouveia de Bulhões e Roberto Campos. Ele nasceu como uma autoridade monetária independente e com mandatos não coincidentes com o do presidente da República. A independência é uma meta sempre perseguida e nunca alcançada desde a criação do BC. Em todos os governos, o BC ganhou ares de autonomia, mas sempre por decisão política do presidente da República. Para funcionar como guardião da moeda, os dirigentes do BC precisariam de autonomia. O pré-requisito é o mandato fixo para presidente e diretores e a prerrogativa de só serem demitidos em casos extraordinários. Independência não é a garantia de êxito, mas, sem dúvida, facilita acertos e eventuais correções de rumo.

11 a 17 de novembro de 2013

>>> EDITORIAL

As disputas pela Mesa

A

crise institucional vivenciada pela Assembleia Legislativa do Estado de Alagoas chega a mais uma semana, com contornos decisivos para a Mesa Diretora, em virtude de uma nova eleição que já foi convocada pela deputada estadual Flávia Cavalcante (PMDB). Nos bastidores, a briga já é grande pela disputa do comando da Casa de Tavares Bastos. O grupo governista tem total interesse no comando. É inclusive - na pior das hipóteses, como tudo indica - o sonho de Fernando Toledo (PSDB) e dos demais ex-membros da Mesa. Além disto, há as incertezas jurídicas. Uma delas: o deputado estadual Antônio Albuquerque (PRTB) - que é o vice-presidente da Casa, mas está rompido politicamente com Fernando Toledo - entrou com uma ação na Justiça para mostrar que nada tem a ver com a atual administração e que merece ser o presidente. Eis o que diz Albuquerque: “Quero dizer aos alagoanos que tenho consciência da minha absoluta isenção. Não tive, em nenhum momento, qualquer ato praticado na Casa, não assumi a presidência da Assembleia por nenhum segundo, portanto, à luz da Constituição e de documentos probatórios, não há nenhum formato legal para que esteja afastado daquilo que é o meu direito líquido e certo de ser o (1º) vice-presidente da Assembleia Legislativa”. No embate, também estão os que fazem oposição a Mesa Diretora afastada. O principal nome para o cargo tem sido o de Judson Cabral (PT), que já demonstrou interesse na disputa. O pivô da crise - entretanto - parece querer um outro caminho. Em meio a briga pela presidência da Mesa Diretora da Casa de Tavares Bastos, o deputado estadual João Henrique Caldas está de olho em outra presidência: a Comissão de Ética do parlamento estadual. Entendam: o deputado estadual João Henrique Caldas - que desencadeou a série de denúncias envolvendo a Assembleia Legislativa do Estado de Alagoas, resultando na crise pela qual passa o poder - briga sim por uma presidência dentro da Casa de Tavares Bastos,

VILAR

mas não a da Mesa Diretora. João Henrique Caldas tenta articular - nos bastidores político e diante do clima de eleições vindouras para presidente da Casa - a ida para a Comissão de Ética do parlamento estadual. JHC acredita que pode usar a comissão para instaurar processos, dentro da esfera do Legislativo, contra os membros da Mesa Diretora e os envolvidos no esquema dos múltiplos repasses aos funcionários comissionados. Para ele, um passo a mais para esclarecer a “lista de ouro”, sabendo quem indicou quem, além da possibilidade de deputados estaduais terem ficado com parte dos salários dos comissionados. Caldas tem dito - nos bastidores - que a Comissão seria de extrema importância diante da atual crise no parlamento estadual. JHC chegou a afirmar que a Comissão de Ética se encontra acéfala, sem um presidente. No site da Assembleia, de fato não há presidente. O vice-presidente é o deputado estadual Sérgio Toledo (PDT), conforme o site. Fazem parte dela ainda Ricardo Nezinho (PMDB), Judson Cabral (PT), Inácio Loiola (PSDB) e Joãozinho Pereira (PSDB). Será que a Comissão teria esta força que JHC acredita que tem? É uma comissão permanente que passa batida na Casa de Tavares Bastos. Longe, muito longe, de ser considerada uma das mais importantes do parlamento estadual. Quem também se posicionou em relação aos últimos acontecimentos foi o deputado estadual Olavo Calheiros (PMDB). O deputado peemedebista disse que ao determinar novas eleições para a Mesa Diretora da Assembleia Legislativa, em decisão proferira em juízo de 1º grau, se invandiu atribuições do Poder Legislativo. Olavo fez questão de ressaltar que todas as denúncias devem ser apuradas com rigor e, caso haja comprovação de alguma irregularidade, que sejam responsabilizados os culpados. “A apuração deve ser realizada dentro da absoluta legalidade, respeitando o ordenamento jurídico, sobretudo a independência e as atribuições dos Poderes constituídos”, afirma o deputado.

e-mail: asemana-al@hotmail.com

EDITOR-GERAL

MIGUEL OLIVEIRA

DIRETOR-COMERCIAL

LUCIANO ANDRESON DIAGRAMADOR

Rua Dr. Antônio Pedro de Mendonça, 73 Jaraguá Maceió / Alagoas - CEP: 57030-070 Redação e Comercial: (82) 3317-0213

Os artigos assinados são de inteira responsabilidade de seus autores, não refletindo necessariamente a opinião deste semanário.


11 a 17 de novembro de 2013

POLÍTICA

Procurador-geral respondeu ao parlamentar por meio de carta aberta para a imprensa DA REDAÇÃO

O procurador geral da Assembleia Legislativa de Alagoas, Fábio Ferrário, enviou à imprensa alagoana uma carta aberta contra as declarações do deputado João Henrique Caldas. Nela, pede para que João Henrique Caldas se cale. “Estou respondendo, não porque Vossa Excelência mereça um minuto da minha atenção, mas, em respeito a mim mesmo e a profissão cidadã que exerço, a qual não me permite calar neste momento ou ter receios de desagradar quem se acha senhor do bem e do mal”, salienta. O procurador ainda ressalta “tenho a vida limpa, vivo honestamente do meu trabalho, trabalho

CARTA NA ÍNTEGRA Conforme veiculado neste espaço, o Dep João Henrique Caldas, noticiou que, no Plenário, aliou-se ao manifesto dos servidores da Assembleia contra supostos atos arbitrários de minha autoria –- sem dizer quais -– e afirmou que não tenho legitimidade para o exercício da função, porque escolhido pela Mesa Diretora afastada. De início, reafirmo, me respeite que não lhe dei liberdade para dirigir-se a mim, tampouco desse modo. Não o conheço, nem muito menos dei-lhe intimidade. Se supõe ser o valentão da hora, saiba que suas bravatas não me intimidam. Se por acaso imagina que apequenou o Parlamento, não se iluda, a mim, sequer enfada. Estou respondendo, não porque Vossa Excelência mereça um minuto da minha atenção, mas, em respeito a mim mesmo e a profissão cidadã que exerço, a qual não me permite calar neste momento ou ter receios de desagradar quem se acha senhor do bem e do mal. Tenho a vida limpa, vivo honestamente do meu trabalho, trabalho muito e, diferentemente de V. Exa, não estou a procura de cargos. Fui convidado para a Assembleia para fazer trabalho sério e o fiz, mesmo incomodando-o desde o primeiro momento, certamente porque, à exemplo de um pequeno gafanhoto, você buscava brilho

3

Ferrario rebate JHC e fala de processo administrativo contra pais de deputados >>> CRISE NA ALE

muito e, diferentemente de V. Exa, não estou a procura de cargos”. “Será que V. Exa não gostou da minha presença no Parlamento justamente porque em razão das orientações firmadas seus genitores estão respondendo a processo disciplinar por inassiduidade?!”, coloca ainda. “A propósito, já que se arvora em defensor da moralidade, porque não diz à sociedade Alagoana e ao Ministério Público se as fichas de frequência de um dos seus pais, oriundas do seu gabinete, correspondem à verdade. Responda para a sociedade Alagoana: Eles frequentavam a Assembleia diariamente fazendo jus aos altos salários recebidos, ou melhor afirmar que as condutas merecedoras de apuração somente são as alheias?! Quando denunciou os médicos da ALE ao Fantástico, por que não disse que sua genitora veio como médica do Executivo para a Assembleia, através de um processo de anuência, que o STF já considerou incon-

Fábio Ferrário, Procurador Geral

stitucional, e igualmente não trabalhava?!”, salientou. Na carta, Ferrário toca por diversas vezes no assunto. E finaliza: “Honestidade, senhor Deputado, não é atributo de cobrança em mão única! Lembre-se, ainda, deputado, que quando anunciou a pleno

pulmões que outro parlamentar estaria enganando a administração com uma aposentadoria fraudulenta, de imediato recomendei a abertura de uma investigação, e o Sr. silenciou e fugiu dela quando chamado a provar o alegado. E fugiu em razão de a sua acusação, na verdade, não ter passado de uma tergiversação aerófaga e meramente autopromocional. Exatamente por essa postura, sem compromissos com erros e que não aceita cabrestos é que o incomodo e a tantos outros! Diga a verdade, é mais bonito! Só lamento não ter voz no parlamento, pois gostaria de dizer-lhe tudo isso olhando nos seus olhos, diversamente do que V. Exa fez, até porque quando me encontra no corredores da Assembleia, corre para cumprimentos e tapinha nas costas, com sorriso fácil nos lábios”.

Respeite-me que não lhe dei liberdade nem lhe dou ousadia

fácil nas trevas em que acendi um lampejo verdadeiro da luz da transparência. Com certeza, o real sentido e o enlace dos atos os quais denomina “arbitrários”, em muito fogem ao seu alcance mental, porquanto vossa desfocada concepção não o permitiu distinguir que as medidas sugeridas, e aceitas, foram voltadas à moralização, legalização e eficácia da Casa Tavares Bastos e aplaudidas pela opinião pública, por acertadas. Se orientar a instalação de ponto eletrônico para controlar a jornada, se sugerir que o servidor passe a efetivamente trabalhar em razão da remuneração recebida, se sugerir a cessão de servidores ociosos para áreas carentes do Estado, se opinar em procedimento administrativo contra promoção de servidor que sequer poderia estar no cargo que ocupa é, no seu entender, sinônimo de “arbitrariedade”, V. Exa não apenas inverte, mas, principalmente, subverte conceitos e valores. Aprenda agora o que não aprendeu em casa, garoto, a realidade da vida não se sustenta só com fantasias publicitárias. A postura necessita ajustar-se aos preceitos. Lembre-se o que disse o Min. Carlos Brito: A silhueta da verdade só se assenta em vestidos transparentes. E por falar em verdade, indago: Será que V. Exa

não gostou da minha presença no Parlamento justamente porque em razão das orientações firmadas seus genitores estão respondendo a processo disciplinar por inassiduidade?! A propósito, já que se arvora em defensor da moralidade, porque não diz à sociedade Alagoana e ao Ministério Público se as fichas de frequência de um dos seus pais, oriundas do seu gabinete, correspondem à verdade. Responda para a sociedade Alagoana: Eles frequentavam a Assembleia diariamente fazendo jus aos altos salários recebidos, ou melhor afirmar que as condutas merecedoras de apuração somente são as alheias?! Quando denunciou os médicos da ALE ao Fantástico, por que não disse que sua genitora veio como médica do Executivo para a Assembleia, através de um processo de anuência, que o STF já considerou inconstitucional, e igualmente não trabalhava?! Na sequencia, por que não aproveita e diz também para a sociedade alagoana que sua genitora,enquanto servidora da Assembleia de Alagoas, era também oficial médica da PM e foi flagrada em processo de acumulação de um terceiro cargo na Secretaria da Saúde em Brasília, através do Processo Disciplinar n. 3207/07, do MP de Contas do DF. Será

que tinha três empregos, Deputado, dois aqui e um lá?! O Senhor acha certo ela ainda estar na Assembleia, lotada no seu gabinete, e o errado sou eu em tentar corrigir fatos desta natureza?! Honestidade, senhor Deputado, não é atributo de cobrança em mão única! Lembre-se, ainda, deputado, que quando anunciou a pleno pulmões que outro parlamentar estaria enganando a administração com uma aposentadoria fraudulenta, de imediato recomendei a abertura de uma investigação, e o Sr. silenciou e fugiu dela quando chamado a provar o alegado. E fugiu em razão de a sua acusação, na verdade, não ter passado de uma tergiversação aerófaga e meramente autopromocional. Exatamente por essa postura, sem compromissos com erros e que não aceita cabrestos é que o incomodo e a tantos outros! Diga a verdade, é mais bonito! Só lamento não ter voz no parlamento, pois gostaria de dizer-lhe tudo isso olhando nos seus olhos, diversamente do que V. Exa fez, até porque quando me encontra no corredores da Assembleia, corre para cumprimentos e tapinha nas costas, com sorriso fácil nos lábios.


4 / POLÍTICA

11 a 17 de novembro de 2013

Flávia Cavalcante vai puxar eleição para a Mesa nesta semana >>> DECISÃO

Embate será entre governistas e oposição à administração de Fernando Toledo DA REDAÇÃO

A Assembleia Legislativa do Estado de Alagoas inicia a semana em clima de indefinição. Apesar do afastamento dos membros da Mesa Diretora já ter sido decretado desde a semana retrasada, a Casa de Tavares Bastos ainda se encontra acéfala. Ou seja: sem comando. O motivo da demora para puxar uma nova eleição? Alguns membros da Mesa - incluindo o presidente Fernando Toledo (PSDB) - ainda tinham a esperança de retomar os seus cargos diretivos por meio de recurso. Um trabalho da Procuradora Geral da Casa, que se encontra sob o comando do advogado Fábio Ferrario. Quem ainda confia - também! - em uma reversão com base em recurso judicial é o vice-presidente Antônio Albuquerque (PRTB). Neste caso, Albuquerque luta sozinho para presidir a Casa. O parlamentar do PRTB tenta mostrar quem nada tem a ver com as decisões tomadas por Toledo e pelos demais integrantes da Mesa. Aliás, Fernando Toledo e Antônio Albuquerque são rivais políticos. Diante deste clima de incertezas, que a deputada estadual Flávia Cavalcante terá a responsabilidade de ditar os rumos do parlamento estadual nesta semana. Cavalcante já anunciou que vai convocar os parlamentares para a eleição da Mesa. Fixou até data: o dia 12 de novembro. Isto não significa conforme bastidores políticos - que seja algo que vá ocorrer de certeza. Cavalcante informou que está cumprindo a ordem judicial que determinou a eleição, após oito deputados terem sido afastado por decisão do juiz Alberto Jorge no dia 31 de outubro. A ordem determina que o pleito deve acontecer na próxima sessão após a notificação. Caso contrário, a atual presidência deverá pagar multa diária

Flávia Cavalcante, “As reivindicações são justas. Recebi o documento e já pedi para ser entregue aos senhores deputados, para que tenham conhecimento dos pleitos” no valor de R$ 15 mil. Na primeira sessão da semana, realizada na terçafeira (5), a deputada peemedebista disse que não tem pretensão de se candidatar à presidência. "Hoje eu não sou candidata. Caso o grupo decida, eu posso sair [candidata], até porque tem um grande número de deputados que não podem assumir", afirma. Já o deputado Judson Cabral (PT) demonstrou interesse em disputar o cargo de presidente da Assembleia Legislativa de Alagoas. Com a decisão são afastados da Mesa Diretora da ALE os deputados: Fernando Toledo (PSDB), Antonio Albuquerque (PT do B), Sérgio Toledo (PDT), Jota Cavalcante (PDT), Maurício Tavares (PTB), Marcelo Victor (PTB), Marcos Barbosa (PPS) e Dudu Hollanda (PSD).

A decisão cautelar foi tomada após a análise do documento elaborado por 15 promotores de justiça, que relataram diversas irregularidades cometidas pelos integrantes da Mesa Diretora da ALE, que apresentam denúncias de desvios na folha de pagamento da Casa de Tavares Bastos. O Ministério Público Estadual de Alagoas (MP-AL) propôs uma ação cautelar com pedido de afastamento dos integrantes da Mesa Diretora da Assembleia Legislativa de Alagoas (ALEAL) enquanto durar a investigação sobre a denúncia de desvio de R$ 4,7 milhões. Entretanto, a instituição comunica que, enquanto não houver uma decisão do Poder Judiciário, não se pronunciará a respeito da matéria em face da essencialidade do sigilo nessa fase apuratória.

CRISE COM SERVIDORES Paralelo a crise institucional, a Assembleia Legislativa ainda é palco de um embate entre os servidores e o procurador-geral Fábio Ferrario. O assunto acabou também envolvendo Flávia Cavalcante. A presidente interina recebeu do presidente da Fenale (Federação Nacional dos Sindicatos dos Servidores dos Poderes Legislativos), João Moreira, uma pauta de reivindicações trabalhistas propostas pelos servidores do Legislativo alagoano. De acordo com João Moreira, os servidores da Assembleia reivindicam providências para diversas questões trabalhistas que há anos estariam pendentes, entre as quais estão melhorias salariais e de condições de trabalho. “Gostaríamos que essas reivindicações fossem atendidas, que o sindicato e a associação dos servidores deste Poder fossem chamados para uma reunião e que esses pontos sejam discutidos para entrarem num acordo”, disse Moreira. Flávia Cavalcante informou que a primeira providência por ela adotada foi determinar a entrega de cópias do documento aos parlamentares para, posteriormente, agendar uma reunião e discutir o pleito dos servidores da Casa. “As reivindicações são justas. Recebi o documento e já pedi para ser entregue aos senhores deputados, para que tenham conhecimento dos pleitos”, disse. Em pronunciamento durante a sessão ordinária, o deputado Gilvan Barros (PSDB) também considerou justas as reivindicações dos funcionários do Poder e solicitou que a atual presidência da Casa faça um levantamento sobre as demandas elencadas. “São reivindicações que foram debatidas, discutidas e aprovadas por unanimidade (durante o Encontro da Fenale) e merecem a atenção e o cuidado de todos nós”, disse o parlamentar.


11 a 17 de novembro de 2013

PUBLICIDADE / 5


6 / POLÍTICA

11 a 17 de novembro de 2013

POSL se estrutura para lançar Heloísa Helena e Mário Agra em 2014 >>> ESQUERDA

Partido deve surgir como via alternativa diante da disputa entre Collor e Vilela DA REDAÇÃO

O PSOL de Alagoas já dá os seus primeiros passos para estruturar o palanque da vereadora Heloísa Helena ao Senado Federal. A exsenadora da República - antes mesmo de assumir a candidatura - já apontava como forte candidata, numa disputa que ainda envolvendo o senador Fernando Collor de Mello (PTB) e o governador de Alagoas, Teotonio Vilela Filho (PSDB). De acordo com a mais recente pesquisa divulgada pelo Ibrape, Collor lidera esta corrida presidencial. Heloísa Helena é a segunda colocada, mas muito próximo de Collor de Mello. O terceiro é Vilela. Por enquanto, apenas confirmam suas candidaturas Heloísa Helena e Fernando Collor. Vilela mantém cautela e segredo sobre a disputa em 2014, mas dá passos de que será candidato. No dia 3 de novembro, o PSOL realizou sua plenária, ouvindo

os filiados. O nome de Heloísa Helena - como colocou Mário Agra foi posto por unanimidade para disputar o Senado Federal. Este cenário, dentro do campo psolista, deve ser mantido nas convenções. Se confirma o que já era posto nos bastidores políticos e já havia sido dito pela própria Heloísa Helena, quando afirmou que vai para a disputa e os adversários terão que gastar muito para derrotá-la. Heloísa Helena disputou o Senado Federal em 2010, quando duas vagas estavam em jogo. Ela perdeu a eleição. Saíram vitoriosos os senadores Benedito de Lira e Renan Calheiros.

AGORA O CENÁRIO É OUTRO. Em reação ao Executivo, Agra disputou o governo pelo PSOL em 2010. Em 2012, foi candidato a vereador por Maceió. Nos bastidores, Tony Cloves ainda chegou a disputar a indicação para concorrer ao governo do Estado de Alagoas em 2014. Não

>>> Vereadora Heloísa Helena

obteve sucesso. Cloves já disputou o cargo pelo PCB. Em 2012, assim como Agra, estava entre os psolistas que disputaram uma das cadeiras da Casa de Mário Guimarães. Além destas decisões, o partido elegeu Maurício Dias para a presidência da legenda. Ele é o pai de Sandra Dias, que foi candidata a vice-prefeita, em 2012, na chapa encabeçada pelo expsolista Alexandre Fleming (PTN). Agra comentou sobre as decisões do partido em sua rede social. Em Alagoas, o partido - segundo Agra vai defender o nome de Luciana Genro como pré-candidata à presidência da República. Neste ponto, há alguns questionamentos que são feitos - em bastidores - em relação ao comportamento de Heloísa Helena. Muitos indagam qual o posicionamento dela em relação à união entre Eduardo Campos (PSB) e Marina Silva.

Joãozinho Pereira apresenta estudo orçamentário dos órgãos estaduais O deputado Joãozinho Pereira (PSDB) entregou ao Parlamento alagoano e a cada deputado um estudo referente às variações financeiras, via orçamento, dos órgãos estaduais entre os anos de 2009 e 2014. Joãozinho lembrou que o estudo servirá de base para que cada deputado possa se posicionar em relação a votação da peça orçamentária do

próximo ano. “O estudo servirá para que o parlamentar possa estudar a evolução, utilizando-o como base para a discussão da Lei orçamentária”, afirmou o deputado. O estudo mostra, por exemplo, que a Secretaria de Estado da Defesa Social recebeu em 2013 pouco mais de R$ 103 milhões e no orçamento de 2014 está previsto pouco mais de R$ 95 milhões, determinando, nesse

caso, uma queda. Já a Secretaria de Comunicação recebeu este ano pouco mais de R$ 24 milhões e está previsto para 2014 pouco mais de R$ 28 milhões, um acréscimo financeiro. A Assembleia Legislativa realizará até o final deste mês uma sessão especial para discutir a Lei Orçamentária Anual para o exercício de 2014.

>>> Deputado Joãozinho Pereira


POLÍTICA / 7

11 a 17 de novembro de 2013

Renan Calheiros quer acelerar votação do orçamento impositivo e do voto aberto >>> CONGRESSO NACIONAL

Líderes fazem um acordo para que decisão seja tomada pelo Senado no dia 12 O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), afirmou que vai propor um acordo de procedimento no Plenário para acelerar a votação de duas propostas que mudam a Constituição. Uma vai obrigar a União a liberar os recursos no Orçamento da União oriundos de emendas parlamentares e a outra prevê o fim do voto secreto em todas as votações no Legislativo. – Não há porque esperar, tudo ficará melhor depois que finalizarmos essas votações – disse Renan. Para terminar a primeira fase de análise da chamada PEC do Orçamento Impositivo, os senadores precisam votar uma emenda, proposta pelo senador Cícero Lucena (PSDBPB), que eleva o percentual de aplicação na área da saúde em 18% da Receita Corrente Líquida (RCL) nos

>>> Senador Renan Calheiros

próximos quatro anos. Pelo texto aprovado, o percentual é de 15% até 2018. Os líderes fizeram um acordo para fazer essa votação na terça-feira (12). Após o fim do primeiro turno, a PEC precisa passar por três sessões de discussão e mais uma votação, em segundo turno. – Vamos conversar com os senadores e definir um procedimento. É possível que possamos finalizar essa votação na própria terça para começarmos a analisar o voto aberto – afirmou Renan. Caso os líderes concordem, o próximo item da pauta será a proposta de emenda à Constituição 43/2013, que determina o voto aberto para todas as decisões do Congresso Nacional, das assembleias legislativas e das câmaras de

vereadores. A proposta recebeu emendas na última sessão de discussão em Plenário e voltou para a Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJC) no início do mês passado. A CCJ terminou a análise das emendas no final de outubro e devolveu a PEC ao Plenário. O relator da proposta, senador Sérgio Souza (PMDB-PR) manteve o voto aberto amplo no texto, embora algumas emendas permitissem exceções. Agora, a disputa será no Plenário, a exemplo do que aconteceu com o Orçamento Impositivo. Se aprovada em primeiro turno, ainda há mais três sessões de discussão e outra votação, em segundo turno. Mas todos os prazos podem ser abreviados se houver acordo entre os líderes.

Benedito de Lira articula debate com ministro sobre questão indígena no país

Os senadores, Waldemir Moka (PMDB-MS), Rubem Figueiró (PSDBMS) e Blairo Maggi (PR-MT) cobraram da Fundação Nacional do Índio (Funai) urgência nas medidas para solucionar conflitos entre agricultores e indígenas pela posse da terra na quinta-feira (7). Eles debateram o tema com a presidente do órgão, Maria Augusta Assirati, em audiência, na Comissão de Agricultura e Reforma Agrária (CRA). Os parlamentares cobraram o cumprimento de compromissos que teriam sido assumidos pelo governo federal, como o pagamento de indenizações a produtores que tiveram áreas

desapropriadas para a formação de reserva indígena. A presidente da Funai disse que desconhecia a posição final sobre o caso, mas argumentou que apesar da União já pagar as benfeitorias, acredita que isso não é suficiente para evitar conflitos e defendeu a compensação financeira para cobrir danos gerados pela desapropriação. “A demarcação de reservas indígenas é um direito constitucional, mas também uma ação que contribui para a proteção ambiental e a regularização fundiária, reduzindo os desmatamentos e a exploração ilegal de madeira”, acrescentou. MINISTRO DA JUSTIÇA

Na condução do debate, o presidente da CRA, senador Benedito de Lyra (PP-AL), anunciou para o próximo dia 21 a realização de audiência pública com o ministro da Justiça e disse esperar que José Eduardo Cardozo esclareça questionamentos dos senadores que ainda ficaram sem resposta. Ele também se aliou aos colegas nas preocupações com o agravamento dos conflitos no campo e pela urgência de soluções. “O que desejamos é um processo pacífico entre aqueles que produzem e os povos indígenas”, disse Senador Benedito de Lira.

>>> Senador Benedito de Lira


8 CIDADES

CIDADES

11 a 17 de novembro de 2013

>>> SAÚDE

Arsal divulga lista de habilitados a prosseguir licitação

Concluído o período para recursos, a lista dos habilitados a prosseguir na Licitação para o Sistema de Transporte Rodoviário Intermunicipal de Passageiros (categoria Complementar) foi divulgada no Diário Oficial, pela Comissão Especial de Licitação da Agência Reguladora de Serviços Públicos do Estado de Alagoas (Arsal). A abertura dos envelopes “B”, contendo as propostas técnicas dos concorrentes habilitados, acontece nesta terça-feira (12), às 8h30 (horário local), no Ginásio do Sesi, no bairro do Trapiche. Estão sendo oferecidas 645 vagas para suprir as necessidades do Sistema de Transporte Complementar, que já conta com 800 complementares licitados. Dos 797 inscritos neste segundo certame, apenas sete foram desabilitados. Waldo Wanderley, presidente da Arsal, explicou que, após a abertura do envelope B, a Comissão de Licitação, presidida pelo coordenador Jurídico da Agência, Ricardo Omena, fará a classificação e divulgará o resultado final. “Quando esse segundo processo licitatório for concluído, o número de linhas atendidas pelos complementares passará de 109 para 167, distribuídas em todo o Estado e o número de veículos complementares em circulação também aumentará de cerca de 800 para mais de 1.400”, acrescentou o presidente. Esta é a segunda licitação do Transporte Rodoviário Intermunicipal Complementar realizada pelo Governo do Estado de Alagoas, com o objetivo de completar as vagas oferecidas no certame anterior, no qual 800 transportadores complementares foram licitados, representando um marco histórico no transporte público. A lista completa pode ser conferida no Diário Oficial, na sede da Arsal (Rua Cincinato Pinto, 226, Edifício Ipaseal, Centro, Maceió) ou na página eletrônica www.arsal.al.gov.br.

HU recebe mais de R$ 700 mil para abrir 18 leitos de Oncologia

>>> Jorge Villas Bôas: “Temos a certeza de que a direção da unidade também cumprirá a parte que lhe cabe no Termo de Compromisso, beneficiando a população, principalmente a mais carente\"

Recursos fazem parte da 2ª parcela do Termo de Compromisso de agosto

JOSENILDO TÖRRES Colaboração

Para disponibilizar 18 leitos de Oncologia no Hospital Universitário de Maceió, sendo 10 destinados a pacientes do Hospital Geral do Estado (HGE), o governador Teotonio Vilela Filho repassou R$ 714 mil para a unidade. O valor é referente à segunda parcela do Termo de Compromisso firmado em agosto deste ano entre o Governo do Estado e o Hospital Universitário, que corresponde a R$ 6,1 milhões, divididos em seis parcelas. Além da abertura dos leitos oncológicos, os recursos serão utiliza-

dos para disponibilizar exames de ressonância magnética, tomografia computadorizada, cirurgias oftalmológicas e biópsias para diagnóstico precoce de câncer. De acordo com o Termo de Compromisso, o HU terá que realizar, mensalmente, 258 biópsias, 326 tomografias, 166 ressonâncias magnéticas, 1.387 ultrassonografias e 231 cirurgias oftalmológicas de média e alta complexidade. Para isso, a direção do Hospital Universitário está contratando 134 profissionais que irão garantir o atendimento aos usuários do SUS. De acordo com o diretor técnico da unidade, Sebastião Praxedes, já está sendo reali-

zado o processo seletivo para a contratação dos profissionais de saúde. “Até o final deste ano os serviços estarão à disposição dos usuários do SUS [Sistema Único de Saúde]”, informou. Segundo o secretário de Estado da Saúde, Jorge Villas Bôas, o Governo do Estado vem cumprindo o compromisso assumido com o Hospital Universitário para garantir atendimento de qualidade aos usuários do SUS. “Temos a certeza de que a direção da unidade também cumprirá a parte que lhe cabe no Termo de Compromisso, beneficiando a população, principalmente a mais carente\", destacou.


11 a 17 de novembro de 2013

PUBLICIDADE 9


10 / CIDADES

11 a 17 de novembro de 2013

Mercado de Jaraguá marca presença em guia gastronômico >>> BOA COMIDA

Livro conta com 132 páginas e com 30 experiências que a jornalista registrou em Alagoas As atrações culinárias do Mercado Público de Jaraguá, como a tradicional feijoada e o café-da-manhã regional, estão entre os pratos de 30 bares, restaurantes e similares qie são o assunto do livro Guia da gastronomia popular de Alagoas, de autoria da jornalista Nide Lins. O livro foi lançado pela Imprensa Oficial Graciliano Ramos no último dia 1º de novembro, durante a VI Bienal do Livro de Alagoas, no Centro Cultural e de Exposições Ruth Cardoso. O livro, de 132 páginas, conta com 30 experiências que a jornalista registrou em bares, restaurantes e similares e conta, inclusive, com ilustrações dos pratos, mapas indicando como chegar aos lugares e horários de funcionamento. Entre os locais que constam no Guia da Gastronomia Popular de Alagoas, está o Mercado de Jaraguá. Na obra, Nide Lins dá destaque à tradicional feijoada, servida pelos quatro restaurantes instalados no mercado a preços acessíveis, e ao café-da-manhã regional, com carne de boi, de carneiro ou de galinha guizada. A jornalista também fala sobre a vocação turística do mercado através de sua gastronomia. “Localizado no bairro que guarda parte da história de Maceió, com patrimônio arquitetônico valioso, o Mercado de Jaraguá é também uma ótima pedida para quem deseja fazer uma imersão nos sabores mais tradicionais da gastronomia popular alagoana”, diz a autora no livro. Na obra, Nide Lins fala sobre a grande procura pela feijoada, que é servida pelos quatro quiosques de alimentação do Mercado de Jaraguá, de segunda a sábado. A jornalista também fala sobre o café-da-manhã. Segundo ela, “uma referência da co-zinha regional”.

A AUTORA Alagoana, Nide Lins é jornalista e escreve há mais de 15 anos na imprensa

local sobre gastronomia e turismo. É considerada uma das principais referências da área. Ela escreve sobre o assunto, inclusive, em seu blog no portal TNH1.

PÓLO GASTRONÔMICO Devido à boa comida que é oferecida no Mercado de Jaraguá, o estabelecimento pode se tornar atração turística, se transformando em um pólo gastronômico após seu processo de requalificação. O projeto é da consultora Perolina Lyra, especializada em turismo. O assunto começou a ser discutido em abril, entre a Secretaria Municipal do Trabalho, Abastecimento e Economia Solidária (Semtabes) e o Serviço Nacional de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) Alagoas. Por conta de sua localização no bairro histórico de Jaraguá, o mercado possui forte apelo cultural. Tanto que o estabelecimento foi palco do lançamento do São João de Maceió deste ano, em evento no início do mês de

“O mercado fica em um bairro tombado pelo patrimônio histórico. Além disso, é muito próximo do Centro de Convenções, que sempre conta com eventos nacionais e internacionais durante o ano. Tudo isso deve ser levado em consideração” junho. “O mercado fica em um bairro tombado pelo patrimônio histórico. Além disso, é muito próximo do Centro de Convenções, que sempre conta com eventos nacionais e internacionais durante o ano. Tudo isso deve ser levado em consideração”, lembra a secretária municipal do Trabalho, Abastecimento e Economia Solidária, Solange Jurema.

O MERCADO O Mercado Público de Jaraguá, situado no histórico bairro de Maceió, tem a gastronomia como seu ponto forte.O prédio ainda abriga lojas de empreendimentos de Economia Solidária que comercializam artigos de artesanato da terra. Além disso, há boxes destinados a venda de frutas, verduras, artigos de papelaria e alguns serviços. O estabelecimento é um dos primeiros objetos do processo requalificação de mercados e feiras de Maceió que vem sendo desenvolvido pela Prefeitura, através da Secretaria, em parceria com o Serviço Nacional de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) e outros órgãos públicos municipais, estaduais e federais. Com 57 boxes ao todo, o Mercado, que fica na Avenida Comendador Leão, em Jaraguá, funciona de segunda a sábado, das 7 às 16 horas.


11 a 17 de novembro de 2013

CULTURA

11

>>> GASTRONOMIA

Evento iniciou no fim de semana e vai até o dia 17 de novembro

Festival da Lagosta movimenta o Litoral Norte

A rica culinária alagoana volta ao cartaz no município de Maragogi e no vizinho Japaratinga no 4o Festival Gastronômico da Lagosta, que ocorre a partir deste sábado (9) e vai até 17 de novembro. O evento, realizado pela Costa dos Corais Convention & Visitors Bureau e pelas prefeituras dos municípios de Maragogi (a 131 km de Maceió) e Japaratinga (distante 115 km da capital), visa estimular a vinda de turistas para os restaurantes, pousadas e hotéis da região da Costa dos Corais, com boa comida, natureza exuberante e preços

promocionais. Além das delícias à mesa, os turistas e moradores da região serão convidados a assistirem aos shows, apresentações de teatro e de folguedos como as cambindas de Porto de Pedras e o samba de matuto de Maragogi. Na abertura do dia 09, em Maragogi, a partir das 22h, o cantor Santanna (de Juazeiro do Norte, Ceará) mostrará porque é sucesso em todo o Nordeste cantando e tocando forró pé de serra. A cantora Wilma Araújo, de Maceió, fará um show especial no dia 15, uma sexta-feira, às 20h. Haverá também

exibição de filmes e uma apresentação, no dia 12 (terça-feira), da Orquestra Filarmônica Bom Jesus, de Matriz de Camarabige. A “Lagosta Camurim Grande”, preparada pela chefe Maranei da Silva Cardoso, promete. “É uma lagosta defumada na manteiga de garrafa e acompanhada de batata rosty. É uma delícia. Vou lançar no festival, mas quem já provou, aprovou”, garantiu a chefe. PRATO ESPECIAL Maranei, ou “Mara” como é mais conhecida, veio de Teresópolis (RJ) há

11 anos e já passou por diversos restaurantes de prestígio na região da Costa dos Corais. Ao lado do marido, Paulo Cardoso, ela comanda a cozinha aberta da pousada Camurim Grande, em Maragogi. O prato para o festival, para duas pessoas, custa R$ 140, mas terá um desconto de 30%, ficando por R$ 98 no período do evento. E vale lembrar que a pousada Camurim Grande passou a integrar recentemente um seleto grupo de empreendimentos hoteleiros espalhados pelo Brasil que prima pela excelência no atendimento personalizado e no conforto das instalações oferecidas aos hóspedes. Conseguindo entrar para a Associação Roteiros de Charme. Outro destaque da programação do 4o Festival da Lagosta são as aulasshow a serem realizadas gratuitamente na Arena Gastronômica. Estas oficinas serão ministradas por chefes convidados, com o objetivo de promover uma interação do público com a culinária local. O Festival da Lagosta de Maragogi e Japaratinga movimenta o turismo da região, atraindo visitantes de todo país, especialmente das capitais Maceió (AL) e Recife (PE), ambas as cidades distantes do local aproximadamente 130 km. Participam desta edição as pousadas Barra Velha, Encontro das Águas, Camurim Grande, Paraíso dos Coqueirais e Costeira da Barra; os hotéis Areias Belas, Bitingui e Praia Dourada; a estalagem Caiuia; os restaurantes O Lagostão, Companhia da Lagosta, O Burgalhau e Comedoria Marítima e o restaurante e receptivo Pontal do Maragogi.


12 / PUBLICIDADE

11 a 17 de novembro de 2013


11 a 17 de novembro de 2013

ÚLTIMAS

Governo lança novo sistema de emissão de RG nesta segunda-feira

O Governador do Estado, Teotônio Vilela Filho, vai lançar oficialmente nesta segunda-feira (11), o novo sistema operacional responsável pela emissão das carteiras de identidades em Alagoas. O ato será às 10h00, durante inauguração da reforma e ampliação da sede matriz do Instituto de Identificação que fica na Rua Cincinato Pinto no centro da Capital. O novo sistema foi adquirido através de licitação realizado pela Secretaria de Estado da Defesa Social é considerado na atualidade o que existe de mais moderno na área de tecnologia em identificação digital. O consórcio vencedor da licitação, formado pelas empresas Montreal e Thomas Greg, está sendo responsável pela prestação de serviços, implantação, operacionalização e manutenção da central de emissão de documentos civil. Segundo a diretora do Instituto de Identificação, Maria Madalena, o contrato realizado entre o consórcio e o Governo do Estado ainda engloba o fornecimento de equipamentos para captura de imagens, fotos, assinaturas e impressões digitais da identificação do requerente do documento. O sistema também possui tecnologia de comparação biométrica automática e será utilizado tanto para identificação civil como criminal. “Durante o período em que a sede ficou fechada para as obras, técnicos das empresas instalaram o novo sistema e o testaram com sucesso. Além da matriz, todos os postos de Alagoas, também serão beneficiados com a substituição de seu maquinário por novos equipamentos, mais adequados para suportar o novo sistema.”, afirmou a diretora. Uma das principais reivindicações da população alagoana, o prazo de entrega da carteira de identidade, também será atendido com o novo sistema.

13

Saiba como descartar corretamente pneus usados e inservíveis >>> LIXO

Apesar da possibilidade da recauchutagem, período de decomposição é de 600 anos

FERNANDO COELHO Colaboração

Produzido com borracha extraída a partir de um polímero oriundo do petróleo, os pneus podem resultar em sério risco ao meio ambiente e à saúde pública quando descartados inadequadamente. Embora apresente possibilidades de recauchutagem para uma nova utilização, o pneu quando chegar ao estágio de inservível pode levar cerca de 600 anos até se transformar em pó pela ação da natureza. Do mesmo modo, se queimado ao ar livre, o material emborrachado gera uma fumaça tóxica e altamente poluente. Por tudo isso, o Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama) publicou a resolução Nº 416, em 30 de setembro de 2009, que dispõe sobre a prevenção à degradação ambiental causada por pneus inservíveis e sua destinação ambientalmente adequada. Entre os 18 artigos que disciplinam o gerenciamento dos pneus inservíveis, o Art. 1º obriga “os fabricantes e os importadores de pneus novos, com peso unitário superior a 2,0 kg (dois quilos) (…) a coletar e dar destinação adequada aos pneus inservíveis existentes no território nacional”. É a chamada logística reversa. Neste conceito, o comprador devolve o material utilizado para o local de venda ou para o fabricante que, por sua vez, realiza a destinação final correta. De acordo com o Parágrafo 1º, do Art. 8º da lei federal, após elaborarem um plano de gerenciamento de coleta, armazenamento e destinação de pneus, fabricantes e importadores de pneus novos devem implantar – nos municípios acima de cem mil habitantes – pelo menos um ponto de coleta, que pode ser um ponto de comercialização ou até mesmo uma borracharia. A Superintendência de Limpeza

Urbana de Maceió (Slum) orienta que os cidadãos levem os pneus inservíveis para o estabelecimento em que foram comprados. O Art. 9º, da Resolução Nº 416 do Conama, determina: “Os estabelecimentos de comercialização de pneus são obrigados, no ato da troca de um pneu usado por um pneu novo ou reformado, a receber e armazenar temporariamente os pneus usados entregues pelo consumidor, sem qualquer tipo de ônus para este, adotando procedimentos de controle que identifiquem a sua origem e destino”.

REAPROVEITAMENTO Até agosto de 2013, o equivalente a 36,6 milhões de pneus usados de carro de passeio foram recolhidos em todo o Brasil pela Reciclanip. A entidade vinculada à Associação Nacional da Indústria de Pneumáticos promove a coleta e o envio para reaproveitamento de pneus inservíveis em 808 pontos espalhados por todo o território nacional. Embora não seja responsabilidade

da gestão municipal, a Slum contribui para minimizar as situações de descarte inadequado. Em dias alternados, um caminhão recolhe pneus dispostos de modo irregular e envia o material para um ponto de coleta atendido pela Reciclanip. Situada no bairro de Chã da Jaqueira, a Van Borracharia (Av. Djalma Fragoso de Alencar, 19, Jardim Petrópolis II, quadra F-2) chega a receber 5.500 pneus por mês. De acordo com o proprietário, Edvan Raimundo Elias, o material é enviado para fábricas de cimento localizadas nas cidades de São Miguel dos Campos, em Alagoas, e em João Pessoa, na Paraíba, onde se tornam combustíveis alternativos para essas indústrias. Além de combustível alternativo, a borracha dos pneus também é reutilizada para a produção de solas de sapato, materiais de vedação, dutos pluviais, pisos para quadras poliesportivas, pisos industriais, tapetes para automóveis e, quando moída e separada, pode ser misturada ao asfalto.


14

ESPORTES

Raposa derrota os gaúchos por 3 a 0, porém não garante o título em razão da vitória do Atlético-PR. Ainda assim, jogadores festejam com a torcida POR ALEXANDRE LOZETTI

O domingo parecia ter sido desenhado para o cruzeirense. Céu azul, rostos azuis, cabelos azuis, camisas azuis que fizeram correr mais forte o sangue azul e pulsar mais rápido os corações azuis de milhões de pessoas. Belo Horizonte amanheceu eufórica. Buzinas e fogos de artifício ecoavam. Só se esqueceram de convidar o Atlético-PR para a festa. O Cruzeiro venceu o Grêmio por 3 a 0, porém o Furacão bateu o São Paulo pelo mesmo placar e adiou a oficialização do tricampeonato. Mas não adiou a festa. Deixou a Raposa 99,99...% campeã. Futebol não é matemática, números não têm emoção e não compreendem a energia trocada entre torcedores e jogadores no Mineirão. Eles sabiam que era a única chance de sacramentar o título em casa, já que os próximos três jogos serão longe: Salvador, Uberlândia e Rio de Janeiro. Por isso, deram de ombros para o resultado de Curitiba e festejaram como se o time já fosse tri, com volta olímpica. Atletas abanando as camisas ao som do povo, numa despedida épica de um campeonato que alguns chamaram de “sem graça”. Só se for para os rivais. Como se esses jogadores, em quem pouco se apostava no início do campeonato, já estivessem na galeria de heróis ao lado de Tostão, Alex e companhia. Basta à Raposa vencer o Vitória, na próxima quarta-feira, às 21h50m, no Barradão. Se empatar ou perder, só não levanta a taça se o Atlético-PR derrotar o Criciúma, fora de casa, também na quarta, às 21h. Se os atletas são obrigados a esperar para gritarem “é campeão” sem nenhum pudor, a torcida fez isso desde a chegada do ônibus do time ao Mineirão, em meio a um mar evidentemente azul. O povo riu à toa, bateu palmas para ex-jogadores como Sorín, Ricardinho e até Dida, que defendeu o rival Grêmio. Mesmo assim, foi ovacionado.

Cruzeiro vence o Grêmio, tem título adiado, mas time da volta olímpica

11 a 17 de novembro de 2013

>>> SÉRIE A

- A torcida merece, está de parabéns. Temos 99% de chances de sermos campeões. É extraordinário. Ganhamos de todas as equipes, respeitando todas as equipes. Vamos fazer de tudo para sermos campeões no próximo jogo - afirmou o atacante Ricardo Goulart, autor do terceiro gol. Assim como outro goleiro. Fábio parou o Tricolor Gaúcho no segundo tempo. Garantiu a grande vitória, que teve o dedo de Marcelo Oliveira e os talentosos pés de jogadores que se encaixaram num quebracabeça quase perfeito. - Não jogamos mal. Criamos, mas o Fábio esteve muito bem. Tentamos de tudo, mas paramos no Fábio. O pior seria se não tivéssemos criado - disse o técnico gremista, Renato Gaúcho. O Grêmio, que só disputou 45 minutos em bom nível, vê a vaga na Libertadores cada vez mais ameaçada por Goiás e Vitória. Na quarta, os gaúchos vão enfrentar o Vasco em Porto Alegre. Dupla campeã Dagoberto está prestes a ganhar seu quarto título brasileiro. Borges vai para o terceiro, todos ao lado do companheiro. Parece que título atrai título. Jogadores com o carimbo de campeão cravado no corpo e na alma, decisivos. Foram eles os protagonistas do primeiro tempo. Na esquerda, Dagoberto deitou e rolou em cima de Werley e Pará, com direito a uma linda caneta no lateral. Ele ditou o ritmo do envolvente ataque do Cruzeiro, que tinha Borges à espreita, à espera de uma bola. Ou de duas... Na primeira, após chute de Everton Ribeiro, ele furou. A segunda bola passou pela cabeça do parceiro. De Dagoberto para Borges executar um movimento indescritível. Sabe-se lá se bicicleta, voleio, canelada artística... Tão diferente que o atacante bateu com a cabeça no chão ao mesmo tempo em que Dida observou a bola morrer no fundo de sua rede. Uma loucura azul no Mineirão, um passo enorme para o tri. Seja quando for. A essa al-

(FOTO: MARCOS RIBOLLI)

tura, o Atlético-PR já vencia o São Paulo por 2 a 0. O placar do estádio não anunciou os gols, mas hoje em dia, com celulares, internet e afins, todos já sabiam. O Grêmio se defendeu sem vergonha. Parece que até desaprendeu a atacar. Com um meio nada criativo, dependeu de contraataques mal armados. Um deles quase chegou aos pés de Pará, mas Fábio saiu de carrinho em seus pés e fez vibrar Marcelo Oliveira. Do outro lado, Renato Gaúcho deu seu show particular quando segurou Egídio, que havia saído de campo tentando alcançar a bola. É como se o professor Portaluppi pedisse clemência: "Joguem com dez, por favor...". Os dois riram, a torcida vaiou. Kleber, marcado de perto por milhares de pessoas, levou seu quase obrigatório cartão amarelo. E Wilson Luiz Seneme quase recebeu vermelho de Marcelo Oliveira ao ignorar lance em que Éverton Ribeiro pediu pênalti. Foi o último ato do primeiro tempo. ‘TRICAMPEÃO, TRICAMPEÃO...’ Missões da etapa final: Marcelo Oliveira tinha de convencer os jogadores a lutar pela vitória com a mesma gana, mesmo

sabendo que dificilmente dariam a volta olímpica. Renato Gaúcho precisava fazer o Grêmio atacar. Os dois tiveram êxito. Só que, para azar do gremista, havia um Fábio no caminho. Kleber chutou, Barcos chutou, Yuri Mamute chutou... E Fábio espalmou, Fábio espalmou, Fábio espalmou! O argentino ainda acertou a trave. Renato esbravejou, pulou, socou o banco de reservas... E viu o Cruzeiro fazer o que seu time não soube. Com Willian e Luan nos lugares de Dagoberto e Everton Ribeiro, o Cruzeiro ficou renovado na frente. E no placar. Que estrela de Willian! “Respeita o moço”, já pede a letra do Bigode Grosso. Tem que respeitar mesmo. Entrou e fez o gol, na sobra, de pé esquerdo. Em meio a tanta comemoração, é bom se lembrar e agradecer ao Metalist, que mandou o atacante como parte do pagamento por Diego Souza.


ESPORTES / 15

11 a 17 de novembro de 2013

>>> SÉRIE B

Time arapiraquense conseguiu vitória sobre equipe que briga para subir

Já rebaixado, ASA vence o Avaí com gol de Lúcio Maranhão POR MINUTOESPORTES

Com os mesmos 98% de chance de rebaixamento, dado como rebaixado, o ASA tentou honrar a camisa e a torcida arapiraquense e na noite desta sextafeira (08) conseguiu um grande resultado diante do Avaí. Com um gol solitário de Lúcio Maranhão, o time de Arapiraca venceu o rival catarinense por 1 a 0, continuando na última posição e mantendo o rival fora do G4.

O JOGO – 1º TEMPO O primeiro tempo começou com os visitantes assustando os donos da casa. Cléber Santana assustou primeiro, com o goleiro Marcão salvando o time do ASA. No minuto seguinte, foi a vez de Márcio Diogo mandar um chutaço rente a baliza alvinegra. Aos poucos, o ASA tentava respirar e aos 12 minutos, até chegou a marcar o gol, mas o árbi-

tro invalidou o tento da equipe de Arapiraca. Após cruzamento na área, Diego Clementino a bola com a mão, paralisando a partida. O ASA continuou chegando aos poucos, principalmente pelo lado direito, mas o último passe e as finalizações mantinham o time da casa sem marcar gol. A equipe alvinegra ainda pediu pênalti em uma jogada onde Diego Rosa caiu sozinho na área, mas o árbitro mandou seguir. Até o final da etapa, o Avaí ainda chegou por duas vezes e por pouco não abriu o placar. Méritos para o goleiro Marcão, que fechou o gol alvinegro e manteve o empate parcial diante do Avaí em 0 a 0. 2º - TEMPO Na volta para a segunda etapa, o Avaí mostrava que queria a vitória para chegar ao G4 e atacava o time alvinegro. Logo nos primeiros minu-

tos, Márcio Diogo deixou a defesa do ASA para trás e bateu forte, com a bola balançando as redes pelo lado de fora. O jogo na etapa complementar era mais movimentado. O ASA por pouco não abre o placar aos 19 minutos, quando confusão na área sobrou para Lúcio Maranhão, que emendou belo chute para defesa do goleiro Thiago. No lance seguinte, foi a vez do Avaí chegar com Beto, que aproveitou sobra de bola na entrada da área e bateu de esquerda, para grande defesa de Marcão, que vinha salvando o time alvinegro durante a partida. O jogo era movimentado. Mas, por volta dos 30 minutos, a partida precisou ser paralisado quando uma torre de refletores apagou e forçou o árbitro manter o jogo parado por 10 minutos. Quando a partida retomou, as duas equipes precisaram aquecer de

novo para entrar no ritmo da partida, os ataques já não tinham a mesma precisão e o duelo parecia mesmo terminar empatado no Municipal Coaracy da Mata Fonseca. Mas, aos 52 minutos, eis que o artilheiro surgiu para voltar a balançar as redes e honrar o time do ASA, matematicamente rebaixado no Campeonato Brasileiro da Série B. GOOOOLLLL DO ASA! Lançamento para Lúcio Maranhão, que domina e na saída do goleiro Thiago, toca com estilo por cima, abrindo o placar no Municipal. ASA 1 x 0 Avaí. Depois do gol, o time da casa administrou bem o resultado e passou a administrar. O árbitro assinalou três minutos de acréscimo, com o duelo indo até os 58 minutos, por conta do tempo de paralisação, o que não ajudou o Avaí a empatar. Vitória do ASA consolidada.


16

Supertufão 'Haiyan' pode ter matado 10 mil nas Filipinas >>> INTERNACIONAL

Filipinos saqueiam loja em região atingida por supertufão 'Haiyan'

11 a 17 de novembro de 2013

FOTO: BULLIT MARQUEZ / AP PHOTO

DO G1

Em São Paulo

Diante da passagem do supertufão “Haiyan”, o mais potente do ano e provavelmente o mais forte da história na região, que deixou 10 mil mortos, de acordo com as estimativas da polícia, filipinos saquearam uma merceria em busca de alimentos na cidade de Tacloban. A polícia nacional e os militares foram enviados à região atingida. A missão deles era evitar saques, especialmente em Tacloban. Extra-oficialmente, o país contabiliza 1.200 mortos, com base em informações da Cruz Vermelha local. A estimativa é do chefe da polícia regional da província de Leyte, Elmer Soria. Ele disse neste domingo (10) que o governador provincial Dominic Petilla afirmou, no sábado (9) à notie, que o número de mortos poderia ultrapassar os 10.000, vítimas de afogamento, deslizamentos de terra e desmoronamentos de casas e edifícios. Haiyan teria arrasado entre 70% e 80% da cidade de Tacloban, no litoral leste do país, por onde passou a tormenta na sexta-feira (8), disse Soria.

Tacloban virou uma região de destroços, com casas completamente destruídas, estradas intransitáveis, e milhares de postes e árvores no chão. Foi lá que um avião avistou centenas de corpos. "A devastação é total. Se estiveste em Tacloban antes, nem poderia reconhecer a cidade agora", disse à agência de notícias filipinas "PNA" um alto representante do Exército, o tenente Jim Alagao. A Cruz Vermelha das Filipinas estimava que cerca de 1.200 pessoas morreram por causa da passagem do

tufão. O saldo oficial da tragédia, contabilizado pelo governo, é inferior. "Estimamos que 1.000 pessoas foram mortas em Tacloban e 200 na província de Samar", disse Gwendolyn Pang, secretária-geral da Cruz Vermelha filipina. A estimativa da Cruz Vermelha da Filipinas não é definitiva. O número de mortos deve aumentar nas próximas horas, segundo a secretária-geral. O Conselho para a Gestão e Redução de Desastres do país informou que cerca de quatro milhões de pessoas de 36 províncias das Filipinas

foram afetadas pelo fenômeno, qualificado por agências meteorológicas como supertufão, já que seus ventos superaram os 240 km/h. Reynaldo Balido, porta-voz do organismo governamental, disse que se espera que os números de vítimas aumentem nas próximas horas quando começam a chegar os relatórios das áreas devastadas. "O tufão criou um prejuízo em massa e quase nenhuma casa ficou de pé nas áreas mais afetadas", disse Balido.


Edição 172