Issuu on Google+

NÚCLEO HOSPITALAR DE EPIDEMIOLOGIA

Boletim informativo

Dezembro de 2010 - nº 8

» AIDS

Desafios para redução da Aids em Alagoas Drª Raquel Guimarães (Infectologista do HUPAA/UFAL)

Dezembro é o mês no qual as ações de combate à AIDS são intensificadas em todo o mundo. No dia 1º de dezembro de 2010, foi traçada a linha do tempo de quase 3 décadas do aparecimento da doença. A data escolhida para intensificar ações de combate à AIDS foi escolhida em 1987 pela Organização das Nações Unidas. Esta é uma data para reflexão, renovação de idéias e mobilização, em campanhas mundiais de solidariedade com a intenção de salvar vidas e prevenir o aparecimento de novas infecções. A organização Mundial de Saúde definiu as metas de alcançar “os três zeros” – zero em relação a novas infecções pelo HIV; a discriminação zero; e zero morte relacionada à AIDS. Neste caminho, há objetivos claros e bem definidos como o acesso à prevenção, ao tratamento, aos cuidados e o apoio para portadores do vírus. Na avaliação global dos acontecimentos durante quase 30 anos de convivência com a epidemia, muitas vitorias podem ser computadas: há uma ní-

tida diminuição da epidemia, muitas mulheres tem a oportunidade de impedir a transmissão da doença para seus filhos e a mortalidade tende a diminuir caso exista um diagnóstico precoce. Neste momento, em que as tentativas de conseguir vacinas eficazes ainda não são uma realidade e que o arsenal de drogas para conter a sobrevivência do vírus ainda não é suficiente para curar a doença, precisamos contar com organizações governamentais e com o compromisso da comunidade para diminuir o estigma, promover unidos uma luta pela preservação dos direitos dos pacientes e por uma qualidade de vida para 3 gerações de sobreviventes. O preconceito e a não aceitação do uso de preservativo ainda funciona como uma barreira a ser quebrada para a melhoria da prevenção. Este ano, o Ministério da Saúde escolheu este tema, para reforçar a necessidade de mudanças comportamentais e de práticas sexuais como uma decisão consciente e pessoal entre todas as classes sociais

COORDENAÇÃO ESTADUAL DE DST/AIDS MISSÃO

Reduzir a incidência das DST/Aids na população alagoana e promover a qualidade de vida das pessoas vivendo com HIV/ Aids.

Para isso, atua por meio de quatro grandes áreas: » Promoção, prevenção e proteção » Diagnóstico, tratamento e assistência » Gestão e desenvolvimento humano e institucional » Parceria com OSC/ONG

Assistência Ambulatorial

A assistência prestada as pessoas vivendo com HIV/Aids em Alagoas, ainda está concentrada na capital, nos seguintes locais: » Serviço de Assistência Especializada - Dr. Marcelo Constant » Hospital Dia do Hospital Universitário Prof. Alberto Antunes » Serviço de Assistência Especializado PAM Salgadinho

DRª RAQUEL GUIMARÃES

e faixas etárias. Os dados estatísticos apresentados neste Boletim são do Programa Estadual de DST/AIDS, cedidos gentilmente pela coordenadora, Fátima Rodrigues, elaborados por técnicos da Coordenação, para conhecimento de todos os segmentos sociais.

ASSISTÊNCIA PARA GESTANTES Maternidades de referência para gestantes HIV+ e Sífilis » Maternidade Escola Santa Mônica » Maternidade do Hospital Universitário Prof. Alberto Antunes

Referência para Profilaxia da Transmissão Vertical do HIV » Maternidade Nossa Senhora da Guia » Maternidade Denilma Bulhões » Maternidade Hospital da Mulher » Maternidade Nossa Senhora de Fátima » Maternidade Santa Antônia » Maternidade São RaphaeI

CTAs Em Maceió:

» CTA do PAM Salgadinho » CTA do Hospital Universitário

No interior:

» CTA de Arapiraca » CTA de União dos Palmares » CTA de Delmiro Gouveia » CTA de Coruripe

USE CAMISINHA PROTEJA-SE


INFERFACES DO PROGRAMA:

» Atenção Básica, Saúde Mental, Comunicação (ASCOM) e Saúde (Promoção a Saúde), Programa de Tuberculose, Hepatites Virais, etc.

Municípios alagoanos com maior número de casos notificados em adulto, segundo ano de diagnostico. Alagoas 1986 a dezembro de 2008

Parcerias com as OSC (Organizações da Sociedade Civil) » Pró-vida » Grupo Gay de Alagoas » Grupos Filhos de Axé » Associação de Homossexuais do Benedito Bentes » Acorde Ass. Alagoana de Prevenção às Drogas, atenção a Saúde Mental e Ecologia Humana. » Instituto Feminino Jared Viana » União de Movimento de Moradia - UMM » Grupo Maria Maria » Grupo Conviver » Ponto Cultural Orquídea de Fogo

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO

No Estado de Alagoas, o primeiro caso notificado de Aids em adulto ocorreu em 1986. Deste ano até junho de 2009, foram notificados no SINAN, 2862 casos em adulto. Do total de adultos, 1980 casos são do sexo masculino e 882 do sexo feminino.

» Aids em crianças

No estado de alagoas, o primeiro caso notificado de AIDS em criança ocorreu em 1991, cinco anos depois do primeiro caso notificado de AIDS em adulto no estado. Deste ano até junho de 2009, foram notificados no Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAM), 72 casos.

Desafios

» Diagnóstico precoce » Dificuldades de acesso às informações adequadas e a assistência » Transmissão vertical do HIV » Exames laboratoriais » Qualidade da assistência prestada » Adesão ao tratamento

Evolução das notificações de casos de Aids em adulto, segundo ano de diagnóstico. Alagoas, 1986 a 2009

Número de Casos de Gestante HIV notificados no HUPAA por Fx Etária

Taxa de Incidência de Aids em adultos por ano de diagnóstico. Alagoas, 1986 a 2008

A VIDA é mais forte que a AIDS EXPEDIENTE Hospital Universitário Prof. Alberto Antunes—HUPAA Av. Lourival Melo Mota, s/n. Tab. do Martins. Maceió AL Cep: 57072-970 Fone: (82) 3202-3803

E-mail: nhehupaa@gmail.com, nhe@hu.ufal.br Boletim informativo NHE Tema: Aids Diretor-geral do HUPAA: Paulo Luiz Teixeira Cavalcante

Equipe: Drª Raquel Guimarães - médica infectologista - Coordenadora do NHE / Edna Melo - enfermeira / Leila Moraes - enfermeira / Ana Khatharina – técnica de enfermagem / Augusto Pimenta – assistente administrativo Apoio: Assessoria de Comunicação do HUPAA


08 - Boletim Informativo NHE