Page 1

RURAL SEMANAL Informativo da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro ANO XIX - 2012

EDITORIAL Referenciando o ambiente Nesta semana, estudantes, técnico-administrativos e docentes do Instituto Três Rios (ITR), localizado no campus da UFRRJ naquele município, estarão discutindo a relação entre biodiversidade e a gestão ambiental, dentro do Simpósio de Gestão Ambiental e Biodiversidade (SIGABI). A importância dessa iniciativa, que visa complementar a formação obtida pelos estudantes dessas respectivas áreas do mais novo campus da UFRRJ, deve ser destacada como uma ação realmente integradora das atividades do ensino, pesquisa e extensão que caracterizam a instituição universitária. A troca de experiências entre alunos e docentes – a partir de estudos e pesquisas realizadas no âmbito dos cursos vinculados aos tópicos em debate – com técnicos e pesquisadores que atuam profissionalmente nas áreas do simpósio será fonte para que novas propostas de investigação venham a ser elaboradas e realimentem o processo de envolvimento de estudantes e professores com esses novos desafios. Nesse sentido, como os temas a serem abordados apresentam, claramente, aspectos que estão além das disciplinas, o SIGABI abre possibilidades para incorporação de toda comunidade universitária da UFRRJ nos debates que ocorrem a partir desta segunda-feira (21) nas instalações do ITR. Particularmente, a proximidade desse novo campus com as instalações do Laboratório Nacional de Computação Científica, em Petrópolis, e do Instituto Politécnico do Rio de Janeiro, vinculado à UERJ, na cidade de Nova Friburgo, além de nossa congênere Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), abre perspectiva – por meio de iniciativas como esse simpósio – para a participação da UFRRJ em ações integradas de projetos entre tais instituições de ensino e pesquisa. Por outro lado, a localização do ITR no entroncamento entre três principais estados como Minas Gerais, São Paulo e Rio de Janeiro, em uma região de atividades com forte impacto econômico para o país (como logística e transporte, turismo e produção agropecuária), ao mesmo tempo em que abre expectativas de uma expansão do mercado para seus egressos, apresenta como contrapartida um grande impacto no ambiente em que o ITR está inserido. Dentro desse cenário, o corpo docente do ITR – que conta atualmente com 100% de mestres e doutores, e que se encontra em fase de expansão e capacitação constante ao longo dos últimos quatro anos – é o referencial em que se apóia toda a comunidade universitária do ITR na perspectiva da consolidação da educação pública, gratuita e de qualidade que interfira na melhoria das condições de vida das pessoas que vivem naquela região. Essa é a direção em que se insere o simpósio proposto e do qual, antecipadamente e com certeza, já é esperado o fortalecimento do papel da UFRRJ como produtora de conhecimento que aponte para uma formação, cada vez mais sólida, para uma atuação crítica, plena de cidadania, por parte de seus egressos.

Do ‘andar’ pelo campus sede da Rural ao ‘olhar’ do PDP Pág.2

ITR/UFRRJ realiza SIGABI O InstitutoTrês Rios da UFRRJ realiza, entre os dias 21 e 25/5, o Simpósio de Gestão Ambiental e Biodiversidade (SIGABI). O evento – organizado por professores das áreas de Botânica, Ecologia, Geologia, Gestão e Zoologia – tem como principais objetivos a divulgação dos resultados de pesquisas dos alunos de graduação, o intercâmbio de ideias, a inserção de novos talentos na comunidade científica e a integração de profissionais e estudantes de graduação em Gestão Ambiental e Ciências Biológicas.

Segundo a equipe organizadora, “o evento propicia a oportunidade de aprendizado e atualização. Diante da ampla diversidade de atividades desenvolvidas por profissionais da área ambiental, a realização deste projeto pretende suprir lacunas de aprendizados em cursos de Gestão Ambiental e Ciências Biológicas, apresentando aos alunos as mais diversas visões de profissionais já inseridos no mercado de trabalho”. O simpósio pretende ainda divulgar o curso de Gestão Ambiental e fortalecer o papel da UFRRJ como produtora de conhecimento científico. Mais informações em cenaga.webnode.com ou pelo email sigabi.ufrrj@yahoo.com.br

12

MAIO

S

T

Q

Q

S

S

D

21

22

23

24

25

26

27

CALENDÁRIO ACADÊMICO a6/6 - Prazo final para trancamento de matrícula nos cursos de graduação no 1º período. a6/6 - Prazo final para solicitação de prorrogação do prazo e reintegração ao curso de graduação para ex-alunos para o 2° período. a7/6 - Feriado nacional (Corpus Christi). a8/6 e 9/6 - Emenda do feriado de Corpus Christi. a13/6 - Feriado municipal em Nova Iguaçu (Dia da Padroeira). a 9/7 - Término 1º período letivo de 2012. a10 a 16/7 - Provas optativas. a18/7 - Prazo final para divulgação das notas finais pelos departamentos. a11 a 20/7 - Prazo para lançamento das notas finais no Sistema Acadêmico pelos professores responsáveis por disciplinas. a23/7 - Início do recesso escolar. a6/8 - Início do segundo período letivo de 2012. Atividades Coletivas e Interdisciplinares: 18/6.

Veja na íntegra em www.ufrrj.br (‘Calendário’)

Pesquisadora da UFRRJ profere palestra no RS

UFRRJ cria serviço para atender Lei de Acesso à Informação Desde o último dia 16, a UFRRJ exibe em seu portal (www.ufrrj.br) o selo ‘Acesso à Informação’ (abaixo). Ao clicar nele, as pessoas terão à disposição informações consideradas de interesse público, tais como despesas, licitações, contratos, convênios, auditoria e dados sobre os servidores. A iniciativa da Rural está de acordo com a Lei de Acesso à Informação (nº. 12.527, de 18/11/11). O objetivo é garantir acesso transparente aos dados oficiais dos poderes executivo, legislativo e judiciário.

As informações sobre a UFRRJ estão disponíveis em http://r1.ufrrj.br/wp/acessoainformacao/ ou pelo email sic.ufrrj@ufrrj.br. Quem preferir pode ser atendido pessoalmente na sede do Serviço de Informação ao Cidadão (SIC), sala 132 do Pavilhão Central, campus Seropédica. Outra opção é acessar o site www.acessoainformacao. gov.br/sistema ou o Portal Transparência Pública (banner na página da Rural).

Propriedade intelectual em debate na UFRRJ Pág.3

A pesquisadora Marta Gomes Lucena vai participar, em 22/5, do seminário ‘A fronteira em debate’, na Universidade Federal de Pelotas (UFPel), no Rio Grande do Sul. Marta concluiu doutorado com esta temática em 2011, sob a orientação do Prof. Roberto José Moreira (CPDA/UFRRJ). A pesquisadora, que integra o Núcleo de Pesquisas em Ruralidades do CPDA, apresentará a palestra ‘Territorialidades na fronteira Santana do Livramento, no Brasil, e Rivera, Uruguai’.

Professor da UFRRJ participa de congresso internacional No último dia 16, o professor Francisco José Corrêa Martins (DEGEOC/IA/UFRRJ) participou do ‘I Congresso Internacional GeoCiências na CPLP (Comunidade de Países de Língua Portuguesa)’, realizado na Universidade de Coimbra, Portugal. Martins apresentou o trabalho ‘Um passado que condena (?): alguns aspectos geo-históricos ligados aos desastres naturais no Brasil’.

UFRRJ sedia II Congresso Fluminense de História Econômica Pág.4


Pág. 2

UNIVERSIDADE E SOCIEDADE

21 a 27/5/2012

RURAL SEMANAL

Plano Diretor Participativo

Do ‘andar’ pelo campus sede da Rural ao ‘olhar’ do PDP Wellington Mary (*) Mais do que um campus universitário, possuímos um dos mais belos campi da América Latina. Porém, necessitamos saber os motivos de sua concepção paisagística e urbanística realizada pelo arquiteto Reynaldo Dierberger, seu significado para a época e, principalmente, como mantê-lo na visão de conjunto sem a geração de conflitos em razão das transformações que a universidade está vivendo. A extensa área gramada, os traçados das alamedas (algumas propositadamente não pavimentadas), maciços arbustivos, árvores plantadas estrategicamente, etc., foram fundamentos aplicados em função do estilo paisagístico de época, bem como as demandas para usuários (principalmente o caráter higienista, necessário pela presença da malária) e a mobilidade existente em suas diferentes dimensões. Essas características contribuem para a construção de uma paisagem sublime no árido contexto do município de Seropédica, onde se estabelece como uma referência cultural pouco explorada desta cidade. E o que toda esta ‘beleza’ reflete no dia a dia das pessoas, principalmente as que ‘veem, mas não a enxergam’? A dinâmica dos horários de aulas, a necessidade de deslocamentos dentro do campus não é igual aos da época de elaboração de seu projeto (1940). Atualmente, os deslocamentos excessivos da comunidade, principalmente os alunos, causam uma dependência de transporte para encurtar as distâncias dentro do campus e, infelizmente, o número elevado de veículos e o trânsito desordenado vêm causando desconfortos; porém, não maiores do que para aqueles que dependem unicamente das pernas para se deslocar.

las administrações que vêm atropelando suas normativas desde sua implantação (1998). Recentemente, uma das ações iniciadas por alunos de Geociências – intitulada ‘Reviverdes Rural’ – está ganhando apoio da comunidade. A iniciativa trata da problemática não somente dos deslocamentos e da memória, mas também da razão social da mobilidade, expressa pelo isolamento que os fazem sentir não pertencentes ao “lugar”: ao lugar da memória, da pluralidade, da aura (leia artigo sobre este tema em www.ufrrj.br/eventos2/pdf/2012/ Campus_da_UFRRJ_O_lugar.pdf ). Neste sentido é que o Plano Diretor Participativo (PDP) vem trazer à luz da comunidade quais as condições atuais do projeto paisagístico do campus Seropédica da UFRRJ, comparado com o projeto original, destacando fundamentalmente a necessidade de conservação de suas principais características morfológicas. As ações da comunidade, a exemplo do ‘Reviverdes Rural’, para o resgate da memória através de registro particular de época (fotos ou depoimentos) auxiliará nos trabalhos. Assim como sua atuação nas futuras questões refletidas pelo PDP, em consonância com as atuais demandas. Isso é de fundamental importância para que sejam mantidas as características pretendidas da época para o campus : “o Espírito do Lugar Rural” (genius loci ruralis).

Neste sentido, os problemas de mobilidade e seus fenômenos sociais atualmente no campus não estão sendo devidamente equacionados em razão de o projeto original não prever o número de pessoas que nele transitam, independente da forma como se deslocam. Inúmeras reclamações são percebidas, principalmente devido à falta de sombreamento, calçadas para pedestres, sinalizações, etc., bem como um projeto para replantio das árvores mortas ou a previsão de novos plantios que poderiam amenizar os efeitos do calor excessivo (criação de bosques) e a geração de sombra para ‘o caminhar’ das pessoas. Apesar das ações bem intencionadas do grupo de manutenção de parques e jardins, sua equipe não consegue atender à demanda por falta de infraestrutura e de pessoal. Felizmente, possuímos um parque paisagístico e arquitetônico tombado como patrimônio histórico e cultural. Isto significa que toda e qualquer in(*) Professor do Departamento de Arquitetura e tervenção na área protegida deve ser realizada Urbanismo (DAU/IT/UFRRJ). Contato: wmary2 com profundo estudo de suas características pa- @hotmail.com ra que não seja descaracterizada a intenção do Ilustração: Aquarela Reynaldo Dierberger paisagista à época de seu projeto. Mas que, infelizmente, não é respeitado ou não percebido pe- (Centro de Memória da UFRRJ).

Agradecimentos À Direção e aos meus colegas de trabalho do Colégio Técnico da UFRRJ (CTUR), agradeço pela homenagem recebida, no dia 9/5, pós-aposentadoria. Foi um momento de grande relevância para minha vida profissional; poderia dizer de consagração de um período de trabalho onde mais aprendi do que ensinei. Na ocasião, ressaltei a minha vida de viajante, pois muitas vezes estive ausente desse espaço. Mas, onde quer que tenha estado, procurei me empenhar para representar bem essa instituição que valorizo tanto. Aos colegas mais antigos, tive a oportunidade de relembrar as divergências de ideias, os desentendimentos, as rusgas: inevitáveis em um espaço de convivência, pois fazem parte da condição humana. O mais importante é que não foram levados para o campo pessoal. Neste contexto, sempre houve o entendimento que o respeito pelo outro, pela comunidade e pela instituição deveriam ser preservados e cultivados. O CTUR, hoje, é formado por um corpo de servidores técnicos-administrativos e professores novos. Para estes, além de desejar que tenham sucesso em suas carreiras, gostaria de deixar uma observação: por ser o CTUR uma escola técnica, isto não dispensa seus profissionais da busca permanente por uma formação humanística através da valorização da arte; que cultivem a música, o teatro, a poesia, o canto, a dança, isto é, que estejam abertos para a arte, como estão para a ciência e a técnica, e transmitam isto aos alunos. Assim, estarão contribuindo para a formação de profissionais capazes de exercitarem, não só a profissão (com habilidade, empenho e compromisso), mas praticarem valores como a justiça, a bondade e a verdade, cotidianamente. Ao diretor, Prof. Ricardo Crivano, agradeço pela recepção quando retornei, inesperadamente, para o CTUR. Sua acolhida a quem chega está entre o conjunto de deveres de um diretor; mas a maneira como conduz isto faz parte da singularidade de cada pessoa humana. Muito obrigada a todos!

Portaria nº 02 de 16/5/2012 O Diretor da Divisão de Guarda e Vigilância da UFRRJ, usando das suas atribuições e tendo em vista o disposto nos Artigos 133, 138, 140, 143 e 148 da Lei 8.112/90, resolve designar Fernando de Araújo Gerias, vigilante (Siape 1028482), e Estevão Fernandes de Moura, vigilante (Siape 386308), ambos lotados na Divisão de Guarda e Vigilância (DGV/Reitoria), para, sob a presidência do primeiro, constituírem Comissão de Processo Administrativo Disciplinar incumbido de apurar, no prazo de 30 dias, os fatos relatados no Processo Administrativo nº 23083.003478/2012-66. Renan Canuto

Ascom nas redes sociais facebook.com/UFRRJ twitter: @ufrrjbr

Clipping da Rural

Acesse em www.ufrrj.br/portal/modulo/ Profa. Marilia Massard da Fonseca (CTUR) home/clippins.php


RURAL SEMANAL

Pág. 3

UNIVERSIDADE

21 a 27/5/2012

Memória

A universidade, a modernidade e o remo no passado esportivo da UFRRJ José Ricardo da Silva Ramos (*) “As quadras esportivas lotavam de estudantes universitários no período do final da tarde, depois das aulas”, revelou-nos o professor Rui Souza de Paula, um dos fundadores do curso de Educação Física da UFRRJ. Ele era, então, atleta de basquete (um dos esportes coletivos dos cursos de Medicina Veterinária e Engenharia Agronômica) nas primeiras etapas históricas da esportivização universitária no campus Seropédica da UFRRJ. A memória esportiva exposta pelo professor Rui, lá pela década de 1950, faz parte de um banco de dados históricos que estamos colhendo, numa pesquisa cuidadosa para capturarmos o processo histórico do esporte na Rural. Lendo os testemunhos orais do professor, percebemos exatamente o que relata o processo histórico que motivou as novas relações humanas que os universitários da UFRRJ disseminaram, pela prática esportiva: a cultura própria da modernidade no interior de uma universidade rural. Para nós, essa nova cultura esportiva já não mais obedecia ao ritmo natural de trabalho e repouso da vida rural. O trabalho rural, ainda que extenso e penoso, respeita a cadência adequada do homem do campo, na qual o batente começa continuamente ao amanhecer e se encerra mais próximo do pôr do sol. Para os alunos de Medicina Veterinária e Engenharia Agronômica da década de 1950, o relógio esportivo marcava o início do turno das ações artificiais, repetitivas, técnicas, lúdicas e produtivas depois das aulas. O esporte foi um dos elementos constituintes de secularização dos costumes rurais em Seropédica, ou seja, o esporte ajudou a reformar a importância dos conhecimentos campestres, patriarcais, rotineiros, do homem do campo junto com o luxo, o cerimonial acadêmico, a ciência, a urba-

mar? Qual o sentido do litoral para os corteses estudantes (de Medicina Veterinária e Eng. Agronômica) da Universidade Rural? Por que essa prática esportiva obteve prestígio entre os estudantes ruralistas nas primeiras décadas do século XX? Os textos sobre o remo no Rio de Janeiro (em fins do século XIX e início do XX), de autoria do professor de Educação Física Vitor Andrade de Melo, trazem à cena o contexto sociocultural da zona sul carioca nesse período e, desse modo, algumas possíveis explicações para nossas questões. O remo ligado ao mar e o mar à saúde; a sociabilidade das elites nas orlas das praias da zona sul; a desconstrução do esporte das oligarquias rurais, que era o turfe, para a potencialidade que o remo trouxe de gerar força, vigor e corpos musculosos (que eram, na capital da República, a nova moda nas praias e o novo ideário de homem moderno). De certo modo, foi o que perpetrou, na intelectualidade ruralista da época, de ir para Itacuruçá a fim de procurar a prática do remo no litoral. O inventário dessas grandes questões é interminável. São dados importantes e que talvez para nós, sem fontes escritas conservadas aqui na UFRRJ, mereçam muita importância. Mais do que questões importantes, nos parecem as estampilhas de uma respeitável história, a ser reconstruída, do passado da UFRRJ.

olimpiadas.uol.com.br

nização, o desenvolvimento sanitário e os esportes mais abastados concentrados no litoral da cidade do Rio de Janeiro – o que a Universidade Rural transportou para Seropédica. Segundo nossos estudos, no inicio do século XX, o distrito de Seropédica (pertencente ao município de Itaguaí), conhecido pela monocultura de seda, era um local repleto de doenças endêmicas do campo, sem saneamento e tratamento de lixo e esgoto. Eram problemas atrelados à vida do homem rural, que lutava contra doenças ligadas à pobreza no interior do estado e que, também neste período, robustecia o sentimento do Jeca Tatu, personagem de Monteiro Lobato que expunha para o Brasil a situação de insalubridade do homem do interior. A Universidade Rural, com a colaboração do governo federal, promoveu na década de 1940 uma empreitada científica pelo cerne do distrito de Seropédica. Essa campanha também contou com o entusiasmo de diversos esportes citadinos, patenteando seus sentidos urbanos para dentro de uma universidade rural. Um exemplo que nos causa estranheza: por que o remo teve seu lugar cativo dentro desta universidade rural? Por que, com lagos e rios próximos com condições mínimas para a prática do remo, a universidade foi buscar o

(*) Professor de Didática e Prática de Ensino de Educação Física da UFRRJ, coordenador do Grupo de Pesquisas sobre a História do Esporte, do Lazer e da Educação Física da UFRRJ e membro do Grupo de Estudos e Pesquisas da História da Universidade Rural (GEPHUR).

Propriedade intelectual em debate na UFRRJ O seminário ‘Propriedade intelectual como instrumento estratégico de fomento à inovação’, realizado em 9/5, no Auditório Hilton Salles, teve como principal objetivo disseminar a cultura do registro da propriedade intelectual na UFRRJ. Organizado pelo Núcleo de Inovação Tecnológica da Pró-Reitoria de Pesquisa e Pósgraduação da UFRRJ (NIT/PROPPG), em parceria com o Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI), o evento trouxe como palestrantes o presidente do INPI, Jorge de Paula Costa Ávila (no detalhe, à esquerda), além do pesquisador da entidade, Alexandre Guimarães Vasconcelos. A abertura do seminário contou com a presença do reitor da UFRRJ, professor Ricardo Motta Miranda (acima); da pró-reitora de Pesquisa e Pós-Graduação, professora Aurea Echevarria; e da professora Stella Regina Reis da Costa (DTA/IT/UFRRJ), coordenadora da Ineagro/UFRRJ. Fotos : João Henrique Oliveira (Ascom/UFRRJ)

Divulgada a lista de candidaturas pré-selecionadas do CsF/UFRRJ Confira no link http://bit.ly/JjromA a listagem com as candidaturas pré-selecionadas pela UFRRJ para o Programa Ciência Sem Fronteiras 2012-2.

Eleições ao CEPE Serão realizadas, nos dias 4, 5 e 6/6, eleições para a escolha de representantes dos servidores docentes e técnico-administrativos junto ao Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão da UFRRJ (CEPE). A votação acontece em locais e horários a serem divulgados pelas comissões setoriais. Poderão se inscrever todos os docentes ativos do quadro permanente da UFRRJ e todos os técnico-administrativos ativos do quadro permanente da UFRRJ. Mais informações : soc@ufrrj.br


Informes Gerais UFRRJ sedia II Congresso de História Econômica

Eventos na Rural

Economize!

Ao término do expediente, veOlhares sócio-históricos sobre a religião – De 22 rifique se as luzes e os apaO II Congresso Fluminense de História Econômica a 23/5, no IM/UFRRJ. Mais informações em relhos estão desligados. Colabore! será realizado entre os dias 10 e 13/9, na UFRRJ. seminarioreligiaoufrrj.wordpress.com

O evento – organizado pelos grupos de pesquisa/ laboratórios de Economia e História (LEHI-UFRRJ) e de História Econômico-Social (POLIS-UFF) – tem como objetivo congregar pesquisadores da área de História Econômica e afins. A recente produção em História Econômica no Brasil vem trazendo novas perspectivas para a compreensão dos diversos períodos de nossa História. Os programas de pós-graduação do país apresentaram uma produção significativa na última década, propondo novos campos de investigação. Trazer parte dessas pesquisas para discussões coordenadas é o grande objetivo do evento. Saiba mais no site www.cfhistoria economica.com

Participe! A Rural é de Seminário ‘Rumos da UFRRJ – Contribuições de todos! seus Egressos’ – Dia 30/5, no Salão Azul (P1), a partir das 9h.

Regimento da Graduação A PROGRAD convida a comunidade acadêmica para participar da audiência pública sobre o Regimento da Graduação, no dia 1/6, às 13h30, no Auditório Térreo do IM.

Inscrições abertas para o 26º Prêmio Jovem Cientista

Água: um bem natural que deve ser preservado

Seleção de fiscais para concurso A partir desta segunda-feira (21) será aberta a chamada pública interna para inscrição de docentes e técnico-administrativos que queiram trabalhar como fiscal no concurso do dia 1/7 (Ed.52/ 2012). Mais informações: www.ufrrj.br/concursos/ fiscal

Pesquisadores, acadêmicos, universitários e estudantes do ensino médio de todo o Brasil podem se PPGCTIA/UFRRJ elege inscrever, até 31/8, no 26º Prêmio Jovem Cientista, que distribuirá R$ 600 mil em premiações. O tema coordenador e vice deste ano é ‘Inovações tecnológicas nos esportes’. Cine-Caco Será realizada eleição para escolha de coordena- Regulamento e ficha de inscrição disponíveis em dor e vice-coordenador do Programa em Ciência, www.jovemcientista.cnpq.br O Centro Acadêmico de Comunicação Social da Tecnologia e Inovação em Agropecuária/PPGCTIA UFRRJ convida toda a comunidade acadêmica (Doutorado Binacional). Também serão escolhidos para a estreia do Cine-Caco, em 25/5, às 15h, no Mais barato quatro representantes docentes (um para cada área Hilton Salles (P1). A proposta do cineclube é utilide concentração, titular e respectivo suplente) no Aí vai uma dica para quem não sabe como procu- zar o cinema para refletir sobre aspectos sociais Colegiado Executivo, com vistas à aplicação do rar o nome do remédio genérico. Existe um portal e culturais do cotidiano. Estatuto e Regimento Geral da UFRRJ. Detalhes em que é só digitar o medicamento desejado para Filme: ‘Os incompreendidos’ (França/1959; draem www.ufrrj.br/posgrad/ppgctia surgir o nome dos genéricos e similares de todas ma). Direção de François Truffaut; com Jeanas marcas. Além disso, são informados os preços Pierre Léaud, Claire Maurier e Albert Rémy. Sinotodo o país. Confira em www.consulta pse: Antoine Doinel é um menino do subúrbio de Reajuste nas bolsas de pós em remedios.com.br Paris que não se adapta à vida na escola e com Aumento de 10% não atende Contribuição do Prof. Hermano Tavares os pais. Em conflito com os adultos que o cercam, reivindicação da ANPG Antoine tenta se afirmar. Vencedor do prêmio de melhor filme do Festival Combate à dengue Sem reajustes há quase quatro anos, o presidente de Cannes de 1959, o filme é o marco do movido CNPq, Glaucius Oliva, anunciou os novos Com medidas simples como eliminar mento de cinema autoral francês da Nouvelle Vavalores das bolsas durante o 23º Congresso Nacilocais com água parada, tampar a gue. Comentários: Profª. Rejane Moreira (DLC/ onal de Pós-Graduandos, realizado no dia 4/5. O caixa d’água e limpar as calhas ICHS/UFRRJ). reajuste anunciado, de 10%, não atende a reivindido telhado, podemos ajudar a cação da Associação Nacional de Pós-Graduancombater a dengue. É preciso agir, dos (ANPG), que é de 40%. A entidade já aprovou cuidando da própria casa, conversando com os viziuma caravana a Brasília, no mês de agosto, para nhos e, quando necessário, acionando a prefeitura. cobrar os outros 30%. Apresenta, em 23/5, às 19h, no Gustavão, O curioso caso de Benjamin Button (EUA/2009; draSegurança no campus ma). Direção de David Fincher; com Brad Pitt e Trote na UFRRJ Faça a sua parte para que não haja violência no grande elenco. campus. Qualquer ocorrência, comunique-se com a Deliberação n° 9, de 1/2/12 Sinopse: Nova Orleans, 1918. Benjamin Button DGV: ramal 4645 e telefone 2682-1871. Tenha sem- (Brad Pitt) nasceu de forma incomum, com a apaO Conselho Universitário da UFRRJ, tendo em pre um documento de identidade, especialmente o rência e doenças de uma pessoa em torno dos 80 vista a decisão tomada em sua 275ª Reunião que ateste seu vínculo com a UFRRJ. anos, mesmo sendo um bebê. Ao invés de envelheOrdinária (sessão II), realizada em 1/2/2012, e cer com o passar do tempo, Button rejuvenesce. considerando o que consta no processo nº. Quando ainda criança ele conhece Daisy (Cate Rural Semanal 23083.000342/2012-02, resolve: I. proibir, terUma construção coletiva da comunidade universitária Blanchett), da mesma idade que ele, por quem se minantemente, a prática de qualquer tipo de Os conceitos, opiniões, declarações, comunicados, apaixona. É preciso esperar que Daisy cresça, tortrote estudantil no âmbito desta Universidade. resenhas e cartas são de total responsabilidade nando-se uma mulher, e que Benjamin rejuvenesII. revogar a Delib. nº 2, de 8/1/1994. Ricardo dos autores. Colabore enviando artigos, cartas e ça, para que, quando tiverem idades parecidas, Motta Miranda, presidente notas até 3ª para ascom@ufrrj.br possam enfim se envolver. RURAL SEMANAL: Informativo da Reitoria da UFRRJ, fundado em 26/9/1994 Reitor: Ricardo Motta Miranda Vice-reitora: Ana Maria Dantas Soares Pró-Reitores: Assuntos Administrativos: Pedro

Rural Semanal Ano XIX - número 12 - 21 a 27/5/2012

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro

IMPRESSO

Paulo de Oliveira Silva Assuntos Financeiros: Eduardo Mendes Callado Assuntos Estudantis: Carlos Luiz Massard Graduação: Nidia Majerowicz Extensão: José Claudio Souza Alves Pesquisa e Pósgraduação: Aurea Echevarria Assessora de Informação e Comunicação: Teresinha Sena Pacielo Editor colaborador: Valdomiro Neves Lima Colaboradora: Aline Avellar (jornalista/Mtb06470-MG) Redação/revisão/diagramação: João Henrique Oliveira (jornalista/Mtb24325-RJ) Distribuição: Aline da Silveira Figueroa Bolsista: Julio Salles Estagiário: Pablo Meireles Impressão: Imprensa Universitária Tiragem: 3.500 Redação: Assessoria de Informação e Comunicação - BR 465 - Km7, Pavilhão Central, sala 131, CEP 23890-000 Seropédica/RJ. Tel.: (21) 2682-2915 e 2682-1080/1090; fax: (21)2682-1120. E-mail: ascom@ufrrj.br Portal: www.ufrrj.br ‘A exatidão dos dados dos eventos é de responsabilidade de seus organizadores’.

Rural Semanal 12 (de 21 a 27/5/2012)  

Informativo da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ).

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you