Page 1

Revista da Universidade do Estado do Pará Janeiro/Fevereiro/Março - 2016

Edição 6 - Ano III

Foto Mácio Ferreira

Pesquisa quer manter viva a história do Castelinho Patrimônio guarda entre as paredes um pedaço do bairro do Telégrafo, em Belém. Contudo, o espaço é mais valorizado como uma instituição de ensino do que como parte de um processo histórico-cultural da sociedade, aponta pesquisa do curso de Pedagogia.


Expediente

Espaço do Reitor

O desafio do acesso, permanência e inclusão

2

Saber Amazônia

ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO HELEÍZE ROBERTA OLIVEIRA SENA (2021 DRT/PA) Assessora de Comunicação MIGUEL ALVES E RENATA PAES Jornalistas ALBERTO DERGAN E IGOR PEREIRA Estagiários de Jornalismo

AMALIA PAES E RENATA CARNEIRO Produtoras

ENVIE SUAS SUGESTÕES E DIVULGUE SUAS ATIVIDADES

JOSI MENDES Designer

CONTATOS:

ANA PAULA SANTANA Web Designer BIANCA ALMEIDA Multimídia

(91) 3244-5201/3299-2221 SITE: www.uepa.br E-MAIL: ascom@uepa.br

UepaOficial ascom.uepa biuepa ascomuepa @uepa_pa @uepaoficial


speak sh?

História Viva P

Para os fãs de MMA, um alerta: dissertação de mestrado aponta os riscos à saúde dos lutadores na tentativa de perder peso rapidamente antes de uma luta. Ainda sobre a saúde, mas desta vez, na área alimentar, fizemos uma entrevista com a doutora em ciência e tecnologia de alimentos, Vitória Nazaré Costa Seixas, sobre o perfil dos produtores e a contaminação dos queijos por bactérias nocivas a saúde humana. Informação, fotos, artigos e conhecimento científico. Seja bem-vindo a mais uma edição da Saber Amazônia. Boa leitura! Ize Sena e equipe Ascom Uepa

Editorial

atrimônio, história e memória do bairro do Telégrafo. Esse é o mote que conduz a matéria de capa desta edição. As paredes do Castelinho e do prédio da Reitoria guardam lembranças de vários períodos da história do Pará e mantêla viva é uma das propostas de uma pesquisa do Curso de Pedagogia.

18 Pesquisa em Destaque

10 A polêmica do MMA

Lutadores perdem antes mesmo de subirem ao octógono

6 Ensino

Sumário

Castelinho, um patrimônio no coração do bairro do Telégrafo

Research

Falta de domínio da língua inglesa reduz possibilidades de bolsas em cursos de pós-graduação

14 Abre Aspas Foto Arquivo Pessoal

Queijos artesanais: delícias ameaçadas pela contaminação

Ensinar e Aprender...............................................4 Fonte de Pesquisa...............................................8 Galeria......................................................................22 Universidade e Sociedade............................26 Ser Uepa................................................................30 Artigo........................................................................32 Saber Amazônia

3


Ensinar e Aprender

O pioneirismo da Filosofia em Bel茅m

4

Saber Amaz么nia


Saber Amaz么nia

5


Ensino 6

Saber Amazônia

Falta de domínio da língua inglesa em cursos de pós-graduação


reduz possibilidades de bolsas

Saber Amaz么nia

7


E

Fonte de Pesquisa

ducação é o tema central de três das nossas indicações nesta edição da Revista. Inclusão de pessoas com deficiências, experiências didáticas com a matemática e práticas de escolarização com recursos multifuncionais mostram diferentes abordagens de educação.

ABC do Santo Daime O livro da professora Maria Betânia Barbosa Albuquerque, adepta da manifestação religiosa desde 1999, tem finalidade pedagógica, com informações claras e introdutórias às pessoas interessadas no conhecimento sobre a religião do Santo Daime. Permeado de imagens, o título também apresenta um conjunto de referências sobre o tema. A obra foi prefaciada pelo antropólogo Fernando La Rocque. O livro pode ser adquirido no quiosque da Editora da Uepa, na Reitoria, localizada Rua do Una, nº 156 e custa R$ 20.

A Inclusão de Pessoas com Necessidades Especiais no Processo Educativo Escolar: uma experiência inversa O Brasil tem procurado, ao longo dos anos, resgatar a dignidade do ser humano, transformando-o em sujeito de direitos e deveres com capacidade de intervir e redimensionar o meio social. Nesse contexto, a professora Irene Elias Rodrigues publicou o livro sobre inclusão de pessoas com deficiência. O livro aborda o processo de inclusão feita de uma forma contrária. Uma escola de educação especial, após inúmeras tentativas ineficazes de incluir alunos com deficiência no ensino regular decidiu receber todos os alunos e, com isso, propiciar a inclusão antes limitada. O livro faz parte da conclusão do Mestrado em Educação de Irene Elias pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio). Disponível em: www.editorialpaco.com.br. Valores diferenciados para e-book.

8

Saber Amazônia


Práticas de Escolarização em Salas de Recursos Multifuncionais: diretrizes de professores e alunos O livro é resultado de pesquisas desenvolvidas pela Rede de Educação Inclusiva na Amazônia Paraense sobre a prática de escolarização inclusiva em salas equipadas com recursos multifuncionais, em escolas de oito municípios: Belém, Marituba, Ananindeua, Altamira, Marabá, Santarém, Tucuruí e Barcarena. Na publicação, a autora Ivanilde Apoluceno de Oliveira relata um estudo sobre os dizeres de surdos em relação à prática de escolarização em salas comuns e salas de recursos multifuncionais, além das dificuldades do ensino de matemática para cegos. O livro pode ser adquirido no quiosque da Editora da Uepa (Eduepa), na Reitoria, ou na sede da Editora, localizada na travessa Dom Pedro l, nº 519, bairro: Umarizal. O título custa R$ 30.

Matemática por Atividades: experiências didáticas bem-sucedidas A obra é resultado de trabalhos de pesquisa realizados pelos professores Pedro Franco Sá e Rosineide de Sousa Jucá, com participação de alunos de graduação e mestrado. O livro retrata os resultados dos esforços de educadores preocupados com a qualidade do ensino e da aprendizagem de matemática. A obra constitui-se de um conjunto de artigos produzidos por professores de matemática que apresentam os resultados de suas experiências em sala de aula. As atividades desenvolvidas visam contribuir tanto com os professores que estão em processo de formação inicial, quanto os de formação continuada, que se interessam pela área de Educação Matemática. O título poderá ser adquirido no site da Editora Vozes (http://www.universovozes.com.br) e custa R$ 29,80 mais o valor do frete.

Saber Amazônia

9


A pol锚mica do MMA

LUTADORES PERDEM ANTES M

10

Saber SaberAmaz么nia Amaz么nia


ESMO DE SUBIREM AO OCTÓGONO

O MUNDO DO MMA OCTÓGONO A ‘’jaula’’ tem oito lados. Foi criada pelo fundador do Ultimate Fighting Championship (UFC), Rorion Gracie. Ela é produzida com materiais que não machucam os atletas. Grade: 1,8 m de altura do piso até a estrutura em cima Piso: 1,2 m do chão e 9 m de comprimento Juízes: responsáveis em avaliar as lutas e dar as notas.

Saber Amazônia

11


Como professor e ex-preparador físico de Judô, Jiu-Jitsu e MMA, ele alerta para os métodos. “Eles não são saudáveis e a literatura é inequívoca e controversa ao apresentar os riscos à saúde, promovidos por esta prática. Inclusive, a American Medical Association (1998) reportou o caso de três colegiais norte-americanos, lutadores de Wrestling¹, que morreram em 1997, em consequência da utilização de métodos de redução de peso corporal’’. A nutricionista do Centro de Saúde Escola da Uepa, Valdjane Costa, explica as consequências no organismo. “A dieta é leve, mas não pode ser demais. Eles tiram água, sucos, retiram o máximo de líquido, tiram bastantes carboidratos e ficam mais na proteína. A proteína dá aquela sensação de perda de peso rápida, mas não elimina gordura. Isso causa a sensação de desmaio e fraqueza articular”. O endocrinologista e professor da Universidade, Fernando Flexa Ribeiro Filho, frisa que atletas tem se colocado entre a vida e a morte. “A pessoa perde muita água. Só tem como

12

Saber Amazônia

perder peso em dias e horas perdendo água. Os riscos de terem AVC, palpitações cardíacas, ataque cardíaco são naquele momento em que tudo pode acontecer”. Internacionalmente - A pesquisa foi apresentada em forma de pôster, no Congresso do Colégio Americano de Medicina Esportiva, em San Diego, Califórnia. Além de professor da Uepa e autor da dissertação, Rubens é mestrando em Desempenho Esportivo no Programa de Pós-Graduação em Educação Física da Universidade Federal do Paraná (UFPR). Os resultados finais serão divulgados em uma revista científica de nível internacional ainda no primeiro semestre de 2016. ¹O Wrestling é conhecido como luta livre, que opõe dois adversários. Trata-se de um esporte considerado agressivo que, à semelhança da arte marcial Vale Tudo, utiliza técnicas de combate, como atirar o adversário às cordas, torções, chaves, pontapés, murros, entre outros.


CATEGORIAS DO MMA O UFC tem sete níveis diferentes de peso para cada lutador.

Peso Mosca

Peso Galo

Peso Pena

até 57 Kg

até 61 Kg

até 66 Kg Peso Pesado

Peso Meio Médio

Peso Médio

Peso Meio Pesado

Peso Leve

até 70 kg

até 77 kg

até 84 kg

até 93 kg

até 120 kg

PERDA DE PESO PODE GERAR ARRITMIAS CARDÍACAS (PALPITAÇÕES): perda de eletrólitos (potássio e sódio) das células. Elementos essenciais na atividade de contração dos músculos. O suor excessivo altera as batidas cardíacas. O coração não consegue bombear o sangue.

ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL (AVC): o sangue fica com menos água, viscoso e favorece o AVC. DESORDENS PSICOLÓGICAS: ansiedade, raiva e depressão são ocasionadas pelo estresse físico e mental que

o corpo passa.

Saber Amazônia

13


Abre Aspas

Queijos artesanais: delícias ameaçadas pela contaminação

14

Saber Amazônia


Profª. Ana Oliveira: Uepa implanta cursos em áreas estratégicas do estado. Foto Bianca Almeida.

Profª Vitória traçou perfil dos produtores e causas de contaminação. Foto Arquivo Pessoal

Saber Amazônia

15


Venda do queijo na feira do município de Conceição do Araguaia. Foto Arquivo Pessoal

16

Saber Amazônia


Comercialização do queijo em feira livre de Redenção-PA. Foto Arquivo Pessoal

Após a ordenha, 75% dos entrevistados afirmaram que soltam os animais no pasto para a alimentação, enquanto 25% dos produtores não oferecem nenhum tipo de alimentação, portanto em desacordo com a legislação vigente. Segundo a legislação (BRASIL, 2011), os animais devem ser mantidos em pé, pelo tempo suficiente para que o esfíncter (abertura) do teto volte a se fechar. Para isso, recomenda-se oferecer alimentação no cocho(tronco de madeira cavado) após a ordenha para evitar que haja contaminação microbiana em função do esfíncter ainda permanecer aberto.

Saber Amazônia

17


Pesquisa em Destaque

Castelinho, um patrim么nio no

18

Saber SaberAmaz么nia Amaz么nia


coração do bairro do Telégrafo

Foto Arquivo SECULT/PA

Foto Mácio Ferreira

Saber Amazônia

19


Linha do tempo com a história do Castelinho 1932 a 1933

1893

1936

Durante o governo de Joaquim Magalhães Barata, as obras foram retomadas e aproveitados os alicerces da antiga penitenciária para a construção de um grupo escolar que se chamaria Augusto Montenegro.

Início das obras do prédio, no governo de Lauro Nina Sodré, com o objetivo de criar uma penitenciária estadual. Com o término do mandato, obras foram paralisadas.

1966 O colégio deixa o prédio e este passa a abrigar um conjunto composto por três blocos edificados no terreno do antigo Magalhães Barata. Nesta fase, asfaltaram as ruas que dão acesso ao monumento: do Una, Municipalidade e as travessas Djalma Dutra e José Pio.

No governo de Aurélio do Carmo, o prédio passou por nova adaptação, passando a funcionar como a Escola Estadual Manuel Magalhães Barata.

Na gestão do governador Jader Barbalho foi instalada no local a Fundação Educacional do Pará (F.E.P), com o curso de Pedagogia criado pelo decreto 2.136 de 10 de fevereiro de 1984. Provavelmente, o acréscimo do mezanino e das divisórias ocorreu nesse período. Ainda neste governo, já em 1993, a FEP foi transformada em Uepa e o prédio da Reitoria passou a abrigar somente a parte administrativa da Universidade. Saber Amazônia

1956 a 1957

1961

1987

20

A Polícia Militar resolveu transformar o local em um Batalhão de Caçadores, visto que o prédio era insuficiente para abrigar um grupo escolar e que as dependências não atendiam às necessidades da pedagogia moderna. A transformação teve ajuda do engenheiro Francisco Bolonha.

Prédio deixou de abrigar o Batalhão para abrigar a Imprensa Oficial do Estado ou ‘Campos do Diário’, como era chamado na época.

Dias atuais Nestas duas instalações, castelinho e no prédio que dá acesso à rua do Una, funcionam a administração da Uepa, além das coordenações dos cursos de Pedagogia, Letras - Língua Portuguesa e Letras - Libras, sala de videoconferência, sala multiuso, Educação a Distância, Grupo de Pesquisa Núcleo Educacional Paulo Freire e ambulatório.


O X da questão sobre patrimônios: O que é? Segundo o artigo nº 216 da Constituição Federal, considera-se Patrimônio “as formas de expressão; os modos de criar; as criações científicas, artísticas e tecnológicas; as obras, objetos, documentos, edificações e demais espaços destinados às manifestações artístico-culturais; além de conjuntos urbanos e sítios de valor histórico, paisagístico, artístico, arqueológico, paleontológico, ecológico e científico”.

Patrimônio Histórico Bem material, natural ou imóvel que possui significado e importância artística, cultural, religiosa, documental ou estética para a sociedade. Foram construídos pelas sociedades passadas e por isso representam fonte de pesquisa. Ex: Teatro da Paz, Colégio Gentil Bittencourt.

Foto Cláudio Santos/Ag. Pará

Patrimônio Cultural São os bens de natureza material e imaterial, tomados individualmente ou em conjunto, portadores de referência à identidade, à ação, à memória dos diferentes grupos formadores da sociedade brasileira, nos quais se incluem: as formas de expressão; os modos de criar, fazer e viver. Ex: Carimbó, Círio de Nazaré.

Foto Carlos Sodré/Ag. Pará

Prédios Tombados São aqueles registrados pelo poder público com o objetivo de preservar, através da aplicação da lei, bens de valor histórico, cultural, arquitetônico e ambiental para a população, impedindo que venham a ser destruídos ou descaracterizados.

Foto Lucivaldo Sena/Ag. Pará

Patrimônio Material Cidades, edificações, documentos, objetos, espaços onde se dão manifestações artístico-culturais, complexos urbanos e demais logradouros de referência histórica, paisagística, artística, arqueológica, paleontológica, ecológica e científica.

Foto Eliseu Dias/Ag. Pará

Patrimônio Imaterial

Foto Geraldo Ramos/Ag. Pará

Todas as criações humanas que não teriam necessariamente uma base física, ou pelo menos ela não seria o princípio definidor. Nessa dimensão, estão as formas de expressão (canções, danças e teatro) de uma coletividade, suas maneiras de fazer determinados processos (culinária e artesanato), de viver, de agir (celebrações), de formular seu conhecimento através do pensamento, dos costumes e das instruções.

Saber Amazônia

21


Galeria 22

Saber Amaz么nia


Na página anterior, (acima) emissoras de rádio se preparam para a divulgação do Listão dos Aprovados. Abaixo, caloura de Medicina, se emociona com a aprovação.

Ao lado, calouras do curso de Letras Libras comemoram em frente a Uepa.

Abaixo, Juarez Quaresma, reitor da Uepa, junto a Associação Atlética Búfalos da Medicina, recepcionam os calouros.

Fotos Bianca Almeida.

Envie sua foto Participe da galeria da Saber Amazônia e tenha sua imagem publicada. Envie seu registro para: ascom@uepa.br

Saber Amazônia

23


24

Saber Amaz么nia


Neste ano, alunos da rede estadual de ensino superaram o quantitativo de aprovados da rede privada. Ao lado, imagens da comemoração nas escolas públicas.

Fotos Advaldo Nobre / Ascom Seduc

Saber Amazônia

25


Universidade e Sociedade

Equipe de alunos que estão na Holística, atualmente. Foto Miguel Alves

26

Saber Amazônia


Expansão e Qualificação do Mercado Empreendedor no Pará

H

á cinco anos, a Holística, Empresa Júnior de Engenharia e Tecnologia da Uepa faz consultoria a micro e pequenas empresas com foco nas áreas de Engenharia Ambiental, Engenharia de Produção, Design, Engenharia Florestal e Tecnologia de Alimentos. A ideia é apresentar uma solução inovadora para quem busca crescer no mercado profissional dentro do Estado do Pará. Em 2015, a Holística deu um novo passo na qualificação dos serviços ao integrar o Movimento Empresa Júnior Estadual, da Confederação Brasileira de Empresa Juniores – Brasil Júnior. A partir de então, entrou num processo de capacitação profissional para atender o público e fomentar ideias inovadoras no Estado. A empresa é formada por 13 acadêmicos de cursos distintos do Centro de Ciências Naturais e Tecnologia (CCNT). Por um preço abaixo do oferecido no mercado, presta serviços de análise econômica de produto, avaliação e perícias florestais, criação e identidade visual, mapeamento de processos, plano de controle ambiental, entre outros. Os estudantes passaram por treinamentos promovidos pela Brasil Júnior. Além de capacitar, a finalidade é criar uma federação estadual formada por pelo menos cinco empresas juniores paraenses, que terão como foco a interação entre os empreendimentos juniores, desenvolvimento e o fortalecimento das demais empresas. “Acredito ser um importante passo que a Holística está dando. Federar o estado e ser reconhecida pela Brasil Júnior nos dá motivação e segurança da importância que é fazer parte de uma empresa júnior, que hoje forma alunos diferenciados para o mercado. A empresa é composta por diversos alunos que prestam serviços para micro e pequenas empresas. O valor cobrado é bem abaixo do mercado. Esse é um dos nossos diferenciais”, enfatiza a presidente da Holística, Amanda Casimiro, 23 anos, estudante do 4° ano do curso de Engenharia Ambiental da Uepa. A Holística foi fundada em junho de 2010. Não possui fins lucrativos e conta com um corpo de membros formado por alunos selecionados e o professor orientador, Marcio Franck, vice-diretor do CCNT.

Saber Amazônia

27


Foto Divulgação Foto Renata Carneiro

Imagens do Encontro da Federação Paraense de Empresas Juniores.

A Holística funciona no Centro de Ciências Naturais e Tecnologia (CCNT) da Uepa, localizado na travessa Eneas Pinheiro, nº 2626.

Site: holisticauepa. wix.com/empresajr

28

Saber Amazônia


SERVIÇOS OFERECIDOS PELA HOLÍSTICA ENGENHARIA FLORESTAL •

Manejo Florestal

Tecnologia de Produtos Florestais

Silvicultura

Arborização e Paisagismo

Avaliação e Perícias Florestais

DESIGN •

Criação ou reformulação de Identidade Visual, entre outros serviços na área gráfica Gestão de redes sociais, com o desenvolvimento de conteúdo relacionado ao marketing digital

Projeto de Produto

Mídias Sociais

Desenvolvimentos de portfólio entre outros meios para exposição de trabalhos

ENGENHARIA DE PRODUÇÃO •

Planejamento e Controle de Produção

Gestão Total da Qualidade

Gestão de Estoques e Suprimentos

Plano de Negócio

Previsão de Demandas

Plano de Marketing | Pesquisa de Mercado

Logística

ENGENHARIA AMBIENTAL •

Cadastro Ambiental Rural

Estudo de impacto de vizinhança

Plano de Controle Ambiental

• •

Projeto de Engenharia Ambiental Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos

TECNOLOGIA DE ALIMENTOS • •

Aproveitamento de matérias-primas • oriundas do setor pesqueiro, agrícola, pecuário e vegetal • Desenvolvimento de produtos alimentícios prontos e semi-prontos •

Análises físico-químicas, microbiológicas e sensoriais Elaboração de manual de boas práticas de fabricação Reaproveitamento de resíduos de alimentos.

Saber Amazônia

29


30

Foto Arquivo Pessoal

Saber Amaz么nia

Ser Uepa


Deu música nos pampas gaúchos Transformar a vida de crianças por meio da música. Em 1995, talvez nem passasse pela cabeça do então aluno do curso de Educação Artística com habilitação em Música - atual Licenciatura Plena -, Carlos Augusto Pinheiro Souto, que esta seria sua grande missão anos mais tarde. Hoje, como professor da Uepa, ele exerce a função com maestria à frente do projeto Trilhos Sonoros. A iniciativa é desenvolvida na cidade de Canoas, no estado do Rio Grande do Sul, onde cursa o doutorado em Teologia pela Faculdades EST. Souto, ao lado da esposa e dos dois filhos, ministra, de forma gratuita, aulas de música todos os sábados - de manhã e à tarde - a aproximadamente 80 crianças e adolescentes que vivem em situação de vulnerabilidade social nas comunidades gaúchas de Mato Grande, Tia Cleusa e Minha Terra. O grupo participa de aulas de violino, viola, violoncelo, trombone, trompete, saxofone, sanfona, teclado e teoria musical. Os que mais se destacam integram a Orquestra Infanto-Juvenil Trilhos Sonoros, que já arrancou aplausos do público em eventos internacionais, como o Fórum Mundial de Educação. “O projeto ressignifica a vida dessas crianças, que tocam em lugares nobres da cidade, em eventos internacionais, e são aplaudidas. Existe uma ressignificação de vida, não só para a criança, mas para a própria família e para a Uepa. Os professores licenciados carregam todo o aprendizado e experiência. A Uepa não forma apenas para atuação local e regional, mas para o mundo, e isso dignifica a Instituição, pois os professores conseguem se inserir em outras culturas e influenciar. É um forte exemplo de como a Uepa tem sido feliz na condução de suas propostas de trabalho”, afirma Augusto Souto. A vontade de fazer mais pelo social acompanha Souto desde a graduação na Uepa, quando participou do projeto de extensão Arte Nova, com crianças e adolescentes do bairro do Barreiro, em Belém. Este foi o primeiro contato com a periferia. Como professor, ele desenvolveu outros projetos junto à comunidade, desta vez no bairro do Benguí. O mais emblemático foi o Alunos de Música Empreendedores (AME). Durante seis

anos (2004-2010) e em parceria com a coordenação de Licenciatura em Música da Uepa, os alunos testavam na prática sua futura profissão e, dali, retiravam conteúdos para artigos acadêmicos, trabalhos de conclusão de curso, objetos de pesquisa, entre outros. Quando ingressou no mestrado em Educação, no sul do País, não foi diferente, e Souto aprofundou as pesquisas sobre música na periferia com a Orquestra Vila Lobos, de Porto Alegre. “Levei a experiência de seis anos do trabalho que desenvolvia em Belém, e, em 4 de fevereiro de 2011, nasceu o projeto Trilhos Sonoros de uma constatação e de uma necessidade de desenvolver algum trabalho para crianças e adolescentes em estado de vulnerabilidade. Apresentei a proposta para filhos de catadores de lixo e começamos com onze crianças e onze flautas doces. As aulas e os ensaios são na minha casa, onde permanecem até hoje. A minha pesquisa de doutorado está vinculada ao Trilhos Sonoros”, conta. O projeto Trilhos Sonoros já se tornou referência no ensino de música gratuito na cidade de Canoas e, inclusive, foi aprovado em editais de incentivo da Prefeitura do município, o que possibilitou a compra de instrumentos e de roupas. Mas ainda não é o bastante! O projeto deverá continuar mesmo quando o doutorado do professor estiver concluído e, para isso, já está em prática o Intercâmbio Solidário, no qual os alunos de Belém poderão trocar experiências e contribuir com o trabalho iniciado por Souto em Canoas. Enquanto isso, só resta agradecer e contribuir com formação de pequenos talentos. “A contribuição da Uepa para este trabalho é muito rica, pois está lidando com transformação de vida e quem está garantindo isso é a Universidade, quando me permite ficar estudando e me dá a oportunidade de contribuir com a felicidade dessas crianças. Isso não tem preço”, finaliza.

Saber Amazônia

31


Artigo 32

Saber Amaz么nia


Parceria promove treinamento e aperfeiçoamento de estudantes em pesquisa sobre sustentabilidade na Amazônia Por Carlos Capela*

Biodiversidade amazônica é tema de projetos de pesquisa. Foto Tamara Saré

Saber Amazônia

33


Aulas práticas ministradas pelo profº Capela no Laboratório de Qualidade Ambiental (LQA) . Foto Divulgação.

34

Saber Amazônia


Ecossistema amazônico é objeto de estudo entre instituições parceiras. Foto Ascom IDEFLOR.

Foto Bianca Almeida

Agrônomo pela Universidade Federal Rural da Amazônia (UFRA) e mestre em Ciências Ambientais numa parceria entre a UFPA/EMBRAPA/ MPEG. Atualmente, é pró-reitor de Gestão e Planejamento da Uepa e professor ligado ao Departamento de Engenharia Ambiental.

Participe:

Tenha seu material publicado. Envie seu artigo para

ascom@uepa.br

Saber Amazônia

35


Foto Cláudio Santos/Ag. Pará

anos

Belém, urbana e ribeirinha, cidade onde crenças, saberes e conhecimento convivem todos os dias.

36

Saber Amazônia

Revista Saber Amazônia - Jan, Fev e Março 2016  

Publicação trimestral produzida pela Assessoria de Comunicação da Uepa.

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you