Issuu on Google+

I

N

F

O

R

M

E

Jornal da Universidade do Estado do Pará. Ano 1. Nº 01. Dezembro de 2009.

arquivo ascom

Aumenta a procura pelo Prise e Prosel A universidade do estado está entre as IES mais procuradas da região norte do Brasil. Pág 3

Este ano mais de 60 mil candidatos estão inscritos nas provas, com isso mais uma vez a Uepa se destaca como a instituição de ensino superior mais procurada da região norte

Pós-graduação

Ensino

Capes aprova Mestrado em Biologia Parasitária na Amazônia. O edital do curso do Centro de Ciências Biológicas e da Saúde (CCBS), está previsto para 2010. Poderão participar da seleção graduados nas áreas de saúde e biologia. Pág 2

Investimento

Campi da capital e interior recebem espaços e novos equipamentos. Pág. 8

Ex-alunos do curso de design são aprovados em bolsa de estudos na Itália. Pág 6

Eventos

Obras de expressão amazônica são relançadas Entre os títulos está o romance “Primeira Manhã” do escritor paraense Dalcídio Jurandir. Pág. 7

MÁCIO FERREIRA

Novos espaços e equipamentos

Alunos participam de ações de assistência à população carente nos bairros de Belém. O atendimento faz parte de uma parceria entre instituições e vários órgãos do estado. Pág 4

Entrevista


2

SUPERIOR

Espaço da Reitora

Expediente

promoveu-se também o diálogo da gestão superior com a comunidade acadêmica e demais representantes da comunidade sobre o redimensionamento da UEPA nas regiões de integração e outras demandas locais, oportunizando e devolvendo o legítimo direito de debater sobre seus desafios e suas possibilidades. Podemos afirmar, sem sombra de dúvidas, que também avançamos na política universitária séria, interna e externamente, com articulações sólidas no cenário de quem está tomando decisões vitais e necessárias ao desenvolvimento de nossa Região. O diálogo com a categoria política foi feito com a bancada do Pará em Brasília, assim como na sessão especial na Assembléia Legislativa do Estado. Certamente um ano coroado de intensas participações da nossa UEPA em audiências públicas, conselhos, eventos que decidem agendas prioritárias em educação, saúde e tecnologia, resgatando seu papel de vanguarda, como IES e sendo reconhecida por isso. Tal reconhecimento só foi possível pela história de compromisso dos servidores, docentes e técnico-administrativos. O mesmo compromisso que nos levou a aceitar o desafio de formar professores no ousado resgate da melhoria da educação básica , através do Plano articulado de formação de professores (PARFOR), cadastrados na Plataforma Paulo Freire, e no qual fomos a universidade mais demandada. Os docentes de nossa instituição, destacadamente do CCSE, já começaram seus esforços hercúleos para essa gigante empreitada. No âmbito das ações finalísticas, destacamos o acesso ao portal CAPES, fortalecimento

reitora@uepa.br

da pesquisa e inauguração de novos espaços e laboratórios com tecnologias de ponta no CCBS, com recursos do tesouro e de captação externa e a aprovação do mestrado em Biológia Parasitária na Amazônia, segunda pós-graduação stricto senso da UEPA aprovada pela CAPES. Tal conquista soma-se no âmbito da qualificação séria de nossos professores com os demais cursos de pós-graduações interinstitucionais implementadas pela gestão, como Dinter em enfermagem e matemática, pois não se fará graduação de qualidade, apoiada em pesquisa e extensão, sem a qualificação de nossos docentes. Ao longo deste informativo, observamos o quanto produzimos para o nosso Estado, cumprindo nosso papel de formadores, extensionistas e pesquisadores. Certamente nos emocionamos ao ler uma entrevista de jovens alçando vôos para outros continentes, jovens integrados em ações de cidadania, projetos que levam filosofia para escolas. Em breve, iremos ampliar essa divulgação do que somos e fazemos , através do momento universitário da UEPA na TV cultura, já em fase de elaboração. Só construiremos a universidade que sonhamos e queremos com investimentos em recursos humanos, fixação docente no interior do Estado, fortalecimento da administração e participação local, além de investimentos em infraestrutura para possibilitar o desenvolvimento do ensino, pesquisa e extensão em todos os campi da UEPA. A captação de recursos do tesouro e outras fontes, e a melhoria de fluxos administrativos

MÁCIO FERREIRA

O

ano de 2009 chega ao fim. Um ano marcado por um processo eleitoral onde a comunidade acadêmica da UEPA escolheu seus gestores máximos, reitor e vice-reitor, e sobretudo a plataforma que nortearia a gestão superior por mais quatro anos. Tudo isso dentro de um cenário de crise econômica mundial, que também afetou nosso Estado. No âmbito da gestão, dentre tantos desafios, conseguimos realizar planejamento estratégico e operacional, fortalecer setores estruturantes, fortalecer política de gestão de pessoas, investir em infra-estrutura finalizando obras e reformas e iniciando obras fundamentais para o futuro de nossa instituição, tais como, restaurante universitário, Núcleo de Educação á Distância (Castelinho) e novo bloco do CCSE, reformas e início do novo prédio do CCNT, construção do campus de Igarapé-Açu e Salvaterra, além da aquisição e reforma do campus de Castanhal. Santarém recebe, ainda este ano, a cessão da URES pela SESPA, garantindo aos alunos um espaço próprio de ambulatórios para ensino, pesquisa e extensão na saúde. Ainda neste fim de ano, também procedeu-se licitações para reformas do planetário e laboratórios de engenharia ambiental em Paragominas e Marabá. Neste intenso ano de processos democráticos e de debates, a comunidade do interior do Estado elegeu seus representantes coordenadores do interior, tendo o momento da posse dos eleitos constituído um marco de fortalecimento da interiorização, pois no momento da posse, realizada em cada campus,

Maria Brasil Xavier

que possibilitam as ações finalísticas, só serão possíveis com o empenho, dedicação e boa vontade de todos para trabalhar em cooperação. A tão sonhada e discutida construção coletiva da universidade será sempre uma falácia se não houver despreendimento dos objetivos pessoais e em direção ao diálogo e atitudes que priorizam o coletivo. No ambiente acadêmico, o mérito se evidencia nas conquistas dos grupos que conseguem se fortalecer pelo trabalho conjunto. Sabemos, como cidadãos, dos nossos desafios e vulnerabilidades, e somos conscientes que vários estrangulamentos na gestão universitária são como sinais e sintomas de doenças crônicas, que paliativos não resolverão e a cura só virá através da mudan-

ça de paradigmas. Acreditamos, porém, que estamos na direção certa, coerentes com proposta de universidade pública que discutimos na plataforma que nos levou à legitimação nas urnas, compartilhada e construída a todo momento com todos que se dedicam a construção de uma universidade pública de qualidade para nossos cidadãos. Neste Natal cristão que se aproxima, renovamos os votos de que tenhamos atitudes baseadas na fé, no amor ao planeta e a todas as formas de vida que nele habitam, fortalecendo a ética do humano, dos homens de boa vontade, capazes de transformar sonhos em realidade para que possamos construir uma civilização humana mais justa e mais feliz.

Universidade do Estado do Pará Reitora: Marília Brasil Xavier; Vice-Reitora: Maria das Graças da Silva; Pró-Reitor de Gestão e Planejamento: Manoel Maximiano Junior; Pró-Reitora de Extensão: Mariane Cordeiro Alves Franco; Pró-Reitor de Graduação: Ruy Guilherme Castro de Almeida; Pró-Reitor de Pesquisa e Pós-graduação: Jofre Jacob da Silva Freitas.

Informativo trimestral da UEPA Assessoria de Comunicação (ASCOM), rua do Una, 156, Telégrafo. CEP: 66050-540. Jornalista responsável: Ericka Gonçalves Pinto. Equipe: Leandro Lage, Marcela Conde e Vanessa Monteiro (Jornalismo); Mácio Ferreira (Fotografia); Amália Paes, Paulo Gomes e Renata Carneiro (Produção); Greison Dias (Webdesign/diagramação). Tiragem: 3.000 exemplares. Envie suas sugestões e divulgue suas atividades. Contatos: (91) 3244-5201 ou ascom.uepa@gmail.com / Site: www.uepa.br


3

SUPERIOR

Prise e Prosel Aumenta a procura pelos Processos Seletivos 2010

M

ais de 67 mil candidatos estão inscritos nos Processos Seletivos 2010 da Universidade do Estado do Pará. São quase sete mil a mais em relação a 2009, quando a instituição contabilizou 60.363 inscritos. Os números apontam mais uma vez a grande procura pelos cursos da UEPA, permanecendo entre as instituições de ensino superior mais concorridas da região norte do país. Este ano, a instituição está ofertando 2.536 vagas, distribuídas entre os 19 cursos de graduação, nos cinco campi da capital e nos 15 núcleos do interior, nas áreas de educação, saúde e tecnologia. A novidade está na oferta dos cursos de licenciatura em Filosofia, Geografia e Letras com habilitação em Língua Estrangeira, além do recém-adquirido campus de Castanhal, que terá os cursos de Engenharia de Produção e licenciatura

em Ciências Naturais. O novo campus, localizado na Região de Integração do Guamá, dará apoio aos demais campi da universidade.

Concorrência O curso de Fisioterapia é o mais procurado, com 1.750 inscritos no Processo Seletivo (PROSEL), e uma média de 87,50 candidatos por vaga (20 vagas). Enquanto no Programa Ingresso Seriado (PRISE), a concorrência ficou em 10,20 candidatos/vaga (20 vagas), com um total de 204 inscritos. No Prosel, os cursos de Engenharia Ambiental e Design ficaram em segundo e terceiro lugar na concorrência, com uma média de 69,30 e 46,10 candidatos por vaga, respectivamente. No Prise, o segundo mais concorrido foi também o curso de Engenharia Ambiental, com

8,55 candidatos; e Tecnologia Agroindustrial com habilitação em Alimento ficou em terceiro com 8,50 candidatos por vaga. Mas os cursos tradicionais como Medicina, ainda continuam sendo bastante procurados nas duas modalidades de seleção da UEPA. Para este curso são ofertadas 50 vagas no Prosel, com 3.217 inscritos e uma concorrência de 64,34 candidatos/vaga; e 50 vagas para o Prise, com 317 inscritos e média de 6,34 candidatos/vaga.

Provas

Conteúdo A primeira etapa dos Processos Seletivos consiste em uma prova com 56 questões objetivas nas áreas de química, matemática, física, biologia, língua portuguesa, literatura brasileira e portuguesa, história e geografia, referente à primeira série do ensino médio. A segunda prova terá 60 questões objetivas de conhecimentos gerais das mesmas disciplinas da primeira etapa e mais questões de língua es-

As provas da primeira e segunda etapas estão marcadas para os dias 29 e 30 de novembro. A terceira e última etapa será no dia 20 de dezembro. Os candidatos que optaram pelo curso de Música realizaram o exame habilitatório nos dias 8 e 9 de novembro.

trangeira. O conteúdo da prova é referente à segunda série do ensino médio. Na terceira e última etapa, o candidato fará uma prova com 54 questões objetivas de conhecimentos gerais, incluindo língua estrangeira, e a redação. O conteúdo da prova será referente à terceira série do ensino médio. Para todas as etapas, cada questão objetiva valerá um ponto. A redação vale 30 pontos.

ptp-uab

Educação a distância amplia a oferta de cursos da UEPA no Pará Para consolidar a presença da universidade no Estado e atender a demanda em municípios onde não há núcleo da instituição, este ano foram ofertados cursos de licenciatura na modalidade presencial e a distância. A ampliação de vagas é resultado da participação da UEPA no programa federal da Universidade Aberta do Brasil e do Planejamento Territorial Participativa do governo do estado. Os Processos Seletivos Especiais para o preenchimento de 1.650 vagas, 1.210 pela UAB e 640 pelo PTP, foram realizados em outubro. Para as coordenações dos processos, os mais de 7 mil candidatos inscritos reafirmam a UEPA como uma das instituições mais procuradas no estado. Os candidatos aprovados estão em fase de efetivação da matrícula. A participação da universidade no programa federal da UAB garantiu a possibilidade de oferta dos cursos de letras, matemática, pedagogia e ciências na-

turais a distância que vão atender a 12 municípios - pólos: Altamira, Barcarena, Belém, Bragança, Cachoeira do Arari, Igarapé Miri, Itaituba, Jacundá, Marabá, Pacajá, Ponta de Pedras e São Sebastião da Boa Vista. Do total de vagas para a UAB, 60% são destinadas a professores que já trabalham em escolas estaduais e municipais e que não possuem formação superior. As demais vagas serão destinadas a candidatos sem vínculo com o ensino público e sem formação superior. A UAB, criada em 2005 pelo Ministério da Educação, tem como prioridade formar professores para atuar na educação básica e, por meio da educação a distância, promover o acesso ao ensino superior para camadas da população excluídas do processo educacional. Já o incremento de vagas para atender as demandas do Planejamento Territorial Participativo (PTP), criado pelo Governo do Estado, consolida a presença da

UEPA nas diversas regiões de integração do Pará, em municípios onde não há campus da universidade. O PTP atenderá os municípios de Acará, Anapu, Curuçá, Mãe do Rio, Novo Repartimento, Ponta de Pedras, Rondon do

Pará, Santa Bárbara e Xinguara. Os cursos funcionarão em regime presencial, nos meses de janeiro, fevereiro e julho. Cerca de mil e novecentos candidatos se inscreveram para os cursos do PTP. Segundo o coordenador do processo seletivo, Osvando dos Santos Alves, a procura

pelos cursos contribuiu para o número recorde de inscrições nos processos seletivos da história da UEPA. “Mais que satisfatório, podemos dizer que a realização do processo seletivo para o PTP foi um sucesso. As provas transcorreram de forma tranqüila nos municípios e não tivemos nenhuma questão anulada”, observa.


4

SUPERIOR

Ensino comemoração

Campus de Santarém completa 10 anos de atividades investiu na construção de blocos das salas de aulas para o curso de medicina, que contemplam também o curso de fisioterapia, que ganhou ainda uma piscina coberta para tratamento hidroterápico. O curso de educação física também recebeu duas piscinas e um complexo poliesportivo totalmente reformado e ampliado para práticas de esportes e aulas de artes marciais. No ensino, o investimento na fixação de professores por meio de concurso público, trouxe ao campus uma oportunidade para o desenvolvimento da produção científica de qualidade e eficiente, pautada nas principais demandas da população, com profissionais fixos e qualificados na região. Pioneira na oferta do curso de medicina, a UEPA é a única instituição na região Norte a oferecer

a graduação em uma cidade interiorana – foi implantado em 2006 e conta com um currículo pedagógico integrado baseado em problematização, ou na metodologia PBL e ABP. O novo desenho curricular já rendeu ao curso de Santarém, na última avaliação do Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (ENADE), em 2007, o conceito “A” (“excelente”). O curso de medicina que funciona em Belém desde 1971 começa também a adotar as novas diretrizes nos próximos anos. “As habilidades de comunicação correspondem a um módulo que faz todo o diferencial no aprendizado do aluno, pois a relação médico-paciente é exaustivamente trabalhada nesse novo modelo. Também a entrada do aluno na Estratégia Saúde da Família desde o primeiro ano, faz com que essa relação

arquivo Ascom

G

arantir a formação de futuros profissionais na área da saúde e proporcionar qualidade de vida à população do oeste do Pará estão entre os diferenciais do campus da Universidade do Estado do Pará (UEPA) em Santarém, que este ano, completou 10 anos de atividade. Entre as principais colaborações na formação do ensino superior na região, a universidade está presente com os cursos de Medicina, Fisioterapia, Educação Física, Enfermagem e Música. Na saúde, o campus de Santarém desenvolve diversas atividades voltadas para o ensino, pesquisa e extensão – o que reforça a proposta da instituição como grande formadora na área da saúde. Para garantir toda a infraestrutura e qualidade das ações desenvolvidas, a universidade

Campus de Santarém é referência na formação de profissionais para a área da saúde

seja fortalecida ao longo do curso”, acrescenta a professora do curso e Pró-Reitora de Extensão, Mariane Franco. Na pesquisa e extensão, a saúde também é fundamental. Nos cursos de enfermagem e medicina são desenvolvidos estudos nas comunidades para o diagnóstico e tratamento de doenças infecciosas e parasitárias, saneamento

básico, saúde do idoso, saúde da criança e adolescente, saúde da mulher, além de ações de prevenção de doenças transmissíveis e gravidez na adolescência. “O campus da UEPA faz parte da vida da comunidade santarena pela realização dos anseios de levar os cursos de nível superior para a população tão carente e distante da capital”, destaca a Pró-Reitora.

integração

Estudantes da UEPA participam de ação de cidadania O de do Estado do Pará, através da Pró Reitoria de Extensão participa da programação que acontece uma vez por mês em um bairro diferente da região metropolitana de Belém. O principal foco de atividade da UEPA nos mutirões é o atendimento na área da saúde, que acontece através de

MÁCIO FERREIRA

ferecer gratuitamente serviços como emissão de documentos, atendimento de saúde, orientações jurídicas, entre outros, é o objetivo do Mutirão da Cidadania, ação conjunta do governo do estado com vários órgãos que prestam serviço à população. A Universida-

Alunos vivenciam as carências da população e colocam em prática o que aprenderam

consultas e avaliação física e nutricional, seguidos de orientações personalizadas para cada caso, inclusive chamando atenção para o risco de desenvolvimento de doenças ligadas aos hábitos alimentares, como é o caso do diabetes e da hipertensão. Durante as consultas os pacientes também são conscientizados sobre a importância da prática de atividades físicas. Os atendimentos são feitos pelos próprios alunos da UEPA, sempre sob orientação de um professor que acompanha e monitora cada atendimento. Através dessa prática os alunos podem aplicar os conhecimentos obtidos na universidade diretamente na prestação de serviços à comunidade. “Faz parte do compromisso social da universidade oferecer esse retorno do investimento que a população faz na formação

desses alunos. Além de ser uma ótima oportunidade de vivenciar na prática a teoria aprendida em sala de aula”, observa Anderson Maia, Coordenador de Extensão da UEPA. Já para a professora Mariane Franco, Pró Reitora de Extensão da universidade, “a participação dos alunos nesse tipo de atividade é de fundamental importância para que eles tenham contato com as verdadeiras demandas da sociedade, saindo um pouco do ambiente acadêmico, onde as demandas são controladas. É aqui que eles percebem as verdadeiras carências da população e podem desenvolver o lado da humanização da saúde”. A comunidade recebe os mutirões sempre com muita expectativa, pois é uma oportunidade de receber vários serviços e solucionar vários problemas de uma só vez

através dos atendimentos feitos por órgãos e instituições das mais variadas áreas de atuação. Sobre o atendimento da UEPA, a dona de casa, Ana Luiza Almeida, diz que “foi nota 10. Normalmente é muito difícil conseguir atendimento de saúde e poder chegar aqui e ser bem atendido é gratificante. Minhas dúvidas foram todas esclarecidas e ainda recebi informações além das que esperava conseguir ”, comemora. A governadora do Estado, Ana Julia Carepa, comenta sobre os mutirões: “Essas ações de cidadania proporcionam à população o acesso aos serviços públicos. É importante que as pessoas conheçam os serviços que o Estado oferece e essa é uma oportunidade excelente para isso”.


5

SUPERIOR

Assistência Laboratório será referência na pesquisa de infecção vertical ações e a atuação dos órgãos de saúde responsáveis por esse atendimento. Com o objetivo de desenvolver pesquisas na área e subsidiar condições que possam melhorar essa atuação, a Universidade do estado do Pará (UEPA) firmou uma parceria com a Secretaria Executiva de Saúde Pública (SESPA), através da sua Coordenação Estadual de DST/Aids, para a criação de um ambulatório de assistência e referência na saúde do binômio mãe e filho, sob o enfoque nas doenças de transmissão congênita ou perinatais. “O objetivo do ambulatório não é apenas oferecer o atendimento para a comunidade, através do diagnóstico, tratamento e acompanhamento, mas produzir pesquisa para a universidade”, diz Carina Guilhom, médica pediatra e responsável pelo projeto do ambulatório. O espaço será instalado no

MÁCIO FERREIRA

S

ífilis, AIDS, Hepatite B e HPV. Doenças sexualmente transmissíveis, e as grandes responsáveis pelos elevados índices de infecção vertical, doenças transmitidas da gestante para o filho. De acordo com o Ministério da Saúde, só a taxa de transmissão vertical do HIV pode chegar a 20%, ou seja, a cada 100 crianças nascidas de mães infectadas, 20 podem tornar-se HIV Positivo. Com ações de prevenção, no entanto, a transmissão pode reduzir-se para menos de 1%. Já a sífilis pode ser completamente evitada. Um levantamento realizado pelo do Ministério no período de 2004 a 2006, em cinco capitais brasileiras, constatou que o índice de gestantes que apresentavam algum tipo de infecção chegava a 42%. No Pará, não há registros científicos que possam identificar o perfil das ocorrências das doenças no Estado, o que dificulta as

Na unidade do bairro do Marco a equipe de saúde sensibiliza as gestantes para a importância do pré-natal

Centro de Ciências Biológicas e da Saúde (CCBS), e abrangerá uma equipe multidisciplinar e interdisciplinar, com a atuação de várias especialidades dentro da área médica, além de outras

profissões, como terapeutas ocupacionais, fonoaudiólogos e psicólogos. A previsão é que o ambulatório já esteja estruturado a partir do mês de março de 2010. Com o espaço, também

será possível contemplar alunos de outros municípios, através do sistema de Tele-Saúde e Tele-medicina implantado na universidade por meio de vídeoconferência.

Saúde

Pesquisa verifica presença de bactérias em gestantes Em países desenvolvidos, 40% das mortes de bebês recém-nascidos são ocasionadas por infecções bacterianas. Uma das mais comuns, porém menos conhecida, é causada pelas colônias de estreptococos do grupo B, bactérias que podem comprometer a bolsa amniótica, o endométrio, a parede abdominal, ou manifestar-se como infecção generalizada e meningite. Essas bactérias podem ser transmitidas à criança na hora do parto. Com o objetivo de verificar a prevalência das colônias de estreptococos em mulheres grávidas, os alunos Rodolfo Lobato, Marcella Mesquita e Thais Fischer, do curso de Medicina da Universidade do Estado do Pará (UEPA), iniciaram a pesquisa “Colonização por estreptococo do grupo B em gestantes internadas em maternidade pública na cidade de Belém/ PA: Um estudo sobre prevalência e fatores de risco”, sob orientação

da professora Irna Carneiro. Para levantar os dados, os bolsistas analisam os prontuários das pacientes que chegam a Santa Casa de Misericórdia. Atualmente, não há um estudo que avalie a incidência de colônias de estreptococos em gestantes atendidas em hospitais de Belém e que estabeleça uma relação da prevalência da bactéria com fatores de risco, como a entrada prematura em trabalho de parto, a ruptura da bolsa amniótica e a febre durante o parto. Os alunos já avaliaram os prontuários de mais de 160 pacientes. As conclusões preliminares apontam para uma prevalência de colônias de estreptococos em 5% a 10% das pacientes. “Todas as gestantes que vêm do interior em trabalho de parto prematuro passam pela profilaxia e, em seguida, pelos exames para detectar ou não a prevalência de colônias de estreptococos”, ex-

plica Marcella Mesquita. A profilaxia é a ação sobre os agentes causadores de uma doença. Quando chegam à Santa Casa, as mães passam por três exames antes do parto: pelo SWAB vaginal, pelo SWAB retal e pelo exame detalhado da urina. “O SWAB é um exame no qual usa-se um cotonete para coleta de secreção. Normalmente, a própria equipe de triagem do setor obstétrico da Santa Casa é que realiza o exame”, explica a bolsista Thais Fischer. Somente com os resultados desses exames é possível avaliar a prevalência das bactérias. “Tendo conhecimento sobre a proporção de contaminação é possível fazer a profilaxia e estudar os fatores de risco”, detalha a professora Irna Carneiro. Para evitar a contaminação do bebê por estreptococos do grupo B, as gestantes com fatores de risco são orientadas a tomar antibióticos antes do parto. “Como o bebê

ainda não tem tanta resistência, ele fica sujeito a desenvolver doenças graves nos primeiros dias de vida se for contaminado”, diz Thais Fischer. A pesquisa é financiada pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Pará (Fapespa). O relatório conclusivo do estudo será entregue até janeiro de 2010. O grupo de alunos espera examinar pelo menos 200 pacientes e estabelecer o protocolo de prevenção da doença estreptocócica em outras unidades de saúde.


6

SUPERIOR

Entrevista

C

Lina Harada

FERR

EIRA

Clara Amorim

MÁCIO

ontribuir para o desenvolvimento da cadeia produtiva do setor de madeira e móveis no Estado. Este é o desafio das designers Clara Amorim e Lina Harada, ex-alunas do curso de Bacharelado em Design da UEPA, aprovadas no curso de Especialização em Master Design, no Centro Tecnológico de Mobiliário em Madeira (Cosmob), em Pesaro, na Itália. O Cosmob é um dos maiores centros de pesquisa e desenvolvimento deste segmento no mundo. As bolsas serão financiadas pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Pará (Fapespa) e pelo Sebrae. Na contrapartida, o curso servirá como uma consultoria feita pelos beneficiados para as micros e pequenas empresas indicadas pelo Sebrae/PA para a produção de projetos do setor mobiliário. Em entrevista ao Informe UEPA, as designers falam da expectativa do curso de especialização na Itália, do mercado de trabalho e da formação profissional.

A especialização em Master Design na Itália é um dos maiores centros de pesquisa e desenvolvimento deste setor no mundo. De que forma o curso vem contribuir para a formação profissional de vocês?

Num estado de grandes diversidades como o Pará, quais os diferenciais dos produtos regionais utilizados para os de outros estados ou países?

Clara Amorim: Nós sabemos das limitações produtivas que enfrentamos em quase todas as áreas de design em nosso estado, contudo as limitações tornam-se muitas vezes um dos alimentos da criatividade, e isso nós temos de sobra. Também temos uma ampla gama de matérias naturais, muitas delas exploradas há anos com intimidade por nossos artesãos, como é o caso da madeira, e outros deles ainda em fase de experimento e de expansão de uso, como os compostos de fibras naturais.

Lina Harada: O diferencial está

É necessário que nos qualifiquemos para garantir um diferencial para o Design enquanto profissão...” na diversidade natural, que possibilita, sem dúvida, uma enorme aplicação dos materiais. Além disso, temos a cultura local que, impressa nas músicas e no artesanato, representa a marcante identidade regional, facilmente reconhecida, acredito, em qualquer lugar do mundo.

Qual a avaliação do mercado de trabalho voltado para o design de produto?

Clara Amorim: No Pará, o Design ainda está em fase de consolidação, e quando se fala de design de produto percebemos isso mais ainda, pois existe uma falta de consciência, principalmente por parte dos empresários, em saber o que fazemos e a importância de se incorporar o projeto de produto no planejamento da empresa. Apesar disso, as melhorias também podem ser percebidas, como um crescimento qualitativo do curso e

Clara Amorim: Realmente, em algumas áreas ligadas ao desenvolvimento econômico existe carência de pessoas especializadas, contudo, também existe um certo desconhecimento de parte do empresariado sobre a importância e as vantagens de segmentos como o design. É claro que iniciativas como esta, além de gerarem desenvolvimento, se mostram como uma oportunidade de expansão da área e podem servir de exemplo para a criação de novos projetos que possam gerar bons frutos

Lina Harada: Acredito que iniciativas como esta contribuirão muito para a ampliação deste mercado. Pelo menos para mim que atuo na linha de mobiliário, o mercado está saturado, com profissionais de áreas diferentes exercendo as mesmas funções. É necessário que nos qualifiquemos para garantir um diferencial para o Design enquanto profissão, e assim conquistar espaço nas empresas.

Como esse conhecimento pode ser aplicado como forma de contribuir para o crescimento da produção do setor no estado?

Clara Amorim: Como eu disse, entraremos em contato com o que é referencia de excelência em design de mobiliário no mundo, tanto em termos produtivos como em termos metodológicos e de pesquisa. Todo esse conhecimento assimilado por nós deverá ser aplicado a realidade das empresas locais, gerando um salto qualitativo e, consequentemente, o desenvolvimento do setor. Lina Harada: Penso que o Design aliado à Ergonomia pode ser um diferencial forte. Espero poder contribuir em projetos voltados ao mercado externo, difundindo nossa cultura e materiais, mas também com projetos voltados ao mercado interno, com produtos destinados à antropometria local.

O Pará, atualmente, possui uma grande carência de

MÁCIO FERREIRA

Lina Harada: O fato de entrar em contato com a cultura de um país diferente, sendo ainda um país de referência na área, já será muito enriquecedor. Espero aprender ao máximo os conceitos de design e as técnicas lá aplicadas para incorporá-los da melhor forma possível ao meu trabalho.

MÁCIO FERREIRA

Clara Amorim: A especialização na COSMOB irá nos colocar em contato com o que há de melhor no mundo em termos de design de móveis, visto que este centro tecnológico é referência em design de mobiliário e ecodesign na Itália, e a Itália é referência em Design no mundo todo.

pessoal especializado para atender às demandas das empresas. Iniciativas como estas são os caminhos para o crescimento do setor no estado?

de uma tomada de consciência de que o profissional de design em parceria com os setores produtivos gera desenvolvimento, além do surgimento de oportunidades como esta, que eu espero ser a primeira de muitas.

a qualidade do que tem se produzido na academia tem crescido e, desta forma, a Universidade tem formado profissionais cada vez mais capacitados”.

para a economia do Estado. Lina Harada: Sim, é necessário que além da graduação, os profissionais busquem a qualificação e que o Estado torne possível essa qualificação. Sem dúvida, é uma forma de valorizar e qualificar a mão de obra, preparando-a para atuar e, conseqüentemente, contribuir no desenvolvimento do setor.

O curso de design de produtos da UEPA é inovador no estado e é voltado para o desenvolvimento da região, a partir da produção de produtos regionais. Como vocês avaliam o curso para a formação profissional?

Clara Amorim: Ainda existem algumas deficiências em relação a alguns pontos, como laboratórios, grade curricular e coisas do tipo. Mas na minha opinião é um curso em desenvolvimento, onde se percebe a cada ano uma evolução desde a própria estrutura do curso se comparada com alguns anos atrás, até os alunos que ingressam com conhecimento prévio do que é design. Com isso, percebemos que a qualidade do que tem se produzido na academia tem crescido e, desta forma, a Universidade tem formado profissionais cada vez mais capacitados. Lina Harada: O curso estimula a produção de produtos com tecnologia local, o que nos permite um conhecimento amplo dos materiais regionais. Oferece ainda uma boa base profissional, com professores atuantes na área que nos mostraram exemplos do dia a dia, como as dificuldades e a realidade da profissão. Entretanto, cada um deve buscar o conhecimento na área escolhida e, durante a graduação, buscar bons estágios afins com a área em que se pretende atuar.


7

SUPERIOR

Eventos

Dicas de Leitura

Eduepa lança obras de expressão amazônica

J

osé Veríssimo e Eneida de Moraes serão os próximos nomes a compor a linha editorial Memórias Reeditadas, da Editora da UEPA, uma iniciativa que compreende o resgate de obras de autores paraenses do século XIX e do período modernista. São escritores que se destacam na literatura de expressão amazônica. A primeira obra reeditada pela Eduepa foi Primeira Manhã, de Dalcídio Jurandir. O lançamento, realizado no dia 29 de setembro, marcou ainda as homenagens ao centenário de nascimento do autor. “A repercussão entre professores, alunos e pesquisadores foi a melhor possível. Agora precisamos da voz da crítica e de fomentar um trabalho direcionado ao ensino médio, entre outros segmentos”, comenta a diretora da Eduepa, Josebel Fares. A próxima obra a ser reedita-

da, segundo Josebel Fares, será Cenas da vida amazônica (1ª ed. 1886), de José Veríssimo, com previsão de lançamento para 2010. Já as obras de Eneida de Moraes ainda estão sem definição de título a ser reeditado. “Na verdade, neste caso, o desejo e a necessidade é da publicação das obras completas da autora. Nossa intenção é conseguirmos captar recursos para lançá-las em 2011, quando faz 40 anos do falecimento da autora”, diz. Memórias O romance Primeira Manhã, de Dalcídio Jurandir, inaugurou a linha editorial Memórias Reeditadas, voltada para a publicação de obras literárias ou científicas

esgotadas referentes à Amazônia, de relevância acadêmica e fora de catálogo. A proposta da Eduepa é de contribuir para a reinserção de obras nas estantes de livrarias nacionais, como forma de resgate da memória de autores. “Por este motivo, a escolha do título é sempre muito difícil. Estudamos disponibilidades, discutimos na equipe de trabalho, ouvimos pessoas, e usamos também nossa sensibilidade e experiência de docente nas literaturas de expressão amazônica e de militante da área cultural”, enfatiza Josebel Fares, que completa, “além da obra em si, o leitor encontrará sempre es-

tudos críticos e outras informações que impulsione a leitura do título lançado”. Obra Primeira Manhã é o sexto livro do ciclo Extremo Norte, de Dalcídio Jurandir, e encabeça a lista dos romances de uma única edição. Através da ficção, o autor abre a discussão sobre práticas educativas no Brasil-Amazônia. Alfredo, protagonista, vivencia os desencantos com a escola, as percepções sobre as mazelas humanas e a saga do personagem por uma vida melhor. “Mergulhando na obra de Dalcídio se tem uma compreensão melhor sobre a Amazônia e seus saberes culturais. São textos sobre o Marajó e a cidade de Belém, com toda sua cultura, suas manifestações, sua sociedade, reflexões sobre educação e diferentes aspectos regionais”, observa.

Agenda DEZEMBRO

de Artes e Cultura Historia”, do Núcleo tores Paraenses e sua , na TV. Djalma SE a de Recitais do CC da UEPA. Será na sal . nca fra da 18h. Entra Dutra, a partir das

Semana

Concerto

05, a III Semana ra realiza até o dia O núcleo de Salvater no Marajó: Expecom o tema A UEPA Científico-Cultural, ada dos Guarás, ous /P PA Será na EETE riências e Desafios.. 566. -1 ações: (91) 3765 em Salvaterra. Inform Religião

Norte-Norntecem o I Seminário Nos dias 03 e 04 aco ura e III Conrat s do sagrado na lite anização é do deste sobre expressõe org A ão. ligi Re da Ciências O evento gresso Regional de ão. ligi Re da em Ciências Curso de Licenciatura ção (CCSE), na uca Ed e is cia So as nci será no Centro de Ciê ormações no site S/N – Telégrafo. Inf Av. Djalma Dutra, gspot.com/ gradonaliteratura.blo http://expressoesdosa Planetário

lizará a palesPlanetário do Pará rea No dia 09, às 16h, o erá cursos sobre hav ronomia”. Também tra “Introdução a Ast a professores do par os tad vol ia om e Astron Educação Ambiental 3232-1177. ) (91 es: médio. Informaçõ ensino fundamental e Recital

homenagem a commais um recital em s No dia 10 acontece reira, Paulino Chave Fer xeira, Clemente ipos Com positores como To Tei eto “Proj evento faz parte do e Altino Pimenta. O

de Natal no dia apresentará concerto O Madrigal da UEPA dia 15, às No . dre xan Ale to de San . O reper10, às 20h, na Igreja lém Be de na ral Metropolita dicionais. tra 20h30, será na Cated s ina tal Vivaldi e Canções Na tório terá Gloria de Planetário II

a participação de Natal do Planetário, com No dia 18 acontece o programação cultural. na sessão de cúpula e 100 crianças carentes Natal

da UEPA. O even22, o Auto de Natal Será realizado no dia uma confraores da instituição em to vai reunir os servid apresentações o, nic mê ecu to á com cul ternização que contar á início às 17 ter ção uetel. A programa de (CCBS). musicais, poesias e coq Saú da e s ica lóg Bio Ciências horas, no Centro de Solidário

POR UMA BOA UE SUA SUSPENSÃO A campanha “TROQ , segue até o dia SE CC do ire Fre lo Pau AÇÃO 3”, da Biblioteca aso. O usuário atr em es os exemplar 22. O objetivo é reaver eca, poderá fazer s pendências na bibliot além de regularizar sua a curativos aos par s iten ou s vei não perecí ianos. doações de alimentos sen han exdreia, que acolhe moradores da Casa An

Josebel Akel Fares professor A

Priprioca – Um recurso aromático da Amazônia

Este livro é resultado de pesquisas científicas do MPEG, da UEPA, em parceria com a UFRA e a Embrapa Amazônia Oriental a respeito da priprioca, enfocando diversos aspectos – taxonômicos, químicos, farmacológicos e cadeia produtiva. Trata-se de um estudo completo, direcionado a pesquisadores, professores, estudantes e interessados no conhecimento da flora amazônica. Priprioca – Um recurso aromático da Amazônia. Raimunda Potiguara e Maria das Graças Zohbi (organizadoras). 204 páginas. R$: 25,00

A Bronca e a Aula nas Relações Docentes

Este livro revela com clareza e consistência um aspecto importante de um problema a ser enfrentado pelos gestores de educação, a de definição de um modelo democrático de escola, para além das meras formalidades e aparências, que verdadeiramente pense a escola como prática de liberdade e espaço do desenvolvimento de capacidade individuais e coletivas. A Bronca e a Aula nas Relações Docentes. Nilda de Oliveira Bentes, Editora da UEPA. 83 páginas. R$: 25,00

Tecnologia e Inclusão Social da Pessoa Deficiente

Este livro apresenta a produção científica de diversos pesquisadores do Brasil, mostrando as diversas tecnologias aplicadas para apoiar e favorecer a qualidade de vida das pessoas com deficiência. Tecnologia e Inclusão Social da Pessoa Deficiente. Ana Irene Alves de Oliveira, Juliana Maciel de Queiroz Lourenço, Marta Genu Aragão (Og). Editora da UEPA. 174 páginas. R$: 25,00

Eduepa – Editora da UEPA.

Trav. Dom Pedro I, 519 - Umarizal - Belém / Pa Horário de Funcionamento: 08:00 às 18:00 Site: http://www2.uepa.br/ eduepa/ Desconto promocional de 20% a estudantes que apresentarem comprovante de matrícula e profissionais da Uepa, mediante apresentação de contracheque.


8

SUPERIOR

Investimento Campi da capital e interior recebem novos espaços e equipamentos

E

só depende da chegada dos equipamentos para entrar em atividade. O custo construção do Bloco VI e da reforma do Castelinho, no CCSE, é de R$ 1,4 milhão. Os equipamentos para os novos espaços serão adquiridos com recursos do Governo do Estado e verbas da Universidade Aberta do Brasil (UAB). “O CCSE é o centro que abriga maior número de alunos e de cursos, funcionando intensamente nos três turnos”, ressalta a reitora da UEPA, Marília Brasil Xavier. “Sua capacidade física está extrapolada. O novo bloco e a reforma do Castelinho

MÁCIO FERREIRA

stão em fase de conclusão as obras de reforma do Castelinho, no Centro de Ciências Sociais e Educação (CCSE), e de construção do núcleo da Universidade do Estado do Pará (UEPA) em Igarapé-Açu. Elas foram iniciadas em setembro e serão entregues no início de 2010. Para atender as demandas da comunidade acadêmica por ambientes de pesquisa e laboratórios, o CCSE também ganhará um novo bloco, além das salas onde funcionam as centrais acadêmicas e do Restaurante Universitário, já concluídos. O RU

Reforma no prédio do Castelinho irá garantir melhor adequação dos espaços no CCSE

potencializarão as atividades de ensino, pesquisa e pós-graduação, além de proporcionar espaços adequados para a educação a distância”. No interior, as construções dos campi universitários de Igarapé-Açu e Salvaterra, previstas no Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI), estão em fase de conclusão. Em Igarapé-Açu, o prédio só depende do acabamento para ficar apto a receber alunos. Atualmente, esses núcleos funcionam em prédios cedidos. Mas, a partir de 2010, alunos, professores e servidores da UEPA trabalharão em um espaço próprio da instituição. Cada núcleo terá três salas de aula, além dos espaços administrativos. “Essa é a concretização de um antigo sonho de trabalhar em espaços próprios no interior”, diz o pró-reitor de Gestão e Planejamento, Manoel Maximiano Júnior. Para 2010, segundo Maximiano, está prevista a construção de bibliotecas e laboratórios nos novos prédios da UEPA em Igarapé-Açu e Salvaterra. Em Tucuruí, foi iniciada a primeira etapa da construção do ginásio poliesportivo. A obra está orçada em R$ 750 mil e atenderá, principalmente, os alunos do curso de Educação Física e de atividades de extensão.

No núcleo de Conceição do Araguaia, foi iniciada a construção da piscina semi-olímpica. Em Castanhal, onde funcionará o novo núcleo da UEPA em 2010, todo o prédio adquirido pela universidade será revitalizado, com nova pintura, manutenção elétrica, hidráulica e do telhado. Ao todo, a instituição investirá R$ 380 mil. A obra deve ficar pronta em quatro meses. Em Paragominas e Marabá, serão construídos laboratórios para o curso de Engenharia Ambiental. Os espaços devem ficar prontos até fevereiro.

Capital Em Belém, foram comprados equipamentos de diagnóstico por imagem para complexo de serviços de saúde do Centro de Ciências Biológicas e da Saúde (CCBS) e o Bloco D ganhará uma piscina hidroterápica para trabalhos de pesquisa e extensão do curso de Fisioterapia. Até janeiro de 2010, também será concluída a construção da Unidade de Atendimento Infantil do Centro Saúde Escola (CSE). Também está sendo elaborado o projeto para a construção de um ambulatório de clínicas para atendimento básico e especializado no CCBS.

A ampliação do CCBS, segundo Marília Brasil Xavier, facilitará a integração entre ensino e assistência, com ensino em saúde de qualidade, voltado para as novas políticas dos ministérios da Educação e da Saúde. “A suplementação do orçamento do final de 2008 possibilitou a aquisição de equipamentos específicos e exclusivos, com maior facilidade de compra por inexigibilidade e adesão a registro de preços, o que não poderia ser feito para equipamentos em geral. Foi uma maneira de potencializar o ensino, a assistência e a pesquisa em saúde”, diz a reitora. A aquisição de novos equipamentos para o CCBS será feita com verba do SUS. No Centro de Ciências Naturais e Tecnologia (CCNT), o Bloco I passará por reformas e serão construídos novos laboratórios até o fim do ano. O custo da obra, cujo objetivo é melhorar os espaços de pesquisa do CCNT, é de R$ 150 mil. “As reformas e a construção de um novo bloco trarão a oportunidade que os docentes, alunos e servidores técnicos administrativos sonham para fortalecer e ampliar a área de tecnologia na UEPA, tão necessária para o desenvolvimento do Estado do Pará”, afirma Marília Brasil Xavier.

ESPAÇOS

O Centro de Ciências Biológicas e da Saúde está com novos espaços. A reitora Marília Brasil Xavier e o diretor do centro, Emanuel de Sousa, participaram da cerimônia de entrega das reformas do Laboratório de Anatomia e do Ambulatório de Dermatologia, além da inauguração da sala de Telessaúde, do Núcleo de Pesquisa Epidemiológica e Clínica e do Laboratório de Biologia Molecular e Diagnóstico Sorológico. As reformas dos espaços iniciaram em março de 2009. Foram investidos mais de R$ 350 mil. “Grande par-

te dos recursos foi adquirida com verbas do tesouro, que fomos atrás para conseguir, mas também com investimento em projetos, com recursos dos cursos do CCBS, num exercício de diálogo entre a gestão superior com a gestão local”, declarou a reitora. “O desafio de formar profissionais éticos e qualificados na área da saúde, produzir ciência que atendam as demandas sociais só será respondido com a vontafde e empenho de seus professores, servidores e alunos deste centro”. Os espaços do Laboratório de Anatomia vão facilitar a aprendizagem dos estudantes e do desenvolvimento de pesqui-

sas. No Ambulatório de Dermatologia, foram reformados os consultórios e a sala de minicirurgias, o que dará melhores condições para o atendimento da população, que é feito gratuitamente. A sala de Telessaúde foi equipada com videoconferência, o que permitirá o contato em tempo real com outros campi da UEPA na capital e no interior, além de centros de pesquisa de outros estados. O Laboratório de Biologia Molecular e Diagnóstico Sorológico, incentivará a pesquisa e facilitará a realização de exames laboratoriais para diagnósticos. Já o Núcleo de Pesquisa Epidemiológica e Clínica reúne,

MÁCIO FERREIRA

MÁCIO FERREIRA

Centro de Biológicas conquista laboratórios de ensino e pesquisa

Professores Emanuel Souza, Marília Xavier e Regina Carneiro

atualmente, oito pesquisadores doutores, que desenvolvem estudos no campo da epidemiolo-

gia clínica em parceria com o Instituto Evandro Chagas (IEC) e outras instituições.


9

SUPERIOR

Educação Educadores desenvolvem método de ensino da filosofia MÁCIO FERREIRA

F

ilosofia voltou ao currículo do ensino médio em 2008. A disciplina é, por natureza, um desafio para qualquer professor. Por isso, pesquisadores do Núcleo de Educação Popular da Universidade do Estado do Pará (UEPA) desenvolveram métodos para ensinar filosofia aos meninos e meninas que cursam da 1ª a 9ª séries. Em vez de ministrar aulas cansativas, os educadores elaboraram um livro ilustrado e contextualizado à realidade das crianças e adotaram uma metodologia chamada “Círculo cultural dialógico e problematizador”. O método é simples. Com o sistema, o professor conduz um diálogo com os alunos usando somente perguntas. Dessa forma, os estudantes são instigados a refletir sobre o assunto que estão discutindo, sem precisar ouvir uma definição única, um conceito pré-determinado. “O professor não afirma. Ele vai perguntando até que os alunos cheguem a uma conclusão”, explica a professora Ivanilde Apoluceno de Oliveira, pesquisadora do NEP. “Ao longo da conversa, eles definem, comparam, trazem exemplos e dizem

Ivanilde Apoluceno e outros pesquisadores do NEP tentam romper com o ensino tradicional de filosofia através de um novo método

o que vivenciam”, detalha. Os professores seguem os eixos temáticos de sala de aula, partem de questões-problema (como a morte, a pobreza, a família) e mantém o foco da conversa em assuntos filosóficos. O objetivo dos pesquisadores é romper com o ensino tradicional e despertar nas crianças a capacidade de estabelecer relações de causa e efeito entre os assuntos. “É necessário que

a criança desperte a curiosidade que ela tem. No ensino tradicional, ela não fala, não se expressa, não dialoga. Só ouve”, critica Ivanilde Apoluceno de Oliveira. A outra estratégia é a utilização do livro de história infantil “Uma conversa com Sócrates”, escrito e editado pelos próprios pesquisadores do NEP. A proposta é ensinar filosofia por meio de uma história contextualiza-

da ao cotidiano dos estudantes. “Na história do livro, começamos com personagens da comunidade onde trabalhamos. Dois estudantes do centro comunitário se conhecem e descobrem que gostam de filosofia. Eles conversam sobre Sócrates, sentam sob uma árvore, acabam dormindo e sonhando que conversam com o filósofo”, narra a professora. Para tornar o livro mais interes-

sante para as crianças, os pesquisadores se preocuparam em adequar a linguagem do livro à faixa etária dos alunos e inserir figuras para ilustrar a história e facilitar a compreensão do texto. “Percebemos a necessidade de trabalhar com imagens quando utilizamos o livro Os Princípios da Filosofia, de Descartes, para ensinar filosofia. Passamos as ideias do livro para uma apresentação do Power Point, aplicamos e tivemos um resultado muito satisfatório”, conta Ivanilde Apoluceno de Oliveira. Os novos métodos de ensino de filosofia foram criados a partir de uma pesquisa de iniciação científica desenvolvida por Afonso Araújo Amador, ex-aluno do curso de Pedagogia da UEPA e pesquisador do NEP, intitulada “Filosofia com crianças e adolescentes em práticas educativas populares: uma abordagem freireana”. O núcleo, atualmente, trabalha em duas escolas, uma em Ananindeua e outra em Belém. Mas, a intenção dos pesquisadores é obter financiamento para publicar o livro e, assim, poder aplicá-lo em outras escolas.

QUALIFICAÇÃO

Aula Magna dá início ao Plano de Formação Docente no Pará Promover a formação de professores das redes estadual e municipal, que já exercem a docência, mas não possuem nível superior na sua área de atuação, é a principal meta do Plano de Formação Docente do Estado do Pará, cuja aula magna foi realizada no dia 14 de novembro, no auditório do Centro de Educação da UEPA. A UEPA ofertou 282 vagas, nos cursos de licenciatura em Matemática, Pedagogia, Ciências Naturais, Ciências da Religião, Música, Educação Física e Letras (com habilitação em Língua Portuguesa). As atividades de ensino acontecerão em encontros aos sábados, no período regular e também no período de férias. Na ocasião foi assinado o documento de criação do Fórum Estadual Permanente de Apoio à Formação Docente,

conforme estabelece o Decreto presidencial nº 6.755/2009. De acordo com o Secretário Chefe da Casa Civil, Cláudio Puty, o objetivo do Fórum é “resolver a questão da falta de políticas permanentes para a educação”, que segundo ele é um dos “gargalos” que entravam o desenvolvimento da região amazônica. Para a reitora da UEPA, Marília Brasil Xavier, “os cenários se conjugam para que possamos enfim construir uma terra onde haja inclusão. E não há inclusão sem educação”, comentou sobre a criação do Fórum e a implantação do Plano de Formação Docente do Estado do Pará. Para ela, a questão do apoio e das parcerias institucionais são fundamentais para o sucesso desse tipo de projeto. A Secretária de Estado de Educação, Socorro Coelho, aproveitou

a oportunidade para falar da importância de oferecer educação de qualidade para a mudança do perfil educacional existente hoje. “É necessário reconhecer as peculiaridades do sujeito em formação e das comunidades beneficiadas e desenvolver um projeto pedagógico adaptado, que aproveite as experiências de cada um no processo de formação”. Os beneficiados pelo projeto estiveram presentes para a primeira aula e comemoraram a oportunidade de se qualificarem para o exercício profissional. “Estaremos ganhando conhecimento e nos qualificando para assim poder oferecer um ensino de qualidade e ampliar nossos horizontes”, afirma Rosicléia Barata, professora do ensino fundamental no município de Santo Antônio do Tauá.

Estiveram presentes os alunos que farão parte das primeiras turmas de graduação, representantes das instituições que compõem o fórum, como o Ministério da Educação, SEDUC, Conselho Estadual de Educação, União Nacional dos Conselhos Municipais de Educação, Confederação Nacional dos Trabalhadores da Educação, União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação, Fórum das Licenciaturas das Instituições de Educação Superior Públicas, e reitores das universidades Públicas do Pará.

Plano O Plano de Formação Docente é uma iniciativa do governo federal, após a identificação pelo MEC de que mais de 600 mil professores de todo o país estão em exercício na rede

pública sem ter graduação ou ainda exercem a docência em áreas diferentes das suas licenciaturas. De acordo com o MEC 13,1% dos professores têm formação inadequada: 0,8% tem apenas o ensino fundamental; 5,5% só o ensino médio e 6,8% têm nível superior, mas não têm licenciatura. No Pará, a parceria acontece entre a Secretaria de Estado de Educação (SEDUC), Universidade do Estado do Pará (UEPA), Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará (IFPA), Universidade Federal do Pará (UFPA) e Universidade Federal Rural da Amazônia (UFRA). Com o Plano, serão atendidos cerca de 41 mil professores que ainda não possuem graduação no estado. De 2009 a 2011 serão ofertadas pela UEPA mais de 3 mil vagas para professores.


10

SUPERIOR

Extensão Programa de assistência beneficia estudantes do interior. O valor corresponde a R$ 100 mil de contrapartida da universidade e a R$ 620 mil do programa “Pará Território da Juventude”, do Governo do Estado. Os alunos selecionados recebem, de agosto de 2009 a janeiro de 2010, bolsas no valor de R$ 325. Durante esse período, os alunos são acompanhados por uma equipe técnica multiprofissional, responsável por avaliar e incentivar o desempenho e a participação dos acadêmicos bolsistas no projeto. Do total, 60% das bolsas foram destinadas aos campi da UEPA no interior do estado e 40% para estudantes da capital. O projeto visa também incentivar a produção científica acadêmica, disponibilizando uma ajuda de custo no valor de R$ 650 para os alunos bolsistas que tiverem trabalhos aprovados e selecionados em eventos científicos regionais e nacionais. O benefício será concedido a cada aluno uma única vez, dentro do

MÁCIO FERREIRA

C

om o intuito de apoiar os universitários de baixa renda e evitar a evasão estudantil, a Universidade do Estado do Pará (UEPA) deu início às atividades do projeto “Ação para Assistência Estudantil da Universidade do Estado do Pará: contribuindo para a construção da Política de Assistência Estudantil da UEPA”. Cerca de 286 alunos foram inseridos no programa e desenvolverão ações nas áreas da educação, saúde e tecnologia realizadas na capital e interior do estado. O projeto, lançado em junho de 2009, é uma iniciativa da UEPA em parceria com a Casa Civil do Governo do Estado. A seleção foi feita em agosto, traçou o perfil dos universitários, além de servir como base para a construção da futura política de assistência estudantil. Para o projeto foram investidos R$ 720 mil reais e disponibilizou 297 vagas para estudantes da UEPA dos campi da capital e

Professora Mariani Franco apresentando as linhas de pesquisa aos bolsistas do programa de Assistência Estudantil

prazo de vigência do projeto. Para a reitora Marília Brasil Xavier, o projeto é articulado com um modelo de gestão

comprometido com a realidade da região. “O grande desafio não é só possibilitar o acesso ao ensino superior, mas tam-

bém a permanencia do aluno, realizando a inclusão social no contexto da realidade do nosso Estado”, explica.

serviços

MÁCIO FERREIRA

Ambulatório de cardiologia traça perfil de pacientes atendidos

Profissionais da Uepa acompanham pacientes em exames cardiológicos

A Universidade do Estado do Pará, através do Centro Saúde Escola (CSE) do bairro do Marco, oferece à comunidade os serviços do Ambulatório de Cardiologia. Lá os pacientes podem realizar consultas e exames cardiológicos sob acompanhamento de profissionais especialistas no assunto. Hoje são feitos cerca de 40 atendimentos diários, os pacientes são oriundos do próprio CSE ou encaminhados pelo SUS. Atualmente, o ambulatório realiza exames de eletrocardiograma e teste ergométrico, até o final do ano passarão a ser oferecidos também ecocardiograma, holter e MAPA. Pesquisa – O ambulatório desenvolve um trabalho de pesquisa que busca fazer o levantamento do perfil de ris-

co dos pacientes atendidos. Até hoje já foram cadastrados cerca de vinte mil prontuários com informações detalhadas sobre cada indivíduo, seus hábitos e fatores relevantes para o levantamento do perfil. Esses prontuários são usados como um grande banco de dados para várias pesquisas e para a realização de vários trabalhos. Estima-se em mais de cem o número de trabalhos apresentados em congressos regionais, nacionais e internacionais que tiveram como fonte de informação os formulários apurados pelo grupo do ambulatório. “Através desse trabalho, podemos desenvolver a pesquisa, que juntamente com o ensino e a extensão constitui o tripé fundamental da universidade”, diz o professor Moacyr Magno,

coordenador do ambulatório. Os alunos da UEPA participam das atividades de atendimento fazendo acompanhamento dos professores e recebendo orientações sobre cada caso clínico.

Serviço: O ambulatório de cardiologia funciona no Centro Saúde Escola localizado na travessa Perebebuí, 2623 no bairro do Marco.

O atendimento é feito de segunda a sexta, das 8h às 12h e das 14h às 18h


11

SUPERIOR

Gestão

Brinquedoteca

convênio

Ações garantem ensino-assistência A reitora Marília Brasil Xavier visitou a Santa Casa de Misericórdia em outubro para discutir a revisão do convênio que contemplará ações de graduação, residências médicas, tele-saúde e pesquisas clínicas, além de conhecer os espaços onde serão instalados os novos equipamentos de diagnóstico do hospital. Os aparelhos atenderão as demandas da Santa Casa e, ao mesmo tempo, facilitarão o aprendizado dos estudantes da universidade que realizam pesquisas, estágios e residência. A reunião fez parte da agenda de visitas da gestão superior a instituições hospitalares e ambulatoriais de vários municípios do Estado. O objetivo desses encontros, segundo a reitora, é discutir o redimensionamento do papel da UEPA nas perspectivas de desenvolvimento

do Pará e na relação com as políticas públicas de saúde. “Essas ações de integração com os demais órgãos do Governo do Estado, atuantes na saúde, e as parcerias com as prefeituras são indispensáveis para a melhoria do ensino de graduação e pós-graduação na área da saúde e para o avanço da assistência à saúde às populações do estado”, afirmou a professora Marília Brasil Xavier, reitora da UEPA.

Investimentos Para fortalecer as ações de ensino-asistência, a UEPA investiu na aquisição de equipamentos de diagnóstico por imagem para procedimentos de baixa e média complexidade. Os aparelhos (esteira ergométrica, aparelho de ultrassom, ecocardiograma, holter, mamógrafo

e raio-x) serão instalados no complexo de serviços do Centro de Ciências Biológicas e da Saúde (CCBS). Estes equipamentos estarão disponíveis aos pacientes atendidos no Centro Saúde Escola do Marco, Unidade Materno-Infantil e pela Unidade de Ensino Assistência de Fisioterapia e Terapia Ocupacional (UEFTO). A UEPA estendeu estas aquisições para as ações voltadas ao ensino-assistência no nível terciário, na Santa Casa de Misericórdia, para contribuir com o aprendizado de alunos da graduação e residência. Serão instalados no hospital um equipamento de ressonância magnética e um de tomografia computadorizada. O Governo do Estado, por meio da UEPA, investiu R$ 5,6 milhões nos aparelhos que, antes, só estavam disponíveis à população no Hospital Ophir Loyola.

planejamento

UEPA discute orçamento com secretários A reitora da UEPA, Marília Brasil Xavier, esteve reunida com a secretária de Estado de Educação, Socorro Coelho, o secretário de Planejamento e Finanças, José Júlio Lima, o secretário de Governo, Edilson de Sousa, e o secretário adjunto da Fazenda, José Carlos Damasceno, em outubro, no gabinete da Seduc. A pauta da reunião foi a necessidade de um acompanhamento mais efetivo da Universidade do Estado do Pará (UEPA) em relação ao percentual do ICMS destinado à educação superior. Durante o encontro, Marília Brasil Xavier também solicitou ao secretário de Governo, Edilson de Sousa, a revisão da lei que vincula a UEPA à Seduc. O estudo é feito, atualmente, pela assessoria jurídica da governadora. O secretário assumiu o compromisso de verificar o andamento do processo para revisão da lei junto à Assembleia Legislativa do Estado do Pará (Alepa). Para tratar do controle orçamentário e financeiro, será marcada uma nova reunião entre as diretorias de Planejamento da Seduc e da UEPA com representantes da

Secretaria de Planejamento, Orçamento e Finanças e da Secretaria de Estado da Fazenda. Como encaminhamento da reunião, ficou acertado uma reunião de trabalho entre a Diretoria de planejamento e Diretoria financeira dos órgãos envolvidos (SEDUC e UEPA) com SEPOF e SEFA a fim de viabilizar melhor o controle orçamentário e financeiro. O pro-reitor de gestão Prof. Manoel Maximiano também esteve presente na reunião. Gestão superior reúne com secretários de Estado para discutir vinculação da UEPA á SEDUC e acompanhamento orçamentário e financeiro da UEPA Na última quinta-feira, dia 08, estiveram reunidos no Gabinete da SEDUC os secretários de Estado de planejamento e Finanças José Julio....., o secretário de Governo Edilson....., a secretária de Estado Socorro Coelho, o secretário adjunto da SEFA, José Carlos.... e a reitora da UEPA profa. Marília.... A pauta da reunião de trabalho envolveu

a necessidade de um acompanhamento mais efetivo da UEPA em relação ao percentual destinado da arrecadação do ICMS do Estado à Educação superior. Também foi solicitado pela reitora a revisão da lei que vincula a UEPA à SEDUC. A reitora informou ao secretário de governo, que já encaminhou ofício ao chefe da casa civil e no momento tal estudo encontra-se na assessoria jurídica da governadora. Como encaminhamento da reunião, ficou acertado uma reunião de trabalho entre a Diretoria de planejamento e Diretoria financeira dos órgãos envolvidos (SEDUC e UEPA) com SEPOF e SEFA a fim de viabilizar melhor o controle orçamentário e financeiro. O pro-reitor de gestão Prof. Manoel Maximiano também esteve presente na reunião. Quanto ao estudo da modificação da lei que vincula a UEPA á SEDUC, o secretário de governo assumiu o compromisso de verificar juntamente com a reitora o encaminhamento para revisão junto à ALEPA

A Brinquedoteca da UEPA formou mais uma turma de brinquedistas voluntários. As vagas são abertas todo semestre para alunos de vários cursos, interessados em participar das atividades do espaço. Como voluntários, os brinquedistas atuam no desenvolvimento das potencialidades de crianças, jovens e adultos através do lazer. As inscrições para nova turma estão abertas e devem ser feitas na própria Brinquedoteca. Informações pelo e-mail: brinquedoteca_joanadarc@yahoo.com.br

Confintea Proporcionar um diálogo sobre políticas e aprendizagem de adultos e educação não formal em âmbito nacional foi um dos objetivos da 6ª edição da Conferência de Educação de Adultos (Confintea) que aconteceu de 1 a 4 de dezembro, em Belém, no Hangar. A UEPA foi a instituição responsável pelo treinamento dos monitores bilíngües, por meio do programa de capacitação que envolveu cerca de 190 jovens. O programa é uma iniciativa da PróReitoria de Extensão (PROEX) com o apoio do Departamento de Língua e Literatura (DLLT) da universidade.

Premiação Pela segunda vez consecutiva, o curso de Secretariado Trilingue da UEPA conquistou quatro estrelas no Prêmio Melhores Universidades, promovido pela revista Guia do Estudante. A premiação faz uma avaliação de mais de 1.500 instituições de ensino superior em todo país e visa ajudar os vestibulandos a conhecer melhor a estrutura oferecida pelas universidades brasileiras e premiar as instituições que se destacam no cenário nacional.

Empreendedorismo A Incubadora de Empresas (RITU) da UEPA está desenvolvendo até o final deste ano, um conjunto de atividades que envolvem sessões informativas sobre empreendedorismo, cursos de capacitação e assessorias especializadas para auxiliar o empreendedor a elaborar projetos. As pessoas interessadas em abrir seu próprio negócio. Mais informações sobre a programação, no site www2.uepa.br/empreenda.

Formação A Universidade do Estado deu início às atividades do Plano de Formação Docente no Pará, que pretende qualificar cerca de 41 mil professores que atuam sem formação adequada. O projeto é desenvolvido em parceria com a UFPA, UFRA, IFPA e SEDUC. Durante o lançamento do Plano, realizado em novembro, as instituições assinaram o documento de criação do Fórum Permanente de Apoio à Formação Docente, que objetiva trabalhar na criação de políticas permanentes de capacitação de docentes no estado.

Pós-Graduação A Escola de Enfermagem Magalhães Barata da UEPA está com inscrições abertas para quatro cursos de especialização. Os cursos são: Atenção Básica; Enfermagem em Urgência e Emergência; Enfermagem Obstétrica; e Epidemiologia e Controle de Infecção em Serviços de Saúde. Os candidatos devem ter formação na área da saúde. Os interessados obtém informações sobre o processo de seleção no NUPEP/UEPA – CAMPUS IV, ou pelos telefones 3259-0193 / 3229-1131.


12

SUPERIOR

Tecnologia Universidade recebe equipamentos de videoconferência gias tecnológicas contribuem para enfrentarmos as dificuldades. Estaremos mais próximos de vocês, não apenas com aulas de videoconferência, mas também com o fortalecimento dos grupos de pesquisa, orientações de trabalhos acadêmicos e outras atividades”, declarou Marília Brasil Xavier, aos alunos de Santarém e Altamira. No CCBS, será definida a programação de aulas de telemedicina e telesaúde para as próximas semanas, de acordo com as demandas dos cursos da UEPA no interior. “É fundamental essa possibilidade de integração com o interior”, diz o professor Marcus Vinícius Brito, coordenador do Laboratório de Telemedicina e Telesaúde, onde ficam os equipamentos no CCBS. “A pri-

MÁCIO FERREIRA

A

reitora da Universidade do Estado do Pará (UEPA) inaugurou, em outubro, os equipamentos de videoconferência do Centro de Ciências Biológicas e da Saúde (CCBS). Por meio de áudio e vídeo, Marília Brasil Xavier conversou com alunos e professores dos cursos na área da saúde dos campi de Santarém e Altamira. Os kits também foram instalados nos campi de Marabá e Tucuruí, assim como no Centro de Ciências Sociais e Educação (CCSE) e no Centro de Ciências Naturais e Tecnologia (CCNT). Os equipamentos de videoconferência foram adquiridos no final do ano passado, com o objetivo de fortalecer as ações da UEPA no interior. “Sabemos que a interiorização é um desafio. E essas estraté-

Marília Xavier e Marcus Brito apresentam a nova sala de tele-saúde aos alunos

meira vantagem é a população que se atinge ao mesmo tempo. A outra é a economia que isso gera para a instituição, pois reduz os gastos com viagens de professores”, comenta. Os equipamentos de videoconferência permitem, por meio de câmeras, aparelhos de vídeo, microfones e caixas de som, o contato visual e sonoro entre professores e alunos, mesmo que estejam em lugares diferentes. “E, além da conexão interna na universidade, podemos entrar em contato com centros de pesquisa mais especializados para compartilhar informações. Portanto, a videoconferência também contribuirá para os cursos de pós-graduação”, ressalta Robson Domingues, coordenador do mestrado em Vigilância em Saúde.

interiorização

Coordenadores dos campi no interior tomam posse Tomaram posse, em novembro, os coordenadores dos 11 campi da Universidade do Estado do Pará no interior. Esta foi a primeira vez que a comunidade acadêmica foi às urnas para eleger os novos coordenadores. Com a realização do pleito para os campi do interior, a UEPA ampliou o processo de democratização na escolha de seus representantes, já que, antes, a nova coordenação era designada pela administração superior. O processo para a escolha do novo coordenador consta no Regimento Eleitoral, que disciplina a realização das Eleições para o biênio 2009/2010, aprovado no dia 19 de agosto de 2009, pelo Conselho Universitário (CONSUN). Para os outros três campi do interior, as eleições ocorrerão em 2010.

Segundo a presidente da Comissão Eleitoral Central, Ana Conceição Oliveira, todos os 20 candidatos tiveram a inscrição homologada. O campus mais concorrido foi o de Paragominas, com três candidatos ao cargo de coordenador. As eleições para os 14 campi da UEPA foram coordenadas pelas sub-comissões (composta de três representantes, eleitos por seus pares), vinculadas à Comissão Eleitoral Central, na capital. A votação foi universal e uninominal.

Interiorização A UEPA iniciou seu processo de interiorização em 1990, com a criação do primeiro campus em Conceição do Araguaia. A partir de 2002, houve intensa expansão, principalmente com as licenciaturas, em função de atender e formar professores no Estado. Atualmente, novos desafios

são propostos para o interior. “A iniciativa de dar posse em cada campus, convidando toda a comunidade acadêmica e os membros de instituições, gestores, classe política local, se deu, sobretudo, pelo respeito desta gestão para com a comunidade local, visto que 70% da população do Pará vive no interior”, destacou a reitora Marília Brasil Xavier, que completa, “somente com a apropriação de desafios e possibilidades pela própria comunidade, poderemos avançar na educação superior e produção do conhecimento no Estado”. Após a cerimônia de posse, foram realizadas reuniões com a participação da reitora, próreitores, alunos, funcionários, gestores e representantes da comunidade local. A pauta de discussão envolveu os desafios, as demandas e a estratégia de redimensionamento da UEPA, com estruturas de polos em áreas de formação e outros assuntos, tais como concurso

para professores fixos. Nos dias 09 e 10, será realizado, em Belém, o planejamento estratégico e operacional para coordenadores do interior, assistentes adminis-

trativos e assessores pedagógicos. Na oportunidade, haverá um mini-curso de gestão universitária promovido pela Diretoria de Planejamento Estratégico (DIPE).


Informativo da Uepa - Dezembro 2009