Page 117

a religião e o mundo espiritual

Naquele tempo, li a tese do famoso filósofo alemão Rudolf Eucken (1846-1926), o qual diz que o homem possui o instinto inato de adorar qualquer coisa e, assim, criou e adora os seus próprios ídolos, caindo na autosatisfação. Como prova disso, acrescenta ele, todas as oferendas depositadas no altar estão voltadas para o lado dos homens e não para o lado de Deus. Senti-me perfeitamente identificado com a tese e até considerava que a existência de templos era prejudicial ao progresso da pátria, porque as nações que possuíam muitos templos estavam em declínio e aquelas que quase não os tinham achavam-se em franco desenvolvimento. Apesar disso, mensalmente eu contribuía com uma modesta quantia para o Exército da Salvação, e por esse motivo era visitado por um sacerdote que sempre insistia em que eu me convertesse ao cristianismo. Ele me dizia: “As pessoas que contribuem para o Exército da Salvação geralmente são cristãs. Por que o senhor contribui, se não é cristão?”. Então expliquei: “O Exército da Salvação trabalha para a recuperação de ex-presidiários, transformando-os em pessoas de bem. Se não existisse, talvez um deles tivesse entrado em minha casa para me roubar. Portanto, se o Exército da Salvação está impedindo que isso aconteça, é natural que eu seja agradecido e colabore nas suas obras”. Houve muitos casos semelhantes, porém, na época, apesar de fazer o bem, eu não acreditava em Deus nem em Buda. Sendo assim, poderão compreender quão forte era a minha tendência a jamais acreditar naquilo que não se pode ver. Naquele tempo, as minhas atividades comerciais iam muito bem, e eu estava no auge da autoconfiança, mas um de meus empregados me fez perder tudo. A sorte adversa, manifestada através do falecimento de minha primeira esposa, dos embargos judiciais sofridos da falência e de outras desgraças, arrastou-me para o fundo do abismo. Como resultado, acabei recorrendo àquilo a que todos recorrem nessas ocasiões: a religião. Também eu fui à procura da salvação no xintoísmo e no budismo, como era de praxe, e assim tive conhecimento da existência de Deus, do Mundo Espiritual, da vida após a morte, etc. Refletindo sobre o meu passado, arrependi-

117

A Religião e o Mundo Espiritual  

Coletânea de Ensinamentos de Meishu-Sama- Africa - "A Religião e o Mundo Espiritual"

A Religião e o Mundo Espiritual  

Coletânea de Ensinamentos de Meishu-Sama- Africa - "A Religião e o Mundo Espiritual"

Advertisement