Page 1

Folha ASA BRANCA Brasil

FEVEREIRO DE 2013

6º Encontro de 1 forrozeiros do DF Confira como foi o evento na Casa do Cantador organizado pela ASFORRÓ-DF

>> Pág. 05

Cultura em movimento!

www.asabrancabrasil.com

Ano 1 - Número 1

BRASÍLIA-DF / FEVEREIRO / 2013

CARNAVAL 2013

Diplomatas se encantam com o carnaval de Brasília

Representantes de embaixadas de diversos países prestigiaram com entusiasmo desfiles na última noite na Passarela do Samba que recebeu as agremiações do grupo Especial. Em comum, os elogios pela organização, diversidade, segurança, beleza e animação do Carnaval 2013. >> Página 06

Juventude antenada na cultura nordestina

Cantando o São Francisco de rio abaixo

R$ 60 milhões para a cultura do Distrito Federal

>Ceilândia se prepara para a festa dos 42 anos

Projeto da ASFORRÓ-DF visa à inserção cultural de crianças e adolescentes de escolas públicas e particulares do DF.

Um projeto do Músico e Compositor RIVA SANTANA com objetivo principal na conscientização crítica ambiental.

Governador Agnelo Queiroz anuncia o lançamento de sete editais do FAC para o primeiro semestre.

>Diversão e Arte Veja Agenda cultural para março

>> Página 03

>> Página 04

>> Página 07

>> Página 06

>> Página 08


2

PÁGINA DOIS

Folha ASA BRANCA Brasil

FEVEREIRO DE 2013

EDITORIAL

NOSSA CULTURA Casa do cantador do Brasil

O direito à expressão cultural

A cultura brasileira é conhecida no mundo como uma das mais ricas na sua diversidade, porém somos uma população marginalizada quando nas manifestações, muitas vezes somos discriminados ou explorados para atender a interesses daqueles que fazem da cultura um instrumento de mobilização humana para conseguir votos ou se manter em cargos políticos sugando o Estado e desviando recursos da nação. A falta de polÍticas públicas direcionadas aos gêneros das culturas regionais é a prova de que os nossos representantes só defendem a causa quando estão em campanha, pois no exercício do legislativo e executivo, a cultura é sempre descartada. A memória de um país estÁ em atividades culturais, iniciadas dentro de casa, na formação do ser humano com os costumes familiares de cada região, seguindo para as escolas, quando os nossos jovens iniciam o intercâmbio de conhecimento regional, vivendo e desenvolvendo o potencial de cada um, na troca de conhecimento. O artista, com a sua arte, costuma expressar seus sentimentos vividos com a natureza, no

campo, nos rios, arvores, pássaros, os animais, etc. E muitas vezes, quando se desenvolve, recebe uma crítica, mesmo tendo recebido o direito de nos representar; naturalmente é por essa razão que recebem o desprezo como resposta. Está na hora de os nossos governantes acordarem e observarem que gêneros da nossa cultura regional estão sumindo, sendo engolida pela indústria da exploração cultural, atendendo a poucos que produzem estratégias tecnológicas para atrair multidões e vender caro seus produtos, usando sempre as estruturas governamentais, para servir os políticos descompromissados com a verdadeira cultura brasileira. Portanto, o direito à expressão cultural, previsto na constituição brasileira, está sendo violado e os investimentos desviados, para atender a uma minoria que usam os artefatos da cultura na exploração industrial, eliminando o artista que não se propõe a sair do seu gênero e seus costumes regionais, deixando-o sem oportunidade de expressar e levar ao seu povo, o direito constitucional de ter educação e cultura ao seu alcance em qualquer parte do território brasileiro.

CEILÂNDIA - De cidade violenta a Berço cultural! Riva Santana músico e compositor

Houve tempos, os tempos de 70, em que o povo que habitava aglomerados e Vilas em Brasília e que servia de mão de obra para sua construção que estava em plena ascensão, foi removido e assentado em uma área com traçado urbanístico planejado e recebeu nome de CEILÂNDIA, e as casas desta cidade (barracos) eram em sua totalidade feitas de madeira de segunda classificação, ou mesmo de rejeitos de materiais de construção e outros, e seus ocupantes eram pessoas desafortunadas que migraram de outras regiões do Brasil em busca de melhoria de vida e estes recebiam a denominação de “Peões de Obra”. Nesses tempos, muitas dessas pessoas e famílias se transformavam por necessidade, em produtores de eventos, autônomos e sem remuneração, pois, promoviam entretenimentos em suas residências próprias, onde recepcionavam e se integravam a quem de maneira decente se apresentasse para compartilhar o objetivo daqueles eventos, que era a diversão e a socialização, e era , “O Som” como era denominado os eventos caseiros, realizados a base de músicas que eram sucesso daquela época, reproduzidas por aparelhos de som, desde a radiola com alto falante em sua tampa a outros, então, mais sofisticados, e na sua Feira Central se ouvia e assistia apresentações de artistas populares locais e vindos de outra regiões, e nos botecos se aglomeravam pessoas para ouvirem os desafios de duplas de repentistas, ou, dançarem ao

ritmo de trios de forrós que agitavam e promoviam a cultura nordestina para seus conterrâneos. Paralelo a isto, CEILÂNDIA nos seus primeiros anos de existência, foi por diversas vezes colocada por repórteres e veículos da mídia como sendo “cidade violenta”, ou, “a mais violenta do – DF” e denegriram a índole do seu povo, apelidaram seus setores de habitação de “Vila do Cachorro Sentado”, “Caldeirão do Diabo” e “Vila da Miséria”, se referindo ao Setor O, Setor P Sul e Expansão do Setor O. Tudo isto que aqui relato, é um pouco das minhas lembranças de acontecimentos e de fatos que vivi e presenciei, nesta cidade, Ceilândia cresceu junto da sua gente, se desdobrou, hoje é um gigante que se desenvolve em vários setores de diferentes segmentos, é uma cidade com diversidade artística e cultural abundante, aqui se faz Arte com intensidade, se produz shows musicais, produz e grava CD, se faz teatro, se faz cinema, se ensina arte com responsabilidade social e quanta coisa a mais aqui se faz! Posso até afirmar que Ceilândia é um berço cultural e artístico, porém afirmo também, que desde a sua criação, os protagonistas deste segmento não são olhados e nem tratados á altura que merecem, e isto é constatado pela falta de políticas e de equipamentos público culturais para esta cidade. Esperamos nós, artistas e produtores atuantes desta cidade e das demais regiões do Distrito Federal, das diferentes áreas da nossa cultura, que os nossos governantes tenham mais atenção e que vejam melhor a importância que arte e a cultura têm, no desenvolvimento de uma sociedade.

DIRETOR PRESIDENTE

Marques Célio Rodrigues de Almeida

EDITOR RESPONSÁVEL

CULTURA EM MOVIMENTO! UMA PUBLICAÇÃO

MCRA promoções e eventos CNPJ: 14.521.861/0001-20 Fone Comercial: (61) 3377-2610 QNN 38/40 ÁREA ESPECIAL 01 SALA 13D Ceilândia Sul - Brasília DF CEP: 72.220-380

Eduardo Gonçalves de Oliveira DRT: 2945 DF

REVISORA

Prof. Leoneide Rodrigues Mestrada em educação Esp. Língua portuguesa

PROJETO GRÁFICO, CRIAÇÃO E ARTE Comunique: www.comuniquemidia.net

DISTRIBUIÇÃO GRATUITA

Administrações Regionais, bibliotecas públicas, órgãos do Governo Federal e do GDF

TIRAGEM

5.000 Exemplares

E-MAIL redacao@asabrancabrasil.com

www.asabrancabrasil.com

A Casa do Cantador do Brasil, situada em Ceilândia, é um próprio da Secretaria de Estado de Cultura do Distrito Federal (DF), criada em 1986 e arquitetada por Oscar Niemeyer. A Casa conta com um teatro de arena, uma cantina, três salas administrativas no térreo e vários cômodos no 1º andar que eram utilizados por repentistas que passavam por Brasília em visitas ou temporadas para trabalhos. Durante a administração de 1995 a 1998, a atual direção da Casa do Cantador conseguiu fazer com que a comunidade artística e o público tivessem acesso à Casa por meio de uma ampla programação cultural realizada em parceria com a Administração Regional de Ceilândia e outros segmentos artísticos. No período, a Direção da Casa do Cantador promoveu Festivais regionais e nacionais de Repentistas, Cantorias de Pé-de-Parede, Oficinas de Repente e Cordel, a Semana de Cultura Nordestina, os Projetos Cantoria Escola e Capoeira, Exposições e eventos diversos, como também o funcionamento da Biblioteca de Cultura Nordestina da casa do Cantador. A partir de 1999 a vida cultural da Casa do Cantador perdeu um pouco da sua essência na realização dos seus projetos. Foram realizados pouquíssimos eventos significativos no Espaço entre 1999 e 2010, período em que a resistência da Arte do Repente no DF se deu por meio de seus artistas e admiradores que, inclusive, promoveram eventos na Casa apenas com o consentimento do Governo do Distrito Federal (GDF), porém sem aporte de recursos, a exemplo do II Encontro dos Campeões do Repente, realizado em setembro de 2010 pela ACRESPO – Associação dos Cantadores Repentistas e Escritores Populares do DF e Entorno, com patrocínio da Petrobrás. CONHEÇA A CASA

Localização: QNN 32, área especial, Ceilândia Sul Contatos: (61)3378-5067 / 3378-4891 Horário de Visitação: De segunda-feira a sexta-feira das 9h às 18h (nos dias de eventos noturnos, abre conforme horário da programação).


Folha ASA BRANCA Brasil

FEVEREIRO DE 2013

CULTURA EM MOVIMENTO

Pé de serra na escola

3

Projeto da ASFORRÓ-DF - Associação dos Forrozeiros do Distrito Federal - visa à inserção cultural de crianças e adolescentes de escolas públicas e particulares do DF.

O colégio particular Nossa Senhora do Perpétuo do Socorro, do Lago Sul, desenvolveu um trabalho pedagógico no segundo semestre do ano de 2012 com o projeto Encanta Nordeste. E para encerrar os trabalhos num grande estilo, convidou a ASFORRÓ-DF para participar, apresentando uma edição do projeto “Pé de Serra”, na escola, ocasião em que os alunos daquela escola tiveram a oportunidade de conhecer de perto os instrumentos musicais utilizados para tocar o verdadeiro forró, e ao mesmo tempo sentir a música tocada, ao vivo, pelo Trio Asforró bem como participar cantando as músicas trabalhadas no projeto como: asa branca, Assum Preto, a vida do viajante, a volta da Asa Branca, sala de reboco e outras, além de ver de perto e tocar nos discos de vinil, gravados pelo nosso rei do baião LuizGonzaga.

O trio de forró Pé de Serra, formado pelos diretores da associação dos forrozeiros do Distrito Federal, é simplesmente uma junção de três defensores do gênero, que tem o privilegio de poder falar um pouquinho de parte da cultura nordestina, para a nossa juventude, pois não só vivenciaram, na prática, o forró no período da infância, adolescência vendo seus pais, parentes e vizinhos da comunidade, divertindo-se ao som da sanfona triângulo e zabumba, como dois deles desenvolveram o dom artístico profissionalmente, sendo Anastácio Oliveira, um cantor e compositor de grandes obras conhecidas nacionalmente, gravadas por outros intérpretes e pelo próprio; o outro é Luiz Gonzaga da Rocha, músico acordeonista (sanfoneiro) cantor e compositor com obras gravadas, que recebeu este nome no batismo, de

seu pai, em forma de homenagem ao seu ídolo na época, Luiz Gonzaga, o rei do baião. Hoje os dois trazem, em sua bagagem, a satisfação de ter participado,

tocando e cantando em algumas apresentações de Luiz Gonzaga, em shows realizados. O terceiro membro é Marques Celio, um defensor da cultura nordestina

que desenvolve um pouquinho da atividade musical no estilo ritmista e exerce atualmente o cargo de presidente da ASFFORRO-DF, criador do projeto.

Juventude antenada

na cultura nordestina O projeto Pé de Serra na Escola chega na escola classe 314 sul, a convite da direção da instituição. A ASFORRÓ-DF, na pessoa do seu presidente, Marques Célio, acompanhado do diretor administrativo Anastácio Oliveira e Luiz Gonzaga, diretor financeiro, apresentaram o forró Pé de Serra na sua formação original, tocando ao vivo para os alunos que absorveram atentamente a história do forró Pé de Serra, criado pelo rei do baião Luiz Gonzaga, juntando sanfona, triângulo e zabumba. Na oportunidade, o presidente da associação ministrou uma palestra para os jovens presentes, falando da importância do gênero na cultura nordestina criada no final do século 18 pelo conhecido velho Januário pai do menino Luiz Gonzaga que, seguindo a arte do velho, mais tarde conquistou o Brasil cantando o sertão, os pássaros, a natureza, a sua gente e criou o estilo chamado baião.

O presidente da ASFORRÓ-DF palestrou para os alunos que ouviram atentos e interessados o que o defensor da cultura nordestina falava.


4

CULTURA EM MOVIMENTO

Folha ASA BRANCA Brasil

FEVEREIRO DE 2013

Cantando o São Francisco de rio abaixo Um projeto do Músico e Compositor RIVA SANTANA que tem como objetivo principal a conscientização crítica ambiental

S

erão realizados, ainda no primeiro semestre de 2013, eventos musicais para lançamentos do álbum musical “CANTANDO O SÃO FRANCISCO DE RIO ABAIXO” em escolas públicas de ensino fundamental e médio da cidade de Ceilândia – DF, com o Músico e Compositor Riva Santana junto ao grupo musical “Nordestinos Candangos” e artistas e grupos musicais convidados. Para esta realização tem como parceiras, as instituições culturais: O CLUBE DO SOM – (As-

sociação dos Artistas Independentes de Ceilândia e Regiões do Distrito Federal), ASFORRÓ – (Associação dos Forrozeiros do – DF), ZIMMER-COLLEN (estúdio de gravação de áudio), e MCRA – (promoções de eventos, publicidade em carro de som, panfletagem) O CD “Cantando o São Francisco de rio Abaixo” é o resultado do projeto de mesmo título e tem o objetivo principal, contribuir para conscientizar e preparar o público de todas as idades, principalmente os jovens, para a defesa das causas e questões ambientais que sustentem para as atuais e futuras gerações, o planeta terra com seus ecossistemas funcionando com equilíbrio, e isto, através das suas obras literomusicais

que versam sobre problemáticas ambientais, ecológicas, econômicas e socioculturais do Rio São Francisco e toda região que compreende o seu Vale, com destaque as regiões do semiárido de minas Gerais, do nordeste e cerrados do centro oeste. Foi gravado no ano de 2002 com o apoio financeiro do FAC (Fundo de Apoio à Cultura da Secretaria de Estado de cultura do - DF) e produzido por Riva Santana e Oldair Vieira. Ressurge em 2013 através do Edital Microprojetos Rio São Francisco lançado em novembro de 2011 pela FUNARTE (Fundação Nacional de Artes), pelo qual foi contemplado para duplicação de 5.000 (cinco mil) unidades de exemplares de suas matrizes de áudio e gráficos.

Projeto Arte para a cidadania Projeto da área de música que tem como objetivo a arte e a responsabilidade social

E

m breve, vão estar abertas as inscrições para mais uma edição do Curso de Violão e Teclado do projeto ARTE PARA A CIDADANIA, que será estendido para além do CEF 10 – Centro de Ensino Fundamental 10, para uma escola pública de ensino do Condomínio Sol Nascente. ARTE PARA A CIDADANIA é um projeto da área de música que foi idealizado e desenvolvido pelo Músico e Compositor Riva Santana e tem como modalidade e objetivos: a arte e a responsabilidade social. O projeto foi constituído no ano

de 2008 e sua ação principal é para ensinar a arte da música nos instrumentos Violão e Teclado, para pessoas carentes, utilizando método de ensino prático e teórico, de forma dinâmica e coletiva, oferecido gratuitamente para o seu público. Desde a sua constituição, foram realizados 03 Cursos para iniciantes e iniciados na música, com duração, juntos, de um ano e meio e atenderam mais de 300 (trezentos) interessados do público escolar e não escolar de Ceilândia – DF, os quais foram aplicados em Oficina de música instalada no CEF 10 – Centro de

Ensino Fundamental – 10, situado à EQNN 23/25 em Ceilândia Norte em parceria, nos anos de 2008, 2009 e 2012, sendo, os dois últimos, realizados com o patrocínio do FAC – Fundo de Apoio à Cultura SECULT/DF e parcerias com o O CLUBE DO SOM – Associação dos Artistas Independentes de Ceilândia e Regiões do Distrito Federal e ZIMMER-COLLEN – estúdio de gravação e produção musical. Além do ensino da arte musical, este projeto associa através de palestras, princípios socioeducativos, éticos, morais, de conservação e preservação do meio

ambiente e dos equipamentos públicos, com o objetivo de contribuir para formar cidadãos do

bem, em todos os sentidos, para a sociedade.


Folha ASA BRANCA Brasil

FEVEREIRO DE 2013

6º Encontro de Forrozeiros do DF

CULTURA EM MOVIMENTO Os

30 trios da

ASFORRÓ marcaram

presença no maior evento da família forrozeira

100 anos de Gonzagão, 23 de saudade!

Projeto da ASFORRÓ-DF Associação dos Forrozeiros do Distrito Federal reuniu mais de 3.500 pessoas em quatro dias de festa na Casa do Cantador em Ceilândia.

A

Trio do Nordeste

associação dos forrozeiros do DF realizou na casa do cantador do Brasil, no final de 2012, em parceria com familiares do rei do baião, a grande festa em comemoração ao centenário de nascimento de Luiz Gonzaga do Nascimento (GONZAGÃO). As festividades iniciaram-se na quinta feira, dia 14/12, sendo realizada a celebração da santa missa no auditório da casa, com a presença dos forrozeiros do DF e seus familiares. A celebração ficou por conta do padre Ribamar, titular da Igreja SÃO JORGE e SANTO EXPEDITO que, com seu jeito irreverente, alegrou, emocionou e descontraiu o público contando a sua história como nordestino e o prazer de estar celebrando a missa em louvor ao centenário de LUIZ GONZAGA, de quem ele era fã incondicional. A solenidade contou também com a presença de convidados como o Sr. José Holanda da Silva, Avelino Cavalcante de Almeida, ambos diretores da associação dos feirantes da feira da Guariroba; o presidente da feira do produtor e atacadista de Ceilândia,Vilson José de Oliveira e José Junior, diretor,ambos acompanhados das esposas e filhos; o administrador de Ceilândia, o senhor Adelson Sebastião de

Almeida (ARY), o senhor Francisco de Assis Chagas, diretor da Casa do Cantador, acompanhado de sua esposa, o cantador Chico de Assis, a senhora Rose e oSr. Marcelo, representantes do departamento cultural da empresa estatal PETROBRAZ. E como convidados ilustres, o casal João Gonzaga e Mercedes Januário, sobrinhos do homenageado. Após a celebração, a associação ofereceu um jantar com comidas tipicamente nordestinas para todos os presentes. Foram servidos os seguintes pratos: buchada de bode, sarapatel, galinha caipira, carneiro cozido, arroz de leite, baião de dois, paçoca de carne seca e muitas frutas, atendendo, com especialidade, os costumes do público, sendo que a maioria absoluta são de origens nordestina e não tiveram dificuldades para se deliciar. A festa continuou na sexta feira e, sábado à noite e no domingo, durante todo o dia, com um almoço servido aos participantes. Além disso, muitas homenagens ao mestre, quando os seus seguidores, unidos, realizaram as sanfonadas tocando os principais sucessos do rei do baião. Seguindo a festa, apresentaram-se vários trios de forró da nossa cidade tocando repertórios específicos de Luiz Gonzaga,

animando o público presente que dançaram bastante e se divertiram o tempo todo ao som do verdadeiro Forró de Pé de Serra. O publico marcou presença. E entre os populares, participaram representantes do governo do distrito federal, alguns deputados distritais, entre eles, Chico Vigilante que, como bom nordestino, fez indicação de verbas no orçamento, para ajudar difundir a cultura nordestina na Capital Federal. Também a deputada Luzia de Paula e o deputado federal Roberto Policarpo que prestigiaram da festa com suas presenças e ofereceram todo apoio aos forrozeiros para fortalecer o movimento no Distrito Federal em prol do Forró de Pé deSerra, ajudando a ASFORRO-DF (Associação dos Forrozeiros do Distrito Federal) a desenvolver e executar projetos, levando as cidades satélites e aos pontos de maiores aglomeração da população, o melhor e mais original da cultura nordestina. Dessa forma o Estado estará dando oportunidade aos músicos do gênero a mostrar seus trabalhos, levando alegria, diversão aos visitantes da nossa capital e despertar os sentimentos de reviver nos moradores dos quatro cantos do DF, os costumes de suas terras natais.

Forró Bjú

JC do Acordeon

Trio Arte do Nordeste

Trio Pernambuco

Anastácio Oliveira

Os três do forró

Trio Fortaleza

Trio Rei do Som

Trio os Originais do Forró

Chicão do Forró

Trio Asa Branca

Trio nando do Acordeon

Trio Sol Nascente

Trio Espacial

Trio os Cabras do Nordeste

Trio Xamego Bom

Jamelão e os Cabra do Baião

Forró Bambolê

Benner do acordeon

13 de dezembro Dia nacional do Forró Gonzaga do Forró

Trio Cara Nova

5

Trio os Maluquinhos do Forró

Conheça mais sobre a ASFORRÓ-DF em: www.asforrodf.com.br


6

CIDADES

Folha ASA BRANCA Brasil

FEVEREIRO DE 2013

Diplomatas se encantam com o carnaval de Brasília. Representantes de embaixadas de diversos países prestigiaram com entusiasmo os desfiles na Passarela do Samba >> Redação - Agência Brasília

E

mbaixadores e autoridades diplomáticas de outros países prestigiaram, na terça-feira (12/02), a última noite de desfiles na Passarela do Samba, que recebeu as agremiações do grupo Especial. Do camarote, os convidados estrangeiros apreciaram a passagem de seis escolas: Acadêmicos de Santa Maria, Mocidade do Gama, Acadêmicos da Asa Norte, Águia Imperial da Ceilândia, Associação Recreativa e Cultural Unidos do Cruzeiro (Aruc) e Bola Preta de Sobradinho. Em comum, os elogios pela organização, diversidade, segurança, beleza e animação do Carnaval 2013. “É a primeira vez que assisto o carnaval de Brasília. A atmosfera e a alegria das pessoas são o que mais surpreende”, destacou o embaixador da Itália, Raffaelle Trombeta, acompanhado da embaixatriz Victoria Trombeta. O casal está há pouco mais de um mês no Brasil. “O carnaval do meu país não é tão popular

quanto o daqui. É uma festa maravilhosa”, acrescentou Rafaelle. Para o embaixador da Irlanda, Frank Sheridan, o carnaval brasileiro é uma experiência única. “No meu país, o mais próximo que temos de um evento desse porte são os festejos do Dia de São Patrício. O carnaval é algo completamente diferente, cheio de vida, cores, e que traz o melhor da cultura de Brasília à tona”, comentou o diplomata, acompanhado da embaixatriz, Rita Sheridan. O embaixador da Bielorrússia, uma das repúblicas da extinta União Soviética, Leonid Krupets, conta que em seu país não existe festa tão alegre quanto à celebrada pelo povo brasileiro. “Muitos estrangeiros vêm ao Brasil somente para prestigiar essa festa, que traz apenas coisas boas. Estou muito feliz em presenciar este momento”, disse Krupets. Organização – Mesmo já tendo acompanhado desfiles no Rio de Janeiro, o chefe da missão diplomática da Índia em Brasília, Raj Srivastava, ficou en-

cantado com a organização e a alegria do carnaval brasiliense. “É meu primeiro evento na capital e superou minhas expectativas. Mesmo sendo menor que o comemorado no Rio, é divertido, organizado e de qualidade”, destacou. A riqueza de detalhes das fantasias e dos carros alegóricos foi um espetáculo à parte para os diplomatas. “Vejo a grandeza da imaginação da capital ao acompanhar os blocos. Quando vemos a beleza da programação, não é possível deixar de elogiar a criatividade que tiveram ao organizar os carros alegóricos, fantasias e afins”, afirmou o embaixador de Israel, Rafael Eldad. Segurança – O cônsul de Israel em Brasília, Yaron Gal Weis, levou a esposa e as duas filhas para assistir o desfile e elogiou a segurança e a forma como o evento foi organizado. “É importante saber que podemos aproveitar o festejo de forma tranquila e em família. O desfile é lindo, agradável e uma experiência fenomenal para minhas filhas”, exaltou o diplomata.

Foto: Pedro Ventura

Em comum, elogios pela organização, diversidade, segurança, beleza e animação no carnaval 2013

Última noite foi marcada pelo desfile do Grupo Especial

Ceilândia 42 anos Administração Regional começa os preparativos para a grande festa dos 42 anos da Cidade >> ASCOM RA IX Março é um mês de festa para Ceilândia. No próximo dia 27 a maior cidade do Distrito Federal completa 42 anos, e nada melhor que 4 dias de comemorações para os ceilandenses. A Administração de Ceilândia está preparando um mega evento, que deve acontecer no final do mês.

De acordo com o administrador, Ari de Almeida, os moradores merecem os festejos, e muita surpresa está por vir. As comemorações devem se encerrar no dia 24, com o Domingão do Lazer e shows de nível nacional. A Assessoria de Comunicação da Regional já criou uma logo comemorativa aos 42 anos, e deve ser inserida em peças pub-

licitárias e toda comunicação veiculada durante este ano.

>>Maiores informações quanto os festejos e a programação do aniversário: 3471-9813 ou 3471-9829.

Acesse o site da Administração Regional: www.ceilandia.df.gov.br


POLÍTICA

Folha ASA BRANCA Brasil

FEVEREIRO DE 2013

7

Investimento recorde de

R$ 60 milhões para apoio à cultura Governador Agnelo Queiroz anunciou o lançamento de sete editais para o primeiro semestre em todos os segmentos artísticos >> Lúria Rezende

O

Governo do Distrito Federal avança na promoção da cultura na cidade. O governador Agnelo Queiroz, acompanhado da primeira-dama, Ilza Queiroz, anunciou, no dia 22 de fevereiro, destinação de R$ 60 milhões para o Fundo de Apoio à Cultura. O recurso é o maior já investido na produção artística local. Ainda no primeiro semestre deste ano, 90% desse valor, o equivalente a R$ 51.470 milhões, serão repassados por meio de sete editais. “Isso garante o cumprimento da Lei Orgânica, que determina 0,3% dos recursos do GDF para a área”, ressaltou o governador. Esse primeiro bloco de editais contemplará 444 projetos artísticos, de todas as linguagens, incluindo criação, produção e circulação no DF e Entorno. Ações de registro e memória, capacitação dos artistas, gestão cultural, pesquisa e indicadores, e preservação do patrimônio material e imaterial também serão financiados pelo FAC. Todas essas ações resultarão em 922 espetáculos durante 2013. “Isso significa uma média de 18 apresentações por fim de semana ao longo do ano, em todo o Distrito Federal”, garantiu o governador. “Os editais serão realizados seguindo o modelo da nova política de fomento da Secretaria de Cultura, em vigor desde 2011. Entre as novidades, está o edital de demanda espontânea,

Capacitação

para contemplar projetos inovadores e com múltiplas linguagens”, detalhou Agnelo Queiroz. Os editais do FAC para o primeiro semestre de 2013 já foram aprovados pelo Conselho de Cultura do Distrito Federal. Eles ficarão disponíveis para consulta pública, no site do FAC (http://www.fac.df.gov.br/), até 10 de março. Nesse período, os interessados poderão fazer críticas e sugestões. No dia 11 do mesmo mês, haverá uma reunião entre a sociedade civil, o Conselho e a Secretaria de Cultura para discutir as propostas e possiblidades. Em seguida, no dia 13, os editais serão publicados no Diário Oficial do DF (DODF). “Manteremos a mesma metodologia para que todos os seguimentos possam ajudar a aperfeiçoar o modelo de forma extremamente democrática, aberta e transparente”, afirmou o governador Agnelo Queiroz. Para o GDF, 2013 representa um marco histórico na área cultural. A Lei de Incentivo à Cultura e o aumento dos recursos do fundo colocam a capital federal em um patamar elevado. “Hoje, em valores absolutos, o FAC daqui é o maior do país”, destacou Agnelo Queiroz. De acordo com o secretário de Cultura, Hamilton Pereira, essa é uma conquista da atual gestão. “É com clareza que percebemos o cumprimento das propostas do início de governo. Isso é uma vitória não só para a classe artística, mas para o grande público”, comemorou. Valorização – Cerca de

Foto: Roberto Barroso

48% do valor anunciado para o primeiro bloco de editais, de aproximadamente R$ 24 milhões, serão investidos na difusão e circulação dos bens e serviços culturais. Outro segmento que merece destaque é o cinema. Em 2013, o GDF irá financiar até três longas metragens que tenham orçamento de até R$ 1 milhão. “É a mesma quantia repassada pelo Ministério da Cultura (MinC) para filmes de baixo orçamento”, acrescentou o governador. Os longas de documentário receberão R$ 350 mil, num total de três produções. Soma-se a esse total, R$ 120 mil para 14 curtas. Também foram ampliados os recursos para criação de CD’s, DVD’s e videoclipes. A medida acompanha o crescimento do

setor musical da cidade. Devido à grande demanda nos editais de 2012, também serão oferecidos mais recursos para montagem de espetáculos de teatro e dança. A cultura popular e o circo receberão reforço na verba para a realização de festivais e festas tradicionais. Capacitação – Para garantir a correta aplicação dos recursos em espetáculos de qualidade, a Secretaria de Cultura, por meio da Subsecretaria de Fomento, irá oferecer cursos de elaboração de projetos. “Observamos uma crescente demanda por financiamento. Os recursos existem, mas os proponentes têm que saber como captá-los e apresentar as propostas”, destacou o governador. Educação – O GDF vai in-

FAC oferece curso de elaboração de projetos

A capacitação é para o bloco de editais 2013 Interessados em apresentar projetos para concorrer nos editais FAC 2013 poderão participar de cursos de capacitação oferecido pelo Fundo de Apoio à Cultura (FAC-DF). Serão oferecidas quatro turmas nos meses de março e abril. Não é necessária inscrição prévia. Mais informações no site www.fac.df.gov.br

vestir, ainda, R$ 3 milhões na formação de plateia em escolas públicas. A verba aplicada na capacitação de contadores de histórias, mediadores de leitura e projetos de educação patrimonial. “Essa medida irá possibilitar às nossas crianças e adolescentes um contato qualificado com a arte e a cultura. Esse é um ponto fundamental na formação integral do cidadão e por isso deve ser incorporado, desde cedo, como um hábito”, salientou Agnelo Queiroz. Também participaram da cerimônia o subsecretário de Fomento, Leonardo Hernandes, e o deputado distrital Cláudio Abrantes. Serviço Confira os editais no site: www.fac.df.gov.br

Confira o cronograma 25/03 >> das 19h às 23h na Biblioteca Nacional

de Brasília 03/04 >> das 14h às 18h em Ceilândia (local à definir) 12/04 >> de 14h às 18h em Taguatinga (local à definir) 18/04 >> de 9h às 13h em Brasília (local à definir)


8

DIVERSÃO E ARTE

Folha ASA BRANCA Brasil

Diversão & Arte

Gil 70

Agenda cultural

Gil 70 é o nome da exposição em homenagem ao cantor e compositor Gilberto Gil, que entra em cartaz no próximo dia 13 de março, no Museu Nacional da República. A mostra contém 22 trabalhos e peças entre pinturas, grafite, vídeo, poesia, instalação e fotografia. Idealizada pelo designer gráfico André Vallias e pelo pesquisador e ensaísta Frederico Coelho, a exposição foi composta pelo trabalho de 26 artistas: Carlos Adriano, Ricardo Aleixo, Arnaldo Antunes, Lenora de Barros, Vivian Caccuri, Adriana Calcanhotto, Augusto de Campos, Ivan Cardoso, Antonio Dias, Eduardo Denne, Bené Fonteles, Lula Buarque de Hollanda, Alex Hornest, Jarbas Jácome, Gabriel Kerhart, Raul Mourão, Carlos Nader, Antonio Peticov, Gualter Pupo, Omar Salomão, Daniel Scandurra, Ariane Stolfi, André Vallias, Caetano Veloso, Andrucha Waddington e Luiz Zerbini. Artigos, manifestos, discursos e entrevistas também foram incluídos na mostra em formato digital, além de crônicas escritas por: Rita Lee, José Miguel Wisnik , Marisa Alvarez Lima, Hermano Vianna, Jerusa Pires Ferreira, Carlos Rennó, Fernanda Torres, Andre Midani, Inês Pedrosa, Arto Lindsay, Bernardo Oliveira, Francisco Bosco, Jorge Mautner, Evando Nascimento, DJ Dolores e Paquito.

FEVEREIRO DE 2013

Música O melhor de Lenine com Thais Fread e Hugo Coelho

Dica: Exposição GIL70 De 13/03 a 28/04 (terça a domingo), das 9h às 18h30 Local: Museu Nacional da RepúblicaEsplanada dos Ministérios Entrada franca. Classificação livre. Fonte: www.dicasdacapital.com.br

Show O melhor de Lenine com os cantores Thais Fread e Hugo Coelho. Eles também apresentam no repertório canções clássicas da MPB. Local: Bar do Ferreira - Shopping Pier 21, SCES. Tc. 2, Lt. 32 - Asa Sul Data: Quinta, das 21h às 0h Preço meia: R$ 15 De: 07/03/2013 Até: 07/03/2013 Informações: 3322-1211

Clube da Bossa Nova Os Cariocas O Clube da Bossa Nova retorna com show do grupo Os Cariocas. Local: Teatro Silvio Barbato SCS - Q. 02 - Ed. Presidente Dutra - Brasília/DF (Em frente ao Edifício Maristela) - Asa Sul Data: Sábado, às 11h30 Preço meia: Entrada franca De: 09/03/2013 Até: 09/03/2013

Exposições Imagens do Cerrado A coletânea Imagens do Cerrado mostra fragmentos da fauna e da flora da savana tropical mais rica do mundo, e foi produzida pelos repórteres fotográficos Martim Garcia e Paulo de Araújo, da Assessoria de Comunicação do Ministério do Meio Ambiente (MMA). Local: Parque Nacional de Brasília - Fica a oito quilômetros da Rodoferroviária - Eixo Monumental Data: De segunda a sexta, das 9h às 16h De: 01/02/2013 Até: 31/05/2013 Fonte: www.divirta-se.correioweb. com.br

Folha Asa Branca Brasil - Fevereiro 2013  

Canal de comunicação da ASFORRÓ-DF, Associação dos Forrozeiros do Distrito Federal voltado Pa cultura popular Brasileira.

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you