Issuu on Google+


© 2012 Editora Árvore da Vida O grande prêmio Dong Yu Lan ISBN 978-85-7304-425-6 1ª edição – julho/2012 – 67.000 exemplares Reimpressão – agosto/2012 – 20.000 exemplares Todos os direitos reservados à Editora Árvore da Vida Proibida a reprodução total ou parcial deste livro sem autorização escrita dos editores. Editora Árvore da Vida Av. Corifeu de Azevedo Marques, 137 Butantã - CEP 05581 - 000 Tel.: (11) 3723 6000 - São Paulo - SP - Brasil http://www.arvoredavida.org.br editora@arvoredavida.org.br Impresso no Brasil As citações bíblicas são da Versão Revista e Atualizada de João Ferreira de Almeida, 2ª edição, salvo quando indicado pelas abreviações: VRC - Versão Revista e Corrigida de Almeida IBB-Rev. - Imprensa Bíblica Brasileira


SUMÁRIO

Prefácio ................................................................... 5

1 Perde-se a salvação?................................................ 7

2 Falando por parábolas............................................ 19

3 As parábolas de Mateus 24.................................... 31

4 A parábola das dez virgens.................................... 45

5 A parábola dos talentos......................................... 57

5


PREFÁCIO Sem sombra de dúvida estamos no fim dos tempos. Há alguns anos observamos grandes mudanças políticas, econômicas e sociais em todo o mundo, além do aumento na frequência e na intensidade dos desastres naturais. Esses são sinais evidentes da proximidade da segunda vinda de Cristo. O Senhor Jesus disse que deveríamos estar atentos a esses sinais. Mesmo que eles não sejam “o fim”, indicam que este está bem próximo (Mt 24:6). O que, na verdade, apressará e determinará “o fim” não será a situação do mundo, mas a pregação do evangelho do reino (v. 14). O que ocorre no mundo é apenas indício de que o fim está próximo e sua culminância depende de nosso viver, de nossa atitude como cristãos. A urgência do assunto motivou-nos a publicar O grande prêmio, extraído de uma série de mensagens do irmão Dong Yu Lan. Em seu conteúdo o autor não tenciona fazer um estudo escatológico exaustivo, mas pretende esclarecer alguns aspectos importantes sobre o assunto, segundo a pura revelação da Bíblia. Isso certamente nos ajudará a direcionarmos nossa vida cristã 7


para o alvo de Deus, e seremos encorajados a aguardar e apressar a volta de nosso amado Senhor. Os cristãos sequiosos encontrarão neste livro orientação e encorajamento para correr com perseverança a carreira que nos foi proposta (Hb 12:1). O prêmio é maravilhoso! Os Editores

8


Capítulo um

Perde-se a Salvação? A vida cristã inicia-se com a salvação, por isso é importante começarmos com esse tema a nossa abordagem sobre a recompensa que os vencedores receberão na segunda vinda de Cristo. Com respeito à salvação há entre os cristãos duas principais escolas teológicas. A primeira afirma que ela é eterna: uma vez salvos, somos salvos para sempre; não importa o que fizermos, jamais a perderemos. A segunda ensina que uma pessoa pode receber a salvação e mais tarde perdê-la. Para entender bem a salvação, precisamos conhecer a diferença entre o espírito e a alma. De acordo com 1 Tessalonicenses 5:23 o homem é constituído de três partes: espírito, alma e corpo. Resumidamente falando, o espírito é o órgão pelo qual recebemos, contatamos Deus e temos comunhão com Ele. Jó 12:10 diz: “Na sua mão [de Deus] está a alma de todo ser vivente, e o espírito de todo o gênero humano”. Esse versículo apresenta uma diferença essencial entre o homem e os animais 9


O grande prêmio

(estes também incluídos na expressão “ser vivente”): somente o homem possui espírito, por meio do qual pode comunicar-se com Deus. Hebreus 4:12 diz que “a palavra de Deus é viva e eficaz, e mais cortante do que qualquer espada de dois gumes, e penetra até ao ponto de dividir alma e espírito, juntas e medulas”. Novamente a Bíblia mostra haver distinção entre alma e espírito, havendo, até mesmo, a necessidade de serem separados e distinguidos. Enquanto a principal função do espírito é possibilitar-nos ter comunhão com Deus, a alma, por sua vez, é o órgão onde estão nossos pensamentos, emoção e vontade. Podemos dizer que a alma é nossa personalidade, onde estão as características psicológicas que expressamos por meio de nosso corpo. Portanto, alma e espírito são diferentes e é preciso conhecer a distinção entre eles a fim de termos uma vida cristã vitoriosa e saudável. A PLENA SALVAÇÃO DE DEUS O primeiro estágio A plena salvação de Deus tem três estágios. O primeiro é a regeneração, é o novo nascimento, que ocorre quando aceitamos o Senhor Jesus como nosso Salvador, ou seja, recebemos uma nova vida. Nesse estágio, Deus nos justifica por meio da redenção de Cristo (Rm 3:24-26) e nos regenera em nosso espírito, nos dá um novo nascimento por meio de Seu Espírito (Jo 3:3-6). 10


Perde-se a salvação?

O primeiro estágio da salvação ocorre em nosso espírito. Por causa da queda do homem, estávamos mortos em nossos delitos e pecados (Ef 2:1). Obviamente nosso corpo e nossa alma não estavam mortos, fato evidenciado pela vivacidade de nossos pensamentos e nossas emoções. Mas, estávamos mortos no espírito. Isso significa que estávamos incapacitados de ter comunhão com Deus, estávamos afastados do Senhor. Diante disso, a fim de podermos ter contato com Deus, o primeiro passo necessário era que nosso espírito fosse vivificado. Isso se deu por meio da regeneração. Ser regenerado significa nascer de novo, nascer de outra vida (a expressão “de novo” em grego também pode ser traduzida para “do alto”), ter uma nova origem. Como não havia vida em nosso espírito, era necessário nascer do Espírito Santo (Jo 3:6). Deus doou Sua própria vida a fim de regenerar-nos em nosso espírito. Por estarmos mortos, era preciso que uma nova vida entrasse em nós. Como a vida de Deus é eterna (Dt 32:40), o resultado de termos sido regenerados é que recebemos a salvação eterna (Hb 5:9) e a vida eterna de Deus (Jo 3:15). Assim, todos os cristãos genuinamente regenerados pelo Espírito já receberam a salvação de Deus. É preciso enfatizar que a salvação não é meramente um presente que ganhamos de Deus, mas é a Sua própria vida que entrou em nosso espírito. Além disso, ao recebermos a salvação e a vida eternas, tornamo-nos filhos de Deus (1:12-13) e jamais pereceremos (10:28-29). Por ser esta uma 11


O grande prêmio

salvação eterna, uma vez salvos o somos para sempre, pela eternidade. Pela salvação, a vida eterna de Deus entrou em nós. Perder a salvação significa que a vida de Deus seria tirada de nós ou que deixaria de ser eterna. Isso é impossível! Se entendermos a salvação apenas como um “presente” de Deus, perder a salvação significa que, por termos feito alguma coisa errada, perdemos o direito de manter esse presente conosco. Isso torna a salvação resultado de nossos méritos, o que é contrário ao ensino da Bíblia. A salvação, a regeneração, é por fé, não por obras, não por méritos, não pelo que fazemos ou deixamos de fazer (Ef 2:8-9). O segundo estágio O segundo estágio da plena salvação de Deus é o da salvação de nossa alma, que também pode ser chamado de estágio da transformação. A salvação de Deus é plena, completa; Ele deseja salvar todo o nosso ser tripartido, primeiramente alcançando nosso espírito, e em seguida, nossa alma. No entanto, ao lermos a Bíblia, podemos confundir as passagens que se referem a cada um desses estágios, levando-nos à conclusão de que podemos perder a salvação. Em Mateus 16:24, Jesus disse a Seus discípulos: “Se alguém quer vir após mim, a si mesmo se negue, tome a sua cruz e siga-me”. Repare que Jesus não se dirigia aos incrédulos, aos pecadores não salvos, mas a Seus discípulos. Isso mostra que, após sermos salvos, em nosso 12


Perde-se a salvação?

espírito ainda há a opção de seguir ou não o Senhor. Se quisermos seguir o Senhor, devemos atentar para a primeira condição por Ele estabelecida: “A si mesmo se negue”. Isso significa negarmos nosso ego, renunciar aos nossos interesses ou privilégios, a fim de buscar a vontade de Deus, para não mais seguir nossa própria vontade nem centrar nossa vida em nós mesmos. A segunda condição é: “Tome a sua cruz e siga-me”. A cruz denota principalmente a morte, a terminação do ego, a fim de podermos seguir a vontade do Senhor. Nos versículos seguintes, o Senhor apresenta as consequências de negarmos ou não a nós mesmos: “Porquanto, quem quiser salvar a sua vida, perdê-la-á”. A palavra grega traduzida para vida nesse versículo é psiquê, que significa alma ou vida da alma. Salvar a alma é, pelo contexto, a atitude de alguém que deseja seguir o Senhor, todavia não está disposto a negar a si mesmo nem a tomar a cruz. Quem age assim, pensando salvar sua alma, estará, na verdade, perdendo-a no reino milenar. Quem perder a alma por renunciar ao ego, tomar a cruz e seguir o Senhor, está, de fato, salvando-a. Esses versículos precisam ser estudados com cuidado, pois eles não estão relacionados com a ideia comum de “salvação” ou “perdição”. Lembre-se: o Senhor estava falando para Seus discípulos; portanto, é uma palavra que se aplica somente a cristãos genuínos, pessoas realmente regeneradas pelo Espírito Santo. O Senhor Jesus continuou: “O Filho do Homem há de vir na glória de seu Pai, com os seus anjos, e, então, 13


O grande prêmio

retribuirá a cada um conforme as suas obras” (Mt 16:27). Por ser esse versículo, a continuação dos que falam sobre tomar a cruz e negar a si mesmo, indica que a retribuição que o Senhor dará aos cristãos está relacionada a eles terem negado a si mesmos e tomado a cruz para seguiLo, e terem perdido sua alma por causa do Senhor. Essas são as obras que Cristo espera que realizemos. Há os que pensam que obras aqui se referem a atos, obras de caridade, campanhas evangelísticas ou grandes realizações espirituais. Na verdade, a obra que Cristo espera de nós é que nos neguemos e tomemos a cruz, a fim de que Ele cresça e reine absolutamente em nós. A recompensa que Cristo dará aos que fizerem essas obras será reinar com Ele por mil anos. Isso significa que, quando o Senhor voltar à terra para reinar por mil anos, alguns cristãos reinarão com Ele enquanto outros, não. Isso depende somente e absolutamente de nossa escolha. Se seguirmos o Senhor negando a nós mesmos e tomando a cruz a todo tempo, estaremos caminhando seguros para reinar com Ele. A salvação da alma é claramente apresentada como o estágio da transformação em Romanos 12:2. Ali Paulo diz: “Não vos conformeis com este século, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus”. A alma é composta de vontade, emoção e mente, sendo esta sua parte líder. Assim, sermos transformados na mente corresponde a ter nossa alma transformada. 14


Perde-se a salvação?

Em grego, a palavra transformação (metamórphosis) significa a mudança de uma substância em natureza e em forma. Isso é uma mudança metabólica. Não é somente uma mudança na forma exterior, mas uma mudança na constituição interior. O metabolismo dos alimentos, por exemplo, ocorre em nosso corpo quando os ingerimos, e, por meio de vários processos, os elementos químicos, vitaminas, fibras, aminoácidos e proteínas, tornamse parte de nosso ser. Se diariamente ingerirmos comida saudável, ela mudará metabolicamente nossa constituição e, por fim, se manifestará exteriormente em nossa aparência saudável. Isso descreve perfeitamente o processo de transformação de nossa alma. Quanto mais recebermos da vida de Cristo, mais essa vida operará uma mudança metabólica em nós. Esse processo ocorre por meio da oração, de invocar o nome do Senhor, da comunhão com Ele, do exercitar de nosso espírito, e por meio de negar a nós mesmos, tomar a cruz e seguir o Senhor. Nossa mente será renovada, e em lugar de pensamentos segundo o curso deste mundo, pensaremos como Deus pensa; nossa emoção, em lugar de deleitarse com o pecado e com os prazeres do mundo, amará a Deus e tudo que é Dele; por fim, nossa vontade, muitas vezes rebelde e contrária a Deus, passará a querer fazer Sua vontade. Em 2 Coríntios 3:18 é dito que somos transformados de glória em glória. Isso indica que o processo de transformação da alma é gradual e progressivo. Muitos desejariam ser totalmente transformados, 15


O grande prêmio

de um momento para outro, em cristãos maduros e irrepreensíveis. No entanto, o método de Deus é lento e gradual. Para que sejamos transformados precisamos, todos os dias, contemplar o Senhor com o rosto sem véu, com um coração puro e singelo. Dessa maneira, seremos transformados metabolicamente de glória em glória. É impossível mudar um cristão por meio de regras ou regulamentos; a genuína, permanente e divina transformação é a que ocorre interiormente, através do operar do Espírito em nós. Há dois “instrumentos” principais para a transformação, para a salvação de nossa alma, aos quais devemos dar atenção. O primeiro é nossa alimentação espiritual. A mudança metabólica de nossa alma ocorre da mesma maneira que a física: por meio da alimentação. Quanto mais comida saudável ingerirmos, mais saudáveis seremos. Do mesmo modo, precisamos de comida espiritual saudável para que nossa alma seja transformada. Que devemos comer? Cristo. Ele é o pão vivo e o pão da vida (Jo 6:48, 51, 57). Para que serve o pão? Evidentemente não é para ser estudado ou para se estabelecer doutrinas a seu respeito. Porém, é isso que muitos cristãos fazem em relação ao Senhor Jesus. Em vez de comer Dele, contentam-se em analisá-Lo, em falar Dele, em discutir doutrinas a Seu respeito. No entanto, o que realmente necessitamos é alimentar-nos de Cristo. Quando o Senhor falou aos judeus que eles precisavam comer Sua carne, eles nada entenderam e 16


Perde-se a salvação?

se escandalizaram. Jesus, então, explicou que alimentarse Dele é comer Suas palavras, que são espírito e vida (v. 63). Precisamos agir como o profeta Jeremias que, ao encontrar as palavras de Deus, logo as comeu (Jr 15:16). Ele não se deteve em analisá-las ou estabelecer doutrinas a partir delas – ele simplesmente as comeu. Por outro lado, para que haja transformação precisamos negar nosso ego, que é nossa alma, e seguir ao Senhor (Mt 16:24). Constantemente surgem em nossa vida situações em que precisamos decidir entre fazer nossa vontade ou negar a nós mesmos. Desentendimentos com o cônjuge, problemas com colegas de trabalho, pontos de vista divergentes com irmãos na igreja – todas essas situações são permitidas por Deus para nos dar oportunidade de negar a nós mesmos e ganhar mais de Sua vida. Deus usará todas as circunstâncias para nos transformar. Todas as coisas, todas as pessoas e todos os fatos cooperam para o bem daqueles que amam a Deus (Rm 8:28). Esse “bem” não é o conforto material ou a felicidade dos cristãos, mas é a transformação à imagem do Filho de Deus. Este é o objetivo de Deus: conformarnos à imagem de Seu Filho. Portanto, se amamos ao Senhor, teremos o mesmo alvo e objetivo que Ele, e amaremos Seu processo de transformação. A salvação de nosso espírito é instantânea e realizada unicamente por Deus; a salvação da alma, por sua vez, é de nossa responsabilidade e cabe a cada um de nós desenvolvê-la com temor e tremor (Fp 2:12). É a salvação da alma (1 Pe 1:9) que nos levará ao gozo do 17


O grande prêmio

Senhor Jesus na era vindoura (Mt 10:37-39; 16:24-27; Lc 17:30-33; Jo 12:25). A salvação do espírito é decidida no momento exato em que cremos no Senhor, mas a salvação da alma depende do que fazemos hoje, depende de viver de acordo com a vida de Deus, de negar a nós mesmos, de alimentar-nos espiritualmente. Essas são as obras que Deus espera que façamos. É a isso que a Bíblia se refere quando diz que o Senhor, ao voltar, retribuirá aos cristãos segundo o que eles tiverem feito por meio do corpo (2 Co 5:10). O terceiro estágio O terceiro e último estágio da plena salvação de Deus é a salvação do nosso corpo, chamado na Bíblia de glorificação. Esse estágio ocorrerá no futuro, à época do arrebatamento dos cristãos vencedores, ou à época do julgamento no tribunal de Cristo, para os demais cristãos. Deus redimirá o nosso corpo de corrupção (Rm 8:23), transfigurando-o no corpo da glória de Seu Filho (Fp 3:21). Deus nos conformará à imagem de Cristo (Rm 8:29) e seremos semelhantes a Ele (1 Jo 3:2). Deus nos glorificará (Rm 8:30) para entrarmos no Seu reino celestial (2 Tm 4:18; 2 Pe 1:11), o qual é nossa herança (Tg 2:5; Gl 5:21), e para reinar com Cristo sobre as nações (2 Tm 2:12; Ap 2:26-27; 12:5; 20:4, 6). Nosso corpo será libertado do cativeiro da corrupção para a liberdade da glória da nova criação de Deus (Rm 8:21). 18


Perde-se a salvação?

Não desperdiçar as oportunidades Do mesmo modo que a regeneração em nada depende de nós, por ser totalmente realizada por Deus, assim também é a glorificação, a redenção ou salvação do corpo – ela será inteiramente concretizada por Deus. Por isso, toda a nossa atenção deve ser dada à salvação da alma. Deus tem-nos preparado tão grande, rica e completa salvação, mas há a necessidade de nossa cooperação: reunir toda a diligência (2 Pe 1:3-8) para desenvolver a salvação da alma. Ao longo da era da graça, a era da igreja, Deus nos proporciona situações para que nossa alma seja mais salva. Se tivermos clareza de quão precioso é o galardão para os que aceitarem ser amadurecidos pela transformação da alma, não desperdiçaremos nenhuma dessas oportunidades que Deus amorosamente nos prepara.

19



O Grande Prêmio