Page 1

velamadeira

Newsletter Novembro 2015

Edição V Novembro 2015


velamadeira

Sumário 1. Diário de Bordo …………..…….…. 3 2. Radar Notícias …………………..… 4 3. Em Destaque - JR7 ...……………..14 4. Oceano Azul………….....................17 5. Agenda……………………………….18 6. À Conversa Com……...…...............20 7. Os nossos Parceiros……………….21

ASSOCIAÇÃO REGIONAL DE VELA DA MADEIRA Edição:

Colaboração:

Jorge Sousa

Sérgio Jesus

Francisco Trigo

João Rodrigues

Complexo Piscinas Olímpicas do Funchal, Beco dos Álamos - Santo António 9020 - 021 Funchal Web: www.arvm.pt E-mail: arvm@netmadeira.com


1. DIÁRIO

velamadeira

DE BORDO

Encontramo-nos no início de uma nova época, mas não gostaríamos de deixar de documentar a prática registada no final da época transacta, e que coincidiu com os meses de Verão, altura em que se realizam várias provas de vela de cruzeiro, não sem antes se verificar a realização do já tradicional encontro de escolas de Vela no Porto Santo, e que passou a marcar de certa forma o final da época de vela ligeira, tendo-se saldado em mais um sucesso, levando ao Porto Santo, dezenas de atletas seguidos das suas famílias e amigos. De resto, foi também no PXO, que se registaram as provas em plena época estival como a emblemática regata de cruzeiros Madeira-Porto Santo-Madeira e a Golden Island Regata, prova que tem vindo a ser consolidada nos últimos anos, e que mais uma vez permitiu evidenciar todo o potencial das provas organizadas em plena época de Verão, sinónimo de grande afluência de visitantes, locais e estrangeiros, à Ilha do Porto Santo, conferindo elevado interesse ao desejo de no futuro se vir a organizar provas de outra magnitude e agregadora da Vela regional, com outras dinâmicas, face às condições ímpares que aquela ilha, e respectivo porto e praia, oferecem naquela altura do ano. Nota especial, para a participação da frota insular no Campeonato Nacional de Vela Ligeira, e que veio a produzir um campeão nacional oriundo da vela regional, o que nos encheu de orgulho e motivação, significando o consequente prémio de todo um trabalho que é visível a quem se dedica incondicionalmente ao fomento da Vela Ligeira na RAM, e motivo de inspiração para todos aqueles que tardam em interpretar as metodologias e práticas que podem potenciar estes resultados. No capítulo dos eventos internacionais, e numa altura de calmaria no calendário desportivo, realizou-se o Campeonato Europeu de Micro Magic, modalidade que tem sido apoiada pela ARVM, e que desta feita motivou a vinda de mais de 3 dezenas de praticantes oriundos de Portugal, Espanha, Holanda entre outros, saldando-se num sucesso assinalável, quer pela capacidade organizativa local, quer pelas condições onde o mesmo se realizou, permitindo a utilização do plano de água da Nova Marina do Funchal, que foi motivo de elevado interesse quer para os espectadores, quer para os patrocinadores do evento. Finalmente e assinalando o final de mais uma época desportiva, realizou-se na Gare Marítima do Porto do Funchal, a exemplo das outras duas edições passadas, a Festa dos Campeões da Vela da Madeira, e que se saldou em mais uma digna cerimónia de reconhecimento de cerca de 4 dezenas de campeões, tendo-se igualmente distinguido atletas e colectividades, que no decurso dos 25 anos de existência e actividade da Associação Regional de Vela da Madeira, se distinguiram não só pelos seus méritos desportivos, como também, pela forma sempre prestável e meritória com que se envolveram com a modalidade, contribuindo para a sua promoção e desenvolvimento. Ainda foi possível, incluirmos nesta newsletter o torneio de abertura da época 2015/2016 das classes de Vela Ligeira, e que marcou a rentrée de uma época que se espera de confirmação do crescimento do número de praticantes e de uma maior disponibilidade de meios e infra-estruturas que se acredita darão o necessário impulso que a Vela augura e merece. Sérgio Jesus - Associação Regional de Vela da Madeira


velamadeira

2.

RADAR

Notícias da Vela 

ENCONTRO DE ESCOLAS DE VELA DA RAM | PORTO SANTO | 20 E 21 JUNHO

7ª PROVA TAÇA DA MADEIRA DE CRUZEIROS | SANTA CRUZ - PORTO SANTO | 14 E 16 AGOSTO

REGATA GOLDEN ISLAND | PORTO SANTO | 15 AGOSTO

CAMPEONATO DE PORTUGAL DE INFANTIS E INICIADOS | ALGARVE | 5 A 7 SETEMBRO

CAMPEONATO EUROPEU DE MICRO MAGIC | FUNCHAL | 10, 11 E 12 SETEMBRO

FESTA DOS CAMPEÕES VELAMADEIRA 2015 | FUNCHAL | 8 OUTUBRO

TORNEIO ABERTURA CLASSES VELA LIGEIRA |FUNCHAL | 17 E 18 OUTUBRO


Taça da Madeira de Escolas de Vela - 1ª Pr. velamadeira Porto Santo | Junho 2015 Realizou-se no passado dia 21 do mês de junho, a 1ª Prova da Taça da Madeira de Escolas de Vela na ilha do Porto Santo. Este fim de semana desportivo contou com a participação de cerca de 3 dezenas de atletas de diferentes classes da vela ligeira, representando os clubes de vela da Região. Foram 2 dias de saudável espírito de competição convívio entre os jovens atletas e claro, como também não podia deixar de ser, de muita alegria e ação. A competição no mar esteve bem animada e muito divertidas as atividades que os jovens atletas realizaram no areal e no Clube Naval do Porto Santo que foi também o quartel general das equipas participantes.


velamadeira

O Clube Naval do Funchal em coorganização com a Associação Regional de Vela da Madeira e apoio do Clube Naval do Porto Santo, realizaram no passado mês de agosto a REGATA RIM, esta que foi a 7ª Prova Taça da Madeira de Cruzeiros, teve um percurso compreendido entre Santa Cruz e a ilha do Porto Santo. A largada foi dada no final do dia de sexta-feira 14 de agosto no cais de Santa Cruz com destino ao Porto Santo, com boas condições de vento e mar e contando com 7 embarcações. «A primeira etapa, que é feita dia 14, é a mais difícil, feita à noite, normalmente com vento de proa, obrigando a um esforço acrescido por parte das tripulações, com estas a terem que reagir às alterações de intensidade do vento, ora mudando velas, ora afinando as mesmas devido á constante mudança de direção do vento. É uma etapa feita normalmente em condições duras, onde temos de percorrer cerca de 35 milhas náuticas, que podia ser realizada em menos de 5 horas, e que acaba por durar, para a maioria das embarcações, cerca de 7 horas.» Explica Martim Cardoso, comodoro do Clube Naval do Funchal e skipper do Frederica Devónia (In site C.N.F.) As primeiras tripulações chegaram ao Porto Santo por volta das 3h00, tendo a embarcação Funchalinho do skipper João Sousa do CNPS em primeiro lugar, o Bombay do CTM em segundo e o Ayé do CNF a fechar o pódio. A 2ª etapa da prova decorreu no domingo dia 16, com largada a ser dada pelas 12h00 com destino à Madeira e assim dando como concluída esta prova que é também uma travessia entre ilhas e que bem representa a essência da arte de velejar.


REGATA GOLDEN ISLAND

velamadeira

Porto Santo | 15 Agosto 2015 Clube Naval do Porto Santo | Clube Naval do Seixal

A REGATA GOLDEN ISLAND voltou a enriquecer o visual da praia dourada e o verão Porto Santense. Esta Regata organizada pelo Clube Naval do Porto Santo em parceria com o Clube Naval do Seixal, para além do cariz competitivo tem uma forte componente lúdica e recreativa. À semelhança das edições anteriores, este evento teve um balanço muito positivo, com as tripulações dos cruzeiros a disfrutarem de um fim-de-semana bem preenchido, na sexta com a travessia Madeira - Porto Santo, sábado a Regata Golden Island com um percurso no plano de água em frente ao belíssimo areal da ilha do Porto Santo, competição que teve o seu o seu término num convívio entre as tripulações participantes no "Bar do Henrique". A festa de consagração prolongou-se pela noite e não faltou a diversão e a sã camaradagem entre todos. Para o ano há mais!

A festa de consagração esteve ao rubro, com as equipas a subirem ao pódio e com as cores da ilha dourada a marcarem presença!


velamadeira

Mário Soares da Associação Náutica da Madeira e Joana Sabóia do Grupo Naval de Olhão em Iniciados e Miguel Sancho do Ginásio Clube Naval de Faro e Lara Carvalho do Clube de Vela de Viana do Castelo em Infantis, sagraram-se Campeões nacionais no EDP XI Campeonato de Portugal de Infantis e Iniciados que se realizou em Setembro na praia da Ilha do Farol, com organização da Federação Portuguesa de Vela e do Ginásio Clube Naval de Faro. Por equipas o triunfo foi do Clube We Do Sailing, com a Associação Náutica da Madeira a classificar-se num excelente 2º lugar e o pódio a ser fechado pelo Sport Algés e Dafundo.

Classificação Velejadores Regionais Mário Soares (ANM) - 1º Vasco Soares (ANM) - 3º Daniel Nunes (ICSC) - 7º Rafael Aguiar (ICSC) - 8º Afonso Silva (ANM) - 12º João Pereira (ANM) - 27º Francisco Rodrigues (CNF) - 29º Salvador Silva (ANM) - 31º Guilherme Rosa (ICSC) - 38º Ruben Camacho (ICSC) - 49º Júlia Cardozo (ANM) - 52º André Dias (CNF) - 55º Margarida Balau (CNF) - 56º Ema Figueira (CNF) - 58º Martin Calado (CNF) - 70º

A equipa da Associação Náutica da Madeira esteve em grande destaque , alcançando o honroso 2º lugar por Equipas a nível Nacional e um 1º e 2º lugares a nível Individual.


Campeonato Europeu de Micro Magic

velamadeira

Baía do Funchal | 11, 12 e 13 setembro O Campeonato Europeu de Micro Magic 2015 realizou-se nos dias 11, 12, 13 de Setembro na ilha da Madeira. Esta prova, de âmbito internacional e de carácter anual, foi organizada pela segunda vez em águas lusitanas e pela primeira vez na “Pérola do Atlântico” e contou com a presença de três dezenas dos melhores velejadores desta classe, representando diversos países do velho continente entre eles Espanha, Alemanha, Holanda, Bélgica e Suíça. A Organização, que esteve a cargo do Núcleo de Micro Magic da Madeira sob a supervisão da Associação Internacional da Classe Micro Magic (MMI) e que contou com o apoio da Associação Regional de Vela da Madeira, criou um Village de apoio ao campo de regatas, espaço este onde foram realizadas diversas demonstrações de modelismo. A estrutura física e humana estiveram exemplares e foram muitos os curiosos e os aficionados que compareceram para assistir ao espectáculo que se desenrolou tanto dentro como fora de água. Os espectadores e competidores dispuseram de uma agradável zona de esplanada e música seleccionada por um dj e que juntamente com o anfiteatro ali existente resultou num ambiente colorido e animado e que não deixou ninguém que por lá passou indiferente. Com condições meteorológicas favoráveis à prática e à competição em Micro Magic e enquadrados pelo cenário que envolve a baía do Funchal, foi escolhido o “plano de água” localizado na nova marina do Funchal e foram disputadas 42 competitivas regatas em sistema de frota. Quem teve oportunidade de presenciar no local assistiu a uma competição que esteve ao rubro ao longo dos três dias de prova e pode se entusiasmar com as várias alterações no quadro classificativo resultante da saudável competitividade e também pôde constatar a grande exigência técnica desta modalidade náutica. Relativamente às classificações apenas e resultado da acesa luta pelos lugares de pódio só mesmo na reta final do último dia de competição é que surgiram os resultados finais e com grande destaque para a prestação dos atletas regionais. Assim o campeão europeu da classe de vela Micro Magic, classificação individual, foi conseguido por pelo atleta espanhol Guilhermo Beltri que é o atual detentor do título europeu, logo seguido pelo velejador Português Nuno Rodrigues, da Associação Náutica da Madeira, que assim se sagrou vice-campeão Europeu, tendo o pódio sido fechado pelo atleta Espanhol José Martinez. Quanto à classificação geral por equipas, registo para a participação da equipa madeirense que dignamente representou Portugal neste evento, com um total de 12 velejadores e que alcançou o 3º lugar da classificação geral, tendo o 1º lugar sido conquistado pela Espanha e o 2º pela equipa da Holanda. A destacar a 1ª velejadora feminina a competir neste patamar, a Belga Cracco Christel, que conquistou o honroso 19º lugar da classificação geral.


FESTA DOS CAMPEÕES velamadeira 2015 GALA DE ENTREGA DE PRÉMIOS | 8 NOVEMBRO

velamadeira

No passado dia 8 de outubro decorreu a gala anual de entrega de troféus aos campeões da Vela Madeira, organizada pela Associação Regional de Vela da Madeira, relativa à época desportiva 2014-2015. A cerimónia que teve início ao fim da tarde na Gare marítima do porto do Funchal, contou com cerca de duas centenas de convidados presentes, entre velejadores, familiares, parceiros da Associação Regional de Vela e individualidades institucionais. Ao longo da cerimónia foram projetadas imagens das diversas provas realizadas ao longo da época e pela mão de um conjunto de ilustres convidados institucionais foram entregues os respetivos troféus e certificados, sendo distinguidos os campeões das várias classes. Neste ambiente de festa e celebração deu-se continuidade ao que vem sendo apanágio da ARVM nos anos anteriores e assim foram também homenageadas diversas individualidades e instituições pelo seu contributo e dedicação em prol da modalidade. A festa foi bem animada ao som de música ambiente e tendo como cenário de fundo uma vista esplendida sobre a baía do Funchal que não deixou ninguém indiferente. A gala dos campeões, que acima de tudo é mais uma oportunidade de reunião e celebração entre todos aqueles que representam e fazem acontecer a Vela na Madeira, resultou num ambiente de desportivismo e sã camaradagem muito agradável e que bem dignificou a Vela da Região. A Associação Regional de Vela da Madeira agradece a todos os seus estimados parceiros, atletas, treinadores, dirigentes, acompanhantes, familiares e outras individualidades, pela sua presença e valioso contributo para que mais uma época desportiva tenha sido bem concluída.

A entrega de Troféus aos Campeões da época 2014/2015 decorreu ao longo da Gala que terminou com um lanche convívio muito apreciado principalmente pelos mais jovens :)


velamadeira

FESTA DOS CAMPEÕES 2015|GARE MARÍTIMA FUNCHAL


velamadeira

CAMPEÕES ÉPOCA 2014/15

velamadeira CAMPEONATO DA MADEIRA DE VELA ADAPTADA Access 2.3 Campeão Regional – António Nóbrega 2º - Élvio Barradas

- Clube Naval do Funchal

- Clube Naval do Funchal

3º - António Calaça - Clube Naval do Funchal CAMPEONATO DA MADEIRA DE VELA LIGEIRA Optimist Infantil

Optimist Juvenil

Campeão Regional – Daniel Nunes / Iate Clube de Santa Cruz

Campeões Regionais - Pedro Abreu / Clube Naval do Funchal

2º - Vasco Soares / Associação Náutica da Madeira

Francisca Silva / Iate Clube de Santa Cruz

3º - Mário Soares / Associação Náutica da Madeira

2º - Gonçalo Gomes / Clube Naval do Funchal 3º - Illia Shliaqkhtsitsau / ate Clube de Santa Cruz

Laser 4.7

Laser Radial

Campeões Regionais - Gonçalo Vieira / Iate Clube de Santa Campeão Regional – João Monteiro / Iate Clube de Santa Cruz Cruz Carolina Matos / Clube Naval do Funchal 2º - Lourenço Cardoso / Clube Naval do Funchal 2º - Luis Fernandes - Iate Clube de Santa Cruz 3º - Guilherme Monteiro

3º - Francisco Correia

- Clube Naval do Funchal

- Iate Clube de Santa Cruz CAMPEONATO DA MADEIRA DE WINDSURF

Techno 293 Juvenil

Techno 293 Júnior

Campeão Regional – João Abreu / Centro Treino Mar

Campeão Regional – Artur Marques / Clube Naval do Funchal

2º - Rodrigo Ferreira / Centro Treino Mar

2º - Margarida Rodrigues / Centro Treino Mar

3º - Afonso Vasconcelos / Clube Naval do Funchal 3º - Ricardo Cordeiro / Clube Naval do Funchal TAÇA DA MADEIRA DE WINDSURF Techno 293 Júnior

Raceboard

1º - Francisco Vieira / Clube Naval do Funchal

1º - Guilherme Marques / Clube Naval do Funchal

2º - Artur Marques / Clube Naval do Funchal

2º - João Gomes / Centro Treino Mar

3º - Ana Rodrigues / Centro Treino Mar

3º - Manuel Palermo / Centro Treino Mar


velamadeira

CAMPEÕES ÉPOCA 2014/15

velamadeira CAMPEONATO DA MADEIRA DE CRUZEIROS ORC Absoluto Campeão regional Frederica Devónia Skipper: Martim Cardoso / Clube Naval do Funchal ORC 2

ORC 1

ORC 3

1º - Cash-a-Lot

1º - Frederica Devónia

1º - Alf

Skipper: Vitor Nóbrega / Clube Naval do Funchal

Skipper: Martim Cardoso / Clube Naval do Funchal

Skipper: Francisco Rosa / Centro Treino Mar

2º - Funchalinho

2º - Pimpas Sailing Team

2º - Red Ruth

Skipper: João Sousa / Clube Naval do Porto Santo

Skipper: Francisco Pontes / Associação Náu- Skipper: Peter Bexter / Iate Clube Quinta do Lorde tica da Madeira

3º - Medeta

3º - Bombay

3º - Teja

Skipper: Philippe Staehli / Associação Náutica da Madeira

Skipper: André Abreu / Centro Treino Mar

Skipper: Rui Velosa / Clube Naval do Funchal

Taça da Madeira de Cruzeiros RI absoluto

RI 2

RI 3

1º - Funchalinho

1º - Frederica Devónia

1º - Bombay

Skipper: João Sousa / Clube Naval do Porto Santo

Skipper: Martim Cardoso / Clube Naval do Funchal

Skipper: André Abreu / Centro Treino Mar

2º - Medeta

2º - Ayé

2º - Red Ruth

Skipper: Philippe Staehli / Associação Náutica da Madeira

Skipper: Sérgio Jesus / Clube Naval do Funchal

Skipper: Peter Bexter / ate Clube Quinta do Lorde

3º - Cash-a-Lot

3º - Pimpas

3º - Alf

Skipper: Vitor Nóbrega / Clube Naval do Funchal

Skipper: Francisco Pontes / Associação Náu- Skipper: Francisco Rosa / Centro Treitica da Madeira no Mar

CAMPEONATO DA MADEIRA DE MICRO MAGIC Campeão Regional Duarte Menezes / Associação Náutica da Madeira 2º - Ricardo Sales / Associação Náutica da Madeira 3º - Nuno Rodrigues / Associação Náutica da Madeira


TORNEIO ABERTURA CLASSES VELA LIGEIRAvelamadeira 17 e 18 Outubro | Baía Funchal A Baía do Funchal foi palco para o Torneio de Abertura da Vela Ligeira, com condições de mar e de vento muito exigentes, principalmente no primeiro dia de regatas e que colocaram à prova a frota dos jovens velejadores das várias classes de vela ligeira. Esta prova, que marcou o início da época desportiva 2014/2015 com organização da responsabilidade do Clube Naval do Funchal, Centro Treino de Mar, Associação Náutica da Madeira e da Associação Regional de Vela da Madeira, teve como objectivo a preparação para as provas a contar para o Campeonato da Madeira de Vela Ligeira | BRISA e onde marcaram presença cerca de seis dezenas de atletas divididos em nove classes de embarcações e em representação de três clubes (CNF, ANM e CTM). Com um vento a soprar entre os 14 e os 25 nós quadrante Oeste e com uma forte ondulação, foi comprido o programa de 6 regatas divididas pelos dois dias. Perante estas condições os jovens atletas revelaram uma capacidade de superação ao desafio muito positiva demonstrando na sua maioria estarem com um bom nível de preparação para a época desportiva que agora se inicia na Vela Ligeira.


velamadeira

3. EM DESTAQUE - JR 7 João Rodrigues

Jogos Olímpicos | 7ª Classificação O velejador Madeirense João Rodrigues assegurou de forma brilhante, e após superar uma intensa e verdadeira prova de sacrifício que só está ao alcance de alguns, o apuramento olímpico para os Jogos Olímpicos que se vão realizar na cidade do Rio de Janeiro em 2016 na classe de Vela RS:X. O João desde Londres 2012 é, entre todos os atletas da história do Movimento Olímpico luso, o atleta com mais presenças olímpicas e poderá assim marcar novamente presença no maior evento multidesportivo do mundo pela sétima vez consecutiva. Para apurar Portugal para os Jogos Olímpicos, João Rodrigues obteve o 28º posto na geral no Campeonato do Mundo da Classe RS:X que decorreu em Omã no passado mês de outubro, garantindo uma das seis vagas que estavam em disputa nesta prova. O João é para nós, ARVM, um exemplo como atleta e como desportista, tendo apadrinhado e vindo a colaborar, sempre que a sua disponibilidade o permite, no desenvolvimento e concretização de projectos que têm em comum a divulgação e o crescimento da vela na Madeira. Sempre acreditamos que iria conseguir alcançar este objetivo, até porque acompanhamos e conhecemos de perto o seu talento e agora, perante mais uma classificação para os Jogos Olímpicos, damos- lhe os nossos mais que merecidos parabéns, e também gostaríamos de enaltecer o seu valioso contributo à modalidade e notoriedade que traz à Madeira. Agora e através das palavras do João, partilhamos algumas das vivências e emoções que fizeram parte do trajecto que culminou na fantástica sétima classificação para os Jogos Olímpicos. “Até esta semana, pensava que o maior desafio que havia transposto até ao momento, havia sido a travessia Madeira Selvagens, em prancha à vela. E também não seria capaz de imaginar algo semelhante, muito menos que me aventurasse a tal. Foi preciso o circo do windsurf Olímpico vir até Omã, para passarmos a um outro patamar. Temperaturas entre os 35 e os 38 graus centígrados, humidade a rondar os 80%, 12 regatas sempre com vento fraco, fizeram-nos, a todos, ir muito além do que pensávamos ser possível. Bolhas nas mãos, cãibras, contracturas musculares, suor, litros de suor, lágrimas, gritos de desespero, outros de conquista, outros ainda de desafio, de tudo isto se viu ao longo do que foi, pelo menos para mim, uma das mais longas semanas da minha vida desportiva. Se por um lado, sinto que a classe, ao optar por modelos tão agressivos do ponto de vista físico – três regatas por dia, independentemente da intensidade do vento; descanso mínimo entre regatas – perdeu parte do seu encanto, por outro lado, não posso, agora que tudo terminou e que começamos a arrumar todo o equipamento, deixar de sentir um certo orgulho, não só por ter feito parte daquele que ficará como o evento mais duro realizado até à data, mas acima de tudo, por não ter desistido. Oh, e como isso esteve tantas vezes tão perto. Foi como se tivesse passado uma semana inteira, sempre no fio da navalha. Nunca o simplesmente baixar os braços, desligarme, abandonar tudo isto, foi tão aliciante, tão apetecível.


EM DESTAQUE - JR 7

velamadeira

Por João Rodrigues… Houve tantos momentos chave, que seria fastidioso passar em revista tudo isso. Mas ontem, quando terminei a primeira regata do dia, quase em último, pensei que nada mais haveria a fazer. Não sei o que aconteceu naquele intervalo entre essa regata e a seguinte. Se por um lado, sinto que a classe, ao optar por modelos tão agressivos do ponto de vista físico – três regatas por dia, independentemente da intensidade do vento; descanso mínimo entre regatas – perdeu parte do seu encanto, por outro lado, não posso, agora que tudo terminou e que começamos a arrumar todo o equipamento, deixar de sentir um certo orgulho, não só por ter feito parte daquele que ficará como o evento mais duro realizado até à data, mas acima de tudo, por não ter desistido. Oh, e como isso esteve tantas vezes tão perto. Foi como se tivesse passado uma semana inteira, sempre no fio da navalha. Nunca o simplesmente baixar os braços, desligar-me, abandonar tudo isto, foi tão aliciante, tão apetecível. Houve tantos momentos chave, que seria fastidioso passar em revista tudo isso. Mas ontem, quando terminei a primeira regata do dia, quase em último, pensei que nada mais haveria a fazer. Não sei o que aconteceu naquele intervalo entre essa regata e a seguinte. Por mais que reveja esses dez minutos, não me recordo de nada que tenha ouvido, que tenha pensado, que justificasse o facto de nas duas seguintes regatas, ter feito os melhores resultados no evento, salvando definitivamente a qualificação para o Rio. A vida está cheia de surpresas e essa foi, sem sombra de dúvida, uma delas. Nem eu, nem o José Gouveia, queríamos acreditar quando olhamos para a classificação final ontem, findas as regatas, e víamos que o objectivo estava cumprido. Ao longo desta semana, muita coisa passou-me pela cabeça. Quando logo no primeiro dia, fiquei com uma contractura nas costas, parecia tudo perdido. Aqui, mais uma vez, valeu-me amizades de longa data, cujos fisioterapeutas – Jessica do México e Luis de Espanha – fizeram verdadeiros milagres e encheram-me de drogas para que pudesse continuar em competição. No final do segundo dia, dei por mim a pensar que a ida aos JO do Rio tinha perdido toda a magia. Como se o preço a pagar para lá estar, fosse demasiado alto. E mesmo agora, que tudo terminou, pergunto-me: valeu a pena? E valerá a pena lá ir? Mesmo sabendo que as hipóteses de fazer um bom resultado são remotas. Haverá lugar para alguém como eu no maior evento desportivo do planeta? Sim, bem sei que um dos lemas dos JO é: o importante é participar. Mas num mundo tão competitivo, onde uma participação Olímpica implica tão elevados investimentos, justificar-se-á? Talvez não seja a melhor altura para falar sobre isso. De qualquer forma, tudo isto está ainda tão fresco que a simples perspectiva de passar por algo remotamente semelhante dá-me arrepios. Não posso deixar de agradecer todo o apoio que recebi, não só agora, mas ao longo de tantos anos dedicados ao desporto. A minha família que, incrivelmente, sempre acreditou. Os meus amigos, daqui do windsurf, da equipa portuguesa, da Madeira. O José Gouveia, que pela sétima vez, arrisca-se a estar nos JO, sempre a aturar-me. O meu clube, CTM, modesto na dimensão, enorme no apoio. A Federação Portuguesa de Vela, que tudo fez para que, mesmo fora do projecto Olímpico, tivesse condições mínimas para garantir o apuramento. E, last but not least, os apoios institucionais e privados da Madeira, nomeadamente os consagrados no sistema regional de apoio ao desporto e os meus patrocinadores, Câmara Municipal do Funchal e IlhaPeixe. Nota final para indicar que este resultado no mundial, apura Portugal para estar presente nos JO do Rio. Caberá agora à FPV ou indicar o velejador a estar presente ou definir os critérios de selecção nacional com vista ao apuramento do representante nacional. De qualquer forma, pelo menos ninguém me tira o facto de ter qualificado sete vezes Portugal para os JO! (João Rodrigues na sua página facebook.)


EM DESTAQUE - JR 7

velamadeira

Estes são alguns dos cenários escolhidos pelo João para treinar - MADEIRA ISLAND

MOTIVAÇÃO... Muitas vezes, perguntam-me como foi possível que me mantivesse durante tantos anos, décadas mesmo, ao mais alto nível na prancha à vela. Na verdade, a mais das vezes, procuram o segredo ou a receita mágica. Ora, não existem nem segredos, muito menos receitas mágicas. Mas há alguns pormenores que, porventura escapam e que, poderão explicar esta longevidade. Creio que há um ponto fundamental, aquele que de facto justifica o prolongar da carreira desportiva, mesmo quando os resultados não são os de outros tempos. Paixão! Desde o primeiro momento que deslizei em cima de uma prancha de windsurf, movido por mais nada do que o vento, onde o único som que se ouvia era o da água a acariciar o casco da prancha, que soube que era aquilo que queria fazer para o resto da minha vida. Nos 35 anos seguintes, a prancha à vela foi um maravilhoso instrumento de descoberta. De descoberta da minha ilha, das restantes ilhas do arquipélago e depois, do mundo. Todo o mundo. Mas também foi o instrumento que me levou a conhecer-me profundamente. Descobri as minhas limitações, os meus medos, mas também esta inocência e deslumbramento, que muitas vezes se confunde com coragem. Constatei a capacidade que o ser humano tem em ultrapassar limites, a força que um sonho pode ter, a energia que surge do nada para alcançá-lo. Não se pense que tudo foram rosas nestas mais de três décadas de entrega a esta modalidade. Nem sempre o vento soprou de feição. E vezes houve em que pensei não ter mais motivação para continuar a explorar os limites. Mas aí, saía de casa, com os meus “brinquedos” no carro e partia à procura dessa motivação. Numa ilha como a nossa, cuja orografia proporciona tantos microclimas, que resultam em condições tão díspares, é sempre possível encontrar um local que corresponda exactamente aquilo que procurávamos, mesmo se à partida, não soubéssemos o que pretendíamos. E aqui, reside mais um ponto que explica porque ainda hoje, é na Madeira que mais gosto de treinar. Diversidade! Se tivesse sempre velejado, por exemplo, no Funchal, provavelmente teria me tornado um expert nas condições do Funchal. Mas seria isso mesmo. Um expert nas condições que o Funchal tem para oferecer. Ora, convenhamos, isso é um pouco limitado. Para além de que, ao final de alguns anos, estaria literalmente farto de velejar sempre no mesmo local, com as mesmas condições, conhecendo todos os recantos e segredos da baía, adaptando a minha técnica e o equipamento ao tipo de onda da capital madeirense. O que significaria também que, quando saísse para treinar ou competir noutro local, teria muita dificuldade em me adaptar a condições distintas. Embora reconheça que, no que concerne à logística do transporte de equipamento, o windsurf leva vantagem sobre todas as outras classes de vela ligeira, espanta-me que mais velejadores não aproveitem o potencial que o arquipélago tem para oferecer, que resulta na capacidade de se adaptar a qualquer, repare-se, qualquer condição de vento e mar. Há anos atrás, contaram-me a história de um velejador argentino que foi campeão do mundo de Optimist. O que me chamou particularmente a atenção, foi o facto de este jovem viver a centenas de quilómetros do mar! Todos os fins de semana, nas férias, os seus pais conduziam durante horas até um local onde ele pudesse treinar em mar aberto. Resultou num campeão do mundo. Entretanto, perdi-lhe o rastro, mas não me espantaria se fosse um dos velejadores que hoje em dia disputa medalhas em classes olímpicas. Nós por cá, numa hora, vamos até qualquer ponto da ilha. Talvez seja hora de aproveitarmos esta dádiva. J.R. (nov.15)


4.

PLANETA AZUL

velamadeira

Já não é nenhuma novidade que o nosso Planeta e os seus Oceanos precisam de ajuda. Sim de ajuda para proteger o que está em perigo e que tem um inimigo comum: A POLUIÇÃO criada por todos nós. A nossa rubrica PLANETA AZUL vem no sentido, de todos juntos adquirirmos a consciência ambiental e de proteção da natureza e dos nossos OCEANOS que tanto amamos. Os cientistas estimam que para salvaguardar as plantas e os peixes marinhos, 30% dos oceanos do mundo precisam ser protegidos., no entanto menos de 3% dos oceanos têm atualmente a proteção adequada. Foi à 44 anos que foi criada a Reserva Natural das ILHAS SELVAGENS, a 1ª em Portugal! Parabéns às nossas ilhas, ao Parque Natural da Madeira, aos vigilantes da Reserva e a todos os que direta ou indirectamente contribuem para este tesouro natural da Madeira. As reservas marinhas, tal como as que temos aqui no arquipélago da Madeira, são lugares de proteção nos oceanos, tanto para plantas como para os animais marinhos. Para nossa alegria no passado mês de outubro nasceram mais duas crias de Lobo Marinho na Reserva Natural das Desertas, mas infelizmente nem tudo são boas noticias. A Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação, FAO, ALERTA que muitos milhões de pedaços de plástico se encontram neste momento a flutuar nos nossos oceanos. É fácil percebermos que todo este plástico e todo o lixo que anda à deriva nos mares, coloca em perigo toda a vida marinha e com certeza tem um impacto nefasto na cadeia de abastecimento alimentar que vai do plâncton a mariscos, peixes, mamíferos marítimos e naturalmente a nós, seres humanos. Os Resíduos plásticos que se encontram À deriva e nos fundos dos oceanos, podem e são ingeridos pela vida selvagem causando uma autêntica tragédia nos inocentes animais marinhos. As tartarugas são umas das vítimas mais frequentes, como sabemos estes animais confundem o plástico com a sua alimentação, o que lhes provoca asfixia e em muitos casos a sua morte. As Ilhas de Lixo De acordo com a agência, enormes ilhas de lixo flutuantes, foram recentemente localizadas nos oceanos Atlântico e Pacífico, não será assim tão difícil de imaginarmos a tristeza que será encarar um cenário destes. Vamos acreditar e sim!


5.

AGENDA

Calendário Provas DEZ|FEV

Próxima Edição Newsletter Março 2016

velamadeira


6. À CONVERSA COM ...

velamadeira

Nuno Rodrigues VELEJADOR DA CLASSE MICRO MAGIC ASSOCIAÇÃO NÁUTICA DA MADEIRA

Sabemos que o Nuno é um aficionado pela vela e que agora se dedica ao Micro Magic. O atleta da Associação Náutica da Madeira tem alcançado excelentes resultados nas competições, quisemos saber mais acerca do atual Campeão Nacional e Vice Campeão Europeu da modalidade que esteve em análise na nossa Newsletter anterior ...

Bom dia Nuno, já lá vão uns anos desde que teve início esta paixão pela vela, certo? N.R (Nuno Rodrigues): Pode se dizer que sim, sou de facto um aficionado do mar e da vela e tudo começou em 1986, incentivado pelo meu pai tive a oportunidade de aprender a velejar num curso da DRJD, daí em diante não larguei mais esta modalidade, tendo sido atleta do Centro de Treino de Mar e posteriormente da Associação Náutica da Madeira. Recordo-me do meu primeiro campeonato, das escolas de vela, na classe Optimist, que se disputou em Porto Santo, estávamos em 1987 e esta foi uma experiência bastante positiva para mim na qual ficou o gosto pela competição. Ao longo deste trajecto tive a oportunidade de treinar e ser treinado com diferentes pessoas com os quais aprendi muito, recordo-me que com o meu primeiro treinador, o Ricardo Sá, aprendi a importância da táctica da Regata, como o Nuno “Fanta” aprendi a divertir-me ainda mais com a vela e com o António Vieira a procurar sempre ultrapassar os meus limites. O seu percurso competitivo na Vela tem já alguns anos, quais as provas ou resultados que evidência nesse trajeto? N.R: Participei em diversas provas, de nível Regional, Nacional e Internacional, recordo-me do meu primeiro campeonato Nacional na classe Optimist, que foi em 1992 e apesar de ainda bastante jovem já gostava de sair e conhecer novos campos de regata e também competir e aprender com outros velejadores de fora da Madeira. No ano de 1997, realizou-se na Grécia o campeonato Europeu, estava eu no escalão de juniores e a representar o nosso país e consegui obter um 3º lugar que me deixou muito satisfeito. Três anos depois fui apurado para o campeonato do mundo, que se realizava no Brasil e no qual consegui trazer a medalha de Bronze para Portugal. Agora que está focado na classe de Micro Magic, como analisa o panorama regional e Nacional desta modalidade? N.R: A Madeira tem neste momento o melhor grupo de praticantes e até impulsionadores desta modalidade a nível nacional, com um núcleo de pessoas que mantêm viva a chama e que são reconhecidos a nível internacional, este facto ficou bem patente nos discursos registados no último campeonato Europeu de Vela organizado na baía do Funchal no passado mês de Setembro.


À CONVERSA COM… NUNO RODRIGUES

velamadeira

O Campeonato Europeu de Micro Magic de 2015, que se realizou aqui na região e que teve como cenário a Baía do Funchal, foi considerado por todos um evento de sucesso e contou com a excelente organização do Núcleo de Micro Magic da Madeira e no qual pudemos assistir a uma excelente prestação dos atletas madeirenses com especial relevo para o 2º lugar alcançado pelo Nuno. Fale-nos um pouco de como foi vivenciar esta prova de âmbito internacional aqui na Madeira. N.R.: Foi realmente uma prova bem conseguida a todos os níveis, bem organizada pelo núcleo de Micro Magic da Madeira, com o apoio logístico da ARVM e claro fiquei muito satisfeito com o resultado alcançado e igualmente pelo feed back que foi sendo expresso pelos outros competidores de outras nacionalidades que não se cansaram de elogiar a prova e também o local escolhido, a bela ilha da Madeira. O balanço final foi muito positivo. Quais são os seus próximos objetivos? N.R. : Em primeiro lugar continuar a competir e daí retirar prazer como até agora vem acontecendo e claro ter uma boa prestação no próximo Europeu, que como já é oficial vai acontecer em 2016 na Holanda, e uma boa prestação seria trazer a taça para a Madeira. Sabemos que é um pai orgulhoso de uma menina e um rapazito, como consegue conciliar este exigente papel de pai e marido com os treinos, as provas, a sua empresa/compromissos profissionais ? N.R: Realmente não é fácil, mas quando se faz o que se gosta vamos conseguindo nos organizarmos e assim tentar ter alguma disponibilidade para estar em todas as frentes, dou-te o exemplo do horário dos meus treinos que atualmente têm sido, e quando posso, depois das onze da noite. Tem alguma mensagem ou história que queira partilhar com os praticantes de Vela especialmente os mais novos? N.R.: Estávamos em 1997 e no campeonato da Europa de juniores na Grécia e quando me encontrava em plena regata sentia que os meus joelhos não paravam de tremer, não paravam mesmo e não era de frio! e assim foi do inicio ao fim, procurei concentrar-me na prova e não deixar a ansiedade que estava a sentir afectar-me e consegui no final um bom resultado. Superei essa ansiedade e nervosismo e ficou a aprendizagem que a pressão pode ser bem gerida e os bons resultados são possíveis de atingir. Para os mais jovens deixo a mensagem para se aplicarem nos treinos e lembro que o sucesso desportivo é uma consequência da dedicação do atleta e do bom acompanhamento técnico. N.R.: Como nota final gostaria de agradecer em primeiro lugar à minha família por permitir que possa continuar a treinar e a competir e também ao meu patrocinador a Liquid PC.pt – Finest Computers e aproveito para enviar um abraço para todos os que fazem parte da Vela Madeira. Agradecemos a disponibilidade e simpatia demonstrada pelo Nuno Rodrigues aquando do nosso convite para a rubrica à conversa com... (out 2015)


7. PARCEIROS

velamadeira

Institucionais

Nota Final Não podemos deixar de agradecer e realçar a forma como os nossos parceiros têm colaborado com a Vela na Madeira, através das parcerias realizadas e valiosa colaboração na concretização do calendário de provas e actividades da Associação Regional de Vela da Madeira. Um caminho comum de colaboração em prol dos nossos jovens, do desporto náutico e da elevação do nome da Vela, dentro e fora da Madeira. A todos, o nosso Obrigado!


velamadeira

I Newsletter novembro  

ARVM - I Newsletter novembro

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you