Issuu on Google+

i 31­01­2012

Periodicidade: Diária

Temática:

Economia

Classe:

Informação Geral

Dimensão:

378

Âmbito:

Nacional

Imagem:

S/Cor

Tiragem:

80000

Página (s):

14

SINAL DOS TEMPOS

A autonomia de gestão dos portos comerciais A equação que se impõe resolver é como optimizar as estruturas e com os mesmos recursos obter os melhores resultados e aumentar o volume de negócios

Renato Sampaio

Chegados aqui a equação que se impõe resolver reside em como conseguir opti mizar as estruturas dos portos e com os

resultados alcançados A carga tem aumentado de modo significativo em todos os portos em geral e muito espe

mesmos recursos obter os melhores resultados satisfazer os clientes finais

cialmente em Leixões o que tem permi

para aumentar o volume de negócios e

investimentos e distribuir dividendos ao

assim tomar mais competitivas as nos

accionista Estado

sas exportações ajudando a nossa eco nomia a crescer Esta deve ser a princi

fortes investimentos no Centro de Coor

pal preocupação dos decisores políticos O facto de Portugal ser um país perifé rico voltado para o Atlântico e possuir apenas uma fronteira terrestre pesa deci sivamente na sua vocação atlântica razão que favoreceu ao longo da sua história o desenvolvimento de um equilíbrio geo político entre a sua vertente marítima e europeia

A sua localização geográfica com a sua frente marítima fez com que se afirmas se como uma das principais portas de comunicação da Europa com o exterior

particularmente com África e os países de expressão e língua portuguesa com o continente americano o Brasil e os EUA estabelecendo se ainda como um

ponto de ligação entre o Norte da Euro pa atlântico e o Sul da Europa mediter rânico

Daqui se infere a importância do sec tor marítimo portuário que deve cons tituir para nós uma prioridade dentro da política de transportes sobretudo hoje quando as autevestradas marítimas estão em franco desenvolvimento Actual

mente as novas tecnologias de transpor te marítimo são um elemento eficiente

e é neste ponto que devem concentrar as suas atenções Até aqui as administrações portuárias em Portugal têm assumido a forma de sociedades anónimas de capitais exclu sivamente públicos com autonomia de gestão mas que gerem os seus desti nos dentro de uma estratégia nacional mais ampla definida pela tutela crian do assim excelentes condições de ope racionalidade

A operação nos portos portugueses é executada na sua grande maioria por operadores privados através de conces sões modelo que se tem revelado de grande eficácia e produtividade ao mes mo tempo que são promovidos avulta dos investimentos por ambos os secto res público e privado A associação do público e do privado com áreas de actuação bem definidas e complementares tem se mostrado acer

tada garantindo a defesa do interesse público ao mesmo tempo que se obtêm ganhos de operacionalidade A eficácia do actual modelo de gestão que não é novo em Portugal mais de 150 anos fica bem demonstrada pelos

tido gerar recursos para os seus próprios

No porto de Leixões foram realizados denação e Segurança no aprofundamen to do Canal de Navegação no Terminal Multiusos dedicado às auto estradas do

mar na ponte móvel na portaria única e na via dedicada dos acessos e no ter

minal de cruzeiros o que aliado a uma gestão criteriosa e rigorosa permitiu a

sua afirmação como principal porto do Noroeste peninsular Tudo isto se fica a dever a uma estra

tégia que passa não só pelo desenvolvi mento no segmento da carga contento rizada mas também pela consolidação

no segmento dos granéis e reforçada agora pela construção do novo termi nal de cruzeiros que permitiu a sua entra da na rota de cruzeiros turísticos o que em muito contribuirá no futuro para o desenvolvimento do turismo na região

Os resultados obtidos e o caminho per corrido constituem razões suficientes

para não alterar o modelo de gestão dos portos Pelo contrário devemos manter a sua autonomia e sobretudo reforçar o seu papel na economia nacional rejei tando a visão centralista que campeia nas hostes governativas Deputado do PSpelo Porto Escreve às ter ças feiras

e respeitador do meio ambiente no sis tema de transporte mundial por permi tirem concentrar os fluxos de mercado

rias dos itinerários marítimos reduzir

por

o congestionamento rodoviário e melho rar a comunicação entre os estados e as regiões periféricas e insulares É aqui que ganham relevância os tos comerciais nacionais O seu posicio namento perante a concorrência inter na e externa num mundo onde se exi gem padrões cada vez mais elevados de eficiência tem nos lançado numa com petição constante com vista a se cada vez mais eficazes mais produ tivos e a aumentar os níveis de qualida de dos serviços Batalha que têm vencido com resultados dignos de registo Neste momento em Portugal o deba te em torno desta matéria centra se no

modelo de gestão

tornarem


A autonomia de gestão dos portos comerciais