{' '} {' '}
Limited time offer
SAVE % on your upgrade.

Page 1


2 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018


3 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018


4 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018


CANADÁ

ARGENTINA

EUA

CHILE

URUGUAI

MÉXICO FALAR ILIMITADO E USAR SUA INTERNET NO EXTERIOR COMO VOCÊ USA NO BRASIL. ISSO É NOVO. CHEGOU O PASSAPORTE AMÉRICAS.

POR APENAS R$ 9,99 A MAIS POR MÊS, VOCÊ USA SEU CLARO PÓS ILIMITADO NOS PRINCIPAIS PAÍSES DO CONTINENTE AMERICANO COMO SE ESTIVESSE NO BRASIL. E O MELHOR: ASSINANDO AGORA, VOCÊ GANHA AS 6 PRIMEIRAS PARCELAS. E AÍ, TÁ DENTRO?

9,99 =

R$

/MÊS

LIGAÇÕES ILIMITADAS E SEU PACOTE DE INTERNET NOS PRINCIPAIS PAÍSES DO CONTINENTE AMERICANO

Ligue para *468, baixe o app Minha Claro ou acesse claro.com.br/passaporteamericas Esta oferta não permite o uso dos serviços de voz, sms e dados do plano Pos de forma permanente no exterior, ou seja, o cliente não poderá permanecer por períodos maiores que 30 dias usando os serviços somente em roaming internacional sem qualquer utilização no Brasil. Não estão incluídos na oferta as ligações e SMS originados para países diferentes do Brasil e que não sejam do mesmo pais que o cliente está visitando. Caso isso ocorra, o cliente será cobrado da tarifa padrão em roaming internacional. Oferta Passaporte Américas válida para o cliente pessoa física Pós que tiver ativado um Plano GIGA ou Mais. Oferta com valor anual de R$ 119,88 dividida em 12 parcelas de R$ 9,99. Promocionalmente o cliente elegível ao benefício que ativar a oferta até 30/11/2017, não pagará as 06 primeiras parcelas. Após os primeiros 12 meses de contratação segue a cobrança mensal de R$ 9,99. Oferta sujeita a análise de crédito e cobrança antecipada das parcelas pendentes de pagamento em caso de cancelamento antes de 12 meses. Benefício das ligações ilimitadas no exterior visa exclusivamente promover a comunicação particular entre pessoas. Consumida a franquia de dados, o cliente poderá continuar navegando no exterior pagando a tarifa diária de internet em roaming internacional (R$ 29,90). Consulte mais informações no regulamento em www.claro.com.br/passaporteamericas

5 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018


Carta de Abertura

2018 chegou trazendo consigo grandes novidades! partir de agora, a Let’s Go A Bahia pertence a uma nova editora e está 100% sob nova direção. Com novos donos, assumimos por completo a direção da revista, buscando fazer desta publicação algo ainda melhor para oferecer aos nossos leitores.

No ano que começa, quem não pretende colocar as ideias em ordem, cuidar da saúde e fazer um bom planejamento? É neste clima de recomeço que apresentamos a você, leitor, a primeira edição de 2018 da Revista Let’s Go Bahia, que chega cheia de novidades com um conteúdo robusto que retrata a Bahia e o baiano como eles merecem: com prestígio! A palavra de ordem para este começo de ano é foco! Não poderíamos iniciar 2018 sem que trouxéssemos um bom exemplo de mudança de vida na nossa revista. Assim, apresentamos a história do publicitário e autor do livro “A Aposta”, Fabiano Lacerda, que, com determinação, perdeu mais de 100 kg e mudou completamente a sua rotina. É, de fato, uma história para nos inspirar e fazer repensarmos os nossos hábitos e a qualidade de vida. Aliado a isso, a publicação está repleta de matérias e artigos que nos ajudam a organizar melhor cada dia do ano. Não deixe de conferir a Coluna Plano B, de Claudia Giudice; o texto inspirador da publisher baiana, Sandra Teschner; as dicas para um envelhecimento saudável, do Dr. Leonardo Salgado, na Coluna Saúde; as experiências de Marcelo Sampaio pelo Japão, na Coluna Garimpando Life; as dicas de destino turístico de Mario Bruni; a moderníssima coluna de Diego Oliveira, na seção Spot; a coluna Conectados, do irreverente Ildázio Tavares Jr.; entre tantas outras que, com cer6 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018

teza, agregarão a você ainda mais conhecimento. Aproveito para dar as boas-vindas aos nossos novos colunistas: Roberto Nunes, Autos e Motos; Aline Hermida, Jardinagem; Daniel Oliveira, Music; Andréa Castro, Decoração; Renata Dias, Entrelinhas; Tereza Paim, Gastrô; Fernando Machado, Reflexões; e Luciana Accioly, De Olho nas Telas. O conteúdo da revista traz também matérias interessantíssimas como a de Turismo, que mostra o charme, a história e a preservação da Fazenda Engenho D’Água, localizada em São Francisco do Conde, no interior da Bahia; a de Pets, alertando sobre os cuidados com os animais; e a seção Business, que traz exemplos de empresários que ignoraram a crise e continuaram empreendendo e movimentando a nossa economia. Em Decoração, damos sequência à série de matérias sobre “mesa posta”, destacando a decoração de uma mesa bem-arrumada como estímulo para usufruir desses momentos em família. Em Gastronomia, compartilhamos a tendência do mercado artesanal e da alimentação saudável. A seção Educação traz uma matéria muito rica sobre o uso de tecnologias nas escolas baianas. Nosso editorial de moda está imperdível. A New Face Letícia Valverde estrelou peças do Compritchas Brechó, apresentando uma diversidade de estilos que vão desde o clássico D&G até a graciosidade da FARM, até porque chic mesmo é pagar pouco, como você pode conferir na matéria de moda. Entre outras tantas reportagens interessantes, preparamos uma matéria sobre o Carnaval, que está uma verdadeira poesia.

Ainda nesta edição, confira o Especial Bairros e o Especial Patrimônios. Dois projetos através dos quais contaremos a história da evolução dos bairros e mostraremos os patrimônios mais famosos da capital baiana. O bairro da Barra e o Forte da Capoeira (Santo Antônio Além do Carmo), onde foi realizada a festa de aniversário de nove anos desta publicação, em novembro de 2017, estreiam os especiais. Aproveitem, a revista está maravilhosa! Por fim, agradeço aos colunistas, articulistas, jornalistas colaboradores e à nossa equipe de staff por compartilharem e produzirem tão bom conteúdo para as nossas páginas; os nossos anunciantes por nos prestigiarem a cada edição; e a Ademar Albuquerque, que depois de nove anos à frente desta publicação, nos passou o bastão para que, a partir de agora, a V2M desse prosseguimento à direção da Let’s Go Bahia. Ao meu lado, conto com a competência da empresária de Comunicação, Monique Melo, que assume a diretoria de Redação; Mani Monteiro, na diretoria de Marketing; e Valter Cruz, à frente da diretoria financeira. Juntos, com compromisso, seguimos mostrando o lifestyle baiano a você, leitor. Boa leitura!


Índice Beleza que se põe na mesa Eles venceram a crise

Expediente 12 23

Publisher

CONSELHO EDITORIAL

Verônica Villas Bôas veronica.villasboas@letsgobahia.com.br

REDAÇÃO

DIRETORA - Monique Melo

monique.melo@letsgobahia.com.br

CONSELHEIROS:

DIRETORA - Monique Melo

A era dos negócios das redes sociais

40

EDITORA - Aleile Moura aleile@letsgobahia.com.br

Claudia Giudice Diego Oliveira Fabio Lima Waleska Rochaat Tereza Paim

Land Lovers

47

JORNALISTAS

MKT & MÍDIAS DIGITAIS

Daniel Oliveira Laís Matos Redacao@letsgobahia.com.br

DIRETORA - Mani Monteiro mani.monteiro@letsgobahia.com.br

Portugal

52

Bahia intimista Barra de portos abertos

monique.melo@letsgobahia.com.br

58 64

Carnaval de Salvador

72

Sérgio Bezerra - entrevista

76

Matéria de capa - Fabiano Lacerda

78

Gastronomia saudável

87

Experiência gourmet

92

O robôs invadiram a sala de aula 104

JORNALISTAS CONVIDADOS

COMERCIAL DIRETORA - Verônica Villas Bôas veronica.villasboas@letsgobahia. com.br comercial@letsgobahia.com.br

Andrea Castro Filipe Moreira Luciana Accioly Mateus Pastori Simone Ribeiro

ESTAGIÁRIA - Amanda Cordeiro amanda.cordeiro@letsgobahia. com.br

COLUNISTAS Andrea Castro Adriana Cravo Aline Hermida Claudia Giudice Daniel Oliveira Diego Oliveira Fernando Machado Gabriela Ponce Ildazio Tavares Leonardo Salgado Luciana Accioly Marcelo Sampaio Márcia Damasceno Mário Bruni Renata Dias Renata Rangel Roberto Nunes Stefano Dias Tereza Paim

Decoracao Lifestyle Jardinagem Plano B Música Spot Reflexões Sessão Pipoca Conectados Saúde De olho nas telas Garimpando Beleza Turismo Entrelinhas Moda Autos & Motos Social & Eventos Gastrô

PUBLICIDADE Rocha Comunicaçao www.rochacomunicacao.com.br

ASSESSORIA DE IMPRENSA & RP Texto & Cia Assessoria www.textoecia.com.br

ASSESSORIA JURÍDICA Dr. Marcus Vinícius Peixinho Oab/ba 29517

ARTICULISTAS CONVIDADOS

IMPRESSÃO

Ana Coelho André Dória Cristina Seixas Graça Fernando Farias Maurício Magalhães Patrícia Justa Rosine Kadamani Sandra Teschner Tatiana Feuchard

Grafica Halley www.halleysa.com.br

DISTRIBUIÇÃO JR Logística www.jrlogisticaserv.com.br

Pets

108

FOTOGRAFIA

Chic é pagar pouco

114

Jotta contato@jottafotografia.com.br

Editorial de Moda

122

REVISÃO

V2M EDITORA LTDA

Gabriela Ponce

Lets go again

144

Av. Tancredo Neves, 909 Edf. Andre Guimarães Business, sala 1.213 Caminho das Árvores Salvador/BA Tel.: 071 3599.7258

Forte da Capoeira

162

Roberto Abreu photo@robertoabreu.com

DEP. DE EDITORAÇÃO E ARTE DIRETOR - Luiz Artur de Sá Menezes artur@letsgobahia.com.br

www.letsgobahia.com.br

7 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018


Garimpando

Japão, sob a proteção de

Buda

Marcelo Sampaio

P

arece que tudo ao seu redor está em absoluto e pleno equilíbrio. As pessoas, com o olhar sereno, transitam de um lado para o outro elegantemente, sem que ninguém esbarre ou atrapalhe ninguém. Fuso de 12 horas a mais. Será esse o motivo de um país como o Japão estar tão à frente da nossa cruel realidade? Os japoneses são altamente dotados de civilidade, educação, respeito e cultura, elementos indispensáveis para o crescimento de qualquer povo e qualquer nação, o sentimento ali é de êxtase. Esse lugar existe!

Apresentador e influenciador digital @garimpandolife

Os japoneses são bastante minimalistas e dedicados

Pela segunda vez, garimpei o Japão, e agora acompanhado da minha família. Indescritível a sensação de ir para tão longe em busca de novidades junto daqueles que tanto amo. Indescritível apresentar ao meu filho aquilo que sempre contei de minhas experiências passadas, mostrando a evolução verdadeira de todo um povo dotado de equilíbrio pleno. O Japão merece respeito. O Japão merece respeito e elogios infinitos, afinal de contas não estamos acostumados a andar por ruas absolutamente lotadas de gente e ao mesmo tempo completamente limpas e organizadas. Não estamos acostumados com preços iguais de produtos idênticos independente da lo8 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018

Arquivo pessoal

Arquivo pessoal

calização e do status do local onde os mesmos são comercializados. Não estamos acostumados a perguntar a desconhecidos um determinado caminho e esse alguém acompanhar-nos até o destino final. Enfim, acho que, na verdade, estamos desacostumados com tudo aquilo que seria óbvio e correto em um convívio social evoluído.

O Japão merece respeito e elogios infinitos

Poder visitar templos, palácios e santuários centenários ou milenários e ao mesmo tempo caminhar entre contemporâneos edifícios com designs alucinantes é algo inexplicável.


Garimpando

Arquivo pessoal

danado caiu sobre nós e a sensação de poder correr e brincar na neve em um cenário tão espetacular com vista para o Monte Fuji foi realmente mágica. Cenas que não apagaremos jamais de nossas memórias.

A segunda vez que garimpei o Japão foi acompanhado da minha família e foi uma experiência indescritível

Assim tivemos experiências em Tóquio e Osaka, duas megametrópoles futuristas que arrasam em todos os sentidos. Sou apaixonado por Tóquio! Cidades mais clássicas como Kyoto, reduto das autênticas gueixas japonesas, e Nara, maior centro budista do país, já apresentam ambientes mais comportados e tradicionais, também dotados de tamanha beleza e muita história local. Hiroshima bate de frente, forte e ao mesmo tempo leve. Como podem lidar com tanta clareza e espiritualidade com um evento tão destruidor que até hoje deixa marcas? Sim, podem e conseguem. Os japoneses são bastante dedicados e minimalistas e lá conseguimos observar muito bem essas características no artesanato apresentado e na gastronomia oferecida. Um verdadeiro luxo. Detalhe do detalhe. Tudo encantador e delicioso! A hotelaria especial e sofisticada sempre entrega toques e mimos bem típicos, de forma elegante, deixando-nos mais do que satisfeitos. A Kangaroo Tours conduziu nossa jornada com maestria

em um roteiro-boutique costurado à mão, afinal, foram quase vinte dias garimpando inúmeras belezas com toda a expertise que uma agência/ operadora Triple A possui. Em Hakone, tivemos uma experiência fantástica. Foram dois dias em que vivenciamos a autêntica experiência de uma

Os japoneses são altamente dotados de civilidade, educação, respeito e cultura, elementos indispensáveis para o crescimento de qualquer povo e qualquer nação, o sentimento ali é de êxtase. Esse lugar existe!

casa japonesa, em um Riokan. Hakone é uma cidade situada no alto da montanha, bem próxima ao Monte Fuji, com lagos ao redor. Um paraíso. Lá, dormimos em um quarto com tatames, muito confortáveis, e ficamos o tempo todo vestidos com quimonos. A gastronomia é toda autêntica e absolutamente surpreendente. Um frio

Em todos os cantos que passamos enxergamos beleza e religiosidade com absoluta entrega. Equilíbrios constantes. Assim como os Tsurus, que são o símbolo da saúde, da boa sorte, felicidade, longevidade e da fortuna, a fé que contemos em nosso íntimo pode ser transformadora, basta sabermos conduzi-la da forma mais correta. Assim lidam eles com as diversidades do dia a dia. Conta a lenda japonesa que o Tsuru pode viver até mil anos. É considerado o pássaro companheiro dos eremitas que se refugiavam nas montanhas para meditar, acreditando possuírem poderes sobrenaturais para não envelhecer. Um garimpo desses é uma universidade para a vida, é um presente da evolução dos tempos. Temos que, constantemente, estar em busca desse não envelhecimento do espírito e da mente, presenteando nossos corpos com as melhores das intenções. Filosofia de vida plena sempre caminhando de encontro ao bem. Que a paz e a luz dessa filosofia possam contagiar-nos a cada dia, a cada hora, a cada instante, de forma infinita e consciente. Esta é a minha mensagem para cada leitor da Revista Let’s Go Bahia, em 2018. Vamos garimpar os aprendizados da Terra do Sol Nascente. 9 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018


Plano B

Faça uma

lista egoísta, só para você. F

azer listas é mania de muita gente. Elas são divertidas, atiçam a curiosidade e organizam e hierarquizam o senso comum. Lista de lugares para visitar antes de morrer, de amigos e amores. Lista dos 10 melhores hotéis. Lista das 10 melhores músicas e dos 10 melhores livros. Lista dos mais ricos e poderosos. Lista dos mais belos e famosos. Lista de coisas para fazer sempre que começa um novo ano. Gosto de fazer listas de planos e projetos. Coisas que pretendo realizar até o ano seguinte, quando faço uma nova lista. Coisas que sonho pôr em prática antes de fazer 60 anos. E, finalmente, coisas para fazer amanhã, que são e serão sempre proteladas até amanhã, amanhã e amanhã. Por que gostamos tanto delas? Acho que as listas são um compromisso secreto conosco. Também são uma forma de planejar a vida e organizar a mudança, seja para onde ela for. O início de um novo ano inspira esse movimento. O Carnaval acabou. O verão está no finzinho e aquela lista de desejos rascunhada no dia 31 de dezembro urge ser colocada em prática. Dieta? Trabalho novo? Viagem? Mudança? Separação? Ter um plano B para chamar de seu? Qualquer que seja a sua vontade, o jeito de fazer acontecer parte do mes-

10 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018

mo princípio: desejo + planejamento + ações.

Desejo Começar por ele é bom. É uma motivação egoísta, como a provocação do título acima. Afinal, o que você realmente deseja? Qual a sua vontade mais secreta? Por que não aproveitar o momento para

“Quando dá tudo

errado, quando os planos naufragam, quando o risco é eminente, é comum você ouvir a pergunta: “Qual é o plano B?”.

colocá-la definitivamente em pauta e em prática? É por meio de palavras ditas e escritas que os sonhos se transformam em realidade. Garanto. Aconteceu assim comigo há exatos dez anos, quando em uma terça-feira de Carnaval manifestei o desejo de ter uma pousada na Bahia, pé na areia. Dei sorte porque a minha interlocutora tinha o mesmo desejo. Anos

Claudia Giudice Jornalista, escritora e mãe de Chico depois da minha fala, o desejo se realizou em forma de tijolo, telhado e CNPJ. Se eu não o tivesse dito, talvez o desejo ainda estivesse ali, escondido e reprimido, no fundo do meu saco de quimeras. Como fazer? Simples. Caderno e lápis. Escolha um momento tranquilo ou de tédio. Fiz uma das listas mais importantes da minha vida quando esperava uma palestra do então candidato à presidente Eduardo Campos. A palestra não aconteceu porque, infelizmente, ele morreu naquele acidente de avião. Já a minha lista, posta em prática em sua maior parte, segue guardada, bem guardada, no meu baú de coisas importantes. Escreva na lista tudo o que vier à cabeça. Coisas que podem parecer muito malucas, como voltar à faculdade para estudar Filosofia, aprender a pilotar avião ou tirar um ano sabático para viajar o mundo. Não esqueça também de coisas simples, como rever os custos fixos, promover cortes de itens desnecessários e melhorar a poupança para a inexorável aposentadoria. Faça a lista a lápis, porque tudo pode mudar sempre. Se não desejar mais aquilo para você, apague e escreva um novo desejo.


Plano B

Planejamento Feita a lista de desejos egoístas muito desejados, sugiro fazer um segundo rol com prioridades e, a partir dele, definir um plano de ação. Esse é o tal do planejamento, às vezes tão chato de fazer, sempre tão necessário para a vida andar para frente e no rumo certo. Planejar nada mais é do que olhar para o futuro e prever o que você precisa fazer hoje para ser feliz amanhã. Como planejar com antecedência a compra do bilhete aéreo para viajar no Réveillon e pagar um terço do preço. Como convocar os colaboradores mais importantes para se planejar em grupo a estratégia de crescimento da sua empresa. Qualquer ação planejada tem mais condições de ser bem-sucedida e eficiente. Sou das antigas. Gosto de planejar também com lápis e papel. Neste caso, uso agenda ou calendário para marcar nos dias os futuros passos. Se estiver na lista ter mais um plano B para chamar de meu, defino as ações em uma perspectiva de tempo para não deixar a vontade boiando no amanhã. Parece bobagem. Não é. Ajuda a organizar. Gera um compromisso. Traz seriedade. Simplifica o processo de definir as ações.

Patrimônio pessoal A lista está pronta. O desejo de mudar e de criar algo diferente está lá, mas você ainda não sabe por onde começar? Sempre que isso acontece comigo — e não é raro —, recorro ao meu patrimônio pessoal para criar os meus planos e novos projetos. “O que é patrimônio pessoal?”, você deve estar se perguntando. “Qual é o meu/seu?” A resposta é bem simples. Trata-se de tudo

aquilo que vivemos, fizemos e experimentamos ao longo da vida. Trata-se também do impacto da história familiar e do DNA em nossa existência. Patrimônio pessoal é tudo aquilo que você sabe fazer, gosta de fazer, aprendeu a fazer e guardou lá no fundo da memória. Existem coisas, inclusive, que você nem lembra que sabe e que faz. Ele é intangível. Ele é pessoal e intransferível. Acredite, ele é a sua fortuna. Seu bem mais precioso. Para acessá-lo, o único caminho é olhar para si. Mergulhar. Vasculhar a memória. Passear pelos álbuns de fotografia. Revirar o passado, reencontrar a agenda da adolescência. Ali podem estar coisas escondidas, fundamentais para o seu futuro. Se você faz terapia, melhor; peça ajuda ao seu analista para navegar por esses mares densos e profundos. Para ajudar nessa busca, segue uma lista de cinco itens para você pesquisar: 1 - DNA. Faça um scanner do seu DNA. Quais são suas características, talentos e dificuldades mais instintivas e naturais? 2 - História. Papel e lápis na mão, escreva os fatos mais importantes da sua vida. 3 - Conhecimento. O que você conhece e domina profundamente? 4 - Experiência. O que você fez de mais relevante ao longo da vida?

5 - Fracassos e sucessos. Faça uma lista com até dez itens. Feito? Você tem em mãos uma fortuna. Use-a, sem moderação, para criar um plano B para chamar de seu.

O que é o plano B? Quando dá tudo errado, quando os planos naufragam, quando o risco é eminente, é comum você ouvir a pergunta: “Qual é o plano B?”. Ou seja, qual a alternativa, qual a melhor saída? A voz rouca das ruas tem uma razão e uma origem. Sim, a letra B vem na sequência da letra A e a letra A é signo de excelência, de nota máxima, de coisa boa, do melhor. Pela lógica, portanto, se a alternativa A não está disponível, partimos para a alternativa B, igual ao lado B do antigo disco. Certo? Médio. O racional empírico é válido e lógico, mas não explica a origem da expressão, que, como milhares de outras, vem da língua inglesa. Plano B refere-se a “backup plan”, que em tradução livre e literal significa plano de apoio. Como os norte-americanos têm mania que encurtar palavras e expressões, no uso corrente “backup plan” virou “b.plan” e foi importado como plano B, sem maiores delongas. Elementar. Por isso, se quiser chamar o seu backup plan de Plano A, B,C, também vale. 11 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018


Decoração

Beleza

que se põe na mesa O ritual de sentar-se à mesa com quem se quer bem é sempre um momento de celebração. Portanto não precisa ocasião mais especial para tirar do armário a melhor louça, arrumar tudo com capricho e aproveitar. Por Andréa Castro

mundo contemporâneo, pautado no speed do cotidiano, carece de momentos de vida off-line, de olho no olho, conversa sem pressa e sem filtro, espontaneidade que faz da vida imperfeita algo mais repleto de sentido. Por isso, uma mesa linda de se ver e se viver é bem-vinda no dia a dia, quando queremos simplesmente estar com quem gostamos. E foi pensando nisso que trouxemos nesta edição mesas bem produzidas para simples momentos de descontração, sem motivos específicos, senão o de celebrar a vida.

14 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018

Divulgação

O

Patrícia Camacho priorizou o amarelo, por ser uma cor alegre e que remete à luz e refrescância.


Decoração

A arte de receber bem

Arquivo pessoal

montada especialmente para a Let´s Go Bahia, usei uma cor extremamente refrescante, que traz muita luz, é associada ao sol e faz brilhar, o amarelo”, afirmou. Patrícia optou também por objetos de cristal, visando à transparência que remete ao frescor da água. Além disso, utilizou o limão, também pelo frescor. A casca de limão siciliano com manjericão, por exemplo, foi usada para fazer a florzinha do cheesecake de maracujá, uma das comidinhas preparadas por ela. Outros elementos usados na composição foram os sousplats de vime, dando um toque rústico à mesa.

Dobradinha na mesa

Os marcadores de lugar personalizados mostram um cuidado especial com os convidados.

Trabalhar flores, frutas, a toalha, sempre pensando na harmonia dos espaços, nas formas e cores que se escolhe seria o primeiro passo, segundo Patrícia. “Na mesa de verão

Arquivo pessoal

A brasileira Patrícia Camacho, que vive em Boston (EUA), é uma dessas pessoas que gosta de caprichar para qualquer reunião em torno da mesa. Publicitária por formação, event planner e consultora, Patrícia se entrega com prazer a tudo o que faz. “Trabalhar com o belo é sempre maravilhoso”, declara. Mesmo no exterior, Patrícia encontrou incentivo para colocar em prática a sua paixão e ainda fez disso um ofício. Os amigos começaram a pedir para ela montar as mesas quando iam receber visitas e os trabalhos foram surgindo. “Eu utilizava o que eles já tinham, era só uma questão de composição. O mais importante é mostrar o cuidado e carinho que se tem com quem você vai receber”, ressaltou.

Decidimos juntar uma dupla de craques da decoração, referências em suas especialidades, para produzir duas mesas lindas e descontraídas, perfeitas para um almoço entre amigos. A empresária Wilze Barbosa e a designer floral e também empresária Luciana Pon-

Wilze e Luciana utilizaram arranjos de flores com frutas tropicais como carambola e limão siciliano para dar ainda mais cores e leveza à produção.

dé capricharam nos detalhes para inspirar encontros felizes. “Fizemos uma composição colorida, alegre e leve! E o que não poderia faltar: flores! Sempre!!! Vasos com flores baixas para alegrar sem exageros e não atrapalhar”, declarou Luciana, já deixando a dica. De acordo com Wilze, outra orientação que se deve ter em mente é deixar a mesa alegre e convidativa, tendo cuidado apenas com os exageros. “Se for utilizar pratos, taças e arranjos coloridos, por exemplo, opte por jogos americanos, guardanapos e porta-guardanapos mais neutros. Equilibre sempre a decoração com os acessórios de mesa, para explorar a cor e vibração dos dias ensolarados, sem medo”, destacou. O ponto de partida para a decoração de uma das mesas foi a escolha do jogo americano, uma peça neutra, porém muito elegante para qualquer ocasião. “Em seguida, escolhemos pratos com orquídeas e um guardanapo-curinga, de linho com bordado ponto cheio, perfeito para todas as produções”, relata Wilze. Para a composição, elas alternaram porta-guardanapos com flores naturais - como a amarante laranja, e outros em fibra, além dos marcadores de lugar que Wilze e a sua sócia (e mãe), Zete Carmeiro, confeccionam. Idealizadora do blog Na Mesa, Wilze defende que receber é sim uma forma de amor, zelo e carinho em todos os detalhes. “Temos um cuidado especial, com intuito de que as nossas clientes sejam sempre as melhores anfitriãs!”. A confecção de marcadores de lugar – com o nome de cada convidado –, a produção do menu de comidas e drinks, manter bal15 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018


Decoração “Nada melhor que o “cantinho de bebidas”, quando recebemos em casa e queremos deixar os nossos convidados à vontade”, garantiu.

Arquivo pessoal

Vale lembrar que vasos de flores e objetos de decoração foram alugados – no caso, na Acervo da Festa. “Hoje, é uma tendência o uso de peças alugadas nas produções em casa, primeiro, pela falta de espaço nas moradas atuais e também porque queremos sempre surpreender os nossos convidados”, destacou. Segundo Vânia, a capacidade de misturar tantos materiais e obter um resultado harmonioso, proporcionando momentos inesquecíveis, com cenários que possam ficar na memória afetiva de cada convidado, é compensador. Com tantas ideias e inspirações, temos novos motivos para receber!

O carrinho-bar é uma excelente opção de apoio para deixar o ambiente mais aconchegante e descontraído.

Na segunda mesa, a dupla escolheu um arranjo com muitas flores e texturas, como as gloriosas calandivas e rosas spray. Frutas como a carambola e o limão siciliano complementaram a produção floral, da Empório Flores. Para finalizar, tendo em vista também a funcionalidade na decoração, elas optaram por uma mesinha menor e um carrinho-bar, que deram um charme todo especial ao ambiente, além de servirem de apoio.

Temática Navy E para encerrar em grande estilo as mesas desta edição, apresentamos o trabalho pri16 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018

moroso da digital influencer Vânia Senna. Aliando o moderno com o clássico, Vânia apostou na temática Navy para a decoração. “Com uma linha mais contemporânea usamos um jogo americano em palha, talheres em bambu e porta guardanapo no mesmo padrão, contrapondo com o guardanapo em linho, com delicado bordado em corais e taças de cristais em tons e modelos diferentes, para trazer um toque de elegância à mesa”, relatou. Buscando um contraste à prevalência dos tons de branco e azul, Vânia escolheu os arranjos florais, com astromélias e rosas-menina, nos tons de amarelo e laranja e um mix de sementes. E para completar o cenário, um aparador com o básico para as caipiroscas.

Arquivo pessoal

des de gelo sempre por perto, em aparadores ou centros de mesa, são alguns cuidados que podem fazer toda a diferença.

Vânia Senna mesclou elementos clássicos e contemporâneos, mantendo o aspecto descontraído sem perder o requinte.


Sรก Menezes


Decoração

A Casa Cor e a experiência do bem viver

As tendências e inovações deixadas pela mostra

M

1940, na Barra. À primeira vista, o visitante pôde se deparar com a entrada exuberante idealizada por Ruy Espinheira, a Bilheteria, que apostou no contraste entre o moderno e o antigo – com o arrojado contêiner de alumínio trabalhado com madeira de demolição e integrado a uma escultura exponencial de aço, sobrepondo-se a uma porta bem menor e de aspecto vintage para o acesso ao metro quadrado mais bem decorado da cidade.

Foto: Xico Diniz

ais do que ditar tendências de decoração, a CASACOR Bahia trouxe ao público um retrato do que representa hoje a busca e a missão de vida para muita gente: o simples ato de se sentir bem. Com o tema “Foco no Essencial”, a procura por uma experiência real de felicidade se traduziu em ambientes mais aconchegantes ou até mais reflexivos, mas sempre buscando sensações de prazer. Por isso, nada melhor do que engatar o ano transformando tudo à nossa

O Home Bar de Flávio Moura, inspirado em estabelecimentos de cidades cosmopolitas, levou a balada para dentro de casa.

volta inspirados nas ideias trazidas pelos profissionais dessa mostra de sucesso. O cenário não poderia ser melhor, um casarão da década de 18 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018

A combinação entre o passado – sem nostalgia – e o contemporâneo foi uma constante na mostra. E como o essencial é receber quem nos faz feliz, nada melhor

Andréa Castro Jornalista e apaixonada por decoração dea_castro4@hotmail.com do que reverenciar quem nos traz felicidade! A 22ª edição da CASACOR trouxe três novidades. O Espaço PET, criado por Mally Requião, teve direito a cadeira com design especial para os bichinhos de estimação, cubos de pallets para gatos e cabana Montessoriana para cães. O Espaço Infantil, idealizado por Graziella Constantino, priorizou toda uma ergonomia em seu mobiliário, otimizando funcionalidades com estilo. A terceira novidade foi o festival gastronômico Bom Apetite. Afinal, onde há vida, há de haver comida. As refeições são agregadoras em qualquer espaço. Por falar em agregar, o arquiteto Flávio Moura inovou com o seu Home Bar, um ambiente diferenciado para receber amigos, preparar drinks e ouvir boa música. Levou a balada para dentro de casa, com um visual inspirado em estabelecimentos de cidades cosmopolitas como Nova Iorque, Londres e Paris. Visando dar amplitude ao espaço, ele apostou em um espelho de teto, que deu a sensação de duplicidade ao pé direito. Quem também usou espelhos para valorizar o ambiente foi Wesley Lemos, que


Foto: Xico Diniz

Decoração

Uma canoa com cocos e bananas e o teto de piaçava finalizaram o toque rústico do Estar Tropical de David Bastos

Outro profissional que não hesitou em inovar foi David Bastos, no Estar Tropical. Uma forte tendência apresentada na mostra e bem representada por ele foi o uso da natureza viva como protagonista. Além do verde, o arquiteto priorizou a iluminação natural, abusou da vista vazada com a estrutura de vidro, dando uma sensação de liberdade, e valorizou a cultura local em peças de cerâmica, com sua simplicidade e elegância características. Melhor exemplo disso foi a canoa rústica no meio da sala, com cocos e bananas, refletindo o clima tropical. O teto de piaçava e o painel com fotografias da flora garantiram mais um projeto original. O uso de fotografias, integrando elementos presentes no ambiente com registros externos, foi utilizado também pela arquiteta Márcia Meccia, no Espaço do Casal. Uma fo-

tografia da balaustrada da antiga Orla da Barra convergiu com a balaustrada que foi preservada na própria estrutura da casa. Meccia também valorizou o design baiano com a cadeira Veleira, fabricada em

Foto: Xico Diniz

revitalizou o lindo teto original com desenho italiano e geométrico da década de 1940 no seu Living.

A balaustrada da Barra em harmonia com a cadeira Veleiro dão um ar de veraneio ao Quarto de Casal.

corda náutica, dando um ar de veraneio ao espaço. Outra tendência forte apresentada foi a cor verde na parede, em uma tonalidade escolhida criteriosamente por ela. Aliás, não faltaram pontos de convergência nos projetos, seja pelos materiais – o mármore em mesas e móveis ou madeira em paredes, pisos e tetos, seja pela biofilia – o amor à natureza; ou o coroamento da mistura e da diversidade. Mas o que mais marcou foi o caráter singular que os artistas da decoração deram aos seus espaços. Afinal, os ambientes devem, acima de tudo, mostrar a personalidade de cada um. E parafraseando Luisinha Brandão, a anfitriã da casa, vamos ficar atentos à forma como cada profissional interpretará o tema da próxima edição: A Casa Viva! 19 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018


Jardinagem

De quando me deu na telha

Jardinar

E

sta é a história de uma paixão bem tardia que chegou quase aos 40 anos, depois de várias tentativas não muito sérias de plantar. Eu acabava sempre transformando plantas em cactos. A sensação de trabalho e mistério ancorada há tanto tempo no nosso credo sobre as plantas me impediu, durante anos, de desfrutar dessa terapia quase gratuita e generosa. Essa velha máxima da mão boa ou do dedo verde.

Aline Hermida Paisagista @deco__green

Quanto eu tinha 19 anos, saí da Bahia para a Europa para estudar. A aventura não deveria durar mais de quatro anos. Tempo do curso universitário que comecei. Mas os planos mudaram. Tenho 43 anos e ainda moro aqui! Ai que saudades que eu tenho da Bahia! Hoje, com a recente paixão por jardinagem, essa falta do nosso mundo tropical aumentou.

Foto acervo Decogreen

Ao chegar à Suíça, ficava boquiaberta com a paixão das pessoas pela horticultura. Eram capazes de se deslocar de seus apartamentos pequenos para um ainda menor pedacinho de terra dividido em quadradinhos para ali cultivar seus legumes e flores. Ainda mais com somente seis meses de sol disponíveis! Era algo um tanto exótico para a baiana recém-chegada, acostumada a morar em uma casa com um bom espaço para o cultivo, além de suporte de pessoal para cuidá-lo. E, sobretudo, com o clima tropical para ajudar. Por despeito, lembrava sempre de uma frase de um livro de Balzac, no qual ele criticava os alemães pela sua extrema paixão pela horticultura.

Dinheiro em penca (pilea nummularifolia) Foto acervo Decogreen

Esse nome é sugestivo e inspirador, em alguns lugares chama-se “pega rapaz”! Amor e dinheiro juntos. É uma planta coringa pois suporta tudo. Ambientes internos como externos. Esparrama como uma Marantas (família das marantaceas) Um único exemplar de maranta num belo suporte faz ofício de obra de arte! O legal mesmo é ter uma pequena coleção delas num canto iluminado e privilegiado da casa.

20 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018

rainha e tem um verde tão claro e vivo para contrastar com outras plantinhas. Aliás, muitas pileas têm essas características, mas essa é facil de encontrar e de cuidar.


Jardinagem da, milagre realizado e uma atitude muito melhor com a vida.

Foto acervo Decogreen

Foi por isso que fui chamada para escrever aqui na Let’s Go Bahia. Compartilhar o passo a passo de alguém sem nenhuma vocação para as plantas que, de ver-se tão feliz na companhia delas, acabou até montando uma empresa de acessórios para jardinagem aqui, em Salvador, para também selar de vez a minha relação com esta terra.

Urban Jungle Quem já ouviu falar da tendência Urban Jungle sabe o quanto essa moda transforma ambientes. Como gostam de sombra ou meia-sombra, são Ideais para áreas internas.

Ainda não era o momento da revelação. Depois de vários anos, voltei para Genebra e tenho à minha disposição, como por milagre, um grande espaço de terraço em uma cobertura. A ideia começou a germinar, conselhos e sugestões a aparecer e a horta de aromáticas a se fazer imprescindível. Não vou negar que comecei pelo coentro, alecrim, manjeri-

Do coentro nosso de cada dia passei a ter ambições maiores. Do horto para a casa, viajei durante toda uma primavera e um verão. Muitos erros de principiante e mais três temporadas e voilà: tenho hoje um terraço pomar-jardim-horta! Uvas, tomates, abobrinha, aromáticas de respeito, kiwi, figo, groselha, framboesas, amora, morangos e muitíssimas flores e trepadeiras! Missão cumpri-

Foto acervo Decogreen

cão e afins. Duas míseras jardineiras que duravam o tempo de colher para cozinhar. Mudas compradas prontas, substituídas em prazo recorde. Nada de aula de germinação.

Planta aranha (clorofito) Planta com característica purificadora do ar e super generosa em filhotinhos. Ideal para quem não resiste presentear os amigos.

Yes, we can! E muito mais no Brasil! Adoro-te, Bahia. Terra de sol, calor e umidade o ano todo. Paraíso das plantas tropicais e frutos exóticos. Nessa terra, em se plantando, tudo dá. Assim, aqui trarei sempre dicas preciosas para você não deixar de aproveitar nenhum pedacinho de varanda e de dentro de casa: todo lugar é bom para plantar.

Foto acervo Decogreen

Sim, era despeito e rebeldia! Maneira que achei de desconsiderar o kit da felicidade sempre aconselhado por minha mãe. “Tenha um trabalho, faça um exercício físico e cultive uma horta e um jardim”. Ai que preguiça! Durante essa vida europeia, morei muitos anos em Barcelona também. Tive um período bem ocioso e abracei o gosto local pela decoração. Com o clima mais ameno que Lausanne e Genebra, comecei a vislumbrar a possibilidade de ter plantas. Fracasso total! Plantas de sol no lugar de sombra e de sombra no lugar de sol. Regas mesquinhas e pouco atenciosas. Chegaram as críticas dos amigos e aquela sensação de culpabilidade por matar seres calados e totalmente dependentes de nós.

Super selvagem, a Alocácia é uma planta tropical de formatos variados. Sua aparência pré-histórica sobre um verde profundo é suavizada pelo contorno da folha que lembra um coração.

Garanto que o prazer não é só pessoal. Recebemos elogios, nos sentimos zen e entramos em cheio nessa nova mania que veio para ficar: selva urbana, urban jungle! 21 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018


Organização

em primeiro lugar

“A

no novo, vida nova!” Se existe algo mais clichê, eu desconheço. Segundo a escritora Martha Medeiros: “A vida não apenas continua, ela sempre recomeça”. Seja ano novo ou não. Ainda assim, é necessário admitir que todo início de ano os planos parecem mais realizáveis. O pensamento planeja, a coragem aflora e resolvemos encarar aqueles desafios que costumamos organizar em uma linda lista de prioridades. E por falar em organização, já pensaram em encarar a tal lista conhecendo um pouco mais sobre o assunto? Com ela, seja na vida, residência ou trabalho, rotinas se transformam trazendo controle, economia e leveza para todos. Imaginem se o tempo perdido, diariamente, à procura de itens como chaves, carteiras, celulares, passasse a ser usado de maneira diferente. Ou até mesmo se produtos alimentícios vencidos, que vão para o lixo, periodicamente, se transformassem em verba extra para aquela, tão desejada, viagem de férias. Sem falar nos documentos que, quando mais se precisa, nunca são encontrados. Tudo isso gerando estresse, desperdício e ansiedade. O fato é que uma vida mais organizada pode ser o “up” que aquela quase sempre irrealizável lista de início de ano esteja precisando. Contudo ainda é mais fácil assumir a incapacidade e pensar que pessoas

22 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018

Patricia Justa

arquiteta e personal organizer @arquitetandoporai.pj

organizadas já nascem assim. Contratar profissionais de organização? Cruzes, nem pensar! Equívoco total. Organização é lógica, técnica, economia levando à melhoria de rotinas e resultando em mudanças de hábitos. Ainda duvidam? Ok.

O fato é que uma vida mais organizada pode ser o “up” que aquela quase sempre irrealizável lista de início de ano esteja precisando.

Sendo assim, seguem três dicas de organização, facilmente, aplicáveis às mais diversas rotinas. Desafio aceito, coloquem a organização no topo daquela mencionada lista de Ano Novo, sigam as instruções e avaliem os resultados. Seja ele residencial ou comercial, elejam um espaço para essa experiência. Pode ser um quarto, uma despensa, um criado-mudo ou até mesmo aquela necessitadíssima área de trabalho. Cuidado: mudanças de vida virão!

1. Descartar: com um olhar de desapego (não preciso mais disso!), passeiem por todos os cantinhos do espaço escolhido. Se o item em questão não faz mais parte das suas vidas, está quebrado, descosturado ou rasgado, descarte-o. Não se esqueçam de separá-los em

três grupos: doação, conserto ou lixo. Lembrando que o que não nos serve mais e estiver em bom estado poderá fazer outra pessoa feliz. Da mesma forma, o que estiver danificado, quebrado ou detonado seguirá diretamente para o lixo. 2. Categorizar: vencido o descarte, os itens devem ser reunidos em grupos. No quarto: camisetas, roupas íntimas, sapatos, bolsas, acessórios etc. Já na despensa eles deverão ser categorizados em mantimentos salgados/doces, bebidas, temperos, lanches etc. As gavetas do criado-mudo, provavelmente, precisarão ser divididas para remédios, contas pagas e a pagar, itens de bolsa, documentos etc. 3. Organizar: independente da habilidade e do critério estético de cada um, o mais importante nessa etapa é dispor os pertences seguindo a sua frequência de uso. Sendo assim, roupas de frio, árvores de Natal e vestidos de noiva irão para o maleiro, liberando um espaço nobre para os itens de uso frequente. Da mesma forma, roupas de trabalho, remédios de uso diário ou até mesmo as contas a pagar precisam ficar bem visíveis. Para os que toparem o desafio, diante de alguma dúvida, estou à disposição nas redes sociais!


23 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018


Reflexões

Que tal ir +além?

N

este número, a Revista Let’s Go foca nas tradicionais decisões de ano novo. Uma nova volta da Terra em torno do Sol é uma boa oportunidade para refletir sobre o que queremos da vida. O que faria 2018 diferente dos anos anteriores? O que considerar, além das motivações de sermos mais belos, saudáveis, longevos, aprovados e desejados por outros, de estar por cima da carne seca? Cada qual é livre para tomar as próprias decisões, mas somos todos impactados por forças externas, contextos casuais e motivações mutantes. Sua devida consideração pode melhorar muito as nossas decisões de ano novo. Sem ter que colocar a sua execução nas mãos de nenhum salvador.

Em 2018, essas forças e contextos conformam desafios inéditos, pois a cada segundo o mundo incrementa sua estonteante aceleração de mudanças radicais, com base em tecnologias e inovações que afetam todas as atividades humanas. E as soluções do passado se mostram inadequadas para dar continuidade ao progresso da humanidade. Assim, nas nossas decisões de ano novo, poderíamos considerar também como colocar nosso grão de areia para vencer crescentes barreiras a esse progresso, como a intolerância, o xenofobismo, o racismo, a paranoia, a ignorância potenciada pelas “fake news”, pelas inverdades e pelos “fatos alternativos”, além dos exageros do politicamente correto. 24 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018

Como restaurar o juízo de situações e fatos dependendo do grau em que se apresentam? O movimento #MeToo, de 2017, há muito necessário, tem sido levado a extremos. A masturbação, que é natural e saudável em privado, deve ser vista como normal no Campo Grande ou em um cinema? Um toque mais demorado nas costas e um estupro devem ser ambos considerados como agressão sexual e punidos igualmente? Esses extremos fazem com que a paquera seja um exercício de renovados desafios. Paradoxalmente, esses extremos convivem com sites que promovem relações sexuais imediatas e com o fato de que o filme campeão de bilheteria nos EUA, concebido, dirigido e devorado por mulheres, “Cinquenta Tons de Cinza”, se concentra em uma mulher em uma coleira! As escolhas individuais de relacionamento das pessoas são sempre complicadas. Por isso o Facebook oferece 51 categorias diferentes de gênero. No filme “A Forma da Água”, uma mulher do serviço de limpeza de um laboratório secreto do governo sequestra uma criatura de um tanque desse laboratório, tipo peixe maneiro, para ter sexo com ela em uma banheira de sua casa. Se isso não for agressão sexual a um companheiro laboral, certamente qualifica como roubo de material do lugar de trabalho. Essas distorções e extremismos, intensificados pelas incertezas quanto ao futuro, aumentam a importância de satisfazer necessidades psicológicas relacionadas com conexões e ansiedades.

Fernando Machado

Consultor Internacional - inovação e competitividade Cada um de nós pode também contribuir, incluindo nas decisões de ano novo dois temas. Primeiro, resgatar o humor, que os exageros do politicamente correto tentam massacrar. Humor e alegria são parte indissociável da felicidade. Além disso, o humor é a base da ironia, o principal instrumento pacífico de desarme do absurdo. Segundo, incluir o propósito de revisar o sentido da vida de cada um, de modo a criar um marco de vida mais amplo, que permita lidar melhor com os desafios e oportunidades do presente, e ser mais feliz. Isso se relaciona com os resultados de uma pesquisa recente em pacientes terminais, da Dra. Claudia Arante, médica geriatra de tratamentos do Hospital Albert Einstein, em São Paulo. Perguntados sobre do que se arrependiam, esses pacientes lamentavam não ter mudado suas vidas para viver de acordo com suas próprias decisões, não ter demonstrado emoções, afeto e amor por vergonha, por medo de se fragilizar e de não ter dedicado mais tempo aos amigos, por haver trabalhado em excesso, acreditando que a vida se dava fora do trabalho. Em resumo, por não terem sido mais felizes.


Business

25 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018


Business

Ele viu mais longe Chaim Zaher traz novo conceito de escola para Salvador ecnologia, inovação e transformação. Estes são os pilares que constroem um dos maiores grupos de Educação Básica do país, o Sistema Educacional Brasileiro (SEB), criado pelo empresário Chaim Zaher e responsável pela administração de diversas escolas particulares espalhadas pelo Brasil, a exemplo das unidades do Sartre, na Bahia. Em 2017, ele trouxe para Salvador a Escola Concept, que propõe novas abordagens educacionais como o ensino bilíngue e personalizado, ou seja, capaz de tratar a trilha de aprendizagem individual de cada aluno. Zaher explica que, atualmente, a educação no Brasil passa por uma transição lenta marcada pelo abismo entre gerações. “De um lado, pais e educadores formados em outros tempos e com certa dificuldade de se adaptar à velocidade das transformações que o mundo enfrenta, especialmente devido à acelerada evolução tecnológica. De outro, estão os alunos, nativos digitais pouco interessados no modelo de ensino que a maior parte das escolas oferece”. O principal papel das escolas agora deve ser facilitar o processo de aprendizagem. “Em um mundo em que toda a informação está disponível, organizada e a um clique de distância, as escolas não podem se contentar em ser meras provedoras de conteúdo. Elas devem de posicionar como tu26 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018

toras dos alunos. E, nesse sentido, a tecnologia tem um papel central de transformação”. Apaixonado por educação desde a juventude, o imigrante libanês começou a sua trajetória vendendo matrículas de um curso pré-vestibular no interior de São Paulo. Depois, passou por diversas funções em instituições de ensino, chegando até a ministrar aulas como professor substituto. “Sempre gostei de me envolver de forma profunda em tudo o que faço. Entendi que, se quisesse mudar a maneira como as escolas se posicionavam, aliando excelência e inovação, o melhor caminho seria empreender”.

“Sempre gostei de me envolver de forma profunda em tudo o que faço. Entendi que, se quisesse mudar a maneira como as escolas se posicionavam, aliando excelência e inovação, o melhor caminho seria empreender”

Divulgação

T

O empresário Chaim Zaher trouxe para Salvador, em 2017, a Escola Concept, que propõe novas abordagens educacionais como o ensino bilíngue e personalizado

Desde que surgiu, de 1986 para cá, o Grupo SEB só fez crescer e todas as iniciativas miram, sobretudo, para a revolução educacional. “Temos investido essencialmente em duas frentes: no bilinguismo de altíssimo padrão e na tecnologia educacional disruptiva, especialmente alicerçada na inteligência artificial”. A Concept, proposta mais vanguardista do grupo, possui o ensino focado na imersão do aluno na aprendizagem. “Costumo dizer que a Concept não é necessariamente inovadora em ‘o que’ é oferecido, mas sim em ‘como’ o oferecemos”. Apesar de ter uma estrutura de ensino de alto padrão voltada para um público de maior poder aquisitivo, Zaher explica que qualquer segmento da Educação Básica pode se beneficiar de abordagens inovadoras. “A escola tem mudado de forma lenta e, por isso, não tem conseguido acompanhar o interesse e a evolução dos alunos, sejam eles de maior ou


menor poder aquisitivo – afinal, a globalização, as tecnologias de comunicação, o acesso à internet e às redes sociais já são fenômenos relativamente acessíveis”.

O ano foi deles

Desde que surgiu, de 1986 para cá, o Grupo SEB só fez crescer e todas as iniciativas miram, sobretudo, para a revolução educacional. Por conta disso, o grupo tem estudado maneiras de levar uma abordagem pedagógica, “com muita inovação e tecnologia”, para escolas voltadas para um público de menor poder aquisitivo. “Será uma escola de custo relativamente baixo, mas com metodologias de vanguarda, em muitos aspectos inspiradas nas práticas da própria Escola Concept”, destaca. Educado em um ambiente bilíngue, Zaher se inspira na educação que recebeu na infância para desenvolver um ensino engajado com a aprendizagem e livre para exercer a criatividade. “Com as múltiplas experiências que vivi, inclusive como imigrante, foi cedo que criei a certeza de que o que constrói nossa personalidade são as nossas vivências, especialmente no início da vida. Então, posso dizer que sim, minha infância e minha experiência escolar são partes fundamentais da paixão que desenvolvi pela educação”.

Jotta/Divulgação

Divulgação

Priscilla Diniz, Fabrício Lemos e Rafael Zacarias usaram a crise econômica como ponto de partida

Priscilla Diniz levou a sua marca para o Shopping Barra, onde abriu uma nova loja Rafael Zacarias recebeu, em 2017, o prêmio de Melhor Hambúrguer do Brasil pela Revista Prazeres da Mesa, e este ano mais uma sede da Bravo foi inaugurada em Salvador, na Vila da Barra O premiado chef Fabrício Lemos está à frente do Restaurante Origem, ao lado da chef Lisiane Arouca

Nos últimos anos, o setor de gastronomia em Salvador tem crescido surpreendentemente. Como resultado de tantos investimentos, tem-se um mercado mais profissionalizado, que aplica cada vez mais em qualidade, atendimento e, principalmente, inovação. Em 2017, três chefs se destacaram nesse ramo, criaram, investiram e recriaram. Para eles, a crise não foi só um obstáculo, mas um ponto de partida. Não há segredo para o sucesso. De acordo com Priscilla Diniz, “o trabalho feito com incansável dedicação e amor é a fórmula mais conhecida para se alcançar o reconhecimento do público consumidor”. Para uma menina que nasceu em meio a uma família grande e festeira, brincando entre

panelas, a paixão pelos doces fez com que o seu talento se desenvolvesse quase que naturalmente. Com o apoio de amigos e familiares, Priscilla decidiu seguir em frente na gastronomia e se profissionalizar. Graduada em Administração, abriu, em 2012, a sua própria confeitaria no bairro da Pituba, que conquistou rápido o estômago e o carinho dos clientes com uma grande variedade de doces, tortas e bolos caseiros. Em 2017, a confeiteira levou a sua marca para o Shopping Barra, onde abriu uma nova loja. Com planos de se consolidar cada vez mais no mercado, Priscilla pretende expandir o seu negócio no futuro. “Este ano será de mais estruturação, 27 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018


Business principalmente porque estreamos no Shopping Barra com uma proposta de serviço inovadora”. Lá, as tortas são montadas na hora para o cliente e uma de suas metas é ampliar o modelo para outras lojas. Já para o premiado chef Fabrício Lemos foi nos Estados Unidos, como jovem imigrante, que teve início o seu primeiro trabalho, lavando pratos em um restaurante italiano. “Certo dia, um cozinheiro faltou e me deu a oportunidade de ficar no fogão”. Depois de assumir a praça de massas por cinco anos, Fabrício tornou-se o líder dessa cozinha. Concluiu o curso intensivo na Le Cordon Bleu, rede internacional de escolas de culinária, passou por diferentes restaurantes e desenvolveu outros saberes, principalmente na culinária mediterrânea e nos frutos do mar, até, em 2010, decidir resgatar as raízes nordestinas voltando para o Brasil. De volta à sua terra natal, ele foi convidado para criar o conceito do Restaurante Al Mare, eleito em 2014 o melhor Restaurante de Peixes e Frutos do Mar de Salvador, e integrou o movimento que levou a alta gastronomia para dentro dos shoppings. Ainda em 2014, recebeu o título de Chef do Ano pela Revista Veja Comer & Beber Salvador, o que despertou o interesse de outros chefs e restaurantes. Nesse caminho, fez parceria com Edinho Engel, chef do Restaurante Amado, e juntos dividiram o prêmio Chef Revelação Prazeres da Mesa, em 2015. Apesar de toda a liberdade, Fabrício ainda não havia lançado o seu projeto autoral. Na contracorrente do movimento de “pratos bonitos, mas sem alma”, criou, ao lado da companheira, chef e confeiteira Lisiane Arouca, o Restaurante 28 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018

Origem, cujo conceito preza pelo resgate de sabores genuinamente locais. Inaugurado em julho de 2016, o Origem nasceu com a proposta de focar nos cinco biomas da Bahia. “Começamos a mostrar uma Bahia que vai muito além do dendê”. Com um cardápio enxuto, no formato menu-degustação, e trabalhando sem estoque, o casal aproveita o produto em seu melhor momento, sempre fresco. No caminho dos hambúrgueres artesanais, um nome não sai da boca dos soteropolitanos: Bravo. Se tem algo que Rafael Zacarias não esconde é a sua paixão por lanches e comida de rua. Sócio da Bravo - Burger & Beer ao lado de Albano Vieira, o chef recebeu, em 2017, o prêmio de Melhor Hambúrguer do Brasil pela Revista Prazeres da Mesa. O segredo do melhor hambúrguer não está somente no padrão dos ingredientes utilizados e no sabor da comida artesanal, mas, principalmente, na constante reinvenção do próprio produto. “A Bravo hoje virou um centro de pesquisa e desenvolvimento, estamos sempre apresentando novos produtos e lançando tendências. Não inventamos o hambúrguer, mas gostamos de transformá-lo constantemente”. No início de fevereiro, mais uma sede da Bravo foi inaugurada na cidade, na Vila da Barra. O crescimento da marca reflete um novo momento gastronômico em Salvador. “Muitos chefs que eram funcionários resolveram empreender e ser donos do seu próprio negócio. Salvador hoje tem vários cases de sucesso na gastronomia, na sua maioria com cozinhas autorais”.

Viva a força da voz feminina Gal Barradas é uma das criadoras do aplicativo que ajuda a medir quantas vezes a usuária é interrompida por vozes masculinas durante as reuniões Nos últimos anos, as mulheres têm conquistado cada vez mais espaço no mercado de trabalho e em diversas esferas da vida em sociedade. Ainda assim, essa transição está no início e falta muito chão a ser percorrido para que o protagonismo feminino, principalmente no mundo dos negócios, se equipare ao dos ho-

“Estamos longe de uma situação plena de igualdade de gêneros. O machismo é um fenômeno cultural e mudanças culturais levam tempo para se concretizar”


palavras Man e Interrupting, ou seja, o hábito dos homens interromperem sistematicamente as mulheres quando estas estão falando”, explica Gal. “Quantas vezes não assistimos passivamente isto acontecer em salas de reunião, em rodas de amigos ou até em casa?”.

Arquivo pessoal

Desenvolvido com talento 100% brasileiro e sem fins lucrativos, o aplicativo já foi baixado em 154 países.

Gal Barraddas foi a única mulher no ranking dos 10 publicitários mais admirados do mercado em 2017, segundo a Agency Scope

mens. “Estamos longe de uma situação plena de igualdade de gêneros. O machismo é um fenômeno cultural e mudanças culturais levam tempo para se concretizar”, destaca Gal Barradas, publicitária baiana e membro de grupos de lideranças femininas. Com 28 anos de profissão e uma bagagem singular, Gal sempre conviveu com o machismo no mundo da publicidade e do empreendedorismo, um ambiente majoritariamente masculino em pleno século XXI. Além de publicitária, é investidora de startups, vice-presidente da Associação

Brasileira de Agências de Publicidade (ABAP) e conselheira do Facebook Brasil e da ONG Verdescola. Ainda é articulista e palestrante do TEDx São Paulo. A partir de sua experiência, Gal Barradas trouxe à frente um termo ainda novo para os brasileiros, o Manterrupting. Usado pela primeira vez no artigo “Speaking while Female” (Falando Enquanto Mulher), escrito por Sheryl Sandberg e Adam Grant para o The New York Times, em 2015, o Manterrupting é uma prática machista do âmbito da comunicação. “Trata-se da junção das

De acordo com a publicitária, dados de universidades norte-americanas mostram que as mulheres são interrompidas 2,5 vezes mais nas reuniões (George Washington University) e que 75% das reuniões nas empresas são dominadas por vozes masculinas (Peterson Institute). “E, muitas vezes, os homens nem se dão conta de que estão fazendo isso. É o chamado ‘viés inconsciente’. Culturalmente é sempre tão natural fazer isso, que para eles – e também para elas – passava despercebido”. Foi com o objetivo de contribuir para erradicar esse hábito da cultura machista que Gal, junto com outros profissionais da agência BETC São Paulo, desenvolveu, em 2017, um aplicativo que ajuda a medir quantas vezes a usuária é interrompida durante as reuniões por vozes masculinas. “O funcionamento é muito simples”. Basta buscar por Woman Interrupted, disponível para download na Apple Store e no Google Play, para ter acesso ao app gratuitamente. Ao abrir o programa, a usuária se cadastra, calibra a própria voz e o aciona no início das reuniões. “As conversas não 29 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018


Além disso, os homens também podem usar a ferramenta, calibrar a própria voz e observar quantas vezes interromperam as mulheres, mesmo sem perceber. “O simples fato de saber que o app existe e está nas mãos das mulheres já pode fazer com que homens do mundo corporativo se reeduquem”, afirma a publicitária. Ganhadora de vários prêmios ao longo da carreira, Gal foi a única mulher no ranking dos 10 publicitários mais admirados do mercado, em 2017, segundo a Agency Scope. No mesmo ano, foi Women to Watch Brazil, prêmio que reconhece as mulheres que mais se destacaram no mercado. Para ela, seguir com otimismo e criatividade é o melhor caminho para lidar com a sociedade sexista. “Só nos resta desejar que um dia possamos dar risada de ter precisado criar um app com essa função. Mas, enquanto o mundo gira na direção dessa realidade, vamos fazendo a nossa parte, a fim de que tenhamos uma sociedade mais igualitária, mais justa e, portanto, melhor. Viva a força feminina!”. 30 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018

Yacht

Club busca fomentar esportes náuticos e grandes eventos

O Yacht está entre os três melhores clubes de vela do país A crise econômica, sem dúvidas, atrapalha todas as atividades financeiras do país, principalmente no setor de lazer. Para superá-la é preciso não apenas redobrar os esforços, mas também se reinventar a cada momento. “Com muito trabalho e criatividade”. É assim que o Comodoro Marcelo Sacramento avalia como manteve o Yacht Clube da Bahia (YCB) forte durante a sua gestão, que atravessou a crise política e econômica brasileira. “O segredo é buscar oferecer o que temos de melhor para que o associado em momento algum se distancie do clube, para que seja sempre uma prioridade”, explica Marcelo, segundo conselheiro mais votado na história do YCB e eleito pela segunda vez em 2017, com ainda mais votos que na primeira eleição. A partir de junho de 2019, ele assumirá o cargo de conselheiro vitalício, destinado somente aos ex-comodoros do Yacht.

Auremar Santos/Divulgação

são gravadas. O app registra apenas a modulação do som. As cordas vocais masculinas têm textura diferente daquelas das mulheres, atuando em uma faixa de som em que o tom é mais alto. Por isso, mesmo que o homem tenha uma voz mais fina e a mulher tenha uma voz mais grave, o app consegue identificar o sexo de quem falou. Ao final de cada sessão, a usuária pode ver quantas vezes foi interrompida e mostrar aos homens presentes que esta é uma realidade que eles nem se dão conta”. Desenvolvido com talento 100% brasileiro e sem fins lucrativos, o aplicativo já foi baixado em 154 países. “Este sucesso só nos mostra que o problema é mundial”, destaca.

Business

A partir de junho de 2019, Marcelo Sacramento assumirá o cargo de conselheiro vitalício, destinado somente aos ex-comodoros do Yacht

Desde a sua fundação, em 1934, o Yacht Clube da Bahia segue fundamentado por dois objetivos: fomentar os esportes náuticos e realizar grandes eventos sociais. “O que preservou o Yacht Clube forte, pujante, foi, sem dúvidas, a prática dos esportes náuticos; o fato de o clube estar à beira-mar e ter uma força muito grande na vela. Hoje, nós somos um dos centros de excelência na prática de vela no Brasil. Pode ser comparado a qualquer outro centro do mundo”.

Desde a sua fundação, em 1934, o Yacht Clube da Bahia segue fundamentado por dois objetivos: fomentar os esportes náuticos e realizar grandes eventos sociais.


Em sua trajetória, o clube já conquistou dois campeonatos de vela mundiais e dois brasileiros e participa de todos os eventos de porte mundial do esporte. “Eu diria que uma das principais metas para 2018 e 2019, quando o meu mandato se encerra, no dia 30 de junho, é trazer o campeonato mundial de vela jovem aqui para a Bahia”. Como resultado, o Yacht Clube da Bahia está entre os três melhores clubes de vela do país e, por ser um dos maiores nichos de medalhas olímpicas do Brasil, recebe recursos da Confederação Brasileira de Clubes. “São recursos vindos da loteria esportiva para a formação de atletas de alto rendimento. O YCB foi o primeiro do Norte/ Nordeste a entrar nesse grupo dos 38 maiores clubes, todos os que estão envolvidos em esportes olímpicos, a exemplo do Flamengo, Vasco, Paulistano, Pinheiros, Minas Tênis, entre outros”. Além disso, no final de 2017, o YCB pôde celebrar os convênios firmados com a Confederação Francesa de Vela e a Liga de Vela da Normandia. “Já em janeiro, recebemos seis velejadores franceses, que disputaram o campeonato brasileiro Optimist aqui no Yacht Clube da Bahia. Em junho, mandaremos os nossos atletas para disputar o Optimist francês. Esse convênio estabelece ainda a preparação de velejadores até 2024, quando as Olimpíadas acontecerão na França”. Do outro lado da gestão, além dos eventos esportivos, o Yacht Clube da Bahia é referência de lazer e espaço de grandes eventos, a exemplo da maior festa de Réveillon da cidade. Em maio de 2018, o clube vai receber a sociedade baiana para comemorar os seus 83 anos em uma grande celebra-

“O que preservou o Yacht Clube forte, pujante, foi, sem dúvidas, a prática dos esportes náuticos; o fato de o clube estar à beiramar e ter uma força muito grande na vela. Hoje, nós somos um dos centros de excelência na prática de vela no Brasil. Pode ser comparado a qualquer outro centro do mundo”

ção. “Talvez seja a festa mais glamourosa do Yacht”.

Em busca de inovação e transparência, o Yacht Clube da Bahia tem buscado, cada vez mais, levar projetos e ideias adequados ao atual momento da sociedade baiana. “Esta é uma gestão que simboliza uma transição de gerações, então, nós estamos com uma diretoria que está na faixa etária entre 40 e 50 anos. Nós tínhamos três premissas básicas: a primeira era fazer uma gestão de governança de excelência, então, a gente precisava modernizar toda a estrutura de gestão e de controles do clube; nós precisávamos realizar eventos sociais de qualidade e trouxemos os maiores e melhores artistas da Bahia e do Brasil; e a terceira meta era transformar o clube em referência nacional nos esportes náuticos, vela e natação. Então, nós conseguimos fazer com que esse tripé fosse realizado com sucesso e resultados muito positivos”.

Criatividade e versatilidade são marcas da Enashopp A empresa veio para suprir uma necessidade do mercado baiano por um modelo de gestão de shoppings com visão global e ação local O empreendedorismo na Bahia é marcado pela criatividade e versatilidade. Cada vez mais, investidores têm buscado sair do amadorismo em busca de uma gestão mais profissional. “O empreendedor baiano, de um modo geral, mostra coragem para arriscar e flexibilidade para se adaptar a novos cenários”, explica Naildo Macedo, diretor da Enashopp, empresa baiana que administra, atualmente, grandes empreendimentos no Estado, como os shoppings Barra, Paseo e Itaigara, o Salvador Trade Center e o Mercado do Rio Vermelho (Ceasinha), além do Shopping Serrinha, no interior. Criada na virada do século, nos anos 2000, a Enashopp veio para suprir uma necessidade do mercado baiano por um modelo de gestão de shoppings com visão global e ação local. “Uma das nossas estratégias é aumentar a área de entretenimento e gastronomia”, destaca o diretor. Por isso, a instalação de operações diferenciadas dentro dos centros comerciais, como clínica, academia, cursos de idiomas e outros serviços, é uma das características da empresa. 31 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018


Arquivo pessoal

Business

Naildo Macedo é diretor da Enashopp, empresa baiana que administra grandes empreendimentos no Estado

Nosso lema diário é nos desafiar todos os dias e

criar coisas novas. Estar atento às tendências e ao comportamento dos consumidores, ajudando os nossos lojistas com informações estratégicas. E é isso que acreditamos ser necessário para se destacar no mercado, superar expectativas e encantar os clientes

32 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018

Entre as principais conquistas da Enashopp, ao longo dessa trajetória de 17 anos, uma merece destaque: a implantação do primeiro shopping em Angola, em 2007, que foi administrado pela empresa até 2012. A operação representou um desafio duplo, pois, além das dificuldades de empreender em outro país, houve entraves estruturais. “Tratava-se de um país em uma fase pós-guerra, com imensos problemas de infraestrutura e mão de obra. Depois dele, tivemos muitos outros desafios, que também nos deram visibilidade e credibilidade”. Dos desafios superados com sucesso até a variedade dos empreendimentos, voltados para públicos diferentes, todo

o trabalho realizado colocou a Enashopp em destaque, vista hoje como modelo de administração nacional. “Isso nos deu uma expertise diferenciada que nos capacitou para a atuação em outros mercados”. Em 2017, a empresa começou a desenvolver a implantação do Shopping Parque da Cidade, em São Paulo. Com inauguração prevista para o segundo semestre de 2018 e localizado no bairro do Morumbi, o Parque da Cidade será o primeiro life center do país, novo conceito de shopping que reúne conveniência, gastronomia, serviço e entretenimento, sem esquecer dos segmentos tradicionais do varejo. O shopping integra um complexo composto por 10 edificações


– sendo cinco torres corporativas, uma de escritórios, duas residenciais e o Hotel Four Seasons, o primeiro da rede no país. “Depois da inauguração, a Enashopp também será responsável pela sua gestão plena”.

Entre as principais conquistas da Enashopp, ao longo dessa trajetória de 17 anos, uma merece destaque: a implantação do primeiro shopping em Angola, em 2007. Além dos investimentos fora do Estado e até em outro país, a empresa não deixa de lado os projetos no interior. “Surfamos também na onda da interiorização. E mesmo em meio ao momento recessivo de mercado, conquistamos a população de Serrinha”, destaca Naildo. Aqui na Bahia, animados pelos resultados do Shopping Serrinha, os empreendedores já começam a estudar novos projetos em outras cidades de interior. Ao lado dos sócios Alexandre Manzalli, Edison Rezende e Mirela Gedeon, Naildo busca direcionar o trabalho da Enashopp com três fundamentos: inovação, respeito e excelência. “Nosso lema diário é nos desafiar todos os dias e criar coisas novas. Estar atento às tendências e ao comportamento dos consumidores, que estão cada vez mais em busca de experiências diferenciadas no momento da compra e do lazer, ajudando os nossos lojistas com informações estratégicas. E é isso que acreditamos ser necessário para se destacar no mercado, superar expectativas e encantar os clientes”. 33 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018


Business

Eles ganharam

o mundo Lá no início de 2013, quando o FitDance começava a ganhar vida, a dupla de irmãos e empresários Fábio e Bruno Duarte já apostava no sucesso da marca. Mas não por acaso. Fruto de mais de um ano de estudos, planejamentos estratégicos e muita experiência em conteúdo, o FitDance sempre foi um “sonho alto”. “De fato, foi um sucesso mais rápido que o planejado. A gente já projetou o FitDance para o mundo todo. Já imaginávamos, lá atrás, que seria um produto para ser colocado em vários países e sempre em expansão. Mas a velocidade com que tudo aconteceu realmente surpreendeu a gente”, conta Bruno Duarte, vice-presidente. Com estratégias de marketing sempre à frente do próprio tempo, o FitDance é um braço da Agência California, empresa que também é conduzida pelos irmãos. “É uma empresa de marketing 360º que tem um know-how muito grande com o Norte e Nordeste”. Carregando grandes clientes e marcas, como a Ambev, a California oferece um serviço de marketing completo. “Vai desde a criação de campanha, da parte visual, conceitual, até a compra de mídia, a ativação de BTL (below the line), o lançamento de produtos, a relação com influenciadores, a produção de eventos e muito conteúdo também, fazemos 34 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018

Divulgação

Criatividade e conhecimento em conteúdo fizeram do Fit Dance, criado pelos irmãos Fábio e Bruno Duarte, um sucesso mundial

O Fit Dance é um braço da Agência California, empresa que também é conduzida pelos irmãos Fábio e Bruno Duarte toda a parte de vídeo. Então, normalmente, é um trabalho 360º com o qual a gente tenta atingir todos os pontos de contato que a marca vai ter para o consumidor”, explica Bruno. Para o empresário, trabalhar com grandes marcas foi e é uma oportunidade para produzir algo diferente. “Isso propõe que a gente faça algo “fora da caixa” e, com isso, nos destacamos no mercado”. Com uma equipe muito jovem que carrega a criatividade como emblema, Bruno levou as suas experiências de trabalho com o Google e o YouTube para a Agência California. “A gente se inspirou muito na forma da

empresa trabalhar e formar as suas equipes. Trabalhamos em uma casa, de bermuda, com pessoas jovens e em ambiente descontraído. Acho que esse é o nosso segredo. A gente mistura tanta gente bacana, com vontade de fazer diferente. Além disso, tem ainda o nosso ato de pesquisar, viajar e estar sempre antenado com as novas tendências”. De 2013 para cá, ficou cada vez mais claro como o FitDance potencializou o conteúdo da agência. “Influenciou muito na força da empresa porque vimos a dança como um produto forte, uma oportunidade a ser trabalhada. A gente tinha todas as ferramentas na mão:


Isso propõe que a gente faça algo fora da caixa e, com isso, nos destacamos no mercado

Fera em negócios de

Bruno Duarte

a criatividade, o conhecimento em conteúdo, o relacionamento com os artistas, a experiência de se trabalhar com grandes marcas e o meu irmão Fábio que tinha uma história muito grande na dança, então, foi o fruto de todos os ativos que a gente tinha na época”, revela. “Tudo isso nos deixou ainda mais confiantes com os diferenciais que temos”. Para o futuro, uma palavra ganha força: expansão. A primeira novidade é a inauguração de um terceiro negócio, a California Midia House, nova empresa inaugurada em março e focada na produção de conteúdo musical. Responsável pela administração de mais de 20 conteúdos semanais, ou seja, diversos canais do YouTube (destes, cinco do FitDance e um exclusivo para trabalhar música baiana), a empresa identifica assuntos que tenham um poder de reverberação e audiência e produz uma estratégia digital em cima desse material. Com cinco estúdios na casa, “a ideia é levar esse modelo para outras cidades que tenham um poder cultural forte, que sejam um caldeirão cultural, como Salvador, Rio de Janeiro, São Paulo e até locais fora do Brasil. Queremos expandir para onde o conteúdo está presente e replicar o modelo que a gente conseguiu fazer com muito sucesso aqui na região”, destaca.

turismo

O empresário Antonio Mazzafera conduz importantes empreendimentos no Centro Histórico de Salvador, como o Fera Palace Hotel Desde cedo, a paixão pelas artes, pela história e pela cultura guiaram a trajetória profissional de Antonio Mazzafera. Foi essa mesma paixão que o levou a construir um trabalho de valorização de uma parte importante de Salvador, sobretudo para o turismo, o Centro Histórico da cidade. Diretor executivo e cofundador da rede Fera Hotéis, Antonio administra não apenas o Fera Palace Hotel, localizado na Rua Chile, no Pelourinho, como também conduz outros projetos, como o retrofit realizado em um prédio antigo de São Paulo, onde será, em breve, o Fera Baixo Augusta Hotel. De 2012 para cá, quando deu início aos projetos da Fera Investimentos, sua principal conquista foi a restauração do antigo Palace Hotel, reinaugurado em 2017 e, hoje, em total operação. Primeiro hotel de luxo da Bahia e com projeto assinado pelo arquiteto dinamarquês Adam Kurdahl, a construção de 81 anos ainda preserva a sua fachada original, mas traz um conceito de hotelaria contemporâneo e sofisticado em seu interior. Na cobertura, por exemplo, foi criado o Fera Lounge, um rooftop com vista para a Baía de Todos-os-Santos. De acordo com Antonio, todo o processo de reformas e restaurações aconteceu “sem atropelos”, de maneira grada-

Arquivo pessoal

Antonio Mazzafera é diretor executivo e cofundador da rede Fera Hotéis

tiva. “Nosso maior interesse é entregar sempre um produto de qualidade para os nossos hóspedes e, por isso, nunca fizemos nada correndo para conquistar metas de maneira rápida. Fizemos uma reforma delicada e importante no edifício e resgatamos uma importante região de Salvador, não apenas para o turismo, mas também para os soteropolitanos”. Além do hotel, Antonio comanda vários projetos de renovação do Centro Histórico, como o recém-inaugurado Premium Car Park, um edifício-garagem com design inovador. “O fizemos para suprir a 35 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018


Business

Roberto Abreu

Festa na ponta dos dedos O Fera Palace é o primeiro hotel de luxo da Bahia e traz um conceito de hotelaria contemporânea e sofisticada em seu interior.

falta de estacionamento na região e incentivar a frequência dos baianos no lugar”, destaca. Para o futuro, o empresário já esboça um novo empreendimento, o Centro Gourmet, também na Rua Chile. “Estamos aguardando a reurbanização da rua pelo Governo para podermos prosseguir”. O olhar apurado para cada detalhe e serviço oferecido ao público é, para Antonio Mazzafera, o ponto fundamental para manter o seu negócio em destaque e superar as adversidades. “Por isso, acompanho de perto o funcionamento do hotel. Tudo in loco para garantir que cada detalhe seja realmente entregue na forma que acreditamos. Outro ponto extremamente importante está na execução de projetos. “Cronograma e orçamento devem ser seguidos estritamente. Na recuperação de imóveis seculares e históricos, como é o caso do Palace Hotel, toda atenção e disciplina são poucas para que a obra não se transforme em um pesadelo de engenharia e de custos”, explica. A crise econômica que tem atravessado o país afetou de forma drástica todos os setores comerciais, sobretudo o do 36 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018

turismo. “A queda da demanda pelo turismo em Salvador fez com que todos os hoteleiros sofressem muito nos últimos anos. Espero que estejamos agora em um processo de recuperação, mas ainda teremos uma fase difícil pela frente”. Para Antonio, o turismo na Bahia precisa voltar a ser um forte gerador de emprego e renda. “É a indústria na qual podemos nos destacar, na qual temos grande diferencial com a história da Bahia, a sua música, o sincretismo religioso e a sua culinária. Precisamos explorar isso melhor. Temos de ser mais agressivos na promoção de nossas belezas e de nosso diferencial para recuperar o espaço perdido para outras capitais e Estados do Nordeste”. Além do turismo de lazer, que domina a capital baiana, o turismo de negócios é um setor que necessita de investimentos sólidos. “Hoje, o que mais poderia ajudar Salvador seria um Centro de Convenções para atrair grandes eventos e conferências nacionais e mundiais. Nosso aeroporto era outro ponto deficitário e espero que com a nova administração tenhamos uma porta de chegada digna para os nossos turistas e para os baianos”.

Aplicativo que fornece todos os serviços necessários para organizar um evento é criado por baianas Organizar um evento nunca foi uma tarefa fácil. Dos aniversários infantis aos encontros culturais e casamentos monumentais, as festas sempre fizeram parte da cultura brasileira. Para pensar nos detalhes, no entanto, é preciso habilidade, organização e esmero. Com longa experiência no setor e depois de observarem uma forte demanda do mercado por uma ferramenta que facilitasse os serviços de festas, as baianas Emanuelle Gomes e Fernanda Mascarenhas desenvolveram o aplicativo iFestas, que fornece tudo o que é necessário para a organização de qualquer evento com apenas um click. Lançado em abril de 2017, o aplicativo pioneiro e gratuito conta com 180 categorias e serviços, desde orçamentos e cotações, fornecedores de espaços, decoração, buffets, aluguel de toalhas de mesa, iluminação, até mestres de cerimônias, DJs, produtores artísticos, fotógrafos e músi-


Arquivo pessoal

Sá Menezes

Business

As baianas Emanuelle Gomes e Fernanda Mascarenhas são as criadoras do aplicativo iFestas

cos. “Tivemos a ideia juntas”, conta a produtora, iluminadora e atriz Fernanda Mascarenhas. “Enquanto fornecedora, sentia dificuldade desse tipo de contato. Tive experiências com alguns serviços que deram retorno e não fiquei muito satisfeita.” Com mais de 2 mil downloads desde o seu lançamento, a ferramenta serve tanto para organizadores de eventos quanto para os fornecedores e profissionais que trabalham na área. Basta se cadastrar na plataforma. Além disso, o app apresenta dicas e sugestões de organização e todas as informações necessárias para projetar a festa perfeita. “Temos uma página com dicas de bebidas e um link que liga diretamente a um advogado parceiro da empresa”. Até então, o iFestas já funciona nas 50 maiores cidades baianas. Mesmo com pouco tempo de funcionamento, a dupla já garantiu bastante retorno dos usuários. “As pessoas gostaram muito e temos acompanhado dia a dia esse crescimento nas estatísticas. As cotações e os orçamentos cresceram e o número de downloads também. Além disso, fazemos divulgações dos eventos na Bahia. As-

sim, é possível agendar a festa com base nos outros eventos e ainda acompanhar o calendário cultural da cidade”, explica Fernanda. Outra novidade são as categorias da SAMU e de segurança para eventos de maior estrutura. Para as investidoras, a maior dificuldade encontrada foi no processo de desenvolvimento do aplicativo. “Acho que ainda falta incentivo, mais apoio do governo para que a gente coloque as ideias em prática e saiba investir. Muitos projetos não saem do papel por falta de investimento”. Ao lado da promotora de eventos Emanuelle, Fernanda foi percebendo outras demandas e, aos poucos, aperfeiçoando os serviços do aplicativo, durante o período de testes. Para 2018, as baianas buscam desenvolver ainda mais os serviços, ampliar o quadro de fornecedores, lançar a versão iOS para iPhones, já que, até então, o app funciona apenas em celulares com o sistema operacional Android, e, principalmente, expandir para todo o Brasil. “Estamos desenvolvendo também o site, mais completo e mais robusto, que vai funcionar da mesma maneira que o aplicativo”, destaca. 37 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018


Business

Mercado em movimento Helicentro é inaugurado em Salvador No dia 15 de março, foi inaugurado em Salvador o primeiro Helicentro localizado em uma capital do Nordeste. O empreendimento dos sócios Ricardo Guedes e Victor Granjo possui estrutura com capacidade para 20 aeronaves e está localizado no centro da cidade. “Vai possibilitar não apenas o desenvolvimento econômico, mas também que novas aeronaves ingressem e possam abastecer em Salvador”, explica Guedes. O espaço, com 4.600 metros de área, conta com sala VIP, sala de reuniões, sala de pilotos e quarto de descanso, além de quiosque com Espaço Gourmet para confraternizações.

Hospital Santa Izabel conquista Prêmio Referências da Saúde O Hospital Santa Izabel conquistou o Prêmio Referências da Saúde 2017, na categoria Qualidade Assistencial e Segurança do Paciente, pela implantação do Programa Stewardship de Antimicrobianos. A entrega da premiação foi realizada em outubro do ano passado durante o Healthcare Innovation Show, em São Paulo. Já em fevereiro deste ano, o Santa Izabel foi oficialmente reacreditado com excelência – Nível 3 (nível máximo) pela Organização Nacional de Acreditação (ONA), após a visita da equipe de avaliadores do Instituto Qualisa de Gestão (IQG). 38 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018

Prefeitura marca presença em feiras internacionais de turismo A Prefeitura de Salvador participa em março de duas grandes feiras de turismo na Europa: a BTL 2018 (Bolsa de Turismo de Lisboa), realizada em Lisboa, Portugal; e a ITB Berlim 2018 (Internationale Tourismus – Börse), em Berlim, na Alemanha, considerada a maior feira mundial do setor. A ação é uma realização da Secretaria Municipal de Cultura e Turismo (SECULT) em parceria com a EMBRATUR.

Marta Góes assume cargo no Governo da Bahia A promoter baiana Marta Oliveira Góes, conhecida por organizar eventos e camarotes no Carnaval de Salvador, foi nomeada coordenadora da Superintendência de Desenvolvimento do Trabalho, da Secretaria do Trabalho, Emprego, Renda e Esporte, pasta comandada pela secretária Olívia Santana.

Novo aplicativo itMOV oferece preço, segurança e qualidade Neste mês, acontece o lançamento do novo aplicativo de mobilidade urbana itMOV. Com mais segurança e qualidade, a principal novidade está na rentabilidade do negócio para motoristas. No itMOV, a taxa é de 15% a 19% do valor da corrida a depender da categoria

em que o motorista for encaixado, ou seja, o novo aplicativo possui as menores taxas de serviço em relação aos demais aplicativos de mobilidade do mercado. A ferramenta já está disponível para pré-cadastramento de condutores pelo site www.itmov.com.br. O usuário receberá uma confirmação via e-mail e o cadastramento será concluído quando o aplicativo for liberado. Para se cadastrar, o motorista deve ter Carteira Nacional de Habilitação (CNH) remunerada e idade mínima de 19 anos. Além disso, os veículos devem possuir ar-condicionado, quatro portas, e o modelo deve ser a partir de 2008.

Qualirede Em dezembro do ano passado, o Plano de Assistência à Saúde dos Servidores Públicos da Bahia (PLANSERV) assinou contrato com a Qualirede, líder nacional em gestão de planos de saúde, com o objetivo de promover o processo de modernização e fortalecimento do plano. Com o apoio operacional da Qualirede, o PLANSERV busca o aprimoramento da sua gestão de modo a se tornar ainda melhor para os seus mais de 508 mil beneficiários. A parceria visa garantir sustentabilidade em longo prazo; atualização científica e tecnológica; qualificação e especialização dos serviços. A contratação, no entanto, não implica na privatização do órgão, que continua com gestão própria e vinculação à Secretaria da Administração do Estado (SAEB).


39 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018


Especulando com criptos:

por onde começar? O valor de mercado do mundo cripto era de USD 15 bilhões em janeiro de 2017, superou os USD 50 bilhões em agosto de 2017 e, em dezembro, atingiu o pico de USD 800 bilhões. O preço do bitcoin, que no começo de janeiro de 2017 não tinha ainda alcançado os USD 1.000, namorou os USD 20.000 em meados de dezembro do mesmo ano. Muitos enriqueceram e ostentaram os resultados de suas conquistas. Outros, atraídos pela chance de ganho rápido, decidiram aplicar dinheiro em criptos, boa parte metendo-se em apostas às cegas e em grupos de WhatsApp para descobrir as próximas grandes oportunidades. Poucos dedicaram-se, de fato, ao bom entendimento do assunto, para realmente saber onde estavam colocando o seu dinheiro. Até mesmo aqueles que buscaram isso, muitas vezes, se depararam com aulas direcionadas por atores diretamente interessados, ou até esbarraram em palestrantes bem-intencionados, mas sem uma compreensão mais ampla sobre o assunto, que também não lhes deram subsídios muito sólidos para investir ou não. Assim, parte do aumento do valor do bitcoin em tão pouco tempo pode ser explicado pela adesão de quem não queria ficar de fora, mas também não sabia bem o que estava fazendo. E mesmo quem tem conhecimento avançado também esteve sujeito a situações de perda de parcela relevante do capital investido. Ocorre que o investimento em 40 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018

Rosine Kadamani

CEO e cofundadora da Blockchain Academy

criptos é uma atividade extremamente arriscada. Exemplo interessante foi ver o preço do bitcoin, que estava nas alturas no final de dezembro do ano passado, desabar significativamente logo no começo de janeiro de 2018. Justo depois de lermos nas notícias que famílias estavam hipotecando as suas casas e apostando nesse novo universo.

Devo investir em Bitcoins? Como aproveitar as oportunidades da melhor maneira?

10 dicas para te ajudar a decidir - Não tome a decisão por influência de outros. Esteja seguro do movimento e lembre-se de que grandes retornos normalmente dependem de correr grandes riscos. - Aprenda sobre o assunto. A primeira coisa a se saber é que as criptomoedas não nasceram para ser um ativo de especulação e que isso aconteceu meio por acaso. - Entenda que cada criptomoeda e cada criptotoken estão associados a um projeto completamente diferente um do outro. Investir é estudar e acreditar em ideias, times e também apostar que nesse mar de novidades aquela escolha continua sendo uma alternativa interessante.

- Entenda o seu perfil e defina o seu objetivo. Está pensando em tomar riscos maiores para um retorno mais imediato ou deseja fazer disso um canal para um retorno futuro? Tem estômago para mercado com grande oscilação ou prefere investimentos mais convencionais? - Defina uma tese de investimento. Até onde quer perder? Até onde quer ganhar? Profissionais podem ajudar com isso. - Limite a sua exposição. Opere apenas com aquilo que pode perder. Na maior parte das vezes, as aplicações em criptos podem se multiplicar com a mesma facilidade com que podem alcançar o valor de zero. - Dá para ir por conta até um ponto sozinho. Para isso, comece muito pequeno. Tome um tempo para conhecer as pessoas e os agentes que se propõem a te ajudar nisso. - Diversifique. Como a sua avó já dizia: não se deve colocar todos os ovos em um mesmo cesto. - Não acredite naqueles que prometem um retorno certo. Se alguém está garantindo um percentual certo é porque tem alguma coisa bem errada no negócio. - Saiba que a maior parte do mercado agora está sendo operada por robôs e grandes players que antes não estavam na jogada. Se tudo isso estiver bem claro e incorporado, aí sim, você pode “descer para o play”!


41 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018


Business

A era dos negócios nas redes sociais

Entre likes, selfies e compartilhamentos, as redes sociais se tornaram uma forma criativa e lucrativa de gerir negócios. POR AINA KAORNER

42 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018


uando o primeiro e-mail do mundo foi enviado, em 1971, as pessoas não imaginavam os rumos que a internet tomaria no Brasil e no mundo. De lá para cá, se passaram pouco mais de quarenta anos, mas as mudanças nas relações, na comunicação e nos negócios já valem por séculos. Uma imagem viralizada nas redes sociais consegue ser vista em poucos minutos mais rapidamente do que quando, em 1969, Neil Armstrong pisou pela primeira vez na Lua.

No ano de 2011, o Facebook arrecadou US$ 3,7 bilhões, sendo que 85% desse valor vieram da publicidade. Logo, Mark Zuckerberg percebeu que sua criação se tornaria uma poderosa ferramenta de business. Em uma velocidade mais rápida que apertar o enter do teclado, surgiram novas profissões como social media, digital influencer e webcelebridades, a exemplo do YouTuber Whindersson Nunes, que alcança 19 milhões de seguidores no Instagram e quase 28 milhões de inscritos no YouTube, ou a musa fitness Gabriela Pugliesi, com quase 4 milhões de seguidores no Instagram.

Foto - Divulgação

A primeira rede social, chamada Classmates, foi criada em 1995 pelo norte-americano Randy Conrads, com o objetivo de reunir amigos da escola e faculdade. O objetivo principal era estreitar relacionamentos através da web, mas logo vieram o LinkedIn, MySpace, Orkut, Google+, Facebook, YouTube, Twitter, Snapchat, Pinterest, Instagram, WhatsApp… Opções não faltam, mas o que pouca gente imaginava era que o uso destas tecnologias deixaria de ser apenas um bate-papo despretensioso e mudaria completamente as relações profissionais e comerciais em todo o mundo.

Na Bahia, uma das pioneiras da profissão, a digital influencer e produtora de moda Cacau Tabatchnik, garante que as redes sociais se tornaram hoje um meio mais eficaz de divulgação do produto ou serviço do que as formas antigas,

Cacau Tabatchnik

como a propaganda em TV ou outdoor. “Quando comecei nesse ramo, há cinco anos, as pessoas não entendiam esse trabalho como profissão, mas hoje é um dos mais eficazes meios de comunicação. Eu, por exemplo, quando quero procurar algo vou no Instagram de um digital influencer que eu confio e que atua naquele segmento. Até para pesquisar sobre uma empresa, eu olho o Instagram”, diz. Segundo a instablogger, cada digital influencer tem um público e tem um foco. “As pessoas te seguem justamente por causa disso. Se meu público precisa da indicação de um serviço, ele confia no meu bom gosto, no meu lifestyle. É uma divulgação muito mais direta, mais focada”, garante Cacau. Na hora de fechar um contrato ou parceria, Cacau também prefere os meios digitais. “Normalmente, os meus primeiros contatos são feitos pelo WhatsApp ou por e-mail,

principalmente com empresas de fora da Bahia. Em Salvador, as empresas também querem uma reunião presencial, mas eu, particularmente, prefiro o WhatsApp. É mais pratico até para o envio de Mídia Kit e planilhas”, observa. Outra digital influencer que faz sucesso na Bahia, Juliana Feroldi, também acredita que os negócios nas redes sociais estão ganhando cada vez mais espaço para os meios antigos e convencionais. “Hoje, se a pessoa gosta de algo e quer procurar o telefone ou endereço, basta dar o print na tela do celular e pronto. Quando queremos saber referências de uma loja, restaurante ou hotel, já vamos direto ao Instagram. Cada dia, a população assiste menos televisão e isso se es-

Foto - Divulgação

Q

Juliana Feroldi

tende para o rádio também”, destaca Juliana. Segundo ela, as redes sociais também facilitam na hora de fechar contratos. “Meu mercado não se restringe apenas a Salvador, por isso fecho muita coisa via assessoria, em que não existem reuniões presenciais. Aqui em Salvador, quase sempre as reuniões são com o meu assessor. Ele faz o primei43 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018


Business ro contato e se a negociação evolui, em algum momento, eu vou para conhecer o novo cliente”, conta.

Empreendedorismo digital - Para a gerente adjunta da Unidade de Marketing e Comunicação do SEBRAE Bahia, Alice Vargas, apesar de serem usadas inicialmente para estreitar relacionamentos, as redes sociais podem sim, quando bem utilizadas, gerar bons negócios. “A possibilidade de interação e a troca de informações, além do acesso às estatísticas e conhecimento sobre o comportamento do consumidor, permitem que um empreendedor alcance o seu público-alvo específico mais facilmente e com menor investimento. Vejo isso como uma grande vantagem, principalmente quando falamos de pequenos negócios”, explica Alice. Segundo ela, com as novas tecnologias que 44 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018

“Quando falamos em ações de comunicação e marketing, hoje, não há como negar que a divulgação nas redes sociais é

fundamental. Entretanto ainda acredito que ações integradas precisam ser pensadas, visto que o cliente entende a marca como um composto. Não adianta ter um bom relacionamento com o cliente nas redes sociais e ter um atendimento presencial malfeito”, dá a dica.

Jotta

A Revista Let’s Go Bahia também já aderiu aos novos meios de comunicação e possui colunistas que fazem sucesso nas redes sociais, a exemplo da digital influencer Renata Rangel, colunista de moda, e do colunista de lifestyle, Marcelo Sampaio. Renata trabalhou durante dez anos como advogada, mas sempre foi apaixonada por moda. Foi no ano passado, após fazer um curso de Fashion Law, em São Paulo, que decidiu empreender na internet. “Sempre amei as redes sociais, mas o meu Instagram era fechado. Uma amiga que trabalha com eventos que me incentivou a entrar para esse ramo. Ano passado, resolvi me dedicar de verdade e hoje já faço parte do F*Hits Friends, comunidade que reúne as principais influenciadoras e bloggers do Brasil e do mundo”, comemora.

surgem a cada dia e a facilidade de utilizar ferramentas do marketing digital, o crescimento de modelos de negócios digitais já é uma tendência.

Da esquerda para a direita: Eneida Dourado, Cláudia Galvão, Elisabeth Lucena, Grace Apolonis, Gina Batista, Christianne Gomes e Jaqueline Maia.

Clube da Roska Mesmo com todos os avanços da tecnologia e das redes sociais, ainda há quem não dispensa o bom e velho contato corpo a corpo, como nos velhos tempos. A ideia de criar o “Clube da Roska” surgiu quando sete amigas, todas acima de 40 anos de idade, mães de filhos que cursavam o Ensino Fundamental na Escola Nova Nossa Infância, perceberam que perderiam o contato assim que os filhos saíssem do primário e fossem cursar o ginásio, como era chamada a segunda fase do Ensino Fundamental. “Fizemos muitas festas e celebrações. Afeiçoamo-nos muito. Ficou aquele vazio, uma saudade. Decidimos criar o ‘Clube da Roska’ para trocar experiências, ajudar-nos mutuamente e fortalecer o nosso vínculo”, destaca a promotora de Justiça, Grace Apolonis.

Os encontros acontecem sempre uma vez ao mês. “Temos até diretoria e um estatuto determinando as sanções para quem falta às reuniões”, brinca. “Conversamos de tudo: do útil ao fútil”. Além de Grace, o grupo é formado pela médica Eneida Dourado, pela empresária Claudia Galvão, pela médica Elisabeth Lucena, a dentista Gina Batista e as psicólogas Christianne Gomes e Jaqueline Maia. “A tecnologia tem a capacidade de aproximar os distantes, mas afasta os que estão perto. Nada substitui o calor humano, a importância de conviver com os amigos e preservar essas amizades. Somos mães, esposas, administramos a casa, cuidamos da educação dos filhos, trabalhamos. A roska é só um pretexto, mas pode ser prosecco também. Esse é o momento de rirmos de nós mesmas”, conta Grace.


Spot

Não temos Wi-fi,

conversem entre vocês H á uma pergunta que dez entre dez pessoas não respondem com total sinceridade: o que você faz quando sai com os seus amigos? As respostas variam entre “Saio para beber”, “Saio para dançar”, “Saio para conversar”, “Saio para me divertir”. Porém é isso que realmente acontece? Encontrar a resposta para esta pergunta é mais fácil que visualizar todos os stories do Instagram.

taurante e não ver ao menos uma pessoa por mesa com o celular na mão. Será que realmente precisamos criar outro mundo?

Aliás, a resposta está justamente nisso: Instagram, Facebook, Foursquare etc. Afinal de contas, quem diria que hoje teríamos as nossas vidas expostas em redes sociais? Vivemos em um paralelo entre dois mundos: o mundo real, no qual você está lendo este texto; e o mundo ideal, ou seja, aquele que você constrói nas redes sociais de acordo com o que compartilha sobre si mesmo. Assim, existem as pessoas que não gostam deste mundo, as que gostam e as que necessitam deste mundo.

Obviamente que não há problema algum em registrar momentos especiais, o problema está em fazer isso o tempo todo em vez de viver o momento. Mas isso não acontece apenas quando saímos para algum lugar, em casa também é assim, mesmo que estejamos assistindo ao nosso programa favorito, quase sempre temos o celular ao alcance das mãos. É fato que a evolução da tecnologia é uma maravilha e facilita a vida de qualquer mortal, porém há certas ocasiões em que devemos esquecer aquela coisa de Matrix e as suas pílulas azuis e vermelhas. Afinal de contas, você prefere acordar e acreditar no que quiser ou quer saber até onde vai a toca do coelho?

Se voltarmos, pelo menos, 15 anos no tempo, podemos dizer que as respostas acima se concretizavam sem pestanejar. As pessoas diziam: “Vamos sair para beber alguma coisa e conversar”, e era exatamente isso que acontecia. Não existia a necessidade de fazer check-ins, selfies, lives ou stories para mostrar onde você estava, com quem estava ou o que estava bebendo. As interações realmente aconteciam. Hoje, é raro entrar em um bar ou res-

A primeira pergunta que muita gente faz quando chega a algum lugar é se existe Wi-Fi disponível. Nos bares é a mesma coisa. Se você sai para conversar com amigos, vai ficar checando o celular de cinco em cinco minutos para quê?

“Morpheus: O que é real? Como se define real? Se você se refere ao que pode sentir, cheirar, provar e ver, então real são apenas sinais elétricos, interpretados pelo seu cérebro. Este é o mundo que você conhece. O mundo como ele era no final do século XX. Ele exis-

Diego Oliveira

CEO da Youpper

te hoje apenas como parte de uma simulação neurointerativa, que chamamos de Matrix. Você tem vivido em um mundo de sonho. Este é o mundo como ele existe hoje. Bem-vindo ao deserto do mundo real. Temos somente pedaços de informação, mas o que sabemos, com certeza, é que, no início do século XXI, toda a humanidade se uniu para celebrar. Nós nos maravilhamos com a nossa própria grandeza quando criamos I.A.”. Essa fala de Morpheus, no filme “Matrix” (1999), retrata um pouco essa questão da escolha entre esses dois mundos. Como diz um famoso meme da internet: “Será que estou vivendo ou apenas existindo?”. Já parou para pensar nisso em algum momento? Já parou para pensar que viver em um reality show virtual pode não ser legal? Já se imaginou vivendo como Truman Burbank? Viver em um mundo onde basicamente tudo é perfeito, todos gostam de você, todos te cumprimentam e ninguém te acha estranho realmente é o mundo ideal ou, pelo menos, seria o ideal. 45 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018


Inovação

Mais rápido, melhor... e por menos. É

cada vez mais comum associar o conceito de inovação a aplicativos mirabolantes que vão resolver todas as questões do seu negócio. Quando se trata de comunicação, a ideia equivalente é imaginar que as mídias digitais e programáticas vão solucionar todos os problemas ou que novas plataformas vão captar milhares de clientes. Talvez o primeiro passo seja entender as tendências do mercado. Identificar o que está mudando nas relações entre as pessoas, nas suas necessidades e nos seus desejos. A mídia programática pode ser a solução em alguns casos, mas é preciso ter cuidado. Convém avaliar se o veículo ao qual a marca estará associada dará o resultado esperado. A inovação começa pela análise de uma tendência e pode se transformar em uma ação mais eficaz para a sua empresa. Inovar por inovar, sem estratégia ou objetivo, não leva a nada. Em um mundo tão intenso, com tudo acontecendo tão rápido e com tanta gente querendo falar, saber ouvir é fundamental. Acredito na riqueza

48 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018

Ana Coelho Publicitária e CEO do Grupo Aratu de Comunicação e Presidente da ABMP

de compartilhar as mesmas intenções com profissionais de outras expertises. O modelo brasileiro de propaganda é um privilégio para profissionais de mídia, veículos, público e anunciantes. O grande desafio do mercado publicitário é buscar inovação em todas as etapas do processo - do modelo de remuneração até a possibilidade de colocar criativos para frequentar as mesas de negociação. Os grupos de comunicação podem valorizar o que realmente entregam: estratégia e criatividade. Muitas empresas já estão mudando a forma de remuneração.

“O estímulo mais decisivo para a inovação é a necessidade. Tudo já foi impossível até alguém ir lá e fazer.

O mercado tem que ser cada vez mais rápido e eficiente, fazendo mais e melhor por menos. Um meme pode ser uma grande peça e trazer relevância para o cliente. Outras vezes, storytelling ou branded content podem ser a melhor saída. Os comerciais de 30 segundos, agora, precisam ser pensados também para os 5 segundos do YouTube. Não existe algo mágico que, do nada, acontece. Existe um padrão de mindset que você consegue executar e diminuir

o seu espaço de aprendizado. Se você está fazendo algo que não gera aprendizado, você estará fora do jogo em, no máximo, dois anos. A plataforma que você usa hoje vai mudar amanhã. “Se você não quer ser criticado, pelo amor de Deus, não faça nada novo”, é o conselho irônico do CEO da Amazon, Jeff Bezos. Hoje, 1,8 bilhão de mentes estão conectadas pela internet. Pesquisas da Singularity University, Escola da Nasa e Google revelam que, em 2025, teremos cinco bilhões de novas mentes conectadas. Para John Hagel, copresidente da Deloitte, “os que não querem mudar ou resistem não são más pessoas. Eles apenas ainda não enxergaram. John Hagel diz também que “você não está fazendo diversidade/inovação porque é bom. Você está fazendo porque isso é crítico para o sucesso do seu negócio”. E serve para qualquer negócio: mercado publicitário, agências, produtoras, veículos. O estímulo mais decisivo para a inovação é a necessidade. Tudo já foi impossível até alguém ir lá e fazer. Não é uma questão de “se”, é uma questão de “quando”. É fundamental que tenhamos auto-conhecimento e propósito claro. Isso vale para corporações ou para a vida pessoal. Não podemos nos dar ao luxo de parar de aprender. É uma questão de entender que a velocidade das coisas mudou e que precisamos estar atentos às tendências e aos desejos dos consumidores.


Autos e Motos

Land Lovers Sinônimo de refinamento, potência e estilo, a Land Rover dita os padrões de luxo e capacidade há 45 anos, proporcionando uma experiência ímpar aos seus admiradores. Por Andréa Castro

S

me de plena satisfação. Não é à toa que os apaixonados pela Land Rover admiram o seu objeto de desejo mais que qualquer outra máquina. A marca Land Rover ganhou notoriedade com a resistência e a versatilidade dos modelos pioneiros que eram usados para fins diversos como as atividades agrícolas, fins militares ou para o uso civil. “É disto que

gostamos, não são veículos para andar em alta velocidade, não são os mais silenciosos nem os mais confortáveis, mas nos levam a qualquer lugar e nos trazem de volta sempre. Podemos convertê-los em uma casa ou usá-los para o trabalho pesado”, declara Cristiano Carvalho, conhecido como Mad, um dos entusiastas do Land Clube Bahia.

Jotta

em dúvida, o que mais motiva hoje a aquisição de um produto, em qualquer lugar do mundo, é a experiência que ele proporciona. A Land Rover, expert no assunto, vai além. Com o SUV mais luxuoso do planeta, a empresa oferece muito mais que um veículo potente e de design inspirado. Confere aos seus usuários uma sensação subli-

49 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018


Autos e Motos Os usuários apaixonados pela Land Rover se autodenominam “landeiros”. A maioria usa os seus veículos potentes diariamente para trabalhar e passear com a família. “Digo que a sensação vai além do material, na verdade não é a máquina que encanta e sim os seus usuários que realmente chamam a atenção”, afirma Mad. Segundo o “landeiro”, todos eles têm em comum a paixão pela natureza, adoram viajar e desbravar novos territórios desprovidos de vaidades e dispostos a ajudar o próximo.

Arquivo pessoal Francisco Valverde

Mad tem veículos da linha Defender há quase 20 anos, pois sempre se identificou com o estilo de vida que eles representam e a sua versatilidade permite que sejam usados tanto no dia a dia quanto para trilhas e expedições. “Já visitamos boa parte da América Latina de Defender - países como Peru, Chile, Argentina, Paraguai e Uruguai, além de diversos destinos nacionais como todo o litoral nordestino até os Lençóis Maranhenses, Chapada dos Veadeiros, Deserto do Jalapão, Pantanal, Amazônia, Sul do país e principalmente

50 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018

Arquivo pessoal Francisco Valverde

“Landeiros”

a nossa amada Chapada Diamantina”, conta.

Encontros da tribo Outro “landeiro de carteirinha” é Francisco Valverde, que des-

de menino ouvia o pai falar de como era bom trabalhar e viajar em um Defender 90. E a vida se encarregou de promover um “encontro” dele com um veículo de modelo similar. “O destino trouxe um cliente meu que viajaria e estava em uma Defender 90”, conta. Um mês passou e surgiu a oportunidade de fazer uma proposta e comprar a Defender 90 Soft Top 300 TDI. Para ele, o Land Rover, além de robusto e de fácil manutenção, promove sensações de liberdade, aventura e o leva a lugares incomuns. A paixão dos brasileiros pela marca é tão grande que a nona edição do encontro Amigos da Land Rover, que aconteceu no ano passado em Barretos (SP), reuniu quase 500 “viaturas”, como eles chamam as suas máquinas, reunidas. Por pouco não entraram no livro de recordes Guinness Book. O recorde não conseguiu ser quebrado diante da façanha em Portugal, que reuniu acima de 500 carros em movimento e com


Autos e Motos motoristas o máximo em luxo traduzido no Range Rover. O motor é SDV8 4.4 de 339 cv, a aceleração de 0-100 km/h é feita em 6,9 segundos. Vendido no Brasil por mais de R$ 1 milhão, só pode ser adquirido através de encomenda.

Experiências inigualáveis

Divugação

Últimos lançamentos no Brasil

Phil Popham, Diretor Global de Marketing da Jaguar Land Rover (esq.) com Geoffrey Kent, Chairman e CEO da Abercrombie & Kent

Já o Range Rover Black é um veículo exclusivo que tem mais opções de motorização e pode ser configurado a partir de três versões: Vogue, Vogue SE e Autobiography. Ponto máximo de sofisticação, o SVAutobiography redefiniu a experiência do Range Rover. A atenção aos detalhes se mostra nos acabamentos de alumínio escovado e nos assentos executivos da cabine. No exterior, uma paleta de cores exclusiva garante aos

A jornada passa por cidades e paisagens icônicas como Nice, Lago Como, Marrakesh, o Grand Canyon, o Observatório de Alamo, no Chile, o topo da Ponte de Sidney e uma viagem de barco para Wineglass Bay, na Tasmânia, Austrália. A viagem é completamente customizável de acordo com as preferências dos convidados e está sendo oferecida através das boutiques Abercrombie & Kent, localizadas na Harrods

Divugação

Os mais recentes lançamentos da Land Rover no país foram o Range Rover Velar e o Range Rover Black. O Range Rover Velar oferece novos patamares de modernidade e elegância. Desenvolvido para ocupar o espaço entre o Range Rover Evoque e o Range Rover Sport, o modelo também é dotado de uma capacidade de trafegar em qualquer tipo de terreno, nunca antes vista para um SUV médio.

Uma viagem para ser lembrada por toda a vida foi anunciada pela Land Rover e sua parceira de viagens de luxo, Abercrombie & Kent. Visando promover o SVAutobiography, a viagem off-road mais luxuosa do mundo, como foi anunciada, traz serviço altamente exclusivo e personalizado, acessível apenas para la crème de la crème. A viagem acontece nos cinco continentes, abrange oito países e nove dos melhores hotéis do mundo. Os roteiros oferecem luxo incomparável, desbravando as melhores rotas do mundo.

London, cidade de Londres, Abu Dhabi e Mônaco, assim como através de pedidos on-line. Para quem busca uma experiência diferenciada, a Land Rover oferece ainda a oportunidade de grandes aventuras através dos 30 centros Land Rover Experience espalhados pelo mundo. Seja fazendo uma trilha radical na Carolina do Norte, uma aventura em Kyalami, na África do Sul, ou encarando as paisagens geladas dos países escandinavos, além do prazer da viagem e emoções das atividades, são desenvolvidas novas habilidades e a capacidade de enfrentar terrenos desafiadores.

Um pouco de história A Land Rover foi criada em 1948, na Inglaterra, com o objetivo de ajudar na reconstrução da Europa no pós-Segunda Guerra e tornou-se um ícone em capacidade off-road. Com a chegada do Range Rover, em 1970, a marca agregou a esse DNA robusto conceitos de luxo

Divugação

os faróis acesos. O encontro nacional este ano será realizado em Garopaba-SC entre os dias 15 e 18 de novembro. “Para 2019, traremos o encontro nacional Amigos Land Rover para terras baianas. Será uma grande oportunidade de apresentar as belezas do nosso Estado aos “landeiros” de todo o país”, revela Mad.

e tecnologia. O modelo logo caiu nas graças dos ingleses, sendo escolhido pela família real britânica como um de seus veículos oficiais, título que se mantém até hoje. A marca, que chegou ao Brasil em 1992, atualmente possui em sua família os modelos Defender, Freelander 2, Discovery, Range Rover Sport, Range Rover Vogue e o Range Rover Evoque.

51 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018


Autos e Motos

Mustang X Camaro, a briga da cavalaria americana

A

bela dupla de esportivos americanos. Com a venda oficial do pony car da Ford no Brasil, o modelo da Chevrolet ganha seu maior rival no mercado nacional. Nos Estados Unidos, a briga entre Mustang e o Camaro já rola desde os anos 1960. A cavalaria do Mustang 2018 é bem forte em sua versão GT Premium com o poderoso motor V8 5.0, de 466 cavalos, e novíssima transmissão automática de 10 velocidades com acionamento por borboletas no volante.

Roberto Nunes

Roberto Nunes, jornalista e produtor de conteúdo

mr.robertonunes@autosemotos.com

Endiabrado alemão

O Camaro é, também, um ícone global voltado para a performance. Vendido desde 2011 no país, o muscle car da Chevrolet está em sua sexta geração nas configurações cupê e conversível. Usa o emblema SS para mostrar que o seu motor é animal: um V8 6.2, de 461 cavalos e 62,9 kgfm de torque, auxiliado pelo câmbio automático de oito velocidades, com opção de trocas nas aletas atrás do volante. Cada um tem lá as suas armas. O Ford Mustang tem saídas exclusivas de ar no capô, conjunto óptico único em LED, rodas esportivas de 19 polegadas com acabamento preto brilhante e aerofólio traseiro. Já o Camaro encanta pelo ronco do “V-Oitão” e causa ainda suspiros na versão conversível, com sistema que abre e fecha a capota de lona preta em menos de 20 segundos. No Brasil, a Chevrolet cobra R$ 310 mil no Camaro cupê e pede, pelo menos, R$ 343 mil na versão conversível. A Ford posicionou o Mustang GT Premium 2018 por R$ 299.990. 52 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018

Fotos Divulgação

Fotos Divulgação

A Audi tem dois esportivos endiabrados: o R8 e o pequeno TT. Este ano, desembarca logo com a versão apimentada TT RS Coupé. O modelo vem equipado com o motor 2.5 TFSI, de cinco cilindros, para gerar 400 cavalos. Desta vez, a cavalaria ficou mais cara: para cada cavalo mais de R$ 1. Assim, a Audi posiciona o novo TT RS Coupé pelo valor de R$ 424.990.

O TT RS Coupé tem cárter e bloco do motor concebidos agora em ligas de alumínio. No total, o regime de emagrecimento no esportivo garantiu 25 kg a menos. Mais forte e potente, o motor turbinado gera 400 cv e 480 Nm de torque, entre 1.700 e 5.850 rpm. Tem números surpreendentes


Autos e Motos freios com pinças na cor preta e o logotipo da BMW em destaque. No interior, o BMW Série 7 tem elementos com insertos em madeira Fineline e acabamento Black High-gloss, revestimento de couro no painel de instrumentos e no volante esportivo BMW M, além de controles com detalhes em cerâmica.

com distância de 0 a 100 km/h em 3,7 segundos. A velocidade máxima é de 250 km/h, limitada eletronicamente. O pequeno esportivo da Audi vem com sistema de tração integral Quattro acoplado à transmissão S tronic de sete velocidades, e um moderno sistema de troca de marchas, para garantir as arrancadas do motor turbo de 400 cavalos.

Mais um leão

Um sedã de excelência

Fotos Divulgação

Aceleradas... Fotos Divulgação

O segmento de extremo luxo ganhou mais um integrante: é a versão Pure Excellence do sedã premium Série 7. A alemã BMW destaca ainda mais conforto no Série 7 Pure Excellence. É uma configuração com um perfil mais exclusivo e de sofisticação. Sai pela bagatela de R$ 774.950 e traz, entre os itens diferenciais, um pacote M Sport. O novíssimo BMW 750Li Pure Excellence tem detalhes cromados nos para-choques dianteiro e traseiro, além de uma grade frontal em formato diferenciado – identidade visual dos automóveis BMW –, novas saídas de ar laterais, na base das portas e nas guarnições das saídas de escapamento. O pacote M Sport inclui ainda no Série 7 rodas de liga leve de 20 polegadas, modelo W-spoke, sistema de

A Peugeot lançou o reestilizado 3008 no ano passado. Agora, chega com a versão Griffe Pack com um pacote mais amplo de tecnologia. O novo Peugeot 3008 Griffe Pack incorpora um piloto automático adaptativo com sistema de

Com o preço de R$ 154.990, o 3008 Griffe Pack custa R$ 9 mil a mais que o 3008 Griffe. Tem o ar-condicionado de 2 zonas, sistema multimídia com tela de 8”, painel de instrumentos em TFT de 12,3” configurável, bancos dianteiros com massageadores e regulagem elétrica para o motorista, teto solar panorâmico, rodas de 19”, faróis e faróis de neblina em LED. O motor do 3008 é o mesmo 1.6 turbo, o THP, a gasolina, com 165 cavalos de potência e 24,5 kgfm de torque máximo, ligado ao câmbio automático de 6 marchas e tração apenas dianteira. É um SUV de visual arrojado e amplo pacote de equipamentos de tecnologia embarcada.

parada no tráfego, assistente de frenagem de emergência, assistente de permanência em faixa, detector de fadiga, computador automático de farol alto, alerta de ponto cego e sistema de câmeras 360º auxiliares de estacionamento.

EcoSport topo da gama Feito na Bahia, o Ford EcoSport ganha a badalada configuração Storm de tração 4x4 acoplada ao motor 2.0 flex, de 176 cavalos, e a nova transmissão automática de seis velocidades. Tem apelo ainda mais aventureiro e sai por R$99.990. Nova Volvo Salvador O Grupo GNC amplia a sua atuação na capital baiana. Depois das novas revendas Terra Forte e Grande Bahia na Avenida Magalhães Neto, a empresa aposta na sueca Volvo com a concessionária GNC Suécia Salvador (Avenida Paralela). Harley na Bahia Até meados do ano, Salvador vai voltar a ter a sua revenda Harley-Davidson. Apaixonado pelas máquinas H-D, o médico-empresário Marcelo Zollinger prepara uma loja à altura dos modelos Electra Glide Ultra Limited e Fat Boy. 53 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018


Conexão Bahia | Portugal

P

ortugal

celeiro de oportunidades para brasileiros

54 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018

Por Laís Matos Imagens: Adriana Diniz

Rio Douro e seus barcos tradicionais


F

oi em meio ao cenário de crise e falta de segurança no Brasil que a advogada Marcela Muniz resolveu deixar a sua terra natal em busca de qualidade de vida. Decidida a ganhar novas experiências, partiu com a família para a região do vinho, do azeite e do bacalhau para construir uma nova história, e lá se encantou.

Vantagens como o custo de vida mais baixo que o do Brasil, qualidade de vida e o fácil acesso para qualquer país europeu têm atraído cada vez mais imigrantes dispostos não apenas a viver, mas também a empreender em terras lusitanas. Escolheu morar na cidade do Porto e trabalha como consultora imobiliária, ajudando outras pessoas a se estabelecerem no país. “Muitos brasileiros, como eu, estão chegando a Portugal. São pessoas com condições financeiras estáveis, abrindo mão de toda a estrutura conquistada para começar do zero”, destaca. O choque com outra cultura, com o sotaque, que às vezes pode ser muito difícil de entender, e, principalmente, com outro modo de vida são as principais dificuldades encontradas. Apesar disso, vantagens como o custo de vida mais baixo que o do Brasil, alta qualidade de vida e o fácil acesso para qualquer país têm atraído cada vez mais imigrantes dispostos não apenas a viver, mas também a empreender em terras lusitanas.

“Portugal está com as suas finanças saneadas perante o FMI e vem crescendo na esteira de países europeus de Primeiro Mundo, abrindo as suas fronteiras para os estrangeiros, para quem quer investir, residir e obter a cidadania”, explica Marcela. “Sei que essa enorme imigração pode assustar alguns portugueses, mas eles já estão se acostumando com o nosso jeitinho brasileiro”.

Hora de investir De acordo com Casildo Quintino, concierge empresarial da delegação da cidade portuguesa de Ourém, a crise impulsiona a busca por condições melhores, na vida e no trabalho. “Certamente, a crise política influencia toda a sociedade, seja no tecido econômico ou no dia a dia das pessoas, gerando grandes frustrações. Neste contexto, contribui para decisões de mudanças em busca de horizontes mais satisfatórios”, esclarece o mineiro.

Certamente, a crise política influencia toda a sociedade, seja no tecido econômico ou no dia a dia das pessoas, gerando grandes frustrações. Neste contexto, contribui para decisões de mudanças em busca de horizontes mais satisfatórios”

Casildo Quintino, consierge empresarial A fim de estabelecer laços e encaminhar empreendimentos na cidade de Ourém, Casildo explica que um concierge empresarial deve ter experiência e contatos suficientes para solucionar os problemas, sejam da natureza que for, que lhe são apresentados. “Porém

respeitando limites impostos pela lei e, sobretudo, com ética. Quando um empresário decide se estabelecer em Portugal, quanto mais em casa ele se sentir, mais fácil suportará as dificuldades impostas pelas regras locais”. Para quem deseja se aventurar pelas terras portuguesas, Casildo Quintino preparou para a Revista Let’s Go Bahia um pequeno manual para se estabelecer em Portugal em cinco passos: 1. Visitar as principais regiões do país para definir onde viver e investir. 2. Navegar pelo site do Consulado Português e verificar o enquadramento do tipo de visto de residente. 3. Para adquirir o visto de empreendedor, providenciar o Número de Identificação Fiscal (NIF) e a abertura de conta bancária. O pedido de atribuição do NIF é um serviço que permite o registro de um cidadão, residente ou não, em território nacional, na base de dados da Administração Fiscal, permitindo identificar de forma expedita e para efeitos fiscais a pessoa singular, atribuindo-lhe um número construído através de um algoritmo. (Retirado do site do Consulado Português). 4. Fazer um estudo prévio de mercado e planejamento familiar, através de um concierge empresarial. 5. Confirmar junto ao Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), por meio de entrega dos documentos, o interesse na residência. Finalmente, você estará apto a constituir uma empresa! 55 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018


Conexão Bahia | Portugal Quer conhecer um pouco mais o modo de vida em Portugal? Confira as dicas e observações da consultora imobiliária Marcela Muniz: •

O país é dotado de redes ferroviária e rodoviária invejáveis, para todos os quadrantes, de Norte a Sul, Leste a Oeste. Além disso, possui um clima mais agradável do que os demais países europeus.

A economia está próspera e, por isso, os imóveis têm preços muito atraentes, bem diferentes dos praticados no Brasil. Assim, as oportunidades se abrem para empreendedores.

Casario do Centro Histórico da Cidade do Porto

56 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018

Alguns brasileiros se mudam em busca da mesma vida que desfrutavam no Brasil, com apartamentos em condomínios fechados, estruturas completas, dois carros na garagem etc. Mas, depois de alguns dias, veem que essa condição não se adequa, pois a vida aqui é mais prática e o custo de vida se elevaria assustadoramente.

Empregada todos os dias? Só para a alta sociedade. Em Portugal, o pagamento é por hora e o brasileiro tem que se adaptar à realidade local: fazer a própria comida, lavar e passar roupa, tirar a mesa, arrumar a sua cama e todos os afazeres domésticos. Ano após ano, vemos que esse costume não nos faz mal. Contrariamente, nos faz crescer, amadurecer e dar valor a outros quesitos da vida em outro país, deixando para trás padrões sociais que eram importantes e que hoje não são mais. • São muito comuns os laços familiares existentes entre os dois povos, por isso, há muito acolhimento, dedicação e amparo. Os brasileiros, quando visitam Portugal, ficam encantados com a educação do povo, com a limpeza das ruas, com as construções antigas, com a ordem no trânsito e os imponentes palácios e suntuosas igrejas.

A advogada Marcela Muniz deixou o Brasil para viver na cidade do Porto e trabalha, atualmente, como consultora imobiliária.

“Portugal está com as suas finanças saneadas perante o FMI e vem crescendo na esteira de países europeus de Primeiro Mundo, abrindo as suas fronteiras para os estrangeiros, para quem quer investir, residir e obter a cidadania


Hoje nos cuidamos mais do que nunca e isso marca um estilo de vida natural e saudável. Por isso, incorporamos em nossos menus produtos mais frescos e naturais. E em nossa classe Business, produtos ecológicos e os denominados superalimentos.

Sá Menezes - Design Studio

Air Europa & seu bem-estar.

Cada detalhe conta.

Voos diretos para Madri saindo de Salvador, Recife e São Paulo com conexões para demais cidades na Europa. Para mais informações :(11) 3876-5607 | (71) 3347-8899 ou consulte seu agente de viagem. www.aireuropa.com


Turismo

Let’s Go

Colômbia N

este meu segundo artigo para a Let’s Go Bahia, que está cada vez mais “cool”, linda, divertida, com uma série de artigos superatualizados e mais presente na vida dos baianos, que modernizam-se cada vez mais no seu lifestyle, escolhi escrever sobre a Colômbia, que é o destino da América do Sul mais desejado no momento pelos brasileiros. A Colômbia foi onde nasceu Fernando Botero Angulo, pintor e escultor, que pintou, entre tantos outros, o quadro “Uma Família”; Gabriel García Marquez, escritor, jornalista, novelista e ativista, que escreveu, por exemplo, o best-seller “Cem Anos de Solidão”; e também Shakira Isabel Mebarak Ripoll, que gravou a famosa música “Waka Waka – This Time for África”, entre outras importantes personalidades internacionais.

com o Brasil e que fica a seis horas de voo desde Salvador. Todos os que chegam à Colômbia voltam encantados com o que lá encontram e vivenciam, a começar pelo seu povo alegre, acolhedor, prestativo, e com o que o país oferece, principalmente, por seu acervo cultural, sua história, sua gastronomia, sua natureza, suas cores e sabores, sua vida noturna, pelo seu clima, pela cor do mar, pelo ambiente e segurança que encontram em Bogotá, Cartagena das Índias e San Andrés, as cidades preferidas dos brasileiros. Algumas “pérolas” da Colômbia estão localizadas em Bogotá e, dentro do possível, devem ser visitadas, como o Museu do Ouro e o Museu Botero. Imperdíveis pela beleza e acervo exposto, assim como o Cerro de Monserrate, que brin-

Mario Bruni Engenheiro e empresário do turismo da a todos momentos de fé e uma energia indescritível, pois é lá que se encontra a “Basílica del Señor Caído de Monserrate”, além de oferecer uma vista incrível da cidade (está a 3.152 metros de altura em relação ao nível do mar). Em Zipaquirá, povoado próximo a Bogotá, encontra-se a Catedral do Sal, construída dentro de uma mina de sal, outra experiência única. Em Cartagena das Índias, a Cidade Amuralhada que é o

Por estar na moda, tem recebido, a cada ano, milhões de turistas de todas as partes do mundo ávidos por conhecerem um dos povos mais simpáticos e acolhedores da região e que também soube enfrentar com perseverança e coragem o maior problema que possuíam, que era a falta de segurança, tornando-se um destino seguro e muito atrativo. Barranquilla, Bogotá, Cali, Caños Cristales, Cartagena das Índias, Ilha do Rosário, Medellín, Parque Nacional Natural Tayrona, Santa Fé de Antioquia, Santa Marta, San Andrés e Zipaquirá são algumas das cidades e lugares mais interessantes para serem visitados nesse país, que faz fronteira 58 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018

A cor do mar da Colômbia é um dos motivos de encantamento dos turistas pelo país


Turismo A Colômbia tem recebido, a cada ano, milhões de turistas de todas as partes do mundo ávidos por conhecerem um país que possui um dos povos mais simpáticos e acolhedores da região. Centro histórico de Cartagena

coração e centro histórico da cidade, a Torre do Relógio, Baluarte de Santo Domingo, o Castelo de San Felipe de Barajas, a Catedral de San Pedro Claver, Las Bóvedas (que foram construídas na época colonial pelos espanhóis e que serviram de quartel e depósito de munições), o Convento de Santa Cruz de La Popa formam um conjunto de lugares históricos, culturais e turísticos da cidade, que merecem ser contemplados e vivenciados. Sua bandeira tem as cores amarelo, que representa a riqueza do solo; o azul, que simboliza o mar que banha a sua costa; e o vermelho, que lembra o sangue derramado por seus heróis na batalha pela pátria e liberdade. Como já puderam perceber nestas poucas linhas, a Colômbia, que significa terra de Cristóvão Colombo, em homenagem ao descobridor das Américas, merece ser visitada por vários fatores, a começar pelo idioma espanhol, de fácil compreensão para a maioria dos brasileiros, por sua cultura, arte, ambientação, sem contar que os preços dos hotéis, refeições, transporte e passeios

são relativamente baixos e ainda podemos degustar um excepcional café, conhecido no mundo todo por sua qualidade, além dos diversos drinks caribenhos, música animada como a salsa, restaurantes de padrão internacional, que oferecem experiências e diversões únicas, como o famoso Andrés Carnes de Res, frequentado por gente alegre, bonita que sabe “vivir la vida”.

-Bogotá-Salvador, o que facilita a viagem a esse encantador país. Façam as suas malas e curtam bastante, mas nunca se esqueçam de procurar um agente de viagens de confiança, que lhes dará as informações mais interessantes, precisas e necessárias, para que não tenham nenhuma surpresa desagradável.

Salvador está com um voo semanal, direto, entre Salvador-

Let´s go baianos... to Colômbia!

O Arquipélago de Rosário, a cerca de uma hora de barco do Centro, é uma das grandes atrações de Cartagena.

59 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018


BAHIA

Turismo

intimista História, natureza e senso de preservação fazem da Fazenda Engenho D’Água um lugar único para os visitantes. TEXTO Simone Ribeiro IMAGENS Roberto Abreu

R

econhecido de longe, o casarão branco se impõe no horizonte calmo de São Francisco do Conde, juntamente com a igreja, datada de 1760. É de onde temos uma rara visão da Baía de Todos-os-Santos, rota de saveiros carregados de mercadorias e pessoas nos séculos passados. Ambas as construções em processo de tombamento pelo IPHAN. E a 70 minutos de Salvador pela BR-324, pegando-se a via por Candeias ou Santo Amaro. Fotografias já desbotadas e expostas no interior da casa documentam o processo de reconstrução e restauração em quase uma década. Rastros da cana-de-açúcar já nem havia mais – o ciclo de exportação findou em meados do século XX. “Estava tudo acabado, toda a cadeia produtiva destruída”, conta o veteri-

60 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018

nário e administrador Mario Ribeiro, íntimo do local na infância. Foi o tio-avô dele, Joaquim Emídio de Sá Ribeiro, quem adquiriu a fazenda dos herdeiros do barão de São Francisco, em 1911. Quis o destino que o sobrinho-neto resgatasse as suas origens em 2002, ao comprar o imóvel praticamente no osso, da viúva de um produtor de cacau, promovendo na Fazenda Engenho D’Água a sua maior transformação. Desde 2010, as portas do paraíso rodeado de Mata Atlântica estão abertas para a visitação e eventos. Em setembro de 2017, o turismo que une história, contemplação e natureza ganhou mais um aliado, com a inauguração da Hospedaria Vila São Domingos.


A igreja, cujo formato octogonal, classifica a fazenda como um dos monumentos mais importantes da história da Bahia

Cena de novela A aposta na vocação turística da Fazenda Engenho D’Água foi descoberta dentro de um processo que consistiu em revisar os erros do passado a fim de fazer diferente no futuro. No lugar de um empregado é o próprio Mario Ribeiro quem assume o papel de guia, recebe os visitantes curiosos e desfia o novelo de histórias e personagens que por ali passaram. Oito salões internos, quarto da noiva, quiosque, banheiros, salão gourmet, varandas e salão de dança formam a estrutura capaz de abrigar sonhos, festas, aniversários e confraternizações; além da igreja, cujo formato octogonal a classifica como um dos monumentos mais importantes da história da Bahia. O clima é de novela, com pisos, lustres e cristais reluzentes; peças garimpadas

Diversificação é a nossa receita de sustentabilidade. Meu maior desejo é que este acervo se perpetue e não se torne ruína. Quando a gente viaja para fora do Brasil, o que mais vemos é igreja, museu, história. Tem meses em que a nossa produção agrícola é inexistente, daí fazemos um evento

Mario Ribeiro, proprietário da fazenda

em antiquários, móveis em jacarandá; paredes em alto relevo feitas com óleo de baleia, pedra e argila. A fazenda é uma propriedade de 400 hectares, dos quais 1200 metros são de área construída.

Mural do artista santo-amarense Zek, de 2009.

Dois estilos de arquitetura ali convivem: a primeira casa, em estilo colonial, data de 1610; a segunda, de 1822, com suas linhas neoclássicas, foi o anexo erguido para recepcionar o rei Balduíno da Bélgica, e que se transformou em hospital para acolher os soldados feridos na guerra pela independência 61 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018


Turismo da Bahia. Vale dizer que boa parte da fortuna de Joaquim Bulcão, um dos três barões de São Francisco, foi queimada na batalha. Em frente à praça que dá para a senzala, um belo mural do artista santo-amarense Zek, de 2009, homenageia a mão de obra escrava que trabalhou nos canaviais do Nordeste. Desde 2010, na fazenda é realizado dois eventos temáticos: um musical, o Forró do Engenho (junho), produzido há sete anos seguidos, e o Sabores do Engenho (outubro), gastronômico. A fazenda é procurada ainda para ensaios fotográficos e sala de aula de estudantes universitários dos cursos de História, Arquitetura e Agronomia.

Sentidos aguçados Viver uma experiência é o que todo mundo quer em uma viagem. E se isso já era possível em um day use – jogando conversa fora, pisando cacau e tirando leite de vaca, ficou melhor com um endereço onde se hospedar. A primeira “vantagem” é que, a depender da operadora do seu celular, o aparelho corre o risco de não funcionar. Desacelerar, caminhar, ler um livro, ouvir os pássaros, os macacos, as rãs, apreciar a diversidade de plantas e orquídeas; na Hospedaria Vila São Domingos, tudo isso você irá encontrar. Três apartamentos com capacidade para seis pessoas e diária que inclui café da manhã, almoço e jantar foram inaugurados em setembro do ano passado. Pilotos de São Paulo da categoria autocross que vieram à Bahia fizeram o test drive e adoraram, deixando as suas impressões no livro de celebridades da casa, ao lado de embaixadores e autorida62 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018

A Hospedaria São Domingos oferece aos hospedes o aconchegante conceito rústico-chique.

des brasileiras e estrangeiras. Cada locação possui dois quartos (um de casal e outro com dois beliches, ambos com suíte), sala de estar, varanda, cozinha e área de serviço. A decoração é charmosa e aconchegante. Na área externa, há um pomar com coqueiros, pés de graviola, acerola, laranja, fruta-pão, jenipapo e pitanga. Futuramente, os donos pretendem criar uma horta para

que os hóspedes se sirvam de temperos à vontade. Boa parte dos produtos consumidos na fazenda são dali mesmo, a exemplo do leite, dos ovos, das polpas e da galinha caipira. A reportagem da Let´s Go Bahia provou um pão delicioso preparado pela enfermeira Salete Pagliarini, gaúcha residente na Bahia há 20 anos, descendente de italianos e esposa de Mario Ribeiro.

Senzala, que hoje depois de restaurada, é local de eventos e visitada por pessoas de diversos lugares do mundo.


365

RAZÕES PRA dizer

O G S T LE eira Rib

Na sorveteria que é

verão o ano inteiro

cada dia é um roteiro inesquecível.

Praça General Osório,

87 - Ribeira

DO S OS DIA S PAR A CLI EN TES ● AB ERT O TO TO EN AM ON ACI EST ● RES ● 60 SAB O Imbuí e Aeroporto. opping do

opping Barra, Silver Sh

Salvador Shopping, Sh

O DOS SHO PPI NGS HOR ÁRI O DE FUN CIO NAM ENT


Bahia

é o momento de escolher! A

Bahia está em um momento delicado e precisa optar, ou melhor, fazer quase uma derradeira escolha: optar pelo futuro ou continuar eternamente a cultuar o passado. Optar pelo futuro não significa questionar tradições, desrespeitar os nossos ancestrais, negar a nossa cultura, muito pelo contrário. Optar pelo futuro significa evoluir, especialmente em conceitos, e sofisticar a visão para que nos leve a uma mudança de modelo, a sair da zona de repetição e a questionar a atual valorização do status quo secular. Optar pelo futuro é buscar um conjunto de compreensões que se interligam dentro do movimento em curso no mundo. Optar pelo futuro é ocupar as ruas, é entender que prefeito e governador são empregados públicos e não ídolos ou messiânicos salvadores. O ator das transformações é você, inclusive aprendendo democraticamente a exigir os seus direitos e os cumprimentos de promessas. Optar pelo futuro é você achar que quem muda a sua cidade é você. É você se autoempoderar de cidadania e convencer o seu vizinho e os seus amigos a fazerem o mesmo. Optar pelo futuro é acreditar que o seu filho não precisará ir a São Paulo para estudar ou trabalhar, que você pode ser um agente de

64 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018

Maurício Magalhães

Empresário, sócio do EVA e presidente da Agência TUDO

cobrança para termos as melhores faculdades do Brasil. Lutar para criar um ambiente de empreendedorismo, trabalhar para que seja possível a geração de bons e qualificados empregos, para, aí sim, os nossos filhos poderem sonhar. Optar pelo futuro é participar de entidades de classes, de bairros, ser voluntário, participar ativamente da cobrança e da mudança. Fazer a sua parte. Optar pelo futuro é respeitar e pagar bem aos seus empregados, prioritariamente aos domésticos; é dar bom dia, boa tarde, dizer obrigado, por favor. Optar pelo futuro é parar de pedir convite de graça por prestígio quando você pode pagar por ele. Pagar em São Paulo é um valor; pago porque posso, posso porque trabalho. Na Bahia, o ato de não pagar também é um valor. Optar pelo futuro é se orgulhar da saída do Ilê, é ser contribuinte das Obras Sociais Irmã Dulce, é ser voluntário de qualquer coisa que transforme. Optar pelo futuro é andar nas ruas, pegar metrô. Optar pelo futuro é conhecer e visitar com o seu filho a casa de Maria Adair, que fará 80 anos e fez de seu ofício de artista plástica a sua vida; vá lá e entenda, melhor, sinta o que escrevo. Optar pelo futuro é hoje reconhecer que Luiz Mott foi um

visionário e corajoso com o seu GGB, e se orgulhar do gênio da raça Carlinhos Brown, é amar tomar banho de mar no Porto da Barra mesmo “crowdy”, porque o “crowdy” do seu lado é o bicho! O que há de melhor em nossa terra: o povo! Optar pelo futuro é abominar a corrupção e defender que os seus agentes deveriam passar vergonha pública, e não acharmos tudo normal ou que era a regra do jogo.

Optar pelo futuro significa evoluir, especialmente em conceitos, e sofisticar a visão para que nos leve a uma mudança de modelo, a sair da zona de repetição e a questionar a atual valorização do status quo secular. Optar pelo futuro é assistir ao espetáculo de teatro “Boca a Boca: um Solo para Gregório de Matos”, uma homenagem ao poeta que nasceu em 1636, na Bahia, com um espetacular ator Ricardo Bittencourt, que, através de sua poesia, descreve ainda hoje o que é a Bahia; talvez esse espetáculo nos faça compreender o que é, de fato, optar pelo futuro. Agora ou nunca. Axé, Let’s Go!


65 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018


Especial Bairros

Barra de portos abertos

O bairro que hoje reúne nobres tradições familiares e um sentimento de pertencimento já foi um espaço de batalhas contra invasões. Por Filipe Moreira

66 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018


Especial Bairros ropeia, que teve muitos reflexos aqui, e a importância dos portos para o comércio, aos poucos, foram transformando Salvador e a Barra foi e continua sendo muito importante para o desenvolvimento da cidade. Uma potência turística pelas suas belezas naturais, que instiga um comércio intenso e um forte fluxo de admiradores e consumidores.

Site: salvador-antiga.com

Um lugar de possibilidades

Barra por volta de 1940, trecho da Avenida Sete de Setembro, entre o Forte de Santa Maria e o Farol da Barra

de Artes, com uma exposição da obra do desenhista, pintor, ilustrador e ceramista. O Santa Maria, por sua vez, conta com o Espaço Pierre Verger da Fotografia Baiana, evidenciando o trabalho do artista francês que se destacou com obras sobre o tráfico de escravos e a situação dos negros na Bahia. Eventos que se sucederam, como a chegada da Família Real, a revolução industrial eu-

Arquivo da T&A

Um espaço de importância inquestionável por toda a história da Bahia e do Brasil, Barra é o nome dado às entradas dos portos, mas aqui em Salvador é sinônimo de valores, cultura e empreendedorismo. Desde as expedições de exploração territorial, passando por capitania hereditária, até se tornar o que conhecemos hoje, o bairro sempre foi um marcador muito forte de uma identidade soteropolitana e, consequentemente, brasileira. Reunindo nobres tradições familiares e um sentimento de pertencimento muito forte, a Barra já foi um local de batalhas contra invasões. Os fortes Santo Antônio, São Diogo, Santa Maria, que hoje são pontos turísticos, carregam um histórico de luta e resistência. Construído no século XVI, o Forte Santo Antônio da Barra – o primeiro do litoral brasileiro – é mais conhecido pelo Farol da Barra, uma das vistas de maior prestígio do Brasil. Já o São Diogo, hoje abriga o Espaço Carybé

Reforma realizada pela prefeitura

Em 2014, o bairro passou por uma reforma realizada pela prefeitura, que resultou em fortes mudanças. Lojas, bares e restaurantes como o Pereira e a hamburgueria Bravo estão se instalando por lá. Além disso, é a localização de um dos maiores shopping centers da cidade, o Shopping Barra, um espaço com diversas opções de lazer e entretenimento para toda a família se reunir, fazer compras ou uma boa refeição. O chef da Bravo, Rafael Zacarias, sempre teve vontade de levar a hamburgueria para a Barra, mas, depois da obra, ficou um pouco difícil estacionar carros no local. No entanto, por ser um bairro que é destino certo para quem quer curtir o dia e a noite, seja nas praias ou nos restaurantes e bares a noite, ele superou as adversidades e abriu a loja. “Fizemos uma parceria com o estacionamento do Hospital Espanhol, onde o nosso cliente paga um preço bem em conta, e, depois disso, focamos as nossas energias para o serviço. É nossa obrigação entregar o mesmo produto que entregamos nas outras duas casas”, contou. A Padaria Belo Rústico, do chef australiano Richard James, terá uma loja no Shopping Barra e ele diz que já possui diversos 67 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018


depositphotos

Especial Bairros

Forte de São Diogo, Porto Barra.

clientes de regiões próximas que precisavam se deslocar até a Pituba para consumir os seus produtos naturais e artesanais. “Vejo que cada vez mais as pessoas buscam uma qualidade de vida maior devido à correria do dia a dia. Estar no shopping é uma maneira de espalhar a nossa loja e a procura pelo nosso produto”, explica. Também se encontram lá a Confeitaria Priscila Diniz e o primeiro Makerspace Bilíngue do Nordeste, um espaço do curso de idiomas ACBEU, com foco no desenvolvimento de habilidades através do estímulo da criatividade e de produções. Dentre os locais de destaque deste pedaço da Orla soteropolitana também está a recém-inaugurada Casa Salvador. Administrada pela California Media House, é um espaço voltado a youtubers focados em música, entretenimento, humor e lifestyle. A empresa que também gerencia o conteúdo do FitDance visa estimular a economia criativa através desse projeto, patrocinado pela prefeitura e que contará com tecnologias de ponta para a produção de vídeos para a internet e trará consigo o serviço 68 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018

de alimentos da hamburgueria Red Burger. Ao longo do tempo, o bairro também se tornou o circuito mais importante do Carnaval de Salvador, recebendo cada vez mais investimentos e um trânsito intenso de turistas, consolidando o local como um destino irresistível.

A arte dos Fortes Entre exposições virtuais, telas interativas, vídeo mapping e outros recursos tecnológicos, no Espaço Pierre Verger da Fotografia Baiana, no Forte de Santa Maria, e no Espaço Carybé de Artes, no Forte São Diogo podem ser vistas exposições, tais quais “As Aventuras de Pierre Verger” e “Ruínas da Memória” (Verger) e “Áudio Carybé - janelaabertapara a Baía” e “Tótens” (Carybé), entre outros trabalhos. Os dias e horários de visitação as dos espaços são de quarta à segunda, das 11h às 19h, sendo que às quartas-feiras o valor é gratuito e, nos demais dias, $20,00 com direito à visitação dos dois espaços. Estudantes, PNE e pessoas a partir de 60 anos, pagam meia-entrada.


69 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018


Conectados

Yes nós temos

bananas! Sim, vou falar sobre o Carnaval.

O

Carnaval de 2018 surpreendeu! Olha, me desculpe a falta de modéstia, porém há mais de cinco anos previ que um Carnaval sem cordas, em que se extingue a mazela social dos cordeiros e as rédeas nas mãos dos poderes públicos, seria a solução! Aliado a isso o crescimento dos carnavais de fanfarras nos bairros e um possível espaço privado para abraçar os camarotes. Teremos um novo modelo de negócio, sem dúvida, que atrairá muita gente deste país novamente para a terrinha! Sou contra o trio elétrico de grande porte no circuito da Barra e, sem dúvida, o Pelourinho se modernizou, porém guardando tradições do “Carnaval-família”! Trios grandes, com grandes atrações, devem acontecer somente na Avenida, fortalecendo o Circuito Osmar, e sem cordas! Olhando pelo aspecto musical, está mais do que provado que existe, sim, muita vida pós-Axé music! Passamos anos com os “donos de banda” aliados a artistas que sempre tiveram o poder do microfone na mão, mas, por serem os grandes ganhadores, sempre se calaram e deixaram o barco correr tanto que afundou! Agora, alguns sem grana e sem a antiga expressão aparecem uma hora ou outra na mídia a se debaterem que nem siris na lata. De nada adianta! Já foi! Perderam! Voltando à música, ela brota nesta terra, sim! E a prova são Àttøøxxá, Larissa Luz, Márcia Castro, Léo Santana, Guga Meyra, Ana Ma-

70 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018

metto e muitos que não citei aqui e que estão criando e fazendo acontecer! Existe uma nova música baiana para se dançar nas ruas acontecendo e se preparem que vem muito mais e com um fato novo: esses artistas não se rendem a empresários sem experiência e sem uma visão ampla do que significa criar e consolidar um produto em termos de cultura e conceito duradouro comercial, eles querem gestores e parceiros em lon-

Sou contra o trio elétrico de grande porte no circuito da Barra e, sem dúvida, o Pelourinho se modernizou, porém guardando tradições do “Carnaval família!” Trios grandes, com grandes atrações, devem acontecer somente na Avenida, fortalecendo o Circuito Osmar, e sem cordas! go prazo, sem imediatismos. Uma segurança impecável como sempre e um fato novo, apesar dos pesares, que foi o “Respeita as Mina” e o “Não é Não”; ficou claro não só o empoderamento das “minas” como também a consciência em forma geral da estupidez e bestialidade com as quais alguns homens abordam as meninas na festa! Como sempre insisto, os poderes públicos são os donos da festa, pois ela é do povo. Então, as campanhas

Ildazio Tavares Jr. Administrador de empresas e radialista realizadas estão de parabéns. Peca-se ainda em decoração! Faz-se necessário chamar, urgentemente, a Escola de Belas Artes da Universidade Federal da Bahia (UFBA) para se envolver nesse processo. Levar o Carnaval a se misturar com a arte de uma vez por todas! Grandes peças pela cidade e não somente outdoors! Não somente comunicação visual em grandes banners e empenas! Gastar essa grana com arte para os turistas de todo o mundo apreciarem os nossos artistas de maneira grandiosa, portentosa e com o conceito de uma universidade federal! Enfim, recuperamos a alegria que traz tantos turistas e, com certeza, eles tenderão a aumentar, rodando a nossa fragilizada economia e ajudando a engrandecer a festa popular com mais artistas sem cordas para o povo, em trios, palcos e bairros. Que se consolide a mão vigorosa do Poder Público e da criação popular cultural como grandes vetores dessa imensa e bela festa.


Sá Menezes

71 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018


Carnaval

Destaque: de Camaçari para o Brasil Nascida em Camaçari, Carol Amaral passou a integrar este ano o ballet do Faustão, foi rainha de bateria e pretende seguir carreira de atriz no teatro, na televisão e no cinema Por Daniel Oliveira

O Foto: Augusto Wyss

samba no pé, a beleza e a determinação da baiana Carol Amaral, de 22 anos, nascida em Camaçari, município da Região Metropolitana de Salvador, transformaram o seu desejo de ser bailarina e ter a dança como principal foco de trabalho em seu maior objetivo. Com isso, a construção da carreira na área se tornou um sonho. O principal horizonte – integrar o corpo de bailarinas do Domingão do Faustão (Rede Globo) – não demorou muito em acontecer. Primeiro, fez a mudança, da Bahia para São Paulo, e arriscou. Logo quando chegou à capital paulista, nenhuma seleção estava sendo realizada. Porém a garota foi chamada para fazer uma participação no quadro Ding Dong e, imediatamente, o coreógrafo responsável pediu para ela continuar por um período. Em fevereiro deste ano, ela foi efetivada no ballet do Domingão do Faustão, após ter ficado oito meses no quadro, ensaiar intensamente e realizar ainda um teste para o programa. “A experiência mais especial da minha vida, com certeza, está sendo esta. Hoje, vivo isto. Quero agora aproveitar os momentos, curtir, porque foi uma luta chegar ali”, diz. De fato, a jovem saiu de Camaçari cedo, sem os pais, para correr atrás dos sonhos, estudar e aproveitar as oportunidades. O cotidiano de São Paulo exigiu adaptação. Carol sentiu a diferença entre as duas cida-

72 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018


Carnaval

Carol pretende, em breve, conciliar o trabalho de bailarina com a carreira de atriz no teatro e na televisão. Ligação com o Carnaval Além de começar no ballet do Domingão do Faustão, outro fato marcante aconteceu na vida de Carol este ano. Ela foi convidada para ser a rainha de bateria da escola de samba Camisa Verde e Branco e desfilou durante o Carnaval de São Paulo. Antes, em 2016, ela já havia sido Rainha do Carnaval de Salvador. “Fiquei muito feliz e surpresa, porque sou nova na cidade e não tenho a cultura do samba de São Paulo”, afirma. “Foi maravilhoso. Tive muitos aprendizados. Assistia sempre ao Carnaval de São Paulo pela televisão, mas nunca imaginei estar ali, ainda mais em uma

Foto: Arquivo pessoal

des que já havia morado, mas encarou como parte das suas escolhas profissionais lidar com isso. “Salvador e Camaçari são mais tranquilas, as pessoas são mais comunicativas. A correria do dia a dia aqui afasta as pessoas. Costumo dizer que vim para trabalhar, só faço isso aqui”, fala.

Este ano, Carol Amaral assumiu o posto de rainha de bateria da escola de samba Camisa Verde e Branco e desfilou durante o Carnaval de São Paulo

escola tão tradicional. Apaixonei-me pela comunidade, que me abraçou, das crianças até a velha guarda. Já estou com saudades”, fala Carol, menos de uma semana depois do desfile. A ligação de Carol Amaral com o Carnaval é antiga. Ela relata uma das recordações de sua avó, sempre narrada nos momentos em família, que lembra que ela, ainda muito pequena, dizia com muita frequência que gostaria de se tornar a Globeleza, dançarina presente nas vinhetas da emissora

de TV durante os dias de folia. “Sempre amei o Carnaval”, afirma. Carol também pretende, em breve, conciliar o trabalho de bailarina com a carreira de atriz no teatro e na televisão. “Não vou deixar de estudar, inclusive vou começar alguns cursos de teatro agora”, diz. “Sempre tive o sonho de trabalhar na TV, no cinema e no teatro. Após entrar para o ballet do Faustão, abri a minha a cabeça e entendi que todos os nossos sonhos podem virar realidade”, completa. 73 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018


Carnaval

CARNAVAL DE SALVADOR Capital baiana consolida expertise na realização da maior festa de rua do mundo Matheus Pastori

Era Carnaval na Bahia. Bastava olhar para o lado. Bastava, na verdade, olhar. Ver a multidão. Massa concisa que fazia, de um ponto escolhido à sorte, lugar cativo de permanência. Quem quer que fosse e de onde quer que viesse, era certo: de lá, eles não arredavam o pé. Do alto do Cristo, como se sabe, se vê a Barra tão quanto parte de Ondina. Pois bem. De lá, a disparada da Pipoca do Psi não fez um sequer demover da ideia de fazer valer o seu direito ao risco de asfalto no chão. No contrafluxo de dezenas de milhares, desses tantos, uns e outros se somavam à sólida turma observante. Cansados, pegavam uma água, acendiam um cigarro, paqueravam um ou outra de tal sorte que, quando davam por si, já não eram mais bloco, área, demarcação, cordas nem nada. Eram tão somente multidão. Foliões. Seja de abadá, pulseira, varanda, pipoca ou camarote – pairava a ideia contumaz de um 74 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018

Carnaval há muito dado com findo. Vimos, de lá, de perto e de cima, o desfilar incólume dos unicórnios, índios, Batmans, sereias e Ivetes. Fantasias que não eram lindas ou finamente acabadas, mas juntas, ah, juntas..., como se diz na Bahia, estavam “entregues”. O que também se diz é que a moda é cíclica. Bem, o Carnaval também é. A folia trieletrizada de Salvador começou com alguns visionários arrastando os maravilhados com a ideia de potencializar a música e percorrer a cidade ao lado de amigos e amores. Todos tinham espaço em um Carnaval, que, à época, ainda caminhava em um ritmo lento. Logo, a fobica se transformou em caixas de som amplificado e o povo começou a ter dificuldade para ver a banda passar. Surgiram os blocos dividindo a multidão e passaram a existir aqueles que podiam, ou não, pagar pela folia.

Para completar o negócio momesco: os camarotes, reservados àqueles que não aguentam o suor e o aperto entre o mar de gente uniformizada, além de outra nova figura: o folião-pipoca. Parecia uma fórmula pronta e de sucesso. Mas, também como dizem, os últimos serão os primeiros. Pois bem. Este ano, os números de atrações-pipoca vieram às dezenas; dos mais diversos gêneros e para os mais peculiares gostos. E, com eles, o mundo voltou a ver a Bahia pulsar naquele que, dizem, foi um dos mais democráticos e harmonizados carnavais da pós-modernidade baiana. Exemplo disso é o trio independente – ele que era, até então, considerado uma subclasse do Carnaval de Salvador. Um subterfúgio procurado por artistas “pouco midiáticos”, que, por alguma razão, não conseguiam desfilar em trios comerciais. Em 2018, o status de “independente” ascendeu. Brilhou e fez a alegria da mul-

Valter Pontes - SECOM

A hora e a vez do folião


Carnaval

Bruno Concha_SECOM

Sulo reverenciando o folião pipoca no carnaval de salvador

Artistas e patrocinadores entenderam que, com as cordas em riste, atingem uma parcela muito limitada da massa de foliões. A cada ano, as vendas de abadás foram diminuindo até que se chegou o dia em que, para alguns, foi impossível colocar o bloco na rua. Foi então que o folião-pipoca ganhou, ou melhor, reconquistou o seu espaço no Carnaval de rua. Bom exemplo disso é Saulo e a sua tradicional pipoca, uma das atrações mais esperadas na maior festa de rua do mundo. Os baixíssimos índices de ocorrências policiais renderam ao desfile sem cordas do artista o título de “Pipoca da Paz”. “O Carnaval está se transformando, e o maior benefício dessa transformação é a ocupação das ruas de Salvador. Nosso Carnaval está muito mais diverso e com a participação maior da nossa população!”, disse Saulo à Let’s Go Bahia. Nesse mesmo raciocínio, o Poder Público achou por

bem intervir. E fez certo. O Carnaval de bloquinhos – minimalista e inclusivo – voltou a ser charmoso e os bairros mais afastados dos circuitos tradicionais continuaram a ver grandes estrelas irem ao seu encontro. Assim, o clima pré-carnavalesco soteropolitano trouxe, já desde janeiro, os celebrados 96% de ocupação hoteleira. Cercada de sotaques, bem como de costume, Salvador retorna à alegria de pequenos blocos de travestidos dentre tantas famílias brincando juntas, em um verdadeiro fuzuê.

Saulo, músico

que gosta do bloco, outro que gosta do camarote e o que quer sair nas ruas, atrás da sua atração preferida. Por isso, o Governo do Estado investiu em mais de trinta atrações de diversos estilos musicais, de quinta a terça-feira, para agradar os mais variados gostos”, avaliou o superintendente da Bahiatursa, Diogo Medrado. Uma das consequências mais lúdicas dessa tendência foi a volta da fantasia, a consagração do Furdunço, da bagunça organizada. O herói, a máscara, os contos de fadas, a coroa; o desejo íntimo do folião voltou a dar o tom e o tema na avenida.

Ô abre alas!

Rita Barreto

tidão, a mesma de que falamos no início do texto. Cumpriu, ora, o próprio objetivo mais fino e primário a que se destina o Carnaval.

O Carnaval está se transformando, e o maior benefício dessa transformação é a ocupação das ruas de Salvador. Nosso Carnaval está muito mais diverso e com a participação maior da nossa população!

Superintendente da Bahiatursa, Diogo Medrado.

“Acreditamos que o Carnaval é uma festa democrática que tem espaço para todo tipo de manifestação. Tem o folião

A folia de 2018 também coroou os projetos, blocos e parcerias voltadas para um dos segmentos que, é notório, mais participam ativamente do Carnaval de Salvador. A comunidade LGBT+ se viu representada – e respeitada – como uma das que mais curtem e trazem alegria à capital baiana, especialmente naqueles tempos de fevereiro. O que, antes, teve início com o pioneirismo de Daniela Mer75 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018


Carnaval

“O público LGBT sempre curtiu o Carnaval de Salvador, mas, em função da liberdade que esses foliões têm hoje, de poderem curtir sem máscaras, a gente fica com a impressão de que é uma novidade. Não é. O que é novo é a força, a transparência desse público, que se sente mais à vontade para se divertir abertamente, como outros grupos de foliões sempre fizeram”, avalia Zé Augusto.

Números

Almir Santos - Secult

cury e do Crocodilo, hoje está multiplicado em atrações como “O Vale”, com Alinne Rosa, e “Blow Out”, com Claudia Leitte. Não por acaso, estas novas iniciativas vieram do grupo San Sebastian, de André Gagliano e José Augusto Vasconcellos, conhecidos por estarem à frente dos principais negócios nesse segmento.

Carnaval do Pelourinho

camarotes e blocos com cordas – esse quantitativo chega aos 2 milhões de pessoas com 750 apresentações em todos os circuitos oficiais. Foram, no total, quase 1,2 mil horas – o que equivale a 50 dias inteiros – de música.

SECOM

“Todos os indicadores apontam que nós fizemos o maior Carnaval da história da cidade, com maior participação popular em todos os sentidos. Índices de violência baixíssimos e menor necessidade de utilização dos postos de saúde também”, avalia o presidente da SALTUR, Isaac Edington. Presidente da SALTUR, Isaac Edington

Para quem gosta de dados, lá vão eles. A Prefeitura de Salvador estima que se trataram de 186 trios desfilando sem cordas e mais 250 atrações gratuitas nos bairros e palcos temáticos instalados em diversos cantos da cidade. Em números oficiais, a folia na capital baiana reuniu, diariamente, 1,8 milhão de pessoas nas ruas pulando só na pipoca. Cálculos da Empresa Salvador de Turismo (SALTUR) somam 76 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018

Daqui em diante Questionado sobre o futuro do Carnaval de Salvador, Edington se mostrou otimista. Disse à reportagem que “apesar de todo um mau agouro de um determinado grupo de pessoas, o que se demonstrou foi que, de fato, a população aprovou a folia e a tendência é que ela se fortaleça a cada ano”. O presidente da SALTUR ponderou que ainda existe crise na economia brasileira, a qual

afetou, em especial, alguns blocos tradicionais da folia soteropolitana. No entanto, o gestor municipal acredita em uma retomada. “Esperamos comemorar carnavais ainda melhores. Ajustes precisam ser feitos, é claro. Mas acredito que o Carnaval de Salvador só vem ganhando força”, completou Isaac. Mais do que os números, foi a própria energia de Salvador, apesar de efêmera, que nos comprovou e reafirmou: somos os mestres dessa festa. Por isso, ficamos na torcida para que, em 2019, o mar de gente se repita e a folia recomece com toda a glória desse que, certamente, é um dos maiores orgulhos de quem nasce na Bahia. Que o Carnaval, cada vez mais colorido e democrático, se mantenha como a maior expressão deste nosso espírito. Aquele eternamente folião.


77 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018


Entrevista

Sérgio Bezerra

S

nido de um espírito inquieto, juntou músicos de sopro dos mais diversos instrumentos e os tornou ícones da resistência da ludicidade carnavalesca, coisa que defende com unhas, dentes e música. Confira mais na entrevista concedida ao repórter Matheus Pastori. Sérgio, você pensou em um Carnaval mais lúdico quando a festa já era dominada por grandes empresas. A que você atribui esse seu pensamento? Desde criança, já participava, em Mar Grande, das festas do Largo do Duro, do Largo de São Bento, do Carnaval do Clube dos Vinte, que eram um grande sucesso. Isso ficou como

algo muito forte dentro de mim à medida que cresci. Em Salvador, já crescido, não perdia os bailes do Yacht, do Bahiano, da Associação Atlética, as batalhas de confete... As apresentações como a Orquestra do maestro Carlos Lacerda, que eram verdadeiras maravilhas carnavalescas. Eu não deixo o Carnaval da alegria, da fantasia, das brincadeiras, do confete, da serpentina. Pude participar do início do bloco do Jacú e do bloco do Barão, que tiveram participações importantíssimas na história do Carnaval de Salvador. De repente, nós tínhamos um

Jotta

érgio Bezerra é, hoje, o nome de um dos circuitos oficiais do Carnaval de Salvador, maior festa de rua do mundo. Mas antes, muito antes, Sérgio é o nome de um empresário apaixonado pela alegria dos confetes e das serpentinas. Em entrevista à Let’s Go Bahia, o criador e idealizador do tradicional bloco “Habeas Copos” falou durante 30 minutos, sem qualquer dificuldade, sobre esse amor que coloca para desfilar nas ruas da Barra. Espectador da crucial transição entre os carnavais dos anos 1950 e 1960 para os de atualmente, o empresário, dono do bar homônimo ao bloco, revelou a sua saudade e o que o motivou a ir de encontro aos interesses das grandes corporações. Mu-

“Eu não deixo o Carnaval da alegria, da fantasia, das brincadeiras, do confete, da serpentina”

78 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018


Entrevista Carnaval de rua puramente acústico, que se destacava pela alegria e harmonia de seus blocos. Pontualmente, passava um trio, como o de Dodô e Osmar, mas ainda sem voz. Houve essa trieletrização, uma mudança muito grande. Os clubes deixaram de ter os grandes bailes e deixaram as orquestras de lado. Passaram a ter trios, em vez disso. O Carnaval, sem dúvida, passou a ser mais agressivo. Fora daquele glamour que tinha antes. Aí, passou a ter a corrida desesperada pela comercialização das festas, dos blocos, das abadás. A essa altura, o Jacú, por exemplo, teve de deixar a avenida, por ser um bloco sem cordas. Acabou deixando de sair no Carnaval porque não conseguiria enfrentar a tal trieletrização. Daí, os Novos Baianos começaram a cantar no trio, surgiu a Tropicália e o Carnaval deslanchou de vez. Tudo isso mudou radicalmente a forma de brincar a festa. Em 1976, já tinha inaugurado o Habeas Copus aqui na Marques de Leão e eu identifiquei, como morador da Barra, como empresário, uma potencialidade muito grande - pela beleza natural que a Barra tem e pela necessidade de fazer uma descentralização do Carnaval, para que houvesse um espaço em que pudéssemos brincar o Carnaval com mais alegria, mais descontração. Daí, com as primeiras bandas de sopro, começamos a desfilar o Habeas com os próprios frequentadores do bar. Mas ninguém algum dia acreditou que pudéssemos ser vitoriosos nessa tentativa de descentralizar o Carnaval através de bandas de sopro e percussão. Quando o Habeas plantou essa semente da fanfarra, conseguimos gerar emprego e renda para músicos de sopro, que

estavam praticamente desempregados depois do trio elétrico. Essa foi uma semente bem plantada, bem regada, e que deu muito certo. Hoje, estamos vendo que o Brasil está voltando a optar por esse estilo de Carnaval, com os blocos alternativos, inclusive no próprio circuito Barra-Ondina. A sua ideia inspirou outras pessoas a também investirem em blocos menores e mais personalizados. Como você avalia o circuito que leva o seu nome e festas como o Fuzuê e o Furdunço? O sucesso do Habeas foi tão grande que houve, por parte do Conselho do Carnaval (CONCAR), a iniciativa espontânea de criar o Circuito Sérgio Bezerra como sendo o circuito das fanfarras. Isso se deu graças ao esforço e, acima de tudo, graças ao sucesso alcançado por esses blocos alternativos, que saíam de uma forma não oficial. Na quarta-feira, no dia das fanfarras, a família desce para brincar, os moradores da Barra descem para brincar. Isso foi muito bem acolhido. O Furdunço foi um produto criado por meu amigo, Guilherme Bellintanni, quando ele estava à frente da Secretaria de Turismo. É um estilo que, na realidade, quis prestigiar os pequenos blocos para formar o que ele chamou de Furdunço, mesmo, né? E, depois, Isaac Edington e Valtinho Queiroz criaram o Fuzuê, que é uma repetição do Furdunço, só que sem trios. É algo muito bonito e mais cultural, traz as tradições do interior. É bem importante. Mas acho que o Furdunço extrapolou no tamanho. Ele é fantástico, mas está mais para o Centro da cidade, está pronto para ocupar, por exemplo, essa lacuna deixada na Aveni-

da Sete. Não é algo que caiba mais na Barra somente. Isso, inclusive, é algo que vou colocar em discussão no Conselho do Carnaval. Nós precisamos dar atenção ao esvaziamento do Carnaval do Centro da cidade. O Carnaval de Salvador, por si só, é uma potência muito grande. Ele é fantástico, mas está precisando se reinventar. Ele está envelhecido. Nós temos afoxé, bloco afro, trio elétrico, só que isso não pode ser misturado tudo em um só espaço. É preciso dividir melhor, fatiar bem esse bolo. Só está se pensando no garoto, mas estão se esquecendo de que o garoto tem a mãe, tem a tia que gosta de brincar Carnaval e precisam ter esse espaço também. Como folião e empresário, o quê você deseja para o futuro do Carnaval de Salvador? Eu quero um Carnaval com boas músicas, que sejam feitas com boa qualidade. Perdeu-se o humor carnavalesco. Quero que o Rei Momo volte a ser grande figura da folia, com as rainhas. Tem que se fazer um Rei Momo de respeito, como já tivemos. Outra coisa que desapareceu foi a nossa decoração de Carnaval. Nós perdemos essa coisa da disputa entre os grandes artistas da Bahia, que saíam das grandes escolas para concorrer na decoração da cidade; hoje, temos grandes talentos que poderiam contribuir para isso. 79 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018


Saúde

Como um publicitário eliminou 100kg em 1 ano, e mudou radicalmente sua vida pessoal e profissional O publicitário Fabiano Lacerda foi desafiado em uma aposta a eliminar 60 kg em seis meses. Ele venceu o desafio, mudou de profissão e agora ajuda outras pessoas a definirem um foco na vida. 80 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018


Saúde m um ano, o ex-publicitário baiano Fabiano Lacerda, hoje com 35 anos, promoveu mudanças radicais em sua vida. Mais do que apenas trocar os jantares com pratos contendo 1,5 kg de comida por hábitos alimentares mais saudáveis e adotar uma rotina de atividades físicas, ele mudou a sua mente. O resultado logo se refletiu na balança, que passou a registrar 100 kg a menos. O caminho para alcançar uma transformação corporal tão intensa em apenas doze meses – ele chegou a pesar 193 kg – não poderia ter sido trilhado sem que ele tivesse definido um foco e contasse com a ajuda da família, amigos e de vários profissionais. Com um novo corpo e uma nova mente, Fabiano já escreveu um livro, intitulado “A Aposta”, faz palestras, é coach e já se prepara para disputar o Ironman, uma das provas de triátlon (natação, ciclismo e corrida) mais difíceis do mundo. Ele fazia parte de um grupo que sofre com um problema que, atualmente, atinge 1 a cada 5 brasileiros, segundo dados da Pesquisa de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (VIGITEL). A mesma pesquisa aponta que somente em Salvador mais de 53,8% dos entrevistados estão acima do peso normal e 20% deles já são considerados obesos. O gatilho que desencadeou essas mudanças na vida de Fabiano surgiu de uma aposta com amigos de trabalho e seu pai, o comerciante José Lacerda. “Meus colegas da agência onde eu trabalhava ficavam me desafiando com pequenas apostas, que eu nunca aceitava. Um dia, estava no telefone e meu pai ouviu a proposta dos meus amigos e ofereceu mais R$ 5 mil reais”, relembra o ex-publicitário, que estava pesando quase 200 kg, tinha

uma série de limitações, porém não apresentava taxas de saúde alteradas. Quando ouviu que os colegas de trabalho estavam desafiando o seu filho, José não pensou duas vezes. “Refleti comigo: está na hora de aumentar a aposta. Virei para ele e disse: estou apostando para eu perder. Conheço o seu potencial e sei que é capaz”, conta. Aquela conversa resultante da aposta foi a chave de comando necessária para empolgar o ex-publicitário a definir um novo foco para a sua vida. “Aceitei a aposta e pedi uma semana para me organizar”, diz Fabiano em seu primeiro livro, no qual relata o passo a passo do desafio, desde as consultas médicas até a sua nova rotina.

“Estava ali para ganhar a aposta” As regras do jogo, que foi liderado pelo seu amigo de trabalho Murilo Leite, diziam que Fabiano desafiado precisava perder 60 kg em seis meses, sem procedimentos cirúrgicos, sem inibidores de apetite ou qualquer outra medicação. Ele só poderia fazer atividades físicas e reeducação alimentar durante o período e se não cumprisse a aposta, deveria devolver o dobro do dinheiro da aposta para todos os que participaram do jogo. Fabiano não revela “nem sob tortura” o valor final que ganhou ao cumprir a aposta iniciada em outubro de 2014. Os obstáculos que surgiram em seu caminho para impedi-lo de cumprir o desafio não foram poucos. Mas, com um foco bem definido, ele foi solucionando todos os problemas. “Ouvi profissionais me dizerem que eu não ganharia a aposta, algumas academias não tinham equipamentos que suportassem um homem de quase 200

kg e nem qualquer balança tinha a capacidade de me pesar porque as de farmácia só vão até os 120 kg”, relata. Para muitas pessoas, assim como para Fabiano, a academia pode ser um lugar muito hostil. Mas o alerta que ele deixa é de que é preciso encontrar uma motivação e sair da zona de conforto para vencer uma disputa consigo mesmo. “Na academia onde acabei encontrando equipamentos e uma balança que me suportava, eu não passava pela catraca e tive que entrar pela porta de deficientes físicos. Nos vestiários, na hora de tomar banho, eu só podia entrar na cabine de frente e saia de costas”, lembra. Contudo Fabiano também encontrou muita gente disposta a apoiá-lo em ganhar a aposta. Na academia, localizada na região do Ogunjá, despertou a curiosidade do proprietário do estabelecimento que negociou um personal trainer e o acompanhamento de uma nutricionista para o ex-publicitário. A nutricionista Marília Andrade e o educador físico Anderson Alves relatam que se assustaram com o caso, mas, aos poucos, foram percebendo que a

Arquivo Pessoal

E

Marília Andrade - nutricionista

81 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018


Saúde

“Hoje, por conta do autoconhecimento, me permito quando julgo que vale a pena. Tenho total controle. É preciso ser saudável para a mente”

começar com atividades de baixa intensidade e, na medida em que ele ia criando o hábito, o ritmo foi aumentando. Apesar do desafio, Anderson tinha uma vantagem na hora de planejar a rotina de treinos de Fabiano. O educador físico é casado com Marília, a nutricionista que cuidava do seu aluno, e revela que eles conversavam muito sobre o caso. “Uma coisa não funciona sem a outra. Sempre é preciso que personal trainer e nutricionista se comuniquem para adequar plano alimentar e atividades físicas”, explica.

Saulo Kainuma

A contaminação pelo bem-estar

disposição e o foco de Fabiano eram o combustível necessário para que ele conseguisse reduzir o seu peso com saúde e no tempo planejado. “Primeiro, foi preciso construir com ele mudanças de hábito. A rotina alimentar dele era bem irregular qualitativamente e quantitativamente. Passava o dia inteiro sem comer e à noite comia muito”, afirma Marília. Segundo o próprio 82 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018

Fabiano, na hora de jantar, os seus pratos alcançavam 1,5 kg de comida e antes de dormir ele ainda fazia algum lanche. A carne vermelha era o que ele mais consumia e atraía outros alimentos como farofa, refrigerantes e doces. Para o educador físico Anderson Alves, o ineditismo do caso de Fabiano em sua carreira de mais de 20 anos foi desafiador. Ele conta que foi preciso

No primeiro mês, foram 14 kg a menos registrados na balança. Àquela altura, Fabiano já tinha hábitos alimentares mais saudáveis, ao comer a cada três horas, sem ingerir líquidos durante as refeições e com uma dieta balanceada. Ele e a sua nutricionista relatam que toda a sua reeducação alimentar foi negociada e baseada no estímulo ao autoconhecimento do paciente. “Tudo foi gradual e sem um choque de restrição e grandes obrigações para não gerar uma compulsão alimentar. Outra preocupação era que ele não perdesse massa magra, por isso, ajustávamos


Saúde km que fiz e tive muita sorte de ter a minha irmã ao lado me dando força”, conta Fabiano, que já correu até a São Silvestre. Sobre a sua participação na corrida de rua mais famosa do país, ele brinca: “O que é a subida da Brigadeiro [Avenida Brigadeiro Luís Antônio, em São Paulo] para quem já teve que subir a Ladeira da Barra correndo?”. No clube de corrida de Jardel, Fabiano correu, em 2016, 36 km do Farol de Itapuã, passando pelo Farol da Barra e chegando ao Farol da Ponta de Humaitá, no bairro de Monte Serrat, na região da Cidade Baixa, em Salvador.

alimentação e intensidade para evitarmos este problema”, destaca Marília.

Em cinco meses, Fabiano reuniu os seus pais, amigos de trabalho e a equipe que o atendeu na academia em que frequentava diariamente e subiu na balança, ação que repetia diariamente, dessa vez para ganhar a aposta. O último mês havia sido o mais difícil, foi quando ele mais se esforçou, mas perdeu apenas 10 kg; foi o suficiente para vencer.

A descoberta de um novo foco Ao ganhar a aposta um mês antes do tempo previsto, Fabiano chegou a pensar em “colocar o pé na jaca” porque a motivação havia acabado. Mas Marília e Anderson conseguiram convencê-lo de continuar o trabalho até o sexto mês,

Entre os novos desafios, ele já está se dedicando a dois. Uma corrida vertical, quando pretende subir 40 andares em oito minutos, e a disputa do Ironman. O novo foco, no entanto, não se restringe a promover a sua própria saúde e a superar os seus limites. Fabiano fez um curso no Instituto Brasileiro de Coach e já atua na nova profissão, fez cursos de oratória e teatro e, hoje, re-

como havia sido planejado. Depois da euforia em vencer a competição que lhe tinha sido proposta, Fabiano percebeu que as mudanças alimentares tinham sido prazerosas, a sua disposição estava melhor, tinha menos limitações, novas roupas e o principal: “Percebi que a minha mudança de vida estava motivando pessoas ao meu redor como os meus pais, a minha irmã, os meus colegas de trabalho. Vi nos olhos das pessoas a motivação para serem saudáveis”, diz. A chave ligou novamente. O personal trainer e treinador de corrida Jardel Moura se surpreende com as façanhas que Fabiano, que entrou em seu clube de corrida após a aposta, já com 130 kg, vem colecionando desde então. Em menos de dois meses de treino, o ex-publicitário fez o trecho do Farol da Barra ao Farol de Itapuã, distância de 23 km, em 2h50min. “Ele foi muito bem. Os alunos têm esse desempenho depois de cerca de oito meses de treinamento”, avalia. De 2015 para cá, já foram oito meias-maratonas, algumas com o apoio da irmã Rachel Lacerda. “Cheguei em último lugar na primeira prova de 5

Arquivo Pessoal

A partir do segundo mês, Fabiano tentava realizar atividades físicas duas vezes por dia. Habitualmente, no horário de descanso de almoço do trabalho, ele seguia para a academia onde encontrava Anderson. “Ele chegava sempre com um alto-astral, risonho, disposto, fazia sempre um pouco mais. Tinha força de vontade e foi vendo o corpo mudar”, relembra. No final do dia e nos finais de semana, ele fazia caminhadas e substituiu o costume em assistir televisão por fazer bicicleta ergométrica. O cinéfilo de carteirinha só se dedicava a assistir filmes.

Roberto Abreu

Mais uma vez, seu pai, José Lacerda, foi um grande aliado para que Fabiano seguisse a dieta. “Assumi a responsabilidade de cuidar da alimentação dele. Ia à feira e aos mercados. Acordava cedo para cozinhar e separar junto com ele a comida que ele levaria para comer ao longo do dia”, conta.

83 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018


Saúde no chão e tem uma determinação que me inspira”, declara. Ela diz estar habituada a ver o namorado ser parado na rua porque foi reconhecido pela sua história.

Roberto Abreu

Como encontrar o meu caminho?

Mariana Moura e Fabiano Lacerda

aliza palestras em todo o país estimulando outras pessoas a encontrarem a motivação para mudarem de vida, assim como ele. Vem por aí, também, mais dois livros, previamente intitulados “A Escolha” e “Os Dias de Hoje”, para continuar a compartilhar a sua história. Os primeiros resultados são bem fáceis de observar. Ele perdeu mais de 100 kg e mantém um novo estilo de vida mais saudável há mais de um ano. Sua irmã Rachel já eliminou 25 kg. Sua mãe Joelita perdeu 10 kg e ainda trabalha para melhorar a sua condição de saúde. Seu amigo Murilo parou de fumar. Já sua namorada Mariana Moura, que trabalha na cafeteria da família com um cardápio repleto de opções de tortas, milk shakes e cafés deliciosos, voltou a malhar com regularidade, “indo mesmo sem vontade e motivada por ele”. Enquanto isso, Fabiano Lacerda, que ficou famoso e está sendo assediado nas ruas da cidade, precisa se acostumar com a nova rotina. “Foi estranho para mim ser cortejado depois de perder 100 kg. Sempre fui gordinho”, admite. Mariana não esconde a admiração que sente pelo ex-publicitário. “Ele é focado, tem o pé 84 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018

A dica que Fabiano Lacerda dá para quem quer mudar de vida é que cada pessoa deve buscar em si aquilo que lhe move de alguma forma. “Seja qual for o objetivo, ele não é fútil”, declara. Mas a mudança interna não é o único requisito para se chegar ao objetivo de ter um corpo e uma vida mais saudáveis, muitos profissionais estão preparados e precisam ser acionados para tratar da obesidade ou do sobrepeso. “A obesidade é um problema que afeta o mundo inteiro, mas que é fácil de tratar. O problema não é ela, mas o que está por trás dela. Os sentimentos e pensamentos ruins, a sensação de perda de controle”, sentencia a endocrinologista e nutróloga Sandra Gordilho. Outro ponto ressaltado pela profissional está diretamente ligado às novas práticas sociais influenciadas pelas redes sociais. “As pessoas vivem um mundo de ilusão. Ninguém tem problemas; no Instagram as pessoas estão sempre felizes e com corpos definidos. Só que isto não funciona assim”, reflete a nutróloga. Acostumado a atender celebridades e atletas, como a sua esposa, a cantora Ivete Sangalo, e o nadador Alan do Carmo, o nutricionista Daniel Cady alerta para a necessidade de levar em consideração como seus pacientes se observam no espelho. “A insatisfação em re-

lação à autoimagem também pode impactar no tratamento”, ressalta o nutricionista, que defende que a mudança de comportamento precisa ser gradual, duradoura, individual e sustentável. O apoio da Psicologia, neste sentido, é fundamental no processo de emagrecimento. O obeso precisará passar por uma mudança de paradigmas na sua relação com a comida, que não pode estar incluída em sua rotina como uma compulsão ou um vício. “Existem alimentos como a farinha e os açúcares que atuam no sistema de recompensa, fazendo as pessoas se sentirem bem. A Psicologia, portanto, precisa atuar junto com os fatores biológicos”, explica a psicóloga Mônica Veras. O cirurgião bariátrico Erivaldo Alves explica que vários fatores internos e externos como genética, traumas, a microflora intestinal, comportamentos e o metabolismo podem resultar em obesidade. Entendida como uma doença plurimetabólica, que pode resultar em diversos problemas no organismo, a obesidade precisa ter as suas causas bem identificadas para um tratamento mais assertivo. Para isso, os diversos profissionais lançam mão de exames que permitem uma avaliação cardiológica, biomecânica postural, estática e dinâmica, além de estudo de hábitos alimentares e da situação quanto à prática de atividades físicas. “Temos, ainda, uma série de exames genéticos que nos ajudam a ter uma visão mais preventiva do nosso paciente”, explica o médico ortomolecular Claudio Bacelar.


Saúde

O que dizem os profissionais sobre o processo de emagrecimento? Perguntas Qual o seu papel no processo de emagrecimento?

Por que é tão difícil para algumas pessoas emagrecer?

Quais os erros e riscos mais frequentes cometidos pelas pessoas em busca do emagrecimento?

Claudio Bacelar (médico ortomolecular)

Corrijo as deficiências moleculares que o paciente tem. Minerais e proteínas precisam estar em taxas equilibradas porque são importantes para que o corpo tenha um melhor desempenho possível.

Porque empregam alimentações inadequadas para si próprias e não compreendem que uma série de fatores, inclusive disfunções hormonais, podem fazer com que os resultados sejam aquém do esperado.

A adoção de dietas inadequadas, perda de massa muscular, depressão, sonolência, perda de memória, hormônios desequilibrados e baixa de libido.

Roberto Meirelles (coach life)

Analiso o perfil geral da pessoa, desde a sua composição corporal até a observação de comportamentos para identificar quais fatores lhe impedem de emagrecer.

Há questões sociais, como a falta de estímulo de quem está próximo e oferece comida e bebida, mas há também problemas de disciplina e dificuldades de adoção de novos hábitos.

Depressão, compulsão por medicamentos, ansiedade e perda da saúde no âmbito mais geral, interferindo em outros sistemas do organismo.

Procuro tratar a emoção do paciente ao vê-lo de várias formas, observando compulsões, hábitos ruins e aspectos clínicos.

É preciso compreender esse paciente. O que ele gosta de comer e pratica? O que ele aceita? Deve-se evitar impor um tratamento específico, pois as necessidades são individuais.

Os modismos efêmeros, por exemplo, do beiju, da gordura do coco e da comida sem glúten ou lactose; bem como a busca por soluções mágicas, todas sem fundamentos científicos, e que podem desencadear outros problemas de saúde.

Adéquo a alimentação do paciente e crio estratégias nutricionais para que ele emagreça sem sofrimento, sem privações e do modo mais sustentável possível.

São vários fatores como a idade, o sedentarismo, a herança comportamental da família de maus hábitos alimentares, além do foco em perder peso e não na saúde.

O mais frequente e o pior é o imediatismo, que acaba resultando no uso de fórmulas, hormônios, anfetaminas e medicações que põem em risco a saúde.

Profissionais

Sandra Gordilho (endocrinologista e nutróloga)

Daniel Cady (nutricionista)

85 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018


Saúde

Sem remédios, sem inibidores Há quem diga que apenas a dieta passada por uma nutricionista e atividades físicas regulares não são suficientes para conseguir eliminar os quilos extras. E eles estão certos. Deficiências moleculares e hormonais e problemas genéticos também precisam ser observados de perto para que os resultados sejam satisfatórios. “Meu papel enquanto médico ortomolecular é ajustar a parte molecular do corpo do paciente de modo que ele tenha o melhor desempenho possível”, explica Claudio Bacelar. Radicalmente contra o uso de remédios para tratar a obesidade, ele defende que a melhora no nível celular e o equilíbrio dos gastos calóricos em uma ação integrada entre reeducação alimentar, suplementos e atividades físicas são suficientes para o emagrecimento saudável. O imediatismo é apontado como um dos principais motivos que explicam por que as pessoas não conseguem emagrecer com saúde. Fórmulas, hormônios, anfetaminas e remédios podem colocar em risco a própria vida de quem faz uso deles sem indicação médica e buscando resultados rápidos. “Emagrecer de modo saudável leva tempo e não é fácil. No início, o resultado é mais significante, mas depois diminui a velocidade até chegar ao platô, quando o paciente perde peso e o transforma em massa muscular”, explica o nutricionista Daniel Cady, que se diz mais tradicional na hora de montar planos individuais de emagrecimento saudável. Outra forma de perder peso sem o uso de remédios e inibidores é o Método Ravenna, que se propõe a unir a modi86 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018

ficação de hábitos alimentares às atividades físicas adaptadas e aos grupos terapêuticos. A psicóloga Mônica Veras, que já alcançou os 140 kg, aderiu ao método e, em dois anos, perdeu 70 kg. “Fiz uma dieta hipocalórica e sobrevivi bem por conta da sustentação com os grupos terapêuticos. Fazia atividades físicas específicas também para não perder massa magra e para adequar a minha dieta”, explica.

Muito além da musculação A escolha da atividade física pode ir muito além da tradicional musculação, que nem é atrativa para muitas pessoas. Fabiano Lacerda combinou a musculação diária com caminhadas, corridas na rua e bicicleta ergométrica. Segundo Jardel Moura, treinador de corrida de rua, este tipo de atividade pode promover sobrecarga nas articulações, mas começando com um trabalho de fortalecimento, é possível aproveitar as vantagens da atividade que promove um alto gasto calórico, já que o corpo está todo em movimento. O crossfit tem sido uma opção muito explorada por quem busca condicionamento físico por mexer com todo o corpo. Indicado para todas as idades e condições físicas, a atividade se adapta a cada indivíduo, respeitando as suas limitações. “O crossfit não é algo engessado ou protocolado. Podemos adaptar um treino para cadeirantes, para um idoso com limitações articulares ou crianças em desenvolvimento”, explica o fisioterapeuta do esporte Arivan Gomes, que é sócio e diretor técnico da Aldeia Crossfit, uma das primeiras academias desse tipo em Salvador.

O mito do milagre da cirurgia bariátrica Em 2016, 100 mil brasileiros recorreram a cirurgias bariátricas, segundo dados da Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica (SBCBM). O método consiste em uma intervenção para reduzir o volume do estômago e fazer com que a sensação de saciedade aconteça exigindo uma quantidade menor da ingestão de alimentos. Apesar de parecer uma fórmula mágica contra a obesidade, os médicos alertam que alguns requisitos devem ser levados em consideração na hora de adotar esse método. E, ao contrário do que muitos pensam, ele também exige muito trabalho. “A operação não tira os fatores comportamentais e eles são muito importantes para evitar o reganho de peso”, destaca o cirurgião Erivaldo Alves, que é membro titular da SBCBM. “Após a cirurgia, os meus pacientes continuam fazendo o tratamento com consultas mensais comigo e com nutricionistas ao longo de seis meses e depois, ano a ano, no mês de aniversário para não esquecerem”, explica o cirurgião. Dos mais de 10 mil pacientes que já operou, o médico estima que 10% deles voltaram a ganhar peso. O número é relativamente baixo em comparação com outros estudos que apontam reganho de peso em até 30% dos casos. E os motivos sempre estão ligados ao consumo de bebidas alcoólicas, à alimentação inadequada e à falta de atividades físicas, que acabam fazendo o estômago voltar a dilatar.


Saúde

O desafio

do envelhecimento ativo D esde 2004, eu venho atuando como geriatra em consultório e nesses anos todos, frequentemente, sou questionado por alguns pacientes a respeito de remédios, vitaminas ou fórmulas para retardar o envelhecimento. É inevitável a expressão inicial de frustração deles quando eu digo que não existe nenhum remédio, vitamina ou fórmula mágica com esse poder, mas logo em seguida costumo perguntar-lhes: “Por que você não quer envelhecer? Atualmente, a única alternativa para não envelhecer é morrer jovem e acredito que esta esteja fora de cogitação.” O que eu percebo é que as pessoas confundem envelhecer com perdas de saúde, independência e autonomia. Neste ponto chegamos ao conceito de envelhecimento ativo, termo este que foi adotado pela Organização Mundial da Saúde (OMS), no final dos anos 1990, para expressar o envelhecimento como uma experiência positiva, além de um envelhecimento saudável. Ele define uma vida mais longa acompanhada de oportunidades contínuas de saúde, participação e segurança. Quando digo àqueles pacientes que existem ações que podem nos ajudar a ter um envelhecimento ativo, a expressão inicial de decepção dá lugar a uma expressão de curiosidade e aí começa o desafio. O envelhecimento ativo tem 88 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018

seis conjuntos de determinantes que o influenciam, mas inicialmente irei decorrer apenas sobre as determinantes comportamentais, pois são as que têm maior impacto nesse envelhecimento ativo e está ao alcance de todos modificá-las para melhor. Essas determinantes estão relacionadas com os nossos hábitos de vida. Se quisermos ter um envelhecimento ativo, devemos começar

Para realizarmos mudanças tão profundas nos nossos hábitos de vida, primeiro temos que fazer o exercício de reavaliar o nosso propósito de vida, ver se o envelhecimento ativo está nele e, então, buscar nos alinhar com esse propósito.

desde já, independente da fase da vida em que nos encontremos, a adotar alguns hábitos saudáveis e a cultivá-los para toda a vida. São eles: atividade física regular e moderada, alimentação saudável e fracionada, manter um controle do peso, não fumar, ter moderação no consumo de bebidas alcoólicas e adesão aos tratamentos médicos propostos, entre outros. Talvez a fórmula mágica que aqueles meus pacientes estão procurando seja como colo-

Dr. Leonardo Salgado Médico geriatra, gerontólogo e clínico médico car em prática esses hábitos. Vejam que eu não trago aqui nenhuma novidade da ciência médica, há décadas já sabemos a importância de praticar hábitos de vida saudáveis, mas por que é tão difícil colocar em prática essas mudanças? Talvez possamos aprender um pouco com algumas comunidades orientais que têm índices de envelhecimento ativo bem maiores que os nossos. Para eles, disciplina, paciência, espiritualidade e relacionamentos harmônicos facilitam a adoção desses hábitos de vida. Acredito que para realizarmos mudanças tão profundas nos nossos hábitos de vida, primeiro, temos que fazer o exercício de reavaliar o nosso propósito de vida, ver se o envelhecimento ativo está nele e, então, buscar estar alinhados com esse propósito. Se não fizermos isso, os novos hábitos não nos serão agradáveis e em pouco tempo os esqueceremos. Todos os que já tentaram uma dieta radical entenderão bem o que estou dizendo. Espero que em 2018 consigamos nos alinhar com o nosso propósito de vida e sejamos felizes na busca de um envelhecimento ativo.


Gastrô

E

m diferentes lugares de Salvador, do Centro Antigo da cidade aos shopping centers, passando pelos bairros da Barra, Graça, Rio Vermelho e Pituba, é possível encontrar opções de alimentação saudável. São restaurantes e mercados que já configuram um segmento significativo da gastronomia local. Um fenômeno com raiz nos anos 1970, em várias cidades do Brasil e de outros países, e que se expandiu nos últimos anos com a visibilidade das dietas vegetarianas, veganas, alimentação viva, entre outras. Mais do que uma prática eventual, trata-se, para muitos, de um estilo de vida. Quase todos os estabelecimentos do ramo da alimentação, tanto lanchonetes e padarias quanto mercados e restaurantes, oferecem, atualmente, alternativas para o público que procura os produtos saudáveis. Mas há um meio especializado nessa área, com espaços agradáveis, aconchegantes e alimentos de muita qualidade, saborosos e, em geral, orgânicos. Para João Telles, dono e chefe executivo do Restaurante Saúde Brasil, no bairro da Graça, há 30

anos, hoje, já existe uma forte inserção da alimentação saudável dentro da gastronomia. “Quando a gente começou e falava de alimentação saudável, restaurante natural era sempre ligado a uma atitude mais alternativa, comidas mais puxadas para a macrobiótica, algo mais radical. Não tinha a gastronomia envolvida. As pessoas comiam pensando mais no valor nutricional. Com o tempo, de uns anos para cá, a alimentação natural passou a ficar mais conectada com a gastronomia. Um mix de sabores, ervas, condimentos, vegetais exóticos, preparações e técnicas mais elaboradas, além da apresentação. Antes não havia essa preocupação. Hoje, isso se somou ao valor nutricional”, afirma Telles. Ele acompanhou esse processo de transformação e opina que a intensificação das trocas de informação, o surgimento de blogueiras e youtubers que tratam de saúde, a mudança de hábitos, em geral, e a associação da prática de academia, musculação e alimentação contribuíram decisivamente para isso, sobretudo nos últimos anos. “Hoje, a gen-

É uma tendência mundial. Percebemos claramente uma busca voltada para a reeducação alimentar

Ana Brasileiro, do Saúde na Panela

te sabe o que faz mal e o que faz bem”, diz. Em diálogo com a compreensão de Telles, a proprietária e chef do Restaurante Saúde na Panela, Ana Brasileiro, associa o crescimento à ampliação da informação, mas também ao avanço dos estudos na área de alimentação como auxiliar nos tratamentos de saúde. “É 89 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018


Gastrô

Crescimento Os restaurantes saudáveis compõem um mercado local consolidado e, ao mesmo tempo, em expansão. A maior parte das referências no segmento já tem, pelo menos, duas décadas de existência. São eles o Saúde na Panela, Manjericão, Ramma, Grão de Arroz, Saúde Brasil e Brisa. Ao lado de outros mais novos, como o Rango Vegan, Santo Verde, Mói de Coentro e Chef Natural Club, esses espaços ajudam a disseminar a alimentação saudável, seja vegetariana, vegana ou macrobiótica, em união com a gastronomia de qualidade. “É um mercado que está em plena ascensão”, completa Ana Brasileiro.

Confira algumas opções de restaurantes voltados para o segmento da gastronomia saudável: Saúde Brasil

Leveza, saúde e sabor nos pratos, além de um ambiente simpático e climatizado, com boa música, são as características do restaurante. Utiliza ingredientes à base de carne branca, frutos do mar, produtos integrais, muitos grãos, folhas e vegetais no intuito de levar alimentos frescos, leves e equilibrados até a mesa. Sobremesas deliciosas. 90 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018

Rua Humberto de Campos, 6, Graça. Tel.: 98788-8622. Diariamente, de seg. a sex., das 11h às 19h; sáb. e dom., das 11h às 15h30.

Manjericão

É administrado por José Almir e suas filhas e fica localizado em uma casa simpática e arborizada, no Rio Vermelho. Lá, não há espaço para a carne vermelha. No buffet, mais de trinta pratos, de quiche de banana-da-terra até couve-flor

natural e alimentação saudável na cidade. Busca satisfazer as pessoas que são vegetarianas e também tem como propósito atender quem ainda não é, mas deseja ter hábitos alimentares mais saudáveis. A proprietária também faz um diálogo com a Medicina Ayurvédica. Rua Lord Cochrane, 76, Barra. Tel.: 71 3264-0044. Delivery: 71 99194-1560. Diariamente, das 11h30 às 15h30.

Divulgação

uma tendência mundial. Percebemos claramente uma busca voltada para a reeducação alimentar”, diz Brasileiro. Ela acredita que uma alimentação natural que respeita o próprio corpo, o meio ambiente e é justa com os produtores tem potencial transformador. “Inevitavelmente, influencia uma nova forma de ver a vida”, completa.

Frango com molho de ameixa

Os restaurantes saudáveis compõem um mercado local consolidado e, ao mesmo tempo, em expansão. A maior parte das referências no segmento já tem, pelo menos, duas décadas de existência. ao creme de provolone. Vale a pena experimentar na sobremesa o pudim de cupuaçu ou a torta de banana-da-terra. Rua da Fonte do Boi, 3B, Rio Vermelho. Tel.: 71 3565-8305. De seg. a sáb., das 12h às 15h.

Ramma

Fundado em 1987, o restaurante é referência em cozinha

Rango Vegan

O charmoso restaurante é 100% vegetariano. Em um casarão antigo no Centro Histórico, alia alimentação saudável a novas relações de trabalho, ecofeminismo, agroecologia e economia solidária. O cardápio varia a cada dia. Escondidinho de palmito de jaca, quiche de cogumelos, macarrão ao pesto são algumas das op-


Chef Natural Club

ções. Também funciona como lanchonete e oferece o serviço de consultoria domiciliar.

Restaurante pequeno e charmoso de comida saudável, que prima pelos ingredientes orgânicos e frescos. Pilotado pela chef Jussara Beaureau, com inspiração na culinária francesa, oferece sempre uma entrada e opções de pratos principais diferenciados e saborosos. Os doces são um destaque à parte.

Rua do Passo, 62, Santo Antônio. Tel.: 3488-2756. Delivery: 71 98601-9673. Diariamente, dom. e seg., das 12h às 15; de ter. a sex., das 12h às 20h; e sáb., das 12h às 23h.

Um dos mais antigos restaurantes naturais de Salvador, fundado por Lula, em 1974, também funciona como mercado de produtos saudáveis. São três lojas e um restaurante. A filosofia é a seguinte: “A alimentação saudável como uma alternativa de futuro e uma alternativa de cura!”. Restaurante Grão de Arroz: Rua Minas Gerais, 112, Pituba. De segunda a sábado, das 11h30 às 15h. Lojas Viva o Grão: Av. Sete de Setembro, 2604, Corredor da Vitória; Rua Minas Gerais, 133, Pituba; Av. Praia de Itapuã, 1341, Vilas. De seg. a sex., das 8h às 19h. Sáb., das 8h às 15h.

Saúde na Panela Com mais de 400 receitas entre pratos à base de legumes, como risotos, gratinados, grelhados, ensopados, além de massas, saladas, pães e sobremesas especiais, o restaurante construiu um estilo único ao longo de 20 anos. Os alimentos são preparados sem ovos, carnes, manteiga, leite in natura, chocolate e refinados. Também aceita encomendas. Rua das Hortênsias, 752, Pituba. Tel.: 71 3353-6788. Diariamente, de seg. a sex., das 11h30 às 15h e das 17h30 às 20h30; sáb., das 11h30 às 15h; dom., das 11h às 15h.

Divulgação

Grão de Arroz e Viva o Grão

Rocambole de Tapioca com Shimeji e Nirá

Brisa

Restaurante familiar localizado em uma casa na Pituba. Lá, você encontra opções vegetarianas e veganas no almoço e uma pequena loja na entrada. Carnes e frituras não fazem parte do cardápio, que conta com pratos quentes e saladas cruas. Na sobremesa, os destaques são a torta de banana e o cheesecake de goiaba. Toda terça-feira ocorre também no local uma feira de alimentos orgânicos. Rua Sargento Astrolábio, 150, Pituba. Tel.: 71 3248-3400. De dom. a sex. (exceto sáb.), das 11h30 às 16h.

Gergelim

Adepto da filosofia macrobiótica, o restaurante, já tradicional, foi criado em 1979 e tem cardápio com opções veganas e vegetarianas, com falafel, quibe, tortas especiais, pratos funcionais. Também tem serviço de delivery, aceita encomendas com pratos congelados. Rua Minas Gerais, 703, Ed. Orla Center (térreo), Pituba. Tel.: 71 3240-6792. Diariamente, das 11h30 às 15h.

Rua Morro do Escravo Miguel, 297, Ondina. Tel.: 71 3101-3111. De ter. a dom. das 12h às 15h.

Mói de Coentro Comida saudável e que cura, sem aditivos e conservantes. Cardápio caseiro e variado, inclusive detox, vegano e personalizado. Um dos pratos mais pedidos é o escondidinho de banana-da-terra com bacalhau e a torta búlgara de biomassa de banana e cacau 100%. Oferece café da manhã, lanches e almoço. Tem sistema de delivery. Avenida Octávio Mangabeira, 22A, Boca do Rio. De seg. a sex. de 8h30 às 18h e sáb. das 8 às 12h. Contato e delivery: tel.: 71 3011-6621.

Santo Verde Em um ambiente bonito e bem decorado, dentro da Villa Verde Salvador, onde funciona também uma sala de fitbike (ciclismo indoor), o restaurante oferece uma alimentação saudável e saborosa. Dispõe de loja e delivery. Os doces são, também, grandes opções. Em menos de um ano, abriu a sua segunda unidade. Rua Guadalajara, 9, Barra. Tel.: 71 3019-0911 e Shopping Cidade, Itaigara. Tel.: 71 3011-2512. 91 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018


Gastrô

Seleção ou

restrição alimentar?

V

ivemos uma era em que a tecnologia associada à Medicina vem, cada vez mais, provando a máxima que “somos o que comemos”! Esse apoio tem sido fundamental para a manutenção da saúde das pessoas, à medida que a Medicina avança no conhecimento das intolerâncias, das alergias alimentares e das mutações genéticas que provocam as doenças metabólicas. A intolerância alimentar ocorre quando o organismo não consegue digerir um nutriente presente em um determinado alimento. As intolerâncias mais comuns são à lactose e ao trigo. A alergia alimentar é uma reação de saúde adversa que ocorre quando o sistema imunológico reconhece erradamente um nutriente presente em um alimento (alergênio) como uma entidade agressora ao organismo. As alergias mais comuns são aos crustáceos, que muitas vezes levam a óbito por edema de glote. Já as doenças metabólicas, que são muito graves, porém menos conhecidas da população em geral, como as acidemias orgânicas, que são as mais frequentes e pertencem ao grupo de enfermidades hereditárias do metabolismo, se manifestam gerando disfunção neurológica em suas diferentes formas (convulsões, coma, hipotonia, ataxia, atraso no desenvolvimento psicomotor/retardo mental), crises de apneia ou hiperpneia, hepatopatia, acidose metabólica, hipoglicemia, acidemia lática, cetonúria,

92 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018

hiperamonemia e atrofia ou outra alteração cerebral ou cerebelar. Para essas pessoas que nascem com essa característica, a única saída é a restrição de proteínas (dieta hipoproteica) como forma de prevenção do acúmulo de substâncias tóxicas (ácidos orgânicos).

No mundo gastronômico, a palavra de ordem é inclusão, e a oferta de cardápios que atendam os públicos com restrições ou seleções alimentares está em plena ascensão.

Para todos esses casos citados acima manter uma dieta com restrições alimentares é a saída para uma vida saudável e longeva. Mas temos visto cada dia mais as pessoas sob o argumento da ética, saúde, vontade de mudar o mundo, levando a vida sem explorar os outros animais e adotando um estilo de dieta vegetariana ou vegana. Um vegano não consome produtos de origem animal (incluindo para a alimentação, para o vestuário ou para qualquer outro fim), nem participa em atividades que envolvam exploração animal.

Tereza Paim

Cozinheira pesquisadora e apaixonada pela cozinha Baiana Já o vegetarianismo é o regime alimentar que exclui todos os tipos de carnes e costuma ser classificado da seguinte forma: (a) Ovolactovegetariano: ingere ovos, leite e laticínios. (b) Lactovegetariano: ingere leite e laticínios. (c) Ovovegetariano: ingere somente ovos. Cada dia há mais adeptos desse estilo de dieta, mas, ao mesmo tempo, existem ainda muitas dúvidas sobre as falhas de nutrientes que uma dieta vegetariana ou vegana pode causar. No mundo gastronômico, a palavra de ordem é inclusão, e a oferta de cardápios que atendam os públicos com restrições ou seleções alimentares está em plena ascensão. Assim, é possível que grupos com estilos de alimentação diversos possam estar reunidos nos melhores restaurantes da cidade, do país, do mundo, compartilhando sem fronteiras de momentos felizes à mesa. Na Casa de Tereza temos opções veganas, vegetarianas e hipoproteicas convivendo com nossas moquecas, carne-de-sol, feijoada etc.


Gastrô

A dica desta edição fica com João Teles, do Saúde na Panela.

Divulgação

Os nossos pratos veganos são supersimples. Os purês são batidos com a água do cozimento, no de banana-da-terra a usamos bem madura, então nem precisa de água. Fazemos muito rolinho de berinjela e de abobrinha com recheio de quinoa temperada e outros vegetais, sempre sem nenhum derivado animal. Usamos muito abacate, que, com a sua cremosidade, substitui o queijo.

Guacamole de abacaxi •

1 abacate

1/2 abacaxi picado

1/2 cebola roxa

Coentro picado

2 dentes de alho

Raspas de limão

2 colheres de sopa de suco de limão

Sal 93 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018


Gastrô

O mercado artesanal de cervejas, cafés e pães vem crescendo em Salvador Por Daniel Oliveira

G

ourmet ou artesanal, cada um escolhe a sua maneira de caracterizá-los. Afinal, os produtos de qualidade, com ingredientes selecionados, feitos em pequena escala e com sabor único são agrupados em ambos os grupos. Trata-se de um mercado, de cafés, chocolates, cervejas e pães, em expansão nos últimos anos em cidades variadas e também em Salvador. É só refrescar a memória. Há duas décadas, praticamente, não se ouvia falar nos locais comerciais da capital baiana que vendessem “um chope artesanal” ou então “um café gourmet”. Há um crescimento tanto da oferta quanto da procura desses produtos dentro do ramo da gastronomia, com novos empreendedores, uma parte deles jovens, que propõem um modo diferente de se relacionar com os alimentos. Ao contrário das grandes empresas especializadas, consolidadas

94 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018

e já conhecidas das prateleiras dos grandes supermercados e padarias, essas lojas e marcas trazem como característica um acompanhamento mais minucioso do processo de seleção, produção e de apresentação das suas mercadorias. No segmento de artesanais, a cultura do café, segundo Fernando Oliveira, proprietário de A Fábrica do Sabor, vem recebendo um trato especial, encarando a alta gastronomia e os paladares mais refinados”. As pessoas, hoje, buscam o máximo de informação daquilo que consomem. O café se adaptou a este costume e

passou a apresentar o nome de quem o produz, a origem, a variedade, o processamento, o grau de torra, a característica da bebida e diferentes preparos. Pequenas torrefações instaladas, principalmente em regiões produtoras, passaram a apresentar o produto com torra fresca para o consumo imediato, na intenção de extrair o máximo em qualidade”, explica Oliveira.


Feito na Chapada Diamantina, na Fazenda Divino Espírito Santo, o café é distribuído em Salvador e em outros Estados. Além de ser comercializado em espaços como o Almacen Pepe e a Fellini Panetteria, o Piatã, que vem da cidade homônima, é vendido também em toda a rede Seven de cafeterias, em shopping centers e edifícios empresariais de Salvador. Em 2006, conquistou o primeiro lugar no Concurso Nacional da Associação Brasileira das Indústrias de

Divulgação

O empresário Michael Freitas, que, ao lado de Nelson Jones, administra o Café Gourmet Piatã, afirma que, nos últimos anos, a empresa tem tido um crescimento consecutivo de, em média, 10% das vendas. “Há um interesse das pessoas de ingerir um produto de alta qualidade. As pessoas depois que o experimentam não querem voltar a consumir o anterior. O consumidor está muito mais exigente, no próprio dia a dia. E isso muda também a realidade, porque o produtor local, ao invés de exportar, por exemplo, os grãos de café, tem o seu próprio produto”, diz.

O premiado Café Gourmet Piatã é produzido na Chapada Diamantina, na Fazenda Divino Espírito Santo

Café (ABIC) de Qualidade do Café. “A ANVISA, infelizmente, autoriza até 20% de impureza no café e o nosso é 0%. Então, não vai grão quebrado, ardido e nem casca”, explica. Há quatro anos no mercado dos pães artesanais, Richard James, proprietário da Belo Rústico, também percebe uma ampliação, durante esse perí-

odo, não somente na área de panificação, mas na busca, em geral, de um alimento saudável. Na sua visão, uma tendência internacional. Para ele, um produto verdadeiramente artesanal é feito da maneira mais crua possível, uma espécie de retorno ao modo de fazer caseiro e tradicional: “A gente faz pão como

Fotos Divulgação

A gente faz pão como era feito há milhões de anos, ou seja, com farinha, água e sal, fermentação natural, sem nada químico ou artificial,

Os pães de Richard James estão presentes em diversas hamburguerias de Salvador

Richard James, do Belo Rústico

95 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018


Gastrô

Saulo Torres, da Cervejaria Amada

era feito há milhões de anos, ou seja, com farinha, água e sal, fermentação natural, sem nada químico ou artificial”, diz. Australiano, James percebeu, antes de abrir o seu negócio no bairro da Pituba, que não havia pão rústico e artesanal em Salvador. “Buscamos, assim, ser pioneiros na cidade”.

Além do nicho Não é apenas no mercado de nicho que os produtos artesanais estão inseridos. Em um rápido olhar para os corredores dos supermercados e cardápios de bares é possível visualizar essa oferta também para um público mais amplo. Segundo Saulo Torres, dono da Cervejaria Amada junto com os sócios Luis Henrique e Liane Nou, a grande quantidade de casas especializadas que existe hoje, seja em cerveja, café ou chocolate, também é um exemplo disso. “Há tanto a presença no va96 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018

amuel Freitas

Muitos espaços trabalham com vinhos e uísques diferenciados e, hoje, passam a ter cerveja também. Restaurantes de alta gastronomia buscam ter cerveja de qualidade assim como buscam oferecer bons vinhos

Cachaças artesanais

rejo quanto o crescimento dos espaços especializados, o que há dois anos você não identificava no mercado baiano. E não somente marcas da Bahia, mas de outros Estados também. Até mesmo em pontos de venda, de médio varejo, onde não se trabalhava com produtos especiais, feitos com ingredientes nobres e receitas mais elaboradas, agora você os encontra”, exemplifica Torres, que, além da marca de cerveja que é distribuída para mais de 30 estabelecimentos em Salvador, inaugurou no ano passado o Bar Varanda Amada, na Pituba. Ele também situa esse fenômeno dentro de um processo amplo de mudança de hábitos e valorização da experiência sensorial. “Ocorre com o hambúrguer, o chocolate, o café

e o sorvete gourmet. As pessoas estão em busca de uma experiência mais completa. E acabou a época em que todas as cervejarias produziam o mesmo estilo de cerveja. Com essa mudança, a cerveja ganha mais destaque. Muitos espaços trabalham com vinhos e uísques diferenciados e, hoje, passam a ter cerveja também. Restaurantes de alta gastronomia buscam ter cervejas de qualidade assim como buscam oferecer bons vinhos”, afirma. Torres considera essa transformação do mercado apenas o começo de um processo que vai se intensificar ainda mais. “É um amadurecimento”, completa.


97 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018


Life Style

e-relations A

s tendências do viver englobam uma série de comodidades para o ser humano do século XXI, um homem cheio de desejos e muita pressa. A moda explode nas revistas, no Instagram, em sites, blogs... bem como os destinos mais descolados, o que há de novo no universo da beleza e do bem-estar, enfim, muita informação! Vivemos “o tudo ao mesmo tempo agora” freneticamente. E o e-commerce

o único shopping do mundo que não apresenta declínio em vendas. Obviamente que as compras de itens de luxo envolvem mais que um simples impulso, e aí a excelência do atendimento - unido à oferta de um prazer único - traz o cliente para dentro dessas lojas. Mas no final o que fica claro é que a compra on-line veio para ficar e o relacionamento com os clientes precisam ser tão preciso quanto os “algoritmos”!

Bal-Harbour-Shops

que chegou lá atrás, repleto de interrogações, se firmou e desenvolveu mais uma dezena de “subprodutos”. Pelo mundo, os grandes magazines como Macy’s, Bloomingdales, Harrords estimulam as compras on-line como nunca. Mas o que isso significa? É o fim das lojas? Claro que não. Mas hoje é necessário reinventar o modelo de negócio e a aproximação com os clientes. O que os sites de compras nos mostram é que o relacionamento continua sendo o maior e mais poderoso canal de vendas, conhecer a fundo os interesses desse cliente. O Bal Harbour é um exemplo no universo da compra presencial, pois envolve essa tão esperada experiência e hoje é 100 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018

A lista dos destinos mais descolados para 2018 contempla o desejo dos millennials de viver as paisagens insólitas da Islândia, safaris em Botswana e o “dolce far niente” nas praias de Zanzibar. Estive, em viagem recente, nessa ilha cheia de história e

de cultura muito própria, onde o conceito do “fusion” é aplicado a tudo, da gastronomia à decoração! Durante muitos anos, Zanzibar foi o principal porto de passagem das mercadorias que vinham do Oriente e pela sua importância foi a capital do Sultanato do Omã. A influência árabe não está apenas na religião muçulmana, que veste as mulheres da cabeça aos pés em um calor escaldante e tem autofalantes com orações do Alcorão espalhados pela cidade antiga, mas, principalmente, na decoração e no modus vivendi.

Shutterstock

foto: divulgação

Zanzibar

Adriana Cravo

Relações Públicas

Dhows, o saveiro local, com velas árabes e estilo único.


Life Style A Índia está presente nos temperos e nas portas seculares de casas e estabelecimentos da cidade, bem como nos móveis de madeira. O colorido africano aparece nos tecidos e na natureza pródiga que nos brinda com um mar de azul intenso singrado pelos dhows, o saveiro local, com velas árabes e estilo único. Um caldeirão cultural cheio de curiosidades e praias paradisíacas que precisa ser explorado!

ca. O estilo de vida fitness, com maiores cuidados nutricionais, é um forte incentivo ao consumo dos chás, que possuem finalidades diversas, pois, além de serem um bom motivo para um encontro, também possuem propriedades terapêuticas, servindo como um calmante ou mesmo para ganhar uma dose extra de energia! Vai um chá?

Chá, chá, chá!

Arte afora...

Uma nova moda gastronômica vem se popularizando no Brasil, o consumo de chás em casas especializadas. Nos últimos meses, dezenas de lojas, com esse perfil abriram as suas portas para servir a bebida, em ambientes movimentados como os das cafeterias. A onda tem agradado os conhecedores da bebida e conquistado novos amantes.

Feiras: Art Dubai – de 21 a 24 de março Art Basel | Hong Kong – de 29 a 31 de março

rada

SP-Arte/2018 – de 12 a 15 de abril

Sá Menezes

Frieze Art Fair | New York – de 3 a 6 de maio SP-Arte/2018 – de 12 a 15 de abril

Bienais:

depositphotos

4ª New Museum Triennial (New York, EUA) – de 13 de fevereiro a 27 de maio

Já tivemos uma forte tendência na apreciação dos vinhos, dos cafés gourmet, dos chocolates, e agora é a vez dos chás. As lojas costumam ter até 70 ou mais opções, entre chás mais conhecidos como o verde e o branco e outras combinações de infusões. Os produtos são importados e vêm de dezenas de países, a maioria na Ásia e na Áfri-

21ª Bienal de Sydney (Sydney, Austrália) – de 16 de março a 18 de junho 11ª Bienal do Mercosul (Porto Alegre, Brasil) – de 6 de abril a 3 de junho 13ª Bienal de Dakar (Dakar, Senegal) – de 3 de maio a 2 de junho 101 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018


O impacto da

Selfie

C

ada vez mais somos impulsionados pelos avanços tecnológicos e digitais, com a internet invadindo as nossas vidas e influenciando de maneira decisiva o comportamento humano. Sempre conectados, com as facilidades de dispositivos ao alcance das mãos, surge um desejo incontrolável voltado para o exibicionismo, tendo como foco principal a imagem humana, a eterna magia da vida. É próprio do ser humano exi-

bir-se, expor a sua imagem. Por sua vez, as redes sociais, um repositório de pessoas ávidas por ganhar visibilidade, deixam todos vulneráveis aos efeitos flamejantes do narcisismo e possibilitam massagens no ego, criando uma grande fogueira de vaidades virtual. O fenômeno social da selfie – ato de tirar fotos de si mesmo ou de um grupo de pessoas – ganha toda a sua supremacia no cenário virtual, no qual, sem nenhum critério, na maioria das vezes, as pessoas passam a se exibir, alheias aos efeitos de uma exposição pública. Esquecendo completamente que uma boa imagem pessoal ou profissional exige um posicionamento valorizado, que envolve postura, comportamento 102 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018

Fernando Farias

Escritor, Palestrante & Articulista

www.blog.fernandofarias.com.br fernando.farias@fernandofarias.com.br

e vestimenta adequados. Lembramos, ainda, que não é só a aparência que diz o que nós somos. A forma de fazer contatos também revela muito de nós. Por isso, essa mania de registrar os momentos do nosso cotidiano tem um impacto importante na formação de nossa identidade, devendo ser realizada com muito zelo e cautela. Além do mais, a selfie, com o seu efeito repetitivo, está conseguindo mudar a forma de como olhamos para nós mesmos. Apesar da obsessão em ser sujeito da imagem poder ter diferentes significados, dependendo de cada pessoa. A chamada “sociedade da imagem”, ambientada no cenário midiático e da estética, com o desenvolvimento da internet, por conseguinte o domínio das redes sociais e se tratando de selfie, não aceita a revelação de sentimentos de infelicidades, não permitindo que as pessoas chorem as suas perdas. Nada de luto! A selfie para ser curtida ou compartilhada deve apresentar sentimentos de felicidade e glamour, em um verdadeiro condicionamento cultural. A intenção é poder exclamar: “Fui visto!”. Imagem é coisa séria! E seus efeitos são ilimitados. Principalmente em uma rede pública. Ela envolve sentimentos, atitudes, pensamentos, conceitos, ideias, entendimentos, tendências, além de muitas expectativas. Em um processo de comunicação, o objetivo é ter uma visibilidade para ser contemplada,

curtida, compartilhada, colocando todos como cúmplices desse ideal. Na verdade, a selfie, que significa autorretrato em inglês, sempre existiu. No passado, famosos artistas já se exibiam ao mundo; isso está registrado na história da arte, em belos quadros que trazem as suas próprias imagens. A novidade está no registro, no mundo contemporâneo, dessas imagens com novas tecnologias, em rede, dominando as emoções humanas, tornando-se um “hit” coletivo, por ser uma unanimidade. Entretanto, no terreno da tecnologia, é comum que uma inovação, ou um comportamento atrelado à própria tecnologia, se apresente de uma determinada forma para, posteriormente, surpreender com múltiplas funções. Eis o grande impacto da selfie! Algo que para muitos era uma superficialidade, agora, abre um universo de possibilidades. Estudos já revelam que tudo se amplia e novas funções práticas se apresentam, impactando um sem-número de atividades cotidianas. Por exemplo, segurança, entretenimento, moda, sistemas financeiros, comércio on-line, sites de relacionamentos, Medicina e Robótica. São muitas as expectativas para esse fenômeno social que tomou conta do modus vivendi de toda a humanidade. Dessa forma, ela deixará de ser apenas um belo e sedutor autorretrato!


Sá Menezes

103 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018


Sobre pais, filhos e

videogames E

m janeiro deste ano, o vício em jogos de videogame foi considerado um distúrbio mental pela Organização Mundial da Saúde (OMS). A partir disso, a 11ª Classificação Internacional de Doenças (CID) deve passar a incluir a condição sob o nome de “Distúrbio de Games”. A patologia deve ser caracterizada como um comportamento de vício em games tão grave que leva a pessoa a preferir os jogos a qualquer outro interesse pessoal ou social. Falando em termos práticos, a inclusão do “Distúrbio de Games” na classificação representa mais uma nova patologia incorporada ao rol dos transtornos mentais. Esse número só cresce desde que se criaram sistemas classificatórios como o CID e o DSM. É importante ressaltar que uma nova patologia nunca vem apartada de um tratamento químico, já que o CID é um dispositivo médico. Ou seja, não podemos descartar interesses econômicos sempre que uma nova patologia é “criada”, pois necessariamente haverá a prescrição de medicamentos, não necessariamente novos, para as novas doenças. No entanto, reduzir essa questão somente a interesses econômicos seria também um equívoco. Há questões que dizem respeito à forma como as compulsões se apresentam na atualidade. A compulsão não é um fenômeno novo, as embalagens com as quais se

104 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018

André Dória Psicólogo especialista em Saúde Mental e mestre em Psicologia

apresentam é que são diferentes. Lembro-me, no começo de minha carreira, de uma mãe preocupada com a compulsão do filho adolescente pelo telefone. Ele passava horas a fio conversando com a namorada. Agora, imaginemos um diagnóstico de vício em telefone e uma medicação para tratar esse “mal”. Parece-me que o caminho é o oposto. Há algo que é da ordem da particularidade do caso a caso, que desloca alguma questão subjetiva para condutas compulsivas. Ou seja, não é a compulsão que diz algo sobre a pessoa, mas a pessoa que diz algo sobre a sua compulsão. O drama é que esse algo não é claro à própria pessoa, o que por vezes pode tornar necessária a ajuda profissional. É preciso cautela para identificar um comportamento patológico em relação aos jogos de videogame e eletrônicos, sobretudo porque a maioria dos usuários de videogame é composta por crianças e adolescentes. Antes de chegar aos filhos, me interessaria pensar um pouco nos pais dos dias de hoje. Alguns pais dessa geração sentem-se culpados em impor limites, por medo de deixarem de ser amados por seus filhos. O pouco tempo restante por conta da correria da vida contemporânea se traduz em uma convivência com os filhos muitas vezes marcada pela permissividade. Como se, sendo

É preciso cautela para identificar um comportamento patológico em relação aos jogos de videogame e eletrônicos, sobretudo porque a maioria dos usuários de videogame é composta por crianças e adolescentes.

um pai ou mãe “bonzinho (a)”, o amor dos filhos estivesse garantido.

Antes, a lei emergia da família como uma interdição que acabava por estimular a criação de algum movimento no sentido de contorná-la: estudar ou trabalhar para sair de casa mais cedo, por exemplo. Hoje, parece que o enunciado da lei familiar se inverteu: goze! Diante de pais que nos forneciam limites, a saída poderia ser a rebelião e, consequentemente, a criação de um movimento que nos impulsionava para a vida. Diante de pais que nos dizem: “Você pode tudo!”, o produto pode ser uma inibição paralisante diante da nossa incapacidade de, simplesmente, dar conta de tudo. Esse, então, seria um terreno fértil para o gozo autista das compulsões, sejam elas por telefone, videogames ou compras.


Educação

Os robôs invadiram

a sala de aula

Escolas incorporam novos recursos tecnológicos em seus projetos pedagógicos e passam a oferecer aulas de Robótica e Programação e a explorar o smartphone. 106 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018


Educação á se foi o tempo em que lápis, canetas, cadernos, livros e o quadro-negro eram os instrumentos necessários no processo de aprendizagem de crianças e adolescentes nas escolas de Ensino Básico. Algumas já perceberam que as novas tecnologias da comunicação e informação podem ser grandes aliadas nas aulas. Um levantamento do Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação (Cetic.br), em 2016, aponta, por exemplo, que 52% das instituições de ensino usam o smartphone em suas atividades escolares. Além dos dispositivos móveis, salas de informática e laboratórios, os colégios baianos têm oferecido aulas-extras de Robótica e Programação, e seus professores buscam explicar melhor os assuntos usando recursos como realidade aumentada e em 3D. “Tudo é muito dinâmico e o uso dessas novas tecnologias tem que fazer sentido. Não é usar por usar, mas fomentar o aprendizado de forma construtiva”, destaca Cláudia Zimmer, gestora do setor de Mídia Educacional e Tecnologia do Colégio Antônio Vieira. A instituição oferece aulas de Robótica para cerca de 200 alunos do 1º ao 6º ano do Ensino Fundamental, há 14 anos. Nas oficinas, professores de Pedagogia e Engenharia, além de estagiários, estimulam os alunos a desenvolverem mecanismos robóticos para resolverem situações-problema e os estudantes ainda participam de competições nacionais e internacionais como a Olimpíada Brasileira de Robótica e a First Lego League (FLL). Na Escola Concept, além de lousas interativas, Croma Key e ferramentas de Robótica, uma série de aplicações ajuda a avaliar os ganhos em aprendizagem. Segundo Luiza Zara-

Divulgação

J

Colégios baianos têm oferecido aulasextras de Robótica e Programação, e seus professores têm a oportunidade de explicar melhor os assuntos usando recursos como realidade aumentada e em 3D. mela, coordenadora pedagógica de Tecnologia Aplicada da instituição, é possível perceber as preferências literárias, o número de livros lidos, o desenvolvimento de coding (linguagem de programação) e o desempenho matemático individualizado dos estudantes apenas com aplicativos que geram dados capazes de melhorar a eficiência da ação do professor junto ao aluno. “O uso das tecnologias já ajuda a formar jovens estudantes com várias habilidades e, certamente, lhes ajudará no mercado de trabalho”, prevê. Uma pesquisa do Panorama Mobile Time com 545 pais de

crianças aponta que 33% deles têm filhos entre zero e 12 anos com um smartphone e 39% das crianças usam o aparelho dos pais. Diante de uma geração acostumada a pesquisar e a criar as suas próprias soluções, as escolas precisam rever os seus modelos pedagógicos para atender à demanda dos jovens. “As tecnologias utilizadas não são apenas eletrônicas, são também sustentáveis, as que são fruto da cultura ‘mão na massa’ e de resolução de problemas”, comenta Luiza. Neste sentido, o Colégio Anchieta, que já mantém laboratórios das áreas de Ciências da 107 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018


Educação

Divulgação

Michele Rodrigues, coordenadora de Tecnologia Educacional e Robótica da Escola Girassol.

O Colégio Antônio Vieira incluiu, este ano, aulas TecMaker para estimular a cultura do “Faça-Você-Mesmo” em projetos interdisciplinares

Natureza desde a origem da instituição, em 1981, estimula os seus alunos do 6º ano do Ensino Fundamental até a 3ª série do Ensino Médio a desenvolverem os seus próprios programas e chegarem até a construção de drones. “Isto traz mais prazer na realização de atividades em sala de aula e facilita a interação deles com os desafios apresentados pelos professores”, avalia o diretor do Colégio Anchieta, João Batista de Souza.

Alunos conectados com o movimento maker O estudante Raul Afonso Lage, de 10 anos, não perde uma chance de inventar uma solução para algum problema. “Hoje, ele está concentrado em inventar um carro movido a vela. Todo dia é uma novidade”, conta sua mãe, a assistente social Rafaela Oliveira. O garoto, que está no 6º ano e estuda no Colégio Antônio Vieira, já foi medalhista da Olimpíada de Robótica, em 2015 e 2016, e se prepara para participar de um torneio inter108 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018

nacional. A disposição do pequeno Raul em inventar coisas novas está diretamente conectada com o movimento maker, que deriva da cultura do “Faça-Você-Mesmo”, em inglês “Do-It-Yourself” (DIY). E as escolas estão reinventando os seus projetos pedagógicos para dar conta de uma ideia que estimula que pessoas comuns possam construir, consertar, modificar e fabricar objetos, a exemplo do que fazem os alunos no evento Summer Make Camp realizado anualmente pelo ACBEU, em que as crianças são conduzidas em inglês e monitoradas pela equipe pedagógica e pela equipe da biblioteca, vivendo uma experiência de imersão em atividades maker. Na Escola Girassol, as tarefas baseadas em projetos variados estimulam a imaginação, desenvolvendo a criatividade e propiciam o aprender fazendo. “São vivências em que o fazer com as próprias mãos possibilita ao aluno empreender na produção do resultado, materializando as próprias criações. Assim, conectamos as ideias do movimento maker”, reflete

A reação dos alunos é marcada por muito entusiasmo, segundo os profissionais das instituições de ensino. “Eles acolhem a tecnologia com naturalidade e exploram bastante os conteúdos das atividades propostas”, declara Michele. Na Concept, a percepção de Luiza também não é diferente. “Os estudantes se sentem atraídos com as inúmeras possibilidades que as tecnologias oferecem e o quanto elas podem agregar ao processo de ensino e aprendizagem dentro e fora da escola”, destaca.

As novas aulas para os novos alunos As plataformas digitais têm sido cada vez mais exploradas na direção de melhorar as formas de aprendizado. As escolas oferecem aulas digitais, multidisciplinares, com a utilização de aplicativos para dispositivos móveis e até realidade aumentada. Na Escola Concept, uma aula sobre formas geométricas pode ser feita de modo interativo, com a construção pelos próprios estudantes, em 3D. “Aplicamos a tecnologia de modo que os estudantes possam entender as diferenças entre as formas, os cálculos necessários para entender as dimensões, entre vários outros aspectos que podem ser estudados”, explica Luiza. Além da sala de Robótica, os alunos da Escola Girassol contam com vários softwares e aplicativos de Aprendizagem Adaptativa e Realidade Aumentada para serem utilizados em dispositivos móveis. “O uso desses recursos promove o ganho em habilidades


Educação cognitivas, emocionais, criativas, físicas e sociais. Os alunos desenvolvem a flexibilidade do pensamento e a capacidade de se comunicar e trabalhar em colaboração”, explica Michele.

Divulgação

Os reflexos das aulas que exploram as tecnologias digitais de modo sinérgico ao processo de aprendizagem e das atividades extracurriculares, como Robótica e Programação, estão no próprio desempenho

O Colégio Anchieta foca a fluência no inglês com concentração em tecnologias voltadas para o desenvolvimento de programas, na Robótica e na construção de drones

dos alunos. O estudante Raul mantém excelentes notas e sua mãe Rafaela percebe que a capacidade de raciocínio da criança também ficou melhor. “Ele teve ganhos cognitivos, aprende melhor, a leitura está aguçada, tem raciocínio lógico e as construções que ele faz acabam integrando vários conteúdos”, avalia.

O que vem por aí O diretor do Colégio Anchieta, João Batista, acredita que é preciso fundamentar as escolhas pedagógicas com valores

morais e éticos, e o desenvolvimento socioafetivo e emocional das qualidades humanas. A instituição iniciou as suas atividades de 2018 oferecendo o Fluency & Tech, que sugere a fluência no inglês com concentração em tecnologias focadas no desenvolvimento de programas, na Robótica e na construção de drones. Depois de explorarem a metodologia Fun Learning, desenvolvida em parceria com a Fun Academy e que consiste em explorar a aprendizagem baseada em jogos, a Concept lança em 2018 o seu aplicativo. A ferramenta, que pode ser acessada em dispositivos móveis, tem o objetivo de facilitar a comunicação entre famílias, estudantes e a própria escola. Para a gestora do setor de Mídia Educacional e Tecnologia do Colégio Antônio Vieira, Claudia Zimmer, os educadores precisam se apropriar das tecnologias para apoiar a formação do aluno. Desta forma, em 2018, a instituição incluiu aulas TecMaker, para turmas do 6º ano, para estimular a cultura do “Faça-Você-Mesmo” em projetos interdisciplinares. “Serão aulas de construções significativas, embasadas na iniciação científica e alicerçadas pela Pedagogia de Projetos”, explica. As aulas têm impressoras 3D, máquinas de corte, ferramentas de engenharia e marcenaria, bem como conexão à internet e professores TecMakers e de outras disciplinas. Na Escola Girassol, o ensino da Robótica está sendo incrementado com as spheros, pequenas esferas robóticas interativas e programáveis que contêm luzes, podem ir à água, reproduzem sons e reagem a impactos. No Programa Bilíngue, a segunda língua está sendo trabalhada no sentido

da Aprendizagem Criativa Híbrida, envolvendo o conceito de maker. O modo como nos relacionamos com a informação e o conhecimento mudou, e para os estudantes, cada vez mais conectados e ávidos por descobrir o mundo, a escola tradicional não está atendendo mais aos seus anseios. Muitas instituições já entenderam que melhor do que demonizar as novas tecnologias é inseri-las de modo estratégico nos seus planos pedagógicos. Assim, aulas que ajudam a compreender a linguagem e a estrutura computacionais, como as de Robótica e Programação, serão cada vez mais comuns nas instituições.

As escolas de tecnologia As competências tecnológicas abriram um novo segmento no setor de Educação com características parecidas com as escolas de idiomas. As escolas de tecnologia chegaram para ensinar o “inglês do século XXI” – são as aulas de programação para o público infantil e adolescentes. “Em cinco ou dez anos, empregos tradicionais vão desaparecer e o mercado vai exigir dos profissionais competências digitais”, prevê o diretor da Happy Code, Ignácio Amigó. Com mais 70 unidades no Brasil e 10 em Portugal, a escola oferece cursos de programação, games, robótica, criação de aplicativos, domínio de redes sociais, empreendedorismo e desenvolvimento de projetos em 3D. Na Bahia, além da unidade própria, a Happy Code mantém parceria com o Grupo Anchieta desde 2017. Segundo Amigó, cerca de 25% dos alunos das escolas do Grupo recebem formação em novas tecnologias. 109 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018


Pets

Pets: hora de colocar o calendário de vacinas em dia.

Fique por dentro das principais doenças que afetam cães e gatos e de como protegê-los! TEXTO ANDRÉA CASTRO IMAGENS DEPOSITPHOTOS

110 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018


Pets

P

ara muita gente, o primeiro trimestre do ano é o período de colocar tudo em ordem. E com a saúde não poderia ser diferente. É a hora do check-up, o momento de atualizar a caderneta de vacinação das crianças e – por que não? – de colocar o calendário de vacinas dos seus bichinhos de estimação em dia. Para ajudar nessa tarefa, nem sempre priorizada, pedimos a orientação de uma especialista, que alerta para os riscos e também dá dicas para evitar algumas mazelas para esses serezinhos tão amados. De acordo com a professora Dra. Daniela Laranjeira, do Hospital de Medicina Veterinária da Universidade Federal Bahia, entre os cães, a atenção maior deve ser dada à raiva, cinomose, parvovirose e à hepatite viral canina. Já entre os gatos, além da raiva, estão a rinotraqueíte e a leucemia felina. Por isso, aquelas vacinas que não podem faltar no calendário dos pets são a contra a raiva (para ambos) e a tríplice viral canina (parvovirose, cinomeose e hepatite viral). Aqueles que pretendem dar uma dose extra de proteção aos felinos ainda podem contar com a vacina quádrupla (V4), imunizando os gatos de doenças como panleucopenia, rinotraqueíte, calicivirose e clamidiose, e a vacina contra o vírus da FELV (leucemia felina). Outra informação importante é que a vacinação deve ser iniciada a partir de 45 dias de vida em cães e 90 dias em gatos. “É quando o sistema imunológico está apto a reconhecer e responder aos antígenos vacinais, gerando uma resposta imune de memória”, explica a especialista.

Cães em apuros O vírus da cinomose ou da esgana canina, como também é conhecido, é altamente contagioso e normalmente afeta filhotes ou animais que não foram vacinados ou estão com baixa imunidade. A taxa de mortalidade é de 85%, ou seja, apenas 15% conseguem sobreviver. Muitas vezes, o cão não morre da doença, mas fica com sequelas neurológicas tão graves que precisa ser sacrificado. O vírus transmissor sobrevive por muito tempo em ambiente seco e frio, e menos de um mês em local quente e úmido, além disso, é muito sensível à luz solar e a desinfetantes comuns. Ou seja, a atenção com um ambiente limpo e saudável pode ser determinante na vida do seu animal. Após isso, cães – e mais raramente gatos – apresentam febre que pode chegar até os 41º C, com a perda de apetite, apatia (ficar quieto demais), vômito e diarreia, corrimento ocular e nasal. Outra infecção muito grave que acomete os cães é a parvovirose, que afeta o sistema digestivo, os glóbulos vermelhos do sangue e, nos filhotes (nascidos e ainda no ventre da mãe), pode até danificar o músculo cardíaco. É uma doença altamente contagiosa, caracterizada por diarreia com sangue. Vômito, letargia, anorexia, grande perda de peso e febre (em alguns casos) também são sintomas observados. A transmissão se dá através do contato com fezes contendo o vírus parvovírus. Esse vírus é muito resistente aos desinfetantes e sobrevive durante muito tempo em condições de calor, frio, seca, umidade e pode contaminar as superfícies dos canis, coleiras, guias,

recipientes onde comem e os próprios alimentos. A doença tem cura, mas pode também levar à morte, caso não seja tratada a tempo. Água sanitária deve ser utilizada em pratos, pisos do canil e outros materiais impermeáveis que podem ser contaminados.

Cachito, cachito mío A leucemia felina, mais conhecida pela sigla FELV (vírus da leucemia felina), é uma doença bastante grave e mais comum do que se imagina. O diagnóstico precoce é fundamental pois não tem cura, e, muitas vezes, leva a óbito em pouco tempo. É importante destacar que 85% dos gatos, em infecção progressiva, morrem em até 3 anos e meio após o diagnóstico. Vale ainda ressaltar que, mesmo infectados, alguns gatos não apresentam sintomas da doença. Quando eles aparecem, podem variar bastante, dependendo do tipo de células infectadas. Alguns apresentam anemia, imunossupressão e quadros crônicos de inflamação. Além disso, o vírus é capaz de fazer com que se desenvolvam tumores como, por exemplo, o linfoma. Por isso, é fundamental que todos os gatos façam o teste de triagem chamado ELISA para identificar esse vírus. Outro problema menos fulminante, mas não menos importante, enfrentado pelos felinos é a rinotraqueíte. Também chamada de herpesvírus felino, é uma doença infecciosa que afeta, principalmente, o trato respiratório superior e surge, por norma, durante o primeiro ano de vida. Pode ser transmi111 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018


Pets

Quem ama cuida Além das doenças que podem ser evitadas com a vacinação, existem outros riscos aos pets que podem ser reduzidos ou controlados com algumas atitudes dos donos. Segundo Daniela Laranjeira, a leishmaniose canina está em expansão em nosso Estado e o ideal é prevenir com o uso de coleiras inseticidas à base de piretroides (deltametrina) para evitar a picada do mosquito transmissor. A especialista também alerta para alguns cuidados, sobretudo neste período de calor. “Muita água, cuidado com passeios sob o sol forte para evitar desidratação e queimaduras. Animais de pele clara (hipigmentadas) devem fazer o uso de protetor solar, principalmente nas regiões de focinho e orelhas”, destaca. 112 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018

TOXOPLASMOSE Os gatos não são os vilões!

Deposit Photos

tida de forma direta, através do contato com secreções (nasais e oculares) contaminadas, ou de forma indireta, através de espirros e tosse. A doença aguda clássica apresenta sinais como rinite, conjuntivite, úlceras de córnea, tosse, lesões com crostas no nariz e na face, úlceras na boca, depressão e febre. Por isso, além do mal-estar, os gatinhos doentes geralmente param de comer e beber água, evoluindo para a desidratação, hipoglicemia, entre outros problemas.

É comum vermos mulheres grávidas desesperadas pela ideia de ter que se desfazer dos seus animais de estimação pelo risco de infecção por toxoplasma. A falta de informação acaba gerando uma fama descabida, sobretudo para os bichanos, que, na verdade, têm chances bem reduzidas de transmitir a doença. A toxoplasmose é causada pelo protozoário toxoplasma gondii. Há quem diga que os gatos seriam os grandes transmissores devido ao fato de que quando eles comem carne mal passada – até mesmo caça, como passarinhos; ou plantas, como grama contaminada pelo agente – o protozoário completa o seu ciclo de vida no intestino dos felinos (domésticos ou selvagens), que eliminam oocistos (ovos) no ambiente. De acordo com a veterinária Ilka Gonçalves, da Felina, clínica especializada em gatos, isso só acontece uma vez na vida do animal, durante 15 dias pós-infecção. “Esses ovos ainda precisam fi-

car no ambiente por mais de 24 horas para que tenham a capacidade de causar problemas aos seres humanos. Sem falar que teríamos que ingeri-los para sermos infectados”, explica. Na verdade, qualquer outro animal, incluindo aves, quando ingerem os oocistos não eliminam o parasita nas fezes, mas formam microcistos do toxoplasma na sua musculatura, que não são visíveis a olho nu, produzindo, assim, carnes contaminadas. “Então, devese evitar o consumo de carne mal passada de todas as espécies animais, principalmente a de caprino, ovino e suínos, durante a gestação”, reforça a especialista. Vale lembrar que verduras, legumes e frutas mal lavadas também são fontes de infecção, pelo fato de o solo poder estar contaminado onde esses alimentos foram cultivados. A prática de jardinagem, pelo contato com a terra, também deve ser evitada durante a gravidez.


Pets

Gravidez X toxoplasmose

O fato é que as grávidas que se infectam pelo parasita geralmente não têm sintomas da doença. Mas, dependendo do período gestacional em que forem infectadas, podem ter sérios problemas de desenvolvimento do bebê - como cegueira, surdez, desenvolvimento inadequado cerebral, hidrocefalia, entre outros, podendo ocorrer aborto. Sabendo disso, o cuidado com a alimentação de uma gestante que não tem imunidade para o parasita deve ser redobrado. Após saber de tudo isso, todas as mulheres podem acariciar seus filhinhos de quatro patas à vontade durante os nove meses de gestação!

Arquivo Pessoal/Alessandra Mota

Se a mulher for infectada pelo toxoplasma ao longo da vida, ela desenvolve imunidade à doença e o risco durante a gravidez é quase nulo para ela e o bebê. O início da gestação é o período mais perigoso da infecção, podendo causar lesões graves no feto. À medida que a gestação evolui, os riscos de lesões diminuem.

A gatinha Lola, paciente da veterinária Ilka Gonçalves, continuou com os mimos da sua dona Alessandra Mota até o final da gestação.

113 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018


Salvador, uma cidade

Pet Friendly S

Tatiana Feuchard

médica veterinária, responsável técnica do Mundo Pet

egundo dados da Associação Brasileira da Indústria de Produtos para Animais de Estimação (ABINPET), o Brasil é atualmente o terceiro maior mercado do mundo em faturamento no setor pet, ficando atrás apenas dos Estados Unidos e do Reino Unido. Mesmo com a crise econômica enfrentada pelo país, houve um crescimento do setor de 7% em 2017, em relação a 2016. De olho na expansão do ramo e na participação cada vez maior dos pets dentro das famílias, o conceito de estabelecimentos Pet Friendly está virando tendência no país.

gura à pessoa com deficiência visual, acompanhada de um cão-guia, o direito de ingressar e de permanecer com o animal em todos os meios de transporte e em estabelecimentos abertos ao público, de uso público e privados de uso coletivo.

Em Salvador, já é possível encontrar lugares onde os pets podem curtir junto com os seus donos. Um estabelecimento Pet Friendly é aquele em que o cão ou gato têm permissão para permanecer com o tutor e são sempre muito bem-vindos. As opções incluem restaurantes, shoppings, cafés, praças e até uma megastore totalmente pensada para eles.

Aqui vai uma lista de locais que, com certeza, vão ficar muito felizes em receber o seu pet:

A gestão pública de Salvador tem avançado em políticas de proteção e cuidados com os animais ao instituir campanhas de castração, vacinação antirrábica e permitir que animais de pequeno porte sejam transportados em ônibus coletivos – desde que em caixas apropriadas. Nos dias úteis, a exceção são os horários de pico, das 5h30 às 8h30 e das 16h30 às 20h30. Vale lembrar que para cães-guias temos uma lei que asse114 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018

A expectativa é de que cada vez mais estabelecimentos abracem o estilo Pet Friendly e, com isso, toda a sociedade é beneficiada ao estimular, na prática, o respeito aos animais. Depois de todas essas dicas, agora é só escolher um local Pet Friendly e boa diversão!

Hamburgueria Muu – Com um cardápio variado e o compromisso de oferecer hambúrguer de verdade, o espaço permite a presença dos peludos na área externa. Avenida Paulo VI, 1609. Tel.: (71) 3017-7710. Praças – Locais já conhecidos pelos tutores, algumas praças contam com feiras de adoção em finais de semana. Praça Ana Lúcia Magalhães, Pituba. Café do Forte – Com um cardápio de excelência, além de apreciar a vista deslumbrante da Baía de Todos-os-Santos, seu pet também será muito bem recebido pelos funcionários. Lafayete Coutinho, Bahia Marina. Tel.: (71) 3321-5713.

Shoppings – O Shopping Barra, o Shopping da Bahia e o Shopping Paralela permitem a entrada de animais de pequeno porte desde que usem coleira e guia. No Salvador Shopping, os pets são aceitos desde que transportados em carrinhos pet disponibilizados para aluguel ou conduzidos no colo. Já no Shopping Paseo Itaigara apenas animais de portes pequeno ou médio, medindo até 40 cm, podem entrar no centro comercial. Mundo Pet – Um novo conceito de loja que oferece uma experiência diferenciada para os visitantes, além de ser um ponto de encontro e lazer para as famílias. Lá é possível socializar o seu cão com outros animais, frequentar a cafeteria enquanto assiste a uma palestra, conhecer outras espécies de animais como roedores, lagomorfos, aves, peixes e frequentar exposições de animais exóticos e feiras de adoção. Tem uma festa para ir ou simplesmente quer deixar o seu cãozinho com um estilo diferente? Lá é possível também transformar as madeixas do seu pet com o serviço de penteados artísticos! Av. Juracy Magalhães Júnior, 1260, Rio Vermelho. Tel.: (71) 3043-0303.


115 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018


Moda

Chic

é pag ar po uco

Como se vestir bem o ano inteiro gastando menos Por Luciana Accioly Quem é louco por liquidação levanta a mão! Com descontos de até 70%, acaba de acontecer em Salvador, a 20ª edição da Liquida Salvador, maior evento promocional do varejo local. A campanha realizada pela CDL, em parceria com o SEBRAE, Governo do Estado e Prefeitura de Salvador, sacudiu a cidade entre os dias 1 e 11 de março. Foram mais de 5 mil pontos de venda com adesão, desde os grandes shoppings ao pequeno varejista. A estimativa inicial previa um crescimento nas vendas de 7% com relação à edição do ano passado, com movimentação superior a 600 milhões durante a campanha. Nas palavras de Alberto Nunes, presidente da CDL Salvador, “a promoção é uma forma de incentivar a economia, aumentar o fluxo nas lojas, fazendo com que as mesmas troquem os seus estoques. A Liquida Salvador é importante porque se propõe a movimentar as vendas neste período de entressafra, entre o Carnaval e a nova coleção de inverno, quando o movimento normalmente cai”. Pablo

Vieira,

gerente

116 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018

de

Marketing do Shopping Itaigara, que participa todos os anos da Liquida Salvador, estima um aumento de cerca de 8% nas vendas, comparando com a edição do ano passado. Os descontos são atrativos, podendo chegar a 70%, e os clientes do shopping também terão 50% de redução nas tarifas do estacionamento. “É muito gratificante poder fazer parte do momento mais aguardado pelo varejo baiano e pelos soteropolitanos, que

promoção “ éA uma forma

de incentivar a economia, aumentar o fluxo nas lojas.

Alberto Nunes presidente da CDL Salvador se planejam o ano todo para participar dessa megapromoção”, afirmou Pablo. O Shopping Paralela costuma participar de liquidações de

grande porte realizadas no Estado como a Liquida Salvador, e a Liquida Bahia, que acontece em julho. “Em geral, temos tido grande adesão dos nossos lojistas, com ofertas que chegam a 70%, em diversos segmentos, sobretudo no quesito vestuário e eletro. Ao longo do ano, temos percebido uma adesão dos consumidores às ofertas, sejam nas grandes liquidações ou nos descontos que são disponibilizados pelos lojistas, sem datas fixas”, afirmou Renata Correa, gerente de Marketing do shopping. E o consumidor é quem sai ganhando. Em meio a tantas liquidações, já imaginou compor aquele look dos sonhos pagando menos? E aquela sua loja queridinha on sale? O mercado oferece inúmeras opções para quem quer comprar bem e gastar pouco, basta garimpar. Não é à toa que o número de lojas que funcionam como outlet vem crescendo. Diante do atual cenário econômico do país, as pessoas estão mais atentas aos preços, buscando aliar qualidade e preço baixo. O Outlet Premium, com um


acervo de 100 grifes nacionais e internacionais, de vestuário, calçados e outros itens, é uma boa opção para quem curte uma pechincha o ano inteiro. Entre as marcas presentes estão Nike, Calvin Klein Jeans, Lacoste, Farm, Diesel, Ellus, Arezzo, Le Lis Blanc, Nautica, Spicy, Bo.Bô, John John, Morena Rosa, Carmen Steffens, Aramis, Salinas, Dudalina, Dumond, Chilli Beans, Highstil, e os descontos nessas lojas podem chegar a até 80%, segundo Ted Oliveira, do marketing do estabelecimento.

cidade, trazendo para os nossos corredores um movimento artístico e cultural”, afirma Karina Brito, gerente do shopping. Diferentemente das outras liquidações de moda, que têm o viés de liquidar coleções passadas, o Barra apresenta peças já da coleção alto verão, dando a oportunidade aos consumidores de aproveitar também a coleção vigente, em meio a peças com até 80% de desconto.

O Shopping Paseo realizou a Liquida Paseo no mesmo período da Liquida Salvador e os descontos nas lojas chegaram até 70%. “Por uma questão de estratégia, aproveitamos esse período pós-Carnaval para lançar a nossa campanha de descontos, por se tratar justamente de um período em que nossos clientes esperam oportunidades especiais para as compras”, contou Thaís Leal, gerente de Marketing do shopping.

F F

O mercado da moda mudou e o perfil de consumo também. Ser chic tem a ver com elegância, com bom gosto e saber se vestir. Hoje, vende-se conceito, tendência, moda e não apenas pedaços de pano etiquetados das love brands, e os consumidores, cada vez mais ligados nessas mudanças, identificam nas liquidações grandes oportunidades de se vestir bem gastando menos, desmistificando a ideia de que liquidação é apenas para quem não tem dinheiro. “O cliente das classes A e B pode ser mais exigente em relação a produtos e serviços diferenciados, mas também está interessado em oportunidades de pagar menos por eles”, é o que afirma Karina Dourado, gerente de Marketing do Salvador Shopping. Atentos a esse novo formato, shoppings de Salvador realizam as suas próprias liquidações voltadas para um público cada vez mais seletivo. O Shopping Barra inicia o calendário de grandes liquidações na cidade com a Lavagem do Barra, que acontece no início de janeiro, um produto consolidado, trazendo o conceito de “Saldão de Natal”. “É um evento aguardado pelo público, com uma temática que une liquidação e o movimento turístico da nossa

O Shopping Bela Vista também entrou na onda das liquidações independentes e realizou, de 28 de setembro a 1º de outubro do ano passado, ano em que comemorou os seus 5 anos, a Bela Vista Liquida. Foi possível encontrar em todo o shopping lojas com des-

O mercado da moda mudou e o perfil de consumo também. Ser chic tem a ver com elegância, com bom gosto.

contos de até 70%. A campanha, segundo a assessoria do shopping, contou com ações voltadas para o público e lojistas, além do horário de funcionamento diferenciado para ampliar o horário de vendas. A grade de programação especial contou com palestras gratuitas direcionadas a vendas, para lojistas, programação musical na praça principal em dois momentos do dia, almoço e happy hour, influenciadores digitais convidados, formando o “Esquadrão Bela Vista”, garimpando os “achadinhos” no shopping, cada um no seu segmento, e em seguida publicando nas redes sociais. Tudo para agradar o cliente com preços reduzidos e também os lojistas, contribuindo para o sucesso das vendas.

As liquidações do Salvador Shopping, que completou 10 anos recentemente, acompanham um movimento que já é próprio dos segmentos que estão presentes no seu mix de lojas, trabalhando principalmente na virada de coleção conforme a troca de estações. “Temos, geralmente, duas liquidações anuais, uma em cada semestre. A principal ação é a Salvador e OFFertas, que, a depender do calendário, procuramos alinhar com o período da Liquida Salvador ou da Liquida Bahia. Também nos apropriamos da Black Friday, estendendo-a por um fim de semana inteiro, em vez de focar apenas na sexta-feira que dá nome à ação. E este ano, pela primeira vez, fizemos a Quarta Elétrica, realizada em um único dia, na Quarta-Feira de Cinzas. Foi a primeira liquidação simultânea do Grupo JCPM que envolveu cerca de dois mil lojistas de sete shoppings da holding localizados na região Nordeste”, explica a gerente de Marketing do shopping. A ação para atrair clientes, ainda em clima de Carnaval, contou com a participação do ator Ricardo Castro, compartilhando através das redes sociais ofertas em tempo real, além da presença de fanfarras, animando o público passante do shopping. Hoje, é possível perceber a par117 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018


Moda ticipação de grandes marcas (dentro e fora dos shoppings) nas liquidações e muitas delas realizam as suas próprias queimas de estoque. Mayara Diniz, gerente de Marketing do Shopping da Bahia, enxerga essa adesão como um movimento crescente natural do varejo. “O varejo vive de ciclos e de nichos específicos. Há espaço para todo tipo de posicionamento. As liquidações são ferramentas importantes para girar o mercado varejista e as grandes marcas perceberam isso”. A multimarcas Paradoxus realizou recentemente, em fevereiro, o seu bazar de verão. Foram três dias de liquidação com peças a partir de R$ 50,00. A empresária Regina Weckerle conversou com a Let’s Go Bahia sobre o que motivou a realização do bazar.

“A moda hoje é muito veloz, é uma coleção atrás da outra, e a comunicação também é muito rápida na hora de divulgar as novidades. Hoje, com as redes sociais, o que é agora novidade deixa de ser também muito rápido, e temos que nos adaptar. Também nesse período as atenções se voltam para o Carnaval e é neste momento de retomada, quando as festas passam, que as pessoas voltam a se interessar por novos

Hoje, com as redes sociais, o que é agora novidade deixa de ser também muito rápido, e temos que nos adaptar.

Regina Weckerle

(foto acervo shopping)

produtos, fora do contexto de Carnaval e, muitas vezes, querendo gastar pouco”.

Bazar Paradoxus

118 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018

É aí que entra a liquidação. Com a eminência do lançamento da nova coleção outono-inverno, é chegada a hora de pôr para fora aqueles produtinhos da coleção de verão, normalmente mais coloridos e estampados, só que com um preço mais acessível. A empresária também identifica um novo público, aquele que acompanha as redes sociais e compra pela internet. Hoje, a marca, através do seu perfil on-line, vende para todo o Brasil. Participaram do bazar peças cuidadosamente selecionadas, marcas como Reinaldo Lourenço e Barbara Bela. O preview de outono-inverno também acaba de ser lançado. A aposta da Paradoxus para a nova temporada é muito brilho, metalizado, o colorido com menos luminosidade como o lilás, o vinho, o

bordô, tons terrosos, mostarda, a dupla que nunca sai de moda: preto e branco, vinil, couro, lurex, tricot metalizado. Para Regina, o conceito dessa nova coleção é voltar no tempo através destes elementos, trazendo a imagem da mulher elegante de volta.

Moda consciente

Percebe-se uma nova tendência voltada para o consumo consciente. Fala-se muito sobre moda sustentável, mas como continuar na moda o resto do ano, de forma consciente? A designer de interiores Thais Costa conta que é louca por moda e que já foi muito consumista. Hoje, mais consciente, ela procura não só adquirir peças das suas marcas favoritas através das liquidações, mas também meios de fazer circular aquilo que não lhe serve mais. Usuária do aplicativo enjoei.com, ela garimpa produtos usados, em bom estado e que saem, muitas vezes, pela metade do preço. Ah! E grandes influenciadoras no mundo da moda já aderiram aos aplicativos de roupas usadas, viu? A jornalista de moda Lilian Pacce, a maquiadora Julia Petit e até a blogger Camila Coutinho têm suas lojinhas no enjoei.com com peças do seu acervo pessoal. Seguindo com os aplicativos, existe o @meuloc, app de locação de roupa. É muito fácil de usar! É só criar um perfil, clicar no look, conferir o descritivo da peça e pronto! “Alugue”. Ou, se você quer alugar uma peça sua, é só postar e aguardar os clientes. Nos produtos disponíveis nesse aplicativo é possível visualizar, ver o descritivo da peça, tamanho, cor, marca, valor original e valor do aluguel semanal. E o melhor, você tem acesso aos perfis por localidade e distância. Show, não é?


Já pensou em experimentar aquela bolsa Chanel antes de adquiri-la? Ainda não tem certeza de que faz o seu estilo? Ou não quer investir muito alto de primeira? O Clube das Bolsas dá a opção aos clientes de desfrutarem das melhores marcas internacionais através da assinatura de um plano semestral. Os membros do Clube têm direito a 12 edições por semestre, recebendo no conforto de suas casas uma bolsa a cada quinzena para usá-la por cinco dias cada uma. Assim, você está sempre na moda, usando marcas que vão desde Jimmy Choo a Hermès, sem precisar acumular peças que usa pouco.

Brechós Ótima opção para quem quer gastar pouco, sem perder a elegância.

@Compritchas Com a palavra Gau Baruch – A coordenadora do editorial de moda desta edição conta como foi essa parceria com a

Let’s Go Bahia. “Foi uma responsabilidade muito grande, e como eu faço a curadoria das peças da loja, achei muito bacana e importante poder trazer o meu ponto de vista para o editorial e adorei o resultado.”

A escolha das peças “Eu procurei escolher peças conceituais de grife, que trabalho na minha loja, com preços bons, como um vestido Dolce & Gabbana, óculos Fendi, e procurei trazer também outros itens mais baratos, mas que também são tendência. É uma forma de mostrar esse lado democrático da moda e que dá para ser chic, dá para se vestir bem comprando roupas de brechó.”

A publicitária vs. a empreendedora consciente “Eu já pensei muito sobre isso. Eu fui de um extremo a outro. A publicidade estimula o consumo a todo custo e quando eu criei o Compricthas senti uma sensação muito boa. Passei a incentivar o consumo res-

Arquivo Pessoal

Clube das Bolsas – Paula Frank

Compritchas

ponsável, consciente, o consumo sustentável.”

@brechodamiro, Milena Teixeira O brechó da Miró também possui loja física e trabalha desde calçados a roupas. As marcas trabalhadas variam do fast fashion a grandes grifes, como Farm e Armani, garimpadas sempre conforme a tendência e estação. Miró conta ainda que grande parte do seu público é de fora do Estado, principalmente de São Paulo. Para ela, o grande diferencial é o atendimento, não só na loja física, mas também no seu perfil no Instagram e WhatsApp. É responder às mensagens com agilidade e atender bem as nossas clientes. O perfil está sempre atualizado e cheio de dicas de moda.

Arquivo Pessoal

@sarastrobrecho – Carlito Brasil

Gau Baruch

O garimpo das peças é feito pessoalmente pelo proprietário, através de viagens constantes ao exterior. São diversas grifes internacionais, dentre elas estão Gucci, Le Lis Blanc, Chanel, Salvatore Ferragamo, Tommy Hilfiger, Christian Dior. 119 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018


Moda Bonaldi que custou apenas R$ 200,00. Estão de queixo caído? Nós aqui também!

A digital influencer, consultora de imagem, designer de moda e personal organizer (ufa!) abriu as portas da sua casa (e do seu closet) para a Let’s Go Bahia e passamos uma tarde inteirinha com ela. Com um closet extremamente democrático, Mamah tem itens que vão desde grifes internacionais, como uma bolsa Fendi, às marcas baianas, como Vivire (beachwear), The Finds, Di Sampaio e BOAH. Ah! E uma bota de glitter da C&A que ela elegeu como queridinha e que custou R$ 120,00. Ela revela não ter problema em repetir roupa: “Se você usou um vestido com salto em uma ocasião, põe um cinto, uma sandália rasteira, pronto, já tem um novo look. O importante é usar a criatividade”.

Mamah, que também costuma praticar o desapego, contou que certa vez se reuniu com um grupo de amigas e juntas fizeram um troca-troca entre elas. “Foi divertido depois ver as minhas amigas usando uma roupa que era minha e eu usando alguma coisa que pertencia a alguma delas”. A digital influencer é super consciente quando o assunto é comprar com responsabilidade e está organizando um bazar previsto para acontecer ainda este mês. “Eu ganho muita coisa, tive muitas fases; então, se você tem uma peça que usou e hoje não a usa mais, desapegue, doe, venda, alugue, ponha para rodar”. Ela também tem um perfil no aplicativo Loc no qual tanto disponibiliza looks usados para aluguel como também os aluga.

Jotta

Adepta de um bom garimpo, a

Mamah no closet mostrando a saia

digital influencer participou do Bazar de Marina Ruy Barbosa (em parceria com a Downy), aqui em Salvador, em março do ano passado, e não saiu de mãos vazias. Levou para casa uma saia estampada Patricia 120 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018

Ainda sobre o conceito de consumo sustentável, fomos conhecer a recém-inaugurada @sououtside. A loja, idealizada por Priscila Britto, Flavia Britto e Mari Magalhães, traz a proposta de consumo compartilhado, com peças novas, compradas cuidadosamente por elas, especialmente para a loja. A ideia é dar acesso a looks cheios de estilo e personalidade gastando pouco através de planos mensais que dão direito a uma quantidade de peças, de acordo com o plano escolhido. “Com essa proposta, é possível estar sempre de look novo, sem repetir roupa, e ainda experimentar novos estilos, sem precisar estar sempre comprando”, diz Priscila, uma das sócias. E conforme as pessoas as forem usando, depois de um tempo, essas peças que estão hoje disponíveis para aluguel serão colocadas à venda no bazar. O meio ambiente agradece! Parte da loja também é dedicada à venda

de marcas como Rock di Saia, Cantuai e Batô Batô, além de acessórios e bolsas.

A escolha de Mamah para a Let’s Go, do provador da Outside Look 1

Jotta

No Closet com Mamah Vivas

Short jeans customizado, colete verde militar Outside e regata Rock di Saia.

Louca assumida por liquidação, Mamah dá dicas para aproveitar melhor as ofertas: “É preciso saber comprar em uma liquidação. A dica é comprar peças clássicas, curingas, como uma sandália clássica, uma boa calça jeans, um blazer preto, uma camisa branca, regatas que dão para montar diversos looks, uma bolsa bacana nude, caramelo. O importante é se conhecer e comprar peças atemporais que você


Look 2

Ellus

Calça pantalona estampada, cropped tricot liso, sandália salto alto sisal, pulseira de couro, bolsa soft rústica, colar lua franja linha, produtos com descontos de até 50%.

Jotta

2 Loja Gregory

Blusa verde militar, calça preta, bolsa dourada, sapato animal print com descontos de até 30%.

Jotta

Track & Field

Confiram os achadinhos de Mamah Vivas para a Let’s Go Bahia, direto do Salvador Shopping: Arezzo

Jotta

possa usar o ano inteiro e não comprar somente porque está barato. No inverno, por exemplo, as estampas de bicho, animal print, sempre voltam, então para quem curte estampa é uma aposta. Preto, branco e listras também nunca saem de moda”.

Jotta

Macacão metalizado, bolsa e acessórios Outside.

Viseira, squeeze, luva, short e top (somente o short e o top estão com preços promocionais).

Vestido preto de festa e sandália metalizada, produtos com descontos de até 50%. 3 Loja M. Officer

Achadinhos da Let’s Go Bahia, do Shopping Barra, por Luciana Accioly, no primeiro dia de Liquida Salvador (1º de março)

Sapatos com descontos de até 50%.

Jotta

Jotta

Jotta

1 Loja Cantão

Jaqueta jeans com detalhe metalizado, t-shirt branca, short verde militar, produtos com descontos de até 50%. 121 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018


Qual é a tendência?

Ser quem você é! O

debate em torno de inclusão e diversidade vem com uma afirmação muito clara de qual é o espírito do tempo em que vivemos, a “Zeitgeis”: empatia para a imagem do corpo, ressignificando-a. Não há experiência de moda sem esse olhar afiado para o eu e o você real. E sim! Eu falei de moda! Aquele estilo de se expressar com vestimentas, acessórios, cores que retratam a época em que se vive. Nada é mais atual do que cultuar a identidade pessoal, a originalidade individual traduzida em um grupo de múltiplos. Quer dizer então que está na moda ser você? Com a sua aparência, idade, raça, o seu cabelo, tamanho, as suas deficiências, especialidades, os seus credos, a sua sexualidade, o seu gênero. Parece simples, desde que você saiba quem você é. Ajudo você nessa. Um exemplo muito em voga é você ser, eventualmente, uma mulher gorda (termo correto, nada pejorativo), que se curte assim, exatamente como você é, também definida no chamado plus size, e tudo o que você quer é entrar em uma loja e comprar roupas bacanas, modernas, sentir-se maravilhosa. Não está a fim de usar a velha legging de sempre, com túnicas pensadas para cobrir o máximo possível, já que você é aquilo que se dizia ser “fora do

122 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018

Sandra Teschner Escritora, e publisher da Profashional Editora instagram: @sandrateschner

padrão”. A boa notícia é que os padrões estão sendo remexidos, bagunçados mesmo e que a indústria fashion que mais cresceu nos últimos anos foi exatamente a de tamanhos grandes. Se você se identifica com o que está lendo, você já se descobriu e está, provavelmente, apta para usar o que você quiser. Oops! Será? E toda aquela ladainha dita ao longo de uma eternidade sobre como se vestir bem, sempre ressaltando como esconder gordurinhas, como se você tivesse avarias que precisavam ser ocultadas, então, esse conceito (UFA!) não vale mais. Bem, vou repetir o que digo em minhas palestras e que, normalmente, vem acompanhado de um eco dos participantes. Se você “segura” o que está a fim de usar, você está pronta para definir o seu guarda-roupa e esta será uma decisão que ninguém poderá te roubar de novo. A mente que se abre não retorna ao formato inicial, a elasticidade faz de um novo espaço ok. “Mas, o que é mesmo segurar um look?”. Se você é capaz de não se deixar intimidar, e com isso entenda “sofrer mesmo” com a crítica alheia, ou um comentário maldoso (afinal, nem todos sabem quem são, nem todos vivem como você, na vanguarda da

história), muito pelo contrário, aí é que você ganha fôlego mesmo e decide arrasar, afinal, os reclamantes, além de desinformados, podem estar acobertados pelo que chamamos de inveja, e normalmente a sentem pelo que eles não podem alcançar. E já sabem o que eles não conseguem imitar, não é mesmo? A sua segurança, o seu sorriso vitorioso, a sua alegria, a sua autoestima elevada. Costumo dizer que uma autoestima elevada é a base universal para a autoconfiança e é a autoconfiança que define se você é, por exemplo, bonito ou feio. E aqui, liberem a imaginação para um sentido de beleza muito além do óbvio. Aberta a temporada de descobertas. Mergulhe em si mesmo, veja-se com um olhar menos crítico, mais leve, dê uma chance real ao ser no qual você realmente quer se transformar, porque vocês são só um, separados, porém, por limites e rótulos que estão com prazo de validade vencido. E você, vai ficar aí assistindo ou liberará as amarras e sairá à luta por uma vida plena? Ao encontrar-se, lembre-se de dar um abraço no seu novo eu e dar-lhe as boas-vindas por mim. Só você pode se fazer feliz!


123 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018


124 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018


O charme que vem dos

Brechós Já faz algum tempo que os brechós deixaram de ser vistos como espaços de roupas usadas e fora de moda. Pessoas descoladas, inteligentes, interessantes e muitos famosos frequentam essas lojas e algumas delas são completamente apaixonadas por eles. Afinal, nesse modelo de negócio dois atributos chamam a atenção: excelentes preços e muito estilo. Produtoras de moda como Graça Borges (ex-produtora do São Paulo Fashion Week) costumam promover eventos no estilo brechó em que conseguem expor diversas marcas renomadas do cenário nacional e internacional. No Brasil e em outros países, é possível encontrar bons brechós que ofertam peças clássicas - ou não - e com um preço acessível. Celebridades nacionais como Maria Flor, Thaila Ayala e Fernanda Lima são

adeptas dos brechós. Aqui na Bahia, Preta Gil, Ana Mametto, Claudia Cunha, Paula Magalhães, Rafaela Meccia, Luanna Damiani, dentre outras, são clientes e, muitas vezes, fornecedores dos brechós.

A verdade é que as pessoas costumam comprar, muitas vezes, movidas por impulso e acabam por não usar o que compraram, principalmente roupas e acessórios. Mas com a necessidade de evitar desperdícios e preservar o meio ambiente, o handmade voltou a ser valorizado e tudo isso aliado à crise financeira fez com que a tendência por comprar em brechós ganhe força. É fácil encontrar lojas com pontos fixos como o Comprichtas Brechó, que convidamos para fazer este editorial. Se você ainda não foi a um brechó, acredite, vale a pena! É possível conseguir verdadeiros achados por lá! Hoje, eles

estão mais modernos; alguns apresentam apenas peças de grife por um preço mais em conta e se tornaram os queridinhos do momento. É nesse espírito que a Revista Let’s Go Bahia apresenta um editorial de moda cheio de personalidade e com uma diversidade de estilos que encontramos no Brechó @ compritchas. Para esta edição, tivemos a ajuda de sua dona, Gau Baruch, que assina o stylist do editorial estrelado pela nossa nova New Face Leticia Valverde. Nas páginas a seguir Leticia passeia por diversos estilos que vão do clássico D&G, passam pelo Rock’n Roll da Topshop, pela graciosidade da FARM e por tantas outras marcas escolhidas a dedo para mostrar que os brechós estão com tudo e vieram para ficar.

125 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018


Vestido Santa Bata, sandália Jorge Bischoff

126 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018


Blusa TOPSHOP e calça Animale.

127 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018


Vestido Miele, sandália Jorge Bischoff

128 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018


Vestido Roberio Sampaio, clutch ESSE 129 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018


Vestido Dolce & Gabbana

130 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018


Vestido Dolce & Gabbana com a Jaqueta Zara, e óculos Prada 131 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018


Óculos Fendi, t-shirt Espaço Fashion e calça Zara

132 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018


Bolsa Louis Vuitton Short Lança Perfume

133 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018


Vestido Farm, sandália Jorge Bischoff

134 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018


Bata SKAZI

135 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018


CAMPANHA NEW FACE

LET’S GO BAHIA

A New Face que estrelou este editorial é Letícia Valverde. A garota de 13 anos de idade sonha em seguir a carreira de modelo e foi escolhida pela Revista Let’s Go Bahia para o editorial que teve como tema a Moda Brechó. Quer ser a próxima New Face? Basta seguir o nosso Instagram (@ revistaletsgobahiaoficial), postar uma foto marcando a revista e escrevendo: “Quero ser a

nova New Face Let’s Go Bahia. A cada edição, nosso Conselho escolherá um novo rosto para estrelar o nosso editorial de moda. Não é necessário ser modelo profissional. Basta ter intimidade com as câmeras e uma beleza bem baiana, diferente, “fora da caixa”, como a nossa revista! Boa sorte!

ROUPAS e BIJOUS: Compritchas Brechó MAKE & HAIR: Larissa Ferrari (Studio M) STYLIST: Gau Baruch FOTÓGRAFO: Roberto Abreu DIREÇÃO-GERAL: Verônica Villas-Bôas

136 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018


137 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018


#quero

Modelos da esquerda pra direita: Pamela Lirio, Eduarda Campos, Vanessa Suzart, Giselle Lopez e Twany Cerqueira.

Por Luciana Accioly endência nos dias atuais, o chapéu de palha personalizado surgiu na região de Nice, capital da Riviera Francesa (puro glamour, não acham?) e chegou ao Brasil com a proposta “chic mesmo é ser você”, afinal, quem não quer uma peça única, feita com exclusividade, sob medida? E autenticidade é um item que nunca sai de moda. O que não falta é criatividade na hora de confeccionar as peças. Cores, pompons, nomes, lantejoulas, frases e mais uma infinidade de materiais que atribuem personalidade às criações. A cantora Ivete Sangalo, a atriz Juliana Paes e a apresentadora Fátima Bernardes foram algumas das celebridades que se renderam ao item-desejo da estação. Além das grifes de moda 138 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018

praia e acessórios como Praia Lima, novos empreendedores, em Salvador, surgem com as suas lojinhas virtuais, na pegada da moda democrática. @modaresort, Uliana Viana

@modaresort, Uliana Viana

T

A marca possui diversas coleções, como a Resort Sun, lançada em novembro de 2017. Segundo Uliana, o sucesso foi tanto que outras três linhas foram criadas e

abrangem desde as mulheres mais discretas às mais sofisticadas. Para ela, verão e moda caminham juntos (e sofisticação também). A empreendedora baiana Jamile Barbosa, sócia-fundadora da recém-criada @ jammsummer, conta como surgiu a ideia de criar a sua própria marca. “Eu via os chapéus personalizados e sempre tive vontade de ter um, mas quando olhava os preços eu desistia de comprar porque eram bem caros, então comprei o material e resolvi tentar fazer um para mim. Certo dia fui à praia, levando o meu chapéu e me perguntaram quanto custava e o acabei vendendo. Fiz um novo chapéu e o vendi novamente. Foi aí que eu pensei: Será que se eu fizer mais eu os consigo vender? Comecei postando no meu Instagram

Jotta

Ele foi o queridinho do verão!

Moda


1

07/03/18

15:33

@salvepalha, Marina Lago (foto de reprodução Instagram)

anuncio Shopping Paseo.pdf

pessoal e bombou! Identifiquei aí um novo mercado, comecei a investir, criei um perfil comercial e fiquei muito feliz com o resultado.”

Jotta

Com o sucesso das vendas e pensando mais à frente, a empresária ampliou o seu leque de produtos. Bolsas de palha, carteiras de mão, correntes de óculos, cangas atoalhadas e, em breve, lançará a coleção de chapéus “Mãe e filha”, pensando no dia das mães. E, é claro, a coleção de São João.

Achou que a Let’s Go Bahia iria ficar de fora? As modelos usam chapéus @jammsumer, encomendados especialmente para esta matéria. 139 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018


Moda

Mood Esportivo

Como aliar conforto e sofisticação em um look esportivo que te permita estar em qualquer ambiente

J

á sabemos que a moda esportiva invadiu o guarda-roupa das mulheres no mundo inteiro, cada vez mais optando pelo tênis no lugar de saltos, calças jogging feitas de materiais confortáveis e até peças de moletom que não ficam só reservadas para dias frios na academia. Mas você já pensou em fazer um intercâmbio com a roupa que você utiliza na prática de exercícios físicos e inserir esses looks no seu dia a dia, com charme e elegância? Denominada “Athleisure” (a fusão das palavras athletic/atleta e leisure/lazer), a tendência consiste, basicamente, no uso de roupas casuais feitas para serem usadas para a prática de exercícios e para o uso geral, representando o desejo crescente de consumidoras por peças mais práticas e confortáveis, sendo um reflexo natural da tendência “normcore”.

Tecidos tecnológicos, shapes e modelos diversos do universo esportivo passaram a fazer parte das coleções de inúmeras marcas, e estilistas do mundo inteiro foram convocados para celebrar parcerias com essas marcas, garantindo peças que se tornaram must have nos armários dos fashionistas. CORES CLÁSSICAS Opte pelas cores clássicas e garanta um ar sofisticado ao look esportivo. Looks monocromáticos ou coordenados em uma mesma cartela de cor 140 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018

Renata Rangel

Advogada, digital influencer e apaixonada por moda TERCEIRA PEÇA: GRANDE ALIADA DOS LOOKS ESPORTIVOS

ou padronagem são uma opção bacana, sendo que você poderá brincar com tecidos e texturas diversas para estar sempre elegante, saindo de manhã para um dia repleto de compromissos e reuniões e emendar direto para a ginástica.


Moda Abuse da terceira peça para incrementar o visual, seja ela um trechcoat, parka, jaqueta, coletes, moletom ou tricô. Com o clima quente da Bahia, opte pelos tecidos leves e tecnológicos para quebrar o efeito casual do look esportivo e disfarçar as curvas ou mesmo a pele à mostra.

versatilidade e possibilidade de múltiplos usos e combinações para o dia a dia. Abaixo, algumas peças da marca, que foi responsável pela confecção do maiô tecnológico do campeão olímpico Michael Phelps:

TÊNIS

cansam de lançar tendências e modelos lindos, confortáveis e supercools.

O tênis ganhou o coração das fashionistas depois de uma coleção de Karl Lagerfield no desfile de Alta Costura da Chanel, em 2014, e desde então tem lugar cativo no closet de quem quer aliar estilo e conforto, sendo o look esportivo ou casual. As marcas não

Modelos em cores e materiais diversos, com combinações e estilos inusitados (solados de corrida com neoprene em forma de meia no cabedal) e nada óbvios contrastam com os tradicionais, garantindo versatilidade aos looks. Alguns modelos que vão te ajudar a escolher o sneaker preferido e criar produções incríveis, lembrando-se de brincar com texturas, tecidos leves, brilhos e o que mais você tiver vontade! ADAY: MARCA INOVADORA E COM TECNOLOGIA DE PONTA PARA SIMPLIFICAR O GUARDA-ROUPA DO FUTURO Buscando simplificar o guarda-roupa da mulher contemporânea e com uma visão futurista, a marca ADAY tem uma proposta superinteressante ao investir em uma perspectiva inovadora, visando tanto à criação de tecidos tecnológicos avançados (com peculiaridades que vão desde a termorregulação até o efeito de não amassar) como em peças que possam ser utilizadas independentemente da ocasião ou da estação do ano. Além disso, o conceito da marca está diretamente relacionado a um consumo consciente e à possibilidade de comprar menos peças justamente por força da 141 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018


Beleza

A importância do Visagismo na beleza É

sempre bom lembrar que a nossa aparência tem a capacidade de nos deixar mais confiantes, felizes e plenos com aquilo que somos por dentro. De forma bem simplificada, o Visagismo é o estudo que busca encontrar a harmonia na beleza de uma pessoa, usando técnicas específicas para definir qual o melhor corte de cabelo, a melhor forma de maquiar e até mesmo o formato da sobrancelha, isso porque levará em conta aspectos como o tipo de rosto, a personalidade e como você deseja ser visto pelo mundo. O profissional terá que trazer equilíbrio entre o que se deseja e o que fica realmente harmônico para cada tipo de rosto e personalidade. Essa técnica é cada vez mais comum nos salões de beleza e vem sendo muito usada também em procedimentos de micropigmentação. A dica é tentar adequar as sobrancelhas e a maquiagem, depois partir para o corte de cabelo, no qual se estudará sobre o formato do rosto e qual aparência ficará mais harmônica.

Micropigmentação Vejam as dicas de beleza dos profissionais especialistas: Ester Borges, especialista há mais de dez anos em Design e Micropigmentação Dérmica de Sobrancelha, sabe que nem sempre a sobrancelha tem o volume e a definição que gostaríamos, mas quando ela está linda e benfeita, nos sentimos muito mais atraentes e confiantes, por isso, em alguns casos, vale a pena investir na téc142 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018

nica que ganha nova função, ajudando também a camuflar estrias de diferentes tipos e larguras, como as brancas e rosadas, além de esconder o vitiligo e a calvície. É preciso considerar o fato de que é muito mais fácil pigmentar do que despigmentar a pele, mas é possível amenizar o estrago e reverter processos com uma técnica menos agressiva do que o laser.

Márcia Damasceno

Empresária e relações públicas é possível reconstruir a aréola com pigmento, fazendo um desenho em 3D. O crescimento do uso desse tipo de tratamento também é resultado do fato de ser um procedimento rápido e eficiente, que ajuda na promoção da autoconfiança e autoestima.

Maquiagem para homens Ester Borges

Dentro desse processo estético existem diversas técnicas e a Micropigmentação Paramédica funciona na camuflagem de cicatrizes pós-cirúrgicas ou acidentais. Na pigmentação da aréola, no caso de uma mastectomia (retirada dos seios),

Os homens estão cada vez mais vaidosos e até usando maquiagem em diversos momentos no dia a dia e em festas

Modelo Roberto Pires jornalista e autor do blog perfumemodabobpires.blogspot.com.br

noturnas. É claro que a make masculina se difere da feminina. O propósito, neste caso, é apenas cobrir algumas imperfeições, como acnes, manchas e olheiras. Feita sutilmente, pode ser usada sem parecer que o homem está maquiado, o que o deixa mais bonito


Beleza ainda. Para a make masculina é necessário: primer, base líquida ou BB Cream, corretivo facial, pó compacto, lápis de olho, rímel e hidratante labial.

Cosméticos de luxo para homens modernos

A maquiagem mineral feita especialmente para homens tem um acabamento melhor na pele, contém proteção FPS e evita a oleosidade, especialmente para quem tem problemas como acne ou rosácea.

Cabelos O corte de cabelo é fundamental. Ricardo’s Beauty, que é hair stylist visagista, estuda o formato do seu rosto e aconselha o melhor tipo de corte que combine com a sua personalidade. “As técnicas ajudam

Ricardo e Sheila Carvalho

também os homens a causar o impacto visual que desejam pelo corte de cabelo e design de barba e sobrancelhas”. Não existe fórmula ou padrão que sirva para todos. Segundo ele, o importante é encontrar uma imagem individual, que combine com a personalidade do cliente. “O Visagismo ajuda a expressar o que se é e busca ressaltar o que se tem de mais bonito”.

não testa os seus produtos em animais e não utiliza óleos minerais e álcoois. Utiliza o conceito de Logical Skincare que busca o cuidado “sem complicações” e conta com formulações exclusivas, como o Sebustop®, um coquetel à base de canela, gengibre e extrato de pimpinela que atua como um tônico que ajuda a reduzir o tamanho dos poros e a controlar a oleosidade.

Vinotage for Men, marca do Grupo Famiglia Valduga Modelo Rafael Barreto vencedor do ídolo sbt

Houve um tempo em que os cosméticos masculinos se resumiam a desodorante, creme de barbear e gel para cabelo. Hoje, há desde protetor solar que controla a oleosidade da pele, passando por gel de limpeza facial, esfoliante energizante, loção hidratante, loção para fechar os poros do rosto, hidratante facial, xampus específicos para a barba e até maquiagem. “A ideia de que produto de beleza é coisa de mulher ficou no passado. Os homens, atualmente, estão se cuidando tanto quanto elas”. Conheça algumas marcas e aproveite as dicas:

Recipe for men: marca escandinava de cosméticos masculinos Desenvolvido de homem para homem. Este é o conceito da Recipe for men, marca sueca de cosméticos criada para oferecer os melhores tratamentos para a pele masculina. Com formulações premium e exclusivas, os produtos são desenvolvidos com componentes naturais, especialmente pensados para proporcionar beleza e praticidade. A marca

Desde o tempo dos gregos, pensava-se que o vinho e a uva tivessem propriedades mágicas ligadas à saúde. Milhares de anos depois, com o avanço da tecnologia, comprovou-se que, de fato, esses compostos têm propriedades únicas que promovem o rejuvenescimento e o bem-estar do corpo. Assim, surgiu uma marca brasileira inspirada na exuberância da natureza e nos benefícios à saúde através da vinoterapia, nome dado ao tratamento feito com os cosméticos que têm por base os compostos da uva e do vinho, chamados de polifenóis, promovendo os efeitos: rejuvenescedor, desintoxicante, nutritivo, renovador, tonificante e revitalizante. A Vinotage é uma empresa do Grupo Famiglia Valduga, que por gerações extraiu o melhor da essência da uva: o vinho. 143 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018


144 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018


Sá Menezes

145 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018


Social & Eventos

Let’s Go again É muito comum, devido a uma rotina atribulada, frequentarmos sempre os mesmos lugares. Entretanto Salvador é tão rica e multiculturalista que vale a pena fazer o esforço de sair da zona de conforto e conhecer outros espaços. Pensando nisso, a Revista Let’s Go, em sua festa de aniversário, no Forte Santo Antônio Além do Carmo, apresentou de uma forma muito especial e elegante uma Bahia que muitos dos seus convidados ainda não conheciam. O resultado? Um grande sucesso! Cerca de 850 convidados, dentre eles figuras como o empresário Mário Dantas, Karla Borges, Mônica Sarti, Paloma e Arnaldo Franco, Mariana e Augusto Leite, João Roma, Ana Paula Magalhães, Cristiane e Armando Teixeira de Freitas, Normilda e Abelardo da

Sá Menezes

Por Filipe Moreira Fotos Samuel Freitas

A festa da 42ª edição da Let’s Go teve como palco o Forte da Capoeira

Matta, Márcia Miranda e Marcos Ribeiro, foram recepcionados por uma orquestra de berimbaus, reverenciando a ancestralidade baiana com absoluta elegância. Sete mestres de capoeira Angola realizaram ainda uma roda especial, trazendo todos os presentes para um mergulho na cultura local.

Entrada da festa surpreende convidados com orquestra de berimbaus.

146 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018

Tudo isso se misturou ao sofisticado trabalho artístico-visual de decoração de Lenardo Salvatore e o paisagismo da Florella Eventos, mesclando o rústico com o exuberante. A produção também contou com o som da DJ Renata Dias, o sax de Lenine e a cantora Michaela Harrison, que trouxe clássicos do jazz com sua performance e voz impactante. Fechando a noite, a banda Rock Forever incendiou a pista com o rock n’ roll dos clássicos da banda Os Beatles. O serviço volante com 55 garçons, comandados por Marcelo Gedeon, e a coordenação de cozinha de Richard James e Flávia Baquerizo potencializaram a experiência gastronômica do buffet assinado por alguns dos maiores chefs de cozinha da cidade. “Foi uma festa com todos os sabores da Bahia, para essa revista que a retrata de forma tão elegante”, disse Tereza Paim, do Restaurante Casa de Tereza.


Social & Eventos

DJ Renata Dias e Levine

Michaela Harrison

Banda Rock Forever

Além de Tereza, os chefs Caco Marinho (DOC), Edinho Engel (Amado), Beto Pimentel (Paraíso Tropical), Fabrício Lemos e Lisiane Arouca (Origem), Celso Vieira (Pasta em Casa), Rafael Zacarias (Bravo), Adrian Gonzalez (Oliva), Richard James (Belo Rústico), Ricardo Silva (Carvão) e Rita Brandão (bolo) foram os responsáveis pela diversidade culinária do evento.

Uma nova Let’s Go

O evento, que também marcou a despedida do presidente anterior da revista, quis traduzir ao máximo um novo momento. “A festa foi rigorosamente desenhada para oferecer o melhor aos nossos anunciantes e convidados”, disse a diretora executiva Verônica Villas Bôas.

ao conteúdo, seja pelos ne-

A Let’s Go é um produto de conteúdo fora da caixa. Sob nova direção, a revista traz ao mercado editorial tendências e o que há de mais inovador no cenário, através do seu conteúdo. Com uma atenção especial gócios, cultura, gastronomia, educação ou turismo, este é um produto feito para manter os leitores antenados e para apresentar a nossa Bahia em toda a sua magnitude. 147 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018


Social & Eventos

Kissinha, Monique e Karla Borges de Melo

Glauber Chagas e Monique Melo

Verônica Villas Bôas e Daniel Diniz Gonçalves

Verônica Villas Bôas e Rosita Diniz

Ana Shipper e Magda Lisboa

Paloma Pepe e Alessandra Guerra

Monique Melo e a atriz Neuza borges

Verônica Villas Bôas recebendo o carinho dos filhos, Lucas e Gustavo Diniz Gonçalves Villas Bôas.

Manoela e Paloma Pepe com Arnaldo Freire Franco

Moysés Cafezeiro e Mario Bruni

Ademar Albuquerque e Mario Dantas

Ademar Albuquerque, Patricia Santana, Carla Leitão e Ricardo Galvão.

148 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018

Joao Eça, Alexandra Eça Pinheiro, Menelaw Sete e Ademar Albuquerque.


Social & Eventos

A farra rolou solta na 3600 Funworks. Um sucesso!

A New face Thais Brandao e família

Tanielle Melo, Lenardo Salvatore e Ádila Andrade.

A Chef Flavia Barquerizo e Diego Santana

Luciana Coni, José Eduardo e Daniele Coni.

Ademar Albuquerque, Vera Rocha e Bruno Dauster.

Marcia Damasceno e Patrice Durupt

Daniel Diniz, Vivian Cardoso e Maria Eduarda Cardoso

Cláudio Vinagre, Tereza Paim, Rafael Zacarias.

Waleska Rochaat e Simone Seara

Uli Moscozo

Lucas Villas Boas, Lucas e Gustavo Diniz Gonçalves Villas Boas e Miguel Villas Boas.

Chef Richard James

Andrea Couto

Renata Rangel

Ildazio Tavares Jr.

Sheila Siqueira, Ademar Albuquerque,

Emile Rocha Villas Bôas. 149 | Let’s Goe Verônica Bahia Jan/Fev 2018


Social & Eventos

A festa por trás da festa Quando pensamos em produções grandiosas, muitas vezes, prestamos atenção apenas ao que estamos vendo, como a decoração, buffet ou músicas. Porém é importante destacar a importância do grande número de profissionais de diversas áreas que trabalham de fora dos holofotes, como chefs, garçons, produtores, auxiliares de serviços gerais e seguranças, para tudo ser apresentado com a melhor qualidade ao público. O produtor executivo João Caetano relata o seu grande desafio: “Foi uma festa produzida com muito amor, suor e lágrimas – literalmente –, mas foi muito gratificante”. A festa contou com serviços de segurança da Souza e Filhos e Esmeraldo Cenografia fez parte da composição do espaço, assim como o decorador Lenardo Salvatore. “Buscamos compor a arquitetura do evento com um mix que reunisse os ares contemporâneos da revista em sua nova formatação e a tradição das origens baianas”, disse. Lounges especiais com linhos e tecidos crus deram o tom do conceito que ainda teve o toque de peças artesanais de artistas locais. Flavia Baquerizo, no mercado de eventos há nove anos e junto com o seu sócio, Richard James, organizou o trabalho dos chefs de cozinha. “Recebemos a proposta para coordenarmos todos os chefs que assinaram o cardápio do evento e cada um tinha o seu menu. Então, pegamos os planejamentos individuais, os organizamos por horário e criamos bancadas para cada um deles”, contou sobre a experiência. Como é comum ocorrer críticas sobre eventos em que a comida acabou cedo ou faltou, Flávia diz que é preciso saber tudo sobre o público que vai 150 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018

consumir e estar presente na festa para evitar esse tipo de comentário. Além disso, em sua opinião, por mais que se tenha a melhor comida, um bom serviço é necessário, caso contrário, os pratos podem ser excelentes e ficarem parados na cozinha. A sua empresa, Blue Diamond, além do buffet, presta consultoria e gerencia eventos. “Tentamos fazer a festa acontecer da melhor forma possível e os pequenos detalhes fazem toda a diferença”. Além do seu trabalho com eventos, Flávia e a Blue Diamond estão com uma novidade no mercado baiano, o Pingwich. Trata-se de um sanduíche gelado artesanal de cookies com sorvetes que está se espalhando pela cidade e apresentando o potencial dos nossos colaboradores da festa. O moderno serviço volante da festa, que dispôs de garçons servindo finger food e hors d’oeuvres, foi gerenciado por Marcelo Carvalho, responsável também pelos bartenders, auxiliares e serviços gerais. Com uma empresa que, atualmente, produz eventos nacionais e internacionais, ainda assim foi um desafio para ele trabalhar com uma equipe tão grande. “A melhor parte da festa é um staff bem preparado e nem

todo mundo sabe disso”, disse. Marcelo iniciou em festas como garçom, 15 anos antes de abrir a empresa especializada em casamentos, coquetéis e eventos corporativos, eleita como a melhor do país para os trabalhos de garçom e serviços gerais. “Trabalhamos em torno de 14 h para um evento acontecer, mas no final é sempre prazeroso”, conta. Sua grande preocupação é entregar o melhor momento para os convidados e fazer com que o cliente tenha o mínimo de trabalho possível. “Tenho que controlar tecidos, fardamentos, materiais e o pessoal. Dividir o serviço de cada um, explicar o que é o evento e que estamos mexendo com expectativas e sonhos. Temos que saber a importância do evento com o qual estamos envolvidos”, explica. Mesmo afirmando que pode fazer 200 eventos, mas sempre terá uma coisa nova, ele já pensa em abrir filiais pela Bahia e se sente preparado para lidar com qualquer situação. Seu grupo é instruído para lidar com diferenças de raça, gênero e orientações sexuais. “O convidado é o mais importante, sempre”, finaliza.


Sá Menezes

151 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018


Social & Eventos

“All you need is love” E Fotos: Daniel Hernández.

ste foi o tema do casamento da empresária Bianca Fernandez Villas Boas e do médico Claudio Bacelar, realizado em fevereiro, em Playa del Carmen, México. O casal largou o agito do Carnaval baiano para realizar a cerimônia no pôr-do-sol em uma praia deserta ao lado de Cancún, mostrando que tudo o que eles precisam realmente é aor.

A escolha do lugar não foi à toa, já que o casal é apaixonado por viagens e por praias. A ideia deles não foi apenas uma cerimônia intimista, foi também aproveitar momentos únicos com seus 30 convidados ao longo da estadia no país. Seguindo uma proposta de decoração no estilo rústico-chic com elementos naturais e móveis de madeira rústica, a cerimônia foi realizada em um gazebo de bambu, com rosas brancas e amarelas, que deu todo o charme à festa.

A felicidade estava estampada nos rostos do casal, amigos e familiares que dividiram esse momento magnífico, de muito amor e alegria! Os noivos com a linda daminha Maria Gabriela Villas Boas Sarmento e o pajem Luís Felipe Villas Boas Sarmento.

152 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018


Social & Eventos

Coluna

Social Stefano Diaz

Casa Bem Bahia no Carnaval

Crédito: Divulgação

A Casa Bem Bahia, promovida pela promoter Licia Fabio, abriu as portas para receber os seus amigos neste Carnaval no Restaurante Lafayette, na Bahia Marina.

Licia Fabio, amigo e Ricardo Cal

Crédito: Divulgação

Preta Gil comanda o Expresso 2222

Arquiteto e jornalista Caetano Veloso e sua mulher Paula Lavigne; Fernanda Paes Leme, Marina Morena e muitos outros.

Pabllo Vittar rouba a cena Crédito: Marcelo Wance e Reynaldo Felix/ AGFPontes

Tereza Paim brilha na Marquês de Sapucaí

Pablo Vittar

154 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018

Crédito: Divulgação

A chef de cozinha baiana, Tereza Paim, brilhou em sua estreia no sambódromo da Marquês de Sapucaí, no Carnaval deste ano. A chef representou a gastronomia da Bahia no carro Botequim, da escola de samba União da Ilha do Governador, que teve como tema “Brasil Bom de Boca”. Arrasou!

A cantora Pabllo Vittar arrasou em um trio sem cordas no último dia do Carnaval de Salvador 2018, na Barra.

Preta Gil

40 carnavais do Camaleão

O Expresso 2222, comandado pela cantora Preta Gil, recebeu neste Carnaval vários convidados ilustres, entre eles o cantor

Comandado por Bell Marques, o Bloco Camaleão comemorou 40 carnavais. Fogos de artifício e um time de estrelas no


Social & Eventos

Crédito: Fábio Cunha

A atriz global Mariana Ximenes marcou presença na primeira edição da festa Despertar de Iemanjá, no dia 2 de fevereiro, no Armazém de Época, no Rio Vermelho, em Salvador. A festa foi produzida por Antonio Junior, Marcio Sobral, Neto Barros e Vlady Alve.

Feijoada ao Mar

Bell Marques

trio elétrico fizeram da data momentos especiais para o folião baiano e milhares de turistas.

Fantasia, colorido e muita alegria para comemorar a chegada do Carnaval. Assim foi a Feijoada ao Mar 2018, tradicional evento que completou 23 anos de sucesso e foi realizado, mais uma vez, no Cerimonial Vila São José, no bairro do Cabula. Foi um luxo só!

A festa de 2 de fevereiro by Licia Fabio aterrissou, este ano, no Restaurante Amado e saudou a rainha do mar, debruçada sobre as águas da Baía de Todos-os-Santos. O evento, exclusivo para convidados, contou com a tradicional feijoada assinada pelo chef Edinho Engel.

Despertar de Iemanjá

Crédito: Sun Sun/Divulgação

HELAINE SCHINDLER E LICIA FABIO

Dadá celebra 25 anos do Feijão VIP Créditos: Sercio Freitas

Crédito: Tati Freitas.

2 de fevereiro de Licia Fabio

Crédito: Daniel Gomes

Dadá

Mariana Ximenes

Dadá comemorou as bodas de prata do tradicional evento Feijão VIP em um clima de festa, no mês de janeiro. A quituteira recebeu cerca de 1.500 convidados com um buffet completo de feijoada e um serviço de bar impecável. 155 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018


Sessão Pipoca

O Oscar da diversidade, da latinidade e da inclusão A

presentada pelo comediante Jimmy Kimmel, a 90ª cerimônia de premiação do Oscar ocorreu no primeiro domingo de março, em Los Angeles, e celebrou a diversidade. Para os que esperavam um tom de protesto mais exacerbado, devido aos escândalos e denúncias recentes envolvendo os abusos sofridos por atrizes e profissionais da área, a noite deixou um pouco a desejar nesse quesito, já que desde as prévias, como no Globo de Ouro, quando todas as mulheres foram vestidas de preto para protestar, já haviam ocorrido manifestações.

Melhor Atriz Principal: Frances McDormand

No entanto, não faltaram as celebridades que, à sua maneira, protestaram; como o fizeram Jane Fonda e o genial Steven Spielberg, usando os bottons do movimento “Time’s Up”, além da atriz Emma Watson, que tatuou em seu braço o mesmo dizer. Nas redes sociais, as hashtags #MeToo e #TimesUp também foram usadas de forma viral. Mas o destaque 156 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018

Gabriela Ponce Tradutora e revisora da noite foi para o discurso de Frances McDormand, que levou a estatueta de Melhor Atriz por sua atuação em “Três Anúncios para um Crime” e fez com que todas as suas colegas mulheres indicadas em alguma categoria se levantassem naquele teatro e fossem aplaudidas, pedindo, assim, inclusão, mais trabalho e investimento em seus projetos. Sem dúvida, o momento mais emocionante da festa. A entrega da estatueta para o melhor filme, o prêmio mais esperado, foi marcada pelo bom humor, já que os mesmos apresentadores que erraram o vencedor na edição passada apresentaram este ano o ganhador, o que arrancou muitas risadas do público. Este ano, eles entregaram – corretamente – o Oscar de Melhor Filme ao mais premiado da noite: “A Forma da Água”. E, assim, o México se fez presente de diversas formas na cerimônia. Além de o mexicano Guillermo del Toro ter levado também o Oscar de Melhor Diretor, a animação da Pixar/Disney que celebra a cultura mexicana, “Viva: A Vida É uma Festa”, levou dois Oscars e apresentou a Melhor Canção “Remember Me/Recuérdame”, interpretada lindamente pelos também mexicanos Natalia Lafoucard e Gael García Bernal.


Sessão Pipoca E vamos de mais língua espanhola e mais latinidade no Oscar? ¡Sí, por supuesto, señores! Uma produção chilena levou o Oscar de Melhor Filme Estrangeiro por “Uma Mulher Fantástica”; o longa narra o drama de uma transexual após a morte de seu companheiro. Mais atual, mais inclusivo e mais justo impossível! Vale a pena assisti-lo. Outra surpresa na premiação da Academia foi o Oscar de Melhor Roteiro Original dado a “Corra!” (Fantástico! E também indicado a Melhor Filme), o filme aborda o tema do racismo nos Estados Unidos, de maneira surpreendente, e tem um negro em seu papel principal, também indicado na categoria de Melhor Ator. Além do assunto polêmico, o que surpreende também é o seu gênero, já que desde 1992, com “O Silêncio dos Inocentes”, um filme de terror não concorria nas principais categorias. Mais diversidade? Tivemos! O belíssimo “Me Chame pelo seu Nome” levou o Oscar de Melhor Roteiro Adaptado (com um brasileiro na produção) narrando um romance homossexual entre um adolescente e um pesquisador acadêmico. Poético, sensível e inclusivo! Foi uma bela e diversificada seleção de indicados e premiados este ano. Os cinéfilos vibram! Apesar de reconhecermos o conservadorismo/patriotismo dos Academy Awards, é muito positivo ver o espaço que vão ganhando tantos imigrantes e tantos talentos estrangeiros, além da abordagem de temas que, há alguns anos, jamais seriam premiados. Que viva a diversidade no cinema e na vida! Prepare a pipoca e faça a sua lista, não faltam filmes muito bons para serem assistidos.

Premiados do Oscar 2018 (principais categorias):

Melhor Trilha Sonora Original: “A Forma da Água”

Melhor Filme: “A Forma da Água” Melhor Diretor: Guillermo del Toro, por “A Forma da Água”

Melhor Ator Principal: Gary Oldman, em “O Destino de uma Nação” Melhor Ator Coadjuvante: Sam Rockwell, em “Três Anúncios para um Crime” Melhor Atriz Principal: Frances McDormand, em “Três Anúncios para um Crime”

Melhor Roteiro Original: “Corra!” Melhor Roteiro Adaptado: “Me Chame pelo seu Nome” Melhor Filme em Língua Estrangeira: “Uma Mulher Fantástica”

Melhor Atriz Coadjuvante: Alisson Janney, em “Eu, Tônya” Melhor Filme de Animação: “Viva: A Vida É uma Festa” Melhor Canção Original: “Remember Me”, de “Viva: A Vida É uma Festa”

Melhor Curta-Metragem: “Dear Basketball” Melhor Documentário: “Heaven Is a Traffic Jam”

157 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018


De olho nas Telas

Com o controle

na mão

E

sta coluna é dedicada a vocês, leitores da Let’s Go Bahia, que assim com eu, vivem de olho nas telas e não perdem uma novidade. Quando o assunto é série, TV e web, podem me chamar de geek ou nerd, se preferirem. Este é o nosso espaço! Na “De Olho nas Telas” você ficará sabendo sobre tudo o que rola dentro e fora das telas. Quer novidade? Este é o seu lugar! E por falar em fora da curva, vocês já assistiram “Pantera Negra”? “Pantera Negra”, definitivamente, não é um filme para “passar batido”. Com todo

esse engajamento que vemos hoje em Hollywood, não dá para ignorar o primeiro filme solo de super-herói da Marvel protagonizado por negros. Um dos pontos altos do filme é a forma como a cultura africana, ainda que no universo ficcional de Wakanda, é trazida através de elementos que contextualizam a história; uma paisagem que reforça a cultura local do país natal do príncipe T’Chaila (Chadwick Boseman), o som dos tambores sempre presentes em sua trilha sonora e um figurino minuciosamente construído. “Pantera Negra” ainda coloca a figura feminina em

Luciana Accioly

um lugar de destaque na estrutura de poder de Wakanda começando por ninguém menos que Lupita Nyong’o no papel de Nakia (paixão do atual Pantera Negra), junto com as não menos poderosas Danai Gurira (Okoye) e Laetitia Wright (Shuri). Vocês sabiam que tem sangue baiano na superprodução Holywoodiana? Isso mesmo! Estou falando da atriz e cantora soteropolitana Nabiyah Be, filha do cantor Jimmy Cliff. Nabiyah interpreta Linda, par do vilão Erik Killmonger, em seu primeiro papel importante no cinema americano. A atriz já tinha experiência em teatro e antes de participar do longa estrelou o musical “Hadestown”, que ficou em cartaz em Alberta (Canadá) e Nova Iorque, onde mora há oito anos. Tem selo de qualidade da Marvel? Sim, e eu recomendo. Então, corram para os cinemas, porque “Pantera Negra” ainda está em cartaz. Save the date! Vingadores – Guerra Infinita (Avengers: Infinity War), um dos filmes mais aguardados do ano, estreia em abril nas telonas. Não percam!

158 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018


De olho nas Telas

SÉRIES ELAS ESTÃO CHEGANDO... Confiram alguns dos principais lançamentos de março e abril:

Instinct

Sinopse: O drama acompanha o avô do Super-Homem, que aos poucos transforma um planeta em desordem e crise em um lugar com igualdade e esperança.

Station 19 Estreia: 22 de março de 2018, ABC (EUA) Elenco: Jaina Lee Ortiz, Jason George (II), Grey Damon Gênero: Drama Sinopse: A equipe de bombeiros de Seattle usa toda a sua habilidade e dedicação para salvar vidas. Mas o dia a dia dessas pessoas se torna ainda mais complicado quando eles precisam conciliar as missões de resgates diárias com os seus problemas pessoais.

Barry

Estreia: 18 de março de 2018, CBS (EUA) Elenco: Alan Cumming, Bojana Novakovic, Naveen Andrews, Sharon Leal, Daniel Ings, Daniel London Gênero: Drama, Policial Sinopse: Um ex-agente da CIA consegue construir uma vida tranquila como um talentoso professor e escritor quando é recrutado para retornar à ativa, quando um serial killer ameaça a segurança de Nova Iorque.

Estreia: 25 de março de 2018, HBO (EUA) Elenco: Bill Hader, Stephen Root, Sarah Goldberg, Glenn Fleshler, Anthony Carrigan, Henry Winkler Gênero: Comédia Sinopse: Um ex-fuzileiro naval, que trabalha como assassino de aluguel no interior dos Estados Unidos, viaja para Los Angeles para fazer um serviço e acaba descobrindo que a comunidade de atores esperançosos da cidade é uma comunidade disposta a abraçá-lo.

Siren

achavam que sabiam sobre o mar, pois tudo indica que se trata de uma sereia.

The Crossing Estreia: 2 de abril de 2018, ABC (EUA) Elenco: Steve Zahn, Natalie Martinez, Sandrine Holt, Rick Gomez, Jay Karnes, Simone Kessell, Grant Harvey (III), Bailey Skodje, John D’Leo Gênero: Drama, Ficção Científica Sinopse: Refugiados buscam asilo em uma cidade americana. Entre eles estão um xerife com um segredo do passado, um agente federal e uma mãe desesperada para encontrar a sua filha desaparecida. Na luta pela sobrevivência, o grupo enfrenta desafios e uma rede de conspiração surpreendente.

Killing Eve

Krypton

Estreia : 29 de março de 2018 (EUA) Elenco: Rena Owen, Alex Roe Gênero: Drama , Fantasia

Estreia: 8 de abril de 2018, BBC America (EUA) Elenco: Sandra Oh, Jodie Comer Gênero: Drama, Suspense

Estreia: 21 de março de 2018, SyFy US (EUA) Elenco: Cameron Cuffe, Georgina Campbell, Ian McElhinney, Elliot Cowan e Rasmus Hardiker Gênero: Drama, Fantasia

Sinopse: A captura de uma criatura marinha feroz por pescadores de um vilarejo no noroeste do Oceano Pacífico abala as estruturas do local. A descoberta parece desafiar tudo o que os habitantes

Sinopse: Eve (Sandra Oh), uma segurança com desejo de se tornar espiã mergulha em uma caçada incansável a uma assassina, Villanelle (Jodie Comer), uma criminosa elegante e perspicaz.

159 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018


De olho nas Telas

A MAIS COMENTADA La Casa de Papel (Sensacional!)

personagens e o que motivou cada um deles a participar do crime. É como a Síndrome de Estocolmo, aos poucos, você se afeiçoa aos criminosos e até torce por eles! “La Casa de Papel” é uma fortíssima candidata a melhor série do ano. A segunda temporada estreia dia 6 abril.

NO AR!

Para assistir agora Homeland Temporada 7

Aclamada pelo público, a série espanhola lançada aos 45 do segundo tempo de 2017 no catálogo da Netflix se tornou um fenômeno no Brasil. Criada por Álex Pina, “La Casa de Papel” tem um dos roteiros mais inteligentes da história. Com um elenco afiado e atuações acima da média, a trama cheia de suspense e ação é marcada por uma série de reviravoltas e quebra de expectativa capaz de prender a atenção do espectador do começo ao fim desde o primeiro episódio. “La Casa de Papel” conta a história de um assalto, bolado pelo professor (Álvaro Morte), dono de uma mente brilhante, que recruta oito habilidosos criminosos, de personalidades completamente distintas, para realizar o maior roubo da história, cujo alvo é a Casa da Moeda da Espanha. Para o sucesso do plano engenhoso do professor, os assaltantes têm que lidar com uma dezena de pessoas feitas reféns e um verdadeiro batalhão formado pelas forças especiais da polícia do país. A narrativa se dá através da personagem Tokio, interpretada pela talentosíssima Úrsula Corberó e, aos poucos, através de flashbacks, vamos conhecendo um pouco mais sobre os 160 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018

Nesta temporada, após a presidente Keane voltar atrás em uma promessa de prender duzentos membros da comunidade de inteligência, Carrie ficará contra a presidente. A new season traz também Saul Berenson como conselheiro da presidente Keane, o que o coloca novamente em situação de confronto com a agente. Fox Premium 2

Merlí - Temporada 3 A cada episódio, somos apresentados a um filósofo e diferentes pensamentos inerentes a cada um deles em uma trama que segue contextualizando a história de algum personagem relacionada ao assunto. A terceira temporada, que também é a última da produção, mostra a imprevisibilidade e irreverência do professor Merlí e os dramas dos principais personagens. Netflix

Vikings Temporada 5 A primeira parte da quinta temporada de Vikings foi marcada pela batalha épica dos filhos de Ragnar, em busca de vingança (destaque para Ivar, o Sem-Ossos), que resultou em um grande derramamento de sangue, a morte de alguns personagens e o retorno de Rollo. Sem mais spoiler! Assistam! A segunda parte da quinta temporada ainda não tem data definida para voltar às telas. Fox Premium

The Walking Dead Temporada 8 A oitava temporada de TWD é marcada pela união de Alexandria, Reino e Hilltop na guerra contra Negan e os Salvadores. Não posso deixar de comentar sobre a morte do menino Carl, interpretado por Chandler Riggs, no sexto episódio, após ser mordido por um zumbi. Outros personagens do elenco regular podem deixar a trama até o final da temporada. Fiquem de olho! Fox

Altered Carbon Temporada 1 A série baseada no romance de Ficção Científica de Richard


De olho nas Telas K. Morgan, em sua primeira temporada, conta a história de Takeshi Kovacs, um guerrilheiro que após duzentos e cinquenta anos congelado, retorna em um novo corpo, com uma nova missão e em busca de sua liberdade. Netflix

OS RETORNOS MAIS AGUARDADOS

rém dignos da superprodução. Estima-se que essa será a temporada mais cara da história. Em breve, voltarei com mais informações sobre a nova temporada. HBO

Prison Break Temporada 6

Em breve The Originals Temporada 5 A série, que é um spin-off de The Vampire Diaries, retorna para a sua quinta e última temporada no dia 24 de abril com uma novidade: a participação de Candice King, que interpreta a personagem Caroline Forbes (The Vampire Diaries). Será a volta do casal “Klaroline”? Warner

Game Of Thrones Temporada 8

A série, que teve um hiato de quase oito anos, retornou às telas com a quinta temporada, em 2017, com nove episódios, deixando os fãs eufóricos. Confirmada pelo elenco e executivos da Fox, a sexta temporada de “Prison Break” já está no forno. Fox

This Is Us Temporada 3

Confirmada para o primeiro semestre de 2019, a oitava (e última) temporada de GOT terá apenas seis episódios, po-

A nova temporada trará uma nova linha do tempo, a do futuro, e detalhes da relação entre Rebecca e Miguel, após esclarecer sobre a morte de Jack (ex-marido de Rebecca, pai dos trigêmeos). Fox Life Não viu o seu programa ou a sua série favorita aqui? Mande um e-mail para deolhonastelas@letsgobahia e me conte o que você quer ver na próxima edição da revista. 161 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018


Entrelinhas

#leiaum

nacional D

izem as estatísticas que o brasileiro tem fama de não gostar muito de ler e pode-se constatar esta informação quando se tem acesso aos números do mercado editorial nacional. Sei que muitos leitores não se arriscam em conhecer as joias que estão surgindo na nossa literatura e preferem apostar em best-sellers internacionais, alguns que, muitas vezes, até deixam a desejar, diante de nomes que permanecem incógnitos bem debaixo dos nossos olhos, mas a minha dica é valiosa e dignifica os profissionais do nosso país, que investem no sonho de se tornarem reconhecidos pela sua capacidade de fascinar através da escrita. O que gostaria de trazer para vocês na estreia desta coluna é um mundo repleto de possibilidades, notáveis autores, inclusive baianos, que merecem ser respeitados pelo belíssimo trabalho que desenvolvem nesse mercado tão desacreditado. A exemplo disso resolvi citar alguns: Achel Tinoco nasceu no Pará e veio para o interior da Bahia ainda na primeira infância e se ele se considera um baiano legítimo, quem sou eu para não me aproveitar desse regalo? Romancista, contista

162 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018

e com uma mente repleta de roteiros incríveis, ele se dedica também a ser um ouvinte que transcreve, poeticamente, histórias de pessoas comuns, algumas não tão comuns assim, para as páginas de livros que cativam os leitores que se aventuram nos encantos de uma linguagem atual, porém recheada de lembranças de tempos pregressos. Adoro essa singularidade do trabalho que ele desenvolve de forma tão particular e generosa. Um dos seus lançamentos mais recentes foi “20 Contos de Réis e uma Paixão Indeterminada”, que deixo como dica de leitura desta edição.

Renata Dias

Escritora, terapeuta e DJ Quando vi quem seria o nosso “garoto da capa”, corri para ler o seu livro e não poderia deixar de citá-lo aqui. Uma aposta que culminou em 100 kg a menos? Devorei “A Aposta” em quatro horinhas, deliciando-me com as tiradas divertidas e nutrindo minhas ideias com muitos dos seus conselhos e citações de ilustres, quanto à importância de existir um propósito que vá além da perda de peso. No caso de Fabiano Lacerda, publicitário de formação, ele se transformou em um agente motivacional que deseja muito mais do que ensinar às pessoas como emagrecer, afinal de contas, ele deixa muito claro no seu relato sobre a primeira etapa do seu processo que o seu objetivo não é receitar dietas ou treinos, tendo consciência de que esse papel pertence aos profissionais da área. O que ele deseja mesmo é mostrar que se precisa de mais do que apenas determinação. Precisa-se de boas doses de foco, jogo de cintura e muita força de vontade. Daquelas leituras que te fazem refletir não apenas sobre a meta, mas sobre a importância do caminho percorrido para a sua realização.


Entrelinhas

E já que entrei nesse assunto que eu adoro, decidi fechar a coluna indicando um dos meus livros de cabeceira, “Propósito – A Coragem de Ser Quem Somos”, do mestre que está revolucionando o caminho de muitos dos buscadores na jornada espiritual e de autoconhecimento. Se eu fosse me aprofundar em cada um dos detalhes da sua obra, certamente, teríamos páginas de considerações a serem abordadas, mas acredito que basta eu dizer que cada um de nós tem o seu próprio propósito na

Foto: Divulgação

vida como ser individual, mas que estamos todos unidos por um propósito universal que é a expansão de consciência, e que esse movimento acontece através do amor, esse poder que nos move, comove, inspira e liberta. Uma lição profunda sobre nós mesmos e todos os potenciais latentes que podemos desenvolver quando nos abrimos a essa nova visão.

Sri Prem Baba

“Somos todos seres espirituais vivendo uma experiência humana”, citou Prem Baba, consideração que Teilhard de Chardin, padre francês jesuíta, teólogo, filósofo e paleontólogo, já fizera décadas atrás, quando tentou construir uma visão integradora entre a ciência do mundo material e as forças sagradas do Divino. Será que estamos todos preparados para experienciar essa viagem interior? Ah! O livro foi prefaciado por Reinaldo Gianecchini, que iniciou a sua busca após vencer um câncer, pouco depois de completar 40 anos de idade. É isso... Espero que aproveitem as dicas de leitura e que este espaço nos traga muitos diálogos, sem jamais nos abster das tão famosas entrelinhas! Gratidão e até a próxima edição. 163 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018


Especial Patrimônios

Forte da Capoeira No Santo Antônio Além do Carmo, o Forte da Capoeira busca a preservação da cultura popular, com foco na capoeira e em outras manifestações afro-brasileiras Por Daniel Oliveira

164 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018


Especial Patrimônios

T

“Ali está a nata da capoeira no mundo, muitos grupos

O local abriga eventos diversos, como o lançamento da edição anterior da Revista Let’s Go Bahia

O bairro do Santo Antônio tem charme próprio, com os seus casarões tombados, restaurantes descolados, pousadas simpáticas e uma boemia, quase sempre, tranquila. No largo principal, o Forte da Capoeira chama a atenção. Construção antiga, colonial, com mais de 300 anos; foi casa de correção, cadeia e até já chegou ao estado de ruína. Atualmente, é um lugar cujo objetivo é a preser-

Fotos Samuel Freitas/Divulgação

Mestre Garrincha

Fotos Samuel Freitas/Divulgação

arde ensolarada, Santo Antônio Além do Carmo. O Forte da Capoeira está movimentado. Circulam pelo espaço mestres, alunos e professores, além de turistas e visitantes. O local abriga sete escolas de capoeira, seis de angola e uma regional, com alguns dos mestres mais renomados do mundo. A administração é responsabilidade da Secretaria de Cultura do Estado da Bahia, através do Centro de Culturas Populares e Identitárias. A Revista Let’s Go Bahia foi ao local, em uma sexta-feira, para a realização da primeira reportagem da série Patrimônio.

No Forte, funcionam sete escolas de capoeira: seis de angola e uma regional, com alguns dos mestres mais renomados do mundo.

vação da cultura popular, com foco na capoeira e em outras manifestações afro-brasileiras. O prédio é tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) e pelo Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia (IPAC). Pertence ao Governo Federal e é cedido, há algum tempo, ao Governo do Estado da Bahia, portanto, a sua gestão é responsabilidade da Secretaria de Cultura do Estado. Em meados dos anos 2000, o Forte passou por requalificação. Muito antes disso, diversos mestres de capoeira já ocupavam o espaço, davam aulas e organizavam os seus grupos. Eles participaram ativamente, no final da década de 1990, da luta pela transformação para o que hoje é o Forte da Capoeira. “Antes, o Forte não tinha passado por um processo de revitalização que englobasse todo o espaço, que mexesse na estrutura. Com isso, houve a discussão: ‘Como ocupar?’. Como alguns mestres já estavam aqui e outros gostariam de ocupar esse espaço, ficou o Forte da Capoeira. Pela importância que tem na nossa histó165 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018


Jhonas Araújo/GOVBA

Especial Patrimônios

O Forte da Capoeira tem contribuído para proteger e fortalecer a história e a cultura brasileira, tanto as suas culturas e manifestações populares quanto o patrimônio arquitetônico. ria e na nossa cultura”, narra o coordenador do Forte, Jaime Nascimento, também professor e historiador. O local abriga eventos diversos, como o lançamento da edição anterior da Revista Let’s Go Bahia. Segundo Nascimento, é necessário que eles tenham um cunho cultural, histórico e/ou uma ligação com as culturas populares, sobretudo as afro-brasileiras. Mas a prioridade é sempre para as iniciativas conectadas com a capoeira e dos grupos que fazem parte do espaço. Lá funcionam as seguintes escolas, academias e grupos: Academia João Pequeno de Pastinha, com o mestre Zoinho e a mestre Nani; Escola de Capoeira Filhos de Bimba, administrada pelos mestres Nenel e Garrincha; Grupo de Capoeira Angola Irmãos Gêmeos de Mestre Curió, com o mestre Curió. Centro de Cultura da Capoeira Tradicional Baiana, de mestre Bola Sete; a Associação Brasileira de Ca166 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018

poeira Angola, de mestre Pelé da Bomba; Escola de Capoeira Angola da Bahia, do mestre Boca Rica; e o Grupo de Capoeira Angola Pelourinho, do mestre Moraes. O mestre Garrincha diz que o Forte é uma das grandes referências da capoeira em Salvador. “Ali está a nata da capoeira no mundo, muitos grupos”, diz. Para ele, o que falta apenas é o local ganhar mais visibilidade. A coordenação do Forte começou a contabilizar a quantidade de visitantes, de acordo com Jaime Nascimento, em janeiro, quando teve mais de três mil. Além disso, ações para garantir mais estrutura são demandas presentes e estão sendo planejadas pela Secretaria de Cultura.

Patrimônio material e imaterial O Forte da Capoeira tem contribuído para proteger e for-

talecer a história e a cultura brasileira, tanto as suas culturas e manifestações populares quanto o patrimônio arquitetônico. “Ele sempre teve um papel de proteção, contra os estrangeiros no período colonial, da sociedade soteropolitana enquanto casa de correção e detenção, e agora de proteger a nossa cultura”, explica Jaime Nascimento. A capoeira é considerada pela UNESCO Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade. Embora ainda não seja um lugar recorrente na maior parte dos roteiros turísticos de Salvador, o espaço tem um grande potencial para isso, por diversos motivos. A sua beleza, a vista para a Baía de Todos-os-Santos e a sua riqueza histórica e cultural. Afinal, ali se produz cultura diariamente, que merece ser cada vez mais difundida. E não somente para os turistas, mas, sobretudo, para a população de Salvador. “O papel de fazer com que os soteropolitanos e baianos conheçam o Forte é constante”.


O impacto das novas atitudes para a sustentabilidade ambiental

O

bservando as transformações climáticas do planeta, está claro que nas próximas décadas as questões ambientais serão cada vez mais incorporadas à vida das pessoas. As empresas e organizações estatais, bem como a sociedade, precisam buscar caminhos para construir um futuro comum de prosperidade que possa atender às necessidades do presente e permitir uma boa qualidade de vida para as futuras gerações. Isto se chama desenvolver com sustentabilidade. Muitos foram os encontros mundiais voltados para discutir metas e estratégias de desenvolvimento sustentável, mas os últimos relatórios apresentados pela ONU relativos à qualidade dos ecossistemas mundiais e os riscos socioambientais dão a certeza da urgência em conscientizar a todos para mudar hábitos de consumo e descartes de produtos, objetivando resultados efetivos na proteção e na qualidade do ambiente em que vivemos. Sob esse aspecto, muitas atitudes inovadoras estão voltadas para um crescimento socioeconômico sustentável. Entre elas citamos a coleta seletiva de materiais recicláveis, uma atitude simples, mas de grande impacto na qualidade ambiental. Servem como exemplo algumas ações adotadas para o Carnaval soteropolitano de 2018, visando torná-lo mais sustentável. Citamos o trabalho de várias Cooperativas de Catadores de Materiais Recicláveis que coletaram nos

Cristina Seixas Graça

Promotora de Justiça e coordenadora do Centro de Apoio Operacional às Promotorias de Meio Ambiente e Urbanismo

circuitos da folia mais de 130 toneladas de resíduos decorrentes das latinhas de cerveja consumidas na festa, além de outros materiais recicláveis que consequentemente estariam indo para um aterro sanitário e reduzindo a sua vida útil. Com a coleta seletiva, o alumínio usado nas latinhas e outros materiais já tão escassos na natureza podem ser reutilizados.

Assim, alterar comportamentos para proteger o ambiente e salvar as nossas vidas e as das futuras gerações exige uma gradual, mas intensa, conscientização de toda a sociedade na construção desse inovador modelo de prosperidade, incorporando o consumo sustentável e o uso racional dos bens e serviços ambientais, como também a construção de parcerias para uma economia inclusiva e responsável. Por essa razão, muitas pessoas estão mais reflexivas sobre os bens que precisam comprar e, principalmente, como reaproveitar e descartar esses bens. É preciso organização e participação social! Associações

de bairros e de moradores de Salvador estão se mobilizando e preocupadas com as condições ambientais de seu bairro, da qualidade do rio que passa próximo às suas casas, em preservar a vegetação existente e que dá maior conforto climático às moradias, com a poluição sonora produzida pelo vizinho, com o lixo que é depositado nas ruas causando alagamentos e ainda trazendo vetores de doenças como a dengue, zika e tantas outras que estamos acostumados a ver nos noticiários. Atitudes positivas em prol do ambiente, que resultam no melhor aproveitamento dos recursos naturais e impedem a geração de poluição, devem ser cada vez mais incentivadas. Não há dúvidas que temos ainda muitos desafios a serem vencidos, contudo diante dos perigosos efeitos climáticos que são notados em todo o mundo, devemos cada vez mais refletir sobre o nosso re-

levante papel na proteção ambiental, começando por mudar alguns hábitos. 167 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018


Música

Legado

H

baiano

á algum tempo, a música baiana vem ganhando novos ares. Referência no mundo inteiro como a terra de João Gilberto e Dorival Caymmi, Gilberto Gil, Caetano Veloso e Gal Costa, e o cenário de desenvolvimento do Axé Music, a Bahia vive uma fase de transformação, com movimentos, criações, misturas e reinvenções. Sem negar o passado, antigo ou recente, um conjunto de artistas que merece relevo tem mantido, reivindicado e ampliado esse legado. Talvez um dos maiores fenômenos da música brasileira dos últimos dez anos, comparado, frequentemente, a Chico Science e Nação Zumbi, em Recife, o BaianaSystem é o primeiro nome, o ponta de lança. Ligado ao Carnaval, aos ritmos populares, em diálogo constante com o universo do eletrônico e dos sons cosmopolitas, o grupo possui dois álbuns, BaianaSystem (2010) e Duas Cidades (2016), e teve a música “Playsom” na trilha no game FIFA. Formado por Russo Passapusso, Marcelo Seco, Roberto Barreto e Filipe Cartaxo (audiovisual), o BaianaSystem tem arrastado multidões nos últimos carnavais. Lembra, nesse aspecto, o período de auge do Axé Music e os desfiles das suas grandes estrelas. Por outro lado, sintoniza-se com o momento atual de mudança do Carnaval, no qual as cordas dão lugar ao folião-pipoca. Remete, assim, aos anos iniciais

168 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018

da folia. Guitarra baiana, máscaras, o povo todo pulando na Avenida, tudo isso em evidência.

Em 2018, durante o Carnaval, tal performance chamou a atenção do cantor e compositor Caetano Veloso, que acompanhou o desfile do grupo, no circuito Barra-Ondina, a bordo do seu trio elétrico, o Navio Pirata, e escreveu sobre a experiência. Resumiu muito bem o significado do que chamou de Sistema Baiana: “Toda a história desse Carnaval peculiar do Salvador chega, neste momento, a um novo ápice”.

Nova geração Mas não é somente o BaianaSystem o motor deste atual momento da música local. Grupos como Àttooxxá, autor da música “Polpa da Bunda” ouvida em todos os cantos no último verão em versão do Psirico, que mistura pagode e eletrônico, e Maglore, uma fusão de rock, pop e MPB e que teve, recentemente, uma faixa inserida na novela Malhação, fazem parte dessa leva, muito interessante, de artistas baianos. Destaca-se também o jovem Giovani Cidreira, cantor e compositor de mão cheia que, em 2017, lançou pelo projeto Natura Musical o elogiado (nacionalmente) álbum Japanese Food e vem alternando temporadas em São Paulo e Salvador. Apresenta um som profundo com múltiplas referên-

Daniel Oliveira Jornalista e DJ

Mais uma vez, há algo grandioso acontecendo na música baiana. São novos ares e novas experiências. cias, de dentro e fora do Brasil. Vai dos mineiros do Clube da Esquina, Legião Urbana até bandas de indie rock inglesas, passando pelos tropicalistas. Além dele, Josyara, cantora e compositora de Juazeiro, faz imersão na música regional que é relida, nas letras e melodias, a partir do seu cotidiano urbano. É um nome que, sem dúvida, ainda será muito falado. Ainda é possível citar outras artistas, como Jadsa Castro, Lívia Nery e Lívia Mattos, que têm feito um trabalho de excelente qualidade na Bahia. O fato é que, mais uma vez, há algo grandioso na música baiana. São novos ares sonoros e novas experiências, que não apenas reiteram a sua diversidade e amplitude, mas também o seu enorme potencial criativo.


Sá Sá Menezes Menezes

MESTRE BIMBA ESCOLA DE CAPOEIRA FILHOS DE BIMBA TEL : 71 3322-5082 MESTRE BOCA RICA ESCOLA DE CAPOEIRA ANGOLA DA BAHIA TEL : 71 99925-7446 MESTRE BOLA SETE CENTRO DE CULTURA DA CAPOEIRA TRADICIONAL BAIANA TEL : 71 98145-2703 MESTRE CURIÓ GRUPO DE CAPOEIRA ANGOLA IRMÃOS GÊMEOS TEL : 71 3323-0081 MESTRE GARRINCHA TEL : 71 99641-1133 MESTRE JOÃO PEQUENO ACADEMIA JOÃO PEQUENO DE PASTINHA CENTRO ESPORTIVO DE CAPOEIRA ANGOLA TEL : 71 3323-0708 MESTRE MORAES GRUPO DE CAPOEIRA ANGOLA PELOURINHO – GCAP - TEL : 71 3314-7778 MESTRE NENEL TEL : 71 99165-4008 MESTRE PELÉ DA BOMBA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE CAPOEIRA ANGOLA TEL : 71 3321-8912

169 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018


Crônica

Muitas que habitam

em mim O

ntem, mais um dia de treino. Treino de corrida, toda quarta-feira. Mas ontem... na beira o Dia Internacional das mulheres, às 5:45h, na pista de atletismo da UFBA. Estava lá para o que me dispus: ultrapassar minha zona de conforto. “Dar um passo além”! Conseguir fazer algo diferente. Fazer pulsar sangue na corrente sanguínea e abalar minha frequência cardíaca, para cima. Fazer algo para cansar o corpo e dormir aliviada por toda a noite, “nos braços de Morfeu”! Mas... Mas toda vez que começo a treinar a cabeça começa a pensar. A produzir. E produz como uma máquina veloz! Tem momentos que o treinador percebe e me grita! Me desperta e me chama a voltar ao treino. Não que eu pare. Por certo, porque diminuo o ritmo ou será que ele lê os meus pensamentos? Ah! Não creio. Também, se assim fosse, não me amedrontaria. Eles são de muitos enredos. Muitos tons. De muitas histórias. De muita vivência! Não só de erotismo nascem os pensamentos mais íntimos de uma mulher. Hoje, o mais intenso, que me tomou, foi a lembrança de tantas mulheres que me acompanham, que estão em mim. Mulheres que formaram e me firmaram na vida! Em um instante de pensamento, fui lá a Piritiba, cidade do interior da Bahia, distante 340 km da capital baiana, apro-

170 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018

ximadamente, a lembrar da minha vó Nana, no final dos anos 1970, iniciozinho de 1980. Lembrei-me das viagens para lá que pareciam não ter fim, mas sempre com a ansiedade de encontrar a imensa família Barreto - da minha mãe. Íamos, em especial, como destacava meu pai: “para sua mãe ver a mãe dela”, para visitarmos carinhosamente aquela senhora de cabelos brancos, enrolados em um diário coque (nossa peraltice era pedir a ela que os soltasse para vermos o seu comprimento! Eles iam até a cintura e nos acabávamos de rir!), vestida de viuvez, de poucas palavras, cheia de carinho a nos receber. Essa veste de viuvez, até a sua morte, no final dos anos 1980, demonstrou, para mim, o respeito às regras de comportamento da época e a fidelidade ao seu grande amor, vô Tonho. Não a pesavam. Ela não era rancorosa, não era triste. Depois, noutro raio de pensamento, voltei a Salvador para me lembrar da outra avó, Maria, mais participativa nas nossas vidas pela proximidade de endereço e disposição em ajudar os meus pais a tomar conta de nós! Seus três únicos netos. O carinho que me assalta é a lembrança da nossa catequese católica, tanto em lições pedagogicamente ensinadas quanto em exemplo de vida. Ela me conduziu a fazer, no microfone da Igreja de

Magda Maiana Barreto Advogada, amante das palavras e da Vida São Raimundo, aos 13 anos, a primeira leitura da missa de sábado à tarde. E como isso me enche de orgulho! A ajuda que dispunha aos meus pais já expressava que deveríamos ser solidários uns com os outros. Jamais esqueço o que devo ser: “Braços estendidos” ao dispor! Enfim! Lembrar-me das minhas avós leva-me, em um golpe certeiro, às memoráveis vivências e convivências com a minha mãe Neuza. (Haja grito do treinador!). Urgem sensações de melhor quilate que tenho dela e olha que já se passaram pouco mais de 10 anos que não temos convivência terrena. Nossa convivência agora é no silêncio. Assim, com olhos fechados, ouvindo a infância, espanto a ausência de diálogo. As suas obras, no entanto, também se comunicam comigo por muitos princípios e bases que estão em mim, o que, sem dúvida, me movimenta a caminhar. Ela ainda vive em mim, indiscutível e intensamente. Está comigo. Estão todas elas três, hoje, aqui, agora! Estavam e me formaram. Impulsionaram-me a ser o que sou hoje e a acolher outras tantas pessoas maravilhosas. Desta feita, o que me vem hoje, na pista de treino da UFBA, não sou somente eu; são muitas, muitas que habitam em mim!


171 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018


172 | Let’s Go Bahia Jan/Fev 2018

Profile for LUIZ ARTUR

Letsgo 43 - Janeiro e Fevereiro de 2018  

Circulação Março e Abril de 2018

Letsgo 43 - Janeiro e Fevereiro de 2018  

Circulação Março e Abril de 2018

Advertisement