{' '} {' '}
Limited time offer
SAVE % on your upgrade.

Page 1

1 | Let’s Go Bahia Novembro/2017


Salvador voltou a ser destaque no cenário turístico mundial, e quem afirmou isso foi o Financial Times. Depois de passar por uma verdadeira transformação, com novas orlas, praças, museus e grandes eventos, Salvador está pronta para retomar o posto de um dos principais destinos turísticos do Brasil.

2 | Let’s Go Bahia Novembro/2017


3 | Let’s Go Bahia Novembro/2017


CANADÁ

ARGENTINA

EUA

CHILE

URUGUAI

MÉXICO FALAR ILIMITADO E USAR SUA INTERNET NO EXTERIOR COMO VOCÊ USA NO BRASIL. ISSO É NOVO. CHEGOU O PASSAPORTE AMÉRICAS.

POR APENAS R$ 9,99 A MAIS POR MÊS, VOCÊ USA SEU CLARO PÓS ILIMITADO NOS PRINCIPAIS PAÍSES DO CONTINENTE AMERICANO COMO SE ESTIVESSE NO BRASIL. E O MELHOR: ASSINANDO AGORA, VOCÊ GANHA AS 6 PRIMEIRAS PARCELAS. E AÍ, TÁ DENTRO?

9,99 =

R$

/MÊS

LIGAÇÕES ILIMITADAS E SEU PACOTE DE INTERNET NOS PRINCIPAIS PAÍSES DO CONTINENTE AMERICANO

Ligue para *468, baixe o app Minha Claro ou acesse claro.com.br/passaporteamericas Esta oferta não permite o uso dos serviços de voz, sms e dados do plano Pos de forma permanente no exterior, ou seja, o cliente não poderá permanecer por períodos maiores que 30 dias usando os serviços somente em roaming internacional sem qualquer utilização no Brasil. Não estão incluídos na oferta as ligações e SMS originados para países diferentes do Brasil e que não sejam do mesmo pais que o cliente está visitando. Caso isso ocorra, o cliente será cobrado da tarifa padrão em roaming internacional. Oferta Passaporte Américas válida para o cliente pessoa física Pós que tiver ativado um Plano GIGA ou Mais. Oferta com valor anual de R$ 119,88 dividida em 12 parcelas de R$ 9,99. Promocionalmente o cliente elegível ao benefício que ativar a oferta até 30/11/2017, não pagará as 06 primeiras parcelas. Após os primeiros 12 meses de contratação segue a cobrança mensal de R$ 9,99. Oferta sujeita a análise de crédito e cobrança antecipada das parcelas pendentes de pagamento em caso de cancelamento antes de 12 meses. Benefício das ligações ilimitadas no exterior visa exclusivamente promover a comunicação particular entre pessoas. Consumida a franquia de dados, o cliente poderá continuar navegando no exterior pagando a tarifa diária de internet em roaming internacional (R$ 29,90). Consulte mais informações no regulamento em www.claro.com.br/passaporteamericas


baixio.com baixio.com

pontadeinhambupe .com.br m.br pontadeinhambupe.co

m.br mainova.co pri primainova .com.br


baixio.com

pontadeinhambupe.com.br

primainova.com.b


Continuar uma conversa, checar as redes sociais, navegar pela rede ou até mesmo continuar trabalhando durante o voo já é uma opção real para os passageiros da Air Europa graças a nossa conexão wifi. Cada detalhe conta.

Voos diretos para Madri saindo de Salvador, São Paulo e Recife com conexões para demais cidades na Europa. Para mais informações : (71) 3347- 8899 | (11) 3876-5607 ou consulte seu agente. www.aireuropa.com


Carta do

Presidente H

á nove anos, resolvi participar de um projeto na Bahia e entrei como sócio de uma revista de life style na capital baiana junto com outros quatro amigos. Ali, nascia a Let’s Go Bahia, que na sua primeira formação assinava com outro nome e contava com uma equipe de vendedores de dar inveja a qualquer editora. Naquela época, outra estrutura, outra equipe, outros tempos e um desafio audacioso. Nove anos depois, continuo aqui, desta vez, como único sócio da mesma publicação que, ao longo dos anos, passou por diversas mudanças. Trocamos de nome, mudamos a equipe, enxugamos e atravessamos as intempéries do mercado que atingiu diversos setores do nosso país, em especial o editorial. Mas, ainda assim, insisti com o projeto, porque sempre acreditei nele e sempre compreendi que a Bahia merecia ter uma publicação dedicada a cada baiano, a cada jornalista guerreiro; e, sobretudo, dedicada a retratar as suas belezas e riquezas não somente para a Bahia, mas para o mundo! A revista mostrou toda a sua força com uma marca que veio para ficar e que tem o seu lugar genuinamente conquistado no mercado baiano. Para marcar o novo momento, resolvi tomar decisões estratégicas e comecei trazendo de volta a executiva de mercado especializada em revistas e que foi a gerente comercial da publicação na sua primeira formação, em 2008. Verônica Villas Bôas retorna agora como diretora executiva da publicação e com sua expertise e um networking de dar inveja a qualquer executivo de mercado. Ela trouxe consigo os melhores profissionais para compor um time que considero ven-

12 | Let’s Go Bahia Novembro/2017

cedor e que entendo que representa o amadurecimento da revista. Ela, que em 2008 formatou a nossa estrutura comercial, desde a construção da tabela de preços, contratação e treinamento de toda a equipe comercial, elaboração do mailing comercial até a distribuição da revista, volta agora para reposicionar a Let’s Go Bahia. Iniciou a missão desenvolvendo o redesign da nossa marca, junto com Luiz Artur de Sá Menezes, nosso diretor de arte, e, para mim, um dos grandes talentos dessa área que, juntamente com ela, fez parte da primeira formação da revista. Artur é o responsável pela belíssima diagramação da publicação e, com um olhar antenado e conectado com o mundo, deu à nossa marca tudo o que gostaríamos de transmitir: luxo, requinte e elegância. Dentro das estratégias trazidas pela nossa diretora executiva uma das mais importantes foi a criação de um Conselho Editorial, que conta com a experiente empresária da Comunicação Monique Melo assumindo a direção editorial da revista. Amigas de uma vida inteira, Verônica e Monique formam uma verdadeira dupla! Essa dupla de profissionais transformou a revista em algo impressionante sob o ponto de vista editorial e comercial! Dupla é, verdadeiramente, como posso defini-las! Completam-se! Uma com estratégias comerciais assertivas e eficientes, a outra com o conhecimento editorial e empresarial necessários para respaldar cada estratégia e, juntas, seguem em uma velocidade que é só delas. E quem disse que baiano é lento? Impossível acompanhar a velocidade dessas duas. Para mim, parte integrante deste projeto desde sempre, é praze-

Ademar Albuquerque - Presidente

“A Bahia merecia ter uma publicação dedicada a cada baiano, a cada jornalista guerreiro; e, sobretudo, dedicada a retratar as suas belezas e riquezas não somente para a Bahia, mas para o mundo! Hoje, tenho a certeza de que eu estava com a razão! A revista mostrou toda a sua força com uma marca que veio para ficar e que tem o seu lugar genuinamente conquistado no mercado baiano”


roso ver a Let’s Go Bahia conduzida com tanto profissionalismo e competência como vejo agora. Uma revista sob nova direção, como elas falam a todo instante! Nova revista, novos formatos e novas estratégias, dentre as quais uma ampla distribuição, visando dar a notoriedade necessária para uma publicação como a nossa. Bancas de revista de bairros nobres da cidade, shoppings, aeroporto, recepção de resorts, hotéis, pousadas, consultórios médicos e lojas de grife são alguns dos pontos nos quais a Let’s Go Bahia poderá ser vista e encontrada, além de chegar, gratuitamente, nos endereços do nosso mailing, que contempla também agências de publicidade locais e dos Estados do Rio de Janeiro, São Paulo e Pernambuco, além de diretores de Marketing de grandes marcas nacionais. No Conselho, temos pessoas do quilate de Tereza Paim, antiga parceira da revista desde sempre e defensora da necessidade de se ter uma publicação como a nossa na Bahia; a jornalista Claudia Giudice, que nos deu o imenso prazer de aceitar o nosso convite, trazendo consigo toda a experiência dos longos anos no mercado editorial brasileiro, assinando uma coluna que será sucesso garantido; junto a elas, Fabio Lima, Waleska Rochaat e Diego Oliveira também nos brindaram com as suas presenças. Nosso time de colunistas está repleto de personalidades de destaque local e nacional e que emprestaram a sua notoriedade e reputação ao aceitar fazer parte do projeto. Fica aqui o meu agradecimento a Priscila Reis, Dr. Leonardo Salgado, Patricia Zanotti, Adriana Cravo, Ildazio Tavares, Renata Rangel, Stefano Diaz, Marcia Damasceno, Mario Bruni, Mateus Pastori e ao querido Marcelo Sampaio, que traz todo o requinte do seu olhar garimpeiro pelo mundo. Sinceros agradecimentos às fiéis escudeiras, Aleile Moura (editora) e Gabriela Ponce (revisora), que seguem conosco. Sem vocês, certa-

“Nova revista, novos formatos e novas estratégias, dentre as quais uma ampla distribuição visando dar a notoriedade necessária para uma publicação como a nossa” mente, não teria sido possível defender este projeto sozinho. À equipe de jornalistas, do staff e convidados, a minha imensa gratidão! Daniel Oliveira, Bruna Castelo Branco, Juana Castro, Simone Ribeiro, Roberto Pires e Andrea Castro, muito obrigado pelo talento e dedicação com que trabalharam nossas pautas! E, aqui, registro o mais especial de todos os agradecimentos: aos nossos clientes e leitores. Esta revista é feita para vocês e por vocês! Aos clientes mais antigos que retornaram nesta nova fase acreditando na retomada do projeto. Aos mais novos, que compraram a ideia, ao Governo do Estado da Bahia e à Prefeitura de Salvador, que nos apoiaram, entendendo que esta revista é mais um importante instrumento de fomento e divulgação do nosso Estado e da nossa cidade. Na nossa edição especial de aniversário vocês encontram novas pautas e um conteúdo prazeroso de se consumir, entre elas estão o Especial Educação; as matérias da seção Business, que estão interessantíssimas; uma matéria sobre o universo Pet; dicas de mesas de Natal; uma incrível matéria de turismo, ressaltando a Bahia como destino preferido entre os brasileiros, na qual fechamos a lente na Fazenda Engenho D’água, como sugestão de

destino. Matéria sobre as festas que estão por vir, com tudo o que vocês precisam saber sobre o Réveillon da cidade; e para completar esta deliciosa revista, um guia gastronômico com uma matéria especial sobre a “febre” do momento: os hambúrgueres. Destaque especial para o editorial de moda graças ao talento do nosso fotógrafo Roberto Abreu, que fez uma verdadeira obra de arte! Nele, contamos com as presenças requintadas das marcas Thereza Priore e Carlos Rodeiro, apresentando uma coleção que traduz o charme e a beleza da Bahia e das mulheres baianas, aqui representadas por Thais Brandão, descoberta pela nossa diretora executiva e revelada aqui dentro de uma das nossas inovadoras estratégias: a Campanha New Face Let’s Go Bahia, que continuará em cada editorial de moda. Para finalizar, um agradecimento especial aos integrantes da nossa capa, que contou com as estrelas do cenário gastronômico da cidade: Edinho Engel, do Restaurante Amado; Tereza Paim, da Casa de Tereza; Beto Pimentel, do Paraíso Tropical, Fabricio Lemos e Lisiane Arouca, do Restaurante Origem; Caco Marinho, do DOC; Ricardo Silva, do Carvão; Adrian Gonzalez, do Oliva; Rafael Zacarias, do Bravo; Celso Vieira, do Pasta em Casa; e Richard James, da Belo Rústico figuram em uma capa histórica, que homenageia o amadurecimento do mercado de gastronomia na Bahia, onde os chefs saem de trás do fogão e viram as estrelas do seu negócio e do mercado. A Bahia de Todos-os-Santos é, também, a Bahia de Todos-os-Chefs.

Acompanhem-nos nas redes sociais e saibam tudo o que temos preparado para vocês! @recvistaletsgobahiaoficial Boa leitura e sejam bem-vindos à nova Let’s Go Bahia! 13 | Let’s Go Bahia Novembro/2017


Contents 26

Duas rodas

Expediente PRESIDENTE Ademar Albuquerque ASSESSORIA JURÍDICA Morais Donnangelo Toshiyuki Gonçalves Advogados Associados

Especial Educação

32 40

DIRETORA DO CONSELHO EDITORIAL Monique Melo DIRETOR DE ARTE Luiz Artur de Sá Menezes

PET’S

EDITORA Aleile Moura JORNALISTAS Daniel Oliveira Bruna Castelo Branco

Matéria de capa

JORNALISTAS CONVIDADOS Andréa Castro, Laís Matos, Roberto Piris, Juana Castro, Simone Ribeiro

52

FOTOGRAFIA Roberto Abreu REVISÃO Gabriela Ponce

Guia Gastronômico

57

CONSELHO EDITORIAL Claudia Giudice Diego Oliveira Walesca Rochaat Fábio Lima Tereza Paim ASSESSORIA DE IMPRENSA & RP Texto & Cia. AGÊNCIA DE PUBLICIDADE Rocha Comunicação

A bola da vez

MÍDIAS SOCIAIS RR Comunicação

74

Editorial de moda

110

14 | Let’s Go Bahia Novembro/2017

DIRETORA EXECUTIVA Verônica Villas Bôas

ESCRITÓRIO SALVADOR Av. Tancredo Neves, 909, sala 1.213, Caminho das Árvores, Salvador-BA, Tel.: (71) ‭3599-7258‬ ESCRITÓRIO SÃO PAULO Av. Paulista, 2073, sala 1116, São Paulo-SP, Tel.: (11) 2864-5830 IMPRESSÃO Gráfica Halley ESTA PUBLICAÇÃO NÃO SE RESPONSABILIZA POR CONCEITOS OU OPINIÕES EMITIDOS EM ARTIGOS ASSINADOS.


15 | Let’s Go Bahia Novembro/2017


Plano B

Claudia Giudice Jornalista, escritora e mãe de Chico

A vida sem crachá e com

Plano B P

ensei, pensei e pensei e não encontrei jeito melhor de começar a minha primeira coluna para a Let’s Go Bahia. Primeiro, porque, realmente, é um enorme prazer escrever para uma revista que está se reinventando e renascendo cheia de gás e talentos. Segundo, porque é necessário, antes de tudo, me apresentar. Sou Claudia Giudice, 52 anos, a jornalista que virou escritora, palestrante e empresária quando perdeu o crachá. Antes de perdê-lo e engrossar as estatísticas das demissões no país, trabalhei por 23 anos com revistas. Nos últimos anos da minha carreira corporativa, fui diretora superintendente da Editora Abril. Trabalhei em quase todos os títulos da empresa. Só faltou o Grupo Exame. Graças a esse trabalho, cheguei à Bahia em 2007 para colocar de pé o primeiro camarote da Revista Contigo! no Carnaval de Salvador. Sem falsa modéstia, foi um sucesso. Graças a essa experiência memorável, que literalmente mudou a minha vida, descobri a importância de ter um plano B para tudo. À época, aprendi a expressão “coeficiente de mangue”. Foi André Simões, radialista e então presidente da Associação dos Produtores de Axé, que me ensinou tal expressão. Ao me alertar sobre a complexidade da operação durante a folia, ele me disse: “Nunca se esqueça do coeficiente de mangue…”. Essa frase, aparentemente incompreensível, sintetizava tudo so-

16 | Let’s Go Bahia Novembro/2017

bre o Carnaval e sobre qualquer planejamento de um pequeno, médio ou grande projeto. O “coeficiente de mangue” é uma espécie de Lei de Murphy do planejamento. Ele dá como certo que, sim, tudo pode dar errado, sempre. Esse olhar ao contrário, vindo do mangue, é disruptivo. Aceita e entende que errar é humano. Enfatiza que errar é humano e muito comum em operações complexas, cansativas e estressantes. Quem fica durante seis dias sem comer e sem dormir direito, trabalhando loucamente, está muito mais propenso a falhar. O jeito de dar a volta por cima antes de cair é prever a queda e ter um plano B para a queda. Se nada ocorrer, tanto melhor. Economia de custo. Redução de dano e sucesso na certa. Pois é, apliquei o “coeficiente de mangue” na minha vida. Fiz o meu plano B na Bahia: a Pousada A Capela, que fica na Praia do Piruí, em Arembepe, coladinha em Interlagos e na Praia dos Lagos. Quando perdi o meu empregão, já tinha a minha “volta por cima” rodando a todo vapor. Perdi a vergonha, expus a minha dor e criei uma plataforma de comunicação a partir da experiência de viver sem crachá e com um plano B. Hoje, três anos depois, estudo e escrevo sobre este tema, porque acredito que ter um plano B é a melhor maneira de ser feliz na vida. Nesta coluna, que estreio aqui, prometo compartilhar insights, ideias e aprendizados.

Claudia Giudice nasceu em São Paulo, mas encontrou o seu lugar no mundo na Bahia. Descobriu que ter plano B é o melhor jeito de ser feliz.

O primeiro pingo no “i” Ter um plano B, na real, é ter uma saída, uma alternativa. Vale para momentos ótimos, bons, médios, ruins e péssimos. Ele é um facilitador. Com o tempo, ter plano B se torna um modo de vida. O cérebro se acostuma a pensar alternativas. Quase como um jogo. Pode se tornar tão automático quanto escovar os dentes antes de dormir ou trocar a marcha do carro no trânsito. Acredito que para tudo existe um plano B. Com exceção da morte. Ela, que ironia, só é o plano B do suicida.


17 | Let’s Go Bahia Novembro/2017


Garimpando

Marcelo Sampaio Apresentador e influenciador digital Garimpando.life

Garimpando a

VIDA A

prendi desde cedo que ir a um novo destino significava muito mais do que um simples passeio ou uma mera jornada de férias. Meus pais procuraram, dentro das pequenas possibilidades da época, apresentar-nos cada nova viagem como uma nova oportunidade de mergulhar a fundo em uma nova cultura, em uma nova forma de vida absolutamente diferente da nossa e, ao mesmo tempo, tão igual. Não importava se rodássemos 50 quilômetros ou se atravessássemos os oceanos, o importante era estar atento ao todo, perceber com um olhar em 360 graus tudo aquilo que nos cercasse. Com isso, desenvolvi algo especial: a atenção pelo diferente, pelo distante, pelo novo, pelo além. Com o passar dos anos, cruzei com homens e mulheres incríveis, cada um com suas peculiaridades, cada um com o seu modo de ser e agir, cada um com a sua forma de viver. Então, entendi o autêntico significado do termo “Life Style”. Especializei-me no mercado de alto luxo; muitas vezes, no Brasil, um pouco confuso e raso o sentido desse “luxo”, em que as grifes e o poder financeiro/social resumiam o seu conceito. Procurei, assim, com os meus atos e palavras e através de minhas atuações profissionais e pessoais, apresentar o meu real entendimento desse universo sofisticado, valorizando as verdades de cada povo e de cada lugar. Viver um destino com a sua maior verdade é o que existe de mais fantástico e agregador às nossas vidas. 18 | Let’s Go Bahia Novembro/2017

Quantas vezes eu me percebi emocionado saboreando aquela delicada, humilde e deliciosa comida de rua, dormindo naquele simples e confortável chalé de pau a pique na praia, usando aquela confortável camiseta sem marca pelas ruas ou apreciando a beleza infinita daquela arte apresentada pelos populares de algum canto pelo qual passei? Infinitas. Dei a mim mesmo a oportunidade de aproveitar intensamente todos esses momentos. Quantas outras vezes também eu aproveitei e me encantei com a elegância de homens e mulheres trajados com alfaiatarias de alta moda, delirei ao saborear uma premissa gastronomia em um restaurante de arquitetura ímpar, me apaixonei por uma altamente qualificada hotelaria conceituada pelo mundo todo me oferecendo mimos o tempo inteiro, ou chorei ao ouvir uma ópera no mais suntuoso dos teatros europeus? Diversas também. Todas essas experiências estavam dentro de um contexto cultural, histórico e real. Sim, o que importa é que tudo o que vivermos seja resultado de um contexto local de forma autêntica. Hoje, queremos arroz com feijão e amanhã, vieiras grelhadas; hoje, o nosso sonho é dormir na rústica pousada da praia e amanhã, no Hotel Triple A do mais fantástico e exótico destino; hoje, caminho de bermuda e camiseta pelas ensolaradas ruas do Nordeste brasileiro e amanhã com meu trendcoach pelas geladas ruas de Londres, Tóquio ou Toronto. O que não devemos ou não podemos fazer com nós mesmos é

“Viver um destino com a sua maior verdade é o que existe de mais fantástico e agregador às nossas vidas” tentar viver algo que não está em comunhão com aquela cultura, naquele lugar, naquele exato momento. Como é fundamental dar-nos a oportunidade de viver intensamente as diversas experiências que a vida nos oferece! Como é enriquecedor armazenarmos diversidades para que em determinado momento possamos ter conteúdo para colher e utilizar com propriedade e prazer! Garimpar é isso, é permitirse, é entregar-se, é mergulhar a fundo em cada povo, cada pessoa, cada beleza existente, seja ela onde for e de que forma for. Jogue fora frases-chavão como: “Não gosto disso”; “Não é o meu estilo” ou “Não consigo”. Aventure-se pela vida, aventure-se por vidas diversas, afinal, a oportunidade chega e caminha de encontro ao outro quando não abrimos nossos peitos e nossas cabeças. Voe, voe longe, distante; e mergulhe o mais profundo que te for permitido. Garimpe, garimpe e garimpe!


“Como é fundamental dar-nos a oportunidade de viver intensamente as diversas experiências que a vida nos oferece!”

19 | Let’s Go Bahia Novembro/2017


Business

Ricardo Almeida abre loja em Salvador TEXTO SIMONE RIBEIRO IMAGEM DIVULGAÇÃO

D

o outro lado da linha, a fala é pausada. Um ritmo diferente da velocidade com que ele, Ricardo Almeida, 62 anos, pilota as suas motos e seus negócios. O empresário e estilista fez um intervalo na sua atribulada agenda para conversar com a reportagem da Let´s Go Bahia e revelar os detalhes sobre a primeira loja com o seu nome na capital baiana. Ela será inaugurada até o final do ano em uma área de 152 metros quadrados no segundo piso do Salvador Shopping, formando, assim, mais uma peça no pequeno império da marca – sinônimo de elegância, sofisticação e cortes impecáveis no mercado masculino de roupas no Brasil. Tudo o que os endereços de Recife e Fortaleza já vendem o de Salvador também vai oferecer, diz Ricardo. Vale lembrar que em 2012 o designer paulistano lançou a sua própria sapataria, a linha casual de jeans, polos e camisetas, e a marca feminina Ricardo Almeida For Special Ladies (esta disponível apenas em São Paulo). “A loja de Salvador seguirá os mesmos padrões, será igual a todas as outras. Pode ser que ainda não tenha o terno sob medida, porque exige um treinamento mais longo”, explica. Nas lojas, os finos modelos poderão ser adquiridos a partir de R$ 2.900 e chegar a R$ 25 mil. Ricardo veio à cidade duas vezes para conhecer o Salvador Shopping e criar o projeto arquitetônico. Cerca de R$ 1 milhão foi gasto na reforma, com montagem, computadores, TVs e afins.

20 | Let’s Go Bahia Novembro/2017

Para o superintendente do Salvador Shopping, Henrique Medeiros, o momento é de comemoração. “A chegada da Ricardo Almeida vem, com certeza, para agregar ao nosso empreendimento. Representa mais um salto de qualidade no nosso mix, que já conta com lojas diferenciadas e marcas exclusivas do segmento de luxo, como Hugo Boss e Armani”. Medeiros diz que as vendas desse mercado representam algo em torno de 5% das vendas totais do shopping. Com a chegada de novas marcas, ele acredita que esse percentual possa até mesmo dobrar. Sobre o fechamento de algumas lojas em função da crise, Medeiros comenta: “A rotatividade de lojas em shopping centers é um fenômeno natural no nosso negócio. Evidentemente em períodos mais difíceis esse processo termina sendo acelerado. Entretanto a atual conjuntura econômica também pode representar uma janela de oportunidades para alguns empreendedores do segmento”.

Qualidade faz a diferença Atualmente, com 22 lojas próprias nas principais capitais do país (incluindo as duas lojas femininas e um outlet premium), Ricardo Almeida afirma que o momento de crise por que passa o Brasil não o desencorajou a investir em mais um negócio. Pelo contrário. “A crise, para mim, me dá mais condições de crescer, de conseguir um bom ponto, por exemplo. Salvador não é uma praça menor que Recife. A gente está acreditando bastante na cidade, uma das mais fortes no Nordeste. Os dados que me passaram daí são bons. Acho que vai dar um bom resultado”. Até o final de 2017, serão mais quatro lojas em pontos estratégicos do país, como Salvador, Curitiba, Aracaju e Belo Horizonte, a segunda na capital mineira. “O cliente quer fa-


cilidade no momento da compra das peças feitas sob medida e a experiência dentro da loja, que é a consultoria de uma equipe treinada para indicar a escolha do melhor tipo de tecido ou cor que deseja, alinhado ao seu estilo ou à ocasião de uso. E percebemos que nessas cidades havia uma demanda muito grande, muitos clientes vinham até uma das lojas de São Paulo para serem atendidos como desejavam. Então, nada melhor do que atendê-los em seu local de origem”, justifica Ricardo Almeida. Sobre a expansão da grife Ricardo Almeida para mercados com características próprias como o Nordeste e a busca do brasileiro por um vestuário com um acento mais pessoal, o estilista paulistano é tranquilo para responder. Há 34 anos estabelecido no ramo têxtil – com uma fábrica de quase 8 mil metros quadrados no bairro do Bom Retiro, em São Paulo, inaugurada no ano passado com maquinário de ponta, para melhor poder trabalhar com precisão cada corte e construção de sua modelagem –, ele

“A gente está acreditando bastante na cidade, uma das mais fortes no Nordeste. Acho que vai dar um bom resultado” diz que a sua marca está amparada na qualidade. “A gente tenta fazer o máximo acompanhamento da roupa, mas não entra no aspecto regional. Trabalhamos com uma roupa internacionalizada, que fala tanto aqui em São Paulo quanto em Nova Iorque ou Milão; com tecidos importados,

mais caros, o que já representa uma grande diferença. Temos condições de atender todas as pessoas”, diz. A busca pela excelência em alfaiataria foi o que fez com que a grife badalada e promovida por celebridades e homens poderosos entrasse em outro patamar neste mês de novembro. Agora, entre as mais de 300 opções de padrões têxteis, o cliente da Ricardo Almeida também pode encontrar em suas lojas a Loro Piana Zenit, uma coleção de tecidos refinados e exclusivos da marca de lanifício italiana. A Zenit é conhecida por uma seleção de tecidos superespeciais que trazem em sua composição um mix de fibras sofisticadas, como lã vicunha, cashmere, merino, linho e seda. “É um momento que solidifica a marca no segmento de luxo, pois nitidamente houve um amadurecimento do público masculino brasileiro em relação a esse consumo de luxo. Se antes já tínhamos qualidade em nossas matérias-primas, hoje podemos dizer que atingimos a excelência quando o assunto é tecido”, sinaliza o estilista. 21 | Let’s Go Bahia Novembro/2017


22 | Let’s Go Bahia Novembro/2017


SĂĄ Menezes - Design Studio

23 | Let’s Go Bahia Novembro/2017


Business

Inovação nas

Nuvens

Air Europa se reinventa e oferece aos clientes novas frotas de aeronaves e novos destinos TEXTO BRUNA CASTELO BRANCO IMAGEM DIVULGAÇÃO

P

reço, atendimento e variedade de destinos turísticos são fatores que, geralmente, fazem com que uma pessoa escolha viajar por uma companhia aérea. Entre os destinos internacionais mais escolhidos pelos soteropolitanos, de acordo com o diretor-geral Brasil e de Expansão América Latina da Air Europa, o espanhol Enrique Martín-Ambrosio, estão Madri, Barcelona, Lisboa, Paris e Roma, “lugares de grande atração turística e também de negócios”, comenta. No verão brasileiro, a procura por viagens fora do país se torna ainda maior. “Nesta estação, as viagens originárias do Brasil aumentam significativamente. Porém quando o verão chega à Europa os turistas de origem europeia superam o número das vendas no Brasil”. Em meio à atual crise econômica brasileira, as companhias aéreas, como explica Enrique, precisam estar sempre se reinventando para evitar que a quantidade das viagens caia drasticamente. “Há dois anos, uma importante crise econômica começou. Isso nos fez pensar em como podemos lidar com tal situação. E há mais de um ano vendemos todas as nossas passagens aéreas em 12 vezes sem juros, para ajudar os nossos passageiros. A medida teve tanto êxito que, no mês de dezembro, incrementaremos o número de voos para Madri, ficando

24 | Let’s Go Bahia Novembro/2017

definitivamente com três frequências semanais”, conta o diretor.

Inovação

Desde que foi fundada na Espanha em 1986, a Air Europa tem se reinventado constantemente. Segundo Enrique Martín-Ambrosio, o destaque da companhia é a frota de aeronaves, renovada com frequência. “Iniciamos voando no Boeing 767. Hoje em dia, estamos com um moderníssimo Airbus 330. E não paramos de investir. Em pouco tempo, já voará para Salvador o avião mais moderno do mundo: o Boeing 787 Dreamliner”, comenta.

Além das opções internacionais, a Air Europa tem implementado destinos nacionais, com voos diários para a cidade de São Paulo, e investido em outras cidades nordestinas. “No mês de dezembro, começaremos a voar direto de Madri até Recife. Isso demonstra que o compromisso da companhia com o Brasil e com o Nordeste é importante e nossa aposta nos fez passar de dois a 12 voos por semana”, conclui. Em breve, haverá novas conexões saindo de Madri, como Veneza e Marrakesh, conectadas à malha aérea do Brasil.


Relações Brasil-Espanha

Sá Menezes - Design Studio

No último 16 de outubro, no Farol da Barra, Enrique Martín-Ambrosio foi condecorado pelo Rei Filipe VI de Espanha por suas contribuições no fortalecimento das relações entre os dois países. “Para mim, foi um orgulho esse reconhecimento incomum de Sua Majestade ao trabalho desenvolvido pela Air Europa no Nordeste do Brasil há 14 anos, unindo povos e cidades e permitindo o desenvolvimento econômico e turístico. Uma condecoração real a uma vida dedicada a representar a Espanha em solo estrangeiro durante muitos anos não tem preço”, lembra.


Direito e Inovação

Priscila Reis Advogada

Tecnologias disruptivas.

Você está pronto para abraçá-las?

D

isrupção é a palavra da vez. Mas o que significa? No mundo dos dicionários, recebe definições como “interrupção do curso normal de um processo” (Google). Mas é no mundo real que ela ganha popularidade, principalmente quando associada às novas tecnologias que interrompem a nossa forma de pensar, de agir, de interagir com os outros. Tal qual Platão que, ao romper com o pensamento do seu grupo, se deparou com um novo mundo ao sair da caverna, as tecnologias disruptivas nos fazem enxergar além, e, em um instante, não compreendemos como era possível estar vivendo sem elas. Empresas como Google, Facebook, Apple, Airbnb, Uber, Netflix, Spotify e Eventbrite são apenas exemplos de modelos disruptivos. Se você é da geração X ou Y, com certeza se lembra das pesquisas na Enciclopédia Barsa, Britânica, dos jornais antigos e revistas na biblioteca da escola. Hoje, quem tem filhos não consegue imaginar a vida escolar sem o Google. Sem falar no smartphone. Você, por acaso, lembra como vivia sem o seu? Na seara do Direito, o grande desafio dessas novas tecnologias é entrar nos mercados e serem abraçadas pelos ordenamentos jurídicos dos países consumidores, considerando que não são proibidas. Contudo, uma vez disponíveis, devem ser reguladas. Afinal, a internet não é uma terra sem lei. Por outro lado, não se pode impedir a evolução da própria humanidade.

26 | Let’s Go Bahia Novembro/2017

A entrada da Uber no Brasil é um case típico. Tendo em vista a inexistência de um modelo de negócio similar a ele, não existia uma regulação específica, e daí surgiram tentativas do Poder Público (e de concorrentes diretos em modelos distintos) de inviabilizá-lo no país. Contudo, aos poucos, os Estados vêm regulando a atividade, cobrando tributos e o negócio passa a ser aceito pela população e pelo próprio Poder Público.

As empresas criadoras de novas tecnologias e modelos de negócios disruptivos devem se preocupar com a legalidade de todas as fases da atividade, e buscar estar em compliance com as normas do país consumidor, para que o negócio, ao ser lançado no mercado, não resulte em um natimorto.

Acredito que quem não nasceu digital no mundo dos negócios pode (e deve) se tornar digital, buscando ampliar os seus conhecimentos sobre internet das coisas, realidade virtual aumentada, Robótica, nanotecnologia, impressão 3D, armazenamento em nuvem; e por que não aderi-los? Afinal, a 4ª Revolução Industrial já é uma realidade, e quem não aderir a ela poderá não sobreviver. É cediço que não temos como acompanhar em tempo real todas as grandes inovações, mas podemos abraçar as disrupções e permitir que elas rompam a nossa forma de pensar. Se o problema é o tempo, melhor ir se acostumando, pois mesmo esse, que parecia imutável, vem se transformando. É o que tenta explicar a teoria da Ressonância Schumann, segundo a qual, metaforicamente, até o coração da Terra, que regula a frequência em que vivemos, está acelerado, e, por isso, a jornada de 1 dia, 24 horas, equivale, na verdade, a 16 horas. Pois é, são desafios que a humanidade continuará a enfrentar. Só não dá para ficar alheio às novidades tecnológicas que vieram para mudar o mundo, não acha?


27 | Let’s Go Bahia Novembro/2017


Motors

Duas rodas,

mil sensações TEXTO ANDRÉA CASTRO IMAGEM DIVULGAÇÃO

Esportiva, estradeira, chopper, naked, seja lá qual for o estilo, BMW e Harley-Davidson arrastam uma legião de fãs por motocicletas em todo o mundo, lançando máquinas cada vez mais apaixonantes. 28 | Let’s Go Bahia Novembro/2017


A

s motocicletas sempre causaram suspiros aos aficionados pelo sentimento de liberdade. Mais que um veículo de locomoção, as máquinas sob duas rodas inspiram atitude. É por isso que a cada ano BMW e Harley-Davidson, ícones do segmento, não poupam esforços para surpreender e superar expectativas dos milhares de admiradores das marcas mundo afora. “Você se sente muito mais imerso na estrada ou por onde for. Em uma moto desse nível, a experiên-

avô em Petrópolis, Rio de Janeiro. O pai do colega tinha uma Harley-Davidson FL 1200, dos anos 1960, e uma “Motovi” 125, na qual ele deu as suas primeiras voltas. “Foi paixão para a vida toda”, declara Kutter. Vale um parêntese: para atender à crescente demanda do governo brasileiro, foi estabelecida em 1976 uma montadora em Manaus com a denominação de “Motovi”. A fábrica montava as motocicletas FL 1200cc, SS125cc e SS175cc para o mercado brasileiro.

cardã (não utiliza as correntes presentes nas motos de pequenas e grandes cilindradas). O eixo cardã permite uma viagem longa sem a necessidade permanente de lubrificação da corrente. Além disso, esse modelo possibilita a retirada do pneu traseiro de forma bem mais fácil, como o de um carro. “O estilo que amo é o das Big Trail. No meu caso, há uma subclassificação de Maxi-Trail, as Big Trail acima de 1.000 cilindradas. Com ela, já fizemos diversas viagens onde passamos por trajetos de areia e terra - entre Marcelo Kutter possui uma BMW 1.200 Adventure, uma motocicleta com motor boxer

cia parece bem mais real”, palavras do empresário Marcelo Kutter, um apaixonado por motocicletas. Como a maioria dos adolescentes da sua época, Marcelo (55 anos) garante que a paixão por carros e motos já era grande quando garoto. Sua experiência com motocicletas começou com um amigo, quando tinha apenas 14 anos em visita à casa do seu

Big Trail Hoje, Marcelo Kutter pode dizer que possui a máquina que deseja. O empresário tem uma BMW 1.200 Adventure, uma motocicleta com motor boxer (uma caraterística única dos motores BMW), além de utilizar a tração entre o motor e a roda, através do eixo

Itacaré e a Praia do Espelho, indo para Barra-Grande ou passando pelo interior do Rio Grande do Sul, na região do Parque Nacional dos Aparados da Serra”, conta Marcelo. As Big Trail, também conhecidas como “de uso misto”, tanto em estradas de asfalto quanto em terra, são motos usadas para viagens

29 | Let’s Go Bahia Novembro/2017


Motors de grande distância, em terrenos de asfalto, piçarra, terra, rúpio, areia e barro. São modelos encontrados nas viagens ao deserto, aos salares e em viagens intercontinentais.

Na estrada Marcelo já sentiu, literalmente, na pele a sensação de aventura e os riscos que despertam a adrenalina sob duas rodas. Após um grave acidente que provocou o afundamento do seu malar e uma fratura no nariz, aos 17 anos, sua mãe o fez abandonar o sonho de pilotar motos. Mas não por muito tempo. O seu desejo de liberdade foi maior que o medo. E olha que esse não foi o único fato tenso na história de Kutter pilotando motos. Outro acidente aconteceu em uma viagem ao Rio Grande do Sul, poucos quilômetros depois de Feira de Santana. Logo após a liberação da pista duplicada da BR-116, ainda com bastante óleo, começou uma chuva fraca e a moto caiu em uma pequena curva, fazendo-o deslizar por mais de 80 metros no asfalto. De acordo com Marcelo, nessa hora, usar os melhores equipamentos assegurou o menor impacto. Ao lado de sua companheira inseparável, a esposa que também pilota motos, Adriana Kutter, Marcelo já tem muitas histórias para contar. Eles viajaram algumas vezes para Pernambuco, passando por Sergipe e Alagoas, outras para visitar tanto o litoral quanto a Chapada e cidades costeiras ao Rio São Francisco. Mas a maior viagem foi a ida de Salvador a Porto Alegre, passando pelo trecho da Serra do Rio do Rastro, que segundo o motociclista é imperdível. Foram 7.326 quilômetros em 20 dias. O casal viajou por estradas litorâneas, passou por Vitória, Rio de Janeiro, São Paulo, Curitiba, Florianópolis e Porto Alegre, voltando pela BR-116, pilotando pelo interior leste de Minas Gerais e pela Bahia. “De 30 | Let’s Go Bahia Novembro/2017

BMW HP4 RACE

moto, temos muito mais contato com a estrada e cidades por onde passamos, aproveitando para conhecer pequenas cidades e povoados nos diversos Estados do Brasil”, destaca o empresário. Entre os desejos realizados pelos Kutter está a visita ao museu da Harley Davidson, o Harley Motor Show, em Gramado (RS). Um sonho ainda a ser concretizado é o de visitar a fábrica da BMW na Alemanha, com raridades e muita história da marca. Outro plano dos Kutter é fazer o percurso da Costa Amalfitana - litoral oeste da Itália, passando pelo sul da França, Espanha, Gibraltar e subir até a cidade do Porto, em Portugal, pilotando uma grande máquina.

Lançamentos “da hora” A BMW Motorrad acaba de revelar no Salão Duas Rodas, em São Paulo, os seus lançamentos para 2018. E entre as novidades mais aguardadas está a inédita BMW G 310 GS, uma GS urbana no segmento premium abaixo de 500 cc, reforçando toda a herança de robustez, confiabilidade, qualidade e inovação que fazem da linha GS uma referência mundial entre as motocicletas. Equipada com um motor monoci-

líndrico, de 313 cc e capaz de entregar 34 cv, a caçula da família de aventureiras da BMW é perfeita para o uso no dia a dia, além de surgir como uma opção compacta, versátil e confortável. A linha K, por sua vez, acaba de ganhar duas novas integrantes com vendas confirmadas para o Brasil no início de 2018: a renovada BMW K 1600 GTL e a inédita K 1600 Bagger. Ícone entre as motocicletas Touring de alto luxo, a BMW K 1600 GTL recebeu aprimoramentos no design e na ergonomia, com o objetivo de proporcionar um rodar ainda mais confortável. Já a Bagger ostenta aparência elegante e com desenho de contornos futuristas. “A BMW Motorrad é mais que uma fabricante de motocicletas. Ela inspira e propaga o puro prazer de pilotar, por meio da inovação e das qualidades de seus produtos”, celebra Federico Álvarez, diretor da BMW Motorrad Brasil.

Modelos comemorativos Para comemorar o 115º aniversário da Harley-Davidson, em 2018, a marca está lançando uma completa Revolução Custom: sete modelos que compartilham uma nova plataforma Sof-


tail®, que combina o desempenho da família Dyna® com o design icônico e característico das motocicletas Softail®. Criadas a partir do maior projeto de desenvolvimento de produto da história da companhia, as novas motos possuem um novo chassi de aço mais leve e mais rígido, construído para suportar o alto torque dos motores Milwaukee-Eight™ 107 e Milwaukee-Eight™ 114. Os modelos Softail® 2018 contam com estilo agressivo e são mais ágeis, mais leves e possuem melhor dirigibilidade do que os modelos anteriores. Segundo Paul James, gerente de Portfólio de Produtos da Harley-Davidson Motor Company, as novas Softail® são o resultado do mais extenso programa de pesquisa e desenvolvimento da história da marca. “Foram realizadas inúmeras pesquisas e houve muito investimento em testes para a elaboração completa do projeto dessas novas motocicletas. Concentramo-nos em elevar a experiência dos pilotos, em que a autenticidade, a herança e a alma se encontram com a moderna tecnologia nos novos modelos”.

tom Vehicle Operations) combinam inovação, prestígio e performance em duas versões customizadas de fábrica. A CVO™ Limited e a CVO™ Road Glide® tiveram a potência do Screamin’ Eagle™ aumentadas e são equipadas com o novo motor Milwaukee-Eight™ 117 que fornece até 166 Nm de torque. Trata-se do motor com maior cilindrada já utilizado em uma motocicleta Harley-Davidson de fábrica. Os modelos CVO™ são exclusivos e as motocicletas deste ano

avançado sistema de infotainment Boom!™ Box 6.5 GT, pintura exclusiva e oferece conforto tanto para o piloto quanto para o garupa. O modelo reformulado é equipado com o novo motor Twin-Cooled™ Milwaukee-Eight® 117 (1.923 cc), moldura em LED para o suporte do Tour-Pak®, setas e iluminação com bordas também em LED. Harley-Davidson lança também os modelos Road King® Special, Street Glide® Special e Road Glide® Special com design totalmente

Novas motocicletas Touring no Brasil A nova linha 2018 da Harley-Davidson apresenta também a mais robusta série de motocicletas Touring que a companhia já produziu em mais de cem anos de história. Os novos modelos esbanjam conforto, luxo e inevitavelmente vão chamar a atenção tanto nas ruas da cidade quanto nas estradas. A Road Glide® Special, a Road Glide® Ultra e a CVO™ Road Glide® são os lançamentos Touring que passam a ser comercializados no mercado brasileiro. Já a Street Glide® Special possui estilo blacked-out e foi restilizada para fazer parte do line-up 2018. Os modelos CVO™ (Cus-

HARLEY-DAVIDSON ROAD GLIDE ULTRA

apresentam as mais diferenciadas pinturas já criadas pela Harley-Davidson. Também é novidade para os dois modelos a avançada tecnologia wireless de comunicação integrada que possui um módulo de interface por meio de headsets Bluetooth® que permitem a comunicação entre piloto e garupa e com até 10 motocicletas. A CVO™ Limited 115th Anniversary é apresentada como uma verdadeira máquina premium que carrega o melhor da sua categoria, com

reformulado, trocando o cromado pelo preto. Motorizados com o novo Milwaukee-Eight® 107 (1.745 cc), a linha Special possui estilo único, com ar mais agressivo. “Essas novas Touring são modelos mais robustos e acompanham a tendência do mercado. Nossos clientes adoram pegar a estrada e, por isso, é importante oferecermos conforto e estilo”, completa Dave Foley, vice-presidente de Planejamento de Produto da Harley-Davidson Motor Company. 31 | Let’s Go Bahia Novembro/2017


Students of the world Em Salvador, escolas investem em ensino bilíngue com o objetivo de formar cidadãos para o mundo 34 | Let’s Go Bahia Novembro/2017

TEXTO DA REDAÇÃO IMAGEM DIVULGAÇÃO


O

ito anos depois de concluir o Ensino Médio em Salvador, o médico Nestor Neto é residente na Clínica Médica da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP) e tem planos de fazer uma pós-graduação nos Estados Unidos (EUA). Com a pretensão de se especializar em Oncologia, ele não tem dúvidas de um dos principais fatores que o ajudou a ter sucesso em sua carreira: a Educação Básica em uma escola bilíngue. “Percebo o impacto da formação que tive continuamente, desde a faculdade até hoje, na minha vida profissional”, destaca. “O inglês abriu portas para eu entrar em grupos de pesquisa com alguns dos mais brilhantes professores no curso de Medicina da UFBA e também contribuiu para que eu fosse selecionado para apresentar trabalhos em congressos no Brasil e nos EUA”. Egresso da turma de 2009 da Escola Pan Americana da Bahia (PASB), primeira escola bilíngue da Bahia, ele avalia que o idioma estrangeiro também é fundamental para que ele se mantenha atualizado com artigos médicos publicados nas principais revistas científicas internacionais. As fronteiras não demoram a ser diluídas para quem desde cedo já tem fluência no inglês. No Colégio Villa, sediado na Avenida Paralela, duas alunas do Programa High

School, que estudam o currículo norte-americano equivalente ao Ensino Médio brasileiro, foram convidadas recentemente para serem membros da National Honor Society, uma organização norte-americana formada por estudantes que apresentaram resultados acadêmicos de excelência. A entrada delas na organização permite que elas ampliem suas redes de relacionamento e aumentem as chances de conquistarem uma bolsa de estudos em uma universidade estrangeira. Ao deslocar o ensino do inglês de uma disciplina do currículo escolar para um dos idiomas-base da comunicação durante a aprendizagem, as escolas bilíngues nacionais e internacionais têm naturalizado o contato dos alunos com a língua e a cultura estrangeiras. As instituições de ensino baianas têm entendido a necessidade da formação de cidadãos preparados para viver em um mundo globalizado e multicultural e, por isto, têm inovado seus programas pedagógicos para atender a essa demanda de pais e familiares que buscam a melhor educação para os seus filhos. Elas seguem uma tendência em crescimento na educação privada em todo o país que, segundo uma estimativa da Organização das Escolas Bilíngues de São Paulo (OEBI), já somaria mais de 200 escolas no Brasil. A formação de alunos que já saem da Educação Básica falando

Dr. Nestor Neto foi aluno da Pan Americana

mais de um idioma fluentemente não é um serviço novo no cenário baiano. A Escola Pan Americana da Bahia (PASB), uma associação sem fins lucrativos, inaugurada por algumas famílias de executivos estrangeiros e brasileiros nos anos 1960, tinha a intenção de acolher famílias internacionais que trabalhavam e moravam em Salvador. “A escola, hoje, tem um papel fundamental na Bahia quando acolhe estrangeiros que escolhem o Estado para viver ou trabalhar”, explica Paula Terres, diretora de Admissões e Relações Públicas da PASB, que tem hoje 10% dos alunos nascidos em 15 países diferentes. A instituição internacional segue o calendário das escolas nos EUA, é credenciada pela Associação de Escolas e Universidades de New England (NEASC) em conjunto com o Conselho de Escolas Internacionais (CIS) e oferece aos alunos diploma norte-americano, brasileiros e do Internacional Baccalaureate Diploma Programme (IB), um programa que apoia estudantes que desejam estudar em universidades estrangeiras. O IB também é um diferencial oferecido pela Escola Gurilândia, que fica no bairro da Federação. Segundo a diretora Luciana Pinho,

A Gurilândia está presente em mais de 140 países 35 | Let’s Go Bahia Novembro/2017


Thais Pasini é coordenadora no Villa

o português exigido pelo Ministério da Educação (MEC) está presente no programa da escola, mas ele é complementado pelo internacional do instituto norte-americano. “Fazemos o entrelaçamento dos dois currículos”, explica Luciana. Ainda de acordo com ela, a certificação IB, uma das mais criteriosas do mundo, foi conquistada depois de um longo processo de três anos de pré-acreditação. Desde 2013, a Gurilândia faz parte de uma aldeia global com mais de 4,5 mil escolas acreditadas em cerca de 140 países em todo o mundo que mantêm contato entre si, facilitam o intercâmbio de alunos entre os países, bem como compartilham experiências de ensino, documentação, planos de aula e realizam capacitações periódicas entre os professores. Junto com a PASB, que conquistou o certificado do IB um ano antes, além de uma escola pernambucana, são as únicas escolas do Norte-Nordeste entre as 31 brasileiras que oferecerem o programa internacional. Na Concept, nova escola inaugurada em 2017, no bairro de Piatã, e com unidade em Ribeirão Preto (SP) – futuramente em São Paulo (2018), Rio de Janeiro e no Vale do Silício, nos EUA, (2019) –, o modelo bilíngue se estende por grande parte da carga horária dos estudantes. “Na Educação Infantil, a língua inglesa ocupa 80% da carga horária, pois é nessa fase que a criança produz uma quantidade maior de sinapses no cérebro, o que favorece a aquisição de 36 | Let’s Go Bahia Novembro/2017

Pan American School of Bahia

“O mundo é globalizado. Não se aceita mais uma escola em que o inglês não seja uma língua básica” Luciana Pinho, diretora da Escola Gurilândia

um segundo idioma no mesmo nível de fluência da língua materna”, explica Nadja Valente, diretora da escola. Ainda segundo ela, no Fundamental I, a imersão no idioma ocupa 50% do tempo de comunicação na rotina escolar e no Fundamental II, quando a fluência só precisa ser mantida, a proporção é de 40%. Além da maior facilidade no aprendizado do segundo idioma por conta da pouca idade, as pesquisas apontam que as vantagens de cérebros bilíngues se refletem até na terceira idade, retardando efeitos da velhice. “Há evidências de que tais exercícios cerebrais criam uma reserva cognitiva que protege a mente da deterioração acentuada pela idade”, detalha Thais Pasini, coordenadora geral do Programa Bilíngue do Colégio Villa. A insti-

tuição emite o diploma High School na conclusão do Ensino Médio. O documento é reconhecido pela legislação dos EUA. Com um modelo diferente, os colégios do Grupo Anchieta trabalham com o conceito Fluency, dedicado à fluência e à proficiência da língua inglesa. “O objetivo do ensino de inglês no Grupo não é ser bilíngue, mas oferecer um aprendizado eficaz, através do qual o aluno se torna bilíngue”, define Itana Lins, coordenadora acadêmica do Departamento de Língua Inglesa. O estudante passa 4 horas/aula semanais exposto ao idioma e ainda pode fazer um curso extensivo diário, após as aulas, que dobra o tempo de contato semanal com o inglês. Além disso, os alunos de Ensino Médio fazem o preparatório para o exame Cambridge FCE (Prep Course). No Colégio São Paulo, no Itaigara, são 3 horas/aula semanais na grade curricular e o aluno tem a opção de mais três horas semanais em turno oposto.

Bilíngues desde crianças “Temos inúmeros relatos orgulhosos de pais que viajam com os seus filhos e se surpreendem com a forma que tomam à frente nos passeios, no hotel e nas diversas atividades, de modo geral”, relata Paula Castro, diretora do programa Bilíngue da Escola Girassol, localizado no Itaigara. As crianças tra-


O ACBEU - Maple Bear Canadian School utiliza o inglês desde a Educação Infantil

duzem, negociam e ajudam seus pais a terem uma experiência internacional mais rica. O programa bilíngue da instituição oferece mais de 10 horas semanais de imersão no segundo idioma e aulas de inglês intensivo. No bairro da Pituba, o Acbeu Maple Bear Canadian School também possibilita que as crianças vivenciem experiências de aprendizagem usando o inglês como ferramenta desde a Educação Infantil. O modelo canadense é referência mundial no aprendizado bilíngue ao se destacar no PISA, um programa internacional que produz indicadores sobre a efetividade de ensino nas áreas de Matemática, leitura e Ciências. Além da unidade em Salvador, a Maple Bear está presente em 112 escolas em todo o Brasil e em mais 13 países. Os alunos recebem dupla titulação, brasileira e canadense, e são alfabetizados em português e inglês, simultâneamente. Coordenadores e professores notam que a educação bilíngue tem efeito direto na autoestima da criança. “O egresso da Maple Bear é um aprendiz autônomo, que apresenta ideias para a solução de problemas e sabe trabalhar em grupo com desenvoltura e eficiência nos dois idiomas”, destaca a coordenadora-geral da instituição em Salvador. Segundo ela, oito ex-alunos da escola de Educação Infantil e Fundamental estão no Canadá e um na Austrália em níveis pré-school e elementar (K-5).

Escolas nacionais internacionais ou bilíngues? Pode parecer que as escolas internacionais têm vantagem no encaminhamento de alunos formados para o mercado ou experiências acadêmicas fora do Brasil. Com currículos inteiramente em inglês, com exceção das aulas de Português, História e Geografia; diplomas com validade em dois países, normalmente brasileiro e norte-americano, britânico ou canadense; colegas estrangeiros; vínculos com instituições de ensino internacionais e calendários alinhados com a realidade de fora do país; é como se o aluno não estivesse em uma sala de aula brasileira. Mas os projetos pedagógicos nacionais disputam palmo a palmo essa fatia de mercado formada por pais e familiares que desejam ver os filhos bilíngues antes de terminarem a escola. E as escolas internacionais não ficam atrás na hora de oferecer uma série de possibilidades que ajudam na formação desse aluno global e o estimula a buscar experiências acadêmicas internacionais. Existe a previsão da abertura de uma unidade da Concept no Vale do Silício, nos EUA, em 2019, e os alunos poderão ter uma vivência internacional. Em outubro, toda a turma do 9º ano da escola em Ribeirão Preto (SP) fez uma visita à região para trocar experiências relacionadas à inovação,

ao empreendimento e à tecnologia – pontos fortes no currículo da instituição. Além disso, o corpo de professores é formado por profissionais de diversos países do mundo, como Turquia, Rússia, EUA, Hungria, entre outros. A instituição também realiza a capacitação dos educadores e a formação continuada acompanhada por especialistas nacionais e internacionais. A estratégia de oferecer experiências internacionais com grupos de alunos também está sendo adotada pela Escola Girassol. Em janeiro de 2018, um primeiro grupo de estudantes e familiares terá uma vivência multicultural na capital do Reino Unido, Londres. “Serão 20 dias de estudos e vivências culturais, privilegiando as inter-relações humanas e a comunicação com o mundo”, explica Paula Castro. Nas escolas do Grupo Educacional Anchieta, além de salas menores, cursos específicos para exames de proficiência e professores qualificados, a instituição oferece o Summer Camp em universidades americanas. “Os alunos têm a possibilidade de conviver com outros alunos das mais diversas nacionalidades e viver a cultura americana com um olhar globalizado”, explica Itana, que destaca uma parceria com uma agência de turismo para facilitar o intercâmbio. A estratégia do Villa é manter parcerias com a instituição britânica Fieldwork Education para a Educação Infantil e Fundamental, e no Ensino Médio. Os alunos do Programa Bilíngue podem estudar o currículo norte-americano e receber dupla titulação no final do terceiro ano. Além disso, anualmente, os também alunos têm a oportunidade de aproveitar o Summer Camp, experiência de três semanas vivendo como universitários na University of Missouri.

37 | Let’s Go Bahia Novembro/2017


Cidadãos do século XXI O maior tempo de exposição ao segundo idioma não é o único diferencial do bilinguismo em escolas nacionais ou internacionais. Metodologias, propostas de ensino e estratégias pedagógicas são reformuladas para atenderem às demandas de um mundo globalizado e multicultural. “Aprender uma língua estrangeira não é um processo simplesmente de aquisição de conhecimentos e comportamentos, nem somente de desenvolvimento da cognição, mas uma experiência sociocultural e afetiva”, defende Itana. A diretora da Educação Infantil do PASB e mestre em Educação Conchita Kennedy ressalta que crianças imersas em escolas de educação internacionais tendem a se tornar adultos mais pacíficos e respeitosos. “Eles possuem uma tolerância maior para as diferenças culturais, da linguagem, vestimentas, comida, e aprendem a respeitar essas diferenças desde muito cedo”, explica. Esse desenvolvimento de cidadãos do século XXI movimenta também a proposta pedagógica da Concept. Segundo Nadja, é preciso ir além do ensino do uso do idioma e estimular os alunos a terem a capacidade de refletir, argumentar, criar e conectar ideias em inglês, português, mandarim ou espanhol – idiomas que são oferecidos na escola. “Acredito que essas competências, aliadas à fluência linguística, farão a diferença na formação dessa nova geração”, reflete. Para Marcia, além de abrir portas para conexões multiculturais, a metodologia canadense de ensino da Maple Bear estimula a autonomia, a criticidade, o trabalho colaborativo e empreendedor dos alunos. As características são muito parecidas com o perfil do egresso da Escola Girassol. “É um estudante que dialoga com o mundo pautado em sua própria identidade, pois na medida em que conhecemos 38 | Let’s Go Bahia Novembro/2017

Na Concept, o modelo bilíngue se estende por grande parte da carga horária dos estudantes

“Nosso modelo de educação é, acima de tudo, sensível ao contexto atual, nos níveis global e local, e, assim, facilita a formação de uma identidade globalizada” Itana Lins, coordenadora no Grupo Educacional Anchieta

culturalmente e linguisticamente o outro, mais nos conhecemos”, sentencia Julia Landau, coordenadora do 3º ao 5º ano da instituição. Seja com currículos internacionais ou nacionais com largo tempo de contato com o idioma estrangeiro na rotina de estudos, as escolas têm se modernizado para atender às demandas de uma sociedade cada vez mais conectada. Diretores, coordenadores pedagógicos e especialistas em Educação são unânimes ao afirmar que o bilinguismo na idade infantil e entre os adolescentes traz vários benefícios para o processo de aprendizagem e carreira dos futuros profissionais.

Saiba mais! - O Ministério da Educação (MEC) não regulamenta os critérios de funcionamento de uma escola bilíngue. Existe um consenso entre as instituições de que é preciso oferecer, pelo menos, 50% do currículo em um idioma estrangeiro para ter esse reconhecimento. - Não há um levantamento formal sobre o número de escolas bilíngues no Brasil. A Organização das Escolas Bilíngues de São Paulo (OEBI) estima que existem mais de 200 escolas bilíngues no país. - Existem outras modalidades de escolas bilíngues no Brasil além do inglês-português, como LIBRAS-português para surdos e ouvintes com familiares surdos, espanholportuguês, francês-português, alemão-português, japonêsportuguês, entre outras, em instituições particulares e públicas em alguns Estados brasileiros.


O melhor amigo do seu filho é o Matricule seu filho na Maple Bear: uma escola bilíngue de verdade, com metodologia canadense. Aqui, seu filho desenvolve a paixão pelo aprendizado, e se prepara para uma vida de sucesso no Brasil e no exterior.

aprendizado.

Acesse www.maplebear.com.br e agende uma visita.

O QUE SEUS FILHOS APRENDEM AQUI, ELES LEVAM PARA TODA VIDA.

ACBEU Maple Bear Av. Professor Magalhães Neto,1520 Pituba | salvador@maplebear.com.br (71) 3016-268839 | Let’s Go Bahia Novembro/2017


Entre latidos e likes Cães fazem sucesso nas redes sociais e se tornam influenciadores digitais TEXTO JUANA CASTRO IMAGEM DIVULGAÇÃO 42 | Let’s Go Bahia Novembro/2017


L

ook do dia, presença VIP, postagens publicitárias e um quarto cheio de presentes recebidos. Pensou em uma atriz ou alguma blogueira? Quase! Tudo isso faz parte da rotina de Eva Bull, uma cadela da raça buldogue francês que é digital influencer, termo em inglês para se referir às “personalidades” capazes de influenciar pessoas, digitalmente. Entretanto, os “pais” de Eva, o farmacêutico e enfermeiro Doró Ferscofi, 38, e seu companheiro, o administrador Gil Lopes, 33, não imaginavam – quando a compraram, ainda na barriga da mamãe, em 2014 – que a mascote faria tanto sucesso nas redes sociais. Atualmente, são quase 70 mil seguidores no Instagram (@evabull_).

Fama A explosão de seguidores aconteceu de forma despretensiosa, segundo Doró, a partir de fotos publicadas no Instagram em que Eva usava acessórios infantis. “Entrava em perfis de buldogues estrangeiros e via que as fêmeas usavam grandes laços na cabeça, mas não achava nada similar aqui, então passei a comprar acessórios de criança para enfeitá-la”, explicou. As imagens foram repostadas e repercutidas até internacionalmente. Logo, com a tendência lançada, marcas e lojas do setor pet procuraram a dog influencer para parcerias. Na casa da família, há uma infinidade de coleiras, laços, colares, gravatas, brinquedos e roupas feitas sob medida, frutos dessas trocas, em sua maioria. “Boa parte da divulgação é permuta”, afirmou Gil, responsável direto pela administração do perfil de Eva. Com publiposts – postagens publicitárias –, eles chegam a faturar R$ 600 por foto. O valor ajuda a cobrir parte dos gastos mensais com os quatro, que chegam a R$ 800, e inclui eventuais banhos em petshops, remédios de rotina, lazer e creche, duas vezes na semana. Em relação à ração, graças às parcerias, eles não têm mais despesas.

Celebridades Naomi e Eva Além da “pirata”, como é chamado o cão que tem uma mancha preta ao redor de um olho, o casal ainda tem Naomi (@naomibull), Adam e Aimée (@ aimee_adambull). Estes dois últimos são filhotes de Eva, de um ano e três meses, e todos têm perfis exclusivos. Também há a conta ‘@familia.bull’, que abrange os quatro, porém o da “matriarca” canina é o mais comercial.

Naomi e Eva são os xodós de Doró e Gil

de cinco anos. Adotado aos oito meses de vida pela baiana Ana Peixoto, após ter sido atacado por outro cachorro e quase perder o olho, o peludinho tem 86,5 mil seguidores no Instagram e ganha muitos presentes, apesar de ir a poucos eventos como VIP. Ana afirma não cobrar por publiposts e que demorou a perceber que as postagens influenciavam a vida de outras pessoas, pois não imaginava que o perfil fosse crescer tanto. Por isso, preza muito por cada publicação, já que muitas pessoas usam o pet como referência. “Só mostro o que realmente confio e uso, e sempre recomendo o apoio de um veterinário de confiança”. Chico já tem 86,5 mil seguidores no Instagram

Recompensada com petiscos, Eva parece saber o que está fazendo ao posar para fotos. “Já está acostumada”, garante Gil. A fama é tanta que ela virou estampa e estrela de campanhas de acessórios para humanos e seus seguidores ganham descontos exclusivos. Eva também já foi procurada para dar à luz filhotinhos do cão de uma artista famosa, a qual os donos preferem manter a identidade em segredo. Da mesma forma, aconteceu com o shih-tzu Chico (@chico_auau), 43 | Let’s Go Bahia Novembro/2017


e vê-lo todo animado correndo para a porta para me lamber e pular em mim; adoro educá-lo a fazer as necessidades no lugar certo; a não morder as coisas que não são dele, entre outros comandos. Tento registrar os seus melhores momentos”, declarou Pugliese no seu blog gabrielapugliesi.com.

Negócios Sobre os cuidados, ela revela o segredo para manter o pelo do “filho” sempre bonito: hidratação semanal. Além disso, Chico é acompanhado por uma nutróloga e faz exames periódicos a cada seis meses, no mínimo. Os gastos são apenas com veterinário, vacinas e alimentação. “O básico”, finalizou. Recentemente, o shih-tzu ganhou um irmãozinho, o Jobim (@dogjobim), que, com apenas sete meses de conta no Instagram, já possui mais de três mil seguidores.

44 | Let’s Go Bahia Novembro/2017

Por falar em celebridade, quem arranca muitos likes dos seus mais de 100 mil seguidores é Budapeste, o pitbull da também digital influencer Gabriela Pugliese. No perfil @budapeste.oficial, no Instagram, muitos clicks com seus “irmãos” Nutella, Vanilla e Café enchem de fofura a timeline da rede social. “O Buda é muito tranquilo, uma delícia de companhia e, hoje, não consigo mais viver sem ele. Animal é muito gostoso, o considero como meu filho, é amor de verdade mesmo! É muito bom chegar em casa

Segundo um levantamento de 2013 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), os lares brasileiros já contavam com 52 milhões de cães. Em números absolutos, é uma população maior que a de crianças no país. Já os gatos somam 22 milhões. Não à toa, é crescente a busca pelos mais diversos serviços do segmento pet, que faturou R$ 18,9 bilhões em 2016, de acordo com dados da Associação Brasileira da Indústria de Produtos para Animais de Estimação (ABINPET). De modo geral, houve um crescimento de 4,9% em relação a 2015, sendo a área de alimentação a mais lucrativa (67,3%), seguida por serviços variados (16,8%), cuidados (8,1%) – que engloba acessórios, produtos de higiene e beleza – e medicamentos veterinários (7,8%). Já a expectativa para 2017 é de uma expansão de quase 7% sobre 2016. Atento ao mercado, o paulista Alain Michel, que trabalhava com fundos de investimento, percebeu uma carência do ramo na Região Nordeste e se juntou ao cearense Luis André Bastos, com 25 anos de experiência no setor, para criar a megastore Mundo Pet, com sedes nas cidades de Salvador e Fortaleza. A unidade na capital baiana foi inaugurada em fevereiro deste ano no bairro do Rio Vermelho e chama a atenção pela estrutura. No entanto, para André, o diferencial é o atendimento e o foco nos eventos de adoção de animais, que acontecem mais de uma vez por mês, em parcerias com organizações não governamentais


(ONGs) locais. “Megastores já existem no mundo todo e também no Brasil, mas as pessoas ‘entram mudas e saem caladas’. A ideia da Mundo Pet é um lugar onde a família possa estar junta e se sentir acolhida. É um novo conceito”, afirmou. Para isso, os sócios apostam em eventos como o encontro de raças, feiras de adoção e até aulas de adestramento coletivo. “O público soteropolitano é exigente e nos faz crescer muito”, acrescentou Bastos. Com foco no Nordeste, a Mundo Pet irá inaugurar mais duas unidades. Uma em Recife, Pernambuco, e a outra em Lauro de Freitas, Região Metropolitana de Salvador, com previsão de abertura em julho de 2018.

Franquia americana Quem também decidiu investir no setor, há pouco mais de um ano, foi o casal formado pela administradora Adriana, do Rio de Janeiro, e o antigo empresário da área de Tecnologia da Informação, Marcelo Kutter, de São Paulo. Eles abriram a primeira franquia da empresa americana Petland. Localizada na Avenida Paulo VI, na Pituba, em Salvador, o estabelecimento oferece serviços de loja, medicação, veterinário e banho e tosa, além da venda de filhotes. Um diferencial, segundo Adriana. Todos os filhotes têm cinco gerações de pedigree, são castrados e microchipados. Ou seja, eles têm um microchip subcutâneo com um tipo de “CPF canino”, relacionado ao dono. Assim, em caso de perda ou abandono, é possível encontrar o proprietário do animal. Uma das grandes atrações da Petland é a golden retriever Clair, de um ano. Dócil e brincalhona, ela atrai muitos visitantes. “Ela vem trabalhar conosco todos os dias e lida muito bem com o fluxo”, relatou Adriana. A mascote vive com o casal e Bud, um yorkshire.

A golden retriever Clair é uma das atrações da Petland

Vacinação

Serviço

Entre os cuidados com os bichinhos, a vacinação ocupa o topo da lista. Uma das mais importantes vacinas que o cachorro deve tomar é a V10. Ela o protege contra sete doenças provocadas por dez vírus diferentes: cinomose, parvovirose, coronavirose, adenovirose, parainfluenza, hepatite infecciosa canina e quatro tipos de leptospirose. Pode ser aplicada em clínicas veterinárias por um valor que varia de R$ 30 a R$ 50, se nacional, ou de R$ 50 a R$ 80, caso seja importada. Já a vacina mais comum, a antirrábica, que protege cães e gatos contra a raiva, pode ser encontrada a um custo de R$ 40 a R$ 80, em clínicas particulares ou gratuitamente, no Centro de Controle de Zoonoses, na Rua do Mocambo, s/n, no bairro do Trobogy, em Salvador. O horário de funcionamento é de segunda a sexta, das 8h às 12h e das 13h às 17h. Através do telefone (71) 3611-7310 é possivel obter mais informações, inclusive sobre as campanhas de vacinação.

Salvador dispõe de uma série de estabelecimentos que oferecem cuidados para os pets que vão desde banho e tosa a vacinação e emergência. Confira alguns deles: Drogavet Av. Manoel Dias da Silva, 467, Pituba (71) 3037-5757/5758 (71) 99342-5987 Fórmula Animal Av. Manoel Dias da Silva, 960, loja 2, Pituba (71) 3240-0050 (71) 99169-8183 Mundo Pet Av. Juracy Magalhães Junior, 1260, Rio Vermelho (71) 3043-0303 Petland Av. Paulo VI, 1471, Caminho das Árvores (71) 3037-7001 | (71) 99706-0305 Planeta Animal Salvador Shopping, loja 13 (71) 3011-9054 Vidanimal Rua Investigador Wilsom Palmeira, 54, Amaralina (71) 3248-4644 Centervet Rua Engenheiro Alexandre Maia, 7, Graça (71) 3013-3841

45 | Let’s Go Bahia Novembro/2017


PUBLIEDITORIAL

UM CENTRO DE REFERÊNCIA EM

OFTALMOLOGIA NA BAHIA A

Clínica Oftalmológica Drª Rita Lavínia está no mercado há 30 anos com a filosofia de oferecer o melhor serviço, com ética e compromisso aos seus clientes. A clínica tem a preocupação de manter uma excelente equipe de profissionais, todos com título de especialista e alguns com doutorado. Drª Rita Lavínia é sócia-fundadora da Sociedade de Oftalmologia da Bahia, ex-presidente da Cooperativa Dos Oftalmologistas Da Bahia (COOESO-BA), onde desenvolveu um papel relevante em conquistas oftalmológicas. A clínica conta com uma equipe multidisciplinar altamente qualificada em cirurgias de retina, glaucoma, catarata, plástica ocular e estrabismo. Nas doenças da Retina, a clínica trata a degeneração macular, a retinopatia diabética, bem como realiza cirurgias retinianas, utilizando um aparelho de última geração, o Constellation. Para a cirurgia da catarata, a clínica dispõe de lentes multifocais, trifocais e tóricas de última geração, que também retiram o astigmatismo utilizando o aparelho Centurion. A clínica recebeu o Certificado de Acreditado pela Organização Nacional de Acreditação (ONA), que evidencia o grau de padronização, organização e segurança do cliente. Para a Drª Rita Lavínia, a Oftalmologia foi amor à primeira vista e, desde então, ela vem desempenhando a profissão com dedicação e ética.

SERVIÇO Av. Tancredo Neves, 2227, Edf. Salvador Prime – Torre Work, Salas 301 a 306 – 317 a 320 - Caminho das Árvores CEP 41.820-021 – Salvador-BA. (71) 2203-4444

A Drª Rosana Pimenta de Almeida utiliza o tomógrafo Cirrus

Rua da Alfazema, 761, Edf. Iguatemi Business & Flat, Salas 104 a 108, Caminho das Árvores CEP 41.820-710 – Salvador-BA 47 | Let’s Go Bahia Novembro/2017


Saúde

Dr. Leonardo Salgado Médico geriatra, gerontólogo e clínico médico

UMA VISÃO DO MERCADO DE

SAÚDE NA BAHIA V

ivendo em um mundo globalizado, os mercados regionais, cedo ou tarde, cada vez mais cedo, acompanham tendências mundiais. Não podia ser diferente no setor da Saúde Suplementar e, muito menos, com o mercado baiano. Uma dessas tendências é o fenômeno de consolidação, seja através de fusões, aquisições ou alianças estratégicas. No Brasil, os bancos foram pioneiros nesse processo, e hoje concentram mais de 80% de suas movimentações em cinco empresas. O varejo seguiu essa tendência e hoje está em um nível de consolidação muito próximo do sistema bancário. No mercado de Saúde Suplementar, esse movimento começou na última década e se intensificou nos últimos cinco anos. Começou quase que simultaneamente nos setores hospitalar e de diagnóstico por imagem e laboratorial. Um dos marcos desse fenômeno foi a aquisição pela Rede D’Or, do controle acionário do Hospital São Luiz, em 2010, formando a rede D’Or São Luiz, hoje o maior grupo hospitalar privado do país, presente em quatro Estados, com 35 hospitais e com cerca de 5,1 mil leitos operacio48 | Let’s Go Bahia Novembro/2017

nais. Há alguns anos, esse grupo vem demonstrando interesse em entrar no mercado baiano. No passado, tínhamos notícias sobre o interesse no Hospital Aliança e, mais recentemente, no Hospital São Rafael. Na Bahia, apesar da consolidação no setor hospitalar ainda não ter anunciado um grande negócio, no setor de diagnóstico laboratorial e imagem, no setor de Oncologia e Oftalmologia, os grandes players nacionais entraram com grande apetite. Empresas baianas consolidadas no mercado e com trajetórias de sucesso foram alvo de incessantes investidas, e grandes negócios ocorreram. Um marco na Bahia foi a aquisição do laboratório LEME e do Imagem Memorial pela DASA; para não ficar atrás e perder a oportunidade de entrar no mercado baiano, o Grupo Fleury entrou adquirindo laboratórios de análises clínicas e nos apresentou a marca a+, além de investir no setor de diagnóstico por imagem, com a aquisição da Diagnoson. Na Oftalmologia, o Hospital de Olhos Freitas se associou ao Pátria Investimentos e hoje pertence a uma holdding, a Hospitais de Olhos

“É preciso inovar para garantir um número de leitos adequados à população. Neste sentido, a desospitalização é a palavra de ordem. É necessário fazer com que o paciente possa deixar o hospital o mais breve possível e com segurança”


do Brasil, que é detentora de sete hospitais oftalmológicos, sendo três na Bahia (Hospital de Olhos Freitas, Day Horc e Clínica Villas). Na Oncologia, em março último, o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE) aprovou sem restrições a compra de 50,01% da Gem, detentora da Clínica AMO e Ihoba, pelo grupo D’Or, que também adquiriu a Clínica Cehon. Estes são apenas alguns exemplos do fenômeno de consolidação no mercado de Saúde na Bahia e vários outros estão em andamento. Trata-se de um caminho sem volta. Quantas farmácias você conhece? Garanto que pode contá-las nos dedos das mãos. O mercado de farmácias já se consolidou. As pequenas farmácias de bairro desapareceram. A tendência é que isto ocorra em todos os segmentos da Saúde Suplementar. Surgem, então, algumas dúvidas. Essa consolidação é benéfica para o setor? O mercado se adaptará a esta nova realidade, como aconteceu em outros setores? Na prestação da maioria dos serviços do sistema de Saúde Suplementar existem muitos desafios, como o aumento de custos acima da inflação, o modelo de remuneração defasado e as difíceis negociações com os planos de saúde. O resultado disto é a perda de margens, ano a ano, e a inviabilidade de algumas empresas continuarem operando. A consolidação acaba trazendo para os grandes grupos de empresas ganhos em escala, maior poder de negociação e uma melhor gestão, assim, elas conseguirão continuar a investir. No mercado de Salvador, investimento é outro desafio para o setor hospitalar. Apesar do envelhecimento populacional e de um maior número de usuários nos últimos 10 anos, o número de leitos hospitalares privados em Salvador diminuiu. Ocorreu o fechamento de hospitais, como o do Hospital Espanhol, Hospital Unimed e Hospital São Marcos, e nenhum surgimento de outro hospital de médio

ou grande porte. A ampliação de leitos pelos hospitais existentes foi aquém do necessário, já que esse tipo de construção é cara e leva muito tempo. É preciso inovar para garantir um número de leitos adequados à população. Neste sentido, a desospitalização é a palavra de ordem. É necessário fazer com que o paciente possa deixar o hospital o mais breve possível e com segurança. Para atender a essa necessidade e dar melhor qualidade de vida aos doentes crônicos, as empresas de atenção domiciliar vêm prestando um serviço fundamental ao mercado e crescendo em um ritmo acima da média do setor da Saúde. Além da internação domiciliar, outras novidades que prometem chegar e crescer também em um ritmo

acelerado são os hospices, hospitais de transição e hospitais de retaguarda. Trata-se de hospitais de baixa e média complexidade, com diferentes focos e que poderão receber pacientes que ficariam muito tempo internados em hospitais de alta complexidade. Neste contexto, é importante que nesse processo de crescimento e consolidação do mercado o propósito - de atender cada vez mais pacientes e de uma maneira cada vez melhor comum a quase todas as instituições de Saúde na sua origem não se perca. Afinal, não há mais espaço para os pequenos no mercado de Saúde e se quisermos aproveitar as oportunidades que venham a surgir nesse processo de consolidação, precisamos estar preparados.

49 | Let’s Go Bahia Novembro/2017


Saúde

Carla Ferner Médica imunologista e nutróloga

Bem-

estar! H á muitos anos, sabemos que cada indivíduo constitui um mundo bioquímico único, que sofre a interferência direta de condições como alimentação, estresse e atividade física, além de fatores emocionais e comportamentais. O que é novidade para o mundo científico é reconhecer finalmente que genética não é destino, que já não somos reféns da herança genética que recebemos dos nossos pais. A isso damos o nome de Epigenética, termo conhecido há cerca de duas décadas, em que determinados fatores podem levar a alterações da função do gene sem mudar as sequências de DNA. Essas alterações são capazes “ligar e desligar” genes e, hoje, o nosso principal trabalho na Medicina Preventiva é conseguir silenciar os genes que são determinantes de doenças e manifestar os que estão associados à saúde. Em termos práticos, sabemos que apenas de 5% a 10% de todos os cânceres podem ser atribuídos exclusivamente a defeitos genéticos, enquanto que de 90% a 95% estão relacionados ao ambiente e ao estilo de vida de cada pessoa. Em relação às escolhas alimentares, vale saber que de 30% a 35 % dos cânceres têm ligação com a dieta. Portanto, se desejamos ser saudáveis, é óbvio que o primeiro passo é acabar com o tabagismo, aumentar a ingestão de frutas, verduras e legumes como fonte de nutrientes e agentes antioxidantes, usar o álcool de maneira moderada e praticar regularmente

50 | Let’s Go Bahia Novembro/2017

atividade física. Coisas aparentemente muito simples e com um grande impacto na saúde. Nesse mesmo processo, não podemos esquecer que o controle das doenças cardiovasculares, as doenças autoimunes, neurocomportamentais, assim como a obesidade, pode silenciá-las ou auxiliá-las a se manifestar, através de fatores responsáveis por modificar esses mecanismos epigenéticos. O mais interessante disso tudo é que estudos publicados nos últimos anos mostram que as mudanças epigenéticas podem durar pelo menos quatro gerações subsequentes. Portanto um ambiente adverso durante a fase intrauterina ou durante a amamentação pode estar envolvido no desenvolvimento de futuras doenças, sugerindo que a nutrição materna ou o estilo de vida da mãe no pré-natal possa alterar a programação metabólica do feto. Em se tratando de processo de envelhecimento, a epigenética também aparece de maneira marcante, principalmente porque hoje sabemos que a idade cronológica (aquela que está apenas na carteira de identidade) não é a única forma de mensurar o envelhecimento. Com o passar dos anos, as células e os tecidos se diferenciam e mudam, infringindo marcas maiores ou menores nas pessoas, a depender de como elas se cuidaram no decorrer da vida, criando, então, a idade biológica. Assim, nada impede que o indivíduo tenha 50 anos na idade cronológica e 40 anos na idade biológica, ou

seja, que ele aparente ser 10 anos mais jovem. O controle do desgaste celular está na dependência de bons hábitos de vida, de escolhas acertadas, desde a hora que acordamos até a hora de dormir, que podem contribuir para uma variação das mudanças da passagem do tempo. Portanto a regra é simples e básica:

Quer envelhecer de forma saudável? • Esqueça os excessos. Deixe que o equilíbrio prevaleça sempre. • Garanta uma noite de sono reparador. • Seja feliz. • Gerencie o seu estresse, meditação é sempre uma boa opção. • Pratique exercícios físicos com regularidade. • Escolha cuidadosamente o tipo de alimento que você vai colocar no seu prato. Lembre-se que esse é o principal combustível dessa máquina tão preciosa que é o seu organismo. Você pararia no posto de gasolina para colocar a gasolina mais contaminada no seu carro? Não vai querer fazer isso justo com você, correto? • Faça exames preventivos, ao menos, uma vez ao ano.


51 | Let’s Go Bahia Novembro/2017


C

M

Y

CM

MY

CY

CMY

K

52 | Let’s Go Bahia Novembro/2017


53 | Let’s Go Bahia Novembro/2017


54 | Let’s Go Bahia Novembro/2017

TEXTO DANIEL OLIVEIRA IMAGEM ROBERTO ABREU


M

anhã de sol, bairro da Barra. Aos poucos, o casarão antigo, onde acontecia a mostra de decoração CASACOR 2017, começa a ficar movimentado. Chefs de diferentes restaurantes da cidade, vertentes culinárias e tradições chegavam ao local. O clima era de descontração e intimidade. Ali estava parte da nova geração e da velha guarda da gastronomia baiana. O chef veterano Beto Pimentel, bem-humorado e falante, alternava a conversa entre contações de histórias, os “causos”, declamações de poesias e dicas para a utilização de ingredientes. Ele carregava consigo diversas frutas e ocupava-se de cada uma. A ocasião era o encontro para a sessão fotográfica desta reportagem. De uma coisa o baiano não precisa ter dúvida, a gastronomia vive um dos seus melhores momentos no Estado. Segue uma tendência; afinal, são cinco biomas, culturas diversas e chefs com muitas ideias e disposição para empreender. Nos últimos anos, cresceu o número de programas de formação técnica e a Universidade Federal da Bahia (UFBA) passou a ter um curso de graduação em Gastronomia. Restaurantes surgiram, feiras e eventos de culinária de largo alcance de público estão sendo realizados, enfim, há uma movimentação consistente nesse ramo cheio de sabor. Este cenário favorável, sobretudo em Salvador, aliado ao desenvolvimento e à criatividade individual, produziu uma nova geração de chefs de destaque: Ricardo Silva e o seu Carvão; o casal Fabrício Lemos e Lisiane Arouca com o Origem; Caco Marinho no DOC; Rafael Zacarias e a hamburgueria Bravo; Celso Vieira e o Pasta em Casa; Adrian Gonzalez com o Oliva; e o chef padeiro Richard James no comando da Belo Rústico.

Beto Pimentel, Tereza Paim e Edinho Engel estão entre os chefs da velha guarda

“A Bahia está com essa cozinha maravilhosa. As coisas estão acontecendo e temos, de fato, um ambiente gastronômico. Vários chefs cozinhando muito bem. Virou o que não era há dez anos” Edinho Engel, do Amado Ao mesmo tempo, preservou a sua velha guarda, os mestres do ensinamento: Tereza Paim (Casa de Tereza), Edinho Engel (Amado) e Beto Pimentel (Paraíso Tropical). Todos eles fazem uma arte culinária de alto nível. Na visão de Edinho Engel, chef renomado em todo o Brasil pelo Amado - restaurante especializado na cozinha contemporânea - e também pelo Manacá (no litoral paulista), hoje, o Estado passa por uma fase singular no setor. “A Bahia está com essa cozinha maravilhosa. As coisas estão

acontecendo e temos, de fato, um ambiente gastronômico. Vários chefs cozinhando muito bem. Virou o que não era há dez anos”. O contato entre as gerações é constante, seja em eventos ou em encontros nos restaurantes. Os chefs se frequentam, trocam informações, sugerem e indicam. Todos têm a compreensão de que fazem parte de um todo: da gastronomia baiana. “Além do conhecimento compartilhado, esses encontros são uma delícia”, diz o paulistano Celso Vieira, chef e dono do Pasta em Casa, de cozinha italiana. Ele foi professor de Adrian, o jovem chef da rede de restaurantes Oliva, que começou a atuar profissionalmente na cozinha aos 17 anos e depois iniciou o curso de graduação. Foi estagiário de Tereza Paim, ganhou prêmios e hoje coordena uma equipe com mais de 100 pessoas. “Sempre acompanhei os chefs, da nova geração e da velha guarda. Tive a honra de ser estagiário de Tereza Paim e aluno de Celso Vieira. Os demais chefs são frequentadores do Oliva e toda vez que os vejo comer a comida que faço me vem o pensamento de que estou 55 | Let’s Go Bahia Novembro/2017


no caminho certo”, fala Adrian. Segundo Tereza Paim, chef do Casa de Tereza, a proximidade e a comunicação incorporam aspectos fundamentais para o desenvolvimento do cenário. “A velha guarda tem um papel: o de guardiões dos sabores e saberes. E os jovens são as pessoas que estão expandindo os sabores, trazendo os saberes do mundo e aplicando-os a ingredientes que são nossos, como a carne de fumeiro e o licuri. Um é tão importante quanto o outro. A globalização traz esse aspecto e vivemos isso aqui em Salvador no nosso cotidiano”, diz a chef. No seu restaurante, ela promove um verdadeiro mergulho nos saberes ancestrais baianos, de modo primoroso, onde se encontra desde a tradicional moqueca baiana até risoto de camarão com maturi e coco verde, entre outras delícias da terra, com assinatura própria.

Raízes do dendê e além dele Também voltado para as fontes culinárias primordiais do Estado, o chef Fabrício, após morar nos Estados Unidos e integrar a equipe de Edinho Engel no Restaurante Amado, encontrou nas suas raízes o conceito do Origem, restaurante em parceria com a esposa e confeiteira Lisiane Arouca. Nas palavras dele, o empreendimento nasceu da fusão desse amor na Bahia. “Buscamos fazer o resgate do simples, do sabor, e nada mais delicioso do que a gastronomia baiana. E conceituando essa gastronomia baseada nos cinco biomas”, afirma Fabrício. “É muito daquilo que a gente vivenciou desde criança, por isso o nome”, completa Lisiane, que, em seguida, traz como exemplo a afetiva sobremesa Lá na Minha Vó, com ambrosia, pudim de leite, sorvete de leite Ninho, sonho 56 | Let’s Go Bahia Novembro/2017

Adrian Gonzalez, do Oliva; Richard James, da Belo Rústico; Lisiane Arouca, do Origem; e Rafael Zacarias, do Bravo

“A velha guarda tem um papel: o de guardiões dos sabores e saberes. E os jovens são as pessoas que estão expandindo os sabores, trazendo os saberes do mundo e aplicando-os a ingredientes que são nossos, como a carne de fumeiro e o licuri. Um é tão importante quanto o outro” Tereza Paim, da Casa de Tereza e algodão-doce. Fabrício e Lisiane demonstram carinho e, principalmente, gratidão e respeito pela velha guarda, citam Edinho, Tereza e Beto como referências fundamentais. O cenário no ramo é diverso, embora a gastronomia local ainda esteja muito associada ao dendê e aos pratos feitos com a iguaria de matriz africana, sobretudo na imagem que a Bahia tem lá fora, tanto em outros

Estados quanto no exterior. Por outro lado, a maior parte dos chefs, da nova geração ou da velha guarda, trabalha com ingredientes locais na elaboração dos seus pratos, mas não necessariamente com o dendê. O que faz todo sentido, já que o Estado é grande e possui uma efluviosa biodiversidade. Celso Vieira diz que, ao se mudar para Salvador e se aproximar da cozinha baiana, o conceito dele sobre a gastronomia local mudou. “Descobri no Recôncavo, de tradição africana, as comidas de santo. E vi o lado do Sertão também, o queijo coalho, a manteiga de garrafa. São aprendizados que o turista não alcança”. Celso veio para a Bahia ensinar no curso de Gastronomia da UFBA, mas, com a ampliação do restaurante, escolheu se afastar da sala de aula. Ele revela que utiliza ingredientes da região em recheios de massas, a exemplo da carne de fumeiro e da carne de sol. No Pasta em Casa, porém, o carro-chefe é mesmo o ravióli verde, de espinafre, e recheio de mozarela de búfala com molho pomodoro - tipicamente italiano. Para Fabrício, transformar essa imagem da Bahia apenas do dendê não significa, de modo algum, uma negação dela. Ao contrário, é tratar a moqueca, o acarajé e o vatapá como parte da cultura, porém indo além


disso. “Isso está incluso totalmente. O dendê é símbolo nacional, é o número um. Precisamos é mostrar as outras fortalezas, o licuri, o umbu, o queijo de cabra, mel de abelha nativa, entre outros”, argumenta. Em diálogo com essa visão, Tereza Paim afirma que “a gastronomia da Bahia é ampla, não se limita a um, dois ou três pratos. Ela é múltipla como nós somos”.

Gastronomia cosmopolita Um olhar atento para a realidade cotidiana da gastronomia em Salvador é revelador de uma diversidade de restaurantes, com cozinhas baseadas em nacionalidades variadas. O Oliva e o Pasta em Casa, vinculados às massas italianas, o DOC, especialista em American Barbecue, o Carvão, ligado ao sul da América Latina, são exemplos requintados e têm presença marcante na cidade pelas suas virtudes. Outro fenômeno em crescimento na capital baiana é o consumo de hambúrguer. Rafael Zacarias, chef do Bravo e que recebeu recentemente o prêmio nacional de Melhor Hambúrguer, pelo Prazeres da Mesa 2017, diferencia a tendência da moda e

aquilo que permanece quando se trata dessa cozinha mais cosmopolita e globalizada, inserida em ambientes, como o baiano, com uma notável e pulsante tradição culinária. “O churrasco, assim como o hambúrguer, é uma tendência de momento, apesar de não fazer parte da nossa cultura. Mas, a partir do momento em que inserimos ingredientes regionais, passa a ter uma inserção diferente nesse contexto. Ser apenas parte de uma moda torna o negócio passageiro, porém quando há conteúdo, inovação e conceito extrapola o trivial”, diz. Além do conhecimento, da assinatura e da destreza do chef no preparo, é necessário ter atenção na escolha dos melhores ingredientes utilizados. Qualidade é essencial. Foi por conta disso que os pães do chef australiano Richard James, dono da Belo Rústico e consultor de negócios de gastronomia, logo conquistaram elogios dos frequentadores de restaurantes, hamburguerias e clientes da sua loja. Ele relata, com sotaque acentuado, como decidiu criar a sua própria padaria: “Sentia falta de pães de alta qualidade e feitos de maneira artesanal, sem ingredientes artificiais. Então, comecei a vender para os restaurantes em que fazia consultoria

Celso Vieira, do Pasta em Casa; Ricardo Silva, do Carvão; e Fabrício Lemos, do Origem

e também para as hamburguerias”. O chef padeiro chegou a ter um restaurante de cozinha brasileira, com muitos pratos baianos, apaixonado que é pela gastronomia do Estado. Também no caminho do empreendedorismo, digamos cosmopolita em Salvador, o Carvão, com o chef Ricardo Silva, passeia pela cozinha de fogo e atende públicos que buscam as carnes, de brisket a pato curado em casa, mas também veganos e vegetarianos. “Existe uma vontade do soteropolitano de conhecer novas cozinhas e propostas. Ele vai tomar drinks, vai ao restaurante francês, viaja mais. Isso traz uma exigência. Daqui para frente, cada vez mais, se estabelece quem tem qualidade. São a multiculturalidade e a pluralidade que caracterizam a gastronomia daqui”, opina. A diversidade é tamanha que até o Slow food, movimento nascido na Itália e criado por Carlo Petrini na década de 1980, vem crescendo na Bahia. O chef Caco Marinho, dono do Restaurante DOC, é um dos participantes e entusiastas mais ativos. Ele defende que não há outro caminho para a gastronomia que não seja o do alimento “bom, limpo e justo”, bandeira do grupo, que atualmente tem presença em dezenas de países. “Excelentes chefs e restaurantes locais já estão engajados”, conta. A gastronomia baiana, de fato, agrega diferentes biomas, nacionalidades, sabores, saberes, costumes, ingredientes, movimentos e iniciativas. É regional e cosmopolita, tradicional e contemporânea, transita com naturalidade da moqueca ao hambúrguer, da costelinha de porco aos frutos do mar, passando por massas, pães e muito mais. É, sobretudo, reveladora de traços marcantes da cultura do Estado. Como afirma, com paixão, Beto Pimentel: “A melhor do mundo: diversa, colorida, saborosa e cheirosa”.

57 | Let’s Go Bahia Novembro/2017


SĂĄ Menezes - Design Studio

58 | Let’s Go Bahia Novembro/2017


59 | Let’s Go Bahia Novembro/2017


Gastronomicamente falando, não se pode dizer que não há aonde ir em Salvador. Hoje, na cidade, contamos com restaurantes que vão da culinária oriental à baiana, passando pelos franceses, italianos, espanhóis, norte-americanos e australianos, entre outros. Além dos clássicos pratos à la carte e dos já conhecidos rodízios de massas, pizzas e carnes, as hamburguerias, inspiradas nos sabores estadunidenses, estão ganhando cada vez mais espaço no circuito gastronômico de Salvador. Neste guia, a Revista Let’s Go Bahia reúne o que há de melhor para se comer na cidade, com endereços e telefones de contato das principais casas da capital baiana.

Bon appétit! Italianos PASTA EM CASA Rua Profª. Almerinda Dutra, 67, Rio Vermelho, (71) 3334-7232. Seg. a dom., das 12 às 23h30. LA PASTA GIALLA Rua São Paulo, 488, Pituba, Salvador, (71) 3011-6599. Seg. e ter., das 12h às 15h; qua. e qui., das 12h às 15h/ das 19h às 22h30; sex. e sáb., das 12h às 15h30/das 19h à 00h30; dom., das 12h às 17h. ALFREDO DI ROMA Av. Oceânica, 2004, Barra, Salvador, (71) 3331-7775. De dom. a qui., das 12h às 16h e 19h às 23h; sex. e sáb., das 12h às 16h e das 19h à 0h. PIZZARIA CASA DE PEDRA Rua Flórida, 62, Graça, (71) 30336262. De ter. a dom., das 18h às 23h. OLIVA GOURMET Shopping Barra: Espaço Barra Gourmet, Av. Centenário, 2992, Chame-Chame, (71) 3179-1858. De seg. a qui., das 11h30 às 23h; sex. e 60 | Let’s Go Bahia Novembro/2017

sáb., das 11h30 à 1h; dom. e feriados, das 12h às 23h. Salvador Shopping: Praça de Alimentação, Av. Tancredo Neves, 3133, Caminho das Árvores, (71) 3019-0201. De seg. a sáb., das 11h às 22h; dom. e feriados, das 12h às 21h. Shopping Paralela: Praça de Alimentação, Av. Luís Viana, 8544, Alphaville, (71) 3036-4007. De seg. a sáb., das 11h às 22h; dom. e feriados,

das 12h às 21h. Shopping Bela Vista: Praça de Alimentação, Alameda Euvaldo Luz, 92, Horto Bela Vista, (71) 34320124. De seg. a sáb., das 11h às 22h; dom. e feriados, das 12h às 21h. Shopping da Bahia: Alameda Infantil, 3º Piso, Av. Tancredo Neves, 148, Caminho das Árvores, (71) 34500677. De seg. a sex., das 11h às 22h; sáb., dom. e feriados, das 12h às 21h.


(71) 3334 7232

61 | Let’s Go Bahia Novembro/2017


ORIGEM Alameda das Algarobas, 74, Pituba, (71) 99202-4587. De ter. a sáb., das 19h30 à 0h. AMADO Av. Lafayete Coutinho, 660, Comércio, (71) 3322-3520. De seg. a sáb., das 12h às 23h45, dom., das 12h às 17h.

Orientais TOKAI GOURMET Avenida Centenário, 2992, 1º piso, Ala Gourmet do Shopping Barra, Salvador, (71) 3022-7874. De seg. a qui., das 11h às 22:30h; de sex. e sáb., das 11h às 24h; dom., das 12h às 22:30h. KO PHAI Rua Bartholomeu de Gusmão, 140, Rio Vermelho, (71) 3235-5401. Almoço: de ter. a dom., das 12h às 16h. Jantar: ter., qua., qui. e dom., das 18h às 23h30, sex. e sáb., das 18h30 à 00h30. TAKÊ Rua Morro da Paciência, 3864, Rio Vermelho, (71) 3332-6062 / (71) 3332-6784. De seg. a sex., das 12h às 15h e das 18h30 à 0h; sáb., das 18h30 à 0h; dom., das 12h às 23h. SHIRO Rua da Flórida, 41, Graça, (71) 33373732. seg. a qui., das 19 à 0h; sex. e sáb., das 19 a 1h; dom., das 12 às 15h30 e das 19 à 0h. 62 | Let’s Go Bahia Novembro/2017

SOHO Av. Lafayete Coutinho, 1010, Bahia Marina/Comércio. (71) 3322-4554. Seg., das 19h à 0h; sex. e sáb., das 12h às 16h e das 19h à 01h; dom., das 12h às 16h e das 19h à 0h; ter. e qua., das 12h às 15h e das 19h à 0h.

Brasileiros CASA DE TEREZA Rua Odilon Santos, 45, Rio Vermelho, (71) 3329-3016. De seg. a qua., das 12h às 23h; de qui. a sáb., das 12h à 0h; dom, das 12h às 21h30. SALVADOR DALÍ Rua Borges dos Reis, nº 11, Rio Vermelho, ao lado do Teatro do SESI, (71) 3335-4593. De seg. a sáb., das 11h30 às 16 e das 19 às 23h30; dom., das 11h30 às 17h. CARVÃO Rua Sabino Silva, nº 5, Jardim Apipema, Ondina, (71) 3022-8682. De ter. a sáb., das 18h às 23h30. com horário especial aos sábados e domingos para o almoço, das 12 às 16h.

CONFRARIA DO FRANÇA Travessa Lydio de Mesquita, 43, Rio Vermelho, (71) 3565-3700. Ter. e qua., das 11:30h à 0h; de qui. a sáb., das 11:30h às 2h; dom., das 11:30h às 18h. CAJU Rua Ceará, 339, loja 9, Pituba, (71) 3355-0027. Dom. e seg., das 12h às 15h; ter. e qua., das 12h às 15h e das 17h às 23h45; qui., das 12h às 15h e das 17h às 23h; sex. e sáb., das 12h às 15h e das 17h à 0h. PARAÍSO TROPICAL Rua Edgar Loureiro, 98-B, Resgate/ Cabula, (71) 3384-7464. De ter. a sáb., das 12h às 22h; dom e feriado, até as 17h. AL MARE Salvador Shopping, Espaço Gourmet, 1º Piso. Av. Tancredo Neves, 3133, Caminho das Árvores, (71) 3033 7615. VELEIRO Av. Sete de Setembro, 3252, Ladeira da Barra, no Yatch Clube da Bahia. (71) 2105 9131. Seg., das 11h30 às 16h; ter. a dom., das 11h30 à 0h.


63 | Let’s Go Bahia Novembro/2017


LARRIQUERRÍ Praça Alexandre Fernandes, 26, Garcia, (71) 3043-0934. De ter. a sáb., das 19h30 às 23h30. TUTY POR PATY Rua Aloísio de Carvalho, 2, Corredor da Vitória, (71) 2132-6928. De ter. a dom., das 12 às 16h. BARGAÇO Rua Antônio da Silva Coelho, 43, Jardim Armação, (71) 3231-1000. De seg. a dom., das 11h30 às 17h.

Carnes DOC Rua das Dálias, 584, Pituba, (71) 3451-7777. De ter. a qui., das 18h à 01h; sex., das 18h às 2h; sáb., das 12h às 2h; dom. e seg., das 12h às 22h.

das 11:45 à 0h; dom. e feriados, das 11:45h às 22h. BABY-BEEF ALVAREZ Av. ACM, 3362 – no estacionamento do Walmart. (71)3270-3000. OUTBACK Shopping da Bahia: Av. Tancredo Neves, 148, Caminho das Árvores, (71) 3450-1280. De seg. a qui., das 12h às 15h e das 17h às 22h30; sex., das 12h às 15h e das 17h às 23h30; sáb., das 12h à 0h; dom., das 12h às 22h. / Shopping Barra: Av. Centenário, 2992, Chame-Chame, (71) 3037-0138. Seg., das 12h às 15h e das 17h às 22h30; de ter. a sex., das 12h às 15h e das 17h às 23h00; sáb., das 12h às 23h00; dom., das 12h às 22h.

64 | Let’s Go Bahia Novembro/2017

CASA DI VINA Rua Flamengo, 44, Farol de Itapuã, Salvador, (71) 3014-8730. De seg. a sáb., das 12h às 23h30; dom., das 12h às 22h. LA LUPA Salvador Shopping, 3º Piso: Av. Tancredo Neves, 3133, Caminho das Árvores - (71) 3013-2508 / Shopping Barra– L1, Av. Centenário, 2992, Chame-Chame, (71) 3043-5553. De seg. a dom., das 12h às 22h.

MISTURA Rua Professor Souza Brito, 41, Itapuã. / Av. Contorno (71) 21370782. De dom. a Qua., das 12h às 23h; qui. a sáb., das 12h à 0h.

BARBACOA Av. Tancredo Neves, 909, Caminho das Árvores, (71) 3342-4666. De seg. a qui., das 11h30 às 16h e das 18h às 23h59; sex., das 11h à 0h; sáb., das 11h às 15h e das 18h às 22h; dom., das 11h30 às 17h.

Av. Tancredo Neves, 3133, Caminho das Árvores, Salvador, 3º piso do Salvador Shopping, (71) 3017-6322. De seg. a qui., das 11:45h às 15h e das 18h às 22:30h; sex., das 11:45h às 15h e das 18h às 23:30h; sáb.,

Mediterrâneos

LAFAYETTE Av. Lafayete Coutinho, 1010, Pier da Bahia Marina, Comércio. (71) 33210800. De seg. a dom., das 12 à 0h.

BOI PRETO Av. Otávio Mangabeira, 5095, Boca do Rio. (71) 3362-8844 / 3371-1429

MADERO Av. Centenário, 2992, Barra, Salvador, 4º piso do Shopping Barra, (71) 3043-2736. De seg. a qui., das 11:45h às 22:30h; sex., das 11:45h às 23:30h; sáb., das 11:45h à 0h; dom. e feriados, das 11:45h às 22:00h.

CATHEDRAL Al. Praia de Camboriú, 16, Quadra E, Stella Maris, (71) 3032-1065. De seg. a qui., das 12h às 23h; sex. e sáb., das 12h à 0h; dom., das 12h às 18h.

Espanhóis A CASA VIDAL Rua Afonso Celso, 294 Barra, Salvador, (71) 3565-8008 e (71) 99315-5052 (WhatsApp). De seg. a sáb., das 19h às 23h. LA TAPERIA Rua da Paciência, 251, Rio Vermelho, Salvador, (71) 3334-6871, (71) 987161077, (71) 99116-5140 (WhatsApp). De ter. a sáb., das 18h à 0h.

Doces e cafés SOLANGE BISCOITOS FINOS Rua das Hortênsias, 422, Pituba, (71) 3011-9830. De seg. a dom., das 8h às 21h. PRISCILLA DINIZ Rua das Rosas, 78, Pituba, Salvador, (71) 3379-4252. De ter. a dom., das 11h às 20h. MADAME LADOUX Shopping Bela Vista, L2, (71) 30388520.


65 | Let’s Go Bahia Novembro/2017


TORTARELLI Sede: Rua das Hortencias, 552, (71) 3344-2022. De seg. a qua., das 11h30 às 21h; de qui. a sáb., das 11h30 às 22h; e dom., das 10h30 às 21h. Salvador Shopping: quiosque Q210. De seg. a sáb., das 9h às 22h; e dom., das 13h às 21h. BIANCA MONTEIRO Alameda dos Sombreiros, 1141, (71) 3012-1046. De seg. a dom., das 9h às 21h.

DOCES SONHOS Doces Sonhos Shopping Salvador: Av. Tancredo Neves, 3133, Piso L3, Caminho das Árvores, Salvador, (71) 3271-2300. Doces Sonhos Rua Pernambuco: Rua Pernambuco, 362, Pituba, Salvador, (71) 3205-5332. Doces Sonhos Shopping Barra: Av. Centenário, 2992, Chame-Chame, L1 Barra Gourmet, Salvador, (71) 3117-6722. Doces Sonhos Corredor da Vitória: Avenida 7 de Setembro, 2573, Vitória, Salvador, (71) 3338-1611. Doces Sonhos Vilas do Atlântico: 66 | Let’s Go Bahia Novembro/2017

Av. Praia de Itapoan, 262, Lauro de Freitas, (71) 3024-2629. Doces Sonhos Shopping Paralela: Av. Luís Viana, 8544, Loja E128, Paralela, (71) 3360-1195. Doces Sonhos Shopping Bela Vista: Alameda Euvaldo Luz, 92, Piso L2, Horto Bela Vista, Salvador, (71) 3432-0793. Doces Sonhos Conceito: Av. Paulo VI, 1828, Pituba, Salvador, (71) 32704425.

SEVEN WONDERS Livraria Cultura, Salvador Shopping: Avenida Tancredo Neves, 3133, Piso L2, (71) 9 9662-1657. De seg. a sáb., das 9h às 22h; dom., das 12h às 21h. Livraria Leitura, Shopping Bela Vista: Alameda Euvaldo Luz, 92, Piso L2, Horto Bela Vista, (71) 9 9721-4787. De seg. a sáb., das 9h às 22h; dom., das 13h às 21h. Shopping Barra: Avenida Centenário, 2992, Piso L4 Norte, Chame-Chame, (71) 9 9947-8028. De seg. a sáb., das 9h às 22h; dom., das 12h às 21h. Shopping Paralela: Av. Luís Viana, 8544, Piso L1, Paralela, (71) 9 9740-

4565. De seg. a sáb., das 9h às 22h; dom., das 12h às 21h. Hospital Cárdio Pulmonar: Avenida Anita Garibaldi, 2199, 1º andar, Ondina, (71) 9 9982-7946. De seg. a sex., das 7h às 21h; sáb. e dom., das 7h às 18h. Centro Médico Cárdio Pulmonar: R. Ponciano Oliveira, 157. Ed. Garibaldi Empresarial, Rio Vermelho, (71) 9 9722-8979. De seg. a qui., das 7h às 21h; sex., das 7h às 18h; sáb., das 7h às 12h. Boulevard Side Empresarial: Rua Ewerton Visco, 290, Caminho das Árvores, (71) 9 9743-5352. De seg. a sex., das 7h às 19:30h; sáb., das 8h às 14h. VIVA GULA Salvador Shopping: Av. Tancredo Neves, 148, Caminho das Árvores, (71) 99974-1873. De seg. a sáb., das 9h às 21h; dom., das 13h às 21h. Shopping da Bahia: Av. Tancredo Neves, 148, Caminho das Árvores, (71) 3452-8055. De seg. a sáb., das 9h às 22h; dom., das 12h às 21h. Shopping Paseo: Rua Rubens Guelli, 135, Itaigara, (71) 3442-4131. De seg. a dom., das 9h às 21h. Shopping Paralela: Av. Luís Viana, 8544, Paralela, (71) 3036-0070. De seg. a sáb., das 9h às 22h; dom., das 12h às 21h. Shopping Salvador Norte: São Cristóvão, (71) 3252-2250. De seg. a sáb., das 9h às 22h; dom., das 12h às 21h.

Francês CHEZ BERNARD Rua Gamboa de Cima, 11, Dois de Julho, atrás do Teatro Vila Velha, (71) 3328-1566. De ter. a qui., das 19h à 0h, sex. e sáb., das 17h à 0h, dom., das 12h às 16h.


67 | Let’s Go Bahia Novembro/2017


68 | Let’s Go Bahia Novembro/2017


69 | Let’s Go Bahia Novembro/2017


Vem Voando Que o Verão Já Está Chegando

ASSISTA O VIDEO goo.gl/sPmRrm

70 | Let’s Go Bahia Novembro/2017


Eita que esse ano a Sorveteria da Ribeir a decolou. Além da tradicional loja no Largo da Rib eira, o seu sorvete predileto agora também já está em outros bairros como o Imbuí, nos principais sho ppings da cidade e também no Aeroporto. Agora é só escolher a sua Sorveteria da Ribeira preferida e curtir o verão de Salvador. Vem voando.

Praça General Osório,

87 - Ribeira

AB ERT O TO DO S OS DI AS AM EN TO PAR A CLI EN TES ● ON ACI EST ● RES O SAB 60 ● Imbuí e Aeroporto. opping do

opping Barra, Silver Sh

Salvador Shopping, Sh

O DOS SHO PPI NGS HOR ÁRI O DE FUN CIO NAM ENT 71 | Let’s Go Bahia Novembro/2017


Sorveterias

Hambúrgueres

SORVETERIA DA RIBEIRA Sede: Rua da Penha, 87 – Ribeira, (71) 3316-5451. Salvador Shopping, 2º piso: Av. Tancredo Neves, 3133 – Caminho das Árvores. Silver Shopping do Imbuí: R. das Gaivotas, 120, Imbuí. Shopping Barra Piso L1: Av. Centenário, 2992, Chame-Chame Aeroporto: Praça Gago Coutinho, s/n, São Cristóvão.

à BURGER Av. Sabino Silva, 767, Lj 002, Jardim Apipema, (71) 3042-0717. De seg. a dom., das 18h à 0h. JAMM BURGERS Praça Caramuru, Rio Vermelho | Av. Octávio Mangabeira, 11881, Piatã, (71) 3233-2323. Seg., das 18h à 0h; ter. e qua., das 18h às 23h; qui., das 18h às 2h; sex., das 18h às 4h; sáb., das 16h às 4h; dom., das 16h à 0h.

23h45; sex. e sáb., das 18h à 1h.

FRUTOS DE GOIÁS Av. Manoel Dias da Silva, 1462, Pituba, (71) 3248-1000. De seg. a dom., das 9h às 19h. Rua Oswaldo Cruz, 222, Rio Vermelho, (71) 3043-3666. De seg. a qua., das 13h às 19h, de qui. a dom., das 13h às 22h.

PHILADELPHIA SUBS Av. Paulo VI, 1.573, Pituba, (71) 3018-9377. De seg. a qui. e dom, das 17h30 às 23h; sex. e sáb., 17h30 à 0h.

CONSULT. RICHARD JAMES www.chefrichardjames.com (71) 9 9919-3616.

SORVETERIA DA BARRA Residencial Expresso 2222, Nº 683, na Avenida Oceânica, (71) 21325999. De seg. a qua., das 11h às 19h; qui., das 10h às 20h; sex. e sáb., das 10h às 21h; dom., das 10h às 19h. A CUBANA Elevador Lacerda: Praça Tomé de Souza, (71) 3322-7000. De seg. a sáb., das 8h às 22h. Pelourinho: Rua Portas do Carmo, (71) 3321-6162. De seg. a sáb., das 9h30 às 23h. Pituba: Rua Pernambuco, Madison Plaza, (71) 3013-0304. De seg. a qui., das 9h às 21h30, sex. e sáb., das 9h às 22h, dom., das 11h às 22h. Rio Vermelho: Vila Caramuru, (71) 3486-7199. De dom. a qui., das 12h às 22h, sex. e sáb., das 12h à 1h.

BURGUILES Rua Amazonas, 644, Pituba, (71) 3561-2600. De seg. a dom., das 17h às 23h. MUU Av. Paulo VI, 1609, Pituba, (71) 3017-7710. De seg. a qui. e dom., das 17h40 às 23h; sex. e sáb., das 17h40 à 0h. THE REEF LOUNGE BURGER Rua Desembargador Polybio Mendes da Silva, 159, Loja 10, Jaguaribe, (71) 3565-6555. De dom. a qui., das 17h30 às 23h; sex. e sáb., das 17h30 às 0h30. BRAVO Rua das Hortênsias, 478, Pituba Alpha Mall: Av. Alphaville, Paralela, (71) 3022-6264. De seg. a qua. e dom., das 18h às 23h; qui., das 18h às 23h30; sex. e sáb., das 18h à 0h. RED BURGER N BAR Rua Alexandre Herculano, 45, Pituba, (71) 3351-0551. De dom. a qua., das 18h às 23h; qui., das 18h às

72 | Let’s Go Bahia Novembro/2017

BLACK PEPPER BURGER Av. Juracy Magalhães Júnior, 44, Loja 01, Candeal.

Serviços

BELO RÚSTICO Rua das Rosas, 528, Pituba, (71) 2132-7595. De seg. a sex., das 8h às 20h; sáb., das 8h às 18h. ALMACEN PEPE Av. Paulo VI, 1498, Pituba, (71) 3015-5100 e Av. Santa Luzia, 985, Horto Florestal, (71) 3356–2486. De seg. a sáb., das 7h às 21h; dom. e feriados, das 7 às 14h. TECNOFOOD Rua Djanira Maria Bastos, 2788, Lauro de Freitas-BA, (71) 3378-7186. BABETE loja.produtosbabette.com.br contato@produtosbabete.com.br (71) 3288-4836 QUALY GOURMET Rua das Ubaranas, 113, Amaralina, (71) 98669-4502 / 99941-9321. ACARAJÉ DA BAHIA Alameda Benevento, Pituba, (71)3353-0800 / acarajedabahia@ acarajedabahia.com.br acarajedabahia.com.br


Juntamos ingredientes premium para lhe oferecer uma experiência gastronômica singular. Trouxemos o premiado chef Manoel Coelho para deixar os nossos burgers cheios de personalidade com blends exclusivos de carnes Wessel, queijo cheddar importado da inglaterra, pães especiais e molhos artesanais. E, para dar mais água na boca, experiemente acompanhado com nossas batatas fritas, crocantes por fora e macias por dentro. Para finalizar, milkshake de chocolate orgânico Amma ou frutas vermelhas. Tudo isso servido num ambiente super descolado. Gostou? Então chega aí. 73 | Let’s Go Bahia Novembro/2017

R. Prof. Sabino Silva, 767, Lj002 - Jardim Apipema tel 71 3042.0617


74 | Let’s Go Bahia Novembro/2017


75 | Let’s Go Bahia Novembro/2017


a bola da vez Hamburguerias gourmet estão ganhando cada vez mais espaço nas ruas de Salvador TEXTO BRUNA CASTELO BRANCO IMAGEM DIVULGAÇÃO

76 | Let’s Go Bahia Novembro/2017


U

ma cultura gastronômica que cresceu nos Estados Unidos na segunda metade do século passado, as hamburguerias gourmet estão ganhando cada vez mais espaço nas ruas de Salvador. Túlio Alencar, proprietário da Muu Hamburgueria, uma das primeiras a chegar à cidade, acredita que essa crescente popularidade demonstra uma demanda já existente no mercado gastronômico baiano. “O hambúrguer já é um produto presente no hábito do consumidor baiano, seja através do fast-food, em casa ou em antigas hamburguerias, existe o hábito de se consumir o hambúrguer - diferente do temaki, que foi uma demanda criada, por exemplo. Outro fator seria o cenário econômico atual do país. O ticket médio de uma hamburgueria é mais baixo do que o de um restaurante de classe média. Então, sair para comer um hambúrguer se tornou uma opção mais em conta do que ir a outros estabelecimentos, como os de comida japonesa, por exemplo”, opina. Atualmente, há, em média, 60 casas - entre elas, restaurantes, hamburguerias e food trucks - que servem hambúrguer artesanal em Salvador. Para Rodrigo Dias, proprietário da à Burger, aberta em março deste ano, e Rafael Zacarias, da Bravo, inaugurada em 2015, a tendência é que, nos próximos anos, esses estabelecimentos passem por uma seleção natural. “Acho que, a princípio, Salvador comporta essa quantidade de hamburguerias, mas vai ser natural a gente começar a ver uma seleção, que vai acontecer logo. Às vezes, eu dou uma volta pelo bairro para ver como está o movimento e observo que alguns estabelecimentos, hamburguerias ou não, estão com o movimento baixo. Quem não tiver qualidade não vai ficar, não só em alimentação, como em outros serviços”, comenta Zacarias. Para Guilherme

Maciel, chef e proprietário da Burguiles, assim como aconteceu com o boom das temakerias, que depois de alguns anos de sucesso começou a cair, essa seleção feita pelo público vai mostrar quem veio com o objetivo de trazer produtos de qualidade. “Acredito que a metade não continua”, conclui.

Mais saúde, mais sabor Diferente da linha de produção das hamburguerias fast-food, que geralmente usam produtos industrializados e conservantes nos seus produtos, as hamburguerias artesanais, de acordo com Jamil Acruz, da Jamm Burgers, se tornaram uma opção mais saudável para o público consumidor. “Usamos ingredientes frescos e de ótima qualidade, sem conservantes. Toda a produção é feita diariamente”, relata. Além da qualidade dos itens usados nos pratos, outro fator que diferencia a produção artesanal da industrial é o sabor dos produtos ofertados. “Os

molhos caseiros são outro grande diferencial. A quantidade de opções de molho que o consumidor encontra hoje em Salvador é bem grande”, afirma Miguel Froes, da The Reef. Foi justamente o desejo da clientela por hambúrgueres de boa qualidade que fez com que os produtos mais vendidos na Philadelphia Subs, sanduicheria inspirada no paladar estadunidense, fossem os hambúrgueres. “Inauguramos em maio. Não somos exclusivamente uma hamburgueria, por achar que ficaríamos limitados a somente uma tribo, mas a força do hambúrguer nos fez servi-lo também, e hoje são os nossos campeões de venda”, confirma Tony Carahy, proprietário da casa. A variedade de sabores e cortes de carne nas hamburguerias artesanais é outro fator que atrai o público. Nos cardápios das casas há opções de costela, carne de fumeiro, carne de boi - permitindo que o cliente decida o ponto que prefere - e frango. Vegetarianos e veganos, público geralmente não contemplado pelas redes de fast-food, conseguem encontrar, em algumas das hamburguerias citadas 77 | Let’s Go Bahia Novembro/2017


(Ã Burger, Bravo, Jamm Burger, Muu Hamburgueria, Philadelphia Subs e The Reef) opções de hambúrguer de soja, grão-de-bico, cogumelos, beterraba, entre outros. A variedade de queijos também é destaque nos cardápios e, assim como todo o conjunto dos ingredientes, faz com que as hamburguerias gourmet vendam produtos mais caros do que os fast-food: as alternativas abrangem, muitas vezes, queijo minas, meia cura, gorgonzola, suíço, parmesão, cheddar, entre outros. Em viagem a Salvador, o apresentador e influenciador do mercado de luxo, Marcelo Sampaio, e o ator Nicholas Torres atestaram a qualidade de algumas hamburguerias locais. Depois de passar por diversas casas, a dupla paulista apaixonada pelo sanduíche aproveitou cada sabor provado na capital baiana. “Difícil falar qual o melhor, são todos incríveis e 78 | Let’s Go Bahia Novembro/2017

cada um com o seu toque gourmet e com o DNA do seu criador”, brincou Marcelo. Um dos primeiros ingredientes pensados na hora da criação de um novo hambúrguer é o pão. É preciso decidir, cuidadosamente, qual entre tantas opções combina com o corte e peso de carne escolhida. A Padaria Belo Rústico, do chef australiano Richard James, é a maior fornecedora de pão de hambúrguer de Salvador, chegando a vender 50 mil pães por semana. “Alguns têm texturas mais finas, outros ajudam a segurar melhor o molho, a manter a suculência da carne. A textura é muito importante. Também é preciso prestar atenção aos sabores. Os mais adocicados podem combinar melhor com recheios mais salgados ou agridoces”, explica James. Às vezes, os idealizadores dos cardápios das hamburguerias seguem pelo caminho

inverso: primeiro, eles planejam o sanduíche para depois, na Belo Rústico, com a ajuda de James, descobrir com qual pão ele harmoniza melhor. “Perguntamos quantas gramas tem a carne. Se tem 90 g, por exemplo, recomendamos um tipo, se tem 110 g, outro, sempre procurando um equilíbrio”. Dentre as opções da Belo Rústico, os mais pedidos pelas hamburguerias são o pão de batata, o australiano e o pão brioche. “Acredito que pela textura deles, são todos bem macios”, destaca James. Algumas hamburguerias, como a Bravo, encomendam pães exclusivos, criados pelo chef australiano. “Quando o pão combina com o hambúrguer, o sanduíche fica equilibrado e também muda o sabor. Cada elemento tem a sua importância dentro do prato”, conclui.


79 | Let’s Go Bahia Novembro/2017


Barbacoa

PUBLIEDITORIAL

Reconhecida pelos cortes selecionados de carne e pela qualidade dos pratos e do atendimento, a churrascaria à la carte Barbacoa Salvador é um dos locais mais desejados para se comer bem na capital baiana. Os tradicionais cortes, como o Prime Rib, Assado de Tira, Bife Ancho, Bife de Chorizo e Fraldinha, e até opções como a Costeleta de Cordeiro e Lombo de Javali compõem o menu que difunde o churrasco em mais cinco endereços no Brasil, além dos internacionais em Tóquio, Osaka e Milão.

No cardápio à la carte, diversas opções de grelhados, entre carnes, cordeiro, javali, peixes e ave, que são acompanhados de uma guarnição à escolha do cliente e acesso livre e individual ao Buffet de Saladas – um dos destaques da casa, com mais de 30 variedades. Fiel ao lema de ir “muito além da carne”, a casa também é responsável pelo tradicional e completo Buffet de Feijoada, servido todas as quartas e sábados, com direito a batidinhas e buffet livre e individual de saladas e de sobremesas pelo valor de R$ 69,90 por pessoa. Na Sexta do Peixe, que acontece toda sexta-feira, um variado buffet exclusivo de peixes e frutos do mar, com as opções do Bacalhau à Gomes de Sá e ao Forno, Badejo ao Molho Branco Gratinado, Peixe ao Molho de Camarão, Moqueca de Peixe, Sinfonia, Vatapá, Pirão e Caldo de Peixe. Esse menu inclui também o acesso ao buffet de saladas e de sobremesas por R$ 96,90 por pessoa. Para as opções de jantar, o restaurante oferece, além do cardápio habitual, o Menu Barbacoa Light, com

80 | Let’s Go Bahia Novembro/2017

cortes de grelhados que variam entre 200 e 250 gramas, acompanhados pelo buffet de saladas, uma guarnição e sobremesa, no valor individual de R$ 62,90. E para o almoço de domingo, o Menu Day Off – com couvert, buffet de saladas, um grelhado acompanhado de uma guarnição, e sobremesa, pelo valor fixo de R$ 96,90 por pessoa. Pensando no conforto e bem-estar de todos, inclusive dos pequenos, o Barbacoa oferece opções de menu infantil e o Espaço Kids, com brinquedos, games e jogos. Acompanhado por monitores, o espaço funciona aos sábados, domingos e feriados durante o período do almoço. O ambiente intimista e aconchegante do restaurante, aliado à variada carta de vinhos e drinks especiais, complementa a experiência gastronômica.

Serviço Avenida Tancredo Neves, 909, Caminho das Árvores. (71) 3342-4666. Segunda-feira a quinta-feira, das 11h30 às 16h e das 18h à 0h. Sexta-feira e sábado, das 11h30 à 0h, e domingo, das 11h30 às 17h. Manobrista: R$ 16


81 | Let’s Go Bahia Novembro/2017


Oliva Gourmet

PUBLIEDITORIAL

Ravioli de banana com fumeiro na manteiga de sálvia e castanhas, uma das muitas opções do buffet de massas

Chef Adrian Gongalez, formado na cozinha do Oliva Gourmet

I

nspirada nas receitas clássicas italianas, a casa é especializada em massas, buffet de saladas e rodízio de pizzas; são mais de 120 tipos de saladas, 50 massas, 40 opções de molho e 44 sabores de pizza que compõem o cardápio do Oliva Gourmet. Inaugurado em 2007, o restaurante, hoje comandado pelo chef Adrian Gonzalez, foi criado a partir da experiência e opinião de chefs da Itália, consultores especializados e gourmets de São Paulo e da Bahia.

Unidades

Em Salvador, o Oliva possui cinco endereços: Shopping Barra, Salva82 | Let’s Go Bahia Novembro/2017

FOTOS GENILSON COUTINHO

Serviço

dor Shopping, Shopping Paralela, Shopping Bela Vista e, mais recentemente, Shopping da Bahia. No restaurante, o cliente pode aproveitar o serviço de buffet livre (Shopping Bela Vista: de seg. a qui., R$ 39,90; de sex. a dom. e feriados, R$ 46,90; Shopping da Bahia, Salvador, Barra e Paralela: de seg. a qui., R$ 42,90; sex. a dom. e feriados, R$ 52,90), à la carte e, à noite, um rodízio de massas e pizzas (Shopping Bela Vista: de seg. a qui., R$ 34,90; de sex. a dom. e feriados, R$ 43,90; Shopping da Bahia, Salvador, Barra e Paralela: de seg. a qui., R$ 38,90; de sex. a dom. e feriados, R$ 43,90), em um ambiente que remete ao estilo das velhas cantinas italianas.

No Happy Hour do Oliva, que funciona de segunda a sexta, das 15h às 18h, o cliente pode pedir chopp e petiscos especiais por preços mais acessíveis. Shopping Barra: Espaço Barra Gourmet, Av. Centenário, 2992, Chame-Chame, (71) 3179-1858. De seg. a qui., das 11h30 às 23h; sex. e sáb., das 11h30 à 1h; dom. e feriados, das 12h às 23h. Salvador Shopping: Praça de Alimentação, Av. Tancredo Neves, 3133, Caminho das Árvores, (71) 30190201. De seg. a sáb., das 11h às 22h; dom. e feriados, das 12h às 21h. Shopping Paralela: Praça de Alimentação, Av. Luís Viana, 8544, Alphaville, (71) 3036-4007. De seg. a sáb., das 11h às 22h; dom. e feriados, das 12h às 21h. Shopping Bela Vista: Praça de Alimentação, Alameda Euvaldo Luz, 92, Horto Bela Vista, (71) 3432-0124. De seg. a sáb., das 11h às 22h; dom. e feriados, das 12h às 21h. Shopping da Bahia: Alameda Infantil, 3º Piso, Av. Tancredo Neves, 148, Caminho das Árvores, (71) 34500677. De seg. a sex., das 11h às 22h; sáb., dom. e feriados, das 12h às 21h.


SĂĄ Menezes - Design Studio

83 | Let’s Go Bahia Novembro/2017


Riqueza

Cultural

TEXTO DANIEL OLIVEIRA IMAGEM DIVULGAÇÃO

Além de respirar a história da Bahia, o Pelourinho é parte fundamental da biografia do país, do princípio da colonização portuguesa até hoje

N

o mundo inteiro, quando se fala em Salvador um dos primeiros lugares lembrados é o Pelourinho. Retratado no cinema em produções icônicas, como “O Pagador de Promessas”, dirigido por Anselmo Duarte, e “Ó Paí, Ó”, de Monique Gardenberg, é um dos espaços mais representativos da história e cultura da cidade. É cenário de inúmeras narrativas de Jorge Amado e inspiração para obras de Carybé. Todo esse acúmulo real e, ao mesmo tempo, imaginário é ainda hoje cultivado no cotidiano das suas praças, becos e ruas. A empresária Rita Brandão Dorotéia, dona de um café e loja de chocolates no Pelourinho, diz que o bairro histórico, ao passo que se transforma, mantém certas características do seu cotidiano que fazem parte das representações construídas sobre ele. “Até hoje vem gente aqui por conta do “O Pagador de Promessas”. E no dia a dia, principalmente nós que trabalhamos na noite, encontramos muitas Gabrielas, Donas Flor e seus dois maridos e o contrário também (risos). Ainda tem muito isso aqui, faz parte do que é o Pelourinho, da iden-

84 | Let’s Go Bahia Novembro/2017

tidade do lugar. É engraçado que o tempo passa, mas ele preserva as suas raízes”, diz, com bom humor e paixão pelo lugar. “Só vou para casa dormir”. Com fases distintas ao longo do tempo, o Pelourinho respira a história da Bahia. Mais do que isso, é parte fundamental da biografia do país, do princípio da colonização portuguesa até hoje. Já foi um espaço principalmente residencial, tanto de famílias nobres, até a década de 1940, e majoritariamente popular, até o início dos anos 1990, quando um projeto governamental orientado para a valorização turística reestruturou o local. De alguns anos para cá, consolidou-se, sobretudo, como um espaço comercial e de serviços, gastronômico e cultural. Shows, eventos e manifestações espontâneas acontecem por lá. Tem movimento de segunda a domingo. O bairro reúne casarões tombados, museus e igrejas com séculos de existência. No Largo Terreiro de Jesus, a imponente Catedral Basílica Primacial São Salvador, a Igreja de São Pedro dos Clérigos e a Igreja da Ordem Terceira de São Domingos, no Largo do Cruzeiro, a Igreja e o Convento de São Francisco chamam a

atenção pela beleza arquitetônica e por abrigar um enorme patrimônio histórico e também de arte sacra. Esse conjunto material somase e amalgama-se à riqueza cultural e simbólica da região. São edificações que preservam a memória histórica baiana e brasileira e atravessam os tempos. Agrupados formam o Centro Histórico de Salvador. Projetos como o Olodum, a Casa de Jorge Amado e o Projeto Axé são desenvolvidos no bairro. Além disso, a lista de museus é extensa: Museu Abelardo Rodrigues, Museu Tempostal, Museu de Azulejaria e Cerâmica, Museu da Cidade, entre outros. Já a Sorveteria Cubana e o Restaurante do SENAC, referência de comida baiana, fazem parte do roteiro gastronômico. Apesar de todos esses atrativos, recursos e virtudes, é crítica recorrente dos comerciantes a de que o soteropolitano, em geral, não frequenta o bairro. Por conta disso, eles acabam dependendo muito dos períodos de maior presença turística na cidade. Para Clarindo Silva, coordenador do projeto cultural Cantina da Lua e presidente da Associação dos Comerciantes do Pelourinho (Acope-


lô), o Pelourinho é um bairro que já teve muitos altos e baixos. “No período em que Paul Simon e Michael Jackson vieram gravar aqui, Mandela passou aqui também e o bairro era falado no mundo inteiro. De fato, ganhou visibilidade, houve um investimento pesado e a população da cidade frequentava mais o local”, afirma. Ele ressalta a importância de atrair a população de Salvador. Atualmente, o Pelourinho vive um momento de renovação, com investimentos tanto da prefeitura, com o projeto Pelourinho Dia e Noite, quanto do Governo do Estado, com programas na área da cultura, de acessibilidade e de segurança pública. “O Pelourinho é um dos lugares mais policiados da cidade, por exemplo. O baiano precisa se apropriar disso aqui e acabar com essa imagem de lugar inseguro”, diz. Recentemente, ocorreu a primeira edição da Festa Literária Internacional do Pelourinho, sucesso de público e com sarau de Maria Bethânia na Igreja de São Francisco durante a cerimônia de abertura do evento. Outras ações têm sido realizadas, como o Domingo Gastronômico, que integra o já citado projeto da prefeitura

O bairro reúne casarões tombados, museus e igrejas com séculos de existência, entre elas a Igreja e o Convento de São Francisco, que chamam a atenção pela beleza arquitetônica e por abrigar um enorme patrimônio histórico e também de arte sacra. Pelourinho Dia e Noite. Restaurantes variados estão envolvidos na iniciativa, que conta ainda com apresentações de orquestras e grupos percussivos da região durante a manhã. No bairro, a agenda cultural é ampla em todas as estações do ano. As opções regulares são diversas, para todos os gostos. Tem o Cine XIV, do circuito Sala de Arte, ensaios de bandas locais e shows de médio porte nas

praças, teatros e diversas instituições culturais funcionando. Os barzinhos e restaurantes também funcionam a todo vapor, assim como as lojas de joias, de artesanatos e as galerias de arte contemporânea. O bairro continua fervendo. “É uma cidade dentro da cidade”, fala Dorotéia, que concorda com Clarindo quanto à ausência dos moradores da cidade no bairro. “O soteropolitano precisa gostar do Pelourinho. Estamos tentando trazer as pessoas de volta. O mais importante para o Centro Histórico é ter as pessoas da terra aqui. Até quando um turista vem para cá, ele quer encontrar as pessoas daqui”. A paulistana Sônia Pereira, 45 anos, funcionária pública, é prova da vivacidade do Pelourinho. Em uma segunda-feira de outubro, ela fez um passeio com as amigas no bairro. Comeu moqueca de camarão e acarajé, conheceu a Casa do Olodum e ficou encantada com a experiência. Foi apenas a primeira vez, pretende voltar em breve. “A arquitetura é muita bonita, as pessoas são alegres. Os baianos têm sido muito receptivos. E a comida é maravilhosa!”. 85 | Let’s Go Bahia Novembro/2017


LIFE STYLE

Adriana Cravo Relações Públicas

Feito à mão: o berço do luxo! H

avia um tempo em que o luxo era disponível apenas para um mundo raríssimo e aristocrático. Estava diretamente relacionado a um estilo de vida que denotasse tradição, qualidade nos produtos e utensílios e experiências de compra cercadas por mimos. O mercado de luxo de hoje seria praticamente irreconhecível para os seus fundadores, pois era feito em pequenas quantidades e, na maioria das vezes, a pedido, para uma clientela extremamente limitada. Com o passar do tempo, esse pequeníssimo território se transformou em uma indústria gigantesca, administrada por corporações globais de multibilionários, voltadas para o crescimento do mercado. Um “giant business” em que a marca e a publicidade sobrepõem a aura da exclusividade e geram grandes lucros. Os bens artesanais foram praticamente extintos desse universo e quase toda a fabricação foi terceirizada para grandes fábricas em países asiáticos. Na contramão desse cenário corporativo, percebe-se um movimento slow hands. Designers, estilistas, chefs e mais um sem fim de profissionais que voltam ao berço do luxo, sem exatamente ter essa pretensão. Eles querem atender os clientes com produtos exclusivos e artesanais. A designer de sapatos Lane Marinho, baiana que tem arrancando suspiros com suas peças atemporais, cheias de classe e estilo incomum, mostra que a compra de impulso está fora de moda, um sapato feito apenas para você leva dois meses para ficar pronto e a vida

86 | Let’s Go Bahia Novembro/2017

para ser usado. A também designer Claudia Issa traz a cerâmica e o vidro para a mesa, decoração, unindo utilidade e beleza para um dia a dia cool e cosmopolita, como a própria. Produtos por encomenda via redes na sua Konsepta Design. Maria Paula Franco, aromaterapeuta da sua própria marca, a Alquimia, possibilita a criação de um perfume feito para você, com as notas e óleos essenciais que cuidem do seu astral e te deixem cheirosíssima! Na gastronomia, Bel Coelho, chef linda e estrelada, também apresenta a sua versão de luxo, em jantares que acontecem apenas uma vez ao mês, no disputadíssimo Clandestino, onde apenas 30 comensais desfrutam do menu absolutamente criado e harmonizado para a ocasião, com a presença da chef. Mais que tudo, essa tendência, além de nos fazer questionar “pelo que estamos pagando”, mostra mesmo que neste mundo onde as horas parecem voar, luxo é ter tempo para ver e viver a vida, simplesmente e com estilo!

@lanemarinho @konsepta_design @alquimiaporpaulafranco @belcoelho *Todas as profissionais vivem e atuam em São Paulo, mas atendem a todo o Brasil. Confira no Instagram. ** Para fazer reservas no Clandestino basta mandar e-mail para reservas@ clandestinorestaurante.com.br ou ligar para 11 93100-7700

Pop art As feiras de arte são hoje o novo destino para as pessoas que querem encontrar gente interessante e festas efervescentes. Concentram as novidades do mercado de arte de todo o mundo e ainda são garantia de uma boa conversa. Abaixo, o calendário das próximas feiras:

Miami Basel, uma das maiores feiras de arte das Américas, em Miami (EUA) – 07/12 a 10/12. Arco Madrid: Feria Internacional de Arte Contemporáneo, em Madri (Espanha) – 21/02 a 25/02.


The Armory Show, feira de arte, em Nova Iorque (EUA) – 08/03 a 11/03. Hong Kong Basel (Hong Kong) – 29/03 a 31/03.

IMS A história do Instituto Moreira Salles (IMS) tem forte ligação com a arquitetura. E no projeto do novo centro cultural, um concurso foi realizado em 2011 e o escritório Andrade Morettin Arquitetos foi o grande vencedor. Escolher entre arquitetos e projetos brasileiros foi um caminho natural para o IMS, que tem como propósito apoiar a cultura brasileira, de forma ampla. Quem visitar o belíssimo espaço será presenteado com a beleza do design contemporâneo, a presença de cinco mostras distintas, entre elas a célebre série “Os americanos”, do fotógrafo Robert Frank, e a premiada videoinstalação “The Clock”, de Christian Marclay. O espaço apresentará ao

Sá Menezes - Design Studio

público uma ampla programação de exposições, filmes, palestras, debates, cursos e shows, entre outros eventos. Aproveite para conhecer o Restaurante Balaio, do badalado chef Rodrigo Oliveira (Mocotó).

AXÉ BAHIA Axé Bahia: o poder da arte em uma metrópole afro-brasileira explora a identidade cultural distintiva da cidade de Salvador, a capital costeira do Estado brasileiro da Bahia e uma cidade-irmã de Los Angeles. Uma mostra que teve abertura no início de outubro e segue até janeiro no Museu Fowler, na UCLA (University of California, Los Angeles). “Esta exposição se baseia em décadas de pesquisa coletiva por muitos estudiosos que vivem em todo o mundo”, disse a diretora do Museu Fowler, Marla C. Berns. O acesso aos muitos artistas familiares que trabalham na Bahia hoje e a identificação daqueles que merecem reconhecimento fazem da mostra Axé Bahia uma oportunidade bem-sucedida e incomparável para examinar a importância cultural da cidade de Salvador. https://www.fowler.ucla.edu

87 | Let’s Go Bahia Novembro/2017


Conexão Bahia | Portugal

Bahia e Portugal:

uma conexão de cultura, história e negócios TEXTO DANIEL OLIVEIRA IMAGEM ROBERTO ABREU

S

ão muitos os aspectos que aproximam Brasil e Portugal. Entre os mais imediatos, história, cultura e língua. Nos últimos anos, mesmo com as crises econômicas vividas, primeiro em Portugal e depois no Brasil, as relações comerciais entre os países também foram intensificadas em alguns setores. A Bahia, além dos já citados fatores de convergência, possui uma vocação para o turismo. É um espaço central de conexão e empresários têm buscado desdobrar esse vínculo em negócios. O concierge empresarial Casildo Quintino, com vasta experiência no mercado nacional, realizou inicia-

tivas há cinco anos, em Minas Gerais, que estreitaram os laços econômicos entre o Brasil e o mercado comum europeu, através de Portugal. “O país se encontrava (por volta de 2012) em uma crise aguda e muitas oportunidades surgiram. Seja no mercado imobiliário, na avicultura, com pedras ornamentais, hotelaria ou alimentos. Em 2013, foquei nos encontros empresariais procurando demonstrar ao empresariado mineiro que a facilidade do idioma, a fácil adaptação ao clima, a rica gastronomia e a hospitalidade dos portugueses também poderiam ser fatores facilitadores e preponderantes”, conta.

Para Casildo Quintino, a energia limpa está entre os melhores setores para investimento na Bahia

88 | Let’s Go Bahia Novembro/2017

Oportunidades na Bahia Quintino planeja agora expandir esses negócios com mais intensidade na Bahia. Ele tem analisado o mercado para buscar os melhores setores para investimentos, mas já adianta que a energia limpa é uma área favorável. “A Bahia tem uma costa atlântica com boas oportunidades eólicas e solares”. Já o presidente da Câmara de Comércio Bahia-Portugal, Ricardo Galvão, conta que tem se reunido frequentemente com empresários baianos e portugueses para fortalecer, também junto ao Governo Estadual, os vínculos econômicos. Segundo ele, o fato de Salvador ter a Câmara contribui na divulgação das informações sobre linhas de crédito em Portugal e setores estratégicos que são apoiados pelo governo português. “Portugal é um dos mercados onde a atividade econômica se recupera, após a crise na Europa. Em 2016, o Produto Interno Bruto (PIB) português avançou 1,5%. Investidores brasileiros, interessados em se instalar no país como plataforma para a entrada na Europa, podem conseguir benefícios como crédito e trânsito livre pelo bloco. Há uma política portuguesa de atração de investimentos estrangeiros”, explica. A Câmara de Comércio tam-


“Hoje, temos empresários locais com vontade de levar para Portugal o melhor da comida baiana” Claudio Vinagre, consultor e sócio da empresa InvestMundi bém tem realizado eventos, como o VI Encontro de Negócios Bahia-Portugal - Um Futuro de Oportunidades, com o objetivo de discutir setores como o de metalmecânica, termoplásticos, imobiliário, cerâmica e construção, mas também gerar rodadas de negócios e aprofundar a ligação entre investidores. Na direção dos investimentos de Portugal para a Bahia, Galvão diz que, tradicionalmente, há um destaque da atuação de empresários portugueses no setor da hotelaria e do turismo. Além disso, o Estado importa do país europeu aparelhos de radiodifusão, compressores, peras e, claro, azeites e vinhos. Já a exportação baiana mais regular para o país ibérico se concentra em fibras, derivados de petróleo, manga e algodão.

De mudança para Portugal Milhares de brasileiros vivem atualmente em Portugal. A concentração maior é em Lisboa, a capital europeia mais requisitada do momento. O seu charme tem encantado personalidades do cinema, da música e da TV não apenas do Brasil. A cantora Madonna, o ator John Malkovich e a atriz Mo-

nica Bellucci, por exemplo, são alguns dos novos residentes da capital portuguesa. As atrizes brasileiras Giovanna Antonelli e Joana Balaguer seguiram o mesmo caminho, assim como o casal de músicos Marcelo Camelo e Mallu Magalhães. O mais recente relatório de imigração do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), de 2016, apresenta a informação de que cerca de 80 mil brasileiros vivem atualmente em Portugal. Na Bahia, o desejo de mudança ou, pelo menos, de ter uma segunda casa em Lisboa também tem crescido. Segundo Claudio Vinagre, sócio da empresa InvestMundi que oferece o serviço de consultoria de investimentos em Portugal para brasileiros, tanto a procura por vistos para estudantes quanto a validação de diplomas têm aumentado, assim também como os negócios em setores variados, a exemplo da gastronomia e do turismo. “Temos recebido muitas famílias querendo que seus filhos já comecem a estudar no país. Outros vistos também muito solicitados são o D2 para empreendedores. Hoje, temos empresários locais com vontade de levar para Portugal o melhor da comida baiana e o investimento imobiliário também é destaque”, conta.

O arquiteto e empresário Sidney Quintela é um dos entusiastas baianos desse processo. “Portugal vive um momento fantástico. Lisboa está entre as cinco melhores cidades para viver. Tudo culminou para que a capital esteja vivendo um momento mágico. Já levei muita gente para lá, investidores, pessoas que compraram casas e apartamentos. Acabo sendo um elo, uma espécie de bandeira de Portugal em Salvador e uma bandeira de Salvador em Portugal”, fala, com bom humor. Ele, atualmente, tem realizado empreendimentos, sobretudo imobiliários, de médio e alto padrão, e projetos comerciais, como clínicas de estética e lojas. Em 2017, Quintela já realizou três grandes projetos somente em Portugal, através do seu escritório europeu. Para o arquiteto, este é apenas o início de uma nova fase da relação dos brasileiros com o exterior. “Está ocorrendo certa migração de parte do público que tem casa nos Estados Unidos para Portugal. Isso por uma conjugação de fatores, incentivos fiscais e outras vantagens que o país traz. Portugal tem um clima ótimo, uma gastronomia fantástica, praias belíssimas, campo, cultura, história e também uma proximidade com outras capitais europeias”. 89 | Let’s Go Bahia Novembro/2017


Leaders Club

Conheça o programa de fidelidade da The Leading Hotels of the World

C

omposta por cerca de 375 hotéis em mais de 75 países, a Leading Hotels é uma coleção de hotéis de luxo incomuns. A associação tem como foco reunir hotéis que transmitam a essência de seu destino. Desta forma, proporciona aos seus clientes experiências autênticas em cada região que está presente, por meio de variados estilos de arquitetura e design e experiências culturais distintas, estimulando os viajantes curiosos que buscam uma próxima descoberta. Fundada em 1928 por um grupo de hoteleiros europeus influentes e com visão de futuro, a Leading Hotels se mantém no mercado há oito décadas, selecionando apenas os hotéis que atendem aos seus altos padrões de qualidade e distinção, resultando em um conjunto de propriedades unidas não por suas semelhanças, mas pelos detalhes que as tornam diferentes. Considerando a quantidade de hotéis que representam e o fato de que muitos passageiros confirmam um roteiro completo apenas com hotéis Leading, a associação oferece aos seus hóspedes um programa de benefícios chamado Leaders Club, com a intenção de oferecer ainda mais benefícios aos viajantes. Todo cliente Leaders Club é

90 | Let’s Go Bahia Novembro/2017

JOHN Q. SAMPLE 9999999 MEMBER SINCE 11

EXP 02/12

UNLIMITED O programa de benefícios opera JOHN Q. SAMPLE por adesão paga, como em um 9999999 clube exclusivo. Há duas categorias MEMBER SINCE 11 EXP 02/12 oferecidas: Access e Unlimited. O Leaders Club Access (US$150 ao ano) inclui aos associados o café da manhã continental para até duas pessoas, Wi-Fi durante a estada, preferência para early check-in/late check-out e upgrade de categoria – mediante a disponibilidade dos hotéis, e a cada 5 reservas adquire-se uma noite de cortesia para aplicar em um dos hotéis. Já o Leaders Club Unlimited (US$ 1.200 ao ano) adiciona todos os benefícios do Access combinados com mais vantagens, tais como: a noite de cortesia é adquirida a cada 4 estadas, o late check-out é garantido com antecedência até as 16h, o transfer do aeroporto para o hotel pode ser confirmado como cortesia em mais de 20 capitais ao redor do mundo e todo cliente Unlimited ganha três anuidades gratuitas na categoria Access para prestigiar a família ou amigos.

recepcionado com mimos exclusivos em cada hotel e tem acesso a diversas tarifas promocionais ao longo do ano. Parece irresistível? Com certeza, é! Então, que tal começar a planejar o seu próximo destino e embarcar para uma viagem com todos esses privilégios? Como as opções de roteiro são inúmeras, para facilitar o planejamento, a The Leading Hotels of the World disponibiliza todas as informações sobre as suas luxuosas propriedades em

seu site (www.lhw.com) e conta também com uma central de reservas no Brasil. SERVIÇO - Para saber mais sobre reservas e sobre o Leaders Club, entre em contato pelo telefone 0800 014 1819 ou 11 3171-4000 (Grande São Paulo). Acesse também: Facebook www.facebook.com/LeadingHotels e Instagram @leadinghotelsoftheworld #LHWtraveler.


SĂĄ Menezes - Design Studio

91 | Let’s Go Bahia Novembro/2017


Lusitano LUXO

Hotéis em Portugal oferecem glamour, conforto e sofisticação aos hóspedes que escolhem o país de Camões para desfrutar do seu turismo TEXTO ALEILE MOURA IMAGEM DIVULGAÇÃO

V

encedor do World Travel Awards, considerado o Oscar do turismo mundial, Portugal foi escolhido como o melhor destino da Europa em 2017. Não para menos, o país se destaca pela sua cultura, arquitetura, história, gastronomia e abriga, ainda, hotéis que oferecem sofisticação, glamour e luxo característicos de terras lusitanas. Àqueles que desejam desfrutar dos seus atrativos e degustar o melhor da sua gastronomia, há opções de turismo para todos os gostos: praia, serra, campo e cidade. Entretanto, lugares como Lisboa, Cascais, Sintra, Óbidos, Fátima e Porto não podem ficar fora do roteiro. Cascais, uma vila encantadora, localizada a, aproximadamente, 40 minutos de Lisboa, capital do país, é um destino surpreendente, com uma atmosfera de glamour e natureza plena. “Originalmente uma vila de pescadores, Cascais é, hoje, um dos lugares mais exclusivos de Portugal. Palácios, museus, restaurantes e um comércio fino e de qualidade completam a beleza do local”, afirma Dorothea Albuquerque, que esteve no local no último 92 | Let’s Go Bahia Novembro/2017

mês e hospedou-se no hotel com o esposo Ademar Albuquerque, presidente da Revista Let’s Go Bahia. Quem visitar a cidade, a reserva no Grande Real Villa Itália Hotel & Spa é garantia de uma estadia inesquecível. Banhado pelas praias de Cascais e com uma vista privilegiada para o mar, o hotel está a cinco minutos a pé da Vila de Cascais. “A caminhada é

muito agradável, com o mar à direita e palácios, mansões e jardins à esquerda. Impossível não se encantar”, descreve Dorothea. O Grande Real Villa Itália Hotel & Spa, que integra a Leading Hotels of the World, possui 124 quartos, 19 modernas salas de reuniões multifuncionais com capacidade para 400 pessoas, três restaurantes e

HISTÓRIA REAL - Além do glamour e da sofisticação que pairam no hotel, história e curiosidades também se fazem presentes. O prédio ao lado, dentro do terreno do hotel, que também hospeda os clientes, foi residência do Rei da Itália, durante a Segunda Guerra Mundial. O piso e os elementos decorativos dos quartos são de ébano, o que deixa um aroma muito agradável no ambiente. “Consta que o proprietário, já falecido, quando soube que o governo americano venderia toda a madeira – ébano – das docas em Nova Iorque, próximas às Torres Gêmeas destruídas por terroristas, resolveu comprar todo o lote dessa madeira e usá-la nessa histórica residência”, revela Ademar Albuquerque, que se diz encantado com o local. O proprietário, um homem modesto, mas de grande visão empresarial, faleceu em um acidente de automóvel poucos dias antes da inauguração. Segundo dizem, ele dirigia um famoso carro inglês, o Aston Martin.


dois bares, com destaque para o Bar La Terraza, especializado em cozinha mediterrânea; Bar Mare, onde são servidos snacks e refeições leves; Belvedere Ristorante, de cozinha italiana; e Restaurante Navegantes, na zona da piscina. “O Restaurante Belvedere, em

método terapêutico da talassoterapia, feito com a água aquecida extraída diretamente do mar. “O Real Spa Therapy proporciona uma experiência inigualável; um ambiente sofisticado, ideal para o relaxamento e o bem-estar”, conta Dorothea.

“O Real Spa Therapy proporciona uma experiência inigualável; um ambiente sofisticado, ideal para o relaxamento e o bem-estar” Dorothea Albuquerque

especial, instalado no último andar do prédio e com uma vista belíssima para o mar, é ideal para um jantar romântico”, destaca Ademar, enfatizando: “A recepção desse hotel é magnífica; a piscina é um lugar muito agradável para relaxar; os apartamentos são espaçosos, com varandas e espreguiçadeiras com vista para a piscina e para o mar”. O hotel dispõe também de um SPA com mais de 1 mil metros quadrados, inspirado nas termas romanas. Em plena harmonia com a natureza, a água do mar é a principal matéria-prima para a realização dos tratamentos e massagens, através do 93 | Let’s Go Bahia Novembro/2017


Monumento Nacional

94 | Let’s Go Bahia Novembro/2017

Senhora de um céu azul durante todo o ano, um inverno ameno e lindíssimas praias nos seus arredores, Lisboa é uma presença constante nas top lists das mais interessantes cida-

des europeias, estando entre os melhores destinos da Europa. “Não há quem não se apaixone por Lisboa”. Este é o sentimento do casal Ademar e Dorothea Albuquerque, que esteve na capital lusitana a convite do The Leading Hotels, quando conheceram e experimentaram, também, o Pestana Palace Hotel. Trata-se de um hotel de cinco estrelas integrado a um palácio do século XIX, que, juntamente com os seus jardins, que possuem mais de 300 espécies tropicais de plantas e árvores, conquistou a classificação de Monumento Nacional. Situado no topo de uma das numerosas colinas da capital, com grandes vistas sobre o Rio Tejo, o Palácio de Valle Flor, que abriga o hotel, é um dos mais belos edifícios palacianos da romântica cidade de Lisboa. “A estadia no Pestana nos proporcionou uma experiência única. Além dos serviços impecáveis, ao caminhar pelos


corredores, tínhamos a sensação de estar, realmente, em um palácio”, lembra Ademar. O Pestana Palace Lisboa possui 193 quartos, sendo quatro suítes reais com vista para o Rio Tejo ou para os amplos jardins, e salões ricos

em pormenores decorativos. Os aposentos privados dos marqueses foram transformados em espaçosas suítes, onde obras de arte adornam as paredes, complementadas por um elegante mobiliário de antiquários e luxuosos sofás. “No hotel, é possível ver traços de pintores famosos, como Carlos Reis, que executaram frascos, vitrais e outros elementos decorativos que incrementam a beleza do local”, destaca Ademar, que, como admirador de artes, não deixou passar despercebidos os detalhes da decoração. Localizado no bairro de Ajuda, próximo de Belém e dos principais monumentos e polos culturais da cidade – como o Padrão dos Descobrimentos, o Mosteiro dos Jerônimos, o Centro de Congressos e o Centro Cultural de Belém –, o hotel dispõe, ainda, de três restaurantes: Valle Flor, que oferece uma gastronomia portuguesa com essência palaciana e um menu rico em sabor, originalidade e história, que se transforma de acordo com a sazonalidade dos ingredientes; Bar Allegro, que propõe refeições leves e música ao vivo no final do dia, regadas a uma carta de excelentes cocktails, vinhos e champanhes; e Casa do Lago, em um pavilhão oriental com vista para a piscina, onde são servidas saborosas refeições durante os meses mais quentes.

Aninhado entre luxuosos jardins, o Pestana Palace Lisboa é um exemplo perfeito de uma transformação de um patrimônio histórico em um hotel moderno, em perfeita harmonia com suas características originais. A sua singularidade tornou o local o favorito de líderes internacionais, realeza e estrelas musicais, como o Príncipe Real e a Princesa da Espanha, o presidente Bill Clinton, Madonna e Prince, entre muitos outros. “O Pestana Palace oferece um serviço impecável em todos os lugares e a comida dos restaurantes é, simplesmente, fantástica. O hotel possui, ainda, diversos salões com o pé-direito altíssimo e decorados com extremo bom gosto, sem contar os seus jardins, que são monumentais. Quando lá estávamos, soubemos que a cantora Madonna estava hospedada em uma das quatro suítes”. Para os momentos de diversão e relaxamento, o Pestana Palace possui ambientes como a piscina exterior, rodeada de verde; o SPA & Health Club, que ganhou, recentemente, o prêmio de World Luxury Spa, ginásio, piscina interior, jacuzzi, sauna, banho turco e massagens. Tanto o Pestana Palace Lisboa Hotel quanto o Grande Real Villa Itália Hotel & Spa são membros da The Leading Hotels of the World, insígnia que os coloca entre os mais luxuosos e requintados hotéis de todo o mundo. Reservas: 55 11 3171 4000 (Grande São Paulo) e 0800 0141819 (demais regiões) www.lhw.com 95 | Let’s Go Bahia Novembro/2017


Entrevista

Ademar Albuquerque

“É da maior importância na vida da cidade e até mesmo do Estado uma publicação como a Let’s Go”

C

om o objetivo de falar de cultura, arte, gastronomia, turismo e moda, surgiu, há nove anos, a Revista Let’s Go Bahia. Desde o seu lançamento em 2008, ela vem passando por diversas transformações, tanto editoriais quanto de formato e, a partir desta edição, traz também temas como tecnologia, mercado financeiro e inovação, além de colunistas como Marcelo Sampaio e Claudia Giudice. Na presidência há cinco anos, o empresário Ademar Albuquerque optou por manter o estilo leve da publicação, priorizando a cultura local para revelar a Bahia, não somente para os baianos, mas para os brasileiros e o restante do mundo. Nesta entrevista, além de comentar as principais mudanças implementadas, o presidente da Let’s Go fala sobre a

96 | Let’s Go Bahia Novembro/2017

sua carreira internacional em bancos, a experiência de viver fora do Brasil, crise econômica e mercado financeiro. Confira a entrevista concedida à reporter Bruna Castelo Branco. De 2008 para cá, a Let’s Go passou por diversas transformações de formato. O que o leitor pode esperar deste novo lançamento? As transformações foram acontecendo naturalmente, em decorrência das muitas fases ocorridas nos nove anos de existência da revista, especialmente por diversas trocas nas equipes comerciais, de produção e também na composição societária da editora. Estou certo de que o leitor vai gostar da nova Let’s Go Bahia, pois as mudanças fo-

ram bastante significativas em quase todos os aspectos, buscando atender às necessidades do leitor hoje. Para você, qual é a importância de uma publicação como a Let’s Go no mercado editorial baiano e brasileiro? É da maior importância na vida da cidade e até mesmo do Estado uma publicação regional como a Let’s Go. A revista foi lançada em 2008 com outro nome, Go Where Bahia, totalmente inspirada na Go Where de São Paulo, bastante conhecida no meio editorial de lá e com todo o expertise de quase 20 anos, daí o grande sucesso que teve desde o seu início. A partir de 2010, por decisão dos sócios daquela época, o nome da revista foi substituído por


Let’s Go Bahia. Toda revista precisa de um período de maturação para se adequar às expectativas do leitor. Nós já tínhamos isso quando lançamos a revista aqui. A Let’s Go sempre foi apolítica, voltada para a divulgação do que a Bahia tem de bom e, diga-se de passagem, os atributos são inúmeros, que vão desde as belezas do Estado à simpatia contagiante do povo baiano. Sou fã daqui. Sempre divulgamos o que há de mais interessante nos diversos segmentos, tais como história, cultura, moda, arte, esporte, música e tudo o que desperta o interesse do povo baiano. É importante uma revista de lifestyle local, na qual o baiano possa se ver, com conteúdo e beleza. O que você, como presidente da Let’s Go, acha deste momento de renascimento da revista? Acho este momento do relançamento da revista dos mais importantes. Uma nova fase, um novo período de sucesso. Já vinha desejando isso há muito tempo, mas precisava de uma profissional altamente qualificada como Verônica Villas Boas, nossa diretora executiva, com a sinergia e o perfeito entrosamento que deve haver entre a administração, a área comercial e a de produção, contando ainda com a participação de Monique Melo que, com o seu talento, experiência, relacionamento e credibilidade, dispensa maiores comentários. A equipe é toda nova, tendo ficado apenas a nossa editora Aleile Moura, por quem tenho grande admiração e respeito profissional, e a nossa revisora Gabriela Ponce. Como começou a sua relação com a Bahia? Foi por acaso. Estávamos almoçando em São Paulo em um evento da Revista Go Where (o homenageado era o Roberto Justus), quando o dono da revista manifestou interesse para mim e mais três futuros sócios em abrir a

Go Where Bahia, pois já tinha tido uma boa experiência aqui. Como eu já estava aposentado e sempre gostei de diversificar minhas atividades, resolvi enfrentar o desafio (o que faço até

“Para absorver a cultura de um povo e seu país, é necessário vivenciá-lo no dia a dia. Estou escrevendo um livro autobiográfico em que conto em detalhes toda essa experiência, que foi muito rica em todos os sentidos” hoje). Foi formado então um grupo de cinco sócios mais o dono da Revista Go Where. Logo em seguida, em 2008, foram tomadas as providências para o início da operação em Salvador. Encantei-me pela cidade e pelos baianos. Como e quando foi a sua entrada no mercado financeiro? Você sempre soube que seguiria por esse caminho? Entrei no mercado financeiro também por acaso. Fui aprovado em cinco concursos, inclusive para o Banco do Brasil. Nessa época, eu morava no Rio de Janeiro. Fui para a entrevista no banco e a diretoria de Recursos Humanos me ofereceu diversos lugares no Brasil para começar a carreira, mas não me interessei por nenhum deles. Quando me levantava da cadeira para

ir embora, também por acaso, chegou o diretor e perguntou a quem me entrevistava qual havia sido a minha colocação no concurso. E aí ele respondeu: primeiro lugar (dentre os 30 mil que concorreram). Então, o diretor me perguntou se eu aceitaria iniciar a minha carreira no Rio de Janeiro. Aceitei na hora. Eu tinha apenas 21 anos de idade. Para alguém habituado ao mercado financeiro e à diretoria de grandes bancos, qual é a sensação de trabalhar com um veículo de comunicação? A diferença é muito grande, é como a água e o vinho. Não tem como comparar. Eu estava muito preparado para trabalhar no banco e não tinha conhecimento algum das complexas atividades de uma revista. Quais são os desafios em presidir uma publicação como esta? Enormes. Eu era apenas um entre cinco sócios. Acontece que os demais foram saindo e como a ideia era fechar a revista no final de 2012, resolvi aceitar o desafio e mantê-la. Enfrentando as dificuldades de um mercado editorial cada vez mais competitivo e difícil, posso afirmar que sobrevivi aos últimos anos e dei continuidade em minha missão em prol da Bahia, apesar de não ser baiano, nasci em Fonte Boa, no Amazonas. Você já morou em países de diferentes continentes do mundo. De 97 | Let’s Go Bahia Novembro/2017


Entrevista O HOMEM POR TRÁS DA REVISTA que forma essas experiências têm influenciado a sua vida, pessoal e profissionalmente?

Xá da Pérsia, país de cultura milenar e onde enriqueci a minha linda coleção de tapetes persas.

Morei em cinco países: Inglaterra (Londres), de 1970 a 1974, e depois, de 1980 a 1988, onde nasceu minha filha Ana Carolina. Suécia (Estocolmo), de 1974 a 1976, onde me casei com Maria Dorothea e nasceu Cláudia, minha primeira filha. Espanha (Madri), de 1976 a 1977. Irã (Teerã), de 1977 a 1978, e Cingapura (Cidade-Estado), de 1978 a 1980, onde nasceram meus filhos Carlos Gustavo e Eduardo. A experiência vivida em tantos países faz de você uma pessoa diferente, pois é natural a influência cultural que essas experiências têm sobre você, notadamente a europeia e a asiática. Viajei para quase todos os países, mas é uma experiência diferente. É como se você estivesse vendo um filme. Para absorver a cultura de um povo e seu país, é necessário vivenciá-lo no dia a dia. Estou escrevendo um livro autobiográfico em que conto em detalhes toda essa experiência, que foi muito rica em todos os sentidos. Com relação à questão profissional, foi também muito excitante e fascinante conhecer o modus operandi de tantos mercados com os mais incríveis fusos horários. Faria tudo de novo. De todos os lugares em que morou, qual deles mais marcou a sua trajetória profissional e pessoal? Qual deles te trouxe mais desafios na carreira?

Em decorrência de sua atuação no mercado financeiro internacional, como representante do Banco do Brasil em cinco países por 20 anos, houve o reconhecimento do governo brasileiro?

Sem dúvida, Londres, em primeiro lugar, seguido por Estocolmo, Cingapura, Madri e Teerã. Londres é o mercado financeiro mais sofisticado do mundo, a cidade mais civilizada que eu conheço. Foram felizes e intensos todos os dois períodos que passei lá. As décadas de 1970 e 1980 foram extremamente marcantes, houve muitos acontecimentos. Em Estocolmo, foi o primeiro posto onde fui representante Sênior, sem ninguém a quem reportar. Era também responsável por toda a 98 | Let’s Go Bahia Novembro/2017

“A atual crise econômica brasileira é muito grave, mas ela decorre principalmente de uma crise política sem precedentes” Escandinávia, que é uma região muito linda de países com culturas muito ricas, descendentes dos Vikings. Cingapura foi também muito interessante, pois há muitas histórias especiais vividas e que merecem ser contadas. Além de ter sido o meu primeiro contato com a cultura oriental e também o primeiro mercado financeiro off shore em que trabalhei; a experiência na Ásia foi um dos maiores desafios, pois eu era diretor regional da Ásia/ Pacífico, a maior do mundo em extensão territorial e populacional. A experiência em Madri foi muito boa; o banco já estava lá há algum tempo e não tive que começar do zero como nos outros países. O Teerã foi na época do

Sim. Não tenho como reclamar. O Banco do Brasil investiu bastante em mim durante todos aqueles anos no exterior, proporcionando a mim e a minha família o privilégio de uma experiência fascinante. Graças a essa experiência, quando estava em Londres fui convidado para ser presidente do maior banco inglês no Brasil, o Barclays Bank. Durante 14 anos, exerci essa função em São Paulo. Além de tudo isso, quando retornei ao Brasil, em 1988, fui condecorado pelo Ministério das Relações Exteriores (Itamaraty), pelo Ministério do Exército, da Marinha e da Aeronáutica e pelo Governo do meu querido Estado, o Amazonas. Dizem que por mais que uma pessoa viaje muito e tenha vivido em muitas cidades diferentes, sempre tem um lugar ao qual ela gostaria de retornar, seja a sua terra natal ou não. Você tem algum lugar assim? Sem dúvida, Londres é a cidade com a qual mais me identifiquei do ponto de vista pessoal, cultural e profissional. A famosa city londrina, onde funcionam mais de 500 bancos, tem apenas uma milha quadrada. Fazia todos os meus contatos a pé e era mais fácil para um brasileiro exercitar a famosa pontualidade britânica. Iniciei a minha carreira no exterior lá, quando tinha apenas 29 anos e tenho as melhores recordações. Comprava meus ingressos para concertos, teatros, ópera e


ballet com meses de antecedência (e, portanto, mais baratos) e nos fins de semana saía para conhecer o interior da Inglaterra, que é um dos mais lindos que conheço. Viajei bem por todo o Reino Unido, de norte a sul, de leste a oeste, principalmente a Escócia e o País de Gales. Saí para trabalhar em outros países aos 33 e quando retornei a Londres completei 40 anos e só saí de lá aos 48, quando voltei ao Brasil. Morava em uma casa vitoriana no bairro de Hampstead, cercada por um jardim florido e com árvores centenárias, onde eu Dorothea e nossos filhos dávamos de comer aos esquilos que vinham do parque. Só não moro lá por causa do clima e também porque gosto do Brasil e de ser brasileiro. Não sou daqueles que deixam o Brasil por causa da corrupção e má gestão de muitos políticos brasileiros. Temos que substituí-los. O Brasil é nosso!

tes também pelo governo mexicano e que se espalhou por toda a América Latina. Naquela época, quando o Ministro da Fazenda do Brasil chegou a Londres, vindo de Nova Iorque, foi revelado que as reservas brasileiras em dólar eram praticamente zero, foi pânico total. A partir daí, com a ajuda do Banco Central inglês, o Bank of England, todos os dias eu visitava bancos europeus e de outros países para levantar recursos para o Brasil poder pagar as suas obrigações mais elementares. Durante meses saía, virtualmente, de pires na mão, para levantar recursos da ordem de 20 a 50 milhões de dólares para creditar a conta do Tesouro brasileiro no Federal Reserve Bank nos Estados Unidos. Hoje, o Brasil dispõe de quase 400 bilhões de dólares em reservas, o que impede uma crise de liquidez como a de 1982 e dá garantias ao mercado financeiro internacional.

Como alguém que já trabalhou e vivenciou diversos momentos de crise na economia brasileira, como você, avalia a atual crise econômica do Brasil?

Fale sobre a história de como arrematou os documentos da Independência do Brasil de um colecionador alemão.

A atual crise econômica brasileira é muito grave, mas ela decorre principalmente de uma crise política sem precedentes. Nunca se teve conhecimento de tantos delitos e escândalos de corrupção, afetando os mais diversos poderes da República. É lamentável ver o Congresso Nacional atuando de forma a defender os seus próprios interesses e não o interesse do povo que o elegeu. Por essa razão a classe política está bastante desgastada em nosso país. É lamentável. O Brasil não merece isso. Para você, qual foi a pior crise econômica que o país já passou? A pior crise econômica do Brasil, sem sombra de dúvidas, foi a de 1982, quando foi decretada a moratória pelo governo brasileiro, medida tomada an-

Quando era gerente-geral do Banco do Brasil em Londres, na década de 1980, soubemos que um grande colecionador alemão colocaria em leilão, através da Sotheby’s, grande parte dos documentos da Independência do Brasil, inclusive as cartas manuscritas do Tiradentes. Levei o assunto ao conhecimento do governo brasileiro e fui incumbido de arrematá-los e, para isso, tive que montar uma estratégia, pois havia outras instituições brasileiras interessadas em adquiri-los. Estabeleceram para mim o limite de 10 mil libras, o que era um valor relativamente pequeno. Procurei convencer alguns dos interessados, alegando que esses documentos ficariam com o governo brasileiro. Finalmente, depois de alguns lances e muita tensão, consegui arrematá-los e o Banco do Brasil os doou ao Governo de Minas Gerais, para serem guardados em um de seus museus. 99 | Let’s Go Bahia Novembro/2017


Tecnologia 360 graus com até 40 câmeras simultâneas para eventos marcantes e alta repercussão nas redes sociais!

Selfie 360graus e backdrops para eventos corporativos, promocionais, esportivos e sociais

contato@360funworks.com 360funworks

+55 71 98803-6557 3367-6557


o s b e ã o S roteç , cor a s p o d i a búz es r s o o b d sa e

a i h a B

102 | Let’s Go Bahia Novembro/2017


A Revista Let’s Go Bahia chega ao seu 9º aniversário com um espírito ousado e inovador, refletido em sua nova marca: totalmente “fora da caixa”, que expressa, transmite e valoriza o seu novo conceito. Para marcar este momento, resolvemos presentear os nossos leitores com um editorial de moda cheio de novidades! Inspirados pelos encantos do Forte de Santo Antônio Além do Carmo, locação escolhida para este editorial, apresentamos nas próximas páginas a New Face Let’s Go Bahia, Thaís Brandão. Com uma beleza ímpar, essa baianinha de 16 anos, estudante do 2º ano do Ensino Médio, traduz exatamente o que buscamos para a Campanha New Face. Nas páginas a seguir, apresentamos uma coleção que homenageia a nossa Bahia, os seus encantos, os seus sabores, as suas cores e as suas crenças. Roupas e joias que traduzem a nossa terra, a nossa gente e o jeito todo especial de ser do baiano.

103 | Let’s Go Bahia Novembro/2017


104 | Let’s Go Bahia Novembro/2017


Vestindo a coleção Alto Verão 2018 da marca Thereza Priore e a coleção Búzios do renomado joalheiro Carlos Rodeiro, duas marcas genuinamente baianas e sinônimo de elegância e sucesso, Thaís foi clicada pelo olhar sensível do fotógrafo Roberto Abreu. A produção ficou por conta de Adriana Coutinho, profissional do Studio M, que conferiu à nossa modelo, um make up bronzeado e exuberante, inteiramente aderente à proposta dos looks montados pela stylist Adriana Regis. A coleção Thereza Priore vem com um mix de estamparias que faz parte do DNA de Adriana Régis e Daniel Monteiro (criadora e estilista da marca, respectivamente). Muitos vestidos, kaftans, saias e blusas, com grandes aplicações de flores, frutas e símbolos de proteção. Além disso, a mistura de renda e transparência se destaca com tecidos fluidos e também peças em dourado e prateado, que ganham versatilidade e podem ser usadas de diversas maneiras na estação.

105 | Let’s Go Bahia Novembro/2017


106 | Let’s Go Bahia Novembro/2017


Em total sintonia com os looks, a coleção Búzios, de Carlos Rodeiro, confere todo o requinte e charme que buscávamos arrematar com chave, literalmente, de ouro, em um editorial que vai marcar a nova era da Revista Let’s Go Bahia. Conhecido como um dos principais templos religiosos de Candomblé do país, o Terreiro do Gantois, na Bahia, inspira a coleção, que foi criada em 2014 e que nesse verão ganha novas peças. Nesta linha, búzios são colocados em joias, como verdadeiras pedras preciosas, além de ganharem versões em ouro de pulseiras, colares, chokers, gargantilhas, braceletes, brincos e anéis, oferecendo muita personalidade a quem os usa.

107 | Let’s Go Bahia Novembro/2017


108 | Let’s Go Bahia Novembro/2017


109 | Let’s Go Bahia Novembro/2017


110 | Let’s Go Bahia Novembro/2017


111 | Let’s Go Bahia Novembro/2017


112 | Let’s Go Bahia Novembro/2017


CAMPANHA NEW FACE

LET’S GO BAHIA

A partir desta edição, estaremos “de olho” em cada rostinho bonito da nossa cidade! Meninas e meninos, entre 16 e 20 anos, que queiram participar da campanha, só precisam seguir o nosso instagram (@revistaletsgobahiaoficial), postar uma foto marcando a revista e escrevendo: “Quero ser a nova New Face Let’s Go Bahia.

A cada edição, nosso Conselho escolherá um novo rosto para estrelar o nosso editorial de moda. Não é necessário ser modelo profissional. Basta ter intimidade com as câmeras e uma beleza bem baiana, diferente, “fora da caixa”, como a nossa revista! Boa sorte!

ROUPAS: Thereza Priore JOIAS: Carlos Rodeiro MAKE & HAIR: Adriana Coutinho (Studio M) STYLIST: Adriana Régis FOTÓGRAFO: Roberto Abreu DIREÇAO-GERAL: Verônica Villas Bôas 113 | Let’s Go Bahia Novembro/2017


Slow

Moda

fashion

Estilistas aderem a este conceito que agrega o respeito ao meio ambiente, a responsabilidade social e o consumo consciente e ético TEXTO ROBERTO PIRES IMAGEM DIVULGAÇÃO

A

MAURO ALMEIDA/DIV.

lternativa à indústria de moda massiva, o Slow Fashion é um conceito que agrega o respeito ao meio ambiente, a responsabilidade social e o consumo consciente e ético. Um bom exemplo vem da Inglaterra. Na última London Fashion Week Men’s, a contestadora designer inglesa Vivienne Westwood, de 76 anos, chamou a atenção da mídia com a mensagem: “Buy Less,

114 | Let’s Go Bahia Novembro/2017

Choose Well, Make It Last” (“Compre menos, escolha bem, faça o produto durar”). Sua coleção com o tema Circo apresentava garrafas de plástico recicladas como sapatos e latas de alumínio presas às calças, em uma campanha contra o desperdício da moda. Famosa por ter sido a criadora do visual punk na década de 1970, Vivienne se destaca hoje em dia também por seu posicionamento a favor da economia verde. Tornou-se uma das principais ativistas desse movimento. Por diversas vezes, ela já manifestou publicamente a sua preocupação com a situação do clima no planeta. A relação é diretamente proporcional: se consumirmos menos, reduziremos a quantidade de lixo no mundo. No Brasil, por exemplo, são geradas quase 80 milhões de toneladas de lixo por ano, e a reciclagem é de apenas 3%. Com isso, a economia brasileira perde cerca de R$ 120 bilhões por ano em produtos que poderiam ser reaproveitados, segundo os dados da Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (ABIMAQ). “Por ano, nos Estados Unidos, 11 milhões de toneladas de roupas vão para os lixões; e 80% delas não são biodegradáveis, levam de 200 a 250 anos na natureza”, diz Ursula Félix, estilista carioca que reside há quase seis anos nos Estados Unidos, depois de passar uma temporada fashionista na capital baiana. Luciana Galeão,

que mora em Salvador, também se incomoda com os números que colocam em risco o futuro dos terráqueos. Partidária da “desindustrialização”, a estilista baiana vem treinando comunidades e pessoal de universidade, como a FTC, por meio do curso Transformando Resíduos Recicláveis em Oportunidades. Ela conta que, nos últimos anos, desacelerou na produção para a sua marca e também na vida pessoal. O mesmo ocorreu com Ursula. Depois do choque com os números avassaladores, já morando em Nova Iorque, ela decidiu se reinventar e reduzir a velocidade estressante da elaboração de quatro coleções por ano (incluindo as intermediárias), como dita o mercado. “Tudo se torna descartável, vai quase contra o seu desejo de criador, de vivenciar a inspiração, coletar dados. A indústria fashion, hoje em dia, transforma todos em uns


“Sendo slow, estou mais saudável e feliz; a lucratividade é melhor” Luciana Galeão

soldadinhos que têm que se ajustar a uma agenda louca; e o conceito bonito de criar a sua moda vai se perdendo”, comenta. Foi então que ela deu um basta e resolveu recomeçar. A realização de figurinos para balé atiçou a sua criatividade e em seguida veio a criação do site Onepineapple.net, onde apresenta e comercializa as peças em estilo vintage reworked. Jaquetas jeans usadas são reaproveitadas e ganham bordados e aplicações de renda e outros elementos. Roupas antigas pinçadas no frutífero mercado vintage americano são desmontadas e se transformam em sofisticados patchworks. Ursula Felix pratica o handmade com sua base em uma boa modelagem, resultando em modelos únicos e atemporais. “A pessoa se sente especial e aquilo já vem com uma história e um trabalho artístico, 80% manual, quase demi-couture”, ressalta. Tudo o que ela cria é comercializado em seu ateliê e em mercados alternativos nos bairros nova-iorquinos Soho, Chelsea e Brooklyn, além do Brasil. Instalada no Centro Histórico de Salvador, Luciana Galeão coloca a sua assinatura em roupas femininas e em outros produtos que têm como marca registrada os mosaicos feitos com rebarbas de vinil. Um trabalho que se insere no âmbito da sustentabilidade, assim como a reciclagem de uniformes de operários, com os quais ela desenvolveu belos vestidos e mochilas. Os 20 anos da elogiada carreira – vestindo mulheres ricas e tendo destaque em araras de lojas chiques – são ainda marcados pela mudança de rumo. A estilista se voltou para o trabalho social, como o Projeto Axé. Luciana conta que, instintivamente, sempre praticou o reaproveitamento e, em 2010, começou a entrar em comunidades para fazer capacitação nessa área. Para a sua marca própria, agora ela fabrica apenas sob demanda vestidos especiais, incluindo os de noiva, bolsas, calçados, almofadas etc. “Sendo slow, estou mais saudável e feliz; a lucratividade é melhor”. 115 | Let’s Go Bahia Novembro/2017


Renata Rangel

Moda

Advogada, digital influencer e apaixonada por moda

Trend alert:

Xadrez Símbolo de sofisticação e modernidade, o xadrez é definitivamente a estampa do momento, nas suas mais diversas padronagens. O street style incorporou a tendência e as fashionistas usam e abusam das diversas formas e propostas de uso da estampa, com muita elegância e estilo, sendo que algumas mais conhecidas merecem destaque:

ficou popular no final dos anos 1950, quando Brigite Bardot usou um vestido com a estampa e desde então ela continua nos nossos guarda-roupas. Já pensou em apostar em um look “all vichy”? Fica incrível!

Pied de Poule

Príncipe de Gales

Ele foi o grande protagonista das últimas semanas de moda e, apesar de ser um clássico da alfaiataria masculina, ainda vai aparecer bastante nas próximas coleções de inverno com interpretações renovadas e estilosas.

FOTOS: BRUNA DINIZ/DIV.

Xadrez muito usado pela aristocracia britânica nos séculos IX e XX, mas eternizado no mundo da moda graças à francesa Coco Chanel, que o utilizou nos tailleurs de tweed criados a partir de peças do armário masculino, revolucionando o vestuário dos anos 1920.

Vichy

A estampa quadriculada que é a cara da estação; lembra as toalhas de mesa de piquenique norte-americano e garante um ar retrô, superfeminino e fresh. É a queridinha das pin-ups e

116 | Let’s Go Bahia Novembro/2017

Tartã

Padronagem nos tons de vermelho, verde, preto, amarelo e branco, que nos remete aos típicos kilts escoceses, com uma pegada college e superbacana. Que tal apostar na diversidade de shapes para inserir uma dessas tendências de uma vez por todas no seu guarda-roupa e arrasar nesta e nas próximas estações?


Summer hits:

Uma aposta que está nas passarelas de moda internacionais e que tem tudo a ver com o nosso verão são os acessórios em dourado, com destaque especial para as correntes: misture várias, de tamanhos e larguras diferentes, e imprima sofisticação e fashionismo ao seu look. Em Salvador, Carlos Rodeiro sabe fazer essa mistura como ninguém!

apostas para incrementar os seus looks nesse verão

FOTOS: DIVULGAÇÃO

MARIANNA CALMON/DIV.

As clutches da Serpui Marie trazem um trabalho autoral, feito à mão e totalmente exclusivo, com opções recheadas de bossa para enriquecer qualquer produção.

Beauty tips

Radiance Primer SPF 35, da Nars Com proteção solar e fórmula livre de óleo, esse primer garante vitalidade e brilho para a pele.

Glow Kit, da Anastasia Beverly Hills Paleta de iluminadores em quatro tons incríveis que podem ser utilizados separados ou misturados e combinam em diversos tons de pele! São os meus favoritos do momento!

Confira alguns produtinhos que eu testei, aprovei e que valem a pena ser inseridos na sua rotina de beleza:

Com diversos modelos exclusivos e também feitos à mão, a coleção de verão de Paula Torres está repleta de opções bacanas, sendo as rasteiras as grandes protagonistas: opções diversas de cores, materiais e uma infinidade de opções para deixar o look básico incrível.

Must-have Bathina, da Benefit: iluminador corporal que garante um glow reluzente e cintilante para a pele, com um leve brilho rosado, além de deixar um toque macio maravilhoso. Simplesmente demais!

Clássicas e atemporais, as pérolas são um símbolo de sofisticação que resistem às tendências de moda e se renovam a cada estação. Elas não se resumem às joias convencionais e podem ser encontradas por todos os lados: brincos, colares, botões, jaquetas, bordados, sandálias, bolsas e tudo o que a sua imaginação permitir. A sandália da Gucci com detalhes em pérolas é um caso de amor e uma aposta para garantir um ar sofisticado e elegante nos looks da estação.

117 | Let’s Go Bahia Novembro/2017


Patrícia Zanotti

Galeria do Luxo

Jornalista

Primavera Paixão de

Atualize a nécessaire, o closet e as joias com os lançamentos da estação mais colorida do ano!

Abeille Royale Black Bee Honey Balm – Guerlain

Instant Light Lip Comfort Oil, Candy – Clarins

Para a pele sensível e seca, o balm da Guerlain é supernutritivo, reparando a pele (rosto e corpo) com as propriedades da família e fragrância da Abeille Royale. www.guerlain.com

Textura fina e doce fragrância de cereja e framboesa envolvem os seus lábios tornando-os irresistíveis. Graças a um pigmento inteligente, a fórmula reage com o pH dos lábios, criando um rosa sob medida para um resultado natural e superbrilhante! SAC 0800 704 3440.

Le Secret Crossbody

Phyto-Touche Poudre Éclat Soleil Trio Pêche Dorée Sisley Paris

Duas tonalidades de bege para iluminar as peles claras. Um blush rosa coral para realçar o bronzeado. www.sisley-paris.com/pt-BR 118 | Let’s Go Bahia Novembro/2017

Em cada momento do dia, do nascer ao pôr-do-sol, a luz evolui para criar modos únicos capturados com criatividade através das deslumbrantes cores de gemas excepcionais, como safiras azuis e diamantes amarelos. www.montecristo.com.br

A Schutz mais uma vez pensou na mulher prática e cosmopolita para criar o seu novo lançamento. Intitulado “Cici”, o modelo de bolsa crossbody promete ser hit da estação por seu estilo minimalista, modelagem estruturada e formato. O lançamento está disponível por R$ 990,00 nas cores preta, azul claro, bege, rosa e verde militar. www.schutz. com.br

Beleza cênica

A mais nova coleção da Piaget é inspirada na beleza cênica da Costa Amalfitana – terra de fogo, vulcões, vistas azuis e paisagens texturizadas, banhadas por uma luz magnífica.

A Maison francesa Van Cleef & Arpels revela a sua nova coleção de alta joalheria “Le Secret”, repleta de encantamentos e surpresas. Inspirada pela história lúdica do Cupido, a Maison criou uma linha de joias que apresenta mensagens secretas, movimentos e transformações.

Red Carpet da LANÇA PERFUME inspirado em Cannes

Entre os destaques, há vestidos que resumem a paisagem local com florais dark revisitados. A linha explora os comprimentos longos, em alguns momentos com brilhos sutis e em outros com pedrarias. www. lancaperfume.com.br


119 | Let’s Go Bahia Novembro/2017


Beleza

Márcia Damasceno Empresária e relações públicas

Para pensar em

maquiagem, cabelo e estética Aqui você vai ficar por dentro das últimas tendências do mundo da beleza. Penteados estilosos, maquiagem arrasadoras, novos tratamentos de estética com dicas de profissionais conceituados. Não é à toa que a procura é cada vez maior por novidades, seja para rejuvenescer ou dar um up na silhueta. E não somente as mulheres se preocupam em manter uma aparência jovem, exibindo um rosto livre de rugas e flacidez e um corpo com medidas proporcionais; os homens hoje também investem na beleza, principalmente com métodos que diminuam a barriguinha, marcas faciais de acne, oleosidade e redução de medidas. Neste verão a maquiagem e penteado estão despojados. Para Dalmo Cavalcante, o beauty artist preferido das badaladas blogueiras Thássia Naves e Lalá Noleto, as makes estão mais ‘leves’ porém isso não quer dizer que estejam menos elaboradas, pelo contrário, pede menos exageros porém mais detalhes. A pele é o carro-chefe. Um bom primer ajuda a fechar os poros, alisar a pele e fixar a base. No dia a dia, em vez da base, você pode usar um protetor-base com cor para proteger a face dos danos solares. Passar o pó com a esponjinha ajuda a proteger ainda mais a pele (para o dia), mas evite o pó para as makes noturnas. Ele tira a luminosidade e viço da pele, deixando a maquiagem opaca e ‘antiquada’, podendo, ainda, ‘estourar’ sob os flashes, deixando aquele efeito fantasminha. Compre a base ideal para seu tipo de pele - para quem tem pele seca, não adianta usar base para pele oleosa; ressecará ainda mais. Sombras cremosas iluminadoras – aquelas de passar com o dedo mesmo - estão super em alta. 120 | Let’s Go Bahia Novembro/2017

Dê preferência àquelas com tons perolados, acobreados e com acabamento luminoso, metalizado. Nos cabelos, a ordem é também o mais natural possível, com aspecto de quem não foi ao salão. É seguir a tendência do faça você mesma dos Estados Unidos e Europa. “Escolha um babyliss mais bagunçado, sem precisar fazer uma escova perfeita antes; deixe cinco dedinhos de ponta lisa para ficar com “cara de praia”e faça um rabo desconectado e moderno”, sentencia.

Nova paleta Heat da Urban Decay só com tons rosês, bronzes e vermelhos

Protetor com cor para usar no lugar da base

Sombra metalizada para toda a pálpebra

Batom nude curinga


a idéia de água do mar. A pele super iluminada foi inspirada na luz do sol quando reflete sobre a face.E os super cílios postiços para dar um charme e realçar nos olhos da modelo. Para os cabelos apliquei a técnica “Beach waves” que imita as ondulações naturais, lembrando as ondas do mar e está sendo a mais procurada atualmente, explica. Iluminador líquido

Blush Orgasm, da NARS, que já tem iluminador

A produção do editorial de moda desta edição, assinada pela makeup e hairstylist Adriana Coutinho, seguiu a tendência da estação e foi inspirada em um clima tropical, em sintonia com os looks apresentados.

Dra. Daniela Barros é fisioterapeuta especializada em Dermato-Funcional, pós-graduada em Metabologia e Emagrecimento. Ela tem experiência e acredita no resultado do atendimento 360, que dispõe em um único espaço os mais modernos tratamentos para a pele e o corpo,com uma equipe multidisciplinar já que a mulher moderna precisa ganhar tempo e é focada no resultado. Aqui ela nos atualiza dos procedimentos estéticos mais procurados no momento e com resultados incríveis. ONDAS DE CHOQUE: Passar o verão sem celulite, poder usar aquele biquíni sem culpa. O sonho de toda mulher, não é? Sabe aquelas celulites ou aquela flacidez que já te acom-

Na maquiagem a aplicação do gloss incolor nos olhos e lábios transmitia

Dra. Daniela Barros

indolor é possível tratar de forma efetiva a celulite e flacidez. Os efeitos encontrados são: Antinflamatórios, estimulam fatores de crescimento e “Stemcells” (neoformação colágena, óssea e de vasos), sendo, neste caso, responsável por muitas respostas positivas no tratamento de celulite e flacidez tecidual. Após uma avaliação prévia, se determina a área que será tratada. Uma média de 5 a 10 sessões são realizadas para obter um resultado bem satisfatório. LSC DETOX: O método DETOX é a união de recursos de última geração com a perspicácia do profissional habilitado em detectar quais potenciais candidatos ao método que reduz peso e medidas em uma única aplicação. Aliado a um complexo de cosméticos estudados e desenvolvidos especificamente para o tratamento, em duas horas de aplicação se obtém resultados de melhoria do contorno corporal visível a nível fotográficos e pela fita métrica e comprovados pela balança, onde você pode eliminar até 1kg. Antes do procedimento é necessário passar por um preparo para receber o tratamento que abrange desde uma esfoliação corporal até o desbloqueio de pontos que ativam o metabolismo. Após essa preparação inicial é submetido a aplicação de ultrassom de alta potência com gel formulado, especificamente, para o tratamento e trazido do exterior. Esse procedimento dura 2 horas dependendo de cada caso e só pode ser aplicado uma vez por semana.

panham a um tempinho? Agora elas não têm mais vez. As ondas de choque é uma nova tecnologia que promete melhorar o aspecto da casca de laranja. É um tratamento novo e disponível em poucas clínicas em Salvador. Chama atenção pelos seus resultados surpreendentes; em poucas sessões e 121 | Let’s Go Bahia Novembro/2017


*Parte da bilheteria será destinada à APAE. Consulte regulamento e valores no local.

e c e r e m o h n i r a c e Ess mpartilhado. ser co

28.10 a 06.01

Apoio:

Chegou a hora de embarcar num m passeio mágico de trenzinho no Shopping Itaigara. Traga a criançada e boa viagem!


Decoração

Celebrate!

Let’s

As festas de fim de ano se aproximam e a vontade de comemorar vai ficando cada vez mais latente. Para aproveitar a ocasião com estilo e muita harmonia, convocamos quem entende do assunto para dar dicas preciosas de decoração e deixar esse momento ainda mais bonito. TEXTO ANDREA CASTRO IMAGEM ROBERTO ABREU E DIVULGAÇÃO

D

o tradicional ao moderno, as tendências mais cotadas da temporada para as festas de fim de ano indicam que a palavra de ordem é diversificar. Produzir objetos customizados, utilizar diferentes cores e estilos e, sobretudo, misturar tudo isso com sabedoria e equilíbrio é a proposta das especialistas que abriram os seus segredos para quem pretende arrasar na decoração de Natal e Réveillon. “A dica é tirar tudo do armário e utilizar cores clássicas como o dourado e o vermelho, combinadas com cores que trazem harmonia e alegria para a mesa. Misturar elementos naturais, como sementes, cravo, canela, com peças sofisticadas, como uma boa prataria ou uma louça fina, também é uma excelente opção”, garante Manuela Vilas Boas, empresária e designer de interiores. Segundo ela,

124 | Let’s Go Bahia Novembro/2017

essa é a hora de usar todos os objetos que ficam guardados para aquela ocasião especial que nunca chega. “O momento mais importante de nossas vidas

projetos natalinos, indica que temos duas tendências principais este ano. De um lado, um Natal muito sofisticado, utilizando as cores clássicas, vermelho e

é agora!”, defende.

dourado, com alguns toques de cristal. “As flores como as poisentias e as camélias aparecem nessas cores, assim como ramos

A designer e empresária Cecilia Dale, referência nacional em


Os objetos usados pela designer de interiores Manuela Vilas Boas podem ser encontrados na loja Camicado

e enfeites dourados. Nossa coleção Gold segue essa linha”, relata. De outro lado, há um apelo forte pelo uso dos elementos da natureza, inspirados em florestas e jardins. “A coleção English Ivy, com crianças brincando com os animais do jardim, vai nessa direção. Já a Forest Berries traz as florestas de pinheiros do Hemisfério Norte, onde as frutas vermelhas alimentam os ursos, raposas, esquilos e outros habitantes das montanhas”, explica a designer.

Customizar e reaproveitar! Utilizar a criatividade para transformar peças básicas em artigos sofisticados e inovadores é outra aposta nesse período em que ser chique é também uma questão de sustentabilidade. “As pessoas costumam usar o convencio-

nal na decoração de Natal. Mas essa é uma época maravilhosa para abusar da criatividade e fazer coisas diferentes, mesmo a partir de objetos básicos que já temos normalmente em nossas casas”, afirma Luciene Belfort, proprietária da loja de decoração Belfort Gift, localizada no Shopping Paseo e referência no segmento no Estado. De acordo com a digital influencer Juliana Bacelar, é possível customizar objetos que temos durante todo o ano para entrar no tema natalino, com estilo e criatividade. “Podemos usar um porta-velas, por exemplo, com nozes, amêndoas, frutas secas como damasco, que vai ficar charmoso e adequado à ocasião”, garante. Outra boa pedida é colocar elementos natalinos em peças de prata, como bandejas ou réchauds de tamanhos e formatos variados. Utilizar os guardanapos

com dobras feitas de forma especial para ficar com a cara do tema também é uma opção. Eles podem ganhar o formato de laço ou até mesmo de árvore de Natal. Os guardanapos utilizados em uma mesma mesa também podem misturar materiais, como tecidos e papéis de qualidade. “O de tecido seria utilizado no colo e o de papel para limpar a boca. Fica uma mistura que foge do comum e ainda inspira praticidade”, explica Luciene Belfort.

Vamos receber? Um dos maiores prazeres desse período é preparar a casa especialmente para convidar amigos e familiares, segundo a consultora Thais Sena, do site Vamos Receber. Para inspirar a celebração do Natal, Thais 125 | Let’s Go Bahia Novembro/2017


Decoração

decorou uma linda mesa em tons de verde, vinho e branco, reunindo flores, frutas e itens especiais para servir os diversos pratos de uma ceia farta e cheia de sabores. A louça escolhida foi a Bolotas, toda feita e pintada à mão, com desenhos em alto relevo dos pequenos frutos típicos da região do Alentejo. Para florir a mesa, foram usadas tulipas vermelhas, tulipas crespas em tons de verde e branco, rosas do jardim, orquídeas denphal verde e vinho, orquídeas cherry baby, alpínias, sementes de urtiga, folhas de cipreste e tuia. “Em datas nas quais celebramos prosperidade e as bênçãos conquistadas, devemos incluir nos arranjos frutas que simbolizam fartura e os momentos partilhados em volta de uma mesa posta. Para o Natal, amamos ameixas, romãs, physalis, uvas, lichia 126 | Let’s Go Bahia Novembro/2017

Isabella Suplicy”, destaca Thais, citando a sua parceira nesse trabalho. Para brindar, as profissionais mesclaram taças de cristal transparentes e verdes com lapidações que trazem luz à mesa. Em castiçais de prata, chocolates em formato de árvore de Natal. Um com textura de folhas naturais e outro com minirrosas confeitadas como as bolas decorativas natalinas. “Em ambas, não podiam faltar os laçarotes ao topo das árvores finalizados com azevinhos, plantas que simbolizam proteção”, ressaltou Thais.

Do profano ao religioso

e cerejas. Dando as boas-vindas à mesa, para cada convidado, colocamos ainda uma alcachofra de chocolate assinada por

O presépio é outro elemento importante na decoração e pode ser utilizado como um detalhe bastante valorizado, ou até mesmo como centro de mesa. Outro objeto que não deve ficar de fora em uma linda mesa natalina são os castiçais. Eles dão um toque de requinte, mesmo em mesas montadas com peças mais simples. Já as velas dão um brilho todo especial à ocasião. Para Manuela Vilas Boas, o uso de elementos religiosos na decoração não somente é possível como necessário.


“O presépio é uma dos itens mais importantes do Natal. Poucas pessoas o utilizam nos dias de hoje, mas essa peça, além de nos levar a uma viagem até o nascimento de Jesus, nos mostra a beleza do simples e da grandiosidade do amor em Cristo”, ressalta. De acordo com a designer Cecilia Dale, hoje, com os espaços compactos, pouca gente

consegue montar um presépio completo, com muitos personagens, mas sempre há um lugar de destaque para colocar a Sagrada Família - Maria, José e o menino Jesus - em um aparador ou na mesa lateral. “Fica moderno e elegante, além de trazer a religiosidade para o evento”.

Unindo o útil ao admirável Bonecos de neve, renas, gorro do Papai Noel, entre tantos objetos temáticos, também podem ser utilizados com outros itens decorativos ou funcionais, como bombonieres, suqueiras ou taças de vinho. Aliás, as taças são peças extremamente

versáteis. Podem ser usadas de cabeça para baixo, viradas para a mesa, com uma vela em cima e uma linda bola ou estrela de Natal do lado de dentro. Para os arranjos de flores, sejam naturais ou permanentes, uma opção que também promete agradar é a utilização

de maçãs-verdes ou vermelhas, dando um visual diferenciado. O arranjo pode ser feito no formato de uma pequena árvore de Natal e as frutas substituem as tradicionais bolas. Também é possível inserir uma iluminação que dará uma tonalidade toda especial à peça.

E por falar em cores... Vale ressaltar que a harmonia das cores é imprescindível na hora de montar uma mesa natalina. “Para quebrar um pouco o peso das cores mais fortes utilizadas tradicionalmente, que são o verde e o vermelho, é possível abusar do branco, gerando sutileza e leveza”, explica Belfort. Cecilia Dale destaca que o uso das cores deve ser feito com cautela. “As cores clássicas do Natal são vermelho, dourado, verde e branco, e não por acaso. Cada uma delas tem um significado, desenvolvido ao longo de gerações. Qualquer combinação dessas cores vale. Mas pode complicar se a pessoa resolver colocar outras cores. Não se deve exagerar para não virar um Carnaval”, alerta. A designer Manuela Vilas Boas prefere diversificar um pouco e faz isso com maestria. “Adoro o azul, combinado com cores clássicas como o dourado e o vermelho. O azul é uma cor que transmite tranquilidade e harmonia, que é que o deseja127 | Let’s Go Bahia Novembro/2017


Decoração

mos nas festas de fim de ano. Além disso, é uma cor que traz muita elegância e deixa o ambiente acolhedor”, garante. Para quem quiser aproveitar a decoração de Natal para o fim do ano, Cecilia Dale sugere usar enfeites e arranjos com muito dourado e cristal. “Simbolizam muita luz e a presença do divino na vida das pessoas, e generosidade. Além disso, combinam muito com o branco que todos costumam usar”, constata. Porém algumas cores também não ficam para trás. “O branco domina no Réveillon, por ser a cor da paz, um desejo de todos nós. Mas adoro decorar minhas mesas com toques náuticos”, revela Manuela Vilas Boas. Cordas enroladas, com velas entre elas, e búzios de vários formatos dentro de vasos transparentes ou espalhados pela mesa são indicados. Manuela defende ainda o charme de um toque místico. “A dica é usar uma gamela de madeira enorme no meio da mesa com sal grosso, alho e canela ou, para uma mesa sofisticada, colocar isso tudo em cachepot de prata. E as velas no Réveillon são muito bemvindas, tanto nas mesas quanto espalhadas pelo chão, em mesinhas e peças”, destaca. 128 | Let’s Go Bahia Novembro/2017

Como coração de mãe Reunir amigos e familiares é o maior propósito das celebrações. Para isso, é importante também ter em mente a disposição do espaço, para que todos possam aproveitar a festa. Aqueles que possuem uma família grande ou muito amigos não querem deixar ninguém de fora e precisam enfrentar o desafio de um ambiente mais compacto, vale a pena priorizar a arrumação dos objetos de uma forma um pouco mais estratégica. Se não tem espaço para colocar tudo na mesa principal, vale usar aparadores ou mesas de canto para dar um suporte com as louças e com as refeições. E como noite de Natal sem criança não tem o mesmo brilho, os pequenos são os mais lembrados na hora de organizar a festa. “Montar árvores com brinquedos é uma delícia. Além

disso, fazer uma mesa bem lúdica, com jogos americanos e porta-guardanapos de Papai Noel, a deixa linda e divertida”, declara Manuela Vilas Boas. Outra boa opção é enfeitar árvores e mesas com cartões com os nomes dos convidados ou menus em papel com motivos natalinos, dando um caráter ainda mais personalizado à decoração. “A fantasia nessa época é fundamental. Vale a pena escrever juntos uma cartinha para o Papai Noel e colocá-la na janela com um copo de leite e biscoitos para o bom velhinho, por exemplo. No dia seguinte, quando o leite desaparecer e os biscoitos estiverem mordidos, os olhinhos dos pequeninos brilharão!”, garante Cecilia Dale. Seja lá qual for o estilo e o tamanho do seu evento, o importante mesmo é entrar no clima de celebração com pessoas queridas e a beleza do espírito natalino. Boas Festas!


Turismo

A Bahia é um dos 10 roteiros

top de turismo em 2018 TEXTO SIMONE RIBEIRO IMAGEM DIVULGAÇÃO

V

inte de outubro de 2017, em Salvador. Na Arena Fonte Nova, um show inédito, Paul McCartney. Nos vagões do metrô da CCR, normalmente ocupados por trabalhadores, estudantes e donas de casa, uma população não menos rara: baianos que vieram do interior do Estado ou deixaram seus dirigíveis estacionados em um shopping e pegaram o caminho mais rápido para o grande evento. O mesmo que fizeram outros fãs, vindos do Nordeste, de Minas Gerais e Espírito Santo. Procuravam praticidade. Uma realidade nova, que chamou a atenção de quem, todo ano, está de olho no turismo global. É o caso da equipe do respeitado guia de viagens Lonely Planet, que anualmente divulga a série Best Travel 2018 (O Melhor Para 2018) - países, cidades e regiões. Atrás do frio Alaska (EUA) e dos Alpes Julianos (Eslovênia), a Bahia aparece em nono lugar entre as 10 regiões no mundo a serem 132 | Let’s Go Bahia Novembro/2017

conhecidas em 2018. Nada mal, não? Segundo os autores que assinam a série Best Travel 2018 – escritores, blogueiros e editores de diferentes nacionalidades –, “a Bahia sempre foi muito admirada”. E as reverências, de acordo com os especialistas em cavar destinos, experiências e tendências, continuam: “praias de areia branca e águas cristalinas, ilhas cercadas por recifes de corais, plantações ricas em cacau e o Parque Nacional da Chapada Diamantina, famoso por suas cachoeiras”. Mas por que visitar a terra de João Ubaldo, Caetano Veloso, Ivete Sangalo, Mãe Menininha e Dorival Caymmi justo agora? Eles então justificam com a maior elegância e sobriedade: “... as diversões naturais da Bahia, de repente, se tornaram mais acessíveis aos turistas, graças à modernização que Salvador – uma cidade colonial portuguesa que também serve de capital para o Estado – recebeu após ser escolhida como uma das cida-

des-sede da Copa do Mundo de 2014. Nunca houve uma época melhor, ou mais fácil, para explorar a terra natal da cultura afro-brasileira”. All right! Para o superintendente da Bahiatursa, Diogo Medrado, a notícia da eleição do guia inglês foi “excelente e justa, dado o número de opções em serviços, destinos e segmentos turísticos que a Bahia oferece”. E não somente a beleza litorânea de mais de mil quilômetros de praias e regiões montanhosas com rios, cachoeiras e lagos são lembradas pelo gestor para quem aprecia dias de folga e tranquilidade no território baiano. “O Estado esbanja diversidade cultural e uma rica gastronomia conhecida no mundo todo. Além da arquitetura barroca/ colonial de cidades históricas como Salvador e Cachoeira, destaco ainda a Baía de Todos-os-Santos, a maior do Brasil. As celebrações religiosas, sejam católicas ou de matriz africana, as festas populares, o Carnaval e o São João


– tudo isso assume características próprias nesse verdadeiro caldeirão cultural que é a Bahia”, diz. Em 2017, pontua Medrado, a Bahiatursa participou ativamente de feiras e eventos turísticos no Brasil e no exterior juntamente com o trade local com o objetivo de capacitar operadores, agentes de viagens, jornalistas e demais profissionais do setor para que possam vender mais e melhor a Bahia. Em 2015, a série Best Travel do Guia Lonely Planet esqueceu o Brasil. Em 2016, ano de Olimpíadas, o país recebeu uma menção no tópico regiões: a nona posição foi dada à Costa Verde, litoral que pega os Estados do Rio e de São Paulo. Na opinião de Melissa Leite, editora da Lonely Planet no Brasil, em 2017, a vitória da Bahia foi “merecida”. Ela, que está à frente do guia Descubra o Nordeste, a mais nova aposta da parceria Lonely Planet/Globo Livros para destinos nacionais, adianta que a publicação sairá até o fim do ano, e dá destaque para a Chapada Diamantina; a belíssima Praia do Espelho; as vilas de pescadores de Caraíva, Caravelas e Barra Grande; além de várias atrações em Salvador. Das cinco melhores pousadas ecológicas eleitas pelo guia, explica Melissa, quatro ficam na Bahia. O guia também classifica como inesquecível o passeio de barco pela Ilha de Tinharé, com paradas nos vilarejos e nos recifes de corais, e também indica a trilha no Ecoparque de Una como uma ótima aventura ecológica no Estado. Jorge Amado, que gostava de enaltecer a Bahia – e principalmente Salvador – por seus encantos, dizia que “escorre o mistério sobre a cidade como um óleo”. Tradição e modernidade, aqui, andam juntas e de mãos dadas. E em roteiros não muito distantes, como é o caso do Recôncavo, uma região ainda pouco conhecida, mas que encanta pela sua história. Um exemplo de riqueza cultural e natural é a Fazenda Engenho D’Água, em São Francisco do Conde, a menos de 100 km de Salvador. Antigo quintal da in-

fância do veterinário e administrador Mario Ribeiro, hoje seu proprietário, ela está aberta à visitação para o turismo histórico e para os interessados em festas, confraternizações, casamentos e um fim de semana a dois ou em família.

Destaques da Bahia na série “Descubra o Nordeste”

de percussão batucando ritmos poderosos durante o dia em um cenário colonial de tirar o fôlego”.

Parque Nacional da Chapada Diamantina “Um pedaço intocado da natureza com cascatas, piscinas naturais e inúmeras trilhas, a Chapada Diamantina é muito bem preservada e fora do circuito turístico. É uma das poucas atrações turísticas no interior do Estado da Bahia que rivalizam com o disputado litoral repleto de belas praias. Aqueles que exploram o parque, seja em excursões a partir de Lençóis ou no roteiro combinado com um guia local, elegem

Gruta Azul, na Chapada Diamantina

Salvador “A cidade tem uma energia e uma beleza colorida com as quais poucas cidades do mundo podem competir. Antiga capital do Brasil Colônia, seu centro histórico é um museu vivo da arquitetura colonial, com muitas igrejas repletas de ouro dos séculos 17 e 18. Mais importante: festas animadas acontecem o tempo todo, com grupos

a Chapada como uma das melhores experiências de viagem pelo Brasil”.

Boipeba e Morro de São Paulo “A região é uma joia tropical baiana, com trilhas na areia, águas calmas e claras, morros cobertos com vegetação intocada, manguezais e noites à luz de

133 | Let’s Go Bahia Novembro/2017


Turismo

Praia do Forte “Amada pelos turistas, a luxuosa Praia do Forte é lotada de lojas e restaurantes estilosos. Sua rua principal, a Alameda do Sol, leva a uma igrejinha bem interessante, ao centro de preservação de tartarugas marinhas do Projeto Tamar e a praias fantásticas, cheias de coqueiros e com areia branquinha. Programe a sua visita para a lua cheia e ande pela praia durante o pôr-do-sol, quando as águas do Rio Timeantube se tornam vermelhas e a lua se ergue sobre o mar”.

Praia do Espelho, a cerca de 5 km de Caraíva REPRODUÇÃO/COMMONS WIKIMÉDIA VIA GABRIEL CASTALDINI

velas. Outro atrativo para o turista em busca de paz e sossego é que tudo se move em um ritmo lento, já que carros são proibidos de circular por ali. Durante a alta temporada, os vilarejos se agitam, com muita dança e música na areia”.

Apenas a Ilha de Santa Bárbara tem algumas construções, incluindo um farol de 1861”.

na estridente, as ruas são calmas e até tediosas durante o dia, já que a cidade toda está de ressaca depois das festas”.

Abrolhos

Porto Seguro

Caraíva

“Abrolhos cobre uma área de 913 km², incluindo recifes famosos pela variedade de cores e um arquipélago de cinco ilhas que Charles Darwin visitou, em 1832, a bordo do HMS Beagle. Hoje, os principais moradores do arquipélago são aves migratórias e as baleias Jubarte (de junho a outubro), que vão descansar e dar à luz no local.

“Porto Seguro tem grande significado histórico: foi lá onde os portugueses aportaram pela primeira vez no Brasil. Mas tirando o pequeno centro histórico e as casas coloniais, a cidade é mais rústica que muitas outras na Bahia – não que as multidões de turistas, que vão pelo agito praiano e a vida noturna, se importem. Devido à vida notur-

“Há muito, esse belo vilarejo atrai hippies e também aqueles em busca de sossego. Os moradores dizem que Caraíva se parece com Trancoso de algumas décadas atrás. Quedas de energia são comuns – geradores barulhentos iluminam as lojas e restaurantes e, o mais importante, mantêm o forró a toda na sexta-feira à noite”. TOMAS KOTOUC/SHUTTERSTOCK .COM

134 | Let’s Go Bahia Novembro/2017


Turismo

Momentos

marcantes

Grupo Tivoli investe em melhoria da infraestrutura e do atendimento TEXTO BRUNA CASTELO BRANCO IMAGEM DIVULGAÇÃO

S

ol, mar, uma cadeira confortável e uma bebida refrescante. Este costuma ser o pacote preferido pelos turistas que procuram o litoral da Bahia, levando o mercado hoteleiro a investir mais no turismo de lazer nessa região. Para se diferenciar nesse tipo de negócio, é fundamental manter-se em constantes mudanças e investir em qualidade. Apostando na inovação, o grupo Tivoli Hotels & Resorts se destaca na região por oferecer ao hóspede uma experiência ampliada, que une todos os prazeres em um único lugar. Com 10 hotéis em Portugal e dois no Brasil, a rede de hospedagens segue uma filosofia que busca estar sempre à frente do pensamento dos clientes, a Experience More, explica João Eça, diretor do Tivoli Ecoresort Praia do Forte. “Todo o nosso trabalho é voltado para que o cliente tenha uma experiência extraordinária dentro hotel. Por isso, buscamos uma constante melhoria do nosso produto, da qualidade do atendimento e das opções de lazer e gastronomia”, comenta.

138 | Let’s Go Bahia Novembro/2017

Programas musicais Em busca de superar as expectativas, o Tivoli Ecoresort Praia do Forte lançou um conjunto de novos serviços, como o Tivoli Dream Night, um jantar de gala ao som de uma estrela da música internacional. Em 2018, o evento acontecerá no dia 10 de março e vai trazer para a Bahia o cantor norte-americano Michael Bolton. “Será um final de semana exclusivo para os hóspedes em que o momento alto é o jantar à luz das estrelas nos jardins do hotel, com o show no final”. O programa é oferecido em pacotes de duas ou três noites. “Esperamos fazer melhor do que fizemos no ano passado, na primeira edição, com Dionne Warwick”. Além do Dream Night, há

também o Tivoli com Música, um programa cultural que leva artistas baianos ao palco do hotel. “Estamos com o plano de fazer, ao menos, quatro ou cinco eventos musicais ao longo do ano”. Para dar suporte a tantos shows, o Espaço Tivoli foi criado em uma tenda com capacidade para 1.500 pessoas. “Nesse espaço, pretendemos fazer shows que possam estar abertos também ao público de fora. Foi lá que recebemos The Platters, que fez bastante sucesso”, lembra Eça. As atrações e programas oferecidos pelo hotel refletem o crescimento dos resorts de lazer no Litoral Norte da Bahia. “Do ponto de vista do chamado turismo de negócios e turismo de cidades, a situação piorou muito nos últimos anos em Salvador. Aqui, no Litoral Norte, a nível nacional, nós estamos fazendo um bom tra-


balho. Mas, tratando de lazer, nos falta mercado internacional, que é muito importante para preencher os períodos de baixa temporada, das férias brasileiras”. De acordo com o diretor, a instabilidade econômica que o país vem atravessando nos últimos anos é um dos fatores que têm levado à queda de hóspedes estrangeiros. “Mas se deve, sobretudo, à falta de voos internacionais em Salvador. Prejudica muito a sustentabilidade dos resorts”, afirma.

internacional mais elaborada. Os hóspedes também podem pedir petiscos e bebidas em um dos 170 quiosques espalhados pela área.

Negócio sustentável

Inovação A fim de superar as dificuldades, o grupo trabalhou para trazer novos clientes e reafirmar o seu produto a partir da melhoria da infraestrutura e do atendimento. “A gente não se contenta em fazer bem, a gente quer fazer cada vez mais. Sempre olhamos para frente para ver o que vem a seguir”. Uma das principais características do hotel é nunca parar de fazer reformas. “Tem sido uma das grandes linhas que nós estrategicamente inserimos alguns anos atrás. Todos os anos, o hotel tem sofrido intervenções em sua estrutura”. Entre as mudanças, houve a finalização de um novo parque de piscinas em 2016 e, neste ano, as quadras de tênis e os jardins do hotel foram renovados, os isolamentos dos tetos de alguns quartos foram reformados, os geradores que eram antigos foram substituídos e foi instalado um novo sistema de manutenção e combate a incêndios automatizado. Além disso, os banheiros das alas públicas foram reformados e três novas salas pequenas para eventos foram construídas. Outro pilar fundamental que constrói a Experience More está na variedade gastronômica que o Tivoli Ecoresort Praia do Forte oferece. O hotel inclui em sua diária café da manhã e jantar e, nos dois momentos, apresenta mais de 140 itens diferentes em seu buffet, que é dividido em quatro estações diferentes. “Temos

“A gente não se contenta em fazer bem, a gente quer fazer cada vez mais. Sempre olhamos para frente para ver o que vem a seguir” João Eça, diretor do Tivoli Ecoresort Praia do Forte uma estação de cozinha ao vivo que prepara os frutos do mar na frente do cliente. Temos uma estação de carnes, uma para as massas e uma para as sobremesas. Confeccionamos todos os dias uma sobremesa diferente”, conta. Para além dos buffets de café da manhã e jantar, o resort possui três restaurantes de almoço, todos à la carte, com opções que variam de comida baiana e regional até uma cozinha

A preferência pelos fornecedores locais, assim como a presença de moradores da região em 70% da mão de obra do resort, revela o apoio à comunidade de Mata de São João e a busca por um negócio sustentável. “Nós ocupamos menos de 10% de toda a área do hotel, em termos de construção; também usamos materiais naturais nas obras, como madeira reciclável, que é de baixo impacto para o meio ambiente; os espaços públicos são todos abertos, não têm ar-condicionado; nossa academia é aberta; fazemos a reciclagem do lixo já há muito tempo”, explica João Eça. Além disso, o grupo é parceiro do Projeto Tamar e possui um clubinho infantil, o Careta Careta, com atividades de ação pedagógica focadas na natureza e na sustentabilidade. Para julho de 2018, o grupo promete abrir o SPA, que trará a marca Anantara, primeiro na Bahia e segundo no Brasil. Outra novidade será o programa de formação para toda a equipe. “Vamos investir em um vasto treinamento durante todo o ano para que a gente atinja esse grau de excelência que procuramos”. Os esforços para manter a qualidade, sejam nas inovações, na infraestrutura e, principalmente, no atendimento, se refletem nas conquistas dos últimos anos. Para Eça, o segredo está no conjunto de detalhes que chega ao hóspede antes mesmo dele desejar algo. “O mundo hoje é uma aldeia global, da tecnologia e da comunicação. Então, é preciso conseguir antecipar as vontades do cliente para que ele não precise pedir nada. Em termos de autoria, isso é simplesmente serviço”. 139 | Let’s Go Bahia Novembro/2017


Mario Bruni

Turismo

Engenheiro e empresário

Itália,

Let’s go!

N

o meu primeiro artigo para a Revista Let’s Go Bahia, eu não poderia deixar de escolher a Itália como destino, afinal, esse é o país que possui o maior número de patrimônios mundiais listados pela UNESCO, além de ter mais obras de arte por metro quadrado do que qualquer outro país do mundo. A sua história é formada pela influência dos etruscos, gregos e celtas, antes de ser unificada pelos romanos, em 262 a.C. Quer mais? Va bene; é o país com a população mais saudável do mundo, segundo o índice de saúde global da Bloomberg. Não parou por aí, já que muitas revistas especializadas internacionais atestam que é na Itália que temos a melhor gastronomia mundial, como também é a maior produtora mundial de vinhos. Os italianos usam e abusam da tão falada dieta mediterrânea, sempre acompanhada por uma boa taça de vinho. Saluti!

Ravena - Itália 140 | Let’s Go Bahia Novembro/2017

Um país de apenas 301.338 Km², mas com uma diversidade incrível, onde são encontradas ilhas, praias, rios, lagos, montanhas, colinas, vulcões, pistas de esqui, vales, planícies, reservas naturais, museus espetaculares, artes por quase todas as esquinas, proporcionando turismo rural, cultural, religioso, enológico, gastronômico, de aventura, esportivo, de neve, náutico, de estudos; enfim, todos os tipos de turismo podem ser feitos na Itália. É também nesse país fantástico que se fabricam produtos de algumas das marcas mais cobiçadas do planeta, como Ferrari, Lamborghini, Ducati, Prada, Valentino, Gucci, Versace, Salvatore Ferragamo, entre outras. Além de carros e moda, os italianos são apaixonados por futebol, sendo detentores de quatro títulos mundiais, figurando logo após o Brasil no ranking. Times como o Juventus, Milan, Roma e Lazio movimentam

milhões todos os anos e dão alegria aos seus torcedores, os “tifosi”. Dentro da Itália encontramse a República de San Marino – que se diz ser o país mais antigo do mundo –, fundado no ano de 301, e o Vaticano do Papa Francisco, que recebe todos os anos milhões de fiéis, ávidos para encontrar o Papa e poder visitar a Basílica de San Pietro, os museus do Vaticano com seus tesouros espetaculares e a fabulosa e ímpar Capela Sistina. Os italianos são extremamente expressivos, alegres e musicais, o que acaba influenciando na sua forma de falar, que, segundo a CNN, é o idioma italiano o mais sexy do mundo. Para os viajantes apaixonados e românticos, é na Itália que ficam algumas das cidades mais românticas da terra, como Veneza, Florença e Verona, que o digam Romeu e Julieta. Por falar em romantismo, não podemos deixar de mencionar os cantores e músicas italianas que marcaram tantos lindos momentos das nossas vidas, como Luciano Pavarotti com suas “Nessun Dorma” ou “Caruso”; Andrea Boccelli, com a música “Con Te Partirò”; Laura Pausini, com “Strani Amori”; Gigliola Cinquetti, cantando “Dio Come Ti amo”; Gianluca Grignani, cantando “La Mia Storia Tra Le Ditta”; e tantos outros. A Itália é a terra dos meus pais e dos meus irmãos mais velhos; o italiano é o meu primeiro idioma; o Brasil é o meu país; e o turismo, o meu negócio. Let’s go to Italy?


Turismo

Éna cidade verão do sol! A Let’s Go Bahia preparou um guia com alguns dos principais eventos de Salvador que vão ocorrer no verão para você se programar na cidade durante a época mais movimentada do ano.

A

abertura do verão transforma o cotidiano de Salvador. Isso não é novidade para os soteropolitanos e nem mesmo para os turistas, que desembarcam aqui em grande número. Até os navegadores de primeira viagem sabem o que esperar, afinal, a beleza e a alegria da capital baiana são conhecidas nos quatro cantos no Brasil e também no exterior. Seja no Natal, no Réveillon ou Carnaval, a cidade fica cheia, animada e repleta de eventos e encontros. O ambiente solar, praieiro e o cenário gastronômico e cultural favorecem essa atmosfera. As festas, sobretudo, são acontecimentos quase diários nesse período. Uma das principais atrações deste ano será o Festival Virada Salvador, o Réveillon oficial da cidade, entre os dias 28 de dezembro e 1º de janeiro. Com novo endereço, na Arena Cidade da Música, que ficará localizada na Orla do bairro da Boca do Rio, o evento vai contar com mais de 70 horas de música, um espaço com 55 mil m² e dezenas de shows. Segundo Isaac Edington, presidente da Empresa de 142 | Let’s Go Bahia Novembro/2017

Turismo S/A (SALTUR) da Prefeitura de Salvador, a estratégia é fazer da capital baiana, nesse período, um dos destinos turísticos mais procurados do Brasil. “Transformamos o Réveillon de Salvador em um grande festival musical. Ao invés de ter uma noite, são cinco dias, com grandes nomes locais e nacionais. Este ano, o evento tem um diferencial, será em um parque temático superinteressante, ao lado do mar, com feira de economia criativa e praça de alimentação. Ele, hoje, já é o segundo produto da cidade”, diz Edington. Artistas como Gilberto Gil, Daniela Mercury e Ivete Sangalo (na virada), Marília Mendonça e DJ Alok vão se apresentar no espaço. Em fevereiro, já começa o Carnaval. Em 2018, a festa acontecerá entre os dias 8 e 13 e a expectativa também é alta para uma das maiores festas de rua do mundo, como conta Jaqueline Lessa, gerente de Produção e Marketing da Central do Carnaval, empresa responsável pela venda de abadás de inúmeros blocos e camarotes.

“No auge do verão esperamos que as pessoas estendam as suas férias”, afirma. Ela completa que a chegada da estação e do Carnaval modificam o cotidiano de Salvador. “A cidade fica mais alegre, mais animada, as pessoas começam a sair mais, e é nesse período que começam os ensaios da estação, que atraem também os turistas. E o Carnaval é uma festa de grande impacto, por conta da sua grandiosidade e extensão de uma semana”. Mas não é apenas Salvador que fica ainda mais encantadora ao receber as festas durante a estação. Idealizador do Réveillon Carapitangui, que será realizado no belíssimo balneário de Barra Grande, com o DJ Alok como atração principal, Leco Levita é um grande entusiasta do verão da Bahia. “É a estação que ferve em todo o mundo e não é diferente aqui, onde ficam as praias mais lindas do Brasil, com águas azuis e quentes. Tudo isso aliado à nossa cultura, que é muito única, com a culinária, música e artes, torna o nosso verão uma atração à parte”.


REPRODUÇÃO

O tema da festa de virada do ano é Yacht de Todos-os-Santos. Evandro Mesquita e a Banda Blitz fazem o show da virada e depois sobe ao palco o grupo Alavontê, com animação até o sol raiar. A parte gastronômica fica por conta do Restaurante Veleiro, enquanto a decoração é assinada por Kátia Kruschewsky e Lenardo Salvatori. Yacht Clube da Bahia: Av. Sete de Setembro, 3252, Ladeira da Barra, Barra, Salvador – BA. Sócios: R$ 780; familiares de sócios: R$ 900. Convidados de sócios: R$1.050. Mais informações: www.yachtclubedabahia. com.br.

Réveillon no Grand Palladium Imbassaí Resort & Spa A programação de resort é voltada para todos os públicos, com entretenimento, festas e celebrações, e dividida em quatro categorias: Miniclub para crianças de 4 a 7 anos, Kids Club para crianças de 8 a 12 anos, Adultos Piscina e Adultos Praia. Atrações da noite: Fredy Moura e Banda Celebration. Fogos de artifício na virada. Grand Palladium Imbassaí Resort & Spa: Rodovia BA-099, Km 65,

All Inclusive Super Premium: buffet by Sheraton; drinks: whisky, vodka premium, cerveja, espumante, vinhos branco e tinto, água, refrigerantes.

Festival da Virada Salvador

Hotel Sheraton: Av. Sete de Setembro, 1537 - Dois de Julho, Salvador - BA. Adulto: 31 de dezembro, às 21h. R$ 590. Kids: R$ 148. Teen: R$ 295. Sem taxas. Mais informações: www.ticketmix.com.br.

Réveillon oficial da Prefeitura de Salvador. Com um novo conceito, a virada do ano vai contar com mais de 70 horas de música e atrações diversas: Marília Mendonça, Jorge & Mateus, Ivete Sangalo (na virada), Gilberto Gil, Daniela Mercury, Claudia Leitte, Margareth Menezes, Harmonia do Samba, Léo Santana, Psirico, Wesley Safadão, Solange Almeida, entre outros. Além da estrutura dos shows, o festival terá camarote, vila gastronômica, feira de economia criativa com artesanato e espaço kids. Arena Cidade da Música - Orla da Boca do Rio (ao lado do Parque dos Ventos), Salvador - BA. De quintafeira (28/12), às 18h, até segunda-feira (01/01). Gratuito. Mais informações: www.comunicacao.salvador.ba.gov.br.

Réveillon do Sheraton Hotel da Bahia Festa de Ano Novo com shows de Alavontê e Meu Preto. Para as crianças, um Espaço Kids vai contar com a animação de Tio Paulinho.

Réveillon Celebre 2018 - Bahia Marina A proposta é celebrar a vida em alto estilo com vista para a Baía de Todosos-Santos. As atrações musicais são Alexandre Peixe, Dan Valente e

REPRODUÇÃO

Réveillon do Yacht Clube da Bahia

s/n - Imbassaí, Mata de São João - BA. Mais informações: www. palladiumhotelgroup.com.

Negra Cor. Com quatro ambientes, o Celebre 2018 pretende satisfazer a todos os gostos. Será montado um lounge no espaço comum, mais intimista, com buffet e palco ao ar livre. Mas para quem prefere um lugar mais reservado o evento disponibiliza a reserva de mesas nos restaurantes Soho, Lafayette e DAS. Bahia Marina: Avenida do Contorno, 1010 - Comércio, Salvador - BA. 31 de dezembro, às 20h. Lounge individual: R$ 400. Sem taxas. 18 anos. Mais informações: www.ticketmix.com.br.

PREFEITURA DE SALVADOR/DIV.

Para você se programar, a Revista Let’s Go Bahia preparou um guia com alguns dos principais eventos de Salvador que vão ocorrer durante o verão - festas de Réveillon, camarotes e shows. Uma parte especial do que você precisa saber para curtir Salvador, a Bahia e o seu litoral na época mais movimentada do ano.

143 | Let’s Go Bahia Novembro/2017


Turismo

Festival de Verão O evento traz, em dois dias, apresentações de artistas brasileiros de variadas vertentes musicais. No sábado (16/12), Ivete Sangalo, Luan Santana, Simone e Simaria, O Rappa, Vintage Culture e Léo Santana. Já no domingo (17/12), quem sobe ao palco é Anitta, Harmonia do Samba, Wesley Safadão, Banda Aviões, DJ Alok e Marília Mendonça. Três espaços: Espaço Mix, Espaço Vibe e Lounge Fly. Arena Fonte Nova - Nazaré, Salvador. 16 e 17 de dezembro, a partir das 16h. De R$ 180 até R$ 430 (3º lote). Mais informações: www.fv17.com.br.

144 | Let’s Go Bahia Novembro/2017

O espaço vai completar dez anos de Carnaval. Em 2018, promete a ampliação do tamanho e ainda mais inovação, com 12 horas de festa por dia. A principal novidade é a Cidade Elétrica, área compartilhada com o Camarote Planeta Band, que terá atrações musicais como Psirico, Carlinhos Brown, Timbalada e Harmonia do Samba. Serviço all inclusive, restaurante, massoterapia e salão de beleza. Circuito Barra-Ondina. De 9 a 13 de fevereiro, das 19h às 5h. De R$ 550 até R$ 640. 18 anos. www. centraldocarnaval.com.br.

Camarote do Nana

Com dois pisos de varanda, o camarote traz praia exclusiva, com palco para a apresentação de Dj’s e bandas, serviço all inclusive com cardápio variado, como churrascaria, pizzaria e temakeria. Shows de Harmonia do Samba, Negro do Borel, Léo Santana, Psirico, Solange, Bell Marques, Rafa e Pipo Marques estão confirmados. Circuito Barra-Ondina. De 8 a 13 de fevereiro, das 18h às 4h. De R$ 730 a R$ 950. 18 anos. www. centraldocarnaval.com.br.

Camarote Salvador O camarote oferece boate com DJs nacionais e internacionais e tem uma estrutura de 9 mil m². Entre as atrações já confirmadas estão Wesley Safadão, Léo Santana, Thiaguinho e Bell Marques. O espaço oferece o Palco Praia com shows, espaço gourmet, 17 bares, 20 pontos de buffet, Espaço Beauty, SPA, customização de camisas e outros serviços. Bar e restaurantes No Limits. Serviço all inclusive. Circuito Barra-Ondina. De 8 a 13 de fevereiro, das 19h às 6h. De R$ 1390 a R$ 1890 (mas.) e R$ 990 a R$ 1290 (fem.). 18 anos. www. camarotesalvador.com.br.

Camarote Club

DIVULGAÇÃO

DIVULGAÇÃO

Concha Acústica do Teatro Castro Alves: Praça Dois de Julho, s/n Campo Grande, Salvador - BA. 13 de janeiro, às 19h. Camarote: R$ 120. Plateia: R$ 60. Sem taxas. 14 anos. www.ingressorapido.com.br.

CENTRAL DO CARNAVAL/DIV.

Show familiar e intimista no qual Caetano Veloso se junta aos filhos no palco para apresentar músicas compostas pelos quatro. No repertório, canções já conhecidas pelo público, como “Um Canto de Afoxé para o Bloco do Ilê”, “Reconvexo” e “Leãozinho”, e também composições inéditas de todos. A turnê começou em agosto e tem passado por várias capitais brasileiras.

Camarote Harém

CAMAROTE SALVADOR/DIV.

Caetano, Moreno, Zeca e Tom Veloso

Nascido da união dos camarotes Cerveja & Cia e Reino, o Camarote Club busca aliar sofisticaçao a espaço de mais de 1.500 metros quadrados. Com serviço all inclusive, buffet do Restaurante Pereira, 2 shows por noite e salão de beleza, fica localizado no Clube Espanhol. Wesley Safadão, Duas Medidas, Marília Mendonça, Danniel Vieira, Léo Santana, Harmonia do Samba e Psirico vão se apresentar no espaço ao longo do Carnaval. Circuito Barra-Ondina. De 9 a 13 de fevereiro, das 18h às 5h. De R$ 650 a R$ 850. 18 anos. www. centraldocarnaval.com.br.


145 | Let’s Go Bahia Novembro/2017


Mercado Imobiliário

Crescimento Verde O boom imobiliário no Litoral Norte da Bahia promete beneficiar tanto turistas quanto moradores locais TEXTO BRUNA CASTELO BRANCO

T

ranquilidade, areia, sol, mar e férias. Em uma rápida pesquisa sobre o Litoral Norte baiano, estas são geralmente as primeiras palavras que aparecem associadas à região. Não é à toa que, ao longo das últimas duas décadas, essa tem sido uma das localidades que mais tem recebido investimentos turísticos e imobiliários no Brasil. Mas, de acordo com Luciano Lopes, diretor de Administração e Finanças da Prima Empreendimentos Inovadores, as razões para esse crescimento vão além da beleza das praias e do clima sempre solar. “Um dos principais fatores foi o conjunto de infraestrutura que surgiu com a implantação da BA-099, contribuindo para o desenvolvimento de Baixio, Imbassaí, Itacimirim e outras regiões, que passaram a ser exploradas como espaço de lazer e turismo e atraíram uma parcela de moradores de Salvador que procuram por casas de segunda residência. Atualmente, o Litoral Norte da Bahia é uma das zonas turísticas mais desejadas pelos brasileiros”. Dados da Associação de Dirigentes de Empresas do Mercado Imobiliário da Bahia (ADEMI-BA) dão conta de que os principais investimentos na região são nas áreas de turismo, com grandes hotéis e pousadas familiares, e moradia - com a tendência de crescer ainda mais. “Os lançamentos no Litoral Norte crescem ano após ano, é uma região que ainda tem pouca oferta, e, consequentemente, menos concorrência. O custo dos terrenos é menor, é uma localidade que continua tendo valorização, que está com a infraestrutura de serviços

146 | Let’s Go Bahia Novembro/2017

em evolução e que conta com maior facilidade de acesso”, comenta Cláudio Cunha, presidente da associação.

Turismo sustentável Um dos trabalhos da ADEMI-BA no Litoral Norte é garantir que os investimentos também beneficiem as comunidades da região, como explica Cunha. “O crescimento gera novos investimentos na infraestrutura, novos serviços, o aumento de empregos e a geração de impostos para o município, melhorando a qualidade de vida e capacitando a população. As cidades continuarão a crescer, trazendo mais moradores, o que pode levar a novos investimentos, atraindo setores como Saúde, Educação e Comércio”. Assim, com a ideia de unir desenvolvimento econômico e social, algumas empresas, como a Prima, têm investido no chamado turismo sustentável, definido pela Organização Mundial de Turismo como aquele que trabalha pela proteção do ambiente e dos recursos naturais e, ao mesmo tempo, promove o crescimento econômico da atividade. Além da preservação da vegetação nativa, outra preocupação do turismo sustentável é manter as características do povoado e incluir a comunidade nos investimentos. O Plano Baixio, um projeto turístico e imobiliário que envolve também a região de Inhambupe, com previsão de desenvolvimento para os próximos sete anos, segue essa corrente. “A Prima Empreendimentos tem essa visão,

de valorizar o patrimônio cultural de Baixio e levar os nativos a participarem deste projeto. A incorporadora, além de treinar, qualificar e utilizar a mão de obra local, gerando 300 empregos diretos e indiretos nesta primeira fase do projeto, está investindo em infraestrutura, desenvolvimento e crescimento, sem perder a essência do povoado e preservando o ambiente natural de Baixio”, explica o gerente de Administração e Finanças da Prima. Ainda de acordo com Lopes, esse tipo de turismo tem atraído cada vez mais visitantes de várias partes do mundo. “Nós, da Prima Empreendimentos, queremos transmitir para os nossos clientes a importância desta causa. Por isso, através da Baixio Turismo - empresa especializada em hospedagem e entretenimento no Baixio, povoado pertencente ao município de Esplanada -, elaboramos passeios que contemplam uma visita a um apiário, onde os visitantes podem conhecer o processo de produção de mel e ainda provar os favos; visita à horta orgânica da Pousada Aldeola, onde os turistas podem colher o seu próprio alimento; além das trilhas até as lagoas, que passam pela vegetação da Mata Atlântica”. Para os próximos anos, a expectativa, tanto da ADEMI-BA quanto da Prima, é que a região se desenvolva ainda mais, tanto socialmente quanto economicamente. Novos projetos, segundo Lopes, estão sendo licenciados e outros obtiveram, recentemente, licença prévia. “Com isso, a expectativa é de novos projetos na região, fazendo com que a Linha Verde se consolide ainda mais como uma região turística”, conclui.


SĂĄ Menezes - Design Studio

147 | Let’s Go Bahia Novembro/2017


Diego Oliveira

Spot

CEO da Youpper

ESCUTAR O PÚBLICO

jovem

É O QUE “ROLA”

N

os últimos anos, tenho vivido diariamente um mergulho de informações e experiências ao lado de jovens, universitários, pessoas mais velhas e jovens empreendedores. Cada roda de conversa vale uma aula, em que a troca de experiência não tem limite, todos falam o que pensam e o objetivo é único: entender tudo o que vem acontecendo ao nosso redor. Observo que nós, executivos do mercado, temos muito que aprender com esses jovens da nova geração Y.

Eles não têm medo do novo, de ideias novas, do moderno, do desafio, da igualdade de gêneros, de nada, absolutamente nada, e estão sempre conectados com tudo o que acontece ao redor deles e no mundo. Esse pessoal “tá” disposto ao impossível, “mano”, para o “tamo junto e não abro”, “tendeu”?

Precisamos saber respirar

148 | Let’s Go Bahia Novembro/2017

o ar de quem desejamos falar, assim como aqueles que desejamos alcançar e também com quem vem ditando essa geração que está em construção. Se de um lado venho me envolvendo nesse universo jovem, do outro, cada vez mais me aproximo e me coloco no lugar das pessoas mais velhas. Recentemente em uma das minhas viagens, fui questionado se eu conseguiria falar com o cliente final, minha resposta foi clara e objetiva: “Eu quero é falar com quem paga tudo isto aqui e é seu chefe: o consumidor”. No Brasil, a amplitude da diversificação é enorme, já que somos um país gigante em termos geográficos e temos uma intensidade cultural peculiar. Por experiência, posso afirmar que temos muitos “Brasis” dentro do território brasileiro. A diversidade entre as cinco regiões nas quais o país é dividido deve nos levar à constante adaptação da nossa linguagem, estratégias midiáticas e produtos. O objetivo é único, atenderemos, eficazmente, às necessidades específicas de uma população sem um perfil uniforme. Deparo-me por aí com vários sotaques, inúmeras tradições, diferentes comportamentos, hábitos característicos e distintas visões de mundo. Recentemente, viajei para algumas cidades das regiões Norte e Nordeste do país e presenciei uma realidade não observada pelos profissionais de Comunicação - jovens e adultos antenados. Além de grandes marcas de carro, restaurantes sofisticados, agenda cultural diversificada, eles têm planos

reais para viagens entre familiares e amigos, assim como a latente visão para o consumo dos meios através da sua importância e do vínculo criado ao longo dos últimos anos. Convido a todos para nos aventurarmos. Coloque um tênis, um jeans, uma camiseta e “bora” passar o dia com quem manda na gente. Afinal, a publicidade é apenas uma parte da equação, as oportunidades que essa transformação de troca de experiências que os jovens nos oferecem é finita e ainda há muito mais a ser descoberto na medida em que nos permitimos pegar essa onda. De nada adianta o marketing direcionado, a mídia programática, como real time branding ou bidding, se nós não estamos ligados nas novas ideias e no consumidor do futuro. “Oxe, meu rei”, acha que estou exagerando? “Vixi, viajô, hein”! Permita-se vestir o seu melhor disfarce e se infiltrar no universo descolado e de mente aberta dos jovens. A capacidade deles de se colocarem na pele do consumidor final e de enxergarem lá na frente é absurda. “Cê” ainda acredita que o mundo acontece enquanto “cê táí” na poltrona da casa da vó? “Véi, na boa... se liga na responsa”, corre “maluco”, mas saiba andar ao lado de quem realmente paga o seu salário: o seu público-alvo.


AGÊNCIA CALIFORNIA É CAMPEÃ REGIONAL NORTE E NORDESTE CASES AMBEV COM NOSSA PARCEIRA SKOL.

MELHOR EVENTO - OURO MELHOR ATIVAÇÃO DE MARCA - PRATA MELHOR CAMPANHA DE COMUNICAÇÃO INTEGRADA - PRATA

MELHOR CAMPANHA DE COMUNICAÇÃO INTEGRADA - PRATA

#GOCALIFA #DREAMTEAM


Spot

Programa Start

abre caminhos para o empreendedorismo baiano

TEXTO LAÍS MATOS IMAGEM DIVULGAÇÃO

H

á mais de 10 anos no mercado, Eiji Hoshi comanda uma empresa atacadista de grande porte na Bahia, o Varejão 25. Junto com a família, ele vende todo tipo de alimento, dos naturais aos congelados, além de produtos de limpeza e bazar para supermercados e restaurantes. Apesar de estar há muito tempo na estrada, Hoshi nunca sentiu a necessidade de anunciar, até entrar em contato com o Programa Start e, pela primeira vez, projetar a sua empresa para outros cenários. Assim como Eiji, muitos empreendedores se mantêm fora da mídia e passam anos na liderança de uma empresa sem aproveitar as oportunidades de um plano de comunicação; às vezes, por não conhecê-lo e, às vezes, por acharem que não podem pagar pelo investimento. Foi ao observar esse contexto que Moacyr Maciel, presidente da Associação Brasileira de Agências de Publicidade da Bahia (ABAP-BA), concebeu o Programa Start. O Start dá o pontapé inicial para que a empresa possa anunciar. Lançado em agosto deste ano, o programa beneficia os empreendedores que nunca anunciaram e os que estão há dois anos sem anunciar. “Ou seja, novas empresas que nunca tiveram agência ou que estão fora da mídia neste período da crise”, explica Americo Neto, vice-presidente da ABAP-BA. Os benefícios são descontos e programas especiais de pagamento e parcelamento para toda a cadeia de publicidade e propaganda: veículos de comunicação e agências de publicidade.

150 | Let’s Go Bahia Novembro/2017

Ideia do presidente Moacyr Maciel, também coordenador do projeto, o programa veio para suprir a perda de anunciantes importantes do mercado, destaca Americo: “A gente estava perdendo, por conta das fusões, compras e aquisições nos últimos anos. Grandes anunciantes saíram do mercado baiano e o Start vem justamente incentivar a formação de novos anunciantes. Então, efetivamente, anunciar ficou mais barato agora”. Criado na base da Bahia, o Start é um projeto original e exclusivo para empreendedores baianos e tem a proposta de ser expandido para todo o Brasil. “Por enquanto, só existe aqui, mas, a partir do nosso exemplo, o programa vai ser aplicado também em Pernambuco e no Ceará. Todos seguindo o modelo baiano”. O lançamento nos dois Estados vai acontecer no final de novembro. O primeiro passo dentro do Programa Start é a realização de um planejamento de comunicação realizado por uma das agências de publicidade afiliadas à ABAP-BA ou ao Sindicato das Agências de Propaganda (SINAPRO-BA). “Isso vai movimentar o mercado e trazer excelentes resultados para as empresas que souberem aproveitar a oportunidade. O programa cria um incentivo para as empresas e estimula a economia em nosso Estado”, comenta Gustavo Queiroz, presidente do SINAPRO-BA. “Como apoiador, o papel do SINAPRO é buscar engajar as suas mais de 70 agências filiadas em todo o Estado para que ofereçam aos seus clientes essa oportunidade”. Em apenas dois meses de

funcionamento, o programa já mostra os seus resultados. “Vários clientes ou potenciais clientes têm batido na porta das agências querendo os benefícios do Start”, revela Americo. O primeiro cliente foi Eiji Hoshi, através da Viamídia, que nunca havia anunciado, mas está no mercado há 10 anos. “Isso mostra que existem empresas de médio e grande porte que nunca usaram agências de propaganda e que, com o Start, têm a chance de veicular campanhas”. O ponto de partida para que Eiji Hoshi decidisse anunciar foi a convite de Americo. “Somos uma empresa familiar e começamos a organizar melhor a administração há pouco tempo. Em janeiro, fechamos contrato com a Viamídia e ela tem orientado a nossa comunicação e publicidade”. Quando o Programa Start começou a funcionar, Eiji decidiu colocar um outdoor para divulgar a campanha de 10 anos do Varejão 25. Através da exibidora Linhares, o outdoor foi instalado próximo à empresa, na Ceasa, em Simões Filho. “Sem dúvidas, os resultados são significativos. A adesão dos clientes é bem interessante e estou gostando muito. O programa realmente incentiva os empresários a investirem mais em publicidade e nesses recursos”, destaca o atacadista. Além da Viamídia, a Propeg já levou o planejamento de mídia para dois clientes e está em processo de aprovação. De acordo com a supervisora de Mídia da agência, Patrícia Seabra, o Start veio na hora certa. “Tem tudo para movimentar o mercado, porque todo mundo se interessou pelo programa e quer fazer parte dele.


Os fornecedores compraram a ideia, as produtoras, exibidoras, emissoras… é um programa que está sendo adotado por todo mundo”. Patrícia evidencia, ainda, o grande acréscimo no investimento em comunicação e publicidade. “As agências e veículos podem e devem refletir no mercado. É um programa que estimula a compra e movimenta não apenas o mercado publicitário, mas a economia como um

todo. Se tem mais anúncio, tem mais consumo, então, dá um gás na economia”. Com a duração de um ano, o Start vai funcionar até 31 de agosto de 2018. “A proposta é que seja um programa permanente”, comenta Americo. O início do projeto coincidiu com um momento propício de retomada da economia e, com isso, de crescimento do cenário de empreendedoris-

mo baiano. “Mais gente tem entrado no mercado por conta das divisões, crises e do desemprego”. O vice-presidente destaca, ainda, que o fundamental agora é preparar esses novos empreendedores. “Precisamos cuidar mais desse empreendedor para que a sua empresa possa durar. Temos uma estatística grande no Brasil em que 70% das empresas fecham com menos de 5 anos. Então, tem muita gente que quer empreender, mas que precisa se informar”. Além de incentivar a formação de novos anunciantes, o Start aponta um caminho, ainda pouco explorado, para a consolidação de um mercado empreendedor cada vez mais sólido na Bahia. “Depois de presenciar tantas crises, planos e mudanças de leis, acredito que essas são dificuldades com as quais o empreendedor tem que conviver e aprender a gerir. Fazem parte do dia a dia e das adversidades que temos que vencer”.


#

Diferenças que fazem

a diferença Gustavo Queiroz

Presidente do Sindicato das Agências de Propaganda do Estado da Bahia (SINAPRO-Bahia)

F

alar das transformações pelas quais a sociedade está passando em função da revolução digital é chover no molhado. Mas, diante deste contexto de incertezas e mudanças velozes em que estamos vivendo, precisamos falar sobre o papel fundamental que as agências de propaganda assumem enquanto parceiras estratégicas na geração de valor para os seus clientes e no talento criativo das campanhas que produzem. Este novo mercado exige novas soluções que ainda não existem e que precisam ser criadas. Para isso, as empresas necessitam contratar serviços que tenham no seu core business a inteligência, a criatividade e a estratégia. E as agências são os melhores parceiros para isso. As agências de propaganda funcionam como um hub de inovação e estão capacitadas a orientar os investimentos dos clientes na busca da conquista dos seus objetivos de alcançar visibilidade, posicionamento de mercado e resultados financeiros. Mais do que nunca, nestes tempos de crise e de revolução tecnológica, em que a informação viaja na velocidade do pensamento, o papel desempenhado pelas agências não se restringe à criação de campanhas; elas também atuam na estratégia e na gestão da comunicação do negócio. O Sindicato das Agências de Propaganda da Bahia (SINAPRO-Bahia) promove constantemente campanhas para mostrar o valor das agências como parceiras dos negócios. A entidade busca, também, conscientizar o mercado acerca da importância de se contratar agências e profissionais habilitados e capacitados para a gestão

152 | Let’s Go Bahia Novembro/2017

Spot

ULISSES DUMAS/ ARGO IMAGENS

da comunicação. O objetivo é fazer com que, cada vez mais, os empresários enxerguem esse valor e atentem para a força da indústria da comunicação para a Bahia como uma força motriz da economia do nosso Estado e do país. No setor público, o SINAPRO-Bahia vem fazendo um trabalho de acompanhamento e análise de todos os editais de processos licitatórios para a contratação de agências de propaganda no Estado. O objetivo é assegurar que essas concorrências estejam de acordo com a legislação específica em vigor, a Lei 12.232/10. Essa atuação é benéfica tanto para as agências de propaganda quanto para o órgão li-

citante e conta com o apoio técnico do Tribunal de Contas dos Municípios do Estado da Bahia (TCM-BA). Com essa iniciativa, pretendemos capacitar as prefeituras e câmaras de vereadores do nosso Estado, a fim de deixá-las a par da legislação específica que rege a nossa atividade. Outra iniciativa é a cartilha LicitaFácil, que visa ao entendimento dos principais procedimentos que devem ser adotados pelas agências para participar de concorrências públicas. O material é disponibilizado impresso, virtual e em um vídeo de animação, e pode ser acessado através do site do SINAPRO-Bahia, apenas para as agências associadas.


Rachel Vita Jornalista e diretora da empresa Mancha de Dendê

Conexões Novas

B

lockchain. Impressora 3D. Inteligência artificial. Internet das Coisas. Robótica emotiva. Inovação social. Os nomes parecem estranhos para você? A tecnologia e a ciência avançam em ritmo exponencial. Novas conexões acontecem em todas as áreas que nos cercam. Já mudaram o nosso jeito de viver e prometem novas revoluções disruptivas, em questões de anos, não mais em décadas ou séculos, como no passado. Pesquisas apontam transformações radicais. Do emprego – uma de cada três vagas deve desaparecer até 2025 – às relações com a cidade, com as comunidades, com o consumo, com o meio ambiente e também com a privacidade. Há dois anos, quando participou do Fórum Agenda Bahia, evento promovido pelo Jornal Correio, o professor da University of California-Berkeley, Naeem Zafar, adiantou algumas tendências. O domínio sobre novidades tecnológicas se tornou necessário para todos, assim como a alfabetização na linguagem da programação dos computadores. Os novos empregos e a

154 | Let’s Go Bahia Novembro/2017

inovação em diversos setores da sociedade, aposta Zafar, vão surgir do casamento de especialidades diferentes, como a Psicologia e a Ciência da Computação. Outros especialistas defendem que a tecnologia, ao romper fronteiras, permite promover novas conexões e, dessa arte do encontro, recriar um mundo melhor. Com a internet, o indivíduo ganhou mais acesso à informação e a novas formas de se organizar, mas ainda não tem a noção exata do seu poder transformador. Um movimento crescente no mundo tem trazido para o debate questões essenciais que podem definir os próximos capítulos dessa história. Como a máquina e os homens podem seguir juntos nessa jornada? Nick Bostrom, líder do renomado Instituto do Futuro da Humanidade, localizado na Universidade de Oxford, defende que, para sobrevivermos a essas transições, será preciso sabedoria e colaboração para o momento em que determinados marcos tecnológicos serão alcançados. Ana Cortat, cofundadora da Hybrid Colab, reforça a importância do humano nessa transição. “Essas ferramentas ampliaram a nossa capacidade de ver mais. Nunca fomos tão desafiados a expandir o nosso conhecimento, a recriar o mundo. Mas a tecnologia só faz isso se o homem estiver do outro lado. As pessoas que lideram o mundo não têm o poder de influenciar isso? Então, nós somos os líderes”, desafiou Ana, em palestra no Hacktown, no feriado da Independência, em Santa Rita de Sapucaí. Diante disso, nada de se sentir obsoleto. O momento é de movimento. De consumir (boa) informa-

ção, estudar, sair da zona de conforto, de colaborar, se doar, ouvir, trocar, se comunicar, inovar. Ser criativo, não ter receio de errar e de viver fora da bolha. Enfim, tempos de usar a tecnologia para o bem; para o bem-estar dos homens – como defendem diversos especialistas ao redor do planeta. Em vez de bloquear ou perder amigos por opiniões diferentes da sua, busque a diversidade do conhecimento. Invista o seu tempo nessa transformação – pessoal e do coletivo. Como fez o argentino Gino Tubaro, 21 anos, que desde os 13 é inventor e já ganhou diversos prêmios. “Não precisei terminar o curso na universidade para levar adiante os meus projetos. Pensava em como poderia ajudar as pessoas. O mundo precisa de jovens atrevidos”, sugeriu, em palestra no Agenda Bahia deste ano. De pessoas atrevidas, acredito, ávidas por buscar conhecimento. Seja onde for. A tecnologia está aí para ajudar cada um de nós a romper essas fronteiras. Em setembro, estive em Santa Rita de Sapucaí, no evento com 200 palestras, para quase três mil pessoas. Ana Cortat era uma das palestrantes. O ensinamento veio também da plateia. Um jovem, de origem humilde, contou que aprendeu inglês sozinho sem gastar um centavo – apenas pelas aulas na internet. Foi fundamental para o seu emprego atual, na área de Ciência da Computação. Blockchain. Impressora 3D. Robótica emotiva... Esses nomes ainda são estranhos para você? O que está esperando para atualizar o seu “HD”? Como disse Ana Cortat, os líderes somos nós.


155 | Let’s Go Bahia Novembro/2017


Stefano Diaz

Social & Eventos

Arquiteto e jornalista

CASACOR

movimentou o mercado de decoração e arquitetura em Salvador

Rogério Menezes

FOTOS: DIVULGAÇÃO

Inovação na mostra baiana deste ano, o festival gastronômico Bom Apetite na Casa contou com cinco atrações cheias de sabor para os amantes da alta gastronomia. Os restaurantes Du Chef, Pasta em Casa, La Taperia, Boucherrie e The Beef foram os escolhidos para oferecer cardápios especiais aos visitantes, além de um aconchegante bar. Cada um de seus chefs comandou a cozinha por quatro dias.

Xico e Daniela Diniz

Magali Santana, Gabriel e Catarina Moreno

Flávio Moura

DIVULGAÇÃO

Nino Nogueira e Pedro Ariel Santana

Chico, Luisinha e Alexandre Brandão

FOTOS: DIVULGAÇÃO

Festival Gastronômico

FOTOS: GENILSON COUTINHO/DIV.

Antonio Gatto

David Bastos

Marlon Gama FOTOS: GENILSON COUTINHO/DIV.

156 | Let’s Go Bahia Novembro/2017

Marcelo Kruschevisky

GENILSON COUTINHO/DIV.

A

arquitetura e decoração tomaram conta de Salvador nos meses de setembro e outubro. O maior evento da área na América Latina – a CASACOR Bahia – chegou cheio de novidades em sua 22ª edição. Promovida pelos franqueados Luisinha, Chico e Alexandre Brandão, a mostra trouxe para a capital baiana as tendências e inovações do segmento. Foram 39 ambientes, internos e externos, divididos entre mais de 50 profissionais renomados. A mostra seguiu até 29 de outubro. Este ano, a CASACOR Bahia aconteceu em um imóvel de 1.225 metros quadrados, datado de meados dos anos 1940. O premiado arquiteto David Bastos foi o responsável pelo masterplan. A edição soteropolitana seguiu o tema nacional: Foco no Essencial.


SĂĄ Menezes - Design Studio

157 | Let’s Go Bahia Novembro/2017


Claro inova na experiência do cliente em suas lojas próprias

A operadora lançou em Salvador um novo conceito de atendimento nas lojas dos shoppings Barra e da Bahia, valorizando a experiência dos consumidores com muita interação, tecnologia e entretenimento. Com Wi-Fi gratuito, é possível utilizar todos os produtos A inauguração da loja contou com presença do presidente da Claro, Paulo Cesar Teixeira e serviços da Claro e da NET.

JOSEFA COIMBRA/DIV.

Cymbeline Paris comemora 6 anos em Salvador Em comemoração aos seis anos da chegada da Cymbeline Paris a Salvador, os franqueados locais da grife francesa de vestidos de noiva, Luiz Jorge e Juliana Guimarães, celebraram a data com um desfile de 12 looks assinados pelo estilista libanês Lucas Anderi junto com a multimarcas Un Rêve. Logo após o desfile, começou um bate-papo com as presenças internacionais do estilista e da diretora comercial da Cymbeline Paris, a francesa Lucrèce Falcoz – que vieram especialmente para o evento.

158 | Let’s Go Bahia Novembro/2017

Marise Galindo, gerente da unidade residencial Claro Brasil para a Bahia e Sergipe, e Rosana Rodrigues, gerente de Atendimento NET

“Dona Flor e Seus Dois Maridos” no UCI ORIENT

Coquetel reúne convidados no Spazzio Natuzzi Italia O Spazzio Natuzzi Italia por Marlon Gama, na CASACOR Bahia, recebeu um coquetel para 100 convidados que puderam conhecer os detalhes do espaço criado pelo arquiteto na mostra. A festa foi organizada pelos empresários Bárbara Weyll Almada e Gustavo Rocha, que estão à frente da Natuzzi em Salvador, e reuniu empresários e formadores de opinião. Ottavio Milano, diretor-presidente da Natuzzi na América do Sul, também marcou presença no evento.

KIN KIN/DIV.

GENILSON COUTINHO/DIV.

O cinema UCI ORIENT Barra recebeu a pré-estreia para convidados do filme “Dona Flor e Seus Dois Maridos”, que contou com a presença do diretor Pedro Vasconcelos e do elenco principal: Juliana Paes, Leandro Hassum e Marcelo Faria. Filmada em Salvador, a nova versão cinematográfica da obra de Jorge Amado, ambientada na década de 1940, traz a atriz Juliana Paes como Dona Flor, uma viúva desolada que decide se casar novamente com o pacato farmacêutico Teodoro (Leandro Hassum). Entretanto o amor pelo falecido marido Vadinho (Marcelo Faria) permanece e faz com que seu espírito boêmio volte à Terra para consolar a cozinheira e se instalar no lar do novo casal, um triângulo amoroso curioso e divertido. DIVULGAÇÃO


Os sócios Raphael Paiva, a chef Lídia Yoshimoto e Lucas Matos receberam, na terça-feira (31/10), jornalistas, influenciadores de gastronomia e formadores de opinião durante o coquetel de inauguração do Kawai Hawaiian Poke. O novo restaurante, localizado no Rio Vermelho, traz para a capital baiana a tendência mundial da gastronomia havaiana, uma culinária marcada pelo sabor dos frutos do mar marinados e bem condimentados. Ao som dos DJ’s convidados Rodrigo Castro Lima e Paulo Sérgio Araújo, os convidados conheceram o espaço que traz um ambiente acolhedor, inspirado na filosofia Aloha e que nos transporta a um cenário paradisíaco onde a gastronomia se une a outras experiências sensoriais.

A segunda unidade do complexo de saúde e bem-estar da Villa Verde foi inaugurada no Shopping Cidade, localizado no Itaigara. Durante a festa, uma série de drinks e um buffet de comidinhas funcionais assinadas pelos chefs da Santo Verde foram alvo de muitos elogios da imprensa, de formadores de opinião e de diversas personalidades ligadas ao mundo fitness – amigos dos sócios, liderados pela nutricionista Vanessa Bulcão e os empresários Ian Cunha e Zão Sampaio. Além do café e restaurante Santo Verde, principal ambiente gastronômico do complexo, a nova Villa Verde Itaigara surpreende com o inédito FitBoxx, que é a grande novidade apresentada agora pelo grupo. Já o tradicional FitBike ganhou uma sala exclusiva para esta modalidade de ciclismo indoor, totalmente climatizada e personalizada.

Nova Paradoxus na Afonso Celso De endereço novo, com as vitrines voltadas para a Rua Afonso Celso, a loja multimarcas Paradoxus abriu as suas portas, no último mês, com uma festa concorrida que congestionou o trânsito na região do Farol da Barra. As empresárias de moda Regina e Aline Weckerle receberam dezenas de convidados para brindar o novo e confortável espaço de 700 m², projetado por Nathália Velame, que optou por uma decoração contemporânea e aconchegante. Com curadoria de Andrea Velame, o espaço já se tornou ponto de encontro das mulheres elegantes.

FOTOS: ANTÔNIO CHEQUER/DIV.

Villa Verde inaugura unidade no Shopping Cidade

ESTÚDIO GATO LOUCO/DIV.

Kawai Poke Bar inaugurou espaço no Rio Vermelho

Salvador ganha loja Monte Carlo

RENATA MARQUES/DIV.

Estrela da campanha de Natal da Monte Carlo, Paolla Oliveira agitou a capital baiana no início deste mês. Depois de ser maquiada e penteada por ninguém menos que Ivete Sangalo, a atriz chegou deslumbrante ao Salvador Shopping com look p&b e joias da coleção Azzure. A inauguração da loja da joalheria carioca em Salvador, a primeira na Região Nordeste, contou ainda com a presença das atrizes Flávia Alessandra e Fiorella Mattheis. Enquanto Flávia usou brinco, pulseira, anéis e colar da coleção Ópera, Fiorella optou por peças delicadas das coleções Palace e Sonata. Com lista de Carol Sampaio e Rafaela Meccia, o evento marcou ainda a apresentação das novas coleções para o final do ano, que chegam aos mais de 40 endereços da marca. 159 | Let’s Go Bahia Novembro/2017


SOCIAL

Stefano Diaz Arquiteto e jornalista

ALMAS O

que está escrito não se submete ao tempo nem à distância, a força do amor prevalece. Aconteceu em outubro um casamento muito especial. Daniela e Leonardo Martinez celebraram a sua união em uma cerimônia rústica e chique, aproveitando a paisagem do pôr-do-sol de Itacimirim, que parercia pintar o céu em tons de rosa durante toda a bênção. Em cada detalhe da festa se via a emoção da história dos noivos e o bom gosto da mãe da noiva, Sheila Siqueira, com destaque para a decoração assinada pelo já consagrado Lenardo Salvatore, que realizou um casamento surpreendente pela ousadia e pelo conceito que registraram uma linguagem nova e intimista, seguindo a nova tendência de miniwedding. A diversidade de estilos do mobiliário estava presente em um mix que ia da movelaria genuinamente brasileira aos ícones clássicos. Um verdadeiro primor! O buffet da festa, assinado pelo chef Dill Guimarães, apresentou uma gastronomia com bases na cozinha internacional, em um elegante coquetel volante e um jantar impecável. Um show de beleza e uma explosão de sabores que surpreendeu os convidados. Sem dúvida, uma festa memorável que teve a presença da talentosa DJ Renata Dias, acompanhada por Levine Lima, Hugo Haus e Diego Thaens, que finalizaram a noite com uma hipnotizante apresentação. Fica o registro de um casamento realmente inesquecível, em que a elegância e a sofisticação casual andaram lado a lado, em um projeto primoroso, marcado pelos diferenciais, pelo bom gosto e pelas presenças de convidados tão especiais quanto a festa e a bela história do casal.

160 | Let’s Go Bahia Novembro/2017

FOTOS: OKSANA VALENTINA

REENCONTRO DE


Fernando Farias Escritor e palestrante

“Frescura”! Etiqueta não é

“A PRONÚNCIA É UMA ETIQUETA PELA QUAL JULGAMOS UM ESTRANGEIRO E UM ESTRANGEIRO NOS JULGA” John Garland Pollard

C

om o advento do século 21, a explosão da evolução tecnológica e digital lançou ao mundo novos conceitos e apresentações, quebras de paradigmas ao comportamento humano, apontando novos espaços e oportunidades na comunicação. Muitas coisas tiveram que ser revistas e atualizadas para se adaptarem a essa nova realidade imperiosa e indiscutível. As relações sociais e profissionais, neste novo cenário, além de presenciais, passaram a ser, também, virtuais. E, por conseguinte, em redes sociais passaram a ser bem mais expostas ao público, curtidas e compartilhadas, exigindo muito zelo e cautela daqueles que prezam por uma imagem bem posicionada e valorizada, com elegância e autoconfiança, abrindo portas para o mundo. As novas exigências desta realidade contemporânea conduziram a todos nós a nos relacionarmos com um universo cada vez maior de pessoas, principalmente quando algo se viraliza em rede, ampliando-se em progressão geométrica e com menor formalismo. Com isso, a etiqueta é um conjunto de regras cerimoniosas de trato entre pessoas e que, no século passado, eram estabelecidas de forma muito formais, ainda com o privilégio de determinadas classes sociais. Agora, na modernidade, ao alcance de todos, em razão da tecnologia da informação, sem preconceitos, a etiqueta passa a ser uma importante ferramenta no processo de construção da imagem pessoal, no qual esse tipo de comportamento elegante e de bom gosto fará toda a diferença.

162 | Let’s Go Bahia Novembro/2017

Saber como se comportar nas diversas situações da vida, seja social ou profissional, desde as mais complexas às mais corriqueiras, exige de nós, além do equilíbrio emocional, autoconhecimento, ciência da cultura ambiental, o tão falado traquejo social, que não prescinde o conhecimento das normas de conduta, protocolo e cerimonial, que relevam a importância social das pessoas, evitando certos constrangimentos desnecessários.

Entre as principais gafes, podemos citar o hábito de tocar nas pessoas e interromper enquanto o outro está falando, principalmente em reuniões corporativas, o uso do celular sem reserva e a checagem de notificações na frente de todos. Por mais discretas que sejam essas ações, elas são perceptíveis e indelicadas. Ou, ainda, em redes sociais sensualizar imagens pessoais para o público. Lembramos que o mundo corporativo e as empresas estão de olho. E, também, as pessoas maliciosas podem se utilizar daquelas que se expõem de formas incautas. Percebemos que neste novo cenário, a etiqueta social do século passado cede lugar à impositiva e chamada “etiqueta global”. Agora, não é só “saber usar os talheres”, por exemplo, e sim um somatório de atitudes,

que vão muito além dos costumes. Estamos ambientados no cenário midiático e da estética, onde o capital imagético conta muito. Assim, é dada a ênfase ao comportamento verbal e não verbal, respeitando a individualidade e a privacidade do outro, pois já existem leis que normatizam o mau comportamento e o penalizam em conformidade com a sua gravidade, em desacordo com a etiqueta da modernidade. Na chamada “Sociedade da Imagem” tudo está sendo filmado, fotografado. A privacidade foi invadida pelas novas tecnologias, e delas ninguém escapa. O mundo mudou! Por conseguinte, as regras de etiqueta evoluíram muito, acompanhando o novo modelo comportamental globalizado, conectadas em todas as latitudes do planeta. Na atualidade, o homem pode ser muito fino e delicado, sem comprometer a sua virilidade. A mulher pode assumir uma postura muito dura sem perder a sua feminilidade e elegância. Mas os critérios essenciais que nos fazem aplaudir ou admirar as pessoas continuam os mesmos. A ética, a moral e o respeito à dignidade humana e à consciência ambiental do planeta devem vir sempre em primeiro lugar, em prol do bem-estar comum. Na verdade, tudo isso é que é etiqueta!

www.blog.fernandofarias.com.br www.fernandofarias.com.br fernando.farias@fernandofarias.com.br


c

Boteco com Estilo. O Líder é um tradicional boteco do 2 de Julho, frequentado por artistas, jornalistas, empresários, profissionais liberais das mais diversas áreas, não esquecendo os boêmios de carteirinha. Há mais de 40 anos servindo um cardápio gastronômico ímpar e rico, satisfazendo uma clientela fiel e eclética. A diversidade do público é refletida em uma gastromia variada que atende a todos os gostos, e, as diferentes ocasiões. Servindo desde o Sanduíche de Pernil, que é o carro chefe da casa, um ícone gastronômico do bairro, até os imperdíveis Filé Negro, Malassado, Maniçoba, Pratos na Brasa, entre outras delícias.

O Happy Hour do Lider já se tornou o point do momento, com inúmeros petiscos. Acompanhando este maravilhoso cardápio são servidos Cervejas especiais e Artesanais estupidamente geladas, além de Vinhos, roskas e muito mais. O Líder está localizado bem ali no Centro da Cidade, mas se destaca dos demais botecos pela qualidade, desde seu mix gastronômico, atendimento impecável, conforto, som ambiente, com estilo e climatização.

LIDER - BAR E RESTAURANTE Largo 2 de Julho, nº 32, Centro, Salvador- Bahia. Tel: 71 3321-8955 / 3321-7272. Instagram: churrascarialider


Music

“Talvez ‘Treta’ seja onde a Bahia está mais presente”

“Treta é uma mistura da Bahia com o mundo”, diz Marcia Castro, cantora e compositora soteropolitana que vive em São Paulo, sobre o novo disco, lançado pelo selo carioca Joia Moderna. Em nova fase, após incursões nos universos dos bailes carnavalescos e da música brasileira alternativa, ela mergulha no pop eletrônico, sem deixar de lado as matrizes iniciais baianas. Soma-se ao conjunto de artistas que buscam reconfigurar as sonoridades locais, baseadas no samba-reggae, pagode e ijexá, a partir da mistura cosmopolita com os beats do sound system, do trap e do eletrônico. “Fiquei tocando a minha carreira em São Paulo e vi a evolução dessa Bahia eletrônica através dos músicos e ramificações que Ramiro Musotto deixou”, fala a cantora, citando o percussionista argentino, que faleceu precocemente em 2009, precursor nos experimentos de junção de ritmos baianos e música eletrônica. Foi o contato com ele, em 2009, que “acendeu o desejo” da cantora de fazer uma obra com essas características. Enquanto estava ligada no cenário baiano, acompanhando-o de perto nas vindas para Salvador, passou por momentos de transformação pessoal: uma separação, a aproximação profissional do produtor Rafa Dias, idealiza-

164 | Let’s Go Bahia Novembro/2017

dor do grupo Àttooxxá - de pagode eletrônico - e entrou nos estúdios para gravação. O resultado disso é o recém-lançado “Treta”, cujo start foi a divulgação do videoclipe da faixa “Noites Anormais”, com a participação da atriz Cleo Pires. O álbum agrega canções da lavra própria de Marcia Castro, parcerias e composições de outros artistas, como Luciano Salvador Bahia, Bruno Capinan e Rafa Dias. Em entrevista à Let’s Go Bahia, a cantora fala da experiência de criação do trabalho, do videoclipe com Cleo Pires, do atual momento “mais pop” e do cenário atual da música baiana. Confira a entrevista concedida ao repórter Daniel Oliveira. O álbum “Treta” foi gravado entre Salvador e São Paulo. Esse trânsito pelas duas cidades é aparentemente marcante ao longo da sua trajetória, tanto na vida pessoal quanto na sonoridade dos seus trabalhos. De que maneira isso reverbera no novo disco? A sonoridade dos meus trabalhos, depois de “Pecadinho” (álbum de estreia), que foi totalmente gravado em Salvador, realmente absorveu muito, não somente o som de São Paulo, mas todas as influências que acabei recebendo depois que me mudei. Tive contato com diversos sons e isso foi modificando o meu jeito de fazer música. E em uma escala crescente de informações que fui trazendo para o trabalho. No caso de “Treta”, a mistura de Salvador com uma sonoridade mais universal. É como se tivesse ocor-

rido uma ampliação do meu leque de possibilidades. Mas, entre os meus discos, talvez “Treta” seja onde a Bahia está mais presente, porque teve a produção de baianos, Marcos Vaz (diretor musical), e o processo inicial com Rafa Dias. Ambos trazem uma reprogramação das sonoridades do Estado. “Treta” é uma mistura da Bahia com o mundo. A sonoridade e o conceito de “Treta” revelam um caminho para o pop e o eletrônico. Como você enxerga esse seu momento musical? Há muito tempo, eu queria fazer esse disco. Comecei a desenhar um disco eletrônico em 2009. A ideia era fazer com a produção de Ramiro Musotto, porque ele participou de uma vinheta de “Pecadinho” e daí me acendeu um desejo muito grande de fazer um trabalho eletrônico. Fiquei encantada com o jeito dele de misturar elementos da Bahia com o eletrônico. Mas ele faleceu no mesmo ano e engavetei o plano. Fiquei tocando a minha carreira em São Paulo e vi a evolução dessa Bahia eletrônica através dos músicos e ramificações que Ramiro Musotto deixou, como o BaianaSystem. Isso foi acendendo cada vez mais a ideia de fazer um som eletrônico, dançante, de corpo. Com o Pipoca Moderna (ensaios de verão da cantora), eu sentia falta de uma música que me representasse nesse sentido. Aí pensei que tinha que gravar. É, antes de tudo, um disco de corpo, direto e coloquial, urbano e contemporâneo. Tudo isso para tornar o trabalho mais pop. Nunca tinha feito algo assim e me lancei no desafio. E “Treta” tem outro sentido pessoal, pois em 2016 a minha vida deu uma reviravolta, a partir da separação de um casamento longo. Perdi vários dos meus lugares de estabilidade e me lancei em um lugar musical instável, desconhecido. Isso é muito simbólico; se misturava com a música. As letras revelam esses processos. É como um


diário, no qual conto a minha vida, redescubro a relação com o corpo, a sexualidade, por isso o tom mais sexy. Os temas giram muito em torno disso. O videoclipe de “Noites Anormais”, que agrega esse aspecto sexy para o seu universo musical, tem a participação da atriz Cleo Pires. Como surgiu a ideia desse convite? As músicas “Vulgar” e “Noites Anormais” foram as primeiras para as quais eu logo visualizei videoclipes. E queria que a personagem fosse uma mulher sexy, mas não um sex symbol, digamos, padrão. Gostaria de um sex symbol um pouco perverso, porque o disco traz essa atmosfera, no sentido sexy da coisa. E a pessoa que acho que mais representa isso no Brasil é a Cleo Pires. Tínhamos amigos em comum e pedi para que eles fizessem essa ponte. Enviei as duas músicas, ela adorou, respondeu imediatamente e topou. É uma figura muito generosa, uma nova amiga. Ela se envolveu com o trabalho, indicou toda a equipe, pessoas competentes. Foi um encontro muito especial, ela trouxe esse tom provocativo, transgressor, que é o tom de “Treta”. No disco, você apresenta canções de compositores variados. De Rafa Dias do Àttooxxá (grupo baiano que mistura pagode e eletrônico - autor do hit atual “Popa da Bunda”, gravado com a banda Psirico) e Luciano Salvador Bahia até músicas suas e parcerias. O processo de elaboração do repertório de “Treta” teve um fio condutor? O repertório não teve um processo muito lógico. A gente foi fazendo, construindo as músicas a partir das ideias do disco. Obviamente, como comecei o processo com Rafa Dias na produção, a gente aproveitou muito as parcerias naquele momento. Com

toda a turma do Àttooxxá, principalmente em termos de composição e da produção do próprio Rafa. Eles foram parceiros especiais que dividiram comigo essas experiências. Entendiam o que eu estava querendo, me enviavam músicas. Foi muito bacana. A mesma coisa com Luciano Salvador Bahia; confio no olhar, na sensibilidade e na competência dele como compositor. Mesmo antes da gravação de “Treta”, você já estava inserindo em seus shows certa atmosfera eletrônica, junto com as levadas baianas. Isso, como você já falou, tem uma relação com Ramiro Mussotto, mas também com os novos sons que têm surgido na música baiana. Qual foi o momento de aproximação e de decisão de seguir esse trajeto? O momento de idealização do eletrônico foi com Ramiro Mussotto mesmo, principalmente pela brasilidade que ele trazia para o eletrônico. Para mim, sempre foi importante manter as minhas raízes de Bahia e Brasil dentro do meu trabalho. E gosto das misturas, da antropofagia, dos ritmos. Percebi isso nele. E em 2015 tive o contato com Rafa Dias através do Prêmio Braskem. Ele produziu umas bases eletrônicas e Elísio (Lopes Jr.) me chamou para cantar ao vivo; encantei-me com Rafa. Esse desejo já estava latente, até pelas coisas que vinha ouvindo, do BaianaSystem, do AMassa, que Rafa fazia parte, do soundsystem que começou a crescer na cidade. Tudo isso me levou ao eletrônico. E antes do “Treta” a gente construiu um trabalho chamado “Eletrobailada”, no qual pegava músicas do meu repertório e um apanhado da música brasileira e fazia com o eletrônico, misturado com o som orgânico da banda. Até que no “Treta” decidi seguir para o eletrônico e pop. Foi esse percurso que me levou. A música baiana vive um mo-

mento em que novos grupos vêm ganhando projeção nacional, como os citados BaianaSystem e Àttooxxá, ao seguir essa trilha que atravessa a música pop e o eletrônico, sempre em estreita ligação com os ritmos locais. Como você enxerga este cenário atual? O que você escuta e mais gosta? Vivemos um momento muito rico da música baiana, principalmente por conta dessa nova potência que ela toma a partir dos beats eletrônicos. Isso é uma grande revolução, porque até então, esteticamente, a gente estava um pouco parado. Não estávamos conseguindo sair das matrizes do axé music, daquele jeito de fazer. E surge o pagodão baiano, uma coisa incrível em termos rítmicos e estéticos, algo que já vem mudando. E vem o pagodão eletrônico, que universaliza o pagode dentro do que a gente ouve no mundo. E daí os sons de sistema. Ouço desde o próprio BaianaSystem até Àttooxxá, OQuadro, que vem do hip hop, Lucas Santtana, Mauro Telefunksoul, Afrocidade. Tem um cenário mais pop que vem com Pedro Pondé. Tem ainda a Orkestra Rumpilezz, que se utiliza também das nossas matrizes. O que é interessante é que todos, do hip hop ao soundsystem, passando pela música instrumental, trazem a música baiana. Ao mesmo tempo, você vê artistas como Ivete Sangalo já fazendo essa ligação com o eletrônico, além de Daniela Mercury, que sempre inova. Sinto que existe um desejo de se fazer uma música nova, diferente, utilizando as nossas matrizes rítmicas. E isso é muito valioso. 165 | Let’s Go Bahia Novembro/2017


Conectados

Ildazio Tavares Jr. Administrador de empresas e radialista

É preciso saber viver

Pegue a O

que mais me motiva a escrever é o novo comportamento do mundo atual. Tudo está fora da ordem mundial mesmo. De Kim Jung a Trump; de Bolsonaro a Willys! Que sucesso é esse que todos querem? Rico, sedentário, com mulher conformada e feliz, dois filhos, quatro sugar babies? Hum, tá! O que comer? Glúten? Lactose? Ortomolecular na vaidade e sem resultado? O que se fuma? O tabaco mata! Poxa, mas político também mata e aleija! Cannabis cura! Álcool mata! Transgêneros, o que é isso? Preto? Negro? Gordo? Ter em redes sociais muito seguidores, até fake árabes e russos, está valendo? Qual o seu valor? O russo sabe? Hum, tá! Sua estética pertence ao mundo atual ou a você mesmo? E a sua saúde? Sabe combinar os dois? Você é o que se vende em suas redes? Mulher empoderada agride, é? Sim, o que todos esperam de você? Macho ou fêmea. Alegria, sempre? Tem para entregar o que esperam? Em um mundo cada dia mais impessoal, mais distante, com que diabos você pensa que seu mundinho vai se destacar? Satisfazer a massa sem maiores destaques? Caras e bocas não bastam! As gatas do Instagram realmente existem? O que as nutre? Likes again? Quem pode suprir tanta pose, looks e divulgações via direct? Você? Bastam-se onde, como e quando? Ah, este mundo louco que

166 | Let’s Go Bahia Novembro/2017

temos que entender! Viva ao contraditório e à liberdade de expressão! Ah, você tem melhor ângulo, é? Tá bom! Aham! Mundo louco, mundo rápido! O que pensam de você está claro em quantos likes? Seguir ou não seguir, eis a questão! Comprar? O quê mesmo? Carro? Apartamento? Mas eu quero metrô e viajar! Quero alugar um pequeno apartamento e com facilidades, pois o mundo me espera e ele não para, tenho que pongar correndo! Que tal passar alguns meses em Mendocino, na Califórnia, no cool e próspero Green Valley, ouvindo O Rappa, Jerry Garcia e Hendrix, correndo ou dando um rolê de bike ao pôr-do-sol, sempre rindo e se cabendo em um ser feliz, onde tudo o que lhe cabe além dos olhos vermelhos é o tempo ao seu dispor e a boa vida! Quem sabe de quê? Ler, ir ao teatro, ver o que esse bando de artistas malucos diz desta doida sociedade em boas e descomplicadas companhias que gostam de música boa e vinho! Esperar pelo novo “Star Wars” com a mesma emoção de 1979! Ouvir Bob Dylan, Ramones, rock, samba, Racionais, e fazer mais um desenho no corpo! Esquecer o açúcar, a fritura, gente tosca e, acima de tudo, gente que não goste de gente e de bicho! Viver uma nova era de tecnologia e paz! E aí, vamos nessa?

HENRIQUETA ALVAREZ/DIVULGAÇÃO

Visão! “Sua estética pertence ao mundo atual ou a você mesmo? E a sua saúde? Sabe combinar os dois? Você é o que se vende em suas redes? Mulher empoderada agride, é?”


Matheus Pastori de Araujo Setorista da Bahia no Portal R7.com

AVISO AOS NAVEGANTES:

DISSIDENTES

NA WEB E

m visita à Rádio Metrópole, estava ao lado de um querido diretor musical que revelou uma epifania que lhe ocorreu durante uma entrevista. O estalo fez que ele chegasse à conclusão de que se somados os seguidores em redes sociais de todos naquele estúdio, o número seria equivalente ao da população de uma cidade do interior da Bahia. Ele, então, se dava conta de que hoje vivemos um fenômeno que segue no caminho inverso do que se deu noutros tempos. A chamada mídia tradicional – leia-se rádio, jornal, televisão – já não tem mais dentre os seus poderes o cabresto, a mordaça e as algemas dantes colocados incólumes nas mãos e bocas de seus contratados. E, ora, isto é bom. Na verdade, isto é maravilhoso. Ferramentas transmídia como Facebook, YouTube, Instagram, Twitter, Snapchat, Periscope e o que mais venha compor esta lista, que tende ao sem-fim, são símbolos gloriosos da (verdadeira) democratização da palavra. E não só da palavra em si, como também de por onde ela ecoa. Há cinco, seis anos, quando a internet passava a não ser apenas um modem ligado às linhas fixas residenciais – o que é isso mesmo? –, ainda não tínhamos percebido o tamanho da revolução diante dos nossos olhos e sob o veredito dos nossos dedos. Hoje, quem diria, é possível que se realize uma transmissão ao vivo a qualquer hora, de qualquer lugar ou circunstância, caso sejamos testemunhas do mais incrível dos acontecimentos ou do mais banal dos feitos cotidianos. Para isto, em vez de metros de cabeamento, uma caríssima unidade de externa e o aluguel de canal via satélite, nos basta tão somente um tele-

fone celular. Esta facilidade, ao tempo que fascina, também assusta. Se o novo, em si, já incomoda, quem dirá a metamorfose on-line de uma infindável criatividade antes anônima. Publicitários, jornalistas, profissionais de Marketing, Relações Públicas, escritores, headhunters, todos estão debruçados e rendidos a sucessos como Felipe Neto, Kéfera e Whindersson Nunes. São três dos maiores cases nacionais, e veja só: já separados por, ao menos, duas gerações de youtubers – adjetivo dos mais novos no dicionário coloquial da atualidade. Em ranking divulgado pelo Google em setembro deste ano, Whindersson aparece como o mais influente da internet em todo o território nacional, ficando à frente de nomes como Juliana Paes (6ª), Rodrigo Hilbert (11º) e Lázaro Ramos (3º). Felipe Neto aparece no décimo lugar, seguido por Kéfera em duas posições abaixo da lista, que destaca as 20 personalidades de maior destaque nas redes. Em 2016, Felipe e Whinders -son já haviam sido, simultaneamente, listados entre os mais influentes do planeta naquele mundo digital. Também estão no topo das atrações mais assistidas em multiplataformas do Brasil. Kéfera, também recentemente, lançou o seu filme e, como Felipe Neto, um livro-receita de como fazer uma câmera, um par de óculos e uma conexão 4G, misturados a gosto, virarem dinheiro, fama e reconhecimento. Alcançando papéis como protagonista em campanhas publicitárias, espaço antes restrito aos galãs de novela das nove, Whindersson passou a percorrer o país. Sozinho, com espetáculos de stand-up comedy conseguiu o feito de, em Salvador, lotar a Concha

Acústica do Teatro Castro Alves – espaço com capacidade para cinco mil pagantes. Já Felipe Neto, depois de protagonizar um quadro no canal Multishow e flertar com aquela rede para ter o próprio programa, também viaja pelo Brasil com palestras motivacionais – nem um pouco convencionais. Nesses eventos, ele leva aos jovens um pouco da fórmula que o tornou um dos principais e mais bem-remunerados empresários do ramo do entretenimento digital. Quem não é íntimo das webcelebridades talvez não saiba que Neto deslanchou através do ácido personagem que fazia de si mesmo no canal “Não Faz Sentido”. Alguns anos depois, criava a sua própria produtora de conteúdo, a Parafernalha, empresa que deu tão certo que atraiu a atenção e foi vendida, a peso de ouro, para uma multinacional francesa do ramo. Estive com Neto justamente em uma dessas passagens por uma universidade soteropolitana. Na oportunidade, um pouco fã, um pouco jornalista, um misto dos dois, perguntei como ele havia conseguido passar de um rapaz que gravava vídeos, no quarto da casa de sua mãe, a um dos grandes expoentes daquela novíssima forma de empreendedorismo. A sua resposta resume bem o tom deste artigo e o clima que permeia esse mercado em constante expansão. Com um piscar de olhos e um sorriso de moleque, Felipe me disse: “É mais fácil do que se imagina”. 167 | Let’s Go Bahia Novembro/2017


CULTS

Gabriela Ponce Tradutora e revisora

Leia, vá ao cinema e cante!

É

com alegria que continuo a dar as minhas sugestões de leitura, cinema e música nesta coluna na nova fase da repaginada Revista Let’s Go Bahia. Preenchamos as páginas das nossas vidas com leitura (e cultura) sempre! Como tradutora, grande apreciadora e consumidora da literatura latino-americana, eu devoro obras fantásticas de seus escritores. O livro que recomendo nesta edição de aniversário é “Mulheres de Olhos Grandes” (Mujeres de Ojos Grandes, 1990), da genial escritora mexicana Ángeles Mastretta. Em época de empoderamento feminino e de uma ampliação de consciência de gênero, a obra me parece atual e sempre fantástica. Trata-se de uma compilação de pequenos contos (37 ao todo), todos tendo como protagonistas mulheres fortes e apaixonadas, com vidas comuns e personalidades distintas, porém previamente educadas para o casamento e para as serventias matrimoniais. As histórias se passam no México, se en-

trelaçam e refletem as questões sociais e políticas daquele país, abordando a liberação e a emancipação feminina. Com uma escrita magistral, Mastretta narra, com criatividade e simplicidade, o cotidiano dessas mulheres que marcam a diferença em suas próprias vidas. Livro: Mulheres de Olhos Grandes Editora: Objetiva | R$ 47,90 Cinéfila que sou, não perco um lançamento sequer, seja mais comercial ou do circuito alternativo; o cinema, para mim, é paixão e necessidade vital! Há poucos dias, assisti ao mais novo fil-

me protagonizado pela brilhante Kate Winslet (Gente! O megassucesso arrebatador de Oscars “Titanic” completa 20 anos este mês! E foi o superfilme de James Cameron que catapultou a sua carreira). “Depois Daquela Montanha” (The Mountain Between Us, USA, 2017) é uma adaptação do romance homônimo de Charles Martin, um drama que aborda questões como a sobrevivência humana e uma improvável história de amor entre duas vítimas de um acidente aéreo. Com uma narrativa linear e meio “água com açúcar”, a história entretém e, pessoalmente, me arrancou lágrimas. As 168 | Let’s Go Bahia Novembro/2017

atuações de Kate e Idris Elba já valem a ida ao cinema; além da fotografia belíssima de um cenário montanhoso e coberto pela neve. A direção é do premiado israelense Hany Abu-Assad. Filme: “Depois daquela Montanha” 1 hora e 52 minutos de duração Em cartaz nos cinemas “Belle & Sebastian” é das minhas bandas preferidas na vida! O grupo escocês de indie folk é originário de Glasgow e sua música tem influências fantásticas como “The Smiths”. O décimo disco da banda será lançado em dezembro deste ano e mais uma vez fragmentado em três EPs: “How To Solve Our Human Problems”, partes 1, 2 e 3; eles já haviam usado esse formato em trabalhos anteriores. Os fãs e melómanos também já podem conferir o primeiro single “We Were Beautiful”, da parte 1, que foi a primeira canção a ser divulgada, além de “I’ll Be Your Pilot”, da parte 2, a minha favorite one total! Com os belíssimos vocais, um som bem indie e um título desses, o novo trabalho, certamente, será mais um sucesso. As canções mencionadas e a discografia da banda estão disponíveis no Spotify. EP: How To Solve Our Human Problems Banda: Belle & Sebastian Gravadora: Matador Records USA


Aspas

Personificação da

arquitetura princípios de vida em seu trabalho”, diz. Na capital baiana, onde morou durante os últimos anos da sua vida especialmente, o arquiteto elaborou o projeto das famosas passarelas das avenidas de vale, da Estação de Transbordo da Lapa e de diversos pontos de ônibus, da sede atual da Prefeitura de Salvador e das secretarias do Centro Administrativo da Bahia. Utilizando soluções inovadoras de construção pré-fabricada e seriada, Lelé buscou aliar a racionalidade do processo produtivo, o combate ao desperdício e a inventividade. Nas palavras de Guivaldo D’Alexandria, presidente do Conselho de Arquitetura e Urbanismo da Bahia, “Lelé exerceu como poucos o saber fazer arquitetura, de uma ideia inovadora passava para a expressão gráfica primorosa que preconiza o resultado final, e liderava, como arquiteto e mestre maior, a materialização da sua obra”.

M

ais conhecido como Lelé, o carioca João Filgueiras Lima é umas das principais referências na história da arquitetura no Brasil. Com visão humanista e social da sua prática, participou desde o início da execução do plano-piloto de Brasília, ao lado de Oscar Niemeyer e Lucio Costa, e de inúmeros projetos em diferentes capitais brasileiras, sobretudo através da Rede Sarah de hospitais. A filha e arquiteta Adriana Filgueiras Lima, em entrevista à Let’s Go, conta que o pai era um sujeito sensível e preocupado com as injustiças e a destruição da natureza. “Ele sempre foi muito coerente com esses

“João da Gama Filgueiras Lima, Lelé, enquanto vivo, foi a personificação da arquitetura e, prematuramente falecido aos 82 anos, compõe agora, merecidamente, o panteão da arquitetura e do urbanismo, juntamente com outros deuses que legitimamente conquistaram esse lugar por sua obra e trajetória. Lelé fez arquitetura para ser vivida; quer fosse o palácio para o rei, quer fosse a passarela para unir as diversas cidades que existem na cidade. Lelé inovou, quebrou paradigmas e, sendo assim, foi um sujeito e não um mero agente no

exercício da sua arte. Fez uma arquitetura e urbanismo para todos. Salvador da Bahia e diversas outras polis por este país afora, que têm o privilégio de ter exemplares da sua obra, são testemunhos vivos da sua genialidade”. Guivaldo D’Alexandria Baptista, arquiteto e urbanista, professor da FAUFBA e presidente do CAU/BA. “Papai foi um ser humano formidável, e a personalidade norteia muito a vida profissional. Ele gostava das pessoas, da natureza, das plantas e dos animais, era preocupado com as questões sociais. Antes que a ecologia se transformasse em moda, a gente já discutia a preservação da natureza. Meu pai tinha uma personalidade reservada, nunca permitiu que a vaidade se sobressaísse. Tinha uma ligação forte com a música, com a arte, e chegou a tocar profissionalmente. Ele refletia muito sobre a arquitetura, o combate ao desperdício na construção civil, o conhecimento, o respeito e a utilização correta dos materiais. O desenvolvimento da pré-fabricação está estreitamente ligado à questão da arquitetura de cunho social, feita de uma forma econômica, para atender às camadas mais carentes da sociedade”. Adriana Rabello Filgueiras Lima, arquiteta, filha de Lelé e responsável pelo acervo do pai. 169 | Let’s Go Bahia Novembro/2017


Crônica

Tempo

para quê? POR ULI MOSCOZO

Pensado bem, as relações humanas e a nossa com o tempo e com a vida são nada mais que a construção dos males dos quais tanto nos queixamos. Deixamos nos escravizar por um aparelho muito menor que nós, que dita a hora que devemos acordar, nos alimentar e até voltar para casa. Vivemos contando os dias para tirar férias, ainda que já estejamos no limite de nossas forças, porque não é permitido descansar antes do tempo. Mas que tempo é esse? Quem criou essas normas que mais parecem ter saído de um conto de terror? Por que nos deixamos viver como se estivéssemos dentro de um programa de televisão em que devemos seguir um roteiro que não programamos ou que não é permitido ser mudado depois de “um tempo”? Quem inventou essa droga de relógio que controla quando devemos sair de casa porque “já passou da hora”? Que insiste em lembrar que não nos formamos ainda, ou que já nos formamos, mas ainda não arranjamos o 170 | Let’s Go Bahia Novembro/2017

“emprego merecido para a idade”? E que idade é essa? Quem inventou que é preciso ter uma “idade certa” para o que nem é proibido? Para casar? Ter filhos? Ser feliz? Por que esse tal relógio não foi feito para controlar quantas horas de amor devotamos a alguém por dia? Quantos momentos de felicidades devemos contar ao final dele? Quem não devemos deixar de abraçar antes que o dia termine? Quantos dias de saudades você terá que suportar porque “não tem tempo” para ligar para alguém e pedir desculpa ou dizer que quer tentar de novo? Se é para vivermos regrados a um “tempo”, que esse tempo, ao menos, seja prazeroso e proveitoso. Que não viremos robôs programados para realizar o que os outros esperam de nós e sim que criemos o nosso próprio horário para realizar o que almejamos. Que falte tempo para a intolerância, a infelicidade, o amor não vivido e que se exceda o das ligações não feitas, dos momentos que não tivemos para nós mesmos.

Que esse “tempo” não esqueça que somos nós quem o controlamos e, em hipótese alguma, o inverso.


171 | Let’s Go Bahia Novembro/2017


172 | Let’s Go Bahia Novembro/2017

Profile for LUIZ ARTUR

Let's Go Bahia - Novembro 2017  

Let's Go Bahia - Novembro 2017  

Advertisement