Page 1

SĂŠrgio Sister


Sérgio Sister

Pintura e espaço

Sérgio Sister diz “corpo de cor” e não, conforme o jargão pictórico, campo de cor. Essa comparação ultrapassa a mera metáfora. O peso atributo dos corpos de uma cor é menos uma substância do que, por um lado, a sua diferença em relação às outras cores, e, de outro, resultado da luz que ela absorve e reflete. Assim como, em trabalhos anteriores, Sister produzia, no interior de uma mesma cor, variações construídas pela direção da pincelada, criando diferenças na suposta homogenidade, agora ele busca entre uma cor e outra, intervalos que parecem deter o olhar em suspensão, adiando o momento de integrá-las numa harmonia, que nunca será simétrica como a do acorde maior. Esse jogo entre identidade e diferença, que afirma a dimensão relacional

por Fernando Gerheim

e o tempo, leva-o a buscar, entre uma cor e outra, intervalos particulares, contrastes delicados, que nos fazem pensar o que elas estão fazendo lado a lado mais do que simplesmente juntá-las na percepção. Sister torna visíveis ao mesmo tempo as cores e os seus intervalos. Coerente com isso, as cores em seus trabalhos criam movimentos dos quais participa o espaço entre elas e fora delas, ou seja, o vazio, o ar, a arquitetura. Faça pintura, desenho ou objeto, o artista estará sempre articulando questões específicas da pintura. O seu elemento mínimo é a faixa de cor vertical, que ele articula com uma indagação simples: o que acontece quando esse elemento mínimo de uma cor específica é colocado ao lado de outro elemento mínimo de outra cor específica? Delimitada a questão, de modo transparente, inúmeras são as combinações dos matizes do espectro de cores. O mundo de sobrecultura, saturado de discursos, gera movimentos diametralmente opostos como o lento repouso da luz dessas pinturas. Negando qualquer concepção instrumental da linguagem como comunicação


Sérgio Sister de conteúdos, elas expressam apenas a si mesmas. Em sua

sinais da dispersão; de perto, nada é um tipo geral.

espécie de ascese, recusam discursos e sentidos vindos de fora,

Cada vez mais, Sister usa cada vez menos elementos,

que possam perturbar a sua língua pictural, espacial, objetal. O

deixando mais lugar para o espaço arquitetônico, o vazio, as

universalismo dessa eloquência perceptual é o lugar do comum,

sombras. Os pontaletes finos e longos, de madeira ou alumínio,

ao invés do lugar comum e da padronização.

revestidos de tela, monocromáticos, vários de valores tonais

Talvez se possa ver na utilização de materiais do mundo

parecidos de verde, um azul, um preto e um branco, encostados

do trabalho como caixas (de frutas, como as da feira) e pontaletes

na parede, formam um portal, talvez uma trave. Esses

(escoras utilizadas na construção civil), o reflexo dessa

desdobramentos contemporâneos da pintura não se dirigem

linguagem elementar, essencial, sem frescura. Essas estruturas

apenas ao sentido ótico, com suas montagens cambiantes, mas

funcionais, literalmente construtivas, não são abstrações da

também à percepção tátil vinculada à arquitetura. Em sua

razão. Sister gosta de contar que a questão que a pintura lhe

linguagem muda e fluida, Sister integra o próprio espaço em que o

colocava foi respondida pelas caixas de frutas que ele encontrou

trabalho se insere (incluindo suas sombras). Aumentam assim as

no lixo da garagem do seu prédio: as tabuinhas e suas lacunas

complexidades e diferenciações do convívio solidário das partes.

poderiam retirar as faixas do plano e levá-las para o espaço. Com

Elas talvez possam ser comparadas a dois pensamentos que se

elas, a mesma cor é percebida de modo diferente se estiver na

encontram e iniciam um colóquio.

parte da frente ou de trás da caixa. As cores que lado a lado parecem saltar ou recuar em relação umas às outras, agora fazem isso literalmente. E as tiras da frente criam nas de trás sombras, que são integradas ao trabalho e alargam a sua margem de receptividade às circunstâncias. Sister visa, como um núcleo, a “solidariedade com diferenciação e complexidade”. A lógica paraconsistente que reúne as cores em seu trabalho segue um critério bem mais sutil que o agrupamento pela média ou a polarização. Diferentes e similares, fluidos e descontínuos, os corpos de cor se encontram no olhar, numa cintilação desacelarada, parecendo buscar, em sua instabilidade, uma convivência. As tiras verticais guardam os

Faixas, 1996 óleo sobre tela 40 x 50 cm


Sérgio Sister

Sem título, 2011 óleo sobre papel kozo 68 x 95 cm


S茅rgio Sister

33 X 33, 1995 贸leo sobre tela 33 x 33 cm Caixa 225, 2013 贸leo sobre madeira 38 x 23 x 7 cm


S茅rgio Sister

Caixa 201, 2012 贸leo sobre madeira 38 x 23 x 7 cm

Caixa 230, 2013 贸leo sobre madeira 38 x 23 x 7 cm


S茅rgio Sister

Caixa 230 b, 2013 贸leo sobre madeira 38 x 23 x 7 cm

Caixa 214 b, 2012 贸leo sobre madeira 38 x 23 x 7 cm


Sérgio Sister

Pontalete n° 15, 2012 óleo sobre tela colada em tubo de alumínio (11 peças de 250 x 5 x 5 cm cada) aprox. 260 x 260 x 10 cm


S茅rgio Sister

Caixa 231, 2013 贸leo sobre madeira 38 x 23 x 7 cm

Faixas, 1996 贸leo sobre tela 40 x 30 cm


S茅rgio Sister

Terceiro Fundo 19, 2013 贸leo sobre madeira 53 x 30 x 15 cm

Terceiro Fundo 21, 2013 贸leo sobre madeira 53 x 30 x 15 cm


Sérgio Sister

Biografia

Nasceu em 1948 Vive e trabalha em São Paulo

Exposições Individuais 2013 Artur Fidalgo galeria, Rio de Janeiro, Brasil Galerie Emmanuel Hervé, Paris, França Pinacoteca do Estado de São Paulo, São Paulo, Brasil A cor reunida. Museu Municipal de Arte, Curitiba, Brasil 2011 Entre tanto, Galeria Nara Roesler, São Paulo, Brasil Lemos de Sá Galeria de Arte, Belo Horizonte, Brasil Josée Bienvenue Gallery, Nova Iorque, EUA 2008 Pinturas. Galeria Nara Roesler, São Paulo, Brasil 2007 Paço Imperial, Rio de Janeiro, Brasil Pinturas Face a Face, Instituto Tomie Ohtake, São Paulo, Brasil 2006 Centro Universitário Maria Antonia, São Paulo, Brasil 2005 Silvia Cintra Galeria de Arte, Rio de Janeiro, Brasil 2004 Galeria Millan Antonio, São Paulo, Brasil 2003 Galeria 10,20 x 3,60, São Paulo, Brazil Galeria Casa da Imagem, Curitiba, Brasil


Sérgio Sister 2000 Galeria São Paulo, São Paulo, Brasil Paço Imperial, Rio de Janeiro, Brasil Museu de Arte de Ribeirão Preto, Ribeirão Preto, Brasil 1998 Centro Cultural São Paulo, São Paulo, Brasil

Exposições Coletivas 2013 Charles-Henri Monvert, Sérgio Sister: a cor reunida. Galerie Emmanuel Hervé, Paris, França Correspondências, Instituto Tomie Ohtake, São Paulo, Brasil

1996 Galeria Casa da Imagem, Curitiba, Brasil Marilia Razuk Galeria de Arte, São Paulo, Brasil

2011 Los Limites, Galeria Rafael Ortiz, Sevilha, Espanha O Colecionador de Sonhos, Instituto Figueiredo Ferraz, Ribeirão Preto, Brasil

1995 Galeria Millan Antonio, São Paulo, Brasil

2010 Ponto de Equilíbrio, Instituto Tomie Ohtake, São Paulo, Brasil

1993 Galeria André Millan, São Paulo, Brasil Galeria Casa da Imagem, Curitiba, Brasil

2009 Obra Menor, Ateliê 397, São Paulo, Brasil Superfície Ativada, Galeria Silvia Cintra, Rio de Janeiro, Brasil

1992 Capela do Morumbi, São Paulo, Brasil

2008 Caros amigos, Memorial da América Latina, São Paulo, Brasil

1990 Galeria Millan Antonio, São Paulo, Brasil

2006 Ao mesmo tempo o nosso tempo, Museu de Arte Moderna de São Paulo, São Paulo, Brasil Arquivo Geral, Casa Hélio Oiticica, Rio de Janeiro, Brasil

1989 Centro Cultural São Paulo, São Paulo, Brasil Sala Macunaíma, Fundação Nacional de Artes, Rio de Janeiro, Brasil 1988 Galeria Millan Antonio, São Paulo, Brasil 1986 Paulo Figueiredo Galeria de Arte, São Paulo, Brasil 1983 Paulo Figueiredo Galeria de Arte, São Paulo, Brasil

2003 Fábio Miguez, Rodrigo de Castro e Sérgio Sister, Galeria Celma Albuquerque, Belo Horizonte, Brasil 2002 25a Bienal Internacional de São Paulo, São Paulo, Brasil 2001 A Cor na Arte Brasileira – Museu de Arte Moderna de São Paulo, São Paulo, Brazil


Sérgio Sister 2000 Galeria Nestlé, São Paulo, Brasil 1999 Panorama da Arte Brasileira, Museu de Arte Moderna de São Paulo, São Paulo, Brasil 1995 Morandi no Brasil, Centro Cultural São Paulo, São Paulo, Brasil 1993 Desenhos, Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil 1992 Panorama do Desenho Brasileiro, Museu de Arte Moderna de São Paulo, São Paulo, Brazil 13 artistas paulistas, Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brazil 1990 Panorama da Arte Atual Brasileira/90 - Papel, Museu de Arte Moderna de São Paulo, São Paulo, Brasil 1989 Arte Contemporânea São Paulo/Perspectivas Recentes, Centro Cultural São Paulo, São Paulo, Brasil Artistas Contemporâneos, Fundação Nacional de Artes, Rio de Janeiro, Brasil 1985 Pequenas insurreições, Centro Cultural São Paulo, São Paulo, Brazil 1967 Jovens artistas, Museu de Arte Brasileira, São Paulo, Brasil Jovem Arte Contemporânea, Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil Bienal Internacional de São Paulo, São Paulo, Brasil

Coleções Públicas Centro Cultural São Paulo, São Paulo, Brazil Coleção Itaú, São Paulo, Brazil Instituto Figueiredo Ferraz, Ribeirão Preto, Brazil Museu de Arte Moderna de São Paulo, São Paulo, Brazil Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brazil Pinacoteca do Estado de São Paulo, São Paulo, Brazil


Rua Siqueira Campos 143 ljs. 147/150 2ยบ piso Copacabana Rio de Janeiro RJ Brasil 55 21 2549-6278 I arturfidalgo.com.br

Sérgio Sister  

Portfólio do artista Sérgio Sister. Artur Fidalgo galeria.

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you