__MAIN_TEXT__

Page 1

Fotografias de João Urban em Pernambuco, a paisagem e o sagrado

JOÃO URBAN

JOÃO

FOTOGRAFIAS DE JoÃO URBAN EM PERNAMBUCO

URBAN A PAISAGEM E O SAGRADO

2020

10/MAR A 18/ABR

apg_expo_joao_urban_catalogo_v6.indd 1

03/03/2020 16:22


apg_expo_joao_urban_catalogo_v6.indd 2

03/03/2020 16:22


JOÃO

FOTOGRAFIAS DE JoÃO URBAN EM PERNAMBUCO

URBAN A PAISAGEM E O SAGRADO

10/MAR A 18/ABR DE 2020

apg_expo_joao_urban_catalogo_v6.indd 3

03/03/2020 16:22


O POLACO VIU O MUNDO E ELE ESTAVA NO BODE

Por incrível que possa parecer, aqueles poloneses e seus descendentes que João fotografou, me remetiam ao sertão nordestino. Homens e mulheres que mantinham paralisado um tempo perdido, um lugar remoto. Eram passado e

Em um dia perdido de 2016 um amigo me disse:

presente juntos, como se não importasse o

“João Urban está no Recife, vivendo e morando!”.

futuro. E haviam os cenários incríveis, as casas

Pensei imediatamente em procurá-lo, me apresentar,

de madeira repletas de imagens religiosas, de

conversar, tomar cervejas. Fiquei imaginando o

fotos, adereços, lembranças, identidades. As

que trazia o polaco curitibano ao Recife.

mesmas cores. Um lugar próximo do Sertão que eu havia encontrado, tão distinto da tragédia da

João Urban é uma das grandes referências da

seca e da ausência de tudo.

fotografia documental no Brasil,. Expôs em vários lugares do mundo. Cuba, Veneza, México, Polônia,

Por fim, foi na Arte Plural Galeria que finalmente

China,França… Tem livros icônicos, publicados na

encontrei João. O Atelier de Impressão me

Alemanha e no Brasil, além de ganhar os prêmios

convidou para mediar uma conversa de João

JP Morgan, e a Bolsa de Pesquisas Vittae. As

com a fotógrafa Flora Negri, numa noite incrível,

fotografias de João fazem parte das principais

junto a jovens interessados em ouvi-los e

coleções e acervos sobre a fotografia Brasilianista.

conhecê-los.

João Urban é um Mestre da fotografia Brasileira. Então João partiu do Recife e nunca sentamos Do seu trabalho sobre os imigrantes poloneses

para aquela conversa imaginária, repleta de

no sul do Brasil, estão fixadas em mim as fotos

revelações e segredos que todos nós desejamos

das comunidades que os poloneses fundaram no

quando encontramos com amigos ainda

Paraná na virada do século 19 para o 20. Cidades

desconhecidos. Agora, João volta ao Recife,

que preservaram hábitos, práticas, costumes,

nesta mesma Arte Plural, e me coube apresentar

arquitetura e a língua como eram originalmente

suas fotos inéditas. As fotos pernambucanas de

na Polonia, na época que vieram.

João Urban.

apg_expo_joao_urban_catalogo_v6.indd 4

03/03/2020 16:22


João morou cinco anos no Recife e com sua

João Urban nos traz o Recife de um caminhante

companheira Jussara Salazar frequentou a

pelos rios e arrabaldes, várzeas e pontes, um

comunidade do Bode, que fica ali entre o Pina

singelo constraste entre a cidade do mangue e

e o Cabanga, o Encanta Moça e o mangue,

a delicadeza de seus detalhes espalhados pelos

a antiga Bacardi e Brasília Teimosa. Com seu

muros, quintais, fachadas, janelas e suas árvores.

interesse voltado ao Maracatu Nação Porto Rico

Símbolos sagrados da sua gente mais potente.

e Encanto do Pina, e o universo do Candomblé,

Mais pernambucano, impossível.

vai nos revelando este Recife e seus arredores, com os mesmos olhos que viram seu povo

O polaco viu o mundo e ele começava no Bode!

atravessar o mundo e estacionar neste novo mundo. América. Polaco - como se define este descendente de poloneses, que agora nos apresenta estas fotos, é o mesmo João que documentou a vida dos Boia-frias ou os caminhos dos antigos tropeiros do sul do Brasil, ou os religiosos de Aparecida em São Paulo. Conhecemos agora este Recife/Pernambuco de João Urban, que igual a um estrangeiro descobrindo seu próprio País, nos mostra o que viu de mais luz da terra, dos descendentes africanos que atravessados à força pelo Atlântico, despejados nesta América com seus cantos, danças e sua fé, movem esta Nação de

Fred Jordão - Fotógrafo

festa e luz.

fevereiro de 2020.

apg_expo_joao_urban_catalogo_v6.indd 5

03/03/2020 16:22


6

JOÃO URBAN

JU16_APG022020 João Urban Poção 2018 60 x 90 cm

apg_expo_joao_urban_catalogo_v6.indd 6

03/03/2020 16:22


A PAISAGEM E O SAGRADO

JU14_APG022020 João Urban Gravatá dos Gomes 2018 85 x 60 cm

apg_expo_joao_urban_catalogo_v6.indd 7

7

JU15_APG022020 João Urban Poção 2018 60 x 90 cm

03/03/2020 16:22


8

JOÃO URBAN

JU17_APG022020 João Urban Castelo de Pesqueira 2013 60 x 92 cm

JU22_APG022020 João Urban Recife, visto de Olinda, entardecer 2014 40 x 60 cm

apg_expo_joao_urban_catalogo_v6.indd 8

03/03/2020 16:22


A PAISAGEM E O SAGRADO

JU18_APG022020 João Urban Pintura em Muro no Bairro das Graças, Recife 2018 90 x 60 cm

apg_expo_joao_urban_catalogo_v6.indd 9

9

JU19_APG022020 João Urban Árvore na Rua do Príncipe 2013 82 x 60 cm

03/03/2020 16:22


10

JOÃO URBAN

JU20_APG022020 João Urban Pé de Fruta-Pão, Olinda 2014 60 x 82 cm

apg_expo_joao_urban_catalogo_v6.indd 10

JU24_APG022020 João Urban Coqueiros no Alto da Sé, Olinda 2014 40 x 44 cm

03/03/2020 16:22


A PAISAGEM E O SAGRADO

apg_expo_joao_urban_catalogo_v6.indd 11

11

03/03/2020 16:22


12

JOÃO URBAN

JU25_APG022020 João Urban Reflexos de prédios no Rio Capibaribe, Recife 2015 40 x 60 cm

JU21_APG022020 João Urban Rio Capibaribe, Noturna, Recife 2018 40 x 53 cm

apg_expo_joao_urban_catalogo_v6.indd 12

03/03/2020 16:22


JU23_APG022020 João Urban Barbearia na Comunidade do Bode 2014 40 x 60 cm

JU26_APG022020 João Urban Coqueiros na praia do Pina 2018 40 x 60 cm

apg_expo_joao_urban_catalogo_v6.indd 13

03/03/2020 16:22


13 IMAGENS DE JOÃO URBAN: RITOS DE UMA PASSAGEM PELO RECIFE DOS “XANGÔS”1 “Nagô, nagô Nossa rainha já se coroou!...”

Profano e sagrado, ritual e dança, elaborações de uma síntese luxuosa, naquele sentido da riqueza de signos que, em Recife sopram com a brisa naturalmente. E assim, Urban chega a estes lugares através dos tambores do maracatu, vistos e ouvidos nas velhas ruas, nas esquinas do “antigo”, soando misturados à brisa do rio e do mar entre as

Ao chegar em 2013 a Recife João Urban traz

pontes. Recife ponte entre cultos e culturas,

consigo o mesmo olhar, ou gosto, ou ainda o

cultivos, tradição e a resistência que levou o

saber que em terras de Espanha também sabe

fotógrafo um dia à Comunidade do Bode no

a sabor, gosto de gostar de aromas e cores,

bairro do Pina onde plantou seu olhar e sua

no caso gosto pelos saberes desta terra onde

câmara experientes no convívio com o humano.

cultura, festa e religiosidade se confundem. Sim, seu trabalho como fotógrafo desde a 1

Cultos de origem africana praticados no Haiti e em

resistência em 64 e posteriormente povoado de

Cuba (vodu, santeria), e no Brasil (candomblé: crença e

boias-frias, tropeiros e mestres da congada foi

festas religiosas originadas com os negros jeje-nagôs,

realimentado pela convivência com o baque do

na Bahia, e os bantos). O “xangô” (Alagoas) e o culto

maracatu Porto Rico, que ali tem sua sede, no

shango de Trinidad derivam de Xangô, poderoso orixá,

acolhimento que recebeu da rainha Mãe Elda de

“um dos mais populares, prestigiosos e divulgados orixás dos candomblés, terreiros, macumbas do Recife ao

Oxóssi, no Ilê Axé Oxóssi Guangoubira, que hoje

Rio Grande do Sul”, segundo Câmara Cascudo. Xangô,

tem a frente o Mestre e Babalorixá Chacon Viana

ou Shango, é uma presença forte no continente ou nas

de Xangô e a Mãe pequena Edileuza da Oxum.

ilhas americanas, onde quer que os povos de origem africana tenham se fixado a partir principalmente do século XVIII. Fonte principal: Alaôr Eduardo Scisínio, Dicionário da Escravidão. Léo Christiano Editorial, 1997.

E sabe-se que os espaços e os mistérios de um Ilê são segredos da sagrada Mãe África, heranças trazidas pelo seu povo em forma de

apg_expo_joao_urban_catalogo_v6.indd 14

03/03/2020 16:22


culto, com suas loas e cantos, ervas e signos,

Hoje, quando vivemos um momento em que

panos e palhas da costa, riqueza de saberes que

a intolerância religiosa se apresenta de forma

só aos iniciados é permitido partilhar. Urban,

violenta em ataques aos terreiros e casas

pela profundidade e intensidade de seu trabalho

de culto afro-religiosos, esse conjunto de

foi aos poucos conquistando um lugar a partir

fotos significam uma atitude não apenas de

de um ângulo raro nesse universo fechado, por

resistência, mas também de respeito que João

se tratar de um espaço de ancestralidade e

Urban propõe como o fotógrafo que desde

espiritualidade. A comunidade o recebeu e assim

sempre se irmanou com todas as lutas pela

foi possível iniciar o grande trabalho de seis

dignidade humana, produzindo suas imagens e

anos fotografando praticamente todas as festas,

sempre ombro a ombro no diálogo com o povo

desde as obrigações de carnaval até os toques

das ruas e nas comunidades populares. Sua

de cada Orixá na casa.

passagem por Recife, portanto, traduz-se num rito único e solidário. E se reflete em não apenas

Todo esse material, imenso registro etnográfico

um, mas em todos os terreiros e caminhadas de

e fotográfico encontra-se aqui representado

luta empreendidas pelo “povo do santo”. Asé!

nessas 13 imagens, nesse 13 mágico que evoca a herança afro-religiosa e afro-cultural que, por ser tão cara como registro tanto fotográfico como humano, revela o interior e a emoção entre o corpo e o espírito. Aqui encontramos a natureza em sintonia com seus elementos vitais, através do uso que o candomblé faz de um retorno às raízes mais profundas, não apenas das culturas vindas de África, mas de igual maneira da memória das culturas ameríndias, nesse caso irmanadas com sutileza e adoração pelo sagrado saber da Jurema e dos mestres e mestras.

apg_expo_joao_urban_catalogo_v6.indd 15

Jussara Salazar, fevereiro de 2020.

03/03/2020 16:22


16

JOÃO URBAN

JU01_APG022020 João Urban Noite do Dendê-Ylê Axé Oxossi de Guangoubira 2014 60 x 90 cm

apg_expo_joao_urban_catalogo_v6.indd 16

03/03/2020 16:22


A PAISAGEM E O SAGRADO

JU09_APG022020 João Urban Entrega para Oxum 2017 60 x 75 cm

17

JU08_APG022020 João Urban Toque de Oxossi, Ylê Axé Oxossi de Guangoubira 2017 40 x 54 cm

JU02_APG022020 João Urban Noite do Dendê-Ylê Axé Oxossi de Guangoubira 2014 40 x 63 cm

apg_expo_joao_urban_catalogo_v6.indd 17

03/03/2020 16:22


18

JOÃO URBAN

JU11_APG022020 João Urban Toque de Oxum 2018 40 x 60 cm

JU07_APG022020 João Urban Toque de Oxossi, Ylê Axé Oxossi de Guangoubira 2017 60 x 85 cm

apg_expo_joao_urban_catalogo_v6.indd 18

03/03/2020 16:22


A PAISAGEM E O SAGRADO

JU06_APG022020 João Urban Osé, Ylê Axé Oxossi de Guangoubira 2017 40 x 55 cm

19

JU12_APG022020 João Urban Toque de Oxum 2018 40 x 53 cm

JU10_APG022020 João Urban Toque de Oxum, saída de Ogans 2018 40 x 60 cm

apg_expo_joao_urban_catalogo_v6.indd 19

03/03/2020 16:22


20

JOÃO URBAN

JU03_APG022020 João Urban Festa do Inhame-Ylê Axé Oxossi de Guangoubira 2014 40 x 60 cm

JU04_APG022020 João Urban Obrigação de Carnaval-Ylê Axé Oxossi de Guangoubira 2016 40 x 60 cm

apg_expo_joao_urban_catalogo_v6.indd 20

03/03/2020 16:22


A PAISAGEM E O SAGRADO

21

JU05_APG022020 João Urban Obrigação de Carnaval-Ylê Axé Oxossi de Guangoubira 2016 40 x 55 cm

JU13_APG022020 João Urban Noite dos Exus 2017 40 x 57 cm

apg_expo_joao_urban_catalogo_v6.indd 21

03/03/2020 16:23


ARTISTA

CURADORIA

João Urban

Fred Jordão

TRATAMENTO DE IMAGEM

PROJETO GRÁFICO

APOIO

R

R

INFINITY C E R T I F I E D

apg_expo_joao_urban_catalogo_v6.indd 22

P R I N T I N G

03/03/2020 16:23


Rua da Moeda, 140, Bairro do Recife Recife, PE, Cep 50030 - 040, Tel 81 3424 4431 www.artepluralgaleria.com.br

apg_expo_joao_urban_catalogo_v6.indd 23

03/03/2020 16:23


apg_expo_joao_urban_catalogo_v6.indd 24

03/03/2020 16:23

Profile for Arte Plural Galeria

JOÃO URBAN - A paisagem e o sagrado  

JOÃO URBAN - A paisagem e o sagrado  

Advertisement