Page 1

arte factos junho 2021 | AE Martim de Freitas | ano 24

Viagem ao tempo de Martim de Freitas pág. 4

Escola promotora da Sustentabilidade Ambiental...

junho 2021 | artefactos 1


editorial

índice

Artefactos no Concurso Nacional de Jornais Escolares

3 Homenagem aos 50 anos - Prof. Armando Semedo 10 Tem a palavra... Prof. Alberto Barreira, Diretor do AEMF

Prof. Luís Lobo, coordenador da Artefactos

Reportagem 4 Viagem ao tempo de Martim de Freitas 6 Baú de Recordações

Depois de alguma hesitação, decidimos candidatar a nossa revista ao Concurso Nacional de Jornais Escolares, organizado pelo Jornal Público. Este concurso, integrado no projeto "O PÚBLICO na Escola" é um projeto de educação para os media. Há muitos anos que tem uma importância central na formação, designadamente de docentes, pois, através das suas publicações e iniciativas, procura incentivar a obtenção de melhores resultados na formação dos alunos das escolas básicas e secundárias, designadamente no âmbito da educação para os media. A decisão de nos envolvermos neste Concurso não tem qualquer pretensão que não seja a de participar e de, através dele, procurarmos fazer melhor, desde logo, tentando envolver os alunos na produção de textos especificamente direcionados para a Artefactos. Não esquecemos que o tempo que estamos a passar não facilitou o trabalho e que a ausência, por largos períodos de tempo, de convivência nas escolas impediu devolver ao nosso agrupamento a agitação saudável a que estávamos habituados. No entanto, como espelha esta edição, pelas escolas do Agrupamento de Escolas Martim de Freitas não faltou produção de qualidade. Docentes, pessoal não docente, alunos e as suas famílias fizeram tudo para que o pesadelo por que 2

artefactos | junho 2021

ainda estamos a passar fosse ultrapassado da melhor forma. Nesta edição, voltamos às comemorações dos 50 anos da EB Martim de Freitas, que nasceu Escola Preparatória noutro local aqui perto e cresceu e se transformou no que é hoje uma instituição da cidade com reconhecimento pelo trabalho que desenvolve. Uma Escola Pública que se orgulha de o ser e que, por isso, contraria o que alguns arautos da desgraça vão tentando fazer passar, vendendo a ideia de que a Escola Pública não serve os interesses do país. A participação do Agrupamento de Escolas Martim de Freitas no Concurso Nacional de Jornais Escolares é também, por isso, uma forma de valorização da Escola Pública. Obriga-nos a ser mais exigentes e expõe o trabalho que, realizado com os nossos alunos, orgulha toda a comunidade educativa - um facto aferido pelos questionários à satisfação designadamente de alunos e encarregados de educação, realizados no âmbito da avaliação interna do Agrupamento. Se o Plano Anual de Atividades ficou muito prejudicado, o próximo ano letivo terá de ser de viragem. Faremos esse esforço, mas espera-se quer da parte dos responsáveis pela Educação haja, também, a visão necessária para que o futuro se construa a fortalecer o serviço público de educação e ensino.

Escola em ação 8 Maquetes representam, com realismo, a Martim 12 Semana Mundial da Vacinação Prevenção e Proteção 13 Bandeira Eco-Escola chegou 14 Dia da Árvore 15 10 Curiosidades ecológicas 15 Não há argumentos a favor do tabagismo 16 O Planeta é a nossa Casa 18 Amar o Mar é um dever de todos nós 20 Comunidade educativa sensibilizada para o papel primordial dos trabalhadores da saúde 22 O Tesouro da Liberdade 22 Há Poesia na Escola 23 Uma bandeira para representar a Escola 24 O Dia da Europa e a União Europeia 25 Onde está o Ecolápis? 26 Jardim de Infância: “É pelo sonho que vamos construindo pontes entre o que sei e o que quero saber” Biblioteca 28 Leituras de verão 31 Marcadores são puzzle sobre a Lenda de Martim de Freitas Escola com Todos 30 Terapia de Som com Taças Tibetanas em alunos com medidas adicionais


Gravura de Coimbra, séc. XV

Homenagem aos 50 anos

Prof. Armando Semedo | Presidente do Conselho Geral

Uma homenagem à Escola pelos 50 anos da sua fundação e a todos os que elevaram o seu nome e ajudaram a construir o futuro A Escola Martim de Freitas está a comemorar 50 anos de existência. Surge no início da década de 70, do século XX, pouco depois do reconhecimento do “Movimento da Escola Moderna”, em meados dos anos 60. Com a revolução do 25 de abril, a escola vive uma das fases mais marcantes da sua existência, com repercussão nos anos subsequentes. A transformação da sociedade, com o direito à liberdade e ao pensamento crítico, vem esbater o hiato entre a escola e a sociedade e destacar a importância do ensino em Portugal. Desde esse marco histórico, várias têm sido as reformas introduzidas na escola e no sistema educativo, assentes nas mais variadas realidades sociais, que introduziram diversas inovações nas metodologias de ensino e no processo educativo, em geral. A Martim de Freitas foi acompanhando, ao longo das últimas décadas, estas inúmeras

transformações que se foram verificando na educação, dando resposta a uma nova realidade educativa com a reformulação dos modelos pedagógicos e com a aplicação de novas estratégias, que proporcionaram uma maior solidariedade, integração e justiça social. O conhecimento holístico, o recurso às novas tecnologias da informação e da comunicação e a implementação dos valores da cidadania: respeito pelo outro, respeito pelo ambiente e pela diversidade cultural, têm sido fatores determinantes e uma constante preocupação da sua afirmação no combate à massificação do ensino e à exclusão. O investimento em equipamentos, a requalificação de infraestruturas e a implementação dos mais variados apoios socioeducativos, tem tido um papel fundamental na prevenção do abandono escolar, no combate ao insucesso e na promoção do sucesso educativo. Assente

neste novo paradigma, apresentase como uma escola plural, multicultural e integradora de várias realidades sociais, que pugna pelo sucesso e pelo bem-estar dos seus alunos, tal como se exige a uma escola pública de qualidade. Esta trajetória de sucesso, sustentada na construção de um projeto educativo rigoroso, sério e competente, tem-se traduzido no reconhecimento público da comunidade. Os próximos tempos serão marcados por novos estímulos que exigem a adoção de estratégias para atingir novas metas. A capacitação digital, a diferenciação pedagógica, a educação inclusiva e a educação para a cidadania, a par com a redefinição das aprendizagens essenciais, serão, certamente, os maiores desafios para melhorar a qualidade e continuar na senda do sucesso. Parabéns à EMF, por estes 50 anos! junho 2021 | artefactos 3


reportagem Viagem ao Tempo de Martim de Freitas

Confirmada ida a Toledo. Comprovada lealdade descrita em vários documentos. seu Senhor, D. Sancho II. Corria o ano de 1248. Coimbra continuava cercada pelas tropas de D. Afonso há muitos meses e as dificuldades que se passavam dentro de muros eram imensas. Soldados e população da cidade começavam a desesperar. Depois de muitos esforços, as jovens viajantes no tempo conseguiram entrar nos aposentos do Alcaide-Mor, que apanhou um valente susto, pois as roupas estranhas que vestiam, para além da idade muito jovem que aparentavam fizeram-no pensar o pior. E antes que o nobre desse o alarme...

Repórteres da Artefactos, com o objetivo de mais sabe- Uma das emissárias rem sobre o Alcaide de Coimbra, Dom Martim de Freitas, tomou a palavra viajaram no tempo com recurso ao Temporium, instru“D. Martim de Freitas, é um mento cujo segredo da existência foi guardado a sete chaves pela direção do Agrupamento, para saberem mais privilégio conhecê-lo! Tenha calma e não tenha medo. Como sobre o episódio da famosa lenda do alcaide de Coimbra. verá, não estamos armadas. Equipa de Reportagem: Filipa Gomes, Inês Alves, Lara Ferreira, Leonor Matos, Matilde Rodrigues, Tatiana Moreira (8.º Ano) Orientação: Prof.ª Fernanda Repas Nos 50 anos da Escola Martim de Freitas, estava chegada a altura de confirmar as histórias que sobre o patrono deste estabelecimento de ensino se têm escrito. Para tal, utilizou-se um instrumento que permitiu esta viagem no tempo - o Temporium. Easte, é o resultado de muitos e cuidadosos estudos e testes, mas a sua utilização não excluía riscos pois sabia-se que

4

artefactos | junho 2021

alguma coisa podia correr mal. Só podia utilizar-se para uma viagem de ida e volta ao passado ou ao futuro. A missão era composta por seis alunas destemidas que iriam investigar a veracidade da lenda que se conta sobre Martim de Freitas.

“Temporium” funcionou!... As nossas investigadoras entraram nas muralhas da cidade de Coimbra poucas horas depois de Martim de Freitas chegar de Toledo, após confirmar a morte do

Nós somos viajantes do tempo e estudamos numa escola que tem o seu nome. Se não se importar, gostaríamos de lhe fazer algumas perguntas. Vimos em paz e estamos aqui, apenas, para tentar perceber algo mais acerca de vós, Excelência”. Martim de Freitas, como sabemos, era um homem corajoso e, apesar da estranha situação explicada pelas nossas jovens alunas, aos poucos, foi-se acalmando e, cansado da viagem e impaciente pelo que ainda tinha de fazer antes de se deitar, aceitou responder às perguntas que aquelas seis raparigas tinham


para lhe fazer. “Sim, claro que sim. Eu terei imenso gosto em poder contar-vos episódios da minha história, mas não sei se estou a perceber bem o que se está a passar”, respondeu. Seguiu-se uma curiosa entrevista que aqui se reproduz. Artefactos – Ora, então, muito bem! Nem sabemos como agradecer-lhe. A que se deve essa tão grande fidelidade a D. Sancho II? Martim de Freitas – Eu sou muito fiel a D. Sancho II, porque foi através dele que eu me tornei Alcaide da Cidade de Coimbra. Artefactos – Como reagiu ao saber da morte d’el-rei? Martim de Freitas – Oh, não queria acreditar! Montei no meu cavalo e parti para Toledo, em busca de toda a verdade! Artefactos – Sim, mas, quando D. Sancho II morreu, porque é que não quis entregar as chaves da cidade a seu irmão, D. Afonso?

Artefactos – E o que fez após esse tão grande ato de dignidade e lealdade? Martim de Freitas – Como alcaide da cidade, era meu dever levá-las de volta para Coimbra. Era aí que elas pertenciam! Artefactos – Isto é uma curiosidade de há muito tempo. Como soube, senhor Dom Martim, onde D. Sancho II estava sepultado? Martim de Freitas – Depois de saber que era em Toledo que D. Sancho II estava sepultado, quando cheguei à cidade preocupei-me em tentar encontrar o seu Alcaide. Foi ele que me disse que o meu senhor estava sepultado na Igreja dos Franciscanos. Agradeci-lhe e parti para o local. Artefactos – Como comprovou que ele estava morto?

Martim de Freitas – Eu achei por bem não entregar logo as chaves a D. Afonso devido a não saber se D. Sancho II estava realmente morto. Se o fizesse, iria estar a trair a confiança de quem me tornou Alcaide da Cidade.

Martim de Freitas – Ao chegar à igreja, questionei o sacristão se a informação que o Alcaide me dera era fiável. Respondeu que sim, mostrando-me o local do seu túmulo e levantando a pedra, a meu pedido. Fiquei transtornado ao ver o corpo d’el rei. Ajoelheime e orei pelo descanso da sua alma.

Artefactos – Porque é que foi a Toledo?

Artefactos – Então, o que vai fazer agora?

Martim de Freitas – Eu fui a Toledo porque queria verificar com os meus próprios olhos que D. Sancho II estava realmente morto.

Martim de Freitas – Estou desejoso de contar isto que vos digo aos meus concidadãos aqui sitiados, enquanto duram as tréguas que me permitiram deslocar-me a Toledo, para, de seguida, fazer o que tem de ser feito – abrir as portas da cidade à entrada do exército do futuro Rei. Artefactos – Dom Martim de Freitas, muito obrigado pelo seu tempo. Foi uma honra e um privilégio conhecê-lo, uma vez que faz parte da história da nossa cidade e da nossa escola. Martim de Freitas – O prazer foi meu por poder partilhar a minha história com estudantes do futuro, por muito estranho que isto me esteja a parecer! Lembremse, são vocês que levarão o meu legado para as gerações vindouras. Dom Martim preparou-se, de imediato, para se dirigir para a muralha do castelo, onde deverá ter dado ordens para que as portas da cidade fossem abertas à entrada das tropas de Afonso, irmão de D. Sancho. Porém, antes de passar a porta, olhou para trás e foi, então, que reparou que eles já não se encontravam lá! Teria imaginado isto tudo, fruto do cansaço de tão longa e dura viagem?

Artefactos – E o que fez com as chaves das muralhas de Coimbra que guardou com a sua própria vida? Deixou-as junto ao túmulo de D. Sancho II? Martim de Freitas – Depois de confirmar o sucedido senti-me no dever de colocar as chaves sobre o corpo daquele que era, de facto, o meu rei. Só assim poderia entregá-las a D. Afonso sem qualquer tipo de ressentimento. junho 2021 | artefactos 5


baú de recordações Neste ano em que se comemoram os 50 anos da Escola Básica dos 2.º e 3.º Ciclos do Ensino Básico Martim de Freitas (EB 2,3 Martim de Freitas) não pudemos deixar de ir ao baú das recordações.

brincar com as palavras. Curiosidades, história, entrevistas, passatempos e jogos, tanta coisa se podia encontrar. Num tempo em que a imagem começava a ganhar espaço, o texto era o rei do “Tagarelas”. Recordamos aqui a Lenda de Coimbra que o “Tagarelas” publicou e que, por sermos de Coimbra, de todos deve ser conhecida. A origem do nome da Cidade

TAGARELA Encontrei um Jornal que dava pelo nome “Tagarela” e que pertencia, mesmo, à Escola Preparatória Martim de Freitas, designação que tinha em 1983, quando o número inspecionado (n.º 2) foi publicado. Pelos vistos o “corpo redatorial” juntava muita gente e estava entusiasmado com os resultados do primeiro número. Na primeira página, explicitam que “Já conscientes das dificuldades que se nos deparam tentamos superá-las dentro do possível. Elas são a força, a esperança, o entusiasmo, a alegria de conseguirmos realizar um trabalho que queremos cada vez melhor – o nosso”. Pois é! E assim foram fazendo caminho perseguindo o sonho de fazer informação e de 6

artefactos | junho 2021

(Lenda de Coimbra, sobre uma recolha realizada por Vanda Brito e Sousa, 1983) Diz uma lenda que houve, em tempo, na cidade, uma princesa que era muito amada por um esforçado cavaleiro. Apesar dos esforços do jovem para casar com ela, os pais da princesa não consentiam, pois nenhum feito até então realizado era suficiente para honrar e merecer a princesa. O moço já estava desesperado. Porém, uma terrível e grande serpente apareceu, vinda dos céus, o que mergulhou a cidade num enorme pavor. A esta serpente o povo dava o nome “COLUBER”. Não se conhece, porém, a razão nem a origem deste nome. Ora, a princesa viu aqui a sua oportunidade e, sabendo o seu amado tão corajoso e bravo cavaleiro, convenceu os pais de que quem matasse aquela

serpente teria a sua mão em casamento. Os pais aceitaram e os arautos espalharam a notícia. Foi um corrupio de cavaleiros a tentar a sorte. No entanto, o amado da bela princesa foi o único a aproximarse da toca de “COLUBER”. Chegado à entrada, fez uma fogueira e com o seu manto fez entrar muito fumo, o que obrigou logo COLUBER a sair. O cavaleiro tentou, nessa altura, cortar-lhe a cabeça, mas falhou e iniciou-se uma luta terrível e fantástica, na qual o jovem moço esteve por diversas vezes em risco de vida. Estava ele já desesperado, quando com muita sorte e perícia lá conseguiu cortar a cabeça à serpente. Dessa forma, o matador de “COLUBER” conseguiu casar com a sua amada (os seus pais cumpriram o prometido). Acrescenta a lenda que no local em que a serpente foi derrotada, caindo morta, nasceu uma povoação a que deram o nome de “COLUBER BRIGA” (que significa Batalha da Cobra). Mas isto já foi há tantos, tantos anos, que já não se sabe se foi mesmo assim, pois esta história foi passando de contador para contador de histórias, até aos nossos dias.

ComTudo A “Martim” tomava, nesta altura, o nome C+S Martim de Freitas e o Clube de Jornalismo juntava professores e alunos que


Os miúdos regozijavam com as histórias e os escritos deixados em testemunho e os graúdos levavam-nos para guardar e recordar. procuravam fazer deste novo título (ComTudo) um espaço em que se dava margem à criatividade, à informação e à intervenção cívica. A “ComTudo”, de março de 1989, deixava claro que quem ensinava e estudava nesta escola não estava muito satisfeito com algumas coisas. E a indignação estalava: o Ginásio que não existia numa escola com cerca de 2000 alunos, lamentando a fatalidade de ficarem “ensopados” quando chovia ou de terem de se recolher numa sala de aula normal onde não era possível ter aulas em condições; os balneários não tinham água quente e eram exíguos; pedia-se um esforço na manutenção de higiene nas casas de banho por serem poucas e por não haver o cuidado desejado, desde logo por faltarem os necessários artigos de higiene; e quanto ao bar, os alunos começavam a sugerir que houvesse preocupações com a saúde alimentar. “ComTudo” cumpria o seu papel.

BASÓFIAS Também a escola básica do 1.º ciclo de Montes Claros dava os seus passos no jornalismo escolar, com o “Basófias”. Esta escola tinha, portanto, a sua própria publicação muito ilustrada pelos seus alunos e com a participação empenhada do ATL que era dirigido pela Associação de Pais. No número que revisitámos (de junho de 2004), percebemos que férias e Santos Populares eram

chamadas de primeira página e, por isso, alvo de grande excitação. Agora, em 2021, as Férias serão uma certeza. Já as festas populares e os arraiais, provavelmente, terão de ficar para os anos que se seguirão. Ano este tão atípico e melancólico. Para o alegrar e deixar uma réstia de esperança a pensar no futuro muito melhor, aqui ficam duas quadras populares que servem para dançar e cantar. As duas são um retrato de um tempo que é cada vez mais distante, mas que ainda se encontra em algumas festas por este país fora: fogueiras para saltar, festões, bandeirolas e manjericos, os grilos a cantar nas janelas e os balões para as alegrar: É noite de S. João! Vou ver as marchas passar, E deito fogo de vistas, E hei-de a fogueira saltar. Cheira a rua a manjerico, Cantam os grilos nas gaiolas, Pus um balão na varanda E mais de dez bandeirolas O “Artefactos” é, por isso, o legítimo herdeiro destes Três jornais escolares que eram sempre tão ansiosamente esperados quer por quem os fez, quer por quem os lia, a que se junta um outro que, tanto quanto foi possível apurar, dava pelo nome de “O Formiguinha” a que prometemos voltar em próxima edição, caso nos chegue pelo menos um exemplar (nada encontrámos em arquivo). Os miúdos regozijavam com as histórias e os escritos deixados em testemunho e os graúdos levavam-nos para guardar e recordar.

ARTEFACTOS A ArteFactos dava os seus primeiros passos em dezembro de 1997, está, por isso, a fazer quase 24 anos. Coabitava com outras publicações de escolas que vieram a integrar o que é hpje o Agrupamento de Escolas. Dez anos depois, no outono de 2007, com o ano a ganhar balanço, três alunas (Leonor Pires, Raquel Ferreira e Mariana Rajado) davam o mote para o que tinham pela frente: O ano é ainda uma criança Tem imenso que crescer Mas, até lá, toca a trabalhar Temos muito que fazer Este (2020/21) está a acabar, mas o espírito de quem assim escrevia mantém-se. Daí para cá, Artefactos pegou no conselho e foi crescendo em páginas. Quer, agora, continuar a mostrar o que se faz no Agrupamento de Escolas Martim de Freitas, honrando o que se fez no passado, mas, sobretudo, garantindo muitas boas notícias no futuro. | Luís Lobo

junho 2021 | artefactos 7


escola em ação

Maquetes representam, com realismo, a “Martim” Ficámos a saber que a pandemia também serviu para fazer diferente e, dessa forma, motivar alunos e famílias para se envolverem nas aprendizagens mais significativas, na construção de um espaço comum – o conhecimento.

Artefactos foi ouvir a professora da turma B do 4.º ano (pólo da EB Martim de Freitas), Lurdes Cavaco, a propósito de duas maquetes do espaço envolvente e de implantação da Martim e percebeu que a COVID-19 também impulsionou uma atividade que acabou por envolver, também, os encarregados de educação. Artefactos - Como surgiu a ideia de se fazerem estas maquetes da Escola Martim de Freitas? Prof.ª Lurdes Cavaco - O tema de articulação curricular deste ano são os 50 anos da criação da Escola Preparatória Martim de Freitas e houve a preocupação de, depois de conversarmos na sala, entre todos, encontrar um processo que levasse ao 8

artefactos | junho 2021

conhecimento da dimensão, do espaço da escola e envolvente. Conhecer de que modo e onde se implantou a escola. Artefactos - Mas há ali um trabalho, de certa forma, minucioso… Prof.ª Lurdes Cavaco - A qualidade das maquetes levou a que uma tenha sido já escolhida, a pedido do diretor do Agrupamento, para integrar uma exposição e, seguramente, integrar aquele que será o futuro museu do Agrupamento de Escolas Martim de Freitas. Interessante é o facto de as condições externas à escola, resultantes da pandemia, também terem tido a sua importância para o resultado obtido. Artefactos - De que modo é que a pandemia influenciou o resultado? Prof.ª Lurdes Cavaco - Todos os anos é proporcionado às escolas do agrupamento uma visita à escola sede, dos alunos que transitam do 4.º para o 5.º ano, o que, por força da pandemia, não aconteceu. O mesmo com os pais. Todos os anos era habitual receber os “novos encarregados de educação” dos meninos que vêm estudar para a Martim. Também por causa da

pandemia, essa reunião não aconteceu. Decidimos substituir essas visitas, investigando… Artefactos - E o resultado foi a representação visual e tridimensional da EB Martim de Freitas? Prof.ª Lurdes Cavaco - Sim, porque esses momentos eram muito importantes para dar a conhecer a escola, os espaços que podem ser utilizados, os cuidados a ter, os serviços a que os alunos têm acesso. Não tendo havido esse momento de encontro, pensámos que seria, então, muito bom, colocar alunos e pais a investigar e saber como seria a sua escola ou dos seus educandos. Artefactos - O resultado foi francamente positivo e mesmo surpreendente… Prof.ª Lurdes Cavaco - É verdade! É muito o orgulho que a turma tem nestes trabalhos. As maquetes são, contudo, apenas uma parte do trabalho realizado, pois também houve alunos que optaram pela elaboração de cartazes ou desenhos com o mesmo objetivo. Foi uma forma de contornarmos dificuldades com algo positivo.


curiosidades

Peixinho:

Asteróide recebeu nome de um astrofísico de Coimbra Tem dez quilómetros de diâmetro e está situado entre Marte e Júpiter. O astrofísico Nuno Peixinho revela ter ficado contente com a distinção que fará o seu nome perdurar no espaço, “enquanto houver humanidade e astronomia”. E tranquiliza: o asteróide não representa perigo para a Terra. Descoberto em 16 de setembro de 1998, numa campanha de observações do Observatório de Lowell, nos Estados Unidos, o asteroide Peixinho pertence à Cintura de Asteroides, entre as órbitas de Marte e Júpiter, e orbita o Sol a uma distância média três vezes superior à que separa o Sol e a Terra, completando uma órbita em cerca de 5,3 anos (terrestres). Nuno Peixinho, igualmente astrofísico da Universidade de Coimbra, é o único português de uma extensa lista de nomes de cientistas que foram atribuídos em junho a pequenos corpos celestes pela UAI, dirigida pela astrónoma portuguesa Teresa Lago. “Saber que há agora aí pelo espaço um asteroide com o mesmo tamanho daquele que, presumivelmente, ao colidir

com a Terra há 66 milhões de anos levou à extinção em massa do Cretáceo-Paleogeno, onde se incluem os famosos dinossauros… deixa-me sem palavras”, comentou, citado no comunicado, o astrofísico português, especialista na caracterização física e química de pequenos corpos do Sistema Solar. Publicado por Observador

Foto: credits Universidade de Coimbra

Sabias que...

Alexandre Dumas escreveu sobre a Lenda de Martim de Freitas? “(...) Um mensageiro d’el rei D. Affonso se apresentou diante da fortaleza da Horla; vinha annunciar da parte d’el-rei D. Affonso, a D. Martim de Freitas, que podia presentemente entregar as chaves da cidadella, pois que el-rei D. Sancho fallecêra em Toledo. Mandae-me um salvo-conducto, respondeu D. Martim de Freitas. Quinze dias depois o mensageiro voltou com o passaporte pedido. D. Martim deixou a guarda do castello ao velho escudeiro que era outro elle, vestiu a sua mais forte couraça, cingiu a mais rija de suas espadas, toujou a sua melhor lança, montou no mais destro dos seus ginetes, e andou tanto por estradas e atalhos que depressa chegou a Toledo. Apenas chegado, foi procurar o alcaide. - Será verdade, lho disse ele, que el-rei D. Sancho é morto? - Sim: lhe respondeu o alcaide. - Em que parte está enterrado? perguntou D. Martim.

- Na igreja dos franciscanos. - Deus vos pague. D. Martim partio para a dita igreja. - Será verdade, disse ele ao sacristão, que el-rei D. Sancho esteja enterrado nesta igreja? - Sim: respondeu-lhe o sacristão. - Em que lugar está o seu túmulo? perguntou D. Martim. - Ei-lo ali. - Levantae a pedra. O sacristao levantou a pedra; D. Martim reconheceu el-rei. Ajoelhou, orou pelo descanso de sua alma: depois levantou-se e, tirando da algibeira uma chave, pô-la nas mãos d’el-rei. - Meu caro e querido senhor, lhe disse elle, aqui está a chave do vosso castello da Horla, que fielmente guardei durante a vossa vida e que vos entrego fielmente depois da vossa morte: sustentei o meu juramento descansae em paz. (...)” (in Sítio do AEMF - Martim de Freitas: Novella (1841), Dumas, A., Biblioteca da Universidade de Toronto, pags 56-58)

junho 2021 | artefactos 9


tem a palavra

“Todos, com o seu contributo, ajudaram a construir uma escola que se foi afirmando como uma referência na cidade” Alberto Barreira, Diretor do AE Martim de Freitas

A nossa história constrói-se no passar de cada momento, na sucessão de acontecimentos que vão ocorrendo, na soma de vários tempos! Hoje vivemos um tempo da pandemia. Ninguém terá dúvidas que este será um daqueles momentos que ficará na história deste país, deste nosso mundo! O vírus que nos cercou insiste em condicionar a nossa vida e, ainda que os avanços no processo de vacinação nos vão trazendo alguma esperança no regresso da normalidade, é provável que nos próximos meses continuemos a viver com algumas condicionantes e a manter algumas adaptações atualmente em vigor. Será necessário continuar a cumprir as orientações da DGS e a protegermo-nos uns aos outros.

10

artefactos | junho 2021

Contudo, certamente resistiremos e, no final, faremos parte da história como aqueles que foram capazes de enfrentar uma pandemia, que souberam adaptar-se e conseguiram continuar a cumprir a sua missão. À semelhança do nosso patrono, Martim de Freitas, devemos continuar a defender os valores em que acreditamos e a tentar construir uma escola de todos e para todos, em todas as circunstâncias.


Os 50 anos da Escola Martim de Freitas, que este ano se assinalam, são marcados por este esforço constante de responder às necessidades da comunidade, nomeadamente, dos seus alunos. Desde a sua criação, em 1971, milhares de alunos e respetivas famílias, centenas de professores e auxiliares, passaram por esta instituição. Muitos fizeram aqui fizeram parte importante da sua formação, outros aqui fizeram a sua carreira. Todos, com o seu contributo, ajudaram a construir uma escola que se foi afirmando como uma referência na cidade. A dedicação e profissionalismo dos professores que aqui exerceram a sua função tem sido um dos pilares do sucesso. Mesmo nos momentos mais exigentes, de que são bom exemplo os sucessivos períodos de isolamento dos últimos meses, colocaram os interesses dos alunos acima de qualquer outra motivação. Independentemente das funções desempenhadas (professores, diretores de turma, elementos da Direção ou outras), foram estes que ajudaram muitas crianças a tornarse homens e mulheres bem preparados e que conseguiram alcançar carreiras de sucesso. O trabalho, quase impercetível por vezes, de todo o pessoal não docente é um aspeto que é justo salientar. São eles o rosto da escola, que mantêm durante anos a fio e que vão transmitindo confiança às famílias que diariamente aqui entregam os seus filhos. É também com eles que os alunos constroem relações de proximidade, fazem confidências e amizades. A escola faz-se com o contributo de todos. As famílias têm sido parte importante da vida da Escola Martim de Freitas. Não só pela confiança que depositam na instituição, mas também nos contributos positivos que têm sabido dar, seja individualmente ou através das estruturas que os representam. A cumplicidade que tem mantido com a escola é, indubitavelmente, uma marca que distingue esta escola.

escola. São eles a maior e mais importante bandeira. São eles que dão sentido à existência desta escola e que materializam o esforço de todos. Têm sido eles os melhores embaixadores do trabalho aqui desenvolvido. Na continuidade dos seus percursos têm promovido continuamente a imagem da escola destacando-se enquanto alunos e cidadãos. A Escola Martim de Freitas tem-se destacado como um espaço de promoção do conhecimento, de construção de relações, de formação integral de indivíduos com preocupações que vão para além dos currículos formais e onde todos, independentemente das suas capacidades ou origens, podem afirmar-se e potenciar as suas competências. Uma escola de e para as pessoas! Que nos próximos 50 anos, esse desígnio continue a cumprir-se.

“À semelhança do nosso patrono, Martim de Freitas, devemos continuar a defender os valores em que acreditamos e a tentar construir uma escola de todos e para todos, em todas as circunstâncias.”

Ao longo deste meio século, foram milhares os alunos que ajudaram a construir a história desta junho 2021 | artefactos 11


escola em ação Martim de Freitas

Semana Mundial da Vacinação

Prevenção e Proteção

Vacinação, recordando que esse é um direito de todas as crianças, jovens e adultos. Neste âmbito na Escola Martim de Freitas, a comunidade educativa foi sensibilizada para uma reflexão sobre o papel fundamental da vacinação na saúde da população mundial. Durante a semana de 24 a 30 de abril esteve patente uma exposição de cartazes alusivos à efeméride, nos expositores do bloco D, elaboradas pelos alunos, equipa do CATL 2º e 3º Ciclos Martim de Freitas e equipa do PES.

A Semana Mundial da Vacinação, pretende sensibilizar para a importância da vacinação, na prevenção de doenças e na proteção da vida. De acordo com a OMS, a vacinação é um dos meios mais económicos e eficazes para prevenir doenças infeciosas graves. É o principal instrumento de prevenção primária de doenças. A imunização das pessoas através da vacinação é a melhor defesa contra doenças contagiosas graves preveníeis, que, por vezes, são mortais. Graças à generalização das vacinas, a varíola foi erradicada, a poliomielite desapareceu da Europa e muitas outras doenças foram praticamente eliminadas. No atual contexto de pandemia de Covid-19, a DGS considera que é ainda mais importante relembrar a importância da vacinação recomendada no Programa Nacional de

12

artefactos | junho 2021

Equipa Projeto Educação para a Saúde Professores Ciências Naturais, e CATL 2º e 3º Ciclos Martim de Freitas


escola em ação

Bandeira Eco-Escola chegou às escolas do nosso Agrupamento No dia 2 de junho as Bandeiras Verdes do programa EcoEscolas foram entregues por uma delegação da Câmara Municipal de Coimbra, composta pelo Diretor e pelo Chefe do Departamento de Desenvolvimento Social, Saúde e Ambiente e pela Sra. Eng.ª Alzira Rodrigues. Mais uma vez, a EB 1 de Montes Claros e a EB Martim de Freitas receberam este galardão, a que se juntou, pela primeira vez, a EB1 de Santa Cruz. Galardão que reconhece o trabalho realizado em prol da sustentabilidade ambiental e da responsabilidade social e cívica em defesa do Ambiente. Em 2020-21 estas escolas encontram-se a desenvolver projetos em diversas áreas, em muitos casos dando continuidade à atividade de anos anteriores. São já vários os anos consecutivo s que a educação ambiental é reconhecida pela sistemática atividade realizada no AEMF, envolvendo toda a comunidade educativa. Estão, por isso, de parabéns, alunos, docentes e trabalhadores não docentes quer das escolas, quer dos ATL, quer, ainda, das AEC.

No dia 15 de junho, alunos de vários anos de escolaridade e professores fizeram da manhã na EB Martim de Freitas um momento especial da celebração da defesa do Ambiente. Foi hasteada e bandeira verde e realizadas várias atividades de música, dança, pintura e poesia para assinalar a entrega dos galardões às escolas de Agrupamento.

“Hotel dos Bichos” avança Como veem, o Hotel dos Bichos está muito avançado. Agora é preciso equipar as divisões (mesas, cadeiras, camas, etc). Para tal pedimos que (quem puder) traga paus de bambu, bocados de madeira furada, pedrinhas.... conchas, para colocar no meio das paletes. Podem entregar na EB1 de Montes Claros à Dona Arminda que colocará numa caixa. Ora digam lá se não está a ficar giro! E já tem novos hóspedes...

junho 2021 | artefactos 13


escola em ação Dia da Árvore

Preservar, equilibrar e qualidade de vida O Bruno, a Gabriela, o Gustavo e o Rafael, alunos do 6º ano, deixam aqui pequenas mensagens sobre as árvores: “A árvore dá-nos oxigénio necessário para vivermos de uma forma mais saudável.” Bruno

A comemoração do Dia Mundial da Árvore, a 21 de março, pretende sensibilizar para a preservação das árvores e a sua importância para o equilíbrio ambiental e para a qualidade de vida das pessoas.

“Uma árvore é o nosso presente, uma árvore é o nosso futuro. Se não as preservarmos o que será do nosso futuro, o que será de nós? Ajudem o ambiente e reciclem. Ajudem o nosso futuro!” Gabriela “A minha árvore favorita é o sobreiro porque nos dá não só

oxigénio para vivermos, como também uma substância muito importante para o comércio português, a cortiça.” Gustavo “A minha árvore preferida é o pinheiro porque me faz lembrar o Natal. Eu gosto muito de ver os pinheiros todos decorados com luzes e enfeites coloridos.” Rafael A Primavera trouxe uma imagem diferente da nossa Escola: algumas árvores “vestiram-se” a rigor e o floreado criou uma paisagem singular!

Sessão de sensibilização ambiental

No dia 26 de março, os alunos do 1º ciclo da EB Martim de Freitas e EB1 de Montes Claros assistiram a uma sessão online de sensibilização ambiental, intitulada “Poupar é Ganhar”. O projeto pedagógico apresentado pela Betweien visa promover comportamentos ambientalmente responsáveis. Os nossos alunos conheceram 14

artefactos | junho 2021

a história da Mariana e do seu amigo Paco que mostraram a importância da água, da reciclagem e da poupança de energia. Podes requisitar o livro “Poupar é Ganhar” na biblioteca e aprenderes mais sobre esta história. Coordenadoras EB Martim de Freitas e EB1 Montes Claros


10

Curiosidades Ecológias Sabias que... … quando desligamos o botão de standby da televisão e de outros eletrodomésticos estamos a poupar energia? … um banco de jardim pode ser feito a partir da reciclagem de plástico? … o plástico que há nos oceanos se fragmentam em bocadinhos mais pequenos (microplástico) e que podem ser ingeridos pelos peixes e outros animais marinhos, pondo em causa a sua sobrevivência e a saúde dos humanos se os ingerirem? … o plástico que vai para o oceano, por minuto, conseguiria encher um camião do lixo? … a cortiça é um produto totalmente natural e 100% reutilizável? … um duche de 15 minutos consome, aproximadamente, 180 litros de água? … a agricultura sustentável se preocupa com o ambiente e é mais justa para os agricultores, pois o que recebem é mais próximo do merecido pelo seu trabalho? … 92% da destruição da floresta da Amazónia se deve à plantação de soja que é utilizada na alimentação de gado? … 52% dos gases de efeito-estufa emitidos para atmosfera se deve, essencialmente à produção animal? … se estima que o consumo de água na produção de gado é de 10.000 litros por quilograma de carne (um bife, em média, significa um consumo de 2500 litros de água)?

escola em ação O Dia Mundial Sem Tabaco

Não há argumentos a favor do tabagismo!

O Dia Mundial Sem Tabaco foi criado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) em 1987 e é comemorado todos os anos em 31 de maio, visa aumentar a consciencialização sobre os efeitos prejudiciais do uso do tabaco e da exposição ao fumo passivo, e desencorajar o uso do tabaco em qualquer uma de suas formas, promovendo um estilo de vida sem fumo. A OMS apela a todos, mas especialmente aos jovens para que participem da luta contra o tabagismo e se tornem uma geração livre de tabaco. Muitas pessoas foram incentivadas a deixar de fumar durante a pandemia de COVID-19, com base em dados científicos que demonstram que o tabagismo prejudica a função pulmonar e faz com que seja mais difícil para o organismo combater o coronavírus e outras doenças.​

Não há argumentos a favor do tabagismo! Neste âmbito no dia 31 de maio, na Escola Martim de Freitas, a comunidade educativa foi sensibilizada para uma reflexão sobre os malefícios do tabagismo e para a necessidade de contribuir para uma geração livre de tabaco. Durante esta semana esteve patente uma exposição de cartazes alusivos à efeméride, nos expositores do bloco D elaborada pelos alunos, equipa do CATL 2º e 3º Ciclos Martim de Freitas e equipa do PES.

A OMS apela a todos, mas especialmente aos jovens para que participem da luta contra o tabagismo e se tornem uma geração livre de tabaco. junho 2021 | artefactos 15


destaque

O Planeta é a nossa casa. Vamos protegê-la! DIA (SEMANA) INTERNACIONAL DA TERRA Mais uma vez, sempre com a preocupação em passar a mensagem a toda a comunidade educativa para a necessidade de proteger o AMBIENTE, a EB1 de Montes Claros comemorou o Dia Mundial da Terra – 22 de abril, no âmbito do projeto Eco-Escolas. Ao longo da semana foram desenvolvidas diferentes atividades. Iniciaram-se as comemorações com a abertura da exposição “O Sistema Solar”, patente na Biblioteca da nossa escola. Foram colocadas em vasos reciclados, sementes de manjerico e sementes de tomate.

Paralelamente foi realizado em cada turma, um concurso com um conjunto de dez questões relacionadas com o tema, do qual saíram os vencedores – “OS GUARDIÕES DA TERRA”. Foi uma semana de muito trabalho, de muito envolvimento e de muito entusiasmo para conhecer melhor o nosso planeta, a nossa “casa”, com um resultado de que todos os envolvidos estão muito orgulhosos.

Sistema Solar Foram expostos e apresentados os trabalhos realizados pelos alunos do 4º ano de escolaridade, os quais foram construídos com recurso a materiais recicláveis

e reutilizáveis, efetuados em conjunto com as suas famílias, durante o período de confinamento. Todas as turmas tiveram oportunidade de a visitar, tendo um guia a acompanhar e a explicar todos os trabalhos, aproveitando para salientar algumas particularidades do nosso sistema solar, bem como para a importância do Sol para a vida no planeta Terra. Também foi visualizado um filme sobre os trabalhos expostos, mas que apresentava outros que, pela sua dimensão e características, 16

artefactos | junho 2021


não puderam ser observados presencialmente.

(micro) Plantações Reaproveitando as embalagens do leite, cada aluno fez uma ilustração com uma mensagem alusiva ao Dia da Terra com a qual forrou o pacote e plantou uma suculenta. Cada um levou a sua planta para casa para acompanhar o seu crescimento.

tinham de ter a resposta correta. No caso dos 1.º e 2.º anos a uma afirmação deveria corresponder a resposta “verdadeiro” ou “falso”. Os alunos com as melhores pontuações foram, então, premiados com o título de “Guardião ou Guardiã da Terra”. Este concurso integrou-se nas atividades promovidas sobre o Dia da Terra (Semana da Terra) pelo projeto Eco-Escolas.

Os Guardiões da Terra Guardiões da Terra é um concurso realizado na EB1 de Montes Claros com o envolvimento de todas as turmas de todos os anos de escolaridade. Para participar, foi construído um QUIZZ inspirado num jogo do mesmo género editado pelos supermercados Lidl, o qual consiste, essencialmente, na seleção de 10 questões que

A Educação Ambiental é prioridade no Agrupamento de Escolas Martim de Freitas

junho 2021 | artefactos 17


#amaromar

“Amar o Mar é um dever de todos nós” É assim que a ABAE apresenta a iniciativa deste ano em defesa do mar e dos oceanos.

18

artefactos | junho 2021

A Associação Bandeira Azul da Europa chama a atenção para o facto de “a gestão dos resíduos e, em particular, do plástico (…) ser identificada como um dos maiores problemas globais dos nossos tempos”, pois, como pode ser lido na página promotora da iniciativa Amar o Mar, o lixo que não é depositado corretamente e é transportado pelos rios e ribeiras até aos oceanos, transforma-se em lixo marinho. Tal, tem impacto significativo quer “para a fauna e flora marinhas, quer a nível social, económico e até na saúde humana”.


São, pois, poucas todas as ações que possamos desenvolver em defesa do mar e dos oceanos. Alguns números disponibilizados pela ABAE * Todos os anos, entre 1,15 e 241 milhões de toneladas de lixo chegam ao oceano através dos rios. * Cerca de 80% do lixo marinho tem origem em atividades desenvolvidas em terra. * O plástico compõe cerca de 80% do lixo marinho

e  90% do que se encontra no fundo do mar. * Estima-se que  cerca de 8 milhões de toneladas de plástico vão parar anualmente ao oceano. * As pontas de cigarro são o item que aparece em maior número nas limpezas de praia. * Um milhão de aves e 100 mil mamíferos marinhos morrem todos os anos devido à poluição por plástico.

Embora seja quase impossível contabilizar os micro plásticos estima-se que apenas 8% do lixo plástico é maior do que uma tampa de garrafa.

Estes são apenas alguns dos fantásticos trabalhos realizados por alunos do 1.º CEB (Montes Claros)

junho 2021 | artefactos 19


destaque O Dia Mundial da Saúde

Comunidade educativa sensibilizada para o papel primordial dos trabalhadores da saúde

O Dia Mundial da Saúde é celebrado anualmente a 7 de abril. A data foi escolhida pela Organização Mundial de Saúde (OMS) em 1948, aquando da organização da primeira assembleia da OMS. O objetivo desta comemoração visa garantir o melhor nível de saúde para as pessoas em todo o mundo, através da divulgação de temas importantes para a sociedade e que possam contribuir com a melhoria da qualidade de vida. O tema selecionado pela OMS para o ano de 2021 foi o Ano

20

artefactos | junho 2021

Internacional dos Trabalhadores da Saúde e Cuidadores. Este setor de trabalhadores tem um papel fundamental para assegurar saúde e bem-estar para a população. No tempo que vivemos, eles têm demonstrado dedicação, sacrifício e compromisso não só para fazer este trabalho, mas também para vencer a pandemia da Covid-19. Neste âmbito no dia 7 de abril, na Escola Martim de Freitas, a comunidade educativa foi sensibilizada para uma reflexão sobre o papel primordial dos

Trabalhadores de Saúde e Cuidadores para a saúde e bemestar das populações. Durante a semana desta celebração esteve patente uma exposição de cartazes alusivos à efeméride, nos expositores do bloco D elaboradas pelos alunos, equipa do CATL 2º e 3º Ciclos Martim de Freitas e equipa do PES. Equipa “Projeto Educação para a Saúde” Professores Ciências Naturais e CATL 2º e 3º Ciclos Martim de Freitas


destaque OS TEMAS DAS COMEMORAÇÕES NO SÉCULO XXI • 2001: Saúde mental: pare a exclusão, ouse cuidar • 2002: Movimento pela saúde • 2003: Moldar o futuro da vida: ambientes saudáveis para as crianças • 2004: Segurança rodoviária • 2005: Faça cada mãe e criança valerem a pena • 2006: Trabalhando juntos pela saúde • 2007: Segurança internacional de saúde • 2008: Protegendo a saúde dos efeitos adversos das mudanças climáticas • 2009: Salve vidas: torne os hospitais seguros em emergências • 2010: Urbanização e saúde: torne as cidades mais saudáveis • 2011: Resistência antimicrobiana: nenhuma ação hoje, nenhuma cura amanhã • 2012: Boa saúde acrescenta vida aos anos • 2013: Batimento cardíaco saudável, pressão arterial saudável • 2014: Doenças transmitidas por vetores: pequena mordida, grande ameaça • 2015: Segurança alimentar • 2016: Pare o crescimento: vença o diabetes • 2017: Depressão: vamos conversar • 2018: Cobertura de saúde universal: todos, em todos os lugares • 2019: Cobertura de saúde universal: todos, em todos os lugares • 2020: Apoie enfermeiros e parteiras • 2021: Construindo um mundo mais justo e saudável para todos

Na imprensa

Construindo um mundo mais justo e saudável Tecmundo/online

Ao eleger o slogan “Construindo um mundo mais justo e saudável” como tema do Dia Mundial da Saúde 2021, a OMS lembra que alguns grupos não só têm acesso limitado aos serviços de saúde, como também lutam para sobreviver num perverso cenário de baixos rendimentos, habitação precária, educação de má qualidade, desemprego e salários medíocres. Esses cidadãos do mundo não são apenas excluídos da cura das doenças. Eles não têm acesso a ambientes seguros, a água e ar limpos e a serviços básicos de saúde, além de sofrerem de insegurança alimentar. Tais privações podem levar a sofrimento desnecessário, doenças evitáveis e morte prematura, causando prejuízos sociais e económicos. Por entender que todas essas injustiças são evitáveis, os representantes da OMS solicitam aos governantes que garantam

que a equidade no acesso aos cuidados de saúde seja o foco da recuperação da pandemia da covid-19. O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, usou a sua conta no Twitter para criticar a concentração de vacinas num pequeno grupo de nações economicamente desenvolvidas. Para ele, essas desigualdades são “imorais e perigosas para a nossa saúde, para a nossa economia e para a nossa sociedade”.

Alguns grupos têm acesso limitado aos serviços de saúde, lutam para sobreviver num perverso cenário de baixos rendimentos, habitação precária, educação de má qualidade, desemprego e salários medíocres junho 2021 | artefactos 21


escola em ação

O Tesouro da Liberdade Para comemorar o “Dia 25 de Abril”, os(as) alunos(as) do 1.º ano da Escola EB1 de Santa Cruz escutaram atentamente e exploraram o livro “O Tesouro” de Manuel António Pina. À lista de nomes de tesouros que enunciaram então, juntou-se o da liberdade, que para eles passou a ter um novo significado. Conforme o pedido do autor, todos(as) desejam guardá-lo no seu coração e cuidar bem dele, para não ser roubado novamente. Ouviram e entoaram a canção “Somos livres” de forma sentida e, por fim, não podiam deixar de dar cor ao cravo de Abril com bolinhas de papel crepe.

EB1 Sta Cruz

Há Poesia na Escola

No sentido de sensibilizar para a importância da poesia e estimular a criatividade e a imaginação, os alunos do 3.º ano da EB1 de Santa Cruz foram desafiados a escrever um poema, no âmbito do concurso “Há poesia na escola”, promovido pelo grupo de trabalho concelhio da Rede de Bibliotecas de Coimbra, este ano subordinado ao tema “Saúde e bem-estar”. No Dia Mundial da Poesia, foram anunciados os vencedores do desafio e, no escalão do 1º Ciclo, a aluna Kyara Ortet obteve o 1º lugar, com o magnífico poema “Um abraço” (ex aequo com um aluno de outra escola do concelho). Parabéns, Kyara!

1.º Prémio

Um abraço O bem-estar É o mar A passar A música a acalmar É um abraço da mãe Que nos aquece o coração E nos faz bem. O bem-estar É o nosso Desporto preferido É o colo de um amigo. Para alguns, o bem-estar É a música relaxante E para outros É ficar no sofá. Mas para mim É um abraço Que me aquece O coração rapidamente… Kyara Ortet

22

artefactos | junho 2021


escola em ação EB1 de Santa Cruz

Uma bandeira para representar a Escola No âmbito da comemoração dos 50 anos da EB 2/3 Martim de Freitas, os alunos do 3.º ano da EB1 de Santa Cruz ouviram e exploraram a Lenda de Martim de Freitas. Depois de relembrarem o que aprenderam sobre bandeiras e brasões e identificarem alguns acontecimentos relacionados com a história local e nacional, foi lançado o desafio aos alunos de criarem uma bandeira que representasse a sua escola, escolhendo, para isso, símbolos significativos.

A turma aceitou o desafio com entusiasmo e empenho! Experimentaram-se e selecionaram-se técnicas e materiais e criaram-se bandeiras magníficas. No fim, os trabalhos foram expostos e os alunos puderam apreciar as suas criações e as dos seus colegas, mobilizando diferentes critérios de argumentação.

junho 2021 | artefactos 23


escola em ação

O Dia da Europa e a União Europeia “Todos os anos, no Dia da Europa, comemorado a 9 de maio, festeja-se a paz e a unidade do continente europeu.

Esta data assinala o aniversário da histórica «Declaração Schuman». Num discurso proferido em Paris, em 1950, Robert Schuman, o então Ministro dos Negócios Estrangeiros francês, expôs a sua visão de uma nova forma de cooperação política na Europa, que tornaria impensável a eclosão de uma guerra entre países europeus. A sua visão passava pela criação de uma instituição europeia encarregada de gerir em comum a produção do carvão e do aço. Menos de um ano mais tarde, era assinado um tratado que 24

artefactos | junho 2021

criava uma entidade com essas funções. Considera-se que a União Europeia atual teve início com a proposta de Schuman”. Mais uma vez, o grupo disciplinar de Geografia promoveu uma exposição de trabalhos, executados pelos alunos de 7º ano de escolaridade e por quatro alunos da Escola Inclusiva, acompanhados pela professora Isabel Marcelino, intitulada “A União Europeia”. A exposição podia ser visitada entre os dias 10 e 14 de maio. Este ato comemorativo prolongou-se por toda a semana, na certeza de que um ambiente diferente, numa atmosfera de identidade europeia contribui para fazer da escola um espaço de conhecimento dinâmico. A diversidade de

trabalhos expostos incluiu maquetes, cartazes, dossiês e desdobráveis alusivos a cada um dos vinte e sete países que integram atualmente a União Europeia. Uma palavra de agradecimento aos alunos participantes, pelos trabalhos bem executados, demonstrando empenho e entusiasmo, imaginação e criatividade.


escola em ação 2020-21

Candidatura ao “Onde está o Ecolápis?” Toda a informação disponibilizada pela ABAE foi divulgada aos alunos das turmas do 4.º ano de escolaridade, bem como toda a informação relacionada com a FABER-CASTELL, promotora do concurso, informação esta que constituiu o mais importante recurso para a investigação sobre o tema. Os alunos tiveram acesso a toda a informação da página “Onde está o ecolápis?”, inclusive o webinar sobre técnicas de desenho e pintura. Os alunos participantes realizaram o seu desenho em contexto de sala de aula, discutindo o tema com os docentes titulares e responsável pelo Projeto Eco-Escolas, tendo inicialmente feito um esboço que foi sendo melhorado pelos próprios. No final, a seleção foi feita através de votação na turma, entre os alunos.

Ecolápis/Faber-Castell

Prémio 2019-20 Ecolápis Menção Honrosa Como noticiámos na última edição da Artefactos, o aluno do 4.º ano da EB1 Montes Claros, Henrique Noutel, recebeu o prémio da Ecolápis/Faber-Castell 2019-20, com uma história em banda desenhada original, integrada no desafio “O ciclo do Ecolápis”.. Foi agora premiado com diverso material de desenho da marca patrocinadora da iniciativa. A Artefactos regista o facto e a arte que valeu este reconhecimento pelo trabalho realizado.

junho 2021 | artefactos 25


no jardim de infância

“É pelo sonho que vamos construindo pontes entre o que sei e o que quero saber” No agrupamento de Escolas Martim de Freitas funcionam dois Jardins de Infância: um nos Olivais e outro em Montes Claros, cada um com três salas de atividades. O início do ano foi complicado para as educadoras e crianças, mas sobretudo para os pais. A verdade é que ninguém gosta de “ficar à porta” e, este ano, os Encarregados de Educação não puderam entrar nos JI e acompanhar os filhos nos primeiros passos desta nova etapa das suas vidas. Nada que não se tivesse ultrapassado uma vez que as crianças se adaptaram rapidamente às novas condições de funcionamento, o que sossegou os pais. Não podemos negar que este ano e mais uma vez, os JI funcionaram de modo diferente. A implementação das orientações sanitárias teve implicações diretas na organização e consequentemente, nas rotinas das crianças. Os momentos de higienização entraram nas rotinas diárias e as atividades foram adaptadas à nova realidade. A vida, em contexto de escola, tornou-se menos flexível. Não obstante estas mudanças, as atividades decorreram com a normalidade possível e as educadoras reinventaram-se, enquanto profissionais, desenhando atividades que implicassem menos contacto físico e partilha de materiais. As crianças adaptaram-se e, para algumas, até trouxe alguns benefícios. Não vamos aqui elencar todas as atividades rea-

26

artefactos | junho 2021

lizadas durante este ano. Foram muitas e diversificadas. Umas pensadas para serem realizadas em casa (aquando do confinamento) outras para o contexto escolar. A expressão plástica, o jogo livre, as atividades espontâneas, os desenhos, a psicomotricidade, as atividades de matemática com descoberta de formas geométricas e padrões, e tantas outras atividades próprias deste nível educativo, continuaram a ser realizadas com normalidade, acompanhadas dos risos e brincadeiras próprias a estas idades. Deixamos, contudo, algumas imagens de atividades/ projetos desenvolvidas nos dois JI, algumas que partiram do interesse das crianças, outras das ideias dos pais (porque apesar de não entrarem no espaço físico continuaram a ser nossos parceiros privilegiados, agora através das plataformas online) e outras propostas pelas educadoras. Esperamos assim contribuir para que a comunidade educativa conheça um pouco das vivencias das nossas crianças

que, mesmo em tempos complicados, se continuam a divertir e a aprender. Ao longo deste ano, com muita imaginação e esforço de todos, foi possível realizar: - Observação de rãs: ciclo de vida das rãs e tipos de rãs. Visionamento de um filme da National Geografic. Construir o jogo de corrida de rãs. - Atividades no exterior para observar a natureza e desfrutar de atividades ao ar livre. – Reconhecimento do meio envolvente ao JI.

- A brincar demos os primeiros passos na matemática e na escrita. - História: em powerpoint (realizada em colaboração com os


encarregados de educação), com fantoches, ou dramatiadas. - Pequeno projeto sobre a alimentação saudável: “Prato Ideal” – Degustação de salada de frutas e frutas exóticas. Projeto: Os segredos da Lua: explicação das fases da lua através de experiências com luz e sombra. - Vivências alusivas ao Halloween: Conhecer uma abóbora por dentro e degustar pevides. - O outono chegou: Experiências com maçãs (flutua/não flutua e carimbagem); atividades com folhas; comemoração do S. Martinho com degustação de castanhas e trabalhos com castanhas. Vinda do vendedor de castanhas ao JI. - Observação de lesmas e caracóis: construção de um caracolário, registo de algumas observações e devolução dos caracóis à natureza. - Pequeno projeto sobre insetos – Observação das caraterísticas dos insetos e visionamento do filme Patrulha BZZZZZ Observação de animais da quinta - Projeto RIZA em articulação com a APEEJIO. - O Natal está quase a chegar: atividades relacionadas com a importância da família e com esta festividade em particular: postais de natal, visita o pai natal por videoconferência e miminho de natal para os pais – coreografia e canção de natal. - Conhecer Mondrian e as caraterísticas das suas obras. Pintar como Mondrian Mesmo em confinamento ainda aprendemos que Portugal tem vida selvagem e que é essencial preservar todas as espécies sobretudo as que estão em vias de extinção. - Perceber a nossa localização no

mundo e no espaço através do Google Earth - Observar alguns animais selvagens através de uma visita virtual ao Jardim Zoológico - Identificar alguns animais através do revestimento da sua pele - Descobrir o que é uma notícia e o que é um jornal Quando reabrimos - Experiencias no inverno: experiências sobre os estados da água e sobre a importância da gordura na proteção do frio. - Sementeiras de primavera e construções variadas com elementos da natureza. - Educação rodoviária, através de visionamento de vídeos, diálogo sobre regras e construção de percurso rodoviário (condutores e peões). - Projeto “Reis e raínhas” - Sistema Solar - Projeto “O Mar” - Artes no exterior - História, dramatização e pictograma da lenda de Martim de Freitas - Educação ambiental com exploração da reciclagem e reutilização de materiais. - Comemorar o dia da Poesia com a vinda de um pai ler poesias ao JI - Aprender como funciona o cérebro em comemoração da Semana Internacional do Cérebro, com a colaboração com o

Centro de Neurociências e Biologia Celular (CNC) a através de uma videoconferência…… - Visitámos a Escola Martim de Freitas Organizámos uma partida de futebol (“Os Espertos” contra os “furacões Selvagens” - nomes escolhidos pelas crianças) A todos quantos nos ajudaram a continuar a dar o melhor pelas nossas crianças, o nosso muito obrigado.

junho 2021 | artefactos 27


leituras de verão “Os pais não sabem, mas eu explico” de Maria João Lopes e Teresa Cortez (ilust.) Máquina de Voar

Trata-se de um livro sobre uma criança curiosa (como são todas), que faz perguntas a que os pais não sabem responder de forma satisfatória. Porque é que as estrelas não caem do céu? Porque é que o meu gato nunca está triste?...

“Poemas da horta e outras verduras” De Manuela Leitão e Marta Monteiro (ilust.) Máquina de Voar

É um livro de poemas divertidos cujo mote são os legumes da horta e outras verduras. Cada poema conta, a rimar, uma pequena história sobre uma verdura. Um livro para explorar o género literário, a poesia, e para conversar sobre as diferenças entre um livro de poesia e outro que não é de poesia. As poesias têm sempre rima? Podemos fazer uma poesia sobre qualquer coisa?...

“Era uma vez um cão”

de Adélia Carvalho e João Vaz de Carvalho (ilust.) Tcharan Este livro, escrito em verso e com muito sentido de humor, começa com um pedido de uma criança para que o pai lhe conte uma história. Mas não uma história qualquer, só a do cão. Acontece que o pai não sabe a história do cão e vai contando a de muitos outros animais até que, finalmente, juntando todas estas histórias, o pai tem uma para contar sobre o cão.

28

artefactos | junho 2021


“Orelhas de Borboleta”

de Luisa Aguilar e André Neves (ilust.) Kalandraka “Ter orelhas grandes, o cabelo rebelde, ser alto ou baixo, magro ou rechonchudo… Até a mais insignificante característica pode ser motivo e troça.”. Uma história que nos permite falar sobre as nossas diferenças: cor do cabelo, caracóis, sinais, tamanho do nariz… e de como tudo isso, apesar de nos fazer diferentes, não altera o facto de sermos todos iguais.

“Quando eu nasci”

de Isabel Minhós Martins e Madalena Matoso (ilust.) Planeta Tangerina Este é um livro sobre a grande aventura do nascimento e da descoberta de si, dos outros e do mundo. Tem como tema central a identidade. Antes e depois de lida a história, uma boa oportunidade para a criança refletir sobre si própria e sobre os outros: quando e onde nasceu, quem já conheceu, que amigos fez, quem é a sua família, se tem histórias para contar de momentos que viveu e a marcaram…

O Lápis de Mágico de Malala”

de Malala Yousafzai e de Sébastien Cosset e Marie Pommepuy (ilust.) Editorial Presença Escrito pela ativista paquistanesa e Prémio Nobel da Paz 2014, O Lápis Mágico de Malala é uma história que transmite um dos mais importantes combates em que Malala Yousafzai se envolveu – o direito das raparigas, no seu país, de irem à escola, uma luta pela igualdade de direitos. Em criança sonhava ter um lápis mágico que desenhasse coisas boas e elas acontecessem…

junho 2021 | artefactos 29


escola com todos

Terapia de Som com Taças Tibetanas em alunos com medidas adicionais ●Obter calma e clareza a nível mental e emocional ●Entrar em estado completo de relaxamento ●Aumento da criatividade, concentração e capacidade de agir

Este tipo de terapia tem inúÉ uma importante técnica de meros benefícios, dos quais terapia que utiliza o som e a destacamos: vibração para desenvolver as potencialidades da criança - baseada no princípio da ressonância, proporciona bem-estar, equilíbrio energético e uma grande paz interior. Nesta terapia são utilizadas Taças Tibetanas que produzem vibração, sons e ultrassons harmónicos que atuam diretamente sobre o corpo. Estas alinham a energia de cada célula, promovem o processo de autocura e estimulam os sistemas linfático, endócrino e imunitário. Estas Taças vieram do Nepal e são compostas por uma liga de 12 metais.

30

artefactos | junho 2021

Na EB 2,3 Martim de Freitas, os alunos do Centro de Apoio à Aprendizagem, beneficiam desta atividade todas as semanas, num local calmo e sossegado, onde podem permanecer deitados e em total relaxamento. Esta é facilitada pela professora

e também terapeuta de som, Marisa Freitas, do grupo disciplinar de Educação Física.


Vai Martim de Freitas a caminho de Toledo.

últimas

Não vai triste nem vai ledo Vai apenas a pensar, olhando as estrelas do céu, que as chaves que o Rei lhe deu do Castelo de Coimbra a ele as deve entregar. Vai cumprir o seu dever, porque para um alcaide-mor mesmo depois de morrer o Rei é ainda Senhor. António Arnaut (in Pátria Memória Antiga)

Marcadores são puzzle sobre a Lenda de Martim de Freitas Por vezes ideias simples revelam-se muito interessantes e oportunas. É assim que tem de ser olhada a decisão de quem, por tanto valorizar os livros, faz deles a sua principal atividade.

Foi isso que fizeram na Biblioteca Escolar da EB Martim de Freitas, quando se confrontaram com a questão: que mais ainda podemos acrescentar às comemorações dos 50 anos da nossa Escola?! A ideia de fazer seis marcadores

Mensagem do Picuinhas s isa e foi o c o s l, a bem oleçã a n c i Af reram ma r cor njar u ostra ossa o nã arra os m da n ido o cil et av difí par úmer rom . p o te n . Fica róxim s e n ista o p rev para

de livros que, juntos, são um puzzle de uma gravura sobre a Lenda do alcaide-mor de Coimbra, nosso patrono, é, precisamente, essa coisa interessante e oportuna e, ao mesmo tempo, bela. Boa ideia!

FICHA TÉCNICA: Propriedade: Agrup. de Esc. Martim de Freitas Coimbra | R André de Gouveia, Santo António dos Olivais, 3000-029 Coimbra Correio Eletrónico: artefactos@aemartimdefreitas.com Diretor: Alberto Barreira Coordenação: Luís Lobo Composição e Paginação: AEMF Impressão: MULTIPONTO, SA 31 junho 2021 | artefactos Tiragem: 600 exemplares


Cidadania Responsável Formar • Fazer • Fruir

32

artefactos | junho 2021

Profile for Artefactos_AEMF

AEMF - Artefactos - junho 2021 - Ano 24  

Advertisement
Advertisement
Advertisement

Recommendations could not be loaded

Recommendations could not be loaded

Recommendations could not be loaded

Recommendations could not be loaded