Page 1

JUVENIL SALESIANA ALESI ESIIAN NA

VENHA VIVER UMA EXPERIÊNCIA DO EVANGELHO DA ALEGRIA! Como discípulos e missionários! Como Família Salesiana!


Rota Juvenil Salesiana. É você quem faz!


V

ocê é o nosso convidado especial para fazer a Rota Juvenil Salesiana! Você e seus amigos e amigas podem fazer parte desta experiência marcante de caminhar conosco para lindos e novos lugares, onde vamos fazer uma experiência de caminhar com Jesus Cristo, com nossa Senhora e com Dom Bosco. Vamos caminhar como irmãos e irmãs, discípulos missionários na Igreja. Caminhar como os discípulos de Emaús, que partilham os desafios e as esperanças das nossas vidas e da nossa realidade. A Rota Juvenil é para você, para os jovens da AJS, dos nossos grupos, das nossas Escolas e Universidades, das nossas paróquias e obras sociais, nossos oratórios e centros juvenis, nossa Família Salesiana. É uma experiência única, vivencial e intransferível!


CAMINHANDO JUNTOS COM JESUS CRISTO, O NOSSO REDENTOR. “Porventura não ardia o nosso coração quando, pelo caminho, ELE nos falava, e quando nos abria as Escrituras?

(Lc 24, 33)


CAMINHANDO JUNTOS COM MARIA, A MÃE DE JESUS. “Naqueles dias, Maria pôs-se a caminho para a região montanhosa, dirigindo-se apressadamente a uma cidade de Judá. Entrou na casa de Zacarias e saudou Isabel.

(Lc 1, 39-40)


CAMINHANDO JUNTOS COM DOM BOSCO, O NOSSO AMIGO. “Basta que sejais jovens para que eu vos ame profundamente.”


POR QUE SER UM

PEREGRINO? Dom Bosco sonhou com pessoas que trabalhassem junto a ele para a salvação da juventude. Mais do que nunca, você, inspirado pelo carisma Salesiano e que está à procura do bem ao próximo, pode aceitar esse desafio e propagar amor com esse trabalho juvenil e que transborda gratidão ao levar o bem aos outros jovens.


O QUE É? A Rota é um caminho de fé cristã, vamos fazer juntos!

bem. Como dizia Dom Bosco: “A santidade consiste em sermos pessoas alegres!”.

Vamos visitar lugares onde muitos cristãos viveram, testemunharam sua fé em Jesus Cristo e doaram suas vidas com muito amor para os outros.

A Rota é um trilhar por caminhos novos e desconhecidos!

A Rota é um encontro com os outros! Levamos nossos amigos e fazemos novas amizades.

A Rota é uma experiência de discípulos missionários de Cristo! Somos felizes por sermos amigos de Jesus. Sua Palavra é inspiração para nós. Sua entrega na Cruz é um dom especial para nossas vidas. Sua Ressurreição é nossa esperança maior.

A Rota é um testemunho do Evangelho da Alegria! Sabemos que quem ama Jesus Cristo, tem alegria interior. Tem mil motivos para sorrir, amar, sair ao encontro dos outros e fazer o

Vamos viver experiências novas, tocantes, que vão certamente marcar nossas vidas.

A rota é um momento para ouvir e contar nossas histórias de fé e amor! Nossa caminhada será um momento para partilhar suas histórias de vida, de fé e de amor a serviço dos outros.

A Rota é a gente que faz! Juntos! Com as nossas mochilas, nossa coragem, nossa fé e a busca pelo novo.

A Rota será uma experiência que vai enriquecer e marcar a sua vida! Siga conosco o mapa da Fé! Você vai encontrar novos sorrisos, partilhar aquele abraço solidário, amigo e esperançoso com quem mais precisa de pão, de paz e de alegria.


POR QUE FAZER A ROTA JUVENIL SALESIANA? Nesta caminhada da Rota, faremos uma experiência de amizade, de fé, de oração e de comunhão fraterna.

O

que nos motiva a fazer a Rota é o convite de Jesus: “Vem e segue-me!”. Este chamado é para cada um de nós. Um chamado pessoal, de amor e de compromisso. Como batizados, somos todos discípulos missionários. Ser cristão significa ser chamado para responder a uma pergunta fundamental: “O que Deus quer de mim”? “Como respondo com fé e liberdade interior ao projeto que Ele tem para mim”?

Qual seria sua resposta hoje a Deus? A Rota é um caminho com Jesus, com a Igreja, com os nossos amigos e amigas. Caminhando, procuramos ver coisas novas, o que está por detrás das vidas das pessoas, dos cristãos, dos missionários, dos indígenas, dos jovens, dos pobres e necessitados. Nesta caminhada da Rota, faremos uma experiência de amizade, de fé, de oração e de comunhão fraterna. Conhecer lugares que transmitem todo o valor da criação de Deus, pessoas e histórias que encheram os corações e a vida daqueles que ali estiveram e estarão é a proposta principal da Rota Juvenil Salesiana para você.

Já pensou nisso?


A ROTA É UM CONVITE PARA ASSUMIRMOS JUNTOS O EVANGELHO DA ALEGRIA! Alegria que se renova e comunica. Todos nós já ouvimos que a Espiritualidade Juvenil Salesiana leva o jovem ao encontro com Jesus Cristo e torna possível uma relação de amizade com Ele alimentada na confiança, num vínculo vital e numa adesão fiel. Você e milhares de jovens nutrem o desejo sincero de conhecer Jesus e buscam uma resposta às questões sobre o sentido da própria vida, que só Deus pode dar.

A

Rota se baseia na vivência da alegria que vem de Deus. Dom Bosco entendeu e fez seus jovens entenderem que empenho e alegria caminham juntos, que santidade e alegria são um binômio inseparável. Dom Bosco é o santo da alegria de vi-

ver, e seus jovens aprenderam bem a lição de vida na linguagem tipicamente oratoriana, que a “santidade consiste em estar sempre alegres”. A Pastoral Juvenil Salesiana propõe um itinerário de santidade simples, alegre e serena (QRPJS, pág. 95).


Essa alegria nos motiva, nos leva além, nos faz querer dar passos maiores, mais firmes e em novas direções. Dessa alegria do Evangelho deve nascer e motivar o ardor missionário, como nos pede o Papa Francisco na Encíclica “Evangelii Gaudium”: “Evangelizadores com espírito quer dizer evangelizadores que rezam e trabalham. (...) É preciso cultivar sempre um espaço interior que dê sentido cristão ao compromisso e à atividade” (Evangelii Gaudium, 262).

O Papa ainda destaca que, como Igreja, devemos nos envolver, acompanhar, frutificar e festejar. “A Igreja em saída é a comunidade de discípulos missionários que se envolvem, acompanham, frutificam e festejam. Com obras e gestos, a comunidade missionária entra na vida diária dos outros, encurta as distâncias, abaixa-se – se for necessário – até a humilhação e assume e a vida humana, tocando a carne sofredora de Cristo no povo” (Evangelii Gaudium, 24). E caminhando juntos da Igreja Católica, buscamos acompanhar uma autêntica busca de Deus através do resgate e valorização da nossa história. Na história salesiana de Mato Grosso, muitos foram aqueles que ajudaram nessa preservação e na construção de comunidades, na preservação da terra e das culturas.

No CG 27, “radicalidade evangélica – trabalho e temperança”, o Reitor-mor, P. Angel Fernández, nos fala: “para que ‘a oportunidade se torne evento de graça’, é preciso que nos guie e acompanhe aquela Palavra que lembra que sem raízes não se pode dar frutos e, por isso, os sarmentos devem estar sempre unidos à videira.” Unidos à Videira, Jesus Cristo, somos criaturas novas. Jovens novos unidos no Senhor da Vida e da História. Somos discípulos missionários. Somos protagonistas do novo. Somos autores da nossa história. Promotores da paz, da justiça e da fraternidade.


A ROTA É UM CONVITE PARA ASSUMIRMOS JUNTOS A ECOLOGIA INTEGRAL! Nada neste mundo nos é indiferente. Outro ponto chave da Rota Juvenil Salesiana é o compromisso com a Ecologia Integral. Um dos principais “destinos” da Rota é levar você, jovem, a experienciar uma vida junto à terra, desfrutar dos encantamentos da natureza, conhecer nossos povos e suas culturas. “O fato de insistir na afirmação de que o ser humano é imagem de Deus não deveria fazer-nos esquecer que cada criatura tem uma função e nenhuma é supérflua. Todo o universo material é uma linguagem do amor de Deus, do seu carinho sem medida por nós. O solo, a água, as montanhas: tudo é carícia de Deus.


A

história da própria amizade com Deus desenrola-se sempre num espaço geográfico que se torna um sinal muito pessoal, e cada um de nós guarda na memória lugares cuja lembrança nos faz muito bem. “Quem cresceu no meio de montes, quem na infância se sentava junto do riacho a beber, ou quem jogava numa praça do seu bairro, quando volta a esses lugares sente-se chamado a recuperar a sua própria identidade” (Laudato Sí, 84). O Papa Francisco nos fala no Documento de Aparecida que “a realidade é mais importante do que a ideia” e é essa realidade que a Rota Juvenil Salesiana pretende apresentar a nossa juventude que muitas vezes vivenciam uma ideia superficial ou distante da natureza, dos povos que moram nessas regiões. Existe uma necessidade importante de preservar a natureza, e a cultura dos povos que ali vivem. Essa preservação vem com a consciência! É de extrema importância que você, jovem, desperte essa consciência, e esse é outro ponto importante a ser trabalho na Rota Juvenil Salesiana. Através do contato com essa natureza, com os rios, vegetações e tudo que Deus presenteou na sua criação, vem esse convite para que a nossa juventude seja o agente e protagonista diante das questões ecológicas.

“Somos chamados ao trabalho desde a nossa criação. Não se deve procurar que o progresso tecnológico substitua cada vez mais o trabalho humano: procedendo assim, a humanidade prejudicar-se-ia a si mesma. O trabalho é uma necessidade, faz parte do sentido da vida nesta terra, é caminho de maturação, desenvolvimento humano e realização pessoal.” (Laudato Sí). Um convite que vem de encontro aos pedidos do Papa Francisco, que em seus vários documentos da igreja, ressalta a importância da preocupação com nossa “casa” e com os povos indígenas que ali vivem. Prova disso, é o lançamento da Assembleia Especial do Sínodo dos Bispos para a região Pan-Amazônica, onde o Papa destaca a importância de se evangelizar essa parcela da nossa população (indígenas) e do cuidado com a Floresta Amazônica.


A ROTA É UM CONVITE PARA CONHECERMOS MELHOR A HISTÓRIA DE VIDA MISSIONÁRIA DOS SALESIANOS A construção de um sonho! A construção de um sonho que você, jovem, faz parte! Com o Jovem e para o jovem! Ao iniciar o caminho da Rota Juvenil Salesiana (azul, verde ou amarela), você vai se deparar com uma porta, que te levará ao início da história dos Salesianos na nossa Inspetoria, desde que chegaram a Cuiabá até a construção atual.


S

omos filhos de um sonho, um sonho que se faz vivo e pulsante nos dias de hoje, no qual cada jovem presente nos colégios, paróquias, universidades, oratórios ou grupos faz parte, nasceu de uma semente dos primeiros salesianos que vieram inspirados pelo sonho missionário de São João Bosco.

nho dos Salesianos de Dom Bosco, juntamente com os cuidados pastorais da população e a educação dos jovens.

Jovem, ao vivenciar esta Rota, você vai conhecer uma história marcante e fascinante da origem dos salesianos nestas terras.

Atualmente, a Missão Salesiana de Mato Grosso mantém quatro presenças missionárias entre as etnias Bororo e Xavante, em Mato Grosso (MT), onde os salesianos lá presentes desenvolvem atividades de cidadania, educação, evangelização e de sustentabilidade, em sintonia com essas culturas, dando assim continuidade ao trabalho, levando os exemplos e o carisma de Dom Bosco para a vida de toda comunidade.

Para entrar nesta casa de história missionária e trilhar esse caminho de amor é preciso ter a chave que nos leva ao interior desta casa, ao início de tudo. Voltar no tempo e sentir essa dedicação e coragem dos primeiros missionários, dos missionários de ontem e de hoje. Vamos juntos começar essa história na qual daremos continuidade com nosso testemunho de fé.   Os salesianos de Dom Bosco, liderados por Luiz Lasagna, chegaram a Cuiabá em 18 de junho de 1894, vindos de Montevidéu, Uruguai, a pedido do bispo de Cuiabá, Dom Carlos Luiz d’Amour e do governador de Mato Grosso, para auxiliar no trabalho pastoral do povo, mas, especialmente, para evangelizar os índios bororos. O Padre Antônio Malan foi nomeado primeiro diretor e pároco, responsável pelos salesianos.  Do bispo recebeu os cuidados da Paróquia São Gonçalo do Porto e do governador da época, o mandato de dirigir a Colônia entre os índios. Esta finalidade, de levar o Evangelho e a civilização aos indígenas, marcou sempre o empe-

Com o passar dos anos, gradualmente foi aumentando o atendimento assistencial aos Bororos e Xavantes.

Nesse caminho de trabalho de promoção da vida e do carisma salesiano, muitas são as histórias de homens que fizeram a diferença. Histórias que nos fazem transportar para a época daqueles que foram corajosos, humildes e que levavam o simbolismo da pureza por onde passavam. Nosso convite é que junto à nova geração dos Salesianos de Dom Bosco, que hoje levam adiante esse trabalho, fortalecendo o compromisso de ser discípulos e missionários, conheçamos a vida, a história e os locais que foram palco de tamanha dedicação e entrega de vida desses homens de fé: P. José Thánnuber, P. João Fuchs e P. Pedro Sacilotti, Attílio Giordani e P. Rodolfo e Simão Bororo.


A Rota é um convite para aprofundarmos juntos o testemunho da santidade salesiana dos missionários. “Vim para servir e dar a vida” Mt 20, 28

P. José Thánnuber – Palmeiras

Malan, decide sua vocação missionária. P. Thánnuber foi nomeado Diretor de Palmeiras, situada ao pé da serra a 100 km de Cuiabá e que por três anos foi o noviciado e aspirantado. Após esse período, retorna a Cuiabá como Diretor do Colégio São Gonçalo e diretor da casa inspetorial. Após seu retorno a Palmeiras, em agosto de 1920, a profecia que Dom Rua havia feito ao jovem clérigo Thánnuber, despedindo-o para as Missões de Mato Grosso recebia sua triste confirmação: “Tu, preparati al martirio”.

O

P. José Thánnuber nasceu em Wurmanusquik (Alemanha) em 24 de novembro de 1880. Foi provavelmente pela leitura do Bole¬tim Salesiano que veio a saber, já rapaz de seus 16 anos, que Dom Bosco tinha fundado uma Congregação que recebia vocações tardias de 16 a 30 anos. Em 1900, entra para o noviciado. Em 1902, já clérigo, numa visita de Dom

Assim, Mato Grosso contou em 1920 a primeira vítima que der¬ramou seu sangue inocente. Um grupo de homens armados e em tom ameaçador avançou no pátio de Palmeiras e declarou todos prisioneiros. Após incertezas e horas angustiantes, pelos tiros de Tobias, caiu mortal¬mente ferido o P. Thánnuber, deixando na memória e na história a grande contribuição que teve junto a vida dos povos que ali viveram e na construção da Missão Salesiana de Mato Grosso. A bondade foi o respiro de sua alma em toda a vida e, por isso, em Cuiabá, Corumbá e Palmeiras, onde trabalhou, deixou saudades profundas em todos os alunos e conhecidos.


P. João Fuchs e P. Pedro Sacilotti – Araguaiana Padre João Fuchs nasceu no Cantão de Lucerna, na Suíça Alemã, em 1880, e pouco se sabe de sua infância, a não ser um sentimento católico grande na família. Em 1901, fez o noviciado em Lombriasco, Itália, vindo para Mato Grosso trabalhar em colégios como professor de ciências físicas e naturais. Retornou à Itália para tratamento de saúde e volta como missionário outra vez em Mato Grosso. Atendeu aos índios Bororos e a filhos de colonos na arte de ensinar, além da assistência religiosa aos garimpeiros. Padre Pedro Sacilotti nasceu São Paulo, em 1898, brasileiro descendente de família italiana de Veneza, iniciou os estudos religiosos no Aspirantado de Lavrinhas e foi enviado a Turim, onde se ordenou padre, em 1925. 1

2

3

A

dupla composta pelo Padre João Fuchs e Padre Pedro Sacilotti será sempre lembrada pela humildade e caridade perante aos índios. O Papa Francisco hoje nos fala “Saiamos, saiamos para oferecer a todos a vida de Jesus Cristo! (...) Prefiro uma Igreja acidentada, ferida e enlameada por ter saído pelas estradas a uma Igreja enferma pelo fechamento e pela comodidade se agarrar às próprias seguranças” (Evangelii Gaudium, 49). Com certeza, hoje vemos isso muito vivo na história de vida desses dois padres, que tinham um grande ardor missionário, uma vida dedicada ao próximo. Ambos possuíam o mesmo sonho: aproximar os Xavantes e convertê-los. Foram anos à procura desses índios e, por mais que os caminhos parecessem impossíveis, eles não perderam a fé. Eles, juntamente com seu grupo, encontraram um

1.P.Fuchs – 2. P. Sacilotti – 3. Me. Pellegrino

grupo de jovens Xavantes e distribuíram presentes diversos. Quando chegaram os líderes do grupo, não tiveram mais presentes. Os padres pediram que os três integrantes da comitiva buscassem presentes no acampamento. Em seguida, apenas se ouviu o Padre Pedro Sacilotti gritar: “Os Xavantes atacam!”. Havia cerca de cinquenta Xavantes escondidos nas folhagens da mata. Diante disso, os dois padres foram assassinados com pancadas de bordunas, em 1º de novembro de 1934. Foram enterrados à beira do rio a meio metro de distância onde foi levantada uma cruz, sinal de nossa redenção. Meses depois, os restos mortais foram transportados para o cemitério de Araguaiana, e lá foi construída uma decorosa capela para lembrar aos fiéis os heroicos missionários.


III - Attilio Giordani – Poxoréu “A aliança de amor e fidelidade, vivida pela Sagrada Família de Nazaré, ilumina o princípio que dá forma a cada família e a torna capaz de enfrentar melhor as vicissitudes da vida e da história. Sobre este fundamento, cada família, mesmo na sua fragilidade, pode tornar-se uma luz na escuridão do mundo. Aqui se aprende (…) uma lição de vida familiar. Que Nazaré nos ensine o que é a família, a sua comunhão de amor, a sua austera e simples beleza, o seu carácter sagrado e inviolável; aprendamos de Nazaré como é preciosa e insubstituível a educação familiar e como é fundamental e incomparável a sua função no plano social” (Amoris Laetitia, 66).

Uma passagem atual que é testemunhada através da vida e da família do Salesiano Cooperador, Attilio Giordani.

A

ttilio Giordani nasceu em Milão no dia 3 de fevereiro de 1913. Distingue-se desde os primeiros anos por sua grande paixão pelo Oratório e, já aos dezoito anos, pela sua dedicação aos jovens oratorianos. Por anos foi catequista diligente e animador constante e genial, com muita simplicidade e serena alegria. Cuidava da liturgia, da formação, do jogo, do tempo livre, das férias dos seus jovens, do teatro. Amava a Deus com todo o coração e encontrava na vida sacramental, nas orações

e na direção espiritual os recursos para a vida na graça. Durante o serviço militar que começou em 1934 e terminou, com fases alternadas, em 1945, demonstrava senso apostólico entre seus companheiros de arma. Na própria família, era um marido rico de fé e de serenidade, com uma desejada austeridade e pobreza evangélica em favor dos mais necessitados. Todos os dias era fiel à meditação, à Eucaristia, ao Rosário. Atento às vicissitudes de sua família (os três filhos já estavam no Brasil para um


Igreja Matriz de Poxoréu

A visita à Igreja Matriz de Poxoréu, traz o lugar onde foi encontrado o coração de Attilio Giordani. O que era lenda até então, se tornou verdade quando uma reforma da igreja foi feita e encontrado o coração do salesiano, em novembro de 2015. Attilio era muito querido pelos jovens da cidade de Poxoréu e transformou com alegria, atenção e carinho todo o povo de uma região. período de voluntariado missionário) decidiu ele próprio partirem juntos, marido e mulher, para partilhar totalmente a sua paternidade e a vocação dos filhos ao voluntariado. Também no Brasil, ele continuou a ser catequista e animador. Revolucionou em pouco tempo a cidade inteira e mudou a vida dos meninos de Poxoréu. No Centro Juvenil, organizava jogos e brincadeiras, sempre com o mesmo amor e dedicação. No final de 1972, participando de uma reunião em Campo Grande (MS), ele começou a passar mal, disse apenas ao Pier Giorgio: “Continue você” e morreu de um ataque fulminante do coração.


Padre Rodolfo e Simão Bororo – Aldeia Meruri

Local do Martírio

“A

notícia da morte do P. Rodolfo e de Simão se espalhou velozmente pelo Mato Grosso, Brasil, América Latina, Alemanha e pelo mundo inteiro. Quem era aquele padre jovem que saiu da sua terra para ser salesiano missionário em terras sonhadas por Dom Bosco? Quem era aquele sacerdote que morria assassinado, ainda jovem, debaixo de uma mangueira, voltando do trabalho, sujo de terra e graxa, e ali misturava seu sangue, defendendo o povo bororo e sua terra? Quem era aquele indígena que corajosamente saiu em defesa do

padre na hora daquele calvário imprevisível e sangrento? Os anos passaram. O silêncio, a dor, a indignação, a esperança tomaram nossos corações. A mangueira continuou florindo e dando frutos. O sangue derramado, como semente, foi crescendo, e a planta da vida, florindo, frutificando. “A memória de Rodolfo e Simão continua viva como um canto que carregamos na voz e no coração, e ninguém pode nos tirar a liberdade e a alegria de cantá-lo.” (P. Gildásio Mendes, sdb)


Padre Rodolfo Lunkenbein em estar sempre disposto a morrer antes que ser infiel a Deus. No começo de 1963, Rodolfo é destinado para iniciar o seu primeiro período de vida missionária na Missão Salesiana de Meruri. Homem já feito, com 24 anos de idade, cheio de qualidades e difundindo alegria e otimismo, enfrentou a realidade tal como a encontrou em Meruri, como assistente e professor em uma escola na qual a maior parte dos alunos eram meninos internos e externos, filhos de moradores brancos da região. Todo o mundo ficava encantado com o comportamento e a riqueza moral, a alegria e a capacidade de serviço deste jovem missionário. Na mesma missão de Meruri, em 1º de maio de 1965, o Clérigo Rodolfo fez o pedido para a profissão perpétua, expressando “firme vontade de consagrar-se para sempre a Deus e trabalhar, mais tarde como Sacerdote, por toda a sua vida na Congregação Salesiana, especialmente nas missões Indígenas”.

N

ascido em uma família profundamente cristã, desde criança Rodolfo viveu em profundidade a experiência cristã, sentindo e respondendo com generosidade durante toda a sua vida à força do Espírito que o impulsionava a viver e a levar a Boa Nova de Jesus a todas as pessoas. Teve que participar da segunda guerra mundial e depois ser exilado para a Noruega e voltar para casa com a saúde prejudicada para a vida inteira. Já na sua adolescência, através de boas leituras, entrou em contato com Dom Bosco e com a sua obra no mundo e começou a ver o Evangelho sob o prisma salesiano: Dom Bosco lhe ofereceu pão, trabalho e paraíso, e Domingos Sávio lhe ensinou que a santidade consiste em estar sempre alegre, em fazer o bem a todos e

Fez seus estudos teológicos no Instituto Teológico de Benediktbeuern, Alemanha, de 19651969, logo após o Concílio Vaticano II, cujos documentos influíram na sua atuação missionária entre os indígenas de Mato Grosso, principalmente com os bororos de Meruri. Neste


nham perdido suas terras - estes ainda conservam a língua e a cultura. Todos o receberam com muito carinho, fazendo-lhe uma bela recepção cultural e aceitando-o na tribo com o nome de Koge Ekureu (Peixe Dourado). É admirável o respeito com que os missionários e concretamente o Padre Rodolfo trataram estes dois pequenos grupos, num estágio tão diferente de cultura e de vivência religiosa, respeitando a caminhada histórica de cada um e facilitando entre eles o enriquecimento mútuo num diálogo intercultural e interreligioso construtivo, na vida prática e celebrativa dos dois grupos. O Papa Francisco, em sua Encíclica Laudato Si, nº 143, confirma esta importância de apoiar as populações indígenas, sua cultura e proporcionar esse diálogo intercultural e inter-religioso construtivo, e que serve para nós hoje. período, também aproveitou os tempos de férias para fazer um curso de medicina tropical e até um curso de piloto, sempre pensando na realidade que conheceu na sua primeira atuação missionária com os bororos e os seus vizinhos, os xavantes. Voltando a Meruri como padre novo, no início de 1970, encontra uma nova realidade. Em Meruri agora estão só os bororos que ele já conhecia e mais um grupo de bororos vindos da aldeia Pobojari, onde ti-

“(...) mais diretamente, pede que se preste atenção às culturas locais, quando se analisam questões relacionadas com o meio ambiente, fazendo dialogar a linguagem técnico-científica com a linguagem popular. É a cultura entendida não só como os monumentos do passado, mas, especialmente, no seu sentido vivo, dinâmico e participativo – que não se pode excluir na hora de repensar a relação do ser humano com o meio ambiente”.


Simão Bororo porém o mais consciente de sua qualidade de missionário entre os xavantes. Pelos anos 1962-1964 participou em Meruri da construção das primeiras casas de material para as famílias Bororo. Tornou-se pedreiro prático e dedicou o resto de sua vida a este ofício, colaborando na aldeia e na Missão. Era muito unido com o Padre Rodolfo na defesa da terra.

N

asceu em Meruri, em 27 de outubro de 1937, filho legítimo de Teresa Okogeboudo e Floriano Utoboga. Foi batizado no dia 7 de novembro de 1937 pelo Padre João Batista Crema. Fez seus estudos primários na escola de Meruri. Quando jovem, foi trabalhar com garimpeiros brancos nos garimpos do Rio Garças. Voltando para Meruri, foi convidado para formar parte de um grupo de bororo para acompanhar os missionários, Padre Pedro Sbardellotto e Irmão Jorge Wörz, na primeira residência missionária entre os xavantes, na missão de Santa Terezinha, pelos anos 1957-1958. Era o mais jovem do grupo,

Padre Rodolfo e Simão foram mortos, após uma guerra que se instaurou entre índios e fazendeiros, pela disputa da demarcação de terras. Na aldeia, podemos encontrar os locais onde estão enterrados P. Rodolfo e Simão, ao centro da aldeia, há uma cruz que simboliza o local onde foram assassinados, além de um belíssimo acervo no museu com peças da história missionária de Mato Grosso e da cultura indígena.


01

Conhecer KLVWµULDVTXHNJ]HUDPD diferença para a juventude salesiana.

04

Entender

as ideias de Dom Bosco: tornar os jovens bons cristãos e honestos cidadãos.

QUAL A PROPOSTA DA ROTA?

02

Estar nos locais que existem histórias de humildade, coragem e amor!

03

Sentir

ROTAS

o espírito da fé e do afeto.

D

ividimos a Rota Juvenil Salesiana em três propostas, onde você, jovem, seu grupo, sua comunidade, poderá escolher aquela que mais lhe agrada, e que mais se adequa a sua realidade.


ROTA AZUL


A trilha da Rota Azul, da Rota Juvenil Salesiana, inicia-se na cidade de Cuiabá (MT), que foi onde os Salesianos chegaram na nossa inspetoria, presença salesiana com mais de 120 anos, e um ponto de partida para essa viagem na nossa história e em tudo que ela carrega. QUINTA-FEIRA 07h00 – Chegando ao início da História: Paróquia São Gonçalo, 1ª Paróquia Salesiana da Inspetoria 07h30 – Acolhida e apresentação da história de chegada dos Salesianos 08h30 – Visitando o Colégio Salesiano São Gonçalo 09h00 – Consagração a Nossa Senhora Auxiliadora (Visita ao Santuário Nossa Senhora Auxiliadora) 09h30 – Lanche 10h30 – Visita ao Museu de Arte Sacra de Mato Grosso – Seminário Nossa Senhora da Conceição (Antigo seminário Salesiano) 11h00 – Visita à Igreja Nossa Senhora do Bom Despacho 12h00 – Chegando ao Colégio Salesiano Santo Antônio 12h30 – Almoço (no colégio) 14h00 – Visita à sede da Paróquia Nossa Senhora da Guia 16h00 – Visita ao Oratório Pedra 90 17h30 – Encerramento da visita a Cuiabá e saída para Meruri

SEXTA-FEIRA 20h30 - Chegada a Meruri 20h30 - Momento de integração: Acolhendo os peregrinos (Diretor) 20h45 – Acomodação e banho 21h30 – Jantar 22h00 – Índios Bororos: A cultura de seu povo (Apresentação Cultural) 22h30 - Boa Noite (Coordenador de Pastoral)


SÁBADO 05h00 – Despertando 05h20 – Caminhada nas bem-aventuranças (Subida ao morro do Cristo)1 06h20 – Café da Manhã (Morro do Cristo) 07h20 – Retornando a aldeia 07h40 – Momento de descontração 08h00 – Saída para os “Tachos” (15km) 08h30 – O início de uma História (Visitando os Tachos)2 09h30 – Visitando ao Cruzeiro 10h00 – Cuidando da Casa Comum (Contemplação da Natureza, Banho no rio Barreiro) 11h30 – Retorno à Aldeia 12h00 – Almoço 14h00 – P. Rodolfo e Simão Bororo – Entrega, profecia e memória3 14h15 – Momento de reflexão e aprofundamento sobre a história do P. Rodolfo e Simão até o dia do martírio (Apresentação de fotos e/ou vídeo); 15h00 – Visitando a história: visita ao cemitério onde estão enterrados os mártires 15h30 – Lanche 16h00 – Visitando a Cultura: visita ao museu interativo de Cultura Bororo4 16h30 – Visitando a alegria: tarde de convivência com as crianças; jogos, pinturas, musica, dança, etc 18h00 – Banho 19h00 – Celebrando os Mártires (celebração Eucarística) 20h00 – Jantar 21h00 – Terço Luminoso 22h00 – Partilhando as experiências (partilha das experiências vividas pelo grupo) 23h00 – Boa Noite (diretor) e Encerramento da visita em Meruri  Caminhada reflexiva sobre as bem-aventuranças, contemplação do nascer do sol  Apresentação da história da chegada dos Salesianos, reflexão sobre o Sonho do Cacique Keough  Encontro no centro da missão: Onde uma Cruz marca o local do martírio do padre Rodolfo e Simão Bororo  Explicação da formação étnica dos Bororos e sobre os objetos e pinturas da cultura Bororo, tempo para comprar lembranças;


DOMINGO (MANHÃ) 05h30 – Saída de Meruri 07h00 – Chegada a Sangradouro 07h30 – Café da manhã Colonial no Curral Velho e Acolhida pelo diretor da casa e Comunidade Salesiana 08h00 – Subida ao Cerro da Cruz (Meditação da Via Lucis) 09h30 – Caminho às Raízes de Sangradouro5 10h00 – Lanche 10h30 – Contemplando a Natureza (banho de cachoeira) 11h30 – A Coluna Prestes e o que foi o movimento dos revoltosos (breve reflexão) 12h00 – Almoço 13h00 – Encerramento da visita a Sangradouro, saída para Poxoréu

DOMINGO (TARDE) 14h00 – Chegada a Poxoréu 14h00 – Acolhida e boas vindas pela SSCC Lucia Voltan (Coordenadora do Centro Juvenil) 14h15 – Momento de descontração 14h30 – Centro Juvenil São João Batista – Frutos de um trabalho de dedicação, carinho e amor6 15h00 – Visita guiada ao Centro Juvenil 15h30 – Visitando a Igreja Matriz de Poxoréu (Acolhida pelo Pároco) 15h45 – Conhecendo História de vida do SSCC Attilio Giordani 17h00 – Celebração Eucarística na Igreja Matriz7 ou Lectio Divina 18h00 – Retorno para sua comunidade

 Momento de reflexão e oração aos primeiros Missionários Salesianos  Apresentação das suas atividades, sua história e sua contribuição para a cidade  Se houver padre no grupo


ROTA VERDE


A Rota Verde tem a proposta de três dias de intensa vivência junto à história, cultura, e a natureza. Três dias de oração e espiritualidade, onde cada local e cada momento tem seu valor espiritual e de crescimento na fé. SEXTA-FEIRA 17h00 – Chegada em Meruri 17h30 – Momento de integração: Acolhendo os peregrinos (Diretor) 18h00 – Acomodação e banho 19h00 – Celebrando a Eucaristia 20h00 – Explicação do painel central da Capela pelo pároco 20h30 – Jantar 21h30 – Índios Bororos: A cultura de seu povo (Apresentação Cultural) 22h30 – Boa Noite (Coordenador de Pastoral)

SÁBADO 05h00 – Despertando 05h20 – Caminhada nas bem-aventuranças (Subida ao morro do Cristo)8 06h20 – Café da Manhã (Morro do Cristo) 07h20 – Retorno à aldeia 07h40 – Momento de descontração 08h00 – Saída para os “Tachos” (15km) 08h30 – O início de uma História (Visita aos Tachos)9 09h30 – Visita ao Cruzeiro 10h00 – Cuidando da Casa Comum (Contemplação da Natureza, Banho no Rio Barreiro) 11h30 – Retorno à Aldeia 12h00 – Almoço  Caminhada reflexiva sobre as bem-aventuranças, contemplação do nascer do sol  Apresentação da história da chegada dos Salesianos, reflexão sobre o Sonho do Cacique Keough


14h00 – P. Rodolfo e Simão Bororo – Entrega, profecia e memória10 14h15 – Momento de reflexão e aprofundamento sobre a história do P. Rodolfo e Simão até o dia do martírio (Apresentação de fotos e/ou vídeo); 15h00 – Visitando a história: Visita ao cemitério onde estão enterrados os mártires 15h30 – Lanche 16h00 – Visitando a Cultura: Visita ao museu interativo de Cultura Bororo11 16h30 – Visitando a alegria: Tarde de convivência com as crianças; jogos, pinturas, musica, dança, etc 18h00 – Banho 19h00 – Celebrando os Mártires (celebração Eucarística) 20h00 – Jantar 21h00 – Terço Luminoso 22h00 – Partilhando as experiências (partilha das experiências vividas pelo grupo) 23h00 – Boa Noite (diretor) e Encerramento da visita em Meruri

DOMINGO (MANHÃ) 05h30 – Saída de Meruri 07h00 – Chegada a Sangradouro 07h30 – Café da manhã Colonial no Curral Velho e Acolhida pelo diretor da casa e Comunidade Salesiana 08h00 – Subida ao Cerro da Cruz (Meditação da Via Lucis) 09h30 – Caminho às Raízes de Sangradouro12 10h00 – Lanche 10h30 – Contemplando a Natureza (banho de cachoeira) 11h30 – A Coluna Prestes e o que foi o movimento dos revoltosos (breve reflexão) 12h00 – Almoço 13h00 – Encerramento da visita a Sangradouro, saída para Poxoréu Encontro no centro da missão: onde uma Cruz marca o local do martírio do padre Rodolfo e Simão Bororo Explicação da formação étnica dos Bororos e sobre os objetos e pinturas da cultura Bororo, tempo para comprar lembranças; 12 Momento de reflexão e oração aos primeiros Missionários Salesianos 10 11


DOMINGO (TARDE) 14h00 – Chegada a Poxoréu 14h00 – Acolhida e boas-vindas pela SSCC Lucia Voltan (Coordenadora do Centro Juvenil) 14h15 – Momento de descontração 14h30 – Centro Juvenil São João Batista – Frutos de um trabalho de dedicação, carinho e amor13 15h00 – Visita guiada ao Centro Juvenil 15h30 – Visita à Igreja Matriz de Poxoréu (Acolhida pelo Pároco) 15h45 – Conhecendo História de vida do SSCC Attilio Giordani 17h00 – Celebração Eucarística na Igreja Matriz14 ou Lectio Divina 18h00 – Retorno para sua comunidade

13 14

Apresentação das suas atividades, sua história e sua contribuição para a cidade Se houver padre no grupo


ROTA AMARELA


A trilha da Rota Amarela da Rota Juvenil Salesiana, inicia-se na presença de Barra do Garças (MT), próximo à Araguaiana, nossa primeira parada, onde vamos conhecer a história dos primeiros Mártires da história da MSMT, e lá iniciamos a caminhada rumo a tantos outros lugares e histórias de fé, amor, doação e santidade. QUINTA-FEIRA 07h00 – Chegada à Paróquia Santo Antônio (Barra do Garças) 07h15 – Momento de integração: Acolhendo os peregrinos (Diretor) 07h30 – Visita à Paróquia Santo Antônio e a Praça Central 08h00 – Saída para Araguaiana (30Km) 09h00 – Conhecendo a História: Apresentação da história dos Mártires 09h30 – Visita ao Cemitério e Capela onde estão os Padres Fuchs e Sacilotti 10h00 – Celebrando a Eucarística 11h30 – Retorno a Barra do Garças 12h00 – Almoço (Salão Paroquial) 13h30 – Encerramento da visita a Barra do Garças/Araguaiana e saída para Meruri

SEXTA-FEIRA 17h00 – Chegando em Meruri 17h30 – Momento de integração: Acolhendo os peregrinos (Diretor) 18h00 – Acomodação e banho 19h00 – Celebrando a Eucaristia 20h00 – Explicação do painel central da Capela pelo pároco 20h30 – Jantar 21h30 – Índios Bororos: A cultura de seu povo (Apresentação Cultural) 22h30 – Boa Noite (Coordenador de Pastoral)


SÁBADO 05h00 – Despertando 05h20 – Caminhando nas bem-aventuranças (Subida ao Morro do Cristo)15 06h20 – Café da Manhã (Morro do Cristo) 07h20 – Retornando à aldeia 07h40 – Momento de descontração 08h00 – Saída para os “Tachos” (15km) 08h30 – O início de uma História (Visitando os Tachos)16 09h30 – Visitando ao Cruzeiro 10h00 – Cuidando da Casa Comum (Contemplação da Natureza, Banho no rio Barreiro) 11h30 – Retorno à Aldeia 12h00 – Almoço 14h00 – P. Rodolfo e Simão Bororo – Entrega, profecia e memória17 14h15 – Momento de reflexão e aprofundamento sobre a história do P. Rodolfo e Simão até o dia do martírio (Apresentação de fotos e/ou vídeo); 15h00 – Visitando a história: Visita ao cemitério onde estão enterrados os mártires 15h30 – Lanche 16h00 – Visitando a Cultura: Visita ao museu interativo de Cultura Bororo18 16h30 – Visitando a alegria: Tarde de convivência com as crianças; jogos, pinturas, musica, dança, etc 18h00 – Banho 19h00 – Celebrando os Mártires (celebração Eucarística) 20h00 – Jantar 21h00 – Terço Luminoso 22h00 – Partilhando as experiências (partilha das experiências vividas pelo grupo) 23h00 – Boa Noite (diretor) e Encerramento da visita em Meruri Caminhada reflexiva sobre as bem-aventuranças, contemplação do nascer do sol Apresentação da história da chegada dos Salesianos, reflexão sobre o Sonho do Cacique Keough 17 Encontro no centro da missão: onde uma Cruz marca o local do martírio do padre Rodolfo e Simão Bororo 18 Explicação da formação étnica dos Bororos e sobre os objetos e pinturas da cultura Bororo, tempo para comprar lembranças; 15 16


DOMINGO (MANHÃ) 05h30 – Saída de Meruri 07h00 – Chegando em Sangradouro 07h30 – Café da manhã Colonial no Curral Velho e Acolhida pelo diretor da casa e Comunidade Salesiana 08h00 – Subida ao Cerro da Cruz (Meditação da Via Lucis) 09h30 – Caminho ás Raízes de Sangradouro19 10h00 – Lanche 10h30 – Contemplando a Natureza (banho de cachoeira) 11h30 – A Coluna Prestes e o que foi o movimento dos revoltosos (breve reflexão) 12h00 – Almoço 13h00 – Encerramento da visita a Sangradouro, saída para Poxoréu

DOMINGO (TARDE) 14h00 – Chegada em Poxoréu 14h00 – Acolhida e boas vindas pela SSCC Lucia Voltan (Coordenadora do Centro Juvenil) 14h15 – Momento de descontração 14h30 – Centro Juvenil São João Batista – Frutos de um trabalho de dedicação, carinho e amor20 15h00 – Visita guiada ao Centro Juvenil 15h30 – Visita à Igreja Matriz de Poxoréu (Acolhida pelo Pároco) 15h45 – Conhecendo História de vida do SSCC Attilio Giordani 17h00 – Celebração Eucarística na Igreja Matriz21 ou Lectio Divina 18h00 – Retorno para sua comunidade Momento de reflexão e oração aos primeiros Missionários Salesianos Apresentação das suas atividades, sua história e sua contribuição para a cidade 21 Se houver padre no grupo 19 20


Orientações Práticas Os grupos podem definir seus roteiros em três propostas:

Rota Azul Cuiabá / Meruri / Sangradouro / Poxoréu

Rota Verde Meruri / Sangradouro / Poxoréu

Rota Amarela Barra do Garças / Meruri / Sangradouro / Poxoréu

Caso o jovem ou grupo queiram fazer uma experiência, visita diferente ou fora das rotas acima, a orientação é que procure diretamente o diretor da presença.

OS GRUPOS Os grupos podem ser de 10 a 40 pessoas, aberto a toda Família Salesiana. Os grupos deverão conter um coordenador e um assessor, salesiano ou leigo, que ficará responsável pelo grupo, desde a sua inscrição, organização e viagem. A idade mínima para participação fica a critério do coordenador de cada grupo.


O que levar?

Hospedagens As hospedagens principais para as três QNS@ROQ¤ CDƥMHC@RRDQžNM@ aldeia de Meruri, que possui uma boa estrutura para alojamento dos grupos, em quartos coletivos.

Alimentação A alimentação de lanches durante o trajeto ƥB@QœRNAQDRONMR@AHKHC@CD do grupo, as refeições feitas nas casas salesianas terão um custo simbólico para ajudar nas despesas da comunidade que irá acolher os peregrinos.

• Material de Higiene pessoal; • Roupas confortáveis (tênis para caminhada, calças e blusas de manga comprida); • Roupa de cama e banho; • Dinheiro para despesas pessoais;

INFORMAÇÕES PARA O PEREGRINO

Orações e celebrações Será preparado um subsídio para a Rota Juvenil Salesiana com todas as orações, celebrações, terços DLNLDMSNRCDQDƦDWžN propostos para os dias da Rota.

• Material básico de primeiros socorros; • Repelente; • Protetor solar; • Material para a tarde de convivência das crianças (material de pintura, para brincadeiras, jogos, etc).

Inscrições As inscrições para os grupos devem ser feitas com no mínimo um mês de antecedência, considerando a disposição das datas, pelo site ou e-mail: rotajuvenil@missaosalesiana.org.br.


REGRAS DE VISITAÇÃO NAS ALDEIAS

• Não remover qualquer material das terras indígenas sem a devida autorização; • Não fazer ou divulgar imagens sem prévia autorização; • É proibido aos visitantes ingerir, dar ou vender bebidas alcoólicas em Terras Indígenas; • É proibido a caça e a pesca; • Sempre andar em grupo; • Nunca sair sozinho pela aldeia sem a companhia de alguém da Missão; • É permitida a compra de eneites indígenas; • Não trocar contato de telefone, email, etc.


PASSOS PARA AS INSCRIÇÕES

1

(VFROKDGR&RRUGHQDGRUHRXDVVHVVRUGRJUXSR

2

(VFROKDGDWULOKDGD5RWD-XYHQLO6DOHVLDQDDVHUIHLWD

3

(VFROKDHUHVHUYDGDGDWD GHDFRUGRFRPDGLVSRQLELOLGDGH GRFDOHQGÂŁULRDSUHVHQWDGR 

4

(QYLR GH VROLFLWDŠ¼R GH UHVHUYD GD GDWD MXQWDPHQWH FRP R QRPHGRVLQWHJUDQWHVGRVJUXSRVDVVLPFRPRGRVDOHVLDQR UHVSRQV£YHOFRRUGHQDGRUHRXDVVHVVRU

5

$SÂľVDFRQĘ?UPDŠ¼RGDGDWDMXQWRDRUJDQL]DŠ¼RGD5RWDRV UHVSRQVÂŁYHLVUHFHEHUÂĽRXPHPDLOGHFRPRSURFHGHUFRPR SDJDPHQWR WD[DGHDOLPHQWDŠ¼R HPDWHULDLVHVXEVÂŻGLRVGH IRUPDŠ¼R

6

3UHSDUDŠ¼RGRVSHUHJULQRVTXHIDU¼RD5-6HVWXGRHUHʑH[¼R PRWLYDŠ¼RDSUHVHQWDŠ¼RGDVUHJUDVGHYLVLWDŠ¼RHWF

As inscriçþes para os grupos devem ser feitas com no mínimo um mês de antecedência, considerando a disposição das datas, pelo site ou via e-mail, rotajuvenil@missaosalesiana.org.br.


CALENDÁRIO A partir de maio de 2018, as datas estão liberadas para agendamento dos grupos.

Maio

5

Junho

6

Dom. Seg. Ter. Qua. Qui. Sex. Sáb. 01

02

03

04

05

Dom. Seg. Ter. Qua. Qui. Sex. Sáb. 01

02

06

07

08

09

10

11

12

03

04

05

06

07

08

09

13

14

15

16

17

18

19

10

11

12

13

14

15

16

20

21

22

23

24

25

26

17

18

19

20

21

22

23

27

28

29

30

31

24

25

26

27

28

29

30

Julho

7

Agosto

8

Dom. Seg. Ter. Qua. Qui. Sex. Sáb.

Dom. Seg. Ter. Qua. Qui. Sex. Sáb.

01

02

03

04

05

06

07

08

09

10

11

12

13

14

05

06

15

16

17

18

19

20

21

12

22

23

24

25

26

27

28

29

30

31

01

02

03

04

07

08

09

10

11

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30

31


CALENDÁRIO A partir de maio de 2018, as datas estão liberadas para agendamento dos grupos.

9 Setembro

Outubro

10

Dom. Seg. Ter. Qua. Qui. Sex. Sáb.

Dom. Seg. Ter. Qua. Qui. Sex. Sáb.

01

01

02

03

04

05

06

02

03

04

05

06

07

08

09

10

11

12

13

09 X

07 X 08 X

10

11

12

13

14

15

14

15

16

17

18

19

20

16

17

18

19

20

21

22

21

22

23

24

25

26

27

23

24

25

26

27

28

29

28

29

30

31

30

11

INFORMAÇÕES

Novembro

Dom. Seg. Ter. Qua. Qui. Sex. Sáb. 01

02

03 10

04

05

06

07

08

09

11

12

13

14

15 X

16 17 X X

18 X

19

20

21

22

23

25

26

27

28

29

30

24

Tel.: (67) 3312 6452

pastoraljuvenil@missaosalesiana.org.br animacaomissionaria@missaosalesiana.org.br


Animação Vocacional Rua Pe. João Crippa, 1437 - Centro - Campo Grande/MS - CEP: 79002-390 Tel.: (67) 3312-6400 / www.missaosalesiana.org.br Pastoral Juvenil: pastoraljuvenil@missaosalesiana.org.br Animação Vocacional: vocacao@missaosalesiana.org.br Animação Missionária: animacaomissionaria@missaosalesiana.org.br

Rota Juvenil Salesiana  
Rota Juvenil Salesiana  
Advertisement