__MAIN_TEXT__

Page 1

Índice: SOBE ………………..…...……………... 3 Livro do mês ……..……..……..……… 5 BE Dordio Gomes ………...……..….....7 Ler+Mar……...………………….………..8 Jogos de matemática ...……..….……14 Trabalhos de História ……………..18/19 Artigo—Visita de Estudo……………..24 Talentos escondidos……....…………30 Simulacro …...………..……………..…31 Semana da leitura …………………....32 Textos dos alunos………...……...34/35 Número: 27| Mês: março | ano: 2016| Jornal Trimestral | Agrupamento de escolas de Arraiolos

EDITORIAL

A

representação social da leitura permanece ainda muito ligada ao livro e esta é uma atividade que continua a ser imprescindível no percurso do ser humano, na sua construção, associada ao prazer, ao aprender, às regras, à anarquia, é uma atividade socialmente construída no nosso contexto individual, familiar, profissional, regional e até mesmo nacional, o que remete no nosso caso, para um contexto europeu. Confrontamo-nos diariamente quer na biblioteca, quer na sala de aula, quer no nosso quotidiano com diferentes representações sobre a leitura. A interpretação da leitura faz-se à luz da interpretação que cada grupo social faz sobre a prática da leitura. Cada grupo social, cada geração apresenta diferentes interpretações. Contudo, ao longo das gerações a escola mantém o seu lugar como instituição que conduz à leitura. A escola fornece modelos estéticos e científicos a partir dos quais se avalia o que se lê e se constrói (ou destrói) um gosto - mesmo quando reconhecemos que actualmente ela partilha essa função modeladora com outras inúmeras instâncias e está longe de deter um poder hegemónico. Finalmente, enquanto agência que prescreve a necessidade de ler e que procede inclusivamente a escolhas leiturais incontornáveis, a escola assume um papel de gestora dos tempos de leitura e opera segundo um conjunto de valores que influenciarão as leituras voluntárias. (Rosário, 2006: 9)

A leitura pode ter como funcionalidade inicial atingir os propósitos da escola, mas com certeza que em determinados momentos, e com alguns alunos, se poderá transformar em momentos de lazer e “…em leituras voluntárias, passíveis de ocupar os tempos livres, libertas agora (por efeito da sedução) do constrangimento académico” (Rosário, 2006: 9, 10). Bo@s leituras A equipa do jornal Redação e montagem: Agrupamento de Escolas de Arraiolos: Ângela Rodrigues e Paula Gaspar

Patrocínios:


Destaque

2

ALUNOS DO PRÉ-ESCOLAR

março ‘16

VISTA DO PRÉ-ESCOLAR À BE DORDIO GOMES

SALA DA EDUCADORA FLORBELA NA BE DORDIO GOMES

E

xploração da História " A Joaninha Vaido-

sa" A Joaninha vivia alegremente, até que umas coloridas borboletas por aquelas bandas passaram, e toda a bicharada não falava noutra coisa! A Joaninha triste e cabisbaixa, lamentava-se de os animais já não lhe prestarem atenção. Decidiu então mudar de vestuário e vestir-se igual a outros animais, mas o resultado foi catastrófico!... O sábio mocho aconselhou-a a não imitar ninguém, ser ela própria e enfeitar-se à sua maneira! E com a especificidade e diversidade a amizade se reforçou! A seguir ouviu-se, cantou-se e dançou-se a canção "Fungagá da Bicharada".

SOBE 1º E 2º ANOS DA EB1 DE ARRAIOLOS

2


março ‘16

Destaque

3

AEC – LEITURA DE SOBE NA BE “UM GRÃO DE AREIA” E ILUSTRAÇÃO PARCERIA COM CENTRO DE SAÚDE AURORA DE SÁ E INÊS PEQUITO ARRAIOLOS E IGREJINHA Decorrer da atividade

3


4

Destaque

dezembro ‘15

HORA DO CONTO NO 1º CICLO

O Manuel leu “O Elefante Cor de Rosa” e a Raquel leu “A rapariga e o sonho”. Leitura de “Conheces alguém assim? “ de Margarida Fonseca Santos e ilustração de Raquel Pinheiro. Seguida de um debate.

LEITURA DOS ALUNOS DO SABUGUEIRO DE LIVROS REQUISITADOS NA BE DORDIO GOMES COM A DOCENTE LURDES FARINHA

4


dezembro ‘15

ATIVIDADES NA BE DORDIO GOMES

Destaque

5

LIVRO DO MÊS: JANEIRO

LEVA-ME CONTIGO DEDICADA AOS PAIS E EE

LIVRO DO MÊS: FEVEREIRO

LIVRO DO MÊS: MARÇO

5


6

Destaque

1º CICLO VISIONAMENTO DO FILME HELEN KELLER E TRABALHOS DECORRENTES

6

março ‘16

CAMINHOS DA LITERACIA APRENDER COM A BE A MENINA GOTINHA DE ÁGUA E QUANDO O SOL ESTÁ A BRILHAR


março ‘16

CAMINHOS DA LITERACIA APRENDER COM A BE OMBELA, ONDJAKI

Destaque

7

OMBELA, ONDJAKI, 4ºE

7


8

Destaque

março ‘16

LER+MAR ATIVIDADES DE FÍSICO-QUÍMICAS COM MARGARIDA ÍNDIAS - 7º B E 5ºC

8


Destaque

março ‘16

9

COMEMORAÇÃO DE ST. PATRICK DAY

O Inglês no 1º ciclo Atividades com a docente Lurdes Farinha

9


Destaque

10

N

março ‘16

o âmbito da iniciativa “Rota 20”, coordenada pela ABAE | Programa Eco-Escolas, que se integra no te-

ma mobilidade segura/sustentável e visa alertar a comunidade escolar para a importância de uma mobilidade mais segura, eficiente e inclusiva, foram desenvolvidas algumas atividades. O testemunho, proveniente da escola de Vendas Novas, foi recebido por alunas da turma juntamente com a professora Aurora de Sá e técnica da autarquia. A turma do 9ºC, com a ajuda da Coordenadora Eco Escolas professora Aurora de Sá, decidiu fazer um questionário e um percurso de reconhecimento nas imediações da Escola, ambos com a finalidade de

Aplicação do questionário

explorar o tema referido anteriormente. Pretendeu-se com o inquérito efetuado, tanto a alunos, como a professores e assistentes operacionais, identificar aspetos a melhorar, tal como aconteceu com o percurso de reconhecimento nas imediações da Escola. Além dos alunos do 9ºC, estiveram, ainda, presentes neste percurso elementos da Escola Segura e SEPNA, a técnica da autarquia - Dra Isabel Bizarro, o assistente operacional Sr. António Oliveira e a coordenadora EcoEscolas. Os aspetos identificados permitiram elaborar um documento que foi entregue à Sra Presidente da CMA.

Percurso de reconhecimento nas imediações da Escola

Janeiro 2016 Receção do testemunho

Joana Rebocho, 9ºC A docente Aurora de Sá

10


Destaque

março ‘16

N

11

AULA DO CURSO VOCACIONAL NA BE CUNHA RIVARA o dia 25 de janeiro de 2016, junto à escola EB 2,3/

S Cunha Rivara Arraiolos, os alunos do 7ºA em conjunto com o 7ºB e 7ºC, foram à Serra D’Aires e Candeeiros visitar as grutas de Santo António.

Após uma longa viagem de autocarro, desde as 9:00 horas da manhã e chegada à serra às 12:30, a turma do 7ºA e metade da turma do 7ºB iniciaram a visita de estudo às grutas de Santo António acompanhados pelos professores Bernardino Mira e Ana Fonseca. Depois destes terminarem a visita os restantes alunos do 7ºB e 7ºC foram acompanhados pelas professoras Inês Pequito, Mafalda Andrade e Isabel Mota. As grutas são constituídas por calcário, e foram descobertas no dia 6 de junho de 1955, por um menino que tentava apanhar um pássaro junto das mesmas. Estas abriram ao público em 1971.

A chegada foi às 17h:45 da tarde. Foi uma visita inesquecível e que valeu a pena. Obrigada!

Alunos do 7ºA, Professora Paula Gaspar

11


12

Destaque

março ‘16

OS FANTÁSTICOS LIVROS VOADORES DE SR. MORRIS LESSOMRE, 1ºA NA BE DORDIO GOMES

12


março ‘16

Destaque

13

A POESIA SAI À RUA, 4º E NA BE DORDIO GOMES Formação de utilizadores A Biblioteca É Super!!! 5º anos com Professora Gertrudes Garcia

BD na Cunha Rivara

13


14

Destaque

março ‘16

VISITA DE ESTUDO: MUSEU DA FUNDAÇÃO ORIENTE - FAROL DE SANTA MARTA MUSEU DO MAR

S

ob o olhar ligeiramente ameaçador das nuvens, 8ªA, B e C saíram de Arraiolos no dia 24 de fevereiro, rumo a Lisboa, para visitar a Fundação/Museu Oriente (Alcântara - Lisboa), o Farol de Santa Marta e o Museu do Mar (Cascais). Acompanhados pelos professores Ângela Rodrigues, Ludgero Serrano, Bernardino Mira e Isabel Madeira, o dia adivinhava-se enriquecedor e interessante: era a oportunidade de combinar vários saberes e a promessa de um dia diferente! E assim foi. Todos se divertiram com a escrita criativa e percorreram o mundo como os nossos aventureiros antepassados (a recolha de imagens antecipa um desafio a lançar nas aulas de expressão plástica), aprenderam ao ouvir falar da amplificação da luz através das lentes, revisitaram Pitágoras e aplicaram o que já haviam estudado nas aulas (a matemática também participou na visita!). Valeu a pena! De regresso a Arraiolos, ao final da tarde, o céu tornou-se implacável, mas já ninguém negaria a satisfação de os participantes terem vivido novas e tão úteis experiências. Bastava olhar para o sorriso da cada um para entender isso mesmo.

14


Destaque

março ‘16

15

JOGOS DE MATEMÁTICA NA BE CUNHA RIVARA

15


16

Destaque

março ‘16

A CONDIÇÃO FEMININA- REFLEXÃO PASSADO/ PRESENTE (Reflexão dos alunos sobre o papel da mulher a partir da análise de fontes do manual)

D

esde os primórdios da humanidade que a mulher teve uma condição diferente do homem. Os direitos das mulheres não incluíam o direito ao voto e à educação, à ocupação de cargos políticos e a salários justos e igualitários. Até ao final do século XIX a mulher era educada no sentido de ficar reservada somente à função de ser uma boa esposa/ mãe e aos afazeres domésticos. A mulher tinha o papel de submissa, de obediente e, as que ousaram romper com este papel, tiveram que enfrentar os tabus para conseguirem romper preconceitos e lutar pela sua liberdade pessoal. No entanto, no final do século XIX deu-se uma mudança no pensamento devido aos novos papéis que a mulher passou a desempenhar. Mas continuavam a existir empregos e serviços específicos para "homens" e "mulheres”. É claro, que para garantir esta mudança de mentalidade foram necessárias muitas lutas sociais que culminaram com as conquistas femininas. Muitas mulheres deram as suas vidas para que a mulher atual possa desfrutar do espaço conquistado. Na atualidade, o universo da mulher não se restringe à esfera doméstica, tem uma participação ativa na sociedade. Com tantas conquistas, o início do reconhecimento deu-se com a estipulação do dia 8 de março como o “Dia Internacional da Mulher” sendo este um marco na conquista dos direitos das mulheres e na construção de uma nova sociedade. A mulher conquistou, à base de muitas lutas o reconhecimento de cidadã ativa. Hoje encontramos mulheres a ocupar espaços na política, na sociedade civil e no trabalho provando que podem ser tão bem sucedidas quanto os homens. Apesar das mulheres assumirem outras responsabilidades, como os trabalhos produtivos fora do lar, muitas continuam ainda encarregadas do desempenho das atividades domésticas, o que as leva a alargar o tempo dedicado ao trabalho e a ficarem sobrecarregadas com esta dupla jornada de trabalho. Mas, a luta das mulheres ainda não está totalmente vencida, ainda há desigualdades, seja de salário ou preconceitos, por ela ainda ser considerada por muitos como um ser frágil. Infelizmente, em pleno século XXI, ainda encontramos alguns países nos quais as mulheres ainda vivem em submissão total e sem direito de voto. As suas atitudes remontam às das mulheres do princípio do século XIX, isto porque, no meio onde vivem, as condições sociais e a vida que têm, não lhes permite serem diferentes do que são, em função do todo que as envolve. Ana Beja, nº3, 9.ºA Docente Anabela Barros

16


marçoo ‘16

Destaque

Anos 20…A fúria de viver Os sentimentos de angústia e de medo, consequência da 1ª Guerra Mundial, são substituídos, pela esperança e fúria de viver. A população procura gozar a vida, entrega-se à euforia, aos prazeres da vida e ao entusiasmo da vida noturna.

17

Vasco Paixão Arnaud

Procura prazer e divertimento, frequenta cabarets e clubes noturnos, onde se diverte ao som do novo estilo de música- jazz. Dança até altas horas da manhã, charleston, foxtrot e tango.

Tal como nos EUA e no resto da Europa, Lisboa vive um ambiente frenético o que levou à abertura de vários clubes noturnos, também conhecidos como “clubes da baixa”.

Com um novo estilo, põe de lado os vestidos compridos e formais, e dá ao seu corpo um ar sensual com vestidos decotados e saias acima do joelho. Usa maquilhagem e bijuteria. Adota um corte de cabelo curto, de forma a descobrir o pescoço, com franja, dando realce aos olhos e rosto (“à la garçonne”).

A mulher de hoje sai à rua sem qualquer preconceito, muda a sua maneira de pensar e o seu quotidiano. Tem comportamentos e atitudes, que outrora eram impensáveis.

Participa em movimentos feministas e luta pela sua emancipação, pelos seus direitos, como o direito à igualdade e o direito ao voto. Vasco Paixão Arnaud, n.º 25, 9.ºC A docente Anabela Barros

17


18

Destaque

março ‘16

HISTÓRIA  Construir um artigo de jornal a relatar a vivência nos “Loucos Anos 20”!  Na disciplina de História foi lançado um desafio aos alunos do 9.º C:

“OS LOUCOS ANOS 20” Reação ao conflito mundial – Nova maneira de pensar – Novos hábitos sociais – Emancipação feminina – A cultura de massas – Os mass media – O exuberante e inovador “modernismo” – Viver o hoje como se não houvesse amanhã!

E

ncontro-me em Nova Iorque e não podia estar mais surpreendida. A I Guerra Mundial parece ter dado balanço para uma nova maneira de viver. As trágicas notícias não foram esquecidas e mesmo por isso, por serem ainda recordações muito presentes na memória daqueles que mais sofreram com o conflito, as pessoas têm uma ansiedade enorme em viver a vida. Aproveitá-la ao máximo! Em suma, viver o hoje como se não houvesse amanhã! Este desejo eufórico de gozar a vida reflete-se nas enormes mudanças na maneira de pensar e, consequentemente, nos novos hábitos sociais. Há cada vez uma maior procura de divertimentos. Surge, agora, um novo estilo de música – o jazz – acompanhado por novos estilos de dança – o charleston, o foxtrot e o tango. Já para não falar da vida noturna… aquela que era antes um grande tabu, vista como perigosa e até indecente, tem vindo a tornar-se bastante popular, aumentando, assim, os locais de convívio público, incluindo cabarés. A cultura de massas nasce também, opondo-se à cultura de elite, acessível à população em geral, esta proporciona divertimento, prazer e fantasia. Mass media é o novo termo associado aos meios de comunicação de grande divulgação, como a imprensa escrita (jornais e revistas) e a divulgação do rádio e do cinema. Deleitam-se também as crianças com as bandas desenhadas. Esta novidade, apesar de, inicialmente, direcionada ao público infantil, não deixa jovens nem adultos indiferentes à sua comicidade. Os livros, para bem do mundo, são cada vez mais populares, destacam-se os policiais, os de aventuras e os romances “cor-de-rosa”, aos quais as mulheres não conseguem resistir. E como estamos numa sociedade moderna e, por assim dizer, melhor, também as mulheres têm um papel mais importante na sociedade. Além do trabalho, que começaram a desempenhar durante o conflito mundial devido à falta de mão-de-obra masculina, também a moda e o seu comportamento mudaram. As saias usam-se mais curtas, tal como o cabelo, e o insuportável espartilho foi substituído pelo cómodo e dinâmico soutien. Quanto ao seu comportamento, a mulher está mais “viva”, aos olhos de muitos, “rebelde”! Esta emancipação feminina deve-se, em grande parte, aos movimentos feministas. Em relação à arte, nomeadamente na pintura, surgem, neste momento, movimentos artísticos que chocam o mundo devido à sua exuberância, diferença e expressividade. Fazem gritar a alma do artista, que pinta o que sente e não o que vê. O modernismo, como é conhecida esta nova corrente, rompe com o tradicionalismo, e este engloba vários outros movimentos artísticos como o expressionismo – a tela é um palco de emoções –, o cubismo – caracterizado pela geometrização da realidade –, o futurismo – valoriza as ideias de movimento e de velocidade – , o abstracionismo – as formas geométricas, as linhas e as cores não representam nada em concreto, apenas os impulsos estéticos, os sentimentos ou as emoções do artista –, e o surrealismo – distorce o real e o racional e enfatiza uma ideia do surreal, deixando que a imaginação e a criatividade não tenham limite. Perante todas estas mudanças, na sua grande maioria para melhor, o que posso concluir é que nunca a vida valeu tanto a pena ser vivida. Joana Rebocho, Nº 15, 9ºC A docente Anabela Barros

18


março ‘16

Destaque

19

HISTÓRIA NA BE CUNHA RIVARA OS LOUCOS ANOS 20

Alunos do 9º ano, Professora Anabela Barros

19


20

Destaque TRABALHOS DOS ALUNOS NA BE CUNHA RIVARA

20

março ‘16

TRABALHOS DOS ALUNOS NA BE DORDIO GOMES


março ‘16

Destaque

21

HORA DO CONTO

No Sabugueiro os alunos leram Conheces alguém assim? Leituras com a professora Lurdes Farinha. Prepararam a vinda de Pedro Seromenho.

O Diogo leu O incrível rapaz que comia livros, seguidamente na sequência da leitura da semana anterior da deusa das chuvas, falámos sobre alguns mitos, Orfeu e Eurydice e o mito da fundação de Roma. Foi ainda o livro Os sapatos do Sr. Valéry, Gonçalo M. Tavares e il por Rachel Caiano.

21


22

Destaque

março ‘16

TEXTOS LIVRES O Mundo ao Contrário Numa noite eu e a minha família estávamos a ver o telejornal, e passou uma notícia que dizia que nessa noite ia fazer uma grande tempestade. Todos nós ficamos espantados e o meu avô foi quem destinou as tarefas a cada um para que estivéssemos melhor preparados para a tempestade. A minha mãe foi buscar as mantas, a minha tia foi buscar os mantimentos, a minha avó foi ver se tínhamos lanternas e velas e por último eu fui ver dos animais, do rádio e dos primeiros socorros. De seguida, procurámos uma zona da casa que nos abrigasse melhor, Arrumámos os mantimentos, fizemos as camas e passamos algum tempo antes de dormir a jogar um jogo de tabuleiro. No dia seguinte quando acordei, só lá estava eu e a minha tia, os restantes tinha desaparecido. Estivemos a conversar sobre o que lhes podia ter acontecido. De seguida, fomos ver se eles estariam lá fora, e, mal abrimos a porta… nem podíamos acreditar… era outro mundo!!!! Havia ratos montados em gatos, cabras a cuspir fogo, anões, pessoas a voar e a montar pégasos, coisas estranhas! Quando passamos pela porta caímos, mas, passados uns segundos, sentimos que estávamos a flutuar. Nem podíamos acreditar! Tentámos voar mas não conseguimos, só ao fim de uns minutos pensamos que para voar era só pensar para onde queríamos ir. Então concentramo-nos no local onde queríamos chegar. Foi giro ver a minha tia voar aos “Ss”. Deixei-me rir, mas fui ajudá-la e chegamos a um sítio onde só havia lojas e cafés. Estávamos tão cansadas de voar, que entrámos numa loja e comprámos um Pégaso para viajar mais rápido. Entrámos noutra loja para comprar uma poltrona e umas cordas; a minha ideia era prender as cordas a poltrona e ao pégaso. Eu montava-o para comandar o voo e a minha tia ia sentada na poltrona. Mas agora não vou entrar em pormenores, não temos tempo a perder. Temos que procurar os meus avós e a minha mãe. Enquanto voávamos pudemos ver corridas entre galinhas e avestruzes, e as galinhas, para nossa surpresa, eram as vencedoras. Quando passámos pelas corridas vimos uns anões a discutir por um pote de ouro e pessoas a baloiçar como macacos nas lianas. Até que vimos um labirinto, e decidimos procurar por pistas lá. Para nosso grande espanto quando entrámos no labirinto víamos sempre portas e, eu e a minha tia, como somos tão curiosas fomos abrindo as portas; numas apareciam furacões, outras, bichos assustadores. Mas o melhor de tudo foi quando chegámos ao meio do labirinto e descobrimos uma pista, já não era sem tempo! A pista era um enigma e a minha tia conseguiu decifrá-lo. Fomos ao local e encontrámos os meus avós a tomar banhos de sol e a beber sumos tropicais. Estivemos a falar com eles e contaram-nos o que se tinha passado e também nos disseram que a minha mãe tinha ido parar a outra ilha. Os meus avós disseram-nos onde a minha mãe poderia estar. Ao fim ao cabo fomos ter à ilha dos dragões! Espetacular!!! Eu sempre quis ir à ilha dos dragões. Vimos tantos dragões diferentes! Encontrámos a minha mãe perdida em frente de um dragão enorme que se preparava para cuspir uma bola de fogo. Eu desci do pégaso e fui ajudá-la, não sabia como, mas consegui. No final desta aventura regressámos a casa: os meus avós sentados no Pégaso, eu, a minha tia e a minha mãe em dragões, que até eram bastante dóceis, depois de os conhecermos. Para meu grande espanto deixaram-me ficar com os dragões, este foi um dia inesquecível!!!!

Sara Gazimba, nº 17, 7º A Docente, Paula Gaspar

22


março ‘16

Destaque

23

TEXTOS LIVRES ocente, Paula Gaspar

Amor O que é o amor? AMOR O que é o amor? Será um sentimento? Uma emoção? Ou um coração? Cada um tem a sua opinião, que vai passando de mão em, mão, seguindo a paz, a guerra ou então, uma pequena inspiração. Margarida Sabino, 7º A, nº 10

É a mente que controla? Ou o coração que bate? É a dor que esfola? Ou um presente que abate? Acho que é depressão, Ou simplesmente o coração … Não sei se isto é correto Mas acho que o amor não é reto Tem momentos altos e baixos Momentos bons e outros rascos… Amor … afinal o que é? Não sei… aqui fica a questão! Se alguém souber diga Ou siga simplesmente o coração! Beatriz Amaral, nº 3 7ºA

A música A música Não é para uma pessoa se exibir Mas sim para tocar ou dançar com alma E para se sentir Para mim a música não tem fim Pois o que é infinito não se consegue explicar E quando começo Nada me faz parar Foi com a música que nasci E é com ela que espero morrer Não haverá dor nenhuma Que a música não consiga resolver É díficil explicar como me sinto Cada vez que subo a um palco Parece ser a primeira vez Mas na verdade já é um hábito

O meu exemplo Era uma vez, uma mulher, que era admirada por muitos, mas acho que ninguém gosta tanto dela como eu, sabem? Começou a trabalhar muito nova, estudou apenas até ao 4º ano, mas mesmo assim é de uma grande sabedoria. Trabalhou no campo, fizesse sol ou chuva, ela estava lá, trabalhava arduamente, nunca foi pessoa de desistir. Casou-se, teve duas filhas, tinha o marido em França, vendo-o nesses tempos muitas poucas vezes. Educaram as duas raparigas, e não só, também me educaram a mim, sim, é preciso muita força de vontade, porque não é qualquer pessoa, na idade que tinham na altura que faz isto. Já a ouvi rir e chorar. E cada vez que ela chora parece que se desmorona um castelo, um palácio ou algo do género. Ela já limpou as minhas lágrimas um dia, eu já limpei as dela e vou limpar-lhas quando ela precisar. Depois à aqueles segredos que só nos sabemos…. Mas esses, esses eu não posso contar, porque segredos são segredos. Ela esteve lá no primeiro dia de aulas, esteve lá quando comecei a tocar guitarra, esteve lá nos meus primeiros passos seja a andar, a andar de bicicleta, ou no skate. Esteve lá e sei que vai estar sempre, eu também vou estar aqui para ela. A minha avó é o meu exemplo.

O que me faz me feliz É ver as pessoas apreciarem o que faço As gargalhadas, Os atos, As palmas E as lágrimas Fico sempre estupefato. Alexandre Ribeiro, 7ºA nº1

Joana Barroseira, 7º A

23


24

Destaque

março ‘16

TEXTOS LIVRES O MEU ANIVERSÁRIO PENSAMENTO

Eu fiz anos no passado dia 24 de fevereiro, mas só fiz a minha festa para alguns amigos na sexta-feira e com a família no domingo. O jantar com os meus amigos foi no restaurante o Forjador e durou das 19h30 às 22h. Foi uma festa ines-

Não sei o que escrever Tenho de pensar Pois o texto livre tenho de entregar

quecível! A minha festa com a família foi diferente, foi muito divertida e foi um almoço em minha casa. Foi um prazer ter a minha família toda reunida, 22 pessoas maiores de 18 e 9 menores de 18 anos. Ao todo eram 31 pessoas, pessoas de todas as idades, dos 7 meses de idade até aos 92 anos. Recebi várias prendas, uma aparelhagem; um relógio; duas camisolas, um par de sapatos, dois legos e algum

Tenho umas ideias Não sei, tenho de pensar Só sei, que tenho de me esforçar

dinheiro. Um dos legos que recebi já estava à espera desde o Natal. Foi uma excelente surpresa. Estou a construir algumas obras de arquitetura em lego, a propósito quando crescer pode ser que seja autor de alguma obra que fique para a História. Fazer 13 anos não é fácil, tenho mais responsabilidades, tais como fazer a

Já sei que fazer Vou me concentrar Não posso é pensar em ir jogar

minha cama, arrumar a loiça da máquina, pôr a mesa, … tarefas que eu já executava mas cada vez faço com maior frequência. Na minha idade fico muito ansioso com o meu dia de anos mas se refletir um pouco chego à conclusão que cada ano que passa, aumentam as expetativas dos outros em relação a mim. Os meus pais dizem sempre que com o passar dos anos é normal que assim seja. Crescer é bom

Ah! Vou mas é jogar! Não! Assim boa nota não irei tirar.

Estou a pensar As ideias estão a surgir Agora que estou quase Não posso desistir

Depois de ter escrito Aquilo que sinto É que descobri Que nada tinha dito!

Acabou … Não ficou feito Vou desistir. pois não tenho jeito! Francisco Delgado Gomes Nº4 7ºA A docente Paula Gaspar

24

mas é preciso saber crescer! Sebastião Santos, 7ºA-Nº18 A docente Paula Gaspar


março ‘16

Destaque

25

HORA DO CONTO

O Diogo partilhou connosco a leitura de o Incrível rapaz que comia livros.

O Tiago partilhou a leitura do Selvagem, a Leonor leu uma lengalenga e o professor Luís Serra contou a história de Tristão e Isolda.

Desta vez os alunos prepararam uma surpresa - uma pirâmide. A Leonor partilhou uma história. Foram contados mais uns mitos e, no âmbito da preparação da vinda da Rachel Caiano, lemos “Os amigos do Sr. Valéry”.

25


26

Destaque

Hora do conto Maria Botelha, Pedro Seromenho com a PB Paula Gaspar

O Francisco leu O Segredo da Felicidade aos colegas.

março ‘16

SESSÃO COM PEDRO MADUREIRA 21 DE JANEIRO PROFESSOR NA UÉ DESTACADO NA EMEPC (ESTRUTURA DE MISSÃO PARA A EXTENSÃO DA PLATAFORMA CONTINENTAL )

PREPARAÇÃO DA VINDA DE RACHEL CAIANO

Por sermos um Agrupamento Ler+Mar e como tal parceiros na defesa do ambiente, o professor Pedro Madureira deslocou-se à escola sede para falar sobre o trabalho desenvolvido na plataforma. A sessão foi muito interessante e estiveram presentes as duas turmas do 10º A e B e o 11ºB. Muito obrigada a todos!!!

26


março ‘16

Destaque

27

HORA DO CONTO

Hora do conto – Leitura de Felismina Cartolina e João Papelão, Uma História de paixão. Leitura de As gravatas do meu pai, Pedro Seromenho seguida de um momento de ilustração a partir da escolha de um adjetivo. Preparação da vinda do autor e sessão com o mesmo para os alunos do Vimieiro, Igrejinha e Sabugueiro

27


28

Destaque

março ‘16

HORA DO CONTO - SABUGUEIRO COM A DOCENTE LURDES FARINHA

A CIGARRA E A FORMIGA

O NOVO FATO DO REI

CONHECES ALGUÉM ASSIM?

OS SAPATOS DO SR. VALÉRY

28


Destaque 29

março ‘16

SESSÕES DE CINEMA COM O DOCENTE LUÍS SERRA

Comentário de Al Gore

RECOLHA SOLIDÁRIA

29


30

Destaque

março ‘16

EXPOSIÇÃO - TALENTOS ESCONDIDOS

30


março ‘16

Destaque 31

INFORMAÇÃO A TODA A COMUNIDADE EDUCATIVA

A

segurança na escola é certamente uma preocupação de todos os elementos da comunidade educativa. Tendo em mente a implementação de uma cultura de segurança que visa a interiorização/ mecanização de comportamentos e atitudes de prevenção e auto proteção, realizou-se no dia 14 de janeiro um simulacro de incêndio, na escola sede do agrupamento. Este simulacro contou com a participação de todos os docentes e alunos que se encontravam na escola e de todas as equipas de apoio constituídas na escola (equipa de evacuação; equipa de 1º intervenção; equipa de primeiros socorros; equipa de cortes de energia e gás e comunicações e receção; equipa de concentração e controle). A realização deste simulacro foi comunicada aos Bombeiros Voluntários de Arraiolos, GNR de Arraiolos, Escola Segura e Proteção Civil que foram convidados a estar presentes enquanto observadores. Este simulacro teve como objetivo treinar/avaliar os procedimentos a observar por todos os intervenientes no que diz respeito à articulação das operações destinadas a garantir a evacuação total ordenada de todos os ocupantes para o ponto de concentração, no caso de se verificar efetivamente uma situação de emergência. O simulacro foi realizado seguindo os procedimentos determinados pelo Plano de Segurança da Escola (elaborado pela Parque Escolar) e foi precedido de sessões de sensibilização dos alunos promovidas pelos diretores de turma. Após aplicação dos questionários a uma amostragem de alunos, professores, assistentes operacionais e assistentes técnicos (cujos resultados estão disponíveis na página da escola) verificou-se que a evacuação se realizou de forma rápida e ordeira, cumprindo os procedimentos previstos no Plano de Segurança. A evacuação efetuou-se num tempo total de nove minutos. No sentido de aprimorar este processo serão tidas em consideração as sugestões apresentadas pela comunidade educativa bem como pelas entidades parceiras.

31


32

Destaque

março ‘16

SEMANA DA LEITURA— ELOS DE LEITURA 5º A, B, C / 6ºA, B, C DOCENTES CARLA SILVA, CONCEIÇÃO CORREIA E ISABEL CORREIA 7º A, B / 8ºC E / 9ºC DOCENTES, MAFALDA ANDRADE, MARIA DEL MAR JORDÃO, E PAULA GASPAR

32


março ‘16

Destaque 33

33


34

Destaque

março ‘16

Os textos da turma do 8º ano foram escritos no âmbito do estudo do módulo 2 - Texto narrativo.

MEMÓRIAS

N

A PRIMEIRA VEZ QUE ANDEI DE MOTA

este texto vou falar-vos de dois momentos

que me marcaram e que ainda hoje guardo na memória: um verão passado com a minha mãe e um outro momento, na semana de Natal. Um dos momentos que não consigo esquecer foi quando o meu pai esteve trinta e cinco fins de semana em trabalho, longe de casa. Não consigo esquecer este momento pois foi um dos melhores verões da minha vida, foi quando a minha mãe teve sempre tempo para estar comigo e com as minhas irmãs, porque o resto da minha vida passou-a a trabalhar. Consegui então sentir que nós, eu, a minha mãe e as minhas irmãs, estávamos mais unidas que nunca. O outro momento foi o último Natal em que senti necessidade de festejar, antes de o meu tio falecer. Foi um Natal feliz para ele e para todos lá em casa. Consegui despedir-me da pessoa de quem mais gostava, fiquei com

L

embro-me muito bem da primeira vez que andei

de mota. Tudo aconteceu numa tarde de verão, com muito calor. Foi um dia muito interessante. A partir daí, tive a certeza que era capaz de dominar não a máquina, mas o medo de voltar a tentar ultrapassar aquilo que me aconteceu: queda e uma fratura no braço. Fiquei um pouco traumatizado e tive medo de experimentar pela segunda vez. No entanto, este acontecimento não me afetou, porque eu desisti de parar de andar de mota. Toda esta experiência só me fez ver que não vale a pena não correr riscos nesta vida. Há que insistir para aprender coisas interessantes. Isto fez-me igualmente lembrar a forma como aprendi esta língua que estou a escrever agora.

uma imagem feliz dele e com momentos para recordar o Nicu Vasile nº8, 8D,

sorriso dele na sua cara… 15-01-2016 Curso Vocacional “Novos Rumos”, 8ºD Português A docente Mª do Céu Morcela

N

Português A docente Mª do Céu Morcela

O PRIMEIRO TORNEIO este texto vou falar sobre o primeiro torneio a que eu fui quando era mais novo.

Era um dia de verão, de sol radiante. Eu estava em casa a preparar-me para ir à festa que havia no Multiusos de Arraiolos, quando o meu irmão mais velho me ligou para eu me despachar, porque havia um torneio de setas. Quando cheguei ao local do torneio, já tinham passado cinco minutos da hora de inscrição, mas eu falei com a organização e deixaram-me participar. Nesse dia consegui ganhar a todos os jovens da minha idade e a alguns mais velhos. Eu e a minha família ficámos contentes por eu ter ganho o primeiro lugar. Mesmo se eu não tivesse ganho, eu teria ficado contente na mesma porque foi uma excelente tarde na companhia de amigos. As setas, naquela ocasião, demonstraram-me que eu sou capaz de atingir a minha meta e concretizar os meus sonhos. Diogo Figueiras nº4, 8ºD Português A docente Mª do Céu Morcela

34


Destaque 35

março ‘16

O texto da turma do 9º ano foi inspirado no conto "História Comum", de Machado de Assis. “HISTÓRIA COMUM” … Sou novamente carregada de uma maneira descomplicada, apagando aquelas deprimentes palavras. Desculpem-me a indelicadeza, não queria, de todo, parecer antipática! Apresento-me como invulgar: verde, de uma elegância exorbitante, modesta e um tanto ou quanto educada. Estava eu a contar-vos, iniciando a dita analepse, o momento em que fora para o escritório do Marco das escrituras. Entre a “pilha” enormíssima de folhas e a pele de camurça da sua pasta, lá ia eu, numa alegria constante, até ao seu posto de trabalho. De vez em quando, o homem de cabelos grisalhos costumava sair. Umas voltas daqui, outras dali, e depressa voltávamos a casa. A rotina era quase sempre a mesma. Certo dia, no meio daquela poça de tintas de canetas, o velho homem pareceu dar pela presença daquele tão belo lápis. As suas sobrancelhas ergueram-se, as suas rugas no olho esquerdo apareceram e as duas mãos trémulas, devido à sua idade avançada, pegaram no pequeno objeto. Permanecia estática, de queixo caído, observando o seu olhar atento no lápis. Nesse mesmo instante, Marco escreve algo que o deixa admirado, como se nunca tivesse visto nada igual. De cara insatisfeita, leva a sua mão ao meu frágil corpo, o que me leva a ler os seus pensamentos insanos, e deixa-me cair no chão, o que me deixa indignada, mas depressa sou novamente agarrada, de uma maneira descomplicada, apagando aquelas deprimentes palavras…

Ana Filipa Carapinha nº1 Ana Margarida Galhardo nº3, 9ºC Português A docente Mª do Céu Morcela

35


36

Destaque

março ‘16

B) NS (E E V O O SJ INAÇÃ TO DO M N I E R M C A DIS PARL EITO, C N O REC ! MO, P S I BATE C A R AO DE

N

o âmbito do Parlamento dos Jovens (ensino básico), 70 alunos, desde o 6º ao 9º

ano de escolaridade (6ºA e 6º B, 8º anos, 9º A e 9º C) participaram, enquanto deputados de uma das sete listas candidatas à sessão escolar, num conjunto de atividades:  7 de janeiro

(14h:25 às 17h:40) - sessão sobre Discriminação e Preconcei-

to, dinamizada pela Dr.ª Maria José Vicente, membro do staff nacional da EAPN Portugal (Rede Europeia Anti Pobreza);  11 de janeiro (10h:00 - 11h:35) - sessão de

esclarecimento dinamizada pelo deputado Norberto Patinho (PS);  14 a 19 de janeiro – campanha eleitoral para

as eleições para a sessão escolar;  21 de janeiro - eleições para a sessão escolar

- foram eleitos trinta e um deputados de entre sete listas de dez deputados cada;

Campanha eleitoral

 21 de janeiro (16h:00 às 17h:00) - con-

tagem dos votos

na presença de um

aluno por lista;

Eleições para a sessão escolar - 21 de janeiro

 22 de janeiro (14h:25 - 17h:40) - sessão escolar, na qual participaram trinta e um alu-

nos, na qualidade de deputados, e cinquenta e três alunos assistiram ao debate.

36


Destaque 37

março ‘16

22 de janeiro - sessão escolar

Na sessão escolar,

22 de janeiro - sessão escolar

os alunos Marta Raimundo Ramalho (9º C), António Costelas Garcia (6º A), Francisco Ganço

(8ºC) e Alice Dias

(9ºC) foram eleitos para representar, na sessão distrital, o Agrupamento de Escolas de Arraiolos. No dia 24 de fevereiro, a aluna Margarida Ramalhinho foi, num total de treze escolas, eleita presidente da mesa da sessão distrital. 7 de março - sessão distrital

A sessão distrital decorreu no dia 7 de março, no auditório da DGEstEDSRAlentejo, tendo sido exemplar o desempenho de todos os alunos envolvidos, que realçar, enquanto presidente da mesa distrital, a excelente prestação da aluna Margarida Ramalhinho. No dia 11 de abril, numa sessão em vídeoconferência,

7 de março - sessão distrital

entre as 14 e as 17:00h, decorreu a eleição da mesa da sessão nacional do Parlamento dos Jovens (a decorrer nos dias 2 e 3 de maio, na Assembleia da República). A Margarida Ramalhinho foi a mais nova dos(as) candidatos(as) à mesa, de entre os 22 presidentes das sessões 11 de abril - vídeoconferência

distritais, cujas idades rondavam os 14/15 anos. Não foi

eleita mas teve uma prestação exemplar. Agradecemos a todos os docentes que colaboraram neste processo, contribuindo para uma participação ativa, responsável e de qualidade dos alunos desta escola nas várias etapas deste programa. A coordenadora do programa no Ensino Básico - Ângela Rodrigues

37


38

Destaque

NOTÍCIA DE ÚLTIMA HORA! ALUNOS DO NOSSO AGRUPAMENTO IRÃO PARTICIPAR NA SESSÃO EUROSCHOOL EM 28 DE ABRIL DE 2016

N

a sequência do brilhante 3º lugar obtido na final nacional do Concurso Euroescola realizada em maio do ano passado, pelos alunos João Lóios e Leandro Recharto em representação do distrito de Évora, a nossa escola recebeu um convite para participar na Sessão Euroescola de 28 de abril a realizar em Estrasburgo, convite este aceite de imediato. Neste momento decorrem reuniões preparatórias tendo em vista a referida sessão Euroescola, na qual os 23 alunos, divididos em grupos, aprofundam os temas e preparam os seus argumentos, tendo em vista os debates que irão ter com colegas dos outros 28 estados da UE. Os temas muito aliciantes são os seguintes: Como favorecer o desenvolvimento sustentável? Pode-selimitar os direitos humanos se estiver em jogo a segurança? Que política europeia em matéria de desenvolvimento? Que futuro para a Europa? Qual o papel da Europa em relação às migrações e à integração? O emprego dos jovens, um desafio europeu? Assim, os alunos do nosso Agrupamento, além da responsabilidade de representar o nosso país e debater temas fundamentais para o futuro da nossa União Europeia, irão ter a oportunidade de conhecer o Parlamento Europeu, bem como conhecer colegas de outros Estados com vivências e interesses comuns, mas provenientes de realidades educativas diversas.

Edifício do Parlamento Europeu - Estrasburgo

março ‘16

PARLAMENTO DOS JOVENS 2016 SECUNDÁRIO

P

elo oitavo ano consecutivo verificou-se a participação do nosso Agrupamento no programa Parlamento dos A mesa que conduziu os Jovenstrabalhos da Sessão Escolar Secundário, este ano com o tema PortuO deputado da lista B, gal: Assimetrias litoral/interior – questionando os deputados da lista A. que soluções? Depois de uma campanha eleitoral combativa e bem disputada, na qual participaram as listas A, constituída por alunos do 10ºA, 10ºB, 11ºA e 11ºB e B, formada por alunos das turmas do 10ºB, 10ºC e 11ºB, decorreram as eleições que se saldaram pela eleição de 9 deputados pela lista A e 6 pela lista B. No dia 26 de janeiro de 2016, pelas 14h30, realizou-se a Sessão Escolar, no Polivalente, sob a presidência do José Angelino, apoiado pelos vice-presidente Alexandre Rodrigues e secretária Daniela Ravasqueira, no qual foram apresentadas e debatidas as medidas de ambas as listas. O debate decorreu com serenidade, combatividade e civisO deputado da lista A, João Lóios, mo e dele saíram, para serem questionando os deputados da lista B levadas à Sessão Distrital as seguintes medidas: I - Rentabilização dos recursos endógenos para criação de empresas nas zonas mais desfavorecidas do interior. II - Estabelecimento de uma percentagem mínima de empregos para as pessoas da localidade onde a empresa se instala. III - Reativação e melhoramento dos serviços públicos no interior, de acordo com as caraterísticas da população local. Foram ainda eleitos para a Sessão Distrital, a qual se realizou em Évora, no dia 8 de março, João Lóios, Sara Castelos, Leandro Recharto e Iolanda Oliveira, como deputados efetivos e o Pedro Figueiras, como deputado suplente. Finalmente, foi escolhido como tema a ser proposto para o Parlamento dos Jovens 2016 Os Refugiados na Europa: Que desafios? No dia 8 de março realizou-se a Sessão Distrital, nas instalações da Direção Geral dos Estabelecimentos Escolares – Direção de Serviços da Região Alentejo, na qual os nossos deputados tiveram uma postura interventiva e combativa, tendo contribuído de forma decisiva para o aperfeiçoamento das medidas que foram depois enviadas para a Assembleia da República, onde serão debatidas nos dias 23 e 24 de maio. O coordenador do programa no Ensino Secundário Henrique Gonçalves

38


março ‘16

N

Destaque 39

a semana de 8 a 12 de Fevereiro, foram dinamizadas pelos professores do grupo de Informática e pelos agentes da Escola Segura, sessões de sensibilização para uma correta utilização da

Internet. Foram apresentados conteúdos fornecidos pela parceria entre a Fundação PT, forças segurança pública e a Associação Nacional de Professores de Informática. Para uma atualização constante da informação sobre o tema consulte: http://www.seguranet.pt/; http:// www.internetsegura.pt/; http://www.miudossegurosna.net/

A

Hora do Código (http://hourofcode.com) é a introdução de uma hora à ciência da computa-

ção, criada para desmistificar a programação e mostrar que qualquer pessoa pode aprender os fundamentos básicos desta ciência. Os alunos do 8º ano, Curso Vocacional Novos Rumos e Clube de Informática, participaram na semana de 7 a 13 de dezembro nesta iniciativa. Durante uma hora os alunos realizaram atividades lúdicas que lhes ensinam os princípios básicos da programação.

39


40

Destaque

março ‘16

QU RA

O UP

I”

O Ó SS PIS A E P S R VO MA O O N “ S MO E D AR U AG

S DIO

40

!!!!

Profile for Angela  Rodrigues

2ª edição 20 de abril  

jornal escolar ArrRivar - 2ª edição

2ª edição 20 de abril  

jornal escolar ArrRivar - 2ª edição

Profile for arrrivar
Advertisement