Issuu on Google+

Ana Barreto Portfolio. FAUTL.2007-2010.PortuguĂŞs


2


Conteúdos Curriculum Vitae Protótipos de Habitação Blocos Habitacionais no Areeiro Plano Urbano em Algés Centro de Congressos de Algés Plano Urbano em Entrecampos

5 6 10 14 18 22

3


4


Ana Luisa Correia Barreto Morada: Rua Amadeu de Sousa Cardoso, nº20 - 1ºesquerdo. 1300-066 Lisboa, Portugal Tel. +351 916404536; Website: http://issu.com/arquitecta6/docs/portfolio_pt; E-mail: ana.luisa.barreto@gmail.com

PROFISSIONAL 1986 2004 2005 2006 2008 2010

Ana Luisa Correia Barreto nasce a 8 de Janeiro de 1986 em Faro Inicia a licenciatura em Arquitectura na Faculdade de Arquitectura da Univ. Técnica de Lisboa 3º Seminário Internacional de Arquitectura, onde frequentou o workshop de Requalificação Urbana e Arquitectónica para requalificar o Largo da Paz 4º Seminário Internacional de Arquitectura, onde frequentou o workshop denominado “Tragédia e Cidade” para reinventar a Praça do Comércio Termina a licenciatura e inicia o mestrado em Arquitectura Termina o mestrado em Arquitectura na Faculdade de Arquitectura da Univ. Técnica de Lisboa, com média de 14 valores, com a defesa da Dissertação “ Avaliação da Sustentabilidade de Edifícios: Parque das Nações”

PROJECTOS SELECCIONADOS

Protótipos de Habitação

Blocos Habitacionais

Plano Urbano de Algés

Centro de Congressos

Plano de Entrecampos

PESSOAL Nacionalidade Portuguesa, Solteira Conhecimentos de Línguas: Inglês (fluente), Francês (médio), Espanhol (básico) e Alemão (básico) Software: AutoCAD, Archicad, REVIT, Sketch Up, 3Dstudio Max, Cinema 4D, Artlantis, Photoshop, Office e desenvolvimento de webpages em HTML, CSS e Flash. Determinada e cumpridora de prazos. 5


6


Protótipos de Habitação

7


Trata-se de um edifício resultante da agregação de cinco protótipos para habitação, cada um com 30 m², seguindo o esquema de cheios e vazios, garantindo um acesso entre as duas frentes ao nível do piso térreo, que se encontra ocupado pelo primeiro piso habitacional, pelos acessos verticais e pelos elementos estruturais. O projecto desenvolve-se, dividindo longitudinalmente o “lote”, confrontando as escadas existentes pela orientação da implantação do edifício e tentando preservar as árvores existentes, desenvolvendo uma relação com o território assente no desenho do jardim e da ligação às próprias escadas pré-existentes, sendo o piso térreo do edifício atravessado por uma serventia que liga a escada pré-existente aos acessos do próprio edifício. Os acessos verticais concentram-se do lado norte do edificio, em dois núcleos que se podem desenvolver com futuras agregações.

Maquete

Alçado Norte

Corte

Alçado Poente 8

Alçado Nascente


Planta Piso 2

Planta Piso 1 9


10


Blocos Habitacionais no Areeiro

11


No projecto do edifício, desde o princípio que se queria que este se integrasse no edificado existente e que partisse de formas existentes neste. Os volumes desencontrados que constituem o projecto permitem criar frentes muito recortadas e estas formas encontram-se nas traseiras de edifícios da zona. O conceito do edifício baseia-se em ter apenas duas galerias para servir quatro pisos, com tipologias duplex. Cada piso é constituído pela repetição da mesma tipologia, com dois acessos verticais na ponta das galerias. Nos fogos, criou-se uma lógica de utilizar a sala como centro e distribuição, sendo a cozinha, instalações sanitárias, quartos, localizados perifericamente, todos com iluminação natural. Devido à orientação do edifício, elimina-se o problema de fachadas voltadas a Norte, e garante-se também uma melhor divisão de funções em cada fogo, o que permite um melhor controlo da organização espacial. A fachada nascente é mais recortada, tem as galerias voltadas para a rua, proporciona um convívio entre as pessoas que circulam nos acessos do edifício e na rua. 3D– Sala

Alçado Nascente

Alçado Sul 12


Planta Piso 1 e 3

Planta Piso 2 e 4 13


14


Plano Urbano em AlgĂŠs

15


A proposta assenta no princípio de transformar a marginal numa alameda ladeada de corredores laterais que reactivam a circulação local e criam estacionamento e no facto do comboio ter sido deslocado para sul e ter sido sobre-elevado em relação ao passeio marítimo. No zona a poente, prolongou-se a ideia de corredor verde, mantendo uma continuidade com o Jamor, criando -se um espaço residencial de baixa densidade e um acesso privilegiado à nova praia criada, adjacente à piscina oceânica que se projecta sobre a praia e à estação da Cruz Quebrada, dando agora sentido à sua existência, antes pouco importante na rede ferroviária da Linha de Cascais. Ao longo do meio da proposta, adquire-se uma frente urbana, desenvolve-se a marina, sempre enquadrados por praças e jardins em contacto com a água. Finalmente, no lado oriental da proposta o sistema proposto culmina com uma doca de apoio à prática de vela e com o equipamento do Sport Algés e Dafundo.

Maquete da Zona Central

Perfil Norte

Perfil Sul

Perfil Nascente

Perfil Poente

Perfil AB

16


Planta de Coberturas 17


18


Centro de Congressos de AlgĂŠs

19


O Centro Cultural e de Congressos é um equipamento de carácter multi-usos localizado na Praça Central do plano desenvolvido para a zona ribeirinha de Algés. Este equipamento terá carácter de utilização permanente, através de uma biblioteca, e um carácter de utilização temporário, dependente da programação de eventos ou congressos, através de um auditório e galeria de exposições. A ideia de espaço público esteve sempre presente no plano desenvolvido e, por isso, o centro cultural será composto por dois edificios de carácter diferente, mas complementar, que delimitam uma praça aberta para o mar. Estes dois edificios que limitam a praça funcionarão como um, pois estarão ligados entre si. A praça situada entre eles funcionará como parte deste centro cultural,dedicada a eventos ao ar livre. Pretendeu-se dar importância à axialidade da praça e seus alinhamentos visuais a sul. Os edíficios foram alinhados de acordo com a malha urbana existente e de modo a reforçar a perspectiva da abertura sobre o mar. Cada um dos edifícios tem uma função estruturante – de um é o auditório, do outro é a biblioteca. 3D– Exterior

Alçado Norte

Alçado Sul

Corte EF

Corte GH

Corte IJ 20


3D– Sala de Conferências

3D– Biblioteca

Planta Piso 0

Planta Piso 1 21


22


Plano Urbano em Entrecampos

23


A zona deintervenção é um pólo onde confluem várias centralidades e ainda uma grande interligação viária e de transportes. Estas características são factor de desenvolvimento de uma nova centralidade no espaço vazio em Entrecampos. Primeiro distinguiram-se os limites da proposta, constantes a manter como o limite imposto pelas Avenidas. Seguidamente, definiu-se o conceito de trazer o traçado da malha existente para dentro da proposta, usando o espaço vazio para dar sentido ao existente. Assim interligaram-se as direcções das ruas perpendiculares às Avenidas, bem como se trouxe a direcção do Campo Grande para dentro da proposta. Colocou-se a habitação junto à Avenida da República, o equipamento (Ministério da Economia) junto à Avenida 5 de Outubro e serviços no miolo da proposta. Criou-se também uma torre que ajuda a enquadrar o inicio da proposta. Pretende-se também interligar a estrutura verde no interior da circulação da proposta. Maquete

24


Planta de Coberturas 25


A proposta baseia-se num conjunto de sensações a percorre-la, que passam pelo olfacto, visão e som. Em termos de olfacto existe uma gradação de verde, desde flores no miolo da proposta até uma estrutura de árvores, que se distribuem consoante a localização. As árvores localizadas na Avenida da República seriam ulmeiros, enquanto na Avenida 5 de Outubro, seriam jacarandás. Na parte interior da proposta, no percurso principal existiriam cerejeiras, enquanto na parte envolvente existiriam limoeiros. Nas transversais que atravessam a proposta existiriam ameixeiras. O percurso que acaba na estação é guiado pela água que, dependendo da forma como cai, escorre ou salta do chão faz variar o som à medida que nos aproximamos da estação. Em termos visuais, distingue-se a aproximação de vários planos à medida da caminhada, devido aos edifícios transversais que interrompem o percurso visualmente e no que toca à materialidade, distinguem -se sobretudo o azulino de cascais e calçada.

Imagens de Referência

Perfil AB

Perfil CD

Pormenores

26


Planta Geral 27


28


Portfolio