Page 1

P – Nós te damos graças, ó Deus da vida, porque neste dia santo de domingo nos acolhes na comunhão do teu amor e renovas nossos corações com a alegria da ressurreição de Jesus. T – Glória a ti, Senhor, graças e louvor! P – Por este sinal do corpo do teu Filho, expressamos nosso desejo de corresponder com mais fidelidade à missão que nos deste e invocamos sobre nós o teu Espírito. Apressa o tempo da vinda do teu reino, e recebe o louvor de todo o universo e de todas as pessoas que te buscam. T – Glória a ti, Senhor, graças e louvor! (Quem preside convida a assembleia a um breve momento de louvor e agradecimento espontâneos.)

T – Pai nosso... pois vosso é o reino, o poder e a glória para sempre.

35. COMUNHÃO P – O Verbo se fez carne e habitou entre nós. Hoje desceu do céu a verdadeira paz. (Mostrando o pão consagrado:) P – Eis o Cordeiro de Deus, aquele que tira o pecado do mundo! T – Senhor, eu não sou digno(a)... (Comunhão: canto n. 17 deste folheto.)

36. ORAÇÃO PESSOAL (Tempo de silêncio.)

37. ORAÇÃO PÓS-COMUNHÃO

COMPROMISSOS 38. COLETA FRATERNA (É o momento de trazer donativos ou oferta em dinheiro para as necessidades da comunidade, enquanto a assembleia canta o n. 13 deste folheto.)

P – O Senhor nos abençoe e nos guarde! O Senhor faça brilhar sobre nós a sua face e nos seja favorável! O Senhor dirija para nós o seu rosto e nos dê a paz. Que o Senhor confirme a obra de nossas mãos, agora e para sempre. T – Em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo. Amém. P – Bendigamos ao Senhor. T – Damos graças a Deus.

ENTENDENDO A LITURGIA O sacerdote parte o pão eucarístico, ajudado, se for o caso, pelo diácono ou um celebrante. O gesto da fração realizado por Cristo na última ceia, que no tempo apostólico deu o nome a toda a ação eucarística, significa que muitos fiéis pela Comunhão no único pão da vida, que é o Cristo, morto e ressuscitado pela salvação do mundo, formam um só corpo (1Cor 10,17). A fração se inicia terminada a transmissão da paz, e é realizada com a devida reverência, contudo, de modo que não se prolongue desnecessariamente nem seja considerada de excessiva importância. Este rito é reservado ao sacerdote e ao diácono.

19 de janeiro de 2014 – Ano XXXI – Nº 1761

JESUS: O CORDEIRO DE DEUS

39. AVISOS 40. BÊNÇÃO FINAL

Ó Deus da aliança, nesta celebração, derramaste sobre nós o teu Espírito, que nos consagra sempre de novo para o teu serviço no mundo. Acompanha-nos ao 34. ORAÇÃO DO SENHOR longo desta semana, para que, em nossa P – Antes de participarmos do banquete lidas e trabalhos, continuemos a missão da Eucaristia, sinal de reconciliação e de Jesus, cordeiro de Deus que tira o pe- As orações da Celebração da Palavra encontramvínculo de união fraterna, rezemos jun- cado do mundo, por quem te pedimos, na -se no livro “Dia do Senhor”: de M. Guimarães tos como o Senhor nos ensinou: e P. Carpanedo, Paulinas: Apostolado Litúrgico. unidade do Espírito Santo. Amém.

Fração do Pão

2º Domingo do Tempo Comum – Ano A

O sacerdote faz a fração do pão e coloca uma parte da hóstia no cálice, para significar a unidade do Corpo e do Sangue do Senhor na obra da salvação, ou seja, do Corpo vivente e glorioso de Cristo Jesus. O grupo dos cantores ou o cantor ordinariamente canta ou, ao menos, diz em voz alta, a súplica Cordeiro de Deus, à qual o povo responde. A invocação acompanha a fração do pão; por isso, pode-se repetir quantas vezes for necessário até o final do rito. A última vez conclui-se com as palavras dai-nos a paz. (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil. Instrução Geral do Missal Romano e Introdução ao Lecionário. Brasília: CNBB, 2008).

LEITURAS BÍBLICAS: 2ª-f.: 1Sm 15,16-23; Mc 2,18-22. 3ª-f.: 1Sm 16,1-13; Mc 2,23-28. 4ª-f.: 1Sm 17,32-33.37.40-51; Mc 3,1-6.

5ª-f.: 18,6-9;19,1-7; Mc 3,7-12. 6ª-f.: 1Sm 24,3-21; Mc 3,13-19. Sábado: Conversão de São Paulo – At 22,3-16 ou At 9,1-22; Mc 16,15-18. Domingo: 3º Domingo do Tempo Comum – Is 8,23b-9,3; lCor 1,10-13.17; Mt 4,12-23.

CÚRIA ARQUIDIOCESANA Praça Dom Emanuel, s/n - Centro - Caixa postal 174 CEP 74001-970 - Goiânia - Goiás – Fone: (62) 3223-0759 - curia@arquidiocesedegoiania.org.br

A – O Senhor nos reuniu aqui. Ele é o Cordeiro de Deus que se entrega e aceita ser imolado por nós, para a nossa salvação. Acolhamos Jesus com alegria e iniciemos, cantando.

P – Senhor, que vós sois a vida que renova o mundo, tende piedade de nós. T – Senhor, tende piedade de nós. P – Deus todo-poderoso tenha compaixão de nós, perdoe os nossos pecados e nos conduza à vida eterna. T – Amém.

1. CANTO DE ABERTURA

4. HINO DE LOUVOR

(35º Curso: 04.08)

(39º Curso:08.10)

RITOS INICIAIS

Bom é louvar o Senhor, nosso Deus, / cantar salmos ao nome do Altíssimo, / com alegria aclamar seu amor, / sua glória, bondade e poder. 1. Como tuas obras me alegram, Senhor, / os teus prodígios suscitam louvor. / Tua presença eu contemplo no céu, / olho a terra: também nela estás. 2. Tu engrandeces o homem mortal: / da natureza ele é rei e senhor. / De honra o coroaste, de glória e poder, / pouco menos que aos anjos do céu. 3. Narram os céus o que fez tua mão, / todo universo teu nome bendiz. / A criação é um canto de amor, / e esse canto é também meu louvor.

2. SAUDAÇÃO P – Em nome do Pai... T – Amém. P – A graça de nosso Senhor Jesus Cristo, o amor do Pai e a comunhão do Espírito Santo estejam convosco. T – Bendito seja Deus que nos reuniu no amor de Cristo.

3. ATO PENITENCIAL P – No dia em que celebramos a vitória de Cristo sobre o pecado e a morte, também nós somos convidados a morrer ao pecado e ressurgir para uma vida nova. Reconheçamo-nos necessitados da misericórdia do Pai. (Pausa) P – Senhor, que sois o caminho que leva ao Pai, tende piedade de nós. T – Senhor, tende piedade de nós. P – Cristo que sois a verdade que ilumina os povos, tende piedade de nós. T – Cristo, tende piedade de nós.

1. Glória a Deus nos altos céus! / Paz na terra a seus amados! / A vós louvam, Rei celeste, / os que foram libertados! Glória a Deus lá nos céus, / e paz aos seus! Amém! 2. Deus e Pai, nós vos louvamos, / adoramos, bendizemos; / damos glória ao vosso nome, / vossos dons agradecemos! 3. Senhor nosso, Jesus Cristo, / Unigênito do Pai, / vós, de Deus Cordeiro Santo, / nossas culpas perdoai! 4. Vós, que estais junto do Pai, / como nosso intercessor, / acolhei nossos pedidos, / atendei nosso clamor! 5. Vós somente sois o Santo, / o Altíssimo, o Senhor, / com o Espírito Divino, / de Deus Pai no esplendor.

Disse ele: “Não basta seres meu Servo para restaurar as tribos de Jacó e reconduzir os remanescentes de Israel: eu te farei luz das nações, para que minha salvação chegue até aos confins da terra”. – Palavra do Senhor. T – Graças a Deus. (Tempo de silêncio) 6

7. SALMO 39 (40) (Salmos e Aclamações / ano A: 11.10 – vol. I)

Eu disse: Eis que venho, Senhor, / com prazer faço a vossa vontade! 2 Esperando, esperei no Senhor, / e inclinando-se, ouviu meu clamor. / 4aCanto novo ele pôs em meus lábios, / bum poema em louvor ao Senhor. 7 Sacrifício e oblação não quisestes, / mas abristes, Senhor, meus ouvidos; / não pedistes ofertas nem vítimas, / holocaustos por nossos pecados. 8a E então eu vos disse: “Eis que venho”! / b Sobre mim está escrito no livro: / 9“Com prazer faço a vossa vontade, / guardo em meu coração vossa lei!” 10 Boas-novas de vossa justiça / anunciei 5. ORAÇÃO numa grande assembleia; / vós sabeis: P – Oremos. (Pausa para oração) não fecheis os meus lábios! / Vós sabeis: Deus eterno e todo-poderoso, que gover- não fecheis os meus lábios! nais o céu e a terra, escutai com bondade (Tempo de silêncio) as preces do vosso povo e dai ao nosso tempo a vossa paz. Por nosso Senhor Je- 8. SEGUNDA LEITURA sus Cristo, vosso Filho, na unidade do EsInício da Primeira Carta de São pírito Santo. T – Amém. Paulo aos Coríntios (1,1-3) - 1Paulo, chamado a ser apóstolo de Jesus LITURGIA DA PALAVRA Cristo, por vontade de Deus, e o irA – Escutemos a Palavra de Deus. Ela mão Sóstenes, 2à Igreja de Deus que nos apresenta o Servo do Senhor. está em Corinto: aos que foram santificados em Cristo Jesus, chamados 6. PRIMEIRA LEITURA Leitura do Livro do Profeta Isaías a ser santos junto com todos os que, (49,3.5-6) – 3O Senhor me disse: “Tu em qualquer lugar, invocam o nome és o meu Servo, Israel, em quem serei de nosso Senhor Jesus Cristo, Senhor glorificado”. 5E agora diz-me o Se- deles e nosso. 3Para vós, graça e paz, nhor – ele que me preparou desde o da parte de Deus, nosso Pai, e do Senascimento para ser seu Servo – que nhor Jesus Cristo. eu recupere Jacó para ele e faça Israel unir-se a ele; aos olhos do Senhor – Palavra do Senhor. T – Graças a Deus. (Tempo de silêncio) esta é a minha glória.


5. Confirmai, ó Pai, todos nós que recebemos, no sacramento da Reconciliação, o perdão dos pecados e a vida nova em (Salmos e Aclamações / ano A: 11.10 – vol. I) Cristo Jesus. Aleluia! Aleluia! Aleluia! (bis) (Preces espontâneas) A Palavra se fez carne, entre nós ela P – Deus todo-poderoso e eterno, que por acampou; / todo aquele que a acolheu, de vosso Filho Jesus Cristo fizestes chegar Deus filho se tornou. a salvação até aos confins da terra, olhai P – O Senhor esteja convosco. com bondade o povo que vos suplica e T – Ele está no meio de nós. conduzi-o à glória do vosso reino. Por P – Proclamação do Evangelho de Jesus Jesus Cristo, nosso Senhor. Cristo segundo João. T – Amém. T – Glória a vós, Senhor. (1,29-34) – Naquele tempo, 29João . LITURGIA EUCARÍSTICA viu Jesus aproximar-se dele e disse: “Eis o Cordeiro de Deus, que tira o 13. CANTO DE PREPARAÇÃO pecado do mundo. 30Dele é que eu disDAS OFERENDAS se: ‘Depois de mim vem um homem que passou à minha frente, porque (39º Curso: 08.10) existia antes de mim’. 31Também eu Cantai ao Senhor um canto novo! / não o conhecia, mas se eu vim batizar Cantai ao Senhor, ó terra inteira! com água, foi para que ele fosse mani- 1. Dai ao Senhor, ó famílias das nações, / festado a Israel”. dai ao Senhor o poder e toda glória, / dai 32 E João deu testemunho, dizendo: ao Senhor toda glória do seu nome! “Eu vi o Espírito descer, como uma pomba do céu, e permanecer sobre 2. Oferecei um sacrifício nos seus átrios, / ele. 33Também eu não o conhecia, mas adorai-o no esplendor da santidade. / Terra aquele que me enviou a batizar com inteira, estremecei diante dele! água me disse: ‘Aquele sobre quem 3. Publicai entre as nações: “Reina o Sevires o Espírito descer e permanecer, nhor!” / Ele firmou o universo inabalável / este é quem batiza com o Espírito e os povos ele julga com justiça. Santo’. 34Eu vi e dou testemunho: Este 14. ORAÇÃO é o Filho de Deus!” P – Orai, irmãos e irmãs, para que o nosso – Palavra da Salvação. sacrifício seja aceito por Deus Pai todoT – Glória a vós, Senhor. -poderoso. (Tempo de silêncio) T – Receba o Senhor por tuas mãos este sacrifício, para glória do seu nome para 10. HOMILIA nosso bem e de toda a santa Igreja. (Após a homilia, pausa para reflexão.) P – Concedei-nos, ó Deus, a graça de par11. PROFISSÃO DE FÉ ticipar constantemente da Eucaristia, pois P – Cheios de confiança, professemos todas as vezes que celebramos este sacrifício, torna-se presente a nossa redenção. a nossa fé. Por Cristo, nosso Senhor. T – Creio em Deus Pai... T – Amém.

9. ACLAMAÇÃO AO EVANGELHO

12. ORAÇÃO COMUNITÁRIA

P – Apresentemos ao Senhor as dores e esperanças da humanidade e, confiantes, rezemos. 1. Confirmai, ó Pai, a Igreja, no mundo inteiro, na missão de anunciar o Cordeiro divino. T – Senhor, escutai e respondei. 2. Confirmai, ó Pai, as pessoas que buscam viver a radicalidade evangélica. Que, como João Batista, nunca percam o vigor profético. 3. Confirmai, ó Pai, no caminho da justiça e honestidade, as lideranças políticas do nosso país e do mundo. 4. Confirmai, ó Pai, todas as pessoas que se engajam na busca de servir, proteger e cuidar da vida.

15. ORAÇÃO EUCARÍSTICA III (Prefácio dos Domingos do Tempo Comum, I)

P – O Senhor esteja convosco. T – Ele está no meio de nós. P – Corações ao alto. T – O nosso coração está em Deus. P – Demos graças ao Senhor, nosso Deus. T – É nosso dever e nossa salvação. Na verdade, é justo e necessário, é nosso dever e salvação dar-vos graças, sempre e em todo o lugar, Senhor, Pai santo, Deus eterno e todo-poderoso, por Cristo, vosso Filho, que, pelo mistério da sua Páscoa, realizou uma obra admirável. Por ele, vós nos chamastes das trevas à vossa luz incomparável, fazendo-nos passar do pecado e da morte à glória de

sermos o vosso povo, sacerdócio régio e nação santa, para anunciar, por todo o mundo, as vossas maravilhas. Por essa razão, agora e sempre, nós nos unimos à multidão dos anjos e dos santos, cantando (dizendo) a uma só voz: T – Santo, Santo, Santo... Na verdade, vós sois santo, ó Deus do universo, e tudo o que criastes proclama o vosso louvor, porque, por Jesus Cristo, vosso Filho e Senhor nosso, e pela força do Espírito Santo, dais vida e santidade a todas as coisas e não cessais de reunir o vosso povo, para que vos ofereça em toda parte, do nascer ao pôr do sol, um sacrifício perfeito. T – Santificai e reuni o vosso povo! Por isso, nós vos suplicamos: santificai pelo Espírito Santo as oferendas que vos apresentamos para serem consagradas, a fim de que se tornem o Corpo e o Sangue de Jesus Cristo, vosso Filho e Senhor nosso, que nos mandou celebrar este mistério. T – Santificai nossa oferenda, ó Senhor! Na noite em que ia ser entregue, ele tomou o pão, deu graças, e o partiu e deu a seus discípulos, dizendo: Tomai, todos, e comei: Isto é o meu Corpo, que será entregue por vós. Do mesmo modo, ao fim da ceia, ele tomou o cálice em suas mãos, deu graças novamente, e o deu a seus discípulos, dizendo: Tomai, todos, e bebei: Este é o cálice do meu Sangue, o Sangue da nova e eterna aliança, que será derramado por vós e por todos para remissão dos pecados. Fazei isto em memória de Mim. Eis o mistério da fé! T – Anunciamos, Senhor, a vossa morte e proclamamos a vossa ressurreição. Vinde, Senhor Jesus! Celebrando agora, ó Pai, a memória do vosso Filho, da sua paixão que nos salva, da sua gloriosa ressurreição e da sua ascensão ao céu, e enquanto esperamos a sua nova vinda, nós vos oferecemos em ação de graças este sacrifício de vida e santidade. T – Recebei, ó Senhor, a nossa oferta! Olhai com bondade a oferenda da vossa Igreja, reconhecei o sacrifício que nos reconcilia convosco e concedei que, alimentando-nos com o Corpo e o Sangue do vosso Filho, sejamos repletos do Espírito Santo e nos tornemos em Cristo um só corpo e um só espírito. T – Fazei de nós um só corpo e um só espírito! Que ele faça de nós uma oferenda perfeita para alcançarmos a vida eterna com os vossos santos: a Virgem Maria, Mãe de Deus, os vossos Apóstolos e Mártires, N.

(o santo do dia ou o padroeiro) e todos os santos, que não cessam de interceder por nós na vossa presença. T – Fazei de nós uma perfeita oferenda! E agora, nós vos suplicamos, ó Pai, que este sacrifício da nossa reconciliação estenda a paz e a salvação ao mundo inteiro. Confirmai na fé e na caridade a vossa Igreja, enquanto caminha neste mundo: o vosso servo o Papa N., o nosso Bispo N., com os bispos do mundo inteiro, o clero e todo o povo que conquistastes. T – Lembrai-vos, ó Pai, da vossa Igreja! Atendei às preces da vossa família, que está aqui, na vossa presença. Reuni em vós, Pai de misericórdia, todos os vossos filhos e filhas dispersos pelo mundo inteiro. T – Lembrai-vos, ó Pai, dos vossos filhos! Acolhei com bondade no vosso reino os nossos irmãos e irmãs que partiram desta vida e todos os que morreram na vossa amizade. Unidos a eles, esperamos também nós saciar-nos eternamente da vossa glória, por Cristo, Senhor nosso. T – A todos saciai com vossa glória! Por ele dais ao mundo todo bem e toda graça. Por Cristo, com Cristo, em Cristo, a vós, Deus Pai todo-poderoso, na unidade do Espírito Santo, toda a honra e toda a glória, agora e para sempre. T – Amém!

3. Serás profeta do Altíssimo, ó menino, / pois irás andando à frente do Senhor / para aplainar e preparar os seus caminhos. Anunciando a seu povo a salvação, / que está na remissão de seus pecados. / Pelo amor do coração de nosso Deus, / Sol nascente que nos veio visitar. / Lá do alto como luz resplandecente, / a iluminar a quantos jazem entre as trevas / e na sombra da morte estão sentados / e no caminho da paz guiar os nossos passos.

18. MOMENTO DE SILÊNCIO E ORAÇÃO PESSOAL Refrão meditativo: (44º Curso: 08.13) Eis-me aqui, ó Deus! / Eis-me aqui, ó Deus! / Para fazer a tua vontade. / Eis-me aqui, ó Deus! (Tempo de silêncio)

19. ORAÇÃO P – Oremos. (Pausa para oração) Penetrai-nos, ó Deus, com o vosso Espírito de caridade, para que vivam unidos no vosso amor os que alimentais com o mesmo pão. Por Cristo, nosso Senhor. T – Amém.

(30º Curso: 10.05)

(Após a acolhida, entoar o canto de abertura. Ver nº 1 deste folheto.)

25. SAUDAÇÃO P – Em nome do Pai... T – Amém.

26. RITO PENITENCIAL (Quem preside motiva a assembleia ao pedido de perdão. Após, rezar o Confesso a Deus ou entoar um canto apropriado.)

27. ORAÇÃO INICIAL Ó Deus, criador do céu e da terra, por meio de Jesus Cristo, teu enviado, recrias o mundo e reconduzes a história. Escuta com bondade as preces do teu povo e dá-nos a tua paz. Por Cristo, nosso Senhor. Amém.

RITO DA PALAVRA 28. LEITURAS BÍBLICAS (Ver n. 6, 7, 8 e 9 deste folheto.)

29. MEDITAÇÃO (Partilha da Palavra.)

20. AVISOS DA COMUNIDADE

30. PROFISSÃO DE FÉ

21. ANTÍFONA MARIANA

(Ver n. 11 deste folheto.)

(42º Curso: 03.12)

Ó Mãe do Redentor, do céu, ó porta, / ao povo que caiu, socorre e exorta, / pois busca levantar-se, Virgem pura, / nas16. PAI-NOSSO cendo o Criador da criatura: / tem pieP – Guiados pelo Espírito de Jesus e ilu- dade de nós e ouve, suave, / o anjo te minados pela sabedoria do Evangelho, saudando com seu Ave! ousamos dizer: RITOS FINAIS T – Pai nosso...

17. CANTO DA COMUNHÃO

24. ACOLHIDA

22. BÊNÇÃO FINAL

31. ORAÇÃO DOS FIÉIS (Ver n. 12 deste folheto.)

32. ABRAÇO DA PAZ P – Irmãos e irmãs, por sua morte e ressurreição, o Cristo nos reconciliou. Demo-nos uns aos outros o abraço da paz!

RITO DA COMUNHÃO 33. MOMENTO DE LOUVOR

(Quem preside ocupa o lugar junto ao altar e convida a assembleia ao louvor e à ação de graças.) P – Lembrando a última ceia de Jesus e as últimas vezes que ele sentou-se à mesa com os discípulos depois da sua ressurreição, partilhemos entre nós o pão consagrado e demos graças ao Senhor. Que está refeição nos dê a força amorosa do Espírito e nos confirme em nossa missão de vigiar sobre o pecado do mundo. (O ministro extraordinário da comunhão 23. DESPEDIDA eucarística traz o Pão consagrado e entreP – Ide em paz, e o Senhor vos acompanhe. ga-o ao presidente da celebração, que o coloca sobre o altar.) T – Graças a Deus. P – O Senhor esteja convosco. T – Ele está no meio de nós. P – A paz de Deus, que supera todo entendimento, guarde os vossos corações e vossas mentes no conhecimento e no amor de Deus, e de seu Filho, nosso Senhor Jesus Cristo. T – Amém. P – Abençoe-vos Deus todo-poderoso, Pai e Filho e Espírito Santo. T – Amém.

Vamos louvar nosso Deus e Senhor, / o sol nascente em nossa terra! Vamos louvar nosso Deus e Senhor, / que nos visitou como servidor! 1. Bendito seja o Senhor Deus de Israel, / que a seu povo visitou e libertou; / e fez surgir um poderoso salvador, / na casa de Davi, seu servidor. / Como falara pela boca de seus santos, / os profetas desde os tempos mais antigos, / para salvar-nos do poder dos inimigos / e da mão de todos quantos nos odeiam. 2. Assim mostrou misericórdia a nossos pais, / recordando a sua santa Aliança, / e o juramento a Abraão, o nosso Pai, / de conceder-nos que, libertos do inimigo, / a ele nós sirvamos sem temor / em sanCELEBRAÇÃO DA PALAVRA tidade e justiça diante dele, / enquanto perdurarem nossos dias. (Onde não houver Missa.)

(42º Curso: 03.12)

T – Eu sou o Pão vivo descido do céu; / quem dele comer viverá eternamente: Tomai e comei.

2%20domingo%20do%20tempo%20comum%20 %20%20n %201761  

http://arquidiocesedegoiania.org.br/liturgiadiaria/images/Folhetos/2%20Domingo%20do%20Tempo%20Comum%20-%20%20n.%201761.pdf

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you