Page 76

Ou seja: Em meados do século XVII, Londres dominava a cena nacional como nenhuma outra capital européia, nem mesmo Paris. A enorme concentração de recursos econômicos, influências políticas, especialização profissional e população fez com que o controle da cidade implicasse em grande medida no controle de muitas alavancas do poder. (STONE, [1972], 200, p.135)

Constitui um pólo de atração a todas as camadas sociais, como apontado por Christopher Hill (1987 [1972]) ao tratar dos “excluídos”: Londres era, para o vagabundo do século XVI, o que a floresta tinha sido para o fora-da-lei medieval – um refúgio anônimo. O trabalho informal, a caridade e as perspectiva de ganho transformam Londres numa cidade atrativa, no entanto, No final do século XVI e começo do XVII os homens de súbito tomaram consciência de que existia um submundo criminoso. (HILL, [1972], 1987,p.57). A indústria têxtil, por exemplo, buscando fugir às restrições impostas pelas corporações manufatureiras, adota um sistema de produção doméstica: onde, embora a produção fosse desenvolvida nas residências e ainda de forma artesanal, o trabalhador era um tarefeito assalariado, existindo uma divisão e especialização do trabalho e sendo o produtor dependente do capitalista. Por outro lado, o carvão é fundamental ao desenvolvimento das demais indústrias e assim, também, atrelado ao investimento de grande capital. Assim como a indústria naval, que se desenvolve muito rapidamente para atender ao comércio interior e exterior também precisa de grandes investimentos e assim depende do capital. A Inglaterra também passa a dominar as indústrias de sabão e arame.

No entanto, o país, apesar de já está num processo de

industrialização forte, ainda não está plenamene desenvolvido como o restante da Europa. No campo é onde se encontram as maiores diferenças de desenvolvimento em relação ao restante do continente europeu. A interferência capitalista nas áreas rurais é também intensa e decisiva. Os investimentos no campo são respaldados e garantidos, de um lado, pelas necessidades da indústria têxtil – a lã – e, de outro, pela criação de um mercado 76

Revista ARQCHRONOS - Arquitetura em Patrimonio  

A criação da Revista ARQCHRONOS – arquitetura em patrimônio – é um pólo de troca e de ação crítica relacionado a área de Patrimônio Arquitet...

Advertisement