Page 56

tempo”. Desde esse dia, a nau da Revolução, a despeito das tempestades e das calmarias, retardada, jamais detida, singra na direção do futuro. No entanto, o poder absoluto e sua aristocracia preparam um golpe visando à recuperação do poder, num movimento contra-revolucionário. No dia 23 de junho é feita a “Declaração referente ao presente procedimento dos Estados” (proibição das garantias dentre as quais, anula a vontade dos eleitores assim como a anulação das decisões dos deputados do Terceiro) e “Declaração das intenções do rei” (dentre as seis “intenções reais, o rei declara que quer conservar por completo a instituição do exército mediante o impedimento de que plebeus cheguem aos cargos oficiais e de comando) – para isso, deixa claro que, se necessário, fará o uso da força. O povo reage e apesar da Assembléia Constituinte ser salva pelas jornadas populares, as jornadas de julho culminam com a queda da Bastilha. O que deveria ser uma Reforma transforma-se em Revolução. Ela eclode de três maneiras, ao mesmo tempo, pelos eleitores, pela multidão e pelos soldados (MICHELET, [1847], 2003, p.109). A população toma conta da cidade de Paris, o que é seguido por outras revoltas em cidades das províncias, tendo como resultado o desaparecimento de qualquer autoridade absolutista. As massas populares apropriam-se de tudo o que encontram, saqueiam depósitos e armazéns e destróem propriedades feudais e, também, as propriedades burguesas. No dia 4 de agosto, a Assembléia vota a extinção do Antigo Regime, a extinção do feudalismo – preserva o direito e o poder dos homens de propriedade. Em 26 de agosto, a Assembléia aprova a declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão: igualdade jurídica de todos os indivíduos, liberdade completa de circulação de bens e a não interferência do Estado na vida econômica, separação do Estado e da Igreja e a divisão entre o legislativo e executivo.

22

Instituição cuja origem remontava à Idade Média, representava as três ordens, e seus representantes eram

56

Revista ARQCHRONOS - Arquitetura em Patrimonio  

A criação da Revista ARQCHRONOS – arquitetura em patrimônio – é um pólo de troca e de ação crítica relacionado a área de Patrimônio Arquitet...