Page 54

Os plebeus foram excluídos de qualquer participação política ou decisiva na sociedade. Por outro lado, a sociedade também tende a se aburguesar mediante a ascenção da burguesia. Esta, impossibilitada de ascender pelo fechamento da nobreza, vislumbra nas idéias do iluminismo um meio à sua escalada social. A limitação e a impossibilidade de fazer as reformas, exigidas pela burguesia, faz com que ela se volte contra o Estado Absolutista. O Terceiro Estado - os camponeses e proletariado urbano - também se encontra insatisfeito e descontente pela exploração que estavam sofrendo por parte do Estado e por parte da Igreja. As revoltas dos camponeses e do proletário urbano eram reprimidas pela Igreja (aparato ideológico) e pelo Estado (aparato militar), tendo seus movimentos facilmente esmagados. Nesse sentido, é relevante esclarecer que para a Revolução Francesa, o “rompimento” entre a nobreza e o Estado, foi decisivo. A nobreza, em certa medida, não aceitava as limitações impostas pelo Estado, não entendendo que, frente aos conflitos internos, a monarquia absolutista atuava, em última instância, protegendo os seus próprios interesses e, de certa forma, salvaguardando os interesses coletivos de sua classe. A nobreza fica dividida entre os favorecidos e os não favorecidos pela realeza. As relações de favores estabelecidas entre a realeza e a nobreza “escolhida” são determinantes às divergências, enfraquecimento e rupturas entre os nobres (internamente à nobreza) e com o poder real. A França está em boas mãos. Tudo vai bem. Um Rei tão bom, uma rainha tão amável... A única dificuldade é que, independentemente dos pobres privilegiados que estão em Versalhes, há uma outra classe, não menos nobre e bem mais numerosa, os pobres privilegiados da província, que nada têm ou recebem, dizem eles; transpassam os ares com seus gritos...Esses bem antes do povo, começarão a Revolução. (MICHELET, [1847], 2003p.79)

Como é descrito pelo autor em seu livro História Da Revolução Francesa – Da queda da Bastilha à festa da Federação, a falência e o montante da dívida e o descrédito do Estado forçam que os financiadores burgueses cortem o crédito: O emprestador Necker mata 54

Revista ARQCHRONOS - Arquitetura em Patrimonio  

A criação da Revista ARQCHRONOS – arquitetura em patrimônio – é um pólo de troca e de ação crítica relacionado a área de Patrimônio Arquitet...

Advertisement