Page 37

Essas dimensões não se constituem numa simples categorização ou uma visão evolucionista, mas perpassam umas as outras. Também não significam ou estão atreladas a uma hierarquia de valores ou a “evolução” de qualquer ordem. Assim, podemos pensar num determinado “bem cultural” que ainda não é visto como patrimônio (patrimônio “em potencia”), mas que pode vir a tomar um valor simbólico relevante – seja para um grupo (patrimônio legitimado); ou para o poder legal (patrimônio legalizado). Da mesma forma, pode existir um bem legitimado e legalizado ou, ainda, legalizado e não legitimado e, por fim, legitimado e não legalizado. E mais, quando reconhecemos o “devir histórico”, o devir do mundo, estamos reconhecendo a historicidade do patrimônio como algo em contínuo processo de construção e criação. Assim, na medida em que tudo é possibilidade histórica, já que segundo Heidegger o mundo é historicidade, o patrimônio histórico é o universo do patrimônio (Patrimônio Legal, Patrimônio Legitimado e Patrimônio “Em Potência”). O caráter de reconhecimento legal inscrito no direito penal de defesa e preservação do patrimônio revela a importância desses bens: Além disso, a previsão de tipos penais relativos à agressão aos bens integrantes do Patrimônio Cultural traduz sua relevância para a sociedade, o fundamental valor de que são revestidos. Difunde-se, destarte, a idéia de quão importante é a preservação do Patrimônio Cultural, a ponto de se considerar crime a lesão a esses bens. (NETO, 2004, p.32)

Assim, podemos considerar patrimônio cultural como o resultado de um processo de assimilação, acumulação, construção, criação e transmissão, mútuo e contínuo – condicionado, condicionante e mutante. Os agentes sociais o compõem e por ele são compostos, sendo então uma relação dinâmica, contínua e mútua. Resgatar mais uma vez a obra de Hannah Arendt, permite ilustrar essa dinâmica entre o patrimônio cultural e os agentes sociais formadores. 37

Revista ARQCHRONOS - Arquitetura em Patrimonio  
Revista ARQCHRONOS - Arquitetura em Patrimonio  

A criação da Revista ARQCHRONOS – arquitetura em patrimônio – é um pólo de troca e de ação crítica relacionado a área de Patrimônio Arquitet...

Advertisement