Page 13

arte. Esse processo de reapropriação dos bens culturais explicita formas de dominação da lógica do mercado, que subordina todas as instâncias da vida, podendo implicar comprometimento dos valores da artísticos e patrimoniais, destituição da cultura local, etc. tornando-se, portanto, espaços de legitimação dos processos de dominação da esfera privada sobre a esfera pública. Nesse sentido, o trabalho destaca as “parcerias” do “público-privado” como um espaço aberto, mas complexo e paradoxal, onde podem ocorrer os processos de inversão das prioridades entre o interesse público e o privado. Ou seja, numa arena onde se encontram atores – públicos e privados – no encaminhamento de um interesse comum, prevalece o interesse do ator mais forte. O trabalho, então, levanta alguns fatores que favorecem essas dinâmicas, apresentando não só os que são relativos à fragilidade do Estado na área dos investimentos, quanto também levanta os princípios normativos que podem influenciar nessas práticas. Além disso, busca entender os interesses e lógicas mercadológicas associadas a ações pseudo-éticas (do comprometimento e responsabilidade empresarial, produtividade, etc.) nas quais a idéia do “resgate e restauro do patrimônio” passam a se constituir, também, em valor instrumental estratégico à competição no campo econômico. A partir, portanto, da análise dos sentidos inerentes ao patrimônio, se observa o entrelaçamento de diversas dimensões da estrutura social das cidades contemporâneas constituídas pelos campos do político, do econômico, do cultural e do comunicacional que, historicamente, formam o espaço público e coletivo Considerando que os processos comunicacionais contemporâneos relativos às intervenções e usos dos bens patrimoniais estão diretamente associados aos interesses dos atores políticos e empresarias, nem sempre existe uma relação direta entre as intenções explicitadas nos discursos e os seus resultados práticos efetivos. Ou seja, intervir sobre o patrimônio não necessariamente representa uma garantia da 13

Revista ARQCHRONOS - Arquitetura em Patrimonio  

A criação da Revista ARQCHRONOS – arquitetura em patrimônio – é um pólo de troca e de ação crítica relacionado a área de Patrimônio Arquitet...