Issuu on Google+


VAMOS CONSTRUIR O TABERNÁCULO?

O    T Em que época foi construído? Qual era a sua finalidade? E o que significa para nós, cristãos do século XXI?

São perguntas interessantes que procuraremos responder neste pequeno trabalho, apresentado de maneira bastante simples e fácil. Vamos utilizar os melhores recursos visuais para explicar e demonstrar o funcionamento do aparato de culto que envolve esta curiosa tenda. Você sabia que o Tabernáculo foi o palco onde aconteceu boa parte do Antigo Testamento? É verdade. Vamos estudar o Tabernáculo e o contexto do qual ele surgiu. Acompanhe-nos nesta divertida aventura pelas páginas da Bíblia.

À esquerda, o sumo sacerdote vestindo seu traje sagrado. Abaixo, o Tabernáculo em pleno funcionamento. Conheça-os detalhadamente nas páginas seguintes.

1


UM POUQUINHO DE HISTÓRIA

N   por volta do ano 1270 a.C., época do

Novo Império Egípcio. O faraó era uma grande personalidade de seu tempo e famoso até para nós, hoje. Seu nome: Ramsés II. Sob seu governo, o Egito tornou-se uma potência militar e atingiu sua maior expansão, como você pode acompanhar no mapa. Dominou o Sul, expandiu para o Norte, conquistou a Palestina e a passagem para o crescente fértil da Mesopotâmia. Enfim, foi o maior e mais rico império de seu tempo, avançado em muitos aspectos.

As pirâmides

No tempo do Êxodo, as pirâmides já eram construções muito antigas. As famosas Quéops, Quéfren e Miquerinos já existiam havia mais de 1.300 anos (foram construídas por volta de 2.610 a.C.). Todas elas, em qualquer tempo, foram túmulos reais. Nelas estavam enterrados os faraós do Egito, cujas múmias eram acompanhadas de tesouros em jóias, estátuas, máscaras mortuárias de ouro e outras preciosidades.

As jóias egípcias

O Egito é um país formado no deserto e deve a sua existência a um rio gigantesco: o Nilo (só é menor, no mundo, do que o nosso Amazonas). Todas as comunidades egípcias se desenvolveram às margens do Nilo, que irrigava o solo para plantações, e os transportes eram feitos por via fluvial. Se vivesse lá, você veria a intensa movimentação: desde pequenas canoas de junco até grandes navios de carga, todos navegando pelo rio Nilo. 2

Os egípcios produziam jóias fantásticas, lindas e muito bem acabadas, fabricavam todo tipo de pingentes, colares, braceletes, e assim por diante. Eles se preocupavam muito com a aparência, usavam maquiagem para o rosto e adereços de enfeite. Suas esculturas também revelavam uma arte rica e detalhada, com ouro e pedras preciosas engastadas. Esta obra que você está vendo é famosa: a máscara do jovem faraó Tutancâmon, que morreu com apenas 18 anos.


As cidades egípcias eram grandes, possuíam mercados, escolas, magníficos templos e construções ricamente ornamentadas, estátuas e colunas colossais, oficinas de charretes, artesãos, ourives, fabricantes de vinho e cerveja, enfim, as mais diversas atividades. Os egípcios eram avançados na medicina: tinham bons ortopedistas, obstetras e até oftalmologistas. Conheciam muito bem o corpo humano por causa da mumificação que faziam em seus mortos – os nobres, claro. Da escrita, você já ouviu falar: a HIEROGLÍFICA. Era baseada em sinais, desenhada sobre pergaminhos feitos de papiro – uma planta muito comum no rio Nilo, cujo caule era aberto e suas bras unidas, formando essa folha sobre a qual se podia escrever. Até hoje, artesãos no Egito produzem o papiro para vender aos turistas.

ONDE ENTRAM OS HEBREUS NESTA HISTÓRIA?

O , como você deve saber, eram os descendentes de Jacó (filho de Isaque, filho de Abraão), cuja

família foi viver no Egito alguns séculos antes da história do Êxodo. Eles eram uma tribo nômade, criadores de animais (ovelhas, gado, camelos, cabras...), que viveram e se multiplicaram dentro das fronteiras egípcias até se tornarem um povo bastante numeroso. As opiniões variam. Alguns acham que eram um grupo pequeno de alguns milhares; outros, quase 1 milhão de pessoas; também se fala em até 3 milhões. Acontece que, quando os hebreus foram para o Egito, este era dominado por uma nação invasora e lhe pagavam tributos. Esse povo eram os hicsos, também pastores e criadores de animais. Só que as coisas acabaram mudando: os egípcios expulsaram os hicsos. Depois, perceberam que havia um povo igualmente de criadores de rebanhos, dentro de seus domínios. Moral da história: começou a opressão dos hebreus. Foi então que aconteceu o Êxodo, que conhecemos por meio da própria Bíblia, claro, mas também pelo cinema, escola, literatura, etc. Os israelitas percorreram um caminho meio esquisito (este mapa ao lado é o mais aceito, embora seja contestado), mas o problema é que atravessar a península pelo norte seria complicado – era um deserto com muitos salteadores. Seguiram pelo sul, costeando os braços do mar Vermelho (caminho que durou poucos meses), até chegar ao famoso monte Sinai. Esse monte foi determinante na história de Israel. Permaneceram acampados ali durante dois anos, quando aconteceu o verdadeiro surgimento desse povo como uma nação organizada: a Lei foi recebida; o Tabernáculo, construído; a organização das tribos no acampamento, orientada. Depois desses dois anos de “reengenharia organizacional”, poderíamos chamar Israel de uma nação, pronta para entrar e tomar posse da terra prometida. 3


A LEI DO A NTIGO TESTAMENTO

A L    M no monte Sinai, juntamente

com a ordem para a construção do Tabernáculo. Essa história você pode ler na Bíblia, nos primeiros livros que compõem o Pentateuco. De maneira geral, para compreender melhor, nós podemos dividir a Lei em duas partes: lei moral e lei cerimonial. Esta não é uma divisão claramente definida, mas apenas uma orientação para nos facilitar o entendimento. A lei moral regulava a vida ética do povo; a lei cerimonial era para quando se quebrasse a lei moral, e também o manual para a celebração do culto a Deus.

LEI MORAL

Baseada nos Dez Mandamentos, a lei se desmembrava em uma série de preceitos e regras que governavam desde a alimentação do povo – passando pelos cuidados em relação a doenças contagiosas – até a maneira de tratar os autores dos crimes mais diversos. Era uma lei moral e civil, e podemos concluir, dando uma olhada geral no Pentateuco, que essa lei existia para manter a saúde física, mental e espiritual do povo. Lendo o Antigo Testamento, talvez você ache algumas regras estranhas, como não comer carne de porco nem misturar o leite com a carne (já pensou, não dava pra comer estrogonofe!). Mas é preciso lembrar que, naquela época, não se sabia da existência de microorganismos nocivos (que não podiam ser vistos a olho nu), a preocupação com a higiene praticamente não existia e desconhecia-se o risco que determinadas carnes trazem se não forem bem cozidas. O mais fácil, então, era proibir o consumo.

Pentateuco

É o nome que se dá ao conjunto dos cinco livros iniciais da Bíblia: Gênesis, Êxodo, Levítico, Números e Deuteronômio. Provavelmente escritos pelo próprio Moisés, narram a respeito das origens (do mundo, do homem, do pecado, da nação de Israel), da saída dos hebreus do Egito e da Lei Mosaica.

Para ter uma idéia de como funcionava a Lei, vamos citar alguns exemplos, bem resumidamente: – Se um homem roubar um boi, deve devolver cinco bois (Êx 22.1). – Proibido comer a gordura e o sangue dos animais (Lv 7.22-27) – não parece o conselho de muitos nutricionistas nos dias de hoje? – Diferenciação entre animais puros (que podiam ser comidos) e imundos (proibido o consumo). Por exemplo, animais seriam considerados puros se tivessem os cascos fendidos e ruminassem,, rque as duas características ao mesmo tempo. O cavalo, então, era impuro, porque rumina, mas o casco não é fendido; o porco é o contrário, tem casco fendido mas não rumina. Já o boi tem ambos, então é puro. Leia o capítulo 11 de Levítico, é muito interessante. – Não tocar em leprosos (Lv 13.45,46). – Há várias situações de pena de morte. Por que isso? Não existia o conceito de pagar por um crime com a prisão, isso não cabia na lógica do israelita antigo; ele entendia que o ofensor não pagava nada preso. Então, indivíduos considerados perigosos para a sociedade (assassinos e outros) eram simplesmente eliminados. Para os nossos tempos modernos, é cruel, porém parecia necessário para aquela época, não é? 4


Os Dez Mandamentos

O cerne da lei são dez mandamentos: 1. Não terás outros deuses. 2. Não farás imagem para adorar. 3. Não tomarás o nome de Deus em vão. 4. Santifica o sábado. 5. Honra teu pai e tua mãe. 6. Não matarás. 7. Não adulterarás. 8. Não furtarás. 9. Não dirás falso testemunho. 10. Não cobiçarás.

L C

Esta parte da Lei regia o culto dos israelitas, em todos os detalhes: a indumentária do sacerdócio, o Tabernáculo, os sacrifícios, as festas religiosas. Os sacrifícios, parte fundamental da religiosidade, eram sempre de produtos agrícolas e animais domésticos, jamais animais selvagens. Por que isso? Simplesmente porque deveriam ter um custo pessoal para o que dava a oferta (o ofertante). Mais adiante, vamos ver melhor os detalhes dos sacrifícios.

Estes são sacerdotes, da tribo de Levi, trajando as vestes sacerdotais. Os demais levitas, que trabalhavam no auxílio das funções do Tabernáculo e do culto, usavam roupas do cotidiano. Na página seguinte, veja a roupa detalhada do principal dos sacerdotes, o sumo sacerdote.

Para cuidar de toda a vida religiosa da nação, foi escolhida uma das tribos de Israel: os levitas. E a escolha não foi por acaso. A tribo de Levi permaneceu fiel a Deus no episódio da idolatria do bezerro de ouro (Êx 32.26), além de Moisés também ser levita. Os levitas tinham por principais atividades: – transportar, montar e desmontar o Tabernáculo (Nm 1.50); – auxiliar os sacerdotes nas funções do culto, como limpeza de materiais, coleta de madeira para o fogo, transporte de água, etc; – o sacerdócio, que era desempenhado somente pelos descendentes de Arão (irmão de Moisés). Desses sacerdotes, era eleito anualmente o sumo sacerdote (Êx 28.1,2), espécie de coordenador do culto e de todo o trabalho, além de juiz supremo da nação. Pode-se perceber a importância dessa tribo para o país. Precisamos entender que Israel foi definido, nessa época, como um Estado teocrático, isto é, governado pela religião. Perceba a formação das palavras: Democracia = governo do povo Teocracia = governo de Deus

5


André Daniel Reinke ● Vamos Construir o Tabernáculo?