Page 1

Magazine Cultural Escola Secundรกria Infanta Dona Maria nยบ11. Nov-Dez 2011

ArtistasEscondidos


PALAVRA

S

Um texto escrito sem tema Bem, por onde hei-de eu começar? Não tenho ideias onde me agarrar, mesmo assim decidi tentar, peguei numa folha, na borracha e no lápis (ups! O texto tem de ser escrito a caneta. Pronto, e agora que posso eu escrever? Este texto parece uma autêntica anarquia. Já sei! É melhor relembrar as orientações que o professor deu. O professor foi muito claro, devemos fazer um texto com um mínimo de vinte e quatro linhas, tem de ser criativo e temos

de

escolher

um

dos

conjuntos

de

três

palavras

escritas no quadro para utilizar ao longo do texto. Bem, agora gera-se outro problema… qual o conjunto de palavras que vou escolher para utilizar? Parecem-me todas tão

estranhas,

será

que

existem

mesmo?

Se

eu

pudesse

substitui-las por outras palavras … O tempo está a passar e sinto a criatividade fugir-me por entre os dedos. Gostava que fosse como nos desenhos animados em que nos aparece uma lâmpada em cima da cabeça e como por magia “faz-se luz”. Num piscar de olhos o que era preto torna-se branco, o que era difícil torna-se fácil e o que parecia impossível de ver torna-se bem claro. Mas aqui é a vida real e somos nós que temos de pensar e fazer as nossas escolhas. Mas é tão difícil escolher! Vejo imensos temas a passar-me à frente, como “flashes” mas parece que não consigo aproximar-me deles e agarrar um só que seja.


A minha mente está tão escura como a noite, parece que não consigo aceder à minha secção de ideias. Se o cérebro fosse uma esponja podia espremê-lo até que dele saíssem todas as ideias. Como era bom se isso acontecesse. Neste momento faltam cinco minutos para a campainha dar o seu toque estridente e para começar o barulho nos corredores.

Eu

aqui

estou,

ainda

sem

nenhum

ideia,

completamente bloqueada, perseguida pelo TICK-TACK que se faz ouvir cada vez mais alto dentro da minha cabeça. Olho de relance para o quadro e reparo que o professor está a escrever.

O

quadro

parecia

iluminado

por

um

texto

que

correspondia a todas as exigências que o professor tinha pedido. Como é possível escrever um texto em menos de cinco minutos e ficar tão perfeito, enquanto eu, que estive aqui cerca de uma hora, não consegui escrever nem uma única frase sobre aquilo que o professor pediu? Bem, isto só pode ter uma explicação, muitos e muitos anos de prática. ESSA É QUE É ESSA! Deviam faltar poucos segundos para tocar quando olhei para a folha e me deparei com este texto. Apercebi-me de que tinha escrito bem mais de vinte e quatro linhas e tinha utilizado um dos conjuntos de palavras do quadro quase sem ter dado conta. Percebi que tinha conseguido escrever um texto em que não ter tema é o próprio tema do meu texto.

Beatriz Filipa dos Santos Matos 9ºC Nº 7


Educação Visual

7ºano Projectos dos Jovens artistas

Rita Machado nº27 – 7ºb


Rita Machado nº27 – 7ºB


pintura

Leonor Silva nº21 – 9ºA


David Abegoaria nº8 – 7ºB


David Abegoaria nº8 – 7ºB


Joana Maia nº17 – 9ºA


Bรกrbara Moura nยบ3 - 9ยบA

Francisco amado nยบ12 - 9ยบA


desenho

Inês Antunes nº16 – 9ºA

Sofia Dias nº28 – 9ºA

Leonor Silva nº 21 – 9ºA


Maria Oliveira nº18 – 7ºB

Daniela Metello nº7 – 9ºA

António Tomé nº2 – 9ºA


Luísa Amado nº19 – 7ºB


ROSTOS e RETRATOS

Patrícia Ribeiro nº25 – 9ºA


Beatriz Fernandes nº4 – 9ºA

Joana Maia nº21 – 9ºA


Daniela Metelo nº8 – 9ºA


Retratos realizados pelos alunos do 7ยบB e 7ยบC


Joana Maia nº18 – 9ºA


HAPPENING Campanha Eleições Associação de Estudantes


IN ENGLISH "The best way for me to learn a foreign language is … by singing songs, watching movies and shows, without subtitles, and, if possible, to travel abroad." Ana Luísa Marques de Carvalho; nº2; 10ºA

to watch movies with subtitles and listen and understand song lyrics. Ana Maria Machado 10ºA nº3

to go abroad to be directly in contact with the language to experience that culture. Carlos Zhu 10ºA

by reading books in that language since, apart from learning more about the grammar, I can expand my vocabulary and get to know more about a particular culture: how people behave, what their daily routine is like and others aspects related to their habits and customs. Maria Eduarda Sá Marta, nº 19,10ºA

by talking to people that are native speakers – maybe studying abroad. When I talk to a person that speaks English fluently I learn lots of new expressions and practise my English. Being in a school of languages really helps – all the teachers are English and, because of that, all the students must talk in English. If you want to learn a language, you should go to the country where that language is spoken, because you will find it much easier and it will be really fun. Filipa Curto 10º F

going to an exchange holidays Filipe Pereira- 10º A

by watching movies or series with subtitles in English or in Portuguese or with no subtitles at all. I learn some typical expressions by catching what the characters are saying and doing. I think that watching this kind of stuff with no subtitles is a good way to learn because if we are really interested in the movie or series, we’re going to be “forced” to pay attention and understand what is happening. In my opinion that makes us more fluent in English. Ana Teresa, nº4, 10ºF

by watching films with subtitles in English, listening to music and translating its lyrics, reading books in English… The other way to learn English is to travel abroad because we can also experience the different cultures and traditions. There are plenty of colleges in London where we can learn English. I would love to do a summer course there if I had the opportunity. Beatriz Magalhães Barbosa Pereira, nº6, 10º F

by studying abroad (like U.S.A, England…), because I think if we go to another country we can learn by communicating with other people in English (listening and speaking) and in the classes we can enrich our grammar. I think it’s important to meet new people that speak English, because this will improve our language skills. That’s why, for me, the best way to speak English is by going abroad. João Costa, 10ºF, nº 16

to live as a native speaker, abroad. And the best way to do it is definitely by studying there and facing the daily routine in the field. Patrícia Silva, number 4, 10th A

to have a trip to a country where the native language is the language I'm trying to learn, because that way we are enjoying ourselves while learning. Gonçalo Correia 10ºA

by travelling or studying in another country, because you won't learn just a language, but also a new culture. Ana Raquel Martins 10ºA


“Language is the source of misunderstandings.” Antoine de Saint-Exupérie, “The Little Prince”

When two people don’t understand each other it can create a lot of misunderstandings. It’s very important to be able to speak a foreign language, so that this misunderstanding never happens. Now, as we are in the European Union it is still more important to communicate with people from other countries and to know more about their culture. When we travel to another country we must be able to understand other people and to be understood by them. In the last class we saw a film that explains that, it’s about a woman looking for a job in a country with a different language then her own. She tries to communicate with people but she has many problems to understand their language. This film shows us one of the biggest social problems: lack of communication.

Patrícia Rodrigues Nº 24/10ºC

I partially agree with the sentence, because even though most of the misunderstandings might be caused by language, I think that, sometimes, these can be originated in situations in which language is not present. I think that the author may be right most of the times, because it is through language that people express their thoughts and opinions, and different opinions may lead to arguments or misunderstandings. Also, it is usual that, when two people are talking, they use words that mean more than just one thing, and, so, what one of them understands might be different from what the other means. And the fact that there are many different languages also contributes to these situations, because people don't all speak the same language, so, sometimes, they don't understand one another, leading to misunderstandings. Thus, language is probably the factor that causes most of these situations, but I believe that misunderstandings can be created in circumstances in which language doesn't take place.

Mariana Silva- 10ºC


ThanksGiving

8ยบth grade


A preto e Branco

Trampolim Eleições A.E. ESIDM João Santos


La Rochelle


Professor Jo達o Santos

g o s t a r d e

art.

ost art.

G

muro de Berlim


natal 7ยบanos A - B


Palavras de Natal

Um Verdadeiro Natal No Natal o tempo é de amor, paz e solidariedade.

No Natal trocam-se presentes, junta-se a família, celebra-se o nascimento do menino Jesus.

No Natal escrevem-se postais, comem-se rabanadas, bolo rei, arroz-doce, aletria e cheira a canela.

No Natal faz-se o presépio, enfeitam-se as casas, brilham as luzes no pinheiro.

Eu gostava que o Natal fosse todos os dias…

Feliz Natal!

Maria Teresa Rosmaninho nº21 7ºB


A quem pertence o Natal?

O Natal não deve escolher idades, nem raças, nem espécies. O Natal é de todos, é dos ricos, é dos pobres, é dos velhos, é dos novos, é dos animais, é de todos os seres vivos. O Natal não pode ser só dos que podem ter presentes, o Natal é de toda a gente!

Às vezes as pessoas ficam tristes por receberem apenas um pijama, mas essas pessoas não pensam que noutro lugar, que até pode estar bem perto, existem pessoas que não têm nem se quer uma camisola para os tapar nos dias frios de inverno.

Neste dia 25 de Dezembro temos de dar as mãos e aprender a ajudar os outros.

Sofia Abreu nº28 7ºB


Tomás Freire nº23 – 7ºC

Rita Machado nº27 – 7ºB Raquel Marques nº20 – 7ºC


Na ESCOLA

Trabalhos de : Joana Maia; Inês Antunes; Daniela Metello; 9ºA


Design Grรกfico Dia Mundial do nรฃo Fumador Leonor Silva


Última página

Foto de João Santos – Presépio Mosteiro de Santa Clara

ARMAZÉM Nº11  

Magazine Cultural

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you