Page 1

Curitiba, outubro de 2011

O Jornal da Fraternidade Maçônica Ed. 03 Ano 01 Anonymous versus letargia crônica

Barrado aumento de vereadores em 356 municípios Página 7

Assembleia geral da GLP em Apucarana Página 5

Sessões Magnas e festividades de Lojas Páginas 6, 10, 12, 14 e 15

A sociedade brasileira começa a dar sinais de resistência contra a corrupção, aos desmandos políticos e afrontas que a cada dia são descobertos e alardeados. Desde a década de 90, a população encontra-se em uma espécie de sono profundo do qual parece ter dado leves, mas importantes, sinais de

vida nestes últimos dias. Em duas recentes ocasiões vimos o resultado desses esforços com o envolvimento de milhares de pessoas, em diversas cidades. Duas manifestações orquestradas por um grupo mundialmente conhecido como Anonymous, que se organiza pela internet. Página 3

Quer receber o Vitriol no conforto de seu lar? Com uma anuidade simbólica de R$ 60,00 você receberá mensalmente pelo correio o jornal da fraternidade paranaense em qualquer local do Estado.

Entre em contato conosco pelo email comercial@vitriolcomunicação.com.br

www.vitriolcomunicacao.com.br


Família reunida

Editorial O Vitriol trata-se de um veículo de comunicação de distribuição gratuita dirigido à comunidade maçônica paranaense. Como tal terá enfoque jornalístico sobre os assuntos de interesse desta fraternidade, sempre pautado pela verdade e pelo interesse coletivo.

Irmãos e amigos do obreiro Luiz Antônio Ramos, da ARLS Colunas da Harmonia nº 149, comemoraram seu aniversário nas instalações do Centro de Capacitação Profissional WR, no início de setembro.

Arco-Íris recebem novas integrantes Por Brunna Ornelas

Nosso objetivo é auxiliar na aproximação e no estreitamento dos laços de amizade entre os irmãos da Grande Loja do Paraná, Grande Oriente do Brasil e Grande Oriente do Paraná. Nos colocamos à disposição dos irmãos que desejem contribuir com informações de suas Lojas para que seja mais completa nossa publicação. Elaborado pelos jornalistas e irmãos: Ari Lemos - Colunas da Harmonia nº 149 Álvaro Dias Neto - Delta nº 124 Vitriol Comunicação Comunicação

Soluções

em

Vitriol No primeiro dia do mês de outubro tivemos o privilégio e orgulho de iniciar seis novas irmãs: Ana Henriqueta Bezerra, Caroline de Castro, Lohene Teixeira, Luísa Jennrich, Mariane Peniche e Rafaela Wolcik. Passamos o dia com elas, com ensinamentos e tarefas sobre nossa Ordem e transmitimos nossos conhecimentos e aprendendo muito com nossas “neófitas”. Depois de passarem por uma jornada exaustiva, mas compensadora, demos início à Cerimônia de Iniciação, que contou com a presença de muitos tios maçons e das famílias das meninas. Assim, a Assembléia Harmonia das Cores está cada vez maior e mais colorida. Como primeira

filantropia da sexta gestão, participamos do Dia Internacional do Voluntário ajudando a pintar a Associação Educativa Rainha da Paz. Com a ajuda de todos, conseguimos pintar a casa inteira, e confraternizar com todos os voluntários, provando que a sociedade ainda pode ser humana e gentil! Convidadas pela ordem Bodes do Asfalto, a Assembleia participou da entrega de presentes no dia doze de outubro, aproveitando a oportunidade para brincar e se divertir com as crianças presenteadas. Para mais informações entre em contato através de nosso e-mail contato@harmoniadascores.com.br ou acesse o site www.harmoniadascores.com.br

Anagrama que provém da frase iniciática “Visita Interiorem Terrae, Rectificandoque, Invenies Occultum Lapidem”, ou seja, visita o interior da Terra e retificando-te encontrarás a pedra oculta. Trata-se de um símbolo universal da constante busca do homem para melhorar a si mesmo e a sociedade. Esta palavra, por assim dizer, coincide com um dos nosso objetivos que é o de trazer a informação para dar sustentação ao pensamento e à reflexão, daquele que busca o aperfeiçoamento.

Tiragem: 5 000 Distribuição Gratuita Projeto Gráfico - Kelly Midori Ari Lemos DRT 5954


VITRIOL

3

Anonymous incita sociedade a sair da letargia crônica A sociedade brasileira começa a dar sinais de resistência contra a corrupção, aos desmandos políticos e afrontas que a cada dia são descobertos e alardeados. Desde a década de 90, a população encontra-se em uma espécie de sono profundo do qual parece ter dado leves, mas importantes, sinais de vida nestes últimos dias. Em duas recentes ocasiões vimos o resultado desses esforços com o envolvimento de milhares de pessoas, em diversas cidades. Duas manifestações orquestradas por um grupo mundialmente conhecido como Anonymous, que se organiza pela internet. No dia 7 de setembro passado, junto ao desfile cívico, os manifestantes percorreram o centro de Curitiba, de outras capitais, e de outras grandes cidades paranaenses para protestar contra a corrupção. Novamente, neste último dia 12, os protestos ocorreram no Centro Cívico envolvendo grande número de estudantes e simpatizantes que, com faixas, vassouras e palavras de ordem, cobraram mais uma vez um posicionamento ético dos governantes. Sugestivamente ao nome que se utiliza, não é possível encontrar ou nominar os representantes legítimos do Anonymous, tratando-se de uma “organização” motivada pela vontade coletiva. Não é possível ainda estimar quais organizações poderiam estar por trás destas ações, pois, ao que parece, em cada país o grupo reage contra um determinado tipo de estímulo, como por exemplo, na Europa, onde o eles têm se voltado contra as grandes corporações financeiras e chegam a assumir um caráter “racker” – não que este seja o termo correto –, mas o grupo difunde ações que, por meio dos computadores de seus membros, tiram determinados sites do ar, simplesmente sobrecarregando os sistemas com grande número de acessos simultâneos. Na verdade as ações do grupo já são notadas no Brasil há algum tempo, resta agora saber quais serão suas próximas ações e aonde a manifestação popular chegará.

Simbolismo A máscara utilizada como símbolo pelo movimento é a mesma do filme norteamericano “V de Vingança” (vide Box) e outro símbolo ao qual o grupo utiliza se traduz em uma figura masculina, trajando terno e gravata pretos, com camisa branca, sobreposto por uma representação do globo, aonde se encontra ladeado por, possivelmente, uma coroa de louros estilizada.

V de Vingança Inspirado na obra dos quadrinhos de Alan Moore, da década de 80, o filme gravado em 2006 retrata uma Inglaterra ditatorial e manipuladora, que se utiliza da comunicação de massa e do medo para controlar a população. Com campos de concentração e a perseguição das minorias, neste cenário caótico surge um culto “herói” mascarado que atende pelo codinome “V”, que literalmente explode ícones desta sociedade para mostrar o que realmente vem acontecendo nos últimos anos. Durante o filme, “V” põem em pratica diversos planos e discorre sobre o poder das ideias e do pensamento. O protagonista defende a aplicação da seguinte tríade: Liberdade, Justiça e Igualdade.


4

VITRIOL

Cultura Maçônica

Peças de Arquitetura

por Francisco Pucci

Por Mário Gomes Dias

A PERFEIÇÃO EXISTE,

O Trabalho

FADAS, ELFOS E DUENDES TAMBÉM. Nunca se falou tanto em mudança de paradigma quanto em nossa época.

Está escrito em Gênesis, 3: 17-19 / Disse Deus a Adão:

Mas afinal que vem a ser isso? Na história do progresso científico, algumas vezes foram realizadas mudanças que não foram apenas incrementais, mas representaram uma ruptura com o passado, abrindo um novo capítulo na nossa compreensão da natureza. Para assimilá-las, tivemos, inclusive, que efetuar a reconstrução das teorias anteriores e a re-interpretação de observações experimentais antes realizadas. No seu livro A Estrutura de Revoluções Científicas, de 1962, Thomas Kuhn se referia às rupturas nesta evolução científica como "mudanças de paradigma", um termo que propôs para as mudanças ocorridas na história das ciências, mas que hoje é usado mais genericamente para descrever uma modificação profunda em nossos pontos de referência em qualquer área do conhecimento.

“Porque escutaste a voz de tua mulher e comeste da árvore que eu te proibira comer, maldito é o solo por causa de ti!

Mas que tipo de mudança essas novas e revolucionárias teorias provocaram? Na verdade, o que foi posto em cheque foi a antiga crença de que há uma realidade “fora” do observador e que, se “ve-mos” corretamente essa realidade, o conhecimento assim adquirido é correto. Esse pensamento “linear” e “mecânico”, para o qual os conceitos de “causa e efeito”, “ordem”, “equilíbrio” são fundamentais, influenciou profundamente o próprio pensamento político. O Materialismo Científico de Marx e o Positivismo de Augusto Comte são exemplos de como posições políticas tão radicalmente opostas podem beber na mesma fonte. Marxistas e burgueses não são igualmente fiéis adoradores do determinismo econômico? Essa nova abordagem não é uma aplicação do pensamento científico tradicional aos sistemas. Os sistemas –biológicos, mecânicos, físicos, econômicos, sociais- são objetos da ciência há muito tempo. Agora não são mais as partes, mas as relações que passam a ser o foco. E ao focarmos as relações descobrimos que o todo não é simplesmente a soma das partes, e isso qualquer pessoa que participa de um grupo já descobriu. Isso com certeza não mudará nossa maneira de colocar um prego na parede ou de dirigir um auto-móvel. Mas quando o assunto for complexo (sociedade, família, empresa, religião, etc.), nosso pen-samento terá que ser igualmente complexo para compreendê-lo. Nossa Loja vai mal? Não será, certamente, encontrando um “culpado” (causa) que resolveremos o problema. Há questões relativas às partes e outras relativas aos todos. Mudanças mudam as coisas. Quantas vezes uma afirmação tão simples quanto essa é esquecida! Os empregos somem, as casas são demolidas, ruas novas são abertas, a cidade cresce, a criminalidade aumenta... e nós reagimos contra isso como se o ideal fosse a imobilidade. Queremos a mudança sim, mas uma mudança que não altere as coisas. Somos compostos por partículas dentro de partículas e dentro de partículas e todas elas são entes vivos e conscientes, assim como nós somos partes conscientes dessa grande Natureza que chama-mos Terra, Sistema Solar, Universo e não sabemos –como talvez nossos átomos não saibam- se esse conjunto todo não possui consciência e propósitos próprios. Loucura? Os biólogos já demonstraram que a mente é uma coisa que não está no cérebro, mas em todo o corpo. Em todo o sistema. Quando tivermos plena consciência disso, talvez possamos chamar a energia consciente dos átomos de duendes, a energia consciente das células de fadas, e aí acreditaremos que elas existem (pois a ciência demonstrou!). Nessa perspectiva eu acredito em fadas, elfos e duendes. Você não?

Com sofrimentos, dele te nutrirás todos os dias de tua vida. Ele produzirá para ti espinhos e cardos(1), e comerás a erva dos campos. Com o suor de teu rosto comerás teu pão até que retornes ao solo, pois dele foste tirado. Pois tu és pó e ao pó retornarás”. Caríssimos irmão aprendiz, resolvi iniciar este breve estudo sobre a Instrução Iniciática Complementar do grau, falando sobre o trabalho. Trabalho este que, enquanto obedeceu à determinação do GADU, Adão não conhecia. E ao comer a deliciosa maçã, deixou-nos o seu legado “o Trabalho”. Mas façamos uma breve pausa para meditarmos sobre o que seria a vida do homem, a nossa vida, sem o trabalho. Não é por acaso que, desde crianças escutamos dizer que “o trabalho dignifica e enobrece o homem”. E na nossa Ordem esta mínima, se assim a podemos chamar, também é verdadeira, pois na Instrução em questão, cita que, “o Maço é um instrumento de trabalho que é uma obrigação do homem”. Por ocasião da Sessão Magna de Iniciação a qual todos nós passamos o Venável Mestre entrega ao Neófito o seu “Avental”, a mais honrosa insígnia do Maçom, pois é o emblema do trabalho. Mas somente com o maço o irmão não conseguirá realizar plenamente o seu trabalho, ou seja, não conseguirá dar forma a sua Pedra Bruta. Será necessário o uso concomitante do cinzel com o qual poderá dar formas com maior realce na pedra, a qual hoje representa o nosso “ego”, ainda muito materializado e embrutecido, propenso a assimilar os vícios do que as virtudes. Portanto, caro irmão Aprendiz a viagem de aprendizado que agora se inicia, será longa e árdua, mas dependerá única e exclusivamente, do trabalho que o irmão empreender, pois como sabemos, o GADU divinamente instituiu o trabalho como o único meio de sustentar o homem sobre a face da terra e ao longo de toda a sua existência. Assim sendo, tudo depende do irmão, lembre-se da sua iniciação... Quantas vezes o venerável mestre perguntou-lhe? Se era de sua vontade? Ou se o irmão concordava? Apartir de agora, também dependerá somente do irmão Todo o trabalho que o irmão desenvolver será próprio e fruto da sua dedicação. Nesta primeira fase, ou seja, como aprendiz maçom, o trabalho estará representado pelo estudo que o irmão deverá desenvolver com muita pesquisa e meditação. Como cita a Instrução em estudo, tornai-vos, pois um Investigador da Verdade; aperfeiçoai-vos na arte suprema do pensamento. Bom trabalho meu irmão (1) Plantas com folhas cheias de espinhos, considerada como praga nas plantações. BIBLIOGRAFIA CONSULTADA: - Ritual do Aprendiz-Maçom - REAA - Grande Loja do Paraná – Curitiba/PR. - A Gênese – Os Milagres e as Predições segundo o Espiritismo – Allan Kardec – 2ª Edição.


VITRIOL

5

Assembleia geral da GLP em Apucarana Lideranças motivaram o exercício da cidadania e dos valores maçônicos durante a última Assembleia Geral da Grande Loja do Paraná (GLP), realizada no mês de setembro, no oriente de Apucarana, no templo da ARLS Moreira Sampaio. A sessão contou com a participação de mais de 170 representantes das oficinas da potência e do secretário geral da Confederação da Maçonaria Simbólica do Brasil (CMSB) Vanderley Valente. Durante a sessão, os presentes foram brindados com uma palestra de Valente, que versou sobre a motivação pessoal e sobre o papel da Maçonaria na sociedade. “Não há como construir um futuro sem ações no presente”, disse secretário geral da CMSB, em entrevista exclusiva ao Vitriol.

“É importante que nós [maçons] tenhamos a consciência que o princípio de inércia foi rompido e precisamos nos inserir em todos os processos políticos, culturais etc, ou seja, em qualquer viés onde a sociedade precise que o maçom possa interagir em busca da edificação de um universo melhor”, ponderou Valente. O secretário geral lembrou que os maçons sempre tiveram uma postura de vanguarda e que esta postura deve ser mantida por um futuro melhor. “Não podemos mais apenas ouvir os discursos de que fomos grandes no passado, temos que olhar para o horizonte e para o futuro e dizer o que queremos hoje, para que o amanhã esteja próximo desta consolidação social, que a maçonaria nos diz a cada instante, tornado feliz a humanidade através de nossas ações”, enfatizou. “Vivemos um momento em que a sociedade está despida de valores, um momento no qual

Mais de 170 representantes das Lojas compareceram a sessão presidida pelo Grão Mestre Iraci.

a ética já não é mais algo que se considera um valor, e no qual a maçonaria começa a ter um papel muito importante, mostrando o porquê de sua existência”, ressaltou o sereníssimo Grão Mestre da GLP, Iraci da Silva Borges. O irmão Iraci falou ainda das comemorações dos 70 anos da GLP e da honraria concedida, durante a sessão, a nove irmãos que já tem 50 anos ou mais de iniciação na Grande Loja do Paraná. “Tivemos a oportunidade de homenagear estes nove irmãos nesta data, pelo incentivo que eles nos dão e pelo farol que são em nossa caminhada neste momento no qual precisamos, mais do que nunca, de motivação para termos orgulho em sermos maçons e fazermos a diferença na sociedade”.

Banquete ritualístico da GLP reúne 300 irmãos

Cerca de 300 irmãos participaram do Banquete Ritualístico da Grande Loja do Paraná (GLP) em setembro passado. Mais de 40 Lojas dos orientes de Arapongas, Guarapuava, Paranaguá, Curitiba e Região Metropolitana. “Estamos aqui comemorando o equinócio e o início da Primavera”, disse o Grão Mestre da GLP Iraci da Silva Borges.


6

VITRIOL

A Maçonaria e a revolução Farroupilha A ARLS XIX Novembro nº87 realizou uma belíssima sessão em setembro para relembrar um dos feitos mais brilhantes acontecidos no sul do Brasil. A Revolução Farroupilha, ocorrida em 1835 no Rio Grande do Sul, foi um levante totalmente idealizado por maçons. As homenagens foram dirigidas àqueles que fizeram a história e que mancharam o chão pátrio com seu sangue, dando suas vidas para que hoje nossa geração desfrute da liberdade, da igualdade e da fraternidade tão sonhada por aqueles heróicos irmãos. Para a ocasião, a Loja se transformou em um verdadeiro galpão crioulo, com a adoção de cargos e linguajar campeiro. Nela, os irmãos procuraram contar de forma simples o enredo de como se passou a epopéia farroupilha. Maçons, cunhadas, sobrinhos e sobrinhas de vários orientes e das três potencias reconhecidas no Paraná participaram da sessão especial. A noite terminou com um delicioso ágape fraternal oferecido pela augusta Oficina.

Colunas da Harmonia eleva dois irmãos A ARLS Colunas da Harmonia elevou dois irmãos nesta última sexta-feira (16), no oriente de Curitiba. Reconhecendo o esforço, regularidade e qualidade dos trabalhos apresentados Amaury Cesar Gonçalvez e Nelson Rodrigues Mendes Jr foram alçados ao grau de companheiro. A sessão foi abrilhantada com a presença do delegado para o 29º Distrito, irmão Expedito e pelos demais irmãos visitantes pertencentes às AARRLLSS Delta 124, Obreiros de Pinhais 95 e Luz da Verdade 94. Após a sessão todos celebraram a Elevação em um ágape fraternal.


VITRIOL

7

356 municípios já disseram não ao aumento de vereadores A pressão popular tem dado resultado na recente possibilidade de inchaço das Câmaras Municipais, com o aumento no número de vereadores. Devemos ressaltar a legalidade da manobra, mas também a imoralidade nela contida, em especial em uma época na qual a população carece de ter seus impostos revertidos em melhorias concretas. Conforme relatado na última edição do Vitriol, muitos irmãos têm levantado esta bandeira Brasil a fora e as manifestações já apresentam seus primeiros números positivos. Segundo os dados apresentados pela Confederação Nacional dos Municípios, dos cerca de 2,1 mil municípios que se enquadram nesta possibilidade, em 356 os vereadores foram obrigados a recuar devido a pressão popular. Deste total de municípios, ou seja dos mais de 2 mil, em cerca de 60% deles ainda não ocorreu um posicionamento oficial sobre a questão. Vale lembrar então, que os vereadores têm até o final de junho do ano que vem para realizar uma votação para que se permita tal manobra. Trocando em miúdos, esta é uma luta na qual aqueles que se sentem impelidos a agir devem redobrar a vigilância durante os próximos meses. Reflexão – Para salientar o tamanho da mobilização da qual já se teve e o resultado tabulado, o número de municípios que demoveram o apetite voraz do fisiologismo dá quase um Paraná.

O trabalho na comunidade São muitos os relatos de irmãos que têm chegado ao conhecimento do Vitriol, aos quais agrademos e solicitamos que, cada vez mais, se utilizem deste jornal para o fomento das ações de nossa Fraternidade. Em Palotina, também registramos a ação de nossa Fraternidade, por meio dos irmãos da ARBLS Três de Dezembro, que juntamente com a Sociedade Rural, Sindicato Rural Patronal, Promotoria Pública e da comunidade conseguiram um abaixo assinado com mais de 2,1 mil adesões e, que com este documento, provaram aos

vereadores o poder da ação coletiva em prol de uma sociedade mais justa.

que poderemos ter um mundo melhor”, defendeu.

De acordo com o relato do irmão, Mario Cesar Locatelli, os irmãos tiveram como custo da campanha apenas a fabricação de mil adesivos da campanha. Ainda segundo ele, em Palotina os vereadores almejavam passar das atuais nove vagas para 11. “Observando a pressão exercida pelo povo de Palotina, eles [vereadores] acabaram votando por unanimidade na manutenção das atuais vagas”, contou. “Somente com a participação da comunidade é

Em Foz do Iguaçu, exemplo ao qual o Vitriol retratou em sua edição passada (quando os irmãos das três potências se uniram para fazer valer a vontade popular), há neste momento uma movimentação dos vereadores para tentar colocar a questão mais uma vez em discussão. Acompanhamos ainda a reação de alguns irmãos daquele oriente no sentido de, mais uma vez, barrar a ânsia da vereança por mais cadeiras no município.

Assessoria de imprensa Comunicação interna Soluções em Comunicação

Ir.: Ari Lemos (41) 88713720

Cobertura de eventos Conteúdo para sites Consultoria

Anuncie conosco Mande informações e fotos do evento de sua Loja. www.vitriolcomunicacao.com.br contato@vitriolcomunicacao.com.br


8

VITRIOL

ORDEM DeMOLAY, DeMOCRACIA e IGUALDADE Escrevo hoje esse texto com uma grande preocupação. Já faz algum tempo que tenho escutado e visto Irmãos, de grande poder dentro da Ordem DeMolay, afirmar e agir contrariamente à democracia, o que faz com que eu escreva alguns comentários sobre a relação DeMolay / Democracia. A despeito das diversas teorias existentes sobre o que seria a democracia, não cabendo aqui explicitá-las, aponto que nesse presente comentário utilizo o conceito deliberativo, desenvolvido por autores como Santiago Nino e Roberto Gargarella, por crer ser esta a teoria mais apropriada à Ordem DeMolay. Nessa teoria, basicamente as decisões são tomadas com a participação dos representados num sentido amplo, ou seja, não através de meras consultas aos administrados em que este apenas diz sim ou não, mas através da construção de um consenso. Para se construir a relação entre a nossa Ordem e a democracia devemos ter em mente que nos baseamos em 10 princípios fundamentais, que são as sete virtudes cardeais (amor filial, reverência pelas coisas sagradas, cortesia, companheirismo, fidelidade, pureza e patriotismo), somados aos três baluartes da Ordem (liberdades civil, religiosa e intelectual). Este decálogo é a base para a Ordem, logo seus

Ricardo de Paula Feijó - Capítulo União Paranaense nº 313 preceitos estão acima de demais legislações, Irmãos, acreditam que existe uma diferença determinações de Grande Mestre, de Supremos entre aqueles que podem e não podem ter sua Conselhos, de tudo e de todos, e isso ocorre vontade levada em conta na hora das decisões porque eles são a parte nuclear e fundamental políticas. da Ordem DeMolay e ir contra a estes princípios Essa crença na desigualdade entre os irmãos é ir contra a Ordem em si. tem sido um problema crônico que tem como Entre estes valores, que formam os princípios fundamentais, temos três que ditam o sistema democráticos, sendo eles a virtude

“Há aqueles que não acreditam na igualdade entre os irmãos” do companheirismo, e as liberdades civil e intelectual. Ainda vemos que estes são garantidores da igualdade plena entre todos os irmãos e esse mandamento nos mostra o porquê a Ordem deve ser realmente democrática, sendo ela então uma necessidade, ou melhor, uma determinação principiológica. Por isso, devemos então lutar contra aqueles que atentam contra o sistema democrático e em uma análise mais pessoal daqueles que defendem a tirania dentro da Ordem e assim atuam, vemos que no fundo o problema não é apenas a crença de que o sistema ditatorial funcionaria bem e adequadamente neste caso, mas no fato de que na verdade essas pessoas não acreditam na igualdade entre os

resultado líderes, que muitas vezes, pouco nos representam e que agem de modo a não satisfazer a vontade de todos. Esta segregação é fundamentada em argumentos extremamente frágeis, como por exemplo, naquele que iniciou há mais tempo e sabe mais do que os irmãos precisam.

Enfim, todos os argumentos levantados para defender a desigualdade na atuação política entre os irmãos são subjetivos e tem um caráter altamente excludente e egoísta, e, por isso, não merecem ser fundamento para o modo como a Ordem DeMolay deve funcionar. Assim, defender um sistema democrático dentro da administração da Ordem DeMolay não é algo meramente simbólico, ou administrativo, ou algo em que o resultado vai ser o mesmo. Defender o sistema democrático é proteger a igualdade, a liberdade, os princípios fundamentais e a própria Ordem DeMolay. Devemos, então, nós DeMolays brigar pelo fim da falta de representação na administração da Ordem e brigar para que seja atendida a verdadeira igualdade entre todos os irmãos.

Fraternidade Soberana comemora quatro anos Por André Martins O Capítulo Fraternidade Soberana n° 651 completou quatro anos de instalação neste mês de outubro. Para comemorar a data, os DeMolays promoveram uma cerimônia pública, seguida de jantar de confraternização, neste sábado ( 22), no Templo da Loja Cruzeiro do Sul, em Curitiba. A festividade reuniu cerca de 80 pessoas, entre maçons, DeMolays e convidados, que prestigiaram a Cerimônia das Luzes, uma apresentação que explica os preceitos que os jovens da organização defendem, que são os baluartes das liberdades civil, religiosa e intelectual e as sete virtudes cardeais: o Amor Filial, a Reverência pelas coisas Sagradas, a Cortesia, o Companheirismo, a Fidelidade, a Pureza e o Patriotismo. O Mestre Conselheiro, Vitor Tavares Rocha, relembrou ainda a história do Capítulo, falando sobre as conquistas obtidas nos quatro anos de existência, que fazem do Fraternidade Soberana uns dos mais pujantes capítulos do estado do Paraná. O Capítulo é situado na ARLS Cruzeiro do Sul, na rua Leonel França nº 432, na Vila Fanny (Curitiba) e realiza suas reuniões nos 1º, 2º e 3º sábado de cada mês, às 18 horas.


VITRIOL

Pela segurança

9

Ações de setembro e outubro Dia das Crianças O Moto Clube Bodes do Asfalto levou presentes, solidariedade e alegria para três entidades carentes de Curitiba e Pinhais. Cerca de 50 motos, cinco carros e 80 pessoas entre irmãos, cunhadas, Arco Iris e DeMolays marcaram participaram deste momento de alegria para mais de 400 crianças.

O vereador Zé Maria (líder do PPS) encaminhou requerimento ao Comando de Policiamento da Capital, solicitando rondas ostensivas nas imediações das ruas Schiller, Senador Souza Naves e proximidades do Hospital Cajuru, no bairro Jardim Botânico. “Tenho recebido em meu Gabinete diversas solicitações de moradores e de vítimas de assaltos. A região está muito vulnerável. É preciso coibir essas ações de maneira constante e intensiva”, ressaltou o parlamentar.

Novidades

Agenda Novembro

A coordenação da Facção Curitiba e demais representantes do Bodes estiveram no Tribunal de Justiça do Paraná, com o juiz Frederico Mendes Jr. Em pauta, a possibilidade do grupo utilizar o pátio de estacionamento daquele tribunal, nos domingos à tarde, como espaço de confraternização e para melhor organizar ações beneficentes.

05 – Festividades do Aniversário de Quatro BarrasPR 05 e 06 – EBA da Facção Jaraguá do Sul – SC 06 – Festividades do 133º Aniversário da Colônia Mariental – Lapa/PR 26 – Carreata com a APACN em Curitiba para divulgação do Dia Nacional de Combate ao Câncer Infanto Juvenil.

Pela mudança na sociedade Em conformidade com suas finalidades estatutárias, a ONG CIDADÃO ALERTA, através dos seus diretores, tem procurado, dentro das suas limitações de recursos, levar a sua mensagem à sociedade em todos os níveis. Nestes 10 dez meses de existências já fizemos cerca de 20 apresentações, em Lojas, Associações, Rotary e órgãos da Prefeitura Municipal de Curitiba (CRAS), com a participação de cerca de 1.300 pessoas, entre elas lideres comunitários, professores, presidentes de Associações de Bairros, etc. Além das apresentações a CIDADÃO ALERTA tem procurado, através do seu site (www.cidadaoalerta.org.br) e do twitter disponibilizar para a sociedade princípios éticos, morais, de cidadania e leis, informações e dicas úteis para serem usadas pelos cidadãos em defesa dos seus direitos. Tudo leva a crer que estamos no caminho certo. Desde a fundação da ONG, há dez meses, recebemos inúmeros e-mails de elogios de pessoas de todos os cantos do Brasil, tendo muito delas se associado conosco. Além disso, o número de acessos ao site, que tem sido usado até como referência para pesquisas em escolas, tem aumentado dia-a-dia. Desde o inicio sabíamos que o alcance do nosso projeto é para longo prazo. Sabemos o quanto é difícil a mudança de hábitos e costumes, por outro lado também sabemos

que isto é possível e a história tem provado isto. O que precisamos é acreditar e fazer. É um trabalho que está sendo iniciado do qual esperamos que tenha vida longa, pois conhecimento não se adquire ou se transmite em pequeno espaço de tempo. Temos progredido, mas acreditamos que podemos avançar muito mais. Para isso, precisamos que todos abracem esta causa e, para isso, convidamos a todos que comunguem com estes ideais para que nos auxiliem divulgando e participando da ONG. Tudo que defendemos está em linha com os nossos princípios. Esta é a oportunidade que temos para inscrever nossa Ordem na história. Percy Luiz Pigatto , dir. de Relacionamento.


10

VITRIOL

Estrela do Oriente traz à luz três novos irmãos A ARLS Estrela do Oriente nº 144 trouxe à luz três profanos no final do mês de setembro, em Curitiba. Em uma sessão conduzida pelo Inspetor do Rito Brasileiro para o Paraná, Salvatore de Chiara, e pelo Venerável Mestre da Loja, Anderson Luiz Graf, foram iniciados nos augustos mistérios Edson Ferreira Mello, Giusep de Chiara Neto e Luiz Geraldo Raimundo. De acordo com Salvatore, o Rito Brasileiro conta com 17 Lojas no Grande Oriente do Paraná e congrega aproximadamente 480 irmãos. Ainda segundo ele, no Brasil este é rito é praticado por cerca de 600 oficinas. “Este é o segundo Rito mais praticado em nosso país”, explicou. Uma característica interessante da sessão magna de iniciação deste Rito é que a partir de um ponto a sessão torna-se branca, ou seja, as esposas dos iniciados são convidadas a adentrar ao templo e em seguida os demais convidados.

Cavaleiros da Chave de Marfim comemora 1ª década Os irmãos da ELP Cavaleiros da Chave de Marfim, do oriente de São José dos Pinhais, comemoraram os 10 anos da fundação da Loja em meados de setembro. A sessão foi repleta de lembranças e homenagens aos irmãos que marcaram a história da Loja e da Maçonaria neste oriente. Os irmãos que se destacaram e que presidiram a Cavaleiros da Chave de Marfim receberam a comenda que leva o nome do irmão Leopoldo Jorge Cardom, que já encontra-se no oriente eterno e que, mesmo enfermo, deixou em seu legado uma conduta exemplar de dedicação à Maçonaria e a esta Loja em questão.

Luz da Verdade inicia quatro irmãos

A Maçonaria Universal ganhou mais quatro irmãos em outubro guindados pela ARLS Luz da Verdade nº 94. A sessão magna presidida pelo VM Neimar Baptista contou com a participação de irmãos de diversas Lojas e potências para trazer à luz Fernando Manosso, Tarás Antônio Dilay, Rodrigo Corrêa e Oliver Telles.


VITRIOL

11

BITUCAS DE CIGARRO A Lei Antifumo, representou um avanço na melhoria da qualidade de vida das pessoas. Por outro lado, fez com que os fumantes utilizassem mais os espaços públicos, aumentando o volume de bitucas de cigarro em ruas, praças, parques, etc. Para que se tenha uma idéia, apenas em Curitiba oito milhões de bitucas de cigarro são descartadas diariamente, sendo que aproximadamente 3,5 milhões acabam virando lixo sem destino adequado. O projeto de lei 627/11, que está tramitando na Assembleia, prevê uma parceria entre os setores público e privado para coleta, reciclagem e destinação adequada de bitucas de cigarro no Paraná. Destiná-la corretamente criará um habito para outras atitudes.

MUDANÇAS CLIMÁTICAS

Grande confraternização O próximo dia 19 de novembro ficará marcado na história da Maçonaria Paranaense. É que neste dia ocorrerá a primeira confraternização de final de ano entre os irmãos das potências regulares. O evento que está sendo anunciado como “Dia da Confraternização” será realizado na chácara do Sindicato dos Metalúrgicos, em São José dos Pinhais. Os convites já estão a venda, com um custo de R$ 25,00 por pessoa e os interessados devem entrar em contato com as potências.

Festividade terá o 1º Futebodes Os irmãos boleiros já podem preparar suas chuteiras para o 1º Futebodes, que será realizado durante o Dia da Confraternização, que ocorrerá no dia 19 de novembro na chácara do Sindicato dos Metalúrgicos, em São José dos Pinhais. Os times serão montados no dia, mesclando irmãos das três potências, e os jogos terão duração de 15 minutos. Na chácara há quatro campos de futebol suíço e a expectativa é de que os jogos ocorrerão das 9h30 até as 11h. Para participar e garantir sua vaga faça sua inscrição através do e-mail futebodes@onda.com.br colocando nome completo, nome da Loja, potência e nº do celular, e ainda o nome dos sobrinhos que jogam.

A utilização de combustíveis fósseis incrementa em mais de 12 de bilhões toneladas de dióxido de carbono anualmente na atmosfera. As diferentes formas de exploração agrícola (mudanças no uso do solo) contribuem com, aproximadamente, 22% do total emitido, embora essas estimativas tenham uma grande incerteza. No entanto, o potencial do solo em armazenar o dióxido de carbono (na forma de matéria orgânica), pode compensar sua emissão, quando manejado através de práticas conservacionistas, como o sistema plantio direto na palha, por exemplo. A Embrapa trigo, atua na área de mudanças climáticas e de monitoramento de sistemas agrícolas em relação a emissão de gases de efeito estufa. Confira!

RESÍDUOS SÓLIDOS Assembléia Legislativa do Paraná promove no dia 27 de outubro, a partir das 14 horas, os seminários “Política Nacional de Resíduos Sólidos – Desafios e Oportunidades” e “A Política Nacional de Resíduos Sólidos e a Indústria da Construção”.

ESPÉCIES DESCONHECIDAS O mundo animal é tão rico que, mesmo após anos e anos de estudos e pesquisas, apenas 14% de todas as espécies animais vivas foram catalogadas. Nosso planeta abriga, de acordo com uma pesquisa canadense, 8,7 milhões de espécies. Imagina quantas podem ser extintas antes de terem seu valor para natureza conhecido por nós?

ECODICA Prefira sempre as pilhas e baterias recarregáveis, pois além de evitar o descarte ilegal e poluidor, você economiza com o uso de médio a longo prazo.

Rasca Rodrigues é Deputado Estadual pelo PV. Contato: 41 9973-1129 / rascarodrigues@gmail.com / www.rasca.com.br

CONVITE: Jantar dançante de 20 anos da ARLS 19 de Novembro Os irmãos da ARLS 19 de Novembro, do oriente de Curitiba, convidam a todos para comemorar os 20 anos de fundação da Loja no próximo dia 19 / 11 / 2011, em um jantar dançante na Sociedade Thalia (Rua Comendador Araújo, 338 - Curitiba). A festividade terá a animação do conjunto Som Quattro e o bufet cada convite terá custo de R$ 50,00. Mais informações com o Ir.: Alberto Levy (41) 9979.1469


12

VITRIOL

Literatura Maçônica por João Coviello

Luz da Verdade ganha novos mestres

MAÇONARIA, ANTI-RACISMO E CIDADANIA O leitor interessado em livros sobre a maçonaria encontrará livrarias bem providas, mas, infelizmente, apenas nas estantes de “esotéricos” e não de “ciências humanas”. Essa experiência é relatada pela pesquisadora e professora Célia Maria Marinho de Azevedo, autora do livro Maçonaria, Anti-Racismo e Cidadania: Uma História de Lutas e Debates Transnacionais. Professora de História aposentada da Universidade de Campinas (Unicamp), Célia de Azevedo tem ampla experiência em pesquisas sobre relações raciais, com vários livros publicados sobre o tema. Maçonaria, Anti-Racismo e Cidadania é o grande livro sobre a história da maçonaria brasileira do século XIX. A autora consultou bibliotecas do Brasil, da França e dos Estados Unidos, sem contar uma ampla pesquisa de fontes secundárias, com tudo de importante que já se escreveu em livros e teses sobre o assunto. Seu livro é a coroação de uma preocupação recente da Universidade com o tema maçonaria.

A ARLS Luz da Verdade também ganhou novos mestres neste mês. Devido a dedicação e constância de seus trabalhos os irmãos Felipe Manosso, Marcio Nassif Maluf, Francisco Átila Galvão,Rafael Canzan obtiveram a plenitude de seus diretos maçônicos ascendendo ao mestrado.

O livro tem três personagens centrais: Francisco Ge Acaiaba Montezuma, Francisco de Paula Brito e Joaquim Saldanha Marinho. Três intelectuais negros. O primeiro foi o introdutor do Rito Escocês no Brasil, e que conseguiu fazê-lo ser o Rito mais praticado entre nós; o segundo foi o maior editor de sua época e o terceiro foi um importante líder republicano e Grão-Mestre do Grande Oriente.

José Nogueira Bernardes tem novo mestre

A partir desses três maçons ilustres, Célia de Azevedo chega a “duas histórias mal conhecidas e, possivelmente, bastante relacionadas entre si”. A primeira é a experiência de cidadãos negros “nas altas esferas da sociedade ao longo do século XIX”. Isso durante a vigência da escravidão. A segunda constatação da autora é “a história da maçonaria, ou mais precisamente a história social e cultural da maçonaria como canal de mobilidade social e de formação moral do cidadão, e ainda como rede de proteção e solidariedade aos chamados irmãos maçons”. Célia de Azevedo mostra muito bem o sonho desses personagens “com uma sociedade governada pelos ideais do Iluminismo, de acordo com os quais a sociedade seria formada de homens livres dotados de direitos universais de cidadania”. Ela cita o fato de que Montezuma teria sido o primeiro a propor a abolição da escravidão sem indenização. Ao analisar tais fatos, a pesquisadora percebeu que a sociabilidade maçônica não se reduz ao mundo das lojas, pelo contrário, “ela só adquire sentido se conseguir reeditar e concretizar o sonho de fraternidade universal para além das lojas”. Assim, acompanhar a história desses três personagens, tão bem descrita por Célia de Azevedo, nos faz pensar numa frase do professor Roberto Schwarz, também da Unicamp: “Como se sabe, as perguntas que dirigimos ao passado têm fundamento no presente”. A professora Célia lança luz sobre o passado da maçonaria no Brasil para iluminar questões atuais. É da possibilidade de superação dos problemas do racismo que o livro trata, e também da luta de todos os maçons pela superação desses problemas, já que a realização da utopia maçônica exige tal superação.

Serviço: Maçonaria, Anti-Racismo e Cidadania: Uma História de Lutas e Debates Transnacionais, de Célia Maria Marinho de Azevedo. São Paulo: Editora Annablume, 2010.

A ARLS José Nogueira Bernardes tem mais um mestre neste mês. O irmão Orivaldo Marchiani findou seus estudos no norte e ascendeu ao mestrado. A sessão foi realizada pela ARLS Colunas da Harmonia e presidida pelo VM Jackson Cesar Rodrigues.

Jóias maçônicas sob medida Este serviço tem a chancela do Vitriol.

Faça seu anel, broche ou pingente, em ouro ou prata, do jeito que você sempre quis, mas que nunca achava em loja alguma. Rogério - 41. 9193.2125 (profano)


VITRIOL

13


14

VITRIOL

Segredo Maçônico

Iniciação na Luz de Curitiba

Por Charles Evaldo Boller

Vingança ou justiça A sociedade não deve punir para vingar, sua obrigação é a de ensinar o homem a melhorar cada vez mais. "Educai as crianças e não será necessário castigar os homens" (Pitágoras de Samos). O que se deduz da vida em sociedade real de hoje é que ela não ama seus componentes, embrutecida e insensibilizada pela ganância e o poder tornou-se subserviente a economia e espreme a todos até sobrar apenas bagaço. É evidente que o homem é naturalmente bruto, fera sanguinária cuja única força limitadora atenuante de sua natural violência provém da lei e da intimidação que ela exerce. Lei escraviza. Lei é artifício para selar uma espécie de acordo entre os cidadãos de uma determinada sociedade. Concebida com o propósito dos cidadãos de determinadas sociedades não sucumbirem devido aos exageros dos mais fortes e bem dotados. Surgiu da necessidade de estabelecer regras de convivência que determinam, a priori, o que não é aceito em nome da convivência pacífica por uma sociedade específica, bem como as penalidades impostas àqueles que as desrespeitam. Cada sociedade estabelece suas próprias leis. O que é aceito em uma pode ser condenada em outra; não existe uniformidade universal; tentam, mas não conseguem devido à diversificação moral que é característica de cada grupo social. As leis vão crescendo em graus de complexidade até que se tornam uma carga muito pesada para ser suportada pelo cidadão comum, a exemplo do que aconteceu com a antiga lei mosaica que, na visão ocidental, o Cristo veio cumprir e que com sua morte foi totalmente eliminada, remanescendo apenas a lei do amor fraterno. As leis transformaram-se numa espécie de escravidão a que todo homem, que se diz civilizado, é submetido compulsoriamente. As decisões que cada um tomava de sua própria iniciativa no Direito Natural passou a ser arriscado no jogo de azar da interpretação de um terceiro, um juiz, nem sempre competente e com frequência suscetível às influências dos donos do poder ou das amizades. Um avilte ao direito natural intuitivo. Com isto a sociedade tomou para si o direito de vingar do indivíduo e criou o que se denomina justiça - com letra minúscula. Em todos os tempos, em todas as sociedades, a Justiça foi usada pelos poderosos para oprimir os mais fracos e sem recursos. Mesmo que sua definição seja a busca do equilíbrio entre as partes, independente de condição social dar a cada indivíduo o que lhe pertence, em tempo algum ela ocupou esta posição, salvo nas ideologias e utopias teóricas, ou na concepção de uns poucos otimistas. Existem os que ainda acreditam que a Justiça da sociedade está a seu dispor, isto é falácia! Na realidade a Justiça dos homens está a favor do dinheiro, do poder, da influência e da amizade. O engodo atravessa eras, em todas as sociedades a Justiça não só é usada por vingança, mas também para usurpar a liberdade do homem de ir e vir, tomando para si um direito de judiar e matar, usurpando o direito natural do individuo. "Platão disse: meu caro amigo Antíoco, pode-se perdoar de bom grado a confissão de qualquer homem amar-se excessivamente, mas, dentre os vários vícios que nascem desse amor próprio, um dos mais perigosos é aquele que impede um julgamento equilibrado e imparcial de si mesmo; pois a amizade deixa-nos facilmente cegos a respeito do que amamos, a menos que uma educação sábia tenha-nos acostumado a preferir o que é belo e honesto em si mesmo ao que nos interessa pessoalmente" (Plutarco o Biógrafo Grego)

A ARLS Luz de Curitiba realizou a iniciação de Lairton dos Santos em nossos augustos mistérios. A sessão contou com a presença de um grande número de irmãos, entre eles, pelos menos quatro Mestres Instalados da própria loja. Na ocasião, o Venerável Mestre, Rubens Vieira convidou o Jornal Vitriol para a Palestra do Sereníssimo Grão Mestre, Iraci da Silva Borges, a realizar-se na noite de 29 de Novembro às 20 horas no Templo da ARLS Dario Veloso Nº6, sito a Rua Teresina, 61, Cajuru.

Priorado Cavaleiros do Sudeste esteve em Curitiba Os DeMolay’s que fazem parte do Priorado Cavaleiros do Sudeste nº 133, da Ordem da Cavalaria – equivalente aos graus filosóficos para a maçonaria, reuniram-se no início deste mês para tratar vários assuntos como a criação de comissões de Ritualística, Liturgia, Paramentos e Trabalhos, Legislação e Justiça e Investidura. Presidida pelo ilustre comendador Cavaleiro Eduardo Tourinho, a sessão contou com a participação de jovens provenientes de Foz do Iguaçu, Pato Branco, Palmas, Guarapuava, Curitiba, Ponta Grossa e Francisco Beltrão. A próxima reunião do Priorado será no dia 04 de Dezembro as 9h da manhã na cidade de Francisco Beltrão. Os rapazes do Priorado Cavaleiros do Sudoeste são patrocinados pela ARLS Santuário do Iram, Nº93, GLP, de Francisco Beltrão.


VITRIOL

Delta realiza Banquete Ritualístico

Embora tenha sido realizado na mesma noite da festividade da Grande Loja do Paraná, 22 de setembro, o banquete ritualístico da ARLS Delta Nº 124 contou com a participação de seus obreiros e de visitantes. Com um cardápio a base de peixes, preparado pelos próprios Irmãos, saladas e sobremesas variadas, a noite transcorreu justa e perfeita com os presentes brindando os laços de amizades que nos unem como verdadeiros irmãos. A Loja Delta nº 124 reúne-se às quintas-feiras na Rua Teresina, 61 no bairro Cajuru às 20h.

15


16

VITRIOL

3ª edição ampliada  

Edição ampliada

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you