Issuu on Google+

# 070

ANO 07 / 2011 DISTRIBUIÇÃO GRATUITA LEITURA NÃO RECOMENDADA PARA MENORES DE 18 ANOS.

#070

POIS FOI POIS FOI


.BUFSJBJTOPCSFTFODPOUSBNPTNPEFMPTDM¸TTJDPTOBDPMF¾ºP7BOT$BMJGPSOJB


‹9DQV,QFZZZYDQVEUFRP


COMING SOON


CÂIMBRA NA CARA

NESSA EDIÇÃO

Sabe como se mantém uma revista gratuita viva por mais de seis anos e se consegue fazer ela chegar até uma edição tão importante quanto essa que você tem nas mãos? Quer saber como? Cê tenta... Rá! Sacou?

S E M GR RAÇA

SA FADEE Z A

D O NO D E CASA

Já dizia Black Alien na música “Contexto” do saudoso Planet Hemp: A única coisa que presta na TV hoje são os Trapalhões em reprise. Onze anos depois e continua tudo igual. Ou pior.

Nossa enviada especial para assuntos safados, Sabrina Duran, deu um rolê por Belém do Pará e descobriu Dona Onete, uma distinta senhora de 70 anos. E bota distinta nisso.

Martin Castillo Morales é um fotógrafo venezuelano que vive em Buenos Aires e adora se autofotografar em situações domésticas corriqueiras. Porém muito bem acompanhado.

Nos dias de hoje, uma piada assim é capaz de dar dinheiro. Se funcionar, a gente conta outra.

CAPA(S)

VOID # 063 EM PELO

VOID # 062 MOCADO

VOID # 061 NÓIS QUE VOA

VOID # 060 NADAAVER

VOID # 058 EU ACREDITO VOID # 067 FOTOS

VOID # 069 MEIA NOVE

VOID # 057 MAU SUJEITO VOID # 066 FEZES

VOID # 059 BABY BOOM

VOID # 056 FOTOS VOID # 065 BAZINGA!

VOID # 068 NA LINHA

VOID # 055 AGORA VAI VOID # 064 CORPO SINTÉTICO

FOTO DA CAPA: RENATO REIS


EXPEDIENTE

PONTOS DE DISTRIBUIÇÃO BELO HORIZONTE

Direção: Gabriel Rezende Marco Arioli Pedro Hemb Rodrigo Santanna Vicente Perrone Editor: Pedro Damasio Repórteres: Felipe de Souza, Piero Barcellos e Gabriela Mo

Black Boots – Rua Fernandes Tourinho, 182 www.blackboots.com.br Blunt – Montes Claros, 189 www.blunt.com.br Brechó Brilhantina – Rua Tomé de Souza, 821 www.brechobrilhantina.com.br Café com Letras – Rua Antônio de Albuquerque, 781 www.cafecomletras.com.br De Rua Skateshop – Rua Paraíba, 1061 Estabelecimento – Rua Monte Alegre, 160 www.barestabelecimento.com La Tosqueria – Rua Claudio Manoel, 329 www.latosqueria.com.br Mini Galeria – Av. Cristóvão Colombo 550 sl.27 – Savassi www.minigaleria.com Tribe – Shopping Del Rey Uzina – Rua Grão Mogol, 908 www.uzinarestaurante.com.br

CURITIBA

Projeto gráfico e Diagramação: Lucas Corrêa @Lava www.lavastudio.com.br Diagramação: Claudio Sudhaus www.sudhouse.com.br Fotografia: Maurício Capellari Gabriela Mo Planejamento: João Francisco Hein Jurídico: Galvão & Petter Advogados office@galvaoepetter.com.br

Airlab – Al. Prudente de Moraes, 1668 www.airlabels.blogspot.com Brique – Rua Duque de Caxias, 380 www.lojabrique.com.br Café Skate Bar – Praça do Redentor, 23 De Outros Carnavais - Rua Duque de Caxias, 378 São Francisco Galeria Lúdica – Rua Inácio Lustosa, 367 www.galerialudica.com.br Kitinete – Duque de Caxias, 175 Lamb – Vicente Machado, 674 www.lojalamb.com.br Lolitas Salon de Coiffure – Trajano Reis, 115 www.lolitassalondecoiffure.blogspot.com Nayp - Shopping Omar www.nayp.com.br Teix Tatoo – Av. Vicente Machado, 666 www.estudioteix.blogspot.com

PORTO ALEGRE BANX - Alameda Major Francisco Barcelos, 127 www.banx.com.br Callohã – Shopping Lindóia www.calloha.com.br Casa Azul Hostel – Lima e Silva, 912 www.casaazulhostel.com.br Convexo – Shopping Iguatemi Convexo – Shopping Praia de Belas www.convexo.com.br Fita Tape – José Bonifácio, 485 www.fitatape.art.br Matriz Skate Shop – Shopping Total www.matrizskate.com Ocidente – Osvaldo Aranha, 960 Odessa – Rua João Telles, 542 OI FM – Padre Chagas, 347 www.oifm.com.br/portoalegre Ossip – República, 677 Panda&Mônio – 5ª Avenida Center www.pandaemonioblog.com Perestroika – Furriel L. A. V., 250/1302 www.perestroika.com.br

Pandorga – Miguel Tostes, 897 www.lojapandorga.com.br Sexton –Barão de Sto Ângelo, 152 www.sexton.com.br Swell Skatepark – Viamão www.swellskate.com.br Tow In – 24 de Outubro, 484 Tow In – Barra Shopping Sul www.towin.com.br Vulgo – Padre Chagas, 318 www.vulgo.com.br W House - Rua Santo Inácio, 164

RIO DE JANEIRO Addict – Shopping Leblon Addict – Rua Aristides Espínola, 64 www.verdadeiraidentidadeaddict.com.br Baratos do Ribeiro – R. Barata do Ribeiro, 354 – Lj. D www.baratosdoribeiro.com.br Boards Co – Galeria River www.boardsco.com.br Home Grown – Rua Maria Quitéria, 168 www.homegrownrio.blogspot.com La Cucaracha – R. Teixeira de Mello, 31, Lj. H www.cucaracha.com.br Plano B – R. Francisco Muratori, 2ª Redley – R. Maria Quitéria, 99 www.redley.com.br Roques – Niterói Street Force – Galeria River

Nike Sportwear – Praça dos Omaguás, 100 www.nike.com Polaco Tatoo – Rua 24 de Maio, 225 - 1º andar www.polacotattoo.com.br Rip Curl - Rua da Consolação, 4544 www.ripcurl.com.br Super Cool Market - Rua Purpurina, 219 www.supercoolmarket.com.br Terraço Major – Rua Major Maragliano, 421 www.terracomajor.wordpress.com Visionaire – Galeria Ouro Fino www.visionairestore.com.br Volt – R. Haddock Lobo, 40 www.barvolt.com.br Wave Boys – Galeria Ouro Fino www.waveboys.com.br Z Carniceria – R. Augusta, 934 www.zcarniceria.com.br

UNIV VERSIDA ADES BELO HORIZONTE Fumec FCH – Rua Cobre, 200 www.fch.fumec.br Una – Rua da Bahia, 1764 www.una.br

CURITIBA PUC – DCE www.pucpr.br

SÃO PAULO

PORTO ALEGRE

American Apparel - Rua Oscar Freire, 433 www.americanapparel.net B.Luxo – R. Augusta, 2633 Lj. 18 www.brecholuxo.blogspot.com Bacuri - Rua Alagoas, 852 www.bacurisucos.com.br DCK – R. Augusta, 2716 www.dckstore.com.br Eastpak – R. Augusta, 2685 www.eastpak.com.br El Cabriton y Amigos - Rua Augusta, 2008 www.elcabriton.com Forever Skate – Galeria do Rock www.foreverskate.blogspot.com Galeria Choque Cultural – João Mora, 997 www.choquecultural.com.br Hotel Tee’s – R. Augusta, 2633 – Lj. 20 www.hoteloja.blogspot.com Haters and Skills – Rua Augusta, 1371 - Loja 209 www.hatersandskills.com Japonique - Rua Girassol, 175 www.japonique.blogspot.com Kebabel – Rua Fernando de Albuquerque, 22 Kebabel – Rua João Moura, 871 www.kebabel.com.br Matilha Cultural – R. Rego Freitas, 542 www.matilhacultural.com.br Maze Skateshop – R. Augusta, 2500 www.mazeskateshop.com.br Me Gusta – Rua Augusta, 2046 Mercearia São Pedro - Rua Rodésia, 34

ESPM – Bar Prédio 2 ESPM – Bar Prédio 3 www.espm.br PUC – Administração PUC – FAMECOS www.pucrs.br UFRGS – Arquitetura www.ufrgs.br/arquitetura/ UFRGS – Fabico www.ufrgs.br/fabico/ Uniritter – Orfanatrófio, 555 www.uniritter.com.br

RIO DE JANEIRO ESPM – Rua do Rosário, 90 www.espm.br PUC – CACOS PUC – CRAA www.puc-rio.br

SÃO PAULO Belas Artes – DvCM www.belasartes.br ESPM – CA4D www.espm.br FAAP – CA de Arte www.faap.br Mackenzie – DA de Comunicação e Artes www.mackenzie.br


Leandro Vignoli é radialista da

Oi FM e nosso expert em música e adjacências. Ele é residente nas seções “Na Caixa” e “1001 Discos”.

Lise Bing NÃO É uma garota quietinha. Gadgets e bizarrices internéticas são o recheio da sua coluna Bing Bang! lisebing.tumblr.com

Lucas Pexão é dono da Galeria

Lairton Rezende, também conhecido como Jacaré do Mar, é artista visual e pai do HomemBanana, o herói da dúvida. lairtonrezende@gmail.com

Fabrizio Baron vive em um mundo envolvente onde tudo é possível. Nas horas vagas, trabalha com carteira assinada. É dele a coluna I Shot Macunaíma.

Ana Ferraz faz um monte de

Denise Rosa não canta

Mr Lexuz é um cara

que vai no intestino grosso da televisão mundial transmitida a baixo custo, sempre a bordo do seu inseparável controle remoto. Tobias Sklar é editor da

Vista e colabora para a Void na seção Na Base.

Renato Reis,é fotógrafo

atuante na cena independente brasileira. São dele as fotos de Dona Onete na matéria “Dona Danada”.renatuss@gmail.com

Vini De La Rocha é jornalista, noiado e morador de São Paulo... Ainda quer ser roteirista, também noiado, e morar um tempo na Espanha. vinidelarocha@gmail. com

Fita Tape e representa artistas via noz.art. Na Void ele escreve sobre arte e faz a curadoria da seção Magma. www.noz.art.br/pexao

coisas ligadas a projetos de arte e divide com Pexão a responsa na Galeria Fita Tape, e na seção Magma da Void.

COLABORARAM TAMBÉM NESSA EDIÇÃO...

mais as bolinhas do bingo, mas ajuda a organizar o galeto da paróquia. denise@avoid.com.br

Sabrina Duran é jornalista

e gosta de coisas cruas reportagem, bicho ou gente. Ideias mal passadas aqui: www.sabrinaduran.com

CORROBORE! VOCÊ TAMBÉM TEM ALGO A DIZER, MOSTRAR, SOCAR NA FERIDA OU ARREMESSAR NO VENTILADOR? MANDE UM EMAIL PARA VOID@AVOID.COM.BR E CORRA O RISCO DE ENTRAR PARA ESSA LISTA DE NOBRES IMORTAIS PENSADORES. A REVISTA VOID É UMA PUBLICAÇÃO MENSAL COM DISTRIBUIÇÃO GRATUITA E TIRAGEM DE 20 MIL EXEMPLARES

Rua Felipe Neri, 148/303 Porto Alegre - RS - 90440-150 Fone: (51) 3023-7662 Email: void@avoid.com.br

www.a avoid.c com.b br A VOID não se responsabiliza por opiniões emitidas em artigos assinados que não refletem, necessariamente, a opinião da revista. Os trabalhos identificados pelo ícone da licença Creative Commons têm sua publicação permitida nas seguintes condições: Distribuição e adaptação livre sem fins comerciais mediante o crédito do autor. Info: http://creativecommons.org/international/br


CRÉDITO: REPRODUÇÃO

POR FELIPE DE SOUZA, GABRIELA MO E PIERO BARCELLOS

CRÉDITO: DIVULGAÇÃO

na privada

Num passado não tão distante, também conhecido como edição #043 da Void, entrevistamos algumas pessoas que, na ânsia de se salvar do apocalipse previsto pelos maias em 2012, irão construir um “bunker” autosustentável debaixo da terra.

CRÉDITO: ULTRADOWNLOADS.COM.BR

Porém, dependendo da teoria escolhida, os espertos que querem se salvar do castigo divino terão que correr com as obras, ou terão um prazo maior para planejar sua versão moderna da arca de Noé. Como base de prazo, eles podem consultar o site End Of The World Notification Service. É só fazer um cadastro para ser informado qual é a próxima data profetizada para o fim do mundo. Até o fechamento desta edição, no dia 21 de maio acontecerá o julgamento final.

AGORA SIM ACABA TUDO 14

Caso você esteja lendo esta nota e nada tenha acontecido, nem pense em comemorar! Agende-se para 21 de outubro – data em que, segundo a Bíblia, todo mundo fará logoff da vida real. Numa dessas tentativas os profetas acertam, e estar preparado pode fazer a diferença. Info: rowdydow.co.uk/eotw/

FATALITY NO ESPERTO

CINEMA NO SATISFACTION

No Brasil, a pirataria e os altos impostos são responsáveis por fazer um joguinho do Super Mario custar mais de duzentas Dilmas. Existem esforços de grupos de pessoas e empresas em reverter este quadro, já que o Brasil é um mercado em potencial de games.

O velhario do rock é incansável. Sabe da última? Mick Jagger e David Bowie estão planejando fazer um filme. Como se já não bastasse interpretarem covers de si mesmos há décadas, agora os caras querem enganar seus fãs xiitas nas telonas. Para dar ares mais tragicômicos para o negócio, o duo pretende fazer uma comédia e já está atrás de atores para tanto. Como tudo que envolve Mick e Bowie está envolto em teias de aranha e mofo, fontes ligadas aos caras afirmam que o roteiro “está guardado há anos”. Uma dica: Porque os dois não se juntam para um disco ao vivo, ou um acústico, ou uma tour que tenha palco suficientemente luminoso a ponto de ofuscar as rugas de cada um?

Porém, nada como a peculiar lei de Gerson para foder tudo. Uma semana antes do lançamento mundial do game Mortal Kombat, um espertinho de Manaus conseguiu uma cópia original do jogo (que é prensado na zona franca), e lançou um vídeo no Youtube, todo alegrinho, mostrando jogabilidade e golpes de personagens ainda não divulgados oficialmente. Só que o malandro desta vez se deu mal: a polícia achou o cara e agora está investigando como o jogo vazou da fábrica. Assim fica difícil melhorar a nossa imagem lá fora...


BOA

Tirou uma? void@avoid.com.br

POBREGRAM O Instagr.am é o aplicativo de iPhone que realiza o sonho de todo hipster portador do gadget da Apple em fazer belas fotos, tornando-o mais um destes chatos que idolatram a lomografia mas não possuem talento para serem fotógrafos de verdade. Para quem não conhece, o app tem a capacidade de colocar efeitos nas imagens, como envelhecimento e molduras. Agora, se você foi para o lado Android da telefonia celular (consequentemente mais acessível ao bolso), e mesmo assim quer participar do mundinho restrito da arte virtual contemporânea, existe o PicPlz. O aplicativo, além de ter as mesmas funções do Instagr.am, também permite o envio de suas fotos editadas para as principais redes sociais (Twitter, Facebook, Tumblr e afins).

LEONARDO, MICHAELANGELO, RAFAEL OU DONATELLO?

Enviado por Clovis Abrahão Pahr clopahr@hotmail.com

FISGAMOS

Mas se você é hipster e tem medo da modinha virtual ser popularizada, fodeu. Engraçadinhos da internet já criaram o Pobregr.am, um tumblr de imagens dignas da realidade da classe E, mas com o toque artístico dos efeitos envelhecedores das câmeras de celular. Agora até aquele cafezinho com sanduba de mortadela num pé-sujo ganha ares hype. Você pode conferir (e participar) em http://pobregram.tumblr.com/ .

Fisgou alguma? void@avoid.com.br

“NOSSA, COMI DEMAIS. VOU ALI SENTAR NO BOCÃO. LIBERTAR O PRISIONEIRO.”

“SÓ MULHER DANDO O CU NA INTERNET O CARA VAI FICANDO É VIADO MESMO”

“OLHA, JOSUÉ, UM BAR! DEVE FICAR LOTADO À NOITE”.

Colega de quarto coletivo feminino apavorando em um hostel mal frequentado em Paraty/RJ.

Por Raghy, um guru dos nossos tempos.

De um casal de velhinhos sobre uma Pet Shop que tem umas mesinhas na frente. Fisgado por Lise Bing

15


O FINAL FI AL DO FIN FI DO MÊS DE ABRIL FOI MARCADO POR UM MOMENTO DISNEY NO O MUNDO: MUN UNDO O O CASAMENTO DO PRÍNCIPE WILLIAM COM A PLEBEIA KATE MIDDLETON. M IDD ID D LLET DD ETON N MAS NÃO SE DESESPERE, MULHER MODERNA. VOCÊ TAMBÉM PODE POD O E DEIXAR ODE D XA ESSA VIDA DE BUSÃO LOTADO E CANTADA DE PEDREIRO PARA DE DEI INGRESSAR IING NGR RE RES ESSAR SA NO MUNDINHO DE LUXO E RIQUEZA DA MONARQUIA. PRÍNCIPE É O QUE QUE UE NÃO NÃ N Ã FALTA NESSE MUNDO. BASTA ESTAR NO LUGAR CERTO, NA HORA HO HOR A CERTA CER ER RTA (E SABER PRATICAR A FINA ARTE DO POMPOARISMO) PARA CONSEGUIR C CON NSEG SEGUIR UIR UI I O SEU TÍTULO DE NOBREZA. DÊ UMA OLHADA NO NOSSO CATÁLOGO CA CAT C AT TÁLOG OGO DE BONS PARTIDOS E ESCOLHA O SEU ALVO: POR PIERO BARCELLOS

DOM D OM M LUÍS LUÍ S GASTÃO GA AS STÃO TÃ ÃO MARIA JOSÉ PIO MIGUEL GABRIEL RAFAEL GONZAGA DE ORLÉANS E BRAGANÇA E WITTELSBACH

16 / na PRIVADA

SAUNDAY BAALA

O príncipe com nome digno de um ditado oral é descendente da família real brasileira. Tem 73 anos, é trineto de Dom Pedro II. Se você quer uma coroa, e é chegada num coroa (rá), taí a oportunidade. Depois de uma chave de perna, é só torcer por um retrocesso político para virar rainha do Brasil (não que seja algo para se orgulhar, mas é melhor que um nome escrito num crachá seguido de “auxiliar administrativo”).

Que tal juntar o melhor (e o pior) de dois mundos tão distintos como a monarquia e o futebol? Se você tem vocação para Maria-chuteira, pode pegar o primeiro avião para a Espanha e começar a rondar o príncipe Saunday, herdeiro do trono de Zongo, uma das regiões dentro de Gana. Até aí tudo bem, tudo maravilhoso, se não fosse por alguns pequenos detalhes: Saunday joga num time da quarta divisão do campeonato espanhol, e saiu fugido do país onde morava depois que seu pai, o rei de Zongo, foi morto em um atentado. Mas fora isso é só alegria!

PRÍNCIPE AZIM

C CERVEJA PRÍNCIPE

Caso você queira ser princesa de um reino distante, pode partir para o Brunei e tentar o Príncipe Azim, quarto na linha sucessória do trono do país. Com pinta de ator de filme indiano, o cara é herdeiro de uma fortuna estimada em US$ 22 bilhões. É conhecido por fazer extravagâncias, como contratar Michael Jackson pra tocar na sua festa de aniversário de 25 anos, e levar os convidados para um safari na África. Claro que todo luxo tem seu preço: no Brunei impera o Islamismo, o que significa ter um armário cheio de burkas e nada de bebida alcoólica nas festinhas.

Encontrada em países como Bélgica, Alemanha, Polônia e Hungria, a Prince Beer faz jus ao mais puro malte germânico. Sua fermentação provoca pouca espuma quando servida, conservando o sabor amargo do lúpulo. Peça para aquele seu primo mochileiro da Europa despachar umas garrafas para você tomar um porre. Pois só assim para ficar perto de um príncipe e esquecer, mesmo que momentaneamente, a sua realidade suburbana.


CRÉDITO: DIVULGAÇÃO_SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA_RJ

CACHORRO LOUCO ANTECIPADO

CRÉDITO: REPRODUÇÃO INFOBAE.COM

Agora é para valer: 2011 decidiu antecipar o mês do cachorro louco de agosto para abril. Não acredita? Então contabiliza: No dia 07 o desempregado Wellington Menezes da Silveira invadiu a Escola Tasso da Silveira, em Realengo, munido de dois revólveres. O sujeito matou doze crianças, deixou outras 18 feridas e se suicidou depois. O cara deixou uma carta em que fazia uma mistureba nonsense de islamismo, cristianismo e MUITA esquizofrenia. Em 10 do mesmo mês, um débil mental a bordo de um carro preto decidiu dar um rolê pelas ruas de Santos e abrir fogo em quem passasse pela sua alça de mira. O saldo final foi de um morto e outros 11 feridos. A polícia chegou a prender um suspeito. Ao ler a notícia dá pra lembrar daquela música do finado Pavilhão Nove: “Um Opalão Preto Estando Atrás de Você / Não Olhe pra tás/ Não tente correr”.

Para fechar o mês 04 em alto estilo, depois de 20 anos de silêncio absoluto, eis que Charles Manson, direto de sua suíte penitenciária na Califórnia, decide dar uma entrevista para a edição espanhola da revista Vanity Fair. Para ter ideia do naipe do bate-papo, uma das frases do tio foi: “La mala hierba nunca muere”. Abençoado seja o mês de maio.

A MORTA MATARAM O BIN LADEN! E AGORA? Então, finalmente os EUA encontraram a pessoa mais procurada pelo mundo depois de Wally e Carmen Sandiego. Osama Bin Laden levou uma azeitona na cabeça e foi descabaçar suas 70 virgens no grande harém divino, como ele acreditava - ou está sendo arregaçado por 70 girombas taludas no meio do inferno, como o resto do mundo espera.

com a tirania do Esqueleto em Etérnia, do Mumm-Rá no Terceiro Mundo, e do Vingador no reino da Caverna do Dragão.

A questão é: agora que os americanos mataram seu inimigo nº1, qual é a próxima ação?

KILL JOSE

ATAQUE AOS GAMERS Tropas americanas desembarcarão no Brasil para combater os ameaçadores jogadores de vídeo-game, cujo treinamento de formação de terroristas consiste em jogar CounterStrike, Call Of Duty e Super Mario Galaxy.

EXTINÇÃO DO MAL Barack Obama não descansará enquanto não erradicar o mal da face da Terra. A CIA já prepara uma investida para acabar

RETALIAÇÃO DAS ÁGUAS Aguardar a retaliação do Aquaman, já que jogaram o corpo no mar, e poluir o oceano é coisa séria.

Matar o Sarney antes que o estagiário faça isso no Twitter de algum órgão do Governo.

ANIQUILAR A STAND-UP COMEDY Assim como os ataques de 11 de setembro, esta praga começou no coração da América e fugiu do controle. Agora os agentes do serviço secreto americano trabalham infiltrados em shows de comédia e possuem carta branca para eliminar qualquer garoto mimado que se acha o rei das piadas no aconchego do carpete do apartamento dos pais.

17


VODKA NO CU, COLÍRIO NO NARIZ E OUTRAS MERDAS ADOLESCENTES POR FELIPE DE SOUZA

Quer uma vantagem por ter nascido em um país de terceiro mundo onde as leis não funcionam e geral pode fazer (quase) tudo o que bem entender? Pois mesmo sendo de menor, a molecada aqui sempre arranja um jeito de tomar seu trago e chapar o coco sem ser incomodado.

Diferente do que tá rolando na Alemanha, onde a nova onda é encharcar aqueles absorventes tipo O.B na vagina (no caso das meninas) com Vodka para não deixar bafo nem vestígios de consumo de bebida. Os moleques também não ficam atrás e, segundo autoridades alemãs, andam enfiando no cu o artefato, com a desculpa de quererem se embriagar. Mas médicos afirmam que, além de não surtir efeitos alcoólicos, a prática também pode causar infecções nas paredes vaginais e do ânus. Mas essa não é a única lenda quando se fala em meios alternativos de se chegar a estados alterados da mente: Chá de fita: não se sabe a origem, mas em um passado não muito distante algum idiota espalhou o boato de que as fitas K7, se fervidas em água, produziriam um líquido alucinógeno pacas. Dando uma olhada nos componentes químicos dessa antiguidade midiática, a única coisa que o sujeito poderia conseguir era uma intoxicação das brabas. Colírio alucinógeno: outra babaquice que se espalhou anos atrás. A lenda era pingar o colírio nas narinas e o efeito seria a chapação imediata, seguida de taquicardia, boca seca, visão turva, intestino lento e outras sensações que não são exatamente sinônimos de curtição.

Conclusão: Pede uma gelada no bar da esquina e seja feliz.

18 / na PRIVADA


SURUBA 3D

Para quem achava que Avatar tinha sido o último grito no quesito animação em 3D, que refaça seus conceitos. Em Hong Kong, pelo menos, a obra dirigida por James Cameron levou uma surra de bilheteria pelo filme Sex and Zen: Extreme Ecstasy. Só no primeiro dia de exibição, o filminho faturou o equivalente a R$564 mil em bilheteria, contra R$533 mil de Avatar. O sucesso nos números também pode ser explicado pelo fato de que muitos chineses de outras regiões do país que sofrem com a forte censura chinesa voaram até Hong Kong para assistir o filme. O lance foi como uma corrida a Las Vegas, mas no lugar das fichas e da roleta, muita fornicação e sexo explícito jorrando na cara do espectador. Agora imagine outras obras primas do cinema pornô transformadas para o 3D: Garganta profunda: Lançado em 1972 e dirigido por Gerard Damiano, conta a história de uma mulher frustrada sexualmente, até que um médico descobre que seu clitóris fica na garganta. Aí já viu: Boquete à

vera. O filme custou US$ 25 mil e arrecadou mais de US$ 600 milhões ao redor do mundo. Seria legal simular o engasgo das minas dentro da sala de cinema. Atrás da porta verde: De 1972, dirigido por Jim Mitchell e Art Mitchell, conta a história de Gloria Saunders, interpretada por Marilyn Chambers, que é seqüestrada e levada para um clube sinistríssimo onde, atrás da porta, a suruba rola solta. Ideal para ser visto numa sala 3D com aqueles óculos escuros e se esquivando de fluídos suspeitos. O Império dos sentidos: De 1976 e dirigido por Nagisa Oshima, conta a história de uma prostituta e um dono de restaurante que se envolvem além da fodelança profissional. Com a crise no relacionamento, os dois descobrem que o tesão pode ser salvo com muito sadomasoquismo. Seria bacana imaginar imagens 3D de gente trepando e se dando porrada dentro de uma sala multiplex de algum shopping brasileiro.

MÍDIAS SOCIAIS VERSUS RELACIONAMENTOS AMOROSOS Desconfiado que esta sendo traído na internet? Interprete antes de partir para o ataque.

SE...

QUER DIZER QUE...

OU...

PREOCUPE-SE CASO...

DEIXE PARA LÁ QUANDO...

a sua cara metade recebeu um Poke no Facebook.

tem um mané querendo cutucar sua mina usando uma parte do corpo, e você sabe bem qual!

tem um mané que começou a usar o Facebook ontem e não sabe o que Poke significa.

ela cutucar ele de volta.

for um parente de mais de cinquenta anos que não entendeu o real sentido da coisa.

o seu namorado apareceu em fotos de uma festa que você nem sabia que ele ia.

que ele foi a uma festa sem te avisar e passou o rodo.

que ele foi a uma festa sem te avisar e tentou passar o rodo.

ele disser que não é ele nas imagens, apenas uma pessoa muito parecida.

a festa na verdade é um encontro de jogadores Guitar Hero.

o ex dela curtir todas as fotos que ela publica.

eles ainda mantêm contato.

ele é um fracassado que ainda não superou a perda.

ela curtir todas as fotos que ele publica.

ele estiver em coma no hospital.

uma piriguete sempre vier falar com ele no Bate-papo.

tem uma piranha tento um caso com ele.

tem uma piranha dando em cima dele.

ele disser que são apenas bons amigos.

ela se mudar para Burkina Fhaso sem 3G.

seu amor apagar todos os rastros dele na internet.

é uma pessoa reservada.

não quer que você saiba o que ele fez na noite passada.

Ele bloqueou somente você.

Você bloquear o seu mural também.

19


O LLADO ADO NEGRO DA FORÇA

POR GABRIELA MO

U di Um dia, um exímio í i patinador. t No outro, um necrófilo assassino. Assim é – ou pelo menos já foi assim – Francisco de Assis Pereira, o popular Maníaco do Parque, hoje um religioso atrás das grades. Nos dias felizes, no auge de sua carreira psicopata, saltava em piruetas sobre rodas, e, quando o sol estava prestes a se por, como um lobisomem furioso, virava um serial killer clamando por sangue. Não diferente do motoboy mais conhecido do Brasil, nós, meros mortais, também passamos por altos e baixos, temos nossos momentos de fúria e um lado negro a la Natalie Portman em Black Swan por um fio de se rebelar. Os exemplos são muitos. De vilão cinematográfico a doido varrido todo mundo tem um pouco, com o agravante de que cada vez trabalhamos mais, acumulamos preocupações e responsabilidades e adquirimos infinitas razões que motivariam um surto. A jogada de mestre é saber driblar bem os estresses cotidianos, superar traumas e reprimir taras e anseios obscuros para não ser o próximo na lista de procurados pela polícia. Em vez de atropelar ciclistas que obstruem o trânsito movimentado em plena sexta-feira ao entardecer, atirar em criancinhas indefesas ou esgoelar os filhos do vizinho que perturbam o silêncio alheio na madrugada dos domingos deprimentes, entregamos aqui de lambuja cinco dicas para soltar a energia concentrada de forma lícita antes de apelar e usar a força para o lado do mal.

20 / na PRIVADA

5- Comprar uma montanha russa. Macaulay Culkin que o diga, ter uma dessas no quintal de casa pode ser gratificante. O Riquinho não só usufruía da montanha russa para sentir o frio na barriga como também podia usar o brinquedo como válvula de escape para seus problemas de relacionamento com o pai. Com alguns milhões de reais e o aval da prefeitura – além de um pátio quilométrico – é possível construir um parque de diversões inteiro no jardim. A velocidade, a inclinação o comprimento e tempo de percurso podem até causar efeitos lisérgicos. Se jogue, e certifiquese de contratar um técnico para evitar acidentes, ou você vai acabar morrendo. Mas não se preocupe, a chance de dar algo errado é de uma em seis milhões. 4- Dar um soco em alguém Sabe aquele seu cunhado que te deve grana? Aprenda a negociar. Dar um soco em alguém libera muito mais endorfinas do que receber a tal quantia financeira em dinheiro – independente do valor. Não é por acaso que existem comunidades underground promovendo brigas consentidas e ogros que adoram participar de uma muvuca. Também vale abrir um clube de luta com encontros semanais, mas não comente sobre isso com ninguém. 3- Destruir uma sala. A ideia inicial seria acabar com um quarto de hotel, mas o intuito de tudo isso é justamente evitar transtornos e incômodos com as outras pessoas. Então comece pela sua mesa de cabeceira, jogue o abajur no chão e aprecie o vaso

de cerâmica se estraçalhar pelo piso laminado. O prazer vai ser tanto que você vai querer derrubar os quadros da parede, quebrar os vidros da janela com uma machadinha e tacar fogo nos colchões. É claro que você vai ter que arcar com os prejuízos, já que a casa teoricamente é sua. Pensando nisso que os japoneses (sempre eles!) já criaram estabelecimentos especializados no assunto, com móveis próprios para serem estraçalhados. Com uma quantia estabelecida, é possível descarregar as energias negativas nos enfeites de gesso e nas prateleiras de madeira sem precisar pagar o conserto. Se esses lugares já não despencaram em função do terremoto, estão lá esperando pelo peso de sua mãozinha. 2- Largar tudo e viver da arte Contabilidade nunca foi a sua praia, mas até que rendia uma carteira gorda no final do mês. No entanto, como todos sabemos, um trabalho que não traz felicidade não vale a pena. Nada compra um sorriso no rosto. Os que estão de saco cheio com o chefe e com a rotina burocrática podem largar tudo e viver da arte. Isso mesmo. Aprender

a fazer bijuterias, pintar paisagem em pano de prato e vender tudo isso na pracinha pode ser uma bela alternativa para se livrar do estresse. Artesanato e trabalhos manuais são comprovadamente terapêuticos: Mais vale a satisfação pessoal do que uma BMW na garagem. 1- Vá de bote à Miami Se mesmo comprando uma montanha russa e sentindo o calafrio na barriga todos os dias, participando de um clube de lutas transgressor, quebrando tudo e largando o emprego para viver da renda obtida com artesanato funcionar, bem, meu caro amigo, tudo indica que você está no lugar errado. O Brasil não é o país certo para você morar! O lance agora é fazer as malas para Miami e nos Estados Unidos morar como imigrante ilegal. Entregador de pizza, lavador de pratos, manicure, dançarina, enfim, o futuro é incerto na terra das mil e uma possibilidades. Mickey Mouse te recepcionará e estarão todos felizes e bem protegidos contra o terrorismo. Ou não.


MR. LEXUS

Mataram o Bin Laden! Na TV aberta essa é a pedida no momento em que vos escrevo. Bandeirolas americanas tremulando nas mãos de pessoas acima do peso, milhares de malucos reunidos no tal do marco zero pra comemorar o feito, tudo apresentado por gente bonita e bem alinhada. Antes que digam por aí, não sou anti-americano e até estou comendo umas bolachas esfareladas pra comemorar a morte daquele debilóide. Mas isso é TV aberta e nela eu não gasto meu tempo. Você já sabe que o meu negócio é outro, eu entendo mesmo é de programação de TV fechada...que a gente abre na manha!

fim de dar uma relaxadinha, uma espiadinha numa sacanagem. E quando encontro um canal sacana, eis que me deparo com algo realmente doentio: no canal americano Venus estava rolando um desenhozinho de sacanagem, o 2funky4u. Aquilo é demais! As putinhas na versão desenho 3D são volumosas e exageradamente curvilíneas, o que por si só já cria uma atmosfera meio teenager gamemaníaca. A fodeção rola solta e o roteiro deixa qualquer Garganta Profunda com vergonha. Os cenários são bem realistas e a sensação é de você estar vendo um video game recheado de situações que sempre terminam numa foda.

Com essa carnificina do Bin Laden, rodeado de farelos de bolacha, comecei a zapear pelos canais do meu Lexuz Box. Confesso que tava a

As fodas em si são mais exageradas, as vezes os caras são personagens no melhor estilo gangsta, ou

então se parecem com playboys bombados de Bervely Hills. Mas isso a gente abstrai. O ponto alto, mas alto mesmo, é quando um desses personagens do desenho pornô chega à sua explosão de êxtase. Sem dúvidas, é a gozada mais volumosa da história do sexo explícito e, sem nenhum exagero (meu), são expelidos litros de espermatozóides que desenham uma parábola até atingirem o corpo da nossa querida putinha. Eu achei realmente sobrenatural. Fora isso, o desenho rende uns bons 10 minutos de diversão (apesar de ser um longa metragem) e a dica que fica é pra você tomar bastante cuidado. Farelo de bolacha e mão melada não é legal para o controle do seu Lexuz Box!

21


FESTA NO VELÓDROMO

POR FELIPE DE SOUZA | FOTOS: MAURICIO CAPELLARI

COMEÇO DE OUTONO E UM VENTO CHATO INSISTE EM BATER À BEIRA DO RIO. DIA DE JOGO PELA COPA LIBERTADORES E A CIDADE PARECE ÀS MOSCAS LÁ PELAS 20H. ESTAMOS EM UMA RÓTULA PERTO DO CENTRO DE PORTO ALEGRE, CIDADE QUE GANHOU AS MANCHETES DOS JORNAIS DE TODO O BRASIL PELA BELIGERANTE RELAÇÃO ENTRE CICLISTAS E MOTORISTAS PSICÓTICOS. DIAS ATRÁS, O BANCÁRIO RICARDO NEIS, QUE FORA PRESO POR TOCAR SEU CARRO CONTRA CERCA DE 150 BIKERS QUE PARTICIPAVAM DE UM PASSEIO ORGANIZADO PELA MASSA CRÍTICA(1) NO DIA 25 DE FEVEREIRO, RECEBEU HABEAS CORPUS E RESPONDE NO CONFORTO DO LAR O JULGAMENTO POR 17 TENTATIVAS DE HOMICÍDIO (UMA PARA CADA PESSOA QUE FICOU FERIDA NO EPISÓDIO).

22 / na PRIVADA


Como resposta, alguns dos mesmos ciclistas decidiram, naquela noite fria, armar um piquenique e usar a tal rótula como velódromo, apostando rachas que deixariam tonto qualquer piloto de Fórmula Indy. Eles chegam aos poucos e um dos primeiros a armar acampamento na grama úmida é o biker delivery Suryan Cury, 25 anos. “A gente descobriu que aqui é um lugar bacana pra ficar dando volta, girando em alta velocidade. Aí surgiu a ideia de vir pra cá fazer uma festa, já que muitas vezes passávamos por aqui à noite, depois de sair para comer alguma coisa, à passeio mesmo”. Apesar de ser a primeira edição do evento, o esquema reúne uma quantidade legal de gente. E os próprios participantes se encarregam de catar os ciclistas que passam por perto. “Chega aí cara, tá rolando uma festa, tem rango”, grita um deles. Um dos que colam no pico é o cozinheiro vegano Alan Chaves, velho conhecido da redação da Void (leia a matéria Sem Lactose – Void#055 http://revistavoid.com.br/2010/10/sem-lactose-void-055/) . “A intenção é fazer aqui algo semelhante ao Reclaim the Streets (2) que rola direto na Europa”. O menu vegan da noite incluía feijoada com proteína de soja, panquecas e pastéis. “Não tem muito mistério, é só uma maneira de protestar e tornar a coisa menos sisuda. Se você não faz as coisas ficarem divertidas, não tem jeito de elas funcionarem”, explica Alan. Além dos rachas, da comida, das gatinhas que colaram e do clima de festa, deu pra sacar outra tendência no local: as fixed gears. Comuns na Europa e nos Estados Unidos, agora elas chegam com força no Brasil. A diferença de uma fixed para uma bike normal é que a catraca não gira para trás. Quer dizer, a bordo de uma delas, não tem jeito de parar de andar. “É mais divertido e você tem que pedalar sempre, não pode parar. Se pedalar já é bom, se poder pedalar o tempo inteiro vai ser melhor ainda. Imagina se tivesse um jeito do cara não parar de transar nunca? É mais ou menos a mesma pilha. Você tem mais controle da bicicleta. Se você quiser ir mais rápido, tem que pedalar mais. Se quiser diminuir o ritmo, tem que pedalar menos. Não precisa ficar apertando o freio, você depende só de você para fazer as coisas”, explica, de uma maneira bem didática, Suryan. Mas nem tudo foram flores na primeira Festa no Velódromo. Provando que a cidade ainda está polarizada e há um clima de tensão no ar, um motorista que ainda não entendeu o clima pacificador do evento, passou gritando: “Ele está à solta hein!”, se referindo ao atropelador Ricardo Neis.

(1)Massa Crítica: ONG que celebra a bicicleta como meio de transporte. Organiza passeios e protestos preiódicos. (2)Movimento que nasceu na década de 90 em Londres e lutava,

fundamentalmente, pela diminuição da construção de rodovias. Sempre se posicionaram a favor do caminhar, do pedalar e em aproveitar os espaços públicos para o bem dos cidadãos. Sua bronca maior sempre foi contra os automóveis.

23


“ISSO É ABJETO!” POR PIERO BARCELLOS FOTOS: MAURICIO CAPELLARI

NÃO É UMA TAREFA FÁCIL ENTREVISTAR UMA FIGURA COMO O LOBÃO, UM DOS ÍCONES DO ROCK BRASILEIRO QUE NOS ÚLTIMOS TEMPOS SE TORNOU MAIS FAMOSO PELAS SUAS OPINIÕES FORTES DO QUE PELA MÚSICA. FICA MAIS DIFÍCIL QUANDO O CARA LANÇA A PRÓPRIA BIOGRAFIA (50 ANOS A MIL, NOVA FRONTEIRA, 2010), E RESPONDE A QUALQUER TIPO DE PERGUNTA COM “LEIA MEU LIVRO”.

Torna-se mais agravante ainda quando a primeira lembrança que o repórter tem do entrevistado é a de um teatro de fantoches apresentado na primeira série do colégio, onde um boneco de lobo cantava “Decadence Avec Elegance”. Mas missão dada é missão cumprida, e lá estava eu, no Fórum da Liberdade (um evento político-econômico-ideológico) para bater um papo com o sr. João Luiz Woerdenbag Filho, afim de tentar algo de inédito deste homem cheio de opinião. VOID: Você é um cara de muitos predicados: cantor, compositor, agitador cultural... e polêmico. Como você encara essa profissão de “ser polêmico” que as pessoas lhe atribuem? Lobão: É engraçado isso. Porque só é polêmico quem foge da linha de pensamento estabelecida. As pessoas transformam isso numa caricatura aqui no Brasil. Eu sou uma figura

24 / na PRIVADA


caricaturada por ser sincero, e isso é ofensa no nosso país. Aí tem aquela coisa de “ah, mas o Lobão isso, o Lobão aquilo...” Na verdade eu sou um doce de pessoa! VOID: Você falou há pouco na sua apresentação que a juventude brasileira está se infantilizando. Qual é a parcela de culpa da indústria musical neste processo? Lobão: Não existe culpado na indústria musical. Quer dizer, existe e não existe ao mesmo tempo, porque faz parte de um ciclo vicioso. Você tem o Estado que trata a população como babaca, você tem o sistema de ensino que não forma o pensamento crítico, que não ensina as pessoas a se expressarem... Aí por isso é que nós temos essa juventude apática, sem conteúdo, que não sabe discutir ideias, que consome porcaria... VOID: Falando nisso, nos últimos dias você atacou o pessoal do sertanejo universitário, o rock colorido... Qual seria a sua reação se um Luan Santana ou um Restart fosse num programa de visibilidade como o Faustão e cantasse “Me chama”? Lobão: Não, nada a ver... Eu falo deste pessoal que está no mainstream porque é o reflexo do povo brasileiro. É um agrobrega bonitinho pra agradar papai e mamãe, que vai contra aquela fase dos hormônios em ebulição. E a verdade tem que ser dita: é ruim, é muito ruim. Mas se um deles cantasse uma música minha, tudo bem. Eu já deixei até o Biquini Cavadão fazer isso nos anos 80, porque seria contra agora? (risos) VOID: Você ainda defende o rádio como potencializador de talentos... Lobão: Não é um potencializador de talentos, mas de visibilidade. Talento o artista já tem ou não tem. Tanto que existe muita gente aí sem talento e fazendo sucesso porque toca na rádio. O que eu defendo é que o pessoal do rock underground pare de focar só na internet e deixe de demonizar o rádio. Se eles querem realmente atingir o público e fazer sucesso, devem seguir o curso natural do processo, que começa na FM. Caso contrário, vão continuar no underground, enquanto os outros vão fazer sucesso. VOID: Mas mesmo assim, em pleno século XXI, quando a internet se destaca como meio de comunicação... Lobão: Não, cara. Não e não. O processo é assim e não vai mudar. O rádio nunca vai deixar de ser rádio, não vai perder lugar pra internet, continuará importante e ponto! Ponto! Ponto! VOID: OK... Mudando um pouco de assunto, você lançou agora sua biografia. Quando foi que aconteceu o “estalo” pra escrever o livro? Ou você esperou

completar 50 anos para fazer esse trocadilho na capa do livro? Lobão: Logo quando eu saí da cadeia eu queria escrever um livro. Mas aquele não era o momento. Aí, recentemente, quando cheguei em São Paulo, recebi o convite para escrever um livro, de poesia ou um romance. Aí eu vi que era a hora de colocar no papel a minha história. VOID: Durante o processo, teve algum episódio que você omitiu por achar forte demais ou inconveniente. Lobão: Com certeza. A minha preocupação era a de escrever um livro que fosse gostoso de ler. Eu me vi como um personagem de literatura, e procurei deixar este personagem interessante. Mais adiante nós vamos lançar a versão em e-book, que terá mais conteúdo que a edição impressa. VOID: Hoje você faz parte de um hall de músicos que lançaram suas auto-biografias, como o Ozzy Osbourne e o Keith Richards, inclusive ultrapassando este último em vendas nesta semana... Lobão: E o Ozzy também! VOID: ... Sim, o Ozzy também. Qual seria a diferença entre a sua biografia e a deles? O fato de você ter cheirado menos cocaína que eles ajuda a se lembrar de mais coisas do passado? Lobão (quase metendo uma porrada na mesa): Isso é abjeto! É um absurdo isso que você disse! Você não pode julgar um cara como o Keith Richards por causa das coisas que ele usou. É preconceituoso e minimalista! Olha só o Keith, o Ozzy, a idade que eles têm e o show foda que eles fazem ainda hoje! Sem falar em tantos outros ícones do rock, como o Jimi Hendrix, por exemplo! As pessoas deviam pagar imposto por caretice quando fossem ouvir alguma coisa do Hendrix! E se vacilar, a minha memória é muito melhor do que a tua. VOID: Disso eu não duvido. Mas voltando ao livro, está para sair um filme baseado nele, não? Lobão: Sim, já estamos bem adiantados com a produção. Não posso falar muito, mas já temos um roteiro, e agora estamos naquele processo de escolher os atores. Já tenho uma ideia de quem vai me interpretar, mas ainda não posso dizer quem é. Também estou trabalhando na trilha sonora. Ao mesmo tempo em que escrevia o livro, eu também compunha pra ele. Tenho duas músicas prontas gravadas durante o processo. Então em breve sai um disco com músicas feitas por causa do livro e que vão integrar a trilha do filme. VOID: Bom, Lobão, era isso. E agora? Lobão: Agora é festa, meu camarada!

25


BING, BANG

POR LISE BING

TRALHAS

DOG STYLE

HORA DA NANINHA

TIRA O PÉ DO CHÃO!

COOLER

Faça essa experiência: deixe alguém o dia todo trancado sozinho em casa, sem TV, música, internet e veja a reação dela. Com certeza não vai estar faceira e pulando de alegria quando você voltar. Mas um cachorro, sim. Por isso ele merece o Pet Gear: uma cadeira que permite total interação do seu melhor amigo à mesa. Será servido no jantar um suculento bife? Sem stress: a cadeira possui duas amarras que impedem o Rex de abocanhá-los. Adquira no www.top501.com.br

Os espanhóis que estão certos: uma siesta depois do almoço tem o seu valor. Pena que com o trânsito caótico, fica bem difícil se deslocar do trabalho pra casa. Então, pra tirar uma soninho, ou você usa o velho truque de abraçar a privada da firma (quem nunca fez isso?) ou usa a Cama Vertical. É só encaixar o suporte da cama numa grade do chão, colocar o fone de ouvido e os óculos que fazem parte do kit e puxar aquele ronco. GENIAL (NOT). Bora abraçar a privada mesmo.

Nerds raramente saem de casa e, quando o fazem, é para jogar GTA e Halo com outros nerds. São conhecidos pela sua intelectualidade e não pelo seu corpo atlético. Até agora. Chegou E-Rope, um carregador de bateria que é uma corda de pular. O designer Kyung Lee Guk, criador do gadget, afirma que basta 20 minutos de saltos para carregar totalmente a bateria – um baita exercício, principalmente para alguém que sempre mexeu só um músculo do corpo: do dedo indicador para clicar o mouse.

Galera reunida, descontração no ar, futebol na TV e cerveja na mão. O copo ficou vazio? Não pode, fica feio. Mais feio ainda é gritar pra mãe trazer a birita. Quer fazer bonito na frente dos amigos? Compre este cooler. Com capacidade para 12 latas, ele possui 4 rodas e se desloca para todos os lados por controle remoto. Parece um sonho: bebida ao seu alcance sem fazer nenhum esforço. Outra utilidade? Transportar seu sobrinho pentelho para longe de você. Por US$54 na Amazon.

CLICANDO SEM PARAR

THECHIVE

CHEGA DE DÚVIDAS

TWEETALARM

Não sei se eu concordo com o conceito do“provavelmente o melhor site do mundo”, mas que ele é muito bom e muito engraçado, isso é. Tem um pouco de tudo, vale à pena fuçar. thechive.com

Não sabe se vai ficar com a Maria ou com a Joana? Está em dúvida entre comida mexicana, japonesa ou mineira? Chega de tomar decisões! O site Randomiser faz essa árdua tarefa pra você. www.mathayward.com/randomiser

Quer saber o que andam falando sobre determinados assuntos no Twitter? Use o TweetAlarm. Você cadastra palavras-chaves e recebe no e-mail relatórios contendo os tuítes do assunto do seu interesse tweetalarm.com

WEB

O Fottus é um site que reúne o que anda rolando na internet de engraçado, bizarro e curioso. É só clicar em uma das milhares de imagens que você será direcionado para o assunto em questão. É uma fonte absurda de informação. http://fottus.com/

26


Š2011 Luxottica group. All rights reserved.

SAC 4003-8225


I SHOT MACUNAíMA

POR FABRIZIO BARON

Foi que num feio dia, no remoto vilarejo de Sucupira, apareceria uma dupla de reacionários muito chata. Nascidos com os pés invertidos, os irmãos Curupira CarryOn e Curryspiral Rebelo, virariam símbolos do atraso brasileiro. Fundadores do Partido Carcomido do Brasil, ocuparam cargos eletivos ajudados pelo voto obrigatório e o ranço anti-global. Ensinados a caminhar pra trás, conseguiram uma legião de seguidores e criariam as leis mais inúteis da história, sempre legislando em causa própria. Leis pra “proteger o folclore, a língua e a cultura de Sucupira da invasão yankee”. Leis que instituiram o “Dia do Saci”, exatamente no dia 31 de outubro, pra “combater” o mundialmente festejado Halloween.

CURUPIRA STRIKES AGAIN No início não existiam continentes. Só um imenso peidão cósmico, que demorou muito pra formar a Pangea. Daí as placas foram separando a terra e só depois surgiria a galera pioneira, que foi ficando de pé pra se espalhar e dominar cada canto da Terra. Por milhares de anos cada povo falava uma língua (o caos). Só quando os romanos difundiram o latim, que surgiria o 1º idioma globalizado. Sem acentos e com a fonte Times New Roman, o latim foi sinônimo de civilização, até a língua da revolução industrial, o inglês, impulsionar o mundo com uma avalanche inédita de progresso exponencial. Evolução da língua românica, o inglês também não precisou estragar nenhuma palavra com a sujeira da acentuação gráfica. É atualmente a língua mais avançada e que nunca parou de expandir o vocabulário, já que sempre respeitou estrangeirismos, incorporando praticamente intactas palavras externas, preservando as etimologias originais.

28

Mas foi recentemente que Mr. CarryOn (Sr. Coconut) realizou seu lifetime achievement. Recalcado desde o berço contra o progresso tecnológico e cultural dos países de língua inglesa, CarryOn, obviamente por causa de seu defeito congênito, conseguiu que a Assembleia Legislativa gaúcha aprovasse seu maior fecaloma: uma lei que basicamente pretende “orientar a maneira correta do povo se comunicar”, leia-se banir o uso de palavras e expressões estrangeiras. A aprovação gerou revolta, principalmente na parcela social que conhece, precisa e utiliza o inglês como língua corrente. Como toda lei que surge do nada e vai direto a votação, a Lei CarryOn é mais um exemplo da triste mania nacional de deixar sempre o debate pra depois da votação. É também mais um exemplo típico da famosa lei que não pega. Existe apenas pra consumir tempo, grana e paciência do contribuinte. Resta saber agora como agirá o Mr. Governator, publicamente favorável a causas perdidas como crer que “bandidos trocarão armas por gorjeta” ou insistir em abrigar terroristas foragidos de extrema esquerda em solo brasileiro. Vale lembrar que o que pode parecer uma bobagem, no caso o espanto causado por mais uma lei nonsense, é na verdade um grito de basta da parte progressista do país contra a parte macunaímica. Foram milhões de anos pra se chegar finalmente numa comunicação plena e global, não precisamos de curupiras pra emperrar o processo. Senhores do PCB, vocês é que são estrangeiros neste país, por favor voltem pra Sucupira imediatamente e nos deixem em paz.

CYBER TERRORISMO Aquela irritante minoria que explodia bancos e jogava molotov sob a pecha de “revolucionários” se perpetuou e agora faz o mesmo no mundo digital. No dia 20 de abril, uma das 3 maiores redes mundiais de gamers, a PSN Network, onde usuários de Playstation vivem a totalidade da experiência gamística (multiplayer, compra de conteúdo, atualizações, saves, trailers, demos, rede social, etc) foi alvo do maior cyber ataque da história. Nada menos que 77 milhões de contas foram invadidas, causando um shutdown de 3 semanas. Muita gente ficou revoltada com a Sony, mas o real enemy foi o grupo de hackers que tentavam desde o lançamento do console desbloquear o PS3. Como retaliação, a Sony promete banir da PSN todo e qualquer PS3 hackeado, tornando impossível qualquer atualização do sistema ou jogo online.

CORUJA TRANSFORMER Digita ‘japanese transforming owl’ no Youtube e olha que criaturinha incrível.


FWjheY_dWZehCWij[h

mbro

0 sete 3 , 5 2 , 4 23, 2 ubro 1 e 2 out

n ic a ic a e l e t r ô s ú m a , ã h a man o_ o it e à s 4 d n f ir a a p r o g r a m a ç ã n a d 0 1 s e a t, d a ck. Co n o , B r e a k b n t e d a C id a d e d o R o c e is K T , e s u o om: Franço c l u o S T r a n c e , H o e s p a ç o m a is v ib r a & y od i from Years of B r > > D im it r e h b t r 5 e 1 G > y > v a i s a c u d ir u o G n > >

o> D J V ib e > Le o Ja n ei r iz e > > L u c ia eve Aoki >> t > > M em ê > > > Boys No S > > to > ia at l n r g o e a B t i n s u >G ny Te > > In g r id Ferry Cor n c ef lo o r > yond >> Dan r o n th e D a e A f f a ir > > PPr o m o ç ã o v le > o > il L K o & > Ze Above & Be > s & e l w b er u R i. K > > Fl o o le M o u d a iv it > > H e r c nna >> DJ D Lo o p > > N ic e Danny Kr R o d r ig o Pe e P. A by > Li fe is a B r o w n Li v R at ie r > > > > R en at o a > > N a la ya m es a v r D el in Tw > > B o ss er > > Th e D J H a r v ey M a r y Za n d

l> e Claussel

LOCAIS DE VENDA DE INGRESSOS:

QUIOSQUES DE PRODUTOS OFICIAIS NOS SHOPPINGS: RIO SUL (PRIMEIRO PISO - ENTRADA LAURO SODRÉ), NOVA AMÉRICA (ENTRADA DA AV. MARTIN LUTHER KING) E BARRASHOPPING (NÍVEL LAGOA, MALL CENTRAL). AS 50 PRIMEIRAS PESSOAS QUE COMPRAREM INGRESSOS NOS QUIOSQUES G A N H A R Ã O U M B R I N D E E S P E C I A L . N A I N T E R N E T: R O C K I N R I O . C O M . B R - I N G R E S S O . C O M N Ã O S E R Á C O B R A DA TA X A D E C O N V E N I Ê N C I A PA R A O S I N G R E S S O S A D Q U I R I D O S O N L I N E .

P R E Ç O P R O M O C I O N A L AT É 3 1 / 0 5 : R $ 1 9 0 , 0 0 ( I N T E I R A ) . A P Ó S 0 1 / 0 6 : R $ 2 2 0 , 0 0 ( I N T E I R A ) . / C L A S S I F I C A Ç Ã O I N D I C AT I VA : L I V R E

BZY^V EVgicZgh

EVigdX^cVYdgZh

EVigdX^cVYdgZh >chi^ijX^dcV^h

C LIENTES I TAÚ TÊM 15% DE DESCONTO NA COMPRA DE INGRESSOS INTEIROS E PARCELAMENTO EM ATÉ 6X NOS CARTÕES I TAUCARD . P ARCELAMENTO EM ATÉ 4X NOS CARTÕES DE CRÉDITO , EXCETO A MERICAN E XPRESS , ACEITO EXCLUSIVAMENTE NA INTERNET .

rockinrio.com.br

Classificação indicaditiva: livre

P a r is > > Jo


Magma

TEXTOS E CURADORIA POR ANA FERRAZ E PEXÃO

CHRIS JOHANSON FORA DO PADRÃO

FZ NO ESQUEMA “Céu, Inferno e Outras Partes do Corpo” é o novo filme em animação do inquieto diretor e artista Rodrigo John que acaba de ser premiado no CineEsquemaNovo 2011 na categoria para melhor curta metragem, escolhido pelo júri popular. Segundo John, “É um filme sobre amor, sobre o fim do amor, sobre o amor pelo outro e principalmente por si mesmo, que faz um cachorro empreender uma jornada umbigo adentro enquanto o mundo acaba.” Não tem erro: o aval de um festival foda, o trabalho de um diretor visionário e ainda com a direção de arte e cenários originais de Fabio Zimbres, artista maudito, curador obscuro e CEO da Edições Tonto. Para comemorar, convidamos Zimbres para mostrar um trabalho inédito na página seguinte do MAGMA, um desenho saído de uma série fresquinha envolvendo experimentações com fotografia.

Chris Johanson, um dos artistas contemporâneos mais celebrados a emergir dos cenários do skate e da arte independente californiana, é conhecido por recusar projetos comerciais. Mas aparentemente fez sentido para ele colocar seus desenhos especialmente toscos em uma série de caixas de fósforos da rede de hotéis de luxo The Standard (O Padrão), com uma arte diferente para cada local em que a rede opera: Miami, Los Angeles, Nova York e Hollywood. Mais que isso, ele também desenhou a estampa de um cobertor (!?) exclusivo para os quartos. A coisa começa a fazer sentido quando você descobre que Geoff McFetridge fez os lençóis, Kaws fez as lâmpadas e Ryan McGiness os baralhos das salas de jogos. O The Standard ainda lança coletâneas de música regularmente, edita livros de arte e faz exposições. Definitivamente fora do padrão.

BRUNO 9LI MÚLTIPLO

LOYAL

Você já deve ter ouvido falar das habilidades estranhas de Bruno 9li, artista que iniciou sua carreira em Porto Alegre e atualmente reside em São Paulo. Por exemplo, através do desenho ou da pintura, ele materializa símios alienígenas, cria portais para outros mundos e influencia toda uma geração de artistas a serem detalhistas e mergulharem em temáticas ocultas. Seu mais novo feito misterioso é uma (1) exposição que acontece em dois (2) países ao mesmo tempo. Entre os meses de agosto e julho, as galerias Fita Tape (Porto Alegre - Brasil) e l /_ (Buenos Aires - Argentina), apresentam a exposição ATRA, uma nova individual de 9li. A física quântica pode ajudar a entender esse artista, mas vale adiantar que ATRA é composta por 20 serigrafias impressas com tinta branca sobre papel algodão negro, que também entram em um livro/box gigante com tiragem super limitada.

A cidade de Mälmo, na Suécia, costuma estar no radar do MAGMA por ser a terra do skatista, artista e videomaker Pontus Alv (se você não conhece, procure o vídeo “The Strongest of the Strange” pra começar). É claro que uma cidade habitada por esse maníaco tinha que ter outros pontos fortes, e um bom exemplo disso é a galeria e revista LOYAL. Inaugurando em 2005 com uma individual do maligno Chris Lindig, a galeria seguiu apavorando com expos de nomes que merecem uma busca na internet, como Misaki Kawai e Eddie Martinez, além de mostras coletivas capazes de conectar artistas visuais de diversas gerações e países, como a brilhante Mutant Pop, de 2010. Quanto à revista, ela expande a temática das exposições e amplia o alcance da galeria para além da Suécia, sendo distribuída por algumas livrarias especializadas e até pela Rough Trade, a notória loja de discos independentes inglesa. Mais uma bela encrenca para conseguir botar as mãos, como boa parte das melhores publicações de arte.

Info: www.standardculture.com Info: www.cineesquemanovo.org

Info: www.bruno9li.com Info: www.galleriloyal.com

30


CONVIDADO: Fabio Zimbres INFO: www.fzimbres.com.br

Merece essa pรกgina? void@avoid.com.br

31


POLITICAMENTE INCORRETO POR PIERO BARCELLOS

32

FOTOS MAURICIO CAPELLARI


UM JUDEU, UM NEGRO, UM ANÃO, UM GAGO, UM CEGUINHO, UM GAY, UMA LOIRA E UM PORTUGUÊS ENTRARAM NO ESCRITÓRIO DE UM ADVOGADO PARA PROCESSAR O HUMORISTA. FIM DA PIADA. DE UMA HORA PRA OUTRA O SIMPLES ATO DE RIRMOS DE NÓS MESMOS (E DOS OUTROS) FOI SUMARIAMENTE CENSURADO DA TV. E O QUE AINDA NÃO FOI, RECEBE ATAQUES CADA VEZ MAIS DUROS DE SETORES CONSERVADORES E RADICAIS DA SOCIEDADE, LIGADOS À POLÍTICA, RELIGIÃO, PROTEÇÃO AOS ANIMAIS, DEFESA DOS DIREITOS HUMANOS E FÃS DO MARCELO CAMELO.

Pare e pense como o mundo ficou mais chato nos últimos anos. O altruísmo global é tão grande que todo mundo está preocupado com alguma causa. Olhe para o lado: você certamente tem algum amigo vegano que caga como um cabrito e se ofende quando alguém almoça um bife suculento. Tem também aquele que não pode ver uma pessoa bronzeando os pulmões com tabaco para dizer que aquilo causa câncer. Ou ainda o engajado político/ social que adora uma passeata e faz pose pra foto no jornal fazendo o sinal da paz, e se irrita porque você vai pra baladinha todo findi ao invés de usar seu tempo para servir sopa para os pobres. Pior que isso, só os fãs do “rock colorido”, que pregam o amor em música e gestos de S2 coraçãozinho. E o meu (e o seu) direito de ser politicamente incorreto, onde fica? Por que eu não posso rir da situação econômica dos outros? Ou achar graça das diferenças que a sociedade cria em cima da cor de pele ou do sexo? Qual o problema em fazer uma piada com religião? São assuntos sérios, mas que possuem alto grau de zoação, porque fazem parte do cotidiano. Além de tudo, possuem o estigma de serem intocáveis – é o mesmo que dizer pra criança não meter o dedo na tomada. Ninguém pensa na piada como fator que colabora na inclusão social – além de evitar males como úlcera, bullying e tratamentos caros com psicólogos. Este mundo criado a leite com pêra e Ovomaltine está afetando diretamente a forma de fazer rir no principal meio de comunicação de massa: a TV. Os programas de humor são campeões nos índices de reclamações das emissoras e no congresso, e não raro sofrem mudanças na estrutura, no horário e no roteiro. Tudo por que a milícia do politicamente correto acha uma piada feia, chata e boba.

33


PODER PARA O POVO POBRE “Chegou ao ponto em que você não pode fazer uma piada de anão que aparece o sindicato dos anões e mete um processo. Se fizer uma piada de manco, chega o sindicato dos pernetas” diz Marcelo Madureira, um dos integrantes do Casseta & Planeta, programa que recentemente entrou em recesso para uma reformulação. O grupo tem mais de 20 anos na TV e estava perdendo em qualidade e em liberdade criativa. Basta lembrar que os “cassetas” foram responsáveis pela TV Pirata, um dos poucos humorísticos que fazia jus ao nome. Então se você foi parido nos anos 90 e diz que o grupo carioca é uma merda, devia repensar seus conceitos ou, no mínimo, fazer um search no Youtube – lugar que só é censurado por subcelebridades que trepam no mar e olhe lá.

MUNDINHO IMPERFEITO Marcelo Tas, que em 1984 já fazia na TV um esboço do que hoje é o CQC, também é vitima da censura do politicamente correto. O programa que mistura jornalismo com humor é alvo de processos e de críticas, principalmente da classe política, que se sente ofendida pelas abordagens agressivas dos repórteres. “A realidade é muito complexa, e só o humor consegue encarar este cenário, dando o distanciamento possível para tratar o assunto com a ironia e o humor que merece”, comenta.

Pra você, leitor baiano que está numa leseira pra ligar o computador, dizemos que os três vídeos mais vistos da TV Pirata somam cerca de 1,2 milhão de visualizações no Youtube. Os temas abordados satirizam o preconceito racial e homofóbico (em um dos quadros, a família se irritava com a decisão do filho em se assumir como negro. Detalhe: a família era toda de negros), além de esculachar com a macheza exacerbada e violência à mulher. Em tempos de Lei Maria da Penha, bastaria cinco minutos de programa pra entupir a TV Globo de processos.

Sobre a onda do politicamente correto, é categórico: “É um mal da nossa era. É uma espécie de vírus que nós temos que tomar muito cuidado pra não tornar o mundo um lugar ‘photoshopado’, blindado. As pessoas gostam de viver num ambiente controlado para que não haja nenhum imprevisto, nenhum choque de ideias. É muito perigosa essa cultura de se viver apenas em shoppings, em condomínios fechados, só falando de coisas sensatas. O ser humano é imperfeito, e a gente tem que mostrar este lado também”.

“Dentro do período de redemocratização do país, há pouco mais de 20 anos, teve um momento em que surgiram vários movimentos de humor, provocado pela própria sede de liberdade depois de tanto tempo sob um regime autoritário. Foi um momento muito criativo da história”, explica Madureira. Um dos aspectos que ele aborda é a ascensão econômica das classes C, D e E no país, somada ao interesse das empresas em atingir este público. “Hoje os anunciantes estão preocupados em atingir este grupo de pessoas. O problema é que a visão que os investidores possuem é que este público tem uma série de características, como falta de oportunidades, valores conservadores e um nível intelectual não tão satisfatório. Por isso não podemos falar nada que possa agredir estas pessoas, ou que não seja do conhecimento delas”, conta.

Por andar na corda-bamba do jornalismo e do humor, o programa é cobrado mais pelo compromisso do primeiro. Na sua ficha criminal constam processos de políticos e artistas que se sentiram ofendidos com algum comentário. Basta lembrar que o programa já foi ao ar gravado para evitar novos processos. Durante as últimas eleições, foram censurados pela lei que impedia qualquer tipo de piada com aqueles que concorriam aos cargos públicos. Sem falar nos processos que cada um dos integrantes possui no lombo por conta de uma ou outra piadinha. Danilo Gentili e Rafinha Bastos foram alvos da patrulha do politicamente correto: o primeiro fez uma piada envolvendo judeus e Auschwitz, e o segundo disse que mulher feia não devia reclamar quando fosse estuprada. Confesse: você acabou de soltar um risinho no canto da boca, não é?.

34


35


DE VOLTA AO PASSADO NOS ANOS 80 NÃO HAVIA INTERNET, TINHA INFLAÇÃO E AS PESSOAS SE VESTIAM COMO FIGURANTES DO BLADE RUNNER. AO MENOS PODÍAMOS RIR SEM SER CHAMADOS DE PRECONCEITUOSOS.

PERÍODO

ANOS 80/90

ANOS 00/10

PROGRAMAS INFANTIS

Os Trapalhões tinham os estereótipos do negro pinguço e da bicha enrustida. Angélica recebeu a banda de rock gaúcho Cascavelettes no seu programa, que cantaram “Eu quis comer você”, fazendo a criançada dançar adoidado. Bozo cheirava cocaína.

Adolescentes passam lições de civilidade na TV Globinho. Crianças ligam pro programa da Maísa para participar de brincadeiras toscas e ganhar um Playstation.

HORÁRIO NOBRE DE TERÇA-FEIRA NA GLOBO

TV Pirata fazia aquilo que tinha potencial de ser o nosso Saturday Night Live: humor irreverente, nonsense e tocando na ferida. Casseta e Planeta abordava temas como maconha sem ser acusado de apologia à droga.

Casseta e Planeta se resumiu a fazer paródia das novelas e a cair no humor de bordão. Agora o horário do programa foi substituído por alguma série de TV genérica.

SÁBADO DA DESGRAÇA (POIS FICAR SÁBADO À NOITE EM CASA É UMA DESGRAÇA)

Chico Anísio e Jô Soares faziam o típico humor de bordão, mas com crítica social forte. Em compensação, A Praça É Nossa era aquilo que a gente já sabe como é.

Ficar em casa e ver Zorra Total tornou-se sinônimo de depressão aguda. E A Praça É Nossa conseguiu uma proeza: ficou pior ainda.

STAND-UP COMEDY

Ninguém sabia o que era e todo mundo era feliz.

Figura no hall de profissões hype do século XXI, como DJ, designer e fotógrafo.

36


PASTEURIZARAM O MUNDO Ou “como a merda do politicamente correto está fodendo o mundo”. - Animies japoneses contém alto índice de sangue e violência e são voltados para crianças e adolescentes. Nos EUA e no Brasil, são feitas edições a fim de eliminar as cenas mais “fortes”. A maior prova que isso não afeta psicologicamente as pessoas é que o Japão é um dos países mais civilizados do mundo. Já aqui, onde os jovens maneiros assistem “Malhação”... - Nos EUA, desenhos clássicos como Os Flinstones e Tom & Jerry sofreram cortes para tirar cenas de personagens que apareciam fumando ou bebendo até ficar de porre. - Uma lei tentou barrar o livre exercício do humor com políticos durante o período de eleições em 2010. A intenção era evitar a zoação em cima dos candidatos para que isso não prejudicasse a arrecadação de votos. O Horário Eleitoral Gratuito acabou ficando sozinho com as melhores piadas prontas da época, roubando a audiência dos humorísticos. - Programas como CQC e Pânico na TV são constantemente alvos de processos por grupos da sociedade que se ofendem com situações tidas como preconceituosas, machistas, ou de agressividade gratuita. Políticos reclamam de bullying, e senhorinhas reclamam de baixaria. Bom mesmo é repetir bordão do Zorra Total.

SOBROU ATÉ PRA GENTE Nem sempre a fina arte do humor é compreendida. Nós sabemos bem como é isso. - Em 2009, na véspera do show do Oasis, fizemos uma brincadeirinha de primeiro de abril no nosso site, dizendo que o show não aconteceria. Conseguimos a ira dos fãs e da produtora do show, e tivemos que deixar uma nota de esclarecimento na página inicial durante um dia inteiro. Nem no dia dos bobos podemos brincar mais. - No mesmo ano, o Oasis voltou a nos dar problemas. Uma nota no “Na Privada” intitulada “Porrada na bicha inglesa” falava sobre o incidente em que um fã da banda subiu ao palco e derrubou um dos irmãos Gallagher na mão. Um grupo de defensores dos direitos homossexuais achou que estávamos incentivando a violência contra o gênero, e bem... Lá fomos nós ver o doutor Juiz. - Em outubro de 2009 lançamos a edição #053 da revista, cuja matéria principal era sobre um baile de debutantes que aconteceria em Sobradinho, cidade interiorana do Rio Grande do Sul. Infelizmente a população da cidade não compartilhou do nosso jeito peculiar de ver o mundo. Recebemos carta do prefeito e uma “moção de repúdio” da Câmara dos Vereadores, sem falar nas inúmeras ameaças que vieram por e-mail e nos comentários da matéria. - Os defensores dos animais também não entenderam a piada quando, na edição #057 (março de 2010) fizemos uma matéria sobre zoofilia, ensinando as pessoas como dar e obter prazer através dos bichinhos de estimação. Os absurdos que escrevemos (como sexo com golfinhos, por exemplo) só não foram maiores do que a enxurrada de e-mails que recebemos, que iam de ameaças de morte até fotos de animais violentados nas ruas. Foram dias longos aqueles...

37


NA ESTICA

POR GABRIELA MO

CURTIR NO FACEBOOK A Rede Social não levou a estatueta de melhor filme para casa, mas sacudiu as ações do Facebook e influenciou até na moda. A Ecko Unltd que entrou de gaiata no navio e usou as mídias sociais como inspiração para sua nova coleção. A última campanha da marca brinca com frases já clássicas do Facebook para complementar as fotos de divulgação. Será que a galera vai Curtir? As imagens até que ficaram engraçadinhas. As roupas seguem a linha esportiva e casual da marca.

38

DE GATINHA

TIME DA CASA

Que um óculos presença faz diferença na composição de um look, ninguém pode negar. Principalmente se ele não for um Wayfarer colorido. Alguém ainda aguenta esse modelo?

Mais do que uma marca, a Homegrown possui a proposta de unir loja com galeria de arte e musica independente tudo em um mesmo espaço, sempre com o intuito de promover a autenticidade.

Para este o inverno, nada vai ser mais legal do que combinar sobreposições de casacos, mantas com, é claro, um óculos de sol sofisticado! A dica é investir nas novidades. Com um design retrô, mas com linhas modernas, a Evoke acaba de lançar um modelo para gata nenhuma botar defeito: o DejaVu CatStyle, desenterrado dos anos 50 pelo design, mas moderno pelo seu material e acabamento. Já o Strata, um pouco mais discreto nas linhas, tem personalidade, com lentes gradientes e geometria.

Para celebrar a originalidade, a marca três-em-um juntou artistas e designers para criar a linha Let it grow, com peças exclusivas e criativas. Marcelo Ment, Leo Uzai, Vagner do Nascimento, Bragga, Mateu Velasco, Bruno Big, Paulo Emílio e Rogerio Fires colaboraram na criação de estampas exclusivas impressas nas roupas da Homegrown. Quem não conhece o trabalho desse time, pode conferir no Youtube (http://www.youtube.com/user/homegrownrio) uma série de entrevistas promovidas com os caras. Info: www.homegrownrio.blogspot.com


MODA SUSTENTÁVEL SABE AQUELE CASAQUINHO QUE VOCÊ COMPROU HÁ DOIS INVERNOS E NUNCA USOU UMA VEZ SEQUER? OU AQUELA BERMUDA JEANS COM A LATERAL BORDADA, LÁ DO TEMPO DO “EPA”, QUE VOCÊ ACHA QUE PODE QUERER VESTIR DE NOVO? AFINAL, A QUEM VOCÊ QUER ENGANAR? TANTO O CASACO QUANTO A BERMUDA VÃO FICAR SOCADAS NO FUNDO DO ARMÁRIO POR MAIS UMAS ESTAÇÕES.

Fato: Todo mundo tem uma peça que já fede à naftalina e eventuais impulsos consumistas que lotam as prateleiras de inutilidades. Mas manter um closet atrolhado ou se apegar à velharia, convenhamos, é brega. O melhor a se fazer hoje em dia é passar adiante tudo aquilo que você não gosta mais ou nem pegou para experimentar no último ano. Inclusive a galocha tigrada adquirida em liquidação. Obs.: A gente só perdoa se você quiser manter a bolsinha Chanel herdada da sua bisavó.

Camiseta branca customizada

Canguru cinza

Pela camiseta branca você já esperava. O legal é têla customizada com a sua cara. Desenhos, listras, bolinhas, aplicações, bordados, rasgões... Sai barato e é mais exclusivo do que comprado em butique. E você sempre pode mudá-la quando quiser.

Esse vale só para quebrar o gelo, pode ser usado sobre a camiseta customizada, sob a jaqueta ou combinado com a calça. Reserve o terno preto e fúnebre para o seu enterro.

Calça colorida

Acessórios

Há quem diga que o colorido é o novo preto. E está mais do que na hora de mostrar que a peça fica bem melhor em você do que em um cantor hermafrodita de 17 anos. Também não precisa dispensar o “blue jeans”, a calça azul mais usada do mundo.

Use e abuse. Anéis, lenços, echarpes, óculos, chapéus, bolsas, mochilas, relógios. Todas as cores e estampas. Combinar é não combinar – e vale para ambos os sexos.

A clássica lista de itens fundamentais pode ser bem útil, ainda mais se ela for atualizada. Selecionamos aquilo que pode ser usado por bastante tempo. O resto é, literalmente, acessório!

Jaqueta de couro (fake) Pode ser marrom, só não pode ter tachas (quem ainda não enjoou de spikes, precisa rever seus conceitos). E não precisa ser de couro também, pode ser imitação, muito mais em conta e politicamente correto. Se for vermelha, então, sucesso garantido – ela é a cobiça desse inverno e é curinga para estilizar um visual básico. A boa notícia é que o material pode ser tingido – é só levar na sapataria.

39


CUSTOMIZO, REFORMO, PINTO

Com um armário básico, não é preciso ir ao shopping com tanta freqüência. A moda sustentável é a gripe suína do momento. Além de fazer escolhas conscientes, apoiando marcas com preocupação ecológica, os mais ligados ensinam maneiras de reaproveitar com atitude e não esbanjar na hora das compras. Viu? Não somos só nós, da Void, que estamos nessa campanha troque-seu-guarda-roupasjurássico-por uma-arara-super-cool. Six items or less De uma experiência entre amigas a um movimento global questionando o poder daquilo que você NÃO usa. Isso mesmo. Um desafio em que o participante escolhe seis (ou menos) itens para utilizar durante um mês. http://sixitemsorless.com/ Um ano sem Zara A publicitária de codinome Jojo fica 365 dias sem comprar absolutamente nada! Bom para se inspirar em variações. http://umanosemzara.blogspot.com/ Doze para um A aventureira Pati Cuozzo foi para a Austrália com 12 peças de roupa para passar um mês. E registrou seu look book num diário virtual. http://dozeparaum.wordpress.com/

40 / na estica

QUE VENHAM OS 90 Se os anos 90 são nostálgicos, sinal de que você está ficando velho. A New Balance, marca febre daquela década, está relançando um clássico aqui no Brasil. O tênis 1500, original de 1993 e divulgado na época como “o mais próximo a um calçado perfeito de corrida”, ganhou revival em cinza pela bagatela de R$449. Se o design noventista não te convence, então fique sabendo que o jornal New York Times considerou o 1500 como a principal tendência da temporada de outono/inverno americana, e a marca ainda recebeu o prêmio da Outside Magazine de melhor tênis. Então está mais do que na hora de adotar o seu para usar na academia, nas festinhas, nos passeios... O mais legal desse calçado é que, em algumas fábricas da grife, ele é produzido à mão, um por um, por uma equipe que se mantém desde a criação da New Balance, o que garante a autenticidade do produto. E quem diria que a New Balance foi fundada por um garçon hypster e visionário lá em 1906? Mal sabia ele que o sucesso de sua empreitada duraria mais de um século!


1

ěŊ#3+'#Ŋ#.-

1

ěŊ'3ĹŠÄ?ćČ2ĹŠ+..* 1

ěŊ'.1ĔŊ#8,1

ěŊ.,(-31(7

1

ěŊ(%Q.Ŋ 4/+4-

ěŊ (7Ŋ"#Ŋ3#73412 1

ěŊ (2341Ŋ .Ŋ 1

2

ěŊ (!1.22(ŊŊ,(!1. .+2 1

1

ěŊ+.1Ŋ"#Ŋ(-5#1-.

1

1

ěŊ*(--8Ŋ%14-%# 1

1

ěŊ .5#Ŋ #3'#1

1

ěŊ(-341" 1

1

1

ěŊŊ,Ŋ"#Ŋ$#11. 1

1

POR Denise Rosa FOTOS 1 Gabriela Mo 2 Pablo Vaz ěŊŊ (5#Ŋ3'.2#Ŋ"82Ŋ3.-(%'3

42 / na estica

ěŊ."2Ŋ04#1#,Ŋ/#+.2

ěŊ1-!.Ŋ$4-!(.-

ěŊ.Ŋ+W.

ěŊ Arrastão e short


AUTO FOTOGRAFIA MARTIN CASTILLO MORALES ENTREVISTA POR PEDRO DAMASIO

Nos meses que antecedem o verão, quando os dias vão se tornando mais longos e as roupas mais curtas, um outro fenômeno físico e antropológico nos deixa igualmente empolgados. É nesse período que nossas caixas de email começam a transbordar fotografias que chegam visando as páginas da Void Foto. Na edição de 2011, uma das que mais se destacou foi produzida pelo venezuelano Martin Castillo Morales. E agradou tanto por aqui, que não nos demos por satisfeitos e fomos atrás de mais fotos e informações sobre o cara. Cá está.


Nos seus créditos, aparece Argentina/Venezuela. Você divide a sua vida entre esses dois países? Nasci na Venezuela em 3 de junho de 1976 e lá passei a maior parte da minha vida, mas desde 7 de fevereiro de 2007 vivo na Argentina. Quanto aos créditos, normalmente me colocam como de um país ou de outro, às vezes dos dois, dependendo do gosto de quem escreve! Na realidade, minha vida está na Argentina, mas estou sempre em contato, ainda que cada vez menos, com a Venezuela. Você foi uma das gratas surpresas da Void Foto 2011. Como ficou sabendo da nossa existência? Fico muito feliz que me considerem uma grata surpresa, obrigado. Soube da existência da revista porque minha amiga venezuelana Jessica Rodríguez García, que vive há tempos no Rio de Janeiro, me encaminhou o convite para a Void Foto 2011, que por sua vez havia sido enviado a ela por um contato chamado João Luis. João Luis Pirikito Sem Asa, o Rei de Niterói! Infalível como sempre...

E o que você achou do desempenho dos hermanos brasileiros? Algum deles poderia sobreviver de fotografia na Argentina? Vi bastante humor nas fotografias publicadas. Não sei se é uma característica comum na fotografia brasileira, sobre a qual conheço quase nada, ou se formou por conta do critério de seleção para essa edição da revista. Com respeito a sobreviver de fotografia na Argentina, o dia que eu chegar lá eu aviso vocês e até passo a receita! Mas por enquanto sigo tentando, porque existe muita competição por aqui, imagino que no Brasil seja pior. Na série “Mantenimiento”, é você que aparece realizando as tarefas domésticas ao lado de mulheres nuas, certo? Exatamente. “Mantenimiento” é uma série de autoretratos na minha casa onde apareço encarregado de distintas tarefas domésticas diante da presença, imaginária ou real, de uma mulher nua e relaxada enquanto eu faço o trabalho.

De onde surgiu essa idéia? E por que se colocar como um personagem nas fotos? Eu trabalho muito com autoretrato, gosto de abordar o tema autoreferencial na fotografia de uma forma mais direta, sem buscar tanta metáfora ou “poesia” em outras coisas para falar de si mesmo. “Mantenimiento” está conectada com outros trabalhos anteriores de autoretratos na minha casa, sobretudo com um chamado “Rutinas”, de onde acredito que tenha nascido diretamente. As imagens dessa série representam situações da minha vida de casal, quando a relação acabou, acabaram-se também as fotos. Comecei de novo uma vida de solteiro, voltei a viver sozinho, a me encarregar completamente da minha casa e a pensar – sem peso na consciência – em outras mulheres. Ou talvez a sentir falta de uma companhia... Foi daí que surgiu “Mantenimiento”.

45


E sobre uma outra série de fotos sua chamada “Webcam”? “Webcam” é uma ramificação de “Diseño Interior”, que é uma série de retratos com meninas nuas em suas casas. É o resultado do modo como consegui solucionar o problema de fotografar meninas que estão distantes, em outras cidades ou países. O tema é praticamente o mesmo de “Diseño Interior”, mas ao utilizar internet, Skype e webcam como ferramentas para fazer a foto, entraram na proposta outros fatores estéticos, como a “má” qualidade da imagem oferecida pelas câmeras, e conceituais, como a abordagem dessa nova forma com que as pessoas estão se relacionando: através do computador. Como foi pra dirigir essas imagens? As locações das fotos são as casas das próprias modelos, normalmente seus quartos, porém em alguns casos usamos o banheiro, a sala ou a cozinha. Antes de fazer a foto, a menina me mostra pela webcam os espaços disponíveis e eu, de acordo com a luz e os elementos que vejo, decido onde fazemos. As poses buscamos juntos, primeiro dou à modelo a liberdade de posicionar-se como se sente mais cômoda e a partir daí vamos testando opções diferentes, sugeridas por mim ou por ela. Minha idéia é conseguir uma aproximação e estabelecer

46

uma certa cumplicidade com a modelo, e que isso possa ser percebido na foto. Alguma dica de como convencer uma mulher a tirar a roupa em frente à câmera? Isso pode ser muito útil pros nossos leitores. Como na vida diária, cada um tem suas técnicas de sedução. O que você faz para convencer um menina a sair com você? A proposta de ficar nua em frente a uma câmera chama a atenção da maioria das mulheres, mas muito poucas se atrevem a fazer isso. O segredo está em: quanto mais mulheres você convidar para fotografar, mais possibilidades terá de encontrar essas poucas que se atrevem. Nus femininos são o seu principal interesse na fotografia? O nu feminino chama minha atenção principalmente pela minha condição de homem, em segundo lugar como consumidor de imagens e, por último, como produtor de fotografias. Junto com o autoretrato e tudo mais que se possa expressar com esses dois gêneros, é o que desperta em mim mais interesse atualmente na fotografia.

E onde podemos conferir um pouco mais do que você faz? Reúno quase todo meu trabalho na minha página no Flickr: www.flickr.com/martinchateau Também estou fazendo uma na nova rede social da escola de fotografia onde estudei em Madri: www.efti.org/usuarios/ martin-castillo-morales Tenho um blog, sempre desatualizado, onde desenvolvo um pequeno dicionário pessoal de fotógrafos: meestanestresando. blogspot.com Em Buenos Aires, sou representado por duas galerias com as quais também se pode entrar em contato: Pabellón 4 (www. pabellon4.com) e Studio 488 (studio488.wordpress.com) E, bom, no Facebook, mas ali não publico mais nus porque já me fecharam uma conta por causa disso: www.facebook.com/ pages/Martin-Castillo-Morales/179613631187 Gostaria de recomendar o trabalho de outros fotógrafos da Argentina? Lola García Garrido: www.lolagarciagarrido.com Nico Hardy: nicohardy.com Nicola Costantino: www.nicolacostantino.com.ar Sebastián Friedman: www.sebastianfriedman.com


47


48


49


50


51


dona danada A ENTREVISTA A SEGUIR ACONTECEU EM BELÉM, NO PARÁ, DOIS DIAS DEPOIS QUE VI NO PALCO DO SE RASGUM, FESTIVAL PONTA FIRME DE ROCK E SONS DO NORTE, UMA MULHER CANTANDO UMA MÚSICA COM A LETRA SAFADA ASSIM: “VOCÊ ME LEVA À LOUCURA QUANDO VOCÊ ME BEIJA COM ESSE CORPO SUADO E ESSA BOCA COM SABOR DE CERVEJA”. IONETE DA SILVEIRA GAMA (OU SÓ ONETE) CANTAVA CARIMBÓ, RITMO TÍPICO E RESPEITADO DO PARÁ, COM TAMBORES E INSTRUMENTOS DE SOPRO.

POR SABRINA DURAN FOTOS RENATO REIS

53


bregas bonitos, eu dançava muito, aí eu beijava, dançava, era assim, era a felicidade. Aí eu ia pra casa, escovava o dente, tomava leite, dormia e pronto.

- E foi, dona Onete? - Pois foi, minha filha.

Se você acha que o som era um desses hits chiclete com tecladinho e sintetizador, que a cantora tinha uns vinte e poucos anos, vestia shortinho piriguete de mostrar a polpa da bunda e chacoalhava o silicone pra galera, pode quebrar esse estereótipo em 37 mil pedaços. Ela usava um vestido rodado branco, todo comportado e estampado com flores vermelhas; dançava com discrição, remexendo de leve a cintura, e tinha, veja só, quase 70 anos, alguns a menos do que minha avó, o que dava, sem dúvida, todo o peso e moral pras entrelinhas úmidas das letras. Dona Onete é uma das mais importantes cantoras e compositoras de carimbó do Pará. Nasceu em Cachoeira do Arari, noroeste do Estado, canta desde os 11 anos de idade, nunca gravou um CD, embora já tenha feito centenas de shows pelo Brasil – solo e acompanhada por figurões; compôs mais de 400 canções, letra e melodia, sem saber tocar nenhum instrumento. Foi militante pau-pra-toda-obra do PT na década de 80, participava de encontros nacionais da CUT (Central Única dos Trabalhadores), brigava, cantava nas festas do partido e deixava os homens babando por sua voz e presença – dizem até que ela dançou cheek–to-cheek com Fidel Castro num desses encontros.

54

Durante o show, pirei quando ouvi aquela primeira letra. Fiquei imaginando dona Nair, minha avó, no lugar de Dona Onete. Respeitaria ainda mais a velhinha. Dona Onete cantava acreditando na letra, acreditando naquele erotismo caboclo de corpo suado, gosto de cerveja e tal não como um lance pontual na vida, mas como parte essencial dela. Sem safadeza o amor não sobrevive, era o que ela parecia dizer. Na segunda música, fiquei de cara ao ver a molecada com menos de 30 anos se acabando de cantar as letras de cor e continuei pirando enquanto ouvia as outras canções que, em sua maioria, iam pelo mesmo caminho da primeira. No fim da apresentação, fui pedir uma entrevista com Dona Onete porque, certeza, ela teria algo importante para me dizer sobre o amor e a safadeza da humanidade. E ela disse. Anota aí: pra curar os males do amor e do sexo burocrático dessa vida cada vez mais asséptica e chata, com gosto de Listerine e cara sem graça de virilha cavada, a solução é suor, birita e mandinga paraense. Sabrina_ Suas letras são meio sensuais, né, Dona Onete? Dona Onete_ No meu show eu digo: olha, gente, essa música é pra beijar na boca. Existe coisa melhor? Eu já fiz muito isso. A Ivete Sangalo canta isso agora, mas eu já beijava há muito tempo (risos). Tocava esses

Sabrina_ Então a senhora já viveu todas essas coisas que canta? Dona Onete_ Muitas das coisas sim, outras são histórias de amigas minhas. Eu só canto coisa de vivência. Sabrina_ A senhora gosta de beijo com gosto de cerveja? Dona Onete: Quem valoriza um copo de cerveja? Um motorista me ouviu ensaiando e disse: Dona Onete, eu vou dizer pra minha mulher “tu briga porque eu bebo cerveja, mas a Dona Onete diz que a boca cheirando a cerveja é que é bom”. Sabrina_ Gosto de cerveja na boca de homem é bom? Dona Onete_ Tem beijos de vários sabores, né? Pode ter gosto de café, de goiaba, de manga. O beijo com gosto de cerveja ajuda muito, desde que não seja exagerado. Todo mundo enfeita uma cama pra ter uma relação (sexual), acha que uma cama de cetim, não sei o que lá, é bom, que vai ajudar, mas nada disso resolve (a melhorar o sexo). Sabrina_ O que resolve? Dona Onete_ É o desejo. Se o homem te desejar e você desejar o homem, acontece em qualquer lugar. Sabrina_ Em qualquer lugar? Dona Onete_ Qualquer um. Não vê na música “Paixão Cabocla” (na música, Onete canta que deseja o homem no chão, na rede, na canoa)? O caboclo não tem isso, não tem cama de cetim, nada. É na cama, no chão, rio, no igarapé, sei lá por onde. Aí acabou, tá ali, os dois tão vivos, tá ótimo.


“AÍ QUANDO A MULHER VAI EMBORA COM UM BANDIDÃO, UM DESOCUPADO QUE TAVA DE OLHO NELA, O HOMEM PERGUNTA: ONDE FOI QUE EU ERREI?”


32


Sabrina_ Tem que ser bem natural, né? Dona Onete_ Rola melhor com o gosto do seu suor, com o suor dele. Já pensou você, pra ter uma relação com o teu marido tem que ir tomar banho, passar isso e aquilo no corpo? Isso nem resolve, ele nem tá sabendo que você passou isso. Ele tá é interessado em outra coisa, é o instinto animal, é o cheiro do suor. Amor é pele, meu bem. E a fala macia, com carinho, sem gritar.

Sabrina_ Por quê? Dona Onete_ Ele me dava tudo, carro na porta, como na música da Dalva de Oliveira que diz “não é só casa e comida que prende por toda a vida o coração de uma mulher”. É um verso, né? Mas é um verso que eu tenho vivência. Eu cantava naquela época. Eu ia pra janela, ia ariar as panelas e colheres cantando coisas lindas. E meu

amigos do que à própria mulher... Sabrina_ Amigo às vezes enche, né? Dona Onete_ Às vezes você tá num momento gostoso com teu namorado, de ficar juntos, de conversar... Tua mulher tá fazendo uma comida pra vocês, aí vocês se beijam, um elogio daqui, outro dali, aí chega o macho na porta. Se você não quer estar com a sua mulher, por que não ficou solteiro? Tá me entendendo? O futebol e as amizades de homem podem acabar com teu casamento. Aí quando a mulher vai embora com um bandidão, um desocupado que tava de olho nela, o homem pergunta: onde foi que eu errei? E olha que a mulher não gosta de trair. Você sabia disso?

“ERA O PÓ DO TAMAQUARÉ PRA COLOCAR NO CAFÉ, NA COMIDA OU PRA DESPEJAR NA REDE ONDE TEU MARIDO DORME PRA FAZER ELE QUERER SÓ VOCÊ.”

Sabrina_ A senhora já namorou muito? Dona Onete_ Eu não tive muitos namorados, mas fui muito cortejada. Tem uma música minha chamada “Proposta Indecente” que surgiu durante um encontro da CUT (Central Única dos Trabalhadores) em São Paulo, em 1982. Saímos da reunião e fomos pro Bar Brahma (tradicional bar no centro da cidade). Tinha muito homem. Quando eu entrava, todo mundo me olhava. Tinha um rapaz moreno em quem eu queria chegar, mas ele era tímido – depois ele veio me dizer que ficou encantado comigo, mas também não conseguia chegar em mim porque tinha muita gente em volta. Eu queria ser a estrela do bar.

Sabrina_ A senhora era ciumenta? Dona Onete_ Não. Fui casada 25 anos com o pai dos meus filhos. Depois não aguentei.

marido tinha ciúme porque muitas pessoas paravam pra me ouvir. Aí ele brigava comigo. E depois ele era muito farrista, saía com um bando de homem. Você tá ouvindo isso, né? (Dona Onete fala dirigindo-se a Renato Reis, fotógrafo que nos acompanha): tem homem que dá muito mais valor aos

Sabrina_ Por que ela trai, então? Dona Onete_ Por carência, por raiva, por necessidade.

Sabrina_ A senhora já traiu? Dona Onete_ Em 25 anos, nunca traí meu marido porque fui muito honesta, achava que não devia e porque tive uma criação rígida da minha avó. Mas juiz de direito da minha cidade, prefeito, essa gente me assediava, me oferecia apartamento, mandava me falar coisas, me escroteava. Mas eu queria deixar moral para os meus filhos. O meu marido, porque já tinha casado comigo, achava que era meu dono.

57


feiras. Se o homem toma o chá ele fica na tua, e se botar o pó na rede dele aí é que ele não enxerga mais nada.

Sabrina_ Em uma das suas músicas a senhora fala de tomar um chá de tamaquaré. O que é isso? Dona Onete_ (risos) Isso é uma história que aconteceu quando deixei do meu marido, eu devia ter uns 42 anos. Eu morava em Igarapé Miri (PA) e vim pra Belém pra ir ao mercado Ver-o-Peso (mercado popular da cidade que vende alimentos, animais, ervas medicinais, artigos religiosos) pra comprar miçanga, pano, essas coisas de colocar na roupa porque tava fazendo a roupa de uma pessoa que ia dançar na quadrilha da festa de São João. Eu tava passando no mercado, no setor onde ficam as mulheres que vendem ervas, e uma delas me chamou e disse: olha, se você brigou com seu marido, e não sei o quê, e quer que ele seja só teu – aí ela me botou todo o papo na cabeça –, eu tenho um material que faz ele viver só pra você. Aí ela me mostrou uma redinha de crochê branca e vermelha colocada embaixo da tenda dela, e um calanguinho (pequeno lagarto, também chamado de tamaquaré) deitado nessa rede. Ela balançava a rede e o tamaquarezinho só abria e fechava o olho, ele é muito preguiçoso. Aí ela me mostrou um potinho com um pozinho. Era o pó do tamaquaré pra colocar no café, na comida ou pra despejar na rede onde teu marido dorme pra fazer ele querer só você. Ela fica embalando o tamaquaré na rede por três sextas-

58

Sabrina_ E funciona? Dona Onete_ Sabe mulher que bota chifre no cara, o marido bebendo cerveja na mesma mesa com o amante dela – e ela fica mexendo com o amante por baixo da mesa – e o marido não percebe? O homem fica cego. É o chá. Sabrina_ É mesmo? Dona Onete_ É. Mas dizem que não dura muito (a mandinga), dura uns 7 anos. Mas 7 anos é muita coisa. Sabrina_ A senhora usou o chá de tamaquaré? Dona Onete_ Não, eu não precisei usar pra ninguém. Mas usei o marketing do chá. Eu era professora e na época em que eu morava sozinha, muitos amigos professores frequentavam a minha casa, abriam a geladeira, comiam tudo, bebiam tudo que tinha, bagunçavam minha casa. Aí eu comecei a dizer que tava usando chá de tamaquaré na minha casa, botando na água, na comida, em tudo. Aí eles sumiram (risos). Até café que eu oferecia eles recusavam. Sabrina_ A senhora já usou alguma dessas coisas pra fazer mandinga que vendem no mercado de ervas do Ver-o-peso? Dona Onete_ Não, nunca usei, mas eu acredito. Eu fiz uma música chamada “Chamego de Boto”. Acredito muito nisso, no candomblé, no poder dos pajés. Eu tenho conhecimento e sou protegida por eles, eu não atuo, mas acredito.

Sabrina_ O que a senhora acha que é o amor? Dona Onete_ Eu sou do tempo do antigamente. Acho que não custa nada uma troca de carinho. Eu lembro de dois amigos homossexuais. Eu vi o tratamento dos dois. O homem gosta de carinho, onde ele acha carinho ele fica. O homem gosta de sair do banho e a mulher dele leva a sandália pra ele calçar, a toalha. Eu passei seis dias com esse casal de homens e via como tinham carinho, um levava a sandália pro outro. E eu pensava: meu Deus, quantas vezes não levei a sandália pro meu marido... Sabrina_ Mas a mulher gosta de chamego também, né? Dona Onete_ É. E tem homem que chega em casa e reclama que a mulher tá fedendo à cebola. E por que ela tá fedendo à cebola? Porque tá fazendo a comida, um agrado pra ele. Ele tinha que chegar e dizer: ah, minha preta, deixa eu terminar isso aqui enquanto você vai tomar o seu banho. É uma troca, ele vai, coloca a toalha na mesa. Renato Reis_ O que falta pro amor dar certo? Dona Onete_ O amor não tá na paixão, nessa coisa que arde. Ele vem aos poucos, ele não vê feiúra, não vê cor, não vê nada. Ele é calmo, sem tempestade. Tem que falar manso, chamar de meu nego, minha nega. Todo mundo gosta de ser chamado de nego e nega, não é? Sabrina: É, acho que gosta sim. Bom, a gente conversou bastante, acho que a entrevista tá legal. Muito obrigada, dona Onete. Dona Onete: De nada, minha filha. Espero que você seja feliz. Procure o amor e beije muito, viu? Sabrina: Aham.


“EU LEMBRO DE DOIS AMIGOS HOMOSSEXUAIS. EU VI O TRATAMENTO DOS DOIS. O HOMEM GOSTA DE CARINHO, ONDE ELE ACHA CARINHO ELE FICA.”

32


na CAIXA

POR LEANDRO VIGNOLI

ALTERNATIVOS Faz vinte anos que o rock underground invadiu a pontapés o chamado mainstream das grandes gravadoras. Um dos motes embrionários disso foi registrado no documentário 1991: The Year Punk Broke, capturado em VHS e lançado em 92. Agora finalmente ele ganha uma versão em DVD, e o filme na maioria é centrado na turnê europeia do Sonic Youth, a banda que foi a primeira a meter o pé na porta. Mas também aparecem outras que frequentaram essa tour, como Dinosaur Jr, Babes in Toyland, Mudhoney, Gumball e, claro, Nirvana, toda a nata da garagem americana. Muitas entrevistas e registros ao vivo seminais da loucuragem. Além dos 95 minutos, pra edição de aniversário também é planejado um filme extra de 42 minutos, chamado (This Is Known As) The Blues Scale, com performances adicionais e uma espécie de PAINEL DE DISCUSSÃO dos cabeças do “movimento”, Thurston Moore (Sonic Youth) e J. Mascis (Dinosaur Jr).

60

METALEIROS

VIRGENS

Uma das mais duradouras formações de rock foi pro brejo. O guitarrista do Judas Priest, K.K Downing, caiu fora da banda no último mês. As vésperas de completar 60 anos, ele foi fundador e integrante do quinteto por quatro décadas. Nenhum motivo foi oficialmente apresentado e, em nota, a banda disse apenas respeitar a decisão e que lhe deseja o melhor. Ao todo foram 16 discos de estúdio, um par de Grammy, e uma influência seminal pro heavy-metal, com riffs clássicos como “Painkiller” e “Breaking the Law”. O Judas Priest anunciou que o substituto pra turnê que começa em julho será Richie Faulkner (atualmente o guitarrista da banda de Lauren Harris, filha do baixista do Iron Maiden). No fim das contas, K. K Downing não soube respeitar um clichê do metal: não caducou e nem morreu de overdose. Deve estar curtindo uma água de côco na Sardenha agora mesmo.

Essa vale aquele registro maroto. O site de relacionamentos Tastebuds fez essa pesquisa informal para saber que tipo de música ouvem as pessoas que dão uma trepadinha logo no primeiro encontro. A pesquisa foi baseada nos 20 artistas mais ouvidos no Last.fm e os resultados não poderiam ser mais óbvios. Quem menos vai pro fight de prima são os fãs de Coldplay, provavelmente inspirados pela música pau mole da banda – na real, imagino que eles nunca devam fazer sexo. Logo a seguir na lista aparece quem curte Adele e em terceiro, Lady Gaga. Uma pudica, e a outra assexuada, conforme a própria já se declarou. Os mais aptos à transa de primeiro encontro são fãs de Nirvana e Metallica, e segundo avaliação dos criadores da pesquisa – sim, se prestaram –, isso é reflexo de que homens são mais propensos a esse sexo casual e é geralmente quem mais escuta bandas como Nirvana. Basicamente, chamaram todos fãs de Coldplay de mulherzinhas. Também faz sentido.


Adele tinha um vozeirão, cantava soul e no ano seguinte faturou dois Grammy, um deles como Artista Revelação. Mas é em 2011 a consolidação. Com todos os prós e contras que a comparação possa ter, imprimiram em sua testa: nova Amy Winehouse. Com o segundo disco, 21 (lançado em janeiro), ela passou 11 semanas como número 1 da parada inglesa, um recorde feminino dominado por Madonna por duas décadas. No período, o seu primeiro disco voltou ao Top 5 e dois singles também estavam entre as “cinco mais”, a deixando como única artista com dois discos e duas músicas no Top 5 desde os Beatles, em 64. Adele é um fenômeno, sem dúvida. E por aqui, apresentamos cinco motivos pras pessoas (e a mídia) adorarem Adele. Saúde: a soul music está em franco renascimento, menos “alma” e mais pop. Adele preencheu o espaço abandonado por Amy com vantagens. Ao contrário do comportamento drogadito e casada com presidiário, as pessoas ganharam uma jovem saudável, rechonchudinha e de rosto rosado. E que ainda mora com a mãe. Boa moça: é a extensão do saudável. O máximo de vida errática de Adele é o fim de um namoro, tema de quase todo álbum 21. A moça não aparece em premiações dentro de um ovo, não canta “kissed a girl”, não raspa a cabeça. É uma quase beata.

ADELE HÁ COISA DE TRÊS ANOS, NA VOID #39, QUANDO AMY WINEHOUSE JÁ PARECIA MORADORA DA CRACOLÂNDIA, DEMOS A LETRINHA NA MATÉRIA “EM BUSCA DA NOVA AMY”. A MÍDIA ESTAVA EM DESESPERO PRA ACHAR, E NAQUELE ANO UMA GAROTA DE 19 ANOS FORMADA NA MESMA BRIT SCHOOL FOR PERFORMING ARTS DA JUNKIE, SAÍA NA FRENTE.

Suporte: para se ter idéia, 21 tem nada menos que seis produtores, os maiores “fazedores” de sucesso dos últimos tempos. Entre eles o lendário Rick Rubin; Paul Epworth (por trás de quase todo novo rock inglês no começo da década, e ultimamente o Florence and The Machine); o americano Ryan Tedder, criador de hits como “Halo” da Beyonce; e Dan Wilson, vocalista do Semisonic, famoso nos 90’s com “Closing Time”. Novela: ao contrário do seu megahit “Rolling in the Deep”, pra cima e até dançante, todas as músicas de Adele são baladinhas insossas. Ao contrário de Winehouse, sua música é mais “limpa”, suave e de letras simples. A cover de “Lovesong”, do The Cure, parece o momento em que passam imagens do Leblon nas novelas do Manoel Carlos. Talento: é claro que há algum envolvido na jogada. Se as letras não são o forte e as melodias meio cafonas, Adele tem um gogó realmente espetacular. E não apenas isso, ainda toca piano, teclado, baixo, guitarra e percussão. Bom partido.

61


1001 DISCOS PARA OUVIR DEPOIS dE MORRER YAHOO (DISCOGRAFIA COMPLETA) Aberração estética e sonora, o Yahoo foi um dos maiores acintes da música brasileira. Nos anos 80, o hard-rock era fenômeno mundial, e foi então que eles surgiram com versões em português de “música estrangeira”. Nada que Roberto Carlos não tivesse feito 25 anos antes, traduzindo mais do que canções, mas o espírito do tempo pra uma geração, numa época em que se demorava séculos para as coisas chegarem no Brasil. No caso do Yahoo, era só apropriação duma moda passageira, uma micagem de arranjos e trejeitos. Ainda que esse “intercâmbio” cultural tenha feito um belo estrago midiático. É impossível nunca ter ouvido (e cantado de zoinho fechado) o hit “Mordida de Amor”, que com exceção de poucos, descobria-se muito depois que era uma versão (mal) aportuguesada de “Love Bites” do Def Leppard – o cover é de menos de um ano depois, mostrando que o truque era rápido.

62 / na caixa

Nesse ponto você põe toda culpa na estética dos anos 80 – como sempre. A guitarra metalizada, a bateria cheia de eco que parece gravada no Grand Canyon, o tecladinho do Seu Juremir da churrascaria. É impossível não se mijar de rir. E lembrar do figurino, todo trabalhado no sertanejo, o vocalista com aquele cabelinho XORORÓ, ou seja, mais nada que lembrasse o hardrock. Foi a cafonização de algo bastante cafona. Em algum ponto, tudo aquilo estava nas novelas, na Xuxa, no Globo de Ouro e naquele filme massa com o Sérgio Mallandro de protagonista, em que a banda faz a si mesma, pegando geral, a melhor geração de paquitas. (googleie aí, rapá).

sempre com letras usurpadas de forma pelo menos parecida. Talvez os trueposer vomitassem com tudo aquilo, até o ponto onde o próprio Yahoo resolveu provar que era um true-poser também, o que só piorou tudo. As versões continuaram, mas de lances mais obscuros (pro Brasil), como Journey, Poison e Foreigner. E o cume, uma “Hide Your Hide” abrasileirada, do Kiss da FASE SEM MÁSCARAS. Chutaram o balde até nas letras, que nem sentido mais faziam. O refrão “better hide your heart, ‘cause you’re playing with fire” virou “lindo é viver sem nenhum ensaio, um coração como um pára-raio ( “fire” e “raio”, como ninguém prendeu esses caras?).

Pra um estilo que nunca engrenou no país, o Yahoo era uma banda cover oficial, psicografando em discos os clássicos oitentistas. Logo em seguida vieram “Anjo”, caricatura de “Angel” do Aerosmith, e “Como o Vento”, a versão de “Wind of Change” do Scorpions,

E nesse momento, em que não sei mais definir se o Yahoo foi a maior paródia rock de todos os tempos ou uma banda de verdade, tudo que me resta é sair daqui, correr para um karaokê e me esgoelar naquele “eu não posso tocar em você, oh baby”.


potência na prateleira POR FELIPE DE SOUZA

64

FOTOS MAURICIO CAPELLARI


No dia 16 de junho de 1903, quando Henry Ford fundou a Ford Motor Company e definiu aquele que seria o grande estilo de montagem e desenho de automóveis de toda uma época, mal sabia que seus bólidos fariam sucesso também quando montados artesanalmente em menores proporções. Os carrinhos foram os primeiros brinquedos a esvaziarem os bolsos dos pais e atrolharem as prateleiras da molecada. Mas o tempo passou e o que era diversão de criança se transformou em hobby de adulto. Talvez o primeiro indício para que isso acontecesse tivesse sido os saudosos Matchbox, carrinhos que começaram a ser fabricados entre os anos 1950 e 1960 pela britânica Lesney Products. O nome do brinquedo se refere à embalagem que ele vinha guardado, que era do tamanho de uma caixa de fósforos. Em Terra Brasilis, ter um desses não era pouca coisa. “Comparado com os brinquedos que a gente tinha, era um passo a frente. Eram todos réplicas de modelos da época. Eu tinha uma caminhonete F-100 miniatura, igual as que a gente tinha no Brasil. Na caçamba vinha um leãozinho que ficava numa jaula, quando tu andava com ela o leãozinho girava. Isso que me fascinava, porque tu tinha parâmetro de comparação. Você via uma F-100 na rua e pegava o brinquedo e via que era igual... O farol, a lanterna, a grade...”declara Cesar Augusto Kopper (A.k.A. Gema), automodelista que desde cedo aprendeu a gostar, colecionar e fazer modificações em seus mini-bólidos. E o legal dos Matchbox era que no fundo dos carrinhos todas as informações da réplica fiel estavam lá: montadora, modelo e ano de fabricação. Mas aí a Lesney ficou mal das pernas, passou por várias administrações e acabou nas mãos da Mattel, empresa que fabrica aqueles carrinhos sem graça que a molecada hoje chama de Hot Wheels. O resultado disso é que os Matchbox hoje são artigos de fanáticos colecionadores que chegam a desembolsar 150 doletas em um simples London Bus fabricado pela marca e colocado à disposição em um destes sites gringos de leilão on line.

65


A EVOLUÇÃO Se por um lado o passar dos anos enterrou o romantismo dos Matchbox, o tempo gerou tecnologia para que as miniaturas chegassem a um grau de detalhismo absurdo. “Hoje tu pega uma lente de aumento e leva para dentro do carrinho, você vê os ponteiros do velocímetro na posição que tem que estar mesmo”, garante Gema. As primeiras marcas gringas foram chegando ao país e o que era brincadeira de criança virou fetiche de marmanjo. “Pensei: se alguém montou isso aqui eu posso desmontar. Com cuidado e as ferramentas adequadas, é claro”, recorda Gema. A coisa foi levada tão a sério que a tinta usada nas miniaturas é automotiva e Cesar chegou a fazer cursos de molde em resina e tornearia para fabricar as próprias peças e tunar os carrinhos que colecionava ou vendia. Um dos pedidos mais corriqueiros nesse mercado de pequenas proporções automobilísticas parece ser o rebaixamento do carro (alguma semelhança com o mundo real não é mera coincidência). E isso é totalmente possível de se fazer. Tendo a manha, é claro. As miniaturas mais foda vêm com mola de suspensão, então a solução é cortála ao meio ou retirá-la totalmente. O carrinho não vai andar. Mas o lance aqui não é andar, é colocar na prateleira e ficar babando.

MODELO: ASTRA ANO: 2000 TRANSFORMAÇÕES: REBAIXAMENTO DA SUSPENSÃO, ALARGAMENTO DOS PÁRA-LAMAS E COLOCAÇÃO DE SPOOLERS (SAIA FRONTAL) ESCALA: 1X18 Mas não é só a suspensão que pode ser mexida. Um carro cru, na mão certa, pode virar uma máquina valiosa. “Às vezes é fácil, às vezes é difícil, mas em tese nada é impossível. Só que tem coisas que tu vai resolver de maneira simples e o custo vai sair barato e têm outras que vai ser complicado e você vai ter que cobrar caro”. Um dos detalhismos que pode encarecer o bólido parece até piada para leigos, mas para quem entende do riscado faz uma puta diferença: Tem carros que não vem com a pinça do disco de freio, e isso é possível ser colocado em uma boa oficina de automodelismo.

66


67


FUSCA LARANJA FEBRE NA EUROPA Mas engana-se quem pensa que o que faz mais sucesso entre as miniaturas são carros gringos. Ok, Porsches, Ferraris e Lamborghinis têm seu espaço no coração dos colecionadores. Mas o maior hit de Kopper rolou quando ele decidiu fazer uma réplica do primeiro carro dirigido por Emerson Fittipaldi, um Fuscão laranja da década de 60. “Tive sorte porque um brasileiro levou o carro para a Alemanha e lá os gringos piraram. Vendi mais lá do que aqui”, recorda. O trabalho beira o perfeccionismo e a miniatura, na escala 1x18 tem conta-giros e demais contadores internos, que foram todos feitos à mão. Como virou raridade, entre aficionados esse brinquedinho pode valer bastante dinheiro. Gema tem um que foi autografado no teto por Fittipaldi. “Já me ofereceram R$8 mil por ele, mas não me desfaço”.

68


NA CELULOSE Uma das variantes mais bacanas que encontramos durante essa matéria: automodelismo de papel. E o lance é profissa, nada daqueles recortes falcatrua que vinham em caixa de cereal. A febre começou no leste europeu. Por lá, durante a cortina de ferro, era proibido importar brinquedos. Aí a molecada e o pessoal mais velho aficionado por automóveis em miniatura se viravam

com cola, papel e tesoura. Hoje o lance evoluiu pra caralho e montar um modelo fabricado em países como a República Tcheca ou Rússia pode ser tão complicado quanto fazer uma maquete de um condomínio de luxo.

MODELO FERRARI F3 10 B

MODELO CAS K27 TATRA 815 4X4

Dá uma sacada no que os caras do site polonês www.gpm.pl vende na web (e acredite, o bagulho é de papel):

Apesar da febre ter sido impulsionada nos países da ex-União Soviética, quando se trata de papel e dobraduras não dá

pra deixar de citar os irmãos nipônicos. Confere os kits para download que o site www.yamaha-motor.co.jp oferece:

MODELO YAMAHA MT 01

MODELO YAMAHA V MAX

DESASTRE SIMULADO NA PROPORÇÃO 1X43 Bugattis, McLarens, Fusquetas do Fittipaldi, autos russos reconstituídos em kits de papel... Para alguns nada disso parece ser o suficiente. Enquanto uns desembolsam boas parcelas do salário mensal para adquirir miniaturas, outros fazem a mesma coisa para depois produzir um trampo artesanal que reconstitui a destruição dos mesmos. Tem uma cambada de doidos que curte mesmo é simular, em miniatura, desastres automobilísticos. A situação abaixo é trágica: um Alfa Romeo Spyder chocou-se contra algo que parece ser um Mercedes Classe A. Até a ambulância chegou para dar os primeiros socorros. O autor da obra de arte é brasileiro e o trampo de simular um acidente desses deve ser mais difícil do que praticar melhorias em um brinquedo.

Abaixo, o motora do BMW se perdeu na curva e meteu o carango no poste. Quem deve ter levado a pior foi o caroneiro. Vai saber.

Para finalizar essa brincadeira de contornos tétricos, na foto abaixo o artesão simula de maneira fidedigna o que rola em feriados de carnaval.

69


POR FELIPE DE SOUZA E TOBIAS SKLAR

ESTILO SELVAGEM Influenciada totalmente pelo wild style do graffiti nova iorquino, a designer Loren Kulesus criou esse board intrincado e que dá vontade de pular em cima ou botar na parede, dependendo do seu grau de sedentarismo. Segundo a designer, quando terminou o projeto e o pôs para rodar, “foi como se estivesse dirigindo um carro conversível, um verdadeiro selvagem”, numa comparação de quem aparentemente nunca andou de skate, afinal, o firmamento é sempre o nosso teto. Mas enfim, percepções a parte, um belo trabalho de design, provando que o carrinho realmente suscita interpretações das mais diversas.

70

CRÉDITO: REPRODUÇÃO

na BASE

STIMULUS

RÁDIO SKILLS

Você provavelmente já deve saber o que é o Skimboard, aquele esporte de prancha em que o surfista dropa a onda ao contrário, saindo correndo feito um louco da areia e pegando a onda de frente. Pois na gringa o esporte já está bem desenvolvido e ganha um novo e muito bem editado documentário. É o Stimulus, lançado pela Exile Skimboards e pela Extreme Outdoor Supply. Para ter uma ideia do quão insano o esquema é, confere o trailer no Youtube, digitando Stimulus Skimboarding Movie Teaser - Exile Skimboards no campo de busca.Se você se agradou tanto a ponto de querer comprar o seu, pode adquirir um exemplar no link abaixo aqui por 30 doletas.

Na edição passada da Void, você ficou conhecendo a nova loja para colecionadores alucinados de boa música, arte e skate chamada Haters and Skills. Pois bem, o cara do estabelecimento é ninguém menos que Alexandre Cruz Sesper, que entre muitas coisas é vocalista da clássica banda Garage Fuzz. Pois bem, dito isso, fica a dica desta edição que é a rádio online abastecida pelo cara. São horas e horas de boa música quase que diariamente, selecionadas para quem não aguenta mais ficar procurando uma programação decente em alguma rádio normal. Só pra ter idéia, na última hora rolou só o melhor das seleções da revista norte-americana de skate Thrasher. Info: www.spreaker.com/show/radio_skills_1

Info: www.extremeoutdoorsupply.com/ skimboards/skim-dvds/exile-skimboardsstimulus-dvd.html


CRÉDITOS: REPRODUÇÃO

COLLABORATORY COM TOMMY GUERRERO A Vans já colocou no ar na Off The Wall TV (offthewall.tv) o primeiro episódio do projeto Collaboratory em que a equipe da marca vai até São Francisco trocar ideia e dar rolê com Tommy Guerrero, um dos maiores skatistas de todos os tempos. No vídeo, a equipe do Vans Syndicate explica o porquê de Guerrero ser um dos caras mais respeitados dentro do esporte e porque fazer um modelo que leva a assinatura do cara. Já vale a pena pelo simples motivo de ver Guerrero “surfando” uma daquelas ladeiras gigantes de San Francisco. Info: offthewall.tv/video/collaboratory_-_ tommy_guerrero_-_part_1

MR. BINGO Mister Bingo é um ilustrador e animador que vive e trabalha em Londres, e tem entre seus clientes marcas como Nike, BBC, o jornal The Guardian, MTV, entre outros. Pois bem, tudo isso para dizer que ele é o autor desse shape engraçadinho, que em tempos de homens metrosexuais, traz a “cara” de um barbudo e cabeludo, mas com cada fio no seu lugarzinho.

SÓ NOS DIAS CLÁSSICOS. SÓ PRA BRAZUCA BABAR. Para os que andam para cima e para baixo atrás de beachbreaks meia boca, um projeto da Quiksilver com o site Surfline (www.surfline.com) promete colocar um corredor de saliva no canto da boca de todo surfista brasileiro. A idéia da marca de surfwear e do portal é publicar periodicamente fotos de picos mundo afora, especialmente quando eles estão em condições clássicas. Dá uma olhada em alguns dos exemplos antes de se atirar nas marolas da Praia Grande. Info: Surfreaks.tumblr.com

Info: www.mr-bingo.org.uk/

71


PODE CHOVER 72


TEXTO E FOTOS PEDRO DAMASIO

O cada vez mais clássico Swell Old is Cool esse ano teve vários “algos a mais”. Primeiro, a presença maciça de skatistas gringos, vindos da Argentina e até mesmo da terra do Tio Obama. Depois, o retorno da categoria profissional, o que fez ainda mais gente despencar de diversas partes do Brasil rumo a Viamão. E, por último, a participação inédita de um fenômeno meteorológico conhecido como CHUVARADA DAS BRABAS. Sim, depois de cinco anos desafiando São Pedro, o inevitável aconteceu e veio com toda força. Mas nada que os irredutíveis irmãos Tesch não pudessem superar. Uma tenda foi montada sobre o bowl e o campeonato rolou mesmo embaixo d’água, o que, diga-se de passagem, deixou a função toda ainda mais divertida. Ano que vem tem mais, chova ou faça sol!

_BARBARIZANDO COMO SEMPRE, MARCELO CONAN KOSAKE.

73


_MARCOS GABRIEL ESTILO JESUS CRISTO NAS ALTURAS.

74


_LUNAS DO MOMENTO E LATINHA BLASÉ PRA SAIR NA REVISTA? UI, CONSEGUIU.

75


_ÁLVARO FAZIO PARTINDO PRA SEGUNDA ATIVIDADE FAVORITA. OU PRIMEIRA.

76


_A IDADE DA PEDRA LASCADA TEM UM REPRESENTANTE NOS DIAS DE HOJE: GUSTAVO CAVERNA.

77


recordar ĂŠ morrer

78


CAFU É UMA LENDA POR GABRIELA MO

FOTOS MAURICIO CAPELLARI

ELE NÃO TEM 2 MIL CONTATOS NO FACEBOOK MUITO MENOS NO TWITTER. MAS DO QUE IMPORTA UMA COLEÇÃO DE AMIGOS VIRTUAIS QUANDO SE TEM UMA SÓ AMIZADE LEAL E VERDADEIRA? É MAIS OU MENOS ISSO QUE VIVE CAFU, O CÃO COMPANHEIRO DE LONGA DATA DO FOTÓGRAFO MAURÍCIO CAPELLARI. COM QUASE 13 ANOS DE VIDA, CAFU ELIÉLCIO DA COSTA JÁ ESTÁ NA TERCEIRA IDADE. DIFERENTEMENTE DE TODOS OS CÃES DE SUA GERAÇÃO, JÁ ACUMULA UMA CAPA DE VOID. ISSO MESMO, CAFU ABRIU A EDIÇÃO #024 DA REVISTA, E FOI AMOROSAMENTE LEMBRADO NA MATÉRIA “MEU AMIGO É UMA LENDA”, COMO “O CACHORRO DECIDIDO”.

CAFU, O CACHORRO DECIDIDO Algumas coisas na vida você escolhe, outras, não. A personalidade do seu cão é uma dessas coisas que a Deus pertence, mesmo que você seja, assim como eu, um embaixador da descrença. Comprei-o por impulso no já distante ano de 1998 por algo em torno de 180 reais (são tempos de inflação controlada) e hoje tenho a certeza de que não há dinheiro no mundo que pague a chatice necessária do meu cão. Esse animal é o que posso chamar de uma bomba-relógio com dentes. Já mordeu uma criança de dois anos quase nos olhos, já mordeu um por um a todos lá em casa e não dispensa uma avançada no porteiro a cada vez que desce para passear. Mas ele não é um cão violento, apenas intempestivo.

79


recordar é morrer Cafu também tem estranhos hábitos, digamos, sexuais. Dá a tradicional fodinha nessas porcarias que vendem em pet shops como cama de cachorro (que para ele é cama e muito mais) e vez ou outra ele se interessa pela perna de alguma visita. Nesses casos, costumo passar certo constrangimento, mas sempre afirmo que não se trata de um cão tarado, e que estes são apenas desejos sem malícia. Cafu é um cão decidido, não tem amigos da sua espécie, não demonstra medo por nenhum cachorro de nenhum tamanho, mesmo ele sendo maior apenas que alguns poucos chiwawas. Ao ver um cão ou cadela, parte para cima. Cafu tem um senso irretocável do que é propriedade privada, e é extremamente comunicativo (capaz de latir 10 minutos sem parar) e um tremendo companheiro. Nao sei se Cafu é de fato um cachorro louco, mas conviver com suas manias e incentiválas certamente é um ato de insanidade. Nome: Cafu Eliélcio da Costa Dono: Maurício Capellari Prato preferido: O que eu estiver comendo Comunidade no Orkut: http:// www.orkut.com/Community. aspx?cmm=292704

80


ENTREVISTA COM MAURICIO CAPELLARI Fama? Fortuna? Poder? O que será que mudou na vida de Cafu depois que ele teve o focinho estampado na capa desta grande publicação? Maurício Capellari, seu dono e agente, nos conta.

O velho ditado de que a fama atrai cadelas é real? Realíssimo! Isso sou eu que estou afirmando! Mas no caso do Cafu ele estava bem assessorado, não teve muitos problemas que cadelas mal intencionadas costumam causar. A comunidade do Orkut cresceu? Não! A comunidade inclusive diminuiu. Teve uma ex-namorada que achou que não dava pra misturar as coisas e descontou sua raiva no pobre Cafu, o que a levou a sair da comunidade.

Qual é a rotina de Cafu? Cafu hoje em dia é um come e dorme. Está sempre atento a tudo o que rola ao seu redor, feito um comandante. Mas tudo o que mais interessa pra ele, além do sossego, é a comida. O Cafu não sai do lado quando tem rango na parada.

Depois da matéria, o Cafu fez amigos da mesma espécie? Não! O Cafu não é chegado em amizades da mesma espécie. Nós achamos que ele vive num mundo a parte, onde ele seria o dono do mundo, e os humanos seriam um exército a lhe dever consideração.

Mudou alguma coisa depois de ser capa da Void? Chegou a ser reconhecido na rua? Na época tentamos explorar essa situação comercialmente... hehe, brincadeira! O máximo que consegui foi me aproximar de algumas meninas que gostavam muito de cachorro e se derretiam toda quando viam a foto dele na capa, mas nem me lembro de ter dado muito certo alguma investida cafajeste como essa.

E perfil no Facebook, já tem ou pretende ter? O Facebook é muito mentiroso, o Cafu não se daria muito bem no meio dessa gente exibida. Quem seria a primeira pessoa que Cafu seguiria no Twitter? Existe alguma Mulher Maminha no twitter? Ou Mulher Picanha? Cafu é pai ou pretende ser?

Não é pai, não pode mais ser pai. Minha mãe castrou o Cafu acreditando na promessa do veterinário de que ele ficaria mais calmo e tranqüilo depois de perder os bagos... Ledo engano. Ele já sente os sinais da velhice pegando? Cafu faz aniversário em 28 de Junho. Acompanhou todas as nefastas transformações do mundo nesses últimos 13 anos sem se dar conta que as coisas só pioraram! Eu, no lugar dele, estaria condenado, mas o Cafu segue muito bem de saúde, até o momento não apresentou nenhum sinal de decadência mais significativo. A sua aparência entrega que se trata de um cão cheio de história, mas como ele não sabe que vai morrer, nem o que significa a morte, ele vive bem pra caralho, muito melhor do que nós! Os hormônios da terceira idade acalmaram os nervos? Hoje ele está mais contido, segue intempestivo, mas bem menos violento. O que era violência virou rabugice! Ainda dá conta dos brinquedos sexuais de pet shop? Ele segue fiel às suas camas, ainda dá aquelas fodinhas com ela. Eu diria que é como beber cerveja sem álcool... Mas ele curte.

Quais os brinquedos favoritos dele atualmente? Sempre a cama. O latido continua forte e insistente? Sim! Certa vez fizemos um teste. Se você apertar a campainha da casa dos meus pais e eles demorarem um minuto pra atender você ouvirá mais de 60 latidos seguidos, ele não para enquanto a porta não abrir. Na verdade, ele segue latindo com a porta aberta. A sorte é que a gente não vai muito com a cara do vizinho mesmo e vice-versa. Cafu faz hoje longos passeios ou é mais caseiro? Ele sai 3 vezes por dia pra fazer aquilo que a gente faz no banheiro. Tão logo isso esteja feito, ele quer voltar para dentro de casa. Cafu gosta de sossego, ele sabe o que é bom. Em 1998, valia 180 reais. Em 2007, não havia valor que pagasse pela sua companhia. Hoje, aos 12 anos e meio, quanto vale Cafu? Na verdade, o Cafu me faz filosofar sobre a relação entre o sentido da vida e o papel do dinheiro. Apesar de eu gostar de grana, sinceramente, não há dinheiro capaz de representar o valor que esse adorável filho da puta tem na minha vida! Eu amo o Cafu, porra!

81


REVELAÇÃO Temp.04 Ep.03 Por: PDR e MAU

VÂMO DÁ UM TEMPO ALI E MONTAR UMA ESTRATÉGIA...

EU SÓ QUERIA SABER COMO AQUELES FILHOS DA PUTA ESCAPARAM...

VOCÊS OUVIRAM ISSO??? OS GAMBÉ TÃO CHEGANDO! ATIVIDADE RAPAZEADA!!!

SEGUINTE, RAPAZEADA... É MELHOR A GENTE SE SEPARAR. ASSIM TÂMO DANDO MOLE PROS GAMBÉ...

CONCORDO COM VOCÊ... A SEPARAÇÃO É TRISTE, É DURA, MAS ÀS VEZES É NECESSÁRIA... JÁ PASSEI POR ISSO MUITAS VEZES NESSA VIDA...

DESCULPE, CAPITÃO... MAS QUE EU ME LEMBRE NÓS DEMOS A CHAVE DA PRISÃO PRO REI MOMO... QUER DIZER... REI MANGO.

AQUELE GORDO BOTOU ALGUMA COISA NA MINHA BEBIDA... NINGUÉM AQUI COMENTA SOBRE ISSO, FUI CLARO!!??

VOU SENTIR SAUDADES, MANGO... ME LIGA UM DIA.

SIM, SENHOR!!

TRÊS É O NÚMERO DA VITÓRIA... LÁ VAMOS NÓS OUTRA VEZ...

LIGA...

continua...

82

© HB É UM PERSONAGEM ORIGINAL DA LAIRTON REZENDE COMICS. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS, NÃO VAI QUE É FRIA.


converseallstar.com.br/linhapremium


VOID #070 - POIS FOI