Page 1

21-11-2011

Avis 08 de Novembro de 2011

1


21-11-2011

Actual Situação

Actual Situação • O número de pontos de luz ronda os 4 Milhões em que a grande maioria, estão sob gestão da E.D.P., ao abrigo da Portaria 454 de Maio de 2001.

• Tem um crescimento médio anual próximo do restante consumo (4 a 5%).

2


21-11-2011

Actual Situação • Nos Municípios portugueses, a iluminação pública é responsável por mais de 70% do valor da factura de energia eléctrica.

• Alguns Municípios pagam a iluminação pública por estimativa/potência instalada.

Actual Situação • Embora exista uma grande gama de produtos, a tecnologia base é suportada nas lâmpadas de vapor de sódio de alta pressão, e colunas de 4, 8 e 10 metros de altura útil. • Ainda existe uma parcela significativa da tecnologia de lâmpadas de vapor de mercúrio, que está a ser progressivamente substituída.

3


21-11-2011

Actual Situação • A Iluminação Pública representa cerca de 3% do consumo total de energia eléctrica, 1,4 TWh e mais de 50% desta energia não resulta em luz útil.

Exemplos

4


21-11-2011

Exemplos

Exemplos

5


21-11-2011

Exemplos

Exemplos

6


21-11-2011

Exemplos

Exemplos

7


21-11-2011

Exemplos

Exemplos

8


21-11-2011

Exemplos

Exemplos

9


21-11-2011

Exemplos

Exemplos

10


21-11-2011

Exemplos

QUANTO CUSTA O SISTEMA?

11


21-11-2011

A RNAE propõe ao MEID criar um Documento de Referência para a eficiência energética na iluminação pública, com os seguintes objectivos: - Dotar os Municípios/Decisores de um instrumento que aponte para soluções sustentáveis do ponto de vista de eficiência energética na iluminação , independentemente da fonte ou da tecnologia utilizada.

A RNAE propõe ao MEID criar um Documento de Referência para a eficiência energética na iluminação pública, com os seguintes objectivos: - Dotar os Municípios/Decisores de um instrumento que aponte para soluções sustentáveis do ponto de vista de eficiência energética na iluminação , independentemente da fonte ou da tecnologia utilizada. - Este documento não se aplicará a iluminação de zonas especiais urbanas, iluminação festiva, iluminação monumental, instalações militares, túneis, iluminação de segurança ou outras que sejam objecto de regulamentação específica.

12


21-11-2011

- Valorizar e dinamizar o projecto luminotécnico

- Valorizar e dinamizar o projecto luminotécnico - Estimular os fabricantes do sector para a busca de soluções mais eficientes

13


21-11-2011

- Valorizar e dinamizar o projecto luminotécnico - Estimular os fabricantes do sector para a busca de soluções mais eficientes - Servir de referência para novas instalações e para requalificações.

- Valorizar e dinamizar o projecto luminotécnico - Estimular os fabricantes do sector para a busca de soluções mais eficientes - Servir de referência para novas instalações e para requalificações. - Balizar a avaliação de projectos no âmbito do Qren ou outros programas.

14


21-11-2011

- Valorizar e dinamizar o projecto luminotécnico - Estimular os fabricantes do sector para a busca de soluções mais eficientes - Servir de referência para novas instalações e para requalificações. - Balizar a avaliação de projectos no âmbito do Qren ou outros programas. - Para o efeito foi criado um Grupo de Trabalho, coordenado pelo MEID e constituído pela RNAE(OE/CPI), ADEME, EDP e LAB.

Linhas estratégicas do DR: - Convergência com o PNAEE, normas internacionais e Portaria 454. - Classificação criteriosa das vias de acordo com o método simplificado da CIE 115/2010, que se baseia na norma EN13201. - Os equipamentos devem cumprir com as especificações das autarquias ou concessionárias das redes, na ausência destas, estes devem ter obrigatoriamente certificado ENEC.

15


21-11-2011

Linhas estratégicas do DR: - Convergência com o PNAEE, normas internacionais e Portaria 454. - Classificação criteriosa das vias de acordo com o método simplificado da CIE 115/2010, que se baseia na norma EN13201. - Os equipamentos devem cumprir com as especificações das autarquias ou concessionárias das redes, na ausência destas, estes devem ter obrigatoriamente certificado ENEC. - Adaptação dos níveis de iluminação às correspondentes classificação das vias, com limites.

Linhas estratégicas do DR: - Disciplinar e uniformizar o factor de manutenção global (FM), recorrendo a tabelas de referência, para as diferentes variáveis que intervêm no FM e potência da luminária, permitindo ao decisor/auditor uma base de comparação.

FM = FMFL x FSL x FML • FMFL (Factor de Manutenção do Fluxo Luminoso) • FSL (Factor de Sobrevivência da lâmpada/fonte de luz) • FML (Factor de Manutenção da Luminária)

16


21-11-2011

FMFL (Factor de Manutenção do Fluxo Luminoso)

FSL (Factor de Sobrevivência da lâmpada/fonte de luz)

17


21-11-2011

FML (Factor de Manutenção da Luminária)

Linhas estratégicas do DR: - Potenciar o Factor de Utilização. - Os níveis não deverão ultrapassar 20% dos previsto nem ficar abaixo 95%

18


21-11-2011

CASO PRÁTICO

CASO PRÁTICO

19


21-11-2011

CASO PRÁTICO

CASO PRÁTICO

20


21-11-2011

CASO PRÁTICO

CASO PRÁTICO

21


21-11-2011

CASO PRÁTICO

CASO PRÁTICO

22


21-11-2011

- Limitação do fluxo luminoso para cima, reduzindo a poluição luminosa e a luz intrusiva.

- Introdução de um índice de eficiência energética

ε = S (m2) x Em (lux)/p (watts)

23


21-11-2011

Funcional

Eficiência Energética

A B C D E F G

ε > 40 40 ≥ ε > 35 35 ≥ ε > 30 30 ≥ ε > 25 25 ≥ ε > 20 20 ≥ ε > 15 ε ≤ 15

- Classificação Energética de uma instalação Classificação Energética das Instalações de Iluminação Mais Eficiente

Menos Eficiente

Instalação: Localidade/Rua: Horário de funcionamento: Consumo de energia anual (KWh/ano): Emissões de CO2 anual (KgCO2 /ano): Índice de eficiência energética (I ε): Nível de Iluminação média em serviço Em (lux): Uniformidade (%):

24


21-11-2011

- A iluminação pedonal está isenta de classificação energética. - Projectar com base em operações de manutenção a 3 anos.

- Modelo para diagnóstico energético em caso de utilização de sistemas de redução e controlo de fluxo. - Garantir em qualquer circunstância a qualidade da iluminação pública. - Uniformização dos documentos que devem cumprir o projecto. - Uniformização dos documentos que devem ser entregues no final da obra. - Medição e monitorização inicial e/ou periódica de acordo com norma12301-4.

25


21-11-2011

Aplicação deste documento assegurará: - Instalações de iluminação pública mais eficientes e sustentáveis. - Redução em mais de 30% do consumo energético. - Diminuição das emissões CO2. - Maior responsabilidade do projecto luminotécnico.

Exemplo Prático:

Via ME3 (Cidade)

26


21-11-2011

27


21-11-2011

28


21-11-2011

Eficiência Energética

Em IVA1-PT/S 70W (84W) 15 Lux STELA WIDE 32Led (40W SYS)

15 Lux

H Interdistância de montagem

Eficiência Energética

Classe

5 mt

17 mt

ε = (4 x 17) x 15/84 = 12,14

G

4,5 mt

20 mt

ε = (4 x 20) x 15/40 = 30

C

29


21-11-2011

Exemplo Prático:

Via ME3 (Urbanização)

30


21-11-2011

31


21-11-2011

32


21-11-2011

33


21-11-2011

Eficiência Energética

Factor H de Interdistância Em manutenção montagem Braço (Fm)

IVA1-PT/S150 Visual IVF/150W SAP Airtrace 140W CPO

0,61

8 mt

0,7

8 mt

0,57

8 mt

0,75 (10º) 0,75 (0º) 0,75 (5º)

Uniform idade

(%)

Eficiência Energética Classe

30 mt

16 Lux 0,414 ε =(13,5x30x16/167= 38,80

B

39 mt

16 Lux 0,46 ε =(13,5x39)x16/167= 50,44

A

32 mt

15 Lux 0,401 ε =(13,5x32)x15/153= 42,35

A

34


21-11-2011

Fim da Apresentação

35

Documento de Referência de Eficiência Energética na Iluminação Pública, RNAE  

Documento de Referência de Eficiência Energética na Iluminação Pública, RNAE

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you