Page 1


Indíce

4

CURRICULUM VITAE Formação, Experiência e Aptidões

7

ARQUEOLOGIA, NATUREZA E LUGAR Projecto Final de Mestrado FA ULisboa

19

CONCURSO PORTARIA ENSA PARIS LA VILLETTE Atelier Maquete ENSA Paris La Villette

23

HABITAÇÃO COLECTIVA EM CAMPO DE OURIQUE Laboratório de Projecto III FA ULisboa

33

PROTÓTIPO EM S. BENTO Laboratório de Projecto II FA ULisboa


A N A R I TA C O E L H O D E C A R VA L H O arquitecta

Mestrado Integrado em Arquitectura FA ULisboa Nacionalidade Portuguesa 15 Junho 1993 Rua Mรกrio Eloy nยบ11 5ยบesq. 1750-322 Lisboa arcoelhocarvalho@gmail.com 915 108 929

4

|


EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO 2015-2018

Mestrado Integrado em Arquitectura FA ULisboa Projecto Final: ARQUEOLOGIA, NATUREZA E LUGAR A Horta e a Estufa na contextualização do Parque Natural do Rio Seco Professor Nuno Mateus (ARX) Professor Jorge Firmíno Nunes

2014-2015

Programa Erasmus ENSA Paris La Villette Professor Bruno Gaudin (BRUNO GAUDIN ARCHTECTS) Professor Philippe Pumain

2011-2014

Licenciatura em Estudos Arquitectónicos FA ULisboa Professor António Lobato Santos (LGLS) Professor António Leite Professora Maria Soledade Gomez Paiva Sousa

2008-2011

Ensino Secundário em Artes Visuais Academia de Música de Santa Cecília

2008-2011

Ensino Integrado de Música em Flauta Transversal Academia de Música de Santa Cecília

2006-2012

Curso de Inglês Cambridge School

EXPERIÊNCIA SET 2018

JUL-SET 2015

Voluntariado Open House Lisboa

Estágio Atelier Miguel Arruda

2015- 2016

Colaboração Designer gráfico na Adega de Alcobaça

2014-2015

Comité da Residência André Gouveia da Cidade Universitária de Paris

5


COMPETÊNCIAS FORMAÇÃO

OUT 2018

3ds Max Qualicad IST

NOV 2016

Revit Fundamental Qualicad IST

SET 2014 - JAN 2015

SOFTWARE

Atelier Maquete ENSA Paris La Villette

BIM e CAD | Autocad . Revit 3D | Rhinoceros 3D . Sketchup . Image Modeler . 3ds Max IMAGEM e PUBLICAÇÃO | Photoshop . Indesign . Illustrator OUTROS | Microsoft Office

IDIOMAS

Português | Lingua materna Inglês C1 | Certificado B2 2010 Francês B1 | Certificado A2 2007

6


1. Arqueologia Natureza e Lugar

A Horta e a Estufa na contextualização do Vale do Rio Seco PROFESSOR NUNO MATEUS (ARX) E JORGE FIRMÍNO NUNES |

Através da toponímia do Rio Seco e pela observação da topografia peculiar deste lugar, surge a necessidade de reinscrever um parque num vale que, pelas suas características geológicas, parece proteger uma atmosfera natural. No decurso de uma abordagem arqueológica, apoiada em diferentes fontes documentais, verifica-se que os pequenos vestígios ainda presentes no território transparecem a identidade do local. Essa identidade, fundamentalmente caracterizada pela ruralidade e por uma geologia peculiar, revela uma apropriação produtiva do espaço. Foram propostas hortas resultantes do processo já existente da transformação de ruínas de habitações, devolvendo ao rio o território envolvente de leitos de cheia. A estufa, por sua vez, surge como estrutura de apoio à lógica hortícola do Vale do Rio Seco e cria uma oportunidade de reflexão sobre a contemporaneidade deste tipo de estrutura, numa tentativa de integração no imaginário e na atmosfera do Rio Seco. Como se de um grande muro se tratasse, a estufa pretende ser, simultaneamente, uma gruta e um miradouro, refletindo, uma vez mais, o imaginário local que se constrói em torno dos percursos de água, da gruta e das explorações geológicas. Em suma, perante o cenário pouco coeso do Rio Seco, mais do que construir, este projeto pretende evidenciar o que é essencial no território e discernir as diferentes dimensões do lugar, integrando o seu passado e o seu estado atual.


1. AS LINHAS DE ÁGUA DE LISBOA | 1:50000

2. PROPOSTA DE FECHO DO ANEL VERDE NO RIO SECO| 1:200000

8

3. ESPAÇOS VERDES SOBRE AS LINHAS DE ÁGUA | 1:200000


A. HORTAS PLURIFAMILIARES Construídas pela CML em 2017, previamente previstas desde 2012 no Parque Urbano do Rio Seco proposto pela Faculdade.

B. HORTAS PLURIFAMILIARES

C. HORTAS PLURIFAMILIARES

D. HORTAS UNIFAMILIARES

E. HORTAS UNIFAMILIARES

F. HORTAS PLURIFAMILIARES proximidade de grandes conjuntos habitacionais

4. PROPOSTA DE PARQUE DO VALE DO RIO SECO | 1:8000 (2012 - 2018)

5. TIPOLOGIAS DE HORTAS URBANAS PROPOSTAS E EXISTENTES 1:2000

9


PISO 1 Acesso Cota alta do parque Rua do Cruzeiro

A. Edificado construído em 2007 sobre gruta pré-existente

PISO 0 Acesso Hortas Cota baixa do parque

B. Topografia resultante da demolição das pré-existencias

PISO -1 Acesso Rua D. João de Castro

C. Proposta de Edificado segundo a estrutura do lugar 1. AXONOMETRIAS EXPLICATIVAS DA PROPOSTA DE EDIFICADO

10

2. AXONOMETRIA DO EDIFICADO | 1:1500


3. AXONOMETRIA DA PROPOSTA URBANA | 1:1500

11


1. CORTE | 1:100

1 - TERRA COMPACTADA 2 - ESTRUTURA GEOLÓGICA 3 - GRAVILHA 4- TIRANTE 5- BETÃO ARMADO 6- BETONILHA DE REGULARIZAÇÃO 7- MICROCIMENTO ACABAMENTO RÚSTICO COR 15 SECIL 8- GUARDA EM CHAPA QUINADA DE AÇO GALVANIZADO NORMA EN 10327 9- TUBO DE DRENO R=6CM 10- TELA ASFÁLTICA IMPERMEABILIZANTE 11- TELA DRENANTE PITONADA 12- BETÃO DE LIMPEZA 13- PINGADEIRA 14- VIDRO SIMPLES LAMINADO COM CAIXILHO FIXO DE CHAPA QUINADA DE AÇO GALVANIZADO 15- PORTA DE BATENTE COM VIDRO DUPLO LAMINADO E CAIXILHO COM CORTE TÉRMICO QUINADO EM CHAPA DE AÇO GALVANIZADO 16- PORTA DE BATENTE COM VIDRO SIMPLES LAMINADO E CAIXILHO QUINADO EM CHAPA DE AÇO GALVANIZADO 17- JANELA PROJECTANTE COM VIDRO SIMPLES LAMINADO E CAIXILHO QUINADO EM CHAPA DE AÇO GALVANIZADO 18- RALO AJUSTÁVEL EM ALTURA DO TIPO AÇO SPIN DN 70 COM GRELHA EM AÇO INOX 19- XPS E=10CM 20- BETÃO DE ENCHIMENTO EM ARGILA EXPANDIDA 21- LAJETAS DE BETÃO 22- APOIO ROSCADO DE ALTURA AJUSTÁVEL EM PVC 23- ALHETA DE RODAPÉ E=2CM 24- ALHETA DE RODATETO E=2CM

12


2. CORTE | 1:40

25- CALEIRA PRÉ-MOLDADA EM BETÃO IMPERMEABILIZADA COM RESINA DE EPOXY 26- REVESTIMENTO EM CHAPA QUINADA DE AÇO GALVANIZADO 27- CORRIMÃO EM CHAPA QUINADA DE AÇO GALVANIZADO 28- DRENO 29JANELA FIXA COM CAIXILHO EM ALUMINIO COM CORTE TÉRMICO EMBUTIDO E VIDRO DUPLO LAMINADO 30- DRENO 31- TERRA VEGETAL 32- TECTO FALSO EM BETÃO PRÉ-MOLDADO 33- PRUMOS DE TECTO FALSO 34- PAVIMENTO DE SOALHO DE PINHO ACABAMENTO EM CERA L=15CM 35- PARAFUSO SEXTAVADO DE CABEÇA DE EMBEBER M6 36- PARAFUSO SEXTAVADO DE ROSCA M6 37- PORCA METÁLICA 38- LUMINÁRIA EMBUTIDA EM CHAPA QUINADA DE AÇO GALVANIZADO 39- CAIXILHO FIXO EM CHAPA QUINADA COM CORTE TÉRMICO DE AÇO GALVANIZADO E VIDRO DUPLO LAMINADO 40- UNIÃO DE LIGAÇÃO RETA REF.509 ALUMAIS 41- ESTRUTURA DE SUPORTE DE PLANTA EM CHAPA QUINADA DE AÇO GALVANIZADO 42- BETÃO À VISTA, COFRAGEM METÁLICA, COR CINZA 43- BETÃO À VISTA, COFRAGEM PRÉ-MOLDADA EM PEDRA LOCAL, COR CINZA 44- DOBRADIÇA EM AÇO GALVANIZADO D=2CM

13


22.33 22.06 21. 0

21. 0

22.06

22. 0 22.33

22

22.33

22.06

21. 0

22. 0

22.33 22.06 21. 0

RTAS | 1:50 1. CORTE LONGITUDINAL| E HORTAS | 1:50 1. CORTE HORTAS | 1:50

1:100

HORTAS | 1:50

3

3 5

3

3 2

5

2

2 1

2

1

1

1

4

ORTAS | 1:50 TA HORTAS | 1:50 2.

4

4

PLANTA DAS HORTAS | 1:100

2. PLANTA HORTAS | 1:50 P2 33M2 P2 33M2 P1 P2 62M2 horta coincidente 33M2 so da horta coincidente ão existente P2 abitação existente lhado P1+ P2 2 M onto partilhado P1+ P2 33M2 de 1 Percurso da horta coincidente mrtimento de com a habitação existente tagem nte 2 Espaço partilhado P1+ P2 xistente umos da horta coincidente 3 Compartimento de e Arrumos tação existente compostagem artilhado P1+ P2 4 Poço existente mento de 5 Casa de Arrumos gem stente Arrumos

4

P1 62M2 HORTAS | 1:50

58

59 58

46 48 46 48

59

58 58

59

1 3 45 60 1 3 45 60

| 1:20 ORTA | 1:20

1 3 45 60

46 48 46 48

57

57

1 3 45 60

3. CORTE HORTA | 1:20

RTA | 1:20

59

57 57

3. CORTE CONSTRUTIVO | 1:40

LHA 12- BETÃO DE LIMPEZA 31- TERRA VEGETAL 45- CALÇADA DE BASALTO 46- CALEIRA EM PEDRA LIOZ 47- LAJE DE COBERTURA DO POÇO EM PEDRA LIOZ E=2CM 48- PAREDE DE PEDRA EXISTENTE SERRADA A 1.05 METROS PERIMETRO DA FRACÇÃO DA HORTA E 20 CM PAREDES INTERIORES 49- E 1 - TERRA COMPACTADA 3 - GRAVILHA 12DE46LIMPEZA TERRA VEGETAL 45CALÇADADO DE BASALTO 46- LIOZ CALEIRA EM LIOZ 47- EXISTENTE LAJE DE COBERTURA DO POÇO EMPEDRA PEDRA LIOZ E=2CM 48-PINHO GRAVILHA BETÃO DEMETÁLICA LIMPEZA 31TERRA VEGETAL 45- CALÇADA BASALTO CALEIRA PEDRA LIOZ 47- LAJE DECAPEAMENTO COBERTURA EM PEDRA 48- PEDRA PAREDE DE PEDRA SERRADA AM 1.05 PERIMETRO DA FRACÇÃO DA HORTA EPAREDE 20 CM PAREDES INTERIORES ILIZADO 53 -12COBERTURA QUINADA EM AÇO GALVANIZADO 54DE -BETÃO CAPEAMENTO DA BASE 31EM AÇO GALVANIZADO 55EMPOÇO PEDRA LIOZ E=3CM 56E=2CM - PAREDE EXISTENTE EM BETÃO SECCIONADA A 1.05 57METROS - DEGRAU EM LIOZ 58- PORTÃO EM , ACABAMENTO TAPA PO PEDRA EXISTENTE SERRADA A 1.05 METROS DA DAGALVANIZADO HORTA E 2055CMCAPEAMENTO PAREDES INTERIORES ESTRUTURA MADEIRA PINHO BARROTES CM 50RIPAS MADEIRA DEEM PINHO ESTABILIZADO 53 -DE COBERTURA METÁLICA QUINADA EM AÇO GALVANIZADO 54PERIMETRO - CAPEAMENTO DAFRACÇÃO BASE EM AÇO EM PEDRA LIOZ49E=3CM 56 - PAREDEEM EXISTENTE EM DE BETÃO SECCIONADA A 1.05 D=16X8 M 57 - DEGRAU EM PEDRADE LIOZ 58- PORTÃO PINHO , ACABAMENTO TA

D=4X8 CM DISTANCIADAS 2 CM, ACABAMENTO EM COM TAPA POROS EXTERIOR INCOLOR: ROBILAC CUPRIVIP ARQUEOLOGIA, N AT U R E Z A E LUG FAUL | Julho 2018 A ReQa U E O L Ocontextualização GIA, N AT REZA Edo RioL FAUL | Julho 2018 A Horta doUParque Natural 1 - TERRA COMPACTADA 3 - GRAVILHA 12- BETÃO DE LIMPEZA 31TERRA VEGETAL PAREDEEstufa DE PEDRAna EXISTENTE SERRADA A 1.05 METROS PERIMETRO DA FRACÇÃO DA PROFESSOR NUNO MATEUS | PROFESSOR JORGE NUNES45- CALÇADA DE BASALTO 46- CALEIRA EM PEDRA LIOZ 47- LAJE DE COBERTURA DO POÇO EM PEDRA LIOZ E=2CM 48A Horta e a Estufa na contextualização do Parque Natural do 14SAIBRO ESTABILIZADO 52 - PAVIMENTO EM 53 - COBERTURA METÁLICA QUINADA AÇO GALVANIZADO 54 - CAPEAMENTO DA BASE EM AÇO GALVANIZADO 55- CAPEAMENTO EM PEDRA LIOZ E=3CM 56 - PAREDE EXISTENTE EM BETÃO SECCIONADA A 1.05 M 57 - DEGRAU EM PEDRA LIOZ 58 NUNO MATEUS PROFESSOR JORGE NUNES RAVILHA 12-PROFESSOR BETÃO DE LIMPEZA 31- TERRA VEGETAL |45CALÇADA DE BASALTO 46-EM CALEIRA EM PEDRA LIOZ 47- LAJE DE COBERTURA DO POÇO EM PEDRA LIOZ E=2CM 48- PAREDE DE PEDRA EXISTENTE SERRADA A 1.05 METROS PERIMETRO DA FRACÇÃO DA HORTA E 20 CM PAREDES INTERIORES 4

TABILIZADO 53

- COBERTURA METÁLICA QUINADA EM AÇO GALVANIZADO 54 - CAPEAMENTO DA BASE EM AÇO GALVANIZADO 55- CAPEAMENTO EM PEDRA LIOZ E=3CM 56 - PAREDE EXISTENTE EM BETÃO SECCIONADA A 1.05 M 57 - DEGRAU EM PEDRA LIOZ 58- PORTÃO EM PINHO , ACABAMENTO TAPA ARQUEOLOGIA, N AT FAUL | Julho 2018

FAUL | Julho 2018

na contextualiza A R Q U E O L O G I A , A Horta N A eT aUEstufa REZA E LU


24. 24.7 7

23.30 23.30 23.00 23.00 22. 22.0 0

22.2 22.2

22. 22.

22.3 22.3

55

P1P1 2 20M 20M2

P2P2 2 28M 28M2

5353 4949

4747

5050

5555 5656

5151 5454 5252

3131 1212

51- PAVIMENTO EM CHAPA DE AÇO GALVANIZADO 52 - PAVIMENTO EM SAIBRO ESTABILIZADO 53 - COBERTURA METÁLICA QUINADA EM AÇO GALVANIZADO 54 - CAPEAMENTO DA BASE EM AÇO GALVANIZADO 55- CAPEAMENTO EM PEDRA LIOZ E=3CM 56 - PAREDE EXISTENTE EM BETÃO SECCIONADA A 1.05 M 57 - DEGRAU EM PEDRA LIOZ 58- PORTÃO EM PINHO , ACABAMENTO TAPA POROS EXTERIOR INCOLOR: ROBILAC CUPRIVIP 59 - CAPEAMENTO METÁLICO QUINADO DE AÇO GALVANIZADO 60- PÓ DE PEDRA

HORTA E 20 CMCM PAREDES INTERIORES 49ESTRUTURA EMEM MADEIRA DEDE PINHO BARROTES D=16X8 CMCM 50RIPAS DEDE MADEIRA DEDE PINHO D=4X8 CMCM DISTANCIADAS 2 CM, ACABAMENTO EMEM COM TAPA POROS EXTERIOR INCOLOR: ROBILAC CUPRIVIP 51PAVIMENTO EMEM CHAPA DEDE AÇO GALVANIZADO A HORTA E 20 PAREDES INTERIORES 49ESTRUTURA MADEIRA PINHO BARROTES D=16X8 50RIPAS MADEIRA PINHO D=4X8 DISTANCIADAS 2 CM, ACABAMENTO COM TAPA POROS EXTERIOR INCOLOR: ROBILAC CUPRIVIP 51PAVIMENTO CHAPA AÇO GALVANIZA PORTÃO EMEM PINHO , ACABAMENTO TAPA POROS EXTERIOR INCOLOR: ROBILAC CUPRIVIP 5959 - CAPEAMENTO METÁLICO QUINADO DEDE AÇO GALVANIZADO 60PÓPÓ DEDE PEDRA 15 8PORTÃO PINHO , ACABAMENTO TAPA POROS EXTERIOR INCOLOR: ROBILAC CUPRIVIP - CAPEAMENTO METÁLICO QUINADO AÇO GALVANIZADO 60PEDRA

TUURREEZZAA

EE

LLUUGGAARR

ão dodoParque ação ParqueNatural NaturaldodoRio RioSeco Seco

Projecto Final dede Mestrado Projecto Final Mestrado

ANA RITA COELHO DE PINHO CARVALHO | 201112

PP15 15


1. MAQUETE | 1:500 Cart達o madeira, cart達o prensado cinzento e cartolina preta

2. MAQUETE | 1:100 Cart達o madeira e cart達o prensado cinzento

16


3. PERSPECTIVA DA ESTUFA

4. PERSPECTIVA DA CIRCULAÇÃO INTERIOR

17


2. Portaria da ENSA Paris La Villette

Concurso de ideias para execução em corte a laser

ATELIER MAQUETE |

O Projecto proposto enquadra-se num concurso lançado pelo Atelier Maquete da Faculdade de Arquitectura de Paris La Villette. A estrutura proposta pretendia-se desmontável, modular e realizável em corte a laser apenas com o recurso ao uso da técnica de encaixe (sem colas ou parafusos). Esta estrutura pretendia ser o local de vigilância do segurança da faculdade. A faculdade de Arquitectura encontra-se no interior de um quarteirão. O acesso implica a entrada por um portão partilhado pela faculdade e pelos moradores do quarteirão. Como única entrada, pretende-se que este lugar além de funcional, seja um lugar simbólico de demarcação do espaço da faculdade. O espaço de intervenção é num corredor, pelo que se propôs uma curva que ocupasse todo o espaço de forma a não ser um obstáculo ao fluxo de pessoas. A estrutura é composta por um espaço reservado ao segurança, uma área para afixação de informação, bem como um banco que permite a permanência dos transeuntes da faculdade.


20


1. PLANTA COBERTURA | 1:100

5. CORTE TRANSVERSAL | 1:100

2. PLANTA PISO TÉRREO | 1:100

3. CORTE LONGITUDINAL | 1:100

4. ALÇADO LONGITUDINAL | 1:100

6. FOTOMONTAGEM COM MAQUETE

21


3. Edíficio plurifamiliar em Campo de Ourique

Entre as Amoreiras e o bairro: uma proposta de habitação, serviços e comércio PROFESSOR ANTÓNIO LOBATO DOS SANTOS (LGLS) |

O lugar de intervenção situa-se no limite do bairro de Campo de Ourique, e uma vez que se encontra na transição entre a zona residencial de Campo de Ourique e de serviços das Amoreiras, pretendia-se que o programa englobasse comércio, serviços e três tipologias habitacionais. O edifício tem como objectivo resolver a transição entre as malhas das Amoreiras e de Campo de Ourique. Assim, à escala urbana propõe-se uma transição gradual dos usos de forma a conectar os diferentes contextos de Campo de Ourique (comércio tradicional) e das Amoreiras (escritórios). Por outro lado, propõe-se a lógica de quarteirão, de modo a preservar a continuidade urbana e espírito característico deste bairro. À escala do edificado, as esquinas do quarteirão são dedicadas ao espaço de circulação e comunitário. Além disso, os edifícios existentes são integrados na lógica de quarteirão, propondo para o efeito novas construções nessas empenas. Por fim, no contexto da materialidade, propõe-se cal amarela como referência ao cromatismo de Lisboa, e varandas em madeira, frequentemente presentes como anexos no interior destes quarteirões.


1. PLANTA LOCALIZAÇÃO: BAIRRO DE CAMPO DE OURIQUE | 1:1000

24


PISO 5 Habitação

PISO 3 e 4 Habitação

PISO 0,1 e 2 Serviços Comércio Habitação

PISO 1 Serviços PISO 0 Comércio

PISO -1 Estacionamento Arrumos

2. AXONOMETRIA DA PROPOSTA URBANA

25


1. PLANTA PISO 2 | 1:400

2. CORTE LONGITUDINAL | 1:400

26


3. PLANTA PISO 3 | 1:400

4. ALÇADO | 1:400

27


1. CASA GRANDE (T3) | 1:100

28


3. ESTÚDIO | 1:100

Casas Grandes (T3) Casas Grandes (T3) variação Casas Pequenas (T1) Estúdios 4. CASA PEQUENA (T1) | 1:100

2. AXONOMETRIA DESTRIBUIÇÃO DAS TIPOLOGIAS

29


1. CORTE TRANSVERSAL | 1:120

30


31


4. Protótiopo : A unidade de habitação

Proposta de agregação no contexto da Rua de S. Bento PROFESSOR ANTÓNIO LOBATO DOS SANTOS (LGLS) |

O programa de projecto estava repartido em duas fases: uma primeira de protótipo e uma segunda de agregação dessa lógica habitacional. O programa definia que o protótipo deveria ocupar um máximo de 130 m3 e ser destinado a 6 pessoas. Esta unidade habitacional deveria ser pensada como uma unidade mínima de habitação e de residência de curto termo. A proposta de protótipo pretende criar uma transição gradual entre o espaço social e privado desde o momento da entrada até ao dormitório. Esta habitação pretendia-se flexível, e sem áreas pré-definidas. Deste modo, propôs-se sempre alguma comunicação visual e auditiva entre os espaços, garantido alguma privacidade através das diferentes cotas das plataformas habitadas. No que refere à flexibilidade, optou-se por pensar um espaço sem excesso de mobilidade de mobiliário, de modo que os diferentes elementos construtivos pudessem adquirir mais do que uma função: como por exemplo, um pavimento que se transforma num banco, ou numa mesa. O projecto urbano de agregação pretendia intervir num vazio urbano da rua de S. Bento, e incluir no programa espaços de arrumos, lavandaria e um salão comunitário. As áreas comunitárias foram concentradas no interior do quarteirão ajardinado, uma vez que se pretendia que os habitantes usufruíssem deste espaço. Para a materialidade optou-se por pigmentar o betão à tonalidade da pedra lioz, presente nos edifícios ao longo da rua de S. Bento.


1. AXONOMETRIA DO PROTÓTIPO

2. MAQUETE LUMINOSIDADE E MATÉRIA | 1:20 Cartão canelado castanho, cartão madeira, cartolina preto,k-line e balsa

34


3. CORTE LONGITUDINAL | 1:100

4. PLANTA PISO SUPERIOR | 1:100

5. PLANTA PISO TÉRREO | 1:100

6. CORTE LONGITUDINAL | 1:100

7. CORTE TRANSVERSAL | 1:100

35


2. ALÇADO PRINCIPAL | 1:400

1. PLANTA PISO -1 | 1:300

36


4. ALÇADO LATERAL | 1:400

3. PLANTA PISO 1 | 1:300

37


1. CORTE TRANSVERSAL | 1:200 2. CORTE LONGITUDINAL | 1:200

38


3. CORTE CONSTRUTIVO | 1:100

39


Portefolio Ana Carvalho  
Portefolio Ana Carvalho  
Advertisement