Issuu on Google+

REDAÇÃO | (28) 99991 7726 ANÚNCIOS E ASSINATURAS (28) 3521 7726

CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM E REGIÃO SUL | ANO V EDIÇÃO 01542| DIÁRIO

Foto: Guilherme Gomes

CONTAGEM REGRESSIVA PARA AS COMPRAS DE NATAL

SEXTA-FEIRA

23 DE DEZEMBRO DE 2016

“A CASA ESTÁ MUITO ARRUMADA”

Diz Casteglione, em sua despedida da prefeitura de Cachoeiro. Admitindo erros e acertos, o petista deixa o cargo afirmando que será candidato em 2018 Foto: Divulgação

P.8

CASTELO VAI RECEBER P.10 RECURSOS FEDERAIS PARA SE RECUPERAR DA ENCHENTE Foto: Divulgação

Nada de ficar em casa no Natal. P.12 Confira as dicas para o fim de semana

Homem se enfia embaixo da cama para escapar da polícia

P.4 a 7 P.11


2 OPINIÃO

SEXTA-FEIRA |23 DE DEZEMBRO DE 2016

FOLHEANDO »» Marcos Freire »» marcosfolhadocaparao@gmail.com

KIT PARA CONSELHO

Foto: Divulgação

NARCISO NO ESPELHO

No interior de São Paulo, Fábio de Moraes, 36 anos, morreu num bungee-jumping diante da mulher e do filho de seis anos. Foi direto de cabeça no chão.Tirou fotos antes e esperava imagens durante, e o objetivo era mostrar a proeza. Há pouco nas minhas férias na África do Sul, acomO Conselho Tutelar de Bom Jesus do Norte recebeu um kit de equipa- panhei saltos assim e mentos, para agilizar os trabalhos e melhorar o atendimento à população percebi que a essêndo município. O Conselho vai recebeu um veículo Citroen Aircross – está cia, o objetivo, era ser em fase de entrega – e recebeu cinco computadores, uma impressora filmado por potente multifuncional, um bebedouro e um refrigerador. Tudo por meio da ade- câmera para mostrar são do município, em 2013, ao Programa de Equipagem dos Conselhos aos outros. Faz parte Tutelares, uma iniciativa da Secretaria Especial de Direitos Humanos. de uma imensa e uniA entrega foi feita na terça-feira (20), na sede do órgão, no centro da versal onda de exibicidade, pela secretária municipal de Assistência Social, Marilane Gripp cionismo, que veio Vargas, que estava acompanhada da secretária municipal de Fazenda, com a popularização Silvia Regina Barreto Tavares, secretário municipal de Administração, da câmera através Beto Janotti, e secretário de Educação, Edmilson Carvalho. dos celulares. Todos querem fazer selfies para mostrar aos ouKIT PARA CONSELHO (2) tros onde estão. Vejo aqui no hotel, no Rio, Para Mauricio Bernardes, um dos conselheiros em Bom Jesus, a entreno restaurante do ga do kit irá facilitar muito o trabalho da equipe. “O carro, por exem30º andar, que mais plo, vai nos ajudar bastante, pois o deslocamento da nossa equipe, para importante de tudo outras cidades, é freqüente. Além disso, os computadores nos darão não é a comida, mas mais segurança e agilidade na formatação de relatórios e outros docua foto de si próprios mentos”, afirmou. Segundo Pedro Pimentel, coordenador do Conselho com o mar de Copano município, a equipe realiza, em média, 36 atendimentos por mês. O cabana ao fundo. Conselho é composto ainda pelos conselheiros: Moisés Gomes, BrunieEm fala de fim de le Duarte e Geane Oliveira. ano para a Cúria - a alta hierarquia do Vaticano - o Papa criSECRETARIADO tica o narcisismo na Nenhum dos prefeitos eleitos da região do Caparaó divulgou oficial- própria Igreja. Demente seus secretariados. Alguns ainda não definiram totalmente a pois de apontar os relação, o que deve acontecer somente na semana que vem. Pelo me- vícios de cardeais e nos deve ser assim, já que todos tomam posse dia 1º de janeiro. A pre- bispos, disse que isso feita de Guaçuí, Vera Costa, por exemplo, disse a este que vos escreve vem da doença do que sua lista poderia ser divulgada hoje, enquanto o prefeito eleito de narcisismo. O pensaDivino de São Lourenço, Eleardo Brasil, não divulgou nomes, mas já dor Luiz Felipe Ponsabe que vai diminuir o número de secretarias. Então, já sabemos que dé acabou de postar: “Uma das coisas que sua lista vai ser menor... o narcisismo(grande contemPensamento do dia: As pessoas vivem nos surpreendendo, só que algu- epidemia porânea) destrói é a mas surpresas também nos mostram a verdadeira face de cada um. capacidade de ter-

EXPEDIENTE

GRUPO FOLHA DO CAPARAÓ DE COMUNICAÇÃO LTDA-ME | CNPJ: 10.916.216\0001-55 Rua Irmãos Fernandes, 59, Bairro Bela Vista, Cep: 29.560-000 - Guaçuí-ES Telefone: (28) 3553 0517 Rua Dona Joana, 25, 2º Pavimento, Bairro Centro, Cep: 29.300-120 - Cachoeiro de Itapemirim-ES Telefone: (28) 3521-7726 | (28) 3511 2611

DIRETORIA GERAL: Elias Carvalho Soares EDITOR GERAL: Lucia Bonino FOTOGRAFIA: Pâmela Koppe REPORTAGEM: Ana Gláucia Chuína, Edézio Peterle, Guilherme Gomes, Lucas Schuina, Skarlady Fernandes e Taynara Barreto EMAIL: jornalismo.aquinoticias@gmail.com ASSISTENTE COMERCIAL: Débora Osório, Alcino Júnior PROJETO GRÁFICO: Giliard Santos Silva Nogueira DIAGRAMAÇÃO: Celso Wallace

COLABORADORES: Alexandre Garcia, Ewerton Miranda Tréggia, Guilherme Gomes, Luciana Fernandes, Ricardo Lemos, Ruy Guedes, Wagner Medeiros Junior, Basílio Machado, Almir Forte, Ramom Barros.

CIRCULAÇÃO Anchieta, Atílio Vivácqua, Cachoeiro de Itapemirim, Castelo, Conceição do Castelo | Iconha, Itapemirim, Marataízes, Mimoso do Sul, Muqui, Piúma, Presidente Kennedy, Rio Novo do Sul, Vargem Alta, Venda Nova do Imigrante.

mos afetos verdadeiros com o mundo.” De cardeais a adolescentes, o Narciso está sendo o deus. Na lenda grega, Narciso apaixonou-se por si mesmo, ao ver a sua imagem na água calma de um lago. Quis tanto entrar em si mesmo que morreu afogado. Isso em tempos em que não havia espelho, é claro. E muito menos celulares com câmeras para selfies. A colunista Martha Medeiros, em O Globo do último domingo, vai além. Ela critica a nova mania de tirar foto de tudo. Ela ficou três dias sem celular e sentiu que estava vendo mais. Não fotografou o palestrante, nem o bairro desconhecido, nem fez selfie do almoço com amigas. E percebeu que guardou melhor as lembranças de tudo que viu e ouviu naqueles dias. Eu já havia constatado o contrário: quando me empolgo com o que estou vendo e vivendo, esqueço da câmera, tão concentrado estou no que meus olhos e ouvidos estão a transmitir para o cérebro. As lembranças, assim, ficam mais bem guardadas. Quando as registramos na câmera, parece que pouco sobra para o arquivo cerebral e fica na superfície. Descarregamos nossa memória

no chip. Pesquisa da Fstoppers, citada pelo pós-doutor em Psiquiatria, prof.Cristiano Nabuco de Abreu, calcula que são clicados 1 bilhão de autorretratos digitais por dia, os selfies. A Samsung afirma que 36% deles são retocados antes de postados. A revista Psycology Today afirma que isso é indício de baixa autoestima e narcisismo. Experiência no Reino Unido com jovens entre 18 e 30 anos a quem pediram para tirar fotos, concluiu que 39% usaram como objeto a si próprios, em vez da família, animal de estimação, amigos ou paisagens. Desse narcisismo resultou obsessão pela aparência e revelação da intimidade - paradoxalmente diminuindo a intimidade com amigos e família. O prof. Cristiano demonstra que ao escolher que imagem nossa vamos mostrar, acabamos perdendo nossa imagem real; ficamos conectados com imagens mas desconectados de nós mesmos e nosso mundo real: como quero que prestem atenção em mim se eu mesmo não sei quem sou, “escondido” atrás da câmera e da foto? Não quero jamais permitir que uma câmera me separe dos outros e do mundo. Ou de mim mesmo.

As matérias assinadas e publicadas neste jornal, não traduzem a opinião do próprio jornal. A veracidade das informações publicitárias veiculadas é de responsabilidade de quem as patrocina (anunciante). A legislação não impõe ao órgão que veicula o anúncio (jornal) a obrigatoriedade de verificação e comprovação da fide lidade e correção destes anúncios. Fonte: STJ (Superior Tribunal de Justiça).

ACESSE:


POLÍTICA 3

SEXTA-FEIRA|23 DE DEZEMBRO DE 2016

MUITO CEDO

MARCOS GOES AFIRMA QUE FALAR DE 2020 É PREMATURO Em resposta à matéria veiculada ontem, o vereador disse que não há objetivos quanto à sucessão em 2020 e que há outros candidatos a presidente da Câmara de Guaçuí Marcos Freire Guaçuí

O vereador eleito de Guaçuí, Marcos “Goes” José Rodrigues (PSL), procurou este jornal para dar uma resposta á matéria publicada na edição de ontem, sob o título “Disputa da presidência em Guaçuí visa 2020”. Sobre isto, o vereador afirmou que não existem objetivos quanto à sucessão da prefeitura, em 2020, afirmando que é muito prematuro para tratar sobre tal assunto. Marcos Goes admitiu que estão realmente acontecendo reuniões longas entre os vereadores, na busca de conciliação entre eles. “Não há disputa, pois somos todos elei-

tos pela coligação que apoiou a prefeita Vera Costa”, disse. Segundo ele, o próximo presidente terá que fazer uma política diferente, “com união, transparência e dedicação, com seus pares, em prol de nossa sociedade”, acrescentou.

MARCOS DESTACOU OUTROS NOMES À PRESIDÊNCIA O vereador confirmou que é candidato a presidente da Câmara de Guaçuí, mas colocou que existem outros nomes. “Eu sou candidato à presidência da Câmara, mas tenho que respei-

tar todos que foram eleitos e aqueles que também são candidatos a presidente”, disse, citando os nomes de Angelo Moreira (PSDB), Laudelino Alves Graciano Neto – Laudinho (PP), José Luiz Pirovani (PDT) e Wanderley Moraes (PDT). Ele também disse que, em nenhum momento, afirmou ter o apoio de seu irmão, o ex-secretário de Saúde e ex-vereador, Edielson Rodrigues. “Tenho o apoio do povo, em qualquer decisão da minha vida, onde devo respeitar, com orgulho, meus 409 votos”, destacou. “Se eleito presidente, honrarei meus amigos vereadores, não irei

NOVIDADES NA SAÚDE

Hospital Materno Infantil terá nove especialidades Lucas Schuina Cachoeiro de Itapemirim

O novo Hospital Marteno-Infantil de Cachoeiro de Itapemirim, que ficará no local onde atualmente funciona a Superitendência Regional de Saúde, no bairro Aquidaban, oferecerá nove especialidades médicas e 19 seções de atendimento. O projeto assistencial e arquitetônico do hospital será apresentado hoje, às 11 horas, em evento com a presença do governador Paulo Hartung. Segundo a diretoria do Hospital Infantil Francisco de Assis (Hifa), o novo hospital atenderá gestantes de alto risco dos 26 municípios do Sul do Estado, bem como partos de risco habitual de oito cidades da região. No total, a unidade poderá realizar até

800 partos por mês. No evento de hoje, que também tem a presença confirmada do Secretário Estadual de Saúde, Ricardo de Oliveira, e dos senadores Magno Malta (PR) e Ricardo Ferraço (PSDB), deverão ser anunciadas verbas do governo estadual para a realização da pri-

meira etapa das obras de adequação da unidade. “É um sonho antigo de nossa diretoria e lutamos muito por ele. Agora poderemos atender mães e crianças em um só lugar com assistência resolutiva de qualidade”, destaca o presidente do Hifa, Winston Roberto.

ESTRUTURA Especialidades: neonatologia, ginecologia, obstetrícia, clínica médica, Cardiologia, anestesiologia, neurologia, cirurgia pediátrica, enfermagem obstétrica. Seções: Utin, UTI, gestação risco habitual, gestação alto risco, leitos, pronto-socorro materno infantil, classificação de risco, consultórios de obstetrícia, consultório de neonatologia, leitos de observação, unidade de diagnóstico, salas de ultrassom, raio-x, centro cirúrgico e obstétrico, salas cirúrgicas, sala para procedimento de Amiu, laboratório de análises clínicas, ambulatório, consultórios, casa da gestante, bebê e leito para puérpera.

Foto: Marcos Freire

Marcos “Goes” confirmou que é candidato a presidente, mas que não está se apoiando no prestígio de seu irmão Edielson.

caminhar na sombra de ninguém, e qualquer cargo que meu irmão assumir é de

competência dele, enquanto o nome para a presidência da Câmara é da competência

dos 11 vereadores”, enfatizou. Marcos colocou que, caso seja eleito presidente da Câmara, isso não irá fortalecer qualquer nome para a sucessão em 2020. “Eu não estou apostando no prestígio de Edielson para ser escolhido, mas sim por minha competência, pois irei trabalhar com todos os vereadores, apoiando a prefeita Vera Costa e fazendo nosso papel de fiscalizar e legislar para toda a sociedade, sem olhar questões partidárias ou colocação de secretariado”, disse. “Nosso papel é legislar e fazer política nova, fazer o povo acreditar em dias melhores em prol dos mais necessitados”, completou.


4 ESPECIAL

SEXTA-FEIRA |23 DE DEZEMBRO DE 2016

Entrevista

Carlos Casteglione

“A casa está muito arrumada” Diz Casteglione em sua despedida da prefeitura de Cachoeiro Ilauro Oliveira Cachoeiro de Itapemirim

Seu nome está na história política de Cachoeiro. Não apenas por ter governado a cidade duas vezes, o que, por si só, já é um feito. Mas, Carlos Casteglione (PT) fez mais: derrotou duas vezes, de forma direta, em 2008, e indireta, em 2012, as duas maiores raposas do mundo político cachoeirense, Theodorico Ferraço (DEM) e Roberto Valadão (PMDB). Contudo, o prefeito admite nessa entrevista que sua eleição mais dura foi contra o falecido deputado estadual Glauber Coelho. “E em 2012 foi peculiar porque o meu adversário tinha as mesmas qualidades que eu tinha em 2008, sendo que eu além de não ser o novo, tinha ainda o desgaste do mandato. Ele era eu, sem o desgaste que eu tinha. E apoiado por Ferraço e Valadão. Então foi muito difícil”, disse. Casteglione faz um balanço dos seus oito anos como prefeito dizendo que trabalhou mais para as periferias. Reconhece que deixa o poder com seu partido muito menor do que quando entrou, mas avisa que será candidato em 2018. Ele também comenta os momentos mais difíceis do seu governo, um deles quando perdeu o Fundap, e lembra que está deixando

uma receita própria melhor, fruto de uma política de aumento da arrecadação. “A casa está muito arrumada”.

dato, mesmo assim conseguimos cuidar de áreas estratégicas e melhoramos a vida da população.

Prefeito, e assim se passaram 8 anos. Os cabelos estão mais brancos...O senhor sai com a sensação do dever cumprido... Carlos Casteglione - ...Com certeza, eu tenho a sensação do dever cumprido depois de 8 anos. Formatamos um modelo administrativo que deu certo. Cachoeiro tem uma dificuldade histórica por sempre ter sido a penúltima em receita per capita. Conseguimos melhorar um degrau e hoje somos a antepenúltima. Então, esse é o desafio maior: governar um município grande, com 210 mil habitantes, mas com receita de um município de 10 mil habitantes. Mas tenho certeza que estamos saindo com esse dever cumprido. Considerando, claro, que nem tudo aquilo que as pessoas precisam e merecem, nós conseguimos. Tenho essa compreensão...

Bom, o senhor perdeu receitas, e já administrava com receitas baixas, mas mesmo assim considera que a cidade avançou. Onde? Casteglione – Vou pontuar áreas importantes, mas não dá para citar tudo que fizemos. Mas na Educação cumprimos as metas do Plano Nacional de Educação na oferta da creche aos alunos de 4 e 5 anos. Cumprimos 100% dessa meta. Isso já em 2012. Eliminamos as filas por vagas nas creches de Cachoeiro, questão recorrente em 2009 e 2010. Implantamos nosso Plano Municipal de Educação, ferramenta muito importante para o futuro desse segmento. Melhoramos e qualificamos a merenda escolar. Criamos um programa de distribuição de uniformes aos nossos mais de 21 mil alunos e implementamos um programa de valorização e qualificação dos profissionais da Educação.

Dificuldades agravadas com a perda do Fundap em 2013... Casteglione – Sim, claro. Perdemos R$ 12 milhões de Fundap, a crise econômica também agravou muito nesse segundo man-

Na Educação, o senhor teve uma crise governamental quando fechou as escolas. Foi uma decisão difícil? Casteglione – Não foi uma decisão fácil. A decisão técnica de fechar

nove escolas falou mais alto. Tanto que acertamos que você não tem uma criança fora da escola por problemas de vagas. Não é só isso: o estudo que nós contratamos deu o indicativo que se não tomássemos aquela decisão não teríamos concluído o ano nas condições financeiras que estamos. Estamos deixando um legado para os próximos cinco anos. E na saúde, prefeito? Casteglione - Saúde, vejo que foi nosso maior desafio. E aí, desde o primeiro mandato, já encontramos muitas dificuldades no Paulo Pereira (Pronto Atendimento Municipal). Mas mudamos isso e, hoje, trata-se de uma unidade muito mais qualificada do que quando encontramos. No próximo dia 27 vamos inaugurar a UPA (Unidade de Pronto Atendimento) do Marbrasa que vai melhorar muito o atendimento de urgência e emergência e no serviço de atenção primária, que são os serviços ofertados nos postos de saúde dos bairros, que são 35, melhorou muito a nossa capacidade de atendimento quando recebemos os 25 médicos cubanos, do Programa Mais Médicos. Isso deu condições de ampliar as equipes de Estratégia da Família. Também reformamos e concluímos mais de

dez unidades básicas de saúde, qualificando também as estruturas físicas neste setor. Na cidade e no interior. E conseguimos um curso de Medicina para Cachoeiro, que hoje, está em discussão, mas trata-se de uma grande conquista. Hoje, a oferta aumentou, tanto em quantidade quanto em qualidade, mas essa área é um desafio constante e nenhum governante para de trabalhar nela. Há sempre novos desafios. Lembrando que a Prefeitura de Cachoeiro tem um compromisso financeiro com o Hospital Infantil também... Casteglione - Isso. Com o Pronto Atendimento Infantil. São R$ 290 mil por mês, para Urgência e Emergência Infantil. Prefeito, a UPA do Marbrasa que o senhor vai inaugurar, não vai esvaziar ou piorar o atendimento no Paulo Pereira? Não vão faltar profissionais em uma ou em outra unidade? Casteglione – Não, porque tem um detalhe aí: nós estamos com obra contratada de reforma do Paulo Pereira. Então, nós vamos deslocar todo o trabalho de urgência e emergência de lá para o Marbrasa para que a obra seja concluída. Então, lá fecha, e

não serão os dois funcionando simultaneamente? Casteglione – Por enquanto não. Fecha urgência e emergência até terminar a obra, prevista para seis a sete meses. Enquanto isso, quem precisar de atendimento de urgência e emergência vai para o Marbrasa. Mas, quando a obra for concluída, a proposta é que funcionem os dois. E a obra já está em andamento. Mas, caberá então ao futuro prefeito avaliar se funciona duas, ou uma, e, no segundo caso, qual das duas funcionaria... Casteglione – Isso aí. Quem decide é ele. O processo original é que funcione duas. Mas administração é muito dinâmica e caberá a ele avaliar as questões orçamentárias e sua política administrativa voltada para o setor. Aquinoticias – Prefeito, mesmo no aperto financeiro, o senhor optou por continuar fazendo obras... Casteglione – ...Sim. A história foi assim. Nos quatro anos do meu primeiro mandato o Brasil estava muito melhor na economia. Isso ajudou. Em 2013 perdemos o Fundap, como disse. Então, o que eu tive que fazer? Reprogramar todo o processo de investimento, sem ter a opção de deixar de fazer nenhuma obra que


ESPECIAL 5

SEXTA-FEIRA |23 DE DEZEMBRO DE 2016

estava contratada e em andamento. Esse foi o dilema. Então não iniciei obras novas e planejei as demais. Com o agravamento da crise, tivemos que cancelar seis convênios com o Governo do Estado. Então, em 2016 tive que puxar esses projetos para as minhas mãos e tocar sem paralisá-los. Mas, essas obras que não conseguirei entregar, estão todas empenhadas e com recursos na conta. Não há motivos para as pessoas se alardearem ou as obras serem paralisadas por questões orçamentárias e financeiras previstas no contrato. E de onde veio esse dinheiro? Casteglione – Vou te contar o que fizemos para arrumar dinheiro. O milagre foi investir na receita própria. Precisamos melhorar a receita do IPTU. Aí começamos a trabalhar. Hoje, terminamos o ano com R$ 11 milhões de receita de IPTU. Essa arrecadação, quando eu assumi, em 2009, era de algo em torno de 4 milhões de reais. Então, melhoramos muito nossa arrecadação. Melhoramos a arrecadação de ISS, melhoramos o recolhimento de IPVA e ITBI. De forma que nossa receita ao invés de cair, cresceu. Os recursos das emendas parlamentares também foram muito trabalhados. Não abrimos mão de nada. Também fizemos captação de recursos no BNDES graças à qualificação da nossa gestão, que nos permitiu fazer financiamentos. Então, essa foi a receita que nos deu o fôlego necessário para chegar até aqui. Deixa eu voltar na questão das obras que estão com dinheiro em cai-

xa para pagar, mas não foram concluídas. O futuro prefeito reclamou, dia desses, sobre esses restos a pagar e disse que a casa não está arrumada financeiramente. Disse que vai ter que pagar R$ 11 milhões. Casteglione – Olha, é preciso compreender o termo restos a pagar. Isso é uma provisão contábil no serviço público perfeitamente legal. Esse valor está na conta bancária para garantir as obras em diversos bairros... e são seis obras. Os contratos existem, as obras estão sendo tocadas e o dinheiro está na conta. Isso são restos a pagar. Fato absolutamente normal e legal no serviço público. Tudo que eu tiver contratado por lei, em final de mandato, reeleito ou não, como foi meu caso em 2012, é absolutamente legal. Por exemplo, tudo que eu não consegui pagar em 2012, eu tive que deixar nos restos a pagar para cumpri-los em 2013. No caso, fui eu mesmo, mas poderia ter sido o meu sucessor. Então, no caso de agora, será o futuro prefeito. Lembrando que não estou pagando por falta de dinheiro, mas por falta de execução, já que não há mais tempo.

Prefeito, então os pagamentos estão todos em dia e a casa está arrumada? Casteglione – Todos os pagamentos estão em dia e a casa está muito arrumada. Aos servidores, eu já paguei décimo terceiro, e vou pagar o salário de dezembro, todos os contratos em dia devidamente pagos. E ai de mim se eu não tivesse mantido a casa arrumada até agora. Tudo que estava sendo veiculado na propaganda da prefeitura está valendo. O meu sucessor vai encontrar tudo da melhor maneira porque eu não tenho nenhuma intenção de deixar nada da pior maneira para o futuro prefeito, pelo contrário. A gente mora aqui, né, então não tem porque ser diferente. Prefeito, a agricultura foi muito trabalhada pelo senhor. De repente, no seu governo, o cachoeirense lembrou que temos potencial rural também. Casteglione –

E muito potencial. E essa foi uma preocupação nossa. Temos um potencial de gado leiteiro e de corte, mas até então era só isso que ouvíamos. Fomos atrás e descobrimos a suinocultura, onde Cachoeiro é o maior produtor de carne suína do Estado, descobrimos o café, que até então, e numa linguagem popular “era guiado” para Castelo. Ou seja, as notas eram tiradas para Castelo e não para Cachoeiro. Enfim, botamos luz sobre essas atividades que já existiam e depois partimos para a diversificação. Temos hoje, tecnologia na produção de galinha caipira, ou seja, temos pesquisa nessa área em Cachoeiro. As pessoas sempre quiseram produzir, mas não tinham como e onde vender. Então fechamos duas pon-

tas: incentivamos a produção, investindo para que ela acontecesse, e criando os instrumentos para que isso acontecesse com Fundo e Conselho Rural sustentável. E organizamos essa cadeia. Fomos comprar produtos para a merenda escolar direto do produtor cachoeirense. Cachoeiro foi escolhido agora, como um dos dez municípios brasileiros onde melhor se compra a merenda escolar. Organizamos as feiras, essencialmente com cachoeirenses vendendo, já que antes era uma farra. Criamos o ticket feira para o servidor e o produtor. Isso tudo organizou o processo comercial. Hoje, as pessoas têm prazer em produzir porque sabem que tudo terá destinação e compradores. Com um destaque: a comunidade quilombola de Monte Alegre, que para mim é um símbolo. O líder comunitário de lá me disse assim um dia: antes desse governo o que a gente via eram os caminhões chegarem a Monte Alegre para levar cestas básicas aos carentes, e hoje eles saem carregados de produção agrícola para vender nas feiras da cidade. Isso é muito simbólico. Sem contar que a produção rural fez crescer a nossa receita.

E na Cultura prefeito? Como o senhor deixa? Casteglione – Acho que cresceu muito! Investimos muito na cultura popular. Articulamos a produção cultural, investimos muito através da lei Rubem Braga, na Lei Mestre João Inácio. Passamos do trio Rubem Braga, Roberto Carlos e Sérgio Sampaio e colocamos em foco outras artes e artistas de Caxambú, Bate Flecha, Capoeira, e outros. O teatro Rubem Braga com recorde de público ano a ano, sem falar da Bienal, que dispensa comentários...vem crescendo a cada dia. Espero que o futuro prefeito mantenha a Bienal no mesmo tamanho ou amplie. Não dá para retroceder nem um milímetro, porque a Bienal antes de ir para a rua ela entra nas escolas. Ela acontece antes nas escolas...então acho que não pode parar. O elefante branco de Ferraço foi o Hospital do Aquidaban, o de Valadão foi a Vila Olímpica...o do senhor será o restaurante Popular? Casteglione – A caracterização de elefante branco é o de uma obra que está parada, sem andamento. Então, não estou deixando um elefante branco. Estou deixando um projeto dentro do programa de alimentação às classes menos favorecidas, cujo convênio está ativo, o contrato com a empresa que tem a


6 ESPECIAL missão de concluir a obra está ativo...teve um pagamento agora no início de dezembro referentes a obras e equipamento do restaurante... Mas o senhor não inaugura... Casteglione - ...Não, não inauguro. Mas deixo a obra em andamento, com aquisição de equipamentos, com pagamentos recentes...enfim, tudo andando para que o próximo prefeito possa entregar. Já que falamos de obras, o que o senhor deixa de herança nesse setor? Casteglione – Trabalhamos por aqueles que mais precisam. Essa foi a grande obra: drenagens, contenções de encostas, pavimentações, escadarias..do Zumbi ao Village, do Alto União ao Aeroporto. Muitos investimentos que deram segurança á população, e posso pro-

SEXTA-FEIRA|23 DE DEZEMBRO DE 2016

var isso porque acabamos de passar por um volume grande de chuvas e ninguém ouviu falar de riscos de acidentes com casas que caíram em encostas. A nossa grande marca é a decisão de atuar da periferia para o centro. Prefeito, a gente respeita as decisões de governo, como essa, mas não dava para ter pelo menos melhorado a Avenida Beira Rio? Inclusive o senhor caminha lá e vê como ela está... Casteglione – Pois é, essa era a obra dos meus sonhos, a obra de 2016, para fechar os oito anos. Você lembra que, em 2012, nós concluímos a famosa ponte de pedestres, na Beira Rio. Fizemos também a melhoria daquela passagem lateral à Ponte de Ferro, que era de madeira, com riscos para a população. Então, duas obras na região central, obras sim-

ples mas significativas. Mas, voltando à Beira Rio, era meu sonho. No entanto, a crise nos abateu. O governador me chamou e disse que não dava para tocar os convênios assinados e eu tive que assumir as obras que tinha e não iniciar nenhuma obra mais. Tinha já reservado R$ 6 milhões, que estavam em poupança, guardados para a Beira Rio, mas não foi possível. Mesmo assim, estou deixando o projeto arquitetônico pronto, quem sabe o futuro prefeito não faça? Mas fico feliz porque estou deixando também um Centro Integrado de Artes e Esportes no Ruy Pinto Bandeira, que é uma homenagem a Sérgio Sampaio. Uma obra fantástica também que atende o chamado Grande Aeroporto. Prefeito, como o senhor recebeu a queixa dele sobre a compra dos compu-

tadores e inclusive um pedido para que o senhor paralisasse a compra? Casteglione – De forma nenhuma cancelaria a compra. Porque, na administração pública, as pessoas precisam entender que as decisões não são tomadas de qualquer jeito e de última hora. A compra desses equipamentos faz parte de um planejamento de lá de 2013 ainda. Idealizamos um conjunto de ações, realizamos todas elas e no processo de aquisição pública, que não é fácil, essa compra ficou para agora. Mas ela foi devidamente pensada. Recebi o comunicado, mas por ser um processo a longo prazo, jamais pensei em cancelar. E essa compra vai favorecer muito a nossa educação. Havia uma segurança técnica nessa compra. Respeito o pedido, mas descartei totalmente.

Prefeito, a política agora. A votação do Brás, candidato do PT à prefeitura, foi um fiasco. Não teve dois mil votos. Isso foi uma reprovação ao seu governo, ao seu partido.... Casteglione – Foi de tudo um pouco. O nosso projeto de continuidade não era o Brás. Mas, tanto Rodrigo Coelho quanto o Professor Léo optaram por deixar o partido. Então o Brás entrou como um guerreiro... Sim, mas não foi também uma reprovação ao governo? Casteglione – Sim. Não tenho dúvidas que teve isso também e assumo com tranqüilidade. Mas teve a questão do desgaste do PT em nível nacional... isso contribuiu. Mas os resultados da nossa administração que ficaram aquém do esperado pela população contribuiu sim. E isso é legítimo.

A população tem esse direito de querer as melhores coisas e quando isso não acontece, a rejeição acaba caindo na administração. Mas o senhor não acha que faltou maturidade dentro do PT para buscar um nome entre os partidos aliados? Casteglione – Essa é outra questão. A pulverização das candidaturas influiu no resultado. Não tínhamos uma liderança forte, nem nós e nem os aliados. Aí todos os partidos se sentiram no direito de posicionar candidatos. Não teve consenso. Mas o senhor, como líder maior desse processo, não buscou fechar esse grupo? O senhor não falhou ai? Casteglione – Tenho minha parcela de culpa, mas eu tinha um limite para trabalhar, e eu trabalhei, mas tinha


ESPECIAL 7

SEXTA-FEIRA|23 DE DEZEMBRO DE 2016

um limite... Que limite é esse prefeito? Casteglione – O limite do PT. Eu pude ir até um ponto, mas no PT a gente não interfere nas decisões internas. Eu posso contribuir na reflexão, mas a decisão é coletiva. Lá no PT a gente não bate na mesa. Então, em certo ponto, ficou decidido que o partido e o governo precisavam ter um nome do PT para defender o nosso legado. O senhor ficou chateado ou se sentiu traído com Rodrigo e com o Léo pela saída do PT? Casteglione – Não, de jeito nenhum. Não carrego esse sentimento. Cada um faz o que quer fazer. Posso dizer no meu caso que eu não faria e não farei nenhum movimento para sair do PT. O senhor está dei-

xando um partido menor... sem representantes na Câmara... Casteglione - Verdade. Isso é fruto de um processo nacional que estamos passando, mas também culpa nossa, do nosso governo, de não capitalizar melhor as ações positivas que fizemos. Fizemos muita coisa, mas mostramos pouco. Quando tínhamos a oportunidade de comunicar aquilo que estávamos fazendo, veio a crise e tivemos que usar esse dinheiro para beneficiar a população. Foi uma escolha. Mas o partido vai entrar em um processo de reestruturação para planejar o futuro. E o seu futuro? Casteglione – Meu futuro é na política. Em 2018. Pretendo disputar. Claro que meu foco, agora, é concluir bem nosso governo. Depois fico

um ano e meio sem mandato, organizando minha vida pessoal, ajudando na reconstrução do partido e buscando recompor minhas relações pessoais e políticas na região com foco no processo eleitoral de 2018. Nesses oito anos, o senhor sai com alguma mágoa, insatisfação, ou chateado com alguém? Casteglione – Não. Nenhuma e nem com ninguém. Mas, como prefeito, digo que a perda do Fundap foi muito angustiante. A gente viu sair um recurso importante e isso foi um momento de muita luta para todos nós. E nesse segundo mandato, a questão das escolas fechadas foi muito marcante. E outro foi ter que fechar o atendimento noturno no P.A de Itaóca. Foram momentos difíceis para mim. Mas superamos.

Agora, pessoalmente, não saio com mágoas, nem nada. Mas, prefeito, se as decisões foram técnicas, por que essa angustia? Casteglione – É porque a gente tem fundamentação técnica nas decisões e as restrições orçamentárias, mas tem também o lado pessoal, sentimental. Nem sempre as decisões são fáceis. Governar uma cidade como Cachoeiro requer conhecimento, segurança no que você está fazendo e coragem. Não dá para decidir ouvindo as redes sociais. Não posso tomar decisões a partir das redes sociais, ou daquilo que as pessoas estão me falando nas ruas. Tenho que ter planejamento e seguir, sem ficar lendo facebook para tomar decisões. Prefeito, o senhor está na história de Cachoeiro. Além de go-

verná-la duas vezes, o que não é para qualquer um, tem outros dois elementos: derrotou dois grandes caciques locais, Ferraço e Valadão, na primeira eleição, e, depois, derrotou um jovem e promissor político que era o Glauber Coelho. Qual foi a eleição mais difícil? Casteglione – 2008 foi uma campanha muito difícil, mas era um momento em que a cidade estava cansada de ser governada pelas mesmas lideranças. Ferraço e Valadão eram lideranças que eu já respeitava e nunca desrespeitei, e, hoje, respeito mais ainda, e também o Zé Tasso. No entanto, eu fui na onda daquele momento. A cidade queria o novo e via em mim esse novo. Foi uma eleição difícil, mas foi o difícil fácil, empolgante. A cidade foi junto comigo e acho relevante dizer: eu es-

tava preparado para governar, pela experiência de vida pública que tinha. E em 2012 foi peculiar porque o meu adversário tinha as mesmas qualidades que eu tinha em 2008, sendo que eu, além de não ser o novo, tinha ainda o desgaste do mandato. Ele era eu, sem o desgaste que eu tinha. E apoiado por Ferraço e Valadão. Então foi muito difícil. Passamos a ir para as ruas com Dr. Abel e passamos a pedir a oportunidade para concluir o que começamos. Mostrar o que fizemos e pedir pra concluir o que estava em execução. E aí ganhamos uma disputa apertadíssima. Então sem medo de errar: a segunda eleição foi muito mais difícil do que a primeira. E agora torço para que as lideranças todas se unam em torno do novo prefeito para ajudar a administrar Cachoeiro.

Agora Presidente Kennedy tem todo o município atendido pelo sistema de Coleta Seletiva. Você só precisa separar o seu lixo em seco e úmido nas lixeiras disponibilizadas pela Prefeitura, para que ele seja reciclado. Assim você ajuda a preservar a nossa cidade e a gerar mais renda para as famílias da Associação de Catadores do município.

Pense nesta ideia, separe o seu lixo.

presidentekennedy.es.gov.br


8 CIDADES

SEXTA-FEIRA |23 DE DEZEMBRO DE 2016

RETA FINAL

COMÉRCIO NA EXPECTATIVA DAS VENDAS DE ÚLTIMA HORA

Com o pagamento antecipado de dezembro, comerciantes esperam aumentar vendas nesta reta final de compras

Foto: Guilherme Gomes

Guilherme Gomes Cachoeiro de Itapemirim

Com a aproximação do Natal tudo acaba se tornando uma correria. Nas ruas de Cachoeiro, a escolha dos presentes é a missão da maioria, nesta quase véspera de Natal e, na luta contra o relógio bate a duvida: como presentar de forma única e pessoal aquele amigo ou parente?

MOVIMENTO CRESCEU NESTES ÚLTIMOS DIAS Perfumes e sabonetes, principalmente em embalagens especiais, são presentes que agradam em praticamente todas as

Os comerciantes Launício e Marcilena dizem que o comércio está movimentado e aguardam um aumento de vendas nesta véspera de Natal

ocasiões, mas é preciso realmente saber o gosto da pessoa. Segundo o gerente de uma loja especializada nesse tipo de produto, Launício Grifo Borges, a movimentação está crescente desde o início da semana, com expectativa de ápice de vendas nestes dois últimos dias que ante-

cedem a noite de Natal. “As vendas estão cada dia melhores. Esta última semana deu uma crescida significativa. Perfumes, sabonetes e hidratantes são lembrancinhas muito utilizadas em confraternizações e amigo oculto. Acreditamos, por alto, já ter

tido um crescimento de 30% em relação a semana anterior. Aguardamos um pico nesta sexta ou sábado”, explica Launício. É certo que a criançada gosta de ganhar brinquedos, mas, a escolha por roupas de heróis e outros acessórios também podem agradar. Na loja em

que Marcilene Alto é subgerente, a movimentação tem sido grande durante todo o dia, mas, ela aposta mesmo é nas vendas pós o pagamento antecipado dos salários do Estado. “O Estado pagou ontem, e acreditamos que isso traga um aumento no fluxo de pessoas e das ven-

das, junto com a aproximação da data. Por enquanto, estamos tendo um número de vendas muito abaixo do que é esperado no Natal. Nosso horário foi ampliado para funcionamento até às 21 horas, o que pode impulsionar as vendas nessa reta final”, disse Marcilene.

Artesãos de rua reclamam de poucas vendas neste Natal Foto: Guilherme Gomes

Os artesãos Vinícius e Josilda acreditam que a população cachoeirense precisa valorizar mais o que é feito de forma artesanal

Depois de rodar por quase todo Brasil, faltando apenas Amazonas e Roraima, o artesão Vinícius Cabral Santos, que há 12 anos trabalha com artesanato, disse que, com esse giro pelo país, pode perceber a pouca valorização do artesanato em Cachoeiro de Itapemirim. Seria importante que as pessoas abrissem a

cabeça e dessem oportunidade para o que é feito de forma manual e com identificação do artista. “Aqui em Cachoeiro o pessoal não é muito adepto ao artesanato de rua. As vendas para mim não sofrem interferência de datas festivas, as pessoas que curtem estão sempre procurando e adquirindo as peças dife-

renciadas. Eu aprendi muito enquanto rodei por este Brasil, fiquei cerca de dois anos sem voltar na cidade, mas a mentalidade das pessoas não mudou muito. É preciso valorizar a cultura do artesanato, ainda mais para uma cidade referência cultural”, disse Vinícius. A dificuldade de aceitação é a mesma para

a artesã Josilda de Assis Alves. Há 14 anos ela produz peças de bordado inglês, ponto cruz, fibras e sua especialidade, os já conhecidos baús de sucatas, porém, explica que a mentalidade do cachoeirense ainda não chegou a uma aceitação das peças produzidas. Josilda disse que começou a produzir por

necessidade de renda. A falta de oportunidade e as contas foram incisivas para que procurasse uma forma criativa de um dinheiro a mais. Ela explica que as exposições na capital do Estado trazem um maior retorno para ela. “Desde nova eu produzia, mas comecei mesmo a vender bem depois. As vendas se mantêm ruins por

muito tempo, as pessoas não dão oportunidade para o seu negócio. O artesão é pouco valorizado em Cachoeiro. Quando eu vou expor meus produtos em Vitória, consigo um número de vendas bem maior que aqui. Foi mesmo pela necessidade, o cabelo embranqueceu e não querem mais me dar oportunidades”, brinca Josilda.


CIDADES 9

SEXTA-FEIRA |23 DE DEZEMBRO DE 2016

PARA PASSEAR E CURTIR

Foto: Divulgação

VILA DO PAPAI NOEL É ATRAÇÃO NA NOITE DE GUAÇUÍ Cerca de 10 mil pessoas já passaram pela Vila, que vem atraindo turistas de toda a região Danielle Muruci Guaçuí

As noites em Guaçuí tem sido de muita descontração na Vila do Papai Noel, atração que já virou tradição na cidade. De acordo com a Acisg, cerca de 10 mil pessoas já passaram pela Vila, neste mês de festas . Famílias de cidades vi-

zinhas como Dores do Rio Preto, Alegre e Espera Feliz, estão indo para Guaçuí conhecer a atração natalina. Para este último fim de semana, a expectativa de movimento é ainda maior. “Muitos parentes de moradores já começaram a chegar para o Natal e, geralmente, o local

onde escolhem para passear é a Vila do Papai Noel”, disse o presidente da Acisg, Marcos Jahuar. Durante toda a semana, o Papai Noel tirou foto com as crianças e ouviu os seus pedidos. Nesta sexta-feira, ele estará na vila a partir das 18 horas. Outra atração que conquis-

PRAÇA DE ALIMENTAÇÃO Bella Pizza Eco Bear Restaurante do Gaúcho Marcos & Rose Buffet

Restaurante do Darcy Delírios da Carne Império Gourmet Salgados Guaçuí

PROGRAMAÇÃO DE SHOWS 23/12 Hellory 25/12 Vinicius Camilo

26/12 Clara e Alice 27/12 Felipe Fernandes

CAMPANHA

OAB de Guaçuí antecipa o Natal de crianças da Casa Lar Danielle Muruci Guaçuí

Na última quarta-feira, a OAB de Guaçuí proporcionou uma noite especial para as crianças que vivem em um abrigo temporário da cidade, conhecida como Casa Lar. Atualmente, seis crianças estão no local. Tão novas, todas já possuem histórias

de uma vida sofrida e cheia de traumas. Com o objetivo de levar um pouco de carinho e alegria para elas , a OAB organizou uma campanha de doação de brinquedos. A entrega aconteceu durante um jantar, também patrocinado pela instituição. Advogados e adeptos da campanha tiveram

a oportunidade de conhecer a Casa Lar e ver de perto a felicidade das crianças ao receberem os brinquedos. “Ver os rostinhos felizes das crianças ao receberem seus presentes na noite de hoje foi gratificante demais!”, comentou o presidente da OAB de Guaçuí, Luiz Bernard Sardemberg Moulin.

É grande a expectativa de movimento na Vila do Papai Noel neste fim de semana

tou a criançada é o Espaço Kids. Com a recreação por conta da turma da Aline Animações, as crianças podem brincar enquanto os adultos socializam na praça de alimentação e curtem os shows com vários artistas locais. BOA COMIDA Ao todo, são oito empresas alimentí-

cias que levaram seus melhores pratos para serem servidos em um só lugar. Jahuar também destaca a presença de produtores da Feira Agroecológica do município. “Os cafés especiais Monte Líbado, o licor e a geleia do Cristiano, os produtos da Isabel, além de sabonetes e bonecas artesanais, são produtos da nossa

terra que estão disponíveis na Vila do Papai Noel”, disse. Na véspera de Natal, dia 24, a Vila permanecerá fechada, reabrindo no domingo. O encerramento será na próxima terça-feira, com os sorteios da campanha Natal de Luz. Os prêmios são um carro, uma moto e 20 vales-compra no valor de R$ 300,00.


10 CIDADES

SEXTA-FEIRA |23 DE DEZEMBRO DE 2016

EMERGÊNCIA

PREFEITURA FAZ OBRA PARA IMPEDIR QUE SITUAÇÃO DA PONTE PIORE A Prefeitura de Guaçuí está realizando um serviço de contenção, para que água não volte a cavar ainda mais calçamento na cabeceira da ponte Marcos Freire Guaçuí

A Prefeitura de Guaçuí, por meio da Secretaria Municipal de Obras e Serviços Urbanos, está realizando uma obra de contenção, às margens do Rio Veado, na cabeceira da ponte localizada no centro da cidade, que está interditada. O serviço está sendo realizado com mão de obra e recursos do município, já que a obra que vinha sendo realizada foi paralisada, desde as primeiras cheias que impediram a realização dos trabalhos. Segundo o secretário municipal de Obras, Hermes Guimarães, os trabalhadores estão construindo uma espé-

cie de muro de arrimo, utilizando sacos cheios de saibro e cimento. Depois de molhados, os mesmos se transformam em bloco de concreto e servirão para conter a água, caso o rio volte a subir, para que não chegue até a cratera que ser formou na cabeceira da ponte e continue cavando o terreno, o que poderia levar ao desabamento de todo o calçamento próximo.

SERVIÇO É FORMA DE PREVENÇÃO “Estamos realizando o serviço como uma forma de prevenção, porque temos que esperar a licitação da nova obra necessária para recuperar

a ponte, e nesse intervalo, chuvas podem voltar a cair e fazer o nível do rio subir de novo, o que colocaria em risco toda a rua próxima à ponte”, explicou. “Não podemos correr o risco da situação ficar ainda mais grave, então, resolvemos realizar essa obra, com nossos próprios recursos e mão de obra”, completou Hermes. A ponte localizada no centro de Guaçuí, que teve sua situação agravada com as chuvas, estava passando por uma obra de recuperação, mas o aumento do nível do rio fez com que a situação se agravasse. Por isso, será necessária uma obra de maiores proporções. A primeira obra

Foto: Marcos Freire

Um muro feito com sacos cheios de saibro e cimento está sendo construído para conter a água no caso de nova cheia do rio

teve um atraso, em seu início, devido à demora na retirada de um poste que atrapalhava a execução do projeto, o que era de responsabilidade da empresa que faz a distribuição de energia elétrica, porque o poste estava localizado em cima da galeria de captação de águas pluviais. Quando as obras co-

meçaram, uma primeira forte chuva provocou atrasos nas ações da firma responsável e começou a agravar a situação da ponte, com a permanência das chuvas e o aumento do nível do rio, a água cavou a cabeça da ponte, o que provocou o desmoronamento de parte do calçamento próximo a ela, abrindo uma gran-

de cratera. Com isso, a obra contratada já não atendia mais a necessidade do que passou a se apresentar para a recuperação da estrutura, sendo preciso uma intervenção de maior proporção. O edital de Tomada de Preços, para a nova obra, já foi publicado e a licitação deverá ser aberta depois do dia 5 de janeiro.

EM BRASÍLIA

Prefeito de Castelo pede socorro ao governo federal para reparar prejuízo das chuvas Lucas Schuina Castelo

Em audiência realizada na quarta-feira, no Ministério da Integração Nacional, em Brasília, o prefeito de Castelo, Jair Ferraço (PSD), apresentou uma avaliação do prejuízo financeiro causado pelas recentes chuvas no município.

Segundo ele, os danos causados são estimados em aproximadamente R$ 3 milhões. A audiência foi marcada pela senadora capixaba Rose de Freitas, que também participou do encontro, juntamente com o ministro da pasta, Helder Barbalho. O objetivo foi apresen-

tar um panorama da situação dos 20 municípios do Espírito Santo afetados pelas chuvas – com 300 famílias desalojadas, cidades destruídas e uma pessoa morta – e pedir apoio ao governo federal para a recuperação das cidades. “Estabelecemos o compromisso de, re-

cebendo as propostas das prefeituras e do governo do Estado, nós haveremos de disponibilizar recursos para, emergencialmente, darmos tranquilidade e solução aos problemas enfrentados com as chuvas. Além disso, vamos disponibilizar recursos para, no momento seguinte, fazer-

mos reconstruções das áreas atingidas”, prometeu o ministro Helder Barbalho, segundo nota enviada pela assessoria da senadora Rose. Segundo o Secretário Nacional de Proteção e Defesa Civil, Renato Nilton Ramlow, além de Castelo, nas regiões do Caparaó e Sul capi-

xaba, os municípios afetados pelas chuvas são: Muniz freire, Mimoso do Sul, Rio Novo do Sul, Cachoeiro de Itapemirim, Presidente Kennedy, Jerônimo Monteiro, Anchieta, Linhares, Afonso Cláudio, Alegre, Conceição do Castelo, Iconha, Piúma, e Brejetuba.

COMUNICADO SBT- EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS LTDA torna público que requereu da PREFEITURA MUNICIPAL DE IUNA, através do processo nº 3695/2016 de 16/12/2016 LICENÇA MUNICIPAL DE INSTALAÇÃO (LMI) para a atividade de LOTEAMENTO PREDOMINANTEMENTE RESIDENCIAL denominado “LOTEAMENTO SÍTIO DAS FLORES”, localizado em Niterói, município de Iúna – ES em coordenadas UTM E: 234700m e N: 7748200m (WGS 84).

COMUNICADO SBT- EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS LTDA torna público que recebeu da PREFEITURA MUNICIPAL DE IUNA, através do processo nº 3197/2016 a LICENÇA MUNICIPAL PRÉVIA (LMP) nº 066/2016 em 08/12/2016 para a atividade de LOTEAMENTO PREDOMINANTEMENTE RESIDENCIAL denominado “LOTEAMENTO SÍTIO DAS FLORES”, localizado em Niterói, município de Iúna – ES em coordenadas UTM E: 234700m e N: 7748200m (WGS 84).


SEGURANÇA 11

SEXTA-FEIRA|23 DE DEZEMBRO DE 2016

CACHOEIRO

CORTE

Vítima apanha FISIOTERAPEUTA durante assalto MORRE EM ACIDENTE em São José do Leandro Pereira perdeu o controle da direção e capotou com o carro Foto: Divulgação

Calçado

Redação Cachoeiro

Redação São José do Calçado

O fisioterapeuta Leandro Pepe Pereira, 35 anos, morreu vítima de um acidente de trânsito, na noite de quarta-feira, na Rodovia ES 162, em Presidente Kennedy. De acordo com a polícia, Leandro dirigia um veículo modelo Corolla, de cor prata, sentido Kennedy x BR 101, quando perdeu o controle da direção ao passar por uma curva, saiu da pista e acabou capotando. O fisioterapeuta, que foi arremessado para fora do automóvel, chegou a ser socorrido para o hospital do município, mas mor-

Um homem, de 56 anos, foi assaltado na madrugada de ontem, na ladeira Getúlio Vargas, no centro de São José do Calçado. De acordo com a polícia, o crime aconteceu por volta das 2 horas. E.A.C. acionou a Polícia Militar e informou que havia bebido em

PEGOU

O fisioterapeuta capotou o carro na ES 162

reu logo após ter dado entrada no pronto

socorro. Leandro residia em Cachoeiro e

deixa esposa e um filho.

PERDEU

Homem se esconde embaixo da cama para fugir da polícia em Cachoeiro Ana Glaucia Chuina Cachoeiro

S.L. L, de 45 anos, conhecido como “Saulinho”, foi preso na tarde de ontem, por policiais da Delegacia de Crimes contra o Patrimonio (Depatri). Ele é suspeito de ser um dos autores do roubo de um Honda City, de cor

um quiosque, e quando ia para casa, foi abordado por dois homens que o agrediram e roubaram cerca de R$ 40,00. Com um corte no supercílio esquerdo, a vítima foi socorrida pela equipe policial para o hospital do município. A PM chegou a realizar buscas, mas nenhum suspeito foi localizado.

prata, no último dia 13, no bairro Paraíso, em Cachoeiro. A prisão ocorreu durante operação policial no bairro Coramara, onde o acusado reside. De acordo com os agentes, assim que percebeu a ação da polícia, o suspeito entrou em uma casa e se

escondeu debaixo de uma cama.No local, os policiais encontraram um veículo Prisma de cor branca, com restrições de furto / roubo, que teria sido utilizado no dia do roubo ao Honda City. Segundo a polícia, o Prisma foi roubado no bairro Alvorada, em Vila Velha,

no dia 6 de outubro desse ano. Saulo foi autuado em flagrante por crime de receptação. O delegado Felipe Brandão, responsável pela ação, ressaltou que vai pedir a prisão preventiva do suspeito por roubo, já que ele foi reconhecido pela vítima.

PC prende dupla suspeita de homicídio em Atílio Vivacqua Redação Atílio Vivacqua

Policiais civis da delegacia de Atílio Vivacqua prenderam, quarta-feira, A.A.R.J., 36 anos, e M.R.S., 32 anos, suspeitos de matarem a tiros, em março deste ano, o jovem João Lucas Conceição Jacinto, de 21 anos. João Lucas foi executado a tiros, dentro de casa, na noite do dia 15 de março. A companheira da vítima, uma adolescente de 15 anos, foi atingida de

raspão. Segundo ela, cerca de seis suspeitos invadiram a casa para matar o rapaz. De acordo com a Polícia Civil, a Justiça havia decretado a prisão preventiva da dupla. Eles foram intimados à delegacia e receberam voz de prisão. Ambos foram encaminhados para o Centro de Detenção Provisória (CDP) de Cachoeiro de Itapemirim, onde permanecerão à disposição da Justiça até o julgamento.


12 CIDADES

Guilherme Gomes Região

SEXTA-FEIRA|23 DE DEZEMBRO DE 2016

AQUItemROCK

Com a chegada do Natal e das festas de fim de ano, as opções de divertimento crescem principalmente pelo litoral. Na boate Lua Azul, em Guarapari, acontece a abertura oficial do verão, com a dupla João Fellipe & Rafael, banda Zen eo Dj Robson Moreira. Nos cinemas do sul do Estado, a estréia do filme “Minha mãe é uma peça 2” é o destaque em cartaz na programação. Dona Hermínia (Paulo Gustavo) está de volta, desta vez rica, pois passou a apresentar um

bem-sucedido programa de TV. Porém, a personagem superprotetora vai ter que lidar com o ninho vazio, afinal Juliano (Rodrigo Pandolfo) e Marcelina (Mariana Xavier) resolvem criar asas e sair de casa. Para balancear, Garib (Bruno Bebianno), o primogênito, chega com o neto. E ela também vai receber uma longa visitinha da irmã Lucia Helena (Patricya Travassos), a ovelha negra da família, que mora há anos em Nova York. Confira a agenda do fim de semana e se programe para a curtição!

Foto: Internet

Hoje – 23/12

The One Club – Cachoeiro de Itapemirim – 22h The Funk - Funk Shake - DJ Jhonatan Oposto – Guaçuí – 21h Oposto Folia 2016 - Marcos & Willian - Filipe Fernandes - Dj Alan Massini Arena Mix – Cachoeiro de Itapemirim – 22h Baile do Noel - Dj LD do Martins - DJ Pikeno - Mc Mangaba - Riber Jr Lua Azul – Guarapari – 23h30 Abertura Oficial do Verão - João Fellipe e Rafael - Banda Zen - DJ Robson Moreira Parque de Exposição – Celina – 20h30 Natal Sertanejo - Miguel Santiago & Gustavo

Amanhã - 24/12

Atalanta – Castelo – 23h Jingle Bells da Oficina - Comichão - Alemão do Forró - Dj Américo Netto - Dj Boka

Chácara Clube – Alegre – 23h59 7ª Balada de Natal - Odair de Paula - Kall Marques - Dj Alan Massini Guaçuí Tênis Clube – Guaçuí – 23h30 Pool Party - Filipe Fernandes Mílita’s Bar – Iúna – 22h30 Noite Feliz - Banda Comitiva Forrozeira - Dj Júlio Polentão – Venda Nova do Imigrante – 21h Natal Fest - Zé Ricardo & Thiago - Lukas & Fernando - Dj Cowboy - Dj Tattoo Mieis

Minha mãe é uma peça 2

Programação do Cinema do Sul do Estado Cine Ritz Sul

Sala 1 Sing - Quem Canta seus Males Espanta - 3D Dias 22/23/24 14h40 / 16h50 (Dublado) Dias 25/26/27/28 16h50 (Dublado)

Sala 2 Minha Mãe É Uma Peça 02 16h30 / 18h30 / 20h30 (Nacional) Dia 24 não teremos a sessão das 20h30

Cine Ritz Perim Center Sala 1 Masha e o Urso Dias 22/23/24 16h / 17h40 (Dublado) Ddias 25/26/27/28 17h40 (Dublado) O Vendedor de Sonhos 19h20 (Nacional) Dia 24 não teremos essa sessão Anjos da Noite: Guerras de Sangue 21h15 (Dublado)

Dia 24 não teremos essa sessão Sala 2 Minha mãe É Uma Peça 2 Dias 22/23 14h40 / 16h40 / 18h40 / 20h40 (Nacional) Dia 24 não teremos a sessão de 20h40 14h40 / 16h40 / 18h40 (Nacional) Dias 25/26/27/28 16h40 / 18h40 / 20h40 (Nacional)

Cine Ritz Piúma Sala 1 Sing - Quem Canta Seus Males Espanta - 3D 14h10 / 16h10 (Dublado) Minha Mãe é uma Peça 2 18h10 / 19h50 / 21h30 (Nacional)

Sala 3 Sing - Quem Canta Seus Males Espanta - 3D Dias 22/23/24 14h10 / 16h20 (Dublado) Dias 25/26/27/28 16h20 (Dublado) Rogue One: Uma História Star Wars - 3D 18h30 (Dublado) 21h (Legendado) Dia 24 não teremos a sessão de 21h legendada


Aqui Notícias Edição 1542