Issuu on Google+

Escola de Equitação Nissim Pazuello

A Ética e a Legalidade Equitação Lúdica Equoterapia DESTAQUE

Diário de uma odisséia

PESQUISA

SUPERAÇÃO

Cavalos no campo da cura

Um príncipe chamdo Iker


Editorial

A Vida é um Processo de Dedicação e Perseverança. CENTRO DE EQUOTERAPIA MANAUS ESCOLA DE EQUITAÇÃO NISSIM PAZUELLO Rua Fortaleza, nº 200 - Adrianópolis

O Centro de Equoterapia Manaus - Escola de Equitação Nissim Pazuello é uma entidade civil de caráter filantrópica, terapêutico, educativo, cultural, desportivo e assistencial, fundada em 06 de maio de 1997, que atende associados praticantes de equoterapia e equitação. NOSSO OBJETIVO Promover a expansão das potencialidades de nossos praticantes através do convício com o cavalo. NOSSO LEMA Cavalos Educam Multiplicando Aptidões. NOSSA META Promover uma equitação de qualidade com profissionais capacitados, cavalos-escola treinados e infraestrutura adequada. Promover Bem Estar e Qualidade de Vida, no convívio com o cavalo. EQUIPE DE PROFISSIONAIS ASSOCIADOS: Gestor de Equinocultura: João Ricardo Fernandes de Carvalho. Equitador: Tammy Repolho. Fisioterapeutas: João Batista de Aguiar Gomes, Sigrid Ventilari, Davi Monte e Nathalie Medeiros. Educador Físico: Marcos Vasconcelos Teixeira. Psicólogos: Alzira de Oliveira Lins e Camilla Lima. Veterinário: Md Vet. Luis Augusto Gaia Campos. DIRETORIA BIÊNIO 2011-2013 Sigrid Ventilari - Presidente Tammy Repolho – Dir. Administrativa. CONTATOS: Tel: 92 3622-3324 - Cel: 92 9151-2811 Email: escoladeequitacao@yahoo.com.br Blog: escoladeequitacao.blogspot.com VISITE NOSSO SITE:

www.eenp.com.br

Esse foi um ano corrido, apesar de continuar tendo 12 meses e 365 dias ele pareceu mais curto , e acabar muito rápido. Mas é que muitas coisas aconteceram, estamos no caminho de cada vez profissionalizar mais o nosso trabalho aqui na escola de equitação, e ao mesmo tempo termos uma equipe mais profissional e independente. Para aqueles que não sabem vale explicar que somos uma associação e o complicado desse processo é um dueto chamado “compromisso e comprometimento”. Pois temos regras gerais a cumprir - nosso estatuto, procedimentos elaborados, reuniões que programam ações mais imediatas e diretrizes, mas somos profissionais liberais e não existe um patrão nos dando ordem, e então a ordem e o desejo de fazer acontecer vem de nosso compromisso com a escola e com nossos praticantes e do comprometimento que temos com esse compromisso. Já deu para perceber que esse galope as vezes sai desunido, não é? E tudo parece que demora um pouco mais a se concretizar. Mas muita coisa aconteceu esse ano e ao mesmo tempo parece que o tempo passou voando, de minha parte consegui realizar alguns sonhos, conseguimos avançar mesmo que lentamente, assumimos mais compromissos e darmos inicio a novas empreitadas, nesse processo algumas coisas não deu para acontecer, mas Equitação e a equoterapia nos ensinam que a vida é um processo de dedicação e perseverança. Além de nossas atividades anuais de praxe, como o Ranking Interno e o Campeonato Escola tivemos também a Copa Trote. Realizamos três etapas de competição estadual de salto, da Federação Amazonense de Hipismo. Trouxemos dois convidados internacionais para ministrar clínicas hípicas. Montamos o nosso site: www.eenp.com.br. Dentro de nosso objetivos, esse foi um ano em que conseguimos formar recursos humanos, conseguimos realizar o primeiro Curso de Tratadores de Equinos, conseguimos dar estágio para dois alunos de zootecnia e 4 alunos de medicina veterinária. Nossa equipe cresceu e se especializou, pois mais uma vez tivemos profissionais fazendo curso na ANDE - BRASIL. Agora temos dois equitadores e um equitador convidado, nosso espaço expandiu, pois estamos montando uma parceria em São Paulo. E tudo isso com o apoio de nossos patrocinadores. Então que venham mais praticantes, pois estamos preparados. Que venham mais intercâmbios, pois achamos que é com estímulos que se desenvolve melhor o ser. A equipe da Escola de Equitação espera por você para te mostrar o maravilhoso mundo do cavalo.


anuário 2013 Saúde

OS BENEFÍCIOS DA EQUOTERAPIA Por: Águeda Marques Mendes*

A terapêutica começa a acontecer no momento em que o aluno entra em contato com o animal. Inicialmente, o cavalo representa um problema novo com o qual o praticante terá que lidar, aprendendo a maneira correta de montar ou descobrindo meios para fazer com que o animal aceite seus comandos (como, por exemplo, levá-lo aos lugares em que deseja ir). Essa relação, por si só, já contribui para o desenvolvimento da sua autoconfiança e afetividade, além de trabalhar limites, uma vez que nessa interação existem regras que não poderão ser infringidas. Outro aspecto a ser destacado é o fato de que a Equoterapia requer do praticante a atenção concentrada durante os trinta minutos em que a sessão se desenvolve. Este é um fator bastante importante para o bom desempenho do aluno na escola, pois a atenção, segundo estudiosos como Vítor da Fonseca, é a base do aprendizado. Atenta, a pessoa seleciona o que quer aprender e guardar em sua memória para utilizar posteriormente.

A aprendizagem ocorre como um resultado da interação entre o aluno e seu ambiente. Sabe-se que a aprendizagem ocorreu quando se observa que há modificação no desempenho escolar. Robert Gagné

P

ara que ocorra aprendizagem é necessário que haja interação entre o indivíduo e seu ambiente, sendo que a qualidade dessa interação vai afetar diretamente a qualidade da aprendizagem. Nesse processo, fatores como a capacidade de manter a atenção concentrada, a capacidade de estabelecer vínculos afetivos e a autoconfiança assumem um papel de relevada importância. Partindo dessa premissa, a Equoterapia se insere muito bem no contexto da aprendizagem, principalmente no que diz respeito às crianças que apresentam dificuldades de aprendizagem nas áreas da leitura, escrita, matemática, psicomotricidade ou social.

Escola de Equitação Nissim Pazuello

Além disso, essa terapia auxilia o praticante a se organizar em relação ao seu espaço (o seeting terapêutico ou picadeiro), a desenvolver a seqüencialidade de seus atos até montar e comandar o cavalo, a aprimorar percepções auditivas, visuais, táteis cinestésicas, proprioceptivas, a desenvolver o equilíbrio, a postura, a lateralidade, as motricidades ampla e fina, o esquema e conscientização corporal e contribui, inclusive, para o enriquecimento de seu vocabulário. Com todos esses fatores associados durante o trabalho desenvolvido na Equoterapia, o praticante é motivado e estimulado a adquirir novos conhecimentos e a manter todos os seus sentidos ativados, o que o prepara para um melhor aprendizado da leitura, escrita e matemática.

*Águeda Marques Mendes é Pedagoga Pós-Graduanda em Psicopedagogia Coordenadora do Centro de Equoterapia Porto Alegre - CEPA Este artigo é publicado com a permissão do autor. Não é permitida a reprodução parcial ou total sem prévia autorização do mesmo.

03


anuário 2013 Comportamento

A ÉTICA E A LEGALIDADE Por: Tammy Repolho

Como ser um desportista, cavaleiro ou amazona de competição, um comissário de provas, um Juiz de concursos hípicos – de qualquer modalidade – um organizador de eventos, um dirigente esportivo ou um instrutor de equitação sem se valer de um forte convencimento pessoal de que a ÉTICA é pilar do sucesso? Atitudes que possam deixar dúvidas quanto ao seu intrínseco caráter ético devem ser evitadas a qualquer custo, mesmo que sejam “legais”.

Parte do texto retirado do artigo de Monzon, em www.mundoequestre.com.br/etica-esporte

tica, segundo Sérgio Ximenes – (Minidicionário da Língua Portuguesa) É a Ciência que estuda os juízos morais referentes à conduta humana. Virtude caracterizada pela orientação dos atos pessoais segundo os valores do bem e da decência pública.

É

Vocês podem, inicialmente, achar estranho esse tema abordado aqui em nosso Anuário, mas vamos pensar que fazem parte de nossas atividades de trabalho participar de atividades esportiva hípica e da criação e exemplo dado ao desenvolvimento de muitas jovens mentes, seus filhos, sendo assim, no esporte e na vida de modo geral a construção de um ser ético é fator crucial para o desenvolvimento de uma sociedade ordeira, prospera e equânime. Então pegando carona de um artigo publicado na coluna de comentários do Monzon em www.mundoequestre.com.br/etica-esporte/, vamos falar um pouco de conduta ética. A Conduta Ética deve ser parte da vida esportiva, social e profissional de todos aqueles indivíduos envolvidos e compromissados com a saúde, com a educação e com o bem estar da comunidade. Sendo assim é o conjunto de atitudes e sentimentos interrelacionados, partindo do respeito ao ser humano e a natureza de sua forma mais ampla, passando pela fidelidade aos objetivos traçados para a vida profissional e culminado nos princípios morais para a convivência social.

04

A legalidade significa estar conforme a lei; em coerência com a norma escrita, nem sempre com a moralidade. Uma atitude ética é sempre moralmente correta, não necessariamente legal. As regras é que devem sempre evoluir para acompanhar a consciência moral coletiva, não o contrário. O esporte é um espelho da sociedade, como qualquer manifestação cultural humana, mas também é o seu remédio, sua cura, sua busca pelo lúdico e perfeito. O esporte não pode conviver com a ilegalidade nem com a atitude antiética. Qualquer dos envolvidos no esporte, do seu mais simples entusiasta ao seu mais alto dirigente, deve ter sua conduta baseada na ética e na legalidade, nesta ordem. O esporte pode e deve ser respeitado, e só assim o será, como um defensor ferrenho da equanimidade da disputa, da lealdade do atleta e do julgador, da ética imaculada em toda a esfera diretiva. A falta ética no meio esportivo é facilmente identificada por meio de ações tais como: manipulação dos resultados esportivos, das falcatruas financeiras, das incitações e agressões físicas e verbais ou mesmo do exercício de cargos por pessoas não habilitadas. Há ainda o uso de ações e substâncias ilícitas que visam melhora de resultados sobre oponentes. E finalmente atitudes abusivas com os animais, como pichar cavalo fecham com chave de ouro a má fé e a conduta antiética a que pode chegar um praticante esportivo. “Aos amigos envolvidos no esporte hípico que nos une e apaixona, faço um apelo e uma convocação: sejamos intransigentes com as manifestações mais sutis dos desvios de conduta, sejamos exemplos para uma geração que certamente nos substituirá, para que sejam melhores do que jamais sonhamos ser, para que nos honrem com suas atitudes. Ao agir, somos sempre entendidos, seguidos, copiados e comparados. Ao agir, em qualquer situação do esporte, somos sempre instrutores de uma geração que começa. Seja consciente do que deseja legar para sua comunidade, para sua memória, para a sua paixão e seus descendentes. Seja ÉTICO!”

Escola de Equitação Nissim Pazuello


anuário 2013 Comportamento

POR QUE CAVALOS? Adaptado de Cláudia Leschonski, (com permissão da autora)

S

e você é seguidor de nosso anuário, encontrou no ano passdo uma matéria escrita pela Cláudia e publicada em seu blog em que ela falava por que cavalos na vida moderna, dedilhando em seu blog, achei esse texto, que é parte de um discurso como paraninfa a um grupo de formandos universitários e gostaria de compartilhar com vocês para que acompanhe conosco o sentido do por que cavalos e do porque escolhemos trabalhar com cavalos, equitação e quoterapia.

“A nossa vida não é virtual.” Ela é feita de sol e de chuva, de sentir fome e também do prazer do alimento. Nascemos filhos do Pai celestial e da mãe terra, e por isso temos a cabeça no infinito – mas temos também os pés no chão. Por vezes, pessoas se sentem reduzidas a um circuito “neuro-cibernético” – olhos, dedos e neurônios linkados numa infinita rede, onde a realidade de nossa existência se torna secundária, como se o mundo das ideias fosse superior, como se não fôssemos feitos de carne e osso. A materialidade é inegável, e ao mesmo tempo, para chegar à plenitude, nossa existência precisa de uma alma. O desafio é conciliar as imposições da modernidade com a condição humana. Não é fácil: em nosso país, a prosperidade cresce tal qual os índices de obesidade e de consumo de tranquilizantes e estimulantes, sejam legais ou ilegais. Ferramentas que nos deveriam poupar tempo nos levam ao stress pela falta de tempo. Como resultado, nos distanciamos mais e mais de nós mesmo – física, mental e emocionalmente.

Escola de Equitação Nissim Pazuello

Os antídotos são as atividades que levem ao reequilíbrio destas três dimensões, e à reconexão com a quarta dimensão: nosso eu superior. O físico, pleno e saudável; a mente concentrada e vivaz; a alma equilibrada e feliz. Esporte, arte, ciência ou religião; dança, paraquedismo ou peregrinação – o desafio é conseguirmos nos manter conectados não apenas ao mundo, mas a nós mesmos. Nossa tribo tem seu próprio meio de chegar lá: os cavalos com tudo que eles nos proporcionam. A vida com cavalos nos leva à parceria com uma mente sentiente e um corpo poderoso, muito diferentes dos nossos. Nesta espécie de dança, somos a um tempo mestres e subordinados do parceiro. Ela revela nossas fraquezas e limitações como o mais cristalino dos espelhos, e assim nos conduz à auto superação e à transcendência – até chegarmos o mais próximo possível da perfeição que nos for dado atingir numa existência humana.

Existimos para evoluir. Evoluimos ajundando os outros a evoluir. Ajudamos os outros a evoluir, quando os aproximamos de sua verdadeira vocação. Para mim, este é o verdadeiro sentido da vida com e para os cavalos, e por extensão. Seguindo as sábias palavras da Cláudia Lechonski e seu conselho, cabe a nós da “tribo do cavalo” mostrar ao mundo que “o cavalo” não é apenas esporte ou lazer, nem coisa de peão nem brincadeira de milionário: é, isto sim, uma das muitas nobres trilhas do ser humano ao centro de si mesmo. Da verdade que nos libertará.

05


anuário 2013 Esporte

VOCÊ CONHECE O HIPISMO OU ALGUM ESPORTE A CAVALO? Por: Tammy Repolho

AS MODALIDADES OLIMPICAS SÃO:

06

Escola de Equitação Nissim Pazuello


anuário 2013 Esporte

BRASIL NOS JOGOS OLÍMPICOS: 1952

Helsink, Finlândia

Brasil ficou em 4º com a equipe Eloy Menezes/Biguá, Álvaro de Toledo/Eldorado e Renyldo Ferreira/Bibelo e em 4º no individual, com Eloy/Biguá. 1956 Adestramento (dressage): Aqui os conjuntos (cavaleiro e cavalo) deverão realizar uma série de movimentos (chamados de "figuras") de diferentes graus de dificuldade, em uma sequência pré-determinada. O objetivo do conjunto é realizar sua performance com a maior perfeição possível das figuras, com a melhor postura possível do cavalo e do cavaleiro, em um conjunto harmônico de técnica e graça, às quais os juízes atribuirão notas nos quesitos disciplina, prontidão e elegância. Esta modalidade exige perfeita sintonia do conjunto. Concurso Completo de Equitação (CCE): O CCE, uma espécie de triatlo equestre, reúne provas de adestramento, salto e cross-country. Pode ser disputada em dois formatos: evento de um dia (ODE) e três dias (3DE), não sendo permitido trocar de cavalo nas diferentes fases da competição. Trata-se de uma prova completa, na qual o conjunto deve mostrar habilidade, força, velocidade e resistência em diversas situações. O Brasil já conquistou muitas medalhas em concursos internacionais e tem varias atletas de destaque no cenário mundial, como Nelson Pessoa, grande nome do hipismo que hoje atua como treinador na Bélgica. Outros nomes importantes do hipismo brasileiros são Rodrigo Pessoa, Álvaro Affonso de Miranda Neto, Bernardo Alves, César Almeida, Vitor Alves Teixeira, Caio Sérgio de Carvalho, entre outros.

Estocolmo, Suécia

Brasil ficou em 10º lugar por equipes. Primeira Olimpíada de Nelson Pessoa 1964

Tóquio, Japão

5º lugar individual para Nelson Pessoa/Huipil. 1968

Cidade do México, México

O Brasil obteve a 7ª posição com a equipe formada por Neco Pessoa/Pass Opp, Lúcia Faria/Rush du Camp, José Roberto Reynoso Fernandez, o Alfinete/Cantal e Gérson Monteiro/Polder. O Brasil obteve a 7ª posição com a equipe formada por Neco Pessoa/Pass Opp, Lúcia Faria/Rush du Camp, José Roberto Reynoso Fernandez, o Alfinete/Cantal e Gérson Monteiro/Polder. 1996

Atlanta, Estados Unidos

Finalmente, o Brasil conquista sua primeira medalha olímpica. A equipe formada por Rodrigo Pessoa/Tom Boy, Álvaro Afonso de Miranda Neto, o Doda montando Arisco Aspen, André Johannpeter/Calei Joter e Felipe de Azevedo/Cassiana Joter conquistou o bronze. 2000

Sidney, Austrália

Novamente, a medelha de bronze é conquistada pela equipe brasileira. Desta vez, representada por Rodrigo Pessoa/Baloubet du Rouet, Luiz Felipe de Azevedo/Ralph, Álvaro Miranda Neto (Doda)/Aspen e André Johannpeter/Calei Joter 2004

Atenas, Grécia

Pela primeira vez, o Brasil conquista a medalha de ouro na disputa individual com Rodrigo Pessoa e Baloubet du Rouet. Para ler mais sobre as conquistas brasileiras no mundo hípico, acesse o site da CBH: www.cbh.org.br/historico-salto.html

Escola de Equitação Nissim Pazuello

07


anuário 2013 Relato

MEU ESTÁGIO NO CEMA Por Cecília Aroucha Jimenes

A

o final da graduação em Zootecnia, pela Universidade Federal do Amazonas, tive a oportunidade de escolher como disciplina de conclusão de curso o Estágio Supervisionado, em vez da Monografia. Optei por esse caminho, por desejar um aprendizado mais próximo da prática profissional . A experiência com equinos foi um desafio pra mim, visto que nunca tinha trabalhado ou mesmo vivenciado com esse tipo de animal. Quando consegui entrar no CEMA, depois de conversar com a coordenação, fiquei muito satisfeita, pois saberia a nova etapa que iria experimentar na minha trajetória profissional. Trabalhar no CEMA foi uma experiência incrível, não só para acréscimo profissional, mas também pessoal. O entendimento razoável a respeito dos aspectos mercadológicos da área foi de grande valia. O CEMA é um pedacinho de campo no meio da cidade, quando estamos lá, nem parece que estamos no meio do trânsito e calor urbano. No tempo de convivência com os cavalos, observei o quanto são inteligentes, exigentes e amáveis. Animais de personalidade forte, me deparei com alguns incidentes cômicos. Ao começar no primeiro dia de estágio, confesso que fiquei receosa. Pelo tempo de trabalho ter sido curto, não pude aprofundar com estudo em comportamento dos animais, entretanto compensei com a prática intensificada em manejo e alimentação. Ao observar os "vícios de baias" no item sobre comportamento dos cavalos em meu trabalho, notei o quanto são parecidos conosco. Quando nos prendemos a idéias e pensamentos do “nosso mundo” sem olhar ao nosso redor, pessoas que se demonstram serem tão arrogantes, egocêntricas, dentre outros vícios sentimentais são sinais de uma vida enclausurada em idéias egoístas. Repito! Valeu muito essa experiência. Por fim, meus fiéis agradecimentos a todos do CEMA, especialmente a Tammy Repolho, pelo aprendizado e paciência, ao Sr. Nissin Pazuello, pela oportunidade, ao meu Supervisor de Estágio, Dr. Luiz Gaia, e outros que contribuíram direta e indiretamente pela realização do meu estágio.

08

Escola de Equitação Nissim Pazuello


anuário 2013 Pesquisa

CAVALOS NO CAMPO DA CURA Neyde Ventilari - Psicóloga.

D

e acordo com pesquisas realizadas no campo cientifico e embasada nas informações da ANDE (Associação Nacional de Equoterapia), bem como em nossas experiências empíricas, acreditamos que os cavalos têm poder exclusivamente transformador, pois eles têm desempenhado o papel terapêutico de ajudar pessoas a superar uma grande variedade de doenças como a depressão, ansiedade, transtornos alimentares, distúrbios do sono, estresse pós-traumáticos, crianças com autismo, síndromes em geral, problemas comportamentais, traumas relacionados ao abuso sexual dentre outras, assim como ensinar ao homem (seja esse homem praticante ou equipe terapêutica), a compaixão, o respeito por si e pelos outros, a humildade, a paciência e a gratidão. Nossa experiência como observadora voluntária, observadora acadêmica e agora com olhar de psicóloga avaliadora da Escola de Equitação Nissim Pazuello, dos praticantes de equoterapia podemos afirmar que, muitos pacientes relatam sentir mais entusiasmo, poder e confiança após as sessões. Embora a prática equestre seja milenar, somente agora, provavelmente com a ajuda da globalização, observamos maior procura pelo método terapêutico através da abordagem com os cavalos. Esse modelo novo de se aplicar a psicologia, onde o terapeuta sai do seu setting terapêutico tradicional em que aguarda por seus clientes e/ou pacientes,

Escola de Equitação Nissim Pazuello

para atendê-los “in loco” e aplicar seu conhecimento, ou seja, o psicólogo vai ao encontro daquele que necessita de acolhimento, de atenção específica e individual, de esperança para a superação e até mesmo em busca de desenvolver seu potencial resiliente, seja consciente ou não. Ainda que a escuta tradicional tenha sua eficácia comprovada, esse novo modelo de operar do psicólogo, quebra literalmente com a antiga prática desse profissional, indo ao campo, encontrar com sua clientela, onde o ambiente é natural, prazeroso e salutar, desativando por sua vez o tão concorrido e disputado divã. A presença dos animais no processo terapêutico, a interação do homem com o cavalo pode proporcionar ainda autodescobertas e cura afetivo emocional, através da psico-intervençao, reforçando nosso comentário, lembrando que já é comprovado que acariciar um animal pode reduzir a pressão arterial, que cães e gatos podem fazer com que os pacientes se sintam mais a vontade durante tratamentos e consultas médicas. Ficamos por aqui, lembrando a todos que, ao contrário do que muitos pensam, os cavalos são seres sensíveis e atentos aos sentimentos e linguagem corporal de seus semelhantes e, sobretudo, “não fazem pré-julgamentos”, aos quais somos muito gratos, por serem nossos grandes terapeutas.

09


anuรกrio 2013 Destaque

DIรRIO DE UMA ODISSEIA. Por: Tammy Repolho


anuรกrio 2013 Destaque


anuário 2013 Evento

CURSO DE TRATADOR É REALIZADO NO AMAZONAS Por: Tammy Repolho

12

Escola de Equitação Nissim Pazuello


anuário 2013 Evento

Um grande diferencial do curso foi o ambiente vivenciado, pois a teoria podia ser vista de imediato na prática...

Reunião no Senar com: (da esquerda p/ direita) Aécio Silva Filho, Eunice Menezes, Muni Lourenço, Luis Gaia e Tammy Repolho, em reunião para acordo sobre o I Curso de Tratadores. Escola de Equitação Nissim Pazuello

13


anuário 2013 Relato

AS EMOÇÕES DA MINHA PRIMEIRA COMPETIÇÃO Por Luíza Demasi

M

eu nome é Luíza Demasi, tenho 16 anos e pratico equitação há 4 anos. Sou apaixonada por cavalos e por isso comecei a montar. Meu pai me levou na Escola de Equitação Nissim Pazuelo, fiz minha aula-teste e nunca mais larguei os cavalos. Bom, desde o início eu quis competir, não por qualquer motivo especial, apenas para me divertir mesmo. Meu pai nunca me deixou participar por pensar que eu não estava preparada, mesmo com a professora, Tammy Repolho, dizendo que eu estava preparada. Ficamos nesse impasse até o mês de Junho desse ano. A Tammy me convidou para participar da I Copa Equus Amazonas e eu tinha certeza que meu pai não deixaria, como sempre. Chegamos em casa depois da aula e ele me disse que se eu quisesse eu poderia participar dessa vez. No dia seguinte, fui à Escola de Equitação e fiz minha inscrição. Mas eu precisava treinar, já que até aqui eu só aprendia por diversão, não para competir. Marquei dois treinos entre as aulas do colégio de manhã e o cursinho de tarde. Estava muito quente,mas foi divertido e deu resultado do mesmo jeito. Um dos treinos foi com o atleta olímpico cap. Leite Rodrigues durante uma clínica de salto.

pista para aquecer e esperei nossa vez. Entramos na pista, meu coração acelerou, chegou a hora! Me apresentei aos jurados, quase chorando, e fui fazer o que eu tinha que fazer! Depois de uma atrapalhada na hora de fazer uma curva, consegui terminar o percurso. Olhei para trás enquanto saia da pista, percebi que tinha conseguido e, que surpresa, voltei a chorar, mas dessa vez acompanhada de uma falta de ar e tremedeira. É, eu estava realmente nervosa... Enquanto eu tinha meu ataque nervoso, meu pai estava tirando fotos, sabe Deus de quê, bem longe de mim... Depois de me controlar, fui conversar um pouco e de repente escuto meu nome! Eu pensando que fui muito mal na prova, pensei que tinha sido desclassificada... Quando na verdade eu tinha ganhado a prova! Primeiro lugar! Fiquei muito feliz, lógico! Subi no pódio, meu pai me entregou a medalha, a Tammy me parabenizou e eu chorando sem tirar o sorriso de coringa do rosto. Desci do pódio e meu pai me abraçou falando que eu poderia participar de todas as competições que eu quisesse! Que eu estava preparada e passaria a treinar de verdade!

Chegou o dia da prova e eu estava muito nervosa! Fomos ao Comando Militar, local da competição, e eu fui falar com a Tammy, e ver o Kebec. Fizemos o reconhecimento da pista e depois de um tempo começou a prova. Me encarreguei de decorar o percurso enquanto meu pai se encarregou de tirar milhões de fotos e de me mandar não ficar nervosa e não fazer besteira, o que, surpresa, me deixou mais nervosa do que eu já estava! Passou-se a categoria 0,80, a categoria 0,60 e chegou a minha, fui buscar o Kebec e montei. Ele, brincalhão, resolveu aprontar bem na hora de ir para o aquecimento! Eu, que já estava nervosa, fiquei mais nervosa ainda! Enfim, cavalo controlado, entramos na

14

Escola de Equitação Nissim Pazuello


anuário 2013 Opinião

HOMENS E MULHERES DE SUCESSO. “@CarlosHilsdorf: O verdadeiro sentido de uma barreira é despertar nosso potencial para superá-la.” Por Tammy Repolho

A

vida moderna, em nossa fase adulta produtiva nós trás uma série de desafios assustadores, barreiras difíceis de serem transportas, é necessário a saúde física e mental, a determinação de todo dia, a programação do hoje, do amanhã e do futuro mais distante e a disciplina para não esmorecer ao logo desse processo. E nesse processo um dos nossos maiores desafios, o nosso maior obstáculo é o medo. Pois o medo está ai presente a cada momento e a cada decisão, em proporções diferentes, mas determinante e necessário em nossas ações. E qual a relação entre transpor obstáculos? Superar o medo e o desafio? Ter sucesso na vida e Montar a cavalo? A Psicologa Neyde Ventilari, já nos explicou, relembrando o medo é uma sensação que proporciona um estado de alerta demonstrado pelo receio de fazer alguma coisa, geralmente por se sentir ameaçado, tanto fisicamente como psicologicamente. E como podemos aprender a lidar com isso? A superar esse medo? A partir daqui podemos começar a falar de outro conceito, a resiliência que define a capacidade do indivíduo lidar com problemas, superar obstáculos ou resistir à pressão de situações adversas, choques, estresse etc. A American Psychological Association define resiliência como o processo e resultado de se adaptar com sucesso a experiências de vida, difíceis ou desafiadoras, especialmente através da flexibilidade mental, emocional e comportamental e ajustamento a demandas externas e internas” (APA, 2010, p. 809). Então a resiliência, pode ser considerada como uma competência e pode ser aprendida com adversidades e desafios. Para ser aprimorada: reúne consciência, atitudes e habilidades ativadas nos processos de

Escola de Equitação Nissim Pazuello

enfrentamento de situações em todos os campos da vida. Então para nós equitadores (aqueles que ensinam a montar) é palpável percebemos nossos alunos evoluírem, ganharem confiança, melhorarem autoestima, aprenderem a transpor obstáculos, a conquistarem essa difícil resiliência, tão fundamental para vivermos no dia a dia da vida moderna. Esse resultado vai sendo construído aula a aula, montada a montada, a cada contato com um ser – o cavalo, um animal muito diferente, grande, forte, veloz e que o cavaleiro é capaz de lidar, conquistar e conduzir. Do mesmo modo que os indivíduos, as relações nas organizações (empresas) também apresentam competência semelhante. Job (2003), que estudou a resiliência em organizações, argumenta que a resiliência se trata de uma tomada de decisão quando alguém depara com um contexto entre a tensão do ambiente e a vontade de vencer. Essas decisões propiciam forças na pessoa para enfrentar a adversidade. Assim entendido, pode-se considerar que a resiliência é uma combinação de fatores que propiciam ao ser humano condições para enfrentar e superar problemas e adversidades. O picadeiro da hípica, por extensão, as competições hípicas, é um palco de ensaio para o picadeiro da vida. Aqui se aprende a superar obstáculos, a trabalhar em equipe e a administrar parcerias, a lidar com stress e superar desafios... daí leva-se esse ensaio para a vida. Sucesso à nosso alunos, hoje cavaleiros e amazonas, amanhã cirurgiões, empresários, administradores, profissionais liberais.... o que quer que queiram ser, mas com certeza, firmes, organizados, determinados, disciplinados, éticos – Homens e Mulheres de sucesso.

15


anuário 2013 Relato

A HISTÓRIA DE UMA VIDA Por Arielle Miki

Só quem já experimentou sabe como é bom, como é bom sentir o vento batendo no rosto, como é bom superar as dificuldades e barreiras, como é bom ultrapassar obstáculos, como é bom zerar um percurso e como é bom ganhar uma competição. Tudo isso são experiências que marcam uma vida, marcam uma história. E quem teve a oportunidade de montar cavalo, sabe do que estou falando. Às vezes a vida nos coloca em caminhos que desconhecemos, somos levados a lugares que nunca pensamos em estar e experimentar o novo, porém assim como nos é tirado algumas coisas nos são dadas outras infinitas oportunidades, tudo depende de nós para acolher ou deixar passar o que nos foi dado de presente. Hoje, quero contar a história de uma garota que amava montar, amava competir, que amava cavalos. Ela teve a chance de fazer o que mais gostava e abraçou aquilo que lhe foi oportunado, e então ela pode crescer nesse meio, no meio dos cavalos, das competições, no meio hípico. Ao fazer o que gostava ela entregou-se por inteiro ao esporte e assim pôde evoluir, não somente como atleta, como pessoa. Adquiriu cavalos, conheceu pessoas, competiu em outros estados, representou seu estado, ganhou competições, perdeu provas, sorriu, chorou, caiu, montou, entre muitas outras coisas, e assim como muitos atletas mostrou que podemos superar muitas dificuldades com a vontade e a entrega ao fazer.

16

Mas com o passar do tempo também encontrou dificuldades e barreiras que fugiam ao seu querer e a sua vontade, algumas delas foram contornadas e outras tornaram-se empecilhos para que aquela menina, que cresceu fazendo o que mais gostava, continuasse a fazer aquilo que pensava ser a única coisa que realmente sabia fazer, montar cavalo. E ela teve que abrir mão, deixar que os cavalos se fossem, deixar seu sonho um pouco de lado, deixar as competições. Mas ao mesmo tempo em que ela abandonava tudo isso, era guiada de volta para o meio hípico, começou a participar das competições de outra forma, pelo lado de quem organizava e trabalhava para que tudo ocorresse bem durante as provas, começou a ser de dentro das competições. Foi então que lhe foi dada outra oportunidade, oportunidade de fazer o que gosta, através de uma simples conversa foi lhe oferecida a chance de estagiar na Escola de Equitação Nissim Pazuello, onde pode dar aula e treinar cavalos, lugar onde parte do seu sonho já pode ser realizado. Vocês devem estar pensando, “Mas quem foi essa garota? De quem é essa história?”. Essa foi, ou melhor, é a vida de quem vos fala, dessa menina que ama cavalos e dessa mulher que ama o que faz. Que por desígnios de Deus pôde realizar seus sonhos e assim encontrar a felicidade.

Escola de Equitação Nissim Pazuello


anuário 2013 Atitude

O MOVIMENTO QUE CONQUISTA SAÚDE, SONHOS E FELICIDADE Por Dra. Sigrid Ventilari - Fisioterapeuta

D

e acordo com o princípio de reabilitação, o famoso movimento tridimensional no qual o cavalo proporciona para o cavaleiro montado em seu dorso, gera desajustes e desequilíbrios corporais nos quais são recebidos pela medula espinhal seguindo até o sistema nervoso central. Equitação lúdica é o termo utilizado para diferenciarmos o trabalho realizado com crianças em aprendizado global, porém o princípio é o mesmo que da Equoterapia, incluindo as bases da equitação. Desenvolvida ao ar livre, em contato direto com a natureza, destinada para crianças entre 2 a 8 anos de idade essa atividade física, se torna um estímulo extremamente prazeroso e favorável ao aprendizado, visto que nesta idade as atividades neuronais são eletrizantes, proporcionando a formação de novas células nervosas e em sequencia novas habilidades, capacitando essas crianças a realizarem qualquer atividade seja motora ou intelectual. A equitação lúdica tem muitos benefícios para seus adeptos, dentre eles cito os ajustes posturais, as reações de endireitamento, o melhor uso da capacidade respiratória através da respiração mais adequada, a melhora de equilíbrio e coordenação global, noção espacial, socialização, concentração e disciplina, além disso, a possibilidade de “cuidar”, tocar, brincar, alimentar e principalmente conduzir um cavalo, um animal tão grande, robusto e imponente contribui para o desenvolvimento afetivo assim como da autoestima, autoconfiança e segurança da criança. Quando paramos para comparar nossa infância com das crianças de hoje, percebemos que nossos pequenos estão ficando cada dia mais longe da natureza, sem poder correr descalço sem o contato com areia ou grama, sem saber o que é subir e descer de árvore, sem a aproximação com animais, sem ter o estímulo e a criatividade para produzir seus próprios brinquedos, pois hoje o normal é você fazer tudo isso na frente de uma televisão e tendo todas essas sensações virtualmente, rodeado por grades, internet ou vídeo games e protegido dos perigos de um joelho ralado, das mãos machucadas ou ate mesmo de um pé mordiscado por formiga. Tudo isso é muito prático,

Escola de Equitação Nissim Pazuello

principalmente porque não podemos perder tempo e assim temos a ilusão de protegê-los de “todos” os perigos. Aí me pergunto, até que ponto devemos proteger nossos pequenos? Assim encontramos a essencial diferença da equitação lúdica na vida dessas crianças e de suas famílias, pois o bem maravilhoso que o ambiente eqüestre proporciona, uma vez que nele é possível explorarmos todo o nosso sistema sensorial através dos animais, dos sons dos pássaros, das plantas, da diversidade de cores, cheiros e movimentos. A melhor forma para compreensão, é a atividade de pentear e alimentar o cavalo. Além de estimular a coordenação motora grossa e fina, o toque no pelo e a sensação de uma temperatura diferente a criança aprende que o animal tem necessidades diárias parecidas com a dela, como de cuidados com a higiene, e alimentação. Entao, tudo se transforma em diversão e magia num ambiente no qual o cavalo é o verdadeiro agente facilitador e modificador de sensações, emoções e atitudes... e essa criança é um grande celeiro de sonhos.

17


Superação

UM PRÍNCIPE CHAMADO IKER Por Dra. Sigrid Ventilari - Fisioterapeuta

U

ma família incansável... Uma criança encantadora que durante todas suas sessões arranca sorriso dos lábios da equipe... uma vida ainda tão pequena, mais com um ar de gigante... Uma historia linda e emocionante... Um príncipe que nasceu para lutar e conquistar. “Sou mãe do Iker, uma criança especial em todas suas facetas, nasceu pré-maturo, com 30 semanas, veio inesperadamente, pois o esperávamos para dezembro, e ele nasceu em outubro, recebeu todas as intervenções necessárias de especialistas desde seu nascimento, com um mês iniciou-se as sessões de fisioterapia e a partir daí, com o passar do tempo, outras terapias foram sendo indicadas pelos médicos, mas não tínhamos um diagnóstico fechado, sabíamos do atraso motor visível, desenvolvimento em geral, mas somente com 1 ano de vida ele foi diagnosticado com Paralisia Cerebral, foi um choque não somente prá mim, mas prá toda a famí-lia, o sentimento de medo, impotência, tristeza, preocupação me assombrou por um longo tempo. Em uma das sessões de fisioterapia e consulta com pediatra e neuropediatra fui apresentada a equoterapia, me disseram que seria bom para trabalhar a postura dele, que os estímulos seriam importantíssimos para o cérebro em formação. Pesquisei sobre a técnica e em seguida procurei Escola de Equitação Nissim Pazuello (CENTRO DE EQUOTERAPIA MANAUS), não criei muitas expectativas, pois não sabia se meu filho na época com 1 ano e 6 meses iria se adaptar a nova terapia, se iria se sentir a vontade com o cavalo, devido ao tamanho, ambiente e outros aspectos. Com o passar do tempo pude perceber a interação do Iker com o meio, a melhora do equilíbrio e postura, percebo que quando ele está encima do cavalo a sensibilidade dele aflora, assim como sua percepção tátil, visual e auditiva, ele interage com todos seja com a equoterapeuta Sigrid Ventilari, que o acompanha desde a primeira sessão, até os tratadores dos animais, é visível a felicidade e integração social cada vez mais facilitada. Eu, na minha visão apenas de observadora e mãe

18

participativa consigo perceber o desenvolvimento da coordenação motora ainda que deficiente, a melhora da postura e do equilíbrio que estão cada vez mais marcados nas sessões, ele começou as sessões de equo com a terapeuta em cima junto com ele no cavalo e hoje ela auxilia ao lado, vejo que apesar da pouca idade ele atende aos comandos e ao que lhe é exigido durante as sessões, não se distraindo facilmente. Hoje sei que meu filho ama cavalos e que quase todos os dias me pede para ir à hípica fazer sessões de equoterapia, essa interação dele com o cavalo o faz feliz, promovendo-lhe uma imensa sensação de bem estar e felicidade. Consigo perceber ainda a nítida vontade que ele desprende para se manter com a postura ideal nas sessões sempre ouvindo e atendendo os comando da terapeuta. Iker está preste a completar 3 anos, ele está cada vez mais inteligente, participativo, em pleno desenvolvimento da coordenação motora, nos últimos meses teve um avanço em todos os aspectos, evoluções motoras, equilíbrio, postura e flexibilidade. Espero continuar com a terapia e nosso maior objetivo é vê-lo de pé, andando, sendo independente, sei que não marcamos datas, mas com muita luta, determinação, repetição, técnica e amor alcançaremos nosso ideal. Agradeço à equipe e principalmente à Dra Sigrid pela dedicação, paciência, esforço e carinho que demonstra a cada sessão. Grata, Kely Lima”.

Eu vi uma criança que não podia andar

ro)

(Tradução livre de Amauri Solom Ribei


anuรกrio 2013 Campeonato Interno


anuรกrio 2013 Campeonato Interno


Agende agora mesmo um Test Ride (uma aula teste gratuita)

51-2811 Tel: 92 3622-3324 - Cel: 92 91 EQUITAÇÃO LÚDICA Atendimento de crianças entre 3 e 6 anos, buscando o desenvolvimento psico-motor (educaçãção do moviemento com desenvolvimento do intelecto).

EQUITAÇÃO BÁSICA O ensino da equitação Clássica, aprimorando o desenvolvimento global do ser.

EQUITAÇÃO AVANÇADA O ensino da equitação esportiva

EQUOTERAPIA Tratamento de pessoas portadores de necessidades especiais.

EQUOTERAPIA SOLIDÁRIA Atendimento equoterápico de pessoas socialmente carentes

NOSSOS PARCEIROS


ANUÁRIO 2013