Page 1


Comissão Científica Luís F. Metello Joana Lemos Lídia Cunha Pedro Costa

Comissão Organizadora Sara Ferreira Domingos Vieira Diana Neves

2


Programa – X Congresso APTMN 5 de Julho 2014 – Aud. do IPDJ - Lisboa

09:15 – 09:30 | Inscrições e Entrega de Documentação 09:30 – 09:45 | Sessão de Abertura  Pres. Comissão Organizadora (Dra. Sara Ferreira) 09:45 – 11:00 | Terapêutica com Radionúclidos: passado, presente e futuro  Terapêutica com I-131: desde os primórdios até à actualidade (Dra. Diana Neves, Diaton, SA)  Terapêutica paliativa de Metástases Ósseas (Dra. Sara Ferreira, CMN – ESTSP.IPP)  Terapêutica com Ra-223 (Dra. Diana Dantas, Fund. Champalimaud)

11:00 – 11:30 | Coffee Break e Sessão de Posters 11:30 – 12:45 | Tópicos actuais de Investigação em Medicina Nuclear  Produção de Radionúclidos (Dr. Pedro Costa, CMN – ESTSP.IPP)  Imagiologia Pré-Clínica (Prof. Lídia Cunha, CMN – ESTSP.IPP)  Radiobiologia Aplicada (Dra. Joana Lemos, CMN – ESTSP.IPP) 12:45 – 14:00| Almoço Livre

Sessão Conjunta APTMN - ART 14:00 – 15:00 | Principais contextos de actuação na actualidade nacional e internacional A) Técnico de Medicina Nuclear (mod.: Luís F. Metello) 

Contexto Hospitalar Nacional (Dra. Ana Geão, CUF Descobertas);

Contexto Hospitalar Internacional: Dr. Diogo Costa, Queen Alexandra Hospital, Reino Unido Dra. Joana Milhazes, InHealth, Reino Unido Dr. Nuno Arantes, Hull & East Yorkshire Hospitals, Reino Unido Dra. Selma Sequeira, Clinique Sainte Anne Saint Remi, Bélgica

Contexto de Investigação: Dra. Cecília Miranda, The University of Hull, Reino Unido

Outros Contextos (moderador)

B) Técnico de Radioterapia (mod.: Anabela Duarte)

3


Contexto Hospitalar Nacional: Dra. Isabel Lobato, Hospital de Espírito Santo de Évora

Contexto Internacional: Dr. Guilherme Couto, Health Sciences Faculty, Univ. of Malta

Contexto Regulatório: Dr. Filipe Moura, RTT Committee, ESTRO

Contexto de Formação: Prof. Coord. Fátima Monsanto, ESTeSL, membro fundador ART

15:00 – 17:00 | Situação Actual das Profissões e Potenciais Implicações Futuras: Contribuições Diversas e Debate 17:00 | Sessão de Encerramento 17:15 – 18:00| Assembleia-Geral da APTMN

Resumos 4


P1 - COMPARAÇÃO ENTRE AS TÉCNICAS IMAGIOLÓGICAS, SPECT E PET NA DETECÇÃO PRÉCIRÚRGICA DE FOCOS EPILÉPTICOS Paixão G1, Rodrigues J2, Vieira D1, Cunha L1, Metello LF1 1Curso

de Licenciatura em Medicina Nuclear, Escola Superior de Tecnologia da Saúde, Instituto

Politécnico do Porto (ESTSP.IPP) 2Serviço

de Medicina Nuclear, Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC)

A Epilepsia Refractária (ER) ocorre em 20-30% dos doentes epiléticos. A Cirurgia é o método de tratamento mais eficaz, no entanto necessita de recorrer a técnicas imagiológicas que permitam a localização da zona epileptogénica. A introdução da neuroimagiologia funcional não invasiva, incluindo o SPECT e PET, tem vindo a melhorar em muito a eficácia da cirurgia representando um papel fulcral na avaliação/localização de focos epilépticos, principalmente nos de etiologia não definida pela Ressonância Magnética (RM). O objectivo deste trabalho passa por definir o papel da imagiologia funcional nuclear no âmbito em questão, assim como demonstrar a mais valia da mesma em casos de doentes com RM negativa. Estudaram-se 20 casos de doentes com ER de idades compreendidas entre os 12 e os 57 (35,7 ±11,0) anos. Os doentes realizaram Vídeo-EEG, RM, SPECT ictal, SPECT interictal com 99mTc-HMPAO, PET interictal com 18F-FDG, sendo que em todos os indivíduos os exames foram realizados sob as mesmas condições técnicas. Foi estabelecida uma escala de concordância onde, o Vídeo EEG ictal foi tido como Gold-Standard. Foram calculados o número de estudos localizantes, não-localizantes, discordantes, lateralizantes em relação ao hemisfério e ao lobo cerebral e, por fim, estudos sem correlação. Além disso, calculou-se a percentagem de estudos funcionais que detectaram zonas epileptogénicas em casos de RM negativas. Os resultados preliminares indicam que SPECT ictal foi a técnica imagiológica que apresentou um maior número de estudos localizantes, seguido do PET interictal. Quanto à RM dos 9 casos em que a mesma mostrou resultados negativos 7 acabaram por demonstrar a presença da patologia. Os dados obtidos até ao momento demonstram que o SPECT ictal aparenta ser o método ideal para a localização dos focos epilépticos pré-cirurgia. O PET interictal pode trazer uma mais valia neste âmbito, devido ao maior número de estudos localizantes em relação ao SPECT interictal. Por fim, a imagiologia funcional mostrou possuir um papel fulcral nos casos de doentes que não apresentaram evidências patológicas na RM, no entanto, esta continua a ser a técnica ideal para detecção de alterações anatómicas que definam a etiologia da ER.

5


P2 - TERAGNÓSTICO: A CAMINHO DA MEDICINA PERSONALIZADA Dias J1, Ferreira C1, Moura I1, Neves D1, Ramos M1, Ferreira S1, Metello LF1 1Curso

de Licenciatura em Medicina Nuclear, Escola Superior de Tecnologia da Saúde, Instituto

Politécnico do Porto (ESTSP.IPP) De entre as várias abordagens terapêuticas disponíveis para aplicação na área oncológica, a quimioterapia é das mais relevantes, tratando-se de um método que utiliza fármacos que intervêm no desenvolvimento celular. Contudo, devido a uma elevada biodistribuição não-específica, estes elementos apresentam citoxicidade elevada não só nas células malignas, mas também nas células saudáveis, pelo que se torna consensual a necessidade e a importância de investir no desenvolvimento de novos métodos. Usar fontes não seladas para terapia radionuclídica não é um conceito novo: existe há cerca de cinco décadas e começou com, entre outros, o tratamento de patologias tiroideias com radioiodo. Actualmente, os avanços permanentes baseados na Biologia Molecular conduziram a desenvolvimentos recentes que por sua vez possibilitaram uma melhor percepção dos mecanismos da carcinogénese e de outras patologias, tornando possível irradiar, com potencial de destruição celular, o interior de tumores, nomeadamente uma vez associados com o desenvolvimento de agentes biológicos tais como anticorpos monoclonais, proteínas e péptidos (que, ao funcionarem como transportadores específicos, garantem a eficácia da abordagem). A grande vantagem dos radionuclídeos é emitirem radiação com uma grande variedade de acções e efeitos radiobiológicos, oferecendo a possibilidade de escolher um nuclídeo cujas características físicas e nucleares correspondam melhor às de um determinado tipo de tumor ou à doença sob tratamento. Neste sentido, foram (e estão a ser) desenvolvidos radionuclídeos específicos, com duplo-propósito (ditos “teragnósticos”, como referência à ambivalência da conjunção dos conceitos “terapêutico” e “diagnóstico”), ou pares de radionuclídeos, com emissões adequadas tanto para imagiologia como para terapia, que irão permitir uma abordagem a dois níveis: primeiro pré-terapêutica, através de imagiologia de baixa dose, e depois, através de uma dose elevada no mesmo doente, induzir o efeito terapêutico pretendido. A implementação de radiofármacos teragnósticos possibilita situações nas quais os tratamentos são melhor desenhados e direccionados individualmente, permitindo aos sistemas de saúde poupar recursos e melhorar níveis de eficácia através da identificação precoce de terapias com baixa efetividade em alguns doentes. Assim sendo, é cada vez mais evidente e consensual que o uso da Medicina Nuclear permite implementar Medicina Personalizada e melhorar consequentemente os rácios de custo-eficácia.

6


P3 - PET NA DETECÇÃO DE INFECÇÃO E INFLAMAÇÃO Costa M1, Costa P1, Metello LF1 1Curso

de Licenciatura em Medicina Nuclear, Escola Superior de Tecnologia da Saúde, Instituto

Politécnico do Porto (ESTSP.IPP) É consensual o papel da Medicina Nuclear Convencional na detecção e avaliação da extensão de focos inflamatórios/infecciosos, com ênfase na avaliação precoce, antes ainda de surgirem manifestações de alterações anatómicas. Neste sentido, são também cada vez mais as referências à utilização da PET e às suas mais-valias na detecção de infecção/inflamação. Este trabalho surge, então, com o objectivo primário de tentar perceber e avaliar qual a aplicabilidade da imagiologia PET na detecção de infecção/inflamação, tentando igualmente compreender qual a sua maisvalia comparativamente aos outros métodos de diagnóstico já clinicamente estabelecidos. De forma a responder a este objectivo, e para a elaboração deste trabalho, foi efectuada uma revisão da literatura analisando vários artigos científicos publicados sobre a temática. Assim, partiu-se da apresentação do princípio básico da aplicação da PET na infecção/inflamação, mostrando de que forma o processo inflamatório pode ser avaliado por alguns agentes positrónicos. Seguidamente, optou-se por também desenvolver alguns aspectos como as aplicações clínicas mais frequentes, o papel da imagiologia PET nos algoritmos de diagnóstico e monitorização destas situações, bem como as suas vantagens e limitações relativamente a outras técnicas. Os resultados obtidos permitem reforçar a necessidade de evolução e implementação de novas técnicas neste contexto. A utilização da PET apresenta-se cada vez mais como possível solução para alguns problemas relativos ao diagnóstico diferencial de diversas patologias, que até agora não tinham uma resposta tão directa. Apresenta-se assim como alternativa vantajosa na detecção de diferentes processos inflamatórios, tendo como mais-valias: a diminuição do tempo de realização, o facto de não necessitar de manipulação de células e de não ser tão frequentemente necessária a conjugação com outras técnicas para estabelecimento de um diagnóstico assertivo. Em modo conclusivo, tendo em conta todas as vantagens encontradas e as diferentes possibilidades diagnósticas oferecidas por este método, acredita-se, e parece demonstrado a nível bibliográfico, que esta técnica poderá ser uma escolha cada vez mais frequente num futuro próximo, desde que aumente a capacidade de resposta instalada.

7


P4 - AVALIAÇÃO DOS EFEITOS RADIOBIOLÓGICOS RESULTANTES DA EXPOSIÇÃO A BAIXAS DOSES DE RADIAÇÃO IONIZANTE EM PEIXE-ZEBRA UTILIZANDO COMET ASSAY J Lemos1, P Costa2, L Cunha1, AP Carvalho4,5, T Neuparth5, P Genesio6, F Ponte 6, PS Costa6, P Crespo7, LF Metello3 1 – Dep. Medicina Nuclear, ESTSP.IPP & ICBAS.UP & CADCTR. Portugal 2 – Dep. Medicina Nuclear, ESTSP.IPP & CADCTR. Portugal 3 – Dep. Medicina Nuclear, ESTSP.IPP & IsoPor SA. Portugal 4 – Dep. Biologia, FCUP & CIIMAR.UP. Portugal 5 – CIIMAR.UP. Portugal 6 – Dep. Radioterapia, Júlio Teixeira SA. Portugal 7 – LIP.UC. Portugal Este trabalho relaciona-se com a aplicação do peixe-zebra - Danio rerio - para o estudo dos efeitos radiobiológicos utilizando baixas doses de radiação ionizante (doses ao nível do diagnóstico médico). Nos últimos anos, a utilização de peixe-zebra cresceu consideravelmente apontando cada vez mais como um modelo muito atraente na pesquisa biomédica, essencialmente pela homologia partilhada com o genoma humano, complementada pela manutenção fácil, barata e prática e pela boa acessibilidade. Este trabalho utilizou uma população de cerca de 300 animais, divididos em quatro grupos de 75, que foram irradiados externamente, com três protocolos de doses distintas: 100, 500 e 1000 mGy. As posturas dos peixes irradiados foram recolhidas e grupos de animais adultos foram sacrificados em três momentos distintos: 1, 4 e 7 dias após a irradiação. Os danos no ADN em adultos e em larvas foram estudados utilizando o método comet assay. Os resultados relativos aos danos foram processados e apresentados em termos de percentagem de ADN na cauda, permitindo uma aproximação para o número relativo de quebras de ADN induzidas pela exposição à radiação. Sobre a relação entre a dose irradiada e a percentagem de ADN na cauda em 1 dia após a irradiação, houve diferenças significativas nos danos do ADN entre os três grupos irradiados (35,0% em 100mG; 37,7% em 500mGy e 43,4% em 1000mGy) e o grupo controlo (24,3%). Os resultados obtidos sugerem que as fêmeas e os machos apresentam radiossensibilidade distinta, com um efeito máximo nos primeiros pontos temporais e nas doses mais elevadas. No entanto, os resultados também demonstraram que os danos tendem a recuperar ao longo do tempo. Os resultados apontam para uma relação significativa entre a dose de irradiação e os danos agudos no ADN.

8


P5 - OPTIMIZAÇÃO DE MECANISMOS DE RADIOPROTEÇÃO EM MEDICINA NUCLEAR CONVENCIONAL Costa A1, Milhões M2, Sousa E1 1Escola

Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa, Instituto Politécnico de Lisboa

2Serviço

de Medicina Nuclear, Instituto CUF, Porto

O transporte de fontes de radiação entre áreas de um Serviço de Medicina Nuclear (SMN) é parte integrante das funções desempenhadas pelo Técnico de Medicina Nuclear (TMN). Durante este procedimento, o profissional está exposto à radiação emitida pelas fontes que transporta. A prevenção torna-se a principal ferramenta na proteção do profissional responsável pelo transporte, através da aplicação de medidas de proteção, no que diz respeito à utilização de blindagens, diminuição de tempo de contato e aumento da distância à fonte. O objetivo geral deste trabalho consistiu na avaliação da atenuação da radiação por blindagens utilizadas pelos TMN, influência da idade e desgaste dos materiais de proteção na atenuação conferida pela blindagem e a avaliação da dose efetiva recebida pelos profissionais durante o transporte de fontes de radiação num SMN. De forma a avaliar a atenuação da radiação foram utilizadas blindagens de idades e espessuras diferentes. Adquiriu-se várias imagens estáticas utilizando cada um das blindagens e feitas combinações entre duas blindagens, para diferentes atividades de Tecnécio-99m (99mTc). Para cada um quatro percursos distintos efetuados pelos TMN, desde a preparação das fontes de radiação na Radiofarmácia até aos locais de administração de radiofármacos, foi determinada o valor de dose efetiva, através de um detetor Geiger-Müller. Verificou-se que os protetores de seringa e mala de transporte apresentam valores de atenuação superiores a 97%. A utilização de duas blindagens em simultâneo contribui para o aumento da percentagem de atenuação. As blindagens conferem valores de atenuação próximos entre diferentes atividades de (99mTc). O valor de dose efetiva aumenta de acordo a diminuição da distância a que é efetuada a medição, sendo superior para atividades mais elevadas. O percurso de maior duração confere o maior valor de dose efetiva. Com o presente estudo conclui-se que existem diferenças no valor de atenuação conferido por blindagens de espessura e idade diferentes. O valor de dose efetiva recebida durante o transporte de fontes de radiação protegidas com blindagens, em cada um dos percursos efetuados pelos TMN é próxima ao valor de fundo.

9


P6 - TERAPIA RADIOMETABÓLICA DE METÁSTASES ÓSSEAS COM PARTÍCULAS ALFA: DICLORETO-223Ra Mateus A1, Soares C1, Salvador C1, Paninho H1, Santos J1, Reis J1, Puga T1, Lemos J1, Metello LF1 1Curso

de Licenciatura em Medicina Nuclear, Escola Superior de Tecnologia da Saúde, Instituto

Politécnico do Porto (ESTSP.IPP) A doença metastática óssea é muito comum em estadios avançados de diversos tipos de cancro, sendo a sua principal complicação a dor, que aumenta a morbilidade e diminui a qualidade de vida dos diversos afectados. Num osso saudável, existe remodelação através da atividade osteoclástica e osteoblástica, que mantém as funções mecânicas e metabólicas ótimas. Em situação de patologia tumoral, são secretados fatores estimulantes da atividade osteoclástica e fatores de crescimento que estimulam a proliferação tumoral e a secreção de citocinas, resultando num maior risco de osteopenia, fraturas, compressão e disfunção da medula espinal, associadas também a hipercalcemia. Atualmente, o tratamento da dor óssea inclui o uso de analgésicos aplicados por ordem crescente segundo a intensidade da dor: AINEs, opióides fracos e fortes e até de narcóticos. No entanto, o uso continuado destes fármacos induz resistência e efeitos colaterais significativos. Deste modo, destacam-se vários tipos de terapias passíveis de serem utilizadas para as múltiplas lesões metastáticas, tais como a radioterapia, quimioterapia e terapia radiometabólica. A utilização do emissor alfa Dicloreto-223Ra é uma das tendências recentes no âmbito da terapia radiometabólica paliativa, principalmente em cancros prostáticos resistentes, cancro da mama e do pulmão, sendo o seu princípio associado à incorporação do radiofármaco nas áreas de maior atividade metabólica, dado ser um calciomimético. Assim, a presente metanálise tem o objetivo de destacar o state-of-the-art da referida abordagem terapêutica, salvaguardando as caraterísticas do radiofármaco e a sua ação citotóxica. As perspetivas futuras envolvem o uso do Dicloreto- 223Ra como tratamento de primeira linha em doença metastática óssea sintomática, uma vez que é considerado eficaz e bem tolerado, não só no controlo da dor, como também na diminuição de lesões esqueléticas metastáticas, aumentando a sobrevida e reduzindo a morbilidade. Além disso, esta abordagem terapêutica é multidisciplinar pelo que está em estudo a sua combinação com agentes quimioterapêuticos (docetaxel). No entanto, deve-se ainda tentar esclarecer as actividades ótimas a administrar, a possibilidade de fracionamento de doses e de repetição do tratamento, assim como a sua aplicação em contexto pediátrico e em estadios iniciais da doença e/ou em doentes assintomáticos, verificando-se também a toxicidade a longo prazo.

10


P7 - O PAPEL DA ACETIL-L-CARNITINA NA NEUROTRANSMISSÃO DOPAMINÉRGICA 1Lídia

Cunha, 2Krisztian Szigeti, 3Domokos Máthé, 4Teresa Summavielle, 1,5Luís F. Metello,

1Área

Técnico-Científica de Medicina Nuclear, ESTSP.IPP, VN Gaia, Portugal

2Institute

of Biophysics and Radiation Biology, Faculty of Medicine, Semmelweis University, Budapest,

Hungary 3CROmed 4Instituto 5IsoPor,

Ltd, Budapest, Hungary

de Biologia Molecular e Celular, Universidade do Porto, Portugal

SA, Porto, Portugal

A Acetil-L-Carnitina (ALC) tem sido descrita como um neuroprotetor contra diversas substâncias. Contudo, os mecanismos moleculares subjacentes à sua acção, particularmente a indução de alterações ao nível dos neurotransmissores, não são totalmente conhecidos. Através da utilização de uma linha celular e de um modelo animal de exposição à metanfetamina (METH), pretendemos contribuir para um melhor entendimento do mecanismo pelo qual a administração de ALC altera a libertação de neurotransmissores. De modo a explorar o efeito da ALC na função dopaminérgica, expusemos as células PC12 à METH (1.0 e 100 µM) durante 24 e 72h e avaliamos os níveis intra- e extracelulares de dopamina (DA). Além disso, utilizando um antagonista dos receptores D2 (D2R) radiomarcado (123I-IBZM), adquirimos imagens in vivo para avaliar a razão de ligação estriatal do radiotraçador. Os resultados obtidos revelam que, in vitro, a ALC pode interferir com a libertação de DA, diminuindo a quantidade de DA extracelular, na presença de METH. Estes dados estão de acordo com os obtidos in vivo, nos quais a ALC foi capaz de contrariar os efeitos da METH na ocupação dos D2R, promovendo a saída da METH dos mesmos.

11


P8 - THE ROLE OF NUCLEAR MEDICINE IN VETERINARY MEDICINE – DIAGNOSIS AND THERAPHY Morais C1, Cunha L1, Metello LF1 1Nuclear

Medicine Department, ESTSP.IPP, Portugal

The role of Nuclear Medicine in Veterinary Medicine has had an evolutionary change over the last 50 years. The first papers in this area date back to the 70s. In 1971, Thrall & Gillette published one of the first papers reporting lung scintigraphy to detect occlusive pulmonary vascular disease in dogs, followed by Ueltschi, in 1975, who showed the potential of bone scintigraphy to evaluate equine lameness. From the 1980s onwards, the application of Nuclear Medicine has expanded significantly in the USA and Europe. With this work we aim to demonstrate the increasing role of Nuclear Medicine in the veterinary context and its major applications. Nowadays, Nuclear Medicine is applied to small and larger animals in a wide variety of clinical contexts, with equine bone scintigraphy remaining as the most commonly performed procedure in Veterinary Medicine to evaluate equine athletes. Regarding therapy, the major applications are the use of radioiodine (I-131) to treat thyroid diseases and samarium-153 for the treatment of bone malignancies. The mainstream use of Nuclear Medicine procedures today in veterinary patients is predominantly directed to bone, thyroid, renal and liver scintigraphy. Radioiodine is the treatment of choice for feline hyperthyroidism and PET studies have found itself a niche in Veterinary Oncology. Nuclear Medicine remains a powerful tool in providing valuable information for Veterinary Medicine and translational medical research.

12


P9 - IRRADIAÇÃO DE BAIXA DOSE DE CULTURAS CELULARES TEM EFEITO AGUDO NA TAXA DE PROLIFERAÇÃO Costa P1, Lemos J1,Cunha L2, Genésio P3, Ponte F3, Costa PS3, Crespo P4, Metello LF2 1

Dept. Medicina Nuclear, ESTSP.IPP & CADCTR. Portugal

2

Dept. Medicina Nuclear, ESTSP.IPP & IsoPor SA. Portugal

3

Dept. Radioterapia, Julio Teixeira SA. Portugal

4LIP-UC.

Portugal

As baixas doses de radiação ionizante não estão ainda estudadas e documentadas de forma consistente. Nesse contexto, são necessários estudos de modelos biológicos mais avançados e complexos para a obtenção de dados mais robustos e relevantes. Reconhecendo que os actuais modelos monolayer de cultura celular apresentam diversas limitações, assim como se apresenta como difícil o uso de modelos biológicos mais avançados, o nosso grupo tem vindo a desenvolver modelos biológicos alternativos, nomeadamente as culturas celulares tridimensionais. Estes modelos celulares (cultura celular monolayer e culturas celulares tridimensionais - cultivadas com encapsulação de células em alginato 1% ou com coating de agarose a 1,5%) foram irradiados externamente com 100mGy e 1Gy. As consequências dessa irradiação foram estudadas em relação à proliferação celular (usando MTT assay) e dano genético (usando comet assay), 24h e 72h após a irradiação. Os nossos resultados apresentam uma tendência aguda de diminuição da proliferação celular nos modelos tridimensionais irradiados com ambas as doses, 24h após a irradiação, com retoma dos valores normais de proliferação às 72h. Interessantemente, as células cultivadas pelo método tradicional apresentam um perfil proliferativo completamente distinto quando comparadas com os modelos tridimensionais. Por outro lado, não parece haver qualquer relação entre as doses de irradiação e o dano genético, enquanto que o método de cultura o influencia (o maior nível de manipulação nos modelos tridimensionais implica maior nível de dano genético). Em conclusão, o efeito agudo em resposta à irradiação com baixas doses de radiação está relacionado com o decréscimo da taxa de proliferação, que é recuperada 72h após a irradiação, e parece não haver efeito genético significativo.

13


P10 - APLICAÇÃO DO PET/CT NA DETECÇÃO DE TROMBOEMBOLIA PULMONAR Rocha F1, Vieira D1, Cunha L1, Metello LF1 1Curso

de Licenciatura em Medicina Nuclear, Escola Superior de Tecnologia da Saúde, Instituto

Politécnico do Porto (ESTSP.IPP) A tromboembolia pulmonar (TEP) é uma disfunção respiratória onde a perfusão pulmonar se encontra anómala apesar da ventilação pulmonar regional se encontrar normal. Esta situação ocorre quando um trombo se deposita na vasculatura pulmonar, provocando a obstrução mecânica desta e estando na base de índices de mortalidade e morbilidade relevantes. Por essa razão, possui carácter urgente e necessita de um diagnóstico rápido e eficaz, que pode ser proporcionado pela Cintigrafia de Ventilação/Perfusão Pulmonar (V/P). Neste sentido, torna-se fulcral a escolha da técnica de diagnóstico ideal, tendo como principais critérios a sensibilidade e especificidade da mesma, bem como o seu custo/disponibilidade. A aquisição PET/CT utilizando o 68Ga-aerossol (“Galligas”) no estudo da ventilação pulmonar e o 68GaMAA na fase de análise da perfusão pulmonar é um tema recente que tem tido bastante ênfase na detecção de TEP. Para a realização deste trabalho foi efectuada uma revisão bibliográfica que consistiu na análise de diversos artigos científicos com vista à avaliação da mais-valia da técnica PET/CT neste contexto clínico. A aplicação do PET/CT no estudo de V/P Pulmonar em doentes com suspeita de TEP pode melhorar a precisão e a utilidade das imagens, nomeadamente devido às suas características técnicas superiores, pois que proporcionando uma maior qualidade de imagem e uma velocidade de realização do exame superior quando comparada com a imagem obtida em câmara-gama convencional. Os resultados obtidos na pesquisa efectuada permitem perceber o potencial desta técnica, parecendo apontar como possível a substituição do

99mTc

pelo 68Ga, mantendo-se o uso dos mesmos ligandos que

na V/P convencional, mas com associação ao emissor de positrões citado. Adicionalmente, todos os equipamentos actualmente disponíveis no mercado fornecem o PET combinado com o CT, o que permite uma correlação optimizada entre a informação funcional e a anatomia detalhada. Em termos de conclusão, será ainda efectuada uma comparação desta técnica com as duas técnicas actualmente consideradas como referências na área da Medicina Nuclear - SPECT e SPECT/CT.

14


P11 - VALUE OF A LOWER LIMB IMMOBILIZATION DEVICE FOR SPECT/CT IMAGE FUSION OPTIMIZATION Machado J1,2,3, Monteiro M2, Fernandes V2, Collinot J 2, Prior J2, Vieira L3, Jorge J1 1Haute

École de Santé Vaud – Filière TRM, University of Applied Sciences Western Switzerland,

Lausanne, Switzerland 2Nuclear 3Área

Medicine Department, Lausanne University Hospital, Lausanne, Switzerland

Científica de Medicina Nuclear, Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa, Instituto

Politécnico de Lisboa, Portugal The foot and ankle are small structures where disorders are common and its complex anatomy represents a significant clinical challenge. SPECT/CT Image fusion can is particularly useful to increases diagnosis certainty of bone pathology. However, due to SPECT acquisition duration, patient’s involuntary movements may lead to misalignment between SPECT and CT images. We aimed at designing an ankle and foot immobilizing device and measuring its efficacy at improving image fusion. We evaluated 20 patients with various foot and ankle problems who underwent distal lower-limb SPECT/CT (Discovery NM/CT 670, GE) with and without the customized foot holder. The misalignment between SPECT and CT acquisition was computed by manually measuring 14 fiducial markers chosen among anatomical landmarks. ANOVA were performed for statistical analysis. The absolute difference between SPECT and CT without and with support were 5.1±5.2 mm (mean±SD) and 3.1±2.7 mm, respectively, which was significant (p<0.001). The introduction of the foot holder significantly improved alignment between SPECT and CT studies, which may have clinical implications in precisely localizing foot and ankle pathology.

15

Livro de Resumos X Congresso APTMN 2014  
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you