Page 1

Missão Batista em Libras batiza os seis primeiros surdos em Arapiraca (AL) Pág. 8

Brasil

Transformação da cracolândia em Cristolândia avança em São Paulo

Mundo

Novas metas na Espanha

Mobilização Missionária

Mobilizações missionárias Jesus Transforma movimentam dez Pág. 21 estados brasileiros

Pág. 5

Conexão desperta vocacionados

Pág. 12

Página 23

M issões Jornal de

Órgão Oficial das Juntas de Missões Mundiais e Nacionais da Convenção Batista Brasileira Ano VII | Nº 34| Julho • Agosto | 2010

Bem-vindos ao novo Lar

C

ulto em gratidão a Deus pela inauguração do novo Lar Batista F. F. Soren reuniu cerca de 700 pessoas em Luzimangues – Porto Nacional (TO), no dia 26 de junho. Há muito tempo os batistas brasileiros não celebravam a Deus por uma obra tão vultosa, e por isso o momento tem sido considerado um marco na história dos batistas brasileiros. A ocasião também marca o envolvimento do povo batista com a ação social e estimula a unidade e reforça a convicção de que muito mais pode ser feito com a participação de todos em favor de um Brasil que se demonstra tão carente do evangelho e da transformação que só Jesus pode operar. Na sociedade local e estadual, o Lar também tem tido grande destaque e é considerado como o projeto número um, de acordo com a afirmação da Secretária do Trabalho e Desenvolvimento Social do Estado do Tocantins, Dolores Nunes, presente à inauguração. “Este trabalho é magnífico”. O novo Lar foi destaque da TV Anhanguera, afiliada da Rede Globo, antes e após a inauguração com notícias sobre o projeto e o evento. Págs. 6 e 7

N

Vitórias para Cristo na Copa do Mundo

a Copa do Mundo realizada na África do Sul, entre 11 de junho e 11 de julho, vencer era o objetivo principal daqueles que lá estavam representando suas pátrias. Mas, para uma outra seleção, escolhida nas igrejas do Senhor pelo Brasil, o objetivo maior não era conquistar uma goleada expressiva, mas superar o adversário de nossas almas e promover a salvação em Cristo. Essa jogada feita pelo grupo de 210 voluntários nos campos sul-africanos, durante o Projeto Conexão África, deixou resultados significativos

para o Reino, como conversão de vidas, serviço e testemunhos de amor à sociedade sul-africana. No dia 11 de junho, jogavam África do Sul e México, inaugurando no continente africano a competição mais importante do futebol mundial. Em relação à obra missionária mundial, a Copa do Mundo de 2010 também inaugurou um novo momento: pela primeira vez, o Brasil enviava para um campo missionário seu maior grupo de voluntários. Págs. 10 e 11

Igreja missionária Igreja Batista do Bacacheri, em Curitiba (PR), abençoa mais uma vez grupo de missionários de Missões Nacionais com o 17º Crescer Missionário Pág. 3

Voluntários entregam bonecas missionárias (missionecas) para crianças sul-africanas

Renovo espiritual Formatura

Novos missionários Vocacionados recém-formados seguirão para os campos Pág. 14


2

Jornal de Missões Julho/Agosto• 2010

Editorial Quantas bênçãos Deus nos dá “Pois estou certo de que Deus, que começou esse bom trabalho na vida de vocês, vai continuá-lo até que ele esteja completo no Dia de Cristo Jesus.” Fp 1.6

Q

uantas vezes já passamos pela sensação de termos muito trabalho, mas de resultado compensador. É assim que nos sentimos ao apresentarmos, mais uma edição do Jornal de Missões. Quantas bênçãos Deus tem nos dado, que perfeição nos seus caminhos! Quantas notícias, mas não temos como avaliar o alcance do que Deus está fazendo. Quem antecipa o que pode fazer uma palavra dita no campo missionário por um voluntário a alguém sem esperança? Quem imagina o que virá a ser uma das nossas crianças nos lares batistas? Quem explica o avivamento surgido na igreja do pastor que passou por uma clínica de Igreja Multiplicadora? O que dizer daquela igreja que experimentou uma arrancada evangelística depois que a promotora de missões mexeu com os brios do povo? O que podemos esperar quando voluntários conseguem romper o silêncio, se aproximam, apoiam e se comprometem em alcançar surdos? Quem pode imaginar a saudade, mas também a alegria que não se pode descrever, das famílias abraçando a filha ou filho que parte para o tratamento da dependência do crack numa comunidade terapêutica? O grande desafio desta edição foi registrar em poucas páginas tantas maravilhas que Deus realizou. E este Deus, que nos ungiu para evangelizar, nos enviou para proclamar libertação, restauração, a pôr em liberdade os oprimidos, tem sustentado esta obra confiada aos batistas brasileiros ao longo de 103 anos. Temos convicção da presença de Deus na condução da obra missionária, razão por que convocamos todos, neste novo semestre, quando as atenções se voltam para a nossa Pátria, a cantarmos juntos “Vem, Brasil, com Jesus ser verdadeiramente feliz”. Vamos lá, então? É só virar a página e você encontrará aqui edificação e desafios que o(a) impulsionarão a agir, tornando-se nosso parceiro na transformação de vidas. Boa leitura!

Pr. Jeremias Nunes dos Santos

Gerente Executivo de Planejamento e Estratégia da JMN

Expediente O JORNAL DE MISSÕES é uma publicação bimestral das Juntas de Missões Mundiais e Nacionais da CBB. JornalistaS ResponsáveIS: Sérgio Dias 25.944/DRT-RJ (JMM) Marize Gomes Garcia 41.487/DRT-RJ da JMN MISSÕES MUNDIAIS: Rua Senador Furtado, 71 Praça da Bandeira, Rio de Janeiro, RJ - CEP: 20270-021 Tel.: (21) 2122-1900 - Fax: (21) 2122-1911 E-mails: redacao@jmm.org.br; jmm@jmm.org.br Portal: www.jmm.org.br DIRETOR EXECUTIVO Pr. João Marcos Barreto Soares GERENTE DE COMUNICAÇÃO E MARKETING Pr. Luiz Cláudio Marteletto REDATORES: Ailton de Faria Figueiredo, Márcia Pinheiro e Sérgio Dias EDITORAÇÃO: Irlando Lopez MISSÕES NACIONAIS: Rua Gonzaga Bastos, 300 Vila Isabel CEP: 20541-000 - Rio de Janeiro, RJ Tel.: (21) 2107-1818 | Fax: (21) 2107-3851 E-mail: falecom@missoesnacionais.org.br Site: www.missoesnacionais.org.br DIRETOR EXECUTIVO: Pr. Fernando Brandão GERENTE EXECUTIVO DE PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIA: Pr. Jeremias Nunes REDAÇÃO: Tiago Monteiro REVISÃO: Adalberto Alves de Sousa COORDENAÇÃO DA PRODUÇÃO EDITORIAL: Gerson Daminelli Ribeiro DIAGRAMAÇÃO: Wellington Nunes • Oliverartelucas TIRAGEM: 170.000 exemplares

Palavra do Diretor O

Gratidão aos batistas brasileiros

nosso Deus é maravilhoso! O dia 26 de junho de 2010 entrou para a história dos batistas brasileiros. Após 12 meses do início das obras a primeira etapa do novo Lar Batista F. F. Soren foi inaugurada. Uma grande vitória! Agradecemos ao nosso Deus pela sua bondade e fidelidade para com o seu povo. Também registramos a nossa imensa gratidão aos batistas brasileiros pelas orações apoio e sustento deste projeto missionário. Aos voluntários que trabalharam incansavelmente na edificação desta grande obra, nossa gratidão e carinho. Registramos também, com alegria, que toda a obra foi custeada com ofertas do povo batista. Ofertas que vieram de todos os estados. Igrejas, irmãos e irmãs participaram com alegria no envio dos recursos para que o sonho se realizasse. Nossa equipe percorreu centenas de igrejas em todo o país e a resposta sempre foi positiva. O novo lar desfruta não somente de novas instalações mas também de toda uma estrutura funcional para atendimento das crianças conforme previsto na legislação em vigor no Brasil. O sonho ainda continua, pois desejamos ampliar a capacidade de atendimento para recebermos mais crianças e, consequentemente, abençoar vidas preciosas que estão perdendo a esperança diante de tantas situações de sofrimento. Você pode continuar participando deste sonho por intermédio do PAM-Brasil. Na verdade a construção do lar foi um marco para todos nós. A partir desta experiência temos

D

aprendido que podemos avançar muito mais se estivermos unidos, focados na missão, trabalhando com dedicação e na total dependência do poder de Deus. É possível avançar muito mais. Outro motivo de gratidão é realização de 13 Trans no mês de julho. Tem sido uma experiência gratificante ver tantos voluntários cruzando o país para proclamar a Palavra de Deus. Convenções, associações, igrejas e equipes, todos mobilizados com um único objetivo: proclamar a Palavra de Deus. No ano cujo tema dos batistas é o aperfeiçoamento dos santos na obra da evangelização, a realização das TRANS também é um grande evento de capacitação e despertamento para a obra de evangelização. Nossa gratidão aos voluntários, que, motivados pela visão do reino de Deus, deixaram seus lares para dedicar o melhor de suas vidas na proclamação do evangelho de Cristo Jesus durante todo o período da Trans. Após retornarem das Trans todos sabem que a evangelização continua no quotidiano de nossas vidas. Por um Brasil verdadeiramente feliz, vamos avançar. Por Fernando Brandão Diretor Executivo de Missões Nacionais

Primeiros Passos

epois de seis meses na liderança da JMM estou vivendo, de forma tranquila, o processo de adaptação e tenho aproveitado as oportunidades para realizar as análises necessárias para a definição dos rumos que a JMM pretende trilhar nos próximos anos. Sempre tendo em vista os desafios e as oportunidades que estão diante de nós para levar o Evangelho a todos os povos da Terra. O relatório que engloba o período de fevereiro a maio deste ano (a ser apresentado ao Conselho da Convenção Batista Brasileira, em agosto) mostra que o trabalho missionário continua a avançar. Nesses quatro meses aconteceram, nos campos de Missões Mundiais, quase 8 mil decisões por Cristo e 1.300 batismos; 200 novas frentes missionárias foram abertas e 20 igrejas organizadas. O número de mantenedores cresceu e os recursos não faltaram. Tudo isto nos leva a reconhecer a participação e a fidelidade dos crentes e das igrejas que têm sustentado essa obra com suas orações e ofertas, bem como o trabalho dos incansáveis missionários nos campos. Porém, acima de tudo, esses resultados nos fazem exaltar o Senhor de Missões, que tem abençoado grandemente a obra missionária mundial. Embora esteja empenhado na execução dos projetos anteriormente planejados, também estou implementando diversas ações e definindo novas metas de trabalho. Assim, como equipe na Sede, elaboramos o Planejamento Estratégico que vai nortear o programa da

Junta de Missões Mundiais para o período de 1° de outubro de 2010 a 30 de setembro 2013. Estão previstas metas arrojadas, como a abertura de 18 campos missionários (com atenção especial aos povos nãoalcançados), o envio de 300 novos obreiros, o aumento significativo do número de intercessores e mantenedores, o despertamento de vocacionados, a mobilização das igrejas, dentre outras metas. Caminhamos tendo os olhos voltados para as necessidades urgentes do mundo, mas sem esquecer que precisamos estar muito bem preparados para atendê-los. Por isso, estamos trabalhando para o aperfeiçoamento do trabalho dos diversos setores da JMM, para que esta tenha uma estrutura que dê o suporte à obra de missões. Em todos contatos que tenho feito, seja nas viagens ou por meios de comunicação, percebo que as pessoas e igrejas estão desejosas de alcançar as nações com a mensagem de salvação. Portanto, vamos avançar! E faremos isso sempre na dependência de Deus, mas certos de que não iremos sozinhos, pois contamos com um povo que ama missões e que, por Cristo, vai até os confins da Terra. Por João Marcos Barreto Soares Diretor Executivo de Missões Mundiais


Jornal de Missões Julho/Agosto • 2010

17º Crescer Missionário renova forças de obreiros da JMN

E

3

Brasil

Juntos, somos muito melhores

ste foi o tema do 17º congresso Crescer Missionário, promovido pela Igreja Batista do Bacacheri, Curitiba, PR, que reuniu missionários de Missões Nacionais, da própria igreja e da Convenção Batista do Rio Grande do Sul entre os dias 23 e 27 de junho, com o principal objetivo de proporcionar aos participantes um tempo de refrigério e crescimento espiritual. Desde 2008, Missões Nacionais, que esteve representada pelos pastores Daniel Eiras, gerente regional de missões no Sul, e Humberto Gomes de Souza, da gerência de expansão missionária, firmou uma parceria com a igreja, que vem sendo um Centro de Treinamento no Sul e abençoado muitos missionários. O congresso foi iniciado pela IB do Bacacheri como uma forma de auxiliar a obra missionária, suprindo uma necessidade identificada em viagens missionárias realizadas pelos coros da igreja, trazendo missionários para o convívio com a igreja, visando “amá-los com o amor de Jesus”, compartilhou pastor Roberto Silvado. O casal Natal e Carmen Chabaribery afirma que ao assumir a coordenação do Crescer sabiam o tamanho da responsabilidade, mas não imaginavam o que estava reservado para eles. Determinados a fazer acontecer o melhor para os missionários, durante o congresso foram entendendo a dimensão daquilo que estava reservado para eles. “No início do primeiro dia, fomos surpreendidos com o carinho, atenção e respeito dos nossos queridos pastores da IBB que todos juntos oraram por nós e pelo Crescer. Isso só veio a nos fortalecer para o início de uma experiência que marcaria a nossa vida para sempre. No decorrer do Crescer, diante de toda programação vivida intensamente com os missionários, tivemos a rica oportunidade de conhecer e aprender um pouco da vida e da experiência de cada um. Foi através da preocupação de fazer o melhor, rindo e chorando com eles, que criamos um laço de amizade com o compromisso de continuar juntos nessa caminhada através de nossas orações e contatos contínuos. Temos certeza que fomos muito abençoados e que conquistamos novos amigos e irmãos. Que o Senhor continue nos abençoando e nos guiando a fazer sempre o melhor pelo nosso próximo!” O Crescer missionário, além da capacitação, ofereceu o cuidado espiritual, emocional e também o físico, por meio de palestras, oficinas e material de apoio; das famílias acolhedoras e membros da igreja; e dos projetos Vida e Dentista Cidadão em parceria com a igreja. Todo o empenho dos coordenadores não foi ignorado pelos missionários, que foram alvo dos cuidados do casal. Pastor Nel-

Missionários recebem tratamento dentário gratuito

Momentos de lazer no 17º Crescer

Pr. Silvado em aconselhamento aos missionários

son Cardoso Aparecido, missionário em Itatiba, SP, relatou que Deus lhe concedeu a experiência de ver o casal (Natal e Carmem) usado por Ele e com tanta dedicação à obra do Senhor. Além do acolhimento por parte das famílias que receberam os missionários em suas casas, como a do irmão Sóstenes, que o recebeu. “Famílias praticando o amor de Deus no seu dia a dia. Uma igreja abençoadora e missionária; um pastor com seu coração em missões e fiel ao Senhor da Seara como o pastor Roberto Silvado”. Pastor Nelson deixou Curitiba levando todos em seu coração e garantindo que estarão sempre em suas orações. Para outros missionários, como o casal Ubirajara e Bárbara Alves, de Porto Alegre, RS, além do necessário renovo, os momentos vividos ali foram de singular importância, quando Deus ampliou a visão de ministério e que produzirá frutos para o seu reino. “Esperamos ser tão relevantes, visionários e um dia tão abrangentes quanto o ministério que carinhosamente nos acolheu nestes dias.” Aos que por vezes se sentem sozinhos no campo, crendo que as pessoas se esqueceram do Ide de Jesus e de todos que lutam por ele, os momentos na IBB foram o próprio Deus falando com eles e dizendo: “Eu me

importo com você, sinta o meu carinho e amor através destes irmãos e veja o fabuloso exército que está na retaguarda”.

A dedicação da igreja e o cuidado recebido por parte dos missionários certamente marcou a vida de todos e influenciará positivamente seus ministérios. Serve-nos também como exemplo de que há muitas formas de envolver-se com a obra missionária e que uma não exclui a outra. Diante de tudo o que já vêm fazendo, no culto de encerramento, após uma reflexão sobre a visão missionária da igreja de Antioquia ministrada pelo pastor Marcos Calixto, pastor Roberto Silvado desafiou a igreja a se envolver com missões de maneira mais prática e vários irmãos da IBB adotaram os missionários da JMN em oração e financeiramente por meio do PAM Brasil. Os missionários, por sua vez, entregaram lembranças para todas as famílias acolhedoras que os hospedaram durante todo o evento, como uma pequena demonstração de sua gratidão extensiva à igreja como um todo.

Igreja de Jesus Ânimo redobrado e alegria em conhecer mais uma parte do corpo de Cristo é a marca do Crescer Missionário. A visão de trabalho de uma igreja tão bíblica e o amor demonstrado por ela nos ajuda a reafirmar a igreja que precisamos plantar. A atenção especial que dedicam ao discipulado nos ajuda a perceber na prática a importância dessa ordenança. Com a visão de trabalhar em função do próximo, sendo ele cristão ou não, a ONG ABC nos trouxe orientações importantíssimas a serem usadas no campo de trabalho. Realmente crescemos em todas as áreas durante esses dias. Dentre tantas coisas que nos animaram e nos incentivaram destacamos o tratamento dentário que recebemos. Com um empenho sobrenatural a doutora Rosilene, membro da Igreja Batista do Bacacheri, nos presenteou com seus dons e fez isso realmente usando

Romanos 5.5, onde encontramos que o amor de Deus é derramado em nossos corações e esse amor mesmo é que ela demonstrou por nós. Citamos a doutora Rosilene, mas não podemos deixar de citar também os irmãos Natal e Carmem, que se empenharam na organização desse evento e todos os irmãos da Igreja Batista do Bacacheri porque esse mesmo amor nos foi dado em todo o tempo por todos que nos encontravam e foi maravilhoso estar nessa atmosfera. Assim nos animamos e nos fortalecemos, sempre tendo em mente que esse comportamento é que vai atrair almas para nossas frentes missionárias, um amor real e que é palpável. Que Deus abençoe sempre a Igreja Batista do Bacacheri e lhe dê a alegria de servi-lo até que Jesus volte. Pr. Gilnei e Deise Gil da Silva Missionários em São Leopoldo, RS


4

Jornal de Missões Julho/Agosto• 2010

Força voluntária promove reforma no Lar Batista em Barreiras

Brasil

Coordenadores do Nordeste participam de treinamento de igrejas multiplicadoras

D

ando prosseguimento ao treinamento de missionários segundo a visão de igrejas multiplicadoras, a Junta de Missões Nacionais realizou, no dia 21 de junho, um curso de capacitação para coordenadores do Nordeste, explorando a metodologia do manual Semeando Igrejas Multiplicadoras. O encontro aconteceu nas dependências do Seminário de Educação Cristã (SEC), em Recife (PE). Participaram do encontro os coordenadores regionais de Missões Nacionais, pastores Manoel Moreira (RN), Mauricio Manoel (PE), Franscisco Washington (CE), Raimundo Rodrigues (MA), Almir

e sua esposa, Ormir Gonçalves (AL), Christian Heil (SE), Rick Tompson (PB) Marcos Azevedo (BA). Também estiveram presentes, como convidados, os pastores Eber Mesquita, da Primeira Igreja Batista de Catu (BA), e Petrônio Borges, da Igreja Batista Sião de Camaçari (BA). Coordenaram o evento os pastores Samuel Moutta, gerente de Expansão Missionária da JMN, e Cirino Refosco, gerente regional do Nordeste. A programação foi marcada por uma discussão acerca dos princípios e estratégias apresentadas por Charles Brock em seu livro “Plantando Igrejas Contextualizadas”, além de

abordagens sobre a relevância de igrejas no contexto nordestino. A capacitação obedece ao Plano de Desenvolvimento Missionário e, portanto, refletirá também no ministério dos obreiros da região. A ideia é que o coordenador possa ensinar a metodologia ao grupo de missionários que está sob sua supervisão, acompanhado ainda a gestão de projetos e realizando pastoreio da família missionária. Os coordenadores também representam Missões Nacionais em ações de aproximação com as igrejas batistas do estado, mobilizandoas e capacitando-as para uma vivência missionária relevante.

Solidariedade

O treinamento para coordenadores aconteceu em um período dif ícil para Pernambuco e Alagoas, dois estados fortemente atingidos pelas chuvas que provocaram alagamentos e deixaram milhares de desabrigados. Mostrando solidariedade aos que sofreram com as enchentes, os coordenadores promoveram um momento de intercessão pelas vidas que perderam entes queridos, casas, objetos pessoais, e levantaram uma oferta para a compra de donativos, que foram distribuídos por missionários que atuam próxima às localidades mais atingidas.

De cara nova

Obras de revitalização chegam ao Lar Batista David Gomes

F

azer com que cada instituição social de Missões Nacionais transforme-se em um centro de excelência, onde vidas possam ser restauradas em todos os aspectos, é um grande desafio para a Junta de Missões Nacionais. Em virtude disso, o Lar Batista David Gomes (LBDG), em Barreiras, BA, vem recebendo uma série de modificações em sua infraestrutura, tendo salas, espaço administrativo, área externa, entre outras, totalmente revitalizadas. A instituição, que há algum tempo precisava ser reformada, desde 2009 tem recebido grandes investimentos e boa parte dessas ações deve-se à mobilização de voluntários. Desde novembro do ano passado, igrejas, profissionais e alunos de faculdades parceiras do Lar se uniram para a realização de mutirões de revitalização do LBDG. Arregaçando as mangas, primeiramente prepararam o ambiente para

Casas revitalizadas

a mudança, promoverem uma grande limpeza nas dependências, retirando entulhos e todo o material a ser descartado. Atualmente, a reforma já está em uma fase avançada, alcançando diversos pontos anteriormente críticos. “Casas sendo reformadas, ruas sendo preparadas para evitar a lama, entulhos e matos sendo retirados, terraplanagem para escoamento de águas pluviais, plantio de árvores e palmeiras na entrada do lar, confecção de novas placas, iluminação de todo o lar com postes de concreto e cabos de alumínio, começamos a fabricar o nosso próprio meio-fio, placas de concreto para passeio, paisagismo na entrada e nas casas, flores e mudas de hortaliças sendo produzidas, a horta em andamento, a granja já produzindo nossos frangos, escritório reformado e muito mais já foi feito! Duas casas já foram reformadas e partimos para a terceira”, afirma Cleyton Machado, que juntamente com sua esposa

Construção de espaço multiuso

tem permanecido no lar para coordenar as obras. Além da reforma, Cleyton aponta que o planejamento prevê a construção de um Complexo Integrado de Atividades Multifuncionais – espaço que servirá para a realização de atividades educacionais, atendimentos nas áreas de saúde e empreendedorismo. A revitalização do Lar permitiu o retorno de atividades que estavam paralisadas devido à falta de estrutura. A marcenaria, por exemplo, após a reforma e o conserto de maquinaria, tem servido para treinamento, profissionalização de internos e jovens da comunidade, gerando recursos e autossustentabilidade. Na marcenaria, os adolescentes do lar são monitorados por profissionais voluntários da região que, por solidariedade, fazem sua parte em prol de uma sociedade mais igualitária e humana. Projetos como esse já renderam ao LBDG reconheci-

mento da sociedade barreirense. A Revista CIT (Comércio, Indústria e Turismo), em virtude da quarta edição do Prêmio Cidade, homenageou a Instituição por seus serviços prestados ao município e a todo o oeste baiano. Segundo o organizador da premiação, o publicitário José Bacellar, ao percorrer a cidade e sublinhar os destaques do início de ano, algumas pessoas – sem vínculos eclesiásticos – citaram como referência os novos projetos do LBDG, que têm ajudado no crescimento de Barreiras. Os projetos do Lar continuam, pois ainda há bastante coisa a ser feita. Você, que deseja dedicar um período de sua vida ao crescimento do Reino, entre em contato pelo telefone (21) 2107-1818 ou e-mail falecom@missoesnacionais.org.br e seja um voluntário de Missões Nacionais para construção de um Brasil verdadeiramente feliz!

Nova fachada do LBDG


Selio Morais

Jornal de Missões Julho/Agosto • 2010

Com a grande procura de marginalizados, Cristolândia necessita de mais apoio

5

Brasil

Cracolândia ou Cristolândia? Tadeu é médico e tinha um futuro promissor, mas também um grande vazio dentro de si. Foi quando os amigos lhe apresentaram o crack e nunca mais conseguiu se libertar. O futuro promissor foi ficando cada dia mais distante. Ele mesmo admite: “fumei os móveis, o carro, a casa...”. A família decidiu deixá-lo, assim como os amigos. Perdeu também 20 kg, vive nas ruas da cracolândia paulista à espera de alguém que possa mostrar-lhe um motivo forte o bastante para libertá-lo do vício.

C

Zoraide sofreu abusos em sua casa na infância e por isso a deixou aos 11 anos. Nas ruas se vendia em troca de comida, foi internada em instituições para menores e lá também sofreu abusos. De volta às ruas conheceu as drogas, tornou-se traficante e depois usuária. Tinha 43 anos quando foi resgatada das ruas da cracolândia paulista e está em tratamento, iniciando uma difícil caminhada para a qual necessita de ajuda, mas afirma ter encontrado o amor verdadeiro, acolhimento e forças nos dias de crise, o que não encontrou em outros lugares.

Missão Batista Cristolândia

om o objetivo de ministrar compaixão e graça aos que estão caídos à beira do caminho, sendo destruídos pelas drogas, a Missão Batista Cristolândia funciona com força total no resgate destas vidas na cracolândia em São Paulo, oferecendo-lhes a oportunidade de reconstruir suas vidas. Instalado nas ruas da cracolândia, o projeto atende diariamente uma média de 60 pessoas no café da manhã, quando também têm oportunidade de tomar banho, receber roupas limpas e participar de estudos bíblicos. Novos projetos como alfabetização para adultos, oficinas de música, atendimento psicológico, culinária, aula de balé para crianças, de informática e outras oficinas estão sendo implantados para auxiliar no resgates dos dependentes químicos. Além disso, diariamente são realizados três cultos: pela manhã, à tarde e à noite.

O dia-a-dia na Cristolândia Shirley Inojoza é uma das radicais que está trabalhando na MB Cristolândia e relata uma de suas exeperiência neste campo. Não tenho palavras pra expressar o que Deus tem feito na minha vida e na vida daqueles que estão junto comigo nessa missão. A cada dia Deus tem me dado a oportunidade de vê-lo transformando vidas e de presenciar seu amor por aqueles que necessitam.

Radicais intercedem por marginalizados da cracolândia

Assim têm sido os meus dias, um diferente do outro em todos os sentidos. Há mais de um mês venho acompanhando uma mulher chamada Cláudia, que tenta sair das drogas. Levei-a ao albergue mas ela sempre dizia que não conseguia sozinha, mas não podíamos interná-la pois havia perdido todos os documentos, inclusive a certidão de nascimento, necessária para tirar segunda via da identidade. Por vários dias ela chegava chorando, mas nada podíamos fazer. Para minha tristeza em um sábado a encontramos fumando crack em frente à Cristolândia. Quando me avisaram chamei um rapaz e fomos

tirá-la de lá, entramos no meio deles procurando a Cláudia, até que a encontramos e quando ela me viu escondeu o rosto. Conversei com ela, disse que estava ali pra levá-la pra Cristolândia, mas a resposta dela foi: – Ah, Shirley, tô drogada! Deixa eu aqui! E eu insisti: – Vamos, Cláudia, eu vim aqui pra te buscar – , mas ela não foi comigo. Saí dali muito triste ao vê-la naquele estado, mas não desisti, continuei orando por ela. Três dias depois, ao fim do culto, quando olho pra porta vejo a Cláudia, toda suja, olhando pra mim. Corri ao encontro dela e dei aquele abraço e ela disse: – Me perdoa? Eu continuei abraçando

aquela mulher e disse: – Cláudia, estamos aqui pra te ajudar, você quer? Ela disse: – Quero. Servi o café pra ela, depois ela tomou banho e me disse que estava com muita fome pois desde a sexta-feira não comia nem dormia. Ainda tentamos tirar o documento dela novamente, mas foi tentativa frustrada! Ela almoçou conosco e foi dormir. Para glória de Deus surgiu uma vaga no Desafio Jovem, que fica no interior do estado, e no fim do dia nós a internamos. No início ficou um pouco agitada, mas quando entrou no carro conversamos e ela se acalmou e chorava de felicidade. Irmãos, nossos dias têm sido longos e muito cansativos. Mas, apesar de tudo, quando pensamos no que estamos fazendo, descobrimos que nada fazemos. Ainda é muito pouco tudo o que fazemos. Precisamos que os amados orem: • Pela Cláudia, que Deus dê forças para chegar ao fim do tratamento; • Pela nossa saúde f ísica e emocional; • Pelos nossos líderes: Pr. Humberto e Soraya; • Pelas nossas famílias: a saudade aumenta a cada dia. A oportunidade de transformar vidas está em suas mãos! Se depender de você, quantas outras vidas terão a oportunidade de transformação e de restauração de seus sonhos? Se você deseja apoiar este projeto, preencha o cupom da página 24 e envie-nos.


6

Jornal de Missões Julho/Agosto• 2010

Inauguração do novo F. F. Soren marca história dos batistas

Brasil E

Unidos por amor às crianças

m janeiro de 2008, durante a noite missionária na 89ª Assembleia da Convenção Batista Brasileira, em Brasília, muitos irmãos e as crianças e adolescentes dos lares Batista F. F. Soren e David Gomes vestiam camisetas alusivas aos Lares e nas costas havia a frase acima, título desta matéria. Graças a Deus este sentimento não ficou estampado apenas em camisetas, mas foi impresso no coração e moveu os batistas de todo o Brasil, que se uniram e ofertaram recursos financeiros, dedicaram tempo à oração em favor daquilo que era sonho no coração de todos, doaram o projeto arquitetônico, tempo de serviço voluntário e artigos para equipar o novo Lar. Pela bênção de Deus e doação do povo batista, no dia 26 de junho de 2010, foi inaugurada a primeira fase da obra do novo Lar Batista F. F. Soren. Nesta ocasião, um culto de gratidão a Deus foi celebrado no fim da tarde na nova sede do F. F. Soren com a participação de aproximadamente 700 pessoas, entre autoridades estaduais e municipais e irmãos das igrejas de diferentes estados. A Convenção Batista Brasileira foi representada por seu presidente, pastor Josué Salgado, e o executivo, pastor Sócrates Oliveira, enquanto, assim como a Convenção Batista do Tocantins, que teve seu atual presidente, pastor José Batista (que já dirigiu o Lar Batista F. F. Soren), e o executivo, pastor Josué Moura Santana. Também presente esteve o ex-presidente que acompanhou o início das obras do Lar, pastor Alcides de Oliveira Souza, que participou, inclusive, de mutirões na construção. Nesta primeira fase foram construídas quatro casas-lares; casa dos diretores; duas quitinetes (para abrigar as missionárias da área técnica); refeitório; cozinha central; despensa; lavanderia; bloco administrativo com 150m² (composto por recepção, secretaria, salas multiuso, consultórios de saúde e odontológico); bloco de salas com 200 m² para oficinas leves (inclusão digital, artes, música, biblioteca); brinquedoteca; sanitários; guaritas e obras de urbanização. As quatro casas são amplas e confortáveis, cada uma com capacidade para receber 12 moradores, além da missionária cuidadora, com sala, copa-cozinha, área de serviço, três quartos, dois banheiros (cada um com dois boxes, duas pias e dois sanitários), sala de estudos e suíte para a missionária. Ao todo foram 2.000 m² de área construída (R$ 737.200,86), além de 1.000 metros lineares de muro, com 2,30m de altura (R$ 94.709,20), representando um investimento total de R$ 831.910,06, incluindo todos os pavi-

Batistas marcam presença no dia da inauguração

Coral F. F. Soren

IMB de Brasília inaugura a Casa Soldados de Cristo

lhões (piso, vidros, telhas, pintura, box, azulejos, banheiros, blindex, rede elétrica e rede hidráulica). Considerando a aquisição do terreno no valor de R$ 100.000,00 e R$ 50.130,64 investidos na

compra de mobiliário e utensílios para o Lar, chegamos ao custo total desta primeira fase de R$ 982.040,70, conforme dados do sistema financeiro da JMN apurados em 31 de maio de 2010.

Em sua fala na inauguração, pastor Fernando Brandão, diretor executivo de Missões Nacionais, informou o valor que havia sido gasto e lembrou que quando foi aprovada a transferência do Lar de Itacajá para as proximidades de Palmas, não havia um centavo para investir neste projeto, mas que a participação de todos e a bênção de Deus operou este milagre. Cláudio Márcio Rodrigues, missionário voluntário da JMN que coordenou toda a primeira fase das obras, testemunhou da fidelidade de Deus, afirmando que em todo o processo nunca faltou dinheiro para a obra. Citou também, com lágrimas nos olhos e voz embargada, o testemunho de uma das pessoas que acreditou neste sonho e contribuiu para torná-lo realidade. O pequeno Lucas Cavalcante Cardoso, de nove anos de idade, da IB Emanuel em Recife, PE. Ao ouvir pastor Fernando Brandão falando em sua igreja sobre o novo Lar, o esperou na saída e disse que podia construir o Lar, pois ele ia ajudar. Ele havia acertado com o pai que este lhe daria um valor proporcional às notas que tirasse na escola. Conseguiu arrecadar R$ 100,30, mas “como meu pai gostou das notas e ama também missões, dobrou o dinheiro”. Assim Lucas testemunhou por carta ao executivo que enviaria R$ 200,60 e perguntava como poderia entregar: “o senhor vem visitar minha casa ou eu mando pela igreja?” Após o testemunho, pastor Fernando concluiu: “Os batistas brasileiros são exatamente isso: um povo apaixonado por missões, um povo generoso. Um povo simples. E a obra de Deus se faz com milagre e oração, se faz pela fé”, enfatizando que mais que dinheiro, precisa-se de vidas no altar do Senhor para serem usadas poderosamente e milagres como este acontecerem. “E muitos outros vão acontecer”. Há muitos anos os batistas brasileiros não celebravam uma obra tão vultosa e a realização dela tem sido considerada um marco na história. Pastor Josué Santana foi taxativo: “Aqui temos mais que um novo Lar, mas um marco na história dos batistas brasileiros. Com este novo Lar estamos dizendo a nós mesmos e às denominações do Brasil que nós podemos transformar nossa nação”. Acrescentando que se todo o povo de Deus tiver esta visão, não teremos mais crianças nas ruas, abandonadas, nem em casas de passagens ou presídios, pois poderemos transformar o Brasil.


Jornal de Missões Julho/Agosto • 2010

Voluntários fazem toda a diferença na construção do novo Lar

Brasil Júnior Maciel

Voluntários – um caso à parte Outro destaque nesta construção foi o envolvimento de tantas pessoas e o trabalho voluntário realizado em todo o processo. O casal Cláudio Márcio e Rose Rodrigues fechou as portas de sua casa no Rio de Janeiro e mudou-se para Palmas para coordenar as obras, morando naquele estado por pouco mais de um ano, sem nenhum ônus pra Missões Nacionais, trabalhando de segunda a sábado. Aos domingos, descansavam apoiando o trabalho de plantação de igreja em Lajeado, liderado pela missionária Margarida Lemos Gonçalves. Na inauguração o casal foi homenageado por Missões Nacionais, reconhecendo todo o empenho, seriedade e amor pela obra missionária. Pastor Josué, executivo da convenção estadual, afirmou também que o casal deixava uma lacuna no Tocantins. “A vida e o modo de trabalhar dos irmãos foi sempre uma inspiração para todos nós”. Para acelerar as obras e reduzir custos, nove mutirões foram realizados por irmãos das igrejas do Tocantins como, por exemplo, IB Hebrom, IB Betel; IB Memorial de Palmas, IB Bíblica de Palmas e 1ª IB de Taquaralto; 1ª IB de Palmas, 3ª IB de Palmas; 1ª IB Taquaruçu, Ebenezer; 2ª IB de Palmas; 1ª IB de Porto Nacional; 1ª IB de Tocantínia; 2ª IB de Porto Nacional. Além destes também houve mutirão com a participação dos seminaristas do estado, liderados pela Convenção Batista do Tocantins, dos executivos de Missões Nacionais e até mesmo de uma igreja de São Paulo. Uma caravana da 1ª IB do Itaim Paulista levou 40 voluntários especializados na construção de templos no Brasil e no exterior, que passou 20 dias ajudando na construção do Lar. Até mesmo irmãos de outras denominações participaram dos mutirões realizados, que foram de grande relevância para a conclusão das obras e a economia obtida. A todos que participaram dos mutirões nossa gratidão. Até mesmo nas últimas horas que antecederam o culto de inauguração do Lar, a ação dos voluntários foi de grande valia. Incansáveis, Édina Maria da Silva Ramos (1ª IB em Benfica(RJ) – pastor Aloízio Vieira Cardoso) e Marialva Pereira Oliveira (1ª IB Vila Primavera (SP) – pastor Ênio Francisco da Silva) se dedicavam ao

7

Voluntários Claudio e Rose são homenageados

deixaram para ir à inauguração. Ao chegar, envolveram-se com os preparativos da inauguração, ajudando na costura, na limpeza das casas e no que mais fossem úteis. Ao fim do culto, Michele afirmou: “Antes não tinha ideia do tamanho do espaço, das construções. Ficamos muito felizes, pois tem bastante gente ajudando. O trabalho voluntário, o exemplo dos irmãos Márcio e Rose é impactante”. Para Sílvia, que havia chegado naquela semana de um projeto missionário na África do Sul, “o projeto é maravilhoso, foi além da nossa expectativa”. Quando questionada sobre qual a mensagem que levava para a igreja, respondeu: “temos que fazer mais, pois o que fazemos ainda é pouco”.

E o sonho aconteceu

Voluntárias preparam os últimos detalhes

trabalho de costura, providenciando cortinas, forros para os assentos dos sofás das casas, blusas para a apresentação da coreografia das meninas e o que mais fosse necessário. Édina foi ovelha do diretor do Lar em 1996 e sempre tem apoiado o trabalho do Lar. Marinalva já atuava na igreja com cursos de corte e costura e outros e, quando a missionária Renata Keli esteve em sua igreja divulgando a construção do novo Lar, apaixonou-se pelo projeto. Resolveu então doar um mês de serviço ao Lar, chegando no dia 9 de junho (ainda no antigo Lar) para ajudar no que fosse possível. “É uma experiência fantástica que estou vivendo e não vou parar mais... Nos próximos meses irei para Barreiras e quero servir como missionária voluntária, percorrendo os projetos em que for neces-

sária”, compartilhou alegremente. Neuma Campelo, promotora de missões da 1ª IB de Nova Iguaçu (RJ) – pastor Edgar Barreto Antunes, também esteve presente, representando a igreja e compôs a equipe de voluntários que ajudaram nos últimos preparativos. Sílvia Azevedo e Michele Tedesco, membros da Igreja Batista Getsemani (SP), pastor Laércio Azevedo, vieram de São Paulo para participar da inauguração. Elas contaram que durante a campanha de Missões Nacionais de 2009 a igreja envolveu-se com o Construtores do Futuro e cada criança do Lar foi adotada por membros da igreja para presenteá-las no Natal. Silvia e Michele (esta, promotora de missões da Igreja) desejavam ter ido a Itacajá em dezembro, levar os presentes, no entanto como não foi possível,

A missionária Aidete Brum, por um ano, percorreu estados brasileiros falando sobre os desafios da construção do Lar. Depois de participar da inauguração, compartilhou sua alegria com o texto a seguir. “Somos eternos sonhadores. E quem não sonha vive uma vida vazia, sem esperanças. Essa é minha palavra inicial ao realizar o sonho de conhecer o Lar Batista F. F. Soren. E maior a alegria de ter tido o privilégio de participar do culto de inauguração, aliás, uma maravilhosa festa de louvor e adoração do povo de Deus. A expectativa era muito grande de conhecer o que durante 1 ano falei às igrejas sem ter visto, tudo era imaginário. Nesse dia quando o portão se abriu, não consegui conter as lágrimas. Agora podia ver o que conhecia e cria pelos olhos da fé. Foi muito forte minha emoção, é indescritível. Depois de muito trabalho, todos pegando firme com o objetivo de que tudo estivesse pronto no momento certo, foi exatamente isso que aconteceu. O povo de Deus compareceu em massa, era muita alegria, emoção, louvor, adoração, palavras, fogos, brinquedos e brincadeiras, enfim a realização de um sonho aconteceu. As crianças, adolescentes, missionários, funcionários, lideranças da Convenção Batista Brasileira e do Tocantins, autoridades constituídas de Palmas e Porto Nacional também estavam emocionados com tudo que seus olhos estavam contemplando. A Deus toda a honra e toda a glória, porque esse sonho não era só meu, mas dos batistas brasileiros”.


8

Jornal de Missões Julho/Agosto• 2010

Surgem os primeiros frutos da Missão Batista em Libras

Brasil D

esde janeiro de 2009, os missionários surdos Flávio Alan e Patrícia dos Santos estão plantando uma igreja em Arapiraca, onde anunciam a mensagem de salvação aos surdos. No último domingo de junho, tiveram a alegria de ver batizados os primeiros sete frutos de seu trabalho: Felipe, filho do casal, de 9 anos, e seis surdos. A Missão Batista em Libras, como é chamado o trabalho, tem cerca de 30 congregados, dos quais 15 já se converteram e preparam-se para o batismo. Apesar dos bons resultados alcançados, os missionários têm encontrado muita resistência. Seitas religiosas muito presentes na cidade abordam os surdos, barganham sua atenção, oferecendo benefícios, e os orientam a afastarem-se dos batistas, pois são do diabo. Os surdos então ficam com medo até mesmo de falar com os missionários nas ruas. Certa seita tem até mesmo um DVD que explica a versão deles da Bíblia, passando assim conceitos divergentes da Palavra de Deus aos surdos. Mas, graças à misericórdia de Deus, e empenho dos

Igreja em Libras

Novos membros da Igreja Batista em Libras

missionários em anunciar a verdade, entre os batizados e congregados há pessoas que anteriormente seguiam esta seita e que hoje estão firmes com Jesus.

Os surdos de Arapiraca em geral não estão nas escolas, não trabalham, vivem isolados e suas famílias têm medo de deixá-los sair, pois os julgam incapazes de se defender e temem que façam mal a eles. Sabem Libras, mas não conhecem nada do português e a família não crê que tenham capacidade de aprender qualquer coisa. A comunicação com os familiares também é deficiente, pois estes não conhecem Libras e usam gestos para comunicar. Desta forma, o testemunho de vida dos missionários tem impressionado tanto os surdos quanto suas famílias. Patrícia formou-se pelo Instituto Nacional de Educação do Surdo e em Letras/Libras por meio do curso a distância da Universidade Federal de Santa Catarina, enquanto Flávio Alan cursa Teologia. “Agora compreendem que os surdos podem aprender muitas coisas”, compartilhou Flávio Alan e os familiares agora desejam aprender Libras para melhorar a comunicação com os surdos. Depois de visitar a casa de vários surdos, num local distante da Missão, para que sete deles, entre jovens e crianças, pudessem frequentar os cultos dominicais, o missionário obteve autorização de suas famílias para pegá-los em suas casas, levá-los aos cultos e trazê-los de volta. Assim, todos os domingos Flávio Alan deixa a esposa e o filho na igreja e vai buscá-los para o culto. “Me dá muita alegria, pois estou mais preocupado com almas que com o custo da gasolina”, afirma o missionário. Acostumados à realidade de não poderem fazer nada, era comum os surdos pedirem ajuda financeira, ao que Flávio Alan os orientou que deveriam orar pedindo a Deus que os ajudasse. Eles ficaram meio reticentes, no entanto, o missionário fez contato com fábricas locais e hoje 14 surdos trabalham em duas delas e estão mui-

to felizes, inclusive dois da seita que tanto anuncia que os batistas são do diabo. Com esta maior visibilidade dos surdos na vida da sociedade local, muitos ouvintes estão interessados em aprender a língua deles, para poder estabelecer uma comunicação mais efetiva com eles, principalmente os colegas de trabalho nas fábricas. Com a chegada de missionários surdos, a sociedade começou a se despertar para a realidade deles e compreender que há uma forma diferente de comunicação com este grupo, que é a língua brasileira de sinais. “No Rio de Janeiro há muitos cursos, lá não há nada. Antes eles viviam isolados em suas casas. Agora os ouvintes se dão conta de que surdos podem fazer algo”, compartilhou o missionário Flávio Alan. Entre as pessoas interessadas em aprender melhor Libras estão mulheres que vivem com surdos. Uma delas inclusive deseja casar para poder se batizar, mas o companheiro, que ainda não aceitou Jesus, mas já frenquenta a Missão, ainda está resistente à ideia do casamento. Esta irmã tem o desejo de preparar-se para poder ajudar na igreja como intérprete. Os missionários pedem ao povo batista que interceda para que Deus levante, urgentemente, intérpretes para auxiliar no trabalho junto à família dos surdos, podendo assim alcançá-los também com a mensagem de salvação.

A importância de materiais próprios Para ouvintes talvez possa parecer impossível que haja um ser humano em nosso Brasil que não conheça nada sobre Jesus, Adão ou Eva. Mas em Arapiraca, quando os missionários começam a falar sobre a criação, sobre Adão e Eva, os surdos perguntam: quem são esses? “Eles não conhecem nada sobre a Palavra de Deus, mas nós começamos a explicar que Jesus morreu na cruz por eles”. Os missionários têm utilizado o material para evangelização e discipulado de surdos, produzido por Missões Nacionais, para ensiná-los sobre as verdades bíblicas. Para eles, o uso de desenhos é fundamental, pois ajuda a ter melhor compreensão. Como não conhecem nada do português, desenhos acompanhados de pequenas palavras têm sido muito úteis para que comecem a aprender também esta nova língua. “Eles desejam aprender mais, querem mais livros”, afirma Patrícia. Dando continuidade à produção de material adequado aos surdos, Missões Nacionais trabalha atualmente na adaptação do estudo O que Jesus deseja que você faça, e a missionária Marília Moraes Manhães dá sequência também à tradução de livros da Bíblia para Libras em DVD.


Se você deseja saber informações sobre o Congresso de Vocacionados, acesse o link no site www.jmm.org.br

Jornal de Missões Julho/Agosto • 2010

9

Institucional


10

Na entrada do estádio, evangelização com a distribuição de água e folhetos com testemunhos de jogadores brasileiros

Jornal de Missões Julho/Agosto • 2010

Mundo Por Sergio Dias

N

a Copa do Mundo realizada na África do Sul, entre 11 de junho e 11 de julho, vencer era o objetivo principal daqueles que lá representavam suas pátrias. No entanto, para uma outra seleção, a escolhida nas igrejas brasileiras pelo Senhor, o objetivo maior não era conquistar uma goleada expressiva, mas superar o adversário de nossas almas e promover a salvação em Cristo. Essa jogada feita pelo grupo de 210 voluntários nos campos sul-africanos, durante o Projeto Conexão África, deixou resultados significativos para o Reino, como conversão de vidas, serviço e testemunhos de amor à sociedade daquele país e de todos que lá estavam para assistir aos jogos. Os voluntários do Projeto Conexão África 2010 chegaram ao país em grupos, conforme planejado pelo Pr. Marcos Grava, que coordena o PEM (Programa Esportivo Missionário) da JMM. A primeira equipe desembarcou em Joanesburgo, cidade mais importante da África do Sul, e que seria a sede do Projeto, cerca de 10 dias antes do início oficial do evento, a fim de preparar o terreno para o restante do grupo. Foram realizados contatos estratégicos com escolas, hospitais, igrejas e outras instituições para que, no decorrer dos dias das partidas, os voluntários pudessem desenvolver suas ações.

Primeiros dias na África do Sul

No dia 11 de junho, jogavam África do Sul e México, inaugurando no

Vitórias para Cristo

Voluntários celebram chegada à África do Sul para servirem no Projeto Conexão África 2010

continente africano a competição mais importante do futebol mundial. Em relação à obra missionária, a Copa do Mundo de 2010 também inaugurou um novo momento: pela primeira vez, o Brasil enviou para um campo missionário seu maior grupo de voluntários. Naquele dia, a equipe do Conexão África estava conquistando vitórias em uma das comunidades mais carentes de Joanesburgo, a favela de Zandspruit. Apesar do clima tenso, em função da violência que assola o país, e que causou transtornos para muitos turistas, os voluntários conseguiram alcançar algumas pessoas que acei-

Divididos em grupos de trabalho, levaram alegria a crianças e adolescentes

taram a Cristo como Senhor e Salvador. No dia 15 de junho a equipe visitou uma escola muçulmana e um hospital, antes de seguir para o Estádio Ellis Park, em Joanesburgo, palco da estreia da Se leção Brasileira. De acordo com Luciana Grava, a visita àquela instituição foi conseguida graças à presença dos brasileiros. “O pastor local tentava há muitos anos agendar uma visita e só foi possível realizála, para falarmos do amor de Deus a cerca de 150 crianças, pelo fato de sermos brasileiros”, conta. Além dessa visita, o grupo esteve também em um hospital. Caracterizados de palhaços, os voluntários levaram alegria e oraram pelos pacientes e enfermeiros. Na entrada do estádio, apesar do frio intenso, o Pr. Marcos Grava comandou a equipe no trabalho de evangelização, com a distribuição de água e folhetos com os testemunhos de vida de Kaká e Jorginho. “Deus nos usou tremendamente neste lugar; várias pessoas aceitaram a Jesus Cristo como Senhor e Salvador de suas vidas. Glória a Deus”, conta o missionário da JMM. Dois dias depois, o grupo retornou à comunidade de Zandspruit para realizar trabalhos nas áreas esportiva, médica e recreativa (através dos KidsGames). “Ao final de cada atividade esportiva pregávamos a Palavra. Fi-

quei maravilhado com a atenção das crianças e Deus atuou de forma intensa na vida daquelas pessoas”, conta o voluntário Michell Costa.

Estratégias eficazes

Já no final do Projeto, o grupo conseguiu visitar uma escola de Joanesburgo, cujo contato para liberação foi negociado durante um mês pelos líderes sul-africanos que apoiaram o Conexão África. “Após muita oração, tanto da parte da equipe como da rede de intercessão montada no Brasil, a visita foi autorizada e pudemos apresentar o plano de salvação de forma es-

Integração foi uma das marcas do Projeto


Crianças receberam as ‘missionecas’ (bonecas com as cores do plano de salvação: preto, amarelo, verde, vermelho e branco)

Jornal de Missões Julho/Agosto • 2010

11

Mundo

na Copa do Mundo

Trabalhando em hospital de Joanesburgo

Visita à escola na comunidade de Zandspruit

tratégica às crianças da escola com a entrega de centenas de ‘missionecas’ (bonecas com as cores do plano de salvação: preto, amarelo, verde, vermelho e branco). Saímos de lá em lágrimas e com o coração quebrantado por tudo que Deus fez”, diz Luciana Grava. Outra ação foi desenvolvida nas áreas reservadas pela FIFA (organizadora da Copa do Mundo), as chamadas Fan’s Zone. Ali, onde constantemente havia uma grande concentração de torcedores de diversas nações, atraídos pelos imensos telões que transmitiam os jogos ao vivo, os voluntários puderam evangelizar livremente e muitas vidas foram alcançadas. Antes de arrumarem as malas e deixarem a África, eles ainda atuaram na porta do estádio Soccer City, em Joanesburgo, distribuindo água,

assistir ao jogo entre Espanha e Honduras.

Consolidando resultados

Entrega de ‘missioneca’

folhetos e DVDs com testemunhos de atletas da Seleção Brasileira aos torcedores que chegavam para

Voluntário em ação evangelizando norte-coreanos...

A liderança do Conexão África 2010 e outros 20 voluntários permaneceram em Joanesburgo até o final da Copa do Mundo para completar o planejamento do Projeto e colher os frutos do trabalho. Eles visitaram novamente os locais por onde passaram para consolidar os resultados. Os voluntários, sensibilizados pelo frio e pela condição social dos sul-africanos, doaram roupas, casacos, cobertores e calçados àquelas instituições. “Não cansamos de agradecer a Deus e a cada um que orou por nós; vocês fizeram parte de tudo que conquistamos, para a glória dEle”, finaliza o Pr. Marcos Grava. O desejo do Pr. Marcos Grava é que os voluntários que dedicaram suas vidas ao trabalho de evangelização durante a Copa do Mundo, deixando muitas vezes o prazer de

... e sul-africanos nas proximidades dos estádios

assistir aos jogos, tenham sido bem recebidos em suas igrejas e utilizem tudo o que viram e aprenderam durante o Conexão África para aumentar o amor dos brasileiros por missões. O Projeto Conexão África foi uma parceria entre Missões Mundiais da CBB e a Coalizão Brasileira de Ministérios Esportivos (CBE). A estratégia de usar o esporte tem trazido bons frutos para a obra missionária brasileira, como nos Jogos Pan-Americanos realizados no Rio de Janeiro, em 2007, e nas Olimpíadas de Pequim, na China, em 2008, entre outros eventos. A expectativa dos organizadores é que a parceria dê mais resultados nas próximas competições: Jogos Mundiais Militares de 2011, no Rio de Janeiro; Olimpíadas de 2012, em Londres; Copa das Confederações da FIFA, em 2013e a Copa do Mundo de 2014, ambas no Brasil; e os Jogos Olímpicos de 2016, no Rio de Janeiro.


12

Nove famílias e um sheik dizem ter encontrado descanso no Senhor

Jornal de Missões Julho/Agosto • 2010

Mundo

Evento marca história de igreja na Itália

A

Igreja Batista de Treviso, na Itália, entrou para a história daquela cidade ao ser a primeira comunidade evangélica a conseguir autorização para falar do amor de Deus em um local público. A realização do evento Soffio di Luce (Sopro de Luz), que aconteceu no dia 23 de maio, na praça principal, só foi possível após 6 meses de oração, envio de documentos e reuniões com a prefeitura. Segundo o missionário organizador da programação, Pr. Caio Bottega, missionário de Missões Mundiais em Treviso, a autorização para realização de eventos religiosos em locais públicos na Itália é muito dif ícil. Mas como a igreja é reconhecida diante da lei italiana, a liberação foi dada pela prefeitura mediante o pagamento de todas as taxas estabelecidas. O esforço foi recompensado. As atividades começaram pelas crianças, que cantaram e dançaram para Jesus. Depois foi a vez de um cantor italiano evangélico se apresentar. Todos oravam e até a chuva resolveu dar lugar ao sol. Com a apresentação do grupo de louvor da Igreja Batista de Treviso, as pessoas presentes comprovaram a seriedade de uma igreja que procura manifestar a grandeza de Deus de modo organizado,

O

D

Coral faz apresentação ao ar livre em praça de Treviso

com qualidade e unidade. O último momento ficou sob a responsabilidade de Lídia Genta, muito conhecida no meio evangélico italiano. O Pr. Luís Roberto Silvado, da Igreja Batista do Bacacheri, em Curitiba/PR, realizou uma meditação sobre a salvação em Cristo Jesus. Ele foi traduzido pelo Pr. Fabiano Nicodemo, também missionário da JMM e pastor da Igreja Batista na cidade de Cesena, na Itália. O casal missionário Pr. Caio e Astride Bottega se emocionou ao ver o grande número de pessoas

de origem muçulmana presentes ao evento. A igreja distribuiu mais de mil marcadores de páginas, folhetos e bíblias. Ao final, foram vários os interessados em saber o endereço da igreja para comparecer ao próximo culto. “Queremos agradecer a todos que oraram pelo evento, especialmente pela Igreja Batista de Treviso, porque hoje ela não é a mesma, pois conheceu o poder de Deus sobre aqueles que se deixam ser guiados pela mão divina. Uma grande vitória está concretizada’’, disse o Pr. Bottega.

Conversões no Oriente Médio surpreendem autoridades muçulmanas

crescimento do cristianismo deixa em alerta as autoridades islâmicas no Oriente Médio. A imprensa, especificamente a principal emissora de TV árabe, noticia o temor dos muçulmanos na região depois que alguns estudiosos e líderes que se renderam ao Senhor Jesus. Vieram a público assuntos inéditos e polêmicos, esclarecendo pontos doutrinários e comportamentais, e que são motivos de dúvidas entre a maioria árabe. O fato foi observado por um dos missionários de Missões Mundiais no Oriente Médio após a declaração feita por um sheik, no Egito, que revelou a conversão ao cristianismo de mais de 10 mil jovens, o que levou muitos muçulmanos questionarem sua fé e os dogmas religiosos. O missionário conta que a bênção maior é que muitos desses preferem tirar suas dúvidas com os obreiros da terra e que, neste momento, Deus está revelando aos seus corações o caminho da Verdade que liberta. “Na região norte da Síria, não param

Uma janela para novas metas na Espanha

1ª IB de Bagdá, no Iraque

as perseguições e ameaças diretas aos obreiros da terra e aos convertidos, mas, pela graça de Deus, o crescimento é cada vez maior. Por lá, três famílias se converteram ao Evangelho de Cristo, depois de procurarem o obreiro para tirar dúvidas”, diz o missionário. As vitórias não param no Oriente Médio. Uma igreja subterrânea, liderada por obreiros da terra, prepara alguns ex-muçulmanos para o batismo, a ser realizado ainda neste semestre. Mas a liderança muçulmana já conhece algumas estratégias das agências missionárias e tem passado isso para as crianças. Nas escolas, eles ensinam que o Oci-

dente está “invadindo” o Oriente para evangelizá-los através de trabalhos sociais nas áreas de saúde, cultura e esportes, além de estudar a língua e a cultura árabes. Diante disso, o missionário pede para que os irmãos brasileiros orem para que Deus lhes dê visão de como levar a Luz do Senhor ao povo árabe. No Iraque, nove famílias e um sheik frequentam a 1ª IB de Bagdá. Eles dizem que agora encontraram o descanso no Senhor. “Podemos ver nos olhos desses irmãos em Cristo a sede e a fome da verdade”, conta o missionário. Os obreiros da terra escolhidos pelo Senhor para realizarem esta obra muitas vezes chegam a chorar diante do Pai, frente às ameaças que sofrem por causa do Evangelho. Mas eles acreditam, que com o apoio das orações dos crentes brasileiros, o Senhor os guardará, bem como também protegerá os novos convertidos e enviará mais obreiros àquela região que precisa do amor, da graça e da misericórdia do Pai.

a janela de sua casa, o casal missionário em La Línea, na Espanha, Pr. Marcos Vinícius e Sylvia de Araújo, se depara com os alvos que o Senhor colocou em seus corações: La Línea, o Campo de Gibraltar, o Mar Mediterrâneo e a África do outro lado, com Ceuta à esquerda e Marrocos à direita. “Nos sentimos motivados a não somente orar, mas também agir para alcançar esta região para Cristo”, diz o pastor. Este é o objetivo do CEM – Centro de Expansão Missionária, projeto desenvolvido para aquela região pelo casal de obreiros da JMM. A preocupação atual é maior para com o Marrocos, de onde foram expulsos, recentemente, missionários de vários países que lá atuavam. No trabalho de evangelização na Espanha, só este ano os missionários realizaram evangelismos semanais nas ruas de La Línea e também de Los Barrios; iniciaram a quinta turma da Escola de Pais; e continuam desafiando a igreja a investir em missões. Um dos resultados do trabalho é o crescimento da igreja . Os missionários apoiam a Igreja Batista da Fé, de irmãos filipinos, e que completou 2 anos de organizada . Uma nova porta foi aberta à obra, desta vez em Algeciras , onde um irmão ofereceu aos missionários um espaço para atividades e vangelísticas . No local, eles pensam em realizar u m a o u t r a E s co l a d e P a i s e formar um grupo de estudos bíblicos para alcançar os estrangeiros, a maioria muçulmanos, que lá chegam através do porto de acesso ao Norte da África. O pastor conta que certa vez leu uma meditação sobre um aspecto importante da oração, que é estar disposto a ser parte da resposta. É exatamente este o desafio que ele e sua esposa sentem do Senhor: estar onde mais colocarem o coração em oração. Eles esperam que, com o apoio das orações dos irmãos em C r i s t o , D e u s co n f i r m e a melhor estratégia para a execução de mais esta missão.


O trabalho dos Voluntários Sem Fronteiras – Radical África, no Mali, tem chamado a atenção de alguns religiosos locais.

D

Jornal de Missões Julho/Agosto • 2010

13

Mundo

Apoio à missão na Colômbia

iante da carência por uma igreja comprometida com missões, a missionária Carmem Lígia, juntamente com sua saudosa companheira de campo Ana Lóide, aceitou o desafio de abrir uma nova obra na comunidade Nove, uma das 16 da cidade de Medellín, na Colômbia. Foi o bairro de La Milagrosa, onde impera a idolatria, que Deus escolheu para plantar uma igreja forte e ativa. As missionárias trabalhavam há um ano no bairro apenas com o casal de obreiros da terra, Nélson e Patrícia Isaza, utilizando o templo que estava fechado. Mas em abril deste ano elas passaram a contar com mais cinco aliados na seara. São os jovens do projeto Radical Latino-Americano André Duarte Kerne (Uruguai), Abigail Garcia Cruz (Bolívia), Karla Ângela Sucasaca e Mery Loida Huamanchumo (Peru) e Rebeca Carlly Alves e Silva (Brasil), que decidiram dedicar nove meses de suas vidas para evangelização da América Latina. Os Radicais Latinos se envolveram nos ministérios daquela missão, apoiando nas classes da Escola Bíblica Dominical, na direção dos cultos e no louvor. Eles também aceitaram o desafio de iniciar uma

EBD para jovens, cuja primeira e única aluna se decidiu por Jesus. A missionária Carmen Lígia crê que o trabalho com os jovens ainda dará muitos frutos em razão da dedicação dos Radicais, que também investiram em reuniões evangelísticas com esse grupo, aos sábados. Os jovens missionários também levaram mais alegria às crianças dos colégios públicos da cidade e de duas fundações parceiras do Projeto Calçada Colômbia. Centenas de alunos, que ainda não conheciam o Senhor Jesus como Salvador, foram impactados por estes jovens através da realização dos KidsGames. “Ver as crianças sorrindo a cada jogo, escutando com tanta atenção o significado de cada cor do livro Sem Palavras, nos traz muita alegria”, diz Carmen Lígia. A terceira idade também foi alcançada através de aulas de ginástica, realizadas aos sábados. Os Radicais promoveram, ainda, impactos evangelísticos com as crianças, apoiaram a célula de evangelização, realizaram cultos nos lares e fizeram visitas constantes para proclamar o nome de Jesus. Uma outra eficaz estratégia foram as aulas de português. Várias pessoas foram atraídas ao estudo do idioma e,

Radicais ajudam na revitalização de igreja na Colômbia

a cada aula, aprenderam um versículo e uma aplicação bíblica para suas vidas. Dedicação e amor ao Senhor da obra não faltaram a estes jovens que foram tocados e desafiados pelo Espírito Santo a comprometerem suas vidas com a obra missionária. E parece que os resultados os motivam a servir cada vez mais ao Senhor, como o momento em que quatro moradores de rua reconheceram Jesus como seu Salvador. O fato ocorreu durante a ocasião em que os Radicais Latinos acompanhavam as missionárias em

mais um dia do projeto que elas realizam com estas pessoas, compartilhando o amor de Deus e dando alimento e atenção àquelas vidas tão carentes. Carmen Lígia ora para que Deus possa prover todos os recursos necessários à manutenção destes trabalhos e levante mais pessoas decididas a comprometer suas vidas com a Sua obra, assim como Ana Lóide, que seguiu para os braços do Pai no dia 13 de julho, a fim de que a Colômbia saiba que Ele é o seu Deus.

Dificuldades superadas no Mali Sétima turma já está em adaptação

O

trabalho dos Voluntários Sem Fronteiras – Radical África, no Mali, tem chamado a atenção de alguns religiosos locais. Ainda que não seja objetivo dos missionários incomodá-los com a obra de Deus, feita através do amor, até que entendam que a verdade está em Jesus Cristo, as atividades estratégicas desenvolvidas junto à comunidade disseminam a mensagem. E alguns deles começam a se aproximar, interessados em tirar dúvidas que os afastam da Verdade. Uma das estratégias mais promissoras é o Programa de Educação PréEscolar (PEPE). Na unidade recémimplantada, as crianças têm acesso aos princípios bíblicos de maneira estratégica. A resposta dos alunos está à altura do trabalho desenvolvido. Algumas já oram sozinhas e até lem-

Alunos do PEPE no Mali

bram das histórias bíblicas contadas pelos Radicais. E o principal: o que aprendem no PEPE as crianças levam para suas famílias. “O pai de um dos nossos alunos procurou o pastor e disse que queria aceitar a Jesus como seu Senhor e Salvador. Vibramos com isso! Um outro pai nos procurou e pediu para o Almir Felipe explicá-lo algumas coisas que ele leu na Bíblia, mas que não conseguia entender”, conta a Radical Fabíola Dutra. Em todos os lugares que visitam, os missionários sempre levam, em áudio, a Bíblia em Bambará, o dialeto local. Enquanto ela é reproduzida, as pessoas ouvem a Palavra e aproveitam para tirar dúvidas sobre o amor de Deus, que é ignorado em sua religião. Um dos acontecimentos mais recentes no vilarejo foi a exibição do filme Jesus em Bambará. O povo local assistia com entusiasmo ao filme, especialmente quando Jesus aparecia. “Eles escutavam e assistiam atentamente a cada cena e vibravam quando Jesus aparecia e fazia milagres. Mas o milagre maior que nós queremos ver é Cristo no coração dessas pessoas. E esse milagre já tem acontecido”, alegra-se Fabíola.

Novos Radicais em imersão cultural no Senegal

D

esde maio no Senegal, oeste africano, a sétima turma do Projeto Voluntários Sem Fronteiras – Radical África, formada por Ayrthon Breder, Cristina Silveira, Keli Souza, Paula Barcelos, Thiago Batista, Valdirene Gonçalves, Vinícios Salum e Weider Pereira está sendo coordenada pela missionária Andréa dos Santos. Estes oito jovens permanecerão no Senegal até novembro. O período de seis meses serve para que eles se adaptem à cultura africana e aprendam o francês, língua oficial daquela parte do continente. Durante as aulas de francês, em uma universidade, os Radicais apro-

veitam para fazer contato com os demais estudantes, a maioria de outros países. Assim eles fazem amizades para, em um momento oportuno, testemunhar-lhes do amor do Senhor Jesus. Mas os Radicais também já trabalham na seara. Em Guedywaye, subúrbio de Dacar, eles tiveram a oportunidade de ajudar em uma reforma nas instalações da escola para surdos, onde o trabalho é desenvolvido pelo casal missionário Walter e Alzira Freire. A equipe é grata a Deus por levantar sustentadores para esta obra, e pede a Ele que a vida dos irmãos no Brasil sirva para fazer a diferença.


14

Novos missionários receberam os certificados de conclusão de curso de seus professores

Jornal de Missões Julho/Agosto • 2010

Mundo

Missionária Ana Loide cumpriu a missão

A

família missionária batista do Brasil perdeu uma integrante. No dia 13 de julho foi convocada aos braços do Senhor a missionária Ana Loide Soares Leão, de 55 anos, que servia há 5 anos em Medellín, na Colômbia. Ela faleceu vitimada por complicações decorrentes de uma infecção hospitalar, contraída após cirurgia para retirada de um nódulo maligno no seio no início de junho. Conforme seu desejo, Ana Loide foi sepultada no campo missionário, onde entregou sua vida pela causa de missões. Assim que a notícia chegou ao Brasil, através da missionária Carmen Lígia Ferreira de Andrade, colega de ministério de Ana Loide há cerca de 10 anos, Missões Mundiais enviou para Medellín o Pr. Mayrinkellison Wanderley, coordenador dos missionários na África, para representar a agência missionária e os batistas do Brasil naquele momento. Ana Loide parte para o Senhor deixando frutos significativos para o trabalho missionário na Colômbia. Ela, juntamente com a missionária Carmen Lígia, era responsável pelos projetos PEPE (Programa de Educação Pré-Escolar) e Calçada (com crianças

M

Ana Loide: uma vida missionária

de rua), ministrava treinamentos de liderança, ajudando a preparar pastores e líderes colombianos, apoiava igrejas nas áreas educacional e musical, conquistando vidas para Cristo através do serviço e do amor. Uma vida dedicada a missões Ana Loide nasceu em 26 de junho de 1955 em Manaus/AM. Filha do Pr. Benício Leão e da irmã Ester Soares Leão, foi batizada em 23 de novembro de 1963 na Igreja Batista XV de Outubro, na capital amazonense. Obedecendo à voz do Senhor que a chamava para missões, em 1986 a jovem Ana Loide apresentou-se à Junta de Missões Mundiais e foi no-

meada como Missionária Temporária para servir na Bolívia, onde realizou um excelente ministério nas igrejas com seu talento musical. Ana Loide completou seu período de trabalho com brilhantismo e regressou ao Brasil, reapresentando-se como Missionária Efetiva. Cumprindo todos os requisitos, retornou à Bolívia em outubro de 1988, onde serviu até 1992. Depois seguiu para a República Dominicana em 1993, onde permaneceu até o ano de 2000. Sentindo o direcionamento de Deus para trabalhar no continente africano, seguiu para Cabo Verde em 2001, onde trabalhou com a missionária Carmem Lígia, na área de educação religiosa, até 2004. No ano seguinte, as missionárias seguiram para a Colômbia. Missões Mundiais pede a todos que orem pela família da missionária Ana Loide Soares Leão. Peça a Deus para que, em Sua infinita graça e misericórdia, console os corações de seus familiares, amigos e especialmente da companheira de ministério Carmen Lígia. Não esqueça de orar pela obra na Colômbia e pelos missionários que ali estão.

Mais missionários para os campos

issões Mundiais segue preparando e enviando missionários aos campos transculturais, obedecendo às palavras de Jesus de ir e pregar o Evangelho da salvação a toda criatura. Dentro desta visão, 10 vocacionados foram treinados, durante o primeiro semestre de 2010, no Seminário Teológico Batista do Sul do Brasil, no Rio de Janeiro/RJ, para serem missionários em países da África, da América do Sul e da Ásia, e levar a mensagem de amor e salvação através de suas vidas e ministérios. Cada um dos novos missionários demonstra o quanto ama missões. O casal Pr. Freddy e Elaine Ovando, de São Paulo/SP, é um destes exemplos. Ambos estavam realizados em suas profissões (ele veterinário, ela dentista) e na igreja em que congregavam, a 1ªIB de São Paulo/SP. Sequer imaginavam de, um dia, seguir para a África e serem missionários. Entretanto, uma série de situações foram desencadeadas para direcionar o casal ao centro da vontade de Deus. “Gostava demais do que fazia, de onde morávamos, do serviço na igreja; mas Deus nos queria em outro lugar, para usar nossas capacidades e talentos

Pr. Mayrinkellinson ora pelos novos missionários

adquiridos com o passar dos anos em Sua obra”, diz Elaine Ovando. O casal seguirá para a cidade de Bafatá, na Guiné-Bissau, junto com outra vocacionada, Rosenilda Assis, que é enfermeira e membro da 1ªIB em São Miguel/SP, para dar continuidade aos ministérios já existentes naquele país. Outro casal, Daniel e Gisele Soler, da 1ªIB em São Gonçalo/RJ, seguirá para a cidade de Beira, em Moçambique, onde ficará por dois anos apoiando os trabalhos missionários na região. Para a cidade de Cuenca, no Equador, seguirá o missionário Paulo Garbino, professor de Educação Física e membro da IB no Estoril, em Bauru/SP. Ele ajudará, nos próximos dois anos, os

casais de missionários da JMM, Pr. Dimas e Lília de Souza e Pr. Heinrich e Olga Friesen, na área esportiva. O culto de formatura e entrega de certificados aconteceu no dia 25 de junho, na capela do Seminário Teológico Batista do Sul do Brasil, no Rio de Janeiro/RJ. Agora formados, alguns dos novos missionários aguardam a reunião do Conselho Geral da CBB para o comissionamento oficial e envio aos campos os quais foram designados. Outros, previamente aprovados, estão nos preparativos finais de suas viagens e necessitam das orações de cada crente brasileiro. Uma nova turma de vocacionados começará a preparação em agosto.

Congresso Nacional de Vocacionados

U

ma parceria entre a Ordem dos Pastores Batistas do Brasil (OPBB), a Junta de Missões Mundiais e a Junta de Missões Nacionais estabeleceu a realização do Congresso Nacional de Vocacionados, que acontecerá no Colégio Batista Mineiro, em Belo Horizonte/MG, entre os dias 20 e 22 de agosto. A expectativa é reunir um grande número de vocacionados ao ministério pastoral e missionário, levando-os a dirimir dúvidas sobre chamado e vocação, a conhecer oportunidades ministeriais e a definir melhor quais campos de atuação desejam seguir. As inscrições para o congresso serão feitas exclusivamente pelo website da OPBB – www.opbb. org. Elas serão identificadas da seguinte maneira: “Pastor”, “Seminarista” e “Vocacionado” – esta opção é para os que se sentem chamados para a área missionária. Em seguida, basta acompanhar as instruções eletrônicas para gerar o boleto de pagamento. Outras opções são o depósito identificado e a transferência diretamente na conta da OPBB (Bradesco, agência 1125-8 / Conta Corrente 68671-9). Pronto, você estará inscrito para o Congresso. O valor do investimento é de R$ 30,00 para quem se inscrever até 30 de julho, ou R$ 40,00 para os que optarem pela inscrição em agosto. Estão inclusos no valor da inscrição todos os materiais do congresso. Também no website da OPBB é possível obter informações sobre preços e dicas para a hospedagem e alimentação. Para a Ordem dos Pastores Batistas do Brasil e as Juntas de Missões Mundiais e Nacionais, o Congresso Nacional de Vocacionados será a oportunidade de um relacionamento mais próximo com os futuros pastores e missionários, ajudandoos a pensar, desde já, em suas vocações e nos desafios da obra, seja numa igreja local, num campo missionário ou em outras atividades ministeriais. A meta é que o Congresso se realize a cada quatro anos (o próximo será em agosto de 2014) e a ideia é que cada Convenção Estadual e as secções da OPBB realizem congressos anuais nos três anos entre os congressos nacionais. (veja anúncio na página 9)


A família missionária Behrsin está em Riga, capital da Letônia, há cerca de quatro anos

Jornal de Missões Julho/Agosto • 2010

15

Mundo

Pastor troca o Havaí pelo Iraque

O Pr. Éber Silva, da Segunda Igreja Batista de Campos/RJ, iria participar da Assembleia da Aliança Batista Mundial no Havaí , no final de julho, mas cancelou esse compromisso para se integrar à caravana de missionários voluntários que Missões Mundiais enviará ao Iraque, em outubro próximo. ENTREVISTA concedida a Ailton de Faria Figueiredo

JM: O senhor participaria da Assembleia da Aliança Batista Mundial, no Havaí, mas mudou de ideia. Por quê? Éber Silva: Nossa igreja havia votado em assembleia enviar-me, no final de julho, ao Havaí para a Assembleia da Aliança Batista Mundial. Mas, numa manhã de domingo, o Pr. Adílson Ferreira dos Santos (Representante da JMM para o Estado de São Paulo) pregou em nossa igreja, nas Conferências Missionárias. Ele falou sobre os desafios e as necessidades de evangelização no Oriente Médio e nos desafiou a fazer parte de uma viagem missionária ao Iraque, promovida pela Junta de Missões Mundiais. Meu coração ardeu diante daquele quadro e, sem dúvida alguma, decidi participar dessa caravana missionária. JM: Como o senhor falou para a igreja sobre essa mudança de planos? Éber Silva: Foi interessante porque pensei na viagem, nas despesas, e também na construção de um novo templo para a nossa igreja. Mas, tocado pelo Espírito Santo para ajudar a abençoar o povo iraquiano, não tive outra alternativa: declarei à igreja, formalmente, que abriria mão da viagem ao Havaí para ir ao Iraque. Meu desejo é estar com os demais colegas pastores nessa caravana

Eber Silva nasceu no Rio de Janeiro, no dia 3 de dezembro de 1949, é casado com a professora Dulcinéa Paiva Silva e tem dois filhos: Leandro e Camila.

missionária, pois sei da necessidade que o povo iraquiano tem em conhecer o Verdadeiro Deus. JM: De um modo geral, como sua igreja tem participado da obra missionária? Éber Silva: Para a honra e glória de Deus, nossa igreja tem participado ativamente na obra missionária pelo mundo. Somos adotantes de missionários de Missões Mundiais desde a implantação do Programa de Adoção Missionária – PAM. O saudoso Pr. Waldemiro Tymchak esteve em nossa igreja, várias vezes, conversando com nossa liderança, pregando para o nosso rebanho e falando das necessidades dos campos. Assim, passamos a sustentar missionários na Colômbia, na China, na Rússia, na Inglaterra e vários

obreiros da terra em Cuba, onde estive em 2007 com um grupo de pastores brasileiros numa viagem missionária promovida pela JMM. Lá, ajudamos a construir o templo de uma igreja em Jatibonico, no centro do país. Esse templo é reconhecido como a mais bela construção daquela cidade. JM: O senhor disse que sua igreja está construindo. Como estão as obras? Isso não atrapalha no levantamento das ofertas para missões? Éber Silva: É verdade, estamos em construção e o novo templo terá capacidade para três mil assentos. A estrutura está praticamente terminada e já fizemos os orçamentos para os sistemas que terão que ser aplicados: acústico, sonoro, ar-refrigerado, iluminação, mídia, piso, mobiliário etc. Com certeza, tudo isso não ficará

barato, mas não atrapalha nossa visão missionária. Fiquei muito feliz e jubiloso porque, mesmo com as obras em andamento, nossa igreja votou que vai construir cinco templos no Haiti. Isto aconteceu naquela manhã de domingo, quando realizávamos a Conferência Missionária, no dia do aniversário da igreja. Mesmo assim, a nossa oferta para Missões Mundiais foi levantada e enviada para a JMM. Além dos missionários transculturais adotados, também participamos da obra missionária no Brasil, onde sustentamos alguns missionários, implantamos uma igreja na cidade de Senhora dos Remédios/MG e revitalizamos a 1ªIB de Barroso, naquele mesmo Estado. Em Campos, nossa igreja já organizou 20 igrejas e mantemos, hoje, cinco congregações. Por tudo isso, glorificamos muito ao Senhor.

Templo em Jatibonico, em Cuba

Plantando igrejas na Estônia, Letônia e Lituânia

O

s missionários Pr. Hans Gilson e Elaine Behrsin estão em Riga, capital da Letônia, há cerca de quatro anos, junto com os filhos Rhaísa e Guilherme. A partir daquele país báltico, os missionários trabalham na supervisão dos obreiros da terra em países europeus – um na Estônia, três na Letônia e dois na Lituânia. O casal busca formas de capacitar os obreiros da terra; visita-os regularmente, para levar o sustento de cada um; trabalha junto às lideranças das respectivas Uniões Batistas, para estreitar o relacionamento e cooperar com os projetos por eles desen-

volvidos. Esses projetos contemplam plantação e fortalecimento de igrejas, treinamento de líderes, dentre outros. Porém, o desafio mais urgente do casal é a plantação de uma igreja a partir do pequeno grupo que se reúne em seu apartamento. O trabalho tem experimentado um bom avanço, mas há uma grande necessidade por mais obreiros. Na Letônia foi fundado, em 2007, o Baltic Institut Pastoral (Instituto Báltico Pastoral) sob a visão do Pr. Peteris Sprogis, líder da União das Igrejas Batistas da Letônia. O Instituto conta hoje com 24 alunos e luta contra a escassez de vocacionados e

recursos financeiros. Mas oferece um ótimo preparo em curto e médio prazos (três anos, com início de prática depois do primeiro ano). O Pr. Hans e Elaine, que contribuem como mentores-capelães para os alunos e suas famílias, desejam levantar novos obreiros da terra para os países do Leste Europeu a partir do Instituto Báltico Pastoral. Atualmente, os batistas brasileiros mantêm um obreiro da terra que atua na cidade de Narva, no extremo leste da Estônia, fronteira com a Rússia. Ali há uma igreja com mais de 120 membros. O Pr. Hans, em recente reunião com

a União Batista desse país, sugeriu que sejam nomeados mais dois plantadores de igrejas na Estônia. Segundo o Pr. Hans Behrsin, o número de obreiros da terra é considerado muito baixo tendo em vista as possibilidades de expansão da obra de evangelização no Leste Europeu. “Precisamos levantar mais obreiros para plantar igrejas na Estônia, Letônia, Lituânia e outros mais. Por que não podemos ter, em vez de seis, 20 ou 30 deles? Por que não enchermos esses países de ceifeiros, que espalhem a luz e a boa semente do Evangelho?”, questiona o missionário.


16

Jornal de Missões Julho/Agosto • 2010

Artigo Três modelos de contextualização

Por Bárbara Helen Burns, missióloga

U

m dos maiores segredos da contextualização e da vida transcultural é a humildade. Sem ela é impossível nos despirmos o suficiente do nosso egoísmo e etnocentrismo (a convicção de que nossa cultura é a única certa) para convivência e identificação com as pessoas diferentes de nós. Humildade é essencial para acertar o caminho da unidade, do amor e do serviço mútuo, tanto em nossas igrejas de origem como trabalhando com equipes e comunidades de outras culturas. Há três modelos no texto de Filipenses 2.1-18 que demonstram a importância da humildade para nossa missão de levar o verdadeiro Evangelho ao mundo. O primeiro é o modelo de Jesus, o supremo exemplo da humildade na contextualização. É Deus, mas abriu mão de todos os Seus direitos para poder completar a Sua missão. Tomou a forma de homem e, em obediência ao Pai, submeteu-se a mais degradante e penosa morte possível. A Sua identificação era completa no

sentido de compartilhar a vida cotidiana, da comunicação eficaz e do sacrif ício em favor dos outros. Jesus tomou nosso lugar e veio resgatar-nos da condenação. Paulo exorta a igreja a ter este mesmo sentimento, de se humilhar como Jesus (v. 5). O modelo de Paulo é o segundo que vemos no texto. O apóstolo entendeu a importância do exemplo de Jesus na sua própria contextualização missionária. Ele vivia para servir a Deus e aos outros. Não havia sacrif ício grande demais para ele em levar o Evangelho e plantar igrejas entre judeus e gentios (v. 17). O sacrif ício de Paulo fica claro no relato de Atos 16.11-40, sobre a sua contextualização em Filipos. Chegando lá, logo foi procurar o lugar onde tinha abertura com os judeus e os tementes a Deus. A mulher rica, Lídia, atendeu o apelo da fé em Jesus e foi batizada com a sua família. Depois, uma jovem possessa foi liberta. O preço deste milagre foi alto para os missionários. Foram açoitados e levados à prisão, onde não se indignaram ou reclama-

ram seus direitos, mas cantaram louvores a Deus. O sofrimento por causa do Evangelho não sufocou o louvor e a fidelidade de Paulo e Silas. Eles sabiam achar portas abertas, evangelizar de forma relevante e levar as pessoas à fé e ao discipulado, sem medir consequências pessoais. Além de Jesus e Paulo, há um terceiro modelo de contextualização, que é o modelo da igreja, ainda que a mesma fosse recém-formada. Após a libertação milagrosa da prisão em Filipos, Paulo e Silas levam o carcereiro à fé em Jesus. Ele e sua casa são batizados e se tornam membros do grupo de crentes em Filipos. Há, então, uma igreja nova, feita de uma mulher rica e um carcereiro, com suas respectivas casas (que incluía filhos, escravos e servos), mais uma moça que tinha sido endemoninhada. É a esta igreja que Paulo roga para ter unidade – rico com pobre, nobre com funcionário, crianças e jovens com adultos, donos e escravos. É através desta igreja, verdadeiro “luzeiro” que o mundo, descrito como “geração per-

vertida e corrupta” (v. 15), veria a diferença que Cristo faz na vida das pessoas. Em nenhum momento devemos entender a contextualização de Jesus, dos missionários ou da igreja como identificação com o mundo. Houve profunda identificação com as pessoas, mas isso não incluía adotar os costumes pervertidos da cultura. A igreja era tão diferente que a glória de Deus brilhava através das suas vidas e dos seus relacionamentos como se fosse uma estrela no escuro da noite. Portanto, fica claro que a contextualização não é uma identificação com a cultura. É uma identificação profunda com as pessoas da cultura, sem imitar o que elas fazem, para poder levá-las ao discipulado e à fidelidade à Palavra (v. 16 – “preservando a palavra da vida”) e ao senhorio de Jesus Cristo (vv. 9-11). Isso faz com que sejam diferentes da cultura, mas como luzes e não como legalistas. Juntos mostrarão a diferença que Cristo faz na vida daqueles que realmente O aceitaram como Salvador e Senhor das suas vidas.


Jornal de Missões Julho/Agosto • 2010

17

Institucional


18

Jornal de Missões Julho/Agosto • 2010

Cartas

Geral

Parabéns, Missões Mundiais!

“É muito lindo o trabalho que Missões Mundiais desenvolve nos campos! Sabemos, através de seus meios de comunicação – Jornal de Missões, revista A Colheita, Portal da JMM etc. – como Deus tem abençoado todos os seus missionários. Quero me informar cada vez mais sobre eles e receber seus nomes e campos para orar. Ficarei muito feliz se puder, de alguma forma, ajudar. Que Deus continue iluminando e abençoando a estrada de vocês. Parabéns! Lilian Alves de Melo, São Paulo/SP – Por e-mail

Edificado pelas Juntas da CBB

“Quero agradecer aos editores do Jornal de Missões pelos excelentes temas desenvolvidos a cada bimestre. Tenho feito deste periódico parte da minha leitura devocional matinal diária. Após a leitura de um capítulo da Bíblia, leio um artigo por dia, e tenho sido muito edificado com as notícias e os projetos desenvolvidos nos campos da JMM e da JMN da CBB. Fiquei afastado da igreja por muitos anos, e hoje percebo o quanto fui seduzido por seitas que não valorizam o alimento espiritual que era servido na minha própria igreja batista. Que o Senhor nosso Deus continue abençoando e prosperando o trabalho desenvolvido pelos irmãos!” Sérgio Batista, PIB Universitária do Brasil, Duque de Caxias/RJ

Orando por missionários da Albânia e Colômbia

“As notícias dos campos de Missões Mundiais que recebemos através do Jornal de Missões, A Colheita e cartas de missionários têm sempre nos inspirado a orar e contribuir com a obra. Ao chegar em casa, no dia 24 de junho, encontrei duas correspondências de meus missionários Henrique Davanso (Albânia) e Ana Lúcia Ferreira (Colômbia) junto com o Diário de Oração. Fiquei muito sensibilizada com as notícias, especialmente com as da Colômbia, e tenho orado diariamente por esses missionários” Maria de Lourdes Souza, IB Jardim Nordeste, São Paulo/SP

Parabéns

Cumprimento a Junta de Missões Nacionais, Vossa Senhoria e equipe, pela inauguração da 1ª fase do novo Lar Batista F. F. Soren. Louvamos a Deus por mais essa importante iniciativa da JMN, que certamente contribuirá para a expansão do reino de Deus em nosso Brasil. Parabéns, Valseni Braga, Diretor-geral do Sistema Batista Mineiro de Educação

Lamento pela ausência

“Devido a compromissos assumidos anteriormente, o Vice-Governador Eduardo Machado agradece o convite e lamenta por não estar presente para participar da inauguração do Lar Batista F. F. Soren. Agradeço a atenção, que o evento seja coroado com êxito. Atenciosamente, Hérika Barreto, Cerimonial do Gabinete do Vice-Governador do Tocantins

Momento histórico

Impossibilitado de comparecer à solenidade de inauguração do novo Lar Batista F. F. Soren por compromissos assumidos anteriormente, quero expressar, em nome da Comunidade Acadêmica do Seminário do Sul, nossa gratidão a Deus por este momento histórico na vida da Junta de Missões Nacionais. Que o Senhor Jesus continue abençoando esse ministério que tem sido instrumento útil para a transformação de nossa Pátria. Pessoalmente, agradeço a Deus pelo privilégio que tive de sonhar e trabalhar juntamente com os irmãos nesse projeto. Louvo ao Senhor porque agora não é mais um sonho, mas uma realidade abençoadora! Louvo a Deus por todos que se envolveram, trabalharam, oraram, contribuíram para que este momento memorável na vida de Missões Nacionais e na vida de nossas crianças pudesse acontecer. Toda a honra e glória sejam dadas ao nosso Deus. Juntos, avançando para a conquista de nossa Pátria! Pr. Davidson Pereira de Freitas, Diretor-geral do Seminário Batista do Sul

ESCREVA-NOS CONTANDO SUAS EXPERIÊNCIAS COM MISSÕES Envie sua carta ou e-mail com experiências com a obra missionária. Sua opinião sobre o nosso trabalho, e o conteúdo do Jornal de Missões, é muito importante. Escreva para redacao@jmm.org.br ou redacao@missoesnacionais.org.br.

Do Peru para a Inglaterra

M

arcos André Pena Ramos, filho do casal missionário Pr. Ricardo e Marilza Ramos, que atuam em Arequipa, no Peru, foi ordenado ao ministério da Palavra na PIB do Alto da Boa Vista, no Rio de Janeiro/RJ, no dia 23 de maio. Marcos e a esposa embarcaram, dois dias depois, para a Inglaterra. Ele vai estudar em Londres e tem um convite para trabalhar como pastor auxiliar de uma igreja naquela cidade. Ali vai organizar e dirigir um centro de reabilitação para dependentes químicos usando a experiência

Marcos Ramos e esposa recebem oração

que adquiriu, como Diretor do Centro de Reabilitação “Quero Viver” em Arequipa.

Indo através da oração

O

irmão Rivaldavio Faria Pinto, diácono da PIB de Madureira, Rio de Janeiro, e presidente do Conselho da APEC/ RJ (Aliança Pró-Evangelização das Crianças), é um apaixonado pela obra missionária. Entendendo a importância da oração para o crescimento da obra de Deus ele criou a Rede de Intercessão Pró-Visão Missionária em sua igreja, que já funciona há oito anos. “Nosso propósito é orar para que haja uma visão maior e mais eficiente da obra que o Mestre deixou para nós, pois a nossa missão é pregar

E

Trabalho na APEC/RJ

o Evangelho, simultaneamente, tanto aqui como até os confins da Terra”, afirma o irmão Rivaldavio.

87ª Assembleia da CBBa

ntre os dias 29 de junho e 03 de julho, Missões Nacionais marcou presença na 87ª Assembleia da Convenção Batista Baiana, evento que aconteceu em Vitória da Conquista, BA, e que contou com a presença dos missionários Lídia Cerqueira (Salvador), Tabita Moreira e Haydee Gonçalves (Lar Batista David Gomes), pastores Renato Alves, de Ibicoara (BA), e

Marcos Azevedo, de Barra da Estiva (BA). Representando Missões Nacionais, o pastor Samuel Moutta, gerente executivo de Expansão Missionária, falou um pouco das maravilhas que Deus tem feito por meio da JMN e incentivou os presentes a participarem do Congresso Desperta pelo Brasil que acontecerá na Igreja Batista Sinai, em Salvador.

Maturidade cristã

A

igreja xerente passa por um período de maturidade, no qual os índios formam uma geração de fiéis comprometidos com o Reino e dispostos a multiplicar o número de discípulos. A constatação é do missionário Rinaldo de Mattos, que trabalha na aldeia Salto, em Tocantins. Rinaldo atua entre os xerentes desde 1959. Nos últimos anos, tem visto seus discípulos preparando outros e assumindo funções estratégicas no contexto eclesiástico. No início de junho, Rinaldo e o pr. Guenther Krieger foram à aldeia Bom Jardim para preparar oito candidatos ao batismo. “São frutos da evangelização de um dirigente indígena da igreja de uma aldeia vizinha”, ressaltou o missionário. A maturidade cristã também fez fluir dos lábios de nossos irmãos xerentes louvores com expressões genuinamente indígenas, tais como o verso “Wakmãdkâkwa Jesus tô dapkẽ snã mãt hêwa nsĩ tka wam shârn – Jesus, com amor, demarcou uma área de terra

Missionários recebem placa comemorativa da JMN

para nós lá no céu”. Essa e outras canções xerentes estão sendo gravadas a fim de que as composições indígenas alcancem todas as igrejas dessa etnia. Rinaldo e sua esposa Gudrun tiveram outro motivo para celebrar, já que no dia 18 de julho comemoram 50 anos de vida conjugal e de convivência entre os xerentes. A festa das Bodas de Ouro foi comemorada na Aldeia Salto, com a presença de caravana da Terceira Igreja Batista do Plano Piloto e de irmãos xerentes de outras aldeias indígenas.


Pr. João Marcos B. Soares foi o preletor oficial dos 91 anos da JUBESP

Missionário assume igrejas no Japão

O

missionário Pr. Hélio Miúra assumiu o pastorado da Igreja Batista Vida (IBV) em Higashiura, na província de Aichi, Japão. Além dessa, ele continua como pastor da Igreja Batista em Fuji. A distância entre as duas igrejas é de, aproximadamente, 230 km. Hoje, a IBV em Higashiura está com 94 membros e a de Fuji com 32. O missionário enfrenta algumas dificuldades como: a distância entre as igrejas, a falta de obreiros em Fuji, a adaptação à nova igreja e à cidade, nova escola para os filhos etc. “Ainda não conseguimos uma moradia para nossa família, e estamos instalados na igreja de Higashiura. Que Deus levante novos

A

vocacionados para o Japão e contamos, também, com as orações dos irmãos brasileiros nesse sentido”, esse é o desejo do Pr. Hélio Miúra.

Evangelho em Esmeraldas, Equador

missionária Joseane de Souza Lima está muito feliz em contribuir, através do Programa de Educação PréEscolar (PEPE), para a expansão do Evangelho em Esmeraldas, no Equador. Como resultado de reuniões que realiza com algumas famílias de alunos, cinco pessoas já receberam a Cristo; três delas estão fazendo discipulado. Além das palestras nos PEPEs sobre vários temas, a missionária aproveita as reuniões em família para compartilhar dons e talentos através de aulas de artesanato.

O

Missionários investem no trabalho com crianças

Joseane Souza (em pé)

“Minha oração é para que, neste ano, tenhamos muitas conversões utilizando essas ferramentas na obra de Deus”, diz a missionária.

Executivo da JMM na JUBESP

Pr. João Marcos Barreto Soares foi o preletor oficial da Celebração dos 91 anos da Juventude Batista do Estado de São Paulo (JUBESP), no dia 29 de maio, na cidade de Santa Bárbara d´Oeste, interior do Estado. Cerca de 3 mil pessoas estiveram presentes e colaboraram com doações de alimentos

não-perecíveis para o Fundo Social da cidade. O Diretor Executivo divulgou o trabalho dos missionários nos campos e fez um inspirativo apelo por jovens vocacionados. A resposta veio através de vidas se entregando para missões e do levantamento de uma oferta especial para ajudar os projetos da JMM.

Ciganos

M

issionários e cristãos interessados em levar o evangelho a ciganos estiveram reunidos, nos dias 3 a 6 de junho, na cidade de Santa Fé do Sul, SP, para o 3º Encontro Nacional de Evangelização de Ciganos. Até o momento, este foi o maior evento evangélico brasileiro sobre missões entre ciganos, contando com a participação de 40 pessoas, representando 9 ministérios de diversas regiões e denominações. Participantes posam para foto oficial do encontro O preletor oficial, o pastor e professor Ge- mon trouxeram reflexões sobre chamado deon Lidório, da Faculdade Teológica Sul missionário, abordagem holística e a relaAmericana, compartilhou ferramentas de ção dos ciganos com a Igreja Brasileira. O antropologia missionária que podem ser evento foi organizado pela Rede Nacional aplicadas na realidade do campo cigano. de Evangelização de Ciganos (RENECI), por Além de Gedeon, os pastores Artaxerxes intermédio da Missão Amigos dos CiganosFernandes, Valdir Apolinário e Klaus Si- Sul da Junta de Missões Nacionais.

Jornal de Missões Julho/Agosto • 2010

19

Geral Ação Social abre portas para o trabalho missionário

N

o mês de maio, as frentes missionárias de Patu (RN) e Almino Afonso (RN), ambas lideradas pelos missionários Luzinaldo e Graça Tomaz, realizaram uma série de ações em prol da comunidade. Palestras sobre saúde da mulher, orientações para a família, vacinação contra a gripe A H1N1 foram algumas as atividades desenvolvidas. Em parceria com a Secretaria de Saúde de Patu, a frente missionária promoveu, no dia 29, a campanha “Útero é Vida”. Nos períodos da manhã e tarde aconteceram palestras sobre prevenção contra o câncer no colo do útero, mama, a importância de exercícios como qualidade de vida, além da realização de coletas para exame preventivo e vacinação. Em meio a essas ações, a missão realizou diversas abordagens evangelísticas e recenseamentos. Ao todo, foram mais de 250 pessoas atendidas. Em Almino Afonso, os missionários direcionaram as ações aos estudantes, levando

S

aos alunos corte de cabelo, aplicação de flúor, informações sobre escovação dentária, e uma programação evangelística especial. Além das crianças, vários pais estavam presentes e puderam ouvir um pouco da mensagem de Cristo. Pr. Luzinaldo e Graça pedem oração por vidas que se rendam a Cristo e pela formação de novos líderes para a continuidade dos trabalhos.

Exemplo de parceria

ob a organização da promotora de missões Marília de Andrade, a Primeira Igreja Batista de Duque de Caxias, RJ, realizou, no dia 26 de junho, seu 2º Encontro de Adotantes. A programação contou com a presença de 50 irmãos inscritos, os quais ouviram do gerente regional da JMN para o RJ, pastor Cleber Souza, testemunhos de parceiros e canções inspirativas sobre o tema. A PIB Caxias (pastor Cláudio Capetini), aceitou o desafio de cooperar

O

Missionária em atendimento social

também com a ação solidária da JMN, em apoio aos estados de Alagoas e Pernambuco, no envio de uma oferta para compra de lençóis, iniciando a campanha entre os irmãos presentes naquele encontro. Seja você também um mobilizador e incentive sua igreja a promover um Encontro de Parceiros do PAM Brasil. Para mais informações, entre em contato pelo telefone (21) 2107-1818 ou pelo e-mail pambrasil@missoesnacionais.org.br.

Igrejas fechadas na Síria

supervisor dos obreiros da terra da JMM para o Oriente Médio informa que todas as igrejas evangélicas da Síria, que não possuíam templos próprios, foram fechadas por ordem do governo no dia 19 de junho. Um obreiro da terra comunicou ao supervisor que um oficial de justiça lacrou a porta de sua igreja. Outras

congregações em Safita, Almazraá e Latakia também estão fechadas, além de outras que funcionavam em Damasco, Alepo e na cidade de Homs. “Ore pelos irmãos das igrejas que foram fechadas e peça a Deus que tenha compaixão da Sua obra na Síria”, é o pedido de oração do supervisor dos obreiros da terra naquele país.

Vocacionados

C

om o objetivo de mobilizar seminaristas para a obra missionária no Brasil, a Junta de Missões Nacionais realizou, no dia 16 de junho, uma conferência missionária no Centro Integrado de Educação e Missões (CIEM), no Rio de Janeiro. O evento contou com a presença de alunos da instituição e a participação do missionário Francisco Washington Oliveira, coordenador regional de missões da JMN no Ceará. Falando aos semi-

naristas, pastor Washington lembrou que a vida é efêmera e, portanto, há grande urgência na evangelização do Brasil. Ele também destacou os desafios do nordeste brasileiro e defendeu a ideia de investir a vida, os talentos e recursos onde Cristo ainda não foi anunciado. Se você deseja fazer parte do grupo de vocacionados que já entregaram sua vida a missões, entre em contato conosco pelo e-mail vocacionados@missoesnacionais.org.br.


20

Jornal de Missões Julho/Agosto• 2010

Mobilização Missionária N

Surdos do Rio de Janeiro são impactados por projeto de Missões Nacionais

Missões Nacionais promove 2ª viagem missionária da sede

o feriado de Corpus Christi, funcionários da sede de Missões Nacionais deixaram o Rio de Janeiro e foram a Minas Gerais em viagem, que teve como foco a integração da sede e campo, bem como a realização de atividades evangelísticas de apoio a obreiros. O roteiro traçado incluiu visitas à comunidade terapêutica Reviver, em Muriaé, e projetos de plantação de igrejas em Porto Firme e Piranga, cidades do sul do estado. A caravana contou com um grupo de 43 irmãos, incluindo familiares dos que atuam na sede. Passando por Muriaé, os funcionários compartilharam experiências com os missionários e confraternizaram com internos da instituição, participando de um culto especial. Na ocasião, funcio-

nários presentearam cada residente com um kit de donativos. Em outro momento, a caravana conheceu o imóvel que está sendo preparado para tornarse a nova sede do Reviver. Em Porto Funcionários da sede, familiares e internos do Reviver Trabalho com crianças em Porto Firme Firme e Piranga, onde atuam os missionários Antônio Pau- de Missões Nacionais. Para Maycon Pires, Firme, que utiliza a capoeira como ferralo de Oliveira e Thiago Rebello. que atua no setor de Tecnologia da Infor- menta de evangelização. ”Foi marcante ver Segundo os participantes da viagem, mação da JMN, além da oportunidade de os alunos do missionário Antônio jogando foi emocionante ver de perto a outra face conhecer de perto a realidade dos missio- capoeira e cantando verdadeiros louvores do trabalho iniciado na sede da JMN, re- nários, foi emocionante poder conhecer a Deus. Isto foi uma grande quebra de pasultado das ações das várias áreas internas projetos como o desenvolvido em Porto radigma em minha vida”, concluiu.

Evangelização de surdos no Rio de Janeiro

A

lém da mobilização missionária Jesus Transforma, no período de 9 a 25 de julho aconteceu o projeto Alcance Surdos. O projeto, que visa a anunciar a mensagem de salvação, prioritariamente aos surdos, e do qual participam surdos e ouvintes que conhecem Libras, teve três bases no estado: Vila Valqueire, Anchieta e Belford Roxo. Os 56 voluntários representantes de sete estados brasileiros, além de uma representante dos Estados Unidos, que tem atuado como voluntária na sede de Missões Nacionais e participa do projeto, foram divididos e tiveram como quartéis-generais a Primeira Igreja Batista de Vila Valqueire, Segunda Igreja Batista de Parque Anchieta e Primeira Igreja Batista de Heliópolis. O treinamento para todo o grupo foi realizado na 1ª IB de Vila Valqueire e os cultos de comissionamento aconteceram nas respectivas bases. Como sempre acontece, o trabalho foi iniciado com uma caminhada de oração, quando os voluntários clamam pelo projeto e por aqueles que serão alcançados nos dias de evangelização, pedindo a Deus ousadia e criatividade para comunicar a mensagem. No decorrer do projeto, as equipes realizam evangelismo nas ruas, cultos evangelísticos, visitas nas escolas, apresentação de pantomimas, teatro e estudos bíblicos nos lares entre outras atividades com o objetivo de alcançar os surdos.

Evangelismo pessoal de surdos em Heliópolis

Culto em Libras em Parque Anchieta

Visita nos lares de surdos em Vila Valqueire

A realidade vivida pelos surdos no Rio de Janeiro, infelizmente, não difere muito da de outros estados de nosso país. Grande parte tem conhecimento superficial de Libras enquanto outros não conhecem nada da língua. Há ainda aqueles que não a usam devido aos familiares não a aceitarem. Em função disso, não foi raro encontrar surdos que não conseguem se expressar nem em português, nem na língua de sinais, destinados a viver isolados da sociedade. À procura de surdos, uma das equipes entrou em um centro espírita, pois a mãe de um deles era mãe de santo. Ao descobrir que eram crentes ela ficou nervosa, mas os voluntários disseram que seu filho precisava entender o amor de Deus. Sendo assim, a mãe permitiu que realizassem ali os estudos bíblicos. Uma equipe foi a um shopping de Nova Iguaçu, onde apresentou o filme

Jesus. Por volta das 20h, cerca de 100 surdos começaram a chegar ao local, que é um ponto de encontro deles. No grupo, havia desde adolescentes até pessoas da terceira idade e podia-se encontrar surdos homossexuais, drogados e afastados da igreja. Um destes ao ser perguntado pelo motivo pelo qual havia se afastado, respondeu que a igreja era fraca e o mundo parece que tem mais para oferecer a ele. “Ficamos emocionados ao ver a realidade daquele lugar. Mais do que um trabalho com surdos na igreja, é preciso plantar uma igreja em Libras, pois segundo dados do Censo 2000 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) há aproximadamente 27.000 surdos no município de Nova Iguaçu. Vamos continuar avançando, não podemos parar! Qual será a sua resposta à necessidade dos surdos de nosso Brasil?”, questio-

nou a missionária Marília Moraes Manhães, líder do Ministério com Surdos de Missões Nacionais. Para o pastor Davidson Freitas, PIB de Heliópolis, receber os voluntários para ajudá-los a encontrar surdos da comunidade e estabelecer com eles um contato inicial, “foi algo extraordinário. Muitos membros da igreja foram mobilizados para trabalhar neste projeto juntamente com os voluntários enviados pela JMN, e muitos foram tocados pelo Espírito Santo de Deus, no culto da vitória, para darem continuidade a este trabalho cuidando dos 81 surdos que foram alcançados nestes dias de trabalho”. Somando o trabalho das três bases, um total de 376 surdos foram identificados, para os quais os voluntários puderam falar de Jesus, obtendo 63 decisões de surdos e também de 23 ouvintes, segundo dados levantados até o fechamento desta edição.


Estados contabilizam os resultados das mobilizações missionárias Trans

N

Jornal de Missões Julho/Agosto • 2010

21

Mobilização Missionária

Mobilizações Jesus Transforma marcam campos da Pátria

o mês de julho, batistas de várias partes do Brasil estiveram engajados nas mobilizações missionárias Jesus Transforma, projeto evangelístico da Junta de Missões Nacionais que, em 2010, alcançou 13 territórios estratégicos da Pátria. Foram mais de 2 mil inscritos, além de participantes indiretos – pessoas que atuaram na logística ou, devido à proximidade das localidades-alvo, decidiram apoiar as equipes na evangelização dos campos. Até o fechamento desta edição, tínhamos apenas resultados de algumas Trans (DF, RO, AM e RJ) e, portanto, registramos aqui os principais feitos dessas ações.

Distrito Federal

Após realização em quase todas as unidades federativas, neste ano a Trans chegou ao Distrito Federal, reunindo mais de 50 participantes na primeira fase do projeto – a segunda fase aconteceu na segunda quinzena de julho. Após treinamento, as equipes foram divididas, tendo como meta a evangelização de 22 pontos definidos pela Convenção Batista do Distrito Federal, entre eles, cidades do noroeste de Minas Gerais e nordeste de Goiás. Nessas localidades, o cenário, embora culturalmente peculiar, apresentava personagens similares, que traduzem a necessidade espiritual e social do povo brasileiro. Em Arapoanga, uma mulher que passava por grandes dificuldades em seu lar, chorava por não enxergar uma melhor perspectiva de vida. Ao passar pela porta de uma igreja onde aconteceria um culto da Trans, sua filha, de 4 anos, diante da tristeza de sua mãe, comentou: “Chora não, mamãe! Vamos entrar nessa igreja”. Considerando a palavra da menina, ela decidiu assistir à programação. Recepcionada pelos voluntários, a senhora pôde compartilhar seus problemas e foi consolada pelo evangelho. “Convidamos para participar do culto conosco e, no momento do apelo, deixou Jesus entrar em sua vida. Logo no término da reunião, marcamos um culto em seu lar”, afirmou uma voluntária da Trans. Comovidos com a situação, a equipe se dis-

Wesley recebe bíblia de voluntários da Trans RO

Atendimento médico na Trans AM

pôs a ajudá-la com uma cesta básica, além de atender outras necessidades da família. Pastor João Roberto Raymundo, presidente da CBDF, agradece o apoio recebido. “Apoiada pela Junta de Missões Nacionais, a CBDF deseja ampliar o avanço denominacional no coração do Brasil e agradece a todos os voluntários que doaram parte de suas férias para realização desse projeto”.

Rondônia

Em Rondônia, a Trans também foi um sucesso. Cerca de 150 voluntários oriundos de 9 estados brasileiros compuseram as equipes que alcançaram os 15 campos de plantação e revitalização de igrejas definidos pela convenção do estado. Para a coordenadora de Missões e Evangelismo da Convenção Batista de Rondônia, Alzimari Gomes, “a Trans Rondônia simboliza um grande despertar missionário para nossas igrejas, o ‘vinho novo’ para nosso povo, que precisa retomar o amor por missões, seu compromisso com o evangelho de Cristo”. Irmão Exequias, vice-moderador da 2ª IB de Ji-Paraná, foi um dos que se sentiram renovados pela Trans. Envolvido nas atividades de Jaci Paraná, declarou que há muito tempo não desfrutava de momentos tão agradáveis com Deus. “Nunca mais perco uma oportunidade dessas. Estou participando de uma experiência íntima com Deus que há muito tempo não sentia em minha vida”, declarou.

Por meio de brincadeiras, crianças são evangelizadas na Trans DF

A mobilização dos voluntários de Rondônia resultou no resgate de 1509 vidas. São vidas como a de Bruna, uma jovem senhora que teve seu marido assassinado há três meses. Grávida e mãe de uma menina de 6 anos, tinha um semblante triste, que aparentava a desilusão de sua vida. Mas, ao ser alcançada pela Trans em culto de ação de graças, além de ter recebido o maior dos tesouros (Jesus), recebeu presentes dos voluntários: carrinho de bebê e várias peças de enxoval. O menino Wesley, 11 anos, também foi fruto da Trans. Ouviu a Palavra quando observava uma equipe que evangelizava um grupo de rapazes nas ruas do bairro onde mora. Atento, o menino se aproximou e foi convidado para o mesmo culto que transformou a vida de Bruna. Wesley chegou cedo à igreja, estava atento a tudo que acontecia. Como havia comentado com os voluntários que um de seus maiores sonhos era ter uma bíblia, em momento propício, foi chamado à frente e foi presenteado com as Sagradas Escrituras. Sua alegria expressava o nascimento de uma nova criatura, o que foi confirmado no momento do apelo, quando novamente foi à frente para entregar seu coração a Cristo. Ciente de que ainda há muito a fazer pelo Brasil, pastor Lourimar Vilarinho Albuquerque, um dos coordenadores locais da Trans Rondônia, deixa uma palavra para quem não conseguiu participar dessa mobilização. “Coloque-se à disposição de Deus. Deixe Deus usar você, e você nunca mais será o mesmo. Não fique de fora da próxima operação Jesus Transforma. Por um Brasil

Pastores que receberam equipes da Trans RJ no culto da vitória

verdadeiramente feliz... essa continua sendo a nossa oração”.

Amazonas

Depois de alguns anos, a Trans retornou às suas origens: o estado do Amazonas. Cerca de 160 voluntários inscritos, representantes de 12 estados brasileiros fizeram parte dessa grande mobilização. Além desses, outros participantes atuaram indiretamente, formando um exército de 350 voluntários atuantes no projeto. As equipes de evangelização atuaram em 15 pontos estratégicos da capital. Entretanto, diferentemente do que aconteceu em outros estados, houve cinco grupos de arte percorrendo as localidadesalvo, ajudando especialmente no trabalho com crianças e impactos evangelísticos. Outras duas equipes marcaram de maneira especial a Trans AM. A primeira foi a equipe volante de ação social, que mobilizou cerca de 50 profissionais, entre médicos, enfermeiros, fisioterapeutas, psicólogos, advogados, cabeleireiros, dentistas etc., que atuaram em 13 das 15 localidades-alvo da Trans. A segunda equipe foi composta por representantes da Juventude Batista do Amazonas, que reforçou o trabalho nos fins de semana. O resultado da ação de Deus e do esforço dos voluntários no Amazonas foi celebrado no Culto da Vitória, na 1ª IB de Manaus, encerrando as atividades dessa mobilização. A Trans AM registrou 343 decisões de adultos, 312 decisões de crianças, além de dezenas reconciliações e discipulados.

Rio de Janeiro

No Rio de Janeiro tivemos 332 pessoas participando do projeto, divididas em 23 equipes de trabalho. No culto da vitória, realizado no dia 25 de julho no templo da PIB do Rio de Janeiro, foram apresentados os resultados do trabalho: mais de 6 mil pessoas evangelizadas pessoalmente; 410 discipuladas; e 1.815 convertidas ao Senhor Jesus. Pastor Fernando Fernandes, coordenador de evangelismo e missões da Convenção Batista Carioca já sonha com a realização de outras Trans no estado.


22

Jornal de Missões Julho / Agosto • 2010

Mobilização Missionária Igrejas Missionárias

A Campanha de Missões Mundiais terminou em junho, mas o ardor missionário dos batistas brasileiros continua aceso, o ano todo, em suas igrejas!

O

Comemorando missões

irmão Rodrigo Pedroso Vieira mandou para a JMM, no final de junho, esta foto ao lado. São membros em frente à Congregação Batista do Capané, em Cachoeira do Sul/ RS. Eles deram uma grande festa para comemorar o sucesso da Campanha 2010 quando le vantaram uma boa oferta no Dia Especial para a obra de Missões Mundiais . Ele conta que naquele dia foi feito um churrasco onde os irmãos puderam ficar mais tempo, juntos , na igreja .

E

A

Igreja Batista Memorial da Pavuna/RJ, realizou, nos dias 25 e 26 de junho, o seu 1º Congresso de Missões. Sob o tema “Qual a sua resposta ao Ide de Jesus?”, a igreja foi impactada pelos desafios missionários urbanos, nacionais e mundiais. Além das mensagens, aconteceram uma feira missionária, com barracas e comidas típicas, e oficinas de interesse (evangelismo criativo, Ministério de Missões, missões com crianças).

Ideias criativas

stou há apenas um ano em minha igreja e sou ovelha do Pr. Jorge Alberto Leandro. Neste ano tive o privilégio de ajudar a irmã Maria Cristina Carvalho no Departamento de Missões. Para a glória de Deus, nosso alvo foi ultrapassado em mais de 10%. Utilizamos cofres missionários, tipo botijões de gás, de plástico. Além de cofres, fizemos um ‘Shopping Missionário’, almoçamos, comemos muitas guloseimas e divulgamos na comunidade. O ‘Shopping’ foi um bazar com roupas e acessórios usados em

A

Congresso missionário

bom estado e artesanato confeccionado pelas Mensageiras do Rei. Depois realizamos um dia de beleza, denominado ‘O Dia de Ester’. Nele as irmãs receberam – com hora marcada – estética facial, manicure e pedicure, escova e prancha nos cabelos a preço popular. Nosso desejo é que as idéias que nossa igreja usou possam acrescentar e ajudar a muitas outras a ultrapassarem seus alvos também.” Grasiela Barros, IB Memorial em Realengo, Rio de Janeiro/RJ

Missões: uma questão de obediência

D

e acordo com a irmã Simone Rezende da Penha Mendes, Promotora de Missões da 1ªIB em Riviera da Barra, em Vila Velha/ ES, apesar das muitas necessidades e desafios da igreja, ela louva a Deus porque em março, durante a Campanha, o Senhor levantou 10 irmãos para serem intercessores, através do Programa de Intercessão Missionária (PIM), e outros 25 como sustentadores financeiros. Do

montante arrecadado, e com mais uma parte doada pela igreja, foram adotados mais três missionários: Pr. Jonathan Joseph (Haiti), Pr. Gilberto Campos (Angola) e um obreiro da terra (Índia). Além desses, foram adotados dois missionários de Missões Nacionais e um do Estado. “Tem sido edificante viver esta experiência com missões e ‘ouvir’ o que os missionários têm a nos contar através de suas cartas”, disse Simone.

Festival Internacional de Missões

PIB de Guará, no Distrito Federal, realizou o Festival Internacional de Missões, no final de março. O evento “gastronômico-missionário” contou até com um desfile infantil. Tudo isso por amor a missões e para levantar ofertas para a obra missionária mundial.

L

Vimos o agir de Deus!

ouvamos a Deus pela Junta de Missões Mundiais, bem como pelo rico e útil material que nos é enviado. Tivemos uma campanha ímpar, a nossa igreja envolveu-se de forma maravilhosa. Nosso alvo foi aumentado, desafiador para a nossa realidade, e ultrapassado. Tivemos

momentos missionários impactantes e reflexivos e a adesão de mais um irmão ao Programa de Adoção Missionária (PAM). Toda honra e glória sejam dadas ao nosso bom Deus.” Elen Lisiane – Ministério de Missões da 1ª IB em José Américo, João Pessoa/PB

Vinte e cinco irmãos da 1ªIB em Riviera da Barra aderiram ao PAM

SUA IGREJA TAMBÉM PODE SER NOTÍCIA Se você deseja ver publicado o que sua igreja tem feito pela obra de Missões Mundiais, envie um testemunho com fotos para a redação da JMM: E-mails: redacao@jmm.org.br ou redacaojmm@gmail.com


Jornal de Missões Julho/Agosto • 2010

23

Mobilização Missionária Conexão Missionária desperta vocacionados Diretor Executivo da JMM no Norte Fluminense

O

Em Santa Rosa/RS, vocacionados se apresentaram no apelo do Pr. Cláudio Andrade, representante da JMM

A

presença de irmãos nos Congressos Conexão Missionária comprova a importância deste evento para a mobilização das igrejas batistas na obra de evangelização dos povos. Muitos são os que ouvem o chamado do Espírito Santo através dos testemunhos de missionários, declarando-se vocacionados ou adotando um projeto ou missionário. No Paraná, o Conexão realizado na PIB de Guairá, liderada pelo Pr. Robson Coelho, entre os dias 14 e 16 de maio, em parceria com a Associação das Igrejas Batistas do Oeste do Paraná, teve a

O

Promotor de Missões Gerval Pereira, pastor da Igreja Batista Nova Jerusalém em Aracaju/SE, foi o ganhador da promoção PAM +1, no ano de 2008, e por isso foi premiado com uma viagem ao campo missionário patrocinada pela Junta de Missões Mundiais. E o campo determinado pela JMM foi o Haiti. O Pr. Gerval esteve na caravana de voluntários que seguiu àquele país em março, a fim de ajudar as igrejas haitianas na reconstrução espiritual e estrutural do país após o devastador terremoto de janeiro.

presença de cerca de 300 irmãos. Eles participaram de oficinas de missões com os missionários Gérson de Farias (Radical África), Pr. Melquisedeque Moraes (Colômbia) e com o Pr. Cláudio Andrade, Representante da JMM para a região Sul. Os congressistas também ouviram o testemunho do Radical Gérson de Farias. Treze pessoas responderam ao apelo missionário. Ainda na Região Sul, desta vez na IB de Santa Rosa, no Rio Grande do Sul, cerca de 500 pessoas foram abençoadas durante o Conexão realizado de 28 a 30 de

“Foram dias de muito aprendizado, de adoração e de meditação ao contemplarmos o caos. Mas também de muito louvor a Deus por ser usado em um momento como este”, diz o Pr. Gerval. Para o Promotor, apesar de presenciar momentos tristes, ao ver o sofrimento dos haitianos, e por isso emocionar-se, na medida em que a viagem ao campo se desenvolvia, outras experiências abençoadoras foram acontecendo. “Deus também proporcionou muitos momentos de alegria, especialmente

maio. Os irmãos representavam as igrejas e associações ligadas à Convenção Batista Pioneira do Sul. O evento também contou com as participações dos missionários Gérson de Farias e Pr. Melquisedeque Moraes. O templo foi decorado com várias placas de trânsito, destacando o simbolismo da Campanha Missionária 2010. De acordo com o Pr. Cláudio Andrade, este Conexão atingiu seus alvos e impactou os crentes locais com os desafios do campo. Cerca de 25 irmãos assumiram o compromisso de se envolver cada vez mais com missões.

quando estive em um entusiasmado culto a Deus. Mesmo em meio ao caos, eu pude entender que os haitianos estão servindo a Deus não pelo que Ele tem pra dar, mas pelo que Ele é”, relata. A viagem ao Haiti foi impactante para a vida do Pr. Gerval Pereira. Ele conta que o seu modo de encarar as situações da vida também mudou após a experiência. “Hoje eu encaro meu ministério, minha vida e a ma-

Conexão realizado entre os dias 21 e 23 de maio na Terceira Igreja Batista de Campos, no Norte do Estado do Rio de Janeiro/RJ, dirigida pelo Pr. Joélcio Barreto Soares, foi marcado pela presença do Diretor Executivo de Missões Mundiais, Pr. João Marcos Barreto Soares. A mensagem do executivo gerou, nos cerca de 500 participantes, novas expectativas e os alertou para a necessidade de serem produtivos na obra missionária. “Foi uma mensagem marcante, espiritual e efetiva, tendo em vista a brilhante colheita apresentada na decisão pública daqueles que se renderam ao Senhor, entregando suas vidas em vocação missionária na igreja e no campo”, disse o Pr. Sebastião Augusto, Representante da JMM no Rio de Janeiro. Os participantes foram impactados ainda pelos testemunhos do casal Pr. Juraci e Márcia Lemos (ex-missionários da JMM) e da missionária aposentada Dalva Santos de Oliveira. Assim são os Congressos Conexão: mobilizando o Brasil para a obra missionária mundial.

neira de servir e louvar a Deus com outra visão. Agradeço a Deus e à JMM, que em reconhecimento ao esforço como promotor de missões, me possibilitou uma viagem internacional tão edificante. Hoje eu posso afirmar que por Cristo vou até os confins da Terra”, finaliza. A promoção PAM +1 continua. Entre no site www.jmm.org. br, clique no box da promoção e leia o regulamento. Depois é só arregaçar as mangas e começar o trabalho!


24

Jornal de Missões Julho/Agosto• 2010

Institucional

Jornal 34  

Jornal de Missões da JMN e JMM

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you