Issuu on Google+

Missões Mundiais lança Campanha 2010 Pág. 23

Brasil

Missões Nacionais se prepara para organizar nova comunidade terapêutica

Mundo

Batismos no Sudão

Mobilização Missionária

Vem aí os Acampamentos de Pág. 22 Promotores da JMM

Pág. 5 Pág. 14

Por que plantar igrejas multiplicadoras? Pág. 7

M issões Jornal de

Órgão Oficial das Juntas de Missões Mundiais e Nacionais da Convenção Batista Brasileira Ano VII | Nº 31| Janeiro • Fevereiro | 2010

D

Missões Mundiais tem novo Diretor Executivo

epois de quase três anos sendo dirigida interinamente pelo Pr. Sócrates Oliveira de Souza (executivo da Convenção Batista Brasileira), a Junta de Missões Mundiais tem um novo Diretor Executivo. Ele é o Pr. João Marcos Barreto Soares, de 44 anos, que foi eleito pelo Conselho Geral da CBB no dia 18 de novembro. Sua posse será na Assembléia da Convenção em Cuaibá/MT. Formado pela Faculdade Teológica Batista de São Paulo, é também mestre em Ciências da Religião. Foi ordenado ao ministério pastoral em 1988 e há 16 anos pastoreia a Igreja Batista de Perdizes, na capital paulista. Nos últimos anos tem visitado, como voluntário, alguns campos de Missões Mundiais, tendo contato e ajudado o trabalho missionário em alguns países. Nesta edição o Pr. João Marcos conta como recebeu o convite para dirigir a JMM e fala de suas experiências ministeriais, do envolvimento com a evangelização do mundo e de seus planos para a obra missionária dos batistas brasileiros. Pág. 10

Pr. João Marcos Barreto Soares fala aos funcionários da JMM em culto de apresentação em dezembro de 2009

Inaugurado primeiro templo evangélico em Gararu, SE

A

Templo de Gararu

pós 69 dias de intenso trabalho, contando com a ajuda de voluntários, as missionárias Rosa Costa dos Santos e Vanessa Cristina da Costa inauguraram, no final de dezembro, a 1ª Igreja Batista de Gararu, que também é o primeiro templo evangélico da cidade. As obras chamaram a atenção dos mo-

Maior batismo de ciganos No dia 6 de dezembro, os missionários que atuam entre os ciganos de Curitiba, PR, celebraram o batismo de cinco ciganos – o maior da denominação. Pág. 18

radores, que, dia após dia, observaram a dedicação dos que arregaçaram as mangas em apoio à obra missionária. A inauguração foi marcada por três dias de celebração. O pastor Gerson Perruci, gerente regional de Missões Nacionais em Minas Gerais, marcou presença, tendo sido convidado para

Trabalho Étnico Etapa cumprida

ser o orador oficial da série de conferências. As festividades de inauguração foram encerradas com o batismo de duas adolescentes. Para as obreiras, o templo de Gararu será uma referência para muitas vidas que conhecerão o evangelho de Cristo. Pág. 8

Radical África 4 Jovens missionários contam experiências no retorno ao Brasil Pág. 15


2

Jornal de Missões Janeiro/Fevereiro • 2010

Editorial Boas notícias

O

ano de 2009 foi de grande avanço missionário, tanto em nossa Pátria, com o trabalho de Missões Nacionais, quanto ao redor do mundo, nos mais de 60 países onde estão os obreiros da Junta de Missões Mundiais. E, nesta primeira edição do Jornal de Missões de 2010, trazemos um pouco das boas notícias do trabalho missionário realizado no Brasil e no mundo. Dentre as muitas aqui publicadas, destacamos a chegada do Pr. João Marcos Barreto Soares, que a partir de janeiro assume a Diretoria Executiva da Junta de Missões Mundiais. Depois de quase três anos sendo liderada (interinamente) pelo Pr. Sócrates Oliveira de Souza, o novo Diretor chega para dar continuidade à centenária história dos batistas da CBB no mundo. Veja uma entrevista exclusiva com o Pr. João Marcos na página 10. A ele damos boas-vindas! Outra boa notícia é que já começamos a Campanha de Missões Mundiais. O tema “Por Cristo, vou até os confins da Terra” propõe uma reflexão sobre o real motivo pelo qual devemos fazer missões: o próprio Jesus Cristo. Ele é a razão de todo os esforços e empreendimentos para a realização da obra missionária. Ele é a boa notícia que os povos esperam ouvir. Por Cristo, até onde você vai? Avanços significativos nos campos de Missões Mundiais também podem ser conferidos nas páginas 11 a 15. Não deixe de ler, também, sobre o Acampamento de Promotores de Missões Mundiais pelo Brasil (página 22) e os endereços dos “Conexão Missionária”, o congresso de Missões Mundiais em 2010. Com estas boas notícias começamos mais um ano. Muitos desafios se apresentam diante de nós. Mas estamos confiantes de que, com audácia e coragem, continuaremos a avançar, apesar destes tempos de crise. Que venha 2010!

Expediente O JORNAL DE MISSÕES é uma publicação bimestral das Juntas de Missões Mundiais e Nacionais da CBB. JornalistaS ResponsáveIS: Sérgio Dias 25.944/DRT-RJ (JMM) Marize Gomes Garcia 41.487/DRT-RJ (JMN) MISSÕES MUNDIAIS: Rua Senador Furtado, 71 Praça da Bandeira, Rio de Janeiro - CEP: 20270-021, RJ Tel.: (21) 2122-1900 - Fax: (21) 2122-1911 E-mails: jmm@jmm.org.br; redacao@jmm.org.br Portal: www.jmm.org.br DIRETOR EXECUTIVO (Interino): Pr. Sócrates Oliveira de Souza GERENTE DE COMUNICAÇÃO E MARKETING: Pr. Luiz Cláudio Marteletto REDATORES: Ailton de Faria Figueiredo, Márcia Pinheiro, Sérgio Dias PROJETO GRÁFICO: Joatan de Souza EDITORAÇÃO: Rosimar Costa MISSÕES NACIONAIS: Rua Gonzaga Bastos, 300 Vila Isabel CEP: 20541-000 - Rio de Janeiro, RJ Tel.: (21) 2107-1818 | Fax: (21) 2107-3851 E-mail: falecom@missoesnacionais.org.br Site: www.missoesnacionais.org.br DIRETOR EXECUTIVO: Pr. Fernando Brandão GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIA: Pr. Davidson Freitas REDAÇÃO: Tiago Monteiro REVISÃO: Adalberto Alves de Sousa COORDENAÇÃO DA PRODUÇÃO EDITORIAL: Gerson Daminelli Ribeiro DIAGRAMAÇÃO: Wellington Nunes • Oliverartelucas TIRAGEM: 170.000 exemplares

Palavra do Diretor A

Por Cristo vou até os confins da Terra

América Latina é a ênfase da Campanha de Missões Mundiais deste ano. Ao contrário do que muita gente pensa, essa região necessita desesperadamente do Evangelho de Cristo. A realidade mostra que a maioria dos latino-americanos vive longe de Deus. Além dos problemas sociais que os afligem – como a violência, a desigualdade social, o desemprego, a fome, a desintegração das famílias – em vários países as igrejas estão encolhendo. O grande crescimento tem sido das seitas, do esoterismo e da bruxaria, mostrando que o povo está com sede de Deus, mas não sabe onde encontrá-Lo. Com o tema “Por Cristo vou até os confins da Terra”, a Junta de Missões Mundiais deseja mostrar que há uma motivação que deve nos impulsionar a um envolvimento na obra de evangelização dos povos, uma razão que nos impele a ir até os confins da América Latina e da Terra. E essa motivação maior para a igreja fazer missões deve ser o próprio Senhor Jesus Cristo. Isto fica claro na divisa da Campanha: “Faço tudo isto por causa do evangelho, para também ser participante dele” (1Co 9.23). A obra missionária é responsabilidade da Igreja de Cristo, e cabe a ela avançar até que o último povo ouça as boas novas do amor de Deus. É por amor a Cristo que devemos empreender todos os esforços para que o Evangelho seja levado até os confins da Terra. Como batistas brasileiros, através de Missões Mundiais, não temos medido esforços para alcançar aqueles que ainda vivem sem conhecer

O

o caminho da vida eterna. E rendemos graças ao Senhor pelas vidas que estão se apresentando a cada dia para irem aos campos; aos que, com desprendimento, têm sustentado a obra com suas ofertas; e aos que intercedem por missões. Rogamos ao Senhor que continue despertando mais e mais irmãos para um envolvimento cada vez maior com Sua obra, para que a América Latina e o mundo sejam alcançados. Então, por Cristo vamos até os confins da Terra! Nesta oportunidade também quero me dirigir aos batistas brasileiros para apresentar-lhes o novo Diretor Executivo de Missões Mundiais. Tratase do Pr. João Marcos Barreto Soares, titular da Igreja Batista em Perdizes, São Paulo/SP. Ele foi escolhido na última reunião do Conselho Geral da CBB, em novembro, e tomará posse no dia 25 de janeiro, em Cuiabá/MT, durante a Assembleia da Convenção Batista Brasileira. Quero agradecer aos irmãos pelas orações em favor dessa sucessão e peço que sigam orando pela equipe da Sede, pelo Pr. João Marcos e pelos missionários das igrejas da Convenção Batista Brasileira que estão nos 61 países através da Junta de Missões Mundiais. Pr. Sócrates Oliveira de Souza

Diretor Executivo (interino) de Missões Mundiais

Gratidão e Desafios

ano de 2009 foi de muitas bênçãos em Missões Nacionais. Queremos expressar toda a nossa gratidão a Deus e aos irmãos e irmãs em todo o Brasil batista que participaram conosco de tantos desafios colocando suas vidas e recursos à disposição do reino de Deus. Foram oito TRANS, dezenas de missionários enviados aos campos, novas frentes missionárias iniciadas, novos projetos sociais, reformas no Lar Batista Davi Gomes e a construção do novo Lar Batista F. F. Soren. Agradecemos também e louvamos a Deus pela vida de todos os missionários e equipe de Missões Nacionais que tanto se dedicaram, trabalhando intensamente para que o evangelho chegasse ao maior número de pessoas. Gratidão também à diretoria da Convenção Batista Brasileira e ao Conselho Geral pelo apoio diante de todos os desafios. A evangelização da nossa pátria é um dos maiores desafios que nós, batistas brasileiros, temos. Evangelizar e discipular cada pessoa em solo brasileiro é, sem dúvida nenhuma, uma missão extremamente desafiadora e requer muita determinação e compromisso com o objetivo missionário do reino de Deus. O Senhor Jesus nos deu a missão e devemos cumpri-la. Sob nenhuma justificativa podemos deixar de abençoar cada família neste país com o evangelho da graça de Deus. Como se diz no jargão militar: “missão dada, missão cumprida”. É preciso aproveitar bem cada oportunidade nos nossos relacionamentos e, também, criar estra-

tegicamente oportunidades para demonstrar a grandeza e a bênção da mensagem do Evangelho do Senhor Jesus. Entretanto não podemos nos limitar a evangelizar sem dar continuidade ao processo de discipulado. Este ponto é fundamental na salvação de vidas, pois o processo de evangelização deve compreender obrigatoriamente o discipulado do novo convertido. Nosso desafio para 2010 é alcançar duzentas novas localidades estratégicas onde iniciaremos igrejas multiplicadoras que abençoarão futuramente outras cidades e bairros com a plantação de novas frentes missionárias. Seria um grande avanço na evangelização do país se cada igreja batista em 2010 iniciasse a plantação de uma nova igreja. O potencial evangelizador se multiplicaria exponencialmente e milhões seriam alcançados com a Palavra de Deus. Em Missões Nacionais estamos à disposição dos irmãos para os auxiliar naquilo que for necessário num projeto de plantação de igreja multiplicadora. Se sua igreja deseja iniciar uma nova frente missionária este ano entre em conato conosco pelo email missoes@missoesnacionais.org.br ou pelo telefone (21) 2107-1818 – Gerência de Missões. É tempo de avançar! Por Fernando Brandão Diretor Executivo de Missões Nacionais


Jornal de Missões Janeiro/Fevereiro • 2010

Natal, tempo de confraternização nos campos de norte a sul do país

3

Brasil

Natal nos Campos

F

Comunhão e presentes

oi com grande alegria e emoção que os missionários do campo gaúcho se reuniram para uma confraternização de fim de ano no início do mês de dezembro no Acampamento Batista Gaúcho, promovida pela Junta de Missões Nacionais, Convenção Batista do Rio Grande do Sul, Primeira Confraternização da família missionária gaúcha Igreja Batista em Santa Maria (pastor Roosevelt Goulart Gomes) e sua cutivo da CBRS respectivamente, prestaram congregação em Camobi. uma homenagem ao casal pastor Cláudio e “O momento era de profunda gratidão Marly de Souza, que deixam o campo gaúa Deus pelo mover que Ele está fazendo no cho, onde serviram como missionários da Rio Grande do Sul. Prova disso era a presen- JMN por 17 anos, para assumir o pastorado ça de mais de 50 missionários da JMN e da de uma igreja no Rio de Janeiro. CBRS”, compartilhou a missionária Dagmar Além do tempo de comunhão e lazer, Coelho, que atua na cidade de Pelotas. Nes- os missionários receberam da 1ª IB em ta ocasião, pastor Niander Winter e irmão Santa Maria e de sua Congregação cestas Egon Grimm Berg, presidente e diretor exe- de Natal e presentes para os filhos.

O

Natal xerente

irmão Cláudio Márcio e Rose Rodrigues, missionários voluntários que coordenam as obras do novo Lar Batista F. F. Soren, tiveram o privilégio de participar do Natal entre os xerentes, na aldeia Porteira, ao lado do pastor Guenther Carlos e Wanda Krieger. As comemorações foram iniciadas Crianças recebem presentes com um culto pela manhã, dirigido por um irmão xerente, com várias participações com suas paisagens e versículos na língua musicais e com o sermão proferido pelo pas- xerente. Para encerrar o dia, os xerentes letor Guenther Carlos. Após o culto, foram dis- vantaram uma oferta para contribuir com tribuídos presentes para cerca de 150 crianças. o financiamento da tradução da Palavra “Foi uma festa maravilhosa, quando as crianças de Deus para outras etnias que ainda não a indígenas mostraram em seus rostos sorriden- possuem. “Glorificamos a Deus pela vida dos tes a grande satisfação de receberem presentes missionários pastor Guenther e irmã Wanno Natal”, contou Cláudio Márcio. da e pedimos que o povo batista continue No culto noturno, os xerentes receberam orando e sustentando esta magnífica obra de também um calendário de 2010 produzido Deus”, finalizou irmão Cláudio Márcio.

P

O poder de Deus

ara não atrapalhar o Natal em família de seus internos, a Comunidade Terapêutica Reviver antecipou a comemoração em sua sede,

Pr. Josiel, que já foi dependente químico, dá seu testemunho

quando compareceram 80 pessoas entre familiares e amigos. Com palavra, testemunhos, louvores e um churrasco, muitos familiares se emocionaram e procuraram os missionários, pastor Fernando Arêde Júnior e Idinalva Arerê, louvando a Deus por tudo o que viam. “O curioso é que até familiares incrédulos reconheceram que algo sobrenatural estava acontecendo com seus filhos”, afirmou pastor Fernando. Os missionários agora estão envolvidos com as obras para adequar a nova sede do Reviver para que possam fazer a transferência dos internos e abrir mais vagas para atender a grande demanda existente.

C

Cantata

rianças do Lar Batista David Gomes, em Barreiras, BA, apresentaram uma cantata de Natal no Serviço de Atendimento ao Cidadão do Governo Estadual – órgão centralizador de vários serviços públicos, inclusive o de documentação pessoal do

T

cidadão, que é parceiro do Lar em diversas atividades. “Aproveitamos a ocasião para anunciar as Boas-Novas de salvação e tivemos um momento de confraternização”, compartilhou irmão Odilon Bernardes Ribeiro, diretor da instituição.

Igrejas levam alegria a crianças e adolescentes

odos os anos, uma caravana da Primeira Igreja Batista do Rio de Janeiro visita os lares batistas em Itacajá, TO e em Barreiras, BA, levando amor e também presentes para as crianças e adolescentes. São momentos inesquecíveis tanto para quem faz quanto Lar se alegra com visita dos irmãos da PIB do Rio para quem recebe a visita. tes: jogos de lençol para cama, toalhas Foi o primeiro Natal de V. (de 10 de banho e materiais de higiene pessoanos) no Lar Batista F. F. Soren e ela afir- al, já preparando o novo enxoval para mou: “Foi o melhor Natal que tive por- o novo Lar na grande Palmas. “Agraque ganhei muitos presentes e brinquei decemos a estas amadas igrejas pelo muito”. Mesmo para quem já participou carinho e cuidado com nossos pequede tantos outros, o momento continua ninos”, declarou a missionária Judite, sendo muito especial. “Este pra mim foi diretora da instituição. o melhor de todos. Revi amigos da caA impossibilidade de ir até o Lar não ravana, como o tio Narciso e tia Janete, inviabiliza a demonstração de amor às conheci o Iargo e tia Ester. Sem falar nos crianças e adolescentes. Assim, a Igreja ensinamentos sobre a vida de Jesus que Batista Betel em Pavuna durante a camnos foram repassados”, compartilhou panha de Missões Nacionais planejou, Dili (17 anos), lembrando que este deve além de alcançar o alvo missionário, ter sido seu último Natal no Lar, em vir- fazer uma arrecadação de brinquedos e tude de estar para completar a idade de roupas para as crianças do F. F. Soren. deixar a instituição. “Mas sempre leva- Os adolescentes se envolveram, prerei estas lembranças destes momentos parando um kit para cada criança do no Lar Batista e com a 1ª IB do Rio em Lar para serem enviados por ocasião meu coração”, finalizou. do Natal. Ao final, foram recolhidas 58 Além desta conhecida visitante, o F. toalhas de banho e kits personalizados. F. Soren recebeu também uma equipe “Foi uma linda iniciativa, e ver o sorriso da 1ª IB de Arapoema, TO formada por da equipe no momento da entrega dos adultos e crianças desejosos de conhe- presentes foi emocionante”, contou a gecer a instituição e levar presentes para rente executiva de ação social de Misas crianças. Foi um agradável tempo de sões Nacionais, Alice Carolina Barbosa compartilhar a fé, testemunhos de vida Cirino. A igreja já se prepara para nova e cânticos. campanha. Desta vez para aquisição de Durante as comemorações de seus material escolar. 50 anos, a 1ª IB de Sobradinho, DF moMuitos irmãos têm feito suas doabilizou seus membros para presentear ções também por meio do site de Miscrianças e missionários do Lar. Em um sões Nacionais, doando itens para mode seus cultos, falaram por telefone com biliar e equipar as novas casas do Lar as missionárias Judite Rocha e Gecilda Batista F. F. Soren na grande Palmas. de Oliveira Santos, que deram um breve Caso você deseje doar algum presente testemunho sobre o trabalho no Lar. para o novo Lar, visite a Loja Virtual do Na primeira quinzena de dezem- site, no link Lista de Presentes para o bro, sete irmãos entregaram os presen- Lar, e faça sua doação.


4

Jornal de Missões Janeiro/Fevereiro • 2010

Voluntários se unem para reformar o Lar Batista David Gomes, em Barreiras (BA)

Brasil Q

Reformando infâncias perdidas

uando uma boa estratégia encontra pessoas dispostas a mudar a realidade de crianças e adolescentes, uma grande rede de oportunidades se forma para que vidas em situação de vulnerabilidade social encontrem um ambiente saudável, propício ao desenvolvimento integral. A isso chamamos Programa Centro de Excelência em Ação Social. Por meio desse programa, voluntários são convocados a contribuir com projetos que trazem melhorias aos residentes dos lares de Missões Nacionais. Em 2009, muitas foram as ações desenvolvidas por essas parceiras. Nesse ano, profissionais da área da saúde dedicaram parte de seu tempo em avaliações médicas de crianças e adolescentes, seminaristas desenvolveram atividades pedagógicas como parte de programas de estágio, universitários contribuíram com arrecadação de recursos, entre outras ações que permitiram o cumprimento da missão desses centros de amparo à infância. O Lar batista David Gomes, que abriga crianças e adolescentes em Barreiras, BA, foi um dos beneficiados de 2009. A instituição, que apresentava uma grande necessidade de reforma em toda a sua estrutura, pôde, com a participação de uma equipe formada por universitários e profissionais, iniciar as obras.

“É algo bonito de se ver”

Na primeira etapa da reforma, que aconteceu em novembro, os voluntários retiraram entulhos das dependências do lar, reformaram o galpão de oficinas e reativaram a marcenaria, organizaram a biblioteca, confeccionaram armários, realizaram obras de paisagismo, reformaram a casa que servirá de modelo para as outras residências e fizeram outros pequenos reparos. Os recursos materiais vieram de igrejas e irmãos parceiros, sensibilizados com as informações recebidas nos congressos realizados por Missões Nacionais em todo o Brasil. Ainda assim, parte desse material foi adquirido com a renda gerada por meio do projeto Fábrica de Bonecas. A professora Inacilma Andrade, que liderou acadêmicos do curso de Administração da Universidade Federal da Bahia no mutirão de limpeza do lar e em projetos de gestão que beneficiaram a insti-

tuição – como a elaboração de um sistema para lançamento contábil, segundo o modelo do IBASE – comenta que a motivação dos alunos veio da necessidade de devolver à sociedade os investimentos na universidade pública. Nesse sentido, nada Voluntários colocam a mão na massa melhor do que

Lateral da casa reformada

investir no futuro da sociedade. “É algo muito bonito de se ver.  Na finalização da primeira fase do projeto, os acadêmicos afirmavam que nunca haviam experimentado uma sensação tão boa e que eles não ajudaram em nada, mas receberam uma ajuda relevante no tocante ao crescimento pessoal e profissional. Eles acreditam que o apoio ao Lar Batista permite o desenvolvimento de uma consciência social e, consequentemente, evidencia as questões de ética e de responsabilidade social”, apontou Inacilma.

“Hoje posso fazer muito mais”

O empresário Peter Dresen, da Primeira Igreja Batista da Barra da Tijuca – RJ, abdicou de seus compromissos profissio-

nais e familiares para participar da reativação da marcenaria do Lar, além de confeccionar portas de armários de todas as casas. Peter, que também é músico, não pôde deixar o lado artístico e garimpou talentos entre as crianças, levando-as a gravar uma canção de Natal, de sua autoria. “Muitas crianças têm vozes afinadíssimas. Houve uma que me impressionou bastante por conta de sua bela voz e postura”, afirmou. Desde o ano passado, Peter vem apoiando as crianças do Lar Batista David Gomes. Inicialmente, começou a divulgar as necessidades da instituição por meio de sua banda, a Litch, que distribuiu, em sorteio em rádios e igrejas, bonecas confeccionadas pelos internos. Agora, após conhecer de perto a instituição, conta que poderá ajudar ainda mais. “As pessoas sempre me perguntavam coisas sobre o lar, mas, por nunca haver visitado, não sabia responder. Hoje posso fazer muito mais”, comentou. No caso do pedreiro Cleyton Machado, que conheceu a necessidade do David Gomes por meio de uma visita de Dani Paes, gerente de relacionamentos do Dentista Cidadão, à IB Central de São João de Meriti, RJ, participar das obras de reforma foi mais que realizar uma ação solidária, pois teve também motivações

espirituais. “Eu e minha esposa já temos um chamado missionário. Depois que conversamos com a Alice para um melhor entendimento das prioridades do lar, em um mês, aproximadamente, partimos para Barreiras”, contou.

“São emoções que só quem está perto pode sentir”

Sua esposa, Michele, também fazia sua parte enquanto colocava a mão na massa. Cabeleireira, ela cuidava da estética de crianças, adolescentes, funcionários e missionários. Apesar dos seis meses de relacionamento conjugal, o casal mostrava afinidade na obra missionária. “Nosso casamento é missões! Não queríamos nos prender a trabalhos seculares, pois tínhamos a certeza que Deus tinha algo muito maior para nós! e este trabalho no Lar Batista David Gomes é de extrema importância para Deus”. Para o casal, foram vinte dias de dedicação ao Lar. Mas as obras continuam e, por isso, Cleyton e Michele se preparam para retornar a Barreiras em janeiro de 2010 para um período de seis meses, seguindo um cronograma que define a reforma de todas as casas e o bloco administrativo, entre outros detalhes. Os voluntários, que já participaram de outros trabalhos sociais, definem a peculiaridade dessa missão: “Este em especial tem apelo emocional muito forte pelo fato da carência afetiva. Crianças com um desejo de abraçar e serem abraçadas, de se sentirem importantes... Tudo o que estava sendo feito de melhoria era pra elas, crianças que choraram ao verem a casa pronta. Outras que queriam mudar para a casa reformada... a alegria de ver o seu quarto pintado, ou seu cabelo modificado, tratado, no caso das meninas. São emoções que só quem está perto pode sentir”. Você também pode ajudar crianças e adolescentes a crescerem de forma digna. Participe do programa Construtores do Futuro e faça parte de nossa rede de parceiros. Para mais informações, acesse www.missoesnacionais.org.br .


Jornal de Missões Janeiro/Fevereiro • 2010

Programa será lançado para redução da taxa de analfabetismo no Ceará

C

omo uma das bases do trabalho de Missões Nacionais é ministrar compaixão e graça à sociedade, a ampliação da rede de comunidades terapêuticas segue em pleno vapor. Depois de inaugurar a Comunidade Élcia Barreto Soares, em Campos dos Goytacazes, RJ, no fim de novembro, tendo recebido a primeira residente logo nos primeiros dias de funcionamento, a agência missionária se prepara para mais uma inauguração: a da Comunidade Terapêutica Águas de Meribá, em Senador Canedo, GO. Na verdade a instituição será reinaugurada, agora sob a direção de Missões Nacionais. Fundada na década de 90 pelo casal missionário americano – pastor Robert e Farolyn Hensley, falecida em 2005, depois de enfrentar o problema da dependência química de sua filha, a instituição estava desativada desde o último trimestre de 2008. Em visita ao Brasil com sua atual esposa, Vlandete do Rosário Silva, pastor Robert afirmou: “Nos sentimos extremamente felizes com a notícia de que a Junta de Missões Nacionais vai assumir o ministério de Águas de Meribá. Cremos que isso vem de Deus!”. A alegria está presente na liderança da convenção estadual e também nos antigos colaboradores de Águas de Meribá. Irmã Glateny Nóbrega foi voluntária na área jurídica e também na social da instituição e compartilhou que foi um tempo de lutas, mas sem dúvida de muitas vitórias. “Era gratificante ver o mover de Deus naquelas vidas e o renas-

5

Brasil

Compaixão e graça portamento, quando a pessoa bebe mais do que planejava ou tem necessidade de beber no dia seguinte; e o prejuízo, ou seja, quando o fato de usar o álcool passa a prejudicar a vida profissional, familiar ou social da pessoa. O papel da família é muito importante, e esta deve evitar a crítica e juízo moral, lembrando que o alcoolismo é uma doença, e como tal precisa de tratamento. Além dos problemas relativos ao álcool, a missionária Jaine Feliciano, psicóloga que atua na CT Reviver, em Muriaé, MG, há também os tranquilizantes e os inibidores de apetite, que entraram de forma devastadora na vida da mulher moderna. “A ONU estima que 1,6 milhão de brasileiras façam uso indiscriminado de remédios para emagrecer que, além da dependência, podem levar à morte. Elas vão em busca de uma receita milagrosa para pôr fim à ansiedade, à depressão e à obesidade”. Tudo isso sem falarmos das drogas ilegais que tanto têm destruído nossa sociedade. “O ministério com dependentes do sexo feminino é um grande Vista externa e um dos ambientes de Águas de Meribá desafio, tendo em vista toda a complexidade de questões relacionadas vezes a motivação para o primeiro contato à mulher, envolvendo sua fisiologia, seus papéis sociais (mãe, esposa e filha) e sua com o álcool ou as drogas em geral. Chefe do setor de psiquiatria da Santa psicologia”, alertou a missionária. É necessário que estejamos preparaCasa da Misericórdia do Rio de Janeiro, Dra. Analice Gigliotti alerta as famílias sobre dois dos para ministrar compaixão e graça pontos. O primeiro quanto a indícios do al- para restauração de vidas pelo poder e coolismo, como a perda do controle do com- amor de Jesus.

da sociedade. Afirmações como “Comecei a beber em festinha do colégio, como todo mundo. Eu comecei a beber também para ser aceita, para me sentir normal” ou “Eu me sentia alegre para conversar, para dançar. Tudo ficava mais leve. O álcool se tronou um Família Barreto Soares homenageada na inauguração de CT em Campos aliado” são muitas cer delas em Cristo e para Ele. Ah, irmã, isto verdadeiramente não tem preço!”, exclamou. Quanto à reabertura e direção da JMN, irmã Glateny está certa de que se trata de resposta às orações de vários irmãos que ali trabalharam por amor a Cristo e ao próximo. “Face à demanda crescente de dependentes químicos, essa reabertura será um marco divisor na vida de muitas possíveis residentes de Meribá, como foi para tantas no passado”. Quanto a esta demanda, recentes dados do Instituto Nacional de Políticas Públicas do Álcool mostram que, nos últimos dez anos, aumentou em 50% a quantidade de mulheres no grupo chamado “bebedores de risco”, e que cerca de cinco milhões de brasileiras são alcoólatras. O problema não está restrito a uma faixa etária nem a uma classe social, atingindo diferentes camadas

Alfabetização no Cariri Xerentes são batizados

U

m novo programa na área de ação social de Missões Nacionais será lançado região do Cariri, CE. Trata-se do Mutirão pela Alfabetização que será realizado em parceria entre JMN, Fundo Cristão para Crianças, Alfalit e Sociedade Bíblica do Brasil. Ao Fundo Cristão compete disponibilizar as instalações e infraestrutura, nas comunidades onde já atua (transformação de comunidades). A Sociedade Bíblica fica responsável pela impressão do material didático, enquanto a Alfalit responde pela metodologia (cartilhas que permitem a alfabetização, em geral, em 6 meses. Missões Nacionais responde pelos instrutores voluntários e coordenação do projeto, que no caso desta região ficará a cargo do pastor Francisco Washington Oliveira, missionário coordenador regional de missões no sul do Ceará. Pastor Washington destaca que o analfabetismo no Nordeste, especialmente nas cidades do sertão, é muito acentuado e res-

ponsável em manter o povo na ignorância, no obscurantismo  e refém das indústrias como da seca, da idolatria, do voto de cabresto etc. “Este programa será de grande benefício para aqueles que serão alcançados”. Recente pesquisa feita pela Universidade Regional do Cariri – URCA revela que naquela região há mais de 200 mil analfabetos. Um dado que aponta nessa direção é o elevado índice de assinatura com o polegar principalmente nas repartições públicas. Segundo dados do MEC/Programa Brasil Alfabetizado, o município de Barbalha é o segundo com menor taxa de analfabetismo, com 26,17% da população, perdendo para o Crato, que apresenta uma taxa de 23%. Campos Sales, Jucás e Missão Velha têm taxa de 38%, seguidos por Lavras do Mangabeiras, com 37%, Orós com 36% e Milagres com 34%. O programa tem como meta a redução da taxa de analfabetismo na região do Cariri, junto à população assistida pelo Fundo Cristão para Crianças, em 16% em 12 meses.

N

o último dia 16 de novembro, pastor Cláudio Luiz Barroso Viana, juntamente com o pastor Guenther Carlos Krieger e o irmão Silvino, dirigente da Congregação Batista Xerente, realizou o batismo de 14 novos crentes xerentes que conheceram a Cristo através do trabalho missionário em Tocantínia, TO. A celebração contou com a mensagem proferida pelo pastor Guenther, orações e muitos hinos e cânticos na língua xerente e também em

Fruto do trabalho batista entre os xerentes

português. O coordenador das obras do Lar Batista F. F. Soren, Cláudio Márcio Rodrigues de Jesus, presente ao evento, comparou: “O povo xerente conta hoje com cerca de 3.000 indígenas, e o batismo de 14 significa 0,5 % da população; se este batismo fosse em uma cidade de 500.000 habitantes, o batismo seria de 2.500 pessoas. Portanto, vamos glorificar a Deus por esta grande festa!”. Além dos batismos, os missionários entre os xerentes têm outros motivos para comemorar. Há alguns meses os índios convertidos decidiram formar uma tesouraria com o objetivo de somar verbas para custear cultos evangelísticos nas aldeias, além de outras necessidades. O transporte usado para levar os índios ao local do batismo e a refeição servida após o cerimonial já foi custeado pela igreja xerente que se forma e mostra sinais de um crescimento saudável.


6

Jornal de Missões Janeiro/Fevereiro • 2010

Paulistas aceleram as obras no novo Lar F F Soren em Palmas

Brasil

A

p ó s 1 7 m e s e s d e t r ab a l h o n a f re n te m i s s i o n á r i a e m C ap ã o d a C a n o a , n o R i o G r a n d e d o S u l , p a s to r N i v a l d o Tav a re s Jú n i o r s e a l e g r a c o m o b at i s m o d e o i to n o v o s irmãos e com um novo grupo já

Expansão no Sul s e p re p a r a n d o p a r a u m p róx i m o b at i s m o. Atu a l m e n te s ã o 1 3 m e m b ro s e u m a f re q u ê n c i a e m to r n o d e 3 5 p e s s o a s n o s c u l to s d a f re n te m i s s i o n á r i a . “Ag r a d e c e m o s a o S e n h o r p o r te r n o s t r a z i d o p a r a

o R i o G r a n d e d o S u l e n o s te r fe i to p a r t i c i p a n te s d e t ã o g l o r i o s o m o m e n to q u e o s e u e v a n g e l h o v i v e n e s t a te r r a”, a f i r m o u p a s to r N i v a l d o. Missionário com os batizandos

Um grande presente

Igreja de São Paulo vai a Palmas

A

costumada a realizar viagens missionárias com o objetivo de construir templos e casas tanto no Brasil quanto no exterior, a equipe de missionários construtores da Primeira Igreja Batista no Itaim Paulista, liderada pelo pastor Arídio Barreto, participou das obras de construção do novo Lar Batista F. F. Soren. “Deus nos deu um grande presente: cooperar com a construção do Lar F. F. Soren”, afirmou líder da equipe. A primeira viagem do grupo de missionários construtores aconteceu em 1995, quando construíram o templo de uma igreja no Paraguai, e não pararam mais. Depois de ouvir os gerentes regionais de Missões Nacionais em São Paulo – pastor Exequias e Maria Helena Santos – falarem sobre o Lar, assim como o missionário voluntário Cláudio Márcio quando esteve na igreja, ler as notícias nos jornais e revistas da denominação e culminando com um convite do diretor executivo da JMN, pastor Fernando Brandão, o grupo abraçou o desafio. “Embora sabendo das dificuldades em encontrar profissionais habilitados no fim do ano e da falta de recursos, aceitamos o desafio, e em apenas 10 dias estava tudo em ordem”, contou pastor Arídio. Assim, depois de 30 horas de viagem, no ônibus de propriedade da 1ª IB no Itaim, a caravana composta por 29 irmãos, com integrantes também da Igreja Batista Maricá, em Pindamonhangaba, Igreja Batista de Guarulhos e de Cerqueira César, os missionários construtores chegaram a Palmas, recebidos pelo casal Cláudio Márcio e Rose Rodrigues. Pedreiros, carpinteiros, eletricistas, encanadores, pintores, ajudantes, cozinheiras e dois pastores trabalharam com alegria no Senhor, “muitos cantando hinos ao nosso Deus”, durante 16 dias, incluindo dois domingos.

Construtores preparados para a viagem...

Ao final, irmão Cláudio Márcio destacou o trabalho da equipe: “Foi um volume de trabalho esplêndido com os seguintes serviços executados – cerca de 1.200 m2 de reboco, 100 m2 colocação de cerâmica, 300m de rede hidráulica e colocação de duas caixas d’água de 2.000 litros, instalação de rede elétrica em três casas, preparação de 38 portais, coloca-

....e deixando Palmas após 16 dias de trabalho

ção de fechaduras em 49 portas, com assentamento de 11 na primeira casa, pintura básica da segunda casa e vários outros serviços diversos”. Outro ponto destacado pelo pastor Arídio foi o entrosamento entre os missionários construtores, agora denominados missionários construtores do futuro, e os profissionais contratados. “Como nos

dava alegria ver todos trabalhando juntos, vendo o progresso da obra a cada dia. Sem dúvida a mão de Deus nos livrava das dificuldades”. Segundo o pastor, foi um verdadeiro canteiro de obras sob o comando de um homem escolhido por Deus, com capacidade comprovada, firmeza, fé e alegria. “Cláudio Márcio e Rose formam um casal que nos inspirou em todos os momentos. Chegavam bem cedo, com o pão do café da manhã e só retornavam à noite, já tarde. Aprendemos a amar este casal”. Edmundo Silva de Aragão afirmou: “Fiquei impressionado pelo volume da obra, pelo desafio e pela oportunidade de servir a Deus. Sinto que Deus me quer lá com a minha família”. Irmão Nilson Rocha, com seus 75 anos, pensou que não iria fazer muita coisa, “mas o que fiz com o apoio dos irmãos foi uma bênção”, declarou, animado. Maria José Ramos, responsável pela cozinha, diz ter se sentido uma verdadeira missionária, e irmão José Morais contou que quase não ia à viagem, em função de dores nas pernas. “Entretanto, trabalhei muito como carpinteiro, fiquei feliz e sem dor alguma lá no Lar Batista”. O sentimento comum a todos era que Deus os abençoava grandemente. O grupo, que viajou uniformizado com as camisas amarelinhas da campanha da JMN, enquanto não colocava “a mão na massa”, aproveitou para evangelizar as pessoas nas paradas durante a viagem. Os amarelinhos eram alvo da curiosidade de muitos, “que além de lerem POR TI, DAREI MINHA VIDA, faziam perguntas e muitos testemunhos foram dados, sendo uma ótima oportunidade para falar de Jesus”. Cláudio Márcio registrou sua gratidão ao grupo pela grande ajuda prestada e pelo exemplo que deixou para todas as igrejas e, “sobretudo, gratidão a Deus por termos tido o privilégio de vivenciarmos juntos tão gratificante experiência”.


Jornal de Missões Janeiro/Fevereiro • 2010

“Precisamos fazer ajustes para sermos eficazes missiologicamente e priorizar a evangelização do povo brasileiro”

7

Brasil

O Evangelho espalhado através de Igreja Multiplicadora Pr. David Allen Bledsoe, *Missionário da International Mission Board da Convenção Batista do Sul nos EUA, mestre em divindade, doutor em missões do Seminário Teológico Batista de Mid-America nos EUA, completando um pós doutorado em missologia na Universidade da África do Sul

N

os últimos anos, o Senhor tem me desafiado a orar e agir com o alvo de multiplicar discípulos e igrejas. Já tenho visto conquistas no meio de algumas comunidades batistas, como aumento no número de batismos, evangelização mais contextualizada e igrejas com múltiplas congregações. Destaco o trabalho de Missões Nacionais, que se empenha em melhorar estratégias para alcançar mais pessoas e municípios. O desafio é multiplicar igrejas nas cidades “não alcançadas” e onde a presença evangélica e batista é humilde; espalhar mais crentes e ter comunidades vivas. É necessário uma avaliação de nossos valores, esforços e métodos. Ainda falta muito para conseguirmos conquistar o Brasil para Cristo. Então, qual é a definição de Igreja Multiplicadora? Podemos deduzir das Escrituras que é digno sonhar com a multiplicação de discípulos e igrejas? O que é necessário para que vejamos isso em nosso tempo e para nosso contexto? Espero que este artigo motive o leitor e os líderes batistas e proveja assuntos para discussões missiológicas no futuro.

O que realmente é Igreja Multiplicadora? O conceito de multiplicação não é linear, mas exponencial. Quanto mais pessoas entram no reino de Deus, abraçam o evangelho e pertencem a comunidades cristocêntricas, mais glória é dada pelos seres humanos ao Senhor. O objetivo principal de missões (evangelismo) é a glória de Deus e esta espalhada por meio das pessoas que se centralizam em Cristo (veja Salmo 67.2-4, 1Pe 2.9; 1Co 6.20; Mt 5.16; Mt 6.9,10). Então, o alvo de IM é multiplicar seguidores de Cristo e igrejas cristãs. Quanto mais multiplicarmos, mais adoradores do Senhor e cooperadores no evangelho teremos; em mais municípios, bairros e povoados haverá igrejas que representem, expressem e promovam o reino de Deus naquela área.

É bíblico que tenhamos o objetivo de multiplicação? O Senhor Jesus, a igreja primitiva e o apóstolo Paulo esperavam a multiplicação de discípulos e igrejas. A Grande Comissão incluiu a multiplicação. Quando Jesus apareceu aos discípulos, antes de subir ao céu, deu a seguinte ordem, “Vão e façam discípulos, de todas as nações” (Mt 28.19a). “Fazer discípulos” tem sentido de plural. Os presentes entenderam isto. A missão de “fazer discípulos” também deveria envolver “todas as nações.” Então, a ordem principal de Jesus aos apóstolos e à igreja de hoje é fazer seguidores múltiplos, no meio de povos múltiplos, em locais múltiplos que se manifestem em comunidades múltiplas. O livro de Atos mostra como os apóstolos e a igreja primitiva realizaram a Grande Comissão no meio dos Judeus, depois entre os Samaritanos, e entre os Gentios. Lucas escreveu que “a palavra de Deus se espalhava. Crescia rapidamente o número de discípulos em Jerusalém: também um grande número de sacerdotes obedecia à fé” (Atos 6.7). A igreja não permaneceu em apenas um local na cidade de Jerusalém. Ela se espalhou no meio do povo em grupos múltiplos na mesma cidade. Também Lucas notou que: “A igreja passava por um período de paz em toda a Judéia, Galiléia e Samaria... e crescia em número” (Atos 9.31). Note que a igreja de Jerusalém não ficou na sua cidade. Ela se multiplicou em outras cidades e diversas regiões. Vemos a multiplicação acontecendo pela bênção do Espírito no livro de Atos. O ministério de Paulo mostrou o desejo e a intenção de multiplicação. É mais uma comprovação bíblica de como devemos agir. Qualquer movimento depende de líderes para continuar a avançar. Sem multiplicar líderes, é impossível continuar a comunicação e a unidade do Espírito. É uma luta e, se não for intencional, uma denominação não continuará a espalhar a Palavra de Deus. O apóstolo Paulo entendeu isso e lhe deu atenção. Ele

instruiu o jovem Timóteo: “E as palavras que me ouviu dizer na presença de muitas testemunhas, confie-as a homens fiéis que sejam também capazes de ensinar outros” (2Tm 2.2). A chave para multiplicar discípulos em outras comunidades cristãs inclui a mobilização de líderes que ensinem outros. A orientação de Paulo envolveu quatro gerações de crentes simultaneamente: Paulo mesmo, dele a Timóteo, de Timóteo aos homens féis e capazes, e desses aos outros.

O que precisamos fazer para facilitar a multiplicação? Precisamos fazer ajustes para sermos eficazes missiologicamente e priorizar a evangelização do povo brasileiro. Temos que reconhecer que a conversão de uma pessoa, crescimento de uma igreja local e a evangelização de uma população necessitam da obra do Espírito em nossas vidas, comunidades eclesiásticas, denominação e em nosso estado. Mas mesmo que dependamos do Espírito, podemos nos disponibilizar e nos reposicionar para sermos usados por Ele em evangelização eficaz. Eis algumas áreas para ajustar e/ou enfatizar no âmbito da igreja local, da associação e de nossa denominação batista. Talvez algumas pareçam radicais, mas a missão de Deus deve determinar nossa maneira de agir. Orar pela multiplicação de novos crentes batizados e de novas igrejas. A oração é essencial, mas falhamos nessa parte fundamental em relação à evangelização de nossas cidades. É essencial um esforço de oração pelas nossas cidades, por nosso estado e também para vermos o mover de Deus para nos preparar para o que Ele deseja fazer. Ter a maioria dos nossos esforços evangelísticos baseada em relacionamentos e não em projetos. Hoje em dia, a maioria das pessoas se converte e é batizada por terem pelo menos um relacionamento significativo com um crente. Ainda que eventos especiais possam complementar uma

1.

2.

estratégia de evangelismo, a igreja limita a sua influência dentro das quatro paredes e no púlpito, se os irmãos não influenciam pelo evangelho seus familiares, colegas, vizinhos e amigos. Em muitas de nossas igrejas organizadas, é necessário reeducar a membresia em como evangelizar no seu contexto no dia-a-dia, baseado em relacionamentos. É algo ao seu alcance, natural e deve ser prioritário. Para multiplicar discípulos de Cristo e igrejas, temos que delegar mais e mais o evangelismo pessoal aos irmãos. Nem todos são evangelistas, mas todos devem ser testemunhas. Alterar nossas estruturas eclesiásticas para facilitar a multiplicação de outras igrejas. A Bíblia nos dá orientação sobre quem devem ser pastores (bispos), anciãos, diáconos etc., mas ela não manda como a igreja deve se estruturar. Parece que o Senhor nos dá flexibilidade nisto. Devemos  avaliar se a maneira de nos organizar está facilitando ou inibindo o crescimento das igrejas locais. Devemos reconhecer o papel e a função de evangelistas que lideram uma igreja pequena ou começam uma nova congregação. Penso que é uma sugestão excelente. Motivar que as igrejas locais se multipliquem. A chave está nas igrejas locais que podem se espalhar ao outro lado da sua cidade ou no município próximo a ela. A Missões Nacionais caberia enviar missionários para onde não existissem igrejas batistas próximas que pudessem sustentá-los. A missão de Deus nos exige sonhar, esperar, motivar e ajudar as igrejas locais que temos, para que estas preencham os espaços próximos a elas. É errado esperar que uma convenção ou a JMN plante todas as igrejas onde seja necessário. A missão de Deus é a base para a existência das igrejas e das denominações que as apoiam. O Senhor Jesus nos enviou para multiplicar os seguidores dele. A igreja ou denominação que não está ligada à missão de Deus é uma contradição e está declarando a sua exterminação. Que a vontade de nosso Pai seja feita na terra, como no céu.

3.

4.


8

Jornal de Missões Janeiro/Fevereiro • 2010

Missionárias se alegram com inauguração de templo e batismos em Gararu

Brasil

Trabalhadores para a Seara

É

inegável que nos últimos anos avançamos contra as trevas que tanto assolam nossa pátria como nunca aconteceu antes. Isso só ocorreu porque a brilhante Luz de Cristo alcançou as mais diversas cidades deste Brasil por meio de bravos homens e mulheres, que têm entregado seus talentos e dons, suas vidas por completo nas mãos do Deus de Missões ao dizerem sim a sua chamada missionária. Podemos ver esse avanço no quadro abaixo.

Para honra e glória de Deus e por amor aos brasileiros, Missões Nacionais

nomeou 341 missionários somente nos últimos dois anos. Estamos alegres por perceber o mover de Deus no meio de nossas igrejas. Entretanto “a seara é realmente grande” e estamos rogando ao Senhor da seara que mais vocacionados se apresentem para conquistarmos a nossa Pátria para Cristo! Em 2010 temos o desafio de avançar plantando 200 novas frentes missionárias em polos estratégicos espalhados por todas as regiões do Brasil para atuar em grandes centros urbanos, cidades do interior, etnias e excluídos. Além destes, é nosso desejo avançar muito mais em trabalhos sociais como os Lares, Comunidades Terapêuticas e outros. Porém, para tal avanço acontecer, Precisa-se de Missionários!!! É fato que estamos preocupados em recrutar e selecionar aqueles que possuem as qualificações e competências necessárias para evangelizar e discipular o não-crente. Mas também sabemos

Selio Morais

Por Pr. Humberto Gomes de Souza, Gerência Executiva de Expansão Missionária

Última turma comissionada em 2009

que o mais importante na maioria dos casos é o potencial que cada vocacionado traz consigo aliado à vontade de trabalhar e aprender. Você que está sentindo em seu coração a chamada do Senhor para esta grande obra, apresente-se agora à Junta de Missões Nacionais. Não permita que o mundo e suas paixões esfriem a compaixão pelos perdidos sem Cristo que arde e percorre todo o seu corpo.

Acesse nosso site: www.missoesnacionais.org.br, informe-se no link “QUERO SER MISSIONÁRIO” e envie-nos um e-mail para candidato@missoesnacionais.org.br solicitando a abertura de seu processo de seleção. Deus tem grandes obras para realizar por intermédio de sua vida. Você é chamado(a) “... para que anuncieis as grandezas daquele que vos chamou das trevas para sua maravilhosa luz.” (1Pe 2.9)

Missão é organizada em Inauguração em Gararu Cidade tem seu primeiro templo evangélico igreja no Espírito Santo

A

conteceu no dia 2 de janeiro o culto de celebração pela organização da Igreja Batista Missão no Romão, em Vila Velha, ES. Fruto da visão missionária da Primeira Igreja Batista de Vitória, o trabalho está sob a liderança do missionário pastor Celso Godoy desde 2007, e nos últimos dois anos cresceu, chegando a 2010 com 99 membros e 140 congregados. A cerimônia contou com a participação do pastor Oliveira de Araújo e membros da diretoria da 1ª IB de Vitória, além do executivo da Convenção Batista do Espírito Santo, pastor Erodiel Mendes Bastos. A igreja recém-organizada funciona como base de Missões Nacionais para o trabalho com marginalizados no ES, e com menos de uma semana de organização prepara-se para plantar uma nova frente no Jaburuna – favela de Vila Velha – por meio do projeto Transradical Urbano e seus 20 voluntários. Um dia após a organização da igreja, aconteceu o Culto de Comissionamento desse projeto, que contou com a presença dos pastores Samuel Moutta, gerente executivo

de Expansão Missionária da JMN, Joel Félix, da IB da Glória, e da missionária Fabíola Molulo Tavares, gerente regional do ES, além dos voluntários e membros da igreja. Empolgado com o momento, o coordenador do projeto, pastor Celso Godoy, exclamou: “O projeto está a mil por hora! Foi uma festa muito bonita, que marcou a vida dos voluntários que foram comissionados, bem como de toda a igreja”. Os participantes passarão por 15 dias de treinamento teórico, recebendo instruções sobre estratégias de evangelização e plantação de igrejas em áreas de risco, dominadas pelo tráfico de drogas. Entre os voluntários, há um pastor, dois candidatos a missionários de Missões Nacionais e, pelo menos, dois seminaristas, além de jovens com experiência em Trans em várias regiões do Brasil. A partir do dia 18, sairão a campo e contarão com o apoio do grupo evangelístico Kings Company e irmãos da Igreja Batista da Glória, que ficará com a responsabilidade de assumir a congregação plantada no Jaburuna.

N

o fim de semana de 18 a 20 de dezembro, foi inaugurado o primeiro templo evangélico da cidade de Gararu,SE, onde atuam as missionárias Rosa Costa dos Santos e Vanessa Cristina da Costa. Foram 69 dias de intenso trabalho, período em que as missionárias contaram com o apoio de mais de 70 voluntários organizados em mutirões. A realização das obras e a participação dos voluntários chamaram a atenção da população, que presenciou a demonstração prática do amor de Cristo. Uma série de conferências, cujo pregador foi o pastor Gerson Perruci, gerente regional de Missões Nacionais em Minas Gerais, marcou a inauguração do templo, tendo a presença de várias igrejas de Sergipe, amigos, vizinhos e o prefeito da cidade, João Francisco. O fim de semana especial foi encerrado com o batismo de duas adolescentes, após um ano de sua conversão. Uma delas enfrentava resistência por parte da mãe para seu batismo. Ao completar 15 anos, pediu como presente a autorização para se batizar. “Depois de dois meses de oração, Deus moveu o coração de sua mãe, que

Batismos encerram as comemorações da inauguração

autorizou o batismo”, compartilhou feliz a missionária. As missionárias registram a gratidão a todos os irmãos e igrejas que contribuíram financeiramente para essa etapa da construção, aos irmãos das igrejas locais e à União Masculina do Estado de Sergipe que foram instrumentos de Deus, orando e dando um pouco do seu tempo para que a obra de Deus avançasse na cidade de Gararu: “Cremos que, por intermédio desse templo erguido em Gararu, muitas e muitas vidas conhecerão e adorarão ao nosso Deus, criador dos céus e da terra e de tudo que neles há”.


Jornal de Missþes Janeiro/Fevereiro • 2010

9

Institucional


10

Jornal de Missões Janeiro/Fevereiro • 2010

Parte importante do ministério do Pr. João Marcos é o de envolver pessoas com a obra missionária

Mundo

Missões Mundiais tem novo Diretor Executivo O Pr. João Marcos Barreto Soares, da Igreja Batista em Perdizes, São Paulo/SP, foi eleito como Diretor Executivo da Junta de Missões Mundiais. A escolha aconteceu no dia 18 de novembro passado, na reunião do Conselho Geral da Convenção Batista Brasileira; ele tomará posse na Assembleia da CBB em Cuiabá/MT. Nesta entrevista ele fala de suas expectativas e do futuro da obra de Missões Mundiais. Entrevista concedida a Ailton de Faria Figueiredo JM: Sabemos que missões faz parte do caráter cristão. Mas, além disso, o senhor tem um chamado especial para a obra missionária? Pr. João Marcos: Segundo alguns que convivem comigo, parte importante do meu ministério é o de envolver pessoas com missões e cuidar dos que lideram trabalhos. A paixão por missões começou na infância, resultado do ensino de meus pais. Em algumas oportunidades, ao longo de 21 anos de ministério, eu e minha esposa pensamos em nos dedicar ao trabalho missionário. Inclusive tivemos um convite do Pr. Élton Rangel para que o ajudássemos na Espanha, no seu retorno àquele país. Entretanto, a direção de Deus foi sempre para que permanecêssemos no trabalho de motivar as pessoas a servirem na obra missionária e a cuidar dos que estão nos campos. Pudemos fazer isto de forma mais eficiente na Igreja Batista em Perdizes.

JM: Como aconteceu a sua indicação para Diretor Executivo da Junta de Missões Mundiais? Pr. João Marcos: Só conheço o lado de cá do processo. O que sei é que o Pr. Sócrates Oliveira de Souza me consultou durante a Assembleia da CBB em São Luís, JM: O irmão já reali“Nosso grande em janeiro de 2008, zou viagens missionárias. Como começou se eu poderia pensar desafio são os esse envolvimento com em meu nome para povos da Ásia e do os campos, quantas a direção da JMM. Norte e Noroeste viagens foram realizaFiquei muito feliz das e para onde? com a lembrança e da África, onde Pr. João Marcos: O Pr. me propus a aceitar o estão as pessoas Waldemiro Tymchak, desafio. Depois soumais resistentes ao nosso saudoso ex-Direbe que fora indicado tor Executivo de Missões em uma lista tríplice, Evangelho.” Mundiais, me convidou e continuei a fazer o no início desta década que tinha recebido para desenvolver um como missão até ali. Por ocasião da reunião do Conselho da pastoreio de missionários. Por questões CBB, em novembro de 2009, fui chama- de dificuldade em implantar esta visão, do para uma reunião com a diretoria, este projeto só se tornou realidade nos em que fui entrevistado. Ao fim da en- últimos três anos. Foi previsto que a Igretrevista me perguntaram quanto tem- ja Batista em Perdizes me enviaria, anualpo precisaria para decidir, caso fosse mente, para conhecer projetos e pastoreconvidado. Respondi que não poderia ar missionários e suas famílias. No total dizer não a uma paixão que Deus me foram quatro viagens, nas quais estive em deu e que a exerceria nas igrejas que projetos em oito países da África, Ásia e pastoreasse ou na JMM. Minha ora- Europa. ção era a de que Deus não deixasse o convite acontecer se fosse para ter que JM: Como a Igreja Batista em Perdizer não. Deixei claro que não pleite- dizes tem dado apoio à obra misava o convite, mas que o aceitaria por sionária? entender que Deus estaria mostrando Pr. João Marcos: A igreja tem hoje Sua vontade. Na manhã seguinte fui uma forte consciência missionária e chamado à Sede do Conselho e apre- desenvolve seu ministério em diversas sentado como o novo Diretor Executi- frentes. Ela tem participação em projetos missionários em vários campos, no Brasil vo de Missões Mundiais.

e no exterior. Um número expressivo de membros da IBP já realizou viagens missionárias e muitos sustentam vocacionados. A igreja destina considerável parte de seu orçamento para a obra missionária, dividindo o valor entre congregações e projetos na cidade de São Paulo, e outros projetos como: Igreja Sem Teto; Missões com Indígenas; apoio à plantação e fortificação de igrejas em Porto Alegre, entre outros. No âmbito mundial, a igreja tem missionários (membros da igreja) na Ásia, África e Europa. Temos conscientizado os membros sobre a importância de testemunharem e servirem nas viagens ao exterior, notadamente os que seguem para períodos de estudo. JM: Quais são os seus sonhos para Missões Mundiais? E os pessoais? Pr. João Marcos: Meu sonho é ver o trabalho cada vez mais ampliado aos extremos da Terra, tendo o apoio de nossas igrejas, seja orando, sustentan-

do e enviando seus vocacionados aos campos missionários. Nosso grande desafio são os povos da Ásia e do Norte e Noroeste da África, onde já estive; ali estão as pessoas mais resistentes ao Evangelho. Sonho, um dia ver, todos recebendo a Cristo como Salvador e Senhor de suas vidas. Sonho, também, poder dizer: “Combati o bom combate, acabei a carreira e guardei a fé”; e ouvir Cristo dizendo: “Vinde benditos do meu Pai”. JM: Gostaria de deixar algum agradecimento ou pedido aos batistas brasileiros? Pr. João Marcos: Agradeço a Deus por tão grande oportunidade de serviLo. Agradeço aos que oraram por este processo, àqueles que me indicaram e referendaram meu nome, e conto com as intercessões e apoio de todos, pois a obra é gigantesca e o papel dos batistas brasileiros aumenta a cada dia.

4XHPpR3U-RmR0DUFRV%DUUHWR6RDUHV

O

novo Diretor Executivo da Junta de Missões Mundiais tem 44 anos, nasceu em Campos dos Goytacazes/RJ, e é filho do casal Pr. Ebenézer Soares Ferreira e Élcia Barreto Soares. Ele é bacharel em Teologia, formado pela Faculdade Teológica Batista de São Paulo (FTBSP), e mestre em Ciências da Religião pela Universidade Metodista de São Paulo. Foi ordenado em 1988 ao ministério pastoral e, desde 1996, pastoreia a Igreja Ba-

tista em Perdizes, São Paulo/SP. Na década de 1980 o Pr. João Marcos foi um dos líderes da Juventude Batista do Estado do Rio de Janeiro (JUBERJ). Nessa época conheceu Elzir Maciel Soares, quando ambos estudavam Teologia na FTBSP. O casamento aconteceu em 1991. Ela também é psicóloga e educadora religiosa. O casal tem três filhos: João Gabriel (15 anos), Rafaela (13) e Pedro Marcos (10).


Jornal de Missões Janeiro/Fevereiro • 2010

O Projeto Radical Peru realizou 1.120 contatos evangelísticos, alcançando 290 famílias, 855 decisões, 122 pessoas discipuladas e 15 batismos

11

Mundo

2009: ano de colheita abundante em Missões Mundiais

Batismo em Milão, Itália

A

o encerrar o ano convencional (outubro de 2008 a setembro de 2009), Missões Mundiais constatou que esse foi um ano de muitas atividades missionárias e de uma grande colheita nos campos. Os números confirmam o avanço missionário. Cerca de 17 mil pessoas se decidiram por Cristo e 2.676 novos crentes foram batizados. Os cerca de 600 missionários trabalharam incessantemente, em meio a contextos sócio-culturais muitas vezes desfavoráveis, e abriram 237 novas frentes e organizaram 21 novas igrejas. Nos continentes, destaque para as caravanas de pastores e voluntários que apoiaram a obra de evangelização. Foi assim no Haiti, com a presença de um grupo de 40 voluntários, onde foram alcançadas cerca de 2 mil conversões, 500 crianças pelos KidsGames e centenas de líderes treinados, além da entrega de doações vindas do Brasil. Na América Latina a colheita também foi abundante. Em Cuba, foram mais de 6.300 decisões, quase 1.500 batismos e 11 novas igrejas plantadas. No Chile, através do PEM – Programa Esportivo Missionário, foram contabilizadas 3.642 decisões ao

lado de Cristo, 4.200 crianças alcançadas pelos KidsGames, 24 líderes treinados e capacitados e 55 batismos. No Peru, o Projeto Radical Peru realizou 1.120 contatos evangelísticos, alcançando 290 famílias, 855 decisões, 122 pessoas discipuladas, 15 batismos, três novas frentes organizadas e 11 pessoas treinadas. No Paraguai, as 45 unidades do PEPE atenderam a 184 famílias, com 938 crianças matriculadas, além de apresentarem 84 conversões, entre pais e alunos, e registrarem 38 batismos.

Avanço nos campos

Os missionários da JMM seguem colhendo frutos na secularizada Europa, que foi o berço da Reforma Protestante mas que vive indiferente ao Evangelho. Lá estão 36 brasileiros e 117 obreiros da terra, atuando em 21 campos. Na Itália, por exemplo, eles batizaram mais de 40 pessoas; plantaram uma igreja em Milão e abriram outra frente missionária. O trabalho em Casarote Primo, que é uma igreja só de italianos, passou de 30 para 70 membros. No Leste Europeu, especialmente nas nações da ex-União Soviética, como Ucrânia e Bielo-Rússia, centenas de conversões foram registradas. Na África, o avanço é constante mesmo diante dos desafios já conhecidos: pobreza, guerras, feitiçaria, islamismo... Em Angola, através do ministério com o filme “Jesus”, foram mais de 40 pessoas batizadas. Em Cabo Verde, o evangelismo tem sido o objetivo principal da equipe que lá trabalha e cerca de 80 pessoas aceitaram a Jesus, sendo que 18 foram batizadas em 2009. Em Guiné-Bissau, através dos projetos em

Projeto Radical - Voluntários sem fronteiras abençoaram vidas através do PEPE

Bafatá e em Dara, cerca de 20 novos irmãos foram batizados e outras dezenas estão sendo preparadas para o batismo em 2010. Na Guiné Equatorial, a Igreja Batista de Bata, na capital do país, foi totalmente revitalizada, passando de 30 para 100 membros. Os frutos acontecem em profusão na Ásia, no Norte da África e no Oriente Médio, na chamada Janela 10/40. São bênçãos como conversões e batismos de muçulmanos, mas não é possível contabilizá-los precisamente por conta das pressões exercidas por fundamentalistas religiosos. Porém, há conquistas que puderam ser relatadas. Por exemplo, no Sudão foram batizados 38 novos crentes. Na pré-escola, que funciona nas dependências da igreja, há 96 alunos matriculados e as crianças recebem, além do ensino, uniforme, material escolar, alimentação, acompanhamento médico e espiritual. No Iraque foram batizadas 47 pessoas; no norte do país crescem os grupos de estudos bíblicos, especialmente entre curdos e caldeus.

Para a China nossos irmãos passam a confiar em nós e a quererem caminhar juntos, além de nos dar a oportunidade de conhecer a realidade deles de perto”, diz um dos cinco missionários de Missões Mundiais naquele país. Que neste novo ano o Senhor siga usando a vida dos missionários de Missões Mundiais para abençoar mais pessoas através de ações que ensinem a Palavra de Deus e levem esperança a muitas nações, alargando assim as fronteiras e contribuindo para o avanço do Reino na terra. E que em 2010 cada crente, batista brasileiro, esteja ainda mais imbuído de sua responsabilidade na obra missionária, sendo usado por Deus para cumprir a missão, por amor a Cristo, indo aos confins da Terra.

Para alargar as fronteiras

Voluntários impactaram o Haiti com o amor de Deus

Na Índia, 60 pessoas foram batizadas, 65 senhoras treinadas no curso de corte e costura e 13 novos crentes receberam treinamento para assumirem lideranças na obra missionária. No Japão aconteceram 45 decisões ao lado de Cristo e 15 batismos, além do discipulado de 10 pessoas. Mas um dos grandes destaques do trabalho missionário na Ásia foi a distribuição de 25 mil bíblias aos crentes na China. “Através do Projeto Bíblias

Projeto Bíblias Para a China entregou milhares de exemplares


12

Jornal de Missões Janeiro/Fevereiro • 2010

A missionária Narrimãn Nuñes (na foto, de azul) iniciou o trabalho de evangelização dos aymaras há 8 anos

Mundo O

Haiti: luta contra a miséria e o vodu

Haiti lança seus gritos de socorro. Na visão do missionário da terra Pr. Jonathan Joseph, seu país é “o lugar onde o diabo tira férias”, pois está sendo destruído pela prática do vodu e pelo subdesenvolvimento. E, segundo ele, a explicação para esta realidade é histórica, pois no lugar do sangue de Cristo, o Haiti obteve a sua independência da França por meio de uma cerimônia onde todos os participantes beberam o sangue de um porco. Desde então, todo governante renova esse pacto com o diabo, mantendo o Haiti como o país mais pobre da América. Cerca de 80 % de tudo o que é consumido pelos poucos mais de 10 milhões de haitianos é importado e apenas 20% da população é alfabetizada. Missões Mundiais iniciou a obra de evangelização no Haiti com o objetivo de reverter os números que indicam que hoje 30% da população é evangélica e 70% praticam o vodu ou o catolicismo. O quadro é ainda mais preocupante se forem

Porto Príncipe, capital do Haiti, é uma das cidades mais pobres do mundo

considerados os números da Associação das Igrejas Batistas do Haiti que indicam que o percentual de evangélicos está em, no máximo, 10%. Para o Pr. Jonathan, um grande problema é a fraqueza psicoló-

gica e mental dos haitianos causada pela opressão que o vodu exerce no inconsciente coletivo. Assim, surgiu um povo de consciência passiva, sujeito a todo o tipo de exploração. Porém, o Haiti está nos

planos de Deus. “Jesus verteu seu sangue pela humanidade inteira. Por Cristo, venha para o Haiti, em direção a esse povo que, infelizmente, ainda ama o vodu no lugar de Deus”, convoca o missionário. Um novo pacto espiritual pelo sangue de Cristo é indispensável para a libertação do Haiti. Missões Mundiais da CBB e a Associação das Igrejas Batistas do Haiti para a Missão Integral estão envolvidas em “defender um novo Haiti” e trabalham pela unidade de seus líderes, pela conscientização, formação e ação para a transformação do país. A obra missionária no país necessita desde profissionais das áreas de saúde e educação até pastores que lecionem nos seminários. Profissionais de educação física dispostos a desenvolver projetos evangelísticos através do esporte também são bem-vindos ao Haiti. Porém, o mais importante, lembra o Pr. Jonathan, é que partam para o Haiti os verdadeiros servos de Cristo – independentemente da função.

Por Cristo, missionários alcançam os aymaras

N

o Chile há 23 anos, a missionária Narrimãn Nuñes iniciou o trabalho de evangelização dos aymaras há 8 anos, juntamente com seu esposo, o Pr. Juan Carlos, na cidade de Arica, cujo nome significa Porta de Bênçãos. Além deste, outros povos não-alcançados vivem na região do Deserto do Atacama, segundo a missionária. A etnia está presente também no Peru e na Bolívia, mas é no Chile que ela está em maior número: são 50 mil indígenas. O trabalho entre os aymaras começou a partir da necessidade daquele povo de ouvir sobre Jesus, uma vez que no Peru e na Bolívia já existiam igrejas formadas por aymaras. “Com uma equipe composta por três casais, nos sentimos como um gota d´água nesse imenso oceano étnico que temos aqui na fronteira norte. Há muito o que fazer”, diz Narrimãn. Muitos missionários evangélicos passam pela região, mas por falta de infraestrutura não permanecem. Os aymaras precisam não apenas serem convertidos ao Senhor Jesus, mas também serem discipulados e batizados. “Há casos de idosos com mais de 60 anos que ouviram falar de Jesus em sua adolescência e que hoje temos a oportunidade de discípula-los”, afirma. Apoio doméstico O trabalho missionário naquela região conta com o apoio de obreiros da terra,

cidade com mais de 10 mil habitantes, com uma grande comunidade aymara. Lá a missionária vê a necessidade de um templo. Eles trabalham para a construção do primeiro Centro Batista Aymara, que será um templo para adoração ao Senhor e também um lugar para oferecer apoio social à comunidade. Tudo começou em 2005, quando um terremoto destruiu o salão onde os aymaras se reuniam. Então os batistas brasileiros enviaram ajuda para que os missionários comprassem grandes pranchas de madeira e fizessem um novo salão. Depois, o governo chileno e a prePr. Juan Carlos evangeliza aymara em pleno deserto no Norte do Chile feitura, de forma inédita, entregaram aos principalmente no altiplano, uma região jor, com menos de 50 anos de idade, ele missionários um terreno indígena. A encom altitude de mil a 5 mil metros acima se aposentou e disse: “A partir de agora eu trega do terreno foi feita pelo próprio predo nível do mar. Isso significa que somen- tiro este uniforme do Chile e visto o uni- feito ao representante de Missões Munte um nativo consegue viver bem na loca- forme do exército de Jesus.”. Ele abriu mão diais, Pr. Antônio Galvão. Vários crentes lidade, sem apresentar problemas de saú- do descanso com uma “gorda” aposenta- brasileiros já enviaram suas ofertas para a de provocados pela altitude. Hoje o Norte doria falar do Evangelho aos cativos, por obra, que deverá ser concluída até o final do Chile conta com três casais de obreiros amor a Cristo. No trabalho como obreiros de 2010. da terra. Para Narrimãn é um privilégio da terra ainda há as famílias do irmão Ber“Há muitas alegrias, mas também exister missionários preparados para levar o nardo e do Pr. Rolando, que trabalham en- tem tristezas. Tudo isso forma uma granEvangelho de Jesus, como Rogério Silva, tre os aymaras, os chilenos, os bolivianos e de orquestra missionária, para nos ajudar um militar treinado pelo exército chileno os peruanos. a seguir adiante, para um dia cantarmos nas altas montanhas da região. “Muitas vejuntos lá no céu, inclusive com os aymaras zes não temos em nossos seminários uma Planos que conheceram Jesus através da atuação capacitação para estar num altiplano, por Um dos objetivos para 2010 é de que o dos nossos irmãos brasileiros, através da exemplo, onde há menos oxigênio. Deus projeto de igrejas nas casas, entre os ayma- oração dos obreiros da terra e dos missabe dessas coisas e tinha o irmão Rogério ras, esteja mais em evidência, sem a pre- sionários voluntários, que saem de suas preparado para este trabalho junto aos ay- ocupação de construir rapidamente um igrejas para ajudar na obra de evangelizatemplo. Em outro contexto está Pozo Al- ção dos povos não-alcançados”, conclui maras”, diz a missionária. Após se converter, quando já era ma- monte, dentro da região de Iquique, uma Narrimãn.


Jornal de Missões Janeiro/Fevereiro • 2010

13

Mundo

Pr. Dimas (de costas) usa a música para evangelizar jovens

Projetos levam esperança às crianças na Colômbia

A

Colômbia é, atualmente, um país com muitas oportunidades. Notáveis avanços são percebidos nas áreas econômica e social, além da segurança pública e do turismo. Estes progressos abriram grandes possibilidades para a expansão da obra missionária. E é nessa “carona” que os missionários da Junta de Missões Mundiais trabalham com projetos sociais como o PEPE (Programa de Educação Pré-Escolar) e o Calçada (que atua com menores em situações de risco) e ajudam a divulgar o amor do Senhor. Grandes coisas estão acontecendo por meio desses projetos sociais. O PEPE na Colômbia, que é coordenado pelas missionárias Ana Loide Soares Leão e Carmem Lígia Ferreira de Andrade, apresenta crescimento contínuo e já chega a 18 unidades, com 36 missionárias-educadoras atendendo a mais de 230 famílias. Mais do que oferecer educação e alimentação aos seus alunos, através do PEPE a semente do Evangelho é plantada nos corações

daqueles pequeninos colombianos e ajudam a disseminar o amor de Deus em suas famílias. Em Cartagena, ao norte do país, o casal missionário Pr, Melquisedeque e Evangilene Moraes trabalha há dois anos no bairro Paraíso, onde vivem cerca de 90 mil pessoas – das quais aproximadamente 30 mil são ex-guerrilheiros. O casal também desenvolve o PEPE. O desafio é conscientizar a comunidade de que é possível ter uma condição de vida

Missionária Ana Loide (em pé) ensina a Palavra de Deus às crianças

Família Moraes na igreja em Cartagena

melhor, com Jesus Cristo. Apesar do crescimento anunciado pelo governo colombiano, muitas crianças fazem, nas unidades do PEPE, sua única refeição diária. Em dois anos foram abertas oito unidades e há pedidos para outras. O Projeto Calçada, implantado por Carmem Lígia e Ana Loide em 2005, e que visa alcançar menores em situação de alto risco, está obtendo resultados importantes

para o Reino. Atuando em cerca de 20 cidades do país, o projeto ajuda crianças e adolescentes que vivem em abrigos, orfanatos ou na rua, levando àqueles menores a cura emocional e a salvação em Cristo. O projeto já alcançou mais de 1.800 crianças em situações de risco e ainda há muitas crianças esperando a oportunidade de serem tiradas das ruas para ter uma vida mais digna.

Líderes treinados é a carência no Equador necessidade do país em formar líderes que possam evangelizar o seu povo. Em Cuenca, apenas 2% da população é evangélico. O Pr. Heinrich Friesen está trabalhando na plantação de uma igreja através de seminários para as famílias. Já o casal Pr. Dimas e Lilian So uza util iza a e duca ç ã o m u s i c a l para ensinar valores cristãos em escolas públicas e nas igrejas, onde há enorme carência de músicos. Em Esmeraldas a realidade é semelhante. Há igrejas necessitadas de pastores e de obreiros capacitados para liderálas. A mais antiga tem 47 anos e apenas 60 membros; outra tem 20

anos e possui quatro membros. Cada uma com características diferentes, mas todas com a mesma necessidade: líderes preparados. Os poucos pastores nacionais são unânimes em afirmar que os brasileiros podem dar um grande impulso na educação teológica equatoriana. Eles reconhecem que falta preparação aos obreiros nacionais e que, caso um pastor capacitado chegue ao país para dirigir o ensino teológico e devocional, as igrejas poderão crescer tanto numericamente quanto na vida espiritual.

Igreja em Cuenca ministra treinamentos na área de educação religiosa

C

om uma população de cerca de 13,5 milhões de habitantes, o Equador tem apenas 220 igrejas que, juntas, somam aproximadamente 13 mil membros. Muitos dos atuais líderes nacionais não possuem preparação teológica adequada. Com isso, forma-se uma geração de crentes, entre lideranças e membresia, que desconhece doutrinas cristãs básicas. E isso permite que heresias e práticas errôneas invadam as igrejas e façam com que

os crentes sejam inconstantes na fé e despreparados. Para combater essa realidade e contribuir para a formação espiritual dos equatorianos, os batistas brasileiros mantêm no país dois casais missionários – Pr. Dimas e Lília Rita de Souza e Pr. Heinrich e Olga Friensen, em Cuenca – e as missionárias Joseane de Souza Lima e Maria Aparecida França, na cidade de Esmeraldas. Os números mostram a real

Missionária Joseane Lima (à dir.) treina futuros líderes da obra em Esmeraldas


14

Jornal de Missões Janeiro/Fevereiro • 2010

Pr. Gerson Tomaz (à dir.) é o lider do trabalho com os obreiros da terra na Romênia e na Moldávia

Mundo Curso de Teologia forma líderes em Botsuana

Obreiros da terra: uma estratégia bem-sucedida no Leste Europeu

Obreiros da terra no Leste Europeu

M

issões Mundiais, em parceria com as convenções batistas de países do Leste Europeu, Casal de missionários (ao centro) na formatura dos líderes betchuanos apoia o ministério de aproximadamenivemos o privilégio de realizar, àquilo que temos que ser ou fazer. te 120 obreiros da terra através das oferno dia 6 de dezembro de 2009, Conversei com a minha esposa, tas do Programa de Adoção Missionária na Igreja Batista de Francisto- Denise, e olhamos para a nossa re- (PAM). São homens, mulheres, famílias wn, um culto de gratidão a Deus pela alidade: não tínhamos ainda fluên- inteiras que, abnegados, servem a Deus primeira turma de formandos do cia no inglês, não havia recursos integralmente e cooperam para o avanço curso de Teologia. Leonardo Zim- financeiros para iniciar um projeto do Reino de Deus. As notícias do trabalho ba, Lefoko Lecoh Sethoko, Lucky de uma escola teológica, não havia missionário que chegam da Romênia e da Chishiki e Logan Phillimon foram salas de aulas e muito menos uma Moldávia são animadoras. nossos alunos e frutos de um pro- biblioteca para oferecer àqueles Na Romênia, atualmente, são cinco jeto que iniciamos há dois anos. O irmãos. Porém, tínhamos a Bíblia os obreiros da terra apoiados pela JMM. irmão Leonard Zimba, que repre- em nossas mãos, além de saúde e Eles são coordenados pelo missionário sentou a turma no culto de gradu- vontade de fazer diferença na vida Pr. Gerson Tomaz e estão trabalhando ação, enfatizou a importância que daquelas pessoas. Tínhamos, tam- em várias frentes missionárias, alguns este curso representou em sua vida bém, um exército de igrejas no em igrejas já organizadas (média de 20 e dos demais colegas. Ele não en- Brasil que nos apóiam e, principal- pessoas cada). Além dos programas nas contrava palavras para agradecer a mente, tínhamos a certeza de que igrejas e missões, os obreiros desenvolfamília missionária e todas as igre- Deus faria algo. Quando o Senhor vem discipulados, visitam lares, apóiam jas batistas do Brasil, que através quer e a gente se dispõe a fazer, as asilos, distribuem literatura cristã e fade Missões Mundiais nos enviou coisas acontecem! zem acampamentos para crianças. Um para Botsuana a fim de ajudá-los no Para 2010, vários candidatos dos obreiros da terra relata que batizou preparo bíblico e teológico. para formar uma nova turma estão a sogra de um dos maiores músicos Não quero usar a batida frase selecionados. Quero desafiar você ciganos do país. Ela é a única crente “Sim, nós podemos” para ilustrar e sua igreja a continuar orando por na família e tem dado um belo testeo que vivemos no campo missio- este programa de treinamento. munho da sua fé em Jesus Cristo. Uma nário, principalmente quando nos mulher de oração, que tem clamado deparamos com necessidades, diPr. Girlan Sergio Ferreira da Silva, incessantemente pelos obreiros e pelo ficuldades e visão divina quanto missionário em Francistown Pr. Gerson Tomaz, que a levaram a Je-

T

A

sus. Ela pede ao Senhor pela salvação da sua família. Na Moldávia, os cinco obreiros da terra também são coordenados pelo Pr. Gerson Tomaz e seguem trabalhando com foco no evangelismo de jovens, crianças e adolescentes, além de atividades nas igrejas, em cultos ao ar livre, nos asilos e em retiros espirituais. Num desses eventos, um dos missionários moldávios foi o orador oficial de um acampamento para cerca de 100 jovens, a maioria não-crentes. Entre as atividades nas igrejas, destaque para o Culto da Colheita, uma tradição no país. O objetivo da celebração é que cada pessoa, membro ou não, dedique a Deus o que aconteceu durante o ano, inclusive o fruto colhido nos campos. Nesse culto – onde o destaque é a ceia comunitária – a Palavra foi pregada e cerca de 20 pessoas manifestaram desejo de seguir a Jesus. Os obreiros da terra agradecem o apoio dos crentes e igrejas do Brasil. “Só estamos aqui, firmes no serviço do Senhor, por causa do apoio que vocês, nossos irmãos brasileiros, nos oferecem com grande generosidade. Louvado seja Deus por suas vidas e dedicação pela obra de Missões”, finaliza um dos obreiros da terra na Moldávia.

Transformação de vidas no Sudão

obra de evangelização no Sudão colhe mais frutos a cada dia. Como resultado da semeadura realizada pelos missionários da JMM no país durante o ano de 2009, no dia 15 de novembro foram batizadas 15 pessoas, que declararam publicamente sua fé em Cristo e impactaram os presentes com seus testemunhos. Uma dessas pessoas era uma mulher que havia sofrido abusos físicos e emocionais por ter se convertido a Jesus. De

Batismos confirmam avanço da obra no Sudão

acordo com a equipe missionária, no momento do batismo ela ainda sentia dores pelo corpo e estava abatida, mas mesmo assim sua alegria era evidente e contagiou a todos. “Sua dor não era mais forte que a presença do verdadeiro Deus, o Deus vivo”, conta um missionário. Além daquela irmã, outras pessoas testemunharam do poder do Evangelho em suas vidas. Um dos rapazes batizados foi impactado pelo testemunho de vida de um amigo

cristão. Ele percebeu que havia alegria em seu olhar, apesar das lutas diárias. Foi então que descobriu que o sorriso e a constante alegria eram evidências do amor de Jesus em sua vida. Permaneceu indeciso por uns dias, mas sua vida já não era mais a mesma e seu coração o traía com relação à antiga fé. Assim, ele procurou uma das missionárias e tomou a decisão mais correta de sua vida. Hoje, ele é uma pessoa diferente, e tem testemunhado disso a todos.


Os hindus são capazes de absurdos em nome de sua fé. Por exemplo, tomar banho e beber de águas poluídas e fétidas

Jornal de Missões Janeiro/Fevereiro • 2010

15

Mundo

Os caminhos da Índia dos os lados. A sensação é de que há um “terreiro espírita” em cada canto. Os primeiros dias foram dedicados a visitar locais especiais para os hindus: Varanasi, a cidade sagrada; Ganges, o rio santo; e outros locais de peregrinação. É impossível não chorar diante de tanta cegueira espiritual. Os hindus são capazes de absurdos em nome de sua fé. Por exemplo, tomar banho e beber de águas poluídas e fétidas, as mesmas águas onde derramam o esgoto e as cinzas de seus mortos. O grande sonho de todo hindu após a morte é ser cremado e ter suas cinzas depositadas no Ganges – o que acontece com mais de 250 pessoas por dia – a fim de serem levados diretamente para o Pr. Renato Reis (de camisa listrada) fala aos crentes indianos céu, sem passarem por outra encarnação. A partir do terceiro dia, fomos visitar m recente viagem à Índia, para pas“Muitos são os caminhos por onde toreio de missionários e reuniões andei na Índia. Muitas são as Índias que o ministério dos batistas brasileiros aqui com obreiros da terra, o Pr. Renato temos visto. Aqui tudo é plural. Muitas na Índia. Conhecemos os missionários da Reis comprovou que os caminhos da Ín- imagens feitas por mãos de artesãos. Mui- terra, os crentes em Jesus e as igrejas lodia são mais árduos do que foram vistos tos deuses criados pela fértil imaginação cais. Os avanços conquistados por esses recentemente nos meios de comunicação. dos homens. Muitos templos construídos homens e mulheres é notável. Mesmo Apesar do impacto, o que foi visto pelo co- com recursos de devotos dedicados aos diante de tantos desafios, como ausência ordenador dos missionários da JMM para seus deuses. E a mistura disso tudo provo- de estrutura básica de saneamento, transportes e vias públicas, a pregação do Evana Ásia, Norte da África e Oriente Médio ca muita, mas muita idolatria. comprova o avanço da obra de evangeliÉ triste ver tanta gente aprisionada à gelho não para de crescer e vidas têm sido zação naquele país do Sul da Ásia. idolatria, tanta opressão espiritual por to- salvas de tamanha idolatria. Graças a Deus

por esses caminhos que Ele mesmo tem aberto aqui. Ele tem tocado vidas com seu amor infinito, tem convertido pessoas das trevas para a Luz e levantado um povo que louva seu nome e busca anunciar o Evangelho. Como foi bom conhecer esses crentes. Ver que Jesus tem lhes dado esperança na vida. Tem libertado da idolatria. Tem mudado a vida deles. Se comparados, é verdade que o grupo de crentes é pequeno em relação aos hindus, mas o que Deus tem feito na vida deles nos enche de esperança. Esperança de que os caminhos da Índia se convertam ao Caminho, único e perfeito”.

E

Banho “sagrado” no Rio Ganges

Voluntários Sem Fronteiras: carreira completa

A

conteceu no dia 2 de dezembro, no auditório da sede da Convenção Batista Brasileira, no Rio de Janeiro, o culto de gratidão pelo retorno dos nove jovens do Projeto Voluntários Sem Fronteiras – Radical África 4. Adriana Brito, Jorgelina Burgos, Diego de Oliveira, Tatiana Macedo, Gerson Silva, Amanda Pereira, Cláudio Elivan, Luciana Nascimento e Paula Pivante falaram sobre o cumprimento da missão de atender ao chamado de Deus. A cerimônia contou com a presença do Diretor Executivo da CBB, pastor Sócrates Oliveira de Souza, que ocupa, interinamente, a direção executiva de Missões Mundiais. Estiveram presentes também funcionários Programa de Educação Pré-Escolar: uma das estratégias utilizadas pelos Voluntários Sem Fronteiras Após cantarem louvores em fran- bir o filme Jesus , desenvolver projetos da JMM, parentes e amigos dos Radicais, cês e em dialetos africanos, eles falaram como o POPE (Programa de Odontoentre outros. um pouco sobre a vida em aldeias afri- logia Preventiva e Educativa) e o Kidscanas. Diego Santana falou sobre o Ní- Games. Tudo como parte da estratégia ger, onde evangelizou a população de para falar do Evangelho de Jesus”, disse. um village, juntamente com Adriana e Luciana Nascimento destacou as Jorgelina, durante dois anos. “Por mui- ações implementadas no Mali, como to tempo, os cristãos eram proibidos de o PEPE (Programa de Educação Prémorar naquela aldeia. Por causa do bom Escolar), o PEM (Programa Esportivo testemunho dado pelas turmas de Radi- Missionário), além de aulas de violão, cais que passaram pelo local, os líderes informática, entre outras. Ela espera que muçulmanos passaram a não só liberar profissionais capacitados sejam levantaas atividades da obra missionária como dos por Deus para dar continuidade ao Volta ao Brasil e missão cumprida também apoiá-la. Assim, pudemos exi- PEPE em Kayes.

Gerson falou sobre os dois anos e meio em que esteve na República da Guiné. Ele contou sobre como viram o poder de Deus manifesto no village de Basã, cuja população é 100% muçulmana. “Nós fizemos parte de um verdadeiro milagre, pois fomos os primeiros cristãos e estrangeiros a colocar os pés em Basã. Exibimos o filme Jesus entre uma mesquita e a casa do líder muçulmano da aldeia, e contou com a presença de 300 pessoas, que ficaram impactadas com os relatos dos milagres do Filho de Deus. As outras exibições não precisavam nem de autorização, pois a própria população pedia para ver o filme evangelístico”, finaliza Gérson.

Radicais cultivaram amizades nas aldeias


16

Jornal de Missões Janeiro/Fevereiro • 2010

Ainda que o conceito básico de missões seja o de enviar uma pessoa, esta ação é cheia de significado pelo fato de ter um propósito definido

Artigo

A causa que vale a pena Pr. Josué Campanhã – Diretor da Sepal Brasil

O

dia 11 de setembro de 2001 ficou conhecido em todo o mundo como o maior atentado terrorista da história da humanidade. Aconteceu em Nova Iorque, nos EUA. Além dos prédios derrubados, cerca de 6 mil pessoas desapareceram. Morreram pela ação de terroristas que, motivados pela causa que acham certa, jogaram aviões lotados contra dois prédios. O atentado é um ato criminoso. Todos nós condenamos os atentados terroristas e temos até medo deles. No entanto, gostaria de refletir sobre um outro tipo de atentado. Em primeiro lugar ele não é um ato criminoso, mas talvez seja até um pouco pior. Depois, ele não é cometido por terroristas com uma falsa esperança, mas é cometido por cristãos que têm esperança de uma vida eterna. Este atentado não usa explosivos

ou aviões sequestrados, mas poderosas armas invisíveis como desprezo, desinteresse e insensibilidade. Trata-se do “atentado missionário” que muitos cristãos cometem semanalmente. Quando um terrorista descobre a falsa esperança que lhe é vendida, já é tarde demais e acabou morrendo por ela. O cristão, depois que descobre a esperança de vida eterna, morre com ela, sem repartir com os outros. O terrorista faz qualquer coisa para arranjar dinamite e bombas, amarra-as ao corpo e explode tudo que for possível. O cristão pega a Bíblia “dinamitada” que tem à sua mão, e guarda-a bem guardada, com medo que ela faça estragos em sua vida e nas pessoas ao seu redor. O terrorista tem alvos específicos. Ele quer explodir prédios e matar pessoas. O crente muitas ve-

zes não tem alvo. O máximo que ele faz é construir alguns prédios que são chamados de “igreja” para se esconder dentro deles. Talvez a única coisa em que o terrorista e o cristão são iguais é que ambos podem matar pessoas. O terrorista quer matar pessoas para defender sua causa. O cristão pode matar algumas pessoas por não propagar a sua causa. Centenas de pessoas continuam morrendo todas as semanas em várias partes do mundo em atentados terroristas. No entanto, milhares de pessoas morrem diariamente pelo mundo, por causa dos “atentados missionários”. Comete-se um “atentado missionário” quando aquilo que Deus está pedindo para ser feito pela obra missionária não é realizado. Um cristão comete um “atentado missionário” quando deixa de orar, contribuir, ir, pregar ou

ensinar todas as coisas que Jesus mandou. Muitos também cometem “atentados missionários” quando desprezam a obra missionária, são insensíveis à necessidade de testemunhar de Jesus ou simplesmente não se interessam pela salvação de mais pessoas. Os resultados são milhares de pessoas morrendo todos os dias, sem esperança e sem Jesus, e que habitarão o inferno eternamente. Isto sim é um verdadeiro atentado, sem chance de reação por parte dos atingidos. Se ficou incomodado com a comparação que fiz, alegre-se, pois você está empenhado em contribuir para levar salvação a muita gente. No entanto, caso você não se preocupe tanto assim com o que listei acima, leia o artigo outra vez e pense um pouco mais sobre o assunto.


Jornal de Missþes Janeiro/Fevereiro • 2010

17

Institucional


18

Jornal de Missões Janeiro/Fevereiro • 2010

Cartas

Geral

Impactado pelas notícias

Na edição setembro-outubro foi lançada uma empolgante matéria: Novas oportunidades de trabalhos missionários na Guiana Francesa. Quanto a ela quero parabenizar a equipe, agradecendo a Deus por essa notícia. Empolga-me, porque revitalizou, ou aqueceu, ainda mais, o meu chamado missionário. Estou aguardando ansiosamente por mais notícias na Guiana Francesa. Como falo o francês, as peças tem-se encaixado. Seminarista Alexandre de Jesus, aluno do STBNe

Até os confins da Terra

Li o último Jornal de Missões e fiquei feliz com as notícias publicadas; suas mensagens mostram o grande amor de Deus por todos nós. Por Cristo, vamos alcançar os confins da Terra com a Palavra de Deus. Roberto Rodrigues, PIB de Samburá, Cabo Frio/RJ

Orando por Missões Mundiais

Não faço mais parte da denominação batista, mas recebo “A Colheita” e agradeço se continuarem me enviando este informativo. Continuo orando pelos missionários e, sempre que puder, continuarei ofertando para a obra missionária mundial. Obrigada por me permitirem tamanha alegria de estar em dias com as notícias dos campos através de seus meios de comunicação. Marta Lemos, por e-mail

Movida por Missões

Sou uma apaixonada pela obra missionária mundial. Para divulgar, mais especificamente o trabalho da Junta de Missões Mundiais, criei o blog: http://soumovidopormissoes.blogspot.com/. Vale a pena dar uma conferida em meu blog, que tem por objetivo propagar as notícias missionárias e utilizar esse meio de comunicação para anunciar Jesus Cristo como Salvador e Senhor. Elaine dos Santos, por e-mail

E

stá de volta a São Tomé e Príncipe, África, a missionária Aline Cristine, agora como Efetiva Radical. “Está sendo maravilhoso rever o povo e ver que contribuímos para o crescimento espiritual de alguns”, disse a missionária. Ao chegar no aeroporto de São Tomé, Aline se emocionou ao encontrar sua

Construtores do Futuro

... Esta semana enviarei uma oferta para que o  Senhor multiplique e  possa assim  muito ajudar essa obra, que está no meu coração desde que ouvi o pastor Fernando falar. Deus abençoe a todos que estão envolvidos. Estarei orando para que tudo aconteça da melhor maneira possível. Creio que este é o desejo de nosso Deus, e muitas vidas serão salvas. Um grande abraço a todos, Noemia Pinheiro

Investimento missionário

Graça e Paz! Nesses últimos dias, tenho percebido o quanto tem sido compensador investir na obra missionária. Dou muitas graças a Deus pelas oportunidades em estar investindo em missões. Deixo um abraço carinhoso a todos os irmãos que estão envolvidos nesta tão grande obra. Ronivaldo Martins Rocha

A

Primeira Igreja Batista de São Caetano do Sul, com o apoio da Igreja Batista Villa Zatt, realizará, no próximo carnaval, uma viagem missionária a Santa Cruz das Palmeiras, SP, onde atua a missionária Odeth Brites. A viagem é uma ação do projeto “Não se retire”, que visa despertar igrejas para a importância de pregar Cristo no período da “festa da carne”. “É muito impactante ver garotos de 14 anos bêbados, se drogando, jovens sem perspectiva e sem amor. Neste momento, temos a oportunidade de testemunhar o evangelho de forma alegre e criativa,

ESCREVA-NOS CONTANDO SUAS EXPERIÊNCIAS COM MISSÕES Envie sua carta ou e-mail com experiências com a obra missionária. Sua opinião sobre o nosso trabalho, e o conteúdo do Jornal de Missões, é muito importante. Escreva para redacao@jmm.org.br ou redacao@missoesnacionais.org.br.

Equipe do projeto Não se retire

mostrando que a nossa alegria não é passageira e não depende de bebidas ou drogas”, afirmou Daniel Lucatts, idealizador do projeto.

Viagem missionária no Uruguai

L

iderados pelos missionários de Missões Mundiais, Pr. Daniel e Clélia de Oliveira, 18 alunos da Escola de Missões do Seminário Bíblico fizeram a sua prática missionária na cidade de Chuy, que fica na fronteira do Brasil com o Uruguai. Eles visitaram, aproximadamente, 700 casas (no lado uruguaio) e ficaram impressionados com a abertura da população em escutar o Evangelho. Para a honra e glória de Deus, 20 casas estão estão abertas para receberem uma visita posterior dos missionários e 15 pessoas fizeram uma decisão formal por

O

O

Equipe da Escola de Missões

Cristo. Um dos objetivos desse trabalho é o apoio ao casal Lilia e Fernando Pintos, missionários uruguaios que estão plantando uma igreja naquela região do país.

Mudança de campo

s gerentes regionais de Missões Nacionais pastor Gerson e Lizete Perruci estão deixando o campo baiano para representar a JMN em Minas Gerais, estado que tem sido alvo de grandes investimentos missionários. Em homenagem ao casal, a Convenção Batista Baiana (CBBa) realizou um culto

O pouco que é muito

Queridos missionários, é muito bom saber que podemos, mesmo com tão pouco, ajudar nesse trabalho grandioso que o Senhor Deus reservou para vocês com um amor especial. ... Nós, da 2ª Igreja Batista em Petrópolis, RJ, continuaremos orando e contribuindo com essa causa que não é nossa, mas sim do Senhor.  Ellen Salles

amiga e agora companheira de campo, Renata dos Santos. Lá estavam também a missionária Rosângela Batista, a família missionária do Pr. Levi e Lúcia Godinho, entre outros missionários e amigos de Aline. Para ela, o país é um grande desafio missionário, mas seu coração está cheio de alegria.

Não se retire

Comunidade Terapêutica

Ao tempo em que agradeço esse convite, parabenizo nossa JMN na pessoa do pastor Fernando Brandão e cada um de vocês que o ajudam a pôr esse projeto de tão grande importância estratégica em nosso país. Conheci a saudosa profª Élcia Barreto Soares e convivi de perto com ela, que com seu esposo, o pastor Ebenézer Soares Ferreira, são pessoas a quem os batistas de Campos, do estado do Rio de Janeiro e do Brasil somos todos devedores. O empreendimento não poderia ter melhor nome que o dela. A visão do pastor Fernando Brandão: “o objetivo da agência missionária é criar uma rede de comunidades terapêuticas e também de casas-lares para atender vidas sem esperança que mergulham nas drogas”  é louvável. Merece o aplauso e o suporte espiritual e financeiro de todos nós, batistas brasileiros. Pr. Joaquim de Paula Rosa e profª Jane Esther M. S. de Paula Rosa

Retornando a São Tomé e Príncipe

de ação de graças na Igreja Batista da Pituba, em Salvador, pelo período em que puderam contar com a participação do casal. A programação contou com a presença de amigos de ministério, líderes da CBBa e do gerente executivo de Expansão Missionária, pastor Samuel Moutta.

Grato a Deus no Oriente Médio

missionário Jessé, que está no Oriente Médio, escreveu: “Às vezes, somos tão ingratos com Deus; recebemos tantas dádivas e livramentos; somos tão abençoados e não temos a atitude de dizer: ‘Obrigado Senhor!’ O pior de tudo não é sermos ingrato mas, sim, infiéis e murmuradores. O ingrato sabe que tem sido abençoado, mas não tem a postura de agradecer a

Deus, isso é um mal terrível! Mas o infiel e murmurador é pior ainda, pois ele rejeita as bênçãos oferecidas por Deus e as trata com desprezo e sem valor. Essa era a condição do povo de Israel no deserto, murmurando, sendo infiel e desprezando o cuidado de Deus por eles, falando do maná como se fosse uma coisa desprezível. Irmãos, em tudo, sejamos sempre gratos a Deus!”


Jornal de Missões Janeiro/Fevereiro • 2010

Missões Nacionais celebra o maior batismo de ciganos da denominação batista

Geral

Romeiros para Jesus

E

m Patu, RN, devotos de Nossa Senhora dos Impossíveis foram abordados por membros da frente missionária local, numa ação evangelística que aconteceu em resposta à romaria do dia 21 de novembro. Liderados pelos missionários Luzinaldo e Graça Tomaz, a equipe distribuiu água, mel e folhetos aos que trafegavam pelas rotas de romaria da Serra do Lima, e realizou aferição de pressão arterial. “A nossa equipe era formada por novos crentes, e com muita simpatia obedecia ao ide de Jesus. Todos estavam cientes de sua missão e com

Água da Vida e mel aos romeiros

coragem de anunciar que só Jesus salva”, contaram os obreiros.

O

Roberto Romão (de branco, à esq.) nas aulas de futebol

culto na igreja do Pr. Roberto Romão onde ouviram mais do Evangelho de Cristo.

R

Fruto do Lar

dando uma nova direção em suas vidas”, comentou a missionária Judite Rocha, que coordena a instituição ao lado do marido, o pastor Robson Rocha.

Motivo de louvor na volta a Botsuana

casal missionário Pr. Alceir e Cenilza Ferreira tem razões de sobra para louvar ao Senhor. Seu filho, Juan Diego, que estava com problemas no fêmur está em plena recuperação. Os missionários levaram o pequeno Juan ao ortopedista e os raios-X mostraram que a descalcificação

está aumentando. Além disso, como ele tem feito fisioterapia “religiosamente”, não precisará usar nenhum aparelho. A família que estava no Brasil para tratamento do filho foi liberada e regressou ao campo no dia 1º de dezembro. Eles agradecem a todos que oraram por Juan Diego.

Novo gerente regional

etornou ao quadro de Missões Nacionais o pastor Daniel Eiras, que, a partir de fevereiro desse ano, assumirá a função de Gerente Regional de Missões para o Sul do Brasil, atuando junto às convenções do Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Pioneira. Pr. Daniel já foi obreiro da JMN e chegou a atuar como Gerente de

Missões. Por sua larga experiência e dedicação à obra, foi convidado por Missões Nacionais a somar ao rol de obreiros. “A chegada do pr. Daniel vai, com certeza, alavancar o avanço missionário no sul do Brasil”, comentou o Gerente Executivo de Expansão Missionária de Missões Nacionais, pr. Samuel Moutta.

Rosângela Batista retorna ao Brasil

N

A

Missionário Igor Shimura entre os ciganos portugueses

Cristo hoje e sempre”, concluiu pastor Igor Shimura, missionário de Missões Nacionais que atua entre os ciganos.

Plantação de igreja em Portugal

N

o final do ano passado, o missionário Ricardo Magalhães participou de um torneio de futebol evangelístico que contou com a presença de 60 atletas e cerca de mais 30 pessoas envolvidas indiretamente no evento. “Creio que este foi um momento único, no que diz respeito ao projeto de plantação de igreja, no Parque das Nações, um bairro nobre de Lisboa”, disse o missionário Ricardo. Eles tiveram a colaboração de outras igrejas, além de contar com a presença de dois jogadores

ois adolescentes do Lar Batista F. F. Soren foram batizados no dia 13 de dezembro, juntamente com outros novos convertidos da Primeira Igreja Batista de Itacajá, TO. Romário Lima dos Santos e Marivânia Rodrigues Pereira, ambos com 15 anos, receberam do lar e igreja local a assistência espiritual necessária para o fortalecimento na fé. O ato batismal foi comemorado como mais uma importante vitória que veio como reflexo do trabalho desempenhado ao longo dos 67 anos do Lar. “Todos nós do Lar nos emocionamos com este momento, quando publicamente nossos adolescentes declararam estar

O

Batismo de ciganos o dia 6 de dezembro, os missionários que atuam entre os ciganos de Curitiba, PR, celebraram o maior batismo de ciganos da denominação. Cinco ciganos desceram às águas batismais em programação ocorrida na Igreja Batista do Bacacheri, igreja-mãe da frente missionária entre os ciganos portugueses. “Louvamos a Deus porque depois de sete anos e meio de árduo trabalho, podemos ver o batismo de ciganos que não somente entregaram suas vidas a Cristo, mas estão vivendo o evangelho. Não deixaram de ser ciganos, mas deixaram o pecado. Agora são ciganos de Cristo! Glória ao nome do Senhor Jesus

Batismos no Lar

D

PEM leva o Evangelho a indianos na Malásia missionário Pr. Roberto Romão desenvolve seu ministério na Malásia, através do Programa Esportivo Missionário – PEM. Ele está treinando um grupo de 14 jovens, líderes de uma igreja, cujo objetivo é alcançar outros usando clínicas e treinos de futebol em comunidades fechadas ao Evangelho. O missionário foi apresentado a um irmão que trabalha com um grupo de 30 alunos indianos, que precisava de uma ajuda profissional na área do futebol. Assim, o missionário teve a oportunidade de compartilhar do amor de Deus e leu alguns trechos bíblicos para os indianos. Uma semana depois, o grupo participou de um

19

pós oito anos dedicados à evangelização de São Tomé e Príncipe, a missionária Rosângela Batista deixa aquele campo, na África. Enviada ao país em novembro de 2001, pela Primeira Igreja Batista de São Vicente/SP, Rosângela enfrentou muitas situações adversas. Mas, convicta do seu chamado, cumpriu a missão para a qual foi designada por Deus. Ela foi líder do departamento infantil e dirigente do coral das crianças da igreja local, coordenou a primeira equipe dos Voluntários Sem Fronteiras em 2007, ajudou a implantar o PEPE (Programa de Educação Pré-Escolar), liderou trabalhos evangelísticos nas escolas públicas e na cadeia principal do país, entre outras atividades. Com a saída da missionária, a equipe de Missões Mundiais

A Esporte tem aberto portas no país

de futebol, portugueses, compartilhando do amor de Deus em suas vidas.

Missionária trabalhou oito anos no país

em São Tomé conta com um casal missionário, duas obreiras solteiras e um obreiro da terra. Rosângela segue fazendo promoção missionária nas igrejas do Brasil.

Evangelho em SC

sede de Deus que havia em Palhoça, SC, vem sendo amenizada com a presença dos missionários batistas, pr. Julio Cesar e Carla de Cássia de Souza, que desde fevereiro de 2009 trabalham na plantação de uma igreja multiplicadora na região. Desde a Operação Jesus Transforma, em julho, a pregação do evangelho teve grande impulso, aumentando a rede de re-

lacionamento da congregação e o aumento do número de freqüentadores.”Quando chegamos aqui, em fevereiro, tínhamos uma rede de relacionamentos de cerca de 40 pessoas, entre adultos e crianças. Hoje, já passamos de 150 pessoas nessa rede de relacionamentos com cerca de 90 pessoas, em média, freqüentando os cultos de domingo a noite”, afirmou pr. Júlio.


20

Jornal de Missões Janeiro/Fevereiro • 2010

Mobilização Missionária

Batistas se unem pela evangelização de Guarulhos, SP

Somando forças

Missionários, associações e organizações se unem pela expansão do evangelho em Guarulhos

A

união faz a força, já dizia o antigo ditado que parece estar entranhado na proposta de trabalho de missionários e organizações batistas. Em Guarulhos, cidade metropolitana de São Paulo, campos recebem o apoio dos batistas e estes também usufruem da força e disposição de obreiros que atuam na plantação de igrejas multiplicadoras na região. Nos dias 14 e 15 de novembro, a União Feminina Missionária Carioca levou 64 pessoas a Guarulhos a União Feminina Carioca e voluntários de Guarulhos fim de reforçar as ações missionárias na cidade. A caravana çadas pelo evangelho. Os desdobracontou com o apoio logístico da coor- mentos desta ação missionária serão denadora regional de Missões Nacio- conhecidos no discipulado de novos nais para o RJ, Cláudia Souza. Chegan- crentes nos campos. Segundo a execudo ao local, as mulheres integraram o tiva da União Feminina Carioca, irmã grupo de180 voluntários de igrejas da Maria Luíza Tenório, a viagem teve cidade e missionários da JMN para a valor inestimável para a organização, realização de impactos nos bairros e adianta que tem planos para mobide Taboão, Nova Canaã, Água Azul e lizações como esta no Rio de Janeiro Santa Isabel. também. Os resultados foram surpreendenNo Dia da Bíblia, 12 de dezembro, tes. Cerca de 400 crianças foram alcan- foi a vez de os obreiros de Missões Na-

U

cionais garantirem o apoio a operações evangelísticas no centro de Guarulhos. Juntamente com a Associação Batista, os obreiros distribuíram cerca de 15 mil literaturas com porções do Evangelho, além de abordagens diretas a pessoas que transitavam pelo local. Os estabelecimentos comerciais também foram visitados e, diante da exposição da Palavra, houve quem desejasse ouvir um pouco mais ou até mesmo receber uma bíblia.

Além dos missionários, a presença de Missões Nacionais foi marcada pelas vestimentas utilizadas na operação: as tradicionais camisetas amarelas. Em meio à turba dos grandes centros, a identificação visual deu um tom especial à mobilização. Para o missionário Márcio Pureza de Lima, essa parceria entre as organizações é essencial para a conquista da Pátria para Cristo: “Se trabalharmos em concordância, poderemos, sim, cumprir cabalmente qualquer missão. Por este motivo procuro colaborar com a Associação Batista de Guarulhos e cidades vizinhas, ajudando-as a compreender e focar suas ações na missão à qual entreguei a minha vida”. Ele lembra que, só em 2009, obreiros de Missões Nacionais e a associação de Guarulhos realizaram atividades evangelísticas e de ação social em mais de 10 localidades. Além disso, pastores e líderes foram despertados por essas ações conjuntas.

Reforço no David Gomes

ma caravana formada por alunos do Seminário Teológico Betel, missionários das igrejas PIB de Vila Valqueire, PIB da Barra da Tijuca, PIB de Jardim Alcântara, Igreja Batista Renovada em Santa Catarina (São Gonçalo) e liderança da Rede Missionária Sal e Luz partiu, no dia 8 de janeiro, do Rio de Janeiro para a cidade de Barreiras, na Bahia, para a realização de serviço voluntário no Lar Batista David Gomes. Ao total, são 21 pessoas que decidiram doar suas vidas para a obra

missionária. Assim que chegaram à instituição, foram recebidas pelas crianças e adolescentes do lar. Na manhã do dia seguinte, o grupo foi guiado pelo diretor Odilon Ribeiro às dependências do Lar, passando pelas áreas que foram reformadas no último mutirão realizado por voluntários. Conheceram também os projetos que estruturam a instituição, tais como a Fábrica de Bonecas e as aulas de Jiu Jitsu. A caravana ficou surpresa com a organização do lar, suas divisões e formas

de proporcionar às crianças um ambiente familiar, que define bem seus direitos e deveres. “Pudemos ver que todos dentro da casa têm seus deveres bem definidos através das escalas, que estão afixadas em todas as paredes, mantendo assim uma disciplina de divisão de tarefas, que os ajuda a manterem-se sempre organizados, devolvendo-lhes a visão familiar, onde todos têm seus direitos e deveres, restaurando a identidade das crianças e adolescentes”, disse Luciana Monteiro, que acompanha o grupo de voluntários.

A maioria dos voluntários pretende passar 10 dias no lar, período quando desenvolverão ações de apoio aos obreiros que atuam no David Gomes, além da realização de pequenas atividades pedagógicas. Porém, quatro deles pretendem estender o período de permanência até o final de janeiro. São eles: Ana Cristina, PIB da Barra da Tijuca; Julio Cesar, Igreja Batista de Guarajuba; Maria do Rosário, Ministério Reconciliação e Vida; e Rita de Cássia, Igreja Batista Renovada em Santa Catarina (São Gonçalo-RJ).


Igrejas realizam viagens missionárias aos campos da JMN

H

Jornal de Missões Janeiro/Fevereiro • 2010

21

Mobilização Missionária

Campos missionários recebem visita de igrejas parceiras

á uma primeira vez para tudo. No caso da Primeira Igreja Batista em Arthur Nogueira, SP, foi a primeira viagem missionária, realizada no dia 14 de novembro a Taquarituba, onde atua a obreira Suely de Souza Lima, de Missões Nacionais. A viagem contou com a liderança do pastor Cleverson Pereira do Valle e a participação de 15 membros e dois seminaristas do Seminário Palavra da Vida. Ao chegar a Taquarituba, municí- Primeira viagem missionária a Taquarituba pio paulista que tem cerca de 26 mil habitantes, o grupo foi recepcionado pela missionária e alguns membros da missão, que é filha da Igreja Batista Ebenézer, de São Paulo. Após um breve descanso, as equipes foram divididas para a realização de duas tarefas específicas: evangelismo de porta em porta e trabalho com crianças. Na noite do mesmo dia, foi realizado um culto na frente missionária, em cuja ocasião pastor Cleverson desafiou todos a estarem disponíveis à obra missionária. Além de conversões e da demonstração de amor à obra, a viagem resultou na alegria dos participantes em Voluntarios de Rio das Ostras evangelizando em Barra da Estiva

cumprir o Ide de Cristo. Em 2011, a igreja espera retornar aos campos para apoiar outros missionários. Barra da Estiva, BA, também recebeu o apoio de uma igreja parceira que partiu de Rio das Ostras, RJ, para estender a mão aos missionários Marcos e Alessandra de Azevedo. A visita da Primeira Igreja Batista do Jardim Marilea aconteceu no primeiro fim de semana de dezembro. A viagem da 1ª IB de Jardim Marilea teve como objetivo principal conhecer o campo missionário e ver de perto o que Deus tem feito na região. Além disso, o grupo levou roupas, para serem vendidas em um bazar, e doações para a igreja: um pedestal, microfone e um púlpito.  “Os irmãos saíram impactados com tudo que viram e ouviram. Prometeram agendar uma viagem para o próximo ano com um grupo maior e envolver a igreja ainda mais na obra missionária em nosso país”, comentou o pastor Marcos Azevedo. O pastor Fabio, líder da igreja parceira, afirmou que pretende ainda firmar uma nova parceria com Missões Nacionais, mas desta vez no estado de Minas Gerais.


22

Jornal de Missþes Janeiro/Fevereiro • 2010

Mobilização Missionåria

Os eventos missionårios das igrejas serão destaque nesta seção

Acampamentos para Promotores de MissĂľes Mundiais

N

este ano, como nos demais, Missþes Mundiais realiza uma sÊrie de Acampamentos para Promotores de Missþes em vårios Estados do Brasil. Os objetivos são capacitar os Promotores para a Mobilização Missionåria de 2010 e contextualizålos em relação ao mundo em que vivemos. Nesses encontros eles recebem ferramentas para que possam ser ainda mais eficientes no exercício de sua função na igreja; trocam experiências com outros líderes; convivem com missionårios e colaboradores de Missþes Mundiais e conhecem todo o material da Campanha Missionåria de 2010. Especialmente no Centro-Oeste e em São Paulo, alÊm do Acampamento para Promotores serão realizados eventos para os pastores da região. Acampamento de promotores: momentos inspirativos e inesquecíveis

(63ĂŒ5,726$172 &RQWDWR 3U )iELR 'DQLHO      ‡ $FDPSDPHQWR GH 3URPRWRUHV GH 0LV V}HV0XQGLDLVÂąDÂą/RFDO&HQWUR GH7UHLQDPHQWR$%& $FDPSDPHQWR%D WLVWD&DSL[DED Âą(QGHUHoR%5.0 9LDQD(6 0,1$6*(5$,6 &RQWDWR3U*HUDOGR5DQJHOH3U$OH[DQ GUH3HL[RWR   ‡ $FDPSDPHQWR GH 3URPRWRUHV GH 0LV V}HV0XQGLDLVÂą5DYHQD0*ÂąH

$FDPSDPHQWR%RD7HUUDÂą5XD3U$GROIR :HLGPDQQ%DLUUR*XDULWXED 5,2'(-$1(,52 &RQWDWR-XQWDGH0LVV}HV0XQGLDLV    ‡ $FDPSDPHQWR GH 3URPRWRUHV GH 0LV V}HV0XQGLDLV Âą D Âą /RFDO $FDP SDPHQWR%DWLVWDHP5LR%RQLWRÂą%5 Âą5LR%RQLWR55(*,ÂŽ2&(17522(67( &RQWDWR 3U /HRQDUGR 5HLV      ‡ $FDPSDPHQWR GH 3URPRWRUHV 0DWR *URVVRGR6XOÂąD ‡ $FDPSDPHQWR SDUD 3DVWRUHV HP 0LV V}HV Âą /RFDO $&$0%$*2 *RLkQLD*2 ÂąD 5(*,ÂŽ268/ &RQWDWR  3U &OiXGLR $QGUDGH Âą 7HOV   ‡$FDPSDPHQWRGH3URPRWRUHVGH0LVV}HV 0XQGLDLVÂą&XULWLED35ÂąDÂą/RFDO

Prezado leitor, divulgue os eventos missionĂĄrios que acontecem na sua igreja no Jornal de MissĂľes, no Portal JMM e no Informativo do PAM “A Colheitaâ€?. Escreva para redacao@jmm. org.br e conte como foi a programação em sua igreja. Importante: envie fotos para ilustrar a matĂŠria.

6ÂŽ23$8/2 &RQWDWR3U$GtOVRQ)HUUHLUDÂą   

‡ $FDPSDPHQWR GH 3URPRWRUHV GH 0LV V}HV0XQGLDLVÂąDÂą/RFDO$FDPSD PHQWR%DWLVWDHP6XPDUp63 0DLVLQIRUPDo}HVDWUDYpVGRVWHOHIRQHV Âą    GH FLGDGHV FRP '''  RX GDVGHPDLVORFD OLGDGHV

3DVWRU LQVFUHYD DWp  3URPRWRUHV GH 0LVV}HVGHVXDLJUHMDSDUDTXHYLYDP GLDVLQHVTXHFtYHLV


Jornal de Missões Janeiro/Fevereiro • 2010

23

Mobilização Missionária Campanha de Missões Mundiais 2010

Nos próximos meses as igrejas batistas em todo Brasil estarão envolvidas numa grande mobilização missionária. Não fique de fora. Por Cristo, até onde você vai?


24

Jornal de Missões Janeiro/Fevereiro • 2010

Institucional

$0$3É 3,%GH0DFDSi±H %$+,$ 3,%6mR&DHWDQR 6DOYDGRU ±H &($5É 3,%GH3DFDMX )RUWDOH]D ±D ',675,72)('(5$/ ,J0HPRULDO%DWGH%UDVtOLD±H (63Ì5,726$172 ,%HP0RQWH6LQDL 9LWyULD ±H ,%HP/DUDQMHLUDV 6HUUD ±H ,%GD*OyULD 9LOD9HOKD ±H 3,%&SR*UDQGH &DULDFLFD ±H 3,%HP3L~PD±H 3,%HP&RODWLQD±H 3,%GH/LQKDUHV±H ,%3UDLD0RUUR *XDUDSDUL ±H ,%HP5LR1RYRGR6XO±H *2,É6 3,%GH5LR9HUGH±H 3,%HP,SRUi±H 0$72*52662 ,%%RDV1RYDV &XLDEi ±D 3,%GH0DWXDSi±D 0$72*52662'268/ ,%%+RUL]RQWH &*UDQGH ±H 0,1$6*(5$,6 3,%GH$FHVLWD 7LPyWHR ±H ,%GH-RmR0RQOHYDGH±H 3,%GH7UrV3RQWDV±H 3,%GH%DUUHLUR %+RUL]RQWH ±H ,%5LR%UDQFR %+RUL]RQWH ±H 3,%GH6HWH/DJRDV±H ,%%DUUR3UHWR %+RUL]RQWH ±H ,%(OGRUDGR %+RUL]RQWH ±H ,%3DUTXH6D¿UD $LPRUpV ±H 3,%GH%DUEDFHQD±H 3,%GH$OWR&DSDUDy± 3,%GH9LoRVD±

3,%GH0DQWHQD±H 3,%GH'LYLQySROLV±H 3,%GH-DQD~ED±D 3$5$1É ,%6LmR &XULWLED ±D 3,%0DWLQKRV±D 3,%)R]GR,JXDoX±D ,%9LOD2SHUiULD 3DUDQDYDt ±D 3,%*XDtUD±D 3(51$0%8&2 3,%GR5LR'RFH 2OLQGD ±H 5,2'(-$1(,52 3,%GH$UDUXDPD±D 3,%GH1LOySROLV±H 3,%&RVPRUDPD±H 3,%GH0DGXUHLUD 5-DQHLUR ±H ,%7UrV5LRV±H ,%&&SR*UDQGH 5-DQHLUR ±H ,%&DFKRHLUD&DUG0RUHLUD±D 3,%HP9LVFRQGHGH0DXi±H 3,%GH$UUDLDOGR&DER±D ,%7DXi 5-DQHLUR ±H ,%%(VSHUDQoD 1,JXDoX ±H ,%%HWHOGH1LWHUyL±H 3,%5LFDUGR 5-DQHLUR ±H 3,%HP4XDWLV±H ,%(EHQp]HU '&D[LDV ±H ,%GH3LUDt±H 3,%6DQWR$QW{QLRGH3iGXD±D ,%%UDVLOkQGLD 6*RQoDOR ±H 3,%GH3LDEHWi 0DJp ±H ,%,WDFXUXoi 5-DQHLUR ±D 3,%GH5LR%RQLWR±H ,%HP&DER)ULR±D ,%2UOD5LR 5-DQHLUR ±H ,%GH&DPSRV±D ,%GH%DUUD0DQVD±H 3,%GH6HURSpGLFD±H ,%HP3HWUySROLV±H ,%HP%RD)RUWXQD±D ,%%HWHOHP0HVTXLWD±H ,%&RQIRUWR 9ROWD5HGRQGD ±H ,%,WDLSX±H 3,%GH5HVHQGH±H

5,2*5$1'('21257( 3,%HP*RLDQLQKD±H 5,2*5$1'('268/ ,%%RDV1RYDV &DUD]LQKR ±D ,%%1RYDV 1+DPEXUJR ±D 521'Ñ1,$ ,%HP&DFRDO±D 6$17$&$7$5,1$ ,%GR(VWUHLWR )ORULDQySROLV ±D 3,%%DOQHiULR&DPERUL~±D 6®23$8/2 ,%-G3URJUHVVR %HEHGRXUR ±D 3,%GH3LUDFLFDED±D 3,%GR%UiV 6mR3DXOR ±D 3,%GH0DUtOLD±D 3,%GH6mR&DHWDQRGR6XO±D 3,%GH$WLEDLD±D *XDUXMi±7HDWUR0XQLFLSDO3URFySLR)HUUHLUD± D ,%(VWRULO±$XGLWyULRGR&ROpJLR%DWLVWD %DXUX  ±D 3,%GH$YDUp±D ,%&LG6HUyGLR *XDUXOKRV ±D 3,%GH7DXEDWp±D 3,%HP3HUHLUD%DUUHWR±D 6(5*,3( 3,%3URSULi±H 72&$17,16 3,%GH3DOPDV±H ,%GH$UDJXDtQD±H 2EV(PPXLWRVFRQJUHVVRVDFRQWHFHUmR WDPEpP7UHLQDPHQWRVGH3URPRWRUHVGH 0LVV}HV


Jornal de Missões - edição 31