Issuu on Google+

Ano 2 - Edição 035

www.jornaldosaposentados.com.br

Setembro de 2013

AAPJ cobra soluções para área central

Região em frente ao prédio da entidade é utilizada como estacionamento de veículos pesados

Página 9 Colaboração Pedro A. Biazetti

COMEMORAÇÃO

JAÚ

Martinez completa 92 anos

Associação faz triagem auditiva

Ele é filho e neto de espanhóis que, no começo do século passado, cruzaram o oceano atlântico e desembarcaram no Brasil em busca de uma nova vida, de novas opor-

tunidades. Nasceu na Argentina, em uma das andanças dos imigrantes em busca de melhore condições de trabalho, trabalhou pesado nas lavouras da região de São José do

Rio Preto e, no pós-2ª Guerra Mundial, trabalhou e morou em São Paulo. Tudo isso antes de voltar para a cidade que recebeu seu avós, vindo da Espanha, e se tornar um jauense de

coração. Nesta edição, o Jornal dos Aposentados conta um pouco da história de Francisco Martinez que, em setembro, completa 92 anos.

Págs. 12 e 13

Em parceria com o Centro Auditivo CliSound de Bauru, a Associação dos Aposentados de Jaú realiza uma triagem auditiva. A ação

acontece no dia 30 de setembro e o associado deverá agendar sua participação.

Pág. 18


2

Jornal dos Aposentados - Setembro de 2013

Opinião

Editorial

Artigo de

Francisco Martinez

Francisco Martinez é aposentado, associado e ex-diretor da Associação dos Aposentados de Jaú.

V

olto a falar sobre a saúde, agora generalizando, não só do idoso. O tema saúde, entre os idosos, é um dos mais corriqueiros assuntos. As doenças são agentes de proteção do corpo. Sem elas, ignoraríamos o que nos faz bem ou mal. À primeira manifestação de uma doença, o bom senso leva-nos a refletir e a buscar a causa que a determinou, procurando evitar a repetição. As doenças não são consequências do acaso ou agentes externos. São provocadas, quase sempre, pelo desconhecimento das leis da vida sã, que fixam a natureza e a dose de alimentação, o jogo fisiológico de nosso organismo e as necessidades de nossas energias para o emprego de nossas forças vitais. Todo o erro de conduta sobre o conjunto destes elementos ocasionam um desacordo entre o homem e as leis da natureza. Daí resulta uma desarmonia e um enfraquecimento das resistências físicas, que finalmente acabam na doença. Se o homem vive uma vida sadia, se tem suas forças vitais intactas, uma doença ou um micróbio que facilmente infecciona uma criatura, derrubando -a, é facilmente repelido por um organismo dono de todas forças vitais. Consideremos, ainda, que o nosso pensamento tem grande influencia sobre a nossa saúde. Podemos atrair a saúde ou a doença segundo o nosso estado mental. Há uma nobreza de espírito que cura

NOTAS

A Saúde melhor as doenças do que fazem os remédios. A imaginação pode salvar ou matar. Tem fechado chagas que nenhum bálsamo poderia curar; foi o pensamento que operou a cura sem o auxilio de nenhum remédio. Só agora se começa a compreender as forças de que é dotado um homem, capaz de, por forte pensamento e com a fé que transporta montanhas, curar suas próprias doenças até a de seus semelhantes. Pois não nos deixou Jesus a lição, que ao curar aos doentes, sempre dizia: não fui eu que te curei, mas tua fé? Compreenda-se todavia, que para tais milagres, importa ter uma alma pura e um corpo saudável. Toda energia mental emitida fortemente, boa ou má, acaba impondose. É pois importante que saibamos conviver e aproximar-nos daqueles de mais nobre caráter, que irradiam alegria e espalham o bem, evitando as pessoas que de tudo se queixam, difundindo a desarmonia e a tristeza. Quem não sabe ser feliz e alegre deve procurar mudar sua maneira de pensar e agir. São bem raros aqueles que conhecem a verdadeira medicina do corpo e da alma. Para bem cumprirmos a nossa missão na vida com a família e os amigos, devemos manter nossos poderes físicos e morais. E para isso, será preciso regime e atos severos na alimentação e exercícios físicos; e uma fiscalização permanente de cada pensamento

e ação, que tenha como objetivo, beneficiar a todos. Quando conseguirmos controlar nossos impulsos dominando nossos nervos, mantendo o sangue frio em todas as circunstancias, não nos deixando influenciar pelos acontecimentos desenrolados a nossa volta, poderemos modificar até nosso futuro. A revista Veja de 26 de outubro de 1988, publicava uma grande reportagem sobre a doença criada pela mente também a cura pela mente, sob o título: As Emoções e a Saúde, que diz: Há dezenas de casos documentados de homens que faleceram pouco depois da morte da esposa – ou vice versa. Um número assustadoramente alto de indivíduos que sofreram ataques cardíacos logo após a morte de parentes ou amigos. Há muitos exemplos de indivíduos que ficam doentes após se divorciarem e de muitos que sofreram um ataque cardíaco pouco depois de terem perdido o emprego. Ao se fazer as pesquisas sobre o tema saúde & emoções, os cientistas descobriram que emoções positivas como a “alegria”, devem tornar o corpo mais saudável, podem até curar uma doença. O “stress” predispõe o organismo a doenças. Uma boa dose de humor nos ajuda a manter a saúde. Que os casos mencionados aqui, sirvam para o prezado leitor tirar suas conclusões, é o que o redator lhe deseja.

Incentivo

Uma edição mais do que especial

A

inda na r e p e rcussão positiva da edição de agosto do Jornal dos Aposentados - que veiculou material especial em alusão ao aniversário de Jaú – a edição de setembro tem, por outros fatores, tudo para se tornar uma das mais bem lembradas pelo leitor nos últimos meses. Isso porque o J.A. homenageia Francisco Martinez, conhecida figura da sociedade jauense (e colunista desta Página 2) que neste mês chega à incrível marca de 92 anos. Incrível porque ele avança na escala das nove décadas com uma jovialidade de fazer inveja a muita gente com a metade de sua idade e com uma lucidez ainda privilegiada. Não bastasse isso, Martinez ainda é o dono (e o autor) de uma das mais belas histórias de luta e superação já contadas em solo jauense. Uma parte

dessas histórias, o Jornal do Aposentado – com consulta a partes da biografia pessoal do homenageado – revela para a comunidade. Outro assunto importante desta edição é a reivindicação da AAPJ (Associação dos Aposentados e Pensionistas de Jaú) feita às autoridades municipais competentes para que apresente uma solução para a área em frente à sede da entidade. A AAPJ entende que o espaço poderia ser melhor utilizado o que beneficiaria não só o associado, mas toda a comunidade que precisa se deslocar por aquela movimentada parte do centro. É a AAPJ cumprindo com seu dever primordial, o de defender e trabalhar por melhor qualidade de vida ao seu associado. Mas, mais do que isso, também é uma importante entidade de classe jauense fazendo valer o peso de seus mais de 5 mil associados e usando sua representatividade para cobrar melhorias para a população em geral.

O programa Viaja Mais, do Ministério do Turismo, prevê três projetos: “Viaja Mais Melhor Idade”, o “Viaja Mais Jovem” e o “Viaja Mais Trabalhador”. O incentivo à terceira idade recairá sobre pessoas com mais de 60 anos, aposentados e pensionistas e se voltará principalmente para períodos de baixa temporadas. A portaria ainda não traz informações específicas sobre os incentivos que serão concedidos a jovens e trabalhadores, detalhes que devem ser estabelecidos em publicação posterior.

Estatística Há cada vez menos europeus no mundo. E eles estão cada vez mais velhos. É o que indica uma pesquisa do Departamento de Políticas para Educação e Mercado de Trabalho do instituto econômico IDW, na Alemanha. Ao mesmo tempo, os europeus estão ficando mais velhos. Itália, França e Alemanha têm a populações mais velhas da Europa. De acordo com o relatório, não é a taxa de natalidade, mas sim a migração que traz o maior impacto sobre o crescimento da população europeia. Atualmente, cerca de 20 milhões de cidadãos não europeus vivem no continente.

Produção e Projeto Gráfico: Jornal dos Aposentados Designer responsável: Thaís Miranda Pedroso Gutierres www.jornaldosaposentados.com.br www.facebook.com/jornaldosaposentados

Editor e jornalista responsável: Luiz Storino MTB 3367 Impressão: GRCI Editora Ltda ME Tiragem: 15.000 exemplares Circulação: Areiópolis, Barra Bonita, Borebi, Igaraçu do Tietê, Jaú, Lençóis Paulista, Macatuba e Pederneiras/SP

Artigos assinados são de responsabilidade de seus autores, podendo ou não corresponder à opinião deste jornal.

Jornal dos Aposentados: contato@jornaldosaposentados.com.br Comercial: Pedro: (14) 9773-6842 (Jaú)

.

www.facebook.com/jornaldosaposentados


3

Jornal dos Aposentados - Setembro de 2013

Painel Divulgação

•28 de setembro - Em 1992, Câmara dos Deputados aprova abertura de processo de impeachment do então presidente Fernando Collor de Melo.

Divulgação

Divulgação

• 5 de setembro - Em 1972, 11 atletas israelenses morrem em um atentado do grupo terrorista Setembro Negro, nos Jogos Olímpicos de Munique, na Alemanha.

•2 de setembro - Em 1962, Pelé

marca seu gol número 500.

• 13 de setembro - Em 1966, o

governo brasileiro cria o FGTS (Fundo de Garantia por

Tempo de Serviço).

bro- A vigilância

sanitária a contaminação das vítimas do acidente radioativo de Goiânia.

• 14 de setembro - constata Em 1974, é lançada a Linha Azul, a primeira do metrô de São Paulo.

• 17 de setembro - Em 1985, o Brasil

conhece o primeiro grande apagão elétrico de sua história.

• 29 de setem-

• 30 de setembro -

Em 1957 é criada a RFFSA (Rede Ferroviária Federal).

•12 de setembro - Em 1962, o

presidente americano John Fitzgerald Kennedy faz um dos seus discursos mais famosos, dando largada para a corrida espacial.


4

Jornal dos Aposentados - Setembro de 2013

Saúde

Cristiano Guirado

Divulgação

Coração saudável

Pequenas mudanças na dieta aumentam a longevidade do motor do nosso organismo

O

A ingestão de alimentos ricos em fibras, reduz a absorção de gorduras pelo organismo

colesterol em excesso é uma das duas principais causas de problemas cardíacos (a outra é o tabagismo), sobretudo, depois dos 60 anos. Em grande quantidade na corrente sanguínea, aumenta o risco de aterosclerose, infarto e AVC. Muita gente não acredita no poder

preventivo da alimentação planejada, mas pequenas mudanças na dieta podem funcionar. Primeiro, uma definição do perigo. O colesterol é dividido em dois principais subtipos, o HDL, o colesterol bom, e o LDL, o ruim. O segundo se deposita nas paredes das artérias, enquanto que o primeiro faz o

contrário, “limpa” as paredes arteriais. Assim sendo, níveis altos de LDL ou níveis muito baixos de HDL representam risco de desenvolver doenças cardiovasculares. O ideal é chegar a um equilíbrio entre os níveis dos dois tipos de colesterol, e não eliminá-los, como reza o senso comum. Precisamos de colesterol

no corpo. Sobre a dieta, quanto mais rica em fibras e pobre em gorduras saturadas for, melhor. Mas o colesterol elevado nem sempre é fruto de uma alimentação inadequada. Distúrbios hormonais, doenças e fatores hereditários tornam mais difícil o controle da qualidade do sangue.

6 – Use macarrão integral e troque o molho branco por molho de tomate. 7 - Substitua o suco de laranja pelo de uva, rico em flavonoides – antioxidantes poderosos que evitam a formação de placas nas paredes das artérias. 8 – Em vez de salga-

dinho, vá de pipoca no lanche. Feita na panela (esqueça a de micro-ondas) ela aporta fibras. Já os salgadinhos, só fornecem gordura e sódio. 9 - Troque a carne vermelha por peixe duas vezes na semana. Isso vai ajudar a reduzir as

quantidades de LDL ingerido na primeira e a aumentar o HDL. 10 - Priorize os vegetais crus em vez dos cozidos: a vantagem desta troca é aumentar o consumo de fibras, que ajudam a diminuir a absorção de colesterol.

Dicas para comer (e viver) melhor 1 – Troque o leite integral pelo desnatado, que tem similares de proteínas, cálcio e vitaminas, porém, baixo teor de gordura saturada. 2 – No desjejum troque o cereal industrializado, rico em açúcar e pobre em fibras, por aveia em flocos.

3 - Troque o francês pelo integral e aumente o consumo de fibras que reduzem a absorção de gorduras pelo organismo. Em vez da manteiga, rica em colesterol, use queijo cottage, que tem baixo teor de gordura, colesterol e poucas calorias.

4 – Na cozinha, troque o óleo de soja pelo de oliva, que tem bem menos gorduras insaturadas. 5 – Tire a pele do frango antes dele ir para a panela, para evitar que a gordura e o colesterol penetrem na carne magra e mais saudável.


5

Jornal dos Aposentados - Setembro de 2013

Saúde

Cristiano Guirado

Divulgação

Inimigos dos sonhos

Qualidade do sono é essencial para uma velhice saudável; conheça os distúrbios mais comum nos idosos

A

ssim como os ossos, a pele, o coração e a alimentação, o sono é um elemento importante das nossas vidas que merece atenção especial depois dos 60 anos. Na medida em que envelhecemos, noites bem dormidas são cada vez mais importantes para uma boa qualidade de vida. E assim como outras frentes importantes da vida humana, na terceira idade o sono tem seus inimigos específicos. Uma série de distúrbios – que pode transformar

qualquer hora de dormir em pesadelo – são “especialistas” em terceira idade. O principal deles é a insônia, comum em várias etapas da vida, mas que quase sempre está associada a outra doença mais grave. Estudos comprovam que 38% da população idosa sofrem com a falta de sono, geralmente associada a doenças neurológicas ou cardiorrespiratórias, também pode estar relacionadas com a depressão ou o uso de uma série de medicamentos. As famosas para-

das de respiração durante o sono tem nome: apneia. Ela causa vários breves despertares e impedem o paciente de ter uma noite de sono tranquila. O distúrbio está frequentemente associado aos roncos e sua incidência aumenta com o envelhecimento. Quase 60% da população com mais de 65 anos sofrem de apneia. Com o envelhecimento, aumenta a frequência dos movimentos dos membros inferiores durante o sono. A pessoa tem a sen-

Doenças do sono estão associadas a doenças neurológicas ou cardiorrespiratórias

sação de “arrastamento” das pernas, causando desperta-

res e diminuindo o tempo de sono do indivíduo. O pacien-

te desenvolve insônia, irritabilidade e cansaço mental.

Medicamentos que podem interferir no sono Corticóides

Antiinflamatório potente, usado em casos de asma, reumatismo, doenças neurológicas

Diuréticos

Utilizado em casos de pressão alta e em pacientes com inchaço

Broncodilatadores

Também usado nos casos de asma, relaxa a musculatura dos brônquios, facilitando a respiração

Betabloqueadores

Têm finalidade semelhante aos bronco-

dilatadores, sendo utilizados no tratamento de cardiopatias

Tranquilizantes

Deixam a pessoa sonolenta, mas nem sempre fazem o indivíduo dormir


6

Jornal dos Aposentados - Setembro de 2013

Saúde

Cristiano Guirado

Divulgação

Inversão de papeis Chegou a hora dos filhos cuidarem dos pais? Esse momento é inevitável e não precisa ser traumático

A

tivos, positivos, bem dispostos. Assim são os idosos do século 21. No entanto, as limitações impostas pela idade podem tardar, cada vez mais, mas não falham. Por mais que o cérebro de uma pessoa mais velha permaneça sempre antenado, chega uma hora em que a pessoa se afastada gradativa e diariamente do mundo em que mora. E fica a pergunta: quando é hora de intervir? Em que momento da vida deve-se sacrificar a liberdade – de pais e filhos – em detrimento da necessi-

dade? A resposta vem de uma única palavra, rotina. Para os mais velhos, quase nada é mais importância que a rotina. Ou seja, quando a rotina começa a ser prejudicada pelo envelhecimento de um familiar, é hora de intervir e começar a cuidar dos pais. Essa troca de papéis será cada vez mais frequente nas famílias brasileiras. Com o aumento da expectativa de vida no país, a atual geração de idosos deve viver bem mais que os seus pais. Uma estatística interessante: nove entre dez pessoas que as-

sumem o cuidado de um familiar idoso são mulheres (esposa, irmã, filhas, netas ou até noras). Mais da metade desses cuidadores tem mais de 50 anos e 30%, mais de 65 anos. Diante de doenças degenerativas, como o Alzheimer e o Parkinson, ou de problemas de saúde mais graves, que afetem a cognição e a mobilidade, pode ser necessário auxílio externo. Se o idoso precisa de ajuda para se alimentar e vestirse, é recomendável a contratação de um cuidador profissional. Quando mais de três cuidadores são neces-

Expectativa de vida dos idosos atuais são maiores que a de seus pais

sários, a melhor opção pode ser uma casa de repouso. É comum o idoso se sentir rejeitado com a ajuda externa, mas os filhos devem ser firmes e demonstrar que o objetivo é melhorar a qualidade

de vida e que isso não significa que ele está sendo menos amado. Entender as vontades e desejos do idoso também é fundamental. Envelhecer com qualidade de vida significa ter suas escolhas

respeitadas, seja a hora em que prefere fazer a refeição ou a concretização de um novo relacionamento amoroso. É uma fase de muitas perdas e, perder a autonomia talvez seja a mais dolorosa.


7

Jornal dos Aposentados - Setembro de 2013

Saúde

Cristiano Guirado

Na mesa depois dos 60 Nos Estados Unidos, cirurgias plásticas viram mania na terceira idade

U

ma nova tendência nos Estados Unidos – e que em breve deve ganhar o mundo – está aquecendo o mercado estético. É cada vez maior o número de mulheres que se submete a cirurgias plásticas na terceira idade. Segundo dados da Sociedade Americana de Cirurgia Plástica Estética, em 2010 (é a amostragem mais recente) houve 84.685 procedimentos cirúrgicos em paciente de 65 anos ou mais. Foram mais de 26 mil lifts de face; 24.783 operações de pálpebra; 6.469 lipoaspirações; 5.874 reduções de seios; 3.875 lifts na testa; 3.339 lifts de seio e 2.414 implantes de seios. Segundo especialistas, esses números vêm crescendo de forma consistente há anos e a tendência é que o crescimento acelere agora, época em que o mundo começa a assistir uma nova formatação do perfil da terceira idade. Segundo os médicos do

setor, as razões são das mais variadas, desde satisfação pessoal, concorrência profissional à busca por novos parceiros. A maioria vai para a mesa de cirurgia porque está simplesmente cansada de sinais clássicos da velhice, como queixos duplos, braços que balançam e pálpebras caídas.

devem descobrir problemas que poderiam causar complicações no procedimento, como doenças cardíacas e pulmonares, diabetes e pressão alta, além do uso de medicamentos como anticoagulantes.

Riscos

Qualquer tipo de cirurgia apresenta riscos e ainda são poucos os estudos focados em cirurgias estéticas em pacientes da terceira idade. Os mais velhos podem demorar mais para se recuperar e os resultados talvez não durem tanto tempo. Fora isso, a medicina diz que os riscos não são maiores para quem tem mais de 65 anos em relação ao restante da população. Especialistas são unânimes em dizer que a idade cronológica importa menos que a fisiologia do paciente. Testes preliminares

A modelo americana Cindy Joseph, de 62 anos, admite nunca ter feito cirurgia plástica e assume os cabelos grisalhos, diz que tem preferido “deixar a natureza seguir seu curso, cuidando do corpo e do espírito”

Divulgação


8

Jornal dos Aposentados - Setembro de 2013

Associação

Thaís de Oliveira Rezende, Odontogeriatra - Uberlândia/MG Fernando Luiz B. Montenegro - Mestre e Doutor - São Paulo/SP www.aapjau.com.br

Boca saudável A saúde bucal como fator fundamental à saúde do idoso

P

ropiciar um envelhecimento saudável a toda população é objetivo dos Gerontólogos e neste propósito, também se destacam os Odontogeriatras. Saúde bucal na terceira idade consiste na manutenção dos dentes saudáveis de acordo com aspectos biológicos: devolver a habilidade para bem mastigar, melhorar a sensibilidade gustativa, ajudar em uma fonação adequada e estética que ajude na reinserção social. Com isso, proporcionando bem estar e qualidade de vida. Nos últimos anos, a maior consciência preventiva dos pacientes e dos profissionais foi uma contribuição essencial para a preservação dos dentes naturais. Isso aumentou, consequentemente, a demanda por tratamentos odontológicos mais complexos e os índices de edentulismo caíram. Não se pode mais conceber a ideia de que perder dentes é ineren-

te ao envelhecimento. As extrações dentais acontecem pelo acúmulo de placa bacteriana e formação de cálculos dentais que são as principais agentes causadores da doença periodontal que associada à higiene oral deficiente e limitações físicas, são os maiores responsáveis pela indicação de remoção dos elementos dentários. Somam-se a estes fatores a privação de orientações educacionais e atividades preventivas para estes indivíduos. Além de fatores culturais como a falta de consciência da importância da higiene oral na manutenção da saúde bucal e por conseguinte da saúde geral, já que é impossível dissociar a interdependência entre ambas. As perdas de alguns dentes e o uso de próteses inadequadas diminuem a eficiência mastigatória de 50% a 85%, ocasionando um menor consumo de nutrientes essenciais, levando à alterações nutricionais.

Assim, estes pacientes deixam de consumir, sobretudo alimentos ricos em fibras, proteínas e vitaminas, muitos essenciais para sua boa recuperação orgânica. O processo digestivo se inicia na cavidade oral e a formação do bolo alimentar nestes indivíduos é inadequada, sobrecarregando inclusive o trânsito estomacal posterior, trazendo graves prejuízos a este órgão com não absorção adequada dos bons nutrientes da dieta dos idosos. A microbiota oral, aumentada em volume pelos problemas gengivais,por exemplo, pode causar diversas moléstias sistêmicas promovendo depósitos de colônias bacterianas em outros tecidos humanos e bactérias como Streptococcus viridans e Staphylococcus aureus estão relacionadas à endocardite infecciosa, cujos ricos podem ser minimizados com a eliminação dos focos infeciosos da cavidade oral.

Os profissionais que atendem na Associação: Fabianete Cristina Ferin Rodrigues, Daniel Navarro Biazeti, Rodrigo Hernandez Defani e Carollinie Dias Knob

A aspiração de conteúdos infectados orais como a saliva e de bactérias patogênicas gram-negativas podem atingir o trato respiratório inferior e agravar quadros de pneumonia, doença de grande importância clínica para pacientes geriátricos. Pacientes idosos com entubação naso-gástrica tem uma significante prevalência de colonização da orofaringe por patógenos e alterações do fluxo salivar, sendo relatados como riscos para a pneumonia aspirativa. É necessário para estes pacientes a mais perfeita revisão dos procedimentos de higiene oral existentes. Estudos confirmam a tese de que as dentaduras podem ser consideradas uma importante reserva de microorga-

nismos que colonizam a faringe. Por isso, é importante controlar, com bastante cuidado, a placa bacteriana nas dentaduras para prevenir a ocorrência de pneumonia. Pacientes portadores de próteses totais e removíveis podem apresentar ainda a chamada estomatite protética, com a qual associa-se Candida albicans, determinando a chamada candidíase eritematosa. Esta condição torna-se ainda mais relevante quando paciente está sendo submetido à terapia com antibióticos, imunosupressores e terapias anti-cancerígenas. O cuidado aos idosos deve ser diferenciado, idealizando modelos de atenção multidimensional com carac-

terísticas peculiares pela presença de múltiplas enfermidades que determinam limitações funcionais e psicossociais. A longevidade com qualidade de vida é um ideal convergente com premissas da promoção da saúde. Viver mais e bem é um ideal intimamente relacionado à saúde em sua compreensão mais ampla como potencial de satisfação das aspirações humanas. A velhice relacionase intimamente com a preservação da autonomia do indivíduo. A promoção do envelhecimento saudável para a atenção ao idoso está relacionada com as práticas de saúde, em geral, e é vista como valiosa conquista humana e social.


9

Jornal dos Aposentados - Setembro de 2013

Trânsito

Cristiano Guirado

AAPJ cobra o Poder Público Municipal por melhorias na área em frente ao prédio da associação

N

ão é de hoje que o morador de Jaú sofre quando tem algum compromisso ou assunto para ser resolvido na região central da cidade. A escassez de vagas para estacionamento faz com que os motoristas transitem por mais tempo, desperdiçando tempo, combustível e sobrecarregando ainda mais o fluxo viário. Nos últimos meses, A AAPJ (Associação dos Aposentados e Pensionistas de Jaú) tem se engajado na resolução de um problema que há muito incomoda os associados e comunidade em geral, que precisa se deslocar e transitar por aquela movimentada região da cidade. A área em frente à sede da entidade serve para estacionamento de veículos de grande porte e acaba servindo como dormitório para moradores de rua. O assunto já foi tratado em uma sé-

Busca por melhorias Fotos: Pedro A. Biazetti

rie de reuniões da diretoria da associação. A AAPJ fez um pedido as autoridades municipais para que providências sejam tomadas. A entidade entende e cobra que os ônibus e caminhões sejam retirados do local, por ficarem o dia todo ocupando espaço público sem pagar nada. O fluxo de pessoas naquela região é muito alto. Só em atendimentos feitos pela farmácia da AAPJ, são cinco mil pessoas por mês que se deslocam pela rua Humaitá. A AAPJ chama a atenção para a importância da área em questão no contexto urbano de Jaú. É uma região central e de grande movimento comercial. Reformulada e regulamentada para estacionamento de carros e motos, aumentaria consideravelmente a mobilidade no centro da cidade, facilitando a vida do jauense.

Ônibus e caminhões estacionados incomodam os associados e comunidade em geral, que precisa se deslocar e transitar pelo centro da cidade


10

Jornal dos Aposentados - Setembro de 2013

Economia

Cristiano Guirado

Terceira idade endividada S

egundo pesquisa do SPC (Serviço de Proteção ao Crédito), 50,49% do total dos consumidores inadimplentes têm dívidas com valores superiores a R$500. E no comércio, a maior parte desta lista de inadimplentes te mais de 65 anos. Economistas apontam essa realidade como reflexo da compra de bens duráveis, na maioria das vezes, parceladas ao longo de vários meses. O agravamento dos problemas de saúde – e consequente comprometimento do orçamento com a compra de remédios – reforçam o cenário da terceira idade endividada. Presente em muitos lares de situação financeira conturbada, a falta de planejamento costuma se tornar a grande vilã depois dos 60 anos. Por isso a inadimplência na melhor idade é mais comum do que se pensa. Sem um bom controle do

Pesquisa SPC mostra que a maioria dos devedores do comércio tem mais de 65 anos

Divulgação

orçamento fica difícil honrar os compromissos de forma ordenada, mesmo com orçamento compatível. Especialistas indicam que baratear o custo de vida é um dos caminhos. Além de atendimento médico e uma série de medicamentos que a rede pública de saúde fornece gratuitamente, o Governo Federal oferece uma série de benefícios para idosos. informar-se sobre serviços gratuitos é uma boa forma de desonerar o orçamento. Economistas da Serasa Experian recomendam que aposentados e pensionistas do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) – que começaram a receber a antecipação da primeira parcela do décimo terceiro salário na última semana de agosto utilizem essa verba para quitar as dívidas mais caras, como o rotativo do cartão de crédito e o che-

Parcelamento de compras a longo prazo e gastos com remédios reforçam o cenário da terceira idade endividada

que especial. Se o dinheiro não for suficiente, o ideal seria contratar um empréstimo consignado para quitar o saldo restante. O consignado opera com as taxas de juros mais baixas do mercado. Já os aposentados e pensionistas com a renda muito comprometida com emprés-

timos consignados, devem aproveitar a primeira parcela do décimo terceiro salário para reduzir o endividamento. Para os que estiverem com a vida financeira em dia, a dica é poupar para abatimento de despesas futuras, como férias de final de ano, IPVA (Imposto sobre

a Propriedade de Veículos Automotores) e IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano). É importante lembrar que a segunda parcela do décimo terceiro salário será menor, devido ao desconto do Imposto de Renda. O primeiro passo para sair da inadimplência é procurar

as empresas credoras para negociar os débitos e limpar o nome. Organize as dívidas e comece pelas têm juros mais altos. A renegociação ou pagamento da dívida deve ser feito diretamente com a empresa para a qual está devendo. Evite a contratação de intermediários.


11

Jornal dos Aposentados - Setembro de 2013

Jurídico

Ailton Tipó Laurindo - Advogado e vereador em Lençóis Paulista

Aposentadoria especial para deficientes entra em vigor em novembro Nova espécie de aposentadoria destina-se aos deficientes que contribuem ou já contribuíram para a Previdência Social

C

om previsão na Constituição desde a Emenda Constitucional 47 de 2005, a Aposentadoria Especial para Deficientes não era exercida na prática, por falta de Lei Complementar disciplinando seu uso. As pessoas portadoras de deficiência tinham que cumprir os requisitos e critérios gerais previstos para todos os demais segurados. Finalmente, em oito de maio de 2013, foi publicada a LC 142/2013, que teve a incumbência de regulamentar o §1°, do artigo 201 da Constituição Federal de 1988, referente à aposentadoria da pessoa com deficiência segurada do RGPS - Regime Geral de Previdência Social. Para o reconhecimento do direito à aposentadoria, considera-se pessoa com deficiência aquela que tem impedimentos de longo prazo de natureza física, mental, intelectual ou sensorial, que podem obstruir sua participação plena e efetiva na

sociedade. O conceito estabelecido é abrangente, haja vista que a referida LC não definiu o conceito de impedimentos de longo prazo, bem como o que seria a participação plena e efetiva na sociedade, necessitando, portanto, de regulamentação o dispositivo em análise. Também precisará ser regulamentada a questão do grau de deficiência (leve, moderada e grave) e outros temas merecem, da mesma forma, devida regulamentação. De outra banda, o artigo 3° da LC 142/13 dividiu as deficiências de acordo com o grau de moderação: a) grave, em que a aposentadoria será concedida com 25 (vinte e cinco) anos de contribuição para o homem e 20 (vinte) anos para a mulher; b) moderada, onde a aposentadoria será devida aos 29 (vinte e nove) anos de contribuição ao homem e 24 (vinte e quatro) anos à mulher; c) leve, em que a aposentadoria se concretizará aos 33 (trinta

Divulgação

Empresas especializadas em cuidar de idosos ganham espaço no mercado

e três) anos de contribuição, se homem, e 28 (vinte e oito) anos, se mulher. No mesmo artigo, ficou disciplinada a possibilidade do segurado deficiente se aposentar por idade, independente do grau de deficiência, aos 60 (sessenta) anos de idade, se homem, e 55 (cinquenta e cinco) anos de idade, se mulher desde que cumprido tempo mínimo de contribuição de 15 (quinze) anos. O grau de deficiência deverá ser analisado pelo Setor de Perícias Médicas do INSS

e o tempo de contribuição do deficiente anterior a essa LC deverá ser certificado na primeira avaliação Pericial. Se após o ingresso no Regime, o segurado for acometido de algum tipo de deficiência ou tiver seu grau de deficiência alterado, os parâmetros serão proporcionalmente ajustados entre o tempo sem deficiência e o tempo com deficiência. Para fins de cálculo da renda mensal da aposentadoria em questão, será apurado em conformidade

com o disposto no art. 29 da Lei no 8.213, de 24 de julho de 1991, serão aplicados os seguintes percentuais: I - 100% (cem por cento), no caso da aposentadoria do deficiente por tempo de contribuição, independente do seu grau de deficiência. O fator previdenciário apenas será aplicado se o mesmo for positivo (maior que 1), resultando numa renda mensal maior e; II - 70% (setenta por cento) mais 1% (um por cento) do salário de benefício por grupo de 12 (doze) contri-

buições mensais até o máximo de 30% (trinta por cento), no caso de aposentadoria por idade. Finalmente, verificase que a LC 142/13 apesar de mostrar importante conquista para os portadores de necessidades especiais, possui diversos ainda obscuros e abstratos, de modo que, mesmo depois de regulamentada, com certeza irá gerar muitos debates jurídicos em torno no seu texto. Aguardemos o dia 09/11/2.013 a entrada em vigor da LC 142/13.


12

Jornal dos Aposentados - Setembro de 2013

Personalidade

Cristiano Guirado

Um senhor

jauense Filho de imigrantes espanhóis, nascido na Argentina e jauense de coração; conheça a sensacional história de Francisco Martinez, que em setembro completa 92 anos de idade

O

ano era 1913. A produção agrícola era o carro chefe da economia regional e na época, Jaú era uma das cidades mais importantes do interior do estado de São Paulo. Imigrantes europeus eram contratados direto no porto de Santos para reforçar a mão de obra nas fazendas do sertão paulista. Assim foi escrita a história do patriarca espanhol Francisco Martinez, sua esposa e seus seis filhos adultos Francisco, Pascoal, José, Ângelo, Manoel e Izabel. Aos poucos, os Martinez foram deixando os cafezais e investindo na vida em cidades (o que de forma alguma

era usual naquele tempo), com objetivo de ter algum estudo. Boa parte da família ficou em Jau, para onde voltariam mais tarde seus descendentes. Manoel foi para São José do Rio Preto, onde passou a trabalhar como barbeiro. Já casado, Pascoal deixou Jaú para trabalhar no cultivo da uva e produção de vinho na Argentina. Em 1921, nascia, nas proximidades da cidade de Maipú, província de Mendoza, na Argentina, Francisco Martinez Neto. Quatro anos mais tarde, Pascoal e seus filhos retornam ao Brasil, para a cidade de Cedral, na região de São José do Rio Preto, onde na

ocasião morava o patriarca da família. Os primeiros trabalhos de Martinez no campo foram em Uchoa (também na região de São José do Rio Preto). Único filho homem em uma família com quatro irmãs menores, teve que largar os estudos aos 13 anos para ajudar no sustento da casa. “Ganhava pouco, pois era menor; meu pai na capina de quintais, a família era grande... dava, não sei como, para não passar fome”, relembra. Aos 18, nova experiência junto com a família: o trabalho como meeiro no cultivo do café, em Bálsamo, uma cidade próxima. Lá aconteceu uma pas-

sagem importante de sua vida. “Fiz amizade com o filho do patrão, da mesma faixa etária e também com pouca escolaridade. Ele me convidou para fazer um curso de português por correspondência, disse que pagaria. Eu aceitei”, conta. Veio outra mudança com a família para outra cidade da região. Na nova fazenda, porém, seu trabalho na lavoura não era o mais importante. Pediu ao novo patrão permissão para montar uma escolhinha. “O patrão não só permitiu como também ajudou, cedendo um paiol de-

Filho de espanhóis, nascido na Argentina e jau que em setembro completa 92 anos de idade,


13

Jornal dos Aposentados - Setembro de 2013

uense de coração: Francisco Martinez, tem uma história de luta e superação

Fotos: Pedro A. Biazetti

Francisco Martinez e a mulher Elaine Presuto aproveitam os finais de semana nos bailes da Associação dos Aposentados

sativado e taboas para a improvisação de duas mesas e seus bancos, com os pés fincados no chão de terra batida”, lembra. Não havia eletricidade e as aulas só eram possíveis com cinco ou seis lamparinas a base de querosene. Durante a Segunda Guerra

Mundial veio o racionamento do combustível, inclusive do querosene. Os poucos mais de dez alunos eram convidados a trazer um pouco de suas casas em troca de descontos na mensalidade. Nessa época, Martinez continuou estudando e conseguiu concluir o curso de Escrituração Mercantil. Terminada a guerra,

houve um movimento da população rural para as fazendas. Martinez, agora com 24 anos, foi morar em São Paulo com a família. “Foi uma aventura das grandes. Meu primeiro emprego foi no Cotonifício Guilherme Giorgio, Fiação e Tecelagem, Vila Carrão”, conta. “Trabalho braçal ainda, mas depois de três meses criei coragem e me

inscrevi para Auxiliar de Contabilidade. Fui aceito e nunca mais precisei puxar o cabo da enxada”, completa. Na década de 1960, voltou ao ponto onde começa a história de sua família em solo brasileiro. Em Jaú, teve a oportunidade de ser proprietário de um restaurante. Firmou as raízes e estruturou sua vida na cidade.


14

Jornal dos Aposentados - Setembro de 2013

Comportamento

Cristiano Guirado

Lista básica N

o Brasil, o idoso (pessoa com mais de 65 anos) tem vários direitos e benefícios garantidos por lei, que vão muito além das vagas preferenciais e filas exclusivas, nos bancos. Ações que, se levadas à risca interfeririam positivamente na vida da população de terceira idade. Direitos que muitas vezes não são respeitados porque as pessoas não os conhecem. A área da saúde é uma das mais completas. Além do atendimento preferencial no SUS, o idoso tem direito a medicamentos gratuitos (sobretudo os de uso contínuo), assim como próteses e órteses.Além disso, os planos de saúde não podem reajustar a mensalidade de acordo com o critério da idade.

O idoso também tem direito ao transporte público gratuito. Nos veículos, 10% dos assentos devem ser reservados para a terceira idade. A terceira idade também é protegida por uma série de leis antidiscriminação. Quem

discriminar o idoso, impedindo ou dificultando seu acesso a operações bancárias, aos meios de transporte ou a qualquer outro meio de exercer sua cidadania pode ser condenado e a pena varia de

O idoso tem uma série de benefícios e direitos garantidos por lei; saiba quais são e faça-se respeitar! seis meses a um ano de reclusão, além de multa. Essa pena pode chegar a três anos de cadeia em casos de famílias que abandonem o idoso em casas de acolhimento sem respaldo para suas necessidades básicas. A legislação também ga-

rante 50% de desconto em atividades de cultura, esportes e lazer, e proíbe discriminações no mercado de trabalho, como a fixação de limi-

te máximo de idade na abertura de uma vaga de emprego. Por fim, vem as garantias legais na área da habitação. Por lei, 3% das unidades residenciais em programas habitacionais públicos – ou financiados com recursos públicos – tem que ser reservadas para a terceira idade. Divulgação


16

Jornal dos Aposentados - Setembro de 2013

Comportamento

Espanha

Jamaica

Barbados

Cristiano Guirado Fotos: Divulgação

Malta

Estados Unidos

Portugal

Tailândia

Austrália

Marrocos

Grécia

Aonde você vai morar?

Site britânico Telegraph seleciona os 10 melhores lugares do mundo para a Terceira Idade

A

aposentadoria está chegando e você está com dinheiro na conta e pronto para mudar de vida? Ótimo, porque o site britânico Telegraph selecionou os melhores lugares do mundo para se curtir a velhice. E fez isso levando em conta o custo de vida e a estrutura pública voltada para a terceira idade. O resultado está na lista a seguir. Prepare suas malas. Espanha - Apesar de enfrentar grave crise financeira, o país tem a menor taxa de criminalidade. Além de belas

cidades como Madri e Barcelona, há paisagem rural da Catalunha e áreas protegidas pela UNESCO , como Toledo, Tenerife, Ibiza e Menorca. Jamaica - Também chamada de “ilha da fantasia”, a Jamaica tem paisagens de cair o queixo, comunidades amigáveis e flora e fauna deslumbrante. A temperatura média é de 27°C e o custo de vida é baixo. A pobreza e a violência são o ponto negativo, mas nada com que o brasileiro já não esteja acostumado.

Malta - Localizada o Mar Mediterrâneo, Malta é pequena e densamente povoada ilha. Com uma temperatura média de 19°C, a região atrai muitos britânicos. É um dos destinos ideais para viver após a aposentadoria, mas o grande número de pessoas pode se tornar um problema no futuro.

riam dificuldade com o idioma local.

Portugal - Um país famoso por sua rica história, infraestrutura em saúde e clima agradável. Comparado a outros países da Europa, o custo de vida é mais baixo. Além disso, claro, os brasileiros não te-

Barbados - Essa ilha tem tudo o que se pode esperar do Caribe: sol, mar, areia e simpatia. Além disso, o imposto de propriedade é baixo e a temperatura média é de 26°C.

Austrália - O país é conhecido por seus cangurus, clima favorável e pessoas acolhedoras. Sem dúvida, o custo dos imóveis é alto, mas o serviço de saúde é barato e de qualidade, o que atrai muitos visitantes.

Estados Unidos - O seguro saúde é caro no país, mas o preço dos imóveis vale a pena. O que também chama a atenção é o preço da gasolina barata e a variedade de atrações culturais. Tailândia - Ideal para quem busca, literalmente, uma nova forma de vida. Com cidades movimentadas, grandes templos, gastronomia atraente e belas paisagens, a Tailândia tem custo de vida barato e atrai muitos visitantes. Marrocos - Uma com-

binação de influências romanas, islâmicas e europeias é vista em cidades como Marraquexe, Casablanca e Tânger. O clima temperado torna Marrocos propício para lista de quem pretende viver no exterior. A dificuldade para se comprar e vender imóveis é um empecilho. Grécia - Embora ainda em crise econômica, este país oferece um estilo de vida descontraído, com um clima excelente, cuidados com a saúde e um baixo índice de criminalidade.


17

Jornal dos Aposentados - Setembro de 2013

Entretenimento CAÇA PALAVRAS

imagem.eti.br

ABARCAR ABASTANÇA ABOBAR BAFIO BALANÇO

BANGALÔ BARALHAR BRASIL CABRESTEIRO CAJADO

Solução do caça palavras

DECEPADOR DIVIDIR LESTE PALAFITAS TEMPERADA


18

Jornal dos Aposentados - Setembro de 2013

Artigo

Daniela Menin – Fonoaudióloga

Presbiacusia A

audição é essencial em nossas vidas, desempenhando um papel fundamental na comunicação humana, pois através dela é possível perceber os sons do ambiente e a fala. o som é capaz de proporcionar e modificar emoções e elas podem ter um papel fundamental nos relacionamentos, na saúde e qualidade de vida de cada um de nós. A perda da sensibilidade auditiva associada ao envelhecimento é chamada de Presbiacusia. O nome deriva da palavra grego presby = velho e akousis = audição. A presbiacusia é caracterizada por uma perda auditiva para os sons agudos, devido a mudanças degenerativas e fisiológicas no sistema auditivo com o aumento da idade. Isto é, lesões nas estruturas da orelha interna decorrente de uma degeneração neural da cóclea (órgão sensorioneural responsável pela percepção dos sons) O ritmo de perda auditiva pode ser agravado por condi-

ções ambientais e por doenças sistêmicas como diabetes, alcoolismo, entre outras alterações metabólicas, acidentes vasculares relacionados à hipertensão, doenças cardíacas ou outros problemas vasculares podem afetar o fluxo sanguíneo do ouvido interno. A perda auditiva também pode ser hereditária. Estudiosos afirmam que a presbiacusia é um fenômeno de alta prevalência na população idosa sendo capaz de causar diversas dificuldades na comunicação oral e na interação familiar e social. A presbiacusia vem sendo apontada pela Política Nacional de Saúde da Pessoa Portadora de Deficiência como a principal causa de deficiência auditiva em idosos, com uma prevalência de cerca de 30% na população com mais de 65 anos de idade, este número sobe para mais de 50% acima dos 80 anos.

Consequências da perda auditiva A perda auditiva gera no idoso um dos

mais incapacitantes distúrbios de comunicação, impedindo-o de desempenhar plenamente seu papel na sociedade, dificultando o compartilhar de conteúdos de informações, ideias, pensamentos, desejos e aspirações. É comum observarmos o declínio da audição acompanhado de uma diminuição frustrante na compreensão da fala do idoso, comprometendo sua comunicação com familiares e amigos, podendo não entender parte das conversas ao seu redor e imaginar que as pessoas estejam falando dele. Também pode haver quadros de depressão e baixa auto -estima e isolamento social devido a dificuldade de ouvir.

Como saber se estou perdendo a audição? Você tem dificuldade em se comunicar com seus familiares ou amigos? Precisa aumentar o volume da TV ou do rádio? Pede para as pessoas repetirem o que falam?

Divulgação

Doenças como diabetes e alcoolismo podem agravar o ritmo da perda auditiva

Caso você tenha se identificado com algumas dessas situações, existe a possibilidade de você ter uma perda auditiva.

Ação Pensando em melhorar a qualidade de vida de seus associados, a Associação dos Aposentados estará realizando uma triagem auditiva, em

parceria com o Centro Auditivo CliSound de Baruru. A triagem nada mais é do que a verificação de algumas frequências de sons que o ouvido humano é capaz de ouvir. Não será realizado o exame completo de audição. Se durante a triagem houver necessidade da realização da audiometria (exame completo) a

pessoa será encaminhada a um Otorrinolaringologista para a realização do mesmo e possível tratamento, que poderá ser medicamentoso ou a indicação do uso do Aparelho Auditivo, mas é o médico que decidirá isso. Então anote: a triagem será no dia 30 de setembro e você poderá agendar na associação.


19

Jornal dos Aposentados - Setembro de 2013

Destinos

Daniel Rosalin Turismo Fotos: Divulgação

Por que Gramado O

terceiro destino mais desejado do Brasil, Gramado encanta com suas ruas floridas, com os detalhes da arquitetura e hospitalidade. Aqui as quatro estações do ano proporcionam verdadeiros espetáculos da natureza. O romantismo do outono, o aconchego da lareira e do vinho no inverno, a alegria e o colorido das flores na primavera e a energia do verão fazem dela uma cidade

é inesquecível?

simplesmente surpreendente! É inesquecível por que oferece verdadeiros espetáculos, que fazem brilhar os olhos. O Natal Luz, um dos maiores eventos natalinos no mundo, encanta com shows de fogos, som e luzes, além dos emocionantes desfiles. O Festival de Gramado - Cinema Brasileiro e Latino, é o maior evento cinematográfico do país, reunindo artistas, produtores, diretores

e jornalistas numa semana de muito glamour. A cidade também é uma excelente oportunidade de ver de perto a cultura típica alemã e italiana é participar das festividades da Festa da Colônia. Possui um interior riquíssimo em paisagens ainda inexploradas, compostas por vales, rios e cachoeiras e cada recanto conta um pouco da história de nossa cidade, preservada pelos

descendentes dos colonizadores alemães e italianos. É inesquecível por que se destaca e faz surgir e crescer um sentimento profundo por este lugar tão especial. Gramado é inesquecível por tudo isso e por muito mais.

O Natal Luz

Considerado o maior evento natalino do Brasil e um dos maiores do mundo, o Natal Luz transforma Grama-

do em um grande “parque temático do natal”. A cidade expõe uma decoração inovadora de adornos natalinos criados por habilidosos artesãos a partir de garrafas PET; um projeto de iluminação e som ambiente que toma conta das principais ruas e praças; e uma seleção diversas atrações – shows piromusicais, desfiles, corais, musicais, concertos, exposições, teatro, entre outros - que ocor-

rem por toda a cidade e são apresentadas por mais de 500 vezes. Tudo é preparado com a missão de encantar um público aproximado de 1,5 milhão de pessoas em uma temporada de mais de 70 dias, que inicia em novembro e termina na metade de janeiro. A temporada do 28º Natal Luz de Gramado acontece a partir de 25 de Outubro de 2013 a 12 de Janeiro de 2014.


20

Jornal dos Aposentados - Setembro de 2013

Culinária

Receita de setembro Risoto de abóbora e carne-seca Divulgação

Tempo: 45 min / Rende 5 porções

INGREDIENTES

MODO DE PREPARO

1 colher (sopa) de azeite 1 cebola ralada 1 xícara (chá) de arroz arbóreo meia xícara (chá) de vinho branco 2 colheres (sopa) de Caldo Líquido Carne 1 xícara (chá) de carne-seca dessalgada e desfiada 2 xícaras (chá) de abóbora picada 1 colher (sopa) de cheiro-verde meio copo de Requeijão Cremoso 3 colheres (sopa) de queijo parmesão ralado

Em uma panela grande, aqueça o azeite e refogue a cebola. Junte o arroz arbóreo e deixe refogar um pouco. Adicione o vinho e deixe ferver por cerca de 2 minutos. Acrescente o Caldo Liquido e misture bem. Junte a carne seca e a abóbora e adicione, aos poucos, 4 xícaras (chá) de água fervente, mexendo sempre, até que o arroz fique úmido e al dente e a abóbora fique macia. Acrescente o cheiro verde, o Requeijão e misture delicadamente. Polvilhe o queijo parmesão e sirva a seguir.


21

Jornal dos Aposentados - Setembro de 2013

Social Lençóis

Baile da melhor idade

Confira quem esteve presente no baile do dia 31 de agosto no Centro de Convivência da Melhor Idade

Cíntia Fotografias

Denise , Sonia e Zé Carlos

Cíntia Fotografias

Joana e Ezequiel

Cíntia Fotografias

Cíntia Fotografias

Euriedos e Maria

Edison e Elizete Cíntia Fotografias

Eva e Aparecido

Cíntia Fotografias

Guiomar , Cleiton e Donizete Cíntia Fotografias

Ita , Si e Vera

Cíntia Fotografias

João e Fatima


22

Jornal dos Aposentados - Setembro de 2013

Social Lençóis

Cíntia Fotografias

Muita energia e gente animada nos bailes do Centro de Convivência. Confira quem passou por lá! Laercio e Angela Cíntia Fotografias

Laercio e Cleuza

Cíntia Fotografias

Neuza e Josimar

Cíntia Fotografias

Rosa , José e Maria Cíntia Fotografias

Sergio e Cida

Maria e Izaias

Lurdes e José Cíntia Fotografias

Cíntia Fotografias

Cíntia Fotografias

Rosana e João Cíntia Fotografias

Sergio e Silvia

Jornal dos Aposentados

Silvia e Vilso


23

Jornal dos Aposentados - Setembro de 2013

Social Jaú

Bailes da Associação Colaboração: Pedro A. Biazetti

Dirce e Francisco Colaboração: Pedro A. Biazetti

Dorimar e João Colaboração: Pedro A. Biazetti

Zezé e Nelson Colaboração: Pedro A. Biazetti

Elvio e Maria José

Confira quem esteve presente nos animados bailes da AAPJaú!

Colaboração: Pedro A. Biazetti

Tereza e Geraldo Colaboração: Pedro A. Biazetti

Mauro e Alzira Colaboração: Pedro A. Biazetti

Célia e Alcides Colaboração: Pedro A. Biazetti

Rosa Maria e Encarnação


24

Jornal dos Aposentados - Setembro de 2013

Social Jaú

Colaboração: Pedro A. Biazetti

Bailes da AAPJ Clima descontraído e muita gente bonita! Confira as fotos dos bailes da Associação durante o mês de agosto Neide e João Colaboração: Pedro A. Biazetti

Odete e Mamede Colaboração: Pedro A. Biazetti

Maria Eliza e Augusto Colaboração: Pedro A. Biazetti

Alzira e Plinio Colaboração: Pedro A. Biazetti

Maria Helena e José Luiz

Colaboração: Pedro A. Biazetti

Nelson, Luiza, Fatima e Pio Colaboração: Pedro A. Biazetti

José e Madalena Colaboração: Pedro A. Biazetti

Reginaldo e Maria José Colaboração: Pedro A. Biazetti

Ricardo, Lourdes, Romilda, Sueli e Henrique

Colaboração: Pedro A. Biazetti

Antonio e Maria Cecília Colaboração: Pedro A. Biazetti

Maria e Orlando Colaboração: Pedro A. Biazetti

Julieta e José Colaboração: Pedro A. Biazetti

Nene e Aparecida


Jornal dos Aposentados - Setembro de 2013.