Issuu on Google+

ESPECIAL DIA INTERNACIONAL DA MULHER - MARÇO DE 2013

Dia Internacional da Mulher

A Participação das Mulheres nos espaços de poder “… trabalhar para ampliar a participação das mulheres nos espaços de poder e decisão é trabalhar para consolidar e aperfeiçoar a democracia brasileira.

Por: Marilene Betros

(II PNPM, p. 120)”

Lugar de mulher é na política!

A

inserção das mulheres nas várias instancia de decisão ainda é muito tímida. A nossa luta por participação e cidadania é histórica e tem acumulado conquistas significativas a exemplo da criação, no governo Lula, da Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres (SPM-PR), com status de ministério, da Lei Maria da Penha, a criação do Programa Nacional de Enfrentamento à Violência Contra a Mulher, que traz a discussão sobre os atos de violência que são praticados contra as mulheres e a punição aos que praticam violência contra a mulher. Os dados da participação das mulheres apontam a grande desigualdade entre o quantitativo de mulheres nos espaços de decisão política. O Brasil ocupa o 106º lugar no ranking mundial de participação política feminina no parlamento. Apesar de nós mulheres sermos a maioria da população, não conseguimos representar isso nos espaços de representação política. No parlamento brasileiro a bancada feminina na Câmara Federal não passa de 8% do total, das 513 cadeiras, apenas 45 são ocupadas por mulheres. No Senado, só temos 12 mulheres dos 81 cargos, 8 partidos dos 22 que têm representação na Câmara, não elegeram mulheres e dos 27 governadores apenas 2 são mulheres. Os resultados das eleições 2012 para prefeitos/as e vereadores/as, apontou uma tênue elevação da participação das mulheres. Dos 15.072 concorrentes, apenas 2.015 eram mulheres e 655 se elegeram prefeitas, ou seja, 13,36%. Concorrendo a uma vaga nas Câmaras Municipais tivemos 419.282 participantes dos quais somente 133.743 eram mulheres e destas 7.630 conseguiram se eleger (dados do TSE). Nas instâncias decisórias dos partidos, a proporção de mulheres entre aqueles que integram os postos de destaques deixa muito a desejar. O Brasil conta com 16% de mulheres ocupando direções. Proporção abaixo da média dos países pesquisados pelo DIEESE, que é de 19%. Essa profunda desigualdade tem sido alvo de debates, pois, é necessário garantir as possibilidades de participação das mulheres nas instancias de decisão e lutar para garantir na reforma política o financiamento público de campanha, tendo a paridade entre homens e mulheres como um princípio democrático. Reconhecer que conquistamos horizontes nunca imaginados, a exemplo da eleição de Dilma Rousseff para a Presidência da República, é a desmistificação de que as mulheres podem estar em espaços de poder que eram reservados exclusivamente para os homens, é importante, mas ainda temos uma longa trajetória de lutas para que continuemos o processo de mudança e avancemos ainda mais em políticas positivas que elevem a condição de participação das mulheres em todas as instancias de poder. A mulher e o movimento sindical A presença das mulheres no movimento sindical também é desigual. Quando participam são colocadas em funções

Acesse: www.aplbsindicato.org.br

secundarias. Em 2001 os dados do IBGE (Sindicatos: Indicadores Sociais) apontavam que de 10 sindicatos apenas quatro tinham como presidenta uma mulher. Na grande maioria das direções sindicais, os cargos de maior poder (Presidência, Tesouraria e Secretaria Geral) não são ocupados por mulheres. Necessário se faz que rompamos com essa lógica ilógica que separa homens de mulheres colocando-os num patamar de superioridade. A implementação de políticas afirmativas de gênero contribuirá para a construção de uma nova concepção sindical centrada no respeito às diferenças e na divisão igualitária de poder, abrindo assim oportunidades iguais de participação. Assim, a formação das mulheres na perspectiva de ocupar os espaços de poder é também um caminho importante a construir, pois se constituirá num avanço significativo da nossa luta. A luta para além do 8 de março Debates, palestras atos e outras atividades são importantes, mas, para além do 8 de março é preciso garantir através dos meios legais, a emancipação das mulheres, assegurando-lhes o direito de estar no mercado de trabalho formal, com direitos trabalhistas, acabando com a informalidade e precariedade dos postos de trabalho ocupados por mulheres. A divisão com os homens e o Estado da responsabili-

dade do cuidar da família é outro ponto importante, pois a maioria absoluta assume sozinha essa tarefa. O combate a todas as formas de violência e discriminação contra as mulheres deve também estar na ordem do dia não apenas do mês de março. Sabemos que a lei existe, mas é necessário criar, nos estados e municípios, as formas de implementação da mesma, que amparem as mulheres que sofrem ou sofreram violência, como centros de referências, delegacias especiais e casas-abrigo, além de outros. Infelizmente, mesmo sob a égide de uma lei como a Lei Maria da Penha, ainda convivemos com bárbaros assassinatos de mulheres. Por isso, precisamos que, tão importante instrumento de defesa das mulheres seja respeitado e cumprido. Viva o 8 de março! A luta continuará mais forte com mulheres e homens, atuando em conjunto para conquistar um mundo mais fraterno, com igualdade de oportunidades, igualdade salarial e igualdade de ascensão profissional entre homens e mulheres além do acesso à educação, existência de creches públicas no campo e na cidade entre outras de igual importância. Marilene dos Santos Betros é Especialista em Educação Inclusiva, Especialista em Teoria e Pesquisa em História, Mestranda em Ciências da Educação, Diretora da Executiva Nacional da CTB, Vice-Coordenadora da APLB-Sindicato

aplbsind@gmail.com


Mulheres na luta ARTIGO

Mulher Por: Ana Angélica Bastos

M

ulher, indecifrável ao olhar disperso, porém simples ao olhar sensível. Incompreendida por suas fases tão minguantes quando lhe tiram o chão, tão novas que se superam e as transformam em uma mulher a cada dia, tão cheias de vida ou da vida dependendo das vidas que as cercam nessa fase transbordante, tão crescente que muitos não alcançam a altura ou o voo dessa mulher sem limites. Mas porque compreendê-la e não simplesmente amá-la já que o amor tem em si a essência de desvendar o olhar quando palavras não existem compreender palavras ditas com gestos involuntários. Mulher, cantada em músicas poéticas, desejadas por uns, ignoradas por outros, valorizadas e às vezes desprezadas, porém sempre mulher. Guerreiras por natureza, pois lutam por tudo que acreditam valer à pena, ou mesmo só por ser mulher e querer se impor diante dos olhares que a julgam incapaz de conquistar seu mundo, de ter em suas mãos um lápis, uma borracha e um papel, e que possa escrever e apagar sua história quantas vezes forem necessárias, ter a irreal certeza de que tem o controle da sua vida ou de gerar outra vida. Ninguém entende, nem ela mesma, mas pra que tentar entender se pra vida acontecer basta se permitir viver, com todos os ônus e bônus que só quem se entrega a uma vida plena pode ter. Mulher, um poema de Deus expressado em um ser admirável como a mais bela obra já esculpida e projetada pelo criador, o qual deixou pra mulher o dom da doçura e do amor e fez desse ser transbordar a inquietude e a esperança que no olhar de cada criança que é nela, na mulher que a vida continua. Portanto, ao olhar uma mulher não olhe por fora onde é previsível e fácil de ser memorizado, nem tão pouco olhe adiante, perpassando seu olhar sem notá-la ou perceber seus movimentos. Olhe profundamente, penetrando-lhe o coração e tocando-lhe a alma, aí sim poderás dizer que conheceu uma mulher, e ao conhecê-la fuja se puder ou permaneça se capaz, pois diante do que encontrares, poderá ser cativo, prisioneiro, apaixonado ou simplesmente feliz.

Como é difícil ser mulher, se equilibrar no salto, mostrando-se elegante impondo seu poder de ser. Se equilibrar na vida, tentando compensar sua forma louca de tudo ao mesmo tempo querer fazer. Tão cheia de múltiplas tarefas, eis a mulher polvo, que com todos os seus tentáculos ainda acredita que cabe mais, sempre mais. Como é difícil ser dura, ser firme quando por dentro está mole e flexível de tanto querer. Ou quando a doçura derretida pela inundação de muitas lágrimas se amarga transformando o sabor de ser, talvez por instantes, talvez por todo viver. Como é difícil ser mulher exigente consigo mesma provando ser capaz a cada dia, observada por todos, pois sabem que é na mulher que está a raiz da ousadia. Admirada e invejada por muitos, pois são da mulher o dom de olhar o todo e ver o essencial, de cada coisa e de cada um. É ter muitos aos seus pés e se dar o direito e escolher apenas um. Como é difícil ser mulher, viver em fases tão cheias ou tão vazias, minguantes ou crescentes a cada dia. É ser mais de uma e, ao mesmo tempo, ser apenas uma, simplesmente completa, é fazer de seu mundo cada vez mais real, porém repleto de fantasias. Como é difícil ser mulher, e ter em sua história as marcas nas asas podadas, porém renovadas como águias que se preparam para novos vôos, as quais em suas cavernas internas renovam suas forças para ir ainda mais longe do ponto o qual foi interrompido a caminhada. Como é difícil ser mulher, pois odeia firmemente e ama eternamente, é oito ou oitenta, é um ser projetado para viver intensamente. É capaz de enfrentar um exército, porém recua diante de seus próprios sentidos, tão apurados e tão temidos. Uma rocha em uma guerra, contudo frágil quando se encontra perdida de amor.

Por: Gercyjalda Rosa da Silva

A

luta da mulher pela sua emancipação e o empoderamento é tão antiga quanto à presença do ser humano no planeta Terra. Isso demonstra que ao longo da história a mulher nunca foi passiva, acomodada e muito menos submissa ou “sexo frágil” como quer fazer parecer a sociedade marxista que tenta passar a imagem de que mulher é frágil e incapaz de prover o seu sustento e que precisa de um provedor para tanto. Esta tese cai por terra com a inclusão da mulher no mercado de trabalho aonde atualmente representa 40% da força de trabalho no mercado formal, isto é de carteira assinada, porque as outras buscam o seu sustento na informalidade pois vivemos em um mundo onde não há oportunidade de emprego para todos, principalmente se este todo forem “todas”. A maioria das famílias é sustentada por mulheres que vão à luta, trabalham, estudam, cuidam dos filhos e ainda ajudam seus companheiros ou companheiras nas adversidades diárias. As dificuldades não abalam as guerreiras que criam, inventam e estão em todos os lugares. Se organizando nas lutas por bandeiras específicas e coletivas. Buscando ocupar espaços, antes masculinos e forçar o debate de gênero colocando em pauta as grandes reivindicações. Em um país onde somos a maioria da população e consequentemente maioria do eleitorado, ainda somos minoria nos espaços de poder, nas empresas, no parlamento, à frente das direções sindicais, entre outros. Contudo não vamos dizer que não avançamos, mas ainda precisamos continuar na luta por direitos iguais, entre outras importantes bandeiras.

Como é difícil ser mulher Como é difícil ser mulher, ter sensibilidade à flor da pele e a pele feita de carne, carne que precisa ser forte, diante das guerras internas, externas e até as não existentes. Como é difícil ser mulher, olhar para um homem e ver nele um ser tão carente, mesmo que ele esteja cercado de tanta gente, pois ela consegue enxergar com a alma e penetrar internamente.

A luta das mulheres

Vamos à luta porque a unidade nos faz mais fortes! Ana Angélica Bastos é diretora da APLB-Sindicato

Conquistas das Mulheres Brasileiras

O

dia 24 de fevereiro do ano de 1932 foi um marco na história da mulher brasileira. Nesta data foi instituído o voto feminino. As mulheres conquistavam, depois de muitos anos de reivindicações e discussões, o direito de votar.

Gercyjalda Rosa da Silva e Silva é Diretora Social da APLB-Sindicato

Hoje, em 2013, temos uma Mulher como presidente do Brasil, asil, uma conquista e tanto – Dilma Rousseff.

2

www.aplbsindicato.org.br ww w ww w..aapplb lbssiinnddiiccaattoo..oorrgg..bbrr


Mulheres na luta Estadual

Feminismo

Direitos da Mulher: Uma história de dominação e lutas Desde sua origem, ninguém passou incólume pelo feminismo. Considerado um divisor de águas na história da humanidade, o movimento, apesar de possuir correntes diferentes, está diretamente ligado à luta pela igualdade de direitos por Carmem Sílvia Moretzsohn Rocha

É

O dia internacional da mulher teria sido criado no século XX, como protesto de mulheres que, empregadas na indústria têxtil, reivindicaram melhores condições de trabalho e salários. A luta inicial das mulheres pela igualdade de direitos nasce pela afirmação das diferenças dando início a uma ambivalência (igualdade versus diferença) que acompanha toda a trajetória do(s) feminismo(s) e fundamenta a ideia de identidade do sujeito feminino. O direito de votar foi uma das primeiras reivindicações das feministas denominadas sufragistas que, embora excluídas da esfera pública sob domínio masculino, buscavam participar desta por meio do voto. Alegavam, principalmente, que na condição de mães e educadoras daqueles que integravam as arenas decisórias teriam, portanto, o direito de votar. A Nova Zelândia foi o primeiro país a conceder o direito ao sufrágio feminino em 1893, portanto, final do século XIX. O SÉCULO XX é conceitualmente marcado por três correntes feministas fundamentais, fruto de questionamentos decorrentes da diversidade intrasexo. A primeira, nos anos 1960, teve como reivindicação principal uma distribuição mais igualitária do poder por meio da ideia de igualdade de oportunidades e de condições p p para ambos os sexos. Denominado “Feminismo Igualitário”, “Liberal” ou “Universalista” tem como princípio o pensamento liberal em que os instrumentos são a educação, o trabalho e a política para uma ação transformadora. A segunda corrente, o “Feminismo Radical”, faz uma crítica à sociedade patriarcal e ao liberalismo e impera nos anos 1970.

A

s histórias que remetem à criação do Dia Internacional da Mulher alimentam o imaginário de que a data teria surgido a partir de um incêndio em uma fábrica têxtil de Nova York em 1911, quando cerca de 130 operárias morreram carbonizadas. Sem dúvida, o incidente ocorrido em 25 de março daquele ano marcou a trajetória das lutas feministas ao longo do século 20, mas os eventos que levaram à criação da data são bem anteriores a este acontecimento. Desde o final do século 19, organizações femininas oriundas de movimentos operários protestavam em vários países da Europa e nos Estados Unidos. As jornadas de trabalho de aproximadamente 15 horas diárias e os salários medíocres introduzidos pela Revolução Industrial levaram as mulheres a greves para reivindicar melhores condições de trabalho e o fim do trabalho infantil, comum nas fábricas durante o período.

inacreditável, mas é verdade. Em pleno século XXI, por definição, a mulher muçulmana deve ser submissa. Sobre elas, em qualquer nível social, o domínio ainda é forte. Seus direitos estão garantidos em lei, mas a luta para fazê-los valer na prática é grande. Desde a Antiguidade até o final do século XVII, a mulher era considerada imperfeita por natureza. O “modelo do sexo único”, descrito minuciosamente por Thomas Laqueur e dominante até a Revolução Francesa, situava a mulher num degrau abaixo do homem na hierarquia social. Mulheres ou “homens invertidos”, ontologicamente inexistentes, impotentes como as crianças ou escravos, iniciaram sua luta por reconhecimento paralelamente aos esforços dos conservadores para justificar sua exclusão dos primórdios da cidadania moderna ocidental, porque era politicamente necessário legitimar como natural o domínio do homem sobre a mulher. A construção do indivíduo racional pela teoria liberal pretendeu excluir a mulher da sociedade civil em formação, enfatizando a dicotomia entre os sexos e a separação entre as esferas pública e privada. Em contrapartida, deu início ao discurso feminista da diferença, inaugurando uma história de resistências repleta de questões, ambivalências, tensões e desdobramentos.

Por que 8 de março é o Dia Internacional da Mulher?

O primeiro Dia Nacional da Mulher foi celebrado em maio de 1908 nos Estados Unidos, quando cerca de 1500 mulheres aderiram a uma manifestação em prol da igualdade econômica e política no país. No ano seguinte, o Partido Socialista dos EUA oficializou a data como sendo 28 de fevereiro, com um protesto que reuniu mais de 3 mil pessoas no centro de Nova York e culminou, em novembro de 1909, em uma longa greve têxtil que fechou quase 500 fábricas americanas. Em 1910, durante a II Conferência Internacional de Mulheres Socialistas na Dinamarca, uma resolução para a criação de uma data anual para a celebração dos direitos da mulher foi aprovada por mais de cem representantes de 17 países. O objetivo era honrar as lutas femininas e, assim, obter suporte para instituir o sufrágio universal em diversas nações.

A socióloga Francine Decarries esclarece que o uso da palavra “radical”, cujo significado é aquilo que busca as “raízes”, pretende abordar as desigualdades geradas nas sociedades de cunho liberal. O feminismo radical pode ser subdividido em quatro tendências, a saber: Feminismo “Materialista”, “Socialista”, “da Especificidade ou Autonomista” e “Lesbiano”. A primeira faz uma oposição clara à “classe dos homens” como opressores; na segunda, há vínculo direto entre o capitalismo e o sistema patriarcal; a terceira se volta para a questão das mulheres na família e no trabalho doméstico e, por fim, o Feminismo Lesbiano encara o modelo heterossexual como opressor e tem na homossexualidade feminina uma opção política. As polêmicas, aproximações e distanciamentos entre os discursos dos feminismos emergentes evidenciaram a complexidade das relações de poder, a diversidade das experiências femininas e a consciência da centralidade do conceito de patriarcado nas lutas e pesquisas empreendidas no âmbito do(s) gênero(s). A socióloga Sylvia Walby defende que, além de ser um conceito descritivo e útil para a análise da dominação masculina, o “patriarcado” é um sistema que se articula com o capitalismo, porém, é autônomo. “É um sistema de estruturas e práticas sociais nas quais os homens dominam, oprimem e exploram as mulheres”, define. Nos anos 1980, as mulheres reivindicaram uma revalorização da e aspectos biológicos experiência feminina ligada à maternidade materni assim, uma terceira característicos das mulheres - constituindo, constit que enfatiza, nocorrente chamada Feminismo da “Feminitude”, “Fem vamente, a diferença entre os sexos. Existe no mundo contemporâneo a demanda por uma noção de cidadania mais abrangente, onde a diversidade cultural é um mote contínuo. Carmem Sílvia Moretzsohn Rocha é socióloga, mestranda em Ciências Sociaise iintegrante do Núcleo de Estudos sobre Desigual Desigualdade Contemporânea em Relações de Gênero (NUDERG) (N NUDERG) pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ)

Com a Primeira Guerra Mundial (1914-1918) eclodiram ainda mais protestos em todo o mundo. Mas foi em 8 de março de 1917 (23 de fevereiro no calendário Juliano, adotado pela Rússia até então), quando aproximadamente 90 mil operárias manifestaram-se contra o Czar Nicolau II, as más condições de trabalho, a fome e a participação russa na guerra - em um protesto conhecido como “Pão e Paz” - que a data consagrou-se, embora tenha sido oficializada como Dia Internacional da Mulher, apenas em 1921. Somente mais de 20 anos depois, em 1945, a Organização das Nações Unidas (ONU) assinou o primeiro acordo internacional que afirmava princípios de igualdade entre homens e mulheres. Nos anos 1960, o movimento feminista ganhou corpo, em 1975 comemorou-se oficialmente o Ano Internacional da Mulher e em 1977 o “8 de março” foi reconhecido oficialmente pelas Nações Unidas. “O 8 de março deve ser visto como momento de mobilização para a conquista de direitos e para discutir as discriminações e violências morais, físicas e sexuais ainda sofridas pelas mulheres, impedindo que retrocessos ameacem o que já foi alcançado em diversos países”, explica a professora Maria Célia Orlato Selem, mestre em Estudos Feministas pela Universidade de Brasília e doutoranda em História Cultural pela Universidade de Campinhas. No Brasil, as movimentações em prol dos direitos da mulher surgiram em meio aos grupos anarquistas do início do século 20, que buscavam, assim como nos demais países, melhores condições de trabalho e qualidade de vida. A luta feminina ganhou força com o movimento das sufragistas, nas décadas de 1920 e 30, que conseguiram o direito ao voto em 1932, na Constituição promulgada por Getúlio Vargas. A partir dos anos 1970 emergiram no país organizações que passaram a incluir na pauta das discussões a igualdade entre os gêneros, a sexualidade e a saúde da mulher. Em 1982, o feminismo passou a manter um diálogo importante com o Estado, com a criação do Conselho Estadual Feminina em Estadu Es dual da Condição Feminin ina e m São o Paulo, e em 1985,, ccom om o ap aparecimento da primeiraa D elegaciaa Especializada da M ulher. Delegacia Mulher. Paula Na Nadal – Nov N Nova ova Escola

aplbsind@gmail.com aap pllbbssiind nd@ @ggm maaiill.c l..ccoom m

3


Mulheres na luta MOBILIZAÇÃO

Senadora Lídice da Mata protesta contra adiamento do julgamento de acusados de estupro Segundo a acusação, em 26 de agosto de 2012, depois de uma apresentação em Ruy Barbosa, os integrantes da banda aprisionaram duas fãs em um ônibus e as estupraram coletivamente. Lídice assinalou que, com o adiamento do julgamento, os nove acusados permanecerão em liberdade, “fazendo shows como se nada tivesse acontecido”. Ela ainda manifestou sua indignação com o empresário da New Hit, que teria afirmado que a ação criminal ajudou a tornar a banda conhecida nacionalmente.

Vereadoras também se indignam com o adiamento

- Isto é um cinismo, é uma desconsideração com a sociedade, com a dor daquelas meninas, dos seus familiares e da sociedade brasileira – disse a senadora.

A

senadora Lídice da Mata (PSB-BA), em pronunciamento em 20 de fevereiro, lamentou a decisão da juíza criminal da comarca de Ruy Barbosa (Bahia) que adiou o julgamento de nove integrantes do grupo musical New Hit, acusados de estupro coletivo de duas adolescentes em agosto de 2012. A senadora considerou estranho que o julgamento, marcado para a terça-feira (19), tenha sido adiado para setembro sob a alegação de que duas testemunhas de defesa não teriam sido encontradas: - Não posso achar normal que se dê sete meses para que a defesa apresente duas testemunhas que considera tão importante num processo que se iniciou em agosto do ano passado – protestou.

A

Lídice frisou que o caso tem sido acompanhado pelos movimentos de mulheres e de direitos humanos. Ela disse que as mulheres têm avançado na conquista de espaço na sociedade, e que ninguém mais pode ser conivente com tal situação de “comportamento animal”. Em aparte, o senador Magno Malta (PR-ES) disse que não há justificativa para o adiamento do julgamento e para que os réus já não estejam presos. O parlamentar espera que o Conselho Nacional de Justiça (CNJ), o Tribunal de Justiça da Bahia e o Ministério Público se pronunciem sobre o caso.

Da Agência Senado

1º Encontro Nacional da Mulher Trabalhadora da CTB será realizado em Brasília

Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB) vai realizar entre os dias 30 e 31 de março o “Primeiro Encontro Nacional da Mulher Trabalhadora da CTB”, em Brasília. A vice-coordenadora e diretora Jurídica da APLB-Sindicato, Marilene Betros, participará do evento.

E para participar do debate as mulheres trabalhadoras da CTB também vão convidar para a discussão os homens e principalmente os jovens que estão ingressando na vida sindical. “É importante renovar o movimento sindical , fortalecer as estruturas e nós da CTB enxergamos um grande potencial na juventude, o encontro será um momento importante para aprofundar os laços”, comenta Raimunda Gomes, a Doquinha, secretária da Mulher Trabalhadora da CTB. Entre as mesas debates temas como a campanha da valorização do trabalho, autonomia política que valorizem as mulheres no trabalho, a urgência na aprovação dos projetos de lei da igualdade e articulação das proibições de abusos contra as mulheres estarão em pauta.

4

“Não podemos assistir ao prolongamento do sofrimento dessas jovens e de suas famílias, bem como ao deboche dos integrantes da banda, ou melhor do bando, dizendo que estão fazendo mais sucesso agora com a repercussão do caso”, protestou Aladilce, que é ouvidora-geral da Câmara. Ela sugeriu, também, que a Comissão da Mulher acompanhe de perto o desenrolar do processo. O julgamento dos músicos da banda New Hit foi adiado para setembro pela juíza titular de Ruy Barbosa, Márcia Simões, acatando pedido dos advogados dos réus, com o argumento de que duas testemunhas de defesa não foram encontradas para serem intimadas. A vereadora Fabíola Mansur (PSB) também protestou contra o adiamento do julgamento. Ela enfatizou que o Dia da Mulher, 8 de março, está se aproximando e que é preciso dar uma resposta para que mais este caso de estupro não fique impune. Fabíola destacou a importância do crime praticado pelos músicos ser exemplarmente punido, por se tratar de um ato bárbaro de violência contra a mulher.

Serão cerca de 150 dirigentes da CTB entre mulheres da direção nacional, secretarias de mulheres dos 26 estados e Distrito Federal, secretarias de mulheres e presidentas dos sindicatos e federações filiados e dos núcleos, que irão debater eixos de lutas e estratégias que girem em torno do “Desenvolvimento, Autonomia e Igualdade”. Todos os participantes farão uma conjuntura um balanço geral da atual situação econômica do país que vem atingindo diretamente toda a classe trabalhadora. E a partir dos encaminhamentos os dirigentes da CTB irão traçar a plataforma de lutas até o final da gestão.

O

adiamento para setembro do julgamento dos integrantes da banda New Hit, acusados de estupro por duas adolescentes no município de Ruy Barbosa, foi criticado pelas vereadoras Aladilce Souza e Fabíola Mansur. A vice-presidente da Comissão da Mulher, vereadora Aladilce Souza (PCdoB), foi a primeira a utilizar a tribuna da Casa para protestar e sugerir a aprovação de uma Moção da Câmara pedindo celeridade na apuração do caso, para não persistir o sentimento de impunidade.

Esse encontro inédito organizado pela CTB com a presença de todos os estados será um momento importante de articulação e aprofundamento das bandeiras de luta da central. O dialogo direto com os estados pretende unificar ainda mais as lideranças do movimento sindical da cidade e do campo. A participação das mulheres do campo será fundamental junto com a presença dos jovens e homens, em prol do fortalecimento das lutas travadas p pelas mulheres trabalhadoras da CTB, TB, da cidade e do campo.

EXPEDIENTE - Informativo do Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado da Bahia - Rua Francisco Ferraro, 45, Nazaré - CEP 40040-465 Salvador - Bahia. Telefone (71) 4009-8350 - Fax: 4009-8379 www.aplbsindicato.org.br - aplbsind@gmail.com Diretores Responsáveis: Coordenador Geral: Rui Oliveira - Diretores de Imprensa: Nivaldino Félix de Menezes, Luciano de Souza Cerqueira e Rose Assis Amorim Aleluia. Jornalistas José Bomfim Reg.1023 DRT-BA - Adriana Roque - Fotos:: Getúlio Lefundes Borba, Walmir Cirne, Manoel Porto e Jorge Carneiro, Valdemiro Lopes, - Designer: Jachson José sé dos Santos Projeto Gráfico e Editoração: Jachson Jose se dos Santos Aux. de Produção: Getúlio Lefundes Borba

A deputada federal Alice Portugal (PCdoB) participará dos debates ba ates na Mesa 01– Projetos de Leis 6653/09 e 136/11 1 Lei da Igualdade Ig gualdade no trabalho.

www.aplbsindicato.org.br ww w ww. w.aapplb lbssiind ind ndic ndi icaattoo..oorrg rgg..bbrr


Boletim Dia Internacional da Mulher