__MAIN_TEXT__

Page 1

KÉRAMICA revista da indústria cerâmica portuguesa

Publicação Bimestral €8.00

nº360

Edição Setembro/Outubro . 2019

PAVIMENTOS E REVESTIMENTOS CERÂMICOS


SEW-EURODRIVE - Driving the World

O futuro da automação. Mais flexibilidade. Mais performance.

MOVI-C® - O conceito modular para sistemas de automação. Com os quatro módulos integrados - software de engenharia, tecnologia de controlo, tecnologia de conversores e tecnologia de acionamentos - a SEW-EURODRIVE oferece um conceito otimizado para sistemas de automação a partir de um único fornecedor.

www.sew-eurodrive.pt


Index

Editorial . 03

Feiras . 31 31 Ambiente 2020 Estreia Hall Horeca

Destaque . 04 4 A Aplicação de Ladrilhos Cerâmicos

Cultura . 34 34 A Rede de Investigação em Azulejo, do ARTIS–IHA/FLUL

Arquitetura . 38

Reportagem . 08 8 Cerâmica Portuguesa na Maison & Objet e na Cersaie

38 ARCHI SUMMIT - Um Evento de Contornos Únicos em Portugal 40 House in Moagem Vence Prémio Margres Arquitetura 2019

Cerâmica na Arquitectura . 41

Te n d ê n c i a s . 2 0 20 As Três Principais Tendências de Ladrilhos Para 2020*

41 Casa no Príncipe Real

Reportagem

Economia . 23 23 Pavimentos e Revestimentos Cerâmicos – Exportações Mundiais, na UE-28 e em Portugal, em 2018

Entrevista . 26 26 A Conversa com Amélia Vitória, Presidente do Conselho de Administração da Primus Vitória

Notícias & Informações

Calendário de eventos . 52

30 Deliberação da CNPD 2019/494

Direção, Administração, Redação, Publicidade e Edição Rua Coronel Veiga Simão, Edifício C 3025-307 Coimbra [t] +351 239 497 600 [f] +351 239 497 601 [e-mail] info@apicer.pt [internet] www.apicer.pt Tiragem 500 exemplares Diretor Marco Mussini Editor e Coordenação Albertina Sequeira [e-mail] keramica@apicer.pt Conselho Editorial Albertina Sequeira, António Oliveira, Marco Mussini e Silvia Machado Capa Nuno Ruano

. 46

46 Novidades das Empresas Cerâmicas Portuguesas 50 Sacmi, uma evolução que “continua” há 100 anos

Secção Jurídica . 30

Propriedade e Edição APICER - Associação Portuguesa das Indústrias de Cerâmica e de Cristalaria

Associativa . 42

42 Reportagem Associativa 43 O Governo Assinou com o Cluster Habitat Sustentável Pacto de Competitividade e Internacionalização

Colaboradores António Oliveira , Albertina Sequeira, Alberto Tassoni, Bruno Moreira, Elisabette Rizzato, Filomena Girão, João Niny, Luís Pedro Mota, Marta Frias, Martim Chichorro, Patrícia Sousa, Rosário Salema de Carvalho, Sílvia Machado e Vasco Correia. Paginação Nuno Ruano Impressão Gráfica Almondina - Progresso e Vida; Empresa Tipográfica e Jornalística, Lda Rua da Gráfica Almondina, Zona Industrial de Torres Novas, Apartado 29 2350-909 Torres Novas [t] 249 830 130 [f] 249 830 139 [email] geral@grafica-almondina.com [internet] www.grafica-almondina.com Distribuição Gratuita aos associados e assinatura anual (6 números) ; Portugal €32,00 (IVA incluído) ; União Europeia €60,00 ; Resto da Europa €75,00 ; Fora da Europa €90,00 Versão On-line https://issuu.com/apicer-ceramicsportugal Notas Proibida a reprodução total ou parcial de textos sem citar a fonte. Os artigos assinados veiculam as posições dos seus autores.

Índice de Anunciantes AMBIENTE (Página 33) • CEVISAMA (Página 29) • CERTIF (Página 21) • HOP (Verso da Contra Capa) • INDUZIR (Página 45) • JORNADAS TECNICAS (Página 1) • MAGELLAN (Contra Capa) SACMI (Página 51) • SEW (Verso da Capa) • TECNARGILLA (Página 37) Conteúdos conforme o novo acordo ortográfico, salvo se os autores/colaboradores não o autorizarem

Publicação Bimestral nº360 . Ano XLIV . Setembro . Outubro . 2019

Depósito legal nº 21079/88 . Publicação Periódica inscrita na ERC [Entidade Reguladora para a Comunicação Social] com o nº 122304 ISSN 0871 - 780X Estatuto Editorial disponível em http://www.apicer.pt/apicer/keramica.php

p . 24 . K é r a m i c a . IDnedset xa q u e

Setembro . Outubro . 2019


Editorial

Abro esta edição da KERAMICA com uma saudação ao subsetor dos Pavimentos e Revestimentos Cerâmicos, e faço-o com a mesma vénia que dediquei aos outros subsetores, e até com os mesmos argumentos de inovação e modernidade, com que as empresas portuguesas se apresentam ao País e ao mundo. O velho revestimento a que ainda hoje temos a tentação de chamar azulejo, tem sido ao longo dos tempos a solução ideal para vários fins, desde logo pelo colorido e pela dimensão dos painéis, dos quais encontramos variadíssimos retratos em edifícios históricos, com uma riqueza cromática e figurativa inigualáveis, e que existem a revestir paredes de monumentos por todo o País; Mas também os vemos em palácios e catedrais com invocações de motivos religiosos, que de alguma forma suscitam a reflexão e o recolhimento, bem como trazem à memória a leitura dos artistas plásticos da época, sobre os feitos históricos dos descobrimentos ou sobre as conquistas, com que os nossos antepassados defendiam as fronteiras físicas do território nacional. É uma parte da nossa história pintada nos ditos azulejos com fins decorativos, mas era também com azulejos que se traduziam preocupações na ocupação de espaços vazios, na cobertura de vestígios de alteração nas soluções construtivas, ou para lhes dar a perspetiva de maior dimensão, ou para lhes garantir maior conforto, higiene e segurança.

Setembro . Outubro . 2019

A tudo isso o azulejo respondia com excelentes resultados que ainda hoje admiramos! Nenhum desses objetivos se perdeu, ainda que os motivos decorativos tenham hoje uma relação mais próxima das emoções que se pretendem atingir, quer nos espaços públicos quer nos espaços privados em que são aplicados. É também nas habitações, nas ruas e nos jardins que encontramos marcas de alguma afetividade gravada em cerâmica. De ontem e de hoje, são ainda os revestimentos de paredes exteriores, por motivos de isolamento térmico, acústico e de resistência ao tempo, sem necessidade de qualquer manutenção. Mas o velho e respeitável azulejo que vemos ainda hoje aplicado nos seus locais de origem, e do qual encontramos um rico repositório repartido por vários museus nomeadamente pelo Museu do Azulejo, cedeu o seu lugar aos grandes formatos e às grandes dimensões do porcelanato, conseguido por uma incrível e exigente evolução tecnológica, e com decoração conseguida por impressão digital, que dá à cerâmica o efeito decorativo que se pretende, para que pareça ser o que não é, continuando no entanto a ser cerâmica e mantendo-lhe e até reforçando aquelas características que os diferenciam dos demais. O que tudo isto significa em termos de inovação nos processos e nos produtos, pode não ser do conhecimento dos utilizadores e do público em geral, mas é seguramente o desafio que as empresas têm vindo a superar com muita investigação, com muito desenvolvimento e, claro está, com muito investimento, até porque a tudo isto estão associados os compromissos ambientais, a eficiência energética, e a concorrência internacional que é fortíssima (e muitas vezes desigual), de forma a garantir a sustentabilidade das empresas. Noutra vertente mais moderna e mais de gestão, não posso deixar de relevar o facto de os empresários se terem recentemente organizado como Unidade Autónoma dentro da APICER, organização que de resto acompanha a decisão dos outros subsetores para tomada de decisões estratégicas, com todo o empenhamento dos respetivos empresários e gestores. Temos agora os empresários mais próximos da APICER, e com essa proximidade, teremos creio bem, mais competitividade no mercado internacional, e maior notoriedade no mercado nacional. Dr. José Luís Sequeira (Presidente da Direção da APICER)

Dde isttoa rqiua el . K é r a m i c a . p . 35 E


Destaque

A APLICAÇÃO DE LADRILHOS CERÂMICOS

po r L uís Ped ro Mota*

Introdução A utilização de ladrilhos cerâmicos como revestimento de chão e paredes é ainda, apesar da crescente concorrência de materiais alternativos, uma constante transversal à esmagadora maioria das obras de construção civil destinadas ao uso comercial ou habitacional. Um pouco por todo o mundo os ladrilhos cerâmicos destinados ao uso como revestimento de chão e paredes têm ampla presença, com particular destaque para os países europeus e nestes, obviamente, para Portugal, em ambos os casos pela proximidade e destino da maior parte da produção nacional. A Ceramic World Review 123/2017, num artigo relativo à produção e consumo globais deste tipo de materiais de acabamento, refere que em 2016 foram consumidos mais de 12,7 mil milhões de m² em todo o mundo, sendo que os países europeus consumiram quase 1,5 mil milhões de m². As técnicas e materiais utilizados para efectuar a aplicação de ladrilhos cerâmicos têm passado por uma evolução constante, dando resposta a novas solicitações decorrentes, não só da evolução das características técnicas dos ladrilhos cerâmicos (p.e. formatos de dimensão progressivamente maior), como também dando resposta à diversidade das suas utilizações. Apesar dos esforços de muitos fabricantes e respectivas associações, quer de ladrilhos cerâmicos, quer de argamassas e outros materiais destinados à aplicação dos mesmos, na divulgação das metodologias e materiais correctos para a aplicação de ladrilhos cerâmicos, verifica-se ainda a existência de uma quantidade apreciável de patologias que decorrem de erros graves na aplicação de ladrilhos cerâmicos. O presente artigo visa abordar, de forma muito sumária, alguns dos aspectos relevantes a ter em conta na aplicação de ladrilhos cerâmicos. Não querendo, de forma

p.4 . Kéramica . Destaque

alguma, ser um trabalho exaustivo ou de teor académico relativo a esta importante temática, tem simplesmente por objectivo alertar os seus leitores para a importância da aplicação na obtenção de um bom resultado final, tornando-se assim possível demonstrar a superioridade deste tipo de materiais relativamente a outras alternativas. Tipos de Cimentos Cola / Argamassas de Assentamento Não iremos, no contexto do presente artigo, reflectir sobre a escolha adequada dos ladrilhos cerâmicos em face dos requisitos de utilização dos mesmos. Esse aspecto, primordial no contexto de um bom resultado final, é de suma importância mas extravasa o âmbito desta análise. Presume-se portanto que o ladrilho escolhido para uma determinada utilização, seja ela de revestimento de chão ou parede, interior ou exterior, teve em consideração as principais características técnicas que atendem os requisitos de utilização do espaço / superfície a revestir. Debrucemo-nos portanto sobre a segunda fase a ter em consideração numa fase de projecto: a escolha apropriada dos cimentos-cola ou argamassas de assentamento. Os principais aspectos a ter em consideração nesta escolha são, entre outros, sem nenhuma ordem de importância específica: • Local de aplicação (interior, exterior, solo, parede, zona húmida, etc.) • Tipo de suporte (betão, gesso cartonado, betonilha, ladrilhos antigos, etc.) • Tipo de ladrilho cerâmico (nomeadamente quanto à sua dimensão, peso e absorção de água, p.e. azulejo de bicozedura, monoporosa, grés, porcelanato) • Solicitações de uso (exposição ao tráfego, amplitudes térmicas, humidade)

Setembro . Outubro . 2019


Destaque

râmicos e da sua circunstância de aplicação e que já foram anteriormente referidos. O Projecto de Aplicação e a Relevância das Juntas na Prevenção de Patologias da Construção Os ladrilhos cerâmicos, como outros materiais, estão sujeitos a contracções e dilatações por consequência das variações de temperatura e humidade, particularmente no exterior das edificações. Este é um aspecto frequentemente descurado pelos projectistas e de particular importância, sobretudo na concepção de fachadas exteriores. Raramente consideradas no contexto de projecto, as juntas devem ser parte integrante do projecto de arquitectura e podem ser usadas como elemento estético que amplie os efeitos que o arquitecto pretende para a edificação que se encontra a conceber. Um bom planeamento das juntas ajuda a evitar o aparecimento das duas patologias de construção mais frequentes no contexto da aplicação de ladrilhos cerâmicos no revestimento de pavimentos ou paredes • No exterior, as infiltrações de humidade e desprendimentos de materiais nas fachadas; • No interior, a fissuração nas paredes e o levantamento / descolagem de pisos. A utilização de diversos tipos de juntas é absolutamente obrigatório no contexto da aplicação de materiais cerâmicos no revestimento de superfícies, mesmo quando estes são concebidos para as minimizar, caso notável dos produtos ditos “rectificados”. Ao contrário do que vulgarmente se entende, a presença da junta entre peças não se destina tão-somente a absorver as normais variações dimensionais dos produtos cerâmicos não rectificados, decorrentes do seu processo de fabrico, e, como tal, dispensáveis no caso dos

Sobretudo, o que há que ter em consideração é que para cada combinação em particular há soluções específicas. A maior parte dos fabricantes de cimentos-cola / argamassas de assentamento, têm no seu portfólio de produtos materiais específicos adequados às mais diversas necessidades, quer ao nível dos produtos a aplicar, quer dos tipos de suporte, quer mesmo das solicitações de uso, incluindo a rapidez de execução da obra (importante no contexto da renovação de espaços). Recentemente, a APICER (Associação Portuguesa das Indústrias de Cerâmica e Cristalaria) e a APFAC (Associação Portuguesa dos Fabricantes de Argamassas e ETICS), encetaram uma simples mas meritória iniciativa que consistiu na elaboração de um muito simples guião para uma primeira fase de selecção das argamassas mais adequadas a cada tipo de ladrilho cerâmico. Deste trabalho em conjunto das duas Associações resultou uma simples tabela que seguidamente se apresenta e que usa, para a selecção do adesivo, as classes normativas dos mesmos de acordo com a EN12004 bem como os diversos grupos normativos dos ladrilhos cerâmicos de acordo com a EN14411: A tabela apresentada teve por objectivo permitir uma escolha correcta da argamasssa de colagem de forma a se garantir a durabilidade e a segurança do sistema “cerâmica-adesivo” e foi elaborada pressupondo a aplicação numa condição tradicional, sobre um suporte cimentício absorvente. Obviamente, esta tabela de recomendações simplificada destina-se simplesmente a orientar uma primeira pré-selecção da argamassa mais adequada. Não se destina a substituir recomendações específicas onde devem ser tidas em consideração todas as especificidades dos produtos ce-

Recomendação mínima de classes de adesivos , segundo classes de cerâmica: ADESIVO (segundo EN12004) CLASSE DE CERÂMICA (segundo EN14411)

ABSORÇÃO DE ÁGUA %

Pavimento

Parede

Interior

Exterior

Interior

Exterior

Ala + Bla

≤ 0,5

C2

C2

C2

C2

Alb + Blb

> 0,5 e ≤ 3,0

C1

C2

C1

C2

Alla-1 + Alla-2 + Blla

> 3,0 e ≤ 6,0

C1

C2

C1

C2

Allb-1 + Allb-2 + Bllb

> 6,0 e ≤ 10,0

C*

C2

C*

C2

Alll + Blll

> 10

Não aplicável

Não aplicável

C* ou D

Não recomendado

Notas: "C* - Cimento cola para ladrilhos absorventes em interior"

Setembro . Outubro . 2019

D e s t a q u e . K é r a m i c a . p . 75


Destaque

produtos rectificados. O principal papel da junta é absorver as variações dimensionais que o produto cerâmico e a própria construção sofrem, resultado de oscilações decorrentes de variações de temperatura, humidade e mesmo de alterações estruturais do suporte. Assim, as juntas entre peças não devem, de forma alguma, ser menosprezadas e, como tal, deverão ser sempre consideradas por projectistas e aplicadores. Para destas juntas, de suma importância, deverão conviver outros tipos de espaçamento entre os materiais cerâmicos, sendo maior ou menor a sua importância em função do enquadramento da obra, exposição ao meio, tipo de suporte, etc. Entre outras, particularmente mas não exclusivamente no exterior, deveremos sublinhar a importância das seguintes juntas: • juntas de fraccionamento (a cada 40 a 60 m² de pano de aplicação contínuo), • juntas perimetrais na imediação de pontos de maior rigidez mecânica (cornijas, peitoris, muretes, paredes limitantes, etc.) • juntas de esquina (p.e. na convergência de dois panos verticais). • juntas estruturais, que deverão ser sempre respeitadas pela cerâmica. Importa pois sublinhar que, a importância das juntas

p.6 . Kéramica . Destaque

não deve ser descurado e que, ao contrário do que normalmente se considera, podem e devem ser parte do projecto de arquitectura, podendo ter um importante papel estético na concepção da obra, seja ela de remodelação ou construção nova. Preparação das Superfícies O processo de aplicação de cerâmica é frequentemente descurado e subalternizado no contexto das obras de construção civil. Infelizmente, comparativamente com outros aspectos relevantes do processo de construção e/ou remodelação, considera-se uma tarefa de menor importância e, como tal, frequentemente entregue a quem tem pouco ou nenhum conhecimento sobre a correcta abordagem à aplicação de revestimentos de ladrilhos cerâmicos. Para além do correcto conhecimento sobre os materiais cerâmicos a aplicar e sobre as suas características, nomeadamente no aspecto mecânico, os aplicadores devem conhecer as especificidades dos materiais de colagem e da sua correcta utilização em obra. Esse conhecimento tem enormes implicações sobre o planeamento da execução da obra de aplicação, dadas as muito diversas características dos materiais que podem ser empregues. Uma correcta sequenciação das diversas fases de aplicação resulta necessariamente num melhor trabalho final, reduzindo-se a margem para improviso que pode ter consequências desastrosas, elevando-se desnecessariamente os custos de construção e os tempos de execução. Um dos aspectos a ter em conta para a correcta aplicação da cerâmica é, sem dúvida, a preparação das superfícies de aplicação. Neste campo há que ter em consideração, entre outros: • A planaridade da superfície, devendo, regra geral, ser eliminadas quaisquer irregularidades superiores a 5 mm. • A porosidade da superfície de aplicação, sendo necessário avaliá-la, evitando sobretudo suportes demasiado porosos que podem necessitar de um tratamento prévio antes do assentamento. • A dureza, aderência e limpeza, especialmente importantes em suportes antigos em processos de remodelação, devendo-se proceder à eliminação de restos de gessos ou argamassas sobrantes de aplicações anteriores antes da nova aplicação. • O teor de humidade dos suportes, sendo de evitar a aplicação sobre suportes muito húmidos ou demasiadamente secos.

Setembro . Outubro . 2019


Destaque

Organização do Trabalho de Aplicação Conforme já anteriormente aflorado, a organização dos trabalhos de aplicação é preponderante no sucesso da utilização de ladrilhos cerâmicos, particularmente em obras de média / grande envergadura em que as quantidades de materiais a gerir é elevada e, por norma, com um maior número de aplicadores envolvidos. O trabalho de aplicação deve ser planeado devidamente por forma a: • Minimizar o risco de mistura de materiais cerâmicos, nomeadamente de materiais com diferentes tonalidades e calibres, ainda que da mesma referência ou artigo cerâmico. É infelizmente frequente uma reduzida atenção por parte dos aplicadores às inscrições que a generalidade (senão a totalidade) dos fabricantes de ladrilhos cerâmicos colocam nas suas embalagens, descurando-se a necessidade de segregar materiais com distintas marcações de tonalidade e calibre para aplicação em superfícies não contíguas. • Ser possível cumprir os tempos abertos, de presa e de colocação em serviço das argamassas de assentamento. Muitas das mais frequentes patologias que surgem no contexto dos revestimentos de superfícies com utilização de ladrilhos cerâmicos mesmo quando usados os materiais mais apropriados para a sua colagem, nascem do incumprimento das instruções dos fabricantes das argamassas e do consequente desrespeito pelos tempos que devem ser considerados para a sua utilização. • Minimizar o impacto das condições climatéricas sobre o assentamento dos materiais, em particular em fachadas. Por natureza, os trabalhos em exterior são executados quando as condições climatéricas assim o permitem. Com efeito, as aplicações em fachadas exteriores são geralmente executadas nos meses de Primavera e Verão, com o tempo geralmente quente e seco. Isso propicia que sejam por vezes realizados assentamentos em condições de temperatura e humidade extremas, com suportes altamente secos, expostos frequentemente ao sol directo e frequentemente a temperatura muito elevada. Estas são condições que não podem ser evitadas mas cujo impacto deve ser minimizado, quer através do planeamento das fases de aplicação, quer através

Setembro . Outubro . 2019

duma abordagem mais fraccionada nas quantidades de argamassas de aplicação preparadas e nas áreas de aplicação a executar. Conclusão Conforme se referiu inicialmente, a aplicação de produtos cerâmicos para o recobrimento de pavimentos e revestimentos é, em si, um universo demasiado vasto para uma tão curta abordagem num pequeno artigo de opinião. Reforça-se que o objectivo do presente artigo, que se presume poder ter sido minimamente atingido, era alertar os diversos protagonistas envolvidos na utilização dos ladrilhos cerâmicos em obras de construção civil para a importância, frequentemente subalternizada, dos temas da selecção dos materiais correctos, do seu enquadramento em obra e da sua correcta aplicação. Ressalta, sobretudo, dos diversos tópicos abordados, que cada caso é um caso diferente e que, como tal, deve ser devidamente analisado, estudadas as melhores soluções e planeada a sua implementação. Como na maioria dos casos em todos os ramos de actividade, um planeamento correcto é fundamental, resultando em melhoria significativa dos resultados finais, redução dos custos e maior satisfação dos nossos clientes, sejamos nós fabricantes de ladrilhos ou argamassas, projectistas, construtores ou aplicadores. Outubro de 2019 (O Autor não usou intencionalmente neste texto o Novo Acordo Ortográfico de 1990) *Luís Pedro Mota – Bacharel em Engenharia Química pelo Instituto Superior de Engenharia do Porto (ISEP) e Licenciado em Engenharia da Qualidade (pré-Bolonha), tem mais de 30 anos dedicados à indústria cerâmica, em particular à fabricação de ladrilhos para o revestimento de pavimentos e paredes. Passando por diversas funções em áreas de projecto, produção e gestão, manteve sempre uma estreita proximidade com a assistência após venda e com as patologias de construção decorrentes dos problemas decorrentes dos processos de escolha de materiais cerâmicos e argamassas e da sua utilização em obra. É presentemente Director Técnico numa das mais importantes empresas do sector no panorama nacional.

D I ne os tvaaqç uã o e . K é r a m i c a . p . 97


Reportagem

CERÂMICA PORTUGUESA NA MAISON & OBJET E NA CERSAIE

po r Alber tina Sequeira e Mar t im C h ich or ro

CERÂMICA UTILITÁRIA E DECORATIVA NA MAISON & OBJET INTRODUÇÃO A feira internacional do setor de decoração, design e lifestyle, que decorreu de 6 a 10 de setembro de 2019 no Centro de Exposições Villepinte em Paris, registou um ligeiro aumento no número de participantes, com 2.762 expositores e 76.862 visitantes (+ 0,5%). A Maison & Objet, foi uma aposta ganha. Este encorajador conjunto de números num clima económico incerto faz jus à estratégia adotada pela organização ao longo do ano passado: organizar a oferta em dois hubs separados, 'Maison' e 'Objet', com o objetivo de tornar o evento mais claro e mais intuitivo do que nunca. Quando começa a contagem regressiva para as comemorações do 25º aniversário no próximo ano, Maison & Objet mantém sua reputação como uma mostra global para o design. A edição de setembro contou com 3.137 marcas, mostrou as suas mais recentes criações, com novos 863 expositores, estando a tornar-se num evento cada vez mais internacional, com 61% das marcas anunciadas provenientes do exterior de França. A capacidade da Maison & Objet de atrair multidões deve-se principalmente à sua excelente capacidade de explorar e mostrar as tendências futuras do setor, juntamente com sua capacidade de impulsionar futuros negócios. Isso reflete-se na assistência à Feira, mas os efeitos também estão a ser sentidos noutras áreas. A Maison & Objet está ainda a desfrutar de enorme popularidade na internet. Um excelente exemplo é a newsletter da plataforma digital da feira, MOM (Maison & Objet and MORE). Inicialmente lançado em 2016, agora conta com 150.000 novos subscritores semanais. Enquanto isso, a conta do Instagram da feira possui mais de 700.000 seguidores, tornando-a uma referência de mercado ao lado de sua página no Facebook, seguida por 543.000 fãs.

p.8 1 0. .KKé ér ar ammi ci ac a. .RD e pe o s trat qa u gem

O sucesso da edição de setembro também ficou a dever-se à escolha do tema WORK! aplicado em todos os níveis, atraindo expositores e novos visitantes. Durante os últimos anos, as linhas entre os ambientes de trabalho e lazer foram ficando cada vez mais esbatidas, forçando fabricantes de móveis e produtores a adotar os códigos de decoração da casa e desenvolver linhas que atendam à procura por mobilidade, sociabilidade, conforto, personalização e flexibilidade. A zona WORK! da Maison & Objet, com cerca de 1.200 m² e organizado Philippe Boisselier, apresentou uma gama criativa de soluções de design de espaços de trabalho acompanhadas por um programa de conferências, um espaço que apresentou novas e interessantes descobertas e acessórios (fornecidos por Chantal Hamaide), um itinerário específico sob o tema WORK! que abrangeu toda a feira e uma área totalmente nova que recebeu mais de 500 reuniões de negócios. Uma série de oportunidades para reunir inspiração e gerar novas oportunidades de negócios. Tudo cimentado pela promessa de fazer tudo novamente em setembro de 2020, quando o tema WORK! abrirá as suas portas mais uma vez. O evento também ganhou o voto de empresas do sector da hotelaria e restauração, que estão a ser confrontados com a necessidade de adaptar mudanças no uso dos espaços e de projetar ambientes únicos. A feira de setembro apresentou um itinerário especificamente adaptado às suas necessidades, acompanhado por uma série de conferências para ajudá-los a enfrentar os desafios de decorar, equipar e projetar cada zona. Constantemente à procura de novos talentos, a Maison & Objet também comemorou o trabalho da arquiteta Laura Gonzalez, que foi nomeada Designer do Ano desta edição da Feira. O evento também chamou a atenção dos EUA ao defender seis talentos americanos em ascensão, provocando simultaneamente um aumento no número de expositores (55 marcas) e visitantes americanos.

Setembro . Outubro . 2019


Reportagem

A próxima edição da Maison & Objet, programada para 17 a 21 de janeiro de 2020 terá o foco no tema da regeneração, marcará o 25º aniversário da ainda jovem feira, que no verdadeiro estilo milenar continua a avançar incansavelmente ao longo do caminho da reinvenção e de novos hábitos de consumo. Números sobre visitantes • 76.862 visitantes únicos • 118.871 visitas • Oriundos de 160 países • 47.003 de origem francesa • 29.859 de outros países Top origem dos visitantes (excluindo França): Bélgica, Itália, Alemanha, Holanda, e Reino Unido

Números sobre expositores • 3.173 marcas – 2.762 expositores • 863 novos expositores • 69 países representados • 1.233 marcas francesas • 1.904 marcas de outras origens Top origem dos expositores (excluindo França): Itália, Alemanha, Holanda, e Reino Unido, Bélgica. Portugal contou com 31 expositores sendo 6 do sector cerâmico.

Figura 1

Figura 2

-

-

Costa Nova 1

Costa Nova 2

PRESENÇAS NA MAISON & OBJET COSTA NOVA A COSTA NOVA marcou presença em mais uma edição da Maison & Objet e revelou as suas novas propostas para Retalho, em especial as coleções Nótos e Roda, ambas de assinatura.

Também a CASAFINA, tal como a COSTA NOVA uma marca da GRESTEL, apresentou as suas propostas mais recentes para a temporada, que vão de coleções de mesa em grés fino, a artigos de forno e cozinha, peças em terracotta e gift. Uma vez mais, a participação neste que é um dos mais prestigiados certames do setor revelou-se bastante positiva, continuando a fazer parte do calendário de feiras das marcas para 2020 (Fig. 1). Coleção "Roda", uma coleção de assinatura inspirada na amizade e nos bons momentos à mesa. “Juntar todos à mesa… despertando a alegria do encontro de sabores, experiências e histórias de cumplicidades feitas de emoções. O tempo bem passado com momentos de puro prazer gastronómico e boa disposição, segue o próximo prato, segue a próxima história.” Foi esta visão simples, mas significativa, que inspirou Torres Euracini a criar a RODA, uma moderna e elegante coleção de mesa que conjuga na perfeição um design de linhas simples e orgânicas com acabamentos surpreendentes. Todas as peças foram cuidadosamente pensadas para exceder as expectativas em termos de versatilidade e uso, de um forma mais casual ou em momentos especiais com o nosso “Círculo de Amigos”. Nascido junto ao Atlântico, Torres Euracini tem décadas de experiência na indústria cerâmica e inúmeras conquistas (principalmente anónimas) realizadas em todo o mundo. A coleção RODA é sua primeira coleção de assinatura (Fig. 2). Coleção "Nótos", desenhada por Carsten Gollnick Para sua primeira colaboração com a COSTA NOVA, o premiado designer alemão Carsten Gollnick inspirou-se na paisagem da costa atlântica portuguesa e criou uma coleção de mesa única em grés fino. Os contrastes marcantes de cores e estruturas das praias, em especial a

Setembro . Outubro . 2019

R eDp eosrttaaqg ue em . . KKéér raammi iccaa . . pp. 1. 91


Reportagem

Figura 3

Figura 4

-

-

Porcel 1

Costa Nova 3

As peças da coleção Blue Legacy têm como principal inspiração o azulejo português, exibindo o tão desejado azul aplicado sobre o branco da fina porcelana. Este azul-cobalto destaca-se de forma elegante conferindo uma tonalidade particular aos conjuntos de mesa e decorativos, com uma variedade de elementos cobrindo as peças de padrões e texturas (Fig. 4). Adamastor, trata-se de uma selecção de peças de mesa e jarras elegantes completamente cobertas com uma textura azul inspirada no Oceano e nos Descobrimentos Portugueses. Adamastor é a figura mitológica de

fronteira entre a água e a areia, foram a sua fonte de inspiração para desenvolver uma coleção distinta, onde formas cerâmicas puras e superfícies fluidas se encontram com estruturas mate e texturadas. Nesta dualidade, a cor clara e arenosa de “dune path” cria um diálogo perfeito com o tom profundo e luzidio de “latitude black”, inspirado no Atlântico. Nascido em 1966, em Berlim, Carsten Gollnick é uma referência de qualidade, inovação e rigor estético na cultura de objetos. A sua carreira profissional é marcada por inúmeras colaborações com empresas e marcas de excelência, museus e outras instituições culturais, e uma lista com mais de 80 prémios e distinções (Fig. 3).

p.10 Rep a ge e m 2 . Kéramica . D s toarqt u

Figura 5

-

Porcel 2

PORCEL A Porcel, marca e produtora nacional de porcelana, apresentou duas novas colecções de personalidade forte distribuídas por peças de mesa e decorativas: Blue Legacy e Adamastor, duas colecções. Para a Porcel, a Maison & Objet é um evento especial e relevante, sendo o momento perfeito para reunir com clientes e fazer novos contactos de entre os mais de 70 mil visitantes internacionais desta feira.

Setembro . Outubro . 2019


Figura 6

-

Porcel 3

Reportagem

Luís de Camões, que aparece n’Os Lusíadas sob a forma de uma tempestade e que simboliza os perigos ultrapassados pelos navegadores portugueses. A textura usada para criar Adamastor é uma interpretação da ferocidade de uma tempestade no mar e incorpora uma forte ligação com o oceano e o passado histórico português (Fig. 5). Da autoria da designer Filipa Ricardo, Adamastor e Blue Legacy, complementam-se entre si e trazem para a mesa um toque de sofisticação e uma abordagem à herança histórica e cultural portuguesa numa seleção de peças elegantes em porcelana. Ambas as colecções incluem peças de mesa e decorativas com decoração cozida a 1400°C e acabamento a ouro aplicado à mão (Fig. 6). CERÂMICA DE ACABAMENTOS NA CERSAIE INTRODUÇÃO A Cersaie, teve lugar em Bolonha, de 23 a 27 setembro 2019, registou um total de 112.340 visitantes, 0,2% a mais que o número de 2018 e a afluência foi igual nos cinco dias do evento. Apesar da situação difícil nos mercados internacionais, a feira atraiu 52.997 visitantes internacionais, 47,2% do total. Uma ligeira queda em relação ao número do ano passado (-1,9%), enquanto o número de visitantes italianos cresceu 2,2%, para 59.343. A feira deste ano destacou-se pela melhoria contínua na qualidade dos expositores e pela presença de 889 expositores de 40 países, 49 a mais que no ano passado. Estes incluíram 342 expositores não italianos, 18 a mais do que em 2018 e 38,5% do total. O sector de pavimentos e revestimentos cerâmicos foi o setor mais representado com 458 empresas, seguido de móveis de casa de banho com 214 expositores (30 mais que em 2018), confirmando a importância desse segmento na feira. Todos os eventos da Cersaie tiveram forte participação, começando com a conferência inaugural “Cerâmica: de ambientes saudáveis ao crescimento sustentável e guer-

Setembro . Outubro . 2019

ras comerciais”, seguida por uma audiência de mais de 500 pessoas. Após as observações introdutórias do presidente da Bolonha Fiere Gianpiero Calzolari, as intervenções foram proferidas pelo Presidente da Confindustria Ceramica Giovanni Savorani, pelo Ministro do Desenvolvimento Econômico Stefano Patuanelli, pelo Ministro das Infraestruturas e Transportes Paola De Micheli, pelo Presidente da Confindustria Vincenzo Boccia , o presidente do governo regional de Emilia Romagna, Stefano Bonaccini, e o comentador político Federico Rampini. As cinco conferências do programa cultural "Construir, habitar, pensar" realizado na Galeria de Arquitetura apresentaram palestras de importantes oradores internacionais com a participação de cerca de 2.500 pessoas. Mais de 10.000 visitantes afluíram à exposição Famous Bathrooms, inspirada nos quartos de banho de 32 figuras famosas da história e cofinanciada pela Agência de Comércio Exterior Italiana ITA, que começou com uma palestra inaugural de Philippe Daverio. Outro evento que atraiu grande interesse foi o Archincont(r)act, a nova área temática no Hall 29, onde dez estúdios internacionais de arquitetura encontraram-se com promotores do sector do imobiliário, inaugurado com uma conferência intitulada 'As cidades do futuro' com Philippe Daverio, Federico Rampini e Emilio Mussini. “ La Città della Posa” foi outro evento muito popular com grande participação, com seminários técnicos sobre a colocação de grandes ladrilhos e áreas de demonstração com foco na formação e no ambiente da casa de banho. Mais de 400 consultas foram realizadas aos membros do público por designers das 17 revistas de design de interiores presentes no Media Village durante o evento “Cersaie projeta sua casa”, realizada na quinta-feira 26 e sexta-feira 27 de setembro. A delegação da Cersaie Business, organizada em colaboração com o governo regional de Emilia Romagna e a Agência de Comércio Externa Italiana ITA, consistiu em cerca de 100 dos principais estúdios de arquitetura dos Estados Unidos, Canadá, França, Alemanha, Reino Unido, Repúblicas Bálticas, Escandinávia e países do Golfo. Mais uma vez, este ano, a “Cersaie for Students” viu a participação de mais de 3.600 estudantes do ensino médio e universitário, que assistiram a encontros sobre inteligência artificial e criação de emprego. O forte interesse dos media na Cersaie refletiu-se na presença de 1044 jornalistas (618 italianos e 426 internacionais) durante os cinco dias de feira e pelos eventos “Cafés de la Prensa” onde editores de revistas conversavam sobre temas da atualidade com convidados do mundo do design e arquitetura. A conferência de imprensa internacional contou com a presença de mais de 150 jornalistas mundiais.

R e pDoersttaagqeume . K é r a m i c a . p . 1 13


Reportagem

A parceria com a Bologna Design Week, agora no seu quinto ano, ofereceu um programa repleto de eventos noturnos na cidade de Bolonha, que mostrou ser muito popular entre os visitantes de Cersaie e terá mais desenvolvimentos nos próximos anos. PRESENÇA NA CERSAIE'19 ALELUIA A Aleluia Cerâmicas marcou presença na CERSAIE’19, em sintonia com as últimas tendências, apresentou, nesta edição, novas coleções inspiradas na autenticidade dos materiais, na luz, na cor e no brilho. A beleza natural da pedra serviu de inspiração a uma coleção harmoniosa, intemporal e simultaneamente cosmopolita; serão apresentadas propostas com muita cor, luz e brilho, novos formatos e decorações que, certamente, captarão a atenção dos olhares mais exigentes.

LIV’IN | Espaços para viver com estilo Liv’in é um tributo à cor e à sua capacidade de transmitir energia e vivacidade na criação de ambientes elegantes e sofisticados (Fig. 8). Inspirada nas últimas tendências da cor, a coleção Liv’in é composta por uma palete de 7 cores criteriosamente selecionadas que, pelas suas combinações, permitem

Figura 7

Figura 8

-

-

Liv'in

Urban Stone

URBAN STONE | Espírito autêntico da pedra ao estilo das últimas tendências urbanas (Fig. 7). Urban Stone recria o espírito autêntico da pedra, de acordo com as últimas tendências urbanas. Inspirada na elegância natural da pedra e com uma estética harmoniosa e intemporal, Urban Stone é a tela perfeita para a criação de espaços personalizados. Disponível em 3 cores altamente contemporâneas, mimetizando na perfeição os tons da pedra natural, a sua versatilidade permite a utilização em diversas áreas, recriando espaços repletos de autenticidade. A opção de dois

acabamentos, natural e antiderrapante, permitem igualmente a extensão dos espaços do interior para o exterior, criando a sensação de continuidade e a ilusão de amplitude das áreas, sendo a segurança dos utilizadores no exterior assegurada pelo acabamento antiderrapante. Graças a uma tecnologia inovadora destaca-se o elevado realismo conseguido neste produto, em que o relevo da superfície do produto replica os contornos do desenho natural, intensificando assim a sensação de profundidade na superfície, dando-lhe um aspeto e uma texturas muito autênticas. Trata-se de um novo nível de realismo que permite oferecer produtos cerâmicos que dificilmente se distinguem dos materiais naturais replicados. Subtis e simultaneamente sofisticados os detalhes decorativos potenciam a personalização do espaço, mantendo a sobriedade apimentada com apontamentos cheios de bom gosto. A decoração Muretto dotada de relevos que lhe conferem um aspeto muito natural, adiciona autenticidade e caráter aos espaços e os novos mosaicos em “espinha” acrescentam a esta coleção elegância e distinção.

p.12 . Kéramica . Reportagem

Setembro . Outubro . 2019


Reportagem

recriar diferentes estilos decorativos de acordo com a personalidade de cada um. Com a suavidade do Leather Grey resultam espaços relaxantes e intemporais e a combinação dos tons neutros com a vibrante tonalidade do Blush Red permite criar espaços muito sedutores e elegantes. Por sua vez, apontamentos feitos com a calorosa Olive Green possibilitam a criação de espaços tranquilos e inspirados na natureza e a intensa cor Colonial Blue acrescenta a qualquer área muita vivacidade e frescura! Com uma superfície ligeiramente ondulada e um toque muito suave, encontra-se disponível em 4 formatos de revestimento, desde o elegante 30x90 aos versáteis 30x60 e 27x42 e ainda nos singulares losangos em 10x18, complementados com o pavimento de porcelanato no clássico formato quadrangular 60x60, esta coleção adapta-se às necessidades de qualquer espaço dimensional. Liv’in é ainda enriquecida por elegantes decorações que lhe conferem sofisticação; os mosaicos, no mais tradicional formato quadrangular ou em versão “espinha” permitem a criação de áreas distintas e paralelamente harmoniosas em que o detalhe prima pela elegância. A decoração Diamond vai mais longe – o seu formato em losango, em conjugação com as várias tonalidades que compõem esta coleção, cria a ilusão de peças 3D, recriando atmosferas cheias de caráter e sofisticação.

A palete de tons vai desde o Jade e Sky, que recriam ambientes vivos e frescos aos Blush, Burgundy ou Olive, que oferecem calor e conforto aos espaços, dos versáteis Glaciar e Smoke aos Navy e Charcoal, eternos clássicos que criam ambientes distintos e intemporais. Um jogo de luzes único e surpreendente, inspirado na tradição e recriado de acordo com as mais recentes tendências decorativas. Uma coleção sublime para clientes exigentes e para espaços cheios de personalidade e distinção, apresentada em 3 formatos: em 13x13, o mais tradicional, em 6.5x13, mais urbano e trendy e no versátil 9x15, losangos que se conjugam entre si e que produzem efeitos fantásticos em decorações mais criativas, desde o efeito 3D à conjugação de cores e de diversas aplicações possíveis. CINCA Das novidades apresentadas na CERSAIE, destacamos o conceito MIX & MATCH - uma gama completa de pequenos formatos que se conjugam entre si (Fig. 10).

Figura 9

Figura 10

-

-

Cinca 1

New Zellige

NEW ZELLIGE | Estilo moderno com um toque artesanal Inspirada na tradição da arte zellige que lhe dá nome surge a fascinante coleção New Zellige. Dotada de uma ampla variedade de cores contemporâneas e cheias de luminosidade, que se multiplicam nas inúmeras nuances de cada uma delas e pela irregularidade do vidro que lhe confere um cariz artesanal permite a recriação de atmosferas distintas e cheias de personalidade.

Setembro . Outubro . 2019

Reportagem . Kéramica . p.13


Reportagem

HERITAGE Os “azulejos” como estilo eclético da cultura portu-

6 . Kéramica . R D ee ps toar qt au ge e m p.14

HERITAGE -

Os formatos M10x40, M10x30, M20x20 e M15x15 são as grandes tendências de ladrilhos, com várias cores e texturas (Fig. 11). Perfeito para todos os tipos de espaços, cada peça tem o saber autêntico do artesanato e é tão única quanto as composições que podem ser criadas com ela. Uma vasta gama de combinações possíveis e muita versatilidade abraça tudo, desde minimalismo a contrastes fortes que iluminam uma sala e se concentram no coração e na vivacidade. SOHO, dez cores, seis texturas e dois acabamentos para superfícies únicas e originais. Supondo Soho como a excêntrica e pequena zona no centro de Londres ou no SoHo (a South of Houston Street) como no bairro efervescente de Manhattan, o Soho sempre nos leva a um mundo de criatividade, vida noturna e entretenimento. Inspirado nestes spots ecléticos e boémios, CINCA apresenta uma nova coleção composta por azulejos 10x30 declinados em dez cores e seis texturas, tanto em superfícies mate como brilhantes e todas misturadas numa só caixa (Fig. 12).

Os ‘azulejos’ datam do século XIII, quando os mouros invadiram a Península Ibérica, mas garantiram a sua presença na cultura portuguesa entre os séculos XVI e XVII. A palavra ‘azulejo’ deriva de raízes arábicas - azzellj- significando “pequena pedra polida”. Originalmente, os ‘azulejos’ eram estruturas bastante simples, cortadas em formas geométricas em tons neutros. Não foi até à visita do rei D. Manuel I de Portugal a Sevilha que estes assumiram um lugar de destaque tanto a nível de aplicação como de produção, tendo Portugal adotado esta obra na sua cultura. Hoje, eles são uma característica dominante em todas as cidades portuguesas. Com esta herança secular e carácter forte, a CINCA reinterpretou o ‘azulejo’ português para ambientes contemporâneos e modernos. Com um formato, cinco temas decorativos inspirados nas mais belas cidades de Portugal, esta série permite infinitas aplicações, criando interpretações renovadas em contextos urbanos. Desde o “preto e branco”, a cores quentes do Mediterrâneo ou aos azuis enublados do Atlântico, esta coleção adquire novas dimensões: superfícies surpreendentes e incomuns e estruturas decorativas de pavimento e revestimento! Acrescente-se ainda a sedução infinita da geometria colorida ou a tradicional inspiração portuguesa que estritamente enfatiza e moderniza a marca decorativa! Este é um projeto que combina modernidade e tradição, o minimalismo e estilo clássico. Design linear e suave, um porcelanato vidrado que se destaca pela sua elegância e profundo design estético, e um emblema do valor artístico e artesanal (Fig. 13).

Figura 13

Figura 12

-

SOHO

Figura 11

-

Cinca 2

guesa.

Setembro . Outubro . 2019


Reportagem

INDUSTRIAL STONE | Novas superfícies apresentadas em cores neutras ideais para ambientes sofisticados e modernos. Uma nova coleção, moderna de abordagem minimalista e com traços de cimento combinado com a elegância natural de uma pedra é apresentada pela CINCA. O look urbano do cimento foi reinterpretado em porcelanato vidrado, apresentando um padrão suave e irregular, com um grão fino emergindo desigualmente na superfície, criando uma textura naturalmente imperfeita. INDUSTRIAL STONE ganha caráter e versatilidade nas dimensões 30x60 e 60x60, atendendo aos mais diversos requisitos estéticos e de design contemporâneo. Disponível em quatro cores neutras e dois tamanhos, a coleção também inclui três requintados mosaicos, tradicionais em todas as variantes de cores. Um produto ideal para criar locais originais com um forte caráter sofisticado e moderno (Fig. 14).

KERION Toscana, inspirada num estilo tradicional, Toscana é a expressão rústica do design e da arquitetura que confere um ambiente aconchegante no espaço em que se insere. Possui três cores base: Terracotta; Grigio e Nero complementados por três décors: Terracotta Decor; Grigio Decor e Nero Decor (Fig. 16). Pietra, reflete a naturalidade e elegância da pedra, superfície sobre a qual se inspira. Possui uma gráfica realista, simples e única para uma arquitetura distinta. O seu design sofisticado permite criar um ambiente harmonioso com qualquer tipo de decoração no espaço em que se insere. Possui três tonalidades: Sabbia; Grigio e Titanium (Fig. 17).

Figura 15

Figura 16

-

-

Kerion 1

Iron Stone

Figura 14

-

Industrial Stone

IRON STONE | Tendência chique-industrial com personalidade vincadamente urbana.

Inspirado nos aços escuros e metais não polidos, que quando expostos ao ar, naturalmente formam uma superfície dura e inerte, como uma mancha de prata, a CINCA apresenta sua nova coleção urbana. Esta tendência chique-industrial com uma personalidade cosmopolita dá vida aos ataques de corrosão do metal e apresenta extraordinários efeitos cromáticos! Apresentado em dois formatos de pavimento, um para revestimento e três mosaicos, este material cerâmico, expressa a evolução urbano do estilo. Disponível em cinco cores, dependendo do tipo de metal - alumínio, prata, óxido, ferrugem e platina (apenas para azulejos de parede) - para locais com uma atmosfera sofisticada e contemporânea (Fig. 15).

Setembro . Outubro . 2019

e . K é r a m i c a . p . 1 75 R e pDoersttaagqeum


Reportagem

Figura 18

-

Margres

Figura 17

-

Kerion 2

MARGRES e LOVE TILES As marcas Margres e Love Tiles preparam, durante meses, com grande esforço e dedicação mais uma edição da Cersaie. Muito embora o stand seja o grande foco de atenção, a feira de Bolonha é o palco perfeito para o lançamento, em primeira mão, das mais recentes coleções das marcas. Além das novas coleções, este ano as duas marcas

8 . Kéramica . R D ee ps toar qt au ge e m p.16

lançaram dois números especiais, um para a Love Tiles e outro para a Margres, dedicados às histórias, a quem pensa nas coleções, ao processo produtivo e, especialmente, à motivação que está na base de cada criação. A Margres apresentou na Cersaie uma incrível coleção. A dimensão técnica de Hybrid e os melhores atributos da natureza estão reunidos num projeto ímpar. Este grés porcelânico é um exemplo de criação de ambientes não só inspirados na pedra natural, mas também da exploração dos melhores atributos técnicos que a Margres tem para oferecer. Com recurso à tecnologia Dual Tech, capaz de adicionar uma riqueza gráfica incomparável e uma aplicação controlada das cores, a componente técnica desta coleção faz dela a escolha ideal para os grandes espaços. As peças de grandes dimensões – 90x90 e 60x120 – e a sua estética, suportada na recriação de 5 pedras naturais, concebem ambientes nobres e imponentes. Graças à tecnologia utilizada foi possível eliminar algumas das fragilidades típicas da natureza tais como a dureza, a limpeza e a resistência às manchas. Hybrid é um produto técnico, extremamente resistente, que beneficia dos efeitos matéricos dados pela sua gráfica. A coleção tem uma forte presença nos grandes formatos, mas também dá resposta a outras necessidades, mais vocacionadas para um público residencial. Uma coleção cativante e inspiradora, à medida da Margres (Fig. 18). Quanto à Love Tiles a nova coleção Stark é o símbolo perfeito do abrandar da agitação da vida quotidiana. Capaz de combater a pressa e a rapidez diária, o ponto de partida desta nova coleção foi a procura por ambientes pacíficos, efémeros com uma inevitável ligação à tranquilidade da natureza. Stark está preparada para transformar o momento em que chegamos a casa para encontrar o retrato perfeito da pedra natural. Suave e visualmente uniforme, esta coleção carrega a dimensão da tranquilidade dos espaços e consegue absorver o melhor do mundo natural. A partir de bases neutras, conjuga-se de forma admirável com o volume das decorações, aproximando os ambientes da sensação de aconchego. A gama de cores muito suave – White, Beige, Grey e Greige – é pontuada por apontamentos de versatilidade para quem procura um espaço com elementos mais irreverentes através das tintas reativas presentes em algumas decorações. Com inspiração em elementos geométricos as estruturas Split e Lining, conferirem movimento à superfície. Outro aspeto importante é disponibilização desta coleção no formato 45x120, um dos maiores existentes no mercado de revestimento em monoporosa pasta branca, pois este ajuda a perceber melhor os detalhes gráficos das peças. A

Setembro . Outubro . 2019


Figura 19

-

Love Tiles

Reportagem

coleção está disponível também em 35x100 e 35x70, para revestimento, e em 60x60 para pavimento. Esta opção de revestimento e o pavimento conjugado ajuda a criar um espaço graficamente mais equilibrado e unido (Fig. 19).

Figura 21

Figura 20

-

-

Recer 2

Recer 1

RECER Com o objetivo de criar novas linguagens e promover novas aplicações, a Recer lança na CERSAIE três categorias de produtos que permitirão à cerâmica dialogar de forma atual com a arquitetura no seu todo e aumentar a versatilidade e funcionalidade da gama de produtos Recer. Cinco novas Madeiras: PitchPine é uma madeira extremamente realista, sofisticada e elegante. Destacam-se os veios diferenciados, irregulares e pontualmente surgem nós estendidos. É uma solução cerâmica ideal para espaços de gosto contemporâneo. MagisWood destaca-se a cor, os detalhes dos nós e a sinuosidade dos veios de cada tronco. A cor beige de base

é marcada com os nós e veios em vários tons de castanhos que vão do castanho coral ao castanho enegrecido, dando muito dinamismo. O resultado é uma solução de pavimentação moderna e marcada. Solid Wood é uma madeira clássica, requintada, nobre, elegante e apreciada. É muito transversal na sua utilização pois é uma madeira intemporal, selecionada quando se procura nobreza e qualidade. O arrojo do Solid Wood é o seu realismo no design e na cor, com um toque adequado a interiores (Fig. 20). Heritage é uma madeira clássica, requintada e marcada. Tem veios sinuosos que a tornam acolhedora, ideal para espaços de interior. Heritage surge em 2 cores, ambas quentes: estas cores são as que melhor tiram partido dos veios e as que melhor respeitam a madeira original. Nigrum é uma madeira transformada, criada para satisfazer as necessidades de arquitetura e design de interiores. Apresentamos uma versão escurecida, onde os veios ressaltam mais negros, tornando-a capaz de marcar espaços com modernidade, para utilização residencial ou comercial/hoteleira. Duas abordagens de Cimentos: Grand é uma elegante coleção de cimento em monoporosa. Apresenta movimentos gráficos e estruturas retilíneas (nas bases), com uma textura “soft touch”. Apresenta peças complementares em 3D muito elegantes e com uma filosofia de design decorativa, neutra na cor, mas com um relevo marcado e com personalidade. Área, é um cimento que ressalta uma suave intervenção manual na superfície, reforçada por efeitos de reflexão de luz transmitidos pelo brilho disperso de forma irregular. É uma série em porcelânico, acompanhada por grés em 20x20 com efeito decorativo, inspiradas na azulejaria de forma contemporânea (Fig. 21).

Setembro . Outubro . 2019

R e pDoersttaagqeume . K é r a m i c a . p . 1 97


Figura 23

Figura 22

-

-

Recer 3

Reevigres 1

Reportagem

Duas propostas em pequenos formatos (SIB – Small is Beautiful) para aplicação em pavimento ou revestimento. A série Dot, no formato 10x10, é jovialidade a preto e branco, com 3 referências distintas que podem ser misturadas (Fig. 22). Daft é um produto que foi desenvolvido para permitir a criatividade e a personalização de cada espaço. Com apenas uma referência podem-se fazer infindáveis soluções estéticas, tornando cada espaço diferente e único. As peças (20x20 e 10x10) podem ser rodadas e assim criar espaços exclusivos ao gosto de cada pessoa. Está disponível nas 3 cores de tendência mundial: a neutralidade do preto e, os tons suaves da natureza representados no verde e no azul.

A arte que a Natureza oferece foi a inspiração para criar um espaço original, na casa de banho. O efeito da madeira da coleção Nordik Lines e do mármore da coleção Baltic Grey (4 formatos) combinados com a pureza do branco da coleção de relevos Mix (em 30x60 e 30x90cm) sugerem uma sensação refrescante (Fig. 25). A cozinha é o ponto de encontro onde o casal transforma receitas de família antigas em obras de arte coloridas, como as peças das coleções Revival e Retro que escolheram para as paredes deste espaço. Estas coleções assinalam o regresso do tijolo tradicional e do mosaico em pequeno formato, com brilho e uma paleta de 9 cores contemporâneas, nos formatos 30x45cm e 20x40cm, este último, com pré corte em 10x10cm (Fig. 26).

Kéérraam miiccaa .. RDeeps ot ar tqaugee m p . 12 80 .. K

Figura 24

-

Revigres 2

REVIGRÉS O mote da presença da Revigrés na CERSAIE 2019, foi a nova assinatura da Marca: THE ART OF STORYTILING - Histórias que revestem o mundo. Através das suas novas coleções de revestimentos e pavimentos cerâmicos, a Revigrés contou a história de Ana e Miguel, um casal que descobriu uma pequena casa de praia e decidiu remodelá-la para relaxar das intensas semanas de trabalho na cidade e repor energias. Cada divisão da casa de praia tem uma história para contar. À entrada, a harmonia entre o efeito da madeira das coleções Nordik - com o novo formato 180cm - e Nordik Lines (4 cores, em 30x60cm) e o efeito do cimento da coleção Cityzen (5 cores e 5 formatos) deixam adivinhar a atmosfera relaxante de toda a casa (Fig. 23). No quarto, Ana e Miguel escolheram as cores suaves e o efeito do têxtil dos revestimentos da coleção Season (7 cores, no formato 30x60cm) para criarem o refúgio ideal nas noites quentes de verão (Fig. 24).

Setembro . Outubro . 2019


Reportagem

Figura 25

Figura 27

-

-

Revigres 3

Revigres 5

Figura 26

-

Revigres 4

Finalmente, na sala de estar, os tons sóbrios do efeito do cimento da Coleção Elements - disponível em revestimentos e pavimentos, para interiores e exteriores são iluminados pela luz quente do pôr-do-sol a que o casal assiste, em fins de tarde descontraídos (Fig. 27). Na edição deste ano da CERSAIE, ao apresentar um espaço onde se criam e vivem histórias, a Revigrés dá vida ao conceito Tales with Tiles (histórias com azulejos), fazendo parte da vida e do quotidiano da Ana e do Miguel, hoje e no futuro. O stand da Revigrés na CERSAIE inclui ainda uma área técnica que completa a apresentação das mais recentes coleções da Marca.

Setembro . Outubro . 2019

R e pDoersttaagqeume . K é r a m i c a . p . 1291


Te n d ê n c i a s

AS TRÊS PRINCIPAIS TENDÊNCIAS DE LADRILHOS PARA 2020*

por Arq.ª Elisabetta Rizzato, ItalianBark

A Cersaie é o principal evento internacional para designers de cerâmica e outros revestimentos de superfície, além de móveis de casa de banho. A exposição acontece no mês de setembro na cidade de Bolonha, Itália, e abrange as principais tendências de design do setor. Visitámos a feira e procurámos as novidades e tendências mais interessantes em cerâmica e revestimentos de superfície, para 2020.a

Aqui, apresentamos uma análise prévia da nossa pesquisa de tendências, com três das dez principais tendências de ladrilhos da Cersaie 2019. A nossa pesquisa completa é reunida no nosso novo Trendbook N / T edição 3 - Tendências de superfícies 2020, que pode ser adquirida nesta ligação (https://italianbark.teachable.com/p/e-book-surfaces-trends).

Figura 1

-

Ce r a m ic a S a nt’A g o s t i n o

# 1 / MADEIRA REINVENTADA Os ladrilhos de madeira e efeito de madeira definitivamente encontraram o seu lugar na indústria de ladrilhos e não são uma tendência nova. No entanto, agora empresas, designers e artesãos estão reinventando maneiras de decorar com madeira e vimos várias notícias interessantes nesse sentido. Padrões ornamentais inspirados na história da arte e do artesanato italiano estão sendo recuperados para criar cerâmica decorativa que combina madeira com mármore. A inspiração pode vir de efeitos ornamentais de móveis e interiores renascentistas, bem como de incrustações de mármore policromático em edifícios históricos. Padrões geométricos abstratos também estão assumindo o lugar, pois os grés de porcelana com efeitos de madeira são perfeitamente capazes de reproduzir vários tons, veios, nós e cores de madeira. Madeira decorativa autêntica e efeitos de madeira são oferecidos no estilo clássico e contemporâneo. A aparência natural da madeira atende ao forte caráter do concreto e dá vida a sofisticadas combinações de cerâmica. Esses materiais aparentemente tão distintos um do outro criam um equilíbrio entre forma e design para ambientes contemporâneos. O grão de madeira assenta diretamente em azulejos com efeito concreto, trazendo um toque vibrante e delicado (Fig. 1).

Kéé rr aa m m ii cc aa .. D Te n p . 2 20 .. K s tdaeqnucei a s

Setembro . Outubro . 2019


Obrigado pela Confiança CREDIBILIDADE - IMPARCIALIDADE - RIGOR reconhecidos na certificação de produtos e serviços e de sistemas de gestão Membro de vários Acordos de Reconhecimento Mútuo Presente em 25 países

Acreditada pelo IPAC como organismo de certificação de produtos (incluindo Regulamento dos Produtos de Construção), serviços e sistemas de gestão

R. José Afonso, 9 E – 2810-237 Almada – Portugal — Tel. 351.212 586 940 – Fax 351.212 586 959 – E-mail: mail@certif.pt – www.certif.pt Setembro . Outubro . 2019

Destaque . Kéramica . p.23


Te n d ê n c i a s

41zero42

# 2 / NATUREZA DIGITAL A nossa necessidade de conectar com a natureza está a trazer a própria natureza para dentro dos interiores, especialmente casas. Enquanto isso, o design biofílico demonstra como a incorporação de elementos diretos ou indiretos da natureza nos espaços interiores pode melhorar o nosso bem-estar. Nesse contexto, cores, formas, texturas e padrões que imitam a aparência natural são muito explorados para integrar espaços internos em espaços externos. Novo grés e ladrilhos estão a ser inspirados de plantas trepadeiras, flores delicadas e folhas tropicais, na paleta de cores pouco saturadas ou em verde musgo e menta. As tecnologias avançadas de impressão digital estão a dar aos designers a possibilidade de reproduzir a natureza de maneiras muito realistas e também estão oferecendo novas oportunidades para produtos artesanais que parecem papéis de parede e impressionantes frescos contemporâneos (Fig. 2).

Figura 2

-

#3- UMA NOVA VISÃO EM PRETO E BRANCO Designers e marcas estão explorando uma nova visão do preto e branco. Esta combinação simples e pura leva a infinitas possibilidades quando combinada com superfícies de mármore, cerâmica e terrazzo. Novas experiências de superfícies de mármore em preto e branco evocam uma sensação de pureza associada à terra, natureza, luzes e ausência de luz. Motivos ornamentais, mosaicos, folhas tropicais e elementos gráficos, como formas irregulares, grades e listras, são amplamente explorados para trazer o contraste entre luz e sombra e criar efeitos ópticos que jogam com a nossa perceção visual dos espaços. Texturas distintas e profundas, gravadas e em relevo, também estão sendo usadas para realçar as superfícies em si e mais uma vez evocar os nossos sentidos, incentivar o tato e fazer declarações de estilo ousadas Fig. 3).

Ce r a m ic a S a nt’A g o s t i n o

* Este artigo é parte da nova edição 3 do Trendbook N / T - Tendências de superfícies 2020 publicada por ITALIANBARK + SOMA. Saiba mais neste link (https://italianbark.teachable.com/p/e-book-surfaces-trends ).

Figura 3

-

Imagens Elisabetta Rizzato / italianbark

p.24 Deens d t ae qnuc ei a s 2 . Kéramica . T

Setembro . Outubro . 2019


Economia

PAVIMENTOS E REVESTIMENTOS CERÂMICOS – EXPORTAÇÕES MUNDIAIS, NA UE-28 E EM PORTUGAL, EM 2018

por António Oliveira - Economista da APICER

Os ladrilhos e placas (lajes), para pavimentação ou revestimento, de cerâmica; cubos, pastilhas e artigos semelhantes, para mosaicos, de cerâmica, mesmo com suporte, correspondem, em termos de comércio internacional, à nomenclatura combinada (NC) 6907.

Figura 2 - Exportações de Pavimentos e Revestimentos Cerâmicos na UE-28 em 2018, por países Fonte: Eurostat – International Trade

Figura 1 - Exportações Mundiais de Pavimentos e Revestimentos Cerâmicos em 2018, por Áreas de Exportação Fonte: ITC – International Trade Centre

Exportações Mundiais No ano de 2018 as exportações mundiais de pavimentos e revestimentos cerâmicos atingiram os 15.173 milhões de euros, o que traduz uma variação de

Exportações Mundiais de Pav. Revest. Cerâmicos em 2018 Por Áreas de Exportação (em % do valor total) 1%

4% 15%

União Europeia 28 Outros Europa China 53%

Outros Ásia América

25%

África e Oceania 2%

Exportações de Pavimentos e Revestimentos Cerâmicos na UE28 em 2018 (em % do valor total) 3%

1%

1% 1%

1%

1%

1%

3% 5%

49%

34%

Setembro . Outubro . 2019

Itália Espanha Alemanha Polónia Portugal Rep. Checa Bulgária França Holanda Bélgica Outros

1,6% face ao ano de 2017 e representa 0,093% das exportações totais de bens, à escala mundial, em 2018. O ranking dos exportadores mundiais em 2018 era liderado pela Itália (26,0% do valor das exportações mundiais), seguida da China (24,8%), Espanha (18,0%), Índia (5,7%) e Turquia (3,3%). Portugal ocupava o 10.º lugar do ranking mundial, com 1,6%. A contribuição da União Europeia (UE-28) para as exportações mundiais de pavimentos e revestimentos cerâmicos em 2018 representou 53,2% do valor total mundial (figura 1). União Europeia (UE-28) Em 2018 as exportações de pavimentos e revestimentos cerâmicos com origem na UE-28 ascenderam a 8.076 milhões de euros, o que traduz uma variação de -1,2% em relação ao ano anterior. O valor alcançado representa 0,151% das exportações totais de bens da UE-28 no mesmo ano. Em termos de quantidades, as exportações da UE-28 corresponderam a 17.062.243 toneladas. No âmbito da UE-28, os principais exportadores (figura 2) foram a Itália (49,0% do valor total), Espanha (33,8%), Alemanha (4,6%), Polónia (3,3%) e Portugal (3,0%). Portugal No ano de 2018 as exportações portuguesas de pavimentos e revestimentos cerâmicos alcançaram os 244,8 milhões de euros (dados preliminares), valor que traduz uma variação de -4,4% em relação ao ano de 2017, e repartiram-se por 142 mercados. França, Reino Unido, Alemanha, Espanha e Estados Unidos constituíram os principais mercados de destino das

EDc eosnt oa m q ui ae . K é r a m i c a . p . 2 53


Economia

Figura 3 - Exportações Portuguesas de Pavimentos e Revestimentos Cerâmicos em 2018, por mercados (em % do valor total) Fonte: INE – Estatísticas do Comércio Internacional de Bens

nossas vendas nos mercados internacionais (figura 3). O valor obtido representa 0,423% das exportações totais de bens em Portugal no mesmo ano. Em termos de quantidades, as exportações portuguesas corresponderam a 482,691 toneladas, o que representou 2,8% do total das exportações da UE-28 expressas em toneladas. Quando medidas em metros quadrados, as nossas exportações em 2018 atingiram 29.171.751 m2. O transporte rodoviário foi o mais utilizado nas nossas exportações (59,9% do total), seguido do transporte marítim0 (38,6%) e outros (1,5%). A França, 1.º mercado de destino das exportações portuguesas de pavimentos e revestimentos cerâmicos em 2018, foi o 2.º mercado no ranking dos importadores mundiais. Portugal foi o 3.º fornecedor internacional do mercado francês em 2018 (6,8% do valor das importações de França), atrás da Itália e Espanha e à frente da Alemanha e Turquia. As importações de França registaram uma variação de -2,9% entre os anos de 2017 e 2018. No Reino Unido, 2.º mercado de destino das exportações portuguesas e 5.º mercado no ranking dos importadores mundiais em 2018, Portugal foi o 4.º fornecedor internacional (3,6% do valor das importações do Reino Unido), a seguir à Espanha, Itália e Turquia e à frente da China e Alemanha. Entre os anos de 2017 e 2018 as importações do Reino Unido registaram uma variação de -9,6%. Na Alemanha, 3.º mercado de destino das exportações portuguesas e 3.º mercado no ranking dos importadores mundiais em 2018, Portugal foi o 9.º fornecedor internacional (1,7% do valor das importações alemãs), a seguir à Itália, Turquia, Espanha, Polónia, República Checa, França, China e Áustria.

Pavimentos e Revestimentos Cerâmicos Mercados de Exportação de Portugal em 2018 França Reino Unido

28% 31%

Alemanha Espanha Estados Unidos Itália Suécia

3%

Angola

3% 6%

4% 4% 4%

6% 5% 6%

4 . Kéramica . D E ce os n p.26 t aoqmu iea

Finlândia Países Baixos Outros

As importações da Alemanha registaram uma variação de -4,4% entre os anos de 2017 e 2018. A Espanha, 4.º mercado de destino das exportações portuguesas em 2018, posicionou-se apenas no 43.º lugar do ranking de importadores mundiais. Portugal foi 0 4.º fornecedor internacional do mercado espanhol (3,7% do valor das importações espanholas), atrás da Itália, Alemanha e Índia, e à frente da Turquia e China. As importações de Espanha cresceram 3,0% entre os anos de 2017 e 2018. O maior importador mundial de pavimentos e revestimentos cerâmicos em 2018 foram os Estados Unidos (12,8% do valor das importações mundiais), 5.º mercado de destino das exportações portuguesas no mesmo ano. Os principais fornecedores internacionais do mercado norte-americano foram a Itália, China, Espanha, México e Turquia. Portugal foi apenas 0 10.º fornecedor daquele mercado (0,6% do valor das importações dos Estados Unidos). As importações dos Estados Unidos registaram uma variação de -1,5% entre os anos de 2017 e 2018. Vantagem Comparativa Revelada O índice da vantagem comparativa revelada (IVCR) estabelece a comparação do peso das exportações de um setor/produto no total das exportações de um país, com o peso relativo das exportações desse mesmo setor/produto no mercado mundial. Se o IVCR é superior a 1, o país possui vantagem comparativa revelada para as exportações desse produto, ou seja, esse país encontra-se relativamente especializado na exportação desse bem. Por outro lado, se o IVCR é inferior a 1, o país possui desvantagem comparativa revelada para a exportação do produto. No ano de 2018 as exportações de pavimentos e revestimentos cerâmicos, face às exportações totais de bens, representaram 0,423% em Portugal, 0,151% na União Europeia e 0,093% no Mundo. Para a cerâmica portuguesa de pavimentos e revestimentos, e tendo como referência o ano de 2018, o IVCR apresentou o valor de 4,56, o que significa que o grau de especialização dos pavimentos e revestimentos cerâmicos em Portugal representou

Setembro . Outubro . 2019


Economia

quase 5 vezes o grau de especialização que esta cerâmica apresentou a nível mundial. De entre os principais exportadores mundiais, aqueles que apresentaram um IVCR mais alto em 2018, traduzindo assim um grau de especialização elevado na exportação de pavimentos e revestimentos cerâmicos, foram a Espanha (10,09), Itália (9,27), Portugal (4,56), Turquia (3,84) e Índia (3,39). Para o conjunto de países da UE-28 o IVCR foi de 1,63 e para a China foi de 1,92. 1.º Semestre de 2019 confirma tendência de estagnação na UE-28 São já conhecidos os dados preliminares para 0 1.º semestre de 2019, no que diz respeito às exportações de pavimentos e revestimentos cerâmicos na União Europeia. Nos primeiros 6 meses de 2019 o valor atingido cifrou-se nos 4.285 milhões de euros, o

Setembro . Outubro . 2019

que representa uma variação de -0,1% face ao período homólogo de 2018. Portugal contribuiu com 126,7 milhões de euros para as exportações da UE-28, valor que traduz uma variação de -2,6% em relação ao 1.º semestre de 2018. O principal exportador mundial e da UE-28 – a Itália – não escapou a esta tendência e registou uma contração de 1,6%. Também em contração, e para além de Itália e Portugal, encontram-se a Alemanha, França, Holanda e Bélgica. Em crescimento encontram-se a Polónia, Bulgária e República Checa e ainda, embora de forma mais moderada, a Espanha. No 1.º semestre de 2019 Portugal manteve-se como 5.º exportador da UE-28, mantendo também a sua contribuição para as exportações da UE nos 3%.

EDceosnt oa m q ui ea . K é r a m i c a . p . 2 75


Entrevista

A CONVERSA COM AMÉLIA VITÓRIA, PRESIDENTE DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA PRIMUS VITÓRIA

A Primus Vitória Kéramica - A Primus Vitória está a laborar desde 1969, uma história com 50 anos. Conte-nos um pouco da história da sua fundação e dos seus fundadores. Amélia Vitória - A Primus Vitória foi adquirida pelo meu falecido Pai João Vitória há cerca de 25 anos, aos sócios fundadores que eram ainda seus familiares e primos entre si. Por essa razão à data a denominação social era Primos Vitória. Nessa altura a empresa dedicava-se fundamentalmente à produção do azulejo tradicional português. Kéramica – Sendo uma empresa sobretudo familiar, quais são os desafios e oportunidades que se deparam no processo da sucessão na gestão da empresa? Amélia Vitória - O maior desafio para as empresas familiares é encontrar o equilíbrio entre “família” e “negócio”, sendo que chave para o sucesso passará sempre pela família a servir a empresa e nunca o contrário. A terceira geração já se encontra perfeitamente integrada na gestão da empresa, existindo um manual de conduta que limita a entrada de familiares nos quadros da empresa. No nosso caso a sucessão na gestão da empresa está a decorrer com

6 . Kéramica . D E ne ts rt ea vq iuset a p.28

naturalidade, estando bem definida a estratégia a seguir, existindo uma total convergência de todos para o sucesso da Primus Vitória. PRODUÇAO Kéramica - Como caracteriza a produção da Primus Vitoria? Que segmentos de produtos abrangem? Quantos trabalhadores tem a empresa? Amélia Vitória - A Primus Vitória está vocacionada para a produção de revestimentos cerâmicos e divide-se em duas vertentes: uma delas associada à elevada eficiência produtiva e a produtos de menor valor acrescentado e outra associada a produtos de maior valor acrescentado onde destacamos a replicação de azulejos tradicionais portugueses, hoje fortemente impulsionada pelo crescente mercado da reabilitação urbana. A Primus Vitória tem ao seu serviço cerca de 125 colaboradores. Kéramica – Um dos principais obstáculos apontados pela indústria cerâmica é a escassez de mão-de-obra. O mesmo se verifica na vossa empresa? Identifique outras dificuldades / constrangimentos.

Setembro . Outubro . 2019


Entrevista

Amélia Vitória - Mais do que a escassez de mão de obra, deparamo-nos com a inexistência de mão de obra qualificada, a que se associarmos uma curva de aprendizagem extremamente longa, estamos perante fatores que constituem verdadeiros obstáculos ao crescimento. A par da mão-de-obra temos o elevado custo energético, bem como a localização geográfica face aos potenciais mercados. Kéramica – A nível internacional, qual o principal obstáculo que a Primus Vitória identifica? Amélia Vitória - Como referido na questão anterior a localização geográfica, acaba por ser determinante no custo de transporte associado às vendas para os mercados internacionais. Por outro lado, não nos podemos esquecer da existência de países com forte tradição na produção cerâmica em que os custos energéticos e de mão-de-obra são substancialmente inferiores, bem como todos os custos associados ao cumprimento de obrigações ambientais e até mesmo fiscais. Kéramica - Cada vez mais os consumidores pretendem personalizar os produtos que adquirem e escolhem formatos de grande dimensão. No caso da Primus Vitoria, escolheram trabalhar com formatos mais pequenos e a produção industrial de azulejo tradicional português. É uma opção estratégica da empresa? Amélia Vitória - É de facto a opção estratégica da empresa trabalhar com os formatos mais pequenos bem como a produção do azulejo tradicional português. Kéramica – Que relação existe entre a arquitetura portuguesa e os novos arquitetos com os pavimentos e os revestimentos cerâmicos? Amélia Vitória - O Azulejo tradicional português está na moda. Obviamente que os novos arquitetos não são

Setembro . Outubro . 2019

alheios a este contexto, alavancado mais uma vez pelo crescimento do mercado da reabilitação urbana em que muitas vezes existe uma obrigação de manutenção das fachadas/ azulejos existentes. Kéramica – Em 2017 apoiaram o evento Competições Nacionais de Ciência, incluído no Projecto Matemática Ensino da Universidade de Aveiro. Considera fundamental a colaboração da indústria com os centros de ensino em Portugal? Os centros de ensino têm correspondido às necessidades das empresas? Amélia Vitória - A colaboração da indústria com os centros de ensino é fundamental para que a inovação continue a ser um motor de crescimento. A Primus Vitória tem vindo a colaborar com a Universidade de Aveiro a vários níveis. Kéramica – A inovação e o ambiente, a flexibilização do mercado, a aposta no design técnico, a qualificação de quem trabalha na indústria, a indústria 4.0 … como encara estes desafios crescentes no contexto da empresa que atualmente gere? Amélia Vitória - A Primus Vitória nos últimos 4 anos tem vindo a ver reconhecido o seu esforço de inovação, nomeadamente com a elegibilidade das suas candidaturas ao SIFIDE. Por outro lado, iniciámos há cerca de um ano um projeto de integração de todas as áreas funcionais da empresa num único software de gestão, processo que se encontra em avançado estado de implementação possuindo potencialidades que nos permitem acompanhar as melhores práticas do sector. MERCADOS Kéramica – Qual o peso das vossas exportações e qual o vosso principal mercado? Ainda há mercados por descobrir? Amélia Vitória - O peso das nossas exportações considerando as vendas efetuadas a tradings ronda os 70% do volume de negócios. A estratégia comercial passa por uma dispersão das vendas por um maior número de mercados com o objetivo de mitigar riscos associados às fases baixas dos ciclos económicos. Kéramica – As medidas protecionistas implementadas pelos Estados Unidos, o Brexit e a guerra comercial entre os Estados Unidos e a China podem afetar as vossas exportações? Amélia Vitória - Toda a turbulência associada à conjuntura internacional poderá afetar as nossas exportações e não estaríamos a ser honestos se afirmássemos o contrário. O nosso trabalho está concentrado na minimização destes possíveis efeitos através da diversificação.

ED n terset va iqsut ea . K é r a m i c a . p . 2 97


Entrevista

Kéramica – Quais os principais países produtores internacionais concorrentes das empresas portuguesas neste sector? Amélia Vitória - No mercado específico da Primus Vitória temos como principais países concorrentes a Turquia, Espanha e China. Kéramica – A presença e visita às principais feiras nacionais e internacionais, em Itália, Estados Unidos e noutros mercados continua a ser um importante canal de promoção e divulgação dos vossos produtos? Amélia Vitória - Atendendo à especificidade dos nossos produtos, temos optado pela visita às principais feiras do sector, nomeadamente em Espanha, Itália e Estados Unidos. Kéramica – Têm notado algum acréscimo de vendas no mercado nacional, nesta fase de crescimento da construção e sobretudo na reabilitação? Amélia Vitória - É sintomático que o mercado nacional atravessa um período de crescimento. A Primus Vitória tem beneficiado deste crescimento quer na construção de novos edifícios quer na reabilitação. Não nos podemos esquecer também que o Partido Socialista apresentou e submeteu a discussão o Projeto de Lei n.º 416/XIII – o qual esteve na origem da versão final aprovada pela referida Lei 79/2017, de 18 de agosto – o qual justificava a proteção do património azulejar português não apenas por motivos históricos, dado o lugar de relevo que o mesmo ocupa tanto no “património Histórico e Artístico de Portugal, como no Património da Humanidade”, mas também por razões que se prendem com a promoção do turismo em Portugal, na medida em que o azulejo se assume como um “elemento atrativo e promotor do papel exportador do setor turístico”.

Kéramica - Como será a Primus Vitória daqui a 50 anos? Como encara o futuro do subsector? Amélia Vitória - Com certeza estaremos perante uma empresa centenária… A Cerâmica de revestimento e pavimento continuará a ser um material de referência na construção atendendo às suas características técnicas e funcionais. Kéramica – Em jeito de despedia, refira uma obra de referência, nacional ou internacional, que tenham aplicado os produtos da Primus Vitória e que a tenha deixado orgulhosa. Amélia Vitória - Projeto da Sonae Sierra na Roménia.

INVESTIMENTO e FUTURO Kéramica – Recentemente ampliaram a empresa construindo uma nova unidade de produção em Aveiro. A própria imagem foi alterada. Prevê novos investimentos no futuro? Amélia Vitória - A Primus Vitória em 2009 iniciou a laboração numa nova unidade que permitiu triplicar a sua capacidade de produção com níveis de eficiência elevados. De então para cá, têm vindo a ser efetuados investimentos que têm como objetivo fundamental a melhoria da eficiência energética e a otimização de layouts com vista a aumentar a sua flexibilidade sem perda de eficiência produtiva. No final de 2019 a nossa Unidade da Taboeira estará equipada com uma central fotovoltaica, continuando desta forma a diminuir a pegada ecológica ao mesmo tempo que registará uma redução do respetivo custo.

p . 32 08 . K é r a m i c a . D E ne ts rt ae vq iuset a

Setembro . Outubro . 2019


3 - 7 FEB 2020 València (Spain)

#cevisama20 www.cevisama.com cevisama@feriavalencia.com Setembro . Outubro . 2019

Destaque . KĂŠramica . p.31


Secção Jurídica

DELIBERAÇÃO DA CNPD 2019/494

por Filomena Girão e Marta Frias Borges- FAF Advogados

No passado dia 23 de setembro, a Comissão Nacional de Protecção de Dados (CNPD) deliberou a desaplicação de um conjunto de normas da Lei que executa em Portugal o Regulamento Geral sobre a Protecção de Dados (RGPD), em vigor desde 9 de Agosto último (Lei n.º 58/2019, de 8 de agosto), em virtude de aquelas normas se terem revelado manifestamente incompatíveis com a letra e o espírito do dito Regulamento Europeu. Em causa estão as normas respeitantes ao âmbito de aplicação da lei nacional, aos direitos dos titulares, à utilização pelas entidades públicas de dados para finalidades diferentes daquelas que justificaram o seu tratamento inicial, e, ainda, ao regime sancionatório nela previsto. Do entendimento da Comissão acerca da dita Lei, merece, desde logo, destaque a inaplicabilidade dos artigos 37.º, 38.º e 39.º, que dizem respeito ao regime das contraordenações. Explicitou, a este propósito, aquela Comissão que, “por contrariarem o elenco taxativo de infrações previstas nos n.ºs 4 e 5 do artigo 83.º do RGPD e o respetivo enquadramento sancionatório”, a CNPD não aplicará as alíneas a), h) e k) do n.º 1 do artigo 37.º e a alínea b) do n.º 1 do artigo 38.º da Lei n.º 58/2019. Mais, deliberou ainda a Comissão a desaplicação do n.º 2 do artigo 27.º e do n.º 2 do artigo 38.º, na medida em que fixam, em abstracto, molduras sancionatórias distintas, nomeadamente com limites máximos inferiores, das previstas no RGPD. Na verdade, a Lei Portuguesa determinava limites distintos conforme a dimensão da empresa, aplicando apenas às grandes empresas o limite pecuniário máximo de 20 milhões de euros disposto no RGPD. Por último, entendeu a CNPD que os n.ºs 1 e 3 do artigo 39.º da Lei de execução também contrariavam o plasmado no Regulamento. O número 1 por estabelecer critérios para a determinação em concreto da medida da coima além dos previstos no RGPD (liberdade que este

p.30 2 . Kéramica . D S ee cs çt ãa o q uJ eu r í d i c a

apenas prevê para as infrações não sancionadas pelo Regulamento). E o número 3 por prever, nos casos de conduta negligente, a mera advertência prévia para a correcção da ilicitude dentro de um prazo razoável, retirando, assim, “o poder discricionário reconhecido pelo RGPD à autoridade de controlo portuguesa”. Mais se insurge a Comissão Nacional de Proteção de Dados contra o artigo 23.º, n.º 1 da Lei n.º 58/2019, de 8 de agosto, por permitir às entidades públicas a utilização de dados pessoais recolhidos para finalidades diversas, sem cumprimento dos requisitos impostos pelo Regulamento Geral de Proteção de Dados. A Deliberação/2019/494 da Comissão Nacional de Proteção de Dados determina que a não aplicação destas disposições legais terá por consequência a aplicação directa das normas do RGPD. Alerta-se, pela sua importância, para o teor desta Deliberação e, mais, para a necessidade de as organizações implementarem o RGPD, que, ademais, constitui uma excelente oportunidade para as empresas europeias (designadamente, as portuguesas) se diferenciarem. De facto, cremos que a concretização do chamado ‘valor digital’ se mostrará capaz de sustentar o crescimento económico futuro e fomentar o desenvolvimento do mercado único digital, criando novos mercados e organizando novas formas de participação. Este será, certamente, uma excelente via para promover a diferenciação e a competitividade económica e concorrencial.

Setembro . Outubro . 2019


Feiras

AMBIENTE 2020 ESTREIA HALL HORECA

por João Niny - Assesor de Imprensa da Messe Frankfurt Portugal

A Ambiente, a maior feira internacional de decoração de interiores e de artigos para o lar, apresenta na edição de 2020 uma novidade, um Hall dedicado ao segmento HoReCa. Sendo uma feira de referência em todo o mundo, a Ambiente não deixa por isso de inovar e de se renovar e 2020 marca o início de uma nova expansão. O Guia dedicado ao Contract Business, que permite aos compradores de hotelaria encontrarem facilmente os fornecedores certos, será agora complementado com um espaço próprio no Hall 6.0, enquadrado no sector Dining. O Dining é o grande palco da feira onde todos os artigos e produtos relacionados com mesa e cozinha podem ser encontrados e que transformam a altura da refeição numa experiência única e sublime. Desde acessórios de cozinha e pequenos eletrodomésticos a artigos em vidro, cristal e cerâmica, todos eles podem ser encontrados nesta zona. O Hall 6.0 foi o local escolhido para acomodar fornecedores do canal HoReCa. Os artigos aqui apresentados são artigos de front desk, ou seja, todo o tipo de artigo que o cliente vê, desde loiça, copos e talheres, a tudo o que seja

Setembro . Outubro . 2019

necessário para transportar as refeições da cozinha para a mesa, assim como fardas, toalhas, menus, sinalética, carrinhos, tabuleiros e aquecedores de comida. O Hall dedicado ao HoReCa vem complementar a oferta no segmento Contract Business. Para além do Dining, a Ambiente apresenta os sectors Giving e Living. O Giving reúne, como o próprio nome indica, artigos e ideais para oferta, gifts. Nesta área encontram-se produtos transversais a todos os sectores e adequados a qualquer estilo de vida e eventos numa panóplia de itens que vão desde prendas, artigos decorativos e acessórios pessoais como malas ou bijuteria.

D e sFteaiqr ua es . K é r a m i c a . p . 3 31


Feiras

A área de Living engloba conceitos e soluções de design decorativas de interiores. Aqui reúnem-se os principais expositores ligados ao design de pequeno mobiliário tanto clássico como moderno, de iluminação, de tendências decorativas, de fragrâncias para a casa e outros. É a secção ideal para quem procura uma renovação de interiores baseada nas últimas tendências e conceitos. Mais de 80 empresas portuguesas (mais de metade com apoio da Nerlei ) vão marcar presença na feira Ambiente em 2020, sendo que cerca de 80% se apresenta em força no sector Dining. Artigos em faiança, grés, cerâmica são os produtos que empresas como a Vista Alegre, a SPAL, a Porcel, a Matcerâmica ou a Costa Verde apresentam na edição de 2020. Artigos de alta qualidade e de chancela nacional atraem milhares de visitantes profissionais estrangeiros aos seus stands. No sector da loiça metálica e cutelaria, marcam presença empresas como a Silampos, a Cutipol, a Herdmar e a Face Cutlery, cujos artigos de design e grande qualidade são sobejamente procurados e desejados. A presença portuguesa na feira Ambiente tem sido constante graças ao retorno que as empresas obtêm

p . 3 24 .. K K éé rr aa m m ii cc aa .. FDeei srtaasq u e

em termos de volume de negócios. O mesmo vale para os que visitam a Ambiente, pois segundo dados estatísticos da Messe Frankfurt de 2019, 95% dos visitantes profissionais encontram-se satisfeitos com o que alcançam na feira. 95% de satisfação num universo de cerca de 136 000 visitantes profissionais oriundos de 167 países é a prova de que a feira Ambiente é uma referência mundial. Mas a Ambiente vai muito além da apresentação dos expositores. É também um pólo de conhecimento e aprendizagem que se pode ver refletido tanto na Ambiente Academy, que se realiza nos Halls 9.1 e 11.1, e na HoReCa Academy, em pleno Hall 6.0. Em ambas se discute e debate a indústria através de palestras e conferências onde são discutidos temas como bens de consumo, tendências ou as necessidades do sector da hotelaria. Durante os 4 dias de feira, inúmeros peritos e especialistas participam e instigam a audiência ao debate e à conversa. A Ambiente é também o local para ficar a par das novas tendências, dos artigos e produtos que vão marcar o futuro do sector e da indústria. Como tal, a feira aposta num espaço Trends onde todos os anos são expostos os mais arrojados e interessantes lifestyles de forma a inspirar consumidores de todo o mundo e destacar as tendências mais atraentes utilizando produtos expostos na feira. Outro elemento em destaque são as Solutions que decorrem no Foyer do Hall 4.0 e onde são apresentadas soluções práticas e simples para melhorar o look da cozinha ou da sua casa em geral. Por último, mas não o menos importante, existem os Talents. Inovação é desde sempre uma das palavras-chave da Ambiente e o Talents comprova isso mesmo. Neste espaço, que se realiza tanto no Hall 4.0: Dining e no Hall 8.0: Living são apresentadas ideias e produtos vindos de jovens designers que prometem surpreender os visitantes e consumidores. É um espaço muito importante onde carreiras futuras são construídas e onde jovens talentos desconhecidos podem dar-se a conhecer ao Mundo. A feira Ambiente, que decorre de 7 a 11 de Fevereiro de 2020 em Frankfurt é o pólo central da decoração de interiores e de artigos para o lar. É o certame de referência para qualquer empresa do ramo que deseje crescer internacionalmente e o local de culto de qualquer designer que queira estar a par das últimas modas e tendências. Por todas estas razões a Ambiente é a principal feira internacional da fileira casa. www.messefrankfurt.pt

Setembro . Outubro . 2019


Portugal A hospitalidade desenvolve-se no espaço. As oportunidades desdobram-se sem limites. Mais área para o sector HoReCa na maior feira internacional de artigos para a casa. A partir de 2020 serão também mostradas no Pavilhão 6.0 novidades de todo o mundo, apresentados conceitos inovadores de gastronomia e feitos negócios em torno das tendências em hotelaria.

Informações e bilhetes: ambiente.messefrankfurt.com/horeca Tel. 21 793 91 40 info@portugal.messefrankfurt.com

Setembro . Outubro . 2019

Destaque . Kéramica . p.35

DU: 01.10.2019

. 2 . 1 1 a 7 e d 2O 2O S K O LO OD GO

146-013_AM_HoReCa_Keramica_210x297 • FOGRA 39 • CMYK • bs: 23.09.2019

the show


Cultura

A REDE DE INVESTIGAÇÃO EM AZULEJO, DO ARTIS–IHA /FLUL

por Rosário Salema de Car valho - Coordenadora da Az – Rede de Investigação em Azulejo, ARTIS – Instituto de História da Arte, Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa

A importância do azulejo no contexto do património cultural português, fruto de uma tradição plurissecular de produção e aplicação cerâmica, em permanente renovação e reinvenção, constituem alguns dos argumentos que justificam a existência de um grupo de investigação exclusivamente dedicado ao seu estudo. Todavia, as suas múltiplas dimensões e consequentes possibilidades de abordagem tornam a azulejaria uma matéria complexa, cuja análise só tem a ganhar se assente numa estratégia colaborativa e integradora. É neste contexto que se inscreve a Az – Rede de Investigação em Azulejo (http://redeazulejo.letras.ulisboa. pt), um grupo do ARTIS – Instituto de História da Arte da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, cujo principal objectivo é o estudo da azulejaria produzida ou aplicada em Portugal, numa cronologia alargada que tem início no século XV e se prolonga até à actualidade. Tomando como acrónimo as iniciais da palavra azulejo – Az –, esta rede de investigadores e instituições concretiza uma necessidade já apontada por João Miguel dos Santos Simões (1907–1972), procurando estabelecer parcerias e pontes entre todos os que se interessam pelo azulejo português, tendo vindo a criar uma sólida teia de relações, individuais e institucionais, capazes de potenciar os estudos do azulejo numa perspectiva de transversalidade em relação a outras áreas do conhecimento. A sua estratégia de afirmação e crescimento assenta em quatro pilares fundamentais: 1) Inventário, catalogação e documentação; 2) Investigação; 3) Criação de parcerias; 4) Divulgação e sensibilização patrimonial. 1. Inventário, catalogação e documentação – o sistema de referência e indexação de azulejo Az Infinitum Na continuidade dos investigadores que, desde o século XIX, se ocuparam do inventário do património azulejar nacional e entre os quais destacamos José Queirós (1856–

p.34 r au e 6 . Kéramica . C D ue sl t ua q

1920), Vergílio Correia (1888–1944) ou Santos Simões, o Az Infinitum pretende ser um agregador de informação visual e textual sobre azulejo, reunida numa mesma plataforma digital, disponível em livre acesso. Sustentado numa base de dados relacional, permite registar a azulejaria produzida ou aplicada em Portugal que se conserva in situ, ou seja, nos seus locais de aplicação (originais ou não), nos diferentes níveis de inventário (registo de existência com descrição de características mínimas), catalogação (implicando um estudo mais aprofundado) e documentação (reunindo o máximo de informação). Constitui, assim, o projecto âncora da Rede de Investigação em Azulejo no sentido em que todo o trabalho do grupo converge, de forma mais ou menos directa, para esta plataforma. Ao reunir, de forma sistematizada, dados relativos ao espaço em que os azulejos se encontram aplicados, aos seus autores, cronologias, representações (figurativas, de padrão, ornamentais…), gravuras ou outras fontes que inspiraram pintores ou fábricas, encomendadores, técnicas, fotografias antigas, ou mesmo ao que a historiografia foi discutindo ao longo dos tempos, o Az Infinitum permite leituras muito específicas sobre um determinado revestimento azulejar e, simultaneamente, a sua integração em perspectivas mais vastas, com escalas variáveis que relacionam espaço, tempo e evidenciam ainda teias de conexões de ordem diversa – pessoal, institucional, entre outras. Em linhas gerais, no futuro será possível, a partir do

Setembro . Outubro . 2019


Cultura

Az Infinitum, obter um mapa dos revestimentos azulejares em todo o país, com todas as vantagens inerentes, quer do ponto de vista académico, quer da reutilização da informação para os mais diversos fins. Apenas a título de exemplo, enunciamos algumas das perguntas de investigação que estiveram na base da estrutura do Az Infinitum, e às quais esperamos responder de forma cada vez mais sustentada, à medida que novos dados fortaleçam esta ferramenta: que temas iconográficos foram mais reproduzidos e quais as consequências destas conclusões para o entendimento da azulejaria ou, numa visão mais alargada, para a História da Arte em geral; que redes de actores ou intervenientes são visíveis através da documentação reunida; que cronologias precisas de manufactura e aplicação é possível determinar, avançando com propostas mais exactas de periodização para o azulejo de padrão, com possibilidade de leituras geográficas; que padrões foram mais valorizados ao longo dos tempos, e porquê; quais as mais importantes fontes de inspiração. Inventários de edifícios específicos ou integrados em conjuntos, de localidades ou apenas de fachadas, e conjuntos determinados por ciclos artísticos são algumas das áreas de estudo desenvolvidas em anos recentes. O estudo dos padrões é uma das áreas em que mais se apostou, com o desenvolvimento de um projecto paralelo – catalogação de padrões da azulejaria portuguesa –, cujos resultados são visíveis no separador padrões e emolduramentos. Na sequência do trabalho desenvolvido por Santos Simões, alargou-se a catalogação a todas as centúrias, incluindo ainda as molduras dos revestimentos figurativos. A ideia é criar uma espécie de perfil genético para cada padrão, a partir de vários marcadores textuais e visuais. Cada vez que o mesmo for identificado num espaço, a ficha de inventário apenas associa o padrão, estabelecendo uma rede de ligações a partir da qual se obtém, entre outras possibilidades, um perfil geográfico ou cronológico de aplicação, que permite confirmar ou não, a partir de dados objectivos, algumas ideias intuídas pela historiografia. Como escrevemos em outro lugar, a metodologia proposta através do Az Infinitum conduz a análises mais rigorosas e “finas” e, consequentemente, a leituras sustentadas em bases sólidas e mensuráveis que, não se esgotando em si próprias, complementam as conclusões da História da Arte alcançadas através das metodologias específicas desta disciplina. 2. Investigação A investigação conduzida a partir do Az Infinitum mostra cabalmente as suas potencialidades e os capítulos de livros ou os artigos publicados e aceites em revistas na-

Setembro . Outubro . 2019

+

C ON VI DAD O

COM O APOIO

DC e sutlat quur ea . K é r a m i c a . p . 3 75


Cultura

cionais e internacionais, com revisão por pares e indexadas nas mais importantes bases de dados mundiais são a prova da qualidade da investigação produzida pelo grupo, também reconhecida pelas instituições que nos procuram para acompanhamento de obras ou realização de pareceres. Por outro lado, a parceria estabelecida em 2015 com a editora Centro Atlântico permitiu publicar vários livros sobre a azulejaria portuguesa, de uma qualidade gráfica ímpar, com conteúdos científicos rigorosos, produzidos pelos investigadores da Rede e por outros colaboradores, nacionais e internacionais, concebidos para diferentes tipos de público. 3. Parcerias Se a criação da estrutura de dados do Az Infinitum, em consonância com as normas internacionais, foi relativamente fácil, alimentá-la é uma tarefa bem mais complexa e que depende dos projectos e parcerias que se estabelecem. Neste âmbito, destacam-se duas instituições: o Museu Nacional do Azulejo que, com a Rede, é instituição coordenadora do projecto (e também da catalogação de padrões), e a empresa Sistemas do Futuro, responsável pelo desenvolvimento. Esta associação, que implica investigação também ao nível das tecnologias de informação, coloca o Az Infinitum no terreno da história da arte digital e da utilização de ferramentas digitais com consequências epistemológicas. Por outro lado, importa perceber que a informação inserida resulta de projectos promovidos e conduzidos pela Rede, de projectos de outras instituições ou de investigadores e alunos dos vários ciclos de estudos de diferentes universidades, que recorrem ao Az Infinitum para organizar e sistematizar a sua informação, assim tirando partido desta poderosa ferramenta de análise. A rede de parcerias é hoje bastante alargada, incluindo alunos e investigadores, centros de investigação, grupos informais, editoras, empresas, associações, municípios, museus ou instituições privadas. Mas integra ainda outras colaborações relacionadas com a preservação do património azulejar, destacando-se o projecto SOS Azulejo do qual a Rede é parceira desde 2010. 4. Divulgação e sensibilização patrimonial Criar uma cultura de diálogo nem sempre é fácil e a organização de um seminário sobre estudos de azulejo insere-se nesta estratégia de debater de um modo livre e aberto as principais questões da área. O AzLab – seminário de estudos de azulejaria, decorre uma vez por mês, às quartas-feiras, na FLUL, sempre com um tema diferente e um ou mais convidados. É aberto a todos e não é necessária qualquer

K éé rr aa m m ii cc aa .. D C eu sl t au qr u ae pp .. 33 86 .. K

inscrição prévia. Iniciado em 2014, contará, em Dezembro de 2019, com 53 sessões, quatro das quais especiais, de um dia inteiro e com chamadas de comunicações depois publicadas em forma de artigo na revista ARTisON (www.artison. letras.ulisboa.pt). É suportado por um blogue no qual são publicados textos e outros materiais, no período que antecede cada sessão (ver https://blogazlab.wordpress.com). No balanço de seis anos de actividade, podemos hoje afirmar que o AzLab foi absolutamente essencial para debater temas mais sensíveis, apresentar diferentes perspectivas de investigação, conhecer novos projectos e, sobretudo, dialogar com outras áreas do conhecimento, que vão da música à matemática, passando pela biologia ou pela química, potenciando e servindo de incubadora a ideias e projectos. Num sentido mais alargado, a Rede de Investigação em Azulejo dinamiza várias páginas nas redes sociais: Facebook (um perfil institucional e outro para acompanhar os novos dados inseridos no Az Infinitum) (https://www.facebook.com/az.redeazulejo e https://www.facebook.com/AzInfinitum) e Instagram (https://www.instagram.com/rede_azulejo). A lógica editorial passa pela articulação com o tema do AzLab, sendo publicados conteúdos de divulgação científica e notícias diversas, sempre em português e inglês. O objectivo é dar a conhecer a azulejaria portuguesa a um público mais alargado e sensibilizar para as questões relacionadas com a preservação do património azulejar nacional.

Setembro . Outubro . 2019


O FUTUR DA CERÂMICA

28.9.2020 - 2.10.2020 Rimini Exhibition Centre – Italia

tecnargilla.it ORGANIZAÇÃO

Setembro . Outubro . 2019

EM COLABORAÇÃO COM

APOIO

Destaque . Kéramica . p.39


Arquitetura

ARCHI SUMMIT - UM EVENTO DE CONTORNOS ÚNICOS EM PORTUGAL

por Bruno Moreira , Diretor Executivo do Archi Summit

Conceito As Carpintarias de São Lázaro, em Lisboa, receberam nos dias 10, 11 e 12 de julho a quinta Edição do Archi Summit – o único Summit Internacional de Arquitetura em Portugal. O evento é considerado como o evento de referência da Arquitetura em Portugal. Três dias inteiramente dedicados à Arquitetura, num espírito de partilha entre os amantes do setor, uma exposição orientada para os novos desafios dos arquitetos, conferências, com o intuito de continuar a fazer crescer a arquitetura nacional e de a tornar cada vez mais preponderante. Em cada edição, o Archi Summit traz a Portugal alguns dos maiores nomes da Arquitetura nacional e internacional, numa ocasião única que conta com exposições de produtos e soluções para construção, instalações artísticas e culturais, experiências de realidade virtual, cocktail e momentos de interação e networking. Histórico Em 2015, o Archi Summit teve a sua primeira edição, realizada no SILO-AUTO. Utilizado maioritariamente como parque de estacionamento, este é nos dias que correm tam-

p.38 . Kéramica . Arquitetura

bém um espaço de intervenção com um carisma muito especial e uma perspetiva de 360⁰ sobre a cidade do Porto. Na segunda edição, a escolha do local foi considerada uma aposta arrojada, mas bem-sucedida. Em 2016, o Summit teve lugar no antigo Matadouro Industrial do Porto. Nesse ano, o evento teve pela primeira vez a duração d A evolução e crescimento do evento levou-o até à capital. Em 2017, o Archi Summit decorreu na consola do Pavilhão de Portugal, em Lisboa, durante os dias 6 e 7 de Julho e 3 dias. No ano passado, o local escolhido foi o LXFactory, um cenário repleto de cor, liberdade, modernismo e animação. Durante dois dias, reuniu-se o melhor da Arquitetura Internacional, gabinetes e estúdios de todo o mundo, num só local – no LX Factory, em Alcântara - a casa de qualquer evento que se reja pela dinâmica e pelo modernismo Archi Summit 2019 - CARPINTARIAS DE SÃO LÁZARO O edifício, uma carpintaria do património industrial construída na década de 1930, foi trazido em 2010 pela Câmara Municipal de Lisboa, após um incêndio quase o ter destruído. Após a aquisição por parte do Município, houve grandes obras de reabilitação estrutural, esta intervenção, da responsabilidade de Filipe Borges de Macedo Arquitetos, revelou a expressividade e a qualidade extraordinária do espaço. Alguns anos depois, o Município abriu um concurso para explorar a carpintaria como centro cultural. A intervenção no espaço não foi drástica. O betão continua a ser o elemento predominante, com apontamentos modernos que saltam à vista – é o caso da escadaria branca em caracol que nos leva ao 2.º piso (que serve também de uma espécie de segundo balcão) e ao terraço que oferece vistas deslumbrantes para as colinas da Graça e do Castelo.

Setembro . Outubro . 2019


Arquitetura

Queremos reforçar a nossa ligação com a cerâmica, um elemento incontornável, que tem sido destaque nas cinco edições do Archi Summit. A sustentabilidade é também uma preocupação e componente importante do Archi Summit. Uma das novidades desta edição foi a estreia dos Archi Tours, em parceria com a Talkie Walkie, especialista em tours e visitas de arquitetura, o carácter criativo e inovador deste tour, passa por oferecer a um público especializado na arquitetura uma visita privilegiada.

O programa assentou na vontade de reunir autores de vários países europeus e confrontá-los com as particularidades da realidade portuguesa. Interessou ter uma visão alargada, juntando na lista de oradores curadores, artistas e engenheiros que têm afinidades com a disciplina. Nesta Edição são três os temas: “On Drawing”, “On Building” e “On the Monumental”, e tanto podem ser vistos isoladamente como um encadear de momentos próprios da pratica da arquitetura. Os arquitetos projetam e comunicam com desenhos, constroem, com implicações na gestão de recursos materiais, humanos e económicos, e os edifícios construídos podem ter um significado e uma presença que perdura por muito tempo no contexto onde se erguem. São nove duplas, um modelo novo, e que permite expandir o formato mais clássico de uma apresentação de projetos de arquitetura. Quem participa na Archi Summit tem a certeza de assistir a conversas irrepetíveis num ambiente informal. A Edição deste ano ficou mais uma vez marcada pela exposição técnica de materiais de construção, com marcas de referência como, Gyptec, BMI, Volcalis, Secil ou Barbot. De destacar também a introdução de algumas tecnologias, tal como a presença do ArchiCad, e ainda mostra de soluções de Realidade Virtual e Realidade Aumentada aplicada à arquitetura.

Setembro . Outubro . 2019

Organização O evento conseguiu consolidar o seu trabalho e o trajeto no âmbito da arquitetura ao longo das cinco edições, com mais de 100 oradores de grande prestígio internacional e mais de 4.000 arquitetos estiveram presentes em todo o passado recente. Presença de destaque desta Edição foi a de Álvaro Siza Vieira, com a intervenção no painel com o tema “On Drawing”. A conferência, sob o formato de diálogo entre o Pritzker português e Niall Hobhouse, curador da London School of Architecture e um dos maiores colecionadores de desenhos de arquitetura do mundo, incidiu sobre o caderno de esboços do projeto de Siza Vieira do conhecido bairro da Malagueira, em Évora, cujo desenvolvimento durou 20 anos, entre 1977 e o ano 2000. Expectativas Futuras Em 2020 o Archi Summit acontece pela sexta vez. O evento tem vindo sempre a crescer ao longo das edições e para 2020 é a nossa grande expectativa: termos mais arquitetos a visitarem-nos. Acreditamos que é isso que vai acontecer. A visita ao Archi Summit pode ser uma oportunidade única de ver alguns dos arquitetos de renome mundial que todos os anos fazem parte do programa das conferências, e que partilham com o público experiências e conhecimentos muito valiosos, porque as marcas e empresas presentes fazem um grande esforço para tornar a experiência dos arquitetos única, porque é o palco perfeito para fazer networking e abrir novos horizontes e porque quem vem tem dois dias muito agradáveis. O evento começou no Porto e ao final da segunda edição sentimos a necessidade de ir para Lisboa, acrescido de os nossos grandes parceiros estratégicos também acharem que estava na hora de darmos um salto. Para o ano pode ser em Lisboa ou em qualquer outra cidade. Muitas vezes é durante o evento e o próprio evento que dita uma vontade. www.archisummit.pt

Arquitetura . Kéramica . p.39


Arquitetura

HOUSE IN MOAGEM VENCE PRÉMIO MARGRES ARQUITETURA 2019

A Arquiteta Sílvia Bernardino é a vencedora da 4ª edição do Margres Architecture Award 2019. O projeto vencedor é uma obra de intervenção de um apartamento, House in Moagem, um condomínio de luxo integrado no antigo edifício da Moagem de Leiria. O projeto de arquitetura e ampliação do antigo convento e posterior fábrica de moagem é da autoria do arquiteto António Garcia. Após obras de reabilitação do edifício, que mantém a fachada original, algumas paredes e arcos, a construção deste novo corpo de apartamentos levou a arquiteta Sílvia Bernardino a apostar no uso de material cerâmico para o projeto de arquitetura de interiores. Esta obra incorpora um cerâmico totalmente adequado aos espaços, tirando partido das dimensões e da estética do produto, como uma solução às exigências da arquitetura moderna e que incorpora, de forma natural, a componente histórica do edifício. O projeto em si contribui para o aumento do ciclo de vida do património construído onde a flexibilidade espacial e contributo funcional são os aspetos mais importantes a destacar.

O Margres Architecture Award 2019, que este ano decorreu em moldes mais abrangentes, contou com candidaturas nacionais e internacionais, atribui também um prémio monetário de 10.000€ e uma viagem a Itália. A entrega do Prémio irá ter lugar no 1º Encontro Ibérico de Arquitetura, organizado pela Margres, já no próximo dia 7 de Novembro. A iniciativa prevê debates entre grandes nomes da arquitetura de Portugal e Espanha.

A Margres é uma das marcas do grupo empresarial Gres Panaria Portugal. Pioneira em grés porcelânico toda a massa, a Margres é líder em Portugal na área de revestimentos e pavimentos cerâmicos de alta gama. Os seus produtos são de excelente qualidade e resistência, devido à mais alta e recente tecnologia, ideal para a construção de espaços residenciais ou comerciais. Com uma vasta gama de soluções que varia entre os 3 e os 20mm de espessura e uma larga oferta de formatos – desde o 30x30 a 100x300 centímetros – a Margres emerge agregada a altos padrões estéticos prontos a dar resposta às exigentes demandas da arquitetura moderna

p.40 2 . Kéramica . D A re qs tuai qt euteu r a

Setembro . Outubro . 2019


Cerâmica na Arquitetura

CASA NO PRÍNCIPE REAL

por Arq.º Vasco Correia e Arq.ª Patrícia Sousa, Diretores de Projecto

Localizado a poucos metros do Jardim do Príncipe Real em Lisboa, este lote de 41 m² permite a construção de um pequeno edifício urbano com 5 pisos destinado a habitação para uma família. A exiguidade do terreno levou-nos a uma organização em que cada piso tem uma função e uma disposição diferentes e todos comunicam através de um átrio vertical de geometria variável, proporcionando um percurso cadenciado e progressivo, banhado por luz natural. Além das suas qualidades espaciais, o átrio funciona como uma chaminé térmica para arrefecimento passivo durante a Primavera e o Verão e permite uma renovação de ar constante durante todo o ano. O revestimento da fachada resulta de uma abordagem contemporânea ao azulejo do edifício anterior, que estava em avançado estado de degradação. Definimos um conjunto de regras para transformar o motivo decorativo do azulejo original num padrão abstracto que se materializa em 3 media distintos: uma base de azulejo liso, um corpo de azulejo com baixo-relevo e um entablamento de metal perfurado, permeável à luz. As peças foram desenhadas por nós e produzidas pelo Paulo Vida-Branco e pela Carla Monteiro (Cerbran). Após o falecimento do Paulo, a Carla continuou a produzir cerâmica artesanal (CR Cerâmicas), e está a trabalhar connosco noutros projectos, que envolvem, além de peças com desenho próprio, relevo, etc, restauro e réplica de peças antigas. Para os azulejos na Casa no Príncipe Real desenvolvemos um padrão em baixo-relevo a partir do desenho do azulejo original, que revestia a fachada da casa anterior e entretanto demolida. Este padrão procura o limite entre o figurativo e o abstracto. Este limite muda consoante a incidência da luz e da perspectiva: ora parece quase o padrão original, ora uma vibração aleatória. O mesmo padrão percorre o nível superior, sob a forma de portadas de correr. Estas portadas, construídas em alumínio soldado e pintado, consistem numa grelha com 30 mm de profundidade onde se encaixam "azulejos" perfurados com o mesmo padrão das peças cerâmicas. Assim, o padrão torna-se também uma presença moçárabe, de luz, sombra e textura, para o interior. A dificuldade de instalação de um estaleiro de obra convencional num terreno tão pequeno levou-nos a optar por um sistema de construção de aço leve - LSF - que tem um desempenho térmico e acústico excelente. É o primeiro edifício construído com este sistema em Lisboa. MATERIAIS Estrutura: cave - betão armado (laje estrutural visível); acima

Setembro . Outubro . 2019

do solo - sistema LSF (light steel frame). Revestimentos Exteriores: fachada principal - azulejo liso, azulejo gravado e alumínio perfurado e lacado, com padrão personalizado; empenas e fachada tardoz - ETICS branco frio. Revestimentos Interiores: pavimento do piso térreo e da cave - autonivelante cimentício; pisos superiores e escadas - painéis tricapa de abeto; instalações sanitárias - mármore branco de Vila Viçosa, Portugal; vãos do piso térreo e dos quartos - cortinados de seda selvagem FICHA DO PROJECTO Nome do Projecto: Casa no Príncipe Real; Localização do Projecto: Lisboa, Portugal; Área do Terreno: 41 m2; Área Construída: 205 m2; Conclusão do Projecto: 2013; Projecto de: Camarim;~Directores de Projecto: Vasco Correia, Patrícia Sousa; Colaboradores: Tiago Garrido, Jonas Grinevicius DIREITOS DE AUTOR Projecto: Camarim; Fotografias: Nelson Garrido www.camarim.pt

C e r â m i c a n a A r qD u ietsettauqruae . K é r a m i c a . p . 4 31


Reportagem

Associativa

REPORTAGEM ASSOCIATIVA

por Silvia Machado, Apicer

tualmente a reunião foi coordenada pela DG Crescimento e tivemos a oportunidade de debater várias questões com representantes de diferentes Direcções, nomeadamente da DG Clima, DG Concorrência e DG Saúde. Os membros da CU, incluindo a APICER, levantaram questões sobre a implementação da Directiva CELE, mais especificamente a metodologia de actualização dos benchmarks, sobre a revisão das Orientações da CE sobre Ajudas de Estado nas áreas de Ambiente e Energia (custos indirectos do carbono) e ainda sobre os planos relativamente à actualização da Directiva sobre os Materiais Cerâmicos em Contacto com Alimentos.

Pequeno-Almoço do Fórum Cerâmico do Parlamento Europeu (EPCF) no dia 8 de Outubro A APICER recebeu no dia 8 de outubro, no PE, os Deputados Europeus Maria da Graça Carvalho e Carlos Zorrinho. O primeiro encontro neste novo ciclo cujos principais temas em agenda serão acompanhados de perto na ITREComissão de Indústria, Investigação e Energia, da qual são ambos membros efectivos. Neste evento, onde o sector apresentou as principais preocupações aos vários Deputados presentes, não só de Portugal, mas também de Espanha, Itália, Grã-Bretanha e Hungria, contamos igualmente com a participação de Peter Handley da DG Grow. A próxima oportunidade será dia 20 de Novembro na sessão plenária do EPCF no âmbito do evento anual CeramicDays2019. Reunião Anual dos Directores da Cerame-Unie com a Comissão Europeia, 9 de Outubro Os membros do Comité de Directores da Federação Europeia de Cerâmica foram novamente recebidos pela Comissão Europeia no passado dia 9 de Outubro. Como habi-

p . 4 24 . K é r a m i c a . R D ee ps toar qt au ge e m

Associativa

Setembro . Outubro . 2019


Reportagem Associativa

O GOVERNO ASSINOU COM O CLUSTER HABITAT SUSTENTÁVEL UM PACTO DE COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO

No dia 11 de setembro realizou-se na Universidade de Aveiro a Cerimónia de Assinatura dos Pactos Setoriais para a Competitividade e Internacionalização entre o Governo Português e os Clusters de Competitividade. O Cluster Habitat Sustentável foi um dos Clusters que assinaram este Pacto que visa enquadrar um conjunto de iniciativas do plano estratégico do Cluster com os desafios atuais da economia nacional em que se destaca a transformação digital das indústrias, o modelo de economia circular ou ainda a transição energética e descarbonização, entre outros. O Cluster Habitat Sustentável é uma rede de cooperação e competitividade que envolve instituições de I&D, municípios e a importante comunidade empresarial da cadeia de valor do Habitat, na afirmação de uma especialização em Construção Sustentável. A cadeia de valor que o Cluster Habitat representa é muito abrangente pois envolve as fileiras dos materiais de construção, da construção e do imobiliário, desde o setor extrativo ao da transformação de materiais de construção, passando pela área da construção e reabilitação até outras atividades como as dos fornecedores de bens e equipamentos para o Habitat. As entidades do Cluster pretendem criar sinergias no sentido do desenvolvimento de novos produtos, tecnologias e sistemas de construção sustentável e de uma nova prática nas cidades de conceção de espaços e envolventes, induzindo uma atitude de inovação através da sustentabilidade do ambiente construído que se pretende geradora de fatores de competitividade acrescida. Com sede na região de Aveiro, o Cluster Habitat Sustentável, com abrangência nacional, agrega atualmente mais de 150 associados de diferentes setores. Em julho de 2009 o Cluster Habitat Sustentável foi reconhecido pela primeira vez, enquanto Cluster nacional, pelo governo português através dos ministros da Econo-

Setembro . Outubro . 2019

mia e do Ambiente, do Ordenamento do Território e do Desenvolvimento Regional, no âmbito das Estratégias de Eficiência Coletiva (EEC/QREN). Mais recentemente, em fevereiro de 2017, viu renovado pelo Governo este reconhecimento enquanto Cluster de Competitividade consolidado por mais um período de 6 anos (2017-2023). O Programa de Ação do Cluster Habitat Sustentável corporizado no primeiro ciclo de reconhecimento (2009-2013) envolveu um conjunto de Projetos Âncora e Complementares no quadro de uma estratégia coletiva, dinamizada pelas empresas e outras entidades com o apoio do Cluster no âmbito dos diversos sistemas de incentivo do QREN. Para o segundo ciclo de reconhecimento, relativo ao período 2017-2023, foi desenhado um novo Programa de Ação Estratégica em conjunto com os seus associados que envolve vários projetos estruturantes. Neste período, estão ativos atualmente no Cluster quatro Grupos de Trabalho a contribuir permanentemente para o desenvolvimento e implementação do referido programa de ação, a saber, "Internacionalização e Negócios", "Economia Circular", "Transformação Digital" e "Territórios e Cidades Sustentáveis".

Reportagem

A sD s oecsitaatqi uv ae . K é r a m i c a . p . 4 53


Reportagem

Associativa

No seu percurso desde 2009, o Cluster Habitat Sustentável conseguiu também internacionalmente ver reconhecido a sua excelência ao receber em 2015 e renovar em 2018 o GOLD Label, o grau de reconhecimento atribuído a clusters de competitividade pela ESCA (European Secretariat of Cluster Analysis), entidade que efetua a avaliação e classificação de clusters a nível mundial. Dos mais de 1400 clusters avaliados até hoje, 1083 possuem o Bronze Label, 117 o Silver Label e apenas 102 o Gold Label. Dentro da tipologia "Construção", apenas 2 Clusters na Europa possuíam o Gold Label, sendo um deles o Cluster Habitat Sustentável. Assinala-se este facto com grande satisfação pela repercussão e reconhecimento internacional do Cluster. Em 2019, o Cluster Habitat Sustentável recebeu o convite para a formulação e Assinatura de um Pacto de Competitividade e Internacionalização com o Governo Português tendo por base o seu Plano de Ação Estratégico, definido em 2015 com os seus associados para o período 2017-2023. Esta iniciativa foi liderada pelo Ministério da Economia e foi dirigida aos diversos Clusters de Competitividade reconhecidos formalmente pelo Governo e pelo IAPMEI em 2017. Este Pacto de Competitividade e Internacionalização do Cluster Habitat Sustentável engloba um conjunto de medidas agrupadas nos seguintes 5 eixos estratégicos: • Transformação digital, Economia Circular e Sustentabilidade como Motores de Competitividade; • Promoção e Consolidação do Cluster; • Cooperação na Internacionalização; • Promoção da Investigação, Inovação e Empreendedorismo no Cluster; • Capacitação, Requalificação e Emprego. Para acompanhamento e apoio à implementação do Pacto foi criada uma Comissão de Acompanhamento, que se reunirá periodicamente, presidida pela Secretaria de Estado da Economia, e integrada por um representante da entidade gestora do Cluster, um representante da Secretaria de Estado da Internacionalização, um representante do IAPMEI, um representante do COMPETE 2020, um representante da ANI e um representante da AICEP. Na Cerimónia de Assinatura dos Pactos, que decorreu no passado dia 11 de outubro na Universidade de Aveiro, o Pacto com o Cluster Habitat Sustentável foi assinado por Victor Ferreira e José de Matos, na qualidade de Presidente e Vice-Presidente do Cluster Habitat Sustentável, tendo assinado por parte do Governo o Ministro Adjunto

p.44 6 . Kéramica . R D ee ps toar qt au ge e m

Associativa

e da Economia, Pedro Siza Vieira. Neste evento esteve ainda presente o Ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos e o Secretário de Estado da Economia João Correia Neves. Marcaram também presença entidades relacionadas com o desenho e intervenção futura na execução deste pacto como o IAPMEI, a ANI, o AICEP, o COMPETE, entre outras entidades. O Cluster Habitat Sustentável dará o seu contributo para a concretização deste Pacto, mobilizando os agentes da sua cadeia de valor (empresas, centros de investigação e de interface tecnológica, municípios e outras entidades) numa dinâmica de promoção da inovação e competitividade de acordo com os objetivos definidos no seu plano estratégico e das medidas inseridas neste seu Pacto de Competitividade e Internacionalização assinado com o Governo Português em prol das empresas e da economia nacional.

Setembro . Outubro . 2019


Setembro . Outubro . 2019

Destaque . KĂŠramica . p.47


Notícias & Informações

NOVIDADES DAS EMPRESAS CERÂMICAS PORTUGUESAS

p.46 8 . Kéramica . D N eo st tí ac iqause & I n f o r m a ç õ e s

-

ARCH Valadares

Isto significa que os resíduos resultantes do fabrico de artigos em HighCer são integralmente reciclados ou transformados para reintegração como materiais que incorporam a sua formulação. Desta forma, o impacto ambiental do HighCer é reduzido quando comparado com outros materiais cerâmicos para as mesmas aplicações e muito menor que outros materiais não cerâmicos concorrentes. O material HighCer, utilizado pela ARCH na produção de artigos cerâmicos, elimina a necessidade de revestimento vitrificado (vidrado). Ou seja, o produto obtido em HighCer apresenta já o acabamento pretendido pelos utilizadores, eliminando uma operação de fabrico (vidragem) que implica um impacto ambiental significativo no consumo de materiais e na emissão de efluentes líquidos desta operação. A implementação deste material assegura ainda uma redução de cerca de 15% do consumo de água do processo de fabrico de sanitário convencional e a redução do consumo de energia em 5%, decorrente da eliminação dos processos de moagem e movimentação do vidrado de revestimento. O processo de desenvolvimento do HighCer possibilitou a conformação de um material com caraterísticas diferenciadas e com

Figura 1

ARCH Valadares Economia Circular na ARCH Valadares: o exemplo do HighCer A Valadares, pertencente à empresa ARCH Valadares, é hoje a mais antiga marca de produção de cerâmica sanitária em atividade em Portugal e uma das mais antigas na Europa. Esse facto confere vantagens indiscutíveis no que respeita à cultura cerâmica e ao domínio da tecnologia, concretizada pelo seu património de experiência. A ARCH Valadares entende que a aposta em I&D é o melhor investimento para a criação de valor e para assegurar que a sua atividade é assente em bases sólidas, conferidas pela diferenciação e agilidade. Por esse motivo, a I&D é uma característica fundamental da sua prática interna e constitui uma plataforma para a criação de novos materiais, produtos sanitários e até tecnologias. Ao longo de 98 anos de história cerâmica, a ARCH Valadares conta com algumas inovações que se traduzem em eficiência energética e aplicação de princípios de economia circular, como é o caso do material HighCer que constitui o tema desta nota de imprensa. Há vários anos que a equipa de I&D da ARCH Valadares testa centenas de novas formulações com o objetivo de tornar o seu processo de fabrico o mais incólume possível para o meio ambiente. Na indústria cerâmica, cada peça de louça sanitária produzida corresponde, em termos médios, a cerca de 30 Kg de matérias-primas extraídas do meio ambiente; por outro lado, o resíduo resultante “devolve” ao ambiente entre 3 a 8 Kg por peça produzida. Assim, para a ARCH Valadares não faltaram motivos para garantir uma melhoria do desempenho ambiental sustentada na regeneração dos resíduos e outros materiais. O material HighCer resultou da pesquisa da aplicação de resíduos do processo cerâmico convencional, permitindo assim recuperar materiais que seriam desperdiçados.

Setembro . Outubro . 2019


Notícias & Informações

propriedades que lhe conferem propriedades únicas quando comparado com materiais similares: • Resistência mecânica 100% superior ao sanitário convencional; • Comportamento hidrorrepelente; • Absorção de água nula; • Superfície anti riscos. HighCer como material de acabamento ou revestimento O processo de desenvolvimento deste material permitiu ainda testá-lo como revestimento de outros materiais cerâmicos, o que foi conseguido com total sucesso. Esta nova aplicação do HighCer permite substituir o vidrado convencional, alargando a sua utilização como acabamento e conferindo aos artigos revestidos caraterísticas únicas de resistência de superfície, tais como: atribuição de diferentes níveis rugosidade, total proteção à absorção de água e comportamento hidrorrepelente da superfície. Os resultados do processo de criação do HighCer excederam largamente os objetivos definidos, abrindo campos de aplicação para além do uso para fins sanitários, uma vez que o material reúne condições para produção de artigos técnicos utilizados em condições muito exigentes (tais como ambientes agressivos do ponto de vista químico ou biológico). Assim, o HighCer destina-se também ao desenvolvimento de produtos de aplicação em revestimentos técnicos ou peças sujeitas a utilização exigente. Os campos de aplicação deste novo material ainda estão em desenvolvimento, mas já é possível concretizar algumas das utilizações que tiram partido deste material inovador: • Artigos Sanitários como Lavatórios e Bases de Chuveiro; • Acessórios Cerâmicos para diferentes aplicações; • Placas cerâmicas para revestimento; • Pias e acessórios de laboratórios Químicos, Farmacêuticos e Hospitalares; • Revestimento de outros materiais Cerâmicos. Tendo sempre em vista a melhoria contínua, a ARCH Valadares compromete-se a prosseguir o seu processo de investigação e desenvolvimento de modo a honrar a sua responsabilidade para com os seus clientes e meio ambiente. BMI PORTUGAL BMI é parceira da Associação Passivhaus Portugal • Soluções eficientes aproximam BMI e Passivhaus em Portugal

Setembro . Outubro . 2019

• Parceria representa reconhecimento da BMI enquanto fornecedora de sistemas com prestações que cumprem os exigentes requisitos internacionais A BMI acaba de se tornar parceira estratégica da Associação Passivhaus Portugal, organização criada em 2012, no seguimento da estratégia definida pela Homegrid e pelo Passivhaus Institut para a implementação e desenvolvimento do conceito Passivhaus no nosso país. Esta parceria representa o reconhecimento da eficiência das soluções BMI para coberturas inclinadas e planas, nomeadamente pelo desempenho na sustentabilidade energética e ambiental, que está na base de todo o conceito Passivhaus. Carlos Hernandez, CEO BMI Portugal, Espanha e Itália explica que a estratégia da BMI, quer a nível nacional quer nos restantes países onde está presente, “é ir além da produção de coberturas”, oferecendo “sistemas completos que permitam responder aos desafios da construção eficiente e sustentável”. O mesmo responsável sublinha que “a BMI não é apenas uma gama de produtos, mas também um manancial de conhecimento que é partilhado pelos seus técnicos em múltiplas ações de aconselhamento durante o processo construtivo”. Os sistemas de cobertura BMI inserem-se na lista de critérios enumerados pelo conceito de construção Passivhaus e contribuem para o cumprimento dos seus apertados requisitos. Pedro Abrantes, Diretor Comercial da BMI Portugal, destaca os sistemas Tectum Pro e Tectum First, que já têm prestações de eficiência energética que possibilitam apresentar um consumo energético quase nulo, e sublinha que a conformidade com os critérios Passivhaus “decorre da adoção de materiais tecnologicamente avançados e sustentáveis, de elevadas prestações a nível de isolamento, com uma resistência térmica entre 30% e 50% superior aos materiais tradicionais e consequente eficiência energética; impermeabilização com estanquicidade ao vapor de água e ventilação; e novos acabamentos macho-fêmea que melhoram a resolução das pontes térmicas”. João Marcelino, presidente da direcção da Associação Passivhaus Portugal, salienta: “É com extrema satisfação que recebemos a BMI na rede Passivhaus em Portugal, uma vez que se trata de um grupo que dispõe de soluções construtivas totalmente em linha com o elevado desempenho exigido pela Passivhaus. Este fortalecimento da rede Passivhaus é fundamental para continuar a fazer crescer o conceito em Portugal e com isso melhorar a qualidade do parque edificado em Portugal.”

N o t í c i a s & I n f oDrem s taaçqõue es . K é r a m i c a . p . 4 97


Notícias & Informações

O que é a Passivhaus O conceito Passivhaus nasceu na Alemanha, com o objetivo de promover um modelo construtivo que contribua para a redução do consumo energético e a sustentabilidade. Para obter uma classificação Passivhaus, a edificação tem de respeitar cinco exigentes princípios: • Adequados níveis de isolamento da envolvente do edifício; • Sistema de ventilação com recuperação de calor; • Estanquicidade ao ar da envolvente do edifício; • Janelas e portas Passivhaus (que cumprem os requisitos de estanquicidade e isolamento térmico); • Redução das pontes térmicas na envolvente do edifício. A nível energético, o resultado é uma casa com a mais elevada eficiência a nível mundial: as poupanças de energia atingem os 75% em comparação com os edifícios convencionais, respeitando a definição do NZEB – Nearly Zero Energy Building (edifício com necessidades quase nulas de energia). Devido à eficiência energética, uma Passivhaus não só regista uma redução drástica das emissões de CO2, como contribui ainda para a proteção climática devido à menor dependência de combustíveis fosseis. As baixas necessidades energéticas de uma habitação que cumpre estes requisitos sustentáveis podem ser facilmente supridas por fontes renováveis de energia. Este modelo de construção contribui ainda para o bem-estar e a saúde dos ocupantes, já que o ambiente interior num edifício Passivhaus é caracterizado pela boa qualidade do ar, conforto térmico (temperatura mínima 20ºC e temperatura máxima 25ºC) e inexistência de grandes variações térmicas. Embora uma casa Passivhaus possa ser construída ao mesmo preço que um edifício convencional, os custos de operação são substancialmente mais baixos que um edifício convencional, devido às reduzidas necessidades energéticas e de manutenção.

to emblemático de homenagem ao Santo. Pela primeira vez, será apresentado um conjunto de peças em grés fino, com um cariz mais popular, que podem ser usadas no dia-a-dia e não apenas como peças decorativas. Ao todo, serão apresentadas três peças – um prato marcador, um açucareiro e um conjunto de chávenas de café – inspiradas, segundo a Mordomia, “na Capela de São Gonçalinho, nas Cavacas e no céu azul da Beira-Mar”. O lançamento da peça a São Gonçalinho tem como principal objetivo a angariação de fundos para as festividades de janeiro de 2020, o ponto ano de devoção ao Santo. As peças serão comercializadas pela Mordomia e estarão também disponíveis na loja COSTA NOVA em Aveiro, no Mercado Manuel Firmino. As Festas de São Gonçalinho trazem todos os anos à cidade e à Região milhares de visitantes, atraídos pela devoção das gentes da Beira-Mar ao seu Santo padroeiro e pelo peculiar costume do “atirar” das Cavacas do cimo da Capela. Durante cinco dias, o bairro histórico de Aveiro é palco de concertos, missas, arruadas, espetáculos piromusicais e três grandes acontecimentos em honra do Santo: o pagamento das ofertas, a típica Dança dos Mancos e a Entrega dos Ramos. A COSTA NOVA foi, ao longo de 2018 e 2019, parceira da Mordomia de São Gonçalinho em diversas iniciativas de angariação de fundos e eventos, que culminaram na revelação da peça comemorativa de 2019. COSTA NOVA e CASAFINA A presença destas duas marcas nos EUA continua a

p . 54 08 . K é r a m i c a . D N eo st tí ac qi ause & I n f o r m a ç õ e s

Figura 2

-

Costa Nova 1

COSTA NOVA A apresentação da peça anual a São Gonçalinho aconteceu na Capela de São Gonçalinho, no passado dia 12 de outubro, pelas 18 horas. Com um papel sempre ativo junto da sua Comunidade, a COSTA NOVA – marca da GRESTEL, associa-se à Mordomia de São Gonçalinho e revela à Comunidade a peça anual a São Gonçalinho. O projeto deste ano assenta na criação de um conjunto de peças que desconstrói a ideia habitual de uma única peça comemorativa, mas que por si só constitui um momen-

Setembro . Outubro . 2019


Notícias & Informações

crescer, desta vez com a aquisição de um novo Showroom na 41 Madison Avenue, em Nova Iorque. Situado num importante distrito da cidade, o edifício recebe profissionais de mesa e chefs de todo o mundo para anteverem as novas propostas das melhores marcas do setor. O novo espaço irá exibir coleções das duas marcas, com ênfase em propostas mais voltadas para Hotelaria, e torna-se no nosso quinto showroom nos EUA. Os restantes showrooms localizam-se em Atlanta, Las Vegas, Dallas e Los Angeles.

Desafiado pela Vista Alegre a transpor a bidimensionalidade da banda desenhada em papel para a superfície curva e sem limites de uma talha oriental em porcelana de grandes dimensões, Penim Loureiro recua ao século XVI em Mare Clausum, para contar a história da introdução da porcelana na Europa, e o papel dos portugueses na globalização do misterioso material branco, translúcido e brilhante que fascina o ocidente desde então.

VISTA ALEGRE Vista Alegre lança primeira bd sobre porcelana do mundo. A peça, os vários estudos e esquissos originais estiveram em exposição de 24 de outubro a 3 de novembro, no Festival Amadora BD (Fórum Luís de Camões - Amadora). Demonstrando uma vitalidade ímpar e um diálogo permanente com criadores dos mais variados domínios artísticos, a Vista Alegre apresentou na 30ª edição do Festival Internacional de Banda Desenhada da Amadora a primeira banda desenhada sobre porcelana do mundo: Mare Clausum, da autoria de Penim Loureiro. A peça decorativa de grandes dimensões, os estudos e esquissos originais de Mare Clausum estiveram em destaque na Amadora BD, ao lado de algumas das maiores lendas da “nona arte”. Mare Clausum é a primeira peça da nova coleção da Vista Alegre Je Kraak, que resgata um estilo de decoração milenar da porcelana chinesa, em azul-cobalto (azul de grande fogo), atualizando-a para o século XXI através da sua ligação a criadores contemporâneos de banda desenhada.

sas

Figura 3

-

Vista Alegre

Kraak - a porcelana chinesa das carracas portugue-

Setembro . Outubro . 2019

Portugal é o país responsável pela introdução da porcelana no Ocidente. As primeiras porcelanas de exportação chegaram no século XVI ao continente europeu, nas naus de Vasco da Gama, com Portugal a deter o monopólio das rotas de navegação marítima do Índico – Mare Clausum / Mar fechado –, por via do Tratado de Tordesilhas (1492). Rapidamente toda a Europa cobiçava peças produzidas neste misterioso material que chegava à Europa exclusivamente nas carracas portuguesas (embarcações de grande lotação), criando um importante monopólio comercial para o país. A invenção da porcelana transporta-nos, porém, para a China dos séculos VII a X, marcados pela Dinastia Tang. O navegador italiano Marco Polo (1254-1324) terá sido o primeiro ocidental a ter contacto com as peças de porcelana, tendo-as descrito como algo que se assemelhava ao nacarado das pequenas conchas. A palavra “porcelana” advém, aliás, do italiano porcella (molusco de concha branca, brilhante e translúcida). Em grande parte do mundo, a porcelana é também conhecida como “China”, numa alusão ao berço da porcelana, que nasce da mistura de dois minérios: o feldspato e o caulino. No início do século XVII, entre 1602 e 1604, navios piratas holandeses capturam duas carracas portuguesas carregadas de porcelana chinesa de exportação, que foi leiloada nas cidades de Middelburg e Amesterdão, por valores muito elevados. Surge assim o termo “kraakporselein”, onde “kraak” é uma reinvenção da palavra portuguesa “carraca”, numa alusão às embarcações que tinham caído nas mãos dos piratas holandeses com a preciosa carga. Esta é a história que Penim Loureiro conta em jeito de lenda em Mare Clausum da Vista Alegre – o momento de contacto entre o Ocidente e o Oriente, unidos pela porcelana. Uma banda desenhada em porcelana, onde se inscreve em tons de azul profundo a história da porcelana e dos Descobrimentos portugueses, numa narrativa gráfica de linguagem universal onde não faltam piratas, humor e magia.

N o t í c i a s & I n f oDr ems at ça õq euse .. KKéérraam miiccaa .. pp..45 91


Notícias & Informações

SACMI, UMA EVOLUÇÃO QUE “CONTINUA” HÁ 100 ANOS

por Alberto Tassoni, Product Manager Sacmi

Este é um ano especial para a Sacmi, que exatamente no dia 2 de Dezembro comemora os seus primeiros 100 anos. Não é costume nas realidades industriais multinacionais poder gabar-se de tal longevidade. Tudo começou no longínquo ano 1919, quando nove jovens desempregados de Ímola, na província italiana de Bolonha, deram vida a uma cooperativa, que batizaram com o acrónimo SACMI, cujo significado é: Società Anonima Cooperativa Meccanici Imola. No ato de constituição da sociedade, fica definido como objetivo principal da Cooperativa "A exploração direta de uma ou mais oficinas para a reparação de máquinas em geral, compra e produção de máquinas..." O que eles não terão imaginado, é que um século volvido, a Sacmi tornou-se uma empresa multinacional com 4.515 funcionários, distribuidos por 80 empresas espalhadas pelo mundo, 30 das quais equipadas com estabelecimentos produtivos. A Sacmi ocupa-se principalmente do projeto e fabricação de máquinas e instalações completas para a produção de Cerâmica (cerâmica de revestimentos, refratários, louça sanitária, louça de mesa), e depois para a produção de Plásticos (cápsulas metálicas e em plástico, embalagens em plástico), e está também nas indústrias do Metal, da Alimentação & Bebidas, Packaging e Materiais Avançados. A faturação de vendas e serviços em 2018 ultrapassou os 1,4 Mil Milhões de Euro. No passado dia 12 de setembro, a Sacmi participou ativamente no seminário "Novas Tecnologias de Conformação para a Indústria Cerâmica" que teve lugar na Universidade de Aveiro,

p.50 2 . Kéramica . D N eost tí ac qi ause & I n f o r m a ç õ e s

apresentando as mais recentes inovações relacionadas com o processo de produção de cerâmica plana (pavimento/revestimento), bem como as novidades no mercado da cerâmica de mesa, tema desenvolvido pela subsidiária alemã SAMA No setor da conformação da cerâmica de pavimentos/revestimentos, as principais inovações apresentadas pela SACMI foram ilustradas com a linha de compactação CONTINUA +, que se poderia resumir com um slogan: "Uma só máquina para tantos formatos" De fato, o modelo PCR2000 permite o fabrico continuo, com uma frente que vai desde 900 mm a 1600 mm de largura e respetivos submultiplos com comprimentos variáveis, graças ao corte em movimento do material cru, enquanto o modelo PCR3000 permite larguras até 1800 mm e respetivos submúltiplos. O tempo de setup para troca de formato é inferior a 1 hora, já que só são necessárias algumas operações. Também para a alteração da espessura, que pode variar de 3 a 20 mm (30 mm para o modelo PCR3000) esta é uma operação "digital" que ocorre em apenas alguns minutos. Outra característica singular é a possibilidade de realizar infinitas decorações, quer em seco quer em húmido, podendo ser sincronizadas entre si, sempre em um processo contínuo, o que permite obter a máxima flexibilidade de produção e realizar uma gama de produtos sem precedentes. A CONTINUA+ torna possível aproveitar ao máximo o potencial do design digital, obtendo efeitos estéticos inovadores e inatingíveis com qualquer outro tipo de sistema. Sacmi, uma evolução que “CONTINUA” há 100 anos!

Setembro . Outubro . 2019


DEEP DIGITAL

H SA .E.R CM .E I4 . .0

E e sco ac lh ab a am en

im ov M

to

o çã ta en

ra du ze Co

V e idr de ag co em ra çã o

m ge sa en Pr

P d e re p p a a ra st çã a o

In d e ov pr açã od o ut o

O movimento inteligente

A S O L U Ç Ã O S A C M I C O M P L E TA PA R A M O S A I C O S E P L A C A S PA R A A T U A S M A R T FA C T O R Y

Descubra as vantagens da personalização a mais dimensões com a linha Digital em Profundidade. As imagens da superfície são coordenadas de modo automático, construindo a primeira placa digital de efeito profundamente natural, com um resultado vencedor. Setembro . Outubro . 2019

www.sacmi.com

Destaque . Kéramica . p.53


Calendário de eventos

BATIMAT’2019 (Materiais de Construção) Anual – Paris (França) De 4 a 8 de Novembro de 2019 https://www.batimat.com/

THE INTERNATIONAL SURFACE EVENTE’2020 (Ladrilhos Cerâmicos) Anual – Las Vegas (USA) De 28 a 30 de Janeiro de 2020 www.intlsurfaceevent.com/

COVERINGS’2020 (Ladrilhos Cerâmicos) Anual – Nova Orleães (EUA) De 20 a 23 de Abril de 2020 www.coverings.com

JORNADAS TÉCNICAS DA CERÂMICA’2019 (Indústria Cerâmica) Bianual – Aveiro (Portugal) De 14 a 15 de Novembro de 2019 https://www.ctcv.pt/jtc2019/savethedate/

CEVISAMA’2020 (Ladrilhos Cerâmicos) Anual – Valencia (Espanha) De 7 a 11 de Fevereiro de 2020 https://cevisama.feriavalencia.com

INTERNATIONAL BATHROOM EXHIBITION’2020 (Louça Sanitária) Anual – Milão (Itália) De 21 a 26 de Abril de 2020 https://www.salonemilano.it/en

EUROPEAN CERAMIC DAYS ’2019 (Indústria Cerâmica) Anual – Bruxelas (Bélgica) De 20 a 21 de Novembro de 2019 www.cerameunie.eu

AMBIENTE’2020 (Cerâmica Utilitária e Decorativa) Anual – Frankfurt (Alemanha) De 7 a 11 de Fevereiro de 2020 https://ambiente.messefrankfurt.com/frankfurt/ en.html

TEKTÓNICA ‘2020 (Materiais de Construção) Anual – Lisboa (Portugal) De 6 a 9 de Maio de 2020 https://tektonica.fil.pt/

CONCRETA ‘2019 (Materiais de Construção) Anual – Porto (Portugal) De 21 a 24 de Novembro de 2019 http://concreta.exponor.pt

QUALICER’2020 (Congresso Ladrilhos Cerâmicos Bianual – Castellon (Espanha) De 10 a 11 de Fevereiro de 2020 http://www.qualicer.org/

TENDENCE’2020 (Cerâmica Utilitária e Decorativa) Anual – Frankfurt (Alemanha) De 27 a 30 de Junho de 2020 https://tendence.messefrankfurt.com/frankfurt/ en.html

LONDON BUID ‘2019 (Materiais de Construção) Anual – Londres (UK) De 27 a 28 de Novembro de 2019 www.londonbuildexpo.com

IDF’2020 (Design e Decoração) Anual – Porto (Portugal) De 20 a 23 de Fevereiro de 2020 https://idf.exponor.pt/spring/

MAISON & OBJET’2020 (Cerâmica Utilitária e Decorativa) Anual – Paris (França) De 4 a 8 Setembro de 2020 www.maison-objet.com

THE BIG 5 DUBAI’2019 (Materiais de Construção) Anual – Dubai (EAU) De 25 a 28 de Novembro de 2019 www.thebig5.ae

EXPOREVESTIR’2020 (Ladrilhos Cerâmicos) Anual – São Paulo (Brasil) De 10 a 13 de Março de 2020 http://www.exporevestir.com.br/

TEH HOTEL SHOW’2020 (Cerâmica Utilitária e Decorativa) Anual – Dubai (EAU) De 15 a 17 Setembro de 2020 https://www.thehotelshow.com/

DOMOTEX’2020 (Revestimentos) Anual – Hannover (Alemanha) De 10 a 13 de Janeiro de 2020 http://www.domotex.de

THE INSPIRED HOME SHOW’2020 (Cerâmica Utilitária e Decorativa) Anual – Chicago (USA) De 14 a 17 de Março de 2020 http://41madison.com/

EQUIPOTEL’2020 (Cerâmica Utilitária e Decorativa) Anual – São Paulo (Brasil) De 15 a 18 Setembro de 2020 https://www.equipotel.com.br/

MAISON & OBJET’2020 (Cerâmica Utilitária e Decorativa) Anual – Paris (França) De 17 a 21 Janeiro de 2020 www.maison-objet.com

MOSBUILD’2020 (Ladrilhos Cerâmicos) Anual – Moscovo (Rússia) De 31 de Março a 03 de Abril de 2020 www.coverings.com

TECNARGILLA’2020 (Tecnologia Cerâmica) Anual – Rimini (Itália) De 28 de Setembro a 2 de Outubro de 2020 https://en.tecnargilla.it/

KBIS’2020 (Louça Sanitária) Anual – Las Vegas (USA) De 21 a 23 de janeiro de 2020 www.kbis.com

THE NEW YORK TABLETOP’2020 (Cerâmica Utilitária e Decorativa) Anual – Nova Iorque (USA) De 31 de Março a 03 de Abril de 2020 http://41madison.com/

CERSAIE’2020 (Ladrilhos Cerâmicos) Anual – Bolonha (Itália) De 28 de Setembro a 2 de Outubro de 2020 www.cersaie.it

p.52 . Kéramica . Calendário de Eventos


Profile for APICER - Ceramics Portugal

Keramica n.º360  

O n.º 360 da revista Kéramica é dedicado aos pavimentos e revestimentos cerâmicos. A aplicação de ladrilhos constitui o tema de destaque, n...

Keramica n.º360  

O n.º 360 da revista Kéramica é dedicado aos pavimentos e revestimentos cerâmicos. A aplicação de ladrilhos constitui o tema de destaque, n...

Advertisement