Page 1


Expediente

Índice Palavra do presidente

Como tudo começou Página 6 1973: um ano decisivo Coordenação Geral

Página 4

Página 10

FERNANDO G. MATTOS

Nossa história Coordenação de Pesquisa e Memória

Página 16 A Apae hoje CAP CAD CAT E.E.E. João Ometto CPC Projeto Apae Rural Equoterapia Reforma de Paletes Projeto Apae Cultural Projeto Apae Esporte Família e comunidade Estacionamentos e bazar Voluntariado Selo Empresa Cidadã Apae Limeira em números Como a Apae se mantém O olhar de quem é acolhido Reconhecimento

Presidentes e diretorias

26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 41 42 43

Página 44

ANTONIO WAGNER D’ADDONA Reportagem e Redação

RAQUEL VIEIRA MTB-26.370 Projeto Gráfico e Editoração

BRUNO DATAN LEONARDO ZACARIN Impressão

GRÁFICA MUNDO


Palavra do presidente

Um dia, um grupo de pessoas do bem sonhou alto. Eram meados de 1966, quando começava um novo tempo para as pessoas com algum tipo de deficiência intelectual e desprovidas de assistência especializada. Foi o ano da oficialização da chegada de uma unidade da Apae no município de Limeira, mas apenas o início de uma jornada interminável que se fez e faz com a união de esforços. Exercer o voluntariado, uma premissa básica nesta causa, é dar atenção, tempo, amor, dedicação e adjetivos que nada têm a ver com troca ou expectativa de retorno. Olhando para essa história, construída ao longo de meio século, reparamos que esses valores foram perseguidos à exaustão por exatamente todos os seus construtores. A luta era, é e sempre será melhorar a qualidade de vida de nossos usuários, oferecendo meios para que sejam rompidas barreiras, sejam abertos caminhos e haja dignidade e cidadania igualitárias, sem restrições. Após 50 anos, houve muitas transformações, como a mudança de olhar e conceito do diferente e da diversidade, que, hoje, são reconhecidos pela sociedade. No entanto, o caminho é longo e somos parte de um processo sério, em constante evolução. Afinal, somos eternos aprendizes na busca de uma sociedade cada vez mais justa e perfeita. Gostaríamos que o futuro repetisse todos os acertos de uma história encantadora de lutas e de superação que pretendemos relembrar nas páginas a seguir. É uma grande honra fazer parte da diretoria que coincide com esta data de tamanha relevância. E em nome de todos os ex-presidentes e centenas de diretores e voluntários, os mais sinceros agradecimentos a cada uma das pessoas que contribuíram com a nossa trajetória. Edmur de Barros Pinho Presidente da Apae Limeira


Promover e articular ações de defesa de direitos, prevenção, orientação, prestação de serviços e apoio às famílias, direcionadas à melhoria de qualidade de vida da pessoa com deficiência e à construção de uma sociedade justa e solidária. Nossa missão


Como tudo começou

N

a distante década de 60, mais especificamente em meados dela, no ano de 1966, teve início uma linda história de luta e perseverança pelos direitos da pessoa com deficiência. Era um tempo que ainda não havia experimentado o hábito e a facilidade do mundo digital para registrar seus fatos e acontecimentos, mas que ainda vive na memória de quem fez parte dessa trajetória que buscamos relembrar. Entre uma conversa e outra, nasceram importantes capítulos, aqui costurados em muitas linhas. Naquela época, eram raras as crianças deficientes intelectuais que podiam receber atenção educacional. Na cidade, já atuava com excelência a Associação de Reabilitação Infantil Limeirense (Aril). No entanto, especializada em atender usuários “não educáveis” (termo comum naquele tempo, referindo-se aos comprometimentos mais severos, físicos e mentais). Os pais de crianças “educáveis”, ou seja, com comprometimentos mentais moderados, buscavam atendimento em cidades vizinhas, como Piracicaba, ou então em uma das salas voltadas para esse públicoalvo, que funcionavam no antigo Grupo Brasil. A Sra. Elisa de Matos Silveira, mãe de uma criança deficiente, se dedicava à tarefa de lecionar para essas classes especiais do Grupo Brasil e também defendia a luta dos pais limeirenses dispostos a dar aos seus filhos excepcionais os direitos da aprendizagem e da inclusão social.

6


A reunião que oficializou a vinda da Apae em Limeira aconteceu no Ítalo-Brasileiro no dia 26/06/1966

“Começamos os primeiros contatos com o governo do estado e passamos a saber mais sobre o projeto proposto pela Apae” - Dona Elisinha “Nestas articulações junto aos pais dessas crianças que precisavam do ensino educacional e também de tarefas manuais quando mais velhos, começamos os primeiros contatos com o governo do estado e passamos a saber mais sobre o projeto proposto pela Apae”, lembra. Dona Elisinha, como é conhecida, por longos anos seguintes militou ao lado do falecido marido, o ex-prefeito de Limeira, Waldemar Mattos Silveira, nesta causa que sempre teve a força das mulheres como motriz. A vinda de uma Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae) passou a ser cada vez mais cogitada e articulada em reuniões permanentes e

que aconteciam, na maioria das vezes, na casa daquela que viria ser a sua primeira presidente: a Sra. Olga Forster, falecida no ano de 2015. “A maioria dessas reuniões eram na casa de D. Olga, na Praça Toledo de Barros. A escolha dela como presidente foi aclamada por todos, já que ela dedicou toda uma vida a auxiliar o próximo e trabalhava também junto à Aril”, conta Marilene Bagnato, uma das 93 pessoas a assinarem a ata de fundação como membros da primeira diretoria da Apae Limeira. A cerimônia foi realizada no clube Ítalo- Brasileiro.

Dona Olga Forster, a primeira presidente da Apae Limeira

7


Foto


1973: Um ano decisivo

O

s anos seguintes à oficialização da Apae em Limeira foram difíceis e de muita luta, diante da escassez de recursos. Até 1973, eram feitas reuniões periódicas da diretoria e a arrecadação se baseava na doação de dinheiro dos 216 associados naquele ano e uma ajuda do Estado. Era o suficiente apenas para pagamento de professores e manter nossos excepcionais distribuídos em salas de aula do Grupo Brasil e no Nosso Lar. Como consta em livro da ata número 1, de 12 de agosto de 1967, a Apae também mantinha um professor ministrando aulas em uma classe nas dependências da Aril. Foi aí que um TCC - Trabalho de Conclusão de Curso - revolucionou a história. E quatro estudantes da Faculdade de Serviço Social de Piracicaba fizeram desse trabalho um marco que chamaram na época: “O Ressurgimento da Apae”. Helena Apparecida Arcaro Conci, Marilda Miotto, Myrian Arcaro de Araújo e Sidneya Feres eram as estudantes responsáveis por bem mais do que uma boa monografia e um estágio de faculdade. Elas não só abraçaram a causa da Apae como também mobilizaram toda uma cidade em torno de um olhar inquieto perante tantas necessidades enfrentadas pelos excepcionais e suas famílias. Com auxílio de autoridades políticas, escolares e religiosas, foi feito um grande levantamento pelos quatro cantos da cidade. Havia chamamento nos sermões das paróquias, na imprensa e fichas e mais fichas eram preenchidas nesses encontros. Ao final dessa primeira etapa, no início de

10

1973, estavam cadastrados 683 excepcionais necessitados de assistência especializada na cidade. Destes, 198 frequentavam a Aril. “Restavam 485 pessoas, com idade entre um e 18 anos precisando de auxílio”, lembra Myrian, relendo sua tese. “Diante desses números, passamos para o passo seguinte, que foi alertar as autoridades para a necessidade de providências. E uma diretoria renovada surgiu”. Ainda em 1973, atendendo a um convite das estudantes, Giselda Voigt Sampaio assumiu a presidência, que era ocupada nos últimos dois anos por Altilino Meirelles. O tesoureiro passou a ser José Bonk, homem forte por incansáveis anos nessa luta por recursos e reerguimento da Apae. E o cargo de secretário geral foi ocupado por Waldemar de Mattos Silveira. A posse da nova diretoria foi realizada no Grupo Brasil, que tinha como diretor na época Oswaldo Arcaro, também vindo a se tornar diretor da entidade.

Myrian Arcaro relembra a história do reerguimento da Apae em seu TCC


A força do voluntariado A união de esforços foi crescendo, crescendo e contagiando mais e mais pessoas. Ampliar o quadro de associados foi uma conquista imediata, que resultou na melhoria dos atendimentos já prestados. Uma reunião com participação de cerca de 50 pessoas foi realizada no Grupo Brasil com a intenção de criar propostas para arrecadação de fundos para a Apae que pudessem financiar, ao menos, as necessidades mais urgentes, como a obtenção de uma sede para os encontros da diretoria e uma oficina pedagógica (os alunos com mais de 14 anos tinham que deixar as classes de aula, sem ter para onde ir e nem como seguirem com atendimento). Muitos encontros passaram a ocorrer com o prefeito daquele ano, Paulo D’Andrea, no sentido de conseguir uma sede. Algumas Apaes da região foram visitadas e, paralelamente, a primeira comissão de festas foi criada e dezenas de eventos começaram a ser articulados e promovidos. A primeira Comissão de Festas, oficializada em 18 de maio de 1973 era composta por Guiomar Castilho, Eliane Rocco, Ana Lucia Patricio Battistella, Marilene Mioto Pantano, Giselda Voigt Sampaio, Doraci Arcaro, Mirtes Moore Suppia, Maria Aparecida Queiroz Rossini, Candida Oliveira Lopes, Maria Rita Duarte Caraccio, Jacyra Ap. Gonçalves, Nair Lucato Galzerano, Juraci Silva Ulbricht, Odete Mendes, Marilia Greve, Myrian Arcaro Araujo, Sydnéia Feres, Helena Arcaro e Marilda Miotto.

A diretoria tinha Eliane Rocco como presidente, Guiomar Castilho como vice, Ana Lucia Patricio Battistela como secretária e Marilene Miotto Pantano como tesoureira. Em agosto de 1986, foi criado o Departamento Feminino da Apae, sob o comando da Coordenadora Cleide Kuhl, que ficou à frente do mesmo até 1989. Cleide fazia parte da Fraternidade Feminina Cruzeiro do Sul e trouxe de lá a ideia da formação deste grupo, juntamente a outras pessoas da Fraternidade, e formou a primeira diretoria do grupo para apoiar a diretoria da Apae. Dessas mulheres vinha o trabalho, garra, força e criatividade para arrecadar fundos para a Apae Limeira. Um compromisso que nunca mais parou e que hoje, e há mais de 20 anos, é coordenado por Maria Rita Rosseti, a atual presidente do Grupo de Voluntárias, ainda com papel fundamental na concretização de projetos junto aos usuários. Seus eventos e trabalhos manuais vendidos no Bazar da Apae (atrás do Teatro Vitória) rendem materiais para as salas de aula, presentes para as crianças em épocas festivas e uma série de outras necessidades. “Este grupo atual já está junto há um bom tempo e o importante é que seguimos firme neste propósito idealizado em 1973 por mulheres que também dedicavam boa parte de suas vidas a auxiliar o próximo. Seguimos com muita responsabilidade e seriedade esse compromisso”, comenta Rita.

11


A conquista de uma sede

Dias depois, a planta do terreno foi enviada pelo Ofícios e relatórios do trabalho feito pela diretoria Sr. Nelson Ometto e organizada pelo engenheiro da época, com a essencial ajuda das estudantes e Dr. Antonio Custódio de Oliveira Netto. Dr. Breno voluntários, foram enviados à Câmara Municipal, Machado Gomes, que era advogado da Usina que propôs alugar uma sala para ser a primeira sede Iracema, tratou da papelada da doação. A escritura da Apae. Cogitou-se na região da Vila Gino, onde foi foi passada em 29 de janeiro de 1974 e a pedra detectado o maior número de excepcionais naquele fundamental lançada em cerimônia realizada em 24 de agosto de 1974, na qual compareceram a diretoria momento. Em uma visita a Limeira, a então deputada Dulce da época, a primeira comissão de obras da Apae, Sales se comoveu com a luta e propôs auxilio via autoridades e representantes da família Ometto. CEAS - Conselho Estadual de Assistência Social. O movimento tomou corpo e contagiou lideranças e empresários da época, como o usineiro Luiz Ometto. Foi este homem, demonstrando compromisso com a comunidade local e generosidade, que, em 23 de novembro de 1973, deu a grande notícia que todos aguardavam: a doação de um terreno próximo ao Isca Faculdades, no Parque Nossa Senhora das Dores, em uma área de 13.600 metros quadrados. Conta um dos presentes à reunião que ele pediu que escolhessem a área desejada e foi este total o solicitado. Na oportunidade, as quatro estudantes, acompanhadas da Sra Giselda, presidente da Apae naquele ano, se comprometeram, em um ato de gratidão, a dar ao primeiro galpão que fosse construído o nome de Dimas Cera Ometto, em Luiz Ometto oficializa a doação homenagem ao clã. Os trâmites foram rápidos.

12

Cerimônia de lançamento da pedra fundamental da sede própria no Parque Nossa Senhora das Dores


O caminho até a inauguração do prédio Concluída a primeira etapa da conquista, era preciso arrecadar fundos para o início das obras. Paralelamente a essa meta, era preciso providenciar uma sede provisória para a entidade e um local para abrigar os usuários mais velhos em oficinas pedagógicas. As conversas nesse sentido, junto ao então prefeito Paulo d’Andrea, seguiam frequentes, até que um imóvel na Avenida Araras, número 66, foi reformado e cedido pela prefeitura. Chamado “Alcione” (nome dado em referência à doutrina espírita seguida pelo seu falecido marido José Justino Castilho, contou a ex-presidente da Apae de 1975/1979, Guiomar Castilho). “Eram tempos muito difíceis, de muita doação e amor ao próximo. Tínhamos muito pouco recurso para manter essa casa e lutávamos basicamente com o que era arrecadado em campanhas e, muitas vezes, empréstimos pessoais dos colaboradores”, lembra Guiomar. Antes de assumir a presidência em 1975, Guiomar também era uma das pessoas empenhadas no tratamento dos que sofriam com algum tipo de deficiência, sendo mãe de uma criança excepcional. Nesta sede, inaugurada em novembro de 1973, funcionava então a secretaria da Apae, a oficina pedagógica e a classe de educação especial. O atendimento feito pela Apae, até esse momento, consistia em manter cinco salas com 35 alunos no Nosso Lar. Naquela época, dos 97 assistidos pelo Lar, 35 haviam chegado até lá por serem excepcionais. Já na primeira sede, o Lions Clube de Limeira exercia papel fundamental e foi responsável por todo mobiliário do imóvel.

Primeira sede da Apae, inaugurada em 1973

No entanto, em junho de 1974, a Apae Limeira mudou-se para uma segunda sede, em um imóvel mais adequado e cedido pela família Galzerano, situado na Rua 22 de Julho, número 200, na Cidade Jardim, exercendo o trabalho junto aos deficientes até a mudança para a sede própria, que viria a acontecer em 25 de agosto de 1979, no Parque Nossa Senhora das Dores, onde funciona a Apae até os dias atuais.

Em 74, a Apae mudou-se para uma segunda sede

13


Entrega do primeiro pavilhão foi em 25 de julho de 1979

As obras e a inauguração da sede definitiva

14

Como já dissemos, os Lions Clubes de Limeira sempre cumpriram seu papel de servir desinteressadamente, ajudando o próximo através de ações comunitárias. E com a Apae de Limeira não foi diferente, tendo sido essa assistência fundamental para a construção de sua sede própria. “Desde a sua fundação, em 1966, o trabalho da Apae Limeira sempre foi de muito comprometimento, visando promover a qualidade de vida das pessoas atendidas. A união de toda a sociedade pelo mesmo propósito – auxiliar a entidade a prestar um serviço de alto nível - fez toda a diferença para a Apae ser o que ela é hoje. O número de pessoas atendidas pela Apae sempre foi crescente, aumentando ao longo dos anos, e foi em 1978, devido à necessidade de expansão da entidade, que os Lions Clubes de Limeira Centro, Norte e Tatuibi se uniram para construção de uma sede nova própria para a instituição. Sua comissão de obras era formada por José Luiz Soares (presidente), Antonio Carlos Brugnaro e Hans George Krauss (vice-presidentes), Carlos Henrique Dias Carvalho (1º secretário), Osvaldo Camarini (2º secretário), José Joaquim Duarte do Páteo (1º

tesoureiro) e Hortencio Arigoni (2º tesoureiro). O terreno já havia sido doado à entidade pela família Ometto, mas faltavam recursos para a obra. Através do esforço e empenho dos companheiros leão, o empreendimento enfim teve início e, em 1979, foi inaugurado na Cruz do Padre o primeiro pavilhão da nova sede da Apae, no parque Nossa Senhora das Dores, onde está instalada até hoje. Os trabalhos de expansão da Apae tiveram continuidade através dos membros dos Lions Clubes até o ano de 1981, com uma equipe forte que não mediu esforços para oferecer à entidade e às pessoas atendidas um local melhor, com mais espaço e conforto para realizar os atendimentos com qualidade, profissionalismo e dignidade em todas as áreas. Com toda a dedicação dos voluntários envolvidos, a Apae de Limeira é uma referência pelo serviço prestado aos seus assistidos através de sua equipe de profissionais que são comprometidos com o que fazem”. (texto fornecido pelo Lions, explicando e comentado este importante auxílio junto às obras da sede própria).


Todo o projeto dos galpões foi feito graciosamente pelo Professor José Justino Castilho, esposo da presidente da Apae no ato da inauguração Guiomar Castilho. Também contribuíram muito com a conquista as campanhas, festas e bazares. A entrega do primeiro pavilhão, em 25 de julho de 1979, foi feita com um almoço de confraternização oferecido pelo Lions. A inauguração oficial da nova sede da Apae Limeira, como já dissemos, foi em 25 de agosto de 1979, na Semana do excepcional, com um churrasco oferecido pela diretoria da entidade. Com a inauguração da Apae, ou um pouco antes, já com a conquista da primeira sede, as quatro estagiárias Helena, Marilda, Myrian e Sydneia, deram por concluído o trabalho de conclusão de curso e, sem querer, conseguiram algo muito maior: o ressurgimento da Apae de Limeira no mais amplo sentido da palavra. Mobilizaram uma cidade inteira e ajudaram a escrever as primeiras linhas dessa linda história de superação, luta e glória. Assim escreveram ao final do TCC:

Lions teve papel importante na construção da sede

Obras do 1º pavilhão da Apae

“O sentido meramente formal de um trabalho levou-nos a outro campo mais fascinante que esse de se empregar tempo, inteligência e esforço para servir o próximo como desejávamos ser servidas. Esperamos agora que nossa tarefa tenha continuidade, que todos sintam no assistente social um agente de mudança, mas que essa mudança se processe no dia-a-dia”. Todas nós

15


Linha do tempo O pedido das quatro assistentes sociais para que a tarefa iniciada pelas mesmas tivesse continuidade foi atendido. Muitas foram as conquistas após a mudança para a sede definitiva. Muitos foram os projetos, as obras, as doações e acima de tudo o comprometimento de incansáveis voluntários e diretorias. Nas décadas seguintes, a história iniciada em 1966, foi sendo aprimorada e os sonhos virando realidade à custa de muita dedicação, trabalho e amor ao que se faz. Reunimos os principais acontecimentos em uma linha do tempo que nos ajudará a viajar por esses fatos e conquistas!


1973

1975

A Federação Nacional das Apaes concedeu à Apae As ações de civismo já se faziam presentes com a Limeira o diploma que certificou a filiação à Federação participação nos desfiles de Sete de Setembro promovidos sob número 176, oficializando, de acordo com os pelo município no centro da cidade. Durante os anos Estatutos, todos os direitos de entidade federada. seguintes e até hoje, essa tradição é mantida.

1976

1982

A então diretoria não media esforços na arrecadação Este foi o ano em que a Escola de Educação Especial João de fundos para melhorias e término da sede própria. Ometto teve primeiro convênio oficializado. Na época, já Naquele ano, a participação na FACIL, com a venda de era responsável pela alfabetização de 141 usuários. doces, já era registrada.

1984

1987

Teve início uma parceria com a Prefeitura de Limeira, que gerou uma importante fonte de renda. A Apae começou a administrar o bar da Gruta na Praça Toledo de Barros aos finais de semana.

Durante três dias no mês de maio, a Apae Limeira organizou e sediou o 32º Encontro Estadual das Apaes, reunindo atividades com os usuários e grupos de estudos.

17


1990

1991

Um susto! Um levantamento do IAPAS notificou a Apae a pagar naquele ano a quantia de CZ$ 498.168,48. Na gestão de Osmar Kuhl foi feita defesa e revertido o processo em favor da entidade.

Um novo gabinete dentário foi doado à entidade pela Família Ometto, com melhores condições de atendimento.

1996

1996

1997

A Apae Limeira foi homenageada pela ACIL no dia da Empresa Limeirense.

Teve início a festa Vem pro Largo, realizada anualmente no Largo da Igreja Boa Morte e com renda em prol de entidades.

O projeto Telemarketing, uma das mais importantes fontes de renda para a associação, foi colocado em funcionamento neste ano.

1998 A Apae inovou na forma de arrecadação e passou a gerar renda com a administração de seu primeiro estacionamento, localizado na Praça Toledo de Barros. Outros vieram em diferentes endereços. No mesmo ano, a Apae Limeira foi homenageada pelo tradicional Troféu Fumagalli.

18


1991

1992

Um novo pavilhão foi inaugurado. De nome Hélio Guzela, passou a abrigar a oficina pedagógica da entidade. Hoje, abriga o programa CPC - Centro Profissionalizante e de Convivência.

Com a extinção da LBA, uma importante fonte de renda deixou de chegar. Com intuito de suprir esse déficit, foi criada a festa de São Vito, que ocorreu com sucesso até o ano de 2007.

1997

Este foi o primeiro ano em que a Apae Limeira foi reconhecida pelo Prêmio Bem Eficiente. O reconhecimento veio também nas edições de 2000, em 2004 e 2006.

1999

Uma das mais importantes doações da história da entidade foi concretizada com a assinatura da escritura de doação de prédios que pertenciam à extinta Associação Predial de Limeira. Os imóveis localizados na Rua Dr. Trajano, alugados, geram relevante renda mensal. Uma doação em espécie também foi realizada pelos Srs. Celso Aparecido Nogueira Viana e Aldo José Gonçalves, já falecido. Muitas benfeitorias, como obras e melhorias no atendimento, foram viabilizadas por intermédio desse relevante ato.

19


2000

2002

Na busca incansável por melhoria de arrecadação, uma ideia inovadora. A Apae passou a administrar um laboratório de análises clínicas próximo à Santa Casa.

2004

Criado o Projeto Apae Cultural, que conta com o apoio da Lei de Incentivo à Cultura, do Ministério da Cultura, e patrocínio de grandes empresas da cidade.

2005

Com intuito de reconhecer e premiar anualmente empresas que se destacam pela responsabilidade social, foi criado o Selo Empresa Cidadã.

Teve início a primeira edição do evento promovido pelas voluntárias: almoço entre amigas, que reúne centenas de mulheres e auxilia a complementar necessidades dos alunos e projetos da entidade.

2008

2008

20

A montagem de uma unidade rural foi concretizada e pensada como estratégia de educação que sensibilize e conscientize para questões do dia-a-dia com o meio ambiente.

A reforma de paletes feita para empresas da cidade foi intensificada na unidade rural da Apae a partir deste ano.


2003

2003

Atualmente chamado CPC - Centro Profissionalizante e de Convivência, o Centro recebeu células de produção de grandes empresas, como a TRW. A parceria rende capacitação para o trabalho.

Um novo prédio foi inaugurado na entidade, abrigando uma sala de reunião, salas de terapia, de aulas, biblioteca e brinquedoteca.

2005 Neste ano, a Apae deu um importante passo com a Certificação da ISO 9001:2008, cujos procedimentos da auditoria são realizados pela empresa SGS do Brasil. Em todos os anos seguintes, as recertificações comprovaram a qualidade nos serviços. A certificação da ISO reorganizou alguns programas e seus nomes. A partir da obtenção foram criados CAD - Centro de Apoio Diagnóstico e CAT - Centro de Atenção Terapêutica. Importantes reformas e construções foram feitas, como uma portaria e uma sala de espera para os pais.

2008

Criado o CAP - Centro de Ações Preventivas, que visa realizar ações voltadas à prevenção da deficiência intelectual.

2008

Um convênio com a Apae São Paulo possibilitou trazer para Limeira o avanço do Teste do Pezinho. É o chamado Teste do Pezinho Super, que faz o diagnóstico de 40 patologias.

21


2008

2009

As instalações do CPC - Centro Profissionalizante e de Convivência receberam ampliação, reforma e melhorias.

Teve início um importante campeonato que anualmente reúne Apaes da região para o Apae Open de Tênis de Mesa.

2011

2012

Foi um ano de conquistas para o esporte. Participamos Nossas atletas estiveram em Portugal como parte da delegação brasileira no 2º Campeonato Mundial de das Olimpíadas da FIDES na cidade de Bogotá, Atletismo para Atletas com Síndrome de Down, na Ilha de Colômbia, com excelentes resultados. Açores.

2015

22

Um barracão para as aulas de Equoterapia, no sítio da Apae, foi inaugurado em parceria com a iniciativa privada.

2015

Criado o Projeto Apae Esporte, desenvolvido com recursos captados por meio da Lei de Incentivo ao Esporte, do Estado de São Paulo. São 150 crianças atendidas em várias modalidades.

A


e

2009

2010

Até hoje grande sucesso, o Fogo de Chão reúne centenas de pessoas para saborear este tradicional churrasco.

A Apae Limeira intensificou a campanha para que consumidores doassem seus cupons fiscais à entidade, aderindo ao Programa Nota Fiscal Paulista.

2013

2015

A atividade de Equoterapia foi intensificada no sítio da Apae, auxiliando o tratamento para alunos com casos de comprometimentos mais severos.

Com apoio das voluntárias, foi inaugurada uma Sala Sensorial que aprimora os atendimentos de fisioterapia.

2016

Em junho, uma cerimônia marcou os 50 anos da Apae de Limeira, reunindo todos os ex-presidentes e pessoas que ajudaram a construir a história da entidade.

2016

Mais uma vez, a Apae foi homenageada pela ACIL no Dia da Empresa Limeirense.

23


Foto funcionรกrios


A Apae de Limeira é uma organização da sociedade civil sem fins lucrativos que é referência em prevenção, educação, defesa de direitos, promoção da saúde, qualificação para o trabalho e inclusão de pessoas com deficiência intelectual, bem como na geração e disseminação de conhecimento. Aliada à sua tradição, a entidade busca, constantemente, o desenvolvimento de novas pesquisas, tecnologias e inovações, principalmente focadas na prevenção das deficiências. Neste meio século atuando no município, nossa associação prestou atendimento integral a cerca de 7.500 usuários, que deixaram a instituição depois de completarem ciclos que incluem avaliações, sessões terapêuticas, formação educacional, capacitação para o trabalho e outras formas de assistência especializada. As necessidades das famílias e dos 700 usuários que frequentam a Apae Limeira no ano de 2016 concentram-se na busca de uma melhor qualidade de vida por meio de diagnóstico, estimulação, desenvolvimento e aquisição de autonomia, bem como maior conhecimento e acesso aos seus direitos. Com os atendimentos psicossociais, as oficinas e vivências oferecidos, os encaminhamentos à rede de serviços e o acesso às informações contribuem para o desenvolvimento de competências e enfrentamento de situações que ameaçam o exercício da cidadania e cumprimento de legislações que asseguram, entre outras formas de inclusão, a escolar e para o mercado de trabalho. Do total de atendimentos que prestamos, aproximadamente 80% das famílias apresentam renda familiar de até três salários mínimos. Daí, a importância do trabalho desenvolvido também pelo terceiro setor, com apoio da iniciativa privada e da sociedade. Pesquisas de satisfação realizadas com famílias atendidas indicam a efetividade das ações de nossa organização, bem como o contentamento com os serviços ofertados. A média é de 90% de satisfação. Assim, por meio da quebra de paradigmas, da soma de tecnologia e experiência, da promoção e inclusão, a Apae de Limeira se orgulha em poder fazer parte de um ciclo que, muitas vezes, começa ainda nos primeiros meses de vida, reconhecendo em cada indivíduo sua capacidade de evoluir e contribuir para um mundo mais justo e igualitário.

A APAE hoje


CAP CAP- Centro de Ações Preventivas

Este Centro visa realizar ações voltadas à prevenção da deficiência intelectual.

26

- Triagem Neonatal (Teste do Pezinho): A Apae de Limeira é ponto de coleta de sangue para realização do teste do pezinho, que, além de realizar o teste básico, realiza também o teste Super, capaz de detectar até 48 doenças. Todo material coletado é cuidadosamente armazenado e enviado para análise no laboratório da Apae de São Paulo, que é referência no assunto. - Palestras de Prevenção: O CAP conta com uma equipe altamente preparada para realizar palestras que envolvam temas relacionados à prevenção da deficiência intelectual em escolas, cursos de gestantes e à comunidade em geral. Dentre esses temas, destacam-se o Teste do Pezinho, os perigos do consumo do álcool na gestação e a estimulação do desenvolvimento neuropsicomotor. - Campanha de prevenção sobre os perigos do álcool na gestação: Essa campanha inicia-se todos os anos no mês de maio e tem por objetivo desenvolver ações que promovam a divulgação de informação à população através da mídia local, palestras, distribuição de folders e cartazes sobre os perigos do consumo do álcool na gestação. - Semana de Prevenção da Deficiência Intelectual: Ciclo de palestras organizadas para profissionais da área da saúde e educação realizado todos os anos no mês de agosto, com objetivo de ampliar discussões, debates e reflexões que contribuam para uma prática profissional mais eficaz no que diz respeito à prevenção da deficiência intelectual.


CAD

- Triagem: Realiza uma pré-seleção com todos os casos que solicitam vaga na associação através de observação do desempenho do indivíduo, onde se verifica o preenchimento de critérios de elegibilidade adotados pela entidade. Quando não há elegibilidade, o indivíduo pode ser encaminhado aos serviços existentes do município. - Avaliações Completas: Os casos selecionados pelo processo de triagem passam por avaliações com todos os setores (realizadas individualmente) e, na seqüência, o caso é discutido em reunião de equipe. A finalidade da avaliação é o levantamento de hipótese diagnóstica para o caso para que, em seguida, ele possa ser encaminhado para algum dos seguintes programas: Centro de Atenção Terapêutica, Escola de Educação Especial “João Ometto”, Centro Profissionalizante e de Convivência, Projeto de Inclusão ou acompanhamento no Programa CAD. Em alguns casos, onde na triagem é detectada dificuldade em área específica do desenvolvimento, é possível que apenas se realize avaliação específica de um setor para melhor elucidação do caso. - Acompanhamento do Desenvolvimento Infantil: Realiza o acompanhamento longitudinal de crianças consideradas de risco para possível atraso no desenvolvimento neuropsicomotor, com faixa etária de 0 a 3 anos de idade - podendo esta faixa etária ser estendida nos casos em que a equipe julgar a necessidade de continuar com o acompanhamento.

CAD- Centro de Apoio Diagnóstico

Este Centro tem como objetivo a realização de triagens e avaliações completas e específicas, bem como o acompanhamento do desenvolvimento infantil.

27


CAT - Centro de Atenção Terapêutica

CAT

28

O Programa conta com uma equipe interdisciplinar composta por assistente social, fisioterapeutas, fonoaudiólogas, pedagogas, psicólogas e terapeutas ocupacionais que atuam com o objetivo de oferecer suporte terapêutico para lactentes e crianças com atraso no desenvolvimento neuropsicomotor e/ou deficiência intelectual. Os atendimentos, que podem ser individuais, em grupos ou em sistemática transdisciplinar, têm como objetivo principal oferecer a estimulação ao desenvolvimento da criança, quer seja ele na área da linguagem, coordenação motora global, fina, psicomotricidade, habilidades cognitivas, psicossociais, acadêmicas ou na autonomia para atividades básicas de vida diária. Além dos atendimentos já mencionados, o trabalho da equipe interdisciplinar que atua na estimulação precoce (com bebês de 0 a 3 anos), estimulação pré-escolar (4 aos 6 anos) e na estimulação dos escolares (acima de 7 anos) consiste também nas seguintes atividades: - Reavaliações periódicas e planejamentos semestrais; - Reuniões semanais para discussão e análise dos casos assistidos; - Orientações a pais e demais familiares; - Orientações à equipe escolar; - Visitas e atendimentos domiciliares, quando necessário.


Escola de Educação Especial “João Ometto”

As ações são realizadas através de atividades como orientação ao professor, atuação terapêutica em sala de aula, atendimento em grupos nas áreas terapêuticas, reunião e grupo de pais, visita, orientação e acompanhamentos domiciliares. Aulas de informática, oficinas de dança e treinamentos esportivos fazem parte do extenso cronograma de atividades e projetos pedagógicos. A metodologia de ensino está baseada nas obras de Josette Jolibert com a proposta da “Pedagogia por Projetos”, juntamente às Demandas da Educação Especial Inclusiva, mediante Currículo Funcional Natural Adaptado, uma vez que as duas metodologias se complementam e podem efetivamente conduzir os alunos a um currículo escolar que prime pela inclusão do educando no meio social. A Escola de Educação Especial “João Ometto” foi responsável, em 2015, pela inclusão de 39 alunos na rede regular de ensino com acompanhamento pedagógico do setor de inclusão e do programa CPC (Centro Profissionalizante de Convivência).

Escola de Educação Especial “João Ometto”

Na escola de Educação Especial “João Ometto”, são oferecidas 141 vagas. O objetivo é habilitar crianças, adolescentes e adultos para inclusão social através de processos educacionais. A Escola possui nível de ensino em educação fundamental na modalidade educação especial para alunos com deficiência intelectual e deficiência múltipla na faixa etária entre 6 e 30 anos que, por necessitarem de apoio permanente, não se beneficiam do ensino regular.

29


CPC - Centro Profissionalizante e de Convivência

CPC

30

O Centro Profissionalizante e de Convivência é um programa que oferece aos usuários com deficiência intelectual a partir de 14 anos oportunidades de aquisição de autonomias e práticas profissionais, de forma a favorecer o desenvolvimento de habilidades e independência, para inclusão social e no mercado de trabalho. É organizado em duas etapas: - Sócio-Ocupacional, com a finalidade de atender usuários que não apresentam condições de inserção no mercado de trabalho e necessitam de apoio em habilidades intelectuais, comportamento adaptativo, participação, interação, papeis sociais, saúde e contexto, favorecendo seu equilíbrio físico, mental, e social; - Preparação para o Trabalho, realizada em três módulos: Iniciação para o Trabalho, Qualificação para o Trabalho e Colocação no Mercado de Trabalho. Tem por finalidade o desenvolvimento de perfil profissional para a inclusão. O programa foi responsável pela inclusão e acompanhamento de 357 usuários no mercado de trabalho. O impacto social é marcado pela transformação no papel desempenhado pelo usuário na própria família, como também na sociedade, já que passa a contribuir ativamente em ambos os contextos.


Projeto Apae Rural

Trata-se de uma visão mais abrangente do rural, onde os recursos naturais são utilizados frequentemente para a complementação do trabalho terapêutico, pois, além de reabilitar pessoas para o convívio social, tem características educacionais e psicossociais que são exploradas a partir de animais, árvores, açudes, usufruindo destes elementos para trabalhar a diferenciação de cores, movimentos sensórios-motores, atenção, entre outras questões essenciais para o desenvolvimento humano.

Projeto Apae Rural

Partindo-se da busca constante por melhorias nos processos de atendimento aos usuários, a montagem de uma unidade rural da instituição foi concretizada no ano de 2008 e pensada como estratégia de educação que sensibilize e conscientize para questões do dia-a-dia, como o meio ambiente. Somando-se ao conceito moderno de multifuncionalidade do espaço rural, este projeto visa não apenas a produção de matéria-prima e alimentos, mas também às funções social, ambiental, recreativa e pedagógica.

31


Equoterapia

Equoterapia

32

A atividade, coordenada pelo CPC - Centro Profissionalizante e de Convivência, atende a todos os programas da instituição. São beneficiadas com o atendimento crianças a partir de três anos, até adultos com deficiência intelectual associada ou não a outros quadros. Contando com uma tropa de 4 cavalos, os atendimentos são realizados semanalmente por equipe interdisciplinar, devidamente formada pela ANDE Brasil (Órgão normatizador da equoterapia no país), atendendo usuários com ADNPM e deficiencia intelecual leve, moderada e grave de todos os programas da instituição. A equoterapia emprega o cavalo como agente promotor de ganhos a nível físico e psíquico. Esta atividade exige a participação do corpo inteiro, contribuindo, assim, para o desenvolvimento da força muscular, relaxamento, conscientização do próprio corpo e aperfeiçoamento da coordenação motora e do equilíbrio. A interação com o cavalo - incluindo os primeiros contatos, os cuidados preliminares, o ato de montar e o manuseio final - desenvolve, ainda, novas formas de socialização, autoconfiança e autoestima.


Reforma de paletes Reforma de paletes Numa preocupação com o meio ambiente, outro projeto de sucesso voltado às empresas da cidade é a reciclagem de paletes feita por usuários contratados e por uma equipe de profissionais. A produção cresce a cada ano e são recuperados em média 7 mil paletes ao mês na unidade rural da associação.

33


Projeto Apae Cultural

Projeto Apae Cultural

34

Nascido em 2002 de uma parceria entre a Apae Limeira e a empresa de desenvolvimento social Humaniza, o Projeto Apae Cultural tem como principal finalidade o fortalecimento da cultura da diversidade, gerando uma visão igualitária para pessoas deficientes e diferentes. Contando com o apoio da Lei de Incentivo à Cultura, do Ministério da Cultura, são captados parceiros importantes, que tornaram o projeto referência. Com corpo próprio de colaboradores integrados à dinâmica da Apae de Limeira, o programa ensina, anualmente, música a cerca de 150 alunos, teatro a outros 130 e dança para mais 80 alunos com necessidades especiais. Apoio:

Patrocínio:


Projeto Apae Esporte

As aulas em seis modalidades (futebol, futsal, basquetebol, atletismo, tênis de mesa e ginástica rítmica) são realizadas nas dependências da Apae. Cinco profissionais, entre eles um médico do esporte, foram contratados. O projeto Apae Esporte tem patrocínio de empresas conscientes sobre as necessidades do terceiro setor e comprometidas com a responsabilidade social, fizeram doações financeiras provenientes da renúncia de ICMS por parte do Estado, que abre mão de parte de sua arrecadação do imposto para que as empresas possam investir diretamente esses recursos em projetos esportivos aprovados pela SELJ.

Projeto Apae Esporte

A inclusão pelo esporte é outra realidade na associação. Em 2015, a Apae Limeira apresentou oficialmente o Projeto Apae Esporte. Contando com recursos captados por meio da Lei de Incentivo ao Esporte, do Estado de São Paulo, junto a SELJ - Secretaria de Esporte, Lazer e Juventude do Estado de São Paulo - será possível desenvolver um centro de formação desportivo de atletas especiais.

35


Família e Comunidade Cada programa desenvolvido pela Apae de Limeira tem uma sistemática de trabalho paralela com as famílias, buscando o máximo da integração. Depois de estabelecido o serviço de recepção e orientação, reuniões e grupos de pais ajudam neste processo. Os encontros com os responsáveis dos usuários buscam apresentar e discutir regras e dinâmicas de funcionamento, orientações gerais, desempenho escolar e nos atendimentos e evolução do comportamento e resultados.

Família e Comunidade

Nas visitas domiciliares, além de realizar uma investigação e orientação do aspecto socioeconômico da família, a equipe multidisciplinar consegue observar e orientá-la de acordo com a necessidade apresentada.

36

Sabendo que o meio social da pessoa atendida pode interferir no atendimento, os profissionais oferecem desde atendimento psicológico e terapêutico até a realização de campanhas do agasalho e outros tipos de doações, como carrinhos de bebês e donativos efetuados com apoio também da iniciativa privada e da comunidade. Oficinas com psicólogos e uma série de programas específicos completam este ciclo de integração Apae-usuário-família. Há também uma preocupação constante em direcionar os serviços e atendimentos para a comunidade. Por isso, a entidade oferece frequentemente eventos e entretenimento, como festas ou jantares que reúnem centenas de convidados na sede várias vezes ao ano. Para tanto, possuímos uma estrutura e serviços profissionais para a organização dos eventos. Escolas, hospitais, concessionárias e outras empresas contratam os serviços da Apae, que cuida de toda infraestrutura da festa e, dessa forma, confirma uma nova vocação da entidade para buscar recursos que complementem as verbas públicas. Tudo o que é arrecadado é aplicado em melhorias no atendimento e qualidade dos serviços oferecidos aos usuários.


Estacionamentos e Bazar

O Bazar é um espaço onde a população tem a oportunidade de conhecer e adquirir peças de artesanato. O material é fruto do trabalho de voluntárias e dos alunos que fazem cursos de marcenaria, artesanato e costura no CPC - Centro Profissionalizante e de Convivência. Já os estacionamentos estão localizados na Praça Toledo de Barros (atrás do Teatro Vitória), na Rua Santa Cruz (anexo à Acil) e na Rua Sete de Setembro (anexo ao 2º Tabelião de Notas e de Protesto). Estacionando o carro no local, o motorista está também contribuindo com projetos aplicados na entidade, já que o dinheiro arrecadado mensalmente é usado para complementar as despesas da instituição.

Estacionamentos e Bazar

No centro da cidade de Limeira, estão instalados o Bazar e os Estacionamentos que a Apae administra.

37


Voluntariado

Voluntariado

38

A solidariedade entra em ação na Apae de Limeira desde sua criação e, com a coordenação atual, há mais de 20 anos. São em média 20 mulheres que doam para a entidade milhares de horas de trabalho. Todos os recursos para o desenvolvimento das atividades do voluntariado são provenientes de contatos externos da equipe. O voluntariado é autossustentável, participativo, responsável e muito valioso. No ano de 2016, faziam parte do grupo: Maria Rita Paschoalon Rossetti, Ana Maria Marochite, Ana Maria Tereza Kuhl, Aparecida de Lourde Cangnin, Denise Luzia Alves Mota, Dulcineia Stefan Patricio, Gisselda Grassi Alvares Leite, Heloisa Helena Cavadas de Oliveira Mansur, Helena Torrente Salgon, Helen Cristina Belineli Fonte, Ieda Suzete Burger Patrício, Jaci Nogueira Laurito, Lucia Curione de Almeida, Maria Antonia Paschoalon Covre, Maria Aparecida Cover, Maria Lúcia T. Freire, Mariangela Cruz, MArilena Niklas Ferras, Marilia Parronchi Siqueira Chequi, Marilu C. Fumagalli, Olga Maria G. Ragazzo, Rita de Cassia Krambec Francischetti, Salete de Souza Albino e Solange Vanini Marquesin. O grupo mostra que voluntariado é responsabilidade e não só caridade desenvolvendo tapetes, toalhas, aventais, e outras dezenas de itens que são revertidos em lucro para a instituição e auxílio em projetos da entidade. Uniformes para alunos e funcionários, eletroeletrônicos e outros benefícios são adquiridos com a renda do trabalho das voluntárias.


Selo Empresa Cidadã

box com nome das empresas

Empresas parceiras em 2016

Selo Empresa Cidadã

O Selo Empresa Cidadã é um projeto criado em 2004 que, anualmente, certifica empresas que contribuem com a Associação de diversas formas, como doações, contratação de usuários entre outras. É uma forma de reconhecimento aos empresários comprometidos diretamente com o desenvolvimento social por meio da condução correta dos negócios e ações sociais.

39


Apae Limeira em números

Apae Limeira em números

Abaixo, partilhamos alguns resultados obtidos em 2015 - um ano especialmente difícil devido à crise econômica. No entanto, também um ano de superação e união de todos para que nenhum dos cerca de 700 usuários atendidos e nem suas famílias sofressem as consequências dessas ações da política nacional e de esferas estadual e municipal. Convidamos você a juntar-se a nós na comemoração destes bons resultados e na luta pela prevenção e tratamento das pessoas com algum tipo de deficiência.

40

Atendimentos realizados em 2015 Atendimentos

8.061

Procedimentos terapêuticos

32.366

Procedimentos realizados com família

8.374

Atendimento dentista

1.055

Atendimentos Médicos

519

Exames do pezinho

264

Nossos Colaboradores Colaboradores

145

Médicos

03

Dentistas

02


Atendimento dentista

1.055

Atendimentos Médicos

519

Exames doa pezinho Como Apae se mantém

264

Colaboradores

145

Médicos A Apae enfrenta desafios para sua manutenção, pois o equilíbrio das receitas depende03 das doações. Do total das despesas mensais, 29,34% são cobertos pelos recebíveis do SUS e de outros convênios. Dentistas Fica como tarefa da entidade buscar mensalmente na sociedade os demais recursos,02 70,66%, para completar as receitas.

Recursos Próprios 70,66%

Convênios 29,34%

Como a Apae se mantém

Nossos Colaboradores

Teledoações As Teledoações da Apae de Limeira têm mais de seis mil contribuintes fixos e desenvolve campanhas anuais. Graças à colaboração da população e como o trabalho é desenvolvido pelo seu quadro de colaboradores, é possível melhorar cada vez mais o atendimento. As doações podem ser feitas pelo telefone (19) 3404-1569.

41


O olhar de quem é acolhido

O olhar de quem é acolhido

42

Gilda de Oliveira Santos é mãe de Kauã. O filho teve alta ainda nos primeiros anos de vida depois de passar por tratamento e acompanhamento dos profissionais do CAT. Kauã nasceu prematuro e perdia muito peso. A equipe da Apae de Limeira identificou o caso e foi rápida no tratamento. “Agora estou muito feliz, mas quando cheguei estava assustada. O apoio e as orientações que recebi foram muito importantes na recuperação dele, que hoje está ótimo. Só tenho a agradecer!” Gilda de Oliveira Santos Mãe de Kauã

Todo amor que dedica ao filho Gabriel a mãe Sueli Basso Terminiello diz que ele recebeu também na Apae de Limeira. Com Síndrome de Down, ele recebeu os cuidados de toda a equipe interdisciplinar desde bem pequeno. “Aqui, tive todo o apoio que preciso e sei que não estou cuidando dele sozinho. Desde o apoio a nós, pais e familiares, encontro na entidade a segurança de que ele está recebendo o melhor atendimento em todas as áreas”. Sueli Terminiello Mãe de Gabriel “Eu e minha mulher sempre acreditamos que o ensino particular seria o ideal para o nosso filho Felipe, que tem um atraso que compromete a fala. No entanto, foram visíveis as evoluções do Felipe em casa. Ele faz quase tudo sozinho, teve melhoras na higiene pessoal. Está mais adulto e responsável. Estamos muito satisfeitos e a Apae está correspondendo minha expectativa que era a de que o Felipe pudesse aprender uma profissão e vir a trabalhar. Estamos certos de que terá um futuro diferente”. Silvio José Sachetti Pai de Felipe


Reconhecimento Reconhecimento

Neste ciclo que traz vida nova às pessoas especiais e suas famílias, a Apae de Limeira tem orgulho de oferecer atendimento diferencial e, por isso, estar entre as melhores instituições do país, sendo premiada, e uma das únicas, reconhecida quatro vezes pelo Prêmio Bem Eficiente, idealizado pelo professor Stephen Kanitz. A qualidade dos serviços prestados também é garantida pela ISO 9001:2008, obtida em 2005 e várias vezes recertificada.

A Apae Limeira convida os setores da sociedade a se juntarem a ela na busca para garantir os direitos das pessoas com algum tipo de deficiência. Um mundo melhor somente poderá ser construído com o apoio de todos.

43


Presidentes e diretorias

1966 a 1970 Presidente

1971 a 1972 Presidente

1973 a 1974 Presidente

OLGA FORSTER

ALTILINO MEIRELLES

GISELDA VOIGT SAMPAIO

ODYL GUTIERREZ DE ALMEIDA WALDEMAR MATTOS SILVEIRA ROMUALDO RAMOS JULIO BAGNATO CAETANO LADAGA PISANI PRETESTATO RODRIGUES ALVES SERGIO FIOR OLINDO DE LUCCA NATAL BRUNO GULLO ANTONIO DA SILVA APARECIDA RODRIGUES MARJORIE GUERRA TUPANEMA BELLO MADRID MANOEL SILVA WALTER FORSTER JULIO AMERICO ABBADE PAULO FACHARDO JUNQUEIRA OSWALDO ARCARO ROMUALDO RAMOS ELIDYO PAULINO APARECIDA RODRIGUES

WALDEMAR MATTOS SILVEIRA OSWALDO ARCARO DAYSE BASSINELLO PONZO ELYDIO PAULINO PRETESTATO RODRIGUES ALVES OLINDO DE LUCCA OLGA FORSTER ODYL GUTIERREZ DE ALMEIDA APARECIDA RODRIGUES MANOEL DA SILVA TUPANEMA DE BELO MADRID DORACY A. DA COSTA ARCARO

MARIA APARECIDA ROSSI MARGOT APARECIDA R. LANG WALDEMAR MATTOS SILVEIRA OSWALDO ARCARO OSWALDO ANTONIO FELIZI JOSÉ BONK JOÃO BATISTA FRANCISCO JOSE ANTONIO ALEIXO JOSE MANOEL DE ALMEIDA NEWTON ERMELINDO MAZUTTI CLAUDIO BEGERER JAIRO DE DEA RENATO LENCIONI APARECIDA GISELDA C. FANELLI TUPANEMA BELLO MADRID ODYL GUTIERREZ DE ALMEIDA ANA LUCIA PATRICIO BATTISTELLA MARGARIDA PAROLI SOARES IVAN PESSOTTO OSWALDO DELLA COLETTA JOSE ROMEU FANELLI

44


1975 a 1979 Presidente

1980 a 1983 Presidente

GUIOMAR RITA C. CASTILHO

ALFREDO MOFATTO

ELIZA CIARROCHI SILVEIRA ANA MARIA AGUIAR VALIM WALKIRIA SUPPIA WALDIR SCATOLON ANA LUCIA PATRICIO BATISTELLA SIDNEYA FERES DORACI OLIVEIRA VOIGT ERIDO ANTONIO BATTISTELLA OSWALDO ARCARO WALTER CARLOS VOIGT EDMILSON ROSSI MERCEDES PELEGRINI JOSE JUSTINO CASTILHO OLGA FORSTER FRANCISCO JOSE DE MUNNO ORESTIDA CARDOSO MOMESSO JOSÉ OCTAVIO BONIM JOSÉ VALENTIM BONIM EDUARDO TONIELLO OSWALDO CAMARINI LUIZ CARLOS BATTISTELA MOISES DURANTE NAIRA TERESINHA BORIOLLO LIVIO FRANCESCHI IRENE BASSINELO MOFATTO ROMILDA CARDOSO SALIBE CILAS GUIMARÃES VALDEMY GOMES BARBOSA ALFREDO MOFATTO CLAYTON KERPE DE OLIVEIRA ROBERTO FERREIRA MEIRELLES CLEBER DE LIMA PONTES TETSUO ENOMOTO FLAVIO AUGUSTO SOLER JOSE BONK VITORIO SANTO VANIN MARIO CARVALHO GEORGE NAKAGUMA

PEDRO THEODORO KUHL STANISLAU DRAGONE CASSIO MONACO CLAYTON KERPE DE OLIVEIRA MITSUYU TAMURA VALDEMIR GOMES BARBOSA ABELARDO PINTO LEMOS ORESTIDA CARDOSO MOMESSO LIVIO FRANCESCHI ANGELO LIMA JOÃO BATISTA FAVERI JOSÉ ROSSI OSWALDO CAMARINI ABELARDO PINTO LEMOS CLODOALDO KERPE OLIVEIRA VITORIO SANTO VANIN DEYSE BASSINELO PONZO ANTONIO SIMONI WILIAM SALIBE JOSÉ MANOEL DE ALMEIDA MITSUYO TAMURA

45


1984 a 1985 Presidente

46

1986 a 1989 Presidente

PEDRO THEODORO KUHL

OSMAR THEODORO KUHL

ODAIR JOSÉ GIUSTI DIONIZIO ALVES MONTEZUMA OSMAR THEODORO KUHL JOÃO BATISTA FAVERI ONIL DA SILVA HENRIQUE LUIZ SAVOY DEYSE BASSINELO PONZO ANTONIO SIMONI ALVARO ROLAND OPSFELDER ORESTIDA CARDOSO MOMESSO PAULO CILAS BORTOLAN PAULO AFONSO STOCCO PAGOTTO ALFREDO MOFATTO MARCO ANTONIO COVER JOSÉ MANOEL DE ALMEIDA ODAIR FORSTER WALTER CARLOS VOIGT CLAYTON KERPE DE OLIVEIRA JOSÉ LEÃO ZACCARIA MIGUEL JORGE PILEGI JURANDIR BELLA

PEDRO THEODORO KUHL BATISTA PERLATTI JOSE ANTONIO BRIGATTO VALDIR QUINTAL ONIL DA SILVA RODOLFO DAVI DE CAMPOS DEYSE BASSINELO PONZO ANTONIO SIMONI HENRIQUE LUIZ SAVOY ALVARO ROLAND OPSFELDER DIONIZIO ALVES MONTEZUMA PAULO CILAS BORTOLAN PAULO A. STOCCO PAGOTTO ODAIR JOSÉ GIUSTI MARCO ANTONIO COVER JOSE MANOEL DE ALMEIDA GENOR BENEDITO FORMIGARI CLODOMIRO APARECIDO ROSSI ANTONIO WAGNER D’ADDONA JOSÉ EDUARDO M. SASSI LUIZ SERGIO AMADEU EDUARDO LEME DA SILVA MARTINHO LEVY OLIVATO MANOEL GASPAR FERREIRA DECIO MACHADO GOMES HELIO MARCIO MAMEDE ROBERTO TANK PAULO DE OLIVEIRA ELCIO DE TOLEDO GERALDO CABRINI JOSE LUIZ FRANCESCATTO ODAIR JOSE GIUSTI MARIO CESAR PACHECO JOSE CARLOS TERESA JOSE MANOEL DE ALMEIDA PAULO TARSO CUNHA HORMINDO FERE JOAQUIM DE CAMPOS CLEIDE BARBOSA KUHL NEIVA BRIGATO FORMIGARI ALMA ROSSI


1990 a 1991 Presidente

1992 a 1993 Presidente

RODOLFO DAVI DE CAMPOS

REYNALDO BAYEUX DA SILVA

OSMAR THEODORO KUHL MARTINHO LEVY OLIVATTO ANTONIO WAGNER D’ADDONA JOSE RENATO SIMONI LUIZ SERGIO AMADEU ONIL DA SILVA ARY VENTURINI MANOEL GASPAR FERREIRA JOSE LUIZ RODRIGUES ROBERTO LOFRANO NILSON PFISTER HELIO MARCIO MAMEDE ROBERTO TANK ALVARO ROLAND OPSFELDER PAULO CESAR TANK DIONIZIO ALVES MONTEZUMA ELCIO DE TOLEDO PAULO ROBERTO TOLEDO VIRGILIO ROSSI JOSE MANOEL DE ALMEIDA ROBERVAL DIAS CUNHA Jr. HORMINDO FERES JOAQUIM DE CAMPOS ODAIR JOSE GIUSTI PEDRO THEODORO KUHL EDUARDO LEME DA SILVA JOSE CARLOS TERESA DARIO ROMEU SOFFIATI REINALDO GRASSI LIDIA FORSTER DE CAMPOS CLEIDE BARBOSA KUHL NAIR OLIVATTO

RODOLFO DAVI DE CAMPOS FRANCISCO DE ASSIS BORELLI ANTONIO WAGNER D’ADDONA ALAERCIO PERROTI LUIZ SERGIO AMADEU SERGIO ANTONIO DIAS DA SILVEIRA AMBROSIO FUMAGALLI JOSE DOMINGOS ZANIBOM OMAR REDONDANO FILHO ALVARO ROLAND OPSFELDER VITORIO LUCATO NETO BADIH BECHARA JOSE ANTONIO LEVY ROCCO ONIL DA SILVA PAULO ROBERTO DE A. TOLEDO VIRGILIO ROSSI JOSE MANOEL DE ALMEIDA ROBERVAL DIAS CUNHA JUNIOR HELIO MAMEDE JOSE CARLOS TERESA DIONISIO ALVES MONTEZUMA ODECIO GIUSTI MARCO ANTONIO G. ZACCARIA IDA MALFI BAYEUX DA SILVA LIDIA FORSTER FRANCO DE CAMPOS TERESA DE JESUS CIPRIANO BORELLI

1994 a 1995 Presidente

EDISON FERNANDES COSTA FRANCISCO DE ASSIS BORELLI JOÃO HENRIQUE MECATTI OMAR REDONDANO FILHO JOÃO JOSÉ DOS SANTOS LUIZ SERGIO AMADEU OSMAR PAZETTO AMBROSIO ANTONIO FUMAGALLI JOÃO HENRIQUE MECATTI BADIH BECHARA VITORIO LUCATO NETO ANTONIO WAGNER D’ADDONA FRANCISCO JOSE CARDOSO ONIL DA SILVA JOSE DOMINGOS MACIEL ORTIZ PAULO ROBERTO TOLEDO LUIZ ALBERTO GERALDELLO JOE MANOEL DE ALMEIDA ROBERVAL DIAS CUNHA JUNIOR REYNALDO BAYEUX DA SILVA RODOLFO DAVI DE CAMPOS JOÃO JOSÉ DOS SANTOS JULIO MAÇORANO CELSO ARAUJO JOSE CARLOS TERESA SERGIO DIAS DA SILVEIRA VIRGILIO ROSSI ODECIO ROBERTO GIUSTI MARCOS ZACCARIA ALVARO ROLAND OPSFELDER IDA MALFI BAYEUX DA SILVA SONIA KUHL OPSFELDER MARIA JOSE DOS SANTOS LENI BINOTTI ARAUJO TEREZA DE JESUS C. BORELLI LORIVAL CAVALLI HERCULANO JULIANI PINTO ABEL MAIA GENOVEZ

47


1996 a 1997 Presidente

48

1998 a 1999 Presidente

2000 a 2001 Presidente

FRANCISCO JOSÉ V. CARDOSO

OMAR REDONDANO FILHO

LUIZ SERGIO AMADEU

OMAR REDONDANO FILHO EDISON FERNANDES COSTA DAVID AMATO DAVI ABEL MAIA GENOVEZ LUIZ SERGIO AMADEU ANTONIO WAGNER D’ADDONA AMBROSIO ANTONIO FUMAGALLI JOÃO HENRIQUE MECATTI BADIH BECHARA VITORIO LUCATO NETO ONIL DA SILVA JOSE DOMINGOS MACIEL ORTIZ LUIZ ALBERTO GERALDELLO JOSE MANOEL DE ALMEIDA ROBERVAL DIAS CUNHA JUNIOR REYNALDO BAYEUX DA SILVA RODOLFO DAVI DE CAMPOS JOÃO JOSÉ DOS SANTOS CELSO ARAUJO JOSE CARLOS TERESA VIRGILIO ROSSI ODECIO ROBERTO GIUSTI ALVARO ROLAND OPSFELDER CLAIR ROBERTO BARBOSA

LUIZ SERGIO AMADEU FRANCISCO JOSÉ VIEIRA CARDOSO CASSIO ROQUE EDMUNDO GIACOM SERGIO MURILO ROQUE RUI ANTONIO GIRALDELLO JOÃO HENRIQUE MECATTI BADIH BECHARA VITORIO LUCATO NETO ANTONIO WAGNER D’ADDONA ONIL DA SILVA JOSE DOMINGOS MACIEL ORTIZ LUIZ ALBERTO GERALDELLO JOSE MANOEL DE ALMEIDA ROBERVAL DIAS CUNHA JUNIOR REYNALDO BAYEUX DA SILVA RODOLFO DAVI DE CAMPOS JOÃO JOSÉ DOS SANTOS CELSO ARAUJO JOSE CARLOS TERESA VIRGILIO ROSSI ODECIO ROBERTO GIUSTI ALVARO ROLAND OPSFELDER CLAIR ROBERTO BARBOSA

CASSIO ROQUE OMAR REDONDANO FILHO JOSE CARLOS LIMA DAVID AMATO DAVI FRANCISCO JOSE V. CARDOSO SERGIO MURILO ROQUE JOÃO HENRIQUE MECATTI BADIH BECHARA VITORIO LUCATO NETO ANTONIO WAGNER D’ADDONA ONIL DA SILVA JOSE DOMINGOS MACIEL ORTIZ LUIZ ALBERTO GERALDELLO JOSE MANOEL DE ALMEIDA ROBERVAL DIAS CUNHA JUNIOR REYNALDO BAYEUX DA SILVA RODOLFO DAVI DE CAMPOS JOÃO JOSÉ DOS SANTOS CELSO ARAUJO JOSE CARLOS TERESA VIRGILIO ROSSI ODECIO ROBERTO GIUSTI ALVARO ROLAND OPSFELDER CLAIR ROBERTO BARBOSA


2002 a 2003 Presidente

2004 Presidente

CASSIO ROQUE

SERGIO MURILO ROQUE

SERGIO MURILO ROQUE OSMAR DE PAULA JÚNIOR OMAR REDONDANO FILHO VITORIO LUCATTO NETO LUIZ SERGIO AMADEU JOSÉ CARLOS LIMA JOÃO HENRIQUE MECATTI BADIH BECHARA VITORIO LUCATO NETO ANTONIO WAGNER D’ADDONA LUIZ ALBERTO GERALDELLO JOSE MANOEL DE ALMEIDA ROBERVAL DIAS CUNHA JUNIOR REYNALDO BAYEUX DA SILVA RODOLFO DAVI DE CAMPOS JOÃO JOSÉ DOS SANTOS CELSO ARAUJO JOSE CARLOS TERESA VIRGILIO ROSSI ODECIO ROBERTO GIUSTI ALVARO ROLAND OPSFELDER CLAIR ROBERTO BARBOSA

AILTON A ALVES PEREIRA OSMAR DE PAULA JÚNIOR OMAR REDONDANO FILHO CASSIO ROQUE BENEDITO APARECIDO PATRICIO JOSE CARLOS LIMA VITORIO LUCATO NETO ANTONIO CARLOS ROSSETTI MARCEL G. FRANCESCATTO DAVID AMATO DAVI LINCON NOLASCO LOPES FILHO SALVADOR LOMBARDI EDMUNDO FRANCISCO GIACOM JOÃO JOSÉ DOS SANTOS CLAIR ROBERTO BARBOSA ANTONIO WAGNER D’ADDONA LUIZ EDUARDO TRIGO OSWALDO ANTONIO DONATTI JR DANILO GULLO CASTRO MELLO ADELINO MENDES ANTONIO C. PARROCNHI NETO PEDRO DIAS DE OLIVEIRA ANGELO JOSE PERCEBON RUI ANTONIO GIRARDELLI IGNACIO LEITE DA COSTA CARLOS R. D´ADREIA MATHIAS CLAIR ROBERTO BARBOSA

49


2005 a 2006 Presidente

50

2007 a 2008 Presidente

OSMAR DE PAULA JÚNIOR

BENEDITO APARECIDO PATRÍCIO

AILTON APARECIDO A. PEREIRA MAYRA DE ARAUJO SILVA COSTA JOSE CARLOS LIMA BENEDITO APARECIDO PATRÍCIO SERGIO MURILO ROQUE ANTONIO CARLOS ROSSETTI SALVADOR LOMBARDI VITORIO LUCATO NETO MARCEL G FRANCESCATTO DADID AMATO DAVI LINCON NOLASCO LOPES FILHO EDMUNDO GIACOM JOÃO JOSE DOS SANTOS CLAIR ROBERTO BARBOSA LUIZ EDUARDO TRIGO OSWALDO ANTONIO DONATTI JR DANILO GULLO CASTRO MELLO ADELINO MENDES ANTONIO C. PARROCNHI NETO PEDRO DIAS DE OLIVEIRA ANGELO JOSE PERCEBON RUI ANTONIO GIRARDELLI IGNACIO LEITE DA COSTA CARLOS R. D´ADREIA MATHIAS RAUL NILSEN

ÂNGELO JOSE PERCEBON LUIZ CARLOS MARQUESIN PEDRO DIAS DE OLIVEIRA OSMAR DE PAULA JÚNIOR SERGIO MURILO ROQUE SALVADOR LOMBARDI ANTONIO C. PARRONCHI NETTO ANTONIO PAULO SAVIO CARLOS EVANDRO REFOSCO CARLOS R. D´ANDREIA MATHIAS CELSO APARECIDO PATRICIO CLAIR ROBERTO BARBOSA DANIEL G. DE CASTRO MELLO DIONIZIO GAVA JUNIOR EDMUNDO GIACOM EMERSON R BELIZARIO SIMÕES INACIOLEITE DA COSTA JOSÉ JOÃO DOS SANTOS JOSE CARLOS DE LIMA LINCON NOLASCO LOPES FILHO LUIZ EDUARDO TRIGO MARCEL G FRANCESCATTO MAYRA R. G. DE A. S. DA COSTA OSWALDO DONATTI JUNIOR RAUL NILSON FILHO ROBERVAL DIAS CUNHA JUNIOR RUI ANTONIO GIRARDELLI VITORIO LUCATO NETO


2005 2009aa2006 2012 Presidente

2013 a 2014 Presidente

2009 a 2012 2015 a 2016 Presidente

ÂNGELO JOSÉ PERCEBON

BENEDITO APARECIDO PATRÍCIO

EDMUR DE BARROS PINHO

JOSE APARECIDO MAZINI LUIZ CARLOS MARQUEZIN CARLOS EDUARDO REFOSCO BENEDITO A. PATRÍCIO OSMAR DE PAULA JÚNIOR ANTONIO CARLOS ROSSETTI ANTONIO CANDIDO PARRONCHI NETO CARLOS ROBERTO D’ ANDREIA MATHIAS CLAIR ROBERTO BARBOSA EDMUR BARROS PINHO EDMUNDO GIACOM EMERSON BELIZARIO SIMÕES JOÃO JOSE DOS SANTOS LINCON N. LOPES FILHO MARCEL FRANCESCATTO RAUL NILSEN FILHO RUI ANTONIO GIARDELLI VITORIO LUCATTO NETO PEDRO DIAS DE OLIVEIRA SERGIO CANDIOTTO RICHARD LUIZ MARQUEZIN JOSE CARLOS LIMA RENAN CARLOS MARQUEZIN

LUIZ CARLOS MARQUESIN EDMUR BARROS PINHO CARLOS EVANDRO REFOSCO ANGELO JOSÉ PERCEBON OSMAR DE PAULA JÚNIOR ANTONIO CARLOS ROSSETTI ANTONIO C. PARRONCHI NETO CARLOS R. D´ANDREIA MATHIAS CLAIR ROBERTO BARBOSA EDMUNDO GIACOM EMERSON R. BELIZARIO SIMÕES JOÃO JOSE DOS SANTOS JOSE CARLOS LIMA LINCON NOLASCO LOPES FILHO MARCEL G. FRANCESCATTO PEDRO DIAS DE OLIVEIRA RAUL NILSON FILHO RUI ANTONIO GIRARDELLI VITORIO LUCATTO NETO SERGIO CANDIOTTO RENAN CARLOS MARQUESIN

LUIZ CARLOS MARQUESIN CARLOS E. RODRIGUES PINEDA CELSO APARECIDO PATRICIO BENEDITO APARECIDO PATRICIO ANGELO JOSE PERCEBON ADERBAL PEDRO MANSUR ANTONIO CARLOS ROSSETTI ANTONIO C. PARRONCHI NETO CARLOS EVANDRO REFOSCO CARLOS R. D´ANDREIA MATHIAS CLAIR ROBERTO BARBOSA DANILO SAVOY BORTOLAN EDER LUIZ BATTISTELLA EDMUNDO GIACOM EDSON DIAS DA SILVA JOSE CARLOS LIMA LINCON NOLASCO LOPES FILHO MARCEL FRANCESCATTO OSMAR DE PAULA JÚNIOR RENAN CARLOS MARQUESIN RICHARD LUIZ MARQUESIN ROBERVAL DIAS CUNHA JUNIOR RUI ANTONIO GIRARDELLI SERGIO CANDIOTTO VITORIO LUCATO NETO ANGELO DE MUNNO NETO FABIANO MELLO DIAS MÁRCIO FRANCISCO MASSARO FULVIO E. M. DRAGO

51


Presidentes do Conselho de Administração

52

1966 a 1970

1971 a 1976

Olga Forster

José Bonk

1977 a 1978

1979 a 1996

José Justino Castilho

Aldo José Gonçalves

1997 a 2006

Desde 2007

Edison Fernandes Costa

Celso Aparecido Nogueira Viana


Com a união de esforços de toda a sociedade, construímos uma jornada de meio século em defesa das pessoas com algum tipo de deficiência intelectual e desprovidas de assistência especializada. A Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais de Limeira orgulhosamente reconhece e agradece a relevante contribuição, desejando que o futuro repita todos os acertos de uma história de sucesso, lutas e superação.

Apoiaram esta publicação:

Família Ubirajara Gomes de Mello

53


Revista 50 anos APAE Limeira  

Revista comemorativa dos 50 anos da Associação de Pais e Amigos dos Excepicionais de Limeira

Revista 50 anos APAE Limeira  

Revista comemorativa dos 50 anos da Associação de Pais e Amigos dos Excepicionais de Limeira

Advertisement