Page 1

Distribuição gratuita aos associados


Estamos a comemorar os 25 anos do CINDOR - Centro de Formação Profissional da Indústria de Ourivesaria e Relojoaria. Foi a AORP um forte dinamizador da sua criação sem a qual hoje não seria possível preparar e desenvolver a capacidade de dar a formação que a Ourivesaria tanto necessita.  O conhecimento tornou-se prioritário e o seu investimento converteu-se, actualmente, numa prioridade.   A inovação prevê uma necessidade contínua de aquisição do conhecimento.  A sua utilização aplicada ao sector de forma adaptada, criativa e constante, traz uma motivação à equipa com os resultados obtidos e que se transforma em produtividade qualificada. Hoje o objectivo das empresas é a procura da competitividade, do aumento de vendas, dos níveis de produção ou dos ganhos de mercado. A formação tem de ser um instrumento determinante no alcance destes objectivos. Não só pela qualificação dos recursos humanos, mas pela capacidade de melhoria do desempenho profissional na inovação dos seus produtos. 

Propriedade: AORP - Associação de Ourivesaria e Relojoaria de Portugal Avenida Rodrigues de Freitas, 204 · 4000-416 Porto - Portugal Tel: +351 225 379 161/2/3 · Fax: +351 225 373 292 · geral@aorp.pt · www.aorp.pt

Edição: Gabinete de Comunicação e Imagem da AORP rita.sousa@aorp.pt

Concepção Gráfica: Pinguim Design - Publicidade e Multimédia, Lda. Travessa de Paços de Ferreira, nº 16 4100-373 Porto

Tiragem: 2000 exemplares


4

////////////////////////////////////////////////////////////// JULHO/AGOSTO/SETEMBRO//2010 PÁGINA ///////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

Fundição em Areia Fomos até à oficina do Sr. Júlio Miguel Ferreira, ilustre prateiro portuense, que nos abriu gentilmente as suas portas e que juntamente com a sua equipa, nos explicou com alma e jeito de mestre, todos os passos desta técnica ancestral de fundição. É claro que o segredo dos seus fabulosos faqueiros não se encontra apenas no método que utiliza para fundir, mas sim, na colecção de mol-

Oficina de Júlio Miguel Ferreira - Porto

des que foi criando e acumulando em tantos anos ao serviço desta arte. O resultado da sua incrível amabilidade é esta foto-reportagem, que cremos ser ilucidativa desta técnica já tão pouco utilizada entre o sector, mas através da qual ainda se obtêm verdadeiras obras de arte, como é o caso dos faqueiros nascidos nesta oficina e que são procurados e levados para todo o mundo./

A fundição é um processo de fabricação onde um metal ou liga metálica, no estado líquido, é vazado para um molde com formato e medidas correspondentes aos da peça a ser produzida. Nesta que é a era da inovação tecnológica, este que lhe vamos mostrar, é o método mais tradicional utilizado em fundição – a fundição em areia.

Colocam-se as metades do molde sobre uma placa de madeira, limitando-se com um aro metálico externo.

Enche-se essa área com areia de moldar. São preparadas duas caixas “frascos”: uma para a moldação superior e outra para a inferior (o processo é igual).

Obtém-se uma superfície plana com os moldes marcados.

É necessária a compactação da areia na caixa de moldar.

Depois vira-se a caixa de moldação e retira-se a placa de madeira.

Após ser novamente pressionada e bem batida, a caixa é aberta e o molde é cuidadosamente retirado da areia – desmoldagem.

Aplica-se um pó de apartar nas superfícies de contacto


JULHO/AGOSTO/SETEMBRO//2010 ////////////////////////////////////////////////////////////// /////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////// PÁGINA

5

Repete-se o processo nas duas meias caixas.

Separam-se novamente as meias caixas e moldam-se canais de enchimento “gitos”.

Entretanto pesam-se os metais, de forma a ser preparada a liga de prata, e introduz-se num cadinho.

Colocam-se as duas meias caixas uma sobre a outra, apertam-se por intermédio de prensas e isolam-se por forma a resistirem às pressões e às forças de impulsão do metal líquido.

O cadinho com o metal é colocado na forja para iniciar o processo de fundição.

Finalmente vaza-se o metal líquido.

Assim que solidifique, procede-se ao abatimento da moldação e desmolda-se a peça, cortando-se o metal que ficou nos “gitos”.

Produto final.

Colecção de moldes.

Posteriormente realiza-se a rebarbação, a limpeza e finalmente o acabamento.


JULHO/AGOSTO/SETEMBRO//2010 ////////////////////////////////////////////////////////////// /////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////// PÁGINA

Filigrana Com o objectivo de estimular a exportação da ourivesaria tradicional portuguesa, dando-a a conhecer a um mercado de grande potencial, o Consulado-Geral de Portugal em Xangai, a delegação local da AICEP, a AORP e várias empresas do ramo da ourivesaria participaram numa iniciativa que decorou um dos maiores centros  comerciais  de Xangai

7

À conquista do mercado chinês

com corações em filigrana. A iniciativa, denominada "Portugal's Gold for Your Sweetheart" - "Ouro de Portugal para o Seu Amor", foi particularmente direccionada para um consumidor apreciador de produtos de prestígio./ in suplemento da revista Exame // Agosto 2010

////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////// A forma das coisas distingue-se melhor à distância:

Internacionalização

Aumento de 123% nas Exportações de Ourivesaria Portuguesa Fonte: http://www.ubifrance.fr/portugal/001B1002451A+portugal-les-exportations-d-or-font-un-bond-de-123-atteignant-plus-de-100-m.html

Tão habituados estamos a receber notícias de que pouco vai bem, de que há crise na economia, de que o sector vai mal, … que parece que perdemos a capacidade de reconhecer as boas notícias e os sinais de recuperação. Na realidade, deveríamos sentirmo-nos muito incomodados com o facto de um certo derrotismo estar a velar a real dimensão dos esforços de um sector em plena transformação. Imersa nesta disposição avizinhava-se a rentrée de Setembro, quando me deparei na internet com um pequeno artigo que despoletou uma série de ajustes no enfoque da problemática, e me permitiu vislumbrar luz ao fundo do túnel... O artigo em questão, publicado no site da Ubifrance, entidade de referência na internacionalização das empresas francesas, intitulado “Portugal: Les exportations d'or font

un bond de 123%, atteignant plus de 100 M EUR en 2009”, revela uma nova dinâmica que afecta a ourivesaria em Portugal, aporta dados e informações de interesse sobre a melhoria da capacidade exportadora e divulga as práticas de promoção das empresas. Este artigo é rematado com uma frase estrondosa que pode vir a ter amplas repercussões na ourivesaria nacional: “podemos pensar que o segmento da bijutaria/ourivesaria em Portugal não vai assim tão mal”. Este pensamento dá asas a diversas leituras: (1) o aumento da notoriedade da ourivesaria nacional no mercado francês (fortemente exigente); (2) o incremento das possibilidades de entrada no mercado francês do produto nacional; (3) a validação externa da(s) estratégia(s) nacional(ais) empreendida(s) pelas políticas públicas e pelas próprias empresas de valorização do sector.

Esta notoriedade poderá também ter repercussões na entrada de empresas francesas no mercado nacional. Quase em paralelo, a visita às Feiras Iberjoya e Bijutex, em Madrid, este mês de Setembro, permitiu-me contrastar os números com a realidade. A ourivesaria portuguesa estava representada por mais de 15 empresas, um número bastante superior à média registada nos últimos anos, o que corrobora na prática os dados do artigo, que situava o incremento das exportações para Espanha em 2009 em 347%. Simultaneamente, a confrontação com o parket da feira permitiu-me identificar a realidade de um novo perfil exportador de sucesso na ourivesaria nacional, alicerçado na oferta de artigos diferenciados, com uma forte componente de design apoiada na genuinidade da rica tradição da ourivesaria

nacional. Trata-se de um perfil empresarial e de produto que vem colmatar uma certa lacuna existente no mercado espanhol, e sem dúvida também em outros, entre os produtos massificados e os de luxo. Outro facto digno de realce é que pelo menos 10 das empresas beneficiaram de apoios para a participação na Feira, nomeadamente oito com uma representação agrupada apoiada pela AEP, em colaboração com a AORP. São dados que mostram a progressiva transformação do sector. Agora ficamos a aguardar com expectativa os novos dados para 2010./


8

////////////////////////////////////////////////////////////// JULHO/AGOSTO/SETEMBRO//2010 PÁGINA ///////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

Parcerias Estratégicas no Sector da Ourivesaria

Alianças para que servem? por António Trigo Morais

Utilizadas nas mais diversas culturas, carregadas de mais ou menos simbolismo, serviram e servem para selar um compromisso de namoro, ou como símbolo de união entre pessoas que se prometem uma à outra. Num sentido mais lato a palavra designa pacto ou acordo realizado. Assim através dos tempos tivemos alianças militares, políticas, comerciais e do mais variado tipo. Assim a palavra entrou no mundo dos negócios simbolizando o resultado de uma negociação entre partes para a persecução de determinados objectivos. Uma aliança quer pelo seu simbolismo quer pelo seu significado pressupõe em si força, seja ela no encarar a vida a dois, seja ela no âmbito militar político ou dos negócios. Já no século XV/XVI Vasco da Gama firma alianças com os reis de Cochim e Cananor onde edificou fortalezas e instalou feitorias para garantir a exclusividade do comércio das especiarias na zona.

Actualmente com a globalização dos mercados, a saturação de uns e emergência de outros mais distantes, existe uma maior dificuldade das empresas nomeadamente as PME’s em concorrer nestes mercados de forma permanente. De há uns anos a esta parte temos assistido a fusões e aquisições nos mais variados sectores, desde a indústria aos serviços, originando

empresas cada vez mais fortes com maior massa crítica e maior implantação nos mercados, isolando cada vez mais as PME nos seus nichos de mercado, incapacitadas por força da sua dimensão e consequente capacidade financeira para encetar e sustentar projectos de internacionalização. Este artigo pretende trazer à reflexão um problema que ao longo

dos anos de experiência, trabalhando com PME’s, Microempresas e observando o que as Grandes vão fazendo, me leva a concluir que muitas das respostas para os problemas podem e devem ser encontradas cada vez mais no exterior. Criar e manter parcerias, muitas das vezes quase informais, com Empresas com quem se vai partilhar, é o caminho a percorrer para resolver alguns dos problemas que todos, grandes e pequenos, sem qualquer excepção, atravessam nos dias de hoje. A solução é aparentemente muito simples, e consiste em, fazer cada vez mais uma utilização comum de recursos, físicos, financeiros, informação e conhecimento que outras Empresas podem ceder por troca ou partilha de outros que lhes fazem falta. Este é um caminho que

geralmente se inicia com muita facilidade, para não dizer leviandade, mas onde muito poucos chegam aos resultados esperados e, quando o conseguem, estão já muito atrasados no tempo - o que no fundo é meio sucesso, ou meio insucesso! Este artigo tem como principal corolário organizar as ideias e dá-las a conhecer para que possam ser trabalhadas e melhoradas de modo a terem utilidade prática para todos aqueles que necessitem ou tenham essa vontade para o futuro. O texto está organizado de modo informal e pouco preocupado em fazer “ciência” de um tema mais experimental do que teórico. Apresenta-se uma abordagem também acompanhada por esquemas que facilitam a compreensão, evitando-se muitas páginas desnecessárias.

Laboratório de Análise de Materiais Preciosos Empresa Fundada em 1983, iniciou a sua actividade em Análise e Purificação de Metais Preciosos. Ao longo dos anos, temos vindo a aumentar progressivamente a capacidade produtiva da empresa. Acompanhando este aumento de produção, tem sido nosso objectivo investir em novos equipamentos e modernas tecnologias para dar resposta às mais diversas exigências do mercado, sempre na perspectiva de oferecer melhor Qualidade.

Estrada D. Miguel, 640 4510-243 S. Pedro da Cova Tel. 22 466 25 20 Fax 22 467 31 75 geral@albinomoutinho.com www.albinomoutinho.com


JULHO/AGOSTO/SETEMBRO//2010 ////////////////////////////////////////////////////////////// /////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////// PÁGINA

Uma parceria é por definição, uma união de interesses entre 2 ou mais Pessoas que partilham recursos para alcançar objectivos concretos para gerar benefícios úteis para ambas as partes. Numa análise extrapolativa da questão, atendamos: • As Pessoas: podem ser também empresas ou outras instituições, mas no fundo não deixam de ser pessoas. • Os Recursos e benefícios: podem ser tangíveis e de fácil quantificação e/ou intangíveis com avaliação mais qualitativa. • Os Objectivos: podem e devem ser alterados em função do caminho e das oportunidades que surjam, tem de haver realismo, e não faz sentido seguir ideias que comprovadamente não funcionam. …. Obrigatória porque nos últimos anos estamos sempre em crise, acredito que se nada for feito irão ser cada vez piores. Os bons “velhos tempos” em que muitos de nós aprendemos e tivemos sucesso não chegam para responder às crises que aí vêm. A culpa é dos Preços, dos Concorrentes, dos Clientes, dos Fornecedores, dos Chineses etc. É relativamente fácil identificar que nestes factores reside a explicação mas não são a solução!! Há factores que não dependem de nós e as respostas terão de ser encontradas nas áreas em que podemos agir de forma mais directa e eficaz – a criação de parcerias e o trabalho em rede (networking) é sem qualquer dúvida um caminho de sentido obrigatório

Origens das alianças

Exemplos de alianças

principalmente para as PME’s, sem dimensão crítica para avançar sozinhas à velocidade imposta pelo mercado. .. mas não funciona! Todos nós somos capazes (e alguns até muito bons) a explicar das inúmeras razões porque as “coisas” não funcionam ou funcionam mal, eis algumas que considero mais relevantes: • Falta de participação e compromisso • Decisões tomadas pela Administração e até pelos advogados, mas postas em prática pelos Operacionais das Empresas • Foco direccionado para o que estão a perder no presente em vez de no que podem tirar de benefício no futuro • Assentes em Objectivos inexistentes ou mal definidos, apoiados num planeamento pouco rigoroso • Órfãs de planos de contingência e Incapazes de solucionar problemas que não foram previstos – indisciplina na decisão.

• Falta de experiência de trabalho em rede • Quando estas parcerias são criadas correspondem a uma reacção tardia a estratégias de sobrevivência individuais que exigem resultados em prazos muito curtos. .. e pode funcionar ? Para responder é necessário começar por trabalhar na identificação de objectivos que sejam mutuamente compatíveis. O estabelecimento desses objectivos tem de responder e clarificar a fronteira entre cooperação e competição – haverá sempre a formação de espaços tipo “terra de ninguém” ou de “conflito” que deverá sempre ser escrutinado e razão urgente para negociação e compromisso. O desenvolvimento de uma aliança cria novas actividades e preocupações que as Empresas e os Empresários nunca tiveram, e que agora são fundamentais ao sucesso. Deve existir vontade de minimizar os riscos de comportamentos oportunistas mo-

9

nitorando e gerindo os níveis de confiança: pessoal, das organizações e da informação que circula na rede conjunta. É importante a construção de um documento escrito que resulte de uma discussão séria e madura para dar mais segurança à aliança. Neste documento devem estar explicados os caminhos a percorrer, as datas, os indicadores e as expectativas que devem ser alcançados nas várias etapas construção e reforço da Aliança. Como as alianças que fazemos nas nossas Empresas, estas que aqui trazemos podem acabar em casamento, mas um período de namoro é muito importante para que tudo corra bem melhor!! Para quem começou a ler e não desistiu é porque o assunto lhe interessa, trata-se de um resumo do que pretendo dizer e para avaliar o interesse em continuar e aprofundar este tipo de trabalho - ou se ficaremos por aqui./

//////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////


10

/////////////////////////////////////////////////////////// JULHO/AGOSTO/SETEMBRO//2010 PÁGINA ////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

Conselho Mundial do Ouro

Procura de jóias em ouro cai 5% na escala global O  novo relatório do Conselho Mundial do Ouro alerta para a ocorrência de uma desaceleração da  procura de jóias em ouro proporcionada pela incerteza de recuperação da economia mundial e pelo alto preço do

metal, excepto na China que aumentou em 5%, mas a procura global caiu em 5%. Na Índia, o maior mercado do mundo, a procura de jóias caiu em volume  cerca de  2%, mas cresceu 20%

em valor. Contudo, o mesmo não acontece com a procura do ouro como investimento, cuja  procura mundial em toneladas aumentou 36  %   no segundo trimestre, de acordo com o relatório

do Conselho Mundial do Ouro. A procura continuará "robusta" para o restante ano de 2010 devido à procura forte dos consumidores da Índia e da China, bem como ao refúgio seguro dos investidores globais./

//////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

Bruno da Rocha Vogue Fashion’s Night Out Madrid Bruno da Rocha participou na "Vogue Fashion’s Night Out Madrid", o maior evento de promoção e celebração da moda, organizado simultaneamente em Nova Iorque, Londres, Paris, Milão, Atenas, Moscovo, São Paulo, Nova Delhi, Beijing, Berlin, Tokyo e Taipei pela revista Vogue. O designer, expandindo os seus ho-

rizontes, abriu um show-room no quadrilátero do luxo da capital espanhola, na rua Cláudio Coelho do Bairro de Salamanca em Dezembro de 2009.  Este envolvimento  na "noche de la moda de Madrid" teve como objectivo para a marca, afiançar a sua imagem de exclusividade e acompanhar muito de perto as tendências mundiais da moda e o design. A "Vogue Fahion’s Night Out Madrid"

www.brunodarocha.com coincidiu com as Feiras Iberjoya e Bisutex, organizadas entre os dias 8 e 12 de Setembro. Bruno da Rocha cria jóias que ganham formas oníricas e dramáticas inspiradas numa paixão entre a terra e o céu. A marca conta ainda com um atelier em Gaia e  está especializada na produção de peças de autor em prata, com um alto conteúdo de criatividade./


JULHO/AGOSTO/SETEMBRO//2010 //////////////////////////////////////////////////////////// //////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////// PÁGINA

11

Entrevista com

Helena Esteves Felgas Directora da Unidade das Contrastarias da Casa da Moeda desde 2009, Helena Esteves Felgas conta com 84 funcionários em Lisboa e Porto. O que mudou sob a sua direcção ou, qual o futuro que pretende para as Contrastarias, foi o que fomos saber.

Após um ano à frente da Unidade de Contrastarias, o que mudou... que Contrastaria podemos esperar sob a sua direcção? Entrei de facto em funções como Directora das Contrastarias, deixando o meu lugar de Directora do Departamento Jurídico da INCM, no dia 1 de Setembro de 2009. Cada pessoa tem o seu modo de gerir os lugares que ocupa e certamente algumas alterações fiz desde que estou aqui, independentemente de o meu colega antecessor ser certamente uma pessoa de grandes qualidades de gestão. As mudanças tiveram lugar no aumento de pessoal para a marcação de Lisboa, num esforço de um maior contacto com o utente utilizando o Email, na execução de cursos e exames de ensaiador/fundidor e cursos de avaliador e num esforço de prestar os nosso serviços da melhor forma e prazo possível, atendendo às contingências que existem. Saiu recentemente num jornal nacional uma reportagem onde afirma com algum desânimo que "Podíamos ser a galinha dos ovos de ouro... E damos prejuízo." Quais as principais dificuldades orçamentais das Contrastarias e a que se devem? Creio que sabe que os emolumentos da Contrastaria – o preço da prestação da maioria dos seus serviços, incluindo a marcação e os exames laboratoriais - estão fixados em Portaria. Emolumentos (preços) estes que, fixados em 1990, nunca sofreram qualquer alteração desde essa data. Os custos de estrutura, incluindo água, luz, salários, segurança social, etc. são, como é óbvio, a valores de 2010, contudo, os serviços que prestamos são a valores de 1990. Quando utilizei a expressão “ galinha dos ovos de ouro” foi com intuito de enfatizar esta questão. Esta actividade tem toda a possibilidade de ser financeiramente sustentável e de as

receitas que gerar cobrirem os custos fixos e variáveis da mesma. Temos feito um esforço para actualizar os emolumentos e até produzimos já dois projectos de nova legislação aplicável ao sector de ourivesaria e às contrastarias. Qual o papel actual das Contrastarias no sector, comparando com os outros países onde estas não existem? Cada vez há um maior número de Países a criarem contrastarias. Veja-se o exemplo da índia – já com 40 Contrastarias, da Itália, de Singapura, da China. A meu ver até países que não tinham uma tradição de colocar o contraste começaram a ver a importância do mesmo, não só na defesa do consumidor, mas até no combate ao branqueamento de capitais. O papel principal da Contrastaria em Portugal é o de defesa do consumidor mas, acresce também a própria defesa do produtor ou do importador, pois o contraste dá ao produto em si uma garantia de qualidade e de fidelidade que a sua ausência coloca em causa. Por exemplo, em duas peças iguais, uma falsificada e uma verdadeira, certamente será verdadeira a que tiver o punção da Casa da Moeda e falsa a que não o tiver. E estão a aparecer peças falsificadas de um produto actualmente muito em voga sendo que o Produtor sabe quando a peça é a sua, não só pela qualidade do produto, mas também porque a sua peça está marcada e a outra não. Isto tem importância até por questões de troca de produtos, produtos defeituosos. Já apareceram casos de clientes a quererem trocar na loja produtos defeituosos de uma determinada marca, tendo se verificado que afinal não era dessa marca mas sim uma falsificação, já que nem marcados estavam. Nesta que é definitivamente a era da revolução tecnológica e da investigação, de que forma é que estas

Helena Esteves Felgas – Directora

Departamento de Marcação da Contrastaria de Lisboa

têm sido integradas no vosso trabalho diário? As Contrastarias estão actualizadas em termos do equipamento que possuímos. Os nossos laboratórios estão acreditados pelo Instituto Português de Acreditação para ensaios laboratoriais com base da Norma NP EN ISO/IEC 17025. Temos duas máquinas de espectrómetro de emissão de plasma indutivo (ICP), uma em Lisboa e outra no Porto, para além de vários equipamentos de espectrometria de fluorescência de RX dispersiva de energias (EFRXDE).Temos ainda vários Potenciómetros. A breve prazo vamos começar a fazer também a marcação dos metais preciosos com utilização do Laser. Vamos adquirir uma máquina de marcação a laser ainda este ano ou no inicio do próximo. Tendo em conta que conhece todo o tecido empresarial que leitura faz da evolução do sector em Portugal? Sabe que em Portugal há áreas muito desenvolvidas no sector da ourivesaria, com grande iniciativa e sentido de inovação no produto. Por exemplo, Póvoa de Lanhoso há um núcleo bastante grande e empreendedor de jovens que trabalham com metais preciosos e que criam novos conceitos na ourivesaria. Mas, é evidente que neste momento os nosso empresários estão a defrontar-se com a entrada de produto barato, aceitável em termos de de-

sign, com fraco teor de ouro ou prata mas que se vende, fazendo uma enorme concorrência ao produto produzido em Portugal, por tradição de alto teor em ouro (AU 800gr.), concebido e fabricado por mão de obra a preços europeus. Mas creio que os nossos produtores e exportadores devem manter a qualidade do produto, acrescentandolhe design pois será isso que os distingue da produção em massa, com produto de fraca qualidade. Acha que a legislação actual que regula o sector - Regulamento das Contrastarias, se ajusta às necessidades da ourivesaria? De forma nenhuma. A legislação está completamente desactualizada. Que aspirações tem para o futuro das Contrastarias? A aspiração que permite fazer alterações profundas tem a ver com receitas já que nada funciona sem custos/receitas. Assim a actualização dos preços é essencial, sem isso nem futuro existe. A Contrastaria deve acompanhar a evolução dos tempos e as necessidades do mercado gerindo a sua actividade de forma sustentável e empreendedora. Neste contexto uma das prioridades da INCM é a reestruturação do serviço de contrastaria, ou seja, em linha com as soluções mais avançadas das suas congéneres europeias, pretende propor a reformulação do actual modelo de negócio./


12

/////////////////////////////////////////////////////////// JULHO/AGOSTO/SETEMBRO//2010 PÁGINA ////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

Entrevista com César Ferreira O CINDOR - Centro de Formação Profissional da Indústria de Ourivesaria e Relojoaria - criado em 26 de Dezembro de 1984 por protocolo entre o Instituto do Emprego e Formação Profissional e a então Associação dos Industriais de Ourivesaria e Relojoaria do Norte, hoje AORP, é o único centro de formação profissional em Portugal instituído especificamente para o sector da ourivesaria e relojoaria. Passados dois anos sobre a nomeação de César Ferreira, economista e actual director do CINDOR, fomos saber como se en-

Director do CINDOR

Como caracteriza esta fase de arranque, tendo em conta que são o único centro de formação profissional direccionado exclusivamente para o sector da ourivesaria e relojoaria? Estamos com boas expectativas para este período que se inicia, temos previsto iniciar três cursos de educação e formação de adultos, dois na área da ourivesaria e um de informática, e três cursos do sistema de aprendizagem para os jovens, durante o mês de Outubro, um de técnico de apoio à gestão um de técnico de ourivesaria e um de informática. Ano após ano tem havido oscilações positivas ou negativas na entrada de formandos? O CINDOR tem aumentado significativamente o número de formandos

contra esta escola profissional no início de mais um ano lectivo. abrangidos todos os anos. Quando decidimos participar no Programa Novas Oportunidades conseguimos abranger um número de formandos significativo e este ano vão passar pelo CINDOR cerca de três mil formandos nas diversas modalidades de formação, sendo a mais significativa, a Formação Modular Certificada, que são acções de curta duração (25 ou 50 horas) para aperfeiçoar competências específicas, tanto nas áreas das competências gerais (Informática, linguagem e comunicação e línguas estrangeiras como o inglês e o espanhol) como nas competências específicas que passam pelo desenho a 2D e 3D, joalharia, cravação, microfusão, banhos químicos e relojoaria. Quais são as infra-estruturas do

Centro de Formação? O CINDOR está dotado de todas as infra-estruturas necessárias para o desenvolvimento da formação na área da ourivesaria e relojoaria, temos oficinas de joalharia, cravação, pratas, cinzelagem, relojoaria, um laboratório de metais, um gabinete de prototipagem rápida, um sector de fundição equipado com equipamento actual, salas de informática, salas teóricas, um auditório, uma mediateca e um conjunto de equipamentos e máquinas de apoio ao sector.    Que investimento foi efectuado nos últimos dois anos? A nossa aposta passou por dois vectores, um direccionado para as infra-estruturas e outro para equipamento de apoio à formação. Ao

nível das infra-estruturas criamos um posto de atendimento recepção do Centro de Formação, eliminamos algumas barreiras à mobilidade, estruturamos uma rede de dados de apoio à actividade do centro, desenvolvemos um site e criamos um espaço de exposição permanente no nosso auditório. Ao nível dos equipamentos afectos à formação adquirimos equipamento informático, uma máquina de prototipagem rápida moderna e uma carrinha de transporte de equipamento e pessoas.    Quais são as expectativas das pessoas quando chegam ao CINDOR? A maioria das pessoas que chegam ao CINDOR tem a expectativa de concluir um curso de formação e arranjar um emprego na área da sua formação.


JULHO/AGOSTO/SETEMBRO//2010 //////////////////////////////////////////////////////////// //////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////// PÁGINA

Há alguma estreia na oferta formativa? Estamos a desenvolver, desde 2009, formação na área da relojoaria, iniciamos com formação para activos, formação não financiada, mas que teve uma adesão muito boa e posso afirmar que esta aposta foi um sucesso. Já desenvolvemos três cursos de 50 horas e a avaliação por parte dos formandos foi muito boa. A prova da qualidade é que a maioria dos formandos frequentou mais do que um módulo.  Quantos adultos já se certificaram neste Centro de Formação? Para responder a essa questão temos que dividir a nossa resposta em três planos, num primeiro plano vamos considerar os adultos e jovens certificados por um curso de formação de longa duração e neste modelo temos, nos últimos anos, cerca de 100 a 150 pessoas certificadas, por ano, nas diversas áreas de formação, seja joalharia, ourivesaria de pratas ou informática, num segundo plano, temos o Centro Novas Oportunidades que desde o seu início já certificou cerca de 1.600 pessoas com o nível básico ou secundário (6º, 9º e 12º ano), e num terceiro plano temos a Formação Modular Certificada dirigida para os trabalhadores do sector onde desen-

volvem as competências específicas e transversais e, nos últimos anos temos desenvolvido formação para 2.000 a 2.500 formandos por ano. Considera importantes as parcerias com instituições similares? As parcerias são fundamentais para desenvolvermos a nossa actividade e contamos parcerias bastante importantes onde temos obrigatoriamente que começar pelos elementos que criaram o CINDOR, o IEFP, IP. e a AORP, mas temos outras parcerias que foram criadas ao longo do tempo com a Câmara Municipal de Gondomar, com a Universidade Católica, com o Palácio das Artes, com a Casa Museu Guerra Junqueiro, com Associação Portuguesa de Gemologia, com a SONAE Distribuição e muitas outras empresas e entidades com as quais tentamos desenvolver a nossa missão que passa por desenvolver os recursos humanos do sector da ourivesaria, promovendo a qualificação profissional e escolar, dina-mizando a inovação a criatividade e o conhecimento através de uma estreita relação com todos os intervenientes. Neste momento em que o CINDOR celebra os seus 25 anos quais as iniciativas que já efectuaram e vão efectuar para comemorar esta data? Para este ano elaborámos um pla-

Concurso de Ourivesaria “CINDOR 25 Anos”

13

Máquina de Prototipagem

no de comemorações que começou com a promoção de vários seminários sobre temas específicos da formação profissional e do sector de ourivesaria, que já decorreram e outros que ainda vão ocorrer, lançámos alguma publicidade nos jornais, vamos organizar um seminário

de comemoração dos 25 anos no final deste ano e lançámos um concurso para os formandos e ex-formandos do CINDOR para apresentarem peças a concurso que terão a oportunidade de ser expostas para toda a comunidade e poderão, caso ganhem, ter um prémio monetário./  


14

/////////////////////////////////////////////////////////// JULHO/AGOSTO/SETEMBRO//2010 PÁGINA ////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

Empresas Portuguesas à conquista do Mercado Espanhol De 8 a 12 de Setembro de 2010, a Iberjoya reuniu no Pavilhão 10 da Feira de Madrid a mais ampla representação do sector da ourivesaria. Na 45.ª edição da feira, estiveram presentes 385 empresas, das quais 121 eram internacionais, oriundas de 17 países diferentes. De acordo com os dados fornecidos pela feira, a Iberjoya revalidou a sua posição como um dos certames de foro sectorial mais completos em Espanha. Ali foi possível conhecer as propostas e tendências mais inovadoras da indústria da ourive-

saria mundial. A feira afirmou-se mais uma vez como uma importante plataforma impulsionadora da actividade comercial das empresas, permitindo oportunidades de negócio num momento particularmente delicado para os sectores de bens de consumo. A aposta portuguesa na Iberjoya foi organizada pela AEP – Associação Empresarial de Portugal, em parceria com a AORP – Associação de Ourivesaria e Relojoaria de Portugal, que coordenaram a participação de nove empresas do sector da

ourivesaria com apoios do QREN: · A.J.C. – Iluminada Mendes · Fernando Rocha Joalheiro, S.A. · Finouro – Ouro Fino, Lda. · Mimata, Lda. · Flamingo, S.A. · J. Barbosa, Lda. · Magajóias – Joalheiro Unipessoal,Lda. · Joana Caldeira – Criação de Jóias e · José Carlos & Filhas Joalheiros, Lda. Fora da participação colectiva portuguesa, mas representando também Portugal e a sua indústria de ourivesaria, estiveram ainda outras

empresas portuguesas: · Gabriela Styliano · Marques & Gomes · Eugénio Campos · Cartijóia · Coimpack e · Pekan./


JULHO/AGOSTO/SETEMBRO//2010 //////////////////////////////////////////////////////////// //////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////// PÁGINA

15

Inauguração da

Galeria da Jóia No dia 16 de Julho nasceu no Porto um lugar único, onde se materializaram as mensagens intemporais de ourivesaria expressas numa filosofia de cultivo permanente de proximidade entre ambas. Este ambicioso projecto pretende ultrapassar as limitações de uma loja de ourivesaria, extrapolando a sua actividade para a divulgação do património artístico nacional. A dinâmica do espaço assenta na permanente organização de eventos de arte, desde o primeiro, presente na inauguração, que nos trará as memórias do sector de ourivesaria no norte, por via de uma exposição inspirada no tema de filigrana portuguesa.

Tiago e Luísa Magalhães

Fátima Santos e Danuta Kondec

No futuro o espaço contribuirá com diversas exposições dos artistas portugueses, fazendo jus ao seu nome de "Galeria da Jóia"./

A visitar: Rua 31 de Janeiro nº186, Porto

//////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////


Conferência

Moda Global

A Conferência Internacional Moda Global: Contextos Criativos e Inovadores foi realizada na sua primeira edição pela Universidade de Florença em 9, 10 e 11 de 2009.

Este ano, nos dias 11, 12 e 13 de Novembro o CEPESE - Centro de Estudos de População, Economia e Sociedade da Universidade do Porto acolhe e promove a realização da 2ª edição. Nesta Conferência pretende-se promover a divulgação de trabalhos de investigação recentes, abordando a moda de uma forma pluridisciplinar. De facto, as dimensões estéticas e éticas que estão na origem do fenómeno moda contribuíram para o desenvolvimento de uma fileira, onde se cruzam diferentes sectores económicos de actividade com relevância mundial. Estes sectores não podem ser vistos de uma forma parcelizada, com um âmbito de acção restrito. Existem sinergias e diálogos que promovem a criação de valor acrescentado e resultam numa melhoria da qualidade da vida humana.

Por isso, nesta Conferência estarão em foco realidades tão diferentes como a evolução positiva do consumo ético, a presença dos valores da marca na arquitectura e o surgir dos bairros de moda dentro da cidade e a comunicação “bloggista”. A riqueza de conteúdos é o ponto de partida para uma troca de experiências e saberes entre o mundo académico, empresarial e o sector público que se pretende incentivar. A Conferência terá lugar no Porto, na Fundação Eng.º António de Almeida. Mais informações podem ser dadas através do email: globalfashionconference@gmail. com, ou na página do Facebook./

A Conferência tem como parceiros na sua organização o Pólo de Competitividade da Moda, o CITEX e o CITEVE.

16

/////////////////////////////////////////////////////////// JULHO/AGOSTO/SETEMBRO//2010 PÁGINA ////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////


JULHO/AGOSTO/SETEMBRO//2010 //////////////////////////////////////////////////////////// //////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////// PÁGINA

17

White Party Eugénio Campos No passado dia 3 de Julho decorreu a White Party by Eugénio Campos no Forte de S. João em Vila do Conde que foi mais um enorme sucesso da Eugénio Campos Jóias, uma festa que decorreu num ambiente requintado e onde diversão foi a palavra

chave. Neste evento estiveram presentes várias figuras públicas, o joalheiro Eugénio Campos e família, Sónia Araújo, Susana Camelo, Gio Rodrigues, Cátia Tavares, Elsa Barreto, Rafael Freitas, entre muitos outros./

//////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

Hotel Meliã Inaugurou no passado dia 03 de Setembro o Meliã Braga Hotel & Spa, o primeiro hotel português que escolhe como tema decorativo a Ourivesaria Tradicional Portuguesa. A decoração da entrada conta inclusive com uma escultura de um enorme coração de Viana. Este projecto decorativo é da autoria da decoradora Nini Andrade e Silva, premiada como melhor decoradora europeia de interiores e contou com a preciosa colaboração do Dr. Manuel Freitas (Ourivesaria Freitas / Viana do Castelo).

A cerimónia de inauguração contou com a apresentação de Marisa Cruz e com a presença de muitos e ilustres convidados.

O espaço conta ainda com uma galeria/loja exclusivamente dedicada à Arte e ao Design Português e onde se encontram expostas peças da

autoria de empresas do nosso sector como a Ouropa, Manuel Alcino & Filhos e Eleuterio./

//////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

Sto. Elói

À semelhança do que vem sendo hábito, no próximo dia 01 de Dezembro, dia de Sto Elói, Padroeiro dos Ourives, comemorar-se-ão em vários locais do nosso país, com especial destaque para as cidades do Gondomar, Guimarães e Porto, várias celebrações em sua homenagem. Nestas três cidades, as comemorações iniciarão com missas celebradas em Honra deste Padroeiro dos Ourives, na Igreja de São Dâmaso

em Guimarães, na Igreja Matriz de S. Cosme em Gondomar e no Altar Privativo de Stº Elói na Igreja de São Nicolau no Porto.

Num ambiente de festa, às celebrações religiosas, seguir-se-ão almoços de confraternização que reunirão muitos ourives e respectivas famílias, assim como representantes de entidades religiosas e civis das várias cidades. No Porto, mais uma vez, a AORP organizará um almoço de Sto. Elói na sua sede, recebendo os seus associados, num ambiente de festa e de luz, no salão nobre do seu Palácio. Os presentes poderão desfrutar de um menu natalício, neste que é um dia muito especial para todo o sector./


18

/////////////////////////////////////////////////////////// JULHO/AGOSTO/SETEMBRO//2010 PÁGINA ////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

Estatísticas das Contrastarias Mercado Interno

1 - Evolução do ouro e da prata em 2010 (de Janeiro a Agosto)

2 - Comparação entre a Contrastaria Porto e Lisboa (em termos de quantidade)

No decorrer da análise dos gráficos ilustrados podemos tecer vários comentários: · Contrariamente ao petróleo, o preço do ouro tem estado a subir consistentemente nos últimos meses. Nos últimos dias, esta subida tem sido pronunciada. O ouro é um refúgio para investidores que queiram congelar o poder aquisitivo das suas poupanças, resguardando-as quer da inflação monetária quer da volatilidade bolsista. · Ora, o crescimento acentuado da emissão monetária do último ano (nomeadamente pela Reserva Federal norte-americana e pelo Banco Central Europeu), terá consequências inevitáveis no poder aquisitivo do dólar norte-americano e do euro. · Como nos temos deparado com au-

activos financeiros e como meio de protecção contra a inflação. Assim como o ouro, a prata tem servido como dinheiro real e autêntico, reserva de valor e meio de enriquecimento, e isso há pelo menos 5.000 anos, comprovadamente. · O preço da prata é determinado pelo seu papel como poderoso activo financeiro e também pela sua demanda para fins industriais. Embora o preço da prata possa variar, o seu valor intrínseco como metal precioso é imutável e permanente. · Sendo assim, muitos experts em finanças sugerem aos investidores que, de modo nenhum, deixem a prata de fora de seus portfolios de investimentos. E porquê? · Uma das principais razões é o facto de a prata superar, de longe, prati-

mentos excessivos no preço do ouro as empresas para “sobreviverem” no sector viram como única solução trocar a produção em ouro pela produção em prata. · Já tendo sido chamada de "o ouro dos pobres", a prata vem ascendendo patamares surpreendentes de valores como activo financeiro e como bem de valor industrial. · A História regista que uma das primeiras grandes minas de prata foi encontrada há milhares de anos atrás, em Anatólia, na actual Turquia. Pelas suas peculiaridades únicas, a prata encontra diversas aplicações para o dia-a-dia da humanidade. · Para a maioria dos investidores, a prata pode-se constituir num excelente meio de diversificação de

3 – Evolução dos Toques do Ouro na Contrastaria do Porto

camente todas as formas de reserva de valor, excepção se fazendo ao ouro e aos diamantes. Por exemplo, entre 1971 e 1981, enquanto o dólar norte-americano perdeu quase a metade do seu valor, a prata elevou-se de preço quase quintuplicando de valor. · Mas, e sobre o futuro? A prata tipicamente encontra-se com o seu valor desfasado em relação ao ouro, porém, o preço da prata sempre segue a subida do preço do ouro. E como tudo indica que o ouro não parará de subir de cotação, não demorará muito até que o preço da prata suba, ainda que, tipicamente, com um desfasamento de tempo./

4- Evolução dos Toques da Prata na Contrastaria do Porto


JULHO/AGOSTO/SETEMBRO//2010 //////////////////////////////////////////////////////////// //////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////// PÁGINA

19

Comitiva de África do Sul Na sequência de uma parceria estabelecida entre a AORP e a Embaixada de África do Sul, recebemos, no dia 8 de Julho, a visita do Cônsul da África do Sul em Portugal, Sr. António Schneider da Silva que se fez acompanhar na sua Comitiva, da Directora da Unidade de Desenvolvimento Comercial Sul Africana, Ms. Phinah Mukwevho e de N. Sifuba, Segundo Secretário da Embaixada. O contacto desta Comitiva da África do Sul com escolas e empresários portugueses tem como objectivo desenvolver parcerias de formação e/ou negócios entre África do Sul e Portugal. Após a visita à sede da AORP, a comitiva prosseguiu para o CINDOR, sendo guiados por Maria do Carmo e

pelo Formador Paulo Martinho, que os acompanharam no conhecimento de uma das escolas profissionais mais relevantes do sector. Seguiu-se posteriormente para a Universidade do Minho, dando-se a conhecer o Projecto Gradouro, liderado pelo Prof. Filipe Samuel Silva do Departamento de Engenharia Mecânica.

A visita terminou nas instalações da empresa Fernando Rocha Joalheiros, S.A., uma das maiores em-

presas portuguesas de produção de ourivesaria, sediada em Guimarães.

//////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

Sociedades Comerciais Taxa supletiva de juros moratórios em vigor no 2º semestre de 2010 é de 8% Aviso nº 13746/2010 12 de Julho (in DR, nº 133, II Série, de 12.7.2010) Em conformidade com o disposto no nº2 da Portaria nº 597/2005, publicada no Diário da República, 1.ª série – B, nº137, de 19 de Julho de 2005, dá-se conhecimento que a taxa supletiva de juros moratórios relativamente a créditos de que se-

jam titulares empresas comerciais, singulares ou colectivas, nos termos do parágrafo 3º do artigo 102.º do Código Comercial, em vigor no 2.º semestre de 2010 é de 8,00%. N.R. Refira-se que para o 1º semestre de 2010 a mesma taxa foi fixada

em 8% pelo que não há alteração a registar para o 2º semestre de 2010. Quanto a 2009 recordamos que aquela taxa foi de 9,50% no 1º semestre e de 8% no 2º semestre. in Boletim do Contribuinte // Julho 2010

//////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

Gümüs

by António Marinho Jóias de Princesa 5% das receitas apuradas apoiam o Espaço t a transformar Homens em Príncipes. A Gümüs, inspirada na parceria de Responsabilidade Social com o Espaço t, criou um conjunto em prata e ouro de 9 kt com pedras naturais, intitulado “Jóias de Princesa” e 5% das receitas apuradas revertem a favor do Espaço t – Associação para o Apoio à Integração Social e Comunitária, criada em 1994 no Porto. A assinatura do protocolo de parceria entre a António Marinho e o

Espaço t realizar-se-á no dia 22 de Setembro pelas 15h00, na Portojóia.

O Espaço t é uma Instituição Particular de Solidariedade Social com fins de saúde e com Estatuto de Utilidade Pública, vocacionada para o apoio a indivíduos com dificuldades bio-psico sociais e a indivíduos ditos “normais”.


20

/////////////////////////////////////////////////////////// JULHO/AGOSTO/SETEMBRO//2010 PÁGINA ////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

Diamantes Sintéticos CVD, que futuro na indústria da joalharia? Desde há anos a esta parte que os diamantes sintéticos produzidos pelo método CVD (Chemical Vapour Deposition Rui Galopim de Carvalho

deposição química a vapor), que usa altas temperaturas e baixas pressões, são notícia nos meios gemológicos.

A razão de ser fundamental da sua produção nem é tanto a joalharia com o fornecimento de pedras lapidadas, mas sim outras indústrias tecnológicas como, por exemplo, a electrónica e telecomunicações. São essas aplicações que têm feito chegar aos centros de investigação e desenvolvimento fundos consideráveis para a pesquisa de métodos de produção nos vários tipos de diamantes (com e sem azoto, com e sem boro) destinados a aplicações variadas. Daqui tem resultado, assim, o aproveitamento de alguns destes diamantes através da lapidação e o mercado já os integrou, apesar da pequena escala em que são produzidos no presente momento. Diga-se que devido às limitações actuais decorrentes dos métodos de crescimento de cristais, ainda não é inte-

ressante do ponto de vista económico fazer cristais de diamante sintético CVD incolores, sem azoto (tipo IIa), sendo o longo tempo de produção um dos constrangimentos, mas a evolução do conhecimento científico pode alterar esta realidade. Todavia, já é possível desenvolver cristais de diamante não incolor (com azoto, tipo I) em dimensões que permitem a lapidação de pedras com mais de 0,50 cts. Sabe-se, também, que os vários tipos de tratamento conhecidos (p. ex. HTHP - alta temparatura e alta-pressão) permitem alterar a cor destas pedras para tons mais comerciais e laboratórios gemológicos internacionais já os detectaram nas suas análises de rotina. O problema maior dos diamantes sintéticos CVD não decorrerá da produção de pedras “grandes”

Câmara de crescimento de cristais CVD em alta temperatura e baixa pressão

que, em regra, são alvo comum do trabalho de identificação e classificação dos laboratórios gemológicos com vista à emissão de certificados. A questão central são as pedras pequenas, abaixo de 0,15 ou 0,10 cts, que raramente são sujeitas a triagem (salvo raras excepções, como sucede, por exemplo, com as grandes casas relojoeiras). Para estas pedras, teme-se a sua introdução em lotes de diamantes naturais, o que as dissemina no mercado de forma silenciosa. Atendendo a que para estes lotes de diamantes, de mais baixo custo, não se procede a inspecção individual das gemas, pode aqui criar-se um problema de confiança do consumidor que não é de todo desejável para a indústria. Sabendo disso, os lideres mundiais do sector, encorajados pela CIBJO The World Jewellery Confederation, e pelos membros mais destacados da indústria do diamante, como a De Beers, estão empenhados em desenvolver esforços e tecnologias de triagem e detecção destas situações para poderem apresentar os seus produtos ao consumidor com todas as garantias. Neste momento, gemólogos e investigadores unem-se para estudar estas soluções que passam pelo conhecimento profundo das propriedades destas pedras e pelo desenvolvimento de mecanismos automatizados, rápidos e pouco

Livro disponível para venda na AORP

onerosos de triagem. Este empenho antecipa, assim, a inevitável entrada no sector de quantidades apreciáveis deste tipo de sintéticos que, no momento, é apenas vestigial e muito localizada. A AORP tem inclusivamente promovido a distribuição do livro “Diamantes de Laboratório” da autoria do investigador Branko Deljanin, que apresenta de forma sucinta o panorama actual desta questão cada vez mais actual, oferecendo ao leitor conhecimento sobre a matéria. Sendo o consumidor o motor deste sector, é para ele que se envidam os esforços necessários para que a sua confiança nos produtos de joalharia seja intocável a todos os níveis./


JULHO/AGOSTO/SETEMBRO//2010 //////////////////////////////////////////////////////////// //////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////// PÁGINA

21

Flash Interview Maria João Costa Designer de Joalharia Quem é a Maria João Costa? Nasci no Porto, cidade na qual fiz todo o meu percurso escolar / Formação. Actualmente sou Professora e Designer de Ourivesaria. Desenhava muito em criança? Recordo-me que sempre desenhei muito, era uma actividade que fazia parte do meu dia-a-dia. Quando é que começou a pensar em dar forma ao jeito para desenho? Quando fiz o liceu tive bons professores que me incentivaram a seguir o curso de artes. Embora durante a adolescência estivesse indecisa entre qual das áreas do Design iria seguir mais tarde. Qual foi a primeira jóia em que reparou, consegue recordar-se? Quando surgiu a sua aproximação a este sector? Lembro-me perfeitamente, foi um colar da minha avó que eu vi pela primeira vez quando tinha nove ou dez anos, é talvez a recordação mais antiga que tenho de prestar atenção a uma jóia. Em 1996/97 participei na primeira pós-graduação que houve em Portugal em Design para Ourivesaria e Joalharia, tendo realizado o projecto final na empresa de Filipe Teles, o qual me permitiu aplicar numa situação real os meus conhecimentos nesta área que é tão específica. Quando iniciou o seu percurso de penetração no mercado, quais foram os maiores obstáculos com que se deparou? Naquela altura, a maior barreira, era convencer os empresários que

as minhas ideias/projectos enquanto designer deste sector eram comerciais. Porque ser designer de ourivesaria em Portugal em 1997 não era uma profissão devidamente reconhecida, sendo muitas vezes confundida com uma criativa de Jóia de Autor. A diferença ente Design de Ourivesaria e Jóia de Autor era muito pouco clara. Existe hoje  dentro do sector um olhar diferente sobre o papel do designer? Num espaço de 10 anos muita coisa mudou, o que inicialmente era visto como um acréscimo de custos, hoje é encarado como um complemento para o sector. O designer/design passou a ter um papel activo/participativo nesta indústria. Qual o maior desafio na criação de uma colecção de jóias? Saber responder da melhor forma às reais necessidades do nosso cliente, sendo criativos e versáteis. O que faria de diferente nas suas colecções, se não ‘tivesse’ que as vender?

Nada. Trabalharia exactamente da mesma forma. A criação de uma colecção é um trabalho de equipa que começa no designer e percorre várias secções até ao produto final. Vender uma colecção é só a etapa final que não põe em causa nada do que já está feito para trás.

Como é que o consumidor de jóias tem evoluído e como prevê que evolua? Hoje em dia temos um consumidor mais atento e selectivo nas suas escolhas. O factor “moda” tornou-se determinante em muitas situações, como é o caso da escolha da cor das pedras. Tem também dedicado o seu tempo à formação (como professora). Fale-nos  um bocadinho sobre isso. Ser professora é uma das minhas actividades profissionais, que desde sempre tem funcionado em paralelo com o design. Por um lado posso ensinar as várias vertentes do desenho

por outro na Universidade Católica permite-me leccionar Design de Joalharia e Projecto Final, ou seja, através da metodologia processual, ensinar a um aluno como se parte de uma ideia/ conceito e se chega a uma colecção com várias peças, respeitando técnicas e materiais. Projectos, Sonhos...? Espero continuar nos próximos anos a leccionar e a fazer projectos nesta área, conseguindo desta forma contribuir para uma nova imagem da nossa joalharia, tendo sempre como ponto de partida o nosso mercado, mas com o objectivo de levar a joalharia portuguesa além fronteiras./

:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: BI :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: NOME: Maria João Costa ACTIVIDADE PROFISSIONAL: - Designer de Joalharia - Professora no Ensino Público - Professora na Universidade Católica nos graus de Pós-graduação e Mestrado em Design de Joalharia FORMAÇÃO: 2004/07 – Mestrado em Artes Decorativas, com dissertação em “Joalharia

Contemporânea em Portugal”. Escola das Artes da Universidade Católica Portuguesa (Porto) 1996/97 – Pós-graduação em Design para Ourivesaria e Joalharia, organizada pela Glasgow School of Art, Centro Português de Design, INFORCE, realizada no CINDOR (Gondomar). 1995/99 – Curso Técnico de Joalharia, Centro de Joalharia do Porto, de Margarida Pimentel. 1990/94 – Licenciatura no Curso de

Estudos Superiores Especializados em Design, na opção de Comunicação Visual. (Escola Superior de Artes e Design – (Matosinhos). ACTUALMENTE DESEMPENHA AS SEGUINTES ACTIVIDADES: - Designer de Joalharia, com empresas do Porto e Gondomar; - Professora de Design de Joalharia e Projecto Final na Pós-graduação / For mação avançada, a iniciar em Outubro na Escola das Artes, Universidade

Católica Portuguesa (Porto); - Professora do Ensino Básico nas disciplinas de EVT e Educação Visual, na Escola EB 2/3 Mª Manuela de Sá (S. Mamede Infesta - Matosinhos). CONTACTOS: Tlm: 91 964 59 59 email: mariajcosta.design@gmail.com http://mariajcosta.blogspot.com


22

/////////////////////////////////////////////////////////// JULHO/AGOSTO/SETEMBRO//2010 PÁGINA ////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

/////////////////////////////////////////////////////////////////////////// SUGESTÕES / LAZER Livro

A Jóia: História e Design Designer de jóias, Eliana Gola reescreve a história da joalharia mundial neste livro. Partindo das culturas grega, romana e egípcia, até chegar ao Brasil moderno, ela mostra as diferentes utilizações e técnicas para se trabalhar metais e pedras. Além de apresentar, no final do livro um manual de como apresentar coleções, exemplificando com as suas próprias criações./

de Eliana Gola Editora: SENAC

//////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

Revista / Site: Professional Jeweller www.professionaljeweller.com Um site imperdível onde poderá consultar inúmeras temáticas direccionadas aos profissionais do sector. Novidades, opiniões, tendências, produtos, entrevistas e muito mais, em formato digital ou editorial.

//////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

Nova Colecção

"Amália" da Ouronor

O novo conjunto de jóias, colocado no mercado ao abrigo de um contrato com a Fundação Amália Rodrigues, para quem reverte uma percentagem das vendas, rende homenagem à rainha do fado, através do talento de criadores e artesãos de ourivesaria e joalharia.

mais informação em: www.ouronor.com


JULHO/AGOSTO/SETEMBRO//2010 //////////////////////////////////////////////////////////// //////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////// PÁGINA

23


Jornal AORP nº3  

jornal trimestral da Associaçao de Ourivesaria e Relojoaria de Portugal

Advertisement
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you