Page 1

J E W E L L E R Y M A G A G O S T O

1 8

06 PORTUGUESE JEWELLERY

À LA CARTE GOES TO MACAU Apresentação internacional da campanha

18 D E S TAQ U E S

SHOWCASE NEW YORK

04 E N T R E V I S TA

MANUEL CALDEIRA CABRAL Ministro da Economia

Joalharia alia-se a cluster da moda portuguesa


A R C O

Í R I S

Maria João Bahia “Uma criadora de sonhos. Maria João Bahia é reconhecida pela elegância das suas criações, pela capacidade de combinar metais nobres, pedras preciosas e formas orgânicas, transformando-as em peças incríveis.”


E D I

T O R I A L

Ana Freitas, Presidente da AORP

O

U

S

Se convertesse esta edição numa palavra seria ousar. Essa capacidade de sonhar, ver mais longe, ambicionar e com isso tornar o que parece impossível, real. Na AORP, habituamo-nos a pensar que não há impossíveis, por isso, traçamos objetivos cada vez mais ambiciosos, lançamos desafios mais destemidos, quebramos barreiras, criamos sinergias dentro e fora do setor. E é nesse lugar, onde não há “nãos”, “nuncas”, “receios”, “problemas”, que alcançamos o sucesso. Em junho, organizámos o primeiro showcase de joalharia portuguesa em nome próprio e em território internacional. O destino eleito foi Macau, um sonho antigo, que teve agora o impulso necessário no apoio determinante do Consulado-Geral de Portugal em Macau e Hong Kong. O pretexto foi o lançamento da nova campanha internacional “Portuguese Jewellery À La Carte”. E é curioso que Macau tenha sido o nosso ponto de partida, porque foi aqui que nasceu a “cozinha de fusão”, na combinação de sabores entre a cozinha portuguesa e a asiática. O que mostra como Macau foi desde sempre uma ponte intercontinental entre Portugal e a Ásia, e onde, apesar de estarmos a milhares de quilómetros, nos sentamos à mesa e sentimos em cada sabor o legado histórico e cultural que nos une.

A

R

Mas esta não foi a única ponte que construímos para chegar a outras margens. Voltamos a aliar-nos ao setor têxtil e do calçado para uma apresentação inédita do cluster da moda portuguesa em Nova Iorque. E, como diz a música, se o conseguimos fazer lá, conseguiremos fazê-lo em qualquer lugar. O nosso agradecimento à APICCAPS pelo convite e pela forma como tem incentivado sinergias entre os diferentes setores, afirmando a marca Portugal no mundo. Destacamos ainda mais uma prova de ambição e ousadia do setor. A Filigrana Portuguesa ganhou um novo selo de garantia, uma iniciativa conjunta entre a Câmara Municipal de Gondomar e a Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso, para certificar a produção artesanal de filigrana com vista à sua candidatura a Património Imaterial da Humanidade. Por fim, realço a grande entrevista ao Ministro da Economia, o Dr. Manuel Caldeira Cabral, que tem vindo a acompanhar de perto o setor e nos abriu a porta a um conjunto de iniciativas que em breve serão reveladas. A todos os nossos Associados, esperamos que a nossa ousadia seja contagiante e vos incentive a ousar também. As nossas ações são abertas a todos aqueles que se revejam na nossa visão e queiram connosco desbravar este admirável mundo novo para a joalharia portuguesa. Seguimos viagem!

C ONC E ÇÃO GRÁF ICA

CA P A

E D I T O RI A L

I M PRE S S ÃO

P ROP RIEDA DE

Gab i n e t e d e Co mu n i ca ça o e I ma g e m A O R P s i l vi a. s i l va a o r p.p t ma f a l d a . mo r ai s a or p .p t

fotografia, hugo rodrigues katalyst studio

AORP geral aorp.pt

man ia da cor w w w .man iadacor.pt

A ORP w w w . a o r p. pt


02 TENDÊNCIAS

Cool hunte 04

Par is

02

01

03

01 Anel, Dos Santos; 02 Pulseira, Liliana Guerreiro; 03 Pulseira, Inês Barbosa; 04 Anel, J. Soares Jewellery; 05 Brincos, J. Monteiro de Sousa; 06 Anel, Arpa; 07 Brincos, Topázio

New York


03 TENDÊNCIAS

er

Fall/Winter ‘18

Milan 05 As Semanas da Moda são um barómetro de tendências, dentro e fora das passarelas. As influências mudaram de protagonistas e nas ruas desfilam as cores, padrões, tecidos e inspirações que irão marcar a próxima estação. Estes são alguns dos detalhes que captaram a atenção das objetivas em Paris, Milão e Nova Iorque e que encontram na versatilidade das joias portuguesas o complemento perfeito.

06

07 FAÇ A PA R T E DA J E W E L L E RY M AG Envie-nos as suas sugestões para comunicacao@aorp.pt


04 ENTREVISTA

Economista e professor na Universidade do Minho, Manuel Caldeira Cabral assume a pasta do Ministério da Economia desde 2015. Em fase final de mandato, faz um balanço do que mudou na economia portuguesa e aponta a inovação, a diferenciação e a valorização dos produtos como principais fatores de competitividade das empresas no mercado global.

ESTANDO O MANDATO DO GOVERNO A ENTRAR NA RETA FINAL, É POSSÍVEL JÁ FAZER UM BALANÇO SOBRE AS PRINCIPAIS MEDIDAS E MUDANÇAS ALCANÇADAS?

O balanço que podemos fazer sobre as principais medidas e as mudanças alcançadas desde que assumi a pasta da Econo-

A estas políticas acresce uma série de programas transversais

mia pode ser visto pelo esforço que fizemos de aceleração da

de todo o Governo, como é o caso do Programa Simplex que

atividade económica, com o lançamento de novas linhas de

tem um impacto importante na simplificação e na redução de

financiamento ao investimento, com a reposição dos rendimen-

custos das empresas, ou ainda a estratégia que seguimos no

tos, com a mobilização dos fundos estruturais para acelerar

turismo, de mobilização de todos os agentes para um setor que

o investimento, que teve resultados imediatos bem visíveis

estando a crescer tem desafios que conseguimos desenhar

na aceleração do crescimento para 2,7%, no registo do maior

para a próxima década e, também, no esforço grande que fize-

investimento dos últimos 18 anos, em 2017, e num forte cresci-

mos ao nível da energia para reduzir custos de contexto o que

mento das exportações.

resultaram em conseguirmos em 2018, pela primeira vez, que a

Estas medidas de aceleração imediata da economia resultaram também numa grande diminuição do desemprego que é hoje já mais baixo do que o nível verificado na Zona Euro. Paralelamente, lançámos também um conjunto de programas de reforço do potencial de crescimento de Portugal no médio e longo prazo, programas de reformas estruturais na área da capitalização, como o Programa Capitalizar que alterou os incentivos fiscais, reviu os processos de reestruturação empresa-

evolução dos preços não fosse um aumento, mas sim uma redução, quer no preço das tarifas da eletricidade, quer também nas tarifas de acesso que tiveram uma redução superior a 4%. Estas são políticas importantes para as quais podemos já apresentar resultados, políticas que ajudaram ao reforço do crescimento económico que se verificou em 2017 e que persiste em 2018, mas também políticas que reforçam o potencial de crescimento futuro do país.

rial e abriu novas áreas de financiamento, fazendo com que as

QUAIS CONSIDERA SEREM ATUALMENTE AS PRINCIPAIS

empresas portuguesas possam ter mais confiança para investir,

VANTAGENS COMPETITIVAS DAS EMPRESAS PORTUGUESAS

mas possam também reforçar a sua capacidade financeira

NO MERCADO GLOBAL?

neste ciclo de investimento que agora se abriu.

As principais vantagens competitivas das empresas portu-

Lançámos também programas muito importantes na área da

guesas mudaram nos últimos anos. Portugal teve um ciclo, no

inovação, como o Programa Startup Portugal, de reforço e de

passado, em que se afirmou como um país de produção a baixo

apoio ao empreendedorismo, o Programa Interface, de mobili-

custo, mas essa estratégia já não é possível nos dias de hoje.

zação para a inovação colaborativa que coloca a trabalhar em

Centrar-se nos baixos custos, baixos salários e desvalorização

conjunto Universidades e Empresas no sentido de valorizar mais

da mão-de-obra é uma estratégia que não tem qualquer futuro

a produção nacional e o Programa Indústria 4.0 que mobilizou

ou interesse para o desenvolvimento económico que queremos

um grande conjunto de atores no seu desenho e está a ser

para o nosso país. Por isso mesmo, muitas das nossas políticas

implementado quer ao nível das estruturas de ensino e for-

estão focadas na área da inovação e no reforço da capacida-

mação quer por ações desenvolvidas pelas próprias empresas

de de renovação das empresas portuguesas, porque só pela

quer ainda por ações de reforço do apoio ao investimento que

inovação, pela diferenciação e pela valorização dos produtos, as

o Governo tem desenvolvido e que tem tido uma forte adesão

empresas podem ser competitivas. E a verdade é que em dois

por parte do meio empresarial.

anos em que tivemos aumentos do salário mínimo e em todos os níveis salariais, as empresas conseguiram reforçar a sua competitividade, acelerar as suas exportações e ganhar quota de mercado, mostrando que são hoje mais competitivas e que o reforço dessa competitividade foi conseguido com melhores condições de financiamento, de inovação e não à custa de baixos salários, uma estratégia que está ultrapassada para um país com as condições que Portugal hoje tem.


05 ENTREVISTA

“PENSO QUE O EMPREENDEDORISMO NESTA ÁREA É MUITO INTERESSANTE, HAVENDO JÁ PROJETOS QUE ALÉM DE CRIAREM UMA NOVA IMAGEM NA JOALHARIA PORTUGUESA, FAZEM TAMBÉM PROCESSOS INOVADORES DE LIGAÇÃO DO ARTESÃO E DO ARTISTA DIRETAMENTE AO CONSUMIDOR, CRIANDO ASSIM UMA VALORIZAÇÃO EMOCIONAL DOS PRODUTOS QUE ESTÃO A VENDER”

QUE MEDIDAS ESTÃO PREVISTAS PELO GOVERNO PARA APOIAR AS EMPRESAS NESSA CAPACITAÇÃO?

temos no vestuário e no calçado, ser também alavancado por uma promoção externa do que é produzido em Portugal.

A estratégia de competitividade tem, de facto, sido apoiada

Mas também o turismo pode contribuir, cada vez mais, para

pelo Governo, quer na mobilização de fundos estruturais para

gerar uma procura diferente de produtos de ourivesaria por-

o investimento quer na abertura das Linhas Capitalizar para

tuguesa. Cada vez mais, os estrangeiros que nos visitam estão

reforçar também o investimento e o apoio à internacionali-

atentos ao que é único, ao que é diferente e à qualidade dos

zação, quer ainda com programas como o Startup Portugal

produtos portugueses na área da ourivesaria. Esse fator va-

ou Programa Interface que promovem toda a capacidade do

loriza também o turismo em Portugal e esse é um esforço que

ecossistema de contribuir para que as empresas sejam mais

temos feito na promoção turística, associar o nosso país não

competitivas, com produtos melhores e com uma melhor inte-

apenas as belas paisagens, ao clima e à gastronomia de exce-

gração nas cadeias de valor internacionais.

lência, mas também a um país que tem produtos de qualidade,

COMO VÊ O RENASCIMENTO DAS INDÚSTRIAS TRADICIONAIS, COMO A OURIVESARIA, NOS ÚLTIMOS ANOS?

produtos de moda e produtos como os de ourivesaria que são únicos e que refletem uma cultura, uma tradição e uma história.

Eu penso que o renascimento das indústrias tradicionais é um

ESTA NOVA DINÂMICA TEM SIDO IMPULSIONADA POR UMA

bom exemplo de como a inversão das condições da concor-

NOVA GERAÇÃO DE JOALHEIROS QUE TRAZ NOVAS VISÕES E

rência ao nível global obrigaram a uma alteração da lógica

ABORDAGENS A UM SETOR DE GRANDE TRADIÇÃO. A ATRA-

da competitividade. Setores como o calçado ou o vestuário

ÇÃO DE JOVENS PARA AS INDÚSTRIAS TRADICIONAIS TEM

afirmam-se hoje internacionalmente e estão a crescer em

SIDO UM DOS DESAFIOS ASSUMIDOS PELO GOVERNO. QUE

exportações e em emprego, setores como a ourivesaria estão

MEDIDAS ESTÃO A SER PENSADAS A NÍVEL DA INTEGRAÇÃO

também cada vez mais a afirmar-se nos mercados internacio-

DE JOVENS NA INDÚSTRIA, BEM COMO O FOMENTO DO EM-

nais pela diferenciação dos seus produtos, por uma estratégia

PREENDEDORISMO JOVEM NESTAS ÁREAS?

de qualidade baseada na inovação e no design que vai buscar

A nova geração de joalheiros que dá, cada vez mais, valor ao

o que é genuíno e único em Portugal e que tem permitido às

design e à sua afirmação artística é um fator de diferenciação

empresas deste setor ter um novo ciclo de sucesso internacio-

e de afirmação de um setor no qual temos história e tradição,

nal e concorrer ao lado das melhores empresas mundiais.

um setor com modernidade e design, com inovação e um setor em que os artesãos e artistas portugueses se podem afirmar

SENDO UM SETOR DE RELATIVA PEQUENA DIMENSÃO, A OU-

ao lado dos grandes artistas e coleções internacionais.

RIVESARIA PORTUGUESA PODE AFIRMAR-SE COMO COMPLE-

Penso que o empreendedorismo nesta área é muito interes-

MENTO COMPETITIVO A OUTRAS INDÚSTRIAS DA FILEIRA DA

sante, havendo já projetos que além de criarem uma nova

MODA E MESMO DO TURISMO? COMO VÊ O GOVERNO ESTA

imagem na joalharia portuguesa, fazem também processos

INTEGRAÇÃO ENTRE INDÚSTRIAS, NOMEADAMENTE NA PRO-

inovadores de ligação do artesão e do artista diretamente

MOÇÃO INTERNACIONAL DO “MADE IN PORTUGAL”?

ao consumidor, criando assim uma valorização emocional dos

A Indústria da Ourivesaria tem muitas complementaridades com

produtos que estão a vender e uma diferenciação destes pela

outros setores de atividade, como o setor da moda onde já há

ligação à própria comunidade, à própria tradição, à própria pes-

muito trabalho conjunto entre estilistas e produtores de ourivesa-

soa que faz o objeto, tornando-o dessa forma ainda mais único.

ria, com a integração, muitas vezes, de peças no próprio vestuário,

Penso que estes processos são muito importantes e penso que a

mas também no complemento das coleções de moda que tem

digitalização que está a acontecer não apenas na indústria, mas

hoje já uma estratégia muito bem concertada entre o calçado e o

também no comércio e na customização dos produtos, possa ser

vestuário e onde o setor da ourivesaria se pode entrar como um

cada vez um canal para que a ourivesaria portuguesa chegue a

setor complementar, um setor que pode, a par do sucesso que já

novos públicos, novos mercados e a novos clientes.


06 À LA CARTE

J OA L HA R IA PORT UG UE SA A PR E S E N TA-S E P E L A PR IM E IR A V E Z E M M ACAU CO M S HOWC AS E DE SE T E M A R C AS N AC IONAI S

Com uma ligação histórica e cultural de mais de quatro séculos com Portugal, Macau foi o ponto de partida da nova estratégia de promoção internacional da joalharia portuguesa, sob o mote “Portuguese Jewellery À La Carte”. A iniciativa contou com o apoio institucional do Consulado Português, que abriu as portas da emblemática Residência Consular de Portugal – Antigo Hotel da Bela Vista para receber um um showcase inédito de joalharia portuguesa. A Rota da Filigrana de Gondomar associou-se também ao evento, dando a conhecer a sua arte ao vivo ao longo de toda a exposição. Fátima Santos, Secretária-Geral da AORP, explica a opção por Macau para o lançamento da nova campanha internacional: “A China é um dos nossos mercados-alvo e temos vindo a fazer uma abordagem consistentemente nos últimos anos, através da participação numa das maiores feiras asiáticas do setor, em Hong Kong. Macau, esteve desde sempre na mira da nossa estratégia e conseguimos finalmente concretizar esta nossa ambição através do importante apoio institucional do Consulado Geral de Portugal em Macau e Hong Kong.” Em exposição estiveram sete marcas nacionais: Dos Santos, marca de joalharia de luxo da autoria dos irmãos Marco e Nuno Santos, Liliana Guerreiro, uma das mais proeminentes designers de joalharia contemporânea, Inês Barbosa, uma das mais antigas oficinas de filigrana, J. Soares, uma marca de joalharia full-service e ainda três marcas sob alçada da Rota de Filigrana de Gondomar: ARPA, J. Monteiro de Sousa e a centenária Topázio.

Inês Barbosa

A AORP expressa o seu profundo agradecimento ao Consulado Geral de Portugal em Macau e Hong Kong pelo convite, bem como por todo o apoio institucional concedido em todo o processo. Louvamos o importante contributo do Governo Português, representado pelo Excelentíssimo Cônsul-Geral, na criação desta ponte intercontinental entre Portugal e Macau, honrando todo o legado histórico e cultural que nos une.


“ A C H I N A É U M D O S N O S S O S M E R C A D O S -A LVO E T E M O S V I N D O A FA Z E R U M A U M A A B O R DAG E M CO N S I S T E N T E N O S Ú LT I M O S A N O S , AT R AV É S DA PA RT I C I PAÇ ÃO N U M A DAS M A I O R E S F E I R AS AS I ÁT I C AS D O S E T O R , E M H O N G KO N G .”

Liliana Guerreiro

A R PA


To p รก z i o


09 À LA CARTE - EVENTO

JA N TA R D E I N AU G U R AÇ ÃO N A R E S I D Ê N C I A CO N S U L A R D E P O RT U GA L E M M AC AU

Para assinalar o lançamento da iniciativa “Portuguese Jewellery À La Carte Goes to Macau”, a AORP e o Consulado Geral de Portugal em Macau e Hong Kong promoveram um jantar de inauguração, no emblemático edifício da Residência Consular – Antigo Hotel da Bela Vista. O evento contou com a presença de ilustres convidados, entre representantes institucionais, empresários, jornalistas e várias personalidades da sociedade macaense. Um dos atrativos do evento foi a demonstração ao vivo de filigrana portuguesa, em parceria com a Rota da Filigrana, iniciativa promovida pela Câmara Municipal de Gondomar. Os visitantes tiveram oportunidade de acompanhar de perto o processo desta técnica milenar, que se preserva nas mãos dos talentosos artesãos da região.


10 À LA CARTE - EVENTO


15 18 PORTUGUESE JEWELLERY GOES TO MACAU

P OW E R E D B Y A O R P


13 FEIRAS INTERNACIONAIS

No segundo semestre do ano, a joalharia portuguesa volta a carimbar no passaporte a passagem pelas principais feiras internacionais, reforçando a consistência na abordagem aos mercados-alvo. Sob o mote da campanha internacional “Portuguese Jewellery À La Carte”, as joias nacionais dão a provar ao mundo a sua arte e talento. E começamos por servir a joalharia em bandeja de ouro na capital da haute cuisine, Paris, que é também a crème de la crème das exportações portuguesas, ocupando o segundo lugar do ranking. A Bijorhca Paris – The International Jewellery Show acontece de 7 a 10 de setembro e volta a contar com um privilegiado menu de marcas portuguesas, que têm aqui oportunidade de estabelecer contactos com compradores de toda a Europa. Nesta edição participam Astorga, Bruno da Rocha, Coquine, Elza Pereira, Inês Telles, Innamorata, Joana Ribeiro Joalharia, Richart, Wings of Feeling eTânia Gil. O segundo prato serve-se em Madrid, que ocupa agora o primeiro lugar no ranking das exportações portuguesas. E porque aqui a tradição à mesa é partilhar, as joias portuguesas dividem-se entre os dois eventos simultâneos que marcam a agenda do setor no país vizinho, de 12 a 16 de setembro, reunindo mais de 600 expositores e mais de 15.000 visitantes profissionais. Na Madrijoya - International Urban and Trendy Jewellery and Watch Exhibition Fair participam as marcas nacionais Alma e Coração, Gofrey, Marques & Gomes, Ourobrilho, Segmento de Prata e Soarijoia. Na Bisutex - International Fashion Jewellery and Accessories Trade Fair irão marcar presença Elza Pereira, Made to Envy, Our Sins e Woo’s Pure Feelings. Dos mercados mais próximos viajamos até ao Oriente para mais uma participação na Hong Kong Jewellery & Gem Fair, de 12 a 16 de setembro. Depois do sucesso na edição de março e do evento de apresentação da nova campanha em Macau, a joalharia portuguesa volta a Hong Kong para reforçar a presença no mercado chinês e asiático. Mais uma prova de fogo para as joias nacionais, representadas pela ARPA, Galeiras, Dos Santos, Inês Barbosa e J. Soares Jewellery.

Galeiras

I n ê s Te l l e s A.J.Amorim “A JOALHARIA PORTUGUESA VOLTA A CARIMBAR NO PASSAPORTE A PASSAGEM PELAS PRINCIPAIS FEIRAS INTERNACIONAIS, REFORÇANDO A CONSISTÊNCIA NA ABORDAGEM AOS MERCADOS-ALVO. SOB O MOTE DA CAMPANHA INTERNACIONAL “PORTUGUESE JEWELLERY À LA CARTE...”

Made to Envy

Alma e Coração

A jornada internacional termina em Itália, onde as joias portuguesas se sentam à mesa com as mais prestigiadas marcas de joalharia da Europa. A VicenzaOro acontece de 22 a 24 de setembro e irá contar com a presença de três marcas portuguesas: A.J. Amorim, Luísa Rosas, uma das mais proeminentes designers nacionais e Styliano Jewellery, marca portuguesa com uma forte representação no mercado italiano.

Styliano Jewellery

J.Soares Jewellery


14 LEGISLAÇÃO

R E Q U I S I T O S L E GA I S PA R A AS LO JAS O N L I N E D O S E T O R DA O U R I V E S A R I A

O Regime Jurídico da Ourivesaria e das Contrastarias (RJOC), aprovado pelo Decreto-Lei n.º 120/2017 estabelece novas regras para as vendas por catálogo ou online, dispostas no artigo 64.º - Vendas automáticas, à distância e por catálogo.

ATIVIDADE ESPECÍFICA PARA O EXERCÍCIO DA ATIVIDADE: Art. 41.º n.º 1 al.

LOJAS ONLINE: a) Conter a indicação expressa que os artigos se encontram legalmente marcados, quando aplicável; b) Conter informação expressa do metal ou metais que constituem os artigos com metal precioso, os toques respetivos, o seu peso, bem como, eventualmente, o tipo de materiais gemológicos que os adornam; c) Disponibilizar de forma visível o quadro das marcas, em suporte digital, das Contrastarias, podendo, no caso de disponibilização eletrónica, ser criada ligação para o sítio na Internet da INCM; d) Conter a indicação expressa de que o comprador pode, em caso de dúvida sobre a autenticidade das marcas, recorrer, para efeitos de verificação, aos serviços das Contrastarias; e) Disponibilizar a indicação do nome do operador económico, o número de identificação fiscal ou número de identificação de pessoa coletiva e o número do título de atividade; f) Disponibilizar ou indicar, consoante o caso, a ligação para no sítio na Internet do Banco de Portugal através da qual pode aceder-se à informação sobre a cotação diária do ouro, da prata, da platina e do paládio, nos termos do disposto na alínea a) do n.o 1 e no n.o 2 do artigo 63; g) Disponibilizar lista de avaliadores inscritos para consulta, gerida e organizada pela INCM, sempre que se proceda à venda de artigos de metal precioso usado. www.incm.pt/portal/uco_ao.jsp

h) «Retalhista de ourivesaria»: vende diretamente ao público artigos com metais preciosos, artigos de interesse especial e artigos usados, em estabelecimento, ou através de outros métodos de forma regular, designadamente em feiras, de modo ambulante ou através de meios de comunicação à distância; Os requisitos para obtenção da devida licença estão disponíveis em www.incm.pt/portal/uco_exercicio_ta_prev.jsp

ELEMENTOS NECESSÁRIOS PARA APRESENTAR A MERA COMUNICAÇÃO PRÉVIA: Formulário devidamente preenchido com: - Nome ou firma do titular; - Número de identificação fiscal (NIF) ou de identificação de pessoa coletiva (NIPC); - Endereço do domicílio fiscal; - Endereço do estabelecimento onde seja exercida a atividade e secções acessórias, bem como dos armazéns; - Modalidade de venda sem estabelecimento comercial, designadamente em feiras, de modo ambulante ou através de meios de comunicação à distância, quando aplicável; - Sítio da Internet onde é exercida a atividade, quando aplicável; - Classificação das Atividades Económicas Portuguesas (CAE) relativamente à atividade principal e às suas secções acessórias; - Código de acesso à certidão permanente de registo comercial ou declaração de início de atividade, consoante se trate de pessoa coletiva ou de empresário em nome individual; - Documento comprovativo da posse ou legítima ocupação do local onde se prevê o exercício da atividade; - Declaração de idoneidade, do requerente ou, tratando-se de pessoa coletiva, dos respetivos administradores, diretores ou gerentes.


15 NOTÍCIAS SETOR

FILIGRANA ARTESANAL GANHA NOVO SELO DE GARANTIA “O NOVO RECONHECIMENTO DAS CARACTERÍSTICAS DA PRODUÇÃO ARTESANAL E AUTÓNOMA VEM APOIAR A PRESERVAÇÃO DO TRABALHO DOS ARTESÃOS PORTUGUESES.”

Os municípios de Gondomar e da Póvoa de Lanhoso apresentaram, no passado dia 12 de julho, num evento organizado na Pousada do Porto, Hotel Palácio do Freixo, o programa de certificação da “Filigrana de Portugal”. Com esta iniciativa, pretende-se apresentar uma nova garantia de qualidade para o consumidor, promovendo a filigrana artesanal em Portugal e em todo o mundo. O processo, que começou a ser moldado em março de 2017, arrancou com 21 unidades de produção artesanal, que já receberam as primeiras certificações. O objetivo é chegar a muitas outras, “fazendo um ato de justiça para com os artesãos que há muitos séculos preservam esta técnica, não desistindo de afirmar a filigrana como elemento distintivo na ourivesaria tradicional”, afirmou Avelino Silva, Presidente da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso. O novo reconhecimento das características da produção artesanal e autónoma vem apoiar a preservação do trabalho dos artesãos portugueses. A certificação foi atribuída pela Aderecertifica, organismo reconhecido pelo Instituto Português da Acreditação, cumprindo todos os requisitos previsto no Sistema Nacional de Certificação das Produções Artesanais Tradicionais. A certificação funciona como um selo de garantia para o consumidor, permitindo-lhe reconhecer de forma fidedigna e mais segura, a filigrana artesanal nas suas mais variadas formas de expressão – joalharia, vestuário, decoração e mais diversos artigos. Cumprindo uma ambição antiga das duas autarquias, o anúncio da iniciativa antecede também a candidatura oficial da filigrana a Património Imaterial da Humanidade, conforme adiantaram os representantes, com o objetivo de preservar uma identidade que tem um valor cultural incalculável para o país. Consulte o portal oficial da Filigrana de Portugal em: filigranadeportugal.pt


16 NOTÍCIAS SETOR

L I M I T E S D E PAGA M E N TO S EM NUMERÁRIO

A AORP – Associação de Ourivesaria e Relojoaria de Portugal e a EFJ – European Federation of Jewellery estão em negociações com o Parlamento Europeu sobre a matéria dos limites para os pagamentos em dinheiro. Esta problemática é resultado do combate contra as práticas de financiamento do terrorismo e de branqueamento de capitais levado a cabo pelos Estados-membros e pela própria União Europeia. No momento atual, cada um dos países membros da União Europeia (EU-27) pode determinar a existência ou não de limites nos pagamentos, assim como os valores dos mesmos. Dos 27 países, 13 estipularam limites e 15 não, o que tem como consequência sérios desequilíbrios no funcionamento do mercado único e também disparidades significativas que afetam a competitividade da ourivesaria europeia. Outro motivo de atenção é a distinção nos limites aplicados entre residentes e não-residentes, que cria incompreensão entre os consumidores. Por exemplo, para Portugal, os valores limite são de 3.000€ para residentes e 10.000€ para não residentes. A AORP e as restantes associações integrantes da EFJ têm vindo a reforçar a sua posição sobre a tendência para eliminar progressivamente o uso de dinheiro líquido como forma de pagamento, antepondo a utilização de produtos de moeda eletrónica. Defende-se aqui a liberdade de escolha e o direito à proteção dos dados pessoais do consumidor, com a noção que os pagamentos em numerário são universalmente aceites, mais flexíveis e de custo efetivo, permitindo processos de transação mais simples. A harmonização é a posição defendida perante os diferentes níveis de decisão europeia, no que diz respeito à equiparação nos limites, leitura clara na distinção residente/não residente e consideração específica da ourivesaria com valores em linha com o valor do produto. A legislação em vigor é a Diretiva (UE) 2015/849 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 20 de maio de 2015, relativa à prevenção da utilização do sistema financeiro para efeitos de branqueamento de capitais ou de financiamento do terrorismo.


17 NOTÍCIAS SETOR

PORTOJÓIA

A 29ª edição da Portojóia, principal montra ibérica do setor da joalharia, ourivesaria e relojoaria, acontece de 27 a 30 de setembro na Exponor, e surge com um formato totalmente renovado, dedicado a identificar as tendências e comportamentos que irão revolucionar o setor nos próximos anos.

IV EUROPEAN CONGRESS ON JEWELLERY

Depois de León, Madrid e Barcelona, a Universidade Católica Portuguesa acolhe no Porto a quarta edição do IV European Congress on Jewellery, a 29 e 30 de novembro. Com o tema “Centros e Periferias da Joalharia Europeia, desde a Antiguidade ao séc. XXI”, o evento pretende lançar o debate sobre a relação entre joalharia e a sua produção nos grandes centros de comércio e da moda ou fora destes. O congresso estará dividido em cinco sessões, organizadas cronologicamente desde a Antiguidade até ao presente. Serão apresentados trabalhos de investigação sobre a história e estética da joalharia na Europa que irão demonstrar como a arte da ourivesaria europeia influenciou e foi influenciada por artistas de todo o mundo. Nesta quarta edição, o Congresso pretende afirmar-se como um fórum de novas ideias e debates sobre a joalharia na Europa, em tópicos estruturais como a transição de designs e motivos ornamentais entre países e períodos da história, a utilização de novos materiais e diferentes técnicas ou a forma como a joalharia viajou entre fronteiras e continentes, através de membros da realeza, diplomatas, comerciantes ou eclesiásticos. A AORP – Associação de Ourivesaria e Relojoaria de Portugal associou-se ao evento, na qualidade de parceiro institucional.

Do efervescente surgimento de novos designers e de marcas de autor aos novos comportamentos do consumidor, são muitas as dinâmicas que influenciam o mercado da joalharia. Atenta a esta mudança de paradigma, a Portojóia criou várias iniciativas e novos espaços que espelham o que está a mudar no setor e traçam diretrizes sobre o que o irá influenciar nos próximos anos. Entre as novidades está o espaço “Jewel’s Box”, uma área que pretende destacar as tendências de exposição e venda de joias, marcadas pelos novos conceitos de vitrinismo e de abordagem ao consumidor. E porque este é um setor que se tem vindo a posicionar junto da fileira do design e da moda, o certame irá convidar artistas de outras áreas criativas para duetos com marcas e designers de joias, numa área designada “Jewel’s Box”. Para além das novidades, mantêm-se as iniciativas que têm vindo a ganhar cada vez mais relevância. O “Prémio Best Of 2018”, que vai na sua terceira edição, volta a reconhecer o talento e criatividade do setor em oito categorias: Prémio Carreira, Designer Revelação, Melhor Inovação, Melhor Montra, Melhor Loja Física, Melhor Loja Online, Melhor Montra Stand e Melhor Stand. A Portojóia – Feira Internacional de Joalharia, Ourivesaria e Relojoaria tem vindo a registar um positivo crescimento nos últimos anos, bem como projeção internacional. A edição anterior reuniu 150 expositores e mais de 10.000 visitantes, sendo que cerca de 270 viajaram de países como Espanha, Reino Unido, França, Alemanha, Itália, Holanda, Brasil, Roménia, Irlanda e Roménia. Mais informação em: portojoia.exponor.pt


18 NOTÍCIAS SETOR

AORP REPRESENTA JOALHARIA PORTUGUESA NO PARLAMENTO EUROPEU

Fátima Santos, Secretária-Geral da AORP, esteve no Parlamento Europeu, em Estrasburgo, em representação da joalharia portuguesa, por intermédio da European Federation of Jewellery (EFJ). O objetivo foi dar a conhecer a nova dinâmica do setor, com especial enfoque na sua atual projeção internacional, e defender a posição da federação europeia, na qual a AORP é membro-fundador, em várias matérias relevantes, como o comércio internacional, conflito de minerais e restrições de pagamentos em dinheiro. “... AORP É MEMBRO-FUNDADOR, EM VÁRIAS MATÉRIAS RELEVANTES, COMO O COMÉRCIO INTERNACIONAL, CONFLITO DE MINERAIS E RESTRIÇÕES DE PAGAMENTOS EM DINHEIRO.”

NEW YORK PORTUGAL DESIGN SHOWCASE

“If you can make it there, you can make it anywhere”. A joalharia portuguesa voltou a aliar-se ao setor do calçado e do têxtil para conquistar um dos mais competitivos mercados do mundo da moda, Nova Iorque. O evento reuniu, no prestigiado The Standard Hotel, media, influenciadores e compradores nova-iorquinos, em mais uma ação conjunta de promoção do cluster da moda portuguesa. A joalharia portuguesa voltou a servir-se em doses generosas de talento e qualidade, pela mão da Eleutério, Galeiras e Monseo. Ana Freitas, Presidente da AORP e Fátima Santos, Secretária-Geral, estiveram presentes em representação da Associação e da joalharia portuguesa, apresentando a nova campanha de promoção internacional “Portuguese Jewellery À La Carte”. Esta foi uma iniciativa promovida pela APICCAPS Associação Portuguesa dos Industriais de Calçado, Componentes, Artigos de Pele, com a participação da AORP – Associação de Ourivesaria e Relojoaria de Portugal e ANIVEC - Associação Nacional das Indústrias de Vestuário e Confeção.


19 NOTÍCIAS SETOR

19 NOTÍCIAS SETOR

LUXURY DESIGN CRAFTSMANSHIP SUMMIT 2018

A JOALHARIA PORTUGUESA FOI UMA DAS ARTES EM EVIDÊNCIA NO EVENTO, PELA FORMA COMO TEM VINDO A MATERIALIZAR ESTA VISÃO PARA SE POSICIONAR NO MERCADO GLOBAL DO LUXO. A primeira edição do Luxury Design & Craftsmanship Summit 2018, promovido pelo Covet Group, reuniu em Gondomar alguns dos principais nomes e especialistas do setor do luxo, para debater a ligação entre design e produção artesanal. A joalharia portuguesa foi uma das artes em evidência no evento, pela forma como tem vindo a materializar esta visão para se posicionar no mercado global do luxo. Fátima Santos foi uma das oradoras convidadas da conferência. A Secretária-Geral da AORP integrou o painel “A importância do Crafstmanship para o setor do luxo”, ao lado de Nicole Segundo, representante da Michelangelo Foundation, Serena Confalonieri e Francesca Merciari, dupla Doppia Firma, Luís Onofre, Presidente da Apiccaps e Conceição Amaral, Presidente da FRESS Fundação Ricardo Espírito Santo Silva. A Topázio, marca portuguesa dedicada à arte da prata, foi apresentada como case-study de uma oficina centenária que se renova pela visão contemporânea do design. Além dos painéis de discussão, o evento teve em permanência uma mostra ao vivo de várias artes manuais e workshops, com a presença de mestres ourives, que estiveram a demonstrar algumas das técnicas que diferenciam a joalharia portuguesa em todo o mundo.

PORTUGUESE JEWELLERY GLOBAL SHIFT INSIDE JOURNEY

A AORP – Associação de Ourivesaria e Relojoaria de Portugal associou-se à iniciativa EU IN MY REGION, promovida pela União Europeia, para dar a conhecer a estratégia de promoção internacional da joalharia portuguesa. A centenária fábrica da Topázio foi palco da apresentação aberta à comunidade, que contou com a participação de Fernando Alfaiate, em representação do Compete 2020, Ana Freitas, Presidente da AORP, Fátima Santos, Secretária-Geral da AORP e José Augusto Seca, administrador da Topázio. Uma viagem pelos bastidores do setor da joalharia nacional, em que os visitantes tiveram também oportunidade de conhecer de perto a arte e talento dos mestres artesãos que dão forma às sofisticadas peças em prata da marca portuguesa.


21 AGENDA INSTITUCIONAL

2 0 1 8

AGENDA I N S T I T U C I O N A L M

A

I

O

29 Maio

27 Junho 20Portuguese Mar Jewellery Goes to Macau AORP participa no evento que IAPMEI A joalharia portuguesa apresentou-se pela primeira vez

Ourindústria 2019

em Macau com de sete marcas nacionais.Este co-organiza - showcase OPEN DAY, em parceria

1 a 31 Maio Conselho Consultivo da Ourivesaria No âmbito das competências do Conselho Consultivo da Ourivesaria, a INCM e as várias associações setoriais

foi o primeiro de uma agenda de eventos internacionais, Reunião de trabalho com a Câmara Municipal de Gondomar com a Riopele, com o CENTI e com o CITEVE, promovidos pela AORP, no âmbito da nova campanha e o CINDOR no sentido na preparação da edição de 2019 com“Portuguese o objetivo Jewellery de dar a conhecer às empresas À La Carte”. A iniciativa contou com da feira Ourindústria. o conhecimento produzido, os projetos o apoio institucional do Consulado Geralque de Portugal em

criaram os Grupos de Trabalho (GT) que se seguem, e que começaram as suas reuniões em Maio: GT - Novo site das Contrastarias Portuguesas, GT – Valorização da Marca das Contrastarias Portuguesas e participação em feiras e outros evento, GT - Reconhecimento das nossas marcas,

29 Maio

GT - Recomendações de alteração do RJOC, GT - Manual de Procedimentos, GT - Revisão de edições sobre marcas e respetiva disponibilização e GT – Formação.

15 Maio 19 a 22 de Jan Conferência Metal 4.0 Feira Paris A AORPBijorhca, esteve presente na conferência realizada pela Indústria 4.0.

17 Maio 19 a 24 de “Você Jan na TV” na TVI Programa

17 Maio

A Secretária-geral da AORP foi oradora na conferência

economia circular.

municipais na dinamização da fileira da moda na região e onde foi apresentado um diagnóstico da situação atual

16daaindústria 19 Fevda moda no norte do país e as conclusões do estudo realizado pela consultora Sigma Team. Feira Inhorgenta, Munique

31 4 de Fev 25 aMaio Feira e Bisutex, Madrid EU In MadridJoya My Region - União Europeia Iniciativa da União Europeira “EU In My Region” seleciona a campanha “Portuguese Jewellery - Shaped with Love” para apresentação pública. Esta campanha “Portuguese Jewellery - Shaped with Love” teve um impacto sem precedentes na história da joalharia portuguesa. Os principais objetivos

M

J

U N H O A R Ç O 7 Junho

Assembleia Geral AORP 1 a 5 de Mar

de pagamentos em dinheiro

Espaço 560 do Ministério da Economia, promovida pela

tária de Estado da Indústria. Preparação de CamAPICCAPS.

panha de atração de jovens à indústria tradicional.

20 e 21 Junho

O Porto acolheu a primeira edição do evento que reuniu

Reunião com a designers, direçãoartesãos do Departamento mentes criativas, e várias marcas de luxo para debater a ligação intrínseca entre design e arte. das Contrastarias - Imprensa Nacional

Além dos painéis de discussão, houve uma mostra ao vivo

28 Maio

Casa da Moeda. Objetivo de estreitar relações de várias artes manuais e workshops. A joalharia portugue-

Reunião do Programa Formação PME

sa e a forma como tem vindo a materializar esta visão e discutir propostas para melhorar a prestação de para

Encontro com os Consultores e equipa técnica do Programa Formação PME no sentido da implementação do mesmo nas empresas participantes.

6 de Julho

Open Day - Corticeira Amorim APMEI co-organizou, em parceria com a Corticeira Amorim, S.G.P.S., este open day com o objetivo de dar a conhecer às empresas o conhecimento produzido pela Amorim & Irmãos, S.A. e os projetos que desenvolve.

Participação na Rubrica “1001 Razões para Gostar de Portugal” Programa transmitido na RDP Internacional, Rádio do Grupo RTP, para falar sobre o Ouro Português.

11 de Julho Entrevista à Faire Magazine A Secretária-Geral da AORP conversou com a Faire Magatorna tão apetecível às novas gerações.

18Mar de Junho 7 de Inauguração daTeresa Exposição “FootURE” Reunião com Ana Lehmann, Secre-no

Luxury Design & Craftsmanship Summit apresentação pública na centenária fábrica da Topázio no Pavilhão Multiusos de Gondomar 1874. Esta apresentação foi realizada a convite do Compete 8 de Mar iniciativa “EU In My Region”.

da endogeneização J U L H dosOprincípios indutores da

zine sobre o que mudou na joalharia portuguesa e o que a

e resultados da campanha foram dados a conhecer numa

2020 e selecionada pela União Europeia para integrar a

tecnológica ao nível dos Têxteis Sustentáveis e

9 de Julho

20.º Congresso Mundial do Calçado orga25 a 28pela de Jan Hong Kong International Jewellery nizado APICCAPS 8 Junho Feira International Jewellery Tokyo, Tóquio Participação no jantar de gala realizado no Palácio da Bol- Show, Hong Kong Reunião de Trabalho com Parlamento sa no âmbito do Congresso Mundial do Calçado, realizado Europeu, a propósito das regras europeias sobre limite de 17 a 18 de Maio na cidade do Porto, onde estiveram mais de 30 países participantes.

tração ao vivo.

empresa assuma uma posição de liderança

discutiu o papel das associações setoriais e das câmaras

Feira VicenzaOro, Vicenza Presença na televisão para promoção da Ourivesaria Tradicional Portuguesa.

Rota da Filigrana de que Gondomar, que teve Técnicos e Funcionais, fazem com queuma estademons-

Conferência “Fileiras da Moda no Porto e Norte de Portugal: Presente e Futuro”, organizada pelo CENIT que se realizou nas instalações do CENIT, no Porto, onde se

AIMMAP na Fundação de Serralves, sobre o tema da

Macau desenvolve e Hong Kongno e com a participação especial da a Riopele domínio dos Têxteis

se posicionar no mercadoaos global do luxo, foieconómium dos temas serviços da Contrastaria operadores

em evidência no evento. Fátima Santos, Secretária-geral da AORP foi uma das oradoras convidadas e a Topázio 1874 foi apresentada como case-study de uma marca centenária que se renova pela visão contemporânea do design.

12 de Julho Apresentação pública do projeto de certificação da “Filigrana de Portugal” A Câmara Municipal de Gondomar e da Póvoa de Lanhoso, apresentaram o projeto de certificação da “Filigrana de Portugal”, no Pestana Palácio do Freixo, Porto. A cerimónia anunciou um novo selo de garantia de qualidade para o consumidor, promovendo a filigrana artesanal em Portugal e em todo o mundo. A AORP participa ativamente neste processo, pertecendo à Comissão de Acompanhamento da certificação da Filigrana de Portugal.

23 de Julho Showcase de Moda Portuguesa no The Standard Hotel em Nova Iorque A joalharia portuguesa voltou a aliar-se ao setor do calçado e têxtil num showcase em Nova Iorque, numa iniciativa da APICCAPS que contou com a participação da AORP e da ANIVEC num evento onde os três setores se uniram para apresentar o cluster da moda portuguesa.


22 ASSOCIADOS

BARBARA GOYRI

Natural do Porto, Barbara Goyri cria a sua marca em nome próprio em 2012. As suas coleções materializam a simbiose entre as técnicas artesanais da joalharia portuguesa e o design contemporâneo. A designer tira partido das texturas orgânicas e das imperfeições naturais do trabalho manual para reproduzir com autenticidade os objetos que a inspiram. A coleção Aqua remete para os fragmentos do oceano Atlântico, que podemos encontrar ao longo da costa portuguesa. Um imaginário subaquático que ganha forma em joias plenas de detalhe.

www.barbaragoyri.com

HENRIQUE CARDOSO

Especialista na arte da cravação, Henrique Cardoso foi aprendiz daquele que considera ter sido o melhor cravador português, numa altura em que o processo era todo manual. Hoje em dia, dotou a sua oficina de instrumentos mais avançados, mas continua a privilegiar as técnicas artesanais, porque defende que a precisão está no talento e no engenho do cravador. É uma das técnicas mais minuciosas e exigentes de ourivesaria. Pelas suas mãos já passaram as mais variadas pedras preciosas e raras, mas independentemente do valor intrínseco de cada gema, o desafio mantém-se: refletir todo o seu brilho.

www.facebook.com/henrique.cravador


23 ASSOCIADOS

ARPA | JEWELLERY INDUSTRY

Na ARPA, os sonhos ganham forma nas mãos dos seus mestres artesãos, desde 1986. Das técnicas mais minuciosas aos processos mais avançados, oferece serviços customizados de joalharia para responder aos desafios da imaginação. Tudo começou numa peça de filigrana, uma das mais nobres e tradicionais artes da joalharia portuguesa e pela qual a ARPA sempre foi reconhecida. Hoje em dia, dispõe de uma equipa altamente especializada e tecnologia de ponta que lhe permitem concretizar os mais exigentes projetos.

www.silverarpa.com YOUNIK - DARE TO BE YOU

A Younik - Dare to be You, loja de joalharia de autor de Patrícia Cruz, situa-se em pleno coração da baixa lisboeta, no Largo do Carmo. Foi este ano reconhecida nos Prémios Time Out Lisboa, conquistando o segundo lugar no ranking das lojas favoritas dos leitores da revista. A loja dá a conhecer as coleções da designer de joias portuguesa, que trabalha em permanência no espaço, para que os visitantes tenham oportunidade de acompanhar o processo de criação manual das suas peças. As joias são carregadas de personalidade, inspirando-se nos ícones nacionais, como também em elementos geométricos e da natureza.

www.younik.com.pt


24 SUGESTÕES

1 Centro Por tuguês de Fotografia

2 Michelangelo Foundation

Frida Kahlo - As Suas Fotografias

Até 04.11.2018

Homo Faber Crafting a More Human Future

3 Museu de História Natural e da Ciência da Universidade do Por to

14.09.2018 a 30.09.2018 24 fotografias do acervo pessoal da pintora Frida Kahlo estão em exposição no Centro Português de Fotografia, no Porto. Intitulada “Frida Kahlo — as suas

Com curadoria da Michelangelo Founda-

fotografias”, a exposição reúne imagens

tion for Creativity and Craftsmanship, a

captadas por Man Ray, Edward Weston e

Homo Faber é a primeira grande expo-

Brassaï, entre outros, que retratam dife-

sição cultural dedicada ao artesanato

rentes fases da vida da artista mexicana.

europeu, com o objetivo de promover e

As fotografias estiveram mais de 50 anos

valorizar o trabalho artesanal e o talento

fechadas na Casa Azul (residência da

dos mestres artesãos.

artista e, atualmente, Museu Frida Kahlo)

A iniciativa vai reunir diferentes artes

e foram retiradas de um arquivo que

manuais, da joalharia às bicicletas de-

contém cerca de 6500 fotografias.

senhadas à medida, das técnicas mais

Sob a curadoria de Pablo Ortiz Monaste-

raras aos exemplos mais icónicos do

rio, fotógrafo mexicano, com a direção de

artesanato europeu. A mostra terá de-

Hilda Trujillo Soto, diretora do Museu Frida

monstração de várias artes ao vivo, para

Kahlo, e coordenação da Terra Esplêndi-

que os visitantes tenham oportunidade

da, a exposição divide-se em seis sec-

de testemunhar o engenho dos artesãos.

ções temáticas e marcantes da vida da

A Michelangelo Foundation for Creati-

pintora — As Origens, Casa Azul, Política,

vity and Craftsmanship é uma insti-

Corpo Acidentado, Amores e Fotografia.

tuição sem funs lucrativos, sediada na Suíça, que promove a preservação das artes manuais e a sua ligação com o mundo do design.

Galeria da Biodiversidade Centro Ciência Viva

Todos os dias | 09h00 – 19h00

Instalada na Casa Andresen, no Jardim Botânico do Porto, a Galeria da Biodiversidade – CCV é um dos polos do Museu de História Natural e da Ciência da Universidade do Porto. Sendo o primeiro Centro Ciência Viva dedicado especificamente à biodiversidade, o espaço cruza a arte com a biologia e a história natural, estimulando uma panóplia de experiências sensoriais, propositada e cuidadosamente concebidas para celebrar a diversidade da vida. Com funcionalidades e características sem paralelo a nível mundial, e devidamente enquadradas numa gama extraordinariamente rica e diversificada de recursos museográficos, que vão desde modelos mecânicos até às mais sofisticadas plataformas multimédia e audiovisuais, esta nova e única plataforma cultural convida os visitantes a embarcar numa viagem através da ciência, literatura e arte, durante a qual serão contadas as mais belas histórias sobre a vida.


CUR

SOS

EQU

PA R A

JOVE

I VA L ÊNC AO 1 2º AN IA O

NS

AGARRA O TEU FUTURO! FORMAÇÃO MODULAR Financiada Joalharia Cravação Filigrana Ourivesaria de Pratas Cinzelagem Repuxagem Microfusão CAD Banhos Químicos Informática Gestão e Marketing Comércio Linguas Estrangeiras Multimédia Não Financiada Joalharia Gemologia Relojoaria Avaliação de Joias

FORMAÇÃO PARA ADULTOS Nível Secundário Técnico/a de Ourivesaria Técnico/a de Fotografia Técnico/a de Informática

FORMAÇÃO DE FORMADORES Horário Laboral/Pós-Laboral Formação Pedagógica Inicial de Formadores ( formação não financiada )

SERVIÇOS Design de Joalharia Prototipagem Restauro Laboratório Soldadura a Laser Fundição

Rua Padre Augusto Maia, 12, 4420-245 Gondomar

Requisitos Escolaridade Mínima 9ºano Idade mínima 23 anos

FORMAÇÃO PARA JOVENS

Dupla Certificação Certificado Profissional Diploma de Nível Secundário Horário Laboral - 9h - 17h

Técnico/a de Ourivesaria Técnico/a Comercial Técnico/a de Informática Técnico/a de Multimédia Técnico/a de Fotografia Requisitos Jovens com idade inferior a 25 anos 9º ano de escolaridade Dupla Certificação Diploma de Nível Secundário Certificado Profissional Horário Laboral - 9h - 17h

geral@cindor.pt +351 224 662 730 WWW.CINDOR.PT


27 — 30 SET’ 18

Jewellery Mag | Agosto 18  

Jewellery Mag | Agosto 18  

Profile for aorp
Advertisement