Page 1

Conte煤do Ideol贸gico Da Obra


Editada em primeiríssima mão e postumamente, em 1614, Peregrinação é um documento inesgotável de uma época tão rica e controversa como o foi a da expansão marítima que, segundo alguns, terá desencadeado a dita Revolução Comercial que atingiu o seu clímax no século XVI e seguintes. A obra citada é, por si mesma, a expressão mais fiel do espírito subjacente a esta nova época da História Universal, a Época Moderna, decisivamente impulsionada pelas viagens de descobrimentos ultramarinos iniciadas no século XV e ditadas pela ambição das nações costeiras da Velha Europa, ávidas dos lucros do comércio com o Oriente e ansiosas por dominar efectivamente as Rotas da Seda e das Especiarias. Este comércio, inicialmente estabelecido nas principais cidades de Itália, foi então disputado por Portugal e Espanha, reinos emergentes e nos quais recrudescia o espírito mercantilista, fruto provável da Revolução Burguesa de 1383-1385. Este despertar ibérico terá tido as suas origens na necessidade de estabelecer rotas comerciais mais rendíveis para as suas economias nacionais, então profundamente debilitadas pelas elevadas quantias dispendidas em troco de sedas, essências, especiarias e tapeçarias importadas da Ásia e comercializadas nos portos italianos. A precocidade e domínio italianos no campo comercial, para além de muitos outros, foram as condições de terminantes do florescimento Renascentista. Introduzindo fortes alterações na cosmovisão medieval essencialmente dogmática e autoritária, o Renascimento introduz a problematização das leis já instituídas, com particular incidência naquelas que se cria regerem o Universo. Este não era já concebido como um sistema finito de esferas concêntricas girando em torno do nosso planeta, mas como um conjunto de astros que, devido a forças então desconhecidas, descreviam um movimento quase circular em torno do Sol. Era a teoria heliocêntrica, construída e desenvolvida com base numa atitude crítica e céptica, que recusava o misticismo e ascetismo de outros tempos ainda próximos, senão coexistentes no tempo e no espaço. As novas teorias, defendidas por Copérnico, Galileu e Leonardo da Vinci, despertaram em muitos dos seus contemporâneos a atracção pelo desafio acerbado pelo desconhecido, que já não era temido, e pelo desbravar de novos horizontes, até então demasiados restritos e restritivos. Despido de preconceitos, o Homem aventura-se para além das suas fronteiras naturais. O mar deixa de ser o fim do mundo e um limite intransponível, para se tornar o canal privilegiado de comunicação e de comércio entre o Velho Mundo e o Novo Mundo. As navegações efectuadas, por seu turno, demonstraram os erros dos antigos e justificaram as palavras de


Duarte Pacheco em Esmeralda de Situ Orbis, «a experiência é a madre das coisas, e por ela soubemos radicalmente a verdade», assim como as de Garcia da Orta, que se dedicou com grande afinco ao estudo da flora oriental e sobre ela elaborou importantes estudos, tal como o fizeram também Azurara, frei João dos Santos e Fernão Mendes Pinto, que deram igual importância à fauna daquelas terras longínquas. Em Peregrinação surgem grandes quadros sinestéticos das paisagens naturais observadas pelo seu narrador, que não consegue esconder o seu espanto. Estas descrições abarcam campos como a geografia, a topografia, a fauna, a flora e a etnografia e são dotadas de um grande realismo e tentativa de objectividade, de que o Capítulo XLI é bem exemplificativo. A viagem é uma aprendizagem contínua e um confronto permanente entre a realidade que pela primeira vez se observa despreconceituadamente e de modo ingénuo e com objectividade e os conceitos dogmáticos que são a cada passo usurpados pelo mundo abarcado pela visão e pela experiência. Deste modo, a descoberta de algo que era até então desconhecido é um facto inolvidável e fonte de contentamento, mesmo que a natureza do fenómeno observado possa constituir uma ameaça, como o crocodilo:

«Em todo este rio, que não era muito largo, havia muita quantidade de lagartos, aos quais com mais próprio nome poderia chamar serpentes, por serem alguns do tamanho de uma boa almadia, conchados por cima do lombo, com as bocas de mais de dous palmos, e tão soltos e atrevidos no cometer, segundo nos afirmaram os naturais da terra, que muitas vezes arremetiam a uma almadia quando não levava mais que três, quatro negros, e a soçobravam com o rabo, e um e um os comiam a todos, e sem os espedaçarem os enguliam inteiros.» Peregrinação, cap. 14

Esta relação directa e in locu com tais fenómenos e realidades só foi possível, contudo, devido ao progresso na aquisição e assimilação de conhecimentos geográficos e científicos, cuja concretização se ficou a dever, por seu lado, ao aperfeiçoamento dos instrumentos de orientação e de navegação, nomeadamente o astrolábio e a bússola. De salientar que os processos experimentais da época nada têm em comum com o método experimental da ciência moderna, porque no primeiro caso a experimentação consistia exclusivamente na recolha ocasional de dados, registados por pilotos e marinheiros nos seus diários de bordo. Segundo o polígrafo


António Sérgio, a única compilação de roteiros portugueses que guiava os nossos marinheiros nos mares orientais era o Grand Routier de la Mer, elaborado por Jan Huygen van Linschoten e publicado em 1595 e que reproduz doze roteiros e descrições de viagens realizadas por embarcações portuguesas entre a China e o Japão. Em Peregrinação estão presentes alguns indícios de navegação astronómica, com referências à determinação de latitudes, sendo estas deduzidas a partir da observação da altura meridiana do Sol e do conhecimento da sua declinação, através de sucessivas operações de adição e de subtracção. As características das águas sulcadas, as correntes e o regime dos ventos surgemnos na obra como conhecimentos decisivos para o sucesso das viagens empreendidas, bem como as monções sazonais que ditavam as datas de entrada e de saída dos portos e que deveriam ser escrupulosamente respeitadas, pois a desobediência a estas leis naturais poderia implicar a morte daqueles que a tal se aventurassem, como se comprovou na perda do galeão grande de Sepúlveda. Marca renascentista é o apego ao mundo concreto e às leis que o regem, pelo que conceitos abstractos, como os da distância e do tempo, são mensurados através do recurso a termos de comparação concretos e, regra geral, relacionados com o espírito bélico e com a religiosidade de então. Para medir ou calcular distâncias recorre-se frequentemente à medida do alcance das armas utilizadas na época e, para situar uma acção no tempo, não são referidas horas, pois o tempo era calculado pelo sol e pela lua e ainda pelas cerimónias ou actos de natureza religiosa que eram executados em momentos determinados do dia, tais como as missas e as preces. Belicismo e religiosidade andaram sempre de mãos dadas nos novos territórios e constituíam os fortes alicerces do espírito de cruzada então emergente. Era o combate exterminador contra os denominados «infiéis», os não cristãos a quem restavam apenas duas vias para a resolução do conflito: a luta pela defesa da sua integridade cultural e religiosa, dos valores segundo os quais se erigiam as suas sociedades, ou a submissão ao povo invasor que era sinónima de conversão ao cristianismo. Subjacente a este revivalismo do espírito de cruzada encontrava-se, por parte da Igreja romana, a premência de reafirmar o seu poder, não só espiritual mas também político e económico, no preciso momento em que este se encontrava fortemente ameaçado, e ainda a necessidade de suster a irrupção dos Turcos no Levante. O golpe fatal, responsável pelo enfraquecimento do poder papal, foi desferido pelos Humanistas, e o movimento desencadeado ficou registado na História sob a designação de Reforma. O seu foco de revolta, ateado


nos Países Baixos, cedo se alastrou a todos os países centro-europeus e a todos os sectores da sociedade. Os seus mentores foram Lutero e Calvino, que não hesitaram em erguer a sua voz contra a prepotência da Igreja Apostólica Romana. As indulgências e as bulas papais foram contestadas, com a justificação de desrespeitarem e corromperem o verdadeiro espírito cristão. Por toda a Europa central e setentrional ecoaram as palavras desses pensadores livres e as consciências despertavam e reagiam contra a Instituição Católica e a sua intromissão nos assuntos internos de cada Governo. Os povos da Europa, a norte e a leste de Itália, revalorizaram a sua hegemonia nacional e a sua independência, em detrimento das suas relações com instituições que lhes eram exteriores. O papa era um estrangeiro que se imiscuía na vida nacional de cada um desses povos e que, como tal, retirava autoridade aos seus legítimos governantes, que, numa atitude de desafio a Roma e por uma desmedida ambição de aumento do seu poder, se assumiram como governantes despóticos dos seus reinos. Deste modo, fortaleceram o seu poder político e, para reforçarem o seu poderio económico, confiscaram as riquezas da Igreja Católica, que assim se encontrou, inesperadamente, destituída de muitos dos seus bens: terras, alfaias, jóias, metais preciosos, etc. A Igreja Católica não se manteve, contudo, como espectadora impávida. Pelo contrário, organizou, no ano de 1545, o Concílio de Trento, conselho que assinalou o início da reforma da referida instituição, mas que cedo se mostrou de pouca eficácia para sarar as chagas recentemente abertas e que haviam abalado fortemente os seus débeis alicerces. Na Península Ibérica, a Contra-Reforma não encontrou as condições necessárias para vingar, embora tenha encontrado alguns adeptos, nomeadamente Damião de Góis, que teve amizade com Erasmo e Lutero, relações que motivaram a inamizade da Inquisição. Portugueses e Espanhóis permaneceram no obscurantismo na escolástica durante séculos infindáveis, pelo que aceitaram passivamente a instalação da Companhia de Jesus em Portugal em 1536, ano em que foram desencadeadas as perseguições a judeus e cristãos--novos. Confiscando todos os bens destes, a Companhia de Jesus pretendia recuperar as riquezas que haviam sido subtraídas dos cofres da sua Igreja pelo movimento protestante. Os tribunais do Santo-Ofício, pela pessoa dos seus algozes, que faziam das divergências religiosas um mero pretexto para mover perseguições ditadas pelos interesses mesquinhos e mais diversos, votariam ao ostracismo os maiores pensadores peninsulares, silenciando todos aqueles que proclamavam as novas ideias de teor filosófico e científico. A atitude crítica e experimental era condenada à fogueira, porque catalogada de heresia. Os ensinamentos recolhidos através da experiência dos Descobrimentos

26

definharam e foram arquivados em 1564, data da promulgação em


Portugal das decisões do Concílio de Trento, passando a Península Ibérica a encabeçar a vanguarda do catolicismo. O espírito da Companhia Jesuíta cruzou os mares e tentou estabelecer-se no Oriente, com o intuito de evangelizar os povos indígenas. Esta preocupação é personificada em Peregrinação pelo padre Francisco Xavier, um herói cómico a quem Fernão Mendes Pinto atribui alguns milagres, mais concretamente o do batel, o dos Achéns e o da incorruptibilidade do seu corpo após a morte. Rebecca Catz, estudiosa da obra deste autor, afirma1 que ao pretensamente mitificar o padre jesuíta, este é objecto de um processo delicado de satirização, na medida em que «cada um dos milagres tem um defeito». O defeito inerente ao milagre enunciado em primeiro lugar consiste numa contradição verificável ao longo da narração de um episódio de naufrágio, ocorrido na viagem deste padre ao Japão na companhia do autor. No decorrer desta os navegantes foram surpreendidos por uma violenta tempestade, em consequência da qual se perdeu uma das embarcações que foi posteriormente reavida quatro dias mais tarde sem que tivesse sofrido qualquer dano, humano ou material. O aparecimento desta embarcação foi atribuído à intervenção dos poderes divinos de S. Francisco Xavier, aquele que primeiro a avistou do chapitéu da nau em que se encontrava. Todavia, esse mesmo chapitéu tinha sido derrubado, juntamente com os castelos de vante, no segundo dia de dificuldades, como medida de precaução, pelo que seria inverosímil a ocorrência de tal cena no local mencionado.

No Capítulo CCVI é narrado o confronto beligerante entre portugueses e achéns no rio de Parles, de que os primeiros saíram vitoriosos. O êxito dos vencedores é atribuído ao jesuíta, que lhes teria incutido o espírito de cruzada e encorajado com veemência a empunhar as armas e a derramar o sangue dos apelidados de infiéis. Este episódio comporta uma crítica velada ao espírito pressupostamente cristão inerente à empresa dos Descobrimentos e ao estabelecimento dos Portugueses em terras do sol-nascente. Apregoando o amor e compreensão entre todos os homens, seu apelo e seu grito é de guerra e não de tréguas. A evangelização e as palavras de um Deus que se pretendia impor eram uma capa que visava ocultar a ambição e a desumanidade daqueles que se consideravam os senhores do Novo Mundo e se sentiam no direito de, a uma mesa, dividir em fatias o seu domínio sobre outros povos.


Espalhados por toda a parte, os missionários cooperaram com os Descobrimentos no estabelecimento dos portugueses em terras estranhas, tarefa não raras vezes dificultada ou impossibilitada pelas contradições entre as culturas em confronto. Este confronto é simbolizado nesta obra pelas disputas teológicas entre o padre Francisco Xavier e os bonzos do reino de Bungo. Mais do que discussões pessoais ou teológicas, era o confronto directo e imediato entre diferentes cosmovisões. O terceiro milagre atribuído a este padre é, como ficou já registado, o da incorruptibilidade do seu corpo, perecido a 2 de Dezembro de 1552 (?) na China. Três meses e cinco dias após ter sido enterrado, o corpo foi exumado para que fosse transladado para Malaca. O espanto foi geral, porque se mantinha intacto, sem qualquer sinal de decomposição. Transportado para Malaca, foi enterrado na ermida de Nossa Senhora do Outeiro um ano após o seu falecimento e ainda incorrupto. Sugerindo um milagre, a incorruptibilidade do corpo do padre canonizado deveu-se ao facto de ter sido preservado com cânfora e cal no momento da sua 2S morte, um procedimento, ao que tudo indica, corrente entre os missionários portugueses. Assim se gerou um mito! As críticas mais acérrimas contra a hipocrisia religiosa dos portugueses são colocadas, pelo narrador, nas bocas de uma criança e de um velho, respectivamente nos Capítulos LV e LXXVII. O primeiro, um rapaz de 12 ou 13 anos de idade, foi encontrado por António de Faria, um corsário temido ao longo de toda a costa asiática, no interior de uma embarcação chinesa de que os portugueses se apoderaram na ilha dos ladrões, onde tinham ancorado após uma tormenta e cujos tripulantes assassinaram, à excepção da criança. Constatando a perda do fruto de mais de trinta anos de trabalho de seu pai e a ausência de escrúpulos dos estrangeiros, o rapaz não hesitou em escarnecer dos afagos que António de Faria lhe dispensou nem em criticar a sua desumanidade e cinismo

«porque vos vi louvar a Deus despois de fartos com as mãos alevantadas e com os beiços untados, como homens que lhes parece que basta arreganhar os dentes ao céu sem satisfazer o que têm roubado; pois entendei que o Senhor da mão poderosa não nos obriga tanto a bulir com os beiços, quanto nos defende tomar o alheio, quanto mais roubar e matar, que são dous pecados tão graves quanto despois de mortos no rigoroso castigo de sua divina justiça.» Peregrinação, cap. 55


O discurso desta criança confirma o carácter contraditório dos portugueses, cujos actos contradizem as suas palavras. O rapaz simboliza a inocência e a pureza de uma alma limpa de preconceitos e de corrupção que, por nada temer, condena a hipocrisia dos ladrões vestidos de comerciantes. A sua introdução na narrativa é de um artifício que reforça a atitude crítica do narrador em relação aos actos bárbaros executados pelos seus compatriotas e, não esqueçamos, por ele próprio. Segundo inferências de Donald Fergusson perfilhadas por Aquilino Ribeiro em Portugueses das Sete Partidas, António de Faria não terá sido mais do que um mero travesti do próprio Fernão Mendes Pinto, a sua «máscara de pirata». Posteriormente, aquando do assalto a uma ermida na ilha de Calemplui, o corsário português ousa saquear os túmulos sagrados dos imperadores da China e é a voz de um velho ermitão a condenar a sua cobiça desmesurada e o seu falso ideal de pregação. Hiticou, o velho ermitão, de aspecto nobre e com mais de cem anos de vida, representa a sabedoria e o bom senso daqueles que, abdicando dos bens materiais e desprazeres mundanos, enveredaram pela via do misticismo com o objectivo de aperfeiçoarem a sua alma. O ancião critica o espírito de cruzada que pretende impor o cristianismo pelo recurso à violência, que apregoa o bem e derrama o sangue inocente e que, mais do que ganhar almas, se mostra empenhado em cobiçar o alheio sem manifestar qualquer preocupação quanto aos meios empreendidos para que os fins almejados se tornem numa realidade palpável. Essa mesma cobiça, aliada à sede insaciável e instituída pelo lucro, foi, aliás, uma das causas da posterior decadência dos poderes político e económico de Portugal no Oriente e também do terminar de um sonho imperialista de que viria acordar na penúria. Visando o usufruto fácil e imediato, todos os meios eram legítimos e recorrentes, de tal forma que a capacidade máxima de carga das embarcações era desmedidamente ultrapassada e os naufrágios se tornaram uma ocorrência banal naquelas paragens. Os registos existentes sobre naufrágios adquiriram uma natureza moralizante, pois permitiam atribuir a responsabilidade por tais ocorrências à divina providência, que, deste modo, assumia o papel de castigadora dos pecados cometidos: a ambição, a incompetência dos marinheiros, as tempestades e outros fenómenos, etc. Em Portugal, e só entre os séculos XVI e XVII, foram publicados cerca de vinte relatos de naufrágios, de causas bastante semelhantes. O denominador comum desta situação é o desespero daqueles que sentem aproximar-se, a passadas largas, o princípio do fim de um império idealizado e de uma ilusão religiosa e nacionalista, por oposição à cega


exaltação de grandes feitos em terras estranhas e longínquas, cujos efeitos desastrosos são escamoteados e falseados nas crónicas oficiais. Outra fonte de naufrágios eram os ataques frequentes de corsários e de piratas. A nossa História tende a responsabilizar por tais actos as coroas espanhola e inglesa, olvidando-se, de forma oportuna mas incorrecta e pouco convincente, de que os próprios portugueses, ou pelo menos alguns deles, também se dedicaram ao corso e à pilhagem de embarcações estrangeiras. Pretendendo desviar o tráfico das especiarias para a Rota do Cabo, o corso assume um carácter institucional de actividade outorgada pelo poder soberano. A subtracção aos indígenas dos seus bens era uma actividade lícita, porém, enquanto Afonso de Albuquerque foi vice-rei da índia, a pirataria e interferência no movimento dos portos locais não era autorizada. Com a substituição deste por Lopo Soares, o acesso a todos os portos foi franqueado a todos os mercadores portugueses, sem que qualquer critério prévio tivesse sido estipulado, assim se anarquizando as relações comerciais na região. Outros, os pseudomercadores, aqueles da «nação barbada daqueles que por seu proveito e interesse espiam a terra como mercadores e despois a salteiam como ladrões» (Peregrinação, cap. 41), optam pelo banditismo dos mares e roubam e mercam sem escrúpulos, fora da alçada da justiça. Este é o retrato sumário de António de Faria, comparado, no capítulo 51 ao demónio. Poucos hesitam em atribuir a António de Faria poderes maléficos, sendo ele mesmo a incarnação das forças do Mal, permanentemente acompanhado por símbolos de violência e de natureza satânica que se revestem de uma crueldade exasperante no capítulo 59, no qual ocorre a morte de Coja Acém, provocada por uma cutilada fatal na cabeça, vibrada pelo corsário português, e, no capítulo seguinte, no decorrer do qual António de Faria ateou fogo a um hospital sito na ilha e onde alguns marinheiros doentes do Turco se recuperavam de anteriores combates, justificando esta atrocidade perpretada sobre gente enferma e indefesa no momento com o facto de eles pertencerem à seita pagã, acusada de genocídio de um avultado número de cristãos. Era a parcialidade que obscurecia os actos cruéis cometidos pelo corsário e seus seguidores. Tais crimes não ficariam, contudo, impunes. Ao inverso da situação presente em Os Lusíadas, os nautas lusos de Peregrinação não foram abençoados com a ínsula Divina nem mereceram os favores dos deuses. A estes coube a ilha dos Ladrões e a inclemência de um Deus que provoca tempestades e não atende às suas súplicas desesperadas. Prova do que foi dito é o capítulo 79, no qual umaforte tormenta se abate sobre a embarcação capitaneada por António de Faria, que evoca Deus e suplica a clemência divina, acompanhado pelos brados e gemidos


das preces da sua tripulação, mas sem qualquer efeito prático. O saldo desta tempestade foi o naufrágio e o afogamento de dezoito cristãos e de sete marinheiros chineses e o desaparecimento brusco de António de Faria. N' Os Lusíadas, no seu canto sexto, é representado um epsisódio de tempestade. Contudo, a súplica de Vasco da Gama à Divina Guarda é imediatamente atendida, e os ventos amainam e o mar amansa. O Bem vencia o Mal, mas não por absoluto. Em plena Revolução Comercial, o individualismo perdera qualquer comedimento e sentido de humildade e adoptara as formas de presunção e de egoísmo. Os homens vangloriavam-se de uma forma fastidiosa e exagerada de todos os seus actos, numa atitude de auto-afirmação. A imoralidade tornara-se banal, com particular incidência nas classes sociais mais poderosas. A vingança e a luta desenfreada pela ascensão social eram triviais, tanto como o era a corrupção política. Com os homens que então cruzaram os mares e novos continentes viajavam tais valores que, deste modo, foram transplantados e germinaram nos novos territórios. Pêro de Faria, governador de Malaca, representa o poder português no Oriente, poder esse que não hesita em colocar os seus interesses económicos, senão pessoais, acima de quaisquer outros. Estes eram os interesses subjacentes aos tratados e acordos políticos, económicos ou de vassalagem, no verdadeiro sentido do termo, estabelecidos com os governantes indígenas. A relação estabelecida entre estes e Pêro de Faria era uma relação, em todos os seus aspectos, com reminiscências do sistema feudal europeu da Idade Média e que os portugueses enxertaram no Oriente em pleno Renascimento. Esses acordos estipulavam o auxílio que o governador português deveria prestar aos governantes indígenas que contra ele não erguessem suas armas e lhe franqueassem os portos comerciais, permitindo-lhes ainda, e em troca, a livre mercancia no porto de Malaca, embora pagando pesados impostos sobre o produto do seu comércio. Vários tratados foram quebrados pelos sucessivos governadores portugueses na índia, de forma arbitrária e unilateral sempre que o usufruto desse acordo não correspondia às expectativas criadas ou implicava dispêndios materiais ou humanos sem qualquer contrapartida. Enquadram-se neste contexto os episódios dos reis Aarú e Bata, a quem o governador nega os auxílios antes prometidos. Tendo assegurado verbalmente ao embaixador do primeiro o envio de um carregamento de armas, do qual dependia a segurança do reino Aarú, ameaçado pelos Achem, este jamais chegou ao seu destino, porque nunca foi enviado. A avareza e o egocentrismo dos portugueses foram, consequentemente, as causas fundamentais da derrota e morte do rei, vítima incondicional da confiança cega que depositara no acordo que firmara anos antes com Afonso de Albuquerque e quebrado por Pêro de


Faria. Revoltada com a atitude deste último, a rainha viúva dirigiu-se sem demora a Malaca, onde tentou mover as autoridades portuguesas a prestarem-lhe o auxílio indispensável para que pudesse reaver o seu reino ocupado e perdido. Nem as suas preces, nem a sua feminilidade nem a sua condição provocaram qualquer efeito naqueles que a escutavam, mas que lhe não deram qualquer resposta. A decisão esperada foi sendo sucessivamente adiada até ao momento em que ela, perdidas todas as esperanças e desiludida, partiu daquele território e se refugiou no reino de Jantana, com cujo rei contrairia segundas núpcias, a troco da promessa de lhe restituir o perdido reino de Aarú. Os reis antes mencionados e o Chaubainhá de Martavão não pouparam, com as suas palavras contundentes, os estrangeiros que os haviam traído. Derrotado, o último entregou-se ao rei de Brama e, à saída da cidade que fora sua, e deparando com um grupo de portugueses, não quis passar diante destes e «disse com as lágrimas nos olhos aos de que ia cercado: — Verdadeiramente vos afirmo irmãos e amigos meus, que por menos dor e afronta tenho fazer de mim este sacrifício de ver diante de meus olhos gente tão ingrata, e tão má como esta! Ou me matem aqui, ou os tirem dali, porque não hei-de passar mais adiante». Uma vez mais, o auxílio juramentado não chegara, e outro acordo fora rasgado, como o admite o narrador ao afirmar que «quiçá que lhe não faltou razão». (Peregrinação, cap. 150) Tornando-se indiferente aos perigos enfrentados pelos seus vassalos e desrespeitando a palavra de honra, os portugueses ganham o desfavor dos seus súbditos e, por extensão, o seu poder na região é progressivamente corroído e ameaçado. Assim se teceu a teia que mais tarde capturaria os seus próprios tecedores. Os portugueses criaram as condições «ideais» para o ataque da armada turca ao porto de Malaca, prevista por Fernão Mendes Pinto. A ameaça mais grave ao poderio português na índia traduziu-se no combate travado no rio Parles com os Achem. Tudo isto, porque os portugueses, mergulhados no seu forte etnocentrismo, subestimaram as forças dos povos asiáticos e os seus valores civilizacionais, bem como a sua capacidade de reacção. Os portugueses, tal como os outros povos descobridores e colonizadores, visavam, secundariamente, a europeização do mundo, ou seja, a transferência dos costumes e da cultura europeus para os novos continentes. Como resultado da acção de comerciantes, missionários e colonos, as Américas do Norte e do Sul assumiram rapidamente a feição de apêndices do Velho Continente, e a escravatura foi reinstituída. A Oriente, porém, não houve mais que uma breve transformação, e a escravidão não vingou. Actos bárbaros foram, no entanto, exercidos sobre os povos indígenas pelos europeus que desembarcaram nas novas terras crentes, no


preconceito de que todos os outros povos lhes eram inferiores. De acordo com este preconceito, muitas culturas milenares foram destruídas ou abaladas nos seus fundamentos. Em Peregrinação, os portugueses vêem-se frequentemente confrontados com novas culturas. Descrevendo as diferentes etnias, o sujeito de enunciação assume para com elas uma atitude de simpatia e busca a objectividade, demonstrando, deste modo, uma ampla abertura de espírito, sem formular juízos. Esta sua atitude permite integrá-lo na grande família humanista e considerá-lo um longínquo percursor de Jean--Jacques Rousseau, mentor da Revolução Francesa, juntamente com Voltaire e Montesquieu. Rousseau é universalmente reconhecido como o pai do mito do «bom selvagem», segundo o qual o homem é naturalmente bom, mas vulnerável ao poder corruptivo da sociedade, da qual deverá afastar-se quanto possível. Este mito, estilizado pelo filósofo francês, não surgiu do nada, é antes a compilação de reflexões alheias sobre uma matéria de há muito objecto de grande atenção, a que ele deu o seu próprio contributo enriquecedor. De facto, já desde o Renascimento grandes nomes das Letras vinham elaborando descrições que se pretendiam objectivas e imparciais dos povos contactados e trazidos ao conhecimento de todos. Fernão Mendes Pinto faz ressaltar, na sua obra, a natureza ingénua e generosa dos povos exteriores à dita civilização europeia, bem como o carácter degenerativo desta em relação aos primeiros, introduzindo na narrativa o episódio do acidente sofrido pelo príncipe de Bungo. Relata este episódio as condições em que ocorreu o acidente sofrido pelo jovem antes mencionado com uma espingarda, apresentada àquela comunidade japonesa pelo sujeito de enunciação, numa das suas quatro viagens àquela região. Seduzido pelo desconhecido e curioso quanto aos seus efeitos, o príncipe decidiu experimentá-la, sem que para tal tivesse aprendido o seu manejo, num gesto de impaciência pelo qual foi punido com a quase perda de um polegar. Metonimicamente, através da introdução desta espingarda, que imediatamente causa danos gravosos, os portugueses haviam introduzido a arma de fogo nas terras nipónicas, chamando a si a responsabilidade pelo recrudescimento da natureza mortífera das lutas locais. O carácter sanguinolento dos portugueses é alvo das atenções dos tártaros, com os quais se estabelece um relacionamento empático, quando os primeiros foram por estes capturados no norte da nação Chim. Para conseguirem recuperar a liberdade, os nossos tiveram de lutar nas fileiras dos seus sequestradores contra os chineses, de natureza mais pacífica. O desempenho dos guerreiros portugueses foi exaltado e enaltecido pelo rei tártaro que lhes reconheceu coragem e valentia, mas duvidou das suas intenções e criticou a violência dos colonizadores,


como comprovam as suas palavras: «conquistar esta gente terra tão alongada da sua pátria, dá claramente a entender que deve de haver entre eles muita cobiça e pouca justiça», cujo sentido foi completado pelo discurso de um velho de nome Raja Benão «homem que por indústria e engenho voam por cima das águas todas, por aquirirem o que Deus lhes não deu, ou a pobreza neles é tanta que de todo lhes faz esquecer a sua pátria, ou a vaidade, e a cegueira que lhes causa a sua cobiça é tamanha que por ela negam a Deus, e a seus pais.» (Peregrinação, cap. 122). O sintoma de cobiça diagnosticado pelos tártaros nos portugueses conduzira já estes ao assalto à ilha de Calemplui e ao saque dos templos sagrados ali erigidos. Roubar os tesouros dos antigos imperadores da China, deitar as suas ossadas por terra e sobre elas cuspir, são actos de profanação do sagrado e de violação das crenças de todo um povo, cuja cultura é atacada pelo que nela é um valor profundo e tornado num objecto de escárnio. Absolutamente simbólico, este episódio representa o espírito imperialista das «gentes estrangeiras do cabo do mundo com barbas compridas, e corpos de ferro» (Peregrinação, cap. 78). A corrupção moral dos marinheiros estrangeiros naquelas terras de Levante atingiu proporções extremas no episódio da noiva, no qual o comportamento dos aventureiros portugueses raiou a ruptura absoluta com os valores morais e éticos universalmente aceites e tidos como invioláveis. Estando ancorados junto ao morro de Tilaumera e vendo surgir quatro embarcações decoradas de modo festivo, porque acompanhavam uma noiva indígena para a aldeia de Panduré, onde deveria decorrer a cerimónia matrimonial, os portugueses, surtos naquele porto, não hesitaram em ludibriar aquela gente. Atraindo a jovem, filha de Anchaci de Colem, ao junco daqueles, esta foi raptada, bem como os seus irmãos, que a tinham acompanhado a bordo. Os restantes elementos da comitiva nupcial tiveram sortes diversas, tendo fugido uns, e outros sido abandonados na praia após o abalroamento deliberado das suas embarcações. Içando a âncora, os raptores abandonaram aquele porto para mais adiante se cruzarem com a embarcação que transportava o noivo prometido à jovem sequestrada. Assim se atinge o clímace tragicómico da situação que acentua o cinismo dos nossos marinheiros, que correspondem à saudação que lhes enviou a outra embarcação. E a violação de todas as leis do amor e da união às quais se contrapõem as leis da guerra e da força alicerçadas no desrespeito pela integridade alheia. Uma segunda situação de rapto ocorre no capítulo 65, que termina com o sequestro de raparigas indígenas na cidade de Nouday. Embarcando atadas e de olhares lacrimejantes, destoavam em absoluto dos risos e dos cânticos entoa-


dos pelos seus raptores. A beleza e a ingenuidade naturais tinham, uma vez mais, sido violentadas pelo braço conquistador. Contrastando com estas atitudes desdenhosas e profundamente etnocentristas face às culturas indígenas, os portugueses agiram em conformidade com os costumes e rituais por eles mesmos considerados indignos da espécie humana. É o caso da antropofagia, acto cometido apôs uma revolta popular ocorrida no reino de Demá, cujo rei morrera anteriormente e do qual os portugueses se sentiram na necessidade de fugir, recorrendo para tal efeito a uma jangada bastante rudimentar roubada a um grupo de chineses, vencidos pela força desigual das armas empunhadas pelos portugueses. O narrador, participante neste acto de selvajaria, expressa uma cumplicidade concomitante com tal barbaridade ao afirmar, de forma peremptória, que «parece que em parte nos desculpa ser a necessidade tamanha que nos forçou a fazer tamanho desatino», depois de ter confessado que «sobre quatro pedaços de pau atados com duas cordas nos matámos todos uns aos outros, como se fôramos inimigos mortais ou outra cousa ainda pior» (Peregrinação, cap. 179). Com aquelas palavras, o narrador admite ter agido de acordo com os" seus instintos mais profundos, os desencadeados pela luta pela sobrevivência sem olhar aos meios empregados para continuar vivo. O homem despe-se da sua racionalidade intrínseca para deixar extravasar as intuições que mais o aproximam da irracionalidade animal e da sua ancestralidade, regressando a uma condição sub-humana. Privados de alimentos e famintos, os navegantes-vagabundos, perdidos em águas estranhas e perigosas, saciaram a sua fome com a carne de um cafre que morrera de fome e, deste modo, lhes prolongou a esperança de vida em mais cinco dias. O homem assumia a sua animalidade e descia aos infernos do canibalismo. Os valores mais sublimados, como os da vida e os do respeito pela morte, perderam a sua pertinência perante o pânico da antevisão da própria morte. Quatro outros homens faleceram durante a travessia, porém sorte diversa lhes estava reservada, a de que os seus cadáveres se manterem intocáveis, pelo simples facto de estes serem portugueses e, por extensão, cristãos. Preferiram os sobreviventes arriscar a vida enganando os estômagos com as algas que boiavam à superfície. Esta era a manifestação mais concreta do espírito controverso das cruzadas e do movimento de irradiação do cristianismo junto dos povos pagãos. Como converter essas gentes a uma religião personificada por aqueles que as consideravam carne para saciar a sua fome e apregoavam e puniam os ritos canibalísticos? Demasiados paradoxos aliados a uma missão de índole tão elevada! Embora tendo participado em assaltos, saques e raptos, de cuja responsabilidade não ousa demitir-se, o sujeito de enunciação confessa, por outro lado, o fascínio que sobre ele exerceu


a civilização chinesa, objecto de pormenorizadas descrições e comentários. Referindo-se à capital desse vasto e longínquo império, declara, com incontida admiração e tendo como termo de comparação as principais cidades europeias e outras orientais, que «todas estas se não podem comparar com a mais pequena cousa deste grande Pequim, quanto mais com toda a grandeza e sumptuosidade que tem em todas as suas cousas, como são: soberbos edifícios, infinita riqueza, sobejíssima fartura e abastança de todas as cousas necessárias, gente, trato e embarcações sem conto, justiça, governo, corte pacífica» (Peregrinação, cap. 107). Pequim era o centro da sua utopia, conceito abstracto para Tomás Moras, terra quimérica alcançada por Fernão Mendes Pinto na sua longa peregrinação por terras do sol-nascente. Tal foi o impacte gratificante suscitado pela assimilação dos valores culturais ali vigentes e imediatamente objecto da sua veneração incondicional, que o sujeito de enunciação não resistiu à necessidade interior de trazer ao conhecimento público as maravilhas que o haviam encantado, repartindo com ele a sua experiência. Assume o estatuto de interlocutor entre duas civilizações, a da sua origem ou Pátria e aquela que seu olhar desvenda pela primeira vez e a cujo fascínio sucumbe, a sua Mátria. Fernão Mendes Pinto transmite-nos, neste sentido, a história do povo chinês, recuando até às suas origens remotas"e reconstituída através da audição de algumas das crónicas dos reis da China, num total de oitenta. Outros portugueses não partilhavam, por seu lado, de tal visão despreconceituada, o que lhes causou graves dissabores, de entre os quais se salienta a punição que sobre eles foi exercida pelas autoridades chinesas, que os ataram de pés e de mãos e os mandaram açoitar em público, como retaliação por terem zombado do mito de Quiay Xingatolor e de Apancapatur. Por contraste, Fernão Mendes Pinto absteve-se de emitir juízos, preferindo assimilar conhecimentos e acumular experiências e, em coerência com esta sua preocupação, o narrador aceita os nativos tal como estes se lhes apresentam, sem qualquer paternalismo ou esboço de superioridade. Imbuído deste espírito, descreve novas terras; novas gentes, Achéns, Batas, Chineses, Gigauhos, Tártaros, etc.; diferentes costumes e culturas, sem jamais as depreciar, numa pose de verdadeiro humanista que faz das suas atitudes o baluarte de uma nova concepção do Homem e do Universo, liberta de dogmatismos e alicerçada na natureza do Indivíduo.


A Peregrinação é um documento de indesmentível valor sobre uma época tão esplendorosa como controversa. Representa o reverso da medalha do empreendimento das Descobertas e, a nível literário, dos valores manifestamente exaltados em Os Lusíadas. Do contraste patente entre realidades diversas e paradoxais, resulta a crítica destemida a uma política oficial que se esforça por olvidar e escamotear a «vã cobiça» que norteou a acção portuguesa na época quinhentista. Pela sua natureza antidogmática e desmitificadora, a Peregrinação foi o alvo preferido de desmentidos e chorrilhos trocistas e nem o nome do seu autor foi deixado impune, tendo-se generalizado o trocadilho: Fernão, mentes? Minto!

Consciente do seu trabalho e dos efeitos que este poderia despoletar no marasmo da ignorância inquisidora reinante na Metrópole, Fernão Mendes Pinto argumentou em sua própria defesa, face aos ataques dos mais incrédulos, retorquindo, a propósito de uma das suas grandiosas descrições, que «é muito para se arrecear contá-lo, ao menos a gente que viu pouco do mundo, porque esta, como viu pouco, também costuma a dar pouco crédito ao muito que outros viram» (Peregrinação, cap. 14).

(Microsoft Word - Peregrina\347\343o - conte\372do ideol\363gico)  

Conteúdo Ideológico Da Obra Conteúdo Ideológico Da Obra Conteúdo Ideológico Da Obra Conteúdo Ideológico Da Obra

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you